O SER-PARA-A-MORTE EM HEIDEGGER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SER-PARA-A-MORTE EM HEIDEGGER"

Transcrição

1 O SER-PARA-A-MORTE EM HEIDEGGER Rodrigo Duarte * Gilzane Naves ** RESUMO Este artigo tem por objetivo situar o problema do ser-para-a-morte em Martin Heidegger na perspectiva da investigação fenomenologica-existencial. Detendo-nos, sobretudo, nos conceitos heideggerianos de Dasein, ser-no-mundo, ser-com-outro. Assim como nos modos de ser do Dasein: ser-de-angústia, ser-de-projeto e, em especial, o que o filósofo da floresta negra chamou de ser-para-a-morte. Daí apontar estes conceitos existenciais no Dasein, o qual está determinado pela mais real possibilidade, a finitude, que pode ser um caminho de encontro da autenticidade. Palavras-chave: Ser-para-a-morte. Morte. Existência. Autenticidade. 1 - INTRODUÇÃO O presente artigo tem como propósito abordar o pensamento heideggeriano em sua primeira fase, em especial a partir de Ser e Tempo, no qual procuramos fazer uma leitura em torno do ser-para-a-morte, apresentando um viés positivo desta possibilidade inevitável, como meio para que o existente possa projetar-se e abrir-se a uma existência autêntica. O Dasein como ser limitado por circunstâncias que compreendem o seu mundo compartilhado é levado a pensar sobre a dimensão futura de sua existência e a lançar-se para seu encontro. É chamado a projetar-se mediante tal desafio, vendo-se sempre limitado no tempo como ser mortal, frágil sujeito a incompletude, marcado pela angústia. Nosso trabalho inicia por meio de uma apresentação dos principais conceitos em Ser e Tempo, em especial aqueles que estão mais próximos de nossa investigação. 2 - CARACTERIZAÇÃO PRÉVIA DOS CONCEITOS DE HEIDEGGER Neste tópico pretendemos examinar os conceitos de Dasein (ser-ai), de ser-no-mundo e de ser-com-outro, na medida em que estes três conceitos cumprem um papel fundamental no pensamento de Heidegger, ao recolocar a questão do sentido do ser, depois de um longo período de esquecimento do ser provocado pela metafísica ocidental. * Graduado pela Faculdade Católica de Uberlândia. ** Professor do Curso de Filosofia da Faculdade Católica de Uberlândia

2 2.1 - Dasein O destino declarado da filosofia heideggeriana é o de erigir uma ontologia, que partindo de uma compreensão vaga do ser permita ao menos compreendê-lo e interrogá-lo, alcançando assim uma determinação plena e completa do sentido do ser. Para isso, aconselha um afastamento do conceito de ente em particular, enquanto este ou aquele. Através da existência humana Heidegger procura uma abertura até o ser. Para apresentar uma prova de que tal caminho é possível, recorre a uma nova linguagem. Daí o conceito de Dasein, que é uma resultante de dois elementos, uma palavra composta (Da-sein), da que significa ai e sein que significa ser. Portanto Da-sein significa a existência e o ser-que-está-aí, ou ser-aí, ou ainda como outros interpretam: presença. Ou seja, a análise do Dasein é análise da existência e do ser. A filosofia tradicional canaliza a investigação do ser para uma antropologia e nisto, segundo Heidegger, consiste o seu fracasso. Pois na visão de Heidegger o Dasein não pode ser analisado como simples ente. O vício da metafísica é ignorar o que separa o ser dos entes. Tem a esperança ilusória de elevar o valor, a idéia acima do ser. O ponto de partida de Heidegger, ou o que coloca o problema do ser é o seu esquecimento, ou seja, o que o autor diagnostica em toda tradição filosofia ocidental, começando por Platão e se estendendo até Nietzsche. Os primeiros gregos, pré-socráticos, segundo Heidegger, produziam conhecimento sobre os dois pólos: do homem e do ser. Em seguida, porém, vem Platão que dissocia o ser do homem, colocando o ser no mundo das idéias. Tendo o seu declínio definitivo na filosofia de Hegel onde o ser não passa de lógica. Husserl por sua vez considera uma mera investigação de tipo transcendental, determinada por um ego também transcendental. Nietzsche consegue sair desta dinâmica do pensamento abstrato para o pensamento sobre o mundo dionisíaco e apolíneo. Porém, perde-se ao criar um super-homem que decide soberanamente a história da verdade. Desde os gregos o pensamento não teria distinguido adequadamente a diferença entre ente e o ser, entre o que existe simplesmente como uma coisa e entre o que é enquanto ser. O tema do ser, com o qual começou o pensamento ocidental com os pré-socráticos, tem de ser novamente levantado a partir de uma ontologia fundamental, e isto tomando como fio condutor o único ente que tem O termo presença é usado para traduzir o termo Dasein, pela tradutora Márcia de Sá Cavalcante, a qual significa em Heidegger a condição do homem no mundo. O pré remete ao movimento de aproximação, constitutivo da dinâmica do ser, através das localizações. Não é sinônimo de homem, nem de humanidade, embora conserve uma relação estrutural. Mas, evoca o processo de constituição ontológica de homem

3 a possibilidade de questionar o ser, que é o Dasein. Pois é dentre todos os entes o único que compreende o ser, o sentido do fato de que ele é, de que existe. Heidegger salienta a importância de não apegar-se a qualquer ente particular, enquanto este ou aquele. A intenção é a investigação dos entes como um todo, mas sem preferência. Toma o Dasein pelo fato dele se insinuar estranhamente: o ser-aí que investiga a questão, que tem a capacidade de questionar sobre o ser. Faz-se importante a distinção entre ente e o ser do ente: O que é o ente inclui todos os objetos, todas as pessoas e em certo sentido o próprio Deus. O ser do ente, como tal que é o fato de que todos estes objetos e todas estas pessoas são não se identifica com nenhum destes entes, nem sequer com a idéia de ser em geral. (GILES, 1989, p. 98) Heidegger vai manter clara esta distinção, considerando o ser do ente como objeto da Ontologia, ao passo que os entes são campos de investigação das ciências ônticas. Que são duas maneiras hermenêuticas do Dasein: a primeira procura penetrar na compreensão que o Dasein tem do significado do ser e iluminá-la de dentro, e a segunda trata-se de uma descrição exterior das características que o distinguem, como Dasein, de entidades de outro tipo. Mas Heidegger diz que ambos irão entrelaçar-se uma a outra. Para Heidegger a essência humana deve ser pensada para além de uma definição enfática de homem, por exemplo: como animal racional, já que o que distingue o homem é a sua relação com o ser, e não na medida em que é definida como um ser dotado de razão. O Dasein tem como característica própria dele, ser o local onde o ser se esconde e se revela, ele é a sua morada; ao contrário dos outros entes, que não são dotados, como ele de tal capacidade. O homem é por tudo isso, um ser diferenciado. Ele é abertura constante na relação ontologia com o ser e não outro ente qualquer, um simples ente (Daseiende) que não possui tal constituição; nem tão pouco uma espécie evolutiva como insiste em teorizar a ciência moderna. (NAVES, 2004, p. 22) O Dasein é um ente privilegiado porque é capaz de questionar o ser, e possui uma compreensão do ser. Ele existe imediatamente em um mundo. Ou seja, Dasein é o homem na medida em que existe na existência cotidiana, junto com os demais entes em seus afazeres e preocupações. Porém, para investigar o Dasein, enquanto possuidor perene de uma compreensão do ser, impõem-se uma analítica existencial, que tem como tarefa explorar a conexão das estruturas que definem a existência do Dasein, a saber, os existenciais. O método da analítica é buscado tanto na fenomenologia quanto na hermenêutica, de modo que se chama método fenomenológico-hermenêutico

4 Um dos pressupostos fundamentais da analítica da existência é que a existência se manifesta ao Dasein, sendo sempre primeiramente concernente ao Dasein mesmo, à sua compreensão, que se coloca para o ser-ai antes de qualquer teorização ou horizonte teórico, num nível pré-ontológico. O ente que temos a tarefa de analisar somos nós mesmos. O ser deste ente é sempre e cada vez meu. Em seu ser, isto é, sendo, este ente se comporta com o seu ser. Como um ente deste ser, a pré-sença se entrega á responsabilidade de assumir seu próprio ser. (HEIDEGGER, 1989, p. 77). A analítica existencial tem de partir, portanto, do ser que é sempre Dasein, que apenas pertence a ele, e não se acomodar previamente numa teoria que explique de fora o que é existência humana. O ser-aí é imediatamente o homem e o mundo ao mesmo tempo, em sua realidade finita e imediata, entregue ao seu destino. Desse modo, o homem também não é uma mera coisa que reside inerte em um mundo da necessidade, pelo contrário, na medida em que compreende o ser, o homem se coloca no campo da possibilidade e elabora as possibilidades de sua existência. Portanto a investigação do ser perpassa necessariamente o Dasein, por se tratar deste, do único ente que está em condições de pensar o próprio ser, pensar os outros (daseins) e demais entes. Somente o ser-aí existente está capacitado para esta análise, pelo fato de realizar o caminho obrigatório, a perene caminhada rumo à questão do ser Ser-no-mundo Ser-no-mundo é uma característica desvelada pela estrutura fundamental do Dasein. Logo, trata-se de um traço primordial na existência do homem que o limita e o torna possível. O ser-ai, o Dasein imerso em sua existência, é um ser-no-mundo pertence essencialmente á pre-sença ser em um mundo (HEIDEGGER, 1989, p.39) que quando se Existência significa para Heidegger em Ser e Tempo, o modo de ser do homem como um ente privilegiado. Designa este termo as relações recíprocas entre pré-sença e ser, entre pré-sença e os demais entes. Portanto, só o homem existe. Pedra é mas não existe. este privilégio do Dasein é como um dom da existência que lhe é entregue a responsabilidade e a tarefa de ser. O conceito mundo é definido por Heidegger principalmente em Ser e Tempo como um certo âmbito constituído pelo Dasein, no sentido de que o Dasein confere ao mundo o caráter de mundo, a sua mundaneidade

5 percebe já se encontra sempre situado num contexto de vivência no mundo, ou seja, em um espaço físico, em uma cultura, com determinados valores, etc. Este mundo no qual ele está inserido mostra-se a ele como um desafio a ser conhecido e enfrentado. O Dasein é lançado em meio ao já dado. No entanto, ele se realiza com o mundo que o circunda. O conceito ser-no-mundo é antes de tudo, algo que demonstra uma estrutura fundamental do ser-ai, que indica não ser possível separar o homem do mundo assim como o mundo do homem. A expressão composta ser-no-mundo, já na sua cunhagem, mostra que pretende referir-se a um fenômeno de unidade (HEIDEGGER, 1989 p. 90) Estar no mundo significa habitar o mundo, morar nele, e não simplesmente povoar um mundo dado. ser simplesmente dado dentro de um dado, o ser simplesmente dado junto com algo dotado do mesmo modo de ser, no sentido de uma determinada relação de lugar, são caracteres ontológicos que chamamos de categorias (HEIDEGGER, 1989, p. 92). Ou ainda como afirma Naves (2004): O ser-no-mundo é alguém que espacializa o mundo em função de suas preocupações. Ao mesmo tempo, que é uma preza fácil da factualidade, também é agente de transformação que organiza as coisas conforme suas necessidades. Só o homem tem esta capacidade de criar e dar sentido aos seus projetos, o que os simples entes não são capazes de fazer. (NAVES, 2004, p. 25) As coisas estão no mundo como algo que está em uma outra coisa, diferentemente o Dasein está no mundo na forma dos existenciais. Acostumado, habituado, familiarizado. Mesmo que o Dasein se encontre lançado, não é, contudo, vítima do acaso, mas agente de transformação, com capacidade de organizar as coisas conforme suas necessidades, pois só o Dasein tem capacidade de criar e dar sentido aos seus projetos, realiza-se através do mundo que o circunda. A compreensão do ser próprio da pré-sença, inclui, de maneira igualmente originária, a compreensão de mundo e a compreensão do ser dos entes que se tornam acessíveis dentro do mundo. Dessa maneira, as ontologias que possuem por tema os entes desprovidos do modo de ser da pré-sença se funda e motivam na estrutura ôntica da própria pré-sença, que acolhe em si a determinação de uma compreensão pré-ontológica do ser. (HEIDEGGER, 1986 p. 40) Portanto, o que define o mundo para o Dasein passa pelo modo como ele se relaciona de modo imediato com o mundo, ao operar, ao trabalhar com instrumentos do seu dia-a-dia. O que se pretende mostrar é que é possível pensar a realização do homem sobre a terra como Dasein sob a forma de ser-no-mundo, condição que o torna existente; mas como veremos a

6 seguir, o ser-no-mundo é por essência um ser-com-outro, um ser de relação, ou seja no mundo o ser-ai não vive só, mas compartilha o mundo Ser-com-outro O próximo passo na analítica existencial se define pelo fato do Dasein viver em um mundo com outros entes, temos aqui o caráter social do Dasein. O ser-ai por ser um ser-no-mundo, constitui-se por suas relações com o ambiente de coisas e de outras pessoas. Ou seja, o Dasein vive em um mundo que também se manifesta e não apenas se dá como instrumentos e objetos que o cercam, mas fundamentalmente existe com outros entes com o modo de ser do Dasein, outros seres-ai. E isto Heidegger denomina ser-com (mitsein) e estar-ai-com (mitdasein). O Dasein é chamado a conviver em um mundo. Onde se relaciona com os outros Daseins e com os seres simplesmente dados. A relação entre Daseins dá-se por meio da preocupação (fürsorge). Com os entes simplesmente dados o dasein se ocupa, ao passo que com os homens se pré-ocupa. O ser-aí é constituído tanto pelas preocupações que condicionam o uso que faz dos objetos como utensílios, como pela solicitude que sente pelas pessoas que compartilham a existência com ele. A existência humana é ser com, tanto com as pessoas como com as coisas. (GILES, 1989, p. 101) Nesta idéia de preocupação há um sentido negativo de que o Dasein se antecipe à existência do outro, tirando-a dele. Nesta preocupação pelo outro, acaba muitas vezes assumindo o seu lugar, substituindo-o em seu sofrimento e responsabilidades, mas se esquece de si mesmo. Esta preocupação é negativa, pois assume a forma de uma impessoalidade (das man) hipócrita. Preocupa-se de mais com o outro e com o que se pensa e acha, se esquece do verdadeiro sentido de sua própria existência. A vida social para Heidegger é regida por uma noção obscura de convivência, em que não há sujeitos e sim domina o império do impessoal, cada um é como o outro (HEIDEGGER 1986, p. 179). Em que nem o eu nem o nós se distinguem, ocorre então uma perda do Dasein no espaço da opinião pública que determina o que cada um deve fazer: diz Heidegger: o quem é o neutro, o impessoal... o impessoal, que não é nada determinado,

7 mas o que todos são, embora não como soma, que prescreve o modo de ser da cotidianidade. (HEIDEGGER, 1986 p. 179) O que acontece é que o autêntico ser-com-outros degenera em mero ser-entreoutros (untereinandersein), e, assim, em inautenticidade (uneigentlichkeit). Inautenticidade para Heidegger é quando o Dasein não possui a si mesmo, quando ignora a peculariedade da existência de ser intérprete do mundo, agindo como se fosse apenas mais uma das entidades ou simples existências com que se depara no cotidiano da experiência. A inautenticidade não é um defeito ético dos fracos da vontade, mas uma estrutura necessária de nossa existência como entidades auto-interpretantes que não podem evitar interpretar a si mesmos de forma não apropriada, ou ser, com relação ao mundo. (RÉE, 2000) A existência deve ser, no entanto algo que se experiencie de forma pessoal. É o Dasein mesmo que constrói o mundo que o cerca. No entanto, com consciência de ser-com-outro, e que de certa forma auxilia na afirmação do próprio Dasein. Por outro lado, os Daseins, podem estabelecer uma relação onde sejam utilizadas as coisas, de maneira que venha contribuir e satisfazer, ambas as partes. Assim, o Dasein se constrói como um ser de relações, com seus semelhantes e com os objetos que compõe o seu universo: O Ser-aí é constituído tanto pelas preocupações que condicionam o uso que faz dos objetos como utensílios, como pela solicitude que sente pelas pessoas que compartilham a existência com ele. A existência humana é ser com, tanto com as pessoas como com as coisas. O outro é essencialmente o homem companheiro essencial e não apenas acidental. O ser-com pertence a própria natureza do ser-aì e é constitutivo da essência da existência. (GILES, 1975, p. 228) Os instrumentos só ganham sentido se alguém lhe der utilidade, valor, uso. Quem pode fazer isto é o Dasein, caracterizado aqui como ser-com, tendo a capacidade de lhe conferir sentido e nomear sua função. Não há existência do Dasein como ser-no-mundo, se este não se realizar como sercom-outro, pois, isto é essencial ao sentido do ser. E isto é independente se este outro está próximo ou não. 3 - DASEIN COMO ANGÚSTIA E PROJETO

8 Tendo em vista o tópico anterior, podemos afirmar que é indispensável ao Dasein o seu ser-no-mundo, que implica ser-com-outro. Ou seja, um ser de possibilidades e caminhos para uma existência autêntica. Pois sendo no mundo imerso em existência inautêntica, em uma situação de decadência, o homem deve emergir em busca do seu verdadeiro caminho Dasein como ser de angústia É por meio da angústia, estrutura fundamental que dá condição ao Dasein rumar à autenticidade, que o Dasein pode se livrar do peso imposto pela cotidianeidade e o impessoal: a angústia revela o ser para o poder ser mais próprio, ou seja, o ser livre para a liberdade de assumir e escolher a si mesmo (HEIDEGGER, 1986, p. 252) Diz Heidegger ser no conceito de angústia que se encontra o traço totalizante que define a essência do ser-ai, isto é a angústia enquanto disposição compreensiva que oferece o solo fenomenológico-hermenêutico para a compreensão explicita da totalidade originária do Dasein. Levando em consideração tais fatores, podemos dizer que angústia não é somente um fenômeno psicológico e ôntico, isto é, que se refere somente a um ente, mas sim à sua dimensão é ontológica, pelo fato de nos remeter à totalidade da existência como ser-nomundo. A angústia assume em Heidegger um cunho existencial essencialmente humano. Só o homem se angústia. O homem existe e tem uma compreensão do ser. O rochedo é, mas não existe, Deus é, mas não existe. Somente o homem existe. Aqui entendemos que a consciência tem um papel de importância crucial, pois disponibiliza o homem para o exercício da angústia, o instrumento que mostra o Dasein a si mesmo como especial e livre. A liberdade para Heidegger é a capacidade de transcender inerente ao homem e que possibilita uma maneira diferente de se expressar, de dar passos a construção de si mesmo. A transcendência é da própria essência do Ser-aí, pois não é tanto o que é mas também foi e não é, será o que agora não é. É de alguma maneira uma possibilidade colocada entre dois nadas, o passado e o futuro (GILES, 1989 p. 234) É a consciência o mecanismo chave do processo libertador do homem frente ao seu ser-no-mundo para suas capacidades mais próprias, inclusive o de ser-para-a-morte. É a consciência que conduz o homem a decisão, que é para Heidegger uma resposta eficaz e verdadeira ao exercício da consciência, escolha livre para o encontro consigo mesmo. É válido, porém, salientar que a decisão é uma escolha, diante da qual o Dasein se angustia, mas como já dissemos a angústia é o meio para o poder ser mais próprio e autêntico

9 A partir da decisão o homem tem a condição de delimitar o que é autenticidade ou inautenticidade. E com isto a condição de poder optar. Porém, mesmo a liberdade sendo algo intrínseco ao homem, depende do Dasein permanecer no nível do inautêntico ou passar a autenticidade. No quotidiano, no impessoal, em meio a seus cuidados e responsabilidades, o Dasein já tem certeza de sua liberdade. Contudo não é autêntica, pois esta só será alcançada verdadeiramente no pleno exercício da existência (NAVES, 2004, p.37). Portanto, a liberdade para o Dasein está frente à decisão existencial, do encontro ou não do seu ser mais próprio. Que se trata de uma decisão corajosa. Deste modo, tal liberdade caracteriza o homem como ser de possibilidades, ou seja, aberto à angústia. Faz-se necessário salientar que a angústia não deve ser tomada como um mero temor (furcht), embora seja o temor um existente fundamental mediante o qual o homem se encontra no mundo. O temor é, portanto, um estágio mais suave da angústia. Diz Heidegger em Ser e Tempo: o que se teme, o temível, é sempre um ente que vem ao encontro dentro do mundo e que possui o modo de ser simplesmente dado ou ainda da co-pre-sença. (HEIDEGGER, 1986, p.195) o temor é sempre de algo dentro do mundo, localizado, podendo ser de alguma coisa, ou de um outro Dasein. O temor é uma disposição anímica que nos desvia ou nos afasta de algo que tememos e assim manifesta o todo do mundo, em sua estranheza e assombro. No temor há muito mais força de revelação do mundo que qualquer outro tipo de acesso, como por exemplo, na alegria ou na felicidade, pois são transitórios e menos marcante. O medo, portanto trata-se de uma disposição central na nossa existência pelo fato que manifesta o mundo no momento de fuga do Dasein de si mesmo. Embora o Dasein tema algo determinado, fora de si, o endereço último de seu temor é ele mesmo e não o objeto ou o outro. O homem sente temor por algo porque é ele mesmo o afetado e o interessado. O fato do medo se voltar para fora é somente aparente, na verdade ele se dirige ao nosso ser íntimo. O temor é sempre um fenômeno privado, mesmo sendo possível temer por outrem. nós tememos em lugar do outro justamente quando ele não teme e audaciosamente enfrenta o que o ameaça. (HEIDEGGER,1986, p. 196) E desta forma, o temer é também uma maneira de estar com os outros na medida em que tememos por alguém, lembrando que não se trata de graus de sentimentos e, sim modos existenciais (HEIDEGGER,1986, p.197). Enfim o temor pode ter variações: o temor pode ser o assustador, o horror ou a decepção. Todas as modificações do temor, enquanto possibilidades da disposição apontam para o fato de que a presença, como ser-no-mundo, é temerosa. (HEIDEGGER, 1986, p.197)

10 Entre temor e angústia, portanto, existe uma diferença precisamente no fato de que a angústia é mais ampla que o temor. Como já assinalamos, o temor é direcionado a um ente determinado da nossa existência; já o objeto da angústia não tem um objeto determinado. Na angústia, enquanto disposição fundamental, não se sabe, diante de que nos angustiamos, ela passa a apresentar-se na medida em que em meio às ocupações do cotidiano, sobrevém certo tédio. E em nenhum ente é possível encontrar apoio para nos tirar tal desconforto, pelo contrário uma vez que há procura por conforto, o Dasein lança-se desenfreadamente no contato com as coisas, quando a angústia se intensifica. O Dasein sente-se cada vez mais estranho na angústia. O por quê a angústia se angustia não é um modo determinado de ser e uma possibilidade da pre-sença. A própria ameaça é determinada, não chegando, portanto, a penetrar como ameaça neste ou naquele poder-ser concreto e de fato. A angústia se angustia pelo próprio ser-nomundo. Na angústia o que se encontra à mão no mundo circundante, ou seja, o ente intramundano em geral, se perde. O mundo não é mais capaz de oferecer alguma coisa nem se quer a co-pre-sença dos outros. A angústia retira, pois, da presença a possibilidade de, na decadência, compreender assim mesma a partir do mundo e na interpretação pública. (HEIDEGGER, 1986, p. 251) O Dasein se angustia pelo simples fato de estar no mundo. É a existência enquanto tal que é angustiante. Desta maneira o Dasein não encontra sossego em nenhum ente. Não sabendo determinar a angústia. O nada que angustia o Dasein está acima de um ente determinado, trata-se do próprio véu do ser que se revela em nossa existência por meio da angústia. Enquanto modo de disposição é a angústia que abriu o mundo como mundo. Isto, porém não quer dizer que na angústia se conceba a mundaneidade do mundo. O ser tem em comum com o nada o fato de não se esgotar em nenhum ente determinado e não poder ser nunca definido, pois ambos determinam o todo de nossa existência. [...] estamos suspenso na angustia... a angústia nos suspende porque ela põe em fuga o ente em sua totalidade. Nisto consiste o fato de nós próprios, os homens que somos, refugiarmo-nos no seio dos entes. É por isso que, em última análise não sou eu ou não és tu que se sente estranho mas a gente se sente assim. Somente continua presente o puro ser-ai no estremecimento deste estar suspenso onde não há em que apoiar-se. (HEIDEGGER, 1973 p. 237) O Dasein está suspenso na angústia e muitas vezes nem a percebe, na maioria das vezes ela oferece uma estranha tranqüilidade. O homem angustia-se e não sabe definir de onde vem, qual seja o causador. Tal angústia não surge a todo momento, pelo contrário ela

11 tende a ser muito rara. [...] a angústia, entretanto, é um fenômeno que raramente ocorre, porque o homem cotidiano foge constantemente de si mesmo, e do significado próprio de serele-mesmo, de sua angústia. (LUIJPEN, 1973 p. 384). Porém, o Dasein que está sempre angustiado pode estar menos relacionado á angústia fundamental do que o Dasein que parece estar calmo. A angústia e o nada tomam o todo do ser do Dasein. A angústia está no puro fato de existir o simples ser-no-mundo, o mundo como mundo é a origem da angústia que nos toma por inteiro. [...] na angústia, se está estranho. Com isso se exprime, antes de qualquer coisa, a indeterminação característica em que se encontra a presença na angústia: o nada e o em lugar algum. Mas, estranheza significa igualmente não sentir-se em casa. (HEIDEGGER, 1986, p.252) O Dasein torna-se estranho na angústia, uma estranheza que é ao mesmo tempo um não sentir-se em casa. O lado positivo do fenômeno da angústia é que ele coloca a existência diante de si mesma, na presença, a angústia revela o ser para o poder ser mais próprio, ou seja,o ser-livre para a liberdade de assumir e escolher a si mesmo (HEIDEGGER, 1986, p.252). Faz com que o Dasein ultrapasse a si mesmo, alcançando uma situação de transcendência. Portanto, o ser-no-mundo tranqüilizado, familiarizado é um modo de estranheza do Dasein e não o contrário. O não sentir-se tranqüilo, em casa deve ser considerado, existencial e ontologicamente, como o fenômeno mais originário. Segundo Heidegger, só diante do fenômeno da angústia subsiste a possibilidade de uma abertura privilegiada, pelo fato de singularizar, a angústia retira o Dasein de sua decadência, ou seja, lhe revela a autenticidade e inautenticidade como possibilidades de seu ser (HEIDEGGER, 1986). Embora a angústia não seja ela mesma singular ela singulariza-se. Portanto, o homem é chamado a experimentar este antecipar diante do já dado, da existência fáctica e lançada na decadência Dasein como ser de projeto O Dasein como já mencionamos é um ser-em, pois é sempre lançado no mundo. Ele assume esse ser-lançado no projeto. Sendo consciente da sua situação de abandono, pois ser-ai

12 significa ser lançado no mundo para existir. Uma vez consciente de sua liberdade e colocado diante de suas possibilidades pelo sentimento da angústia é essencialmente ser de projeto. Isto nos remonta a análise do Dasein como abertura, ou local onde o ser se manifesta, e o seu ser no mundo o local em potência da realização de suas capacidades. a presença é um ente que, sendo, está em jogo seu próprio ser. Na constituição ontológica da compreensão, o estar em jogo evidenciou-se como o ser que se projeta para o poder-ser mais próprio. (HEIDEGGER, 1986, p. 256) O Dasein tem capacidade consciente de sua situação de lançado, abandonado a sua responsabilidade, guiar-se em meio ao mundo, lugar onde é chamado a ser projeto, a articular o seu projeto. O poder ser inclui de forma simples o Dasein, imerso no mundo do qual é parte integrante e não o outro, o próprio sujeito do projeto que é condutor livre diante de uma enorme gama de possibilidades. o ser-no-mundo, ao qual pertence, de maneira igualmente originária, tanto o ser junto ao que está a mão quanto o ser-com os outros, é sempre em função de si próprio. (HEIDEGGER, 1986 p.244) Como já assinalamos neste trabalho, a inautenticidade trata-se daquela existência que está envolvida com as coisas, com as responsabilidades e consequentemente discrimina a singularidade na existência. O poder-ser implica, porém uma delimitação das possibilidades, ou seja, as opções, as escolhas que darão significado a existência individual. Sendo assim cabe a cada um, fazer suas escolhas individualmente. É a partir das escolhas que o projeto vai se concretizando ou então perdendo-se. O poder-ser enquanto possibilidade de autenticidade, o homem... que toma decisão resoluta antecipante, projetando no futuro seu plano de vida e de ação, escolhe a autenticidade. (ARVON, 1978, ps. 225 e 226) e por isso se realizará, se o ser livre, através da angústia superar o simples desejo. Enfim, o Dasein tem a capacidade de transcender diante de suas possibilidades, suas capacidades. O que exige esforço e renúncias no decorrer da existência. Portanto é pela transcendência que lhe é essencial frente a sua liberdade consciente que o Dasein é chamado a conferir significação a sua existência. 4 O DASEIN EM HEIDEGGER COMO UM SER-PARA-A-MORTE Neste tópico procuramos analisar a estrutura fundamental que restringe toda a possibilidade do ser-no-mundo, de todo ser-com-outro. É pensando o Dasein como ser-para-a

13 morte que melhor entenderemos este ser que possui finitude e uma relação concreta com o sentido do ser em geral. 4.1 Ser-para-a-morte A questão da constituição ontológica de fim e totalidade, obriga a tarefa de uma análise positiva dos fenômenos da existência até aqui postergados. No centro destas considerações, acha-se a caracterização ontológica do ser-para-o-fim em sentido próprio da presença e a conquista de um conceito existencial da morte. (HEIDEGGER, 1997, p. 17) Em sua estrutura existencial o homem é ser-no-mundo, inautêntico e que traz em si a capacidade de angustiar-se, de contemplar toda sua estrutura existencial, além de temporal e de ser-para-a-morte. A temporalidade é revelada na mortalidade inevitável, uma condição existencial impossível de evitar. Haverá um momento em que cada Dasein chegará ao fim de sua jornada existencial, quer isto lhe agrade ou não, com a morte, a pré-sença completou o seu curso (HEIDEGGER, 1986 p.25). Isto, no entanto, remete à questão: como o Dasein poderia estar em posição de conceber a totalidade? Justamente pela capacidade de antecipar o futuro. O ser-aí é imbuído de uma constante incompletude. Portanto, não é apenas o presente, mas também é este estender-se temporalmente que tem um fim com na morte. Fazer uma analogia da morte dos outros e aplicar o que aprende ao seu próprio caso, talvez fosse uma maneira de totalizar a existência. Porém, encontra-se aí um problema que impossibilita, a morte de outros é o fim do mundo deles: em sentido genuíno, não fazemos a experiência da morte dos outros, no máximo, estamos apenas junto. (HEIDEGGER, 1997, p. 19) A morte ocorre no interior do mundo e será lembrado pelos que permanecem. Recolocando a questão da morte, poderia se pensar a vida e seu termino como a plena realização, como um fruto que cresce até chegar ao seu ponto mais elevado de maturação. Mas esta comparação também não será de utilidade, como afirma o próprio Heidegger: O fruto imaturo, por exemplo, encaminha-se para o seu amadurecimento. No amadurecimento, aquilo que é ainda não é, de modo algum, se oferece como algo que se lhe junta, no sentido de algo que ainda-não é simplesmente dado. O próprio fruto amadurece. O amadurecimento e o amadurecer caracterizam-lhe o ser enquanto fruto. Não fosse o fruto um ente que chegasse por si mesmo ao próprio amadurecimento, nada que lhe acrescentasse de fora poderia eliminar-lhe a imaturidade. O ainda-não da imaturidade não significa uma coisa exterior a qual, indiferente ao fruto, poderia ser simplesmente dada nele ou com ele. O ainda-não indica o próprio fruto em seu modo específico de ser. Enquanto algo a mão, a soma incompleta é indiferente ao resto que falta e não está a mão. Em sentido rigoroso, a soma não pode ser nem indiferente nem não

14 indiferente. Em seu amadurecimento, o fruto é não apenas não indiferente em relação à maturidade entendida como o outro de si mesmo, mas o fruto em amadurecimento á a sua imaturidade. O ainda não já está incluído em seu próprio ser, não como uma determinação arbitrária mas como um constitutivo. Analogamente, a presença, enquanto ela é, já é seu aindanão. (HEIDEGGER, 1997, p.24 e 25) Sempre se é muito jovem ou muito cedo para morrer. Sugere Heidegger que a maneira do Dasein entender a significação da totalidade de sua existência é este não considerar a morte como contingente, distante, bem definida, mas sim como uma certeza indefinida, mas eminente que é possível a cada instante. Assumindo conscientemente a realidade como tal, em que a morte não pode ser esquecida, nem tão pouco camuflada, o homem orienta-se através da consciência de fim fatal, fim este, sem data e horário determinados. Assim, ele defronta-se com o possível término das possibilidades, por não ser capaz de dizer, com precisão, que realizará tudo o que espera no ano vindouro, no mês que se aproxima; no dia de amanhã, tão pouco daqui a alguns instantes. (NAVES, 2004, p. 45) Para Heidegger, cada momento da existência é afetado por morte, ou pelo ser-para-amorte (Zein zum tode). O Dasein não vive por um determinado tempo depois pára, como um motor que acabou o combustível. O ser-aí é essencialmente finito. Diante da certeza da morte, o homem tem a oportunidade de escolher entre encará-la, aceitando tudo o que engloba esta condição, ou ainda, por ser essencialmente livre, se fazer indiferente na presença do inevitável, isto é, da possibilidade de existir, fim definitivo. Interromper uma gama de outras possibilidades que estavam por vir. Esta vivência na cotidianidade, no inautêntico, se dá devido ao medo que tem o Dasein de pensar a inexistência, de experienciar a angústia; isso conduz a um envolvimento com os objetos, com os instrumentos corriqueiros que os engole, não permitindo um confronto consciente com seu destino mais próprio: a morte. Nessa fuga diante da morte, mais uma vez o ser-aí torna-se escravo do Impessoal que força seu ponto de vista e seu comportamento sobre a existência do ser-aí, tirando-lhe toda capacidade de decisão autentica e toda responsabilidade própria, pois leva a viver uma atitude de fuga constante diante da sua existência que é fundamentalmente a existência para a morte. (GILES, 1975, p. 237) Um dos motivos que levam o ser-aí a fugir de seu destino mais próprio é o medo do desconhecido. Encontra-se aí o motivo maior de fuga: o medo do desconhecido. Além de seres racionais, somos também empíricos e desejamos continuamente habitar o reino do cognoscível, onde a segurança nos ancora e somos tomados por ela. (NAVES, 2004, p. 43)

15 O fato da morte ser inevitável a todos os viventes a torna igualizadora, porém em outro sentido diz Heidegger ser o que individualiza de maneira mais absoluta. Individualidade não no sentido de uma personalidade interna distinta, mas por estabelecer as diferenças entre uma e outra existência: ser-com o morto não faz a experiência do ter-chegado-ao-fim do finado. [...] em sentido genuíno, não fazemos a experiência da morte dos outros. No máximo, estamos apenas junto. (HEIDEGGER, 1997, p. 19) Ou como diz Giles: É impossível experimentar a morte de outro. Não importa quanto sofra diante da agonia da morte de outro; não importa quanto eu possa estar aflito pessoalmente por causa da perda de um ser querido. A morte dele não é a minha. O próprio sentido da morte é que ela rouba o eu do seu próprio ser individual. (GILES, 1975, p. 237) O Dasein imerso no cotidiano conhece casos de morte. Este ou aquele, próximo ou distante morre. A morte vem como um acontecimento conhecido que ocorre dentro do mundo. Tornou-se uma não surpresa característica de tudo o que vem ao encontro na quotidianidade. Algum dia se morre, mas de imediato, não se é atingido por ela. Portanto reconhece-se que a morte vai chegar mas, no entanto, evita pensar em suas implicações. Escapar da morte encobrindo a domina, com tamanha teimosia, a cotidianidade que, na convivência, os mais próximos freqüentemente ainda convém o moribundo que ele haverá de escapar da morte e, assim, retornar á cotidianidade tranqüila de seu mundo de ocupações. Essa preocupação significa inclusive a tentativa de consolar o moribundo. Embora pretenda restituir a presença, não faz se não ajudar a entranhar-lhe ainda mais sua possibilidade de ser mais própria e irremissível. É desta maneira que o impessoal busca continuamente tranqüilizar a respeito da morte. No fundo, essa tranqüilidade Vale não apenas par o moribundo mas, sobretudo, para aqueles que consolam. E, quando deixa de viver, esse acontecimento não deve chegar a perturbar e a desestabilizar a public-idade em sua ocupação despreocupada. Não é raro perceber na morte dos outros um desagrado e até mesmo uma falta de tato social de que a public-idade deve se precaver. (HEIDEGGER, 1997, p. 36) A existência não é dada ao Dasein como um caminho certo, traçado, no final do qual está a morte, ela é antes uma possibilidade, e como tal pode surpreender-se a qualquer momento com a chegada do fim. Esta constatação de que um dia se morre é fruto da cotidianidade do Dasein que o tranqüiliza e o mantém anestesiado perante a morte. Diferente dos que estão sob influência da angústia, capaz de arrancar da inautenticidade quem está nela imerso, e por isso que se pode dizer que é na disposição da angústia que o estar-lançado na morte se desentranha para a presença de modo mais originário e penetrante. A angústia com a morte é angústia com o poder

16 ser mais próprio, irremissível e insuperável certa e, como tal indeterminada. (HEIDEGGER, 1997) Movido pelo inautêntico, o homem fica impossibilitado de realizar uma eclosão da consciência de sua finitude, não consegue vislumbrar a sua temporalidade como aquela a qual a morte pode surpreender, interrompendo sua existência e com isso todas as outras possibilidades. Como diz Heidegger, a morte se revela como a possibilidade mais própria, incondicionada e insuperável. A voz da consciência, por conseguinte, remete ao sentido da morte e revela a nulidade de todo projeto. Deste modo, a morte impede que alguém se fixe apenas na situação em questão, mostrando a nulidade dos projetos temporais, alicerçando assim a história. O que reafirma o Dasein, portanto, como um ser-para-a-morte. Logo, é assumindo esta possibilidade mais própria com decisão antecipadora que o homem encontrará o seu ser mais autêntico. Diante do ser-para-a-morte o Dasein é impulsionado a decidir-se perante as demais possibilidades que se apresentam a ele, ou seja, escolher qual maneira de existir, pois ao chegar á morte, toda possibilidade será definitivamente retirada sejam elas quais quer que sejam. O homem que se defronta com a morte em conseqüência da angústia, na qual se encontra, decide assumi-la, torna sua existência autêntica e compreende o destino que está dando no presente, ao seu existir. Autenticamente é a existência marcada pelo autodomínio das possibilidades, ou seja, o próprio Dasein, consciente de sua finitude, assume seu destino e responsabilidade de existente no mundo em ser-com-outro. Esta capacidade que o Dasein tem de se antecipar perante a morte é um sinal de que ele é possuidor do seu futuro, no entanto é necessário firmar os pés no presente, para que possa projetar então as suas potencialidades. Como ser consciente de sua finitude e autêntico, o Dasein se vê diante de uma tri dimensão temporal: passado, presente e futuro. Sendo que o passado é a base para o presente, onde se pode beber para edificar o presente; desta maneira, o momento atual terá sentido, e a partir de então virá o futuro, como projeto cheio de possibilidades. O ser humano, portanto, não é e nunca seria um ser acabado e tudo aquilo que pode ser, estaria sempre diante de uma infinita gama de possibilidades. Estas possibilidades geram no Dasein um mal estar constante, uma permanente tensão entre o real, o que ele é, e aquilo que virá a ser. Geraria assim no Dasein, segundo Heidegger, a inquietação. Ou seja, assumindo seu passado, ao mesmo tempo, seu projeto de ser, o ser-aí afirma sua presença no

17 mundo. Desta maneira ultrapassa o estágio da angústia e toma o seu destino em suas próprias mãos. Cabe assim ao Dasein, como ser livre, dar a sua existência o sentido que lhe convém. Seguindo desta maneira o Dasein vai dar a sua existência um sentido plenamente autêntico e verdadeiro, pois se liberta da inautenticidade, caracterizada pela preocupação exagerada com as coisas e com a vida igualmente experienciada pelos demais Daseins. Portanto, a existência do ser-para-a-morte, se dá em um determinado tempo que constitui o ser-no-mundo. Caberá ao ser-ai dar o devido sentido à sua existência, dentro deste período histórico. Porém, o Dasein deve projetar-se tendo em vista a autenticidade, pois é por meio desta que ele realiza a verdadeira temporalidade que dá sentido a existência. CONSIDERAÇÕES FINAIS Martin Heidegger é um dos principais expoentes da filosofia, das correntes fenomenológica e existencial. Seu pensamento sem dúvida é um marco na história ocidental. Em nosso trabalho, através de uma análise dos conceitos axiais de Heidegger, presente em Ser e Tempo, embasado em escritos posteriores e em alguns comentadores que nos auxiliaram na compreensão de sua filosofia, nos prepusemos a refletir por meio de seus conceitos a analítica existencial da finitude, em especial o conceito de ser-para-a-morte. Fizemos uma abordagem em relação aos conceitos essenciais a nossa investigação, tendo por base a estrutura ontológica do Dasein e sua possibilidade existencial de autenticidade e inautenticidade, já apontando para a finitude. Uma investigação dos possíveis caminhos para uma autenticidade e automaticamente para o encontro do sentido da existência, na relação com os Daseins e com as coisas, tomando consciência do seu ser-para-a-morte. Logo, tratamos mais propriamente do conceito de ser-para-a-morte de Heidegger. Pois segundo o filósofo a morte é a possibilidade mais própria, incondicionada e insuperável. Portanto a possibilidade de não-poder-mais-ser-aí, fato que o Dasein deve estar consciente, virá sobre ele mesmo dissipando todas as relações com os outros Daseins e com toda e qualquer possibilidade. É possibilidade intransponível, no sentido de que a morte é a última possibilidade da existência. O viver para a morte, então, é o autêntico sentido da existência, pois nos afasta da simples submissão aos fatos e circunstâncias. Mediante a experiência refletida com o seu nada é possível a antecipação da morte e então o encontro com o sentido do ser

18 Enfim, foi objetivo nosso através desta investigação, demonstrar que é possível mesmo que pelo viés negativo: angústia, finitude, nada etc., a possibilidade de dar um sentido pleno a existência temporal, por encontrar-se sabedor da condição de fragilidade e finitude que nos constitui como Dasein. REFERÊNCIAS ARVON, Henri. A filosofia alemã: A filosofia existencialista. Lisboa: Publicações Dom Queixote, GILES, Thomas Ransom. História do existencialismo e da fenomenologia. São Paulo: EPU, História do existencialismo e da fenomenologia. São Paulo: EPU, HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Trad. Márcia de Sá Cavalcante. 3ª Ed. Petrópolis RJ: Vozes, Ser e Tempo. Vol. 2. Trad. Márcia de Sá Cavalcante. 5º Ed. Petrópolis RJ: Vozes, Carta Sobre o Humanismo. Trad. Rubens Eduardo frias. 1ª Ed. Moraes. São Paulo Que é Metafísica. Tradução de Ernildo Estein. Abril cultural. São Paulo: (os pensadores) LUIJPEN, Wilhelmus Antonius Maria. Introdução à Fenomenologia existencial.trad. Carlos Lopes de Matos. São Paulo, EPU, Ed. Da Universidade de São Paulo, NAVES, Gilzane Silva. A ÉTICA EM SER E TEMPO: Uma análise interpretativa de caráter ôntico e ontológico dos conceitos de Martin Heidegger. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. PUC-CAMPINAS, RÉE, Jonathan. Heidegger, História e Verdade em Ser e Tempo. Tradução de José de Almeida Marques, Karem Volobuef. São Paulo: Editora UNESP, 2000 (coleção Grandes Filósofos)

19 REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia: Do romantismo até nossos dias. Vol.3. São Paulo. Edições Paulinas, (Coleção Filosofia)

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER Jupyra Vilela Barreto (Grupo PET - Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento

Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento de Charles Guignon Nosso objetivo, no texto que segue, é expor os quatro

Leia mais

Dependência química O tratamento pelo olhar das psicólogas.

Dependência química O tratamento pelo olhar das psicólogas. Dependência química O tratamento pelo olhar das psicólogas. Larissa Cortez Sarmiento Universidade do Sagrado Coração, Bauru/ SP e-mail: larissasarmiento@bol.com.br Sany Estefani Devides Universidade do

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

OS MODOS DE EXISTÊNCIA DO DASEIN: INAUTENTICIDADE

OS MODOS DE EXISTÊNCIA DO DASEIN: INAUTENTICIDADE OS MODOS DE EXISTÊNCIA DO DASEIN: INAUTENTICIDADE RESUMO E AUTENTICIDADE EM SER E TEMPO Este artigo tem por objetivo tematizar a distinção entre os modos de existência do Dasein: inautenticidade, o ser-próprio

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DO SER: Reflexões sobre os pensamentos de Sócrates e Heidegger. Luiz Fernando Bandeira de Melo* Gilzane Silva Naves** Resumo

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DO SER: Reflexões sobre os pensamentos de Sócrates e Heidegger. Luiz Fernando Bandeira de Melo* Gilzane Silva Naves** Resumo ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DO SER: Reflexões sobre os pensamentos de Sócrates e Heidegger Luiz Fernando Bandeira de Melo* Gilzane Silva Naves** Resumo Este artigo visa apresentar um estudo comparativo entre

Leia mais

A FORMAÇÃO DE CONCEITOS FILOSÓFICOS E A EXPERIÊNCIA FÁTICA DA VIDA NUMA PERSPECTIVA HEIDEGGERIANA

A FORMAÇÃO DE CONCEITOS FILOSÓFICOS E A EXPERIÊNCIA FÁTICA DA VIDA NUMA PERSPECTIVA HEIDEGGERIANA A FORMAÇÃO DE CONCEITOS FILOSÓFICOS E A EXPERIÊNCIA FÁTICA DA VIDA NUMA PERSPECTIVA HEIDEGGERIANA Giovani da Silva Araújo Faculdade de Filosofia CCHSA giovanidasilvaaraujo@yahoo.com.br Resumo: Fenomenologia

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

REVISTA DON DOMÊNICO O SER-NO-MUNDO COMO CONSTITUIÇÃO FUNDAMENTAL DA PRESENÇA UMA ANÁLISE DO SER EM UMA PERSPECTIVA HEIDEGGERIANA

REVISTA DON DOMÊNICO O SER-NO-MUNDO COMO CONSTITUIÇÃO FUNDAMENTAL DA PRESENÇA UMA ANÁLISE DO SER EM UMA PERSPECTIVA HEIDEGGERIANA O SER-NO-MUNDO COMO CONSTITUIÇÃO FUNDAMENTAL DA PRESENÇA UMA ANÁLISE DO SER EM UMA PERSPECTIVA HEIDEGGERIANA Adriano Martins Soler 1 Resumo O presente artigo apresenta uma releitura estrutural ontológica

Leia mais

PSICOLOGIA DA FORMA (GESTALT)

PSICOLOGIA DA FORMA (GESTALT) ULT FATI DISCIPLINA: PSICOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO PROF. FRACASSO - AULA 29/08/12 ================================================================ MATERIAL DE APOIO FONTE: http://www.igestalt.psc.br/hist.htm

Leia mais

A experiência de corpo na depressão: um estudo fenomenológicoexistencial

A experiência de corpo na depressão: um estudo fenomenológicoexistencial A experiência de corpo na depressão: um estudo fenomenológicoexistencial Synara Layana Rocha Barbosa - Universidade Federal do Rio Grande do Norte A depressão tem se tornado um dos modos de adoecimento

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

HEIDEGGER: UMA NOVA CONCEPÇÃO PSÍQUICA DO SER

HEIDEGGER: UMA NOVA CONCEPÇÃO PSÍQUICA DO SER HEIDEGGER: UMA NOVA CONCEPÇÃO PSÍQUICA DO SER Fabrício Ramos de Oliveira Orientador: Prof. Dr. Éder Soares Santos RESUMO Heidegger nos Seminários de Zollikon relata a necessidade de uma ciência da psique

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia

Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia 1 Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia Luís Washington Vita (1955) DELFIM SANTOS, Fundamentação Existencial da Pedagogia, Limeira, Letras da Província, 1951-115; Revista Brasileira de Filosofia

Leia mais

O problema da transcendência em Husserl e Heidegger

O problema da transcendência em Husserl e Heidegger O problema da transcendência em Husserl e Heidegger The problem of the transcendence in Husserl and Heidegger Claudia Raquel Macedo (UFPI Teresina - PI) 1 mecrad@bol.com.br Orientador: Prof. Dr. Luciano

Leia mais

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL Naillê de Moraes Garcia * RESUMO: Este artigo pretende fazer uma análise da crítica de Schopenhauer a fundamentação da moral kantiana.

Leia mais

JULIO CESAR DE SÁ RORIZ

JULIO CESAR DE SÁ RORIZ UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO EM PSICOLOGIA JULIO CESAR DE SÁ RORIZ PSICOTERAPIA

Leia mais

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 2ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Ser humano não é ser uma pessoa, ser humano é ser um aluno. Aluno de que e de quem?

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Adriano José da Silva, Patrícia Hetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em geografia adriano_hist@hotmail.com.

Leia mais

ENTReVISTA COM ENRIQUe DUSSeL

ENTReVISTA COM ENRIQUe DUSSeL ENTReVISTA COM ENRIQUe DUSSeL Bruno Cortinove* Por conta do I Congresso Brasileiro de Filosofia da Libertação juntamente com o I Simpósio de Professores de Filosofia e Filósofos do Estado de São Paulo

Leia mais

DO FATO À INTERPRETAÇÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE NIETZSCHE

DO FATO À INTERPRETAÇÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE NIETZSCHE Alison Ferreira Oliveira (Bolsista PET Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora Tutora do Grupo PET) Agência financiadora: MEC/SESu Resumo: O presente trabalho analisa a noção de saber (do

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

A ÉTICA NA ENFERMAGEM

A ÉTICA NA ENFERMAGEM A ÉTICA NA ENFERMAGEM Os enfermeiros são profissionais de saúde constantemente chamados a intervir e a tomar decisões, no sentido de preservar a saúde, combater a doença, ajudar a nascer e a morrer. A

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

O Ser na Psicanálise Existencial

O Ser na Psicanálise Existencial O Ser na Psicanálise Existencial Paulo Roberto de Oliveira Resumo: Pretendemos abordar a questão do ser, pois, entendemos que a reflexão sobre o humanismo ou pós-humanismo passa por uma análise ontológica.

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara 100 FRASES para um dia mais feliz de Ana Flávia Miziara Você está alegre? A vida está sorrindo para você? Você se lembrou de sorrir hoje? Lembre-se que a alegria é a fartura da vida e da mente. A vida

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CARÁTER OBSCURO DO PENSAMENTO DE HERÁCLITO

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CARÁTER OBSCURO DO PENSAMENTO DE HERÁCLITO CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CARÁTER OBSCURO DO PENSAMENTO DE HERÁCLITO Weiderson Morais Souza (Bolsista PET Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora - Tutora do Grupo PET Filosofia) Agência financiadora:

Leia mais

Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação RESAFE

Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação RESAFE Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação RESAFE EDUCAÇÃO, CONHECIMENTO E FINITUDE Cezar Luís Seibt * RESUMO: A complexidade da realidade humana não permite que a razão instrumental esgote explicativamente

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

ALTERIDADE E VERDADE HISTÓRICA

ALTERIDADE E VERDADE HISTÓRICA ALTERIDADE E VERDADE HISTÓRICA FRANCISCO JOSÉ DIAS DE MORAES Departamento de Filosofia Instituto de Ciências Humanas e Sociais Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Tradicionalmente a verdade é

Leia mais

CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY

CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY Nivaldo de Souza Aranda Graduando em Filosofia pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG Profª Maria Aparecida de Souza Silva

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

Domingos Terra, s. j. A Gramática da Fé Cristã

Domingos Terra, s. j. A Gramática da Fé Cristã Domingos Terra, s. j. A Gramática da Fé Cristã Lisboa Universidade Católica Editora 2015 Índice INTRODUÇÃO 9 CAPÍTULO 1. FÉ CRISTÃ: CONCEITO E IDENTIDADE 11 1. Clarificação concetual 12 1.1. O problema

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

Revista Pandora Brasil Número 40, Março de 2012 ISSN 2175-3318 O HOMEM E A CONSTRUÇÃO DE SUA HUMANIDADE

Revista Pandora Brasil Número 40, Março de 2012 ISSN 2175-3318 O HOMEM E A CONSTRUÇÃO DE SUA HUMANIDADE O HOMEM E A CONSTRUÇÃO DE SUA HUMANIDADE RESUMO: Este artigo reflete sobre a ideia da humanidade no homem. Visamos demonstrar que o ato de existir para o homem pode implicar em alguns questionamentos,

Leia mais

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos A Vida Simples Claudio Miklos Nos últimos tempos tenho pensado muito em como seria maravilhoso adquirir o mérito de viver simplesmente, em algum lugar aberto, pleno em verde e azul, abrigado das loucuras

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

O CONHECIMENTO DE SI MESMO

O CONHECIMENTO DE SI MESMO O CONHECIMENTO DE SI MESMO Paulo Luccas paulo.luccas@consultoriafocus.com.br Resumo O conhecimento de si mesmo, ou ao menos, de quem é o homem em sua dimensão antropológica, é hoje um das mais urgentes

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

THEREZINHA OLIVEIRA SUICÍDIO? UM DOLOROSO ENGANO. 3 a ed.

THEREZINHA OLIVEIRA SUICÍDIO? UM DOLOROSO ENGANO. 3 a ed. THEREZINHA OLIVEIRA SUICÍDIO? UM DOLOROSO ENGANO 3 a ed. Campinas SP 2006 PARA E PENSA A um passo do ato desesperado, para e pensa: O suicídio não trará solução para o momento aflitivo que atravessas.

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES A ética de Aristóteles estabelece o conteúdo e os meios de alcançar-se a eudaimonia, a plena realização humana. Tratar do conceito de Eudaimonia em Aristóteles, devido

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

A ÉTICA NO AMBIENTE ESCOLAR: EDUCANDO PARA O DIÁLOGO

A ÉTICA NO AMBIENTE ESCOLAR: EDUCANDO PARA O DIÁLOGO A ÉTICA NO AMBIENTE ESCOLAR: EDUCANDO PARA O DIÁLOGO Edson Carpes Camargo 1 Jorge Alberto Lago Fonseca 2 Resumo: O presente artigo visa abordar a ética no ambiente escolar. Primeiramente faz-se a distinção

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Elemar Kleber Favreto RESUMO Este artigo tem por objetivo esclarecer alguns aspectos mais gerais da crítica que Deleuze faz à

Leia mais

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução Introdução Em matérias jornalísticas publicadas em vários países do mundo nos últimos anos emerge um aparente paradoxo a respeito da vida na península italiana: o amor do mundo pela Itália, enquanto os

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

Leonardo Cavalcante Daniel Santos Costa

Leonardo Cavalcante Daniel Santos Costa Leonardo Cavalcante Daniel Santos Costa Novatec capítulo 1 INTRODUÇÃO Provavelmente você, leitor, perderá dinheiro com o mercado financeiro. Isso mesmo. Repito: provavelmente perderá dinheiro com o mercado

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA RESENHA BIBLIOGRÁFICA BERVIQUE, Profa. Dra. Janete de Aguirre Docente do Curso de Psicologia FASU / ACEG - Garça-SP Brasil e-mail: jaguirreb@uol.com.br 1. IDENTIDADE DA OBRA MAY, Rollo O homem à procura

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

Ser-aí em Heidegger e Psicopedagogia: considerações sobre uma parceria possível

Ser-aí em Heidegger e Psicopedagogia: considerações sobre uma parceria possível Ser-aí em Heidegger e Psicopedagogia: considerações sobre uma parceria possível Abimael Francisco do Nascimento 1 RESUMO Considerando a Psicopedagogia como um saber interdisciplinar e a filosofia heideggeriana

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS: UMA INVESTIGAÇÃO FILOSÓFICA

AÇÕES AFIRMATIVAS: UMA INVESTIGAÇÃO FILOSÓFICA AÇÕES AFIRMATIVAS: UMA INVESTIGAÇÃO FILOSÓFICA Gabriel Goldmeier * RESUMO: O aprimoramento do debate público sobre um tema tão polêmico quanto o das ações afirmativas é fundamental. A fim de colaborar

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais

A questão do ser em geral em Ser e Tempo, de Martin Heidegger

A questão do ser em geral em Ser e Tempo, de Martin Heidegger www.ufjf.br/eticaefilosofia A questão do ser em geral em Ser e Tempo, de Martin Heidegger Paulo Afonso de Araújo Professor da UFJF RESUMO: O artigo busca indicar uma dificuldade que envolve a construção

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais