A CADEIA DE SUPRIMENTOS SUSTENTÁVEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CADEIA DE SUPRIMENTOS SUSTENTÁVEL"

Transcrição

1 PROCESSOS DE TRANSPORTE E PRODUÇÃO DE JEANS A CADEIA DE SUPRIMENTOS SUSTENTÁVEL Esta seção foi baseada na palestra proferida pela Prof. Ana Paula Barbosa-Póvoa, Ph.D. do Instituto Superior Técnico - Portugal no MBA em Gestão de Sistemas Logísticos - UFPR em Fevereiro de 2011 O algodão é colhido no Kazaquistão ou India e enviado para a Turquia Na Turquia ele é transformado em fio e enviado a Taiwan (4800 km) Em Taiwan o fio é colorido com um corante azul fabricado na Alemanha (15000 km) O fio colorido em Taiwan é transformado em tecido na Polônia (27000 km) O tecido é cortado na França junta-se os botões e metais vindos da Itália e são enviados para as Filipinas (28600 km) Nas Filipinas o tecido é costurado e os botões colocados (42300 km) O jeans é gasto com pedra de polimento na Grécia (54000 km) O Jeans é vendido na Alemanha, e após o uso é doado para instituições de caridade (56300 km) Na Holanda as roupas são selecionadas (57100 km) E enviadas para a Africa como ajuda humanitária (64000 km) Fonte: 1 2 AS CADEIAS DE SUPRIMENTO SÃO SUSTENTÁVEIS? AS CADEIAS DE SUPRIMENTO SÃO SUSTENTÁVEIS? Processos'de'Transporte'e'Produção'de'Jeans litros de água Insecticidas, pesticidas e fertilizantes para o cultivo do algodão. Grande consumo energético em todos os processo Frequentemente más condições de trabalho (e.g. cancro, doenças de pele...) Regularmente trabalho infantil é detectado nas Cadeia de Suprimento INPUTS dos processos industriais levam ao desaparecimento dos recusos naturais Petróleo, Minérios, etc OUTPUTS dos processos industriais causam mudanças no Clima Resíduos, CO2, etc... Globalização... levou à criação de Cadeias de Abastecimento cada vez mais complexas e menos controláveis Cadeias de Abastecimento tem associados problemas logísticos, ambientais e sociais 3 4

2 O QUE FAZER????? CADEIAS DE ABASTECIMENTO E A SUSTENTABILIDADE... Ampliar o paradigma tradicional das cadeias de abastecimento, onde os custos e os níveis de serviço eram as principais preocupações; Olhar para as cadeias de abastecimento ampliadas onde não são apenas considerados aspectos económicos mas também ambientais e sociais; 5 6 COMO TORNAR AS CADEIAS DE ABASTECIMENTO SUSTENTÁVEIS? COMO TORNAR AS CADEIAS DE ABASTECIMENTO SUSTENTÁVEIS? Medidas Orientadas às Saídas (Output) Medidas Orientadas a Produção Medidas de Output criadas por Regulamentos/Leis Integração de Processos 7 8

3 COMO TORNAR AS CADEIAS DE ABASTECIMENTO SUSTENTÁVEIS? Medidas Orientadas aos Produtos Requisitos Externos Como evoluem Obrigações/Objectivos? Como evoluem os preços das matérias-primas? Que produtos pretenderão os clientes? Os Clientes estão dispostos a pagar mais por Produtos Sustentáveis? Os Clientes aceitarão produtos inovadores? 9 10 Requisitos Externos o que envolvem? Muitos parâmetros (sociais, macro-, microeconômico, ambientais) Interdependências múltiplas Impactos de longo prazo, feedback-loops, atrasos entre causas-efeitos A fronteira do sistema tem de ser bem definida Modelos Econométricos Modelos de Systems Dynamics. 11 Modelar o Ciclo de Vida do Produtos Que fluxos de materiais existem neste ciclo? Que métodos de produção e reciclagem podem ser usados? Que materiais (secundários) podem ser usados? Como adaptar os processos existentes para incorporar materiais no fim de vida? 12

4 Modelar o Ciclo de Vida dos Produtos o que envolve? Projeto de produtos reutilizáveis Modelar processos interligados e dinâmicos Simulação / Optimização de processos Cálculo de alternativas de produtos e processos Activity Analysis Petri-Nets Equações diferenciais Simulação Optimização. 13 Avaliação dos Fluxos das Cadeias de Abastecimento Que impactos económicos, ambientais e sociais resultam dos fluxos de materiais? Quais as melhores alternativas: Produtos alternativos/ design de produtos/ processos produtivos / materiais /redes? 14 Avaliação dos Fluxos das Cadeias de Abastecimento - o que envolvem? Avaliação de múltiplos critérios (económico, social, ambiental Calculo dos impactes associados Selecção das melhores alternativas Optimizar os fluxos e rotas Análise do Ciclo de Vida Análise de Custos Análise Multi-Criterio Optimização Multi-objectivo 15 Coordenação da Cadeia de Abastecimento Que objectivos têm os diferentes actores das cadeias de abastecimento? Estes objectivos coincidem ou são contraditórios Qual a melhor solução para cada actor/para a Cadeia Global? 16

5 COMO É QUE AS CADEIAS DE ABASTECIMENTO SUSTENTÁVEIS SE PODEM TORNAR UMA REALIDADE? Coordenação da Cadeia de Abastecimento o que envolve? Consideração dos múltiplos actores e objectivos Desenvolvimento de contratos para coordenação da Cadeia Optimizar as receitas e a partilha de risco Modelos Analíticos Teoria de Jogos Modelos de Agentes Decisão Distribuída Optimização Multi-objectivo 17 A Pegada Ecológica de todas as actividades da cadeia de abastecimento devem ser contempladas desde o desenvolvimento de produtos até à produção, armazenamento, distribuição, utilização e recuperação Investir em tecnologias, operações e estruturas logísticas sustentáveis. Integrar as decisões associadas ao ciclo de vida dos produtos, desde o desenvolvimento até à recuperação. Projectar, planear e operar as estruturas logísticas considerando a minimização do consumo de energia global e a maximização dos impactos positivos no ambientes e na vida social Garantir a Coordenação da Cadeia de Abastecimento 18 PEGADA ECOLÓGICA CADEIAS DE SUPRIMENTOS FECHADAS Emissões e efluentes Ciclo fechado na Fase de produção Matériasprimas Fabricação Distribuição e Varejo Uso DESCARTE Materiais Obsoletos e consumíveis, e.g. óleo Lubrificante usado em processos industriais, paletes e containeres de transporet interno em fim de vida útil. Processamento Coleta e Triagem Refugo da Produção: refiles e sobras de papel, aço, chapas outros. Produtos defeituosos Emissões e efluentes 19 20

6 CADEIAS DE SUPRIMENTOS FECHADAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS FECHADAS Ciclo fechado na Fase de distribuição Devoluções ou retornos comerciais Entregas erradas Recalls Contêineres de distribuição Produtos em final de leasing Ciclo fechado na Fase de uso Itens que deverão voltar aos seus próprios donos ao final do ciclo, como itensque sofrem recall ou itens que estão sob garantia, que devem ser reparados e retornados aos usuários REDES REVERSAS CENTRALIZADAS OU DESCENTRALIZADAS REDE REVERSA EFICIENTE Rede Reversa Eficiente Rede Reversa de Resposta Rápida Reuso Produtos com baixa taxa de perda de valor no tempo Adequado Inadequado Produto Devolvido Unidade de Teste e triagem centralizada Retoque... Produtos com alta taxa de perda de valor no tempo Inadequado Adequado Refugo 23 24

7 REDE REVERSA DE RESPOSTA RÁPIDA DESAFIO FINAL Reuso / Retoque Produto Devolvido Unidade de Teste e triagem centralizada Reparo Leve Reparo com troca Construir'Cadeias'de'Abastecimento' Sustentáveis'que'contribuam'para'o Canibalização Refugo Teste e triagem preliminar descentralizados Triple'Bo=om'Line 25 26

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Agosto de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Agosto de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PROJECTO WW4ENVIRONMENT

PROJECTO WW4ENVIRONMENT PROJECTO WW4ENVIRONMENT SESSÃO DE DIVULGAÇÃO LIFE 2014-2020 Andreia Neves do Amaral AGENDA Projecto WW4ENVIRONMENT Dificuldades sentidas Lições aprendidas PROJECTO WW4ENVIRONMENT LIFE08 ENV/P/00237 Título

Leia mais

10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO

10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO Gestão da Manutenção ou Gestão de Activos? (custos ao longo do Ciclo de Vida) (rassis@rassis.com ) (juliao@fe.lisboa.ucp.pt ) Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional

Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional Palestra - CETIQT 27/07/00 Aspectos ecológicos da vestimenta Uma visão atual do controle de qualidade para o mercado internacional Prof. Dr. Joachim Hilden; Mönchengladbach / Alemanha O comportamento do

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Proteção e Participação da Sociedade Março/2015 Lubrificante deterioração contaminação Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado OLUC

Leia mais

Boas práticas na Distribuição: Como as empresas promovem o consumo sustentável

Boas práticas na Distribuição: Como as empresas promovem o consumo sustentável Boas práticas na Distribuição: Como as empresas promovem o consumo sustentável Inter IKEA Systems B.V. 2009 GREEN FEST - Consumo sustentável: a resposta da distribuição moderna Ana Teresa Fernandes IKEA

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor. 21 de Outubro de 2010

ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor. 21 de Outubro de 2010 ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor 21 de Outubro de 2010 The scientific evidence is now overwhelming: climate change presents very serious global risks,

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE FERREL AMPLIAÇÃO E REMODELAÇÃO DA REDE DE ESGOTOS DOMÉSTICOS E PLUVIAIS LIGAÇÃO ÀS ÁGUAS DO OESTE 2ª FASE E REFORÇO DO ABASTECIMENTO

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Setembro de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo,

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Parceria Portuguesa para a Água no centro das decisões da Estratégia Europa 2020 para a Água 16.nov.2012 - eip.on.water Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Nexus Água - Energia

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 VII Recicle CEMPRE Ricardo Rolim Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná

Leia mais

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade Prof. Rogerio Valle Logística Reversa e Sustentabilidade LOGÍSTICA REVERSA, PROCESSO A PROCESSO (ED. ATLAS) Visão sistêmica dos fluxos de recursos e de produtos Evolução na problemática da sustentabilidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Consumo e geração de energia equilibrados

Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Em Portugal, a rede de transporte de energia foi concebida tendo em conta a produção maciça e contínua de energia proveniente

Leia mais

Catálogo de Serviços de Assistência. Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos

Catálogo de Serviços de Assistência. Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos Catálogo de Serviços de Assistência Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos ABB em Portugal A nossa organização Power Products Power Systems Discrete Automation & Motion Low Voltage Products

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015 Apresentação Os desafios da PNRS Outubro de 2015 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO (PALÁCIO DE VIDRO LUANDA AV. 4 DE FEVEREIRO, 7 ) 0 BEM VINDOS A CONFERÊNCIA E EXPOSIÇÃO IPAD ANGOLA 1 PALESTRA SOBRE PROGRAMA DE CONEXÃO DAS ZONAS REMOTAS COM AS GRANDES CIDADES-

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Hídrica A marca do uso eficiente da água na agricultura portuguesa

Índice de Sustentabilidade Hídrica A marca do uso eficiente da água na agricultura portuguesa AcquaLiveExpo 2015 A água na Economia circular Lisboa, 5 de Março de 2015 Índice de Sustentabilidade Hídrica A marca do uso eficiente da água na agricultura portuguesa José Nuncio Estrutura da apresentação

Leia mais

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE Gestão de Resíduos no Território Isabel Vasconcelos Fevereiro de 2006 Produção de Resíduos Resíduos - Quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Malwee Malhas LTDA. Jaraguá do Sul (SC) Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Categoria Tecnologias Socioambientais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Malwee Malhas

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA Surge da vontade dos Sistemas Intermunicipais, que até então se representavam

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná (Guaraná Antarctica) Maior

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista 1 Única entidade sindical reconhecida pelo Governo Federal que representa a categoria econômica dos

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Logística Reversa na Construção Civil. Celso Luchezzi

Logística Reversa na Construção Civil. Celso Luchezzi Logística Reversa na Construção Civil Celso Luchezzi Celso Luchezzi Mestre em Engenharia de Materiais MACKENZIE MBA em Logística Empresarial FGV Tecnólogo em Processos de Produção FATEC Licenciatura em

Leia mais

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações.

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. Para se alimentar, o ser humano abate

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA. Fernanda Margarido (2008)

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA. Fernanda Margarido (2008) AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Fernanda Margarido (2008) ACV - Avaliação do Ciclo de Vida dos Produtos ou Serviços Uma técnica de quantificação do impacte ambiental de um produto ou Serviço. Responsabilização

Leia mais

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras...

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... Quem é responsável por enfrentar esta situação? Prefeitura? Entidades de defesa do ambiente?? Governo? Meios de comunicação? Cientistas? Organizações

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Consumo Consciente e Sustentabilidade. Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias

Consumo Consciente e Sustentabilidade. Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias s5 Consumo Consciente e Sustentabilidade Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias Slide 1 s5 Aplicar a dinâmica Recursos Escassos ss08476; 22/09/2010 Objetivo Promover reflexão

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

ADM 250 capítulo 4 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 4 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 4 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 4 Que é projeto em gestão de produção? Quais objetivos a atividade de projeto deveria ter? Projeto

Leia mais

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC CONDUZINDO E EXPANDINDO NOSSOS NEGÓCIOSDE UMA MANEIRA RESPONSÁVEL E SUSTENTÁVEL HSEC APPROACH INTRODUCAO SOBRE NÓS A Trafigura é líder no mercado global de commodities. Suprimos,

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão por Processos. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1

Gestão da Qualidade. Gestão por Processos. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Gestão da Qualidade Gestão por Processos 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Juntar-se é um começo, permanecer juntos é um processo e trabalhar juntos é um sucesso. Henry Ford 09-12-2009

Leia mais

O tema não é novo no setor, ele é a base de sua existência e desenvolvimento, guiando seu avanço tecnológico em busca de

O tema não é novo no setor, ele é a base de sua existência e desenvolvimento, guiando seu avanço tecnológico em busca de A EMBALAGEM CONSTRUINDO SUSTENTABILIDADE Proteção, aumento de vida útil, saúde, segurança, economia, redução do desperdício e bem estar são os principais pilares da embalagem. E em consonância a esses,

Leia mais

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and External Recycling at Serralheria Montanheza Redução da geração de sucatas metálicas por meio da reutilização interna e reciclagem externa na

Leia mais

O Sistema da Reciclagem em Portugal:

O Sistema da Reciclagem em Portugal: O Sistema da Reciclagem em Portugal: Comparação com outros Estados-Membros Nuno Ferreira da Cruz, Pedro Simões, Sandra Ferreira, Marta Cabral e Rui Cunha Marques CEG-IST Centro de Estudo de Gestão do IST

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

Introdução à Adm Rec Materiais

Introdução à Adm Rec Materiais Introdução à Adm Rec Materiais Objetivo principal de uma empresa: maximizar o retorno do capital investido. Estoques: parte do capital investido que funciona como um lubrificante, de modo a permitir um

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

O que é necessário para ser um negociador eficaz?

O que é necessário para ser um negociador eficaz? O que é necessário para ser um negociador eficaz? uitos consideram que são necessárias algumas qualidades pessoais inatas, um toque ou talento especial. Em contraste, um número infindável de livros sobre

Leia mais

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case 1. Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Walmart Brasil c) Setor: Comércio

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Redução da pegada de carbono por colaborador

Redução da pegada de carbono por colaborador Redução da pegada de carbono por colaborador 1 Redução da pegada de carbono por colaborador As atividades da consultoria jurídica são impulsionadoras de impactos ambientais significativos, sobretudo pelas

Leia mais

em torno do Planeamento da Produção e da Gestão de Operações

em torno do Planeamento da Produção e da Gestão de Operações workshop Competir e Inovar na Gestão em torno do Planeamento da Produção e da Gestão de Operações Jorge Pinho de Sousa (jsousa@inescporto.pt) Fevereiro 2008 agenda 1. planeamento e escalonamento de operações

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Soluções Integradas e de meios de pagamento para gestão de frota

Soluções Integradas e de meios de pagamento para gestão de frota Soluções Integradas e de meios de pagamento para gestão de frota Sobre a FleetCor Líder mundial em gestão de abastecimento e meios de pagamento especializados Perfil Fundação: 2002 Sede: Atlanta, GA, USA

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Conteúdo. Introdução. Conscientização ambiental Desenvolvimento sustentável Aspectos/Impactos. Prof MSc. Laercio Avileis Junior_2009

Conteúdo. Introdução. Conscientização ambiental Desenvolvimento sustentável Aspectos/Impactos. Prof MSc. Laercio Avileis Junior_2009 Conteúdo Introdução Conscientização ambiental Desenvolvimento sustentável Aspectos/Impactos Introdução CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL Meio Ambiente Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo ar,

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Universidade Lusófona

Universidade Lusófona Universidade Lusófona Licenciatura (1º Ciclo) em Ciências da Engenharia - Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director: Prof. Doutor José d'assunção Teixeira Trigo Objectivos: Formação

Leia mais

Noções essenciais sobre gestão de activos

Noções essenciais sobre gestão de activos Noções essenciais sobre gestão de activos Um White Paper da Zetes First-class partner for identification and mobility solutions www.zetes.com always a good id ÍNDICE 03 Introdução À hora certa e no lugar

Leia mais