ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão"

Transcrição

1 ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO Profª Viviane Jordão

2 INTRODUÇÃO As características básicas do sistema econômico e político dominante na Europa ocidental nos séculos XVI e XVII foram: o capitalismo comercial mercantilista, o Estado absolutista e o sistema colonial. Mais tarde, esse sistema ficaria conhecido como Antigo Regime.

3 ANTIGO REGIME O Antigo Regime foi caracterizado pelo absolutismo na esfera política, pelo mercantilismo na esfera econômica e pela oposição entre sociedade estamental de origem feudal e burguesia, no campo das relações sociais. - Absolutismo : Rei como autoridade maior. - Mercantilismo: Acúmulo de riquezas para as mãos do rei.

4

5

6 FEUDALISMO TRANSIÇÃO CAPITALISMO Para dar conta das mudanças pelas quais a Europa passava, uma nova forma de organização política teve que se desenvolver. O absolutismo foi a marca política do mundo moderno. Entre a fragmentação política do mundo feudal e o Estado burguês da Idade Contemporânea, existiu um momento na política marcado por um Estado forte, centralizado, duradouro e incontestável.

7 ABSOLUTISMO Absolutismo é um regime político em que o poder está concentrado nas mãos do rei. Em que o mesmo tinha completa autoridade para fazer o que quiser, principalmente de fazer e impor leis. Teve sua origem com o inicio das monarquias nacionais, ou seja, com o fim da baixa idade média surgiu a aliança rei - burguesia em que o rei tinha completa autoridade e apoio dos burgueses e nobreza.

8 BAIXA IDADE MÉDIA XI - XV RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO BURGUESIA SE UNIU AOS REIS PERDA DE PODER DA IGREJA CATÓLICA FORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS DERROCADA DO SISTEMA FEUDAL ABSOLUTISMO

9 O QUE SIGNIFICA ESTADO ABSOLUTISTA? O Estado Absolutista foi a forma de organização do poder majoritária na Europa durante a Idade Moderna. Dizer que um soberano tem poder absoluto sobre o Estado, significa que é ele que faz as leis e que o poder está concentrado nas mãos dos reis e de seus ministros e esse pequeno grupo monopoliza a vida política do país, podendo atuar em todos os setores da vida nacional. As monarquias absolutistas têm seu apogeu no século XVII.

10 OS TEÓRICOS E A PRÁTICA DO ABSOLUTISMO Direito Divino de Jacques Bossuet ( ): O rei é uma figura enviada por Deus para controle da nação e representação de paz. Só Deus podia julgar os atos de um rei. O homem é o lobo do homem de Thomas Hobbes ( ) Os homens estão em constante conflito uns com os outros e é necessário em monarca para o controle e estabelecimento da paz. Autor do livro O Leviatã (1651)

11

12 Para Thomas Hobbes, o Estado era fruto de um pacto entre os homens para que, em vez de viver em um caos onde todos podem tudo, a sociedade se organizasse e a vida humana fosse preservada. Na visão de Hobbes, o homem é o lobo do homem. Naturalmente ganancioso e mesquinho, os homens estão sempre prontos para entrar em conflito uns com os O inglês Thomas Hobbes. outros.

13 Os fins justificam os meios, de Nicolau Maquiavel ( ) Nada pode impedir as ações e desejos do monarca, quaisquer que sejam os métodos adotados para realizá-los. Para Maquiavel o rei deveria ser mais temido do que amado, visando a manutenção do poder. Sua principal obra: O Príncipe (1513) aconselha os governantes sobre como governar e manter o poder absoluto.

14 SOCIEDADE NO ANTIGO REGIME 1% 2% 97% 1º ESTADO: CLERO 2º ESTADO: NOBREZA Terras, cargos prestígio, privilégios, e isenção fiscal 3º ESTADO: BURGUESIA + CAMPONESES: obrigações e impostos.

15 MERCANTILISMO O mercantilismo é entendido como o conjunto de práticas econômicas que foram dominantes na Europa entre os séculos XIV e XVIII e caracterizou-se pela política de controle e incentivo do Estado absolutista, buscando garantir o desenvolvimento comercial e financeiro de seus países para, com isso, fortalecer o próprio poder dos monarcas.

16 Principais práticas do período: Metalismo a riqueza do Estado se atrelava a quantidade de metais preciosos por ele acumulado. Balança comercial favorável o esforço era para exportar mais do que importar, desta forma entraria mais moedas do que sairia, deixando o país em boa situação financeira. Protecionismo - os reis criavam impostos e taxas para evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior.

17 O intervencionismo do Estado. Com o poder absoluto dos monarcas, o Estado intervinha constantemente na política para conseguir resultados favoráveis. O sistema colonial foi uma peça-chave no desenvolvimento do mercantilismo. A exploração colonial reunia em si as principais características do mercantilismo: a ênfase no metalismo, a criação de monopólios e a impossibilidade de relações comerciais com outras nações que não a Metrópole.

18 BALANÇA COMERCIAL FAVORÁVEL Diminuição das importações e aumento das exportações protegendo o capital e as industrias do país.

19 PACTO COLONIAL OU EXCLUSIVO COLONIAL As colônias europeias deveriam fazer comércio apenas com suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na Europa. Dentro deste contexto histórico ocorreu o ciclo econômico do açúcar no Brasil Colonial.

20

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO ABSOLUTISMO Prof. Tácius Fernandes DEFINIÇÃO: Regime político em que os reis possuem o poder absoluto sobre suas nações (concentração de poderes nas mãos dos reis. Transição entre o feudalismo e o capitalismo.

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude.

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Os Estados Nacionais Modernos e o Absolutismo Monárquico Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Quanto aos reis,

Leia mais

Objetivo da aula: Origens da ciência econômica. A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith)

Objetivo da aula: Origens da ciência econômica. A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith) Ciências Sociais (P.I) A Economia Política e sua critica (aula 1 Adam Smith) Temática: Economia e funcionamento social: fundamentos Adam Smith. Profa. Luci Praun Objetivo da aula: Conhecer as formulações

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

Conteúdo para recuperação do I Semestre

Conteúdo para recuperação do I Semestre Conteúdo para recuperação do I Semestre I Bimestre II Bimestre 8 ANO Antigo Regime; Iluminismo. Ideias Iluministas na América; Revolução Francesa ANTIGO REGIME Conceito foi a denominação atribuída ao período

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO 01) O Estado moderno, que representou o fim das concepções políticas medievais, encontrou vários teóricos. Entre eles merecem destaque Maquiavel,

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 Quanto ao contexto do surgimento da Sociologia, marque a alternativa correta. A) A Sociologia nasceu como ciência a partir da consolidação da sociedade burguesa urbana-industrial

Leia mais

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL - 2016

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL - 2016 INSTITUTO GEREMARIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 1º Ano: C11 Nº Professor: Roberto Nascimento COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

O iluminismo ou Século das luzes

O iluminismo ou Século das luzes O iluminismo ou Século das luzes Início O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo Burguesia e Iluminismo As luzes da razão O que o iluminismo defendia O que o iluminismo combatia Os pensadores iluministas

Leia mais

Maquiavel ( 1469 1527 )

Maquiavel ( 1469 1527 ) Maquiavel ( 1469 1527 ) Maquiavel tentou ir ao cerne da questão e tratar a política não como uma parte da filosofia moral ou ética, mas simplesmente em termos práticos e realistas. Ao colocar a utilidade

Leia mais

Formação da Economia Global

Formação da Economia Global Formação da Economia Global *Capitalismo Comercial Séculos XV e XVI Expansão Comercial Renascimento (arte, cultura, filosofia e ciências, século XIII a XVI) Matéria- prima MercanGlismo metais preciosos

Leia mais

Principais causas para revolução francesa

Principais causas para revolução francesa Revolução Francesa Principais causas para revolução francesa -Empobrecimento do povo francês guerras, luxo, empréstimos. -Cerca de 80% do povo viviam no campo em situação precária. -Os anos que antecederam

Leia mais

06- Absolutismo/mercantilismo.

06- Absolutismo/mercantilismo. 06- Absolutismo/mercantilismo. O ABSOLUTISMO MONÁRQUICO. CONCEITO: Entende-se por Absolutismo, o processo de centralização política nas mãos do rei. É resultado da evolução política das Monarquias Nacionais,

Leia mais

ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de

ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de Contas. Alcance da fiscalização preventiva na execução

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 7º Ano 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Felipe Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim

Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim 1. Qual das alternativas abaixo apresenta características do Renascimento Cultural? A - Teocentrismo; valorização da cultura egípcia;

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Unidade II Poder, Estado e Instituições Aula 8.2 Conteúdo O processo de independência; A Constituição dos Estados Unidos.

Unidade II Poder, Estado e Instituições Aula 8.2 Conteúdo O processo de independência; A Constituição dos Estados Unidos. A A Unidade II Poder, Estado e Instituições Aula 8.2 Conteúdo O processo de independência; A Constituição dos Estados Unidos. 2 A A Habilidades: Relacionar o processo de independência dos Estados Unidos

Leia mais

TEMPO SAGRADO TEMPO PROFANO

TEMPO SAGRADO TEMPO PROFANO OBJETIVOS 1 VINCULAR O INÍCIO DO PROCESSO DE SURGIMENTO DA SOCIEDADE CAPITALISTA ÀS TRANSFORMAÇÕES ECONÔMICAS E AO DESENVOLVIMENTO FINANCEIRO OCORRIDOS A PARTIR DO FINAL DA IDADE MÉDIA. 2 COMPREENDER A

Leia mais

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima Prof.ª. Maria Auxiliadora Mudanças no final da Idade Média Política - Nobreza e Clero perdem o poder - Rei centraliza o poder

Leia mais

FUVEST E UNICAMP ABSOLUTISMO

FUVEST E UNICAMP ABSOLUTISMO 1. (Unicamp 94) A respeito do Estado Moderno, o pensador político inglês John Locke (1632-1704) escreveu: "Considero poder político o direito de fazer leis para regular e preservar a propriedade". (Citado

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Aula 1414- Alta Idade Média - Feudalismo

Aula 1414- Alta Idade Média - Feudalismo Aula 14 - Feudalismo Aula 1414- Alta Idade Média - Feudalismo DeOlhoNoEnem H4 - Comparar pontos de vista expressos em diferentes fontes sobre determinado aspecto da cultura. (A boa e a má Idade Média).

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAMPUS JUNDIAÍ ADMINISTRAÇÃO CURSOS SUPERIORES TRADICIONAIS MERCANTILISMO E LIBERALISMO

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAMPUS JUNDIAÍ ADMINISTRAÇÃO CURSOS SUPERIORES TRADICIONAIS MERCANTILISMO E LIBERALISMO UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAMPUS JUNDIAÍ ADMINISTRAÇÃO CURSOS SUPERIORES TRADICIONAIS MERCANTILISMO E LIBERALISMO JUNDIAÍ 2011 UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAMPUS JUNDIAÍ ADMINISTRAÇÃO CURSOS SUPERIORES

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

Mercantilismo. Os Impérios Coloniais na Idade Moderna. Absolutismo

Mercantilismo. Os Impérios Coloniais na Idade Moderna. Absolutismo Mercantilismo Os Impérios Coloniais na Idade Moderna Absolutismo Definição Mercantilismoéo nome dado a um conjunto de práticas econômicas desenvolvido na Europa na Idade Moderna, entre o século XV e o

Leia mais

História 1 os anos Ensino Médio Roteiro (Prova mensal e bimestral) 3 o bimestre de 2011 E. M. Prof. Roberson

História 1 os anos Ensino Médio Roteiro (Prova mensal e bimestral) 3 o bimestre de 2011 E. M. Prof. Roberson História 1 os anos Ensino Médio Roteiro (Prova mensal e bimestral) 3 o bimestre de 2011 E. M. Prof. Roberson 1. Conteúdos a serem abordados no 3º bimestre: História Geral 1. Unificação e expansão islâmica

Leia mais

REVOLUÇÕES INGLESAS FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉC. XVII. http://historiaonline.com.br

REVOLUÇÕES INGLESAS FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉC. XVII. http://historiaonline.com.br REVOLUÇÕES INGLESAS FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉC. XVII Elizabeth I (1558-1603). Consolidação da Reforma Anglicana. 1563: Lei dos 39 Artigos Adoção do Calvinismo como conteúdo doutrinário do Anglicanismo.

Leia mais

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA -Características: *Grandes transformações no sistema feudal; *aumento da produção agrícola; *aparecimento da burguesia; *crise de poder da nobreza feudal. IGREJA NA

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

A utopia platônica. Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia. Educação e política: as três classes

A utopia platônica. Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia. Educação e política: as três classes Ideias políticas Platão Pp. 311-312 A utopia platônica Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia Educação e política: as três classes A utopia platônica é elaborada na época da decadência,

Leia mais

OFICINA: POLUIÇÃO DO SOLO E PRODUÇÃO DE SABÃO RECICLADO

OFICINA: POLUIÇÃO DO SOLO E PRODUÇÃO DE SABÃO RECICLADO OFICINA: POLUIÇÃO DO SOLO E PRODUÇÃO DE SABÃO RECICLADO ROTEIRO APRESENTAÇÃO DOS PROFESSORES E OFICINA INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO CONSUMISMO E PROBLEMAS AMBIENTAIS DEMONSTRAÇÃO COM GARRAFA PET APRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Análise das diferentes abordagens historiográficas acerca da transição das sociedades medievais européias ao capitalismo. Formação do Antigo Regime e surgimento do paradigma do homem moderno:

Leia mais

(GABARITO NO FINAL DE CADA EXERCÍCIO)

(GABARITO NO FINAL DE CADA EXERCÍCIO) (GABARITO NO FINAL DE CADA EXERCÍCIO) Entre os séculos XII e XV inicia-se a decadência do sistema feudal clássico. É neste período que se inicia a centralização da política onde os poderes passam a se

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Conceito: O Renascimento foi um movimento importante, de renovação cultural e artística que se originou na Itália no séc. XIV e marcou a mudança da idade Média para a idade Moderna.

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

MONARQUIA INGLESA PROCESSO DE FORMAÇÃO. http://historiaonline.com.br

MONARQUIA INGLESA PROCESSO DE FORMAÇÃO. http://historiaonline.com.br MONARQUIA INGLESA PROCESSO DE FORMAÇÃO Guilherme l, o Conquistador 1066: batalha de Hastings Guilherme, o Conquistador (duque da Normandia) derrota o último rei anglo-saxônico, Haroldo II Início da dinastia

Leia mais

Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL

Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL OBS:CÓPIA DO ÍTEM CORRETO JUSTIFICADO. Absolutismo - Questões de Vestibulares

Leia mais

HISTÓRIA GEOGRAFIA 5º CORUJÃO 9º ANO 5º CORUJÃO 9º ANO

HISTÓRIA GEOGRAFIA 5º CORUJÃO 9º ANO 5º CORUJÃO 9º ANO HISTÓRIA 1) Internamente, buscavam a consolidação do absolutismo monárquico através da redução dos poderes da alta nobreza e da influência da burguesia, concentrando toda a autoridade política na pessoa

Leia mais

A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1. Profª Viviane Jordão

A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1. Profª Viviane Jordão A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1 Profª Viviane Jordão O que é Nação? Nação é um contrato político. Os integrantes de uma nação compartilham os mesmos direitos e uma mesma história. Ser brasileiro

Leia mais

01/09/2009. Entrevista do Presidente da República

01/09/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de encerramento do 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha (EEBA) Vitória-ES, 1º de setembro de 2009

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2015-2016

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2015-2016 Período Módulo Conteúdos Competências Específicas Conceitos/Noções Situações de aprendizagem Avaliação Tempos 1º 0 Estudar/ Aprender História A História: tempos e espaços - Discernir as caraterísticas

Leia mais

A Propriedade Intelectual

A Propriedade Intelectual Maria do Rosário Dias Camelo A Propriedade Intelectual REFERE-SE ÀS CRIAÇÕES DO ESPÍRITO HUMANO CONCEBIDAS PELA IMAGINAÇÃO E PELA CAPACIDADE CRIATIVA DO HOMEM, APOIADA NO CONHECIMENTO E NOS INVESTIMENTOS

Leia mais

A Construção da Democracia (Esquema Introdutório)

A Construção da Democracia (Esquema Introdutório) Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 1 A Construção da Democracia (Esquema Introdutório) Pedro

Leia mais

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS Profa. Cleide de Freitas Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS O que vimos na aula anterior Ideias e Oportunidades Oportunidades x Experiência de mercado O que é um plano de negócios? Identificação e análise de

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Sumário Capítulo 12 Expansão marítima e comercial europeia...1 Capítulo 13 Fim da Idade Média e Renascimento cultural...2 Capítulo 14 Reformas religiosas, Antigo Regime e absolutismo...3

Leia mais

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas.

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê?

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? DÍVIDA SOCIAL ESCRAVIDÃO E IMIGRAÇÃO FALTA DE ESTRUTURA SOCIAL

Leia mais

COMPROMISSO COM A FAMILIA

COMPROMISSO COM A FAMILIA Rua Bela Vista, 220 Vila Camisão COMPROMISSO COM A FAMILIA A família é o objetivo central da Democracia Cristã, ação politica inspirada nos ideais do Cristianismo. Fomos nós, Social-Democrata-Cristãos,

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

Grandes navegações. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 3

Grandes navegações. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 3 Grandes navegações Entre os séculos XV e XVI, a Índia era o maior centro de distribuição de especiarias (pimenta, açafrão, gengibre, canela e outros temperos) do mundo conhecido. Como a distância entre

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

Questionário de avaliação diagnóstica / Preliminary questionnaire

Questionário de avaliação diagnóstica / Preliminary questionnaire Este questionário foi aplicado durante o mês de Outubro a 105 alunos do 7º e 8º ano e pretende avaliar o nível de conhecimento que os alunos têm sobre Direitos da Criança. This questionnaire has been applied

Leia mais

Grandes Santos de Deus. Jovens

Grandes Santos de Deus. Jovens Grandes Santos de Deus Jovens Eu desejo não manter meu lugar neste governo uma hora sequer a mais do que para preservar a Inglaterra nos seus justos direitos e proteger o povo de Deus em justa liberdade

Leia mais

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa.

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Habilidade: Identificar os elementos que caracterizaram as transformações sociais e científicas na Europa

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Gabarito das questões de HISTÓRIA Questão 01 - "Após ter conseguido retirar

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL "Que a água seja refrescante. Que o caminho seja suave. Que a casa seja hospitaleira. Que o Mensageiro conduza em paz nossa Palavra." Benção Yoruba

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Me: Edson Fasano Sociedade Capitalista: REVOLUÇÃO FRANCESA A Organização da Aula 1º Bloco: Iluminismo e Independência dos EUA. 2º Bloco: - Antecedentes da Revolução Francesa.

Leia mais

TEXTO FINAL. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

TEXTO FINAL. O CONGRESSO NACIONAL decreta: TEXTO FINAL Substitutivo do Senado Federal ao Projeto de Lei da Câmara nº 74, de 2009 (nº 4.464, de 2004, na Casa de origem), que estabelece medidas para o controle da avifauna nas imediações de aeródromos.

Leia mais

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CNPJ: 13.911.052/0001-61 e Inscrição Municipal

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia)

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) *C0048302E* C0048302E CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) Altera a Lei nº 8.080, de 11 de setembro, de 1990, para determinar a realização de campanhas destinadas

Leia mais

$XWRU-RmR&DUORV*DOYmR-~QLRU /LQN ZZZQHWIODVKFRPEUMXVWLFDYLUWXDODFDGHPLFRKWP

$XWRU-RmR&DUORV*DOYmR-~QLRU /LQN ZZZQHWIODVKFRPEUMXVWLFDYLUWXDODFDGHPLFRKWP $XWRU-RmR&DUORV*DOYmR-~QLRU /LQN ZZZQHWIODVKFRPEUMXVWLFDYLUWXDODFDGHPLFRKWP $35È7,&$,'(2/Ï*,&$&202&5,0(3(5)(,72 (0'()(6$'(80352&(662'('(6,'(2/2*,=$d 2'2',5(,72 &5,0,1$/ "A consciência dos que são responsáveis

Leia mais

ANUALIZAÇÃO 2015/2016

ANUALIZAÇÃO 2015/2016 ESCOLA EB 3,3/S DE VILA FLOR HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO ANUALIZAÇÃO 2015/2016 OBJETIVOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO GESTÃO LETIVA (POR PERÍODO) - Conhecer a sociedade portuguesa no século XVIII -

Leia mais

Magistério profético na construção da Igreja do Porto

Magistério profético na construção da Igreja do Porto Magistério profético na construção da Igreja do Porto Excertos do pensamento de D. António Ferreira Gomes entre 1969-1982 A liberdade é sem dúvida um bem e um direito, inerente à pessoa humana, mas é antes

Leia mais

EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... 21/03/2014 EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? IMPORTANTE!!!!!

EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... 21/03/2014 EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? IMPORTANTE!!!!! EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... Profa. MsC. Célia Regina Beiro da Silveira celiabeiro@expresso.com.br EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? É aquele que destrói a ordem econômica existente pela introdução de novos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 Cria o Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável do Município de Lagoa do Tocantins e dá outras providências A Prefeita Municipal MINERVA DICLÉIA VIEIRA

Leia mais

Lixo Eletrônico e TI Verde

Lixo Eletrônico e TI Verde Lixo Eletrônico e TI Verde Uganda Gana e a reciclagem informal Liberação de poluentes na atmosfera Processos Manuais Nigéria - Lagos Revenda de equipamentos usados China poluição do ar e solo China poluição

Leia mais

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES Capítulo 6 RENASCIMENTO CULTURAL 1. O Renascimento surgiu primeiro na região onde hoje é a Itália. Sobre as razões para que o movimento renascentista europeu se iniciasse na Península Itálica afirmamos

Leia mais

Foi formado um conjunto de formadores/dinamizadores na implementação prática do currículo do ROMED2.

Foi formado um conjunto de formadores/dinamizadores na implementação prática do currículo do ROMED2. Newsletter #0 1 ao 2 Entre 2011 e 2013, o Programa contribuiu para uma mediação de qualidade em 22 países europeus. Contando agora com mais de 1300 mediadores formados, o programa tem vindo a assegurar

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A REVOLUÇÃO FRANCESA

IDADE CONTEMPORÂNEA A REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA Revolução burguesa. Antecedentes/causas: Maior população da Europa Ocidental (25 milhões). 80% rural. Absolutismo parasitário Luís XVI Festas, banquetes, pensões, guerras inúteis, tratados

Leia mais

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS ORDEM DOS ADVOGADOS DELEGAÇÃO DE BARCELOS DIA DO ADVOGADO 19 DE MAIO DE 2010 ---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO

Leia mais

Por Quanto Posso Vender Meu Produto?

Por Quanto Posso Vender Meu Produto? Por Quanto Posso Vender Meu Produto? POR QUANTO POSSO VENDER MEU PRODUTO? Vejo muita gente, principalmente no Facebook, perguntando POR QUANTO vender seus produtos, sejam eles, bolos, doces, bombons, salgados

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

Gestão ambiental e gerenciamento de resíduos. Prof. ª Karen Wrobel Straub

Gestão ambiental e gerenciamento de resíduos. Prof. ª Karen Wrobel Straub Gestão ambiental e gerenciamento de resíduos Prof. ª Karen Wrobel Straub MEIO AMBIENTE De acordo com a definição contida na norma NBR ISO 14001:1996- Sistemas de Gestão Ambiental Meio ambiente é a circunvizinhança

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Introdução a análise Histórica Feudalismo Fernando Del pozzo hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc

Leia mais

Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado

Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado 1 JEAN-JACQUES ROUSSEAU: A VONTADE GERAL. Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado Rousseau e a democracia direta 2 Assim como os demais pensadores políticos

Leia mais

O QUE TE IMPEDE DE REALIZAR SEU SONHO DE EMPREENDER E ALAVANCAR SEU NEGÓCIO?

O QUE TE IMPEDE DE REALIZAR SEU SONHO DE EMPREENDER E ALAVANCAR SEU NEGÓCIO? O QUE TE IMPEDE DE REALIZAR SEU SONHO DE EMPREENDER E ALAVANCAR SEU NEGÓCIO? UM ESCRITÓRIO INTELIGENTE PODE SER A SOLUÇÃO Ele oferece toda a infraestrutura a quem precisa de um local para trabalhar, seja

Leia mais

RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM.

RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM. RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM. Razões: 1. Nós defendemos a prorrogação da ZFM como diferencial de tratamento tributário, para suprir as inúmeras dificuldades e obstáculos na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Professora: Holanda Maria

Professora: Holanda Maria Professora: Holanda Maria Com a crise dos séculos III e IV a escassez de mão-obra escrava levou os grandes proprietários a abandonarem as cidades e rumar para as villae (latifúndios) onde exploravam o

Leia mais

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA.

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. Bem vindos ao Treinamento sobre Conceitos Básicos de Manutenção da... AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. ELÉTRICA ELETRÔNICA MECÂNICA HIDRÁULICA PNEUMÁTICA AZ PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUTOMAÇÃO

Leia mais

1. Uma sociedade anacrónica

1. Uma sociedade anacrónica 1. Uma sociedade anacrónica 2.1. A França nas vésperas da Revolução Antigo Regime sociedade de ordens e de privilégios da nobreza e do clero Rei: Luís XVI nobreza: propriedade (e rendas) de ¼ das terras

Leia mais

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL

DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL Felipe Gava SILVA 1 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade mostrar o que é a desigualdade social. A desigualdade social é resumida, em muitos com pouco e poucos com

Leia mais

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO MODO DE PRODUÇÃO: Pode ser entendido com a estrutura econômica de uma sociedade. Incluem-se nessa noção a maneira como essa sociedade produz, distribui, consome

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais