Produção de Óleos Lubrificantes. Refinaria Duque de Caxias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção de Óleos Lubrificantes. Refinaria Duque de Caxias"

Transcrição

1

2 Produção de Óleos Lubrificantes Refinaria Duque de Caxias

3 Roteiro Apresentação Classificação de Óleos Básicos Lubrificantes Parafínicos Rota Solvente Produção de Básicos na Petrobras Produção de Básicos na REDUC Ocorrência e Ações de 2010

4 Roteiro Apresentação Classificação de Óleos Básicos Lubrificantes Parafínicos Rota Solvente Produção de Básicos na Petrobras Produção de Básicos na REDUC Ocorrência e Ações de 2010

5 Formação Eng. Químico EQ/UFRJ 1987 Eng. Processamento de Petróleo Petrobras 1988 Apresentação Mestre em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos EQ/UFRJ 2002 MBA em Gestão para Desenvolvimento Sustentável ULBRA / Universidade Fernando Pessoa Portugal 2006 Contatos Telefone: (21)

6 Experiência Profissional REDUC 1988 à 2004 Engº. de Processo e Produtos Combustíveis e Petroquímicos Gerente de Transferência e Estocagem de Combustíveis Gerente Interino de Engª de Processo Combustíveis e Petroquímicos Coordenador de Meio Ambiente BR Distribuidora 2004 Gerente de Segurança, Meio Ambiente e Saúde da GEI Abastecimento Sede 2004 à 2006 Coordenador de Tecnologia de Refino para Lubrificantes e Parafinas REDUC 2006 Gerente de Produção de Lubrificantes e Parafinas Gerente de Comercialização Apresentação

7 Roteiro Apresentação Classificação de Óleos Básicos Lubrificantes Parafínicos Rota Solvente Produção de Básicos na Petrobras Produção de Básicos na REDUC Ocorrência e Ações de 2010

8 Natureza Química Naftênicos Baixo ponto de fluidez Baixo índice de viscosidade Elevado poder de solvência Parafínicos Elevado índice de viscosidade Elevado ponto de fluidez Baixo poder de solvência Classificação de Óleos Básicos

9 Lubrificantes Parafínicos Rotas de Produção Rota Solvente Depende exclusivamente da matéria-prima (petróleo) Se baseia na extração dos compostos com qualidade para lubrificantes já existentes no petróleo Processo formado exclusivamente de unidades de separação Maior utilização no mundo Rota Hidrorrefino Classificação de Óleos Básicos Pouco dependente da matéria-prima (petróleo) Se baseia na produção dos compostos com qualidade para lubrificantes, a partir de reações de hidrocraqueamento (craqueamento e hidrogenação simultaneamente) de frações do petróleo Processo com predominância de unidades de transformação Menor disponibilidade

10 Classificação de Óleos Básicos Lubrificantes Parafínicos Classifação API x Rotas de Produção GRUPO I GRUPO II GRUPO III GRUPO IV 80<IV<120 80<IV<120 IV 120 %SAT < 90 %SAT > 90 %SAT > 90 %S > 0,03 %S < 0,03 %S < 0,03 HIDRORREFINO PAOs GRUPO V SOLVENTE MISTA GTL OUTROS Qualidade

11 Roteiro Apresentação Classificação de Óleos Básicos Lubrificantes Parafínicos Rota Solvente Produção de Básicos na Petrobras Produção de Básicos na REDUC Ocorrência e Ações de 2010

12 Característica da Matéria Prima Bom rendimento dos cortes da destilação à vácuo (gasóleos) Cortes de vácuo com baixo teores de aromáticos Baixo teor de compostos nitrogenados Preferencialmente, cortes de vácuo com baixo teor de parafinas lineares Cortes de vácuo com elevados índices de viscosidade Petróleos Típicos Petróleo Brasileiro Petróleo Baiano Lubrificantes Rota Solvente Petróleo Importado Petróleos Árabes (Arábia e Iraque)

13 Desasfaltação à Solvente RV Destilação Atmosférica e à Vácuo Cortes Vácuo ODES Unidades de Parafinas Desoleificação à Solvente Hidroacabamento de Parafinas Parafinas Desaromatização à Solvente Desparafinação à Solvente Hidroacabamento de Óleos Óleos Básicos Unidades de Óleo Lubrificantes Rota Solvente

14 GLP Lubrificantes Rota Solvente Petróleo Destilação Atmosférica Nafta Leve Nafta Pesada Querosene Diesel Leve Diesel Pesado Destilação do Petróleo Atmosférica e a Vácuo Spindle Destilação à Vácuo Neutro Leve Neutro Médio Neutro Pesado Resíduo de Vácuo

15 Lubrificantes Rota Solvente Resíduo de Vácuo Recuperação de Solvente do Extrato Retificação do Extrato Óleo Desasfaltado SEÇÃO DE EXTRAÇÃO Purificação do Solvente Vapor Vapor Água Recuperação de Solvente do Rafinado Retificação do Rafinado Resíduo Asfáltico Desasfaltação à Solvente

16 Lubrificantes Rota Solvente Recuperação de Solvente do Rafinado Retificação do Rafinado Cortes Desaromatizados Cortes Destilados ou Desasfaltados SEÇÃO DE EXTRAÇÃO Recuperação de Solvente do Extrato Purificação do Solvente Retificação do Extrato Vapor Vapor Água Extrato Aromático Desaromatização à Solvente

17 Lubrificantes Rota Solvente Vapor Recuperação de Solvente do Óleo Purificação do Solvente Parafina Oleosa SEÇÃO DE RESFRIAMENTO E FILTRAÇÃO Recuperação de Solvente da Parafina Desparafinação à Solvente Vapor Cortes Desaromatizados Cortes Desparafinados Vapor Água

18 Lubrificantes Rota Solvente Vapor Recuperação de Solvente do Óleo Parafina Mole Parafina Oleosa SEÇÃO DE RESFRIAMENTO E FILTRAÇÃO Purificação do Solvente Vapor Água Recuperação de Solvente da Parafina Parafina Desoleificação à Solvente Vapor

19 Lubrificantes Rota Solvente H 2 Óleo Básico ou Parafina Hidrotratamento Óleo Básico ou Parafina Hidrotratado (Produto Final) Hidrotratamento de Óleos ou de Parafinas

20 Desasfaltação à Solvente RV Destilação Atmosférica e à Vácuo Cortes Vácuo ODES Unidades de Parafinas Desoleificação à Solvente Hidroacabamento de Parafinas Parafinas Desaromatização à Solvente Desparafinação à Solvente Hidroacabamento de Óleos Óleos Básicos Unidades de Óleo Lubrificantes Rota Solvente

21 Roteiro Apresentação Classificação de Óleos Básicos Lubrificantes Parafínicos Rota Solvente Produção de Básicos na Petrobras Produção de Básicos na REDUC Ocorrência e Ações de 2010

22 Óleos Básicos na Petrobras

23 LUBNOR Óleos Básicos na Petrobras Partida: 1998 Produção: m³/ano de Básicos Naftênicos Grupo V Processamento: m³/dia de Petróleo Nacional RLAM Partida / Modernização: 1960 / 1975 Produção: m³/ano de Básicos Parafínicos Grupo I Processamento: m³/dia de Petróleo Nacional

24 REDUC Óleos Básicos na Petrobras Partidas: 1972 / 1979 (1º e 2º Conjuntos de Óleos Básicos) Produção: m³/ano de Básicos Parafínicos Grupo I Processamento: m³/dia de Petróleo Importado

25 Roteiro Apresentação Classificação de Óleos Básicos Lubrificantes Parafínicos Rota Solvente Produção de Básicos na Petrobras Produção de Básicos na REDUC Ocorrência e Ações de 2010

26 Desasfaltação à Solvente U-1790 RV Destilação Atmosférica e à Vácuo U s 1510/1710 Cortes Vácuo ODES Unidades de Parafinas Desaromatização à Solvente U s 1520/1720 Desoleificação à Solvente U-1630 Hidroacabamento de Parafinas U-1640 Parafinas Desparafinação à Solvente U s 1530/1730 Hidroacabamento de Óleos U s 1540/1740 Óleos Básicos Unidades de Óleo Óleos Básicos na REDUC

27 Óleos Básicos na REDUC 1972/1973 Primeiro Conjunto de Lubrificantes Capacidade : m³/ano de óleos básicos Sem produção de parafinas Unidades: 1510/1240/1520/1530/ Início da Produção de Parafinas Capacidade: t/ano de parafinas Unidades: 1620/1630/ /1979 Segundo Conjunto de Lubrificantes Capacidade: m³/ano de óleos básicos (Total REDUC) Unidades: 1710/1790/1720/1730/1740/1820

28 Óleos Básicos na REDUC Instalação de pré-aquecedores de ar para fornos 1984 Ampliação da U-1790 de para m³/d U-1240 passou à produzir carga para FCC Implementação de diluições progressivas na U-1530 Troca do solvente das U s 1530/1730 de MEC/TOL para MIBC Ampliação da U-1720 de para m³/d (Carga BS)

29 Óleos Básicos na REDUC Substituição dos variadores mecânicos de rotação dos filtros das U s 1530/1630/1730 por inversores de freqüência 1996 Ampliação da U-1540 de 1200 para 1700 m3/d Instalação de SDCD nas U-1790 (2000), U-1710 (2001) e U-1510 (2002) Modernização dos Fornos da U-1790 (2005) e U-1710 (2006)

30 Melhorias Previstas Óleos Básicos na REDUC Instalação de 2 novos filtros de desparafinação (8 os filtros) Compra de 2 novos filtros de desparafinação para substituição Implantação de sistema de injeção de auxiliar de desparafinação na U-1730 Instalação de SDCD s nas unidades U s 1530/1630/1730

31 Roteiro Apresentação Classificação de Óleos Básicos Lubrificantes Parafínicos Rota Solvente Produção de Básicos na Petrobras Produção de Básicos na REDUC Ocorrência e Ações de 2010

32 Ocorrência de 28/02/2010 Ocorrência e Ações de 2010 Incêndio na subestação principal da refinaria Parada preventiva de todas as unidades de processo Consequências Parada total da refinaria Danos na subestação de entrada de energia elétrica da refinaria Danos no sistema de controle da principal casa de força da refinaria

33 Ações Efetuadas Ocorrência e Ações de 2010 Adequação de subestação provisória e interligações elétricas para restabelecer a rede elétrica da refinaria Busca de fontes alternativas de energia elétrica e vapor para suprimento da refinaria (Termorio) Retomada da Produção 10/03 Retorno da produção de óleos básicos na PL-II 10/04 Retorno da produção de óleos básicos na PL-I

34 Obrigado

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais

Parte 2: Refino de petróleo

Parte 2: Refino de petróleo 1. Introdução Parte 2: Refino de petróleo No estado bruto o petróleo não tem aplicação comercial, sendo necessário beneficiá-lo para obtenção de produtos utilizáveis. Portanto, refino é a separação do

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA PROCESSOS DE REFINO

CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA PROCESSOS DE REFINO CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA PROCESSOS DE REFINO 1 2 Processos de Refino PROCESSOS DE REFINO ADAPTADO DO MATERIAL ORIGINAL DE ELIE ABADIE Equipe Petrobras Petrobras / Abastecimento UN s:

Leia mais

Refinaria Duque de Caxias - REDUC

Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinarias no Brasil 239.000 *Considerando Processamento de GN e LGN, a carga passa a ser 267.300 bbl/dia. Refinaria Duque de Caxias - REDUC Localização : Duque de Caxias

Leia mais

Foi um longo percurso que envolveu horas de trabalho para consolidar a matéria, que encontrava-se dispersa em diversos diplomas legais.

Foi um longo percurso que envolveu horas de trabalho para consolidar a matéria, que encontrava-se dispersa em diversos diplomas legais. Prezados Colegas, Depois de muito estudo em pesquisa da legislação, conseguimos concluir o Manual Eletrônico sobre a legislação que envolve operações com derivados de petróleo e combustíveis. Foi um longo

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DO REFINO DE PETRÓLEO. Jacqueline Barboza Mariano

IMPACTOS AMBIENTAIS DO REFINO DE PETRÓLEO. Jacqueline Barboza Mariano IMPACTOS AMBIENTAIS DO REFINO DE PETRÓLEO Jacqueline Barboza Mariano TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

I INTRODUÇÃO. Petróleo: Palavra originada do Latim Petra (pedra) + Oleum (óleo)

I INTRODUÇÃO. Petróleo: Palavra originada do Latim Petra (pedra) + Oleum (óleo) I INTRODUÇÃO Petróleo: Palavra originada do Latim Petra (pedra) + Oleum (óleo) O petróleo bruto é uma complexa mistura líquida de compostos orgânicos e inorgânicos em que predominam os hidrocarbonetos,

Leia mais

Noções de processos de refino

Noções de processos de refino Noções de processos de refino Professor Felipe Técnico de Operações P-27 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS DETERMINAÇÃO ESPECTROFOTOMÉTRICA DO TEOR DE ÓLEO EM AMOSTRAS DE PARAFINA Julio. C. Assis 1, Luciene.S. de Carvalho 1, Paulo. R. B. Guimarães 1, José. R.

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer A DIFERENÇA ENTRE GASOLINA E DIESEL HISTÓRICO Gasolina e diesel são produtos do refino de petróleo cru, achado no seu estado natural no subsolo em várias partes do mundo. Já o petróleo cru é um fluído

Leia mais

Curso Prático & Objetivo Direitos Autorais Reservados. Fluidos de Reservatórios

Curso Prático & Objetivo Direitos Autorais Reservados. Fluidos de Reservatórios Fluidos de Reservatórios Esquematicamente, os fluidos de reservatórios são três: óleo, água e gás. A interação entre os fluidos é estudada em uma célula PVT, equipamento de laboratório onde se pode misturar

Leia mais

Asfalto. Informações Técnicas

Asfalto. Informações Técnicas Informações Técnicas A Assistência Técnica Petrobras tem por objetivo prestar suporte técnico aos clientes, com foco na adequação ao uso e corretos manuseio, condicionamento e armazenagem dos produtos

Leia mais

A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA. Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia

A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA. Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia VISÃO E MISSÃO Seremos uma das cinco maiores empresas integradas de energia do mundo e a preferida

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis:

Qualidade dos Combustíveis: Qualidade dos Combustíveis: Desafios para a manutenção da qualidade Oswaldo Luiz de Mello Bonfanti Coordenador Nacional do Sistema de Garantia da Qualidade Gestor de Assistência Técnica Ribeirão Preto,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE VALORAÇÃO DOS CUSTOS AMBIENTAIS DECORRENTES DA EMISSÃO DE POLUENTES NO REFINO DE PETRÓLEO Por: Mauro Alves Ferreira Orientador

Leia mais

Unidade 1. Tanques. Em grandes quantidades para garantir o suprimento das plantas

Unidade 1. Tanques. Em grandes quantidades para garantir o suprimento das plantas Unidade 1 O bserve a foto e leia o texto. Finalidades Os tanques armazenam os diversos produtos envolvidos na produção em uma unidade de processo, da pressão atmosférica até baixas pressões (aproximadamente

Leia mais

Projeto de Final de Curso

Projeto de Final de Curso PROGRAMA EQ-ANP Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria do Petróleo e Gás Natural Alternativas tecnológicas para a maximização da produção de olefinas leves a partir de petróleos pesados Fabrícia

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO COM TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PREVENTIVA

PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO COM TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PREVENTIVA PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO COM TÉCNICAS DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PREVENTIVA Fernando Luís de Moura (01) George Ramon de M. Santos (02) Marcelo Jonathas de M. santos (03) Resumo O presente trabalho

Leia mais

Regulação Mercado de Solventes 6º EBDQUIM

Regulação Mercado de Solventes 6º EBDQUIM Regulação Mercado de Solventes 6º EBDQUIM Bahia, março 2012 Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendência de Abastecimento - SAB Sistema Nacional de Abastecimento de Solventes Produtor Importador Distribuidor

Leia mais

Componentes do Petróleo

Componentes do Petróleo Componentes do Petróleo Baseado em: McCAIN, W. D. The Properties of Petroleum Fluids. 2. ed. Tulsa: PennWell, 1990. SZKIO, A. S. Fundamentos do Refino de Petróleo. 1. ed. Rio de Janeiro: Interciências,

Leia mais

5. ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS

5. ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS 45 5. ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS 5.1 COTAÇÕES Para análise das cotações foram monitoradas as seguintes cotações: petróleo (Brent e WTI), QAV (Jet/Kerosene Grade 54 USG Waterborne 0,3%S), diesel (No.2

Leia mais

REFINO DE PETRÓLEO E PETROQUÍMICA

REFINO DE PETRÓLEO E PETROQUÍMICA Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Química DEQ 370 REFINO DE PETRÓLEO E PETROQUÍMICA Prof. Dr. Afonso Avelino Dantas Neto Alexandre Gurgel, Ph.D.

Leia mais

ATIVIDADES DE SUPORTE FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO NAS PARADAS DE MANUTENÇÃO

ATIVIDADES DE SUPORTE FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO NAS PARADAS DE MANUTENÇÃO H. G. Costa / Organização & Estratégia 1 (2006) 1-30 2 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 ATIVIDADES DE SUPORTE FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO NAS PARADAS DE MANUTENÇÃO Candido Luis Queiroz da

Leia mais

Processamento Primário de Petróleo / Noções de Processo de Refino

Processamento Primário de Petróleo / Noções de Processo de Refino Processamento Primário de Petróleo / Noções de Processo de Refino 01. Introdução A palavra petróleo vem do latim, petrus, pedra e oleum, óleo, extraído das rochas denominadas de Rocha Reservatório. O petróleo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LATEC LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA, GESTÃO DE NEGÓCIOS E MEIO AMBIENTE VANDERLEI ALVES DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LATEC LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA, GESTÃO DE NEGÓCIOS E MEIO AMBIENTE VANDERLEI ALVES DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LATEC LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA, GESTÃO DE NEGÓCIOS E MEIO AMBIENTE VANDERLEI ALVES DA SILVA O PLANEJAMENTO DE EMERGÊNCIA EM REFINARIAS BRASILEIRAS: Um estudo dos planos

Leia mais

ANEXO 8 DESCRITO DO VALOR ESTIMADO DE DETERMINADOS CRÉDITOS

ANEXO 8 DESCRITO DO VALOR ESTIMADO DE DETERMINADOS CRÉDITOS ANEXO 8 DESCRITO DO VALOR ESTIMADO DE DETERMINADOS CRÉDITOS ANEXO 8 DESCRITO DO VALOR ESTIMADO DE DETERMINADOS CRÉDITOS Contrato Petrobras e o Consórcio Galvão Alusa Tomé, para contratação dos serviços

Leia mais

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento EBDQUIM 2014 Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis Distribuição Missão e Valores Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento 19 de Março de 2014 Atividades da ANP Números do Setor de Petróleo

Leia mais

Óleo Combustível. Informações Técnicas

Óleo Combustível. Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e composição... 3 2. Principais aplicações... 3 2.1. Sistemas de combustão de óleo combustível... 3 3. Tipos de óleos combustíveis... 4 4. Requisitos de qualidade e especificação...

Leia mais

MARINA MUCEDOLA CINQUINI CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE REATORES IRRADIADOS POR MICRO-ONDAS PARA CRAQUEAMENTO TÉRMICO DE HIDROCARBONETOS

MARINA MUCEDOLA CINQUINI CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE REATORES IRRADIADOS POR MICRO-ONDAS PARA CRAQUEAMENTO TÉRMICO DE HIDROCARBONETOS MARINA MUCEDOLA CINQUINI CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE REATORES IRRADIADOS POR MICRO-ONDAS PARA CRAQUEAMENTO TÉRMICO DE HIDROCARBONETOS SÃO CAETANO DO SUL 2011 MARINA MUCEDOLA CINQUINI CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta REFINARIAS Subgrupo : CETESB, PETROBRAS Visão do Setor 12 Refinarias PETROBRAS: REMAN AM RPCC - RN RLAM BA LUBNOR CE REGAP MG REDUC RJ

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

As pressões da produção do pré-sal. brasileiro sobre o setor de refino nacional

As pressões da produção do pré-sal. brasileiro sobre o setor de refino nacional As pressões da produção do pré-sal brasileiro sobre o setor de refino nacional Yabiko R¹ Chicata F² Bone R³ Resumo: O artigo tem como objetivo analisar a capacidade produtiva atual do parque de refino

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo?

Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo? Estrutura de Refino: até quando o Brasil importará derivados de petróleo? 14º Encontro Internacional de Energia Carlos Alberto Lopes 06/08/2013 Gas Energy Quem Somos A GAS ENERGY S.A. é uma empresa brasileira

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades

Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades RAIMUNDO LUTIF Gerente Estruturação Negócio Fortaleza Ceará Fortaleza, 13 / setembro/ 2011. 1 AVISO Estas apresentações podem conter previsões

Leia mais

Operações Unitárias CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS

Operações Unitárias CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1 2 Operações Unitárias OPERAÇÕES UNITÁRIAS VALTER ROITMAN Equipe Petrobras Petrobras / Abastecimento UN s: Repar, Regap, Replan, Refap,

Leia mais

TriNMPC. Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear BENEFÍCIOS: APLICAÇÕES: CARACTERÍSTICAS:

TriNMPC. Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear BENEFÍCIOS: APLICAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: TriNMPC Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear O software TriNMPC é um controlador preditivo multivariável que pode ser tanto linear como nãolinear, sendo extremamente versátil e de fácil

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS E ESTRATÉGIAS DE SUPRIMENTOS INOVADORAS. Março 2015

INFRAESTRUTURA DE DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS E ESTRATÉGIAS DE SUPRIMENTOS INOVADORAS. Março 2015 Março 2015 INFRAESTRUTURA DE DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS E ESTRATÉGIAS DE SUPRIMENTOS INOVADORAS Março 2015 Você pode nao COMPRAR combustível, mas com certeza PAGA por ele... Agenda Quem somos Infra-estrutura

Leia mais

Querosene de Aviação Informações Técnicas

Querosene de Aviação Informações Técnicas Informações Técnicas A Assistência Técnica Petrobras tem por objetivo prestar suporte técnico aos clientes, com foco na adequação ao uso e corretos manuseio, condicionamento e armazenagem dos produtos

Leia mais

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP - João Eustáquio Beraldo Teixeira Engenheiro de Segurança do Trabalho - Marcos José Jeber Jardim Gerente de Segurança. Meio Ambiente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 (*)

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 (*) ANO CXLIX Nº 249 Brasília DF, quinta-feira, 27 de dezembro de 2012 pág 232 e 233 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

Informações Úteis Dúvidas Frequentes

Informações Úteis Dúvidas Frequentes Página 0 2013 Informações Úteis Dúvidas Frequentes Organização Rezende Acesse o site: www.organizacaorezende.com.br 19/04/2013 Página 1 DÚVIDAS FREQUENTES: GASOLINAS PETROBRAS 1 - Como são obtidas as gasolinas?

Leia mais

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG II INOVAMIN Experiência da em Subvenção Econômica Plano Introdução Projeto de Subvenção Econômica Aspectos positivos, dificuldades, sugestões Red, Orange and Green Tecnologias Ambientais Pequena empresa

Leia mais

Contempla atualizações até 22/01/2007: Leis Ordinárias: Decretos: Instruções Normativas: Atos Declaratórios Interpretativos:

Contempla atualizações até 22/01/2007: Leis Ordinárias: Decretos: Instruções Normativas: Atos Declaratórios Interpretativos: Contempla atualizações até 22/01/2007: 001 Qual a legislação que disciplina a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados,

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA REFINARIA PETROQUÍMICA NO BRASIL

DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA REFINARIA PETROQUÍMICA NO BRASIL PROGRAMA EQ-ANP Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria de Petróleo e Gás Natural DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA REFINARIA PETROQUÍMICA NO BRASIL Patrícia Carneiro dos Santos patriciaequfrj@gmail.com

Leia mais

Capítulo V OFERTA DE DERIVADOS DE PETRÓLEO

Capítulo V OFERTA DE DERIVADOS DE PETRÓLEO Capítulo V OFERTA DE DERIVADOS DE PETRÓLEO SUMÁRIO 1. Perspectivas de Preços de Petróleos e Derivados... 4 1.1. Perspectivas de Preços Internacionais de Petróleos...6 1.1.1. Metodologia... 6 1.1.2. Projeções

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Resíduos Sólidos Geração de Resíduos Solídos nas de

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC SUPERINTEDÊNCIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E DE QUALIDADE DE PRODUTOS SBQ Alexandre de Souza Lima Salvador Junho/2008 AGENTES DO ABASTECIMENTO Posição

Leia mais

3 Metodologia do Estudo

3 Metodologia do Estudo 52 3 Metodologia do Estudo Conforme apresentado no Capítulo 1, esta pesquisa tem o objetivo final de identificar a perspectiva dos gestores das empresas da indústria de óleo, gás e energia quanto à disponibilidade

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS AVIAÇÃO

BIOCOMBUSTÍVEIS AVIAÇÃO BIOCOMBUSTÍVEIS PARA AVIAÇÃO PONTO DE SITUAÇÃO JORGE LUCAS MAIO 2014 1 O processo de produção de biocombustíveis pode dividir-se em 3 grandes áreas: 1. Matérias-primas; 2. Tecnologias de transformação

Leia mais

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias:

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias: ,1752'8d 2 O gás natural é composto, principalmente, de metano (até 98%) e por alguns hidrocarbonetos de maior peso molecular (de C 2 a C 6 ) além dos diluentes N 2 e CO 2. Com o uso crescente de petróleo

Leia mais

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo Engª. Kassi Costa/setembro 2013 Sumario Introdução Combustíveis Fósseis ou Hidrocarbonetos Sistema Petrolífero Mecanismo Desenvolvimento Limpo/Alternativas

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

DIRETORIA DE INOVAÇÃO E MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL

DIRETORIA DE INOVAÇÃO E MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA CASOS DE SUCESSO EM EMPRESAS SUSTENTÁVEIS Produção Mais Limpa: Aplicação contínua de estratégia econômica, ambiental e tecnológica não-geração não-geração reciclagem reciclagem

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

5.1.15. Função Energia

5.1.15. Função Energia 5.1.15. Função Energia A função Energia, bem como todas as ações nela executadas são essenciais para a economia brasileira. Todas as funções governamentais, econômicas ou não, dependem de um bom funcionamento

Leia mais

PROJETO DE UMA UNIDADE DE FRACIONAMENTO ATMOSFÉRICO DE PETRÓLEO UTILIZANDO HYSYS.

PROJETO DE UMA UNIDADE DE FRACIONAMENTO ATMOSFÉRICO DE PETRÓLEO UTILIZANDO HYSYS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO: ENGENHARIA QUÍMICA PROJETO DE UMA UNIDADE DE FRACIONAMENTO ATMOSFÉRICO DE PETRÓLEO UTILIZANDO HYSYS. Lucas Barros Rocha 0267973 Fortaleza

Leia mais

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial.

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. A trabalha dentro de normas. Como: NBR, ASME, DIN, API e etc. Nosso galpão industrial comporta

Leia mais

Capítulo 2: O Petróleo 25. Tabela 2- Análise Elementar do Óleo Cru Típico (% em peso). [Thomas, 2001] Elemento %

Capítulo 2: O Petróleo 25. Tabela 2- Análise Elementar do Óleo Cru Típico (% em peso). [Thomas, 2001] Elemento % 2 O PETRÓLEO O petróleo é formado a partir da decomposição da matéria orgânica proveniente de animais e plantas que viveram em mares rasos e quentes nas costas dos continentes, e pode ser encontrado em

Leia mais

Processos Unitários Orgânicos PUO. Introdução. Prof. MSc. Marcos Villela Barcza

Processos Unitários Orgânicos PUO. Introdução. Prof. MSc. Marcos Villela Barcza Processos Unitários Orgânicos PUO Introdução Prof. MSc. Marcos Villela Barcza 1- Processo Químico: Processos Unitários Orgânicos PU191 Prof. MSc. Marcos Villela Barcza INTRODUÇÃO É utilizado para formação

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados

REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados Carlos Valois Maciel Braga Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo e seus Derivados Agência Nacional

Leia mais

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2003/2004

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2003/2004 TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2003/2004 Companhia Acordante Petróleo Brasileiro S/A - PETROBRAS, sociedade de economia mista, com sede na Avenida República do Chile, 65, Rio de Janeiro -

Leia mais

Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal. A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades

Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal. A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades CNI Brasília, 01/10/2009 Marco Regulatório do Pré-Sal A Cadeia Produtiva da Indústria A Visão da Indústria

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Usina Hidrelétrica de Funil Resende RJ FURNAS Centrais Elétricas S/A Autor: Vicente Correa 2 Oferta e Demanda de Energia por

Leia mais

De 16/04/2012 a 20/04/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

De 16/04/2012 a 20/04/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min Bombas de Água e de Processo - Otimização de Sistemas de Bombeamento De 16/04/2012 a 20/04/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

ÍNDICE 4. AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS INTEGRADAS ANÁLISE AMBIENTAL... 27

ÍNDICE 4. AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS INTEGRADAS ANÁLISE AMBIENTAL... 27 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Informações Gerais... 2 1.1.1. Responsável pelo empreendimento... 2 1.1.2. Consultoria responsável pelo estudo ambiental... 2 1.1.3. A REPLAN... 2 1.1.3.1. Como chegar

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

3. O Sistema Petrobras

3. O Sistema Petrobras 3. O Sistema Petrobras O Sistema Petrobras possui 56 bases de distribuição por todo o país, que são responsáveis por fornecer produtos para as distribuidoras, para que estas possam entregá-los no mercado.

Leia mais

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos.

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.1 Objetivo Específico Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.2 Introdução A extração é uma técnica para purificação

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

QUÍMICA. Prof. Sandro Lyra PETRÓLEO E OUTRAS FONTES DE ENERGIA

QUÍMICA. Prof. Sandro Lyra PETRÓLEO E OUTRAS FONTES DE ENERGIA QUÍMICA Prof. Sandro Lyra PETRÓLEO E OUTRAS FONTES DE ENERGIA 1. (FUVEST) O gás engarrafado, usualmente consumido como combustível em fogões, é: a) produzido em laboratório, pela reação entre hidrogênio

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

DESENVOLVIMENTO, ACOMPANHAMENTO E CONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE CONTROLE AVANÇADO, PI E SDCD NA REFINARIA REFAP

DESENVOLVIMENTO, ACOMPANHAMENTO E CONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE CONTROLE AVANÇADO, PI E SDCD NA REFINARIA REFAP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DESENVOLVIMENTO, ACOMPANHAMENTO E CONFIGURAÇÃO DE SISTEMAS DE CONTROLE AVANÇADO, PI E SDCD NA REFINARIA REFAP Michele F.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Gestão Ambiental na administração e operação de frotas de ônibus urbanos:

Gestão Ambiental na administração e operação de frotas de ônibus urbanos: Gestão Ambiental na administração e operação de frotas de ônibus urbanos: Objetivando facilitar a leitura e, consequentemente assimilar melhor o conteúdo, transcrevemos, na sua integra, o texto da Portaria

Leia mais

Unidades de negócio 55 Postos de serviços 7132 Exploração de petróleo 59 sondas, sendo 49 marítimas 9,8 bilhões de barris de óleo e gás equivalentes

Unidades de negócio 55 Postos de serviços 7132 Exploração de petróleo 59 sondas, sendo 49 marítimas 9,8 bilhões de barris de óleo e gás equivalentes UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: UM ESTUDO DE CASO Murillo César de Mello Brandão PETROBRAS/UC Jorge Luiz Pereira Borges PETROBRAS/UC Martius V. Rodriguez y Rodriguez PETROBRAS/UC RESUMO Dentro de um ambiente

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Materiais Betuminosos. 1 Histórico e Obtenção do Asfalto

Materiais Betuminosos. 1 Histórico e Obtenção do Asfalto Materiais Betuminosos 1 Histórico e Obtenção do Asfalto Acedita-se que a palavra asfalto provenha do antigo Acádico Asphaltic e foi adotada pelos gregos da época de Homero com o significado de tornar firme

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

EDERSON RODRIGO CADORIN

EDERSON RODRIGO CADORIN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Estudo dos métodos de controle de Corrosão

Leia mais

Compromisso com o Mundo Sustentável

Compromisso com o Mundo Sustentável Compromisso com o Mundo Sustentável Está em nossa Visão Ser um empresa global e sustentável até 2012. Para nossa empresa ser sustentável, é fundamental a busca de resultados financeiros e o comprometimento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CESPE / UnB ANP Com relação aos aspectos gerais dos segmentos de distribuição e revenda de combustível, julgue o seguinte item. A respeito da norma vigente que estabelece as especificações

Leia mais

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos Descrição atualizada em junho/2014 www.piracicabaengenharia.com.br 1 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA

Leia mais

PARECER TÉCNICO COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

PARECER TÉCNICO COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO DOCUMENTO: Processo SMA 13.831/2007 INTERESSADO: ASSUNTO: MUNICÍPIO: CONSULTORIA: Petróleo Brasileiro S/A - Petrobras Licenciamento Ambiental Prévio de ampliação da Refinaria RPBC do empreendimento Carteira

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ANEXO XIX AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS 1 OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as condições

Leia mais

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel -

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel - Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil - Desafios do mercado de diesel - Nos últimos anos, os limites de poluentes tem sofrido redução através da legislação de emissões Evolução dos padrões

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.197.05 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Nota Técnica 2013/001 Informativo sobre a Obrigatoriedade de Manifestação do Destinatário nas Operações com Combustíveis Versão 1.00 Fevereiro 2013 01. Resumo O Ajuste SINIEF

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

Trabalho sobre a Produção de Petróleo e Derivados para a disciplina de Química Geral II.

Trabalho sobre a Produção de Petróleo e Derivados para a disciplina de Química Geral II. CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA Trabalho sobre a Produção de Petróleo e Derivados para a disciplina de Química Geral II. Asafe Reis de Souza RA 1104041 Rogério Silva

Leia mais

4 Produtos do Petróleo

4 Produtos do Petróleo 30 4 Produtos do Petróleo 4.1 Principais Derivados do Petróleo De acordo com FARAH (1989), os derivados do petróleo podem ser distribuídos em duas categorias: Derivados Leves e Derivados Pesados. Conforme

Leia mais

XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS. ANP - Regulação no setor de combustíveis

XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS. ANP - Regulação no setor de combustíveis XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS ANP - Regulação no setor de combustíveis Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento Abril de 2013 O que é a ANP A Agência Nacional

Leia mais