ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O"

Transcrição

1 INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O SETORES INTENSIVOS EM MÃO-DE-OBRA: Uma atualização do Modelo de Geração de Emprego do BNDES O Modelo de Geração de Emprego (MGE) do BNDES permite calcular o número de empregos gerados a partir de um aumento de produção em qualquer dos 41 setores da economia, segundo a desagregação setorial utilizada pelas publicações do IBGE, utilizadas como fontes de dados. Esses números possibilitam quantificar o impacto no nível de emprego e, principalmente, identificar quais setores são mais sensíveis a variações no produto setorial, tendo em vista exclusivame nte a variável emprego. O impacto no emprego, em geral, é determinado apenas sobre o emprego direto, isto é, o gerado exclusivamente no setor em que houve o aumento de produção. O MGE abrange o emprego direto, o emprego indireto, com a introdução da cadeia produtiva, e ainda o chamado emprego efeito-renda, quando a renda dos trabalhadores se transforma em consumo. Entre os setores mais intensivos em mão-de-obra estão Artigos do Vestuário, Agropecuária, Serviços Prestados à Família, Madeira e Mobiliário, os setores da Agroindústria (Indústria do Café, Abate de Animais, Fabricação de Óleos Vegetais, Beneficiamento de Produtos Vegetais, Indústria de Laticínios), e Comércio. 1 TIPOLOGIA DO EMPREGO Este Informe tem como objetivo identificar os setores com maior impacto na geração de emprego, com base em uma atualização do Modelo de Geração de Emprego (MGE) do BNDES. Aqui, neste breve espaço, não será apresentada com detalhes a metodologia do MGE 1, mas se concentrará na análise dos resultados, com ênfase para o papel da atualização das fontes de dados nos números finais do Modelo. Utilizando dados oficiais do IBGE como fonte de informação, o MGE estima a quantidade de trabalhadores, formais e informais, necessários para atender um aumento de demanda, a preços correntes, em qualquer um dos setores da 1 A última versão do MGE está disponível em Najberg e Ikeda (1999). Modelo de Geração de Emprego: Metodologia e Resultados. Textos para Discussão nº72. Rio de Janeiro, BNDES. economia brasileira. O Modelo trabalha com três tipos de empregos: 1. Emprego direto Corresponde à mão -deobra adicional requerida pelo setor onde se observa o aumento de demanda. Por exemplo, um aumento de demanda por vestuário impulsionará as empresas do setor a aumentarem sua produção, de forma a satisfazer este aumento de procura, contratando novos trabalhadores. No caso específico do emprego direto, portanto, haverá variação no nível de emprego apenas no setor onde ocorreu o aumento de demanda. 2. Emprego indireto Gerado em decorrência do impacto na cadeia produtiva, já que a produção de um bem final estimula a produção de todos os insumos nece ssários à sua produção. No exemplo anterior, para que sejam fabricadas roupas adicionais, é necessária a produção de fios, algodão, entre outros produtos, estimulando a indústria têxtil e a agricultura, gerando novos postos de trabalho nestes setores. Desse modo, Não reflete necessariamente as opiniões do BNDES. Informativo apenas para subsidiar análises da AFE, sob a responsabilidade de José Roberto Afonso. Elaborado por Sheila Najberg e Marcelo Ikeda, no âmbito do Projeto BNDES/Cepal. Maiores informações e esclarecimentos, consultar o site do Banco Federativo na Internet (http://federativo.bndes.gov.br); ; ou fax

2 um aumento de demanda em um setor específico (no caso, vestuário) provoca um aumento de produção não apenas do setor de vestuário, mas ao longo de toda a cadeia produtiva. 3. Emprego efeito-renda Obtido a partir da transformação da renda dos trabalhadores em consumo. Parte da receita das empresas auferida em decorrência da venda de seus produtos se transforma, através do pagamento de salários ou do recebimento de dividendos, em renda dos trabalhadores ou dos empresários. Ambos gastarão parcela de sua renda adquirindo bens e serviços diversos, segundo seu perfil de consumo, estimulando a produção de outros setores e realimentando o processo de geração de emprego. No exemplo anterior, um aumento da demanda de vestuário gerará empregos diretos no próprio setor e indiretos na indústria têxtil, por exemplo, que forneceram os insumos necessários para a produção das novas roupas. Esses trabalhadores adicionais, ao receberem seus salários, gastarão uma parte de sua renda em consumo, comprando alimentos, consumindo serviços diversos, como ir ao restaurante ou ao cinema, e inclusive comprando roupas, o que aumentará ainda mais a demanda e os empregos no setor. 2 BASE DE DADOS Como em todo modelo, a leitura dos resultados deve ser ponderada, tendo em vista as limitações da metodologia e da base de dados utilizadas. Por simplificação, o MGE considera que todos os setores produzem com retornos constantes de escala. Assim, um aumento de produção de 10% de artigos de vestuário impactará também em 10% todos os setores que fazem parte de sua cadeia produtiva. Da mesma forma, o MGE trabalha com uma produtividade constante. Caso um setor dobre sua produção, será contratado o dobro dos trabalhadores. Isso significa que, no exemplo anterior, o resultado em termos de emprego também será um aumento de 10%, tanto nos empregos diretos quanto nos indiretos. Essa simplificação afeta os resultados, mas na ausência de estudos que evidenciem quais setores trabalham com retornos crescentes ou decrescentes de escala, a opção pelo retorno constante parece adequada. Em relação à base de dados, parte-se do princípio que os dados mais recentemente divulgados sejam uma boa aproximação dos dados atuais. No entanto, uma divulgação dos dados defasada pode distorcer os resultados. Por exemplo, o Modelo 2 utiliza a estrutura produtiva disponível na Matriz de Insumo -Produto (MIP), divulgada pelo IBGE, para estimar os empregos indiretos. A última MIP disponível refere -se ao ano de De todo modo, a publicação de um conjunto de dados utilizados pelo MGE permite que as projeções sejam atualizadas com as melhores fontes de dados em disponibilidade. A fonte básica para o cálculo do emprego direto são as Contas Nacionais do IBGE, que apresentam a produção a preços correntes, e o número de trabalhadores, para os diferentes setores da economia. Na construção da Tabela 1, foram utilizadas as seguintes fontes de dados: Para o emprego direto: os números de emprego e de produção setoriais são obtidos das Contas Nacionais de A produção é corrigida até junho de 2001, com base em índices de preços oficiais 2. Para o emprego indireto : a cadeia produtiva setorial, que possibilita a estimação dos empregos indiretos, foi obtida da Matriz de Insumo -Produto de Para o emprego efeito-renda: toma como base a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 1995/1996 e a Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (PNAD) de PRINCIPAIS RESULTADOS A Tabela 1 apresenta os empregos gerados nos 41 setores da economia 3, segundo a desagregação 2 O MGE projeta a demanda de mão-de-obra para aumentos de produção, a preços correntes. Isto é, o modelo fornece uma estimativa de empregos gerados para um aumento de produção de, por exemplo, R$10 milhões. Quanto mais atual estiverem os dados utilizados pelo Modelo, menos viés nos resultados. Os dados mais atuais de produção são referentes ao ano de Apesar da baixa inflação observada nos últimos anos, houve uma mudança diferenciada nos preços setoriais que está sendo incorporada aos dados do MGE através do uso do IPA ( índice de preços por atacado), do IPC ( índice de preços ao consumidor) e do INCC (índice nacional da construção civil),até junho de De fato, a desagregação setorial do IBGE é de 42 setores. No entanto, optou-se por excluir o setor Serviços Privados não-mercantis por se constituir de entidades associativas e sem fins lucrativos, que possuem proporcionalmente um valor da produção

3 utilizada pelo IBGE, em decorrência de um aumento de demanda de R$10 milhões (a preços de junho de 2001), dividindo-os de acordo com a tipologia do MGE em diretos, indiretos e efeitorenda, além de uma ordenação dos setores segundo os empregos gerados. O setor com maior número de empregos demandados é Artigos de Vestuário, com empregos diretos, 168 indiretos e 327 empregos efeito-renda, totalizando empregos, dado um aumento de produção de R$ 10 milhões. Em seguida, surge a Agropecuária, com empregos, sendo 620 diretos, 186 indiretos e 387 empregos efeito-renda. Os demais setores que completam o ranking dos 10 mais intensivos em mão-de-obra são, respectivamente, Serviços Prestados à Família (educação, saúde, lazer), Madeira e Mobiliário, Indústria do Café, Comércio, Abate de Animais, Fabricação de Óleos Vegetais, Beneficiamento de Produtos Vegetais e Indústria de Laticínios. A expressiva participação de micro e pequenas empresas nesses setores justifica sua importância em termos de intensidade de mão -de-obra. Segundo informações do Ministério do Trabalho e Emprego 4, 88% das firmas no setor de vestuário e da agroindústria são de micro empreendimentos (com menos de 20 trabalhadores). Os setores da agroindústria se destacam pela grande quantidade de empregos indiretos e pela forte inter-relação com a agropecuária. O setor de Construção Civil, um setor comumente citado como um dos principais geradores de empregos, não figura entre os dez primeiros, considerando os três tipos de emprego. Isso se explica pela pequena quantidade de empregos indiretos, decorrente de um impacto reduzido na cadeia produtiva. No entanto, cabe ressaltar que a ótica do emprego não deve ser o único critério a ser utilizado para a definição de uma política de apoio governamental. A vantagem em termos de intensidade de mão -deobra deve ser relativizada diante da baixa produtividade verificada em alguns desses setores 5. Comparando-se os números dessa atualização (junho de 2001) com resultados anteriores do MGE (dados de 1998), observa-se uma expressiva redução na demanda por mão -de-obra, que pode ser explicada por dois fatores: aumento de produtividade setorial e variação de preços. Para visualizar o aumento de produtividade, a Tabela 2 apresenta os resultados obtidos das Contas Nacionais de 1998 (coluna A) e das Contas Nacionais de 1999 a preços de 1998 (coluna B). Mantendo o mesmo nível de preços, as duas colunas, portanto, comparam relações de emprego e produção. Por exemplo, um aumento de produção de R$ 10 milhões no setor de agropecuária em 1998, demandaria, em média, 983 trabalhadores. Mudanças na produtividade captadas pelo IBGE, ao longo de 1999, reduziram a demanda média esperada para 929 trabalhadores. Comparando, ainda na Tabela 2, a coluna A com a B, observa-se que, em alguns poucos setores houve aumento do número de empregados por produção, a preços constantes. É o caso dos setores de artigos plásticos, beneficiamento de produtos vegetais, construção civil, comércio e comunicações. Em geral, no entanto, houve reduções. Exceto nos setores de peças, café e açúcar, as mudanças não foram significativas. O impacto exclusivo da variação nos preços pode ser visualizado na Tabela 2 coluna C, que apresenta os resultados das Contas Nacionais de 1999, trazidos a preços de junho de Voltando ao exemplo do setor de agropecuária, um aumento de produção de R$ 10 milhões em junho de 2001 demandaria, em média, 620 trabalhadores. A principal justificativa para essa redução de trabalhadores é que uma demanda de R$ 10 milhões a preços de junho de 2001 é bastante inferior aos mesmos R$10 milhões a preços de A inflação setorial foi medida pelo IPA, que mede a variação de preços no atacado. A desvalorização do real em relação ao dólar, em baixo e um nível de emprego elevado, o que poderia distorcer os resultados. 4 Fonte: Relatório Anual de Informações Sociais RAIS Ver Produtividade: a chave do desenvolvimento acelerado no Brasil, Mckinsey Global Institute, 1998 e Retratos da produtividade no Brasil do Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Paraná (IBQP-PR), 2000

4 fevereiro de 1999, acarretou um aumento dos custos das matérias-primas importadas que se refletiu apenas no comportamento dos preços no atacado. O desaquecimento da atividade econômica impediu que este aumento fosse repassado para os preços de varejo em 1999, 2000 e até junho de Por exemplo, em 1999, a variação acumulada em 12 meses do IPA-DI ficou em 28,9% enquanto a variação do INPC ficou em 8,4%. A comparação entre as colunas A e B da Tabela 2 retrata uma mudança estrutural, corresponde ao aumento de produtividade entre os anos de 1998 e Já os dados das colunas B e C representam a perda do valor de compra da nossa moeda, refletindo a variação de preço observada entre 1998 e junho de Se não houvesse inflação nesse período, prevaleceriam, portanto, os números de coluna B. 4 UMA MUDANÇA METODOLÓGICA Esta versão do MGE apresenta uma pequena mas fundamental modificação na incorporação da fonte de dados, que altera os resultados do emprego efeito-renda. Como vimos, o emprego efeito-renda é obtido a partir do consumo da renda dos trabalhadores ou dos empregadores, seja através de salários ou de dividendos. Nas versões anteriores do MGE, considerava-se que todo o excedente operacional bruto se converteria em renda dos empresários. No entanto, a partir da taxa de investimento da economia e de dados da POF, divulgados pelo IBGE, estimou-se que 35% do excedente operacional bruto seriam reinvestidos. Essa mudança gera impacto apenas no emprego efeito-renda, mantendo-se inalterados os números dos empregos diretos e indiretos. É um pequeno aperfeiçoamento no sentido de aprimorar a qualidade dos resultados disponíveis. 4

5 5 - CONCLUSÃO Este Informe buscou atualizar o Modelo de Geração de Emprego (MGE) do BNDES com a introdução dos dados mais recentes em disponibilidade. Para o emprego direto, os dados de emprego e produção das Contas Nacionais de 1999 foram levados até junho de 2001 com índices de preços setoriais. Para o emprego indireto, a Matriz de Insumo-Produto de Para o emprego efeito-renda, a Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio de 1999 e a Pesquisa de Orçamentos Familiares de 1995/1996. O MGE calcula o número de empregos gerados em decorrência de um aumento de produção em 41 setores da economia. O setor maior gerador de empregos foi o de Artigos do Vestuário. Em seguida, surgem a Agropecuária, Serviços Prestados à Família, Madeira e Mobiliário, setores da Agroindústria (Indústria do Café, Abate de Animais, Fabricação de Óleos Vegetais, Beneficiamento de Produtos Vegetais, Indústria de Laticínios), e Comércio. Procurou-se também comparar os resultados atualizados do emprego direto do MGE com resultados de As diferenças observadas podem ser explicadas por mudanças de produtividade setorial e por mudanças no nível de preços. As mudanças na produtividade são mudanças estruturais, enquanto as no nível de preços refletem apenas a inflação acumulada no período. 5

6 Tabela 1 - Estimativa de Empregos Gerados por um aumento de produção de R$ 10 milhões (preços de junho de 2001) S e t o r Diretos Indiretos Efeito- Renda Total Diretos Indir. Efeito- Renda AGROPECUÁRIA EXTRAT. MINERAL PETRÓLEO E GÁS MINERAL Ñ METÁLICO SIDERURGIA METALURG. Ñ FERROSOS OUTROS METALÚRGICOS MÁQUINAS E EQUIP MATERIAL ELÉTRICO EQUIP. ELETRÔNICOS AUTOM./CAM/ONIBUS PEÇAS E OUT. VEÍCULOS MADEIRA E MOBILIÁRIO CELULOSE, PAPEL E GRÁF IND. DA BORRACHA ELEMENTOS QUIMICOS REFINO DO PETRÓLEO QUÍMICOS DIVERSOS FARMAC. E VETERINÁRIA ARTIGOS PLÁSTICOS IND. TÊXTIL ARTIGOS DO VESTUÁRIO FABRICAÇÃO CALÇADOS INDÚSTRIA DO CAFÉ BENEF. PROD. VEGETAIS ABATE DE ANIMAIS INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS FABRICAÇÃO DE AÇÚCAR FAB. ÓLEOS VEGETAIS OUTROS PROD. ALIMENT INDÚSTRIAS DIVERSAS S.I.U.P CONSTRUÇÃO CIVIL COMÉRCIO TRANSPORTES COMUNICAÇÕES INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SERV. PREST. À FAMÍLIA SERV. PREST. À EMPRESA ALUGUEL DE IMÓVEIS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Fonte: Modelo de Geração de Emprego - BNDES Fontes de dados: CN99, MIP96, PNAD99, POF95/96 * Ordenação crescente (1 - maior gerador de empregos; 41, menor) Última atualização: junho de Número de Empregos Ordenação* Total 6

7 TABELA 2 - Empregos Diretos Gerados por um aumento de produção de R$ 10 milhões Setores A B C AGROPECUÁRIA EXTRAT. MINERAL PETRÓLEO E GÁS MINERAL Ñ METÁLICO SIDERURGIA METALURG. Ñ FERROSOS OUTROS METALÚRGICOS MÁQUINAS E EQUIP MATERIAL ELÉTRICO EQUIP. ELETRÔNICOS AUTOM./CAM/ONIBUS PEÇAS E OUT. VEÍCULOS MADEIRA E MOBILIÁRIO CELULOSE, PAPEL E GRÁF IND. DA BORRACHA ELEMENTOS QUIMICOS REFINO DO PETRÓLEO QUÍMICOS DIVERSOS FARMAC. E VETERINÁRIA ARTIGOS PLÁSTICOS IND. TÊXTIL ARTIGOS DO VESTUÁRIO FABRICAÇÃO CALÇADOS INDÚSTRIA DO CAFÉ BENEF. PROD. VEGETAIS ABATE DE ANIMAIS INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS FABRICAÇÃO DE AÇÚCAR FAB. ÓLEOS VEGETAIS OUTROS PROD. ALIMENT INDÚSTRIAS DIVERSAS S.I.U.P CONSTRUÇÃO CIVIL COMÉRCIO TRANSPORTES COMUNICAÇÕES INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SERV. PREST. À FAMÍLIA SERV. PREST. À EMPRESA ALUGUEL DE IMÓVEIS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Fonte: Modelo de Geração de Emprego - BNDES A = Contas Nacionais (CN) 1998 B = CN 1999 a preços de 1998 C = CN 1999 a preços de junho de 2001 OBS.: B - A: produtividade 1999/1998; C - B: inflação jun/

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002

ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002 ANÁLISE ESTRUTURAL DO EMPREGO NA ECONOMIA BRASILEIRA Comparação entre 1996 e 2002 Silvio Massaru Ichihara Joaquim J. M. Guilhoto Marcio Guerra Amorim n.6 Série Estudos Ocupacionais ANÁLISE ESTRUTURAL

Leia mais

GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1

GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1 GERAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DE EMPREGO NOS SETORES DE PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL 1 Flávia Maria de Mello Bliska Centro de Café, Instituto Agronômico, IAC, Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

Simulações de impactos setoriais sobre a distribuição de renda e o crescimento econômico: evidências para o Brasil

Simulações de impactos setoriais sobre a distribuição de renda e o crescimento econômico: evidências para o Brasil Simulações de impactos setoriais sobre a distribuição de renda e o crescimento econômico: evidências para o Brasil Resumo * Allan Silveira dos Santos; Wesley Oliveira Santos; Érica Oliveira Gonzales; Ricardo

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007

Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007 Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007 Claudinei Ramos de Oliveira UEPG Eziquiel Gu e r r e i r o UEPG Jú l i o Cé s a r Bilik UEPG Resumo: Este trabalho

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico

Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico Matrizes de Contabilidade Social para o Planejamento Econômico Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Planejamento da política econômica

Leia mais

Impactos da Mudança do Regime de Tributação da Cofins

Impactos da Mudança do Regime de Tributação da Cofins Impactos da Mudança do Regime de Tributação da Cofins Esta nota tem como objetivo avaliar os impactos da mudança do regime de tributação da Cofins de cumulativo para não-cumulativo. Para tanto, na primeira

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

IMPACTOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOBRE A DESIGUALDADE: UMA ANÁLISE INTER-REGIONAL POR UMA MATRIZ DE CONTABILIDADE SOCIAL

IMPACTOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOBRE A DESIGUALDADE: UMA ANÁLISE INTER-REGIONAL POR UMA MATRIZ DE CONTABILIDADE SOCIAL IMPACTOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOBRE A DESIGUALDADE: UMA ANÁLISE INTER-REGIONAL POR UMA MATRIZ DE CONTABILIDADE SOCIAL Resumo Este trabalho procura estimar os impactos potenciais das transferências

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 6 Conta da Produção das Atividades (versão para informação e

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Estrutura da Demanda Final e Distribuição de Renda no Brasil: Uma Abordagem Multissetorial Utilizando uma Matriz de Contabilidade Social

Estrutura da Demanda Final e Distribuição de Renda no Brasil: Uma Abordagem Multissetorial Utilizando uma Matriz de Contabilidade Social Estrutura da Demanda Final e Distribuição de Renda no Brasil: Uma Abordagem Multissetorial Utilizando uma Matriz de Contabilidade Social Adelar Fochezatto Doutor em Economia, Professor Titular da Pontifícia

Leia mais

1- Imposto Mínimo. Garantir fontes estáveis de financiamento à Previdência Social

1- Imposto Mínimo. Garantir fontes estáveis de financiamento à Previdência Social 1- Imposto Mínimo Objetivos: Corrigir uma flagrante injustiça no sistema tributário brasileiro mediante a desoneração do trabalho de sua pesada carga de tributos, tanto para o empregado quanto para o empregador

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil. Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha

Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil. Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha Agosto - 2013 2011 Biodiesel INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2011 Biodiesel ODM-Importado 2011 ODM-Nacional Biodiesel

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

Análise dos impactos do Programa Bolsa Família no desenvolvimento do Nordeste

Análise dos impactos do Programa Bolsa Família no desenvolvimento do Nordeste Análise dos impactos do Programa Bolsa Família no desenvolvimento do Nordeste Francisco Diniz Bezerra Coordenador de Estudos e Pesquisas BNB/ETENE Fortaleza CE 20/11/2013 Indicadores socioeconômicos da

Leia mais

Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira

Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Gestão Estratégica UGE Participação das Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

O Paraná na dinâmica da renda do sistema inter-regional Sul-Restante do Brasil

O Paraná na dinâmica da renda do sistema inter-regional Sul-Restante do Brasil O Paraná na dinâmica da renda do sistema inter-regional Sul-Restante do Brasil Antonio Carlos Moretto * Rossana Lott Rodrigues ** Umberto Antonio Sesso Filho *** Katy Maia **** RESUMO Os anos 90 trouxeram

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Pesquisas de Orçamentos Familiares POF:

Pesquisas de Orçamentos Familiares POF: Número 107 Fevereiro de 2012 Pesquisas de Orçamentos Familiares POF: A necessária atualização e as mudanças de pesos em um índice de preços Pesquisas de Orçamentos Familiares - POF: a necessária atualização

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Carga tributária e competitividade da Indústria Brasileira

Carga tributária e competitividade da Indústria Brasileira Carga tributária e competitividade da Indústria Brasileira Análise do impacto da incidência em cascata do PIS/PASEP, COFINS e CPMF. Análise do impacto das taxas de juros sobre o custo financeiro da carga

Leia mais

MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003

MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003 MUDANÇAS ESTRUTURAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO, 1998-2003 Adelar Fochezatto 1 Cristiano Ponzoni Ghinis 2 Resumo O objetivo deste trabalho é identificar

Leia mais

Informality: a sectoral portrait of Brazilian economy

Informality: a sectoral portrait of Brazilian economy MPRA Munich Personal RePEc Archive Informality: a sectoral portrait of Brazilian economy Fernanda Satori de Camargo and Denise Imori and Leando de Oliveira Almeida and Joaquim José Martins Guilhoto Fundação

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários.

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. 11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. Resultados das negociações coletivas gradativamente superaram o INPC e têm aumento real aproximado de

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun 1 UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL Maria Helena Zockun Resumo O trabalho estima a parcela da atividade econômica que não declarou seu faturamento à tributação em 1996, por setor. A

Leia mais

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL INDÚSTRIA DIVERSIFICADA... outros; 18,8% Alimentos

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro

O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro O sistema estadual de inovação do estado do Rio de Janeiro Uma contribuição ao diálogo de políticas entre o governo do estado do Rio de Janeiro e o Banco Interamericano de Desenvolvimento Geciane Silveira

Leia mais

informe TÉCNICO Mercado de Trabalho MAIO 2015 Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará

informe TÉCNICO Mercado de Trabalho MAIO 2015 Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará informe TÉCNICO Mercado de Trabalho MAIO 2015 Fapespa GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Simão Robison Oliveira Jatene Governador do Estado do Pará José da Cruz Marinho Vice-Governador do Estado do Pará Fapespa

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Palestra MPME. 30 de junho de 2011

Palestra MPME. 30 de junho de 2011 Palestra MPME 30 de junho de 2011 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Empresário Informação e Relacionamento

Leia mais

Relações econômicas do Ceará com o Brasil e os principais setores geradores de emprego e renda na economia

Relações econômicas do Ceará com o Brasil e os principais setores geradores de emprego e renda na economia Relações econômicas do Ceará com o Brasil e os principais setores geradores de emprego e renda na economia Patrícia Verônica Pinheiro Sales Lima 1 Joaquim José Martins Guilhoto 2 1 - Introdução Apesar

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação?

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 1) O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 3) Qual é a vantagem para um Departamento Regional participar do Edital de Inovação?

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DO CONSELHO DA ABIT JANEIRO DE 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO

Leia mais

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 32º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS

II - RESPONSÁVEIS. Durante o 32º exercício social do Fundo PIS-PASEP, desempenhou o cargo de Presidente do BNDES: 2.1. PELA APLICAÇÃO DE RECURSOS I - APRESENTAÇÃO O BNDES é responsável pela aplicação da maior parte dos recursos do Fundo, na proporção de aproximadamente 90% do total, cabendo à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a aplicação

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

IMPACTOS MACROECONÔMICOS, REGIONAIS E SETORIAIS DA REFORMA TRIBUTÁRIA RELATÓRIO DE TRABALHO Nº 1

IMPACTOS MACROECONÔMICOS, REGIONAIS E SETORIAIS DA REFORMA TRIBUTÁRIA RELATÓRIO DE TRABALHO Nº 1 IMPACTOS MACROECONÔMICOS, REGIONAIS E SETORIAIS DA REFORMA TRIBUTÁRIA RELATÓRIO DE TRABALHO Nº 1 Equipe Diretor da GVconsult Prof. Francisco S. Mazzucca Coordenação do Projeto Fernando Garcia Redação Fernando

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Boletim Regional Florianópolis

Boletim Regional Florianópolis Boletim Regional Florianópolis Carlos Hamilton Araújo Novembro de 2014 Índice I. Introdução II. Inferências Nacionais III. Região Sul IV. Santa Catarina V. Mercado de Crédito 2 I. Introdução 3 Missão do

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2009 2 SUMÁRIO PÁGINA 3 IPC (FIPE) PÁGINA 4 IPCA (IBGE) PÁGINA 5 INPC (IBGE) PÁGINA 6 IGP-DI (FGV) PÁGINA 7 IGP-M (FGV) PÁGINA

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence MPRA Munich Personal RePEc Archive Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence Umberto Antonio Sesso Filho and Joaquim José Martins Guilhoto and Antonio Carlos

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Estrutura da demanda final e distribuição de renda no Brasil: uma abordagem multissetorial utilizando uma matriz de contabilidade social

Estrutura da demanda final e distribuição de renda no Brasil: uma abordagem multissetorial utilizando uma matriz de contabilidade social 1 Estrutura da demanda final e distribuição de renda no Brasil: uma abordagem multissetorial utilizando uma matriz de contabilidade social Adelar Fochezatto 1 Resumo Muitos estudos têm sido feitos para

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CNS/FESESP RELATÓRIO - ANO 2004 São Paulo, 4 de setembro de 2007 EQUIPE Diretor

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

APOIO NO DESENVOLVIMENTO. Transformando conhecimento em resultado. www.bblink.com.br

APOIO NO DESENVOLVIMENTO. Transformando conhecimento em resultado. www.bblink.com.br AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E TRIBUTÁRIOS DO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO CAIS MAUÁ PORTO ALEGRE Junho 2015 APOIO NO DESENVOLVIMENTO Transformando conhecimento em resultado www.bblink.com.br

Leia mais