Tumores anexiais na adolescência

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tumores anexiais na adolescência"

Transcrição

1 48 ARTIGO ORIGINAL Luiz Augusto Giordano 1 Mario Vicente Giordano 1 Ricardo Oliveira e Silva 1, 2 Adnexal tumors in adolescents Resumo A abordagem dos tumores anexiais é tarefa difícil para o ginecologista, pois muitos são os diagnósticos diferenciais possíveis. Todas as estruturas anatômicas presentes na pelve podem ocasionar condições patológicas que mimetizam tumorações anexiais uterinas. O ovário é órgão que possui ampla variedade de lesões com histologia diversa. Nas adolescentes há preponderância de alterações funcionais e de tumorações benignas. A avaliação clínica é especial neste grupo de pacientes e a ultra-sonografia representa o principal exame complementar para a abordagem inicial das lesões. O tratamento é cercado de particularidades. As alterações funcionais não necessitam de intervenção cirúrgica. Os procedimentos cirúrgicos, quando necessários, devem ser o mais conservador possível e a preocupação com o futuro reprodutivo das adolescentes deve ser uma constante no julgamento do cirurgião. Mesmo em lesões malignas há espaço para tratamentos menos radicais, com auxílio de terapias adjuvantes. Unitermos Anexos uterinos; ovário; adolescente; diagnóstico; tratamento Abstract The evaluation of adnexal tumors in adolescents is a difficult experience. Differential diagnosis is complex because all pelvic structures can present like uterine adnexal mass. Much kind of tumors with different histology can grow up from the ovaries. Functional cysts and benign tumors are the most frequent lesions in the adolescent s gonads. Physical examination is a special step for the diagnosis and ultrasound is the most import imaging techniques. Treatments in this particular patient may have different way from older women. The majority of functional cyst needs no intervention. If necessary, conservative surgery has to be employed. Surgical intervention is directed toward preservation of reproductive and sexual function. Some malignant tumors may be ressected with conservative approach followed by adjuvant therapy. Key words Adnexa uteri; ovary; adolescent; diagnosis; treatment Introdução 1 Ginecologista da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). 2 Ginecologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A abordagem de tumorações nos anexos uterinos é cercada de dificuldades diagnósticas e particularidades em seu tratamento. Essas vertentes tornam-se mais exuberantes quando nos defrontamos com tumores anexiais na adolescência. O medo da paciente e de seus familiares com relação ao risco de vida e às consequências reprodutivas emprestam maior grau de apreensão à conduta médica. O ovário é fonte de inúmeras patologias, sejam tumorais, inflamatórias e até mesmo funcionais. A íntima relação anatômica do órgão com as tubas uterinas, muitas vezes, torna impossível o diagnóstico preciso da lesão. Além disso, a pelve é fonte de patologias urinárias, intestinais e de outras estruturas que dificultam ainda mais esse diagnóstico. Muitas pacientes adolescentes apresentam integridade himenal, o que soma dificuldades aos exames ginecológico e ultrassonográfico transvaginal. Algumas lesões encontradas, mormente de caráter funcional, não necessitam de qualquer tipo de tratamento médico além da orientação. É importante saber que a maioria das lesões anexiais encontradas é de natureza benigna, principalmente nas pacientes mais jovens. Antes dos 30 anos o aparecimento de tumores ovarianos malignos não é evento frequente. A doença maligna em crianças e adolescentes corresponde a cerca de 3% de todos os casos (1). A indicação de tratamento cirúrgico deve ser precisa e com grande preocupação com o futuro reprodutivo da paciente, evitando-se dissecções e exéreses desnecessárias, que em nada beneficiarão o controle da doença que indicou o ato cirúrgico. A via laparoscópica, quando possível, deve ser empregada, pois apresenta inúmeras vantagens com relação à laparotomia na abordagem de tumores anexiais benignos.

2 Giordano et al. 49 Cistos ovarianos funcionais O desenvolvimento de cistos ovarianos é comum na adolescência. São subdivididos em cistos foliculares, do corpo lúteo e teca-luteínicos. São mais comuns, resultado de ovulações imperfeitas, onde não há rotura folicular. Em geral são menores que 8 cm e com poucos sintomas caso não ocorra rotura com possível irritação peritoneal. Irregularidade menstrual e dor pélvica podem ser encontradas. Tumores de maior volume podem ocasionar sintomas urinários e intestinais. Os cistos do corpo lúteo, também chamados cistos hemorrágicos, são menos frequentes. O corpo lúteo, em geral, possui até 3 cm de diâmetro e, quando apresenta maiores dimensões, é chamado de cisto do corpo lúteo. Quando há rotura, pode ocorrer hemoperitônio e sua consequente sintomatologia. Pacientes em uso de anticoagulantes apresentam maior risco para a entidade. Os cistos teca-luteínicos ocorrem em virtude de hiperestímulo da gonadotrofina coriônica humana (HCG). Esses cistos podem ocorrer em ciclos de estímulo ovariano para reprodução assistida, o que não é encontrado nessa faixa etária. Nas adolescentes os cistos ocorrem na vigência de gravidez normal ou patológica (doença trofoblástica). O teratoma ou cisto dermoide é o tumor ovariano mais comum, correspondendo a 11% de todas as neoplasias (Figura 1). A média de idade das pacientes é de 30 anos, variando entre 2 e 88 (17). Em pacientes com menos de 20 anos, corresponde a metade dos casos dos tumores ovarianos (9). Seu volume também apresenta grande variação, podendo alcançar até 30 cm. É composto por tecidos do endoderma, mesoderma e ectoderma, podendo assim apresentar osso, cabelo, gordura, pele, entre outras estruturas em seu interior. São os tumores que apresentam maior risco de torção, o que pode comprometer a viabilidade ovariana. Um tipo bem específico de teratoma ovariano é o chamado struma ovarii, que significa presença preponderante de tecido tireoidiano num tumor ovariano, o que na quase totalidade dos casos é um teratoma. Tumores carcinoides também podem ser encontrados nos teratomas ovarianos, culminados em sintomatologia exuberante (8). O endometrioma ovariano pode ser encontrado em adolescentes. A endometriose apresenta prevalência de 25% a 38% nas adolescentes com dor pélvica crônica (18). Cerca de 2/3 das mulheres adultas com endometriose referem início de seus sintomas antes dos 20 anos (2). A dismenorreia severa associada a tumor anexial pode orientar o diagnóstico. Devemos manter alto grau de suspeição nas adolescentes, na tentativa de diminuir o período de tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico. Anomalias do trato genital, que impeçam o escoamento do sangue menstrual, podem colaborar para o surgimento da endometriose. Os tumores dos cordões sexuais como tecoma, fibroma e gonadoblastoma também são encontrados nessas pacientes. Os tecomas podem Tumores ovarianos benignos Figura 1 Volumoso teratoma ovariano esquerdo apresentar atividade endócrina com secreção estrogênica ou androgênica. Os fibromas podem ser encontrados em pacientes adolescentes, mas menos de 10% desses tumores ocorrem antes dos 30 anos. É o tumor classicamente descrito na síndrome de Meigs: ascite, derrame pleural e tumor ovariano. O gonadoblastoma é tumor composto por células germinativas, de Sertoli e elementos celulares semelhantes às células de Leydig. Ocorre em gônadas disgenéticas de indivíduos com cromossomo Y. É um tumor incomum que ocorre em pacientes com menos de 30 anos.

3 50 Giordano et al. Tumores ovarianos malignos Os tumores mais comuns deste grupo são os tumores de células germinativas. São responsáveis por cerca de 66% dos casos de malignidade antes dos 20 anos (3). São subdivididos em: disgerminoma, tumor do seio endodérmico, carcinoma embrionário, coriocarcinoma, poliembrioma e teratomas malignos. Desses tumores, o mais comum é o do seio endodérmico (4). Os tumores ovarianos epiteliais são mais frequentes a partir dos 40 anos, mas podem ser encontrados antes dos 30. Nessa faixa etária costumam ser de baixo potencial de malignidade. Diagnóstico diferencial As patologias ovarianas, como descritas, são as causas mais relevantes de tumorações anexiais na adolescência. Porém, outras entidades também podem ser encontradas. A gravidez ectópica deve sempre ser cogitada, principalmente nas pacientes que já iniciaram sua vida sexual. Algumas pacientes podem negar a atividade sexual com receio da descoberta pelos pais. Cistos paratubários podem mimetizar a apresentação clínica de cistos ovarianos. As adolescentes representam grupo de risco para o surgimento de doença inflamatória pélvica (11). Podemos estar diante de abscesso tubo-ovariano agudo ou sequela inflamatória tubária, hidrossalpinge. Algumas patologias uterinas podem ter apresentação clínica semelhante à das doenças anexiais. Os leiomiomas uterinos são incomuns na adolescência, mas o tumor pediculado pode tornar o diagnóstico diferencial com fibroma ovariano difícil. Anomalias uterinas também fazem parte do raciocínio clínico para a diferenciação diagnóstica. Cornos uterinos funcionantes e não-comunicantes são confundidos com tumorações císticas ovarianas. Abordagem diagnóstica A investigação diagnóstica dos tumores anexiais tem seu início na anamnese e no exame físico. Muitas dessas lesões serão descobertas em exames complementares rotineiros, pois são assintomáticas (16). Nas adolescentes merecem destaque história menstrual, atividade sexual e uso de métodos contraceptivos. É sempre interessante o questionamento de sintomas urinários e intestinais. Alguns tumores podem ser secretantes e determinar irregularidade menstrual. Tumores malignos podem determinar sintomas sistêmicos e inespecíficos como inapetência, náuseas e perda ponderal. A rotura dos cistos ovarianos pode ocasionar dor abdominal e sangramento intraperitoneal. A torção ovariana cursa com dor abdomino-pélvica aguda, náuseas, vômitos, palidez e leucocitose. Nas pacientes virgens, o exame ginecológico é limitado e o toque retal, intolerável para algumas adolescentes. Na dependência do volume tumoral, a palpação abdominal pode detectar provável tamanho, consistência e sensibilidade. Presente peritonite, a palpação abdominal é imperiosa para elucidação diagnóstica inicial. Nas pacientes com atividade sexual, o exame ginecológico deve ser abrangente, com atenção durante a palpação das regiões anexiais. Normalmente os anexos uterinos não são palpados ao toque vaginal combinado. Quando aumentados, descrever mobilidade, superfície, sensibilidade e tamanho estimado. Os teratomas são regulares, indolores e podem ser palpados na região anterior ao útero. Os cistos funcionais, quando de pequeno volume, não são notados no exame ginecológico. A endometriose pode determinar cistos ovarianos com aderências, nodulações nos fórnices vaginais e menor mobilidade uterina. A ultrassonografia (US) representa o exame complementar mais importante na avaliação de tumores ovarianos. Pode identificar a origem do tumor (se realmente é ovariano), bem como avaliar as características desse: tamanho, se cístico ou sólido, presença de septos, estudo da superfície interna dos cistos (presença de papilas), presença de calcificações e outros achados. A avaliação com dopplerfluxometria pode colaborar na diferenciação de patologias malignas ovarianas, em que encontramos neovascularização e fluxo sanguíneo de baixa resistência. A tomografia compu-

4 Giordano et al. 51 tadorizada (TC) e a ressonância magnética (RM) são indicadas em casos duvidosos, colaborando para a melhor avaliação da origem do tumor. São exames que podem identificar alterações apendiculares e outras entidades não-ginecológicas. Aumento volumétrico da região anexial com atraso menstrual obriga à realização da dosagem de subunidade β da gonadotrofina coriônica humana (β-hcg) para exclusão de prenhez ectópica. Os marcadores tumorais fazem parte do arsenal diagnóstico das patologias anexiais. Na suspeita de malignidade, devem ser empregados na pesquisa. O Ca-125 é marcador tumoral encontrado em estruturas derivadas do epitélio celômico. Sua pesquisa é útil na diferenciação de tumores benignos e malignos, encontrando-se níveis elevados (> 35U/ml) nesses últimos. Não é marcador específico, pois diversas patologias ginecológicas benignas podem determinar seu aumento, como leiomiomas uterinos, doença inflamatória pélvica (DIP), endometriose e gravidez. O antígeno carcinoembrionário (CEA) pode ser útil na diferenciação de malignidade nos cistos dermoides, nos disgerminomas e também estar presente em tumores epiteliais mucinosos. O β-hcg e o alfa feto proteína (AFP) são marcadores encontrados nos tumores de células germinativas. A desidrogenase lática (LDH) pode estar aumentada nos disgerminomas. Os tumores das células da granulosa podem apresentar aumento da inibina e do hormônio antimulleriano (10). Trombocitose pode estar associada a malignidade em adolescentes (7). Assim, a contagem de plaquetas é exame de fácil realização e disponível para avaliação de paciente com torção anexial e suspeita de malignidade. As radiografias simples do abdome podem ser solicitadas em alguns casos. Os cistos dermoides eventualmente apresentam calcificações identificadas na radiografia simples da pelve, simulando formações dentárias. Calcificações dispersas (corpos de Psammomma) de um cistoadenoma seroso papilar também podem ser identificadas. Não é incomum o achado de calcificações nas regiões anexiais quando a adolescente é submetida a investigações radiológicas da coluna vertebral. Tratamento Os cistos ovarianos funcionais apresentam resolução espontânea na maioria dos casos. O acompanhamento é clínico e ultrassonográfico após cerca de 30 a 40 dias. Alguns autores recomendam o uso de contraceptivos hormonais na abordagem dessas lesões. Esses medicamentos não apresentam influência na resolução do cisto já instalado, mas podem evitar o surgimento de novos cistos funcionais que confundem o acompanhamento. Após a observação inicial, podemos ter: regressão completa da lesão; regressão parcial manter o acompanhamento mensal até resolução do quadro; evolução da lesão (diâmetro superior a 8 a 10 cm) ou início de sintomas cirurgia. As cirurgias para cistos ovarianos e tumores benignos é preferencialmente realizada por videolaparoscopia. Essa via determina menores tempo de permanência hospitalar e incidência de complicações pós-operatórias (15). Nos casos duvidosos, em que não há certeza da natureza da lesão, pode ser realizada biópsia de congelação no intraoperatório. As cirurgias nessas pacientes devem ser mais conservadoras, retirando-se apenas a lesão ovariana (Figura 2). As cistectomias apresentam melhor resultado que punções e aspirações, pois a última conduta implica maior taxa de recidiva (12). Na abordagem cirúrgica de tumores benignos, podemos encontrar cistos funcionais no mesmo ovário ou no contralateral, os quais não devem ser abordados, pois, como vimos, a maioria evolui para resolução espontânea. Manipulações desnecessárias nos ovários podem ocasionar complicações intraoperatórias, como sangramento, e pósoperatórias, como processos aderenciais. No tratamento das doenças malignas ovarianas de pacientes adolescentes, devemos priorizar a função sexual e o futuro reprodutivo. Cirurgias mais alargadas só devem ser realizadas com o diagnóstico definitivo de malignidade, mediante estudo histopatológico. Presente a dúvida ou na impossibilidade de diagnóstico definitivo no intraoperatório (biópsia de congelação), é recomendada a exérese apenas da lesão. É preferível a realização de outro procedimento cirúrgico após diagnóstico histológico definitivo em vez de realizar exéreses desnecessárias na primeira abordagem. As pacientes com tumores ovarianos de linha-

5 52 Giordano et al. Figura 2 Tumorectomia ovariana. Notar o plano de clivagem entre a lesão e o tecido ovariano gem epitelial devem ser submetidas ao estadiamento cirúrgico completo. Nas pacientes adolescentes, os tumores epiteliais costumam ser de baixo potencial de malignidade. Nos tumores epiteliais confinados ao ovário (estádio Ia), podemos realizar a anexectomia unilateral. O ovário contralateral não deve ser biopsiado se clinicamente normal (5). Este ano a Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO) apresentou mudanças no estadiamento dos tumores ginecológicos (6). Os tumores das células germinativas também podem ser submetidos a tratamento menos radical. Nos casos limitados a um ovário, a anexectomia unilateral deve ser realizada, e o útero e o anexo contralateral não devem ser manipulados se clinicamente normais. O uso de quimioterapia no pós-operatório acrescenta importante melhoria no prognóstico das pacientes. Cerca de 90% das pacientes em estádios iniciais e 75% com estadiamento avançado apresentam longa sobrevida (13). Mesmo após quimioterapia, a maioria das pacientes apresentará ciclos menstruais regulares. As pacientes que conseguem gravidez futura não parecem apresentar maior risco de complicações durante a gestação (14). Referências 1. Acosta A, Kaplan AL, Kaufman RH. Gynecologic cancer in children. Am J Obstet Gynecol. 1972; 20: Ballweg ML. Big picture of endometriosis helps provide guidance on approach to teens: comparative historical data show endo starting younger, is more severe. J Pediatr Adolesc Gynecol. 2003; 16: S Berek JS, Natarajan S. Ovarian and fallopian tube cancer. In: Berek JS. Berek & Novak s Gynecology. Lippincott Williams & Wilkins. 2007; Davidoff AM, Hebra A, Bunin N, et al. Endodermal sinus tumor in children. J Pediatr Surg. 1996; 31: FIGO. Committee on gynecologic oncology and IGCS guidelines committee. Staging classifications ans clinical practice guidelines of gynaecologic cancers. Int J Gynecol Obstet. 2000; 70: FIGO. Committee on gynecologic oncology. Current FIGO staging for cancer of the vagina, fallopian tube, ovary, and gestational trophoblastic neoplasia. Int J Gynecol Obstet. 2009; 105: Haddad LB, Laufer MR. Thrombocytosis associated with malignant ovarian lesions within a pediatric and adolescent population (abstract). Fertil Steril. 2007; 88 Suppl 1: S Horowitz IR, De La Cuesta RS, Majmudar B. Benign and malignant tumors of the ovary. In: Carpenter SEK, Rock JA. Pediatric and adolescent gynecology. Lippincott Williams & Wilkins. 2002; Kozlowski KJ. Ovarian masses. Adolesc Med. 1999; 10: La Marca A, Volpe A. Antimullerian hormone and ovarian cancer. Hum Reprod Update. 2007; 13(3): Lawson MA, Blythe MJ. Pelvic inflammatory disease in adolescents. Pediatr Clin North Am. 1999; 46: Lipitz S, Seidman DS, Menczer J, et al. Recurrence rate after fluid aspiration from sonographically benign-appearing ovarian cysts. J Reprod Med. 1992; 37: Lu KH, Gershenson DM. Update on the management of ovarian germ cell tumors. J Reprod Med. 2005; 50: Maltaris T, Boehm D, Dittrich R, et al. Reproduction beyond cancer: a message of hope for young women. Gynecol Oncol. 2006; 103: Medeiros LRF, Rosa DD, Bozzetti MC, Fachel JMG, et al. Laparoscopy versus laparotomy for benign ovarian tumour. Cochrane Database of Systematic Reviews. In: The Cochrane Library, Issue 3, art. n. CD DOI: / CD pub3 16. Schultz KA, Sencer SF, Messinger Y, et al. Pediatric ovarian tumors: a review of 67 cases. Pediatr Blood Cancer. 2005; 44: Surti U, Hoffner L, Chakravariti A, et al. Genetics and biology of human ovarian teratoma. In: Cytogenetic analysis and mechanism of origin. Am J Hum Genet. 1990; 47: Vercellini, P, Fedele, L, Arcaini, L, et al. Laparoscopy in the diagnosis of chronic pelvic pain in adolescent women. J Reprod Med. 1989; 34: 827.

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Diagnóstico de endometriose

Diagnóstico de endometriose Diagnóstico de endometriose Endometriose se caracteriza pelo achado de glândulas e/ou estroma endometrial em locais anormais. Acomete aproximadamente 15% das mulheres em idade fértil tornando-se uma doença

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013 Mesa redonda 6 (G): tumores ovarianos em situações especiais. Walquiria Quida S. Pereira Primo (DF)

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher.

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher. Cistos de Ovário Os ovários são dois pequenos órgãos, um em cada lado do útero. É normal o desenvolvimento de pequenos cistos (bolsas contendo líquidos) nos ovários. Estes cistos são inofensivos e na maioria

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 04/03/2013 Introdução Ecografia: 1º exame a ser realizado em mulheres com suspeita de doença pélvica

Leia mais

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Gustavo Rêgo Coêlho (TCBC) Serviço de Cirurgia e Transplante de Fígado Hospital das Clínicas - UFC Tumores Cís+cos do Pâncreas Poucos tópicos

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO Painel de Especialistas em Imagem Ginecologia: Marcela Böhm-Vélez, Médica 1 ; Ellen Mendelson, Médica 2 ;

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 Gynecologic Imagin Reporting Dr. Ayrton Roberto Pastore Livre-Docente do Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da USP Coordenador do Setor

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE Adriana Helena Sedrez Farmacêutica Bioquímica Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR Coordenadora do setor de Hematologia Clínica, responsável pelo Atendimento ao Cliente e gerente de Recursos

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Imuno-histoquímica - aplicações

Imuno-histoquímica - aplicações Imuno-histoquímica - aplicações diagnóstico diferencial entre neoplasias indiferenciadas pela histopatologia - casos nos quais a morfologia não permite conclusão da diferenciação do tumor Ex.: carcinoma

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Artigo Original/Original Article

Artigo Original/Original Article Artigo Original/Original Article Avaliação de uma série de 361 tumores benignos do ovário submetidos a tratamento cirúrgico. Evaluation of 361 cases of benign ovarian tumors treated surgically. Sofia Custódio*,

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 36. Recomendação Final

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 36. Recomendação Final DOSAGEM DO ANTÍGENO CA125 PARA ACOMPANHAMENTO DE TRATAMENTO E SEGUIMENTO PÓS-TRATAMENTO DE NEOPLASIA MALIGNA EPITELIAL DE OVÁRIO Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção

Leia mais

Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico

Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico / D Ippolito G et al. Ensaio Iconográfico Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico Giuseppe D

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC Campus BOM DESPACHO Endometriose Integrantes: Amanda Gabriela Silva Alves Amanda Xavier Zica Graciete Meire Andrade Docente : Eduardo Nogueira Cortez Isa Raquel

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

Faculdade de Medicina - UNISUL NEOPLASIAS DO OVÁRIO. Aula disponível no site: Rodrigo Dias Nunes

Faculdade de Medicina - UNISUL NEOPLASIAS DO OVÁRIO. Aula disponível no site:  Rodrigo Dias Nunes NEOPLASIAS DO OVÁRIO Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes Epidemiologia > 50 anos Obesidade Nuligestas Não usaram anticoncepcionais orais Ingesta carne e gordura animal

Leia mais

Cirurgia poupadora de órgão no tratamento da massa testicular

Cirurgia poupadora de órgão no tratamento da massa testicular Cirurgia poupadora de órgão no tratamento da massa testicular TUMORES DO TESTÍCULO Nuno Louro nunorlouro@gmail.com 16 de Novembro de 2013 ORQUIDECTOMIA RADICAL Maioria das massas testiculares palpáveis

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

SUSPEITA DE MASSAS ANEXIAIS

SUSPEITA DE MASSAS ANEXIAIS Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR SUSPEITA DE MASSAS ANEXIAIS Painel de Especialistas em Imagem Ginecológica: Marcela Böhm-Vélez, Médica 1 ; Ellen Mendelson, Médica 2 ; Robert

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

INDICAÇÕES DE LAPAROSCOPIA NO MANEJO DE MASSAS OVARIANAS

INDICAÇÕES DE LAPAROSCOPIA NO MANEJO DE MASSAS OVARIANAS INDICAÇÕES DE LAPAROSCOPIA NO MANEJO DE MASSAS OVARIANAS Ramon Andrade R3 Prof. Dr. Renato Ferrari - Orientador INTRODUÇÃO Avanço global do uso laparoscopia Laparoscopia ginecológica Doenças benignas Doenças

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CURSO DE GRADUAÇÃO DE MEDICINA MARIA DA SILVA

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CURSO DE GRADUAÇÃO DE MEDICINA MARIA DA SILVA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CURSO DE GRADUAÇÃO DE MEDICINA MARIA DA SILVA TUMOR SINCRÔNICO BENIGNO E MALIGNO NO MESMO OVÁRIO: ADENOCARCINOMA SEROSO MODERADAMENTE DIFERENCIADO

Leia mais

Gravidez Semana a Semana com Bruna Galdeano

Gravidez Semana a Semana com Bruna Galdeano Desde o momento em que o óvulo é fecundado pelo espermatozoide, seu futuro bebê começa uma aventura extraordinária dentro de sua barriga, assim passando de um aglomerado de células a um perfeito ser humano.

Leia mais

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco Amenorréia Induzida: Indicações XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco I. Amenorréia Amenorréia secundária é um distúrbio que se

Leia mais

INDICA-SE PELO RISCO DE NEO

INDICA-SE PELO RISCO DE NEO Benigno x maligno SINTOMÁTICA ASSINTOMÁTICA ASSINTOMÁTICA INDICA-SE PELO RISCO DE NEO 56 % dos cistos tem resolução espontânea Ehrlich, et al. (2007) 57 a 60 % dos TU Malignos ovarianos componente cístico

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF Unidade de Ginecologia Oncológica / UGON Estágio médico em Ginecologia Oncológica

Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF Unidade de Ginecologia Oncológica / UGON Estágio médico em Ginecologia Oncológica 1. Observações gerais: Estágio de capacitação em Ginecologia Oncológica da Unidade de Ginecologia Oncológica (UGON) do Hospital de Base do Distrito Federal: O estágio em Ginecologia Oncológica da Unidade

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL. Marília da Glória Martins

NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL. Marília da Glória Martins NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL Resumé NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL A nomenclatura proposta por Ewing em 1910, mantém-se atual. Ratificada pela União Internacional de Combate ao Câncer (UICC)

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso?

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) Setor de Reprodução 46 o Congresso Humancopia de Ginecológica Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Natalia I. Zavattiero

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Os exames que avaliam a fertilidade do casal

Os exames que avaliam a fertilidade do casal CAPÍTULO 4 Os exames que avaliam a fertilidade do casal Na pesquisa da fertilidade, os fatores são estudados levando-se em consideração cada uma das etapas no processo de reprodução. Para cada uma delas,

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br

avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br Alteracoes pos radioterapia e quimioterapia: como avaliar Os efeitos iatrogênicos causados na morfologia do epitélio pela radioterapia

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Avaliação por ressonância magnética das massas pélvicas

Avaliação por ressonância magnética das massas pélvicas valiação por ressonância magnética das massas pélvicas / Souza LRMF et al. rtigo Original valiação por ressonância magnética das massas pélvicas Luís Ronan Marquez Ferreira de Souza 1, Salomão Faintuch

Leia mais

Conduta no endometrioma na mulher que quer engravidar. Dr. Iúri Telles

Conduta no endometrioma na mulher que quer engravidar. Dr. Iúri Telles Conduta no endometrioma na mulher que quer engravidar Endometrioma em pacientes com prole definida Se dor: Laparoscopia com excisão completa da cápsula Se não tem dor: conduta expectante ativa USTV e CA125

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

PRESERVAÇÃO FERTILIDADE HOMEM Recomendações. Alexandra Teixeira

PRESERVAÇÃO FERTILIDADE HOMEM Recomendações. Alexandra Teixeira PRESERVAÇÃO FERTILIDADE HOMEM Recomendações Alexandra Teixeira O número de adultos jovens "long survivors" tem crescido e a preocupação com os efeitos tardios relacionados com os tratamentos tem emergido,

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia Yara Furtado Atipias de Células Glandulares Bethesda 1991 Bethesda 2001 Células Glandulares *Células endometriais, benignas, em mulheres na pós-menopausa

Leia mais