Expediente. Colaboração Especial Rose Meri Trojan e Maria Rosa Chaves Künzle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expediente. Colaboração Especial Rose Meri Trojan e Maria Rosa Chaves Künzle"

Transcrição

1 APP-SINDICATO 1

2 2 APP-SINDICATO

3 APP-SINDICATO 3 A teoria materialista de que os homens são produto das circunstâncias e da educação e de que, portanto homens modificados são produto de circunstâncias diferentes e de educação modificada, esquece que as circunstâncias são modificadas precisamente pelos homens e que o próprio educador precisa ser educado. Leva, pois, forçosamente, à divisão da sociedade em duas partes, uma das quais se sobrepõe à sociedade [...]. A coincidência da modificação das circunstâncias e da atividade humana só pode ser apreendida e racionalmente compreendida como prática transformadora. Teses sobre Feuerbach. Karl Marx e Friedrich Engels

4 4 APP-SINDICATO Expediente Secretaria Geral Mariah Seni Vasconcelos Silva Secretaria de Finanças Miguel Angel Alvarenga Baez Secretaria de Administração e Patrimônio Clotilde Santos Vasconcelos Secretaria de Organização José Ricardo Corrêa Secretaria de Aposentados Tomiko Kiyoku Falleiros Secretaria de Municipais Edilson Aparecido de Paula Secretaria Educacional Janeslei Aparecida Albuquerque Secretaria de Formação Política Sindical Isabel Catarina Zöllner DIREÇÃO ESTADUAL Presidência Marlei Fernandes de Carvalho Secretaria de Imprensa e Divulgação Luiz Carlos Paixão da Rocha Secretaria de Sindicalizados Maria Madalena Ames Secretaria de Assuntos Jurídicos Áurea de Brito Santana Secretaria de Política Sindical Hermes Silva Leão Secretaria de Políticas Sociais Silvana Prestes de Araujo Secretaria de Funcionários José Valdivino de Moraes Secretaria de Gênero e Igualdade Racial Lirani Maria Franco da Cruz Secretaria de Saúde e Previdência Idemar Vanderlei Beki Organização Isabel Catarina Zöllner, Valdirene de Souza, Edmilson Feliciano Leite, Janeslei Aparecida Albuquerque, Juliana Costa Barbosa e Rosani do Rosário Moreira Colaboração Especial Rose Meri Trojan e Maria Rosa Chaves Künzle Projeto Gráfico e Diagramação W3OL Comunicação - (41) Gráfica World Laser - Tiragem: exemplares APP-SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO PÚBLICA DO PARANÁ Rua Voluntários da Pátria, 475, 14º andar - Ed. Asa - Curitiba/PR - CEP: Fone: (41) Fax: (41)

5 APP-SINDICATO 5 Sumário Apresentação... 6 A Escola, o Ensino e o Rito: Cultura Escolar e Modernidade... 7 Roseli Boschilia Concepções e Tendências da Educação e suas Manifestações na Prática Pedagógica Escolar...16 A Aprendizagem é a nossa Própria Vida, desde a Juventude até a Velhice...31 István Mészáros Do Lar à Fábrica, passando pela Sala de Aula: A Gênese da Escola de Massas...38 Mariano F. Enguita As Grandes Correntes Pedagógicas e suas Relações com a Sociedade...63 Maria Rosa Chaves Künzle

6 6 APP-SINDICATO Apresentação Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino. Paulo Freire Em 2011 daremos continuidade ao Programa de Formação com o objetivo de formar para organizar, aprofundando o debate sobre a sociedade, o indivíduo e a educação que temos e queremos, além de ampliar a capacidade de participação, intervenção e organização dos educadores e das educadoras na escola, nos movimentos sociais, na vida. Nesta primeira etapa vamos ampliar os estudos sobre as concepções teóricas, ideológicas e pedagógicas da escola e da sociedade. O caderno é composto de textos sobre as tendências pedagógicas, os primeiros debates no país sobre a educação, a dominação do capitalismo por intermédio da educação, a educação para além do capital. Este material contribuirá para a formação de educadores/as militantes e subsidiará os estudos na turma estadual e nas regionais. Desejamos um bom estudo e trabalho para todos e todas! Secretaria de Formação da APP-Sindicato

7 APP-SINDICATO 7 A Escola, o Ensino e o Rito: Cultura Escolar e Modernidade BOSCHILIA, Roseli. A escola, o ensino e o rito: cultura escolar e modernidade. In: ALMEIDA, Malu (org.). Escola e modernidade: saberes instituições e práticas. Campinas: Alínea, p A Profª. Drª. Roseli Boschilia no texto Escola, o Ensino e o Rito: Cultura Escolar e Modernidade reflete sobre as mudanças ocorridas no espaço escolar a partir da utilização de mecanismos como a emulação e a ritualização que, ao lado da disciplina e da obediência, constituíram os principais dispositivos de dominação da escola moderna. Para a autora, desde que se iniciou o processo de consolidação do Estado Moderno, o fenômeno da modernidade provocou mudanças nas formas de pensar e no comportamento do homem ocidental, alterando significativamente o espaço cultural e social, com reflexos bastante visíveis na estrutura escolar, nas práticas de sociabilidade e, sobretudo, no papel ocupado pela criança e pelo jovem na sociedade moderna. A configuração desse novo contexto levou, progressivamente, segundo Boschilia, os espaços institucionais a adotarem sistemas mais rigorosos de classificação e controle. Sobre a autora Doutora (2002) e Mestre (1996) em História do Brasil pela UFPR, onde também se graduou em História (1981). Professora adjunta nos cursos de Graduação e Programa de Pós-Graduação em História na UFPR. Atualmente exerce o cargo de vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em História (gestão ).

8 8 APP-SINDICATO A Escola, o Ensino e o Rito: Cultura Escolar e Modernidade Roseli Boschilia O estudo das práticas rituais, inicialmente restrito ao universo dos antropólogos, vem ganhando espaço no campo historiográfico, à medida que o movimento de aproximação entre as duas disciplinas, e a abertura do leque de possibilidades na escolha dos objetos levaram alguns historiadores a enfatizar o papel da cultura como força motivadora da transformação histórica. A partir daí, aspectos subjetivos, tais como crenças, mitos, ritos, representações, imaginários e visões de mundo, passaram a ser percebidos como uma problemática legítima no campo dos estudos históricos. Nesse rastro podem ser situados autores como Marc Bloche, mais recentemente Edward Thompson e Natalie Davis que, ao analisarem o comportamento das massas, trabalham os aspectos ritualizados das suas ações enquanto expressão cultural. Embora esses dois últimos autores chamem a atenção para a ausência da transformação histórica na análise antropológica, ambos utilizam o instrumental teórico da antropologia simbólica para perceber a ação das massas como um fenômeno cultural que, ao serem inseridas num contexto simbólico, ganham legitimidade e significado. Procurando o caminho inverso, este trabalho pretende analisar, a partir do estudo de caso de um colégio masculino católico; como os ritos são utilizados pela instituição escolar para constituir um dispositivo de dominação capaz de dar legitimidade ao modelo pedagógico aplicado pelo estabelecimento, regulando poderes e subordinação, definindo direitos e deveres. Ou seja, ao estruturar um território de signos rituais, a escola obtém a anuência da comunidade em relação às suas ações, criando uma identidade coletiva e fixando modelos de conduta.

9 APP-SINDICATO 9 Escola e modernidade: As transformações políticas e econômicas ocorridas na sociedade ocidental, durante o processo de constituição do Estado Moderno, trouxeram em seu bojo uma série de mudanças que afetaram não só a organização social e as práticas culturais mas, sobretudo, os sistemas de representação que homens e mulheres tinham sobre o mundo e sobre si mesmos. Além da ruptura entre esfera pública e religiosa - considerada por Hannah Arendt (1993) como a principal distinção entre o mundo atual e os séculos anteriores - esse processo de mudanças, acelerado pelo desenvolvimento das sociedades industrializadas, alterou significativamente o modo de vida do homem moderno, tendo reflexos na estrutura escolar e nas práticas de sociabilidade. Se durante a Renascença as práticas cotidianas apoiavam-se na mesma lógica que regia as fases da lua ou as estações climáticas, a partir da modernidade, com o intuito de separar o homem da natureza para convertê-lo em um ser civilizado, esses códigos de saber foram, gradativamente, sendo substituídos por outros vinculados a uma nova organização do tempo e do espaço. Como se sabe, na sociedade burguesa, para que se forjasse o indivíduo produtivo, a transmissão dessa nova concepção do espaço e do tempo tinha como objetivo possibilitar a maximização de suas energias e de suas forças como forma de facilitar a acumulação de riquezas. Michel Foucault mostra que, nesse momento, em que a população ganhava uma nova dimensão, passando a ser vista como um problema econômico e político, vigiar era mais produtivo do que castigar e, nesse sentido, os colégios de ordens religiosas e o exército passaram a ter papel preponderante para a implantação das tecnologias disciplinares e para a consolidação dessa nova forma de poder (Varela, 2000, p. 81). Assim, diante das crescentes exigências sociais, decorrentes do processo civilizador e das demandas da emergente sociedade industrial, essa nova configuração das noções de tempo e de espaço passou a ser essencial para a construção de uma sociedade disciplinar que carecia, cada vez mais, de cidadãos preparados para o mundo do trabalho. Esse processo, sem dúvida, teve como consequência uma delimitação mais precisa dos papéis desempenhados pelos diferentes grupos sociais, dando visibilidade à criança e à juventude que, a partir do final do século XVII, despontaram como novas categorias sociais, distintas daquelas ocupadas em épocas anteriores. Assim, a particularização da infância, além de constituir uma tentativa de pôr fim a um tempo cósmico, mágico e cíclico, contribuiu para que os modos de educação, configurados a partir da segunda metade do século XVI, não ficassem alheios a essa mutação. Na passagem para o século XVIII, as instituições escolares, agora responsáveis pela produção do indivíduo burguês, passaram a preocupar-se, cada vez mais, com essa modalidade de poder que buscava apoio em uma concepção diferenciada de espaço e de tempo. Em razão de sua economia e de seus efeitos, esse novo tipo de poder se estendeu por todo o corpo social, mas seus efeitos foram mais perceptíveis no âmbito institucional e, mais concretamente, nas instituições educativas (Varela, 2000, p. 82). Embora a preferência por locais amplos e afastados do núcleo urbano, para instalação dos colégios, já fosse uma das marcas distintivas das congregações católicas, a partir desse período, os amplos espaços externos aos colégios, antes destinados apenas à meditação, à prática agrícola ou à jardinagem, ganharam nova funcionalidade, passando a ser utilizados também para a recreação e exercícios fisicos, cuja prática despontava como uma decorrência das propostas implantadas por alguns pedagogos que defendiam uma proposta de ensino mais ativo,

10 10 APP-SINDICATO que transformasse o ensino numa atividade agradável. Nesse novo modelo de ensino, sob forte influência do naturalismo, a utilização didática do entorno e a contemplação natural e estética da paisagem passaram a ser valorizadas como meio para a expansão do espírito e dos sentimentos, buscando o desenvolvimento moral do indivíduo (Escolano, 1993). evidenciar, cada vez mais, o papel preponderante da educação na modelagem do homem e, a partir daí, a escola, mais do que ensinar, passou a ter a obrigação de educar moralmente o futuro adulto (Caron, 1996, p ). A ritualização do ensino Com a introdução da disciplina no espaço escolar, surgiu a noção de criança bem educada, como um traço distintivo entre a burguesia e as camadas populares. Desse modo, o espaço adquiriu uma dimensão educativa, podendo ser visto como um componente da arquitetura escolar que encerra uma espécie de discurso que institui em sua material idade um sistema de valores, como os de ordem, disciplina e vigilância, marcos para a aprendizagem sensorial e motora e toda uma semiologia que cobre diferentes símbolos estéticos, culturais e ainda ideológicos (Escolano, 1993). A partir daí, as noções de espaço e de tempo sofreram uma revalorização, sendo introduzidas em outros espaços disciplinares com o intuito de produzir novas categorias de pensamento e novos sistemas de representação que se traduziriam em formas diferenciadas de organização social. Nessa perspectiva, a escola da Idade Moderna constituía, a um só tempo, um espaço e um lugar no qual o aluno, além de aprender a se orientar e a se mover na vida em sociedade, aprendia, sobretudo, a conhecer o seu lugar na estrutura social e o papel que lhe foi destinado. Assim, as novas práticas pedagógicas, implantadas no final do século XVIII, procuravam Com a introdução da disciplina no espaço escolar, surgiu a noção de criança bem educada, como um traço distintivo entre a burguesia e as camadas populares. Porém, o processo de substituição da família pela escola, consolidado na passagem do século XVIII para o XIX, transformou o colégio numa instituição essencial à sociedade, abrindo-se para os leigos, nobres, burgueses e também para famílias mais populares (Ariès, 1981, p ). A abertura dos estabelecimentos de ensino à população em geral também era uma resposta aos novos tempos, descortinados pela Revolução Industrial, que evidenciavam a necessidade de instituições dirigidas a outras camadas da população, que não apenas à elite. Diante desse quadro, a Igreja católica que, até aquele período, havia desempenhado importante papel na área educacional das elites, procurou estimular, em muitos países europeus, o renascimento e a criação de várias ordens e congregações religiosas voltadas para a educação e a assistência das camadas mais empobrecidas. Atentas aos novos métodos de ensino, essas congregações religiosas procuraram elaborar seus programas pedagógicos, associando as propostas de utilização do espaço e a prática de exercícios fisicos às noções de ordem e disciplina, consideradas princípios imprescindíveis para que a instituição aplicasse seu modelo de ensino e ganhasse a confiança do público.

11 APP-SINDICATO 11 Desta forma, ao transpor o portão do colégio, os alunos entravam num universo em que o tempo e o espaço estavam condicionados a uma rígida organização disciplinar que, além de inculcar o uso-econômico-do-tempo e criar hábitos para o trabalho, buscava a internalização de hábitos disciplinares que facilitassem a inserção do indivíduo na sociedade. De acordo com o Guia das Escolas Maristas, redigido em 1853, a partir das ideias explicitadas por La Salle no início do século XVIII: Numa escola bem ordenada, todos os detalhes do regulamento são conhecidos por cada um e não resta lugar para a indecisão, o capricho ou a arbitrariedade e, é possível exigir que cada um cumpra o seu dever (Guide, 1923, p. 98). Tudo estava disposto de forma que não houvesse desperdício de tempo ou ociosidade. Nesse sentido, uma das principais exigências dos estabelecimentos católicos era a manutenção do silêncio: Com exceção dos recreios, o silêncio imperava no ginásio. No refeitório [durante as refeições], imperava o silêncio, até que o Irmão regente pronunciasse as palavras mágicas: Benedicamus Dominum (Bendigamos ao Senhor), que todos respondiam Deo gratias (Graças a Deus) (Maia apud Azzi, 1999, p. 69). Juntamente com o silêncio, outra exigência era de que as atividades fossem cercadas o mais possível pela ordem: A fila era a instituição locomotora por excelência. Todos entravam em fila, cada um no seu devido lugar; a fila caminhava para o estudo, para a aula, para o refeitório ou para a capela (Maia apud Azzi, 1999, p. 69). Além das intermináveis filas silenciosas, os alunos eram obrigados a manter permanentemente o corpo ereto, o olhar atento, as mãos sobre a mesa e os pés juntos durante as atividades escolares. Desta forma, a escola visava exercitar o domínio sobre o próprio corpo como uma das maneiras de levar o aluno a aprender a administrar a vontade e governar a si mesmo (Louro, 2000, p. 22). Ou seja, com a modernidade, o processo de dominação efetivado pela instituição escolar ocorria a partir de duas modalidades distintas de tecnologias de poder: a disciplina e a biopolitica. Enquanto a disciplina intervinha mais diretamente nos espaços, utilizando recursos externos ao indivíduo, a biopolítica se caracterizava pelo uso de técnicas que exerciam o poder por meio de dispositivos que agiam diretamente sobre a conduta dos indivíduos. Atentas aos novos métodos de ensino, essas congregações religiosas procuraram elaborar seus programas pedagógicos, associando as propostas de utilização do espaço e a prática de exercícios fisicos às noções de ordem e disciplina. No entanto, os educadores tinham clareza de que a mera utilização dessas modalidades, ancoradas em princípios como obediência, ordem e vigilância, não eram suficientes para suscitar o interesse pelos estudos. Desde o estabelecimento do método jesuítico, era sabido que a utilização de mecanismos disciplinares, buscando regular a vida cotidiana da instituição e manter o controle sobre os alunos, não podia estar fundamentada unicamente pela força ou pela violência.

12 12 APP-SINDICATO Para dar sentido a essas ações, a escola necessitava acionar outros mecanismos capazes não só de legitimar as suas práticas e auxiliar na uniformização e na melhoria da gestão do território, mas, sobretudo, de promover a internalização das regras aprendidas. Para exercer a arte de bem educar, era necessário controlar corretamente os indivíduos (Foucault, 1979, p ), ou seja, o poder precisava ser exercido de acordo com um modelo preestabelecido e ser aceito pelos estudantes. Bourdieu (1986, p. 40-4), ao analisar os códigos de conduta, utiliza uma citação de Weber para afirmar que os agentes sociais obedecem à regra quando o interesse em obedecê-ia prevalece sobre o interesse em desobedecê-ia. Ou seja, a regra não é automaticamente eficaz por si só; ao lado da norma expressa e explícita ou de cálculo racional existem outros princípios geradores das práticas. Uma das fórmulas encontradas pelas instituições escolares, nesse sentido, era conformar o amor e a obediência numa mesma linguagem, levando o aluno a amar seus mestres e, através deles, aprender a amar e respeitar as leis e o trabalho (Ansart, 1978, p ). Em busca desse objetivo, entre as estratégias amplamente utilizadas, especialmente pelos colégios católicos, estava sistema de premiação ou emulação. Inspirados em Fenelon, para quem a emulação deveria servir para animar os alunos sem irritá-ios; [e segundo o qual] sem esse recurso, seria impossível retirá-ios de sua sonolência natural, de Ihes fazer amar o trabalho, de Ihes fazer superar as dificuldades no estudo (Guide, 1923, p. 120), os educadores católicos utilizavam-se desse sistema para suscitar o interesse pela aprendizagem e inculcar nos alunos a noção de trabalho. A partir da emulação - que podia incluir desde a disputa interna, em sala de aula, até os concursos externos envolvendo várias escolas - os estabelecimentos de ensino procuravam não apenas incentivar os estudantes a superar as dificuldades por meio da comparação e da competição com os colegas, mas, principalmente, estabelecer parâmetros que deveriam ser continuamente superados dentro de um clima agradável que transformasse a permanência na escola mais atraente (Guide, 1923, p. 123). Os regulamentos das escolas católicas mostram que, invariavelmente, essas instituições faziam uso de diversos meios de emulação, como a proclamação de notas semanais e a distribuição de postos de honra em cada disciplina, que eram aplicados aos alunos, passando a fazer parte integrante das práticas escolares. Cientes de que O poder estabelecido unicamente pela força ou sobre a violência não controlada teria uma existência constantemente ameaçada (... ) e de que ele [o poder] só se realiza e se conserva pela transposição, pela produção de imagens, pela manipulação de símbolos e sua organização em um quadro cerimonial (Balandier, 1982, p. 7). Os colégios católicos comandavam o real através do imaginário, procurando dar sentido às ações controladas pelo poder, atrelando à emulação a ritualização das práticas escolares. Além das atividades previstas nos regulamentos, a própria rotina da sala de aula era marcada por aspectos de teatralidade. A saída da escola, por exemplo, deveria acontecer em silêncio e em ordem: Quando acabar a oração, ao sinal dado os alunos ficarão em pé, de braços cruzados. O mestre fará o sinal para saírem aqueles dos últimos bancos, que partirão após fazer uma ligeira inclinação ao crucifixo e outra ao Mestre; após eles se colocarão na fila, no lugar previamente designado (Guide, 1923, p. 106). 8 De acordo com Roberto DaMatta, embora o ritual seja definido pelo contraste com as atividades rotineiras do mundo diário, os elementos que o compõem fazem parte do universo

13 APP-SINDICATO 13 de relações sociais que regem a vida cotidiana. Sendo assim, cabia aos professores selecionar nesse universo determinados símbolos, ou destacar determinados comportamentos como exclusivos daquela comunidade escolar. Além das atividades previstas nos regulamentos, a própria rotina da sala de aula era marcada por aspectos de teatralidade. De modo geral, todas as atividades escolares eram marcadas por determinados rituais que deveriam ser obrigatoriamente seguidos, evidenciando que, a partir desses controles, socialmente induzidos, a escola procurava interiorizar e formalizar condutas que deveriam ser incorporadas na própria estrutura da personalidade, de modo a orientar uma determinada visão de mundo. Convém lembrar ainda que, além da expressão simbólica presente nas atividades rotineiras e na própria distribuição do espaço, a ritualização integrava particularmente as cerimônias litúrgicas, os desfiles cívicos e as comemorações em geral, como as festas de final de ano, formaturas ou entrega de medalhas. Nas solenidades de entrega de prêmios, a proclamação dos nomes dos estudantes que se destacassem no desempenho das atividades propostas constituía um momento onde o esforço e o rendimento de cada um eram postos à prova. Nesses eventos, o comportamento e o desempenho dos estudantes eram medidos a partir de dois pólos opostos; enquanto alguns alunos eram recompensados pela sua aplicação nos estudos, com a inscrição no quadro de honra, outros eram passíveis de receber as sanções penais, infligidas àqueles que não demonstravam esforço nas disputas escolares. O método da emulação, nesse sentido, obrigava o indivíduo a uma tomada de posição em um campo onde não havia espaço para a neutralidade. Desde cedo, o aluno deveria aprender que a vida colegial era, em seu conjunto, um entremear de alegrias e tristezas, de prêmios e castigos, com uma divisão muito nítida e racionalizada entre o bem e o mal (Azzi, 1997, p. 143). Uma das estratégias utilizadas pelos estabelecimentos católicos para manter o interesse do aluno pelos estudos e, ao mesmo tempo, distanciá-lo dos perigos que rondavam o espaço urbano, era oferecer um rol de atividades extraclasses que favorecesse a permanência dos alunos no espaço colegial o maior tempo possível. Ao contrário das atividades escolares que eram obrigatórias, nesses espaços o estudante tinha certa liberdade de escolha, podendo inserir-se em uma atividade ou em um grupo de acordo com seus interesses pessoais. O leque de atividades oferecidas era bastante amplo, podendo ser agrupadas em três áreas distintas: religiosa, esportiva e demais atividades culturais, que procuravam atender aos interesses dos alunos de acordo com as diferentes faixas etárias, ficando cada grupo sob a responsabilidade de um professor. Dentre as diversas atividades oferecidas pelo colégios masculinos, o futebol ocupava um lugar de estaque como instrumento de motivação nos estudos. Por constituir-se num esporte com características rituais que contribuem não só para o domínio sobre o corpo e o autocontrole, como também para o estabelecimento de redes de sociabilidade e a própria construção da masculinidade, essa atividade esportiva sempre teve papel relevante como suplemento da educação escolar nos estabelecimentos maristas.

14 14 APP-SINDICATO Na medida em que a participação no time de futebol, bem como nos demais grupos esportivos, intelectuais ou religiosos, estava condicionada ao desempenho nos estudos e o comportamento disciplinar, as atividades extraclasse cumpriam dupla função, pois além de manter os alunos afastados da rua, evitando a convivência mais estreita com indivíduos estranhos ao grupo, levavam o aluno a ter maior interesse pelos estudos. A partir desses mecanismos, a escola transformava-se num espaço agradável, criando condições para a construção de um sistema de pensamento e de condutas singulares que possibilitasse ao aluno marista reconhecer e ser reconhecido, em qualquer situação, como componente de um grupo exclusivo. Ou seja, para criar uma identidade coletiva, a escola precisava delimitar o seu território e as suas relações com o meio ambiente e, designadamente, com os outros, formando imagens dos inimigos e dos amigos, rivais e aliados (Baczko, 1995, p. 309), e, nesse sentido, as atividades esportivas, realizadas dentro e fora do colégio, desempenhavam um papel relevante como veículo de relações sociais. Nos eventos esportivos realizados regularmente pelo colégio, era visível o esforço empreendido pelos maristas no sentido de conquistar o reconhecimento do público externo, mostrando que a sua clientela estava sendo preparada para desempenhar as funções que a sociedade esperava dela. Interessante notar que durante os eventos externos ou cerimônias públicas, como os desfiles cívicos, as competições internas eram esquecidas, entrando em cena uma imagem coesa do estabelecimento, construída a partir de uma matriz de representação. Essa representação, presente no imaginário social, era resultante de uma elaboração coletiva, que tinha como objetivo não só validar e motivar determinado comportamento mas também construir uma identidade social própria. Nessas ocasiões, onde o uniforme de gala passava a constituir um elemento simbólico, marcando de forma visível e perpetuada a existência e a identidade do grupo, tornava-se perceptível que os alunos estavam ligados por laços invisíveis, formando uma associação específica, ou melhor dizendo, uma comunidade de sentido. Dessa forma, por trás desses programas cerimoniais, que aparentemente constituíam apenas um mecanismo de reforço (DaMatta, 1980, p. 59), pode-se perceber a existência de um projeto político maior que visava efetivar um trabalho vinculado à questão da aparência e da informação. Vale lembrar que a existência de uma comunidade de sentido não significava adesão incondicional dos alunos ao modelo disciplinar implantado. Todavia, a relação de interdependência recíproca estabelecida entre os discentes relativizava os antagonismos em prol da coesão do grupo (Déchaux, 1993, p. 8). Nesses momentos, tinha-se a impressão de que o indivíduo era conduzido pelo ambiente palpitante das massas, como se houvesse uma força exterior, alheia ao seu ser ou à sua vontade individual (Maffesoli, 1988). Assim, por meio das práticas rituais, efetivadas no âmbito interno e externo ao colégio, buscava-se construir e reconstruir o capital de esquemas informais para que os estudantes se mantivessem enquadrados às regras impostas e fossem inseridos num modelo homogêneo de percepção que os agrupava numa comunidade específica, distinta das demais.

15 APP-SINDICATO 15 Referências ANSART, P. Ideologias, conflitos e poder. Rio de Janeiro: Zahar, ARENDT, H. Religião e política. In: o A dignidade da política: ensaios e conferências. Rio de Janeiro: Relume- Dumará, ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara/Koogan, AZZI, R. História da educação católica no Brasil: contribuição dos irmãos Maristas. V. 2. São Paulo: Loyola: SIMAR, o História da educação católica no Brasil: contribuição dos irmãos Maristas. V. 3. São Paulo: Loyola/SIMAR, BACZKO, B. Imaginação social. In: Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, BALANDIER, G. O poder em cena. Brasília: UnB, BOURDIEU, P. Habitus, code et codification. Actes de La Recherche en Sciences Sociales, n. 64, set CARON, J.-C., Os jovens na escola: alunos de colégios e liceus na França e na Europa (fim do séc. Xv lll - fim do século XIX. ln: LEVI, G.; SCHMITT, J.-C. (Org.). História dos jovens: da antiguidade à era moderna. São Paulo: Cia das Letras, CARVALHO, F. (Coord.). Methodologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, DAMATTA, R. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, DAVIS, N. Ritos de violência. ln: Culturas do povo: sociedade e cultura no início da França moderna: oito ensaios. Rio de Janeiro: Paz e Terra, DÉCHAUX, J. H. Norbert Elias et Pierre Bourdieu: analyses conceptuelles comparées. Archive Européen de Sociologie. Cambridge, n. 34, DESAN, S. Massas, comunidade e ritual na obra de E. P. Thompson e Natalie Davis. In: HUNT, L. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, ERIBON, D. Michel Foucault e seus contemporâneos. Rio de Janeiro: Zahar, ESCOLANO, A. La arquitetura como programa. Espacioescuela y curriculum. Historia de Ia educación. V , FOUCAULT, M. A governamentalidade. In: o Microfisica do poder. Rio de Janeiro: Graal, Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 8. ed. Petrópolis: Vozes, GUIDE des écoles a l usage - rédigé d aprés les regles et les instituction du Vénérable Champagnat. 3. ed. Paris: Libraire Catholique Emmanuel Vitte, LOURO, G. L. Pedagogias da sexualidade. ln: (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, MAFFESOLI, M. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, NARODOWSKI, M. A infância como construção pedagógica. In: COSTA, M. V. Escola básica na virada do século: cultura, política e currículo. 2. ed. São Paulo: Cortez, THOMPSON, E. Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, VARELA, J. Categorias espaço-temporais e socialização escolar: do individualismo ao narcisismo: In: COSTA, M. W. Escola básica na virada do século: cultura, política e currículo. 2. ed. São Paulo: Cortez, VIÑAO FRAGO, A. Del espacio escolar y Ia escuela como lugar: propuestas y cuestiones. Historia de Ia Educación, V , 1993/1994.

16 16 APP-SINDICATO Concepções e Tendências da Educação e suas Manifestações na Prática Pedagógica Escolar O quadro das Tendências Pedagógicas apresentado neste caderno é uma síntese elaborada pelas alunas Diana Cristina de Abreu, Edna Cristina Bueno Bighi Gazim, Eloína Alves dos Santos Suss, Luciana Szenczuk, Marcia Maria da Silva e Rúbia Helena Naspolini Coelho do Curso de Especialização em Organização do Trabalho Pedagógico, Setor de Educação da UFPR, em Evidentemente esse quadro não é estanque e nem esgota a complexidade da reflexão. Ele faz uma elaboração quase instrumental em que esse conjunto de estudos, concepções e contribuições à pesquisa educacional é sistematizado. Nesse material não constam as concepções chamadas pós-críticas, ou pós-estruturalistas, que são as que trazem para o debate educacional as pesquisas nas áreas de gênero e raça/etnia. Estas não estão no campo das concepções marxistas vinculadas as teorias criticas. São o resultado das demandas dos movimentos sociais de identidade de gênero e raça, sobretudo do feminismo e do anti-racismo. Ainda que todo racismo e toda opressão sobre as mulheres, tenham sido também apropriadas e utilizadas como estratégia de dominação na expansão do capitalismo.

17 APP-SINDICATO 17 Concepções e Tendências da Educação e suas Manifestações na Prática Pedagógica Escolar 1 PEDAGOGIA TEORIA LIBERAL Justificação do sistema capitalista; Ênfase na defesa da liberdade e dos direitos e interesses individualistas na sociedade; Forma de organização social baseada na propriedade privada dos meios de produção. NÃO- CRÍTICAS Manutenção do status quo. TENDÊNCIA TRADICIONAL OU CONSERVADORA DIRETIVA ESCOLA NOVA NÃO-DIRETIVA TECNICISTA MANIFESTAÇÕES DE PRÁTICA PEDAGOGICA ESCOLAR NO BRASIL Predomínio: até 1930 Vertentes: - Católica: monopólio jesuítico até 1759; - Leiga: liberalismo clássico 1759 a Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, encabeçado por Fernando Azevedo; 1934 Constituição; 1940 Psicologismo Pedagógico; 1950 Sociologismo Pedagógico; 1960 Economicismo Pedagógico. Educação centrada no estudante; Prática pedagógica antiautoritária. Surge a figura do Orientador Educacional. Surge no Brasil em meados da década de 50, mas é introduzida efetivamente no final dos anos 60, com predomínio a partir de 1978; As Leis 5.540/68 (ensino universitário) e 5.692/71 (ensino de 1º e 2º graus) são marcos da implantação do modelo tecnicista; Surge a figura do Supervisor Educacional. 1 Síntese elaborada pelas alunas Diana Cristina de Abreu, Edna Cristina Bueno Bighi Gazim, Eloína Alves dos Santos Suss, Luciana Szenczuk, Marcia Maria da Silva e Rúbia Helena Naspolini Coelho, Curso de Especialização em Organização do Trabalho Pedagógico, Setor de Educação da UFPR, Curitiba, 2003.

18 18 APP-SINDICATO TENDÊNCIA TRADICIONAL OU CONSERVADORA DIRETIVA ESCOLA NOVA NÃO-DIRETIVA TECNICISTA PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Ensino humanístico de cultura geral; Ensino tradicional de caráter verbalista, autoritário e inibidor da participação do aluno; Conteúdos enciclopédicos e descontextualizados; Valorização do conteúdo, do intelectual, da disciplina, do diretivismo; Educação centrada no professor, que deve ter domínio dos conteúdos; Ensinar é repassar conhecimentos; Criança: capacidade de assimilação igual a do adulto, porém menos desenvolvida; Programas de ensino são baseados na progressão lógica ; O aluno é educado para atingir pelo próprio esforço sua plena realização pessoal. Os problemas sociais pertencem à sociedade; A ênfase na cultura esconde a realidade das diferenças de classe; Aprender é uma atividade de descoberta. A aprendizagem é um ato individual, uma construção subjetiva do conhecimento; O aluno é o centro do processo de ensino; Auto-aprendizagem ( aprender a aprender ); Aluno solidário, respeitador das regras, participante; O ambiente é um meio estimulador; A motivação depende da força de estimulação do problema e das disposições internas para aprender; Valorização do aspecto psicológico (testes e inteligência) do sentimento, da subjetividade. Favorece o amadurecimento emocional, a autonomia e as possibilidades de auto-realização do aluno, pelo desenvolvimento da valorização do seu eu ; Aprendizagem significa modificação das próprias percepções; Valoriza as experiências dos alunos; As atividades acontecem de acordo com a realidade do aluno (segundo suas experiências individuais); O ensino é centrado no aluno; O professor é um mero facilitador da aprendizagem; A motivação da aprendizagem é o desejo de adequação pessoal na busca de auto-realização. Aprendizagem é modificação de desempenho; O aluno é submetido a um processo de controle do comportamento, a fim de ser levado a atingir objetivos previamente estabelecidos; O ensino é organizado em função de pré-requisitos; Ensino: processo de condicionamento/ reforço da resposta que se quer obter, acontece através da: operacionalização dos objetivos e mecanização do processo; Não se preocupa com o processo mental do aluno, mas sim com o produto desejado; Busca-se a eficiência, a eficácia, a qualidade, a racionalidade, a produtividade e neutralidade na escola, que deve funcionar como uma empresa. REPRESENTANTES OU TEÓRICOS Johann Friedrich Herbart ( ) - A prática da reflexão metódica, baseado na clareza, na associação, no sistema e no método. Dewey ( ) aprender fazendo ; Montessory ( ) Métodos ativos e individualização do ensino; Claparedè ( ) Educação funcional e diferenciada; Piaget ( ) estudos sobre os processos de construção do pensamento na criança; Brasil: Anísio Teixeira, Lourenço Filho, Fernando Azevedo. Rosseau ( ) enfatiza aspectos da orientação nãodiretiva; Roger ( ) Método não-diretivo: 1. concepção terapêutica; 2. aconselhamento com a finalidade de eliminação da inconsciência entre auto conceito e experiência pessoal raiz das dificuldades psicológicas. Skinner; Gagné; Bloom; Cosete Ramos.

19 APP-SINDICATO 19 TENDÊNCIA PSICOLOGIA FILOSOFIA PAPEL DA ESCOLA TRADICIONAL OU CONSERVADORA Inatista - com vertentes na teologia e com interpretações errôneas da Teoria da Evolução, da genética e da embriologia; O homem traz as qualidades básicas (percepção, valores, hábitos, crenças), basicamente prontas ao nascer. Concepção humanista tradicional: - Centra-se na essência do intelecto, no conhecimento; - Homem constituído por uma essência imutável. Converter o súdito em cidadão que domine a arte e a retórica; Transmitir conhecimentos acumulados pela humanidade; Realizar a preparação intelectual e moral do indivíduo para assumir seu lugar na sociedade; Ofertar o mesmo caminho para todos, privilegiando, assim, as camadas mais favorecidas. DIRETIVA Interacionismo Contrutuivista Piaget: - Psicologia do desenvolvimento: enfoque nos processos cognitivos da criança; - O homem constrói o conhecimento durante sua vida, na interação homem-meio; - Biopsicologização da sociedade, da educação e da escola; - Testes de inteligência e de personalidade. Concepção humanista moderna: - Centra-se na existência, na vida, na atividade a natureza humana é ativa, subjetiva; - O homem é a fonte de todos os atos, é um ser autônomo, criado para a liberdade, sem ser determinado pelo meio social; - Predispõe-se a fazer a equalização social. Escola democrática, proclamada para todos; Valorizar o conhecimento que o aluno traz; estimular os alunos que são diferentes e necessitam de estímulos diferentes; Adequação das necessidades individuais ao meio social; Ajustamento social por meio de experiências, em que a escola deve retratar a vida. ESCOLA NOVA NÃO-DIRETIVA Psicologia terapêutica; Psicologia humanista ênfase nas relações interpessoais e no crescimento que delas resulta, centrado no desenvolvimento da personalidade do indivíduo em seus processos de construção e organização pessoal. Concepção humanista moderna: - Ênfase na importância do desenvolvimento das habilidades mentais, como observação, análise, reflexão e criatividade. Preparar o individuo para desempenhar papéis sociais; Promover o autodesenvolvimento e realização pessoal; Enfoque na formação individual; Prioriza os problemas psicológicos em detrimento dos pedagógicos; Privilegia situações problemáticas correspondentes aos interesses do aluno; Enfoque no afrouxamento das normas disciplinares (autoridade disfarçada, as funções de professor e aluno se confundem). TECNICISTA Behaviorista; Comportamentalista; Instrumentalismo; Ambientalista. Concepção Analítica - Não pressupõe uma visão de homem, nem de um sistema filosófico ; - Busca efetuar a análise lógica da linguagem educacional; - Neopositivista: o conhecimento científico é analítico, requer exatidão e clareza. Articula-se com o sistema produtivo para o aperfeiçoamento do sistema capitalista: provê a formação de indivíduos para o mercado de trabalho, de acordo com as exigências da sociedade industrial e tecnológica; Preocupa-se com aspectos mensuráveis e observáveis; O aluno é um ser bio-psico-social; Funciona como modeladora do comportamento humano.

20 20 APP-SINDICATO TENDÊNCIA CONTEÚDOS DE ENSINO TRADICIONAL OU CONSERVADORA Conteúdos humanísticos selecionados da cultura universal, separados da experiência dos alunos e da realidade social; Conteúdos enciclopédicos e intelectualistas, que são repassados como verdades absolutas; Latim: arte retórica; Científico dogmático, cumulativo e quantitativo. DIRETIVA Os conteúdos são selecionados a partir dos interesses e experiências vividas pelos alunos; A aquisição do saber é mais importante que o próprio saber; Ênfase nos processos de desenvolvimento das relações sociais, da convivência em grupo e do saber fazer. ESCOLA NOVA NÃO-DIRETIVA Os conteúdos são selecionados a partir dos interesses e experiências vividas pelos alunos; Os conhecimentos em si são dispensáveis, são apenas meios para o autodesenvolvimento; Consistem em experiências que o aluno reconstrói. TECNICISTA Os conteúdos são baseados nos princípios científicos, manuais e módulos de auto-instrução que visam objetivos e habilidades que levam à competência técnica; Informações, princípios e leis, organizados em uma sequência lógica e psicológica, estabelecida e ordenada por especialistas; Material Instrucional sistematizado nos manuais, livros didáticos, apostilas, etc. FUNÇÃO DA AVALIAÇÃO Valorização de aspectos cognitivos e quantitativos com ênfase na memorização; Verificação dos resultados através de interrogatórios orais e escritos, provas, exercícios e trabalhos de casa; O aluno deve reproduzir na íntegra o que foi ensinado (avaliado por banca examinadora); Classificatória. Valorização dos aspectos afetivos (atitudes); Valorização da atividade do aluno pela descoberta pessoal que passa a compor a estrutura cognitiva; Valorização dos aspectos Bio-psicosociais; Preocupação com: participação, interesse, socialização e conduta (assiduidade, responsabilidade, higiene, pontualidade); Avaliação para o desenvolvimento individual do aluno; Ênfase na autoavaliação, a partir de critérios internos do organismo. A relevância do aprendido se dá em relação ao eu ; Privilegia a autoavaliação; Atividades avaliativas: - Debates entre os alunos; - Seminários com exposição individual ou em grupo; - Elaboração de murais pedagógicos; - Relatórios das pesquisas experimentais e estudos do meio; - Trabalhos em grupos, em que o educando deve aprender a fazer, fazendo; e a pensar pensando, em situações definidas. Ênfase na produtividade do aluno; Uso de testes objetivos; Realização de exercícios programados; Está diretamente ligada aos objetivos estabelecidos; Ocorre no final do processo com a finalidade de constatar se os alunos adquiriram os comportamentos desejados; Prática diluída, eclética e pouco fundamentada, com exagerado apego aos livros didáticos. RELAÇÃO PROFESSOR- ALUNO Professor é o centro do processo; Professor autoritário que transmite o conhecimento; Baseada em regras e disciplina rígida; Aluno é passivo, submisso, receptivo e sujeito ao castigo. O professor é um facilitador da aprendizagem, que auxilia o desenvolvimento livre e espontâneo da criança; O professor não deve ensinar, mas sim criar condições para que os alunos aprendam; O aluno é o centro do processo de ensinoaprendizagem, é um ser ativo. O professor é um especialista em relações humanas; O relacionamento professor-aluno deve ser autêntico e pessoal, em que o professor aceite a pessoa do aluno; O professor tem de ter a capacidade de ser confiável; receptivo e intervir o mínimo possível na aprendizagem do aluno, já que a sua intervenção ameaça e inibe o aluno. O professor é apenas um elo de ligação entre a verdade científica e o aluno; é o técnico responsável pela eficiência do ensino, quem administra as condições de transmissão de matéria; O aluno é um ser fragmentado, espectador que está sendo preparado para o mercado de trabalho, para aprender a fazer.

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. ALVES, Patrícia Cristina Discente do 7º Período do Curso de Pedagogia da Faculdade

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos Unidade 1 A sociedade dos indivíduos Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em sociedade porque necessitamos uns dos outros. Thinkstock/Getty Images Akg-images/Latin Stock Akg-images/Latin Stock Album/akg

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceitos básicos: filosofia,

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA

TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA CAMPOS, Graziela gracampos7@uol.com.br GUIMARÃES, Suely Fernandes fmsuely@hotmail.com PALHARINI, Alessandra Rosa alepalharini@yahoo.com.br SANTOS,

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos 1 A dos indivíduos Unidade Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em porque necessitamos uns dos outros. Entre os estudiosos que se preocuparam em analisar a relação dos indivíduos com a, destacam-se Karl

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA. Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG

EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA. Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG Pierre Bourdieu 1930-2002 França Jean-Claude Passeron 1930 França

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA 0 MG

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA 0 MG FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA 0 MG Curso de Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação endências edagógicas na prática escolar José Carlos Libâneo (1985) apud: LUCKESI, Cipriano Carlos. Tendências

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS. Disponível em: http://www.cedap.assis.unesp.br/cantolibertario/textos/0145.html

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS. Disponível em: http://www.cedap.assis.unesp.br/cantolibertario/textos/0145.html TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS Disponível em: http://www.cedap.assis.unesp.br/cantolibertario/textos/0145.html Só aprende aquele que se apropria do aprendido transformando-o em apreendido, com o que pode por isso

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande jliedja@hotmail.com Introdução A Educação de

Leia mais