POR DR. XERXES DE TOLEDO JÚNIOR CRM 41696

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POR DR. XERXES DE TOLEDO JÚNIOR CRM 41696"

Transcrição

1 PROGRAMA DE MEDICINA PREVENTIVA POR DR. XERXES DE TOLEDO JÚNIOR CRM JULHO, 2007

2 Trabalho idealizado, desenvolvido e implantado por Dr. Xerxes de Toledo Júnior CRM Dr.Xerxes é Especialista em Rejuvenescimento e Longevidade, Título de Mestrado pela Escola Paulista de Medicina, Título de Especialista pelo Conselho Federal de Medicina, Título de Especialista em Geriatria e Gerontologia pela Universidade Estadual de Campinas e Presidente da Associação Médica Brasileira e Latino Americana de Rejuvenescimento e Longevidade 2

3 SUMÁRIO 1. Apresentação ANS Agência Nacional de Saúde Experiência Resultados Centro de Excelência em Prevenção e Qualidade de Vida Metodologia Check up Coleta de material para exames laboratoriais Avaliação de enfermagem Consulta médica Classificação dos grupos de risco por grau de risco clínico Classificação dos grupos de risco por grau de risco cognitivo Serviço Social Procedimentos médicos pré-estabelecidos Visita domiciliar de enfermagem Ações de promoção de saúde e prevenção de doenças Oficinas Palestras sobre prevenção de doenças Atividade Física Cronograma de atividades para promoção de saúde Gestão das Informações Referências Bibliográficas Anexos

4 1. APRESENTAÇÃO O Programa de Medicina Preventiva foi idealizado a partir da experiência obtida com grupo de pessoas da terceira idade, em Vitória ES. Vislumbrou-se então a possibilidade de um trabalho como este, ser estendido ao restante da população de pacientes, através de atendimento diferenciado de assistência médica praticado pelo mercado e pela observação de lacunas no atendimento médico ue o tornava insuficiente para atender a toda demanda existente em um acompanhamento da saúde de pessoas idosas. Atualmente a sistemática adotada pela maioria das operadoras é de rede credenciada aberta, na ual o associado escolhe o profissional médico para tratamentos isolados, de forma ue não há comunicação entre os profissionais ue atendem a população, considerando ue este público necessita, muitas vezes, de pareceres e avaliações de outras especialidades, é importante ue haja interação técnica entre os profissionais envolvidos no tratamento do paciente, no entanto, uando da avaliação em outro médico, se percebe, na maioria das vezes, o recomeço de um tratamento. Com isso, o paciente não é assistido de forma contínua e integrada e é exposto repetidamente a radiações, por exemplo, exame de raio x, e sofrimentos desnecessários devido a procedimentos invasivos. Este trabalho foi elaborado para contrapor tal cenário e atender a população idosa, tanto na área da saúde pública como privada, de forma a acompanhar e orientar os procedimentos realizados, considerando suas necessidades psicossociais, além da saúde física. Para obter resultados positivos com esta proposta diferenciada, foi desenvolvida uma sistemática de trabalho personalizada com base nos princípios da Medicina Preventiva Moderna e no resgate da filosofia do médico de família. Sabendo ue este trabalho constitui um desafio para diversas áreas da saúde, uma euipe altamente ualificada foi designada para atingir os objetivos da nova proposta. Ao contrário dos trabalhos similares já existentes no mercado, se optou por ter como foco nas tomadas de decisão de conduta, o trabalho da euipe multidisciplinar 4

5 para monitorar as variáveis ue interferem na saúde e bem estar dos pacientes assistidos pelo Programa. Com este trabalho, espera-se uma reestruturação na área de atenção à saúde do paciente da terceira idade, aplicando metodologia moderna e utilizando ferramentas de vanguarda na área de informática, com gestão otimizada de informações disponíveis na empresa e implementando um sistema de planejamento de metas, gerenciamento de atividades e controle de custos decorrentes da própria dinâmica do trabalho interdisciplinar, além de auditoria sistemática dos resultados obtidos. É uma oportunidade para mudança de paradigmas sobre gestão e utilização dos sistemas de saúde. Ao partir para esta linha de raciocínio é importante ter em mente um trabalho ue respalde esta proposta de mudança de paradigma. Este projeto propõe, através das ações de promoção da saúde e prevenção de doenças, fazer do paciente, um co-responsável no seu compromisso em participar das ações de prevenção de doenças e promoção de saúde ue norteiam a Medicina Preventiva Moderna. Esta proposta é também baseada nas Instruções Normativas da ANS (Agência Nacional de Saúde) ue regem sobre Qualificação da Saúde Suplementar, bem como contempla as necessidades de curto e médio prazo para resultados sólidos. 5

6 2. ANS AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE Este trabalho foi elaborado com base na Resolução Normativa (RN) n 94 de 23 de março de 2005, estabelecida pela DIPRO/ANS (Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos da Agência Nacional de Saúde Suplementar), através de Instrução Normativa (IN), ue propõe procedimentos de apresentação e critérios para avaliação dos programas de promoção à saúde e prevenção de doenças, (Silva, 2005), incluindo 04 (uatro) linhas de cuidado disponíveis para escolha das empresas operadoras de saúde. A partir desse referencial, foi desenvolvido, o Programa de Medicina Preventiva, ue atende ao disposto nas Instruções Normativas, a partir da Linha de Cuidado Terceira Idade Programa Maturidade Saudável da Agência Nacional de Saúde. O critério para seleção da Linha de Cuidado, levou em consideração ue a sua implantação tenderia a reduzir os eventos patológicos, uma vez ue após levantamento das necessidades clínicas e de utilização de benefícios, se mostrou como a geradora de sinistros ue mais comprometem a saúde dos pacientes. O método de trabalho adotado para o Programa de Medicina Preventiva, vai ao encontro das necessidades dos atuais gestores de saúde uanto à resolutividade e redução de intercorrências, porue age diretamente no fator ue potencializa o deseuilíbrio da saúde, ue é o fator humano (Hartz, 1997). Isso foi observado na população de idosos estudada, em ue as orientações médicas não eram devidamente seguidas, o ue favoreceu a reincidência de doenças tratáveis. Para concatenar as ações inerentes à Medicina Preventiva Moderna de forma segura e coesa, o Programa parte do princípio ue ualuer pessoa, ao ser cadastrada, é integrada de imediato a um monitoramento rigoroso de sua saúde, por uma euipe multidisciplinar, realizando de imediato um check up. Entidades e órgãos governamentais ue oferecem serviços no âmbito da ualidade de vida estão à frente do mercado. O ue também ratifica esse trabalho, é a relevância dada pela própria ANS no projeto de Qualificação da Saúde Suplementar, no ual há incentivos para ue profissionais da área de saúde também investir nessa proposta. 6

7 3. EXPERIÊNCIA A necessidade de um estudo ue agregasse valor ao trabalho de assistência médica com idosos em Vitória ES, fez com ue fosse elaborado um trabalho de ação direcionada e monitorada para um controle eficaz de patologias crônicas e graves, tratamento e prevenção e promoção de saúde. Ao mesmo tempo este trabalho deveria proporcionar às pessoas da terceira idade uma oportunidade de vivenciar experiências ue reavivassem sua história de vida e seus valores, sem perder de vista o cuidado com a saúde física e mental (Néri, 2002). Para este trabalho foram cadastradas 665 (seiscentas e sessenta e cinco) pessoas, em um período de 10 meses, ue participaram do Programa de Medicina Preventiva e foram monitoradas pela euipe multidisciplinar. Esta amostra foi um incentivo para estender o projeto para outros lugares. 7

8 4. RESULTADOS Total de indivíduos: 665. Total de consultas: 791. Total de exames: Total de internações: 4. Procedimentos Jul/07 Ago/07 Set/07 Out/07 Nov/07 Dez/07 Jan/08 Fev/08 Mar/08 Abr/08 Consulta Exame Internação Tabela1-Distribuição dos atendimentos no período de julho de 2007 a abril de EVOLUÇÃO ATENDIMENTO SENIOR VITÓRIA - ES jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 Consulta Exame Internação 8

9 5. CENTRO DE EXCELÊNCIA EM PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA Para viabilizar o trabalho multidisciplinar reuisitado pela filosofia da Medicina Preventiva Moderna, foi necessário o planejamento, desenvolvimento e implantação de um Centro de Excelência em Prevenção e Qualidade de Vida, uma estrutura física adaptada para a terceira idade com todos os recursos humanos capacitados para receber, orientar e tratar a saúde dos pacientes, fundamentado na prevenção de doenças e na promoção da ualidade de vida. O Centro de Excelência, dispõe de profissionais para atendimento ao idoso na área de Geriatria, Cardiologia, Ginecologia, Endocrinologia, Enfermagem, Fisioterapia, Psicologia, Serviço Social, Nutrição, Ortopedia e Dermatologia. Juntamente com o atendimento médico, o Centro de Excelência oferece ao paciente um espaço para a socialização, contato com outros idosos, participação em atividades ue favoreçam e preservem as habilidades físicas e intelectuais (Thomas, 1999). O local foi aruitetado a fim de proporcionar espaço para um atendimento médico personalizado e resgatar o conceito de médico de família, no ual o paciente é acompanhado em sua totalidade, considerando seus aspectos físico, social, familiar e emocional (Néri, 2002). Assim, é possível oferecer às pessoas uma euipe ue escute, dialogue e troue informações com o paciente e sua família sobre os fatos e circunstâncias ue interferem direta ou indiretamente em sua saúde (Sabra, 2003). Além de oferecer o atendimento multidisciplinar, outro objetivo do Centro de Excelência é, através de suas oficinas e palestras, fazer com ue o idoso se sinta útil, em companhia de outras pessoas da mesma faixa etária, trocando experiência e conhecimento, proporcionando a conservação da saúde cognitiva, criativa e de relacionamento, a partir das uais é possível estimular o investimento de tempo, seu raciocínio e manter-se produtivo, com auto-estima elevada e conseuentemente, saudável do ponto de vista fisiológico, haja vista sua mente estar igualmente saudável (Hartz, 1997). 9

10 6. METODOLOGIA 6.1 Check up Após o cadastro dos pacientes no Programa, um check up é agendado no Centro de Excelência de imediato, com o médico ue fará o acompanhamento de sua saúde a partir de então, chamado médico de família. Neste check up, o paciente passa por várias etapas: Coleta de material para exames laboratoriais Para otimizar ainda mais o trabalho e oferecer um diferencial de atendimento ao paciente, foram estabelecidas parcerias com laboratórios de análises clínicas da região, oferecendo espaço físico e toda a condição necessária para a coleta de sangue e realização de demais procedimentos. Com isso, é possível agilizar o atendimento e dar início ao monitoramento da saúde dos participantes. Na data agendada, o paciente comparece ao Centro de Excelência, em jejum e é encaminhado para o posto de coleta do laboratório. Após a coleta, é novamente encaminhado para um lanche para desjejum e aguardar para a avaliação da enfermagem e demais exames, se necessário. Os resultados dos exames são entregues no tempo médio de 48 horas, pelo laboratório, diretamente no Centro de Excelência, proporcionando ao médico, o acesso aos resultados e viabilizando uma definição de conduta mais rápida e eficaz Avaliação de Enfermagem Na avaliação da enfermagem é realizada a aferição de peso, altura, pressão arterial e glicemia capilar, e uma entrevista sobre os hábitos de vida do associado, sua convivência familiar, patologias ue possa ter ou ue familiares possuam, além de apresentar os medicamentos ue faz uso. Esta avaliação é de vital importância para classificação do paciente em um grupo de risco, ue é definido juntamente com o médico ao final do check up. Nesta avaliação a enfermagem registra seu parecer para o médico de família, assim como dá as primeiras orientações sobre a importância da prescrição médica e o auto cuidado.(anexo I e II) 10

11 6.1.3 Consulta médica Na consulta médica o paciente é submetido a um exame físico minucioso. De posse do parecer da enfermagem, o médico dá continuidade à avaliação, prescreve terapia medicamentosa, se for o caso, reforça as orientações uanto ao funcionamento do Centro de Excelência e se coloca a disposição do paciente, a partir desse momento, como seu médico de família. (Anexo III) Nesta primeira consulta, o médico prescreve vários exames mencionados a seguir, na Metodologia deste trabalho. Após o atendimento, o médico define, junto com a enfermagem, o Grau de Risco em ue o paciente será classificado para ue seja dada a continuidade ao Programa de Medicina Preventiva Classificação dos grupos por Grau de Risco Clínico: A Classificação dos pacientes por grau de risco foi elaborada para nortear o trabalho da euipe médica e de toda a euipe do Centro de Excelência, uanto às rotinas a serem adotadas para cada Grau de Risco. É definido pelo médico e pela enfermagem, após a avaliação do paciente, em uma abordagem interdisciplinar. Esta definição não é rígida, considerando a idade do paciente e as patologias ue possa desenvolver com o passar do tempo e o grau de risco determinado pode ser modificado. Para a classificação do Grau de Risco, o médico leva em consideração o exame físico, laboratorial, psicológico e cognitivo, assim como a história pregressa do paciente, seu estilo de vida, sinais e sintomas de patologias ue já tenham sido diagnosticadas ou venham se manifestar com o passar do tempo (dada a condição física e emocional observada durante a avaliação), medicação utilizada e exames realizados nos últimos seis meses. A classificação dos Graus de Risco é determinante na definição da conduta médica e da enfermagem. 11

12 A. Grau IV Alto Risco para descompensação. Conduta: visita domiciliar da euipe multidisciplinar semanal. Verificar a necessidade e o momento adeuado da visita médica, e do Serviço Social, Nutrição e Psicologia. Patologias a serem observadas: Obesidade Mórbida, alteração de pressão arterial importante, sem controle medicamentoso; alterações cardiovasculares importantes, patologias decorrentes de Diabetes por falta de acompanhamento, alimentação inadeuada, sedentarismo, Depressão sem acompanhamento médico, solidão, comportamentos de esuiva às orientações para mudança de estilo de vida, tabagismo ou ex-fumante. B. Grau III Médio Risco para descompensação: Conduta: visita da enfermagem a cada 15 (uinze) dias. Patologias e comportamentos a serem observados: Obesidade moderada, sedentarismo, pressão arterial sob controle medicamentoso irregular, doenças cardiovasculares sob acompanhamento médico, alimentação inadeuada, Depressão ou sintomas, Diabetes descompensada, comportamentos favoráveis às orientações para mudança de estilo de vida, tabagismo ou ex-fumante, risco iminente de descompensação. C. Grau II Baixo Risco para descompensação: Conduta: visita domiciliar euipe multidisciplinar a cada 30 dias; definição de uais profissionais farão o acompanhamento. Patologias e comportamentos a serem observados: Diabetes e Hipertensão Arterial sob controle rigoroso de medicamentos e alimentação, sobrepeso, prática irregular de atividade física, doenças cardiovasculares sob acompanhamento médico, check up anual rigoroso, sintomas de Depressão, comportamentos favoráveis às orientações para mudança de estilo de vida, ausência de tabagismo na historia pregressa. 12

13 D. Grau I Risco controlado para descompensação: Conduta: agendamento de consultas no Centro de Excelência a cada 90 (noventa) dias. Patologias e comportamentos a serem observados: pressão arterial estável sem uso de medicamento, glicemia em níveis normais, prática regular de atividade física, peso adeuado, ausência de doenças cardiovasculares, check up anual rigoroso, ausência de tabagismo e Depressão, comportamentos favoráveis às orientações de mudança de estilo de vida, alimentação com peuenas inadeuações Classificação dos grupos por Grau de Risco Cognitivo: A classificação por grau de risco cognitivo foi desenvolvida a fim de complementar as informações para definição de conduta a partir da classificação dos grupos por grau de risco clínico. A. Grau IV Comprometimento importante: Sinais e sintomas a serem observados: total desconexão com a realidade; tremor de extremidades importante. B. Grau III Comprometimento moderado: Sinais e sintomas a serem observados: estado avançado de déficit cognitivo; momentos de lucidez; memória recente e retrógrada muito comprometidas; tremor de extremidades importante. C. Grau II Comprometimento leve: Sinais e sintomas a serem observados: memória recente comprometida; falta de concentração; libido rebaixada; falha intermitente de memória retrógrada; tremor de extremidades. D. Grau I Comprometimento controlado: 13

14 Sinais e sintomas a serem observados: falhas de memória para fatos recentes Serviço Social: O Serviço Social desenvolve um trabalho de fundamental importância para ue os pacientes inseridos no Programa de Medicina Preventiva participem ativamente tanto das consultas médicas, uanto das ações de promoção de saúde implantadas e desenvolvidas nas instalações do Centro de Excelência. É no atendimento realizado pelo Serviço Social ue o paciente é orientado a ter como referência de atendimento o Centro de Excelência: Toda e ualuer consulta médica deve ser realizada com o médico assistente do Centro de Excelência. Mesmo após o atendimento por especialistas ue não façam parte do corpo clínico, o paciente deverá retornar periodicamente ao médico de família designado para o acompanhamento de sua saúde. Em caso de haver necessidade de um parecer de outra especialidade, este será solicitado pelo médico de família e será agendado pelo próprio Centro de Excelência, sendo ue o resultado será encaminhado novamente para o Centro de Excelência. (Anexo IV) O paciente poderá contatar a euipe de enfermagem a ualuer momento para orientações e esclarecimentos ue se façam necessários, referente sua saúde. Todos os exames do paciente serão encaminhados para o Centro de Excelência para constar em prontuário e estarão à disposição do paciente a ualuer tempo. Em caso de encaminhamento médico e/ou da enfermagem, o paciente poderá fazer acompanhamento com o serviço de Nutrição e Dietética. Em caso de encaminhamento médico e/ou da Enfermagem, o paciente poderá fazer acompanhamento com o serviço de Psicologia. O paciente deverá se comprometer a participar das ações de prevenção de doenças e promoções de saúde promovidas pelo Centro de Excelência Procedimentos médicos pré-estabelecidos: 14

15 Para atender aos princípios da filosofia da Medicina Preventiva Moderna, junto Setor de Saúde Suplementar, foi implantado no atendimento a ser realizado no Centro de Excelência, as rotinas de procedimentos pré-estabelecidos para nortear o trabalho da euipe médica, no entanto, conforme o estado de saúde dos pacientes, o médico de família poderá antecipar alguns exames para melhor avaliar o paciente, após discussão com a euipe multidisciplinar. 1ª CONSULTA CHECK UP A) Avaliação da enfermagem: Glicemia capilar Pressão Arterial Peso Altura Verificação de Tabagismo Sedentarismo Condição emocional (Anexo I) B) Consulta médica: Exame físico (Anexo III) Exames para check up: Uréia Creatinina Ácido Úrico Colesterol e Frações Triglicérides Fosfatase alcalina TGO TGP Hemograma 15

16 Hemoglobina glicosada PSA Papanicolaou Raio X P.A. e Perfil Esuerdo T3 T4 TSH Eletrocardiograma C) Em caso de alteração nos exames: Análise médica dos exames recebidos Agendamento imediato de visita domiciliar de enfermagem para orientação e entrega da prescrição de medicamentos feita pelo médico. Visita domiciliar do profissional de Nutrição para orientação de dieta e demais profissionais ue o médico de família indicar. 2ª CONSULTA (90 DIAS): Reavaliação das condições clínicas e laboratoriais. Se o médico verificar a necessidade, haverá solicitação de novos exames. 3ª CONSULTA (180 DIAS): Reavaliação das condições clínicas e laboratoriais. Se o médico verificar a necessidade, haverá solicitação de novos exames. Homem: PSA se necessário USG Próstata Mulher: Mamografia Papanicolaou Colposcopia - se necessário USG Pélvica 16

17 4ª CONSULTA (300 DIAS): Reavaliação das condições clínicas e laboratoriais. Homem: Raio Tórax se necessário Eletrocardiograma se necessário Mulher: Densitometria Óssea (Fêmur e Coluna) Raio X Tórax se necessário Eletrocardiograma se necessário Visita domiciliar de Enfermagem Na visita domiciliar de Enfermagem são realizados os seguintes procedimentos: Aferição da pressão arterial Peso Dieta Glicemia capilar Verificação de sinais e sintomas Observação do comportamento familiar em relação ao paciente. Relatório de visita. (Anexo II) Ações de promoção de saúde e prevenção de doenças: Com o avanço da medicina na detecção precoce de doenças e seu tratamento, hoje a expectativa de vida aumentou de forma significativa, trazendo oportunidades e desafios para uma parcela importante da sociedade brasileira. A uestão agora não é apenas viver mais, mas sim, viver mais e melhor, considerando os aspectos físico e mental de forma integrada. O conceito de saúde merece uma contextualização muito mais profunda e universal do ue simplesmente ausência de doenças. Entre os desafios enfrentados pelas pessoas ue alcançaram o novo conceito, melhor idade, está a ualidade do viver e seus desdobramentos, a partir da possibilidade de uma vida longa. 17

18 A programação das ações de prevenção de doenças e promoção de saúde foi elaborada no sentido de complementar o acompanhamento da euipe médica. É baseada nas datas de referência do Calendário de Saúde (Anexo V) e é acrescida de ações personalizadas conforme o interesse dos pacientes e a cultura da região Oficinas: Consistem em dinâmicas em formato adaptado para idosos para estimular de forma concreta a auisição e memorização de informações sobre saúde. Deverão ser dinâmicas de rápido resultado de forma ue idoso se descontraia, aduira conhecimentos e interaja com outras pessoas sem ue haja cansaço ou prejuízo de tempo e desgaste físico. I. Chá da tarde saudável: Facilitador: Nutricionista do Centro de Excelência Objetivo: oferecer aos pacientes, de forma simples e descontraída, informações sobre alimentação saudável, a partir da orientação de como preparar em casa alimentos saudáveis, sem perder de vista as preferências alimentares dos participantes. II. Origami: Facilitador: Professor de artes orientais parceria Objetivo: estimular os participantes a desenvolver novos hábitos para passar o tempo. Esta oficina oferece aos participantes, além da interação pessoal, o desenvolvimento de habilidades manuais, concentração e memorização. Indicada principalmente para pacientes com Mal de Alzheimer. III. Meditação: Facilitador: Professor de artes orientais parceria Objetivo: apresentar aos pacientes uma alternativa para mudança de estilo de vida. Esta oficina proporciona aos participantes uma experiência pessoal de isolar o pensamento, relaxamento, consciência corporal e aumento da imunidade. 18

19 IV. Leitura de Rótulos: Facilitador: Nutricionista do Centro de Excelência. Objetivo: esclarecer e orientar os participantes para a leitura de rótulos dos alimentos de uma forma concreta, estimulando a leitura de cada participante, a partir de embalagens de alimentos selecionadas pela nutricionista. Esta oficina estimula a curiosidade, concentração, o senso crítico e a co-responsabilidade dos participantes na escolha da sua alimentação, assim como é uma oportunidade de estender a importância da leitura de rótulos de alimentos aos familiares dos participantes, principalmente para uem é o responsável pelas compras de alimentos em casa. V. Yoga: Facilitador: Professor de artes orientais parceria Objetivo: oferecer aos participantes uma alternativa para auisição de um hábito saudável, explicar os diferentes tipos de yoga, os benefícios de cada uma e o mais importante: a indicação para cada pessoa. Esta oficina estimula a concentração, consciência corporal, aumento da imunidade e melhora do relacionamento interpessoal. VI. Trabalhos manuais em madeira, tricô e crochê Facilitador: Terapeuta Ocupacional parceria Objetivo: viabilizar um espaço para o aprendizado de modalidades de artesanato, assim como a troca de experiências entre os idosos. Esta oficina estimula a concentração, curiosidade, auto-estima e imunidade. VII. Oficina de Música Facilitador: Terapeuta Ocupacional parceria Objetivo: viabilizar um espaço para ue os participantes possam trocar experiências sobre instrumentos musicais, além de ensinar uns aos outros. Esta oficina estimula a concentração, curiosidade, psicomotricidade, auto-estima e imunidade. 19

20 VIII. Oficina de Teatro Facilitador: Terapeuta Ocupacional empresa parceira Objetivo: viabilizar um espaço para expressão e consciência corporal através de peuenas lições de fácil aplicação prática, para entretenimento Palestras sobre prevenção de doenças: I. Dia da Saúde Bucal Palestrante: Dentista cedido em parceria com empresas ou consultórios de Odontologia. Tema: Como a Saúde Bucal pode interferir no desenvolvimento de doenças do coração. Atividade prática: Profilaxia bucal através da parceria estabelecida. II. Mitos e verdades: Palestrante: Nutricionista do Centro Médico Tema: Mitos e verdades da alimentação Atividade prática: participação dos pacientes relatando as crenças sobre alimentação. III. Hipertensão Arterial Palestrante: Cardiologista do Centro de Excelência Tema: Hipertensão Arterial: o ue é isto? Atividade prática: aferição da pressão arterial dos participantes IV. Diferença entre Diet e Light Palestrante: Nutricionista do Centro de Excelência Tema: Afinal o ue são alimentos diet e light? Atividade prática: degustação de alimentos diet e light, conforme prescrição médica. V. Dengue Palestrante: Agente de saúde cedido pela prefeitura parceira 20

21 Tema: A Dengue pode estar do seu lado. Cuide-se! Atividade prática: exposição de materiais criadouros potenciais do mosuito Aedes aegypti. VI. Gripe & Vacinação Palestrante: Agente de saúde cedido pelo posto de saúde parceria Tema: Gripe e Vacina Cuidar e Prevenir Atividade prática: agendamento para ir em grupo ao posto de saúde para vacinação dos idosos ue ainda não foram vacinados no ano. VII. Diabetes Palestrante: Endocrinologista do Centro de Excelência Tema: Diabetes como conviver. Atividade prática: aferição da glicemia capilar dos participantes Atividade Física: I. Caminhada da melhor idade Público alvo: pessoas acima de 50 anos Duração: 40 minutos Euipe: Professor de Educação Física: para realização de alongamento, liderar e supervisionar a caminhada. Técnicos de enfermagem para aferição da pressão arterial antes do evento. Médicos e Ambulância: à disposição durante o evento para atender alguma intercorrência. Colaboradores do Centro de Excelência Material: Tenda para distribuição dos kits de caminhada Tenda para aferição de pressão arterial Kits de caminhada. 21

22 Faixa para divulgação: Caminhada Saúde Sênior da Melhor Idade. II. Dança de Salão: Público alvo: pessoas acima de 50 anos Duração: 60 minutos Euipe: Fisioterapeuta do Centro de Excelência: para realização de alongamento e supervisionar a atividade. Professor de Dança de Salão. Técnicos de enfermagem para aferição da pressão arterial antes do evento. Médicos e Ambulância: à disposição durante o evento para atender alguma intercorrência. Colaboradores do Centro de Excelência Cronograma de atividades para promoção de saúde Para encadear as ações de promoção de saúde com as consultas médicas, o cronograma de atividades foi dividido em uatro ciclos de palestras e oficinas. A partir da primeira consulta tem início o primeiro ciclo de atividades de promoção de saúde e ao final dos uatro ciclos, o paciente é submetido a um novo check up para comparação das informações clínicas coletadas no início do Programa de Medicina Preventiva. A escolha dos temas das atividades realizadas fica a critério da euipe multidisciplinar, de acordo com as demandas clínicas e comportamentais apresentadas pelos pacientes no decorrer do acompanhamento médico. 1ª CONSULTA CHECK UP Pensando na forma de receber o paciente no primeiro dia de atendimento, foi desenvolvida uma ação educativa e de orientação a ser realizada concomitante às consultas médicas. Isso se deve ao fato de ue neste momento, o paciente pode não se sentir seguro uanto ao Centro de Excelência e a rotina de atendimentos médicos da ual fará parte. No dia da primeira consulta em particular, é fundamental ue o 22

23 paciente se sinta acolhido e ao mesmo tempo bem orientado para o compromisso de participar ativamente do Programa de Medicina Preventiva. 1º CICLO: Foco: informações, esclarecimentos e orientação de auto cuidado, uso da medicação, alimentação e segurança no lar. Áreas da saúde envolvidas: Medicina, Enfermagem, Nutrição, Psicologia e Fisioterapia e Serviço Social. 30 dias: 60 dias: Palestra: 30 dias Oficina: 45 dias Palestra: 60 dias Oficina: 75 dias 2ª CONSULTA 90 DIAS Reavaliação das condições clínicas e laboratoriais. Dia da consulta: ação educativa concomitante às consultas para orientações de saúde e entretenimento dos pacientes. 2º CICLO: Foco: novos conhecimentos; mudança de paradigma; novos hábitos; verificação de habilidades aduiridas. Áreas da saúde envolvidas: Medicina, Enfermagem, Nutrição, Psicologia e Fisioterapia e Serviço Social. 120 dias: Caminhada: 120 dias Oficina: 135 dias 150 dias: Palestra: 150 dias Amostra - Dança de Salão: 175 dias 23

24 3ª CONSULTA 180 DIAS Reavaliação das condições clínicas e laboratoriais. Dia da consulta: ação educativa concomitante às consultas para orientações de saúde e entretenimento dos pacientes. 3º CICLO: Foco: Reforço de novos hábitos; verificação de habilidades aduiridas; troca de experiência; novos conhecimentos. Áreas da saúde envolvidas: Medicina, Enfermagem, Nutrição, Psicologia e Fisioterapia e Serviço Social. 210 dias: 255 dias: Palestra: 210 dias Oficina: 225 dias Palestra: 255 dias Oficina: 270 dias 4ª CONSULTA 300 DIAS Reavaliação das condições clínicas e laboratoriais Dia da consulta: ação educativa concomitante às consultas para orientações de saúde e entretenimento dos pacientes. 4º CICLO: Foco: novos conhecimentos; reforço de novos hábitos; retrospectiva do processo de mudança; finalização do primeiro ano. Áreas da saúde envolvidas: Medicina, Enfermagem, Nutrição, Psicologia e Fisioterapia e Serviço Social. 330 dias: 360 dias: Palestra: 330 dias Oficina: 345 dias Palestra e/ou oficina. 24

Nossa História e Filosofia PREVENT SENIOR

Nossa História e Filosofia PREVENT SENIOR Sejam bem vindos a Nossa História e Filosofia Antes da Lei Nº 9656/98 Constatação: Dificuldade da continuidade da internação pelos limites de dias; Não coberturas de procedimentos; Ausência de suporte

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Objetivos Específicos

Objetivos Específicos Missão Promover a melhoria da qualidade de vida dos empregados do Prodest, através de ações específicas que estimulam e facilitam a mudança individual em busca de estilos de vida mais saudáveis. Programa

Leia mais

CALENDÁRIO DA SAÚDE JANEIRO

CALENDÁRIO DA SAÚDE JANEIRO JANEIRO 02 - Dia do Sanitarista 04 - Dia do Hemofílico 14 - Dia do Enfermo 19 - Dia do Terapeuta Ocupacional 20 - Dia do Farmacêutico 24 - Dia Mundial do Hanseniano FEVEREIRO 05 - Dia Estadual do Médico

Leia mais

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor -

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor - Gestão de Pessoas - Saúde do Servidor - Promoção de Saúde e Bem-Estar Desenvolve programas destinados à prevenção de doenças, à promoção de saúde e de qualidade de vida. Realiza campanhas, palestras e

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE AÇÕES PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MÊS DO IDOSO OUTUBRO DE 2015. - Oficina de artes com Agentes de Saúde

PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE AÇÕES PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MÊS DO IDOSO OUTUBRO DE 2015. - Oficina de artes com Agentes de Saúde PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE AÇÕES PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MÊS DO IDOSO OUTUBRO DE 2015 DATA SERVIÇO HORÁRIO LOCAL DE REALIZAÇÃO DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE A SER DESENVOLVIDA PÚBLICO ALVO (DESCRIÇÃO E

Leia mais

Programa de Estímulo à Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças da ANS Experiências Bem Sucedidas. Ana Paula Cavalcante 13 de dezembro de 2006

Programa de Estímulo à Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças da ANS Experiências Bem Sucedidas. Ana Paula Cavalcante 13 de dezembro de 2006 III Seminário de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar Programa de Estímulo à Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças da ANS Experiências Bem Sucedidas Ana Paula Cavalcante

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

Proposta Programa Saúde Sob Medida Check up diferenciado ABGS

Proposta Programa Saúde Sob Medida Check up diferenciado ABGS Proposta Programa Saúde Sob Medida Check up diferenciado ABGS 1 Informações da proposta Nossa proposta é composta por um Check Up Completo, Check up Feminino e Avaliação Esportiva direcionada aos associados

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010 Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica Setembro/2010 Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Instituição de Saúde composta

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Estudo de caso: Hospital Albert Einstein Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

Diretoria de Ensino Região de Guaratinguetá Programa Escola da Família Projeto APE Ações Preventivas na Escola

Diretoria de Ensino Região de Guaratinguetá Programa Escola da Família Projeto APE Ações Preventivas na Escola Janeiro Calendário da Saúde e do Meio Ambiente 01 Dia Internacional da Paz / Confraternização Universal 02 - Dia do Sanitarista 02 - Dia da Abreugrafia 04 - Dia do Hemofílico 11 Dia do Controle da Poluição

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 Projeto: Qualificação em Cuidado Domiciliar da pessoa Idosa Frágil INSCRIÇÃO/CRECENCIAMENTO

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012 FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA CURSO DE CLÍNICA MÉDICA 4º ANO / 2012 Coordenação: Dra. Elina Lika Kikuchi Professor Responsável: Prof. Dr. Wilson Jacob Filho

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO A EMPRESA A T2N Esporte e Lazer foi fundada pelos professores de Educação Física, Tetê Nahas e Bruno Rodrigues, com a proposta de desenvolver um serviço diferenciado nas áreas de recreação, esporte e lazer,

Leia mais

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO:

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: OBJETIVO: Desenvolver e instrumentalizar as pessoas interessadas em se profissionalizar como cuidador de idosos. Estimular a reflexão em relação

Leia mais

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Como estimular suas equipes a serem saudáveis,

Leia mais

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Jamil Luminato 1981 Jamil Luminato 1981 2013 Visão Geral Medicina de Grupo de Curitiba 117.187

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR II SERVIÇOS DA REDE BÁSICA

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR II SERVIÇOS DA REDE BÁSICA Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR II SERVIÇOS DA REDE BÁSICA CENTRO DE SAÚDE VILA DOS COMERCIÁRIOS ÁREA 17 AMBULATÓRIO DE

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados SIEXBRASIL: 17805 Área Temática Principal: Saúde Autores Professora Leani Souza Máximo Pereira - Doutora em Ciências Biológicas/UFMG

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH Cirurgia de Obesidade Mórbida Documentação Necessária Para solicitar a análise de Cirurgia de Obesidade ao Economus, é imprescindível o envio da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1. Solicitação

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA PARA PREVENÇÃO, TRATAMENTO

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS

PREVENÇÃO DE DOENÇAS Page 1 of 7 PREVENÇÃO DE DOENÇAS (Adaptação baseada nas condutas propostas pela Academia Norte-Americana de Médicos de Família/Clínica Mayo, USA) O que a medicina atual preconiza em termos de prevenção

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015.

APRESENTAÇÃO. O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015. APRESENTAÇÃO O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015. Seja parceiro de um serviço que é referência em geriatria

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional

Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional O SESAO na Estrutura Organizacional Divisão de Administração de Pessoas e Saúde Ocupacional - DAPSO Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional - SESAO Núcleo de Benefícios

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

M.D. Amir Selaimen F li l cidad a e

M.D. Amir Selaimen F li l cidad a e M.D. Amir Selaimen? DEFINIÇÃO: Felicidade CONVITE Para que neste pequeno espaço de tempo, possamos percorrer juntos a todos os caminhos, e a situações vividas por nós, e que por nós é completamente despercebida,

Leia mais

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica Dr. Leandro Minozzo Justificativa Desde a criação do SUS em 1988 a população idosa aumentou 2x; Hoje, aprox. 9 mil campobeneses são idosos (15%);

Leia mais

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Felipe Azevedo Moretti "Se você só fizer aquilo que sempre fez, só obterá aquilo que sempre obteve. Se o que você está fazendo não está

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR II: Serviços da Rede Básica Porto Alegre

Leia mais

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE 2º SEMINÁRIO NACIONAL HUMANIZA SUS Em Resposta, envio os dados sobre nosso trabalho: 1- Diretriz Valorização do trabalho e do trabalhador da saúde. 2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Área Temática de Saúde Resumo

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso PADI Programa de Atenção Objetivos do programa Apesar dos benefícios óbvios da internação quando necessária, o paciente idoso afastado da rotina de casa e da família apresenta maior dificuldade de recuperação,

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Administrando o Stress: o coração agradece

Administrando o Stress: o coração agradece Administrando o Stress: o coração agradece Lucia E. Novaes Malagris Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro Presidente da Associação Brasileira de Stress Mortalidade - Brasil - Óbitos por

Leia mais

Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba

Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba Avaliações Pós Periódicos Ferramenta utilizada como melhoria da saúde dos empregados da Coelba Autores Litza Márcia da Cunha Porto Sandra Magelli Moreira Silva Coelba- Companhia de Eletricidade do Estado

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR PARÂMETROS TÉCNICOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR I. INTRODUÇÃO A implementação de estratégias e Programas de Promoção da Saúde

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

PRO PERFORMANCE EMPRESAS

PRO PERFORMANCE EMPRESAS Uma proposta cultural única aprimore o seu potencial Crie um versão melhor de is mesmo Conheça, pratique, supere-se, aprimore-se PRO PERFORMANCE EMPRESAS Programa de Excelência e Alta Performance para

Leia mais

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos Protocolos de Enfermagem IDENTIFICAÇÃO DE RISCO E PREVENÇÃO DE QUEDAS HEMORIO - 2010 1ª Ed. PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos Colaboradores: Ana Cristina Amorim

Leia mais

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS NDF IN PROFISSIONAIS Entrevistador (a): Supervisor(a): Data da entrevista: Nome da Instituição (fantasia):

Leia mais

Programa de Atenção Integrada ao Idoso

Programa de Atenção Integrada ao Idoso Programa de Atenção Integrada ao Idoso Valéria Terra¹, Maria Carolina Carmignani¹, Tereza Barczinski² ¹ Metrus Instituto de Seguridade Social ² Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar

Leia mais

ENVELHECENDO COM QUALIDADE DE VIDA

ENVELHECENDO COM QUALIDADE DE VIDA ENVELHECENDO COM QUALIDADE DE VIDA Dr. Maurício Menna Barreto Médico Geriatra - CRM 30110 mauricio.barreto@divinaprovidencia.org.br Porto Alegre, 08 de Novembro de 2013 Evolução Envelhecimento Populacional

Leia mais

Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed

Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed 1 Sumário Apresentação...2 Introdução... 4 Justificativa...5 Conceitos...8 Objetivo Geral...9 Objetivo Específico...10 Áreas de Atuação...11 Formas de Atuação...

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

PLANILHA GERAL - INTRODUÇÃO À CLÍNICA III - 2º 2013

PLANILHA GERAL - INTRODUÇÃO À CLÍNICA III - 2º 2013 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo RUFINO Aula inaugural 02/10/2013 08:55 RUFINO Avaliação geriátrica multifuncional 10:00 RUFINO Alterações cognitivas e comportamentais no idoso 10:55 RUFINO

Leia mais

PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) CUIDADOR DE IDOSOS

PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) CUIDADOR DE IDOSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS NOVA VENÉCIA Rodovia Miguel Curry Carneiro, 799 Santa Luzia 29830-000 Nova Venécia ES 27 3752-4300 PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E

Leia mais

PROJETO DE AFERIÇÃO DE PRESSÃO ARTERIAL DO SERVIDOR MUNICIPAL.

PROJETO DE AFERIÇÃO DE PRESSÃO ARTERIAL DO SERVIDOR MUNICIPAL. Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo SEMAD/GSAS/CPSS PROJETO DE AFERIÇÃO DE PRESSÃO ARTERIAL DO SERVIDOR MUNICIPAL. Uma iniciativa da Gerência de Saúde e Apoio ao Servidor. Vitória

Leia mais

Seguro saúde - Primeira Etapa do Projeto

Seguro saúde - Primeira Etapa do Projeto Seguro saúde - Primeira Etapa do Projeto 01 Pesquisa de mercado em busca das melhores opções de acordo com o perfil e realidade de sua empresa, apresentando as melhores companhias de Seguros e Empresas

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias

A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias CULTURA A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias 01/10/2014 Drª Monica Pinheiro Enfª Karina Tomassini HOSPITAL ESTADUAL DE SAPOPEMBA Liderança Superintendente Maria

Leia mais

Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES

Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES Letícia Polastrelli de Carvalho UVV Faculdade de Guaçuí guacui@uvv.br Marcio José Furtado UVV Faculdade de Guaçuí marciofurt@yahoo.com.br

Leia mais

Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde

Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde Tânia Kadima M. Ferreira tania@mutuadosmagistrados.com.br VII Congresso Brasileiro de Auditoria em Sistemas de Saúde Auditoria Médica Instrumento

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

Reflexões sobre a experiência de estar com idosos no processo de preparo para colonoscopia :

Reflexões sobre a experiência de estar com idosos no processo de preparo para colonoscopia : Reflexões sobre a experiência de estar com idosos no processo de preparo para colonoscopia : Autores: Roncaratti E., Gama Habr A., Cherix K., Barbieri N., Peixeiro M., Prado L. Resumo Este relato foi realizado

Leia mais

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN 8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN Cultura de Saúde e Segurança no Trabalho: da Norma para o Valor Volvo do Brasil Quais os Valores e Práticas em Saúde e Segurança do Trabalho que asseguram

Leia mais

EQUIPE LUCIANA NORBERTO DE SOUZA ANTONIO DA SILVA ROSA ELAINE ALVES NOGUEIRA MARIA HONORATA PINTO VALLE SILVANA RENOVATO OLIVEIRA

EQUIPE LUCIANA NORBERTO DE SOUZA ANTONIO DA SILVA ROSA ELAINE ALVES NOGUEIRA MARIA HONORATA PINTO VALLE SILVANA RENOVATO OLIVEIRA EQUIPE LUCIANA NORBERTO DE SOUZA ANTONIO DA SILVA ROSA ELAINE ALVES NOGUEIRA MARIA HONORATA PINTO VALLE SILVANA RENOVATO OLIVEIRA RODRIGO AMAURY DE ANDRADE PRONTUÁRIO O prontuário é a soma de todas as

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS-CGAP SAMO - UNIDADE SIASS EXAMES MÉDICOS PERIÓDICOS E.M.P CARTILHA DO SERVIDOR

COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS-CGAP SAMO - UNIDADE SIASS EXAMES MÉDICOS PERIÓDICOS E.M.P CARTILHA DO SERVIDOR 1 2 Ministério da Agricultura, Pacuária e Abastecimento COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS-CGAP SAMO - UNIDADE SIASS EXAMES MÉDICOS PERIÓDICOS E.M.P CARTILHA DO SERVIDOR Missão Mapa Promover

Leia mais