ÉTICA NO CUIDAR EM ENFERMAGEM: UMA PROPOSTA A SER CONSTRUÍDA NA GRADUAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÉTICA NO CUIDAR EM ENFERMAGEM: UMA PROPOSTA A SER CONSTRUÍDA NA GRADUAÇÃO"

Transcrição

1 ÉTICA NO CUIDAR EM ENFERMAGEM: UMA PROPOSTA A SER CONSTRUÍDA NA GRADUAÇÃO Chirlaine Cristine Gonçalves 1 Celênia Souto Macêdo 2 Isabella Maria Filgueira Guedes Piancó 3 Isabella Barros Almeida 4 Francisco Assis Dantas Neto 5 O cuidado vem se tornando, mais particularmente nas últimas décadas, um tema de destaque na Enfermagem e fora dela, o que evidencia a valorização desta prática no processo individual e coletivo da vida humana. O cuidar é visto como o conjunto de atividades e decisões direcionadas ao indivíduo, à família, ao grupo ou comunidade, tanto em situação de saúde quanto de doença, e se constitui em uma necessidade e recurso do ser humano. A autora enfatiza a dimensão integral do cuidar, através da manutenção e promoção da condição humana de viver, considerando a Enfermagem como a ciência e a arte de cultivar a vida através do cuidado, na busca de transformá-la. Visto que as primeiras relações referentes ao cuidado sejam vividas ainda enquanto acadêmico, buscou-se identificar o significado deste para os alunos concluintes da graduação do curso de Enfermagem, bem como detectar de que maneira e com qual importância o referido tema tem sido abordado. Para isso, foi aplicado um questionário semi-estruturado com questões abertas e fechadas, a 30 alunos do 5º ano/1 do curso de Enfermagem da Universidade Estadual da Paraíba. As respostas foram analisadas, tendo seus resultados quantitativos expostos em tabelas e gráficos e os qualitativos em discursos. Os resultados demonstraram que os pesquisados compreendem o cuidado como a essência da Enfermagem, uma assistência holística e humanizada. Entretanto, o cuidado não tem sido abordado de forma adequada e suficiente no curso de Enfermagem. O cuidado enquanto ideal moral da Enfermagem, não pode deixar de ser abordado nas instituições formadoras de profissionais de Enfermagem, torna-se necessário que 1 Enfermeira, doutoranda em ciência e tecnologia, mestre em saúde coletiva. Professora da FCM, coordenadora do CEP/CESED. 2 Pedagoga, mestre em ciências sociais, 3 Estudante de enfermagem do quarto período da FCM. 4 Estudante do quarto período do curso de enfermagem da FCM. 5 Estudante de enfermagem do terceiro período da FCM,

2 haja uma preocupação maior com o tema já citado, e que este seja abordado de maneira suficiente na graduação do curso já citado. Palavras Chaves: Enfermagem, Cuidado, Graduação em Enfermagem INTRODUÇÃO As discussões sobre a essência da Enfermagem vêm tomando vulto nos últimos anos, e vários estudos e eventos têm sido realizados, focalizando as especificidades do cuidado nesta área. Observa-se que o curso em questão começa a sentir a necessidade de mudança no que concerne à ação de cuidar em sua prática, procurando resgatar o sentido humano, unindo a técnica ao aspecto subjetivo, singular do cliente, como também estimulando-o em sua contribuição no cuidado. A Enfermagem passa atualmente por uma fase revolucionária, buscando discutir e questionar o seu conhecimento 1. As influências político-sociais e econômicas, a própria história de Enfermagem e das práticas de cuidar e a sua inter-relação com a categoria gênero são atualmente o foco de discussões. Durante o encontro enfermeiro-cliente, este deve ser visto como um todo para que o profissional possa atender satisfatoriamente a suas necessidades físicas, emocionais e sociais e seja estabelecido o compromisso com o bem-estar do cliente, o que é diferente do compromisso apenas com a cura. Cuidar é uma forma de criar; é uma possibilidade de intervir e transformar as situações. Para transformar, na situação de cuidado, faz-se necessário a presença do ser enfermeiro(a) aluno(a). Estar com o cliente é presentificar-se, modelando os movimentos que vão configurar a corporificação do cuidado os movimentos que farão o cuidado se tornar existência 2. O cuidado é tido como ideal moral da Enfermagem, cuja finalidade é proteção, crescimento e preservação da dignidade humana 3. O cuidado envolve valores, vontade e comprometimento em cuidar, conhecimento, ações e conseqüências do cuidado. Todo cuidado humano está relacionado a respostas humanas intersubjetivas às condições da saúde-doença: conhecimento da interação pessoal-ambiental de saúde-doença, conhecimento do processo de cuidar da enfermeira, autoconhecimento e conhecimento de suas potencialidades e limitações.

3 Nessa perspectiva, o cuidar como essência da profissão de Enfermagem passou, nas últimas décadas, a ser valorizado e pesquisado. O enfermeiro tem procurado se voltar mais para o ser humano no seu contexto biopsicossocial, cultural e espiritual, na busca de considerá-lo como um indivíduo que se encontra em crescimento, num constante processo de vir a ser. Observa-se, atualmente, que uma pequena parcela dos educadores na área de Enfermagem tem se preocupado com o aprimoramento dos métodos didáticos para a obtenção de um melhor desempenho do aluno. Para o alcance dessa meta, os estudantes requerem auxílio especial em seus processos de formação, especificamente por apresentarem deficiências acadêmicas oriundas de formação secundária, ou do próprio indivíduo 4. A forma como a prática é desenvolvida, ainda com ênfase na doença e na cura, e as ações desempenhadas pela Enfermagem, ocupando a maior parte de seu tempo com procedimentos terapêuticos e com instrumentos de alta tecnologia, afastam cada vez mais o ser que cuida do ser que é cuidado 5. Esta tem sido uma das constantes preocupações por parte de enfermeiras do Primeiro Mundo, que buscam resgatar o cuidar/cuidado na sua dimensão integral, através de aspectos tais como o toque, propiciando uma relação mais próxima e afetiva. Percebe-se também que o enfermeiro, na sua condição de ser que cuida, precisa interagir mais com o ser que é cuidado, buscando propiciar uma atenção mais humanizada a partir das reais necessidades do cliente. Muitas vezes, envolvido pelas inúmeras atividades de seu cotidiano, esse profissional se distancia do cliente, até mesmo sem perceber. Durante o curso de graduação em Enfermagem, é ministrada ao acadêmico uma série de informações teóricas sobre o encontro enfermeiro-cliente para o cuidado, as quais devem ser adicionadas à sua formação profissional, porém não lhe é transmitido o grau desse envolvimento. A grande maioria dos alunos têm dificuldade de chegar até o cliente. Daí a sensação de que o artista se amedronta diante da possibilidade de um contato com os elementos transformadores de sua imagem idealizada 2. Essas observações refletem as idéias em evidência na atualidade, no que diz respeito à necessidade de se conhecer o ser humano na sua totalidade, com sua subjetividade, incluindo a dimensão ética em seu comportamento pessoal, profissional e social. Tem-se observado que os profissionais, de uma forma geral, principalmente os da área de saúde, e em especial os enfermeiros, vêm procurando, voltar-se para o estudo do ser humano, enquanto ser em um mundo

4 de relações; a Universidade entra nesse contexto, como algo de fundamental importância, pois cabe a ela capacitar o futuro profissional da saúde. O questionamento sobre o significado do cuidado para alunos da graduação de Enfermagem é algo que vem sendo estudado na atualidade. Alguns clientes tendem a desenvolver um alto nível de carência afetiva e emocional, decorrente de seu afastamento familiar, de seu contato com as pessoas estranhas e até mesmo pelo seu estado patológico 6. Essa carência pode ser suplantada através de seu relacionamento com o enfermeiro. Este, porém, por se encontrar muitas vezes envolvido por tarefas administrativas, limita suas ações assistenciais. O acadêmico, por ter suas ações predominantemente direcionadas ao ato de cuidar, possui maior oportunidade para esse relacionamento. Torna-se necessário que a Universidade, enquanto instituição de ensino e formação profissional, possa incutir no acadêmico, durante todo o curso, a importância do cuidar dentro da Enfermagem, visto que é nela que o futuro profissional tem o seu primeiro contato com o cliente e é nesse momento que realiza suas primeiras ações relacionadas ao cuidar, para que o aluno consiga manter com seus clientes uma relação verdadeiramente de ajuda na satisfação das necessidades, destes últimos de forma harmoniosa e benéfica para ambos. Ao buscar compreender o significado do cuidado para os alunos concluintes de Enfermagem e qual a importância que a graduação de Enfermagem tem dado ao cuidado, esta pesquisa foi norteada a partir dos seguintes questionamentos: Qual a concepção do cuidado para os alunos concluintes de Enfermagem? De que maneira e com qual importância o cuidar tem sido abordado no ensino de graduação do curso em questão? O estudo foi fundamentado em nossas observações e em estudos e experiências já publicadas. Esse trabalho teve como objetivos identificar o significado do cuidado para os alunos da graduação do curso de enfermagem e detectar de que maneira e com qual importância a universidade tem abordado o cuidar na enfermagem. CAMINHO METODOLÓGICO A pesquisa foi descritiva, com método de abordagem quantiqualitativo. A investigação teve como cenário a Universidade Estadual da Paraíba, que foi escolhida como espaço da pesquisa por ser o único local no município de Campina Grande a capacitar, em nível superior, profissionais no curso de Enfermagem.

5 O estudo foi direcionado ao 5º Ano/1 do curso de Enfermagem. A escolha dessa população deu-se em virtude dos alunos serem concluintes e, portanto, terem cursado quase a totalidade dos componentes curriculares do projeto pedagógico implantado na UEPB em Assim, a população do estudo foi constituída por 31 alunos, porém a amostra estudada foi composta por 30, o que corresponde a 96,7% da população, visto que um dos concluintes é a pesquisadora e, para se evitar tendenciosidade, a mesma não respondeu ao questionário. É oportuno salientar que o projeto da pesquisa foi encaminhado ao Comitê de Ética em Pesquisa da UEPB, para apreciação e autorização do seu desenvolvimento na referida instituição. Com o parecer favorável do Comitê, a pesquisadora dirigiu-se à turma concluinte, a fim de explicitar sua proposta de estudo, destacando a metodologia a ser utilizada na pesquisa. Vale ressaltar que o posicionamento ético da pesquisadora, com relação ao desenvolvimento da pesquisa, foi norteado a partir das diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos, estabelecidas na resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, em vigor no país 7. Os resultados foram analisados quantiqualitativamente, apresentando os dados quantitativos em gráficos e tabelas, e os dados qualitativos em discursos. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Caracterização da Amostra Estudada A população estudada foi predominantemente constituída de mulheres, concentrando-se 81,4% na faixa etária de 21 a 25 anos, sendo, destas, 77,7% solteiras. A prática profissional de Enfermagem é constituída quase exclusivamente por mulheres, o que foi confirmado na pesquisa 8. Nota-se, atualmente, que os novos profissionais da Enfermagem formados pela Universidade Estadual da Paraíba, em sua maioria, são jovens, o que pode vir a ser um elemento que dificulte a prestação do cuidado, visto que este necessita, também, de experiências prévias pessoais do futuro enfermeiro que possibilitem uma compreensão dos fenômenos relativos à vida e, mais particularmente, aos processos de doença e morte. Mapeamento do Cuidado na Graduação Ao questionarmos qual a importância que a graduação do referido curso, têm dado à preparação do aluno para o cuidado, observou-se que 66,6% dos pesquisados acham que a graduação tem dado pouca ênfase a este.

6 Se nos referimos ao cuidado do ser humano em todos os seus aspectos biopsicossocial, além do espiritual, o curso dá apenas uma maior ênfase ao cuidado físico. (Aluno 5) Os alunos que apresentam, em seus discursos, uma visão mecanicista do cuidado (20% da amostra), referem que a graduação tem dado total importância ao mesmo. Para 13,4%da amostra, a graduação não tem dado nenhuma importância ao cuidado, O berço do cuidado em Enfermagem encontra-se na graduação, visto que é nesse momento que o futuro profissional mantém seu primeiro contato com o cliente. Essa interação é um espaço no qual o aluno começa a estabelecer aproximações com a Enfermagem e com o cuidar, ao vivenciar experiências de cuidado com os clientes durante os estágios, tendo como modelo a professora, que, de acordo com o seu envolvimento e comportamentos de cuidado no cotidiano do ensino, vai influenciar a visão da Enfermagem e de cuidado para os alunos, contribuindo para que eles construam as suas próprias visões do cuidar/cuidado 9. Observa-se que a preocupação do curso de graduação relacionado ao cuidado ainda é limitada a formar o profissional técnico, o que gera uma deficiência no desempenho profissional, pois deveria haver uma preocupação maior com a preparação no que está relacionado ao cuidar/cuidado. A graduação importa-se com o preparo do aluno para o cuidado de uma forma muito precária; os conteúdos são transmitidos visando apenas técnicas perfeitas e o cuidado, que vai além disso, passa a uma posição secundária. (Aluno 20) Ao serem questionados em quais componentes da graduação o cuidado foi abordado, 70% da amostra indicaram Enfermagem em Saúde Mental e Humanização da Assistência (ministradas pela mesma docente), sendo a última eletiva, e que, portanto, nem todos os alunos cursam, o que geraria, a partir da ênfase a ela dada pelos participantes da pesquisa, um déficit maior na abordagem do cuidado. Ainda relacionado aos componentes em que o cuidado foi abordado, 30% dos alunos acrescentaram, além dos componentes já citados, Exercício da Enfermagem, Enfermagem em Clínica Cirúrgica e Enfermagem em Saúde da Mulher.

7 Desde a década de 1950, Madeleine Leininger considera o cuidado como a essência da Enfermagem e como o seu foco distinto, dominante, central e unificador 10. Logo, é indispensável que o cuidado seja abordado em todos os componentes da graduação, pois, no momento em que o especificamos como um componente essencial da Enfermagem, fica definido o compromisso com o bem-estar, que é diferente do compromisso com a cura, comum a outras profissões. Além disso, o domínio de conhecimento da Enfermagem é o de experiência humana de saúde, a qual tem início na graduação, ainda enquanto acadêmico do curso, e a natureza de interação que esta assume com a sociedade é o cuidado. Ao serem questionados se existia algum componente curricular que tivesse como princípio o cuidado, 90% responderam que sim. Porém, 10% da amostra referem não ter cursado nenhuma disciplina que tenha o cuidado dentro da Enfermagem como princípio. Dos alunos que relatam existir um componente curricular onde o cuidado é tido como princípio norteador, 92,6% indicaram Humanização da Assistência como este componente e 7,4% Humanização da Assistência e Enfermagem em Saúde Mental. No que se refere à opinião dos alunos em relação aos componentes nos quais o cuidado deveria ser abordado, 66,6% da amostra acham que o cuidado deveria ser abordado em todos aqueles nos quais o aluno tivesse contato direto com cliente, ou seja, em componentes como Enfermagem em Clínica-Cirúrgica, Enfermagem em Clínica-Médica, Enfermagem em Saúde da Mulher, Enfermagem em Saúde da Criança e do Adolescente, UTI, Emergência, enquanto 33,4% acham que o cuidado deveria ser abordado em todas as disciplinas da graduação. Excluindo disciplinas como histologia, citologia, genética e bioquímica, as quais detêm mais aspectos laboratoriais, acho que todas as outras que têm contato direto com o cliente deveriam (Aluno 24) O cuidar é o modo de ser essencial à pessoa humana e que precisa estar presente em tudo, representando não só um instante de atenção, mas...uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilização e de envolvimento afetivo com o outro 11. Logo, observa-se que o cuidar está presente em tudo que o ser humano faz, envolvendo não só o preocupar-se com a própria existência como também o interagir com o outro, cuidando e sendo cuidado. Seria bom que o cuidado fosse abordado em todos componentes da graduação, em todo tempo, mas deveria haver um componente específico

8 no currículo, que tivesse como princípio único o cuidado em Enfermagem. (Aluno 21) A partir da análise dos discursos, foi possível verificar a necessidade de haver uma disciplina cujo princípio fosse o cuidado, a fim de que fosse transmitido ao acadêmico de Enfermagem o verdadeiro significado do cuidar/cuidado, aquele que não significa apenas suprir as necessidades básicas do cliente. Cada pessoa é um mundo único e complexo, e lidar com suas diferenças é um desafio a ser vencido. Faz-se premente uma assistência de Enfermagem com qualidade, visando à humanização e à individualidade do cuidado. Esta assistência deve ter o seu berço na Universidade, visto que é na instituição de ensino que o futuro profissional começa a desenvolver suas primeiras noções sobre o cuidado. Na seqüência do questionário, foi levantado, junto aos estudantes, como o cuidado, com relação à análise e vivência, tem sido experenciado nos campos de estágios supervisionados. Para que o cuidado realmente ocorra na sua plenitude, o cuidador precisa associar a competência técnica instrumental à competência emocional nas relações interpessoais. Ao analisarmos os questionários, nota-se que nem todas as atividades desenvolvidas nos estágios precedem de uma análise sobre o cuidado, o que gera um caráter mecanicista à assistência prestada. O estágio é entendido como uma experiência compartilhada de vida, em que o encontro entre o acadêmico e o cliente atendido aprimora o ser enfermeiro 12. O cuidado é a presença intencional e autêntica do enfermeiro junto a outra pessoa, que vive e cresce através dele, sendo difícil não relacionar assistência em Enfermagem com o cuidado. Percebe-se, através da análise dos dados, que 75% das atividades desenvolvidas nos estágios supervisionados, que são realizados em Hospitais, Creches, Postos de Saúde, Unidades de PSF e Casas de repouso, são desenvolvidos sem análise sobre o cuidado. A utilização de conhecimentos técnicos não é tudo de que as pessoas precisam, mas freqüentemente é o que se torna prioritário, ao utilizar-nos os clientes para depositar o que aprendemos em teoria e prática 10. Através da interação, do compartilhar, de reconhecer a experiência humana que é exclusiva a cada um de nós, porém também compartilhada, podemos realmente desenvolver uma prática de Enfermagem humanística, e teremos o cuidado em Enfermagem como o alicerce da profissão 13.

9 Nenhuma ação pode prescindir de uma reflexão; além disso, é importante que toda prática assistencial tenha como seu ponto básico a comunicação verbal ou não-verbal, tornando-se necessário que haja, tanto no acadêmico como no docente, a sensibilidade e a intuição para poder ouvir o cliente, e que todos possam compartilhar ao máximo suas experiências. Os graduandos em Enfermagem, ao iniciarem sua prática profissional, sentem alguma dificuldade, pois a ansiedade em entrar em um ambiente novo e a aproximação com o cliente deixam o acadêmico com receio de não saber o que fazer inicialmente para ajudá-lo em suas necessidades, porém estas dificuldades vão diminuindo no decorrer do curso 14. O estudo não confirmou o que dizem os autores, pois a maioria dos prováveis concluintes ainda sentem algum tipo de dificuldade ao realizarem o cuidado ao cliente, o que irá interferir na sua prática de cuidar, levando aqueles, na maioria das vezes, a manter uma posição de afastamento do cliente. Analisando os resultados, é possível entender que estas dificuldade, ainda persistem no final do curso (83,4% da amostra apresentam alguma dificuldade), pois, como informam os participantes do estudo, o cuidado não foi suficientemente abordado, durante a graduação. O enfermeiro ao desenvolver o cuidado, precisa passar segurança para o cliente, o que gerará um aumento da auto-estima deste e auxiliará na sua recuperação. Além disso, é esta segurança que dará maturidade profissional ao enfermeiro. O encontro enfermeiro/cliente é meta a ser atingida, função específica do enfermeiro e não um mero acontecimento; é a interação planejada com objetivos definidos entre duas pessoas, em que ambas modificam seu comportamento, construtivamente, com evolução do processo de relacionamento. Este deve ser solidificado a cada dia para que o cliente se sinta fortalecido e o graduando consiga vencer as dificuldades que advirão 15. Quanto ao posicionamento dos educadores da área de Enfermagem, visto pela amostra, no tocante ao aprimoramento dos métodos didáticos para obtenção de um melhor desempenho no cuidado, 83,3% da amostra acham importante que se tenha este aprimoramento, embora refiram que apenas alguns professores se preocupam com este aspecto. E 16,7% acham necessário que haja este interesse, porém os professores não o apresentam. Tem-se observado que o avanço das ciências nos leva a buscar sempre algo novo. Atualmente, faz-se premente uma mudança de atitude por parte da equipe de saúde. É necessário que a prática seja revista a cada dia, a fim de que o cliente possa ter o máximo de necessidades supridas.

10 O docente não pode se acomodar com os métodos vigentes. Ao contrário, tem sempre que procurar se aprimorar, dentro das novas exigências da sociedade, pois o ser humano é um ser inacabado e incompleto, o que implica que, enquanto profissional, é necessário educar-se sempre. Concepções e Importância do Cuidado para o Aluno Concluinte de Enfermagem O cuidar em um sentido amplo, existe desde que haja vida, fazendo parte de nossa existência de várias formas: no nascimento, na luta pela sobrevivência, na preservação da saúde, nas práticas de cura, na finitude do ser humano. Está também presente tanto no relacionamento entre as pessoas, quanto na relação que existe entre estas e o mundo em que vivem 13. A análise dos discursos permitiu a identificação de dois temas centrais: Cuidado: Uma assistência prestada como objetivo de manter ou recuperar as necessidades humanas básicas Quando se utiliza, no processo de cuidar, intensa atividade mecânica da parte do prestador de cuidados, o cuidado em si é diminuído. É importante destacar que a Enfermagem, enquanto atividade humana voltada para o bem-estar do cliente, deve estar em equilíbrio com as dimensões físicas/psicológica/social/espiritual, para exercer com precisão a função de prestador de cuidado 16. Observou-se que 30% da amostra vêem o cuidado como algo mecânico, técnico. É toda assistência prestada pela Enfermagem, que vise manter ou recuperar as necessidades humanas básicas do cliente. (Aluno 18) É importante destacar que o cuidado tido como atividade meramente mecânica perde parte de sua essência. É necessário que o ser humano seja visto holisticamente, um ser único e integral. Cuidar origina-se do latim cogitare, cogitatem, que, em português, é entendido como cogitar, imaginar, pensar, tratar de, dar atenção, ter cuidado com a saúde, e tem a mesma evolução temática para o cuidado. Assim, a Enfermagem pode, epistemologicamente, dizer que assistir é cogitar, imaginar, pensar, dando à sua prática de cuidar, sentidos emocionais e racionais, que estão contidos na ação de cuidado 17. Quando falamos em cuidado enquanto ação, é importante que seja lembrado que uma das implicações desse cuidar é a intervenção que fazemos no corpo do outro, no seu espaço íntimo. Logo, é imprescindível que o profissional da saúde tenha não apenas a visão biológica e

11 biomédica do cliente ao realizar o cuidado, mas uma visão completa, pois só assim deixaremos de realizar o cuidado mecânico e passaremos a realizar um cuidado humanizado. Como instituição formadora de futuros enfermeiros, cabe à graduação não permitir que seja passada a idéia curativista e mecânica do cuidado, a idéia de ensinar Enfermagem, apenas voltada para o aspecto técnico, que, além de ser restritiva, pela reserva e distância entre o acadêmico o cliente, gera insatisfação para ambas as partes, e tampouco atende às necessidades psicossociais, espirituais e culturais do cliente. O Cuidado: Assistência prestada que vê o cliente como um ser holístico. A convicção de que as pessoas são totalidades expressa respeito. Os relacionamentos são baseados na resposta dada à totalidade dos outros, a qual está sempre presente. Esta convicção reconhece o fato de que, independentemente de mudanças que ocorrem com uma pessoa no decorrer da sua vida tais como adquirir mais conhecimentos ou se tornar mais integrado consigo mesmo, através das experiências de vida cada pessoa é tão completa como pode ser a cada momento 18. Para 70% da amostra, o cuidado é algo essencial dentro da Enfermagem, e passa a ser citado como sinônimo desta. O cuidado de Enfermagem pode ser definido como uma conotação de atenção, preocupação para, responsabilidade por, observar com atenção, com afeto e simpatia o cliente. O cuidado de Enfermagem é único e peculiar e este deve ser ético, humano e qualitativo. (Aluno19) É muito gratificante, enquanto pesquisador, observar que o futuro profissional de Enfermagem apresente uma visão tão completa do cuidado, visto que grande parte da assistência prestada pelo enfermeiro está voltada para ele, e só poderemos falar em assistência de qualidade quando os profissionais de Enfermagem atentarem para o seu verdadeiro significado e começarem a ver o cliente como um todo, um ser que não só apresenta necessidades humanas básicas. O cuidado em Enfermagem não é apenas fazer o preparo psicológico do cliente, como aprendemos no início do curso, mas prestar uma assistência completa, ou seja, na qual seja usado um tratamento humanizado, tendo como início chamar o cliente pelo seu nome.

12 (Aluno 22) O cuidado técnico pode ser ensinado, contudo o cuidado amplo, como processo interativo, precisa ser vivido para poder ser reconhecido e valorizado efetivamente enquanto essência da Enfermagem 19. De forma geral, é através de estar presente à totalidade do outro que os pedidos de cuidado de Enfermagem são ouvidos. O senso compartilhado de humanidade ajuda o enfermeiro a se afastar silenciosamente, a prestar auxílio quando apropriado, a falar de forma direta e sensível, a proporcionar conforto em níveis sutis e a ser ele mesmo, apesar de seu conhecimento e qualificação profissional. O discurso a seguir caracteriza bem o que vem a ser o cuidado em Enfermagem. O cuidado de Enfermagem é agir em favor do cliente, sendo consciente de suas necessidades, buscando sempre satisfazê-las. O cuidar é dinâmico, uma vez que envolve a relação enfermeiro/cliente, onde ambos possuem sentimentos, motivações e comportamentos que juntos influenciam o cuidar. Além disso, o cuidar de Enfermagem significa conhecimentos, atuação, respeito, carinho e acima de tudo competência. (Aluno 24) O cuidado é considerado como parte integral da vida humana e nenhum tipo de vida pode subsistir sem cuidado 20. Se os fenômenos do cuidado forem plenamente estudados, um corpo distinto de conhecimentos de Enfermagem será descoberto, e terá impacto sobre a graduação e a prática do cuidado 21. E, além disso, a Enfermagem terá conhecimento substancial para orientar práticas de cuidado em Enfermagem, tornando-se, dessa forma, uma disciplina distinta, com uma contribuição única no mundo 22. Assim, a palavra cuidado está íntima e, ousamos afirmar, definitivamente aderida à Enfermagem. Nenhuma profissão é mais cuidadora que ela, não podendo sequer ser questionada a importância do cuidado dentro dela. Foi unânime a opinião dos discentes acerca da importância do cuidado. De forma geral, os pesquisados o indicam como algo essencial dentro da Enfermagem, e, mesmo que alguns graduandos tenham uma concepção limitada do cuidar, e, mesmo este ainda não sendo abordado como deveria, na maioria dos componentes curriculares, todos os concluintes demonstraram

13 saber o quanto o ser humano necessita do cuidado e como ele é importante para o cliente e para a Enfermagem. O cuidado tem uma importância grandiosa, pois acredito que a finalidade da Enfermagem é o cuidar. Quando cuidamos do cliente de forma holística, promovemos saúde e sustentamos a vida (grifo no original). (Aluno 24) Como o Cuidado deve ser Abordado sob o Ponto de Vista do Concluinte: um Novo Desafio para Graduação. O cuidado humano consiste em uma forma de viver, de ser, de se expressar. É um compromisso com o estar no mundo e contribuir com o bem-estar geral, na preservação da natureza, da dignidade humana e da nossa espiritualidade, é contribuir na construção da história, do conhecimento, da vida 6. O humano nasce de um interesse, de uma responsabilidade, de uma preocupação, de um afeto. Nota-se, através da análise dos dados obtidos na pesquisa, a preocupação em se ter uma nova abordagem do cuidado, na graduação, começando com relacionar o cuidar em todos os componentes curriculares. O cuidar deveria ser visto desde o início do curso, ou seja, inserido em todos componentes curriculares, como um todo. Não deveria ser mais abordado em um ou outro componente, pois toda base da Enfermagem, seja ela científica, básica, teórica ou prática, está diretamente ligada ao cuidar. (Aluno 14) Outro aspecto merecedor de destaque, que aparece nos relatos dos estudantes, está relacionado a haver um componente específico que tivesse o cuidado como princípio. Seria importante que existisse um componente curricular específico, o qual, ou através de palestras, ou através da prática diária, o aluno tivesse maiores oportunidades para o aluno exercer o cuidado em Enfermagem, e que houvesse uma análise, a fim de avaliar o tipo de cuidado prestado ao cliente, se é um cuidado amplo ou apenas mecânico.

14 (Aluna 20) É importante destacar que, para os participantes da pesquisa, o enfermeiro precisa envolver o cliente em sua totalidade, de acordo com suas necessidades individuais. Logo, o cuidado tem que ser individualizado, pois o cliente é um ser humano que precisa ser considerado em sua singularidade, a partir de suas reais necessidades. Gostaria que o cuidado fosse abordado em cada componente, e fosse direcionado ao cliente específico como criança, idoso, mulher, pois cada um deve ser visto de forma individual. (Aluna 24) Um aspecto digno de nota foi à preocupação com a interdisciplinaridade dos componentes, tendo como elo entre eles o cuidado: O cuidado deveria ser a base de todos os componentes, sempre dando ênfase a uma assistência humanizada. Era importante ter um componente específico para o cuidar no início do curso, pois este está relacionado com todos componentes do curso, e só assim saberíamos conhecer melhor o cliente que vamos assistir, não levando em consideração apenas o aspecto biológico. (Aluno 15) Outro fator mencionado é o conhecimento acerca do cliente, o que é muito importante na questão do cuidar, pois, como foi visto, cada ser humano possui suas próprias características e, embora o acadêmico tenha a consciência de que o cliente precisa ser visto de forma integral, ele percebe que existe um direcionamento para o cuidar mecânico, o que preocupa os alunos concluintes. Espero que a arte de cuidar seja abordada de uma forma holística, e que os clientes não sejam tratados como meros objetos, onde nós apenas realizamos procedimentos, sem se preocupar com seus sentimentos. (Aluna 2) Essa visão é corroborada por outro aluno, que afirma: O cuidado deveria ser melhor explorado, pois, na maioria dos componentes, é visto meramente como a realização de tarefas mecânicas. Ele deveria ser orientado na tentativa de ver o ser humano como um

15 todo, onde as tarefas relacionadas ao fazer estariam juntas às relacionadas às de proporcionar o bem-estar do cliente, o que é diferente de tratar ou curar o cliente. (Aluno 5) Como se observa nos relatos dos acadêmicos, é necessário que a graduação de Enfermagem dê um enfoque maior ao cuidado em seu sentido mais amplo, onde sejam considerados os medos, os sentimentos, sonhos, desejos, as necessidades físicas, psicológicas, espirituais, culturais e sociais, ou seja, onde o cliente seja considerado de forma integral. E só poderemos falar de assistência humanizada a partir do momento que tivermos uma equipe de Enfermagem humanizada, e a Humanização da Assistência tem que começar desde os primeiros encontros do enfermeiro com o cliente, que acontecem quando aquele ainda é acadêmico, na Universidade. CONCLUSÃO Todo ser humano busca o cuidado pela vontade de sobreviver, e, nessa busca ao cuidar, surge a Enfermagem, uma profissão que está presente em todos os momentos importantes da vida da humanidade. O cuidado acontece nos seres, a partir deles, para eles e através deles. O cuidado está na construção do saber humano, na organização da vida dos seres, nas alegrias, nas tristezas, na vida e na morte. É de vital importância destacar que o cuidado de Enfermagem não está restrito a atos, procedimentos ou técnicas executadas. O cuidado é um processo que se inicia para si, continua para o outro e evolui na busca do bem-estar de ambos. Além disso, ele só será realizado a partir do momento em que o cliente seja visto em sua totalidade, como um ser que possui necessidades físicas, psicológicas, espirituais, culturais e afetivas. Ao pensar na assistência de Enfermagem, que almejamos, não podemos deixar de refletir sobre qual concepção temos acerca do cuidado, e como vemos os atuais modelos assistenciais dentro desta nossa concepção. Nesse contexto, surgem as instituições formadoras de profissionais.

16 O aluno exerce um papel importante para a transformação do modo como atua o docente, a partir do momento que sai do papel passivo de copiador e fazedor de tarefas e assume uma postura ativa. Na nossa pesquisa, pudemos perceber que, apesar da visão holística e humanizada dos futuros enfermeiros, os mesmos detectam que a graduação não o tem abordado em seus componentes. Logo, é gerada uma deficiência no aluno, pois, como foi analisado, a maioria, sente alguma dificuldade em realizar o cuidado. Outro fator importante na pesquisa está relacionado ao aprimoramento dos métodos didáticos. Na visão dos participantes do estudo, apenas alguns professores se preocupam com este aprimoramento. A qualidade do ensino da Graduação de Enfermagem, como descrita, pelos alunos, convida o corpo docente a se comprometer com uma contínua superação, buscando delinear uma Enfermagem cada vez mais humana e competente, a fim de justificar sua existência pela relevância de seus serviços prestados ao ser humano. Nossa expectativa é de havermos contribuído para uma reflexão sobre a importância que a graduação tem dado ao cuidado, e a concepção deste para os concluintes. Esperamos que ocorra um amadurecimento por parte da instituição, pois vivemos num momento de transição de paradigmas. Enfrentar mudanças já não constitui uma questão de opção; só assim conseguiremos captar a essência da Enfermagem: o cuidado em seu real sentido. REFERÊNCIAS 1.WALDOW, V. R. Cuidado Humano: o resgate necessário. 2ed. Porto Alegre: Sagra Luzzato, p. 2.NUNES, D. M. Cuidado um espaço de criação. In: ARRUDA, E. N. GONÇALVES, L. H. T. (Org). A Enfermagem e a arte de cuidar. Florianópolis: UFSC; p WATSON, J. Nursing; human science and human care: a theory of nursing. Norwalk- Connecticut: Appleton-Century-Crofts, p. 4.UTYAMA, I. K.A, et al. Alunos de Enfermagem no ciclo básico: opinião dos docentes. Centro de estudo superiores de Londrina.Rev. Terra Cultura. Ano 10, n. 22, p , jul./dez WALDOW, V. R. Examinado o conhecimento na Enfermagem. In: MEYER, D. E.; WALDOW, V. R.; LOPES, M. J. Marcas da diversidade: saberes e fazeres da Enfermagem contemporânea. Porto Alegre: Artes Médicas, Cap 1-4. p

17 6.SANTOS, R., et al. Envolvimento emocional do acadêmico de Enfermagem com o paciente reflexos dessa experiência na vida futura do profissional. Rev. Bras. Enfer., Brasília, v. 39, n.1, p.61-65, jan./fev./mar BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Ética em pesquisa. Normas para pesquisa envolvendo seres humanos:(res. CNS 196/96 e outras, p.25). Brasília, DF, BANDEIRA, L.; OLIVEIRA, E. M. Representações de gênero e moralidade na prática profissional de Enfermagem. Rev. Bras. de Enfer., v. 51, n. 4, p , out./dez ESPÍRITO SANTO, F. H. do. As interações entre professoras estudantes na trama da construção da identidade profissional da enfermeira. Rio de Janeiro, p. dissertação (mestrado) Escola de Enfermagem Anna Nery / UFRJ. 10.BATISTA, P.S. Ética do Cuidar na Enfermagem: Discursos de enfermeiros assistenciais. João Pessoa, p. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal da Paraíba UFPB. 11.BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano- compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, p. 12.SAUPE, R., et al. Educadores e educandos propõem um programa de educação continuada centrado no cuidado humano para um hospital. Rev. Texto. Contexto Enfer., Florianópolis, v.8, n.1, p , jan./abr BAGNATO, M. H. Formação Crítica dos profissionais da área de Enfermagem. Rev. Texto. Contexto Enfer., Florianópolis, v.8, n.1, p.31-42, jan./abr PREGER, S. G.; HOGARTH, C. Josephine e Paterson e Loretta T. Zderad. In: GEORGE, J.B. Teorias de Enfermagem: os fundamentos para prática assistencial. Porto alegre: artes médicas, FIGUEIREDO, N. M. A. et al. Enfermagem Fundamental, realidade, questões e soluções. São Paulo: Atheneu, p. 16. BOYKIN, A. A Enfermagem como conforto: o artístico no cuidado. Rev.Texto. Contexto. Enfer., v.7, n.2, p.36-51, maio/agos ESPÍRITO SANTO, F. H. do. et al. O tom do cuidado de Enfermagem para alunos da graduação. Rev. Bras. Enfer., v. 53, n. 1, p , jan./mar COLLIÉRE, M. F. Invisible care and invisible woman as health care-providers. International Journal Nursing Studies. Oxford. V.23, n.2, p

18 19. LUNARDI, V. L. Bioética Aplicada à Assistência de Enfermagem. Rev. Enfer. Brasília.,Brasília, v.51, n.4, p , out./dez MAIA, A. R. C. Elementos e dimensões do cuidado na perspectiva de clientes ambulatoriais. Rev. Texto. Contexto. Enfer., v.7, n.2, p , maio/agos ANGELO, M. A opção pela Enfermagem. Rev. Esc. Enfer. USP. v.29, n.i, p.3-7, abr

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000)

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000) Faculdade de Enfermagem - Departamento de Enfermagem Básica Disciplina: Administração em Enfermagem I Docente: Bernadete Marinho Bara De Martin Gama Assunto: As dimensões do Cuidar e as Competências da

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

A ÉTICA NA ENFERMAGEM

A ÉTICA NA ENFERMAGEM A ÉTICA NA ENFERMAGEM Os enfermeiros são profissionais de saúde constantemente chamados a intervir e a tomar decisões, no sentido de preservar a saúde, combater a doença, ajudar a nascer e a morrer. A

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO Objetivou-se neste estudo discutir a utilização do processo de

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCB UFV MEDICINA. COORDENADORA Ângela Aparecida Barra angela.barra@ufv.br

Currículos dos Cursos do CCB UFV MEDICINA. COORDENADORA Ângela Aparecida Barra angela.barra@ufv.br 180 Currículos dos Cursos do CCB UFV MEDICINA COORDENADORA Ângela Aparecida Barra angela.barra@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 181 Médico ATUAÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Medicina da UFV

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM MOTA 1, Carla Pimentel; FARIAS 2, Creusa Ferreira; PEDROSA 3, Ivanilda Lacerda 1 Aluno bolsista;

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES.

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. FERNANDES, Jaqueline S. da S. & FONSECA, Viviane S. O. 1, Márcia Regina Walter 2. 1- Acadêmico do

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT03-P ESTUDO DAS DROGAS: IMPORTÂNCIA PARA OS DISCENTES DE ENFERMAGEM NO CENÁRIO DE PRÁTICA Lucilla Vieira Carneiro (2), Patrícia Serpa de Souza Batista (3), Jacira dos Santos Oliveira (4) Centro

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE, MULTIDISCIPLINARIDADE OU TRANSDISCIPLINARIDADE 1

INTERDISCIPLINARIDADE, MULTIDISCIPLINARIDADE OU TRANSDISCIPLINARIDADE 1 INTERDISCIPLINARIDADE, MULTIDISCIPLINARIDADE OU TRANSDISCIPLINARIDADE 1 TAVARES, Suyane Oliveira 2 ; VENDRÚSCOLO, Cláudia Tomasi 2 ; KOSTULSKI, Camila Almeida 2 ; GONÇALVES, Camila dos Santos 3 1 Trabalho

Leia mais

PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO: CONCEPÇÕES DE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO

PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO: CONCEPÇÕES DE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA Programa de Pós Graduação Ensino em Ciências da Saúde TATIANE FERNANDES ALVES PRODUTO FINAL: RETORIO TÉCNICO A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A IMPORTANCIA DA RELAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E OS ALUNOS DE DIREITO: a melhoria da qualidade do ensino prático.

A IMPORTANCIA DA RELAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E OS ALUNOS DE DIREITO: a melhoria da qualidade do ensino prático. A IMPORTANCIA DA RELAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E OS ALUNOS DE DIREITO: a melhoria da qualidade do ensino prático. EVEDOVE, Glória Regina Dall 1 RESUMO O presente artigo trata de uma análise acerca

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM PROJETO INTERINSTITUCIONAL SAÚDE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: APOIO PSICOSSOCIAL AS FAMÍLIAS POR MEIO DA PARTICIPAÇÃO DE PAIS EM GRUPOS DE REFLEXÃO Daniela Cristina Grégio

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar as contribuições do PIBID Pedagogia do Campus Avançado de Patu CAP/UERN para a formação docente.

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Biologia Geral, Citologia e Genética Estudo da célula, seus componentes e relação com as funções

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

A Pedagogia Integrativa no contexto escolar

A Pedagogia Integrativa no contexto escolar A Pedagogia Integrativa no contexto escolar Cláudio Mendes Tourinho claudiotourinho@hotmail.com Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES Huagner Cardoso da Silva huagnercardoso@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM NA GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

ENSINO-APRENDIZAGEM NA GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ENSINO-APRENDIZAGEM NA GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO Resumo ESCOBAR, Stephane Janaina de Moura 1 - PUCPR Grupo de Trabalho Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência Financiadora: não contou

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2011 157 MEDICINA. COORDENADOR Rodrigo Siqueira Batista rsbatista@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2011 157 MEDICINA. COORDENADOR Rodrigo Siqueira Batista rsbatista@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 157 MEDICINA COORDENADOR Rodrigo Siqueira Batista rsbatista@ufv.br 158 Currículos dos Cursos do CCB UFV Médico ATUAÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Medicina da UFV prevê

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Zenith Vila Nova de Oliveira UFT/ Campus de Tocantinópolis Bolsista/Pibid/Curso de Pedagogia zenithvn@hotmail.com Maria Divina Fernandes

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROJETO FAZER ACONTECER

PROJETO FAZER ACONTECER GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS AVANÇADO SANTOS DUMONT RUA

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais