PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008"

Transcrição

1 PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos ABM - Março / 2008 SUSTENTABILIDADE DO SETOR SIDERÚRGICO BRASILEIRO Paul Wurth 2008

2 Residuos siderúrgicos: Onde estão? A industria siderúrgica tem uma longa tradição de reciclagem de seus resíduos internos Alguns fatores atrapalham a reciclagem de vários resíduos como por exemplo: o teor de zinco e chumbo, que aumentam a concentração não sendo aceito no processo o óleo aderido nas partículas responsável pela dioxina e outros poluentes orgânicos Existem soluções provisórias ou parcial específicas para alguns tipos de pó ( como pós dos FEA), mas novas regulamentações restringem suas implementações acasionando aumento de custo e soluções técnicas que geram novos resíduos. Paul Wurth 2008

3 Resíduos siderúrgico: breve revisão Resíduos siderúrgicos Situação atual Previsão Pós com alto teor de Zn + chumbo (FEA) Baixo teor de zinco nas lamas( plantas integradas) Sucata oleosa Seleção de lamas Predominância de estocagem dos resíduos em áreas abertas. Tratamento pirometalúrgico do zinco Tanques internos protegidos Soluções técnicas pirometalúrgicas Recirculação interna (convertedor) Parte valorizada Parte depositada >aumento do custo e risco >geração de resíduos cada vez menos aceito pela industria e comunidade >aumento das exigências devido a regulamentação Estoques internos não estão sendo mais permitidos >Situação cada vez mais considerada >cada vez menos aceita (detrimento da qualidade do aço e geração de emissões) >aumento das restrições >aumento do custo e risco Paul Wurth 2008

4 Resíduo siderúrgico: o que está em jogo? Objetivos: Soluções não somente de acordo com a regulamentação atual, mas também: Valorizando o conteúdo da matéria prima. Ser sustentável (zero de rejeito). Custo compatível. Paul Wurth 2008

5 Pó de FEA, o estado da arte Rota convencional de tratamento: Pó de FEA Processo convencional Concentrado de ZnO Industria do Zn Fe + resíduo estoque Novo processo (100% reciclado): ISP (shaft f ce) ( Imperial Smelter) Zn Pó de FEA Novo Processo Concentrado de ZnO Hidrometalurgia Gusa Escória valorizada (estrada, construção,...) Waelz Paul Wurth

6 Pó de FEA, o estado da arte Resíduos de uma Usina Integrada Depósito interno: O rota da pré redução: Cada vez mais restrito Limitado devido ao teor de zinco Usina Residuo com %Zn < 2% Preparação / aglomeração / pre-redução HBI Zn<0,2% Minério coque 80~90% Zn removal A rota da redução/fusão: solução sustentável Resíduos de uma usina integrada (sem limite de Zn) Processos de redução e fusão 100% Zn removido Gusa + escória Gusa + escória Waelz Paul Wurth

7 Processo Primus - Fluxograma Geral Paul Wurth

8 Processo Primus - Conceito - Forno Multiplas Soleiras Secagem / aquecimento / préredução em forno de múltiplas soleira (FMS) usando carvão como agente redutor e combustível do processo Matéria prima redução final / remoção do Zn / fusão num FEA especialmente projetado, alimentado com DRI quente do FMS Filtro de pó tratamento do gas diminuindo o uso de gas externo tratamento de resíduos assegurando 100% de material reciclado e pó rico em zinco e chumbo Gusa DRI Escória Paul Wurth

9 Objetivos metalúrgicos / Lama e Pó - Planta integrada Carvão Gusa Lama Escória Post- Combustão Pó Filtros Resfriamento. Secagem FMS: Eliminação do óleo Calcinação(carbonatos + hidretos) Inicio da pré-redução Preparação do C reativo para a redução e carbonetação do metal no FF FF: Redução Extração do Zn Fusão Carbonetação do metal Formação da escória + dessulfuração do metal Paul Wurth

10 PRIMUS Vantagens Adicionais Alta eficiência do processoprimus Balanço de energia: Sólido e gas em contra fluxo A pós-combustão do gas bruto é feito no FMS numa câmara de póscombustão CO contido no gas bruto do FEA é usado para minimizar o input do gas externo na linha de tratamento do gás do processo Recuperação de quase 100% do zinco, chumbo e outros metais não ferrosos da lama, pó e resíduos de não ferrosos Alimentação direta do DRI no forno de fusão PRIMUS Paul Wurth

11 PRIMUS vantagens adicionais Baixo custo operacional Custo de energia realmente baixo: Finos de carvão não coqueificável é usado como redutor e fonte de energia para o FMS. Não necessita de consumo de gas natural para processamento dos resíduos. Somente uma pequena quantidade de gas natural é necessária para o inicio de marcha do FMS Baixo custo na preparação da matéria prima: Resíduos e lama: somente blendagem Finos de minério de ferro: pelotização a frio Carvão:não necessita moagem, peneiramento e nem secagem Paul Wurth

12 PRIMUS Valorizando resíduos Gusa Carbono ~ % Silicio 0.1% Enxofre < 0.15% OxidoPRIMUS ZnO ~70% Zn ~ 50-60% Escória Escória inerte similar a do AF (Comercialmente valorizada) Confiabilidade e Segurança do ProcessoPRIMUS Uso de tecnologias já comprovadas FMS, FEA, pelotização, tratamento de gas bruto O Forno de Múltiplas Soleiras operando a pressão atmosférica Baixas temperaturas no processo de pré-redução Max C Paul Wurth

13 PRIMUS Análises típicas do gusa e escória GUSA ESCÓRIA C % 4,6 (4,3~5,1) Fe % 4 Mn % 0,5 (0,4~1,1%) MnO % 2,5 Si S % % 0,01 (0~0,1) 0,1 (0,05~0,15) CaO MgO % % 41 8 P % 0,1 (0,05~0,15) Al2O3 SiO2 % % 8 31 S % 1,6 Paul Wurth

14 PRIMOREC, primeira unidade industrial PRIMUS Primeira planta industrial na PROFILARBED em Differdange - Luxemburgo Tratamento de pó de FEA e lama de laminação de 3 mini-mills Inicio operação março de 2003 Capacidade: t pó /ano t lama de laminação /ano - FMS com 7.7 m interno e oito soleiras - FEA com 3 m interno e potencia o FEA =10 MW Paul Wurth

15 PRIMOREC Esquema de planta Pó de FEA e lama POS COMBUSTÃO Resfriamento Unidade de Pelotização Forno Múltipla Soleira Resfriamento POS COMBUSTÃO Filtros DRI pelotas carvão Forno de Fusão Escória Gusa Óxido PRIMUS Paul Wurth

16 PRIMOREC - Dados do processo Pelotas de resíduos Carvão Pó rico em Zn 1 t po de FEA 0,35~0,45 t - pó Capacidade nominal (carga) Forno Múltipla Soleira Diâmetro cadinho unidade t/h m 10 7,7 Número de soleiras - 8 Temp. Operação C 800~1000 Metalização DRI - ~60% Consumo de carvão kg/t 320 Escória 1 t pó de FEA ~0,2 t escória Forno de Fusão -FF Diâmetro do forno Energia elétrica m MW 3 10 Gusa Temp. do banho C 1500 C 1 t Pó de FEA 0,25~0,3 t gusa Consumo de eletricidade. kwh/t 900 Paul Wurth

17 PRIMOREC S.A. FMS Inicio operação - Março Paul Wurth

18 PRIMOREC S.A. Forno de Fusão Paul Wurth

19 PRIMOREC S.A. Corrida do metal Paul Wurth

20 PRIMOREC S.A. Lingotamento do metal Paul Wurth

21 Instalação Primus - Dragon Steel Taiwan Principais Dados Capacidade de planta 100% pó de FEA 60% pó de FEA + 40% LD/AF t/ano t/ano Dados do projeto Assinatura de contrato Abril 2006 Previsão de início de operação Maio 2008 Paul Wurth

22 Primus Installation - Dragon Steel Taiwan Input Materials FEA existente laminação Estoque de pó de FEA existente Nova planta integrada em fase de projeto (Sinterização AF LD) Outras possibilidades de reciclagem de resíduos coletor de pó de AF, carepa, etc - Paul Wurth

23 Instalação Primus - Dragon Steel Taiwan Fluxograma Paul Wurth

24 Instalação Primus - Dragon Steel Taiwan Lay out Paul Wurth

25 OBRIGADO PELA ATENÇÃO Paul Wurth

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço Matéria prima A fundição é usada para fabricação de componentes acabados. Também p/ produzir lingotes ou placas que serão posteriormente processados em diferentes formas, tais como: vergalhões, barras,

Leia mais

A Gestão de resíduos e Co-Produtos na ArcelorMittal Tubarão. Março de 2008

A Gestão de resíduos e Co-Produtos na ArcelorMittal Tubarão. Março de 2008 A Gestão de resíduos e Co-Produtos na ArcelorMittal Tubarão Março de 2008 Gestão e Sustentabilidade Visão-Missão-Valores Plano Estratégico Objetivos Estratégicos e Perspectivas Perspectiva Financeira Perspectiva

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

Sã S o o Pa P u a l u o l 26 de d e M a M r a ço de d e 2008 0

Sã S o o Pa P u a l u o l 26 de d e M a M r a ço de d e 2008 0 São Paulo 26 de Março de 2008 Grupo Votorantim Fundado em 1918 Um dos maiores grupos industriais privados 8 unidades de negócio: metais, cimentos, celulose e papel, química, energia, agroindústria, finanças

Leia mais

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos:

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos: MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 9ª reunião do Grupo de Trabalho de Fontes Fixas Data: 29 e 30 de novembro de 2010 Processo n 02000.002780/2007-32 LIMITES

Leia mais

Feam. e) alto forno a carvão vegetal: alto forno que utiliza o carvão vegetal como combustível e redutor no processo de produção do ferro gusa;

Feam. e) alto forno a carvão vegetal: alto forno que utiliza o carvão vegetal como combustível e redutor no processo de produção do ferro gusa; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade:

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade: Introdução Você já parou para imaginar um mundo sem coisas simples como facas, agulhas de costura, chaves, fechaduras, alfinetes lâminas de barbear? Pois é, não faz muito tempo, na verdade cerca de 500

Leia mais

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO de Matérias-Primas na Indústria Siderúrgica Tecnologia confiável Disponibilidade elevada 60 anos de experiência As melhores referências CARVÃO COQUE ArcelorMittal Tubarão,

Leia mais

42º Seminário de Aciaria Internacional ABM. A Vale na Siderurgia

42º Seminário de Aciaria Internacional ABM. A Vale na Siderurgia 42º Seminário de Aciaria Internacional ABM A Vale na Siderurgia 1 Localização A Vale participa do desenvolvimento da siderurgia no Brasil. Quando implantados, os projetos representarão uma produção adicional

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

Reciclagem de Resíduos Refratários

Reciclagem de Resíduos Refratários Resíduos Refratários Logística Reversa Reciclagem de Resíduos Refratários A Magnesita, integrando-se às soluções e demandas ambientais e sociais, vem investindo em pesquisa de tecnologias ainda mais sustentáveis

Leia mais

Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários

Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários Encontro Técnico GT CONAMA 4ª Reunião André Ribeiro Cotrim Abril 2009 Histórico Necessidade de fertilização com micronutrientes

Leia mais

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Desde a inauguração, em 1983, a ArcelorMittal Tubarão segue uma gestão orientada pela busca contínua da inovação e da qualidade em processos

Leia mais

gases combust CO 17-25% H 2

gases combust CO 17-25% H 2 minérios de ferro Alto Forno (Fe) gusa Ferro fundido Escória (~300Kg/t gusa) Fe 94-95% 95% 3-4,5%C 0,3-0,7% 0,7% Si 0,2-0,8 0,8 Mn

Leia mais

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr.

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr. Prof. Carlos Falcão Jr. 2Al(OH) 3 Al 2 O 3 + 3H 2 O(vapor) 1200ºC INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS 1.1) Ustulação Processo metalúrgico conduzido a altas temperaturas, mas não ocorrendo fusão parcial

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos RECUPERAÇÃO DE CALOR em processos industriais Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos A RECUPERAÇÃO DO CALOR ECONOMIZA ENERGIA PRIMÁRIA Em várias

Leia mais

3 A ArcelorMittal Tubarão

3 A ArcelorMittal Tubarão 3 A ArcelorMittal Tubarão 3.1. Breve histórico A ArcelorMittal Tubarão, reconhecida no País e no exterior como a maior produtora de semi-acabados de aço instalada no Brasil, foi constituída em Junho de

Leia mais

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade.

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Ciclo de Vida Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Sua análise permite a quantificação das emissões ambientais e o

Leia mais

PERFIL DE EQUIPAMENTO

PERFIL DE EQUIPAMENTO PERFIL DE EQUIPAMENTO EOF ENERGY OPTIMIZING FURNACE MINITEC Minitecnologias Ltda. Rua Bananal, 405-5º andar - Bairro Santo Antônio CEP: 35500-036 Divinópolis/MG - Brasil Fones: +55 (37) 3085-7113 / 3222-7113

Leia mais

Material: Substância pura ou composta que é produzida/obtida com alguma motivação tecnológica (APLICAÇÃO).

Material: Substância pura ou composta que é produzida/obtida com alguma motivação tecnológica (APLICAÇÃO). Resumo ICPOM P1: 1) Definições Básicas: Matéria-Prima ou 1º material: Pode ser mineral ou vegetal, de ocorrência natural nas minas. Material: Substância pura ou composta que é produzida/obtida com alguma

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Voestalpine Stahl, Linz, Áustria. Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS. Metals Technologies

Voestalpine Stahl, Linz, Áustria. Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS. Metals Technologies Voestalpine Stahl, Linz, Áustria Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS Metals Technologies 1 Atendendo agora às futuras demandas ambientais! O desafio As exigências

Leia mais

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO INTRODUÇÃO OS METAIS SÃO ATUALMENTE ESSENCIAIS PARA O NOSSO COTIDIANO. OS QUE SÃO MAIS UTILIZADOS SÃO O ALUMÍNIO (EM LATAS), O COBRE (NOS CABOS DE TELEFONE), O CHUMBO (EM BATERIAS DE AUTOMÓVEIS), O NÍQUEL

Leia mais

Produção Sustentável de Aço no Brasil

Produção Sustentável de Aço no Brasil Produção Sustentável de Aço no Brasil Filipe Esteves Cortes Sálvio Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia Metalúrgica UFRJ Heloisa V. de Medina Orientadora DSc. em Engenharia de Produção COPPE/UFRJ,

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Gestão de Água. Soluções de processo orientadas para usinas metalúrgicas e siderúrgicas. Metals Technologies

Gestão de Água. Soluções de processo orientadas para usinas metalúrgicas e siderúrgicas. Metals Technologies Gestão de Água Soluções de processo orientadas para usinas metalúrgicas e siderúrgicas Metals Technologies Gestão de Água Eficiência econômica e ecológica O desafio: As exigências de proteção ambiental

Leia mais

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Sérgio Pompéia Workshop A Cadeia produtiva do setor industrial de fertilizantes

Leia mais

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco GT Micronutrientes Resíduos de Zinco Produto Fonte geradora (processo) Exemplos de empresas geradoras no Brasil Cinza de Zn SHG Fusão de placa catódica Votorantim Metais Zinco Fusão de Zn SHG para anodos

Leia mais

SIDERURGIA Processos de Produção de Ferro Gusa e Aço

SIDERURGIA Processos de Produção de Ferro Gusa e Aço CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-MG CAMPUS V CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL ENGENHARIA MECATRÔNICA 1 PERIODO PROF.: RENATO SIDERURGIA Processos de Produção de Ferro Gusa e Aço DANIEL LACERDA

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS FELIPE FARDIN GRILLO

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS FELIPE FARDIN GRILLO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS FELIPE FARDIN GRILLO RECUPERAÇÃO DO Zn e Fe DA POEIRA DE ACIARIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA PRODUÇÃO

Leia mais

A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS SÓLIDOS

A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS SÓLIDOS A RECICLAGEM DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS SÓLIDOS Cyro Takano (*), José Deodoro T. Capocchi(**), Ramiro Conceição Nascimento(***), Marcelo Breda Mourão(*), Guilherme Lenz(****) e Dener Martins dos Santos(****)

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

Tema: Aciaria Elétrica Situação Atual e Tendência 2025

Tema: Aciaria Elétrica Situação Atual e Tendência 2025 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação TR-24 - Aciaria Elétrica Situação Atual e Tendência 2025 Fase I Panorama Setorial TR - 24 Tema: Aciaria Elétrica Situação Atual e

Leia mais

USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO

USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO Sergio Scherer Seminário CGEE & DECOI da SDP/MDIC - Brasília, 20.05.2014 Os elementos básicos na

Leia mais

SIDERURGIA. 1- Introdução

SIDERURGIA. 1- Introdução SIDERURGIA Siderurgia 1 1- Introdução Os metais encontrados no estado nativo são o ouro, a prata, a platina, o cobre, o arsênico e o bismuto. Estes metais eram encontrados na superfície ou próximo desta,

Leia mais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Legislação Classificação dos Resíduos NORMA ABNT 10.004 CLASSE I - PERIGOSOS CLASSE II - NÃO PERIGOSOS classe II A não inertes

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

RECICLAGEM DOS MATERIAIS

RECICLAGEM DOS MATERIAIS RECICLAGEM DOS MATERIAIS Bibliografia MANO, E. B., PACHECO, E. B.; BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blucher, cap 10, 2005. C-H Leea, C-T Chang, K-Sh Fan, T-C Chang.

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade 1 Índice : 1. Matérias combustíveis utilizáveis 2. A secagem com CO₂ - SEE

Leia mais

Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013

Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013 Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013 Histórico O Protocolo foi assinado em 03 abril de 2012, pelas empresas: Aperam South America ArcelorMittal Gerdau Siderúrgica

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

RECICLAGEM DE ALUMÍNIO: PREPARAÇÃO DA SUCATA PARA REFUSÃO

RECICLAGEM DE ALUMÍNIO: PREPARAÇÃO DA SUCATA PARA REFUSÃO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ANDRÉ AMANTINO DIAS EUFRÁSIO HERBERT VIERA RONCON LEANDRO MAGALHÃES F. CHAGAS RECICLAGEM DE ALUMÍNIO: PREPARAÇÃO DA SUCATA PARA REFUSÃO OSASCO 2012

Leia mais

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL A TRAJETÓRIA 2003 Aquisição da Lusosider em Portugal 2002 2005 Início da expansão da Mina Casa de Pedra e do terminal de carvão em Itaguaí Usina

Leia mais

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos Construção do Alto-Forno 3 Uma nova Coqueria Um terceiro Convertedor Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo Geração de novos empregos A CST Companhia Siderúrgica de Tubarão implantará o seu processo

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO

SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO para Alto-Forno, Aciaria e Fundição Captação eficiente das emissões Redução do consumo de energia Proteção do meio ambiente OTIMIZAÇÃO DO FLUXO: REDUÇÃO DE CUSTOS Placa de bocal

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

ALTO FORNO E ACIARIA. Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros

ALTO FORNO E ACIARIA. Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros ALTO FORNO E ACIARIA Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Tecnologia Metalúrgica Período: 2017.1 Prof. Ms. Thayza Pacheco dos Santos Barros 1 Alto forno Serve para produzir o ferro gusa, que é uma forma

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo

Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo Marilin Mariano dos Santos marilin.mariano@gmail.com Pacto Engenharia e Meio Ambiente Resolução Conama n o 5 de 1989

Leia mais

É hora de fabricar o aço

É hora de fabricar o aço É hora de fabricar o aço Introdução Mesmo quando os métodos de fabricação eram bastante rudimentares os artesãos da Antigüidade, na Ásia e, mais tarde, na Europa medieval, conseguiam fabricar o aço. O

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Inventário GEE- São Paulo MAIO - 2014 Sumário - Base Legal Inventário - Sugestão para elaboração de inventário 2/40 Base Legal Lei 13.798 de 09 de

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DA UTILIZAÇÃO DA CAREPA GERADA EM PROCESSOS SIDERÚRGICOS E TRATADA POR DESAGREGAÇÃO ULTRA-SÔNICA

ASPECTOS TÉCNICOS DA UTILIZAÇÃO DA CAREPA GERADA EM PROCESSOS SIDERÚRGICOS E TRATADA POR DESAGREGAÇÃO ULTRA-SÔNICA doi: 10.4322/tmm.00302001 ASPECTOS TÉCNICOS DA UTILIZAÇÃO DA CAREPA GERADA EM PROCESSOS SIDERÚRGICOS E TRATADA POR DESAGREGAÇÃO ULTRA-SÔNICA Resumo Adriano Ferreira da Cunha 1 Gerson de Araújo Filho 2

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica 2.1 Produção do Aço

2 Revisão Bibliográfica 2.1 Produção do Aço 2 Revisão Bibliográfica 2.1 Produção do Aço O aço é um material básico para o processo de industrialização de um país e imprescindível para a produção de bens essenciais à sociedade. Sua participação está

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

Missão Visão Valores

Missão Visão Valores PORTFÓLIO A Empresa A FK Engenharia e Gerenciamento nasceu de uma demanda de mercado por empresas inovadoras e de reconhecida capacidade técnica e gestão para atender da melhor forma possível, as necessidades

Leia mais

Soluções Ambientais para a Destinação de Resíduos

Soluções Ambientais para a Destinação de Resíduos Soluções Ambientais para a Destinação de Resíduos ONDE ESTAMOS REGIONAIS São Paulo (Caieiras, São José dos Campos, Itaberaba, Taboão da Serra e Sede) Rio de Janeiro (Magé e Macaé) Minas Gerais (Betim,

Leia mais

Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde

Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde Eng. M.Sc Cristiano Kenji Iwai Colômbia - 2009 Formas de Tratamento ETD

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE

MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS. Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS Clédola Cássia Oliveira de Tello Serviço de Gerência de Rejeitos - SEGRE Rio de Janeiro, 18

Leia mais

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA 2010 Preparado Por ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Avenida João XXIII, Santa Cruz Rio de Janeiro, RJ CEP 2356-352 Tel (21) 2141-2550 Thyssenkrupp-csa.com.br

Leia mais

FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO

FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO O Consome Consome-se alumínio se 17000 é o metal kwh/t Al em maior consumo abundância de aproximadamente na crosta 4t terrestre de bauxita produção de

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária

Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária RESUMO Rendimento de alumínio obtido por reciclagem de escória primária Este trabalho tem como objetivo apresentar um estudo estatístico das variáveis que impactam na Produtividade e no Rendimento da reciclagem

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG II INOVAMIN Experiência da em Subvenção Econômica Plano Introdução Projeto de Subvenção Econômica Aspectos positivos, dificuldades, sugestões Red, Orange and Green Tecnologias Ambientais Pequena empresa

Leia mais

MINI ALTO-FORNO PERFIL DE EQUIPAMENTO 1/13

MINI ALTO-FORNO PERFIL DE EQUIPAMENTO 1/13 PERFIL DE EQUIPAMENTO MINI ALTO-FORNO MINITEC Minitecnologias Ltda. Rua Bananal, 405-5º andar - Bairro Santo Antônio CEP: 35500-036 Divinópolis/MG - Brasil Fones: +55 (37) 3085-7113 / 3222-7113 - Fax:

Leia mais

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA.

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA. AbineeTec 2015 Seminário Sustentabilidade Gestão e Tecnologias Disponíveis para Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA set/14 Ricardo Rodrigues Umicore Brasil Ltda Março/15 Grupo Umicore Fluxo

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

RECICLAGEM DE CROMO E NÍQUEL A PARTIR DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS

RECICLAGEM DE CROMO E NÍQUEL A PARTIR DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS RECICLAGEM DE CROMO E NÍQUEL A PARTIR DE RESÍDUOS SIDERÚRGICOS Pedro José Nolasco Sobrinho Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da EPUSP Av. Prof. Mello Moraes, 2463 Cidade Universitária

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS DE FONTES FIXAS PARA A INDÚSTRIA SIDERÚRGICA EM NÍVEL NACIONAL

PROPOSIÇÃO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS DE FONTES FIXAS PARA A INDÚSTRIA SIDERÚRGICA EM NÍVEL NACIONAL Proposta para discussão Sub-grupo de Minas Gerais 1 PROPOSIÇÃO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS DE FONTES FIXAS PARA A INDÚSTRIA SIDERÚRGICA EM NÍVEL NACIONAL 1. JUSTIFICATIVAS 1.1

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil

Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil Marcelo Pinho (DEP/UFSCar) Brasília, 7 de maio de 2015 Seminário Políticas Ambientais como Fonte de Novos Negócios

Leia mais

Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação

Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas (DPAAC) Índice N.º 2 do Artigo 9.º-A

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

A Sustentabilidade na Indústria do Aço

A Sustentabilidade na Indústria do Aço A Sustentabilidade na Indústria do Aço 4º. Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável Guilherme Corrêa Abreu Presidente do Comitê de Meio Ambiente São Paulo, 04.08.11 Parque Produtor de Aço no Brasil

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio.

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco dos METAIS As aulas sobre os metais são sete. Trata-se, em detalhes, do ferro,

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Uso da Energia Solar na Industria Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Fontes de Energia no Brasil Quem usou energia no Brasil - 2012 Consumo de Energia no Setor Industria Setor Industrial % Setor

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I Textos de apoio Ciências Ensino Fundamental I 1 Latas de aço O mercado para reciclagem No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas

Leia mais

1º 107 6 2011: 45% EBITDA 1º

1º 107 6 2011: 45% EBITDA 1º QUEM SOMOS Uma das maiores empresas de mineração do mundo. Cerca de 107 mil empregados diretos. Líderes globais na produção de platina e diamante e participação significativa em cobre, níquel, minério

Leia mais

Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês

Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês Fernando Freitas Lins x João Battista Bruno 1. Introdução A pelotização é um dos processos de aglomeração de finos mais atraente devido principalmente

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS

MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS 1/5 MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS Uma parcela considerálvel do custo de operação de caldeiras envolve o gasto com combustível. Independente do tipo utilizado (óleo combustível, gás natural,

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais