UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAMPUS JUNDIAÍ ADMINISTRAÇÃO CURSOS SUPERIORES TRADICIONAIS MERCANTILISMO E LIBERALISMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAMPUS JUNDIAÍ ADMINISTRAÇÃO CURSOS SUPERIORES TRADICIONAIS MERCANTILISMO E LIBERALISMO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAMPUS JUNDIAÍ ADMINISTRAÇÃO CURSOS SUPERIORES TRADICIONAIS MERCANTILISMO E LIBERALISMO JUNDIAÍ 2011

2 UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAMPUS JUNDIAÍ ADMINISTRAÇÃO CURSOS SUPERIORES TRADICIONAIS ACADÊMICO CURSO RA ELITON MAURO NACHBAR ADMINISTRAÇÃO BO32AH-4 FERNANDA POMIGLIO ADMINISTRAÇÃO A LÍVIA CRISTINA ORLANDINI ADMINISTRAÇÃO A7810G-1 MERCANTILISMO E LIBERALISMO Trabalho apresentado referente ao curso de Administração a disciplina de Economia e Negócios para obtenção de nota parcial do Primeiro semestre de 2011, a professora Roseli Gaeta. JUNDIAÍ 2011

3 INTRODUÇÃO Conceito de Mercantilismo Conjunto de teorias e praticas econômicas adotadas e desenvolvidas pelos governos europeus durante a fase do capitalismo comercial da idade moderna. Características básicas: - concentração de poder na mão dos reis; - falta de liberdade; - total controle social. Sistema econômico utilizado pelos monarcas absolutistas tinha como objetivo principal enriquecer os cofres das cortes. O governo absolutista interferia muito na economia dos países, alimentando a ideia de que a riqueza e a pátria estava no acumulo de metais preciosos, como ouro e prata, afirmando que esses se atrairiam por meio do aumento das exportações e da limitação da importação, caracterizando a balança comercial favorável. Na época, o estado utilizava medidas para diminuir as importações, geralmente, através de incentivo a produção industrial externa e implantação de taxas alfandegárias, fiscalizando os gastos internos de determinados produtos melhorando ainda a infra-estrutura e promovendo a colonização de novos territórios, caracterizando monopólio, compreendido com a maneira de garantir o acesso as matérias primas e o escoamento de produtos manufaturados. A disputa pelo mercado deu origem a uma situação de grande rivalidade, onde cada um dos estados nacionais buscavam constante crescimento de seus lucros e fortalecimento da sua economia. Esse aspecto da teoria da balança comercial favorável, estabelecia que uma economia nacional forte dependeria de um volume de exportações superior ao das importações. Outra pratica comum é a constituição de monopólios comerciais que privilegiavam a entrada de seus produtos em uma região colonizada ou em países que tivessem grande procura de um determinado produto de uma forma geral. A economia mercantilista deu a criação de um estado intervencionista capaz de atender as demandas de sua própria economia.

4 As Características da Politica Econômica Mercantilista Figura 1 : Tapeçaria mostrando Luís XVI em visita à manufatura de tapeçarias de Gobelins. Metalismo O metalismo era a acumulação de metais como o ouro e a prata dentro do país. Acumulavam as moedas dentro do país, pois elas indicavam riquezas, por isso evitavam que as moedas saíssem do Estado. As riquezas adquiridas com os metais eram investidas na produção agrícola, industrial e comercial, estimulando as exportações e aumentando a renda do Estado sobre os direitos alfandegários. Pacto Colonial As colônias européias deveriam fazer comércio apenas com suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na Europa. Dentro deste contexto histórico ocorreu o ciclo econômico do açúcar no Brasil Colonial.

5 Balança Comercial Favorável A balança comercial é considerada como um termômetro que controla o desenvolvimento econômico de um país. Esse sistema evitava que houvesse distúrbio monetário, e consequentemente uma crise na produção. O enriquecimento de um Estado significava o empobrecimento dos outros. O funcionamento dessa balança consiste na comparação do desenvolvimento econômico de um Estado com outro. Protecionismo É uma teoria que consiste em medidas econômicas que protegem as atividades econômicas internas, ou seja, favorece a exportação e dificultando a importação. Existem várias formas de manifestação do protecionismo da economia nacional. Monopólio O monopólio é um elemento fundamental do protecionismo. Os produtos coloniais podiam ser comprados exclusivamente pela burguesia, e esses produtos eram revendidos no mercado europeu pelos comerciantes da metrópole, bem como a burguesia podia vender seus produtos europeus para o consumo da colônia. A burguesia mercantil usava o exclusivo ou monopólio do comércio colonial para enriquecer. Tipos de Mercantilismo Existem vários tipos de mercantilismo, suas doutrinas e práticas variam de Estado para Estado, conforme as condições específicas de cada Estado. Espanha: Metalismo ou Bulionismo O bulionismo ou metalismo é caracterizado pela quantidade de riqueza obtida através de metais ou materiais preciosos. Tornou-se a forma mais tradicional e antiga do mercantilismo. Os praticantes dessa teoria foram os espanhóis que possuíam colônias produtoras de metais na América,

6 e isso lhes condicionava a importação de produtos manufaturados, e até mesmo os alimentícios, em oposição à exportação de metais. Essa prática quase abalou com as atividades agrícolas e manufatureiras espanholas, e, além disso, a Europa também sofreu com a subida dos preços - fato que ficou conhecido como a Revolução dos Preços ( ) devido a ampliação do meio circulante na Europa. Como os espanhóis tinham um grande acúmulo de moedas e metais preciosos em seu país e o consumo europeu era muito grande, os demais países da Europa se adaptaram para tirar proveito dessa situação. Figura 2 : Felipe II, Rei da Espanha ( ) Inglaterra: Mercantilismo Comercial Inicialmente o mercantilismo na Inglaterra foi considerado comercial, e por fim considerado como industrial. Os ingleses possuíam uma completa marinha mercante e de guerra, além de contarem com o apoio de corsários, devido a esses excelentes provimentos a Inglaterra conseguiu ampliar as suas riquezas através do comércio internacional de mercadorias. Em 1651 foi promulgado o Ato de Navegação na Inglaterra, o qual estabelecia que o comércio de mercadorias européias fosse realizado por navios ingleses ou por seus próprios países. Isso garantia a posição inglesa no comércio mundial, estimulando o capitalismo inglês, e privilegiando a indústria naval e a burguesia mercantil.

7 França: Colbertismo (Mercantilismo Industrial) As atividades comerciais da França eram baseadas na produção agrícola, e em artigos luxuosos destinados à exportação. O mercantilismo francês é denominado como colbertismo, este foi considerado um mercantilismo industrial.

8 CONCEITO DE LIBERALISMO Liberalismo pode ser definido como um conjunto de princípios e teorias políticas, que apresenta como ponto principal a defesa da liberdade política e econômica. O pensamento liberal teve sua origem no século XVII, através dos trabalhos sobre política publicados pelo filósofo inglês John Locke. Já no século XVIII, o liberalismo econômico ganhou força com as ideias defendidas pelo filósofo e economista escocês Adam Smith. Princípios Básicos do Liberalismo Defesa da propriedade privada; Liberdade econômica (livre mercado); Mínima participação do Estado nos assuntos econômicos da nação (governo limitado); Igualdade perante a lei (estado de direito) Na década de 1970 surgiu o neoliberalismo, que é a aplicação dos princípios liberais numa realidade econômica pautada pela globalização e por novos paradigmas do capitalismo. A teoria do liberalismo econômico surgiu no contexto do fim do mercantilismo, período em que era necessário estabelecer novos paradigmas, já que o capitalismo estava se firmando cada vez mais. A ideia central do liberalismo econômico é a defesa da emancipação da economia de qualquer dogma externo a ela mesma, ou seja, a eliminação de interferências provenientes de qualquer meio na economia. Tal teoria surgiu no final do século XVIII, tendo em François Quesnay um dos seus principais teóricos. Quesnay afirmava que a verdadeira atividade produtiva estava inserida na agricultura. Outro pensador que contribuiu para o desenvolvimento da teoria do liberalismo econômico foi Vincent de Gournay, o qual dizia que as atividades comerciais e industriais deveriam usufruir de liberdade, para assim se desenvolverem e alcançarem a acumulação de capitais. No entanto, o principal teórico e pai da teoria do liberalismo econômico foi Adam Smith (Vide Figura 3). O economista escocês confrontou as ideias de Quesnay(Vide Figura 4) e Gournay (Vide Figura 5), afirmando em seu livro A Riqueza das Nações as principais ideias do liberalismo econômico: a prosperidade econômica e a acumulação de riquezas não são concebidas através da atividade rural e nem comercial, mas sim, através do trabalho livre, sem nenhum agente regulador ou interventor.

9 Para Smith, não eram necessárias intervenções na economia, visto que o próprio mercado dispunha de mecanismos próprios de regulação da mesma: a chamada mão invisível, que seria responsável por trazer benefícios para toda a sociedade, além de promover a evolução generalizada. Os liberalistas defendem a livre concorrência e a lei da oferta e da procura. Estes teóricos foram os primeiros a tratar a economia como ciência. Para Smith o elemento de geração de riqueza está no potencial de trabalho, trabalho livre sem ter, logicamente, o estado como regulador e interventor. Outro ponto fundamental é o fato de que todos os agentes econômicos são movidos por um impulso de crescimento e desenvolvimento econômico, que poderia ser entendido como uma ambição ou ganância individual, que no contexto macro traria benefícios para toda a sociedade, uma vez que a soma desses interesses particulares promoveria a evolução generalizada, um equilíbrio perfeito. A ideia central do liberalismo econômico é a defesa da independência da economia de qualquer interferência proveniente de outros meios. Ainda segundo esta doutrina econômica, deve ser colocada a ênfase na liberdade de iniciativa econômica, na livre circulação da riqueza, na valorização do trabalho humano e na economia de mercado (defesa da livre concorrência, do livre cambismo e da lei da procura e da oferta como mecanismo de regulação do mercado), opondo-se assim ao intervencionismo do Estado e às demais medidas restritivas e protecionistas defendidas pelo Mercantilismo. Figura 3: Adam Smith

10 Figura 4: Quesnay Figura 5: Gournay

O iluminismo ou Século das luzes

O iluminismo ou Século das luzes O iluminismo ou Século das luzes Início O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo Burguesia e Iluminismo As luzes da razão O que o iluminismo defendia O que o iluminismo combatia Os pensadores iluministas

Leia mais

ECONOMIA EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO. Prof. Thiago Gomes. Economia EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

ECONOMIA EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO. Prof. Thiago Gomes. Economia EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO ECONOMIA Prof. Thiago Gomes 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 1 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Retomando o conceito de economia Homem, sociedade e economia: Linhas gerais Grupos nômades: Predominava a economia de subsistência

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico

Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico 1 Nesta aula-tema, vamos estudar alguns conceitos básicos da ciência econômica, suas divisões e evolução história do

Leia mais

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS Prof. Maurício Felippe Manzalli Antecedentes da globalização Década de 1970 Período de crises e ajustes: Crise da inflação Ajustes monetários e produtivos Economia política

Leia mais

MÓDULO 01 O BRASIL PRÉ-COLONIAL ( 1500-1530 ) PROFESSOR IASBECK /

MÓDULO 01 O BRASIL PRÉ-COLONIAL ( 1500-1530 ) PROFESSOR IASBECK / MÓDULO 01 O BRASIL PRÉ-COLONIAL ( 1500-1530 ) PROFESSOR IASBECK / Período que antecedeu a colonização. Interesse português:índias. Características: - extração predatória do pau-brasil. - mão de obra indígena

Leia mais

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Prof. Francisco Mariotti CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Microeconomia. 1.1 Demanda do Consumidor.1.1.1 Preferências. 1.1.2 Equilíbrio do consumidor.

Leia mais

ECO 112 - Economia Brasileira

ECO 112 - Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/128/

Leia mais

MERCANTILISMO. A política econômica dos Estados Modernos. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco

MERCANTILISMO. A política econômica dos Estados Modernos. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco MERCANTILISMO A política econômica dos Estados Modernos Prof.: Mercedes Danza Lires Greco No feudalismo, a riqueza = terra. Entre os séculos XV e XVIII, a riqueza = dinheiro. Principal atividade geradora

Leia mais

Imperialismo. Evandro Albuquerque de Andrade

Imperialismo. Evandro Albuquerque de Andrade Imperialismo Evandro Albuquerque de Andrade Conceito Termo empregado para caracterizar a expansão ou tendência de ampliação política e econômica de uma nação. Os meios utilizados para a consecução desses

Leia mais

06- Absolutismo/mercantilismo.

06- Absolutismo/mercantilismo. 06- Absolutismo/mercantilismo. O ABSOLUTISMO MONÁRQUICO. CONCEITO: Entende-se por Absolutismo, o processo de centralização política nas mãos do rei. É resultado da evolução política das Monarquias Nacionais,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 26/03/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO. Profª Viviane Jordão ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO Profª Viviane Jordão INTRODUÇÃO As características básicas do sistema econômico e político dominante na Europa ocidental nos séculos XVI e XVII foram: o capitalismo comercial

Leia mais

Sociedade, Estado e Mercado. Aula 5 Imperialismo da Ciência Econômica e Teoria da Escolha Pública. Prof.: Rodrigo Cantu

Sociedade, Estado e Mercado. Aula 5 Imperialismo da Ciência Econômica e Teoria da Escolha Pública. Prof.: Rodrigo Cantu Sociedade, Estado e Mercado Aula 5 Imperialismo da Ciência Econômica e Teoria da Escolha Pública Prof.: Rodrigo Cantu Progresso técnico e capitalismo são problemáticos? 1ª Modernidade 2ª Modernidade Promessas

Leia mais

Formação Econômica do Brasil

Formação Econômica do Brasil Formação Econômica do Brasil Celso Furtado Parte I Fundamentos Econômicos da Ocupação Territorial Cap. I Da expansão comercial à empresa agrícola A expansão comercial da Europa estava em pleno crescimento

Leia mais

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL - 2016

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL - 2016 INSTITUTO GEREMARIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 1º Ano: C11 Nº Professor: Roberto Nascimento COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

E as condições internas?

E as condições internas? A ECONOMIA CAFEEIRA: do escravismo colonial ao trabalho assalariado. Profa. Ms. Joseney Rodrigues de Queiroz Dantas Departamento de Economia/CAMEAM/UERN Condições Históricas (externas) para a Expansão

Leia mais

Prof. Gabriel Rocha Sede: EBS. Percurso 13 EUA: formação e expansionismo territorial

Prof. Gabriel Rocha Sede: EBS. Percurso 13 EUA: formação e expansionismo territorial Prof. Gabriel Rocha Sede: EBS Percurso 13 EUA: formação e expansionismo territorial América do Norte e América Anglo-Saxônica. Quarto país mais extenso do mundo. Politicamente, os EUA dividem-se em 50

Leia mais

Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira

Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira Resenha Economia & Comércio 2 Celeste Cristina Machado Badaró 05 de março de 2008 Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira

Leia mais

9 - CONQUISTA E COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA

9 - CONQUISTA E COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA 9 - CONQUISTA E COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA Povos indígenas Também chamados de pré-colombianos Diversidade cultural e de organização Muitos desaparecidos com a conquista Ocupavam de norte a sul do continente

Leia mais

Conteúdo para recuperação do I Semestre

Conteúdo para recuperação do I Semestre Conteúdo para recuperação do I Semestre I Bimestre II Bimestre 8 ANO Antigo Regime; Iluminismo. Ideias Iluministas na América; Revolução Francesa ANTIGO REGIME Conceito foi a denominação atribuída ao período

Leia mais

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França 1. O tempo do grande comércio oceânico Criação/crescimento de grandes companhias de comércio europeias: - Companhia das Índias Ocidentais (1600 Londres) - Companhia Inglesa das Índias Orientais (Londres

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Economia Industrial Professor(es) Professor Doutor Agostinho Celso Pascalicchio Carga horária Teoria: 02 Prática: 00 Total:

Leia mais

O MOVIMENTO ESPORTIVO INGLÊS

O MOVIMENTO ESPORTIVO INGLÊS O MOVIMENTO ESPORTIVO INGLÊS A situação política e social Regime parlamentarista estável: enquanto outros países da Europa mantinham as disputas políticas. Formação de um grande império colonial: Ásia,

Leia mais

Formação da Economia Global

Formação da Economia Global Formação da Economia Global *Capitalismo Comercial Séculos XV e XVI Expansão Comercial Renascimento (arte, cultura, filosofia e ciências, século XIII a XVI) Matéria- prima MercanGlismo metais preciosos

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: A Macroeconomia do Setor Externo: Uma Introdução

Resumo Aula-tema 04: A Macroeconomia do Setor Externo: Uma Introdução 1 Resumo Aula-tema 04: A Macroeconomia do Setor Externo: Uma Introdução Vimos até agora o quanto a globalização mudou os rumos dos negócios internacionais, promovendo o aumento das transações comerciais

Leia mais

Objetivos. Ciências Sociais. Século XIX: Configuração sócio-histórica de América Latina (I) Prof. Paulo Barrera Agosto 2012

Objetivos. Ciências Sociais. Século XIX: Configuração sócio-histórica de América Latina (I) Prof. Paulo Barrera Agosto 2012 Ciências Sociais Prof. Paulo Barrera Agosto 2012 Século XIX: Configuração sócio-histórica de América Latina (I) Objetivos Estudar as origens de América Latina no contexto da consolidação da dominação européia

Leia mais

Evolução do conceito de marketing

Evolução do conceito de marketing Evolução do conceito de marketing Sociedades coletoras, nômades A primeira atividade de marketing Troca de produtos de pesca, caça e agricultura para atender as necessidades dos indivíduos Comércio primitivo

Leia mais

Prof. Bosco Torres CE_16_União_Europeia 1

Prof. Bosco Torres CE_16_União_Europeia 1 UNIÃO EUROPEIA DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. Outras fontes CE_16_União_Europeia 1 Blocos Econômicos

Leia mais

Prof. Bosco Torres CE-05.8_Surgimento e Características do Mercantilismo

Prof. Bosco Torres CE-05.8_Surgimento e Características do Mercantilismo SURGIMENTO E CARACTERÍSTICAS DO MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria

Leia mais

Mercantilismo significou a transição entre o modo de produção feudal e o modo de produção capitalista. Acumulação de capital provocada pelo

Mercantilismo significou a transição entre o modo de produção feudal e o modo de produção capitalista. Acumulação de capital provocada pelo MERCANTILISMO Conjunto de ideias e práticas econômicas dos Estados da Europa ocidental entre os séculos XV e XVIII, voltadas para o comércio, principalmente, e baseadas no controle da economia pelo Estado.

Leia mais

Indústria e Industrialização. Prof. Melk Souza

Indústria e Industrialização. Prof. Melk Souza Indústria e Industrialização Prof. Melk Souza A Evolução da Indústria Indústria é a atividade por meio da qual os seres humanos transformam matéria-prima em produtos semi acabado (matéria-prima para outros

Leia mais

Os sistemas capitalista e socialista

Os sistemas capitalista e socialista Os sistemas capitalista e socialista Na Europa durante o Renascimento Comercial e Urbano nos sec. XIII e XIV quando os habitantes dos burgos firmam os primeiros princípios como a busca do lucro, acumulação

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA. Prof. Iair FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO TRABALHO INDIVIDUAL FERRAMENTAS MECÂNICAS

IDADE CONTEMPORÂNEA. Prof. Iair FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO TRABALHO INDIVIDUAL FERRAMENTAS MECÂNICAS Definição: conjunto de transformações técnicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. ARTESANATO

Leia mais

OBJETIVO 2016 1º ANO E.M. MÓDULO 23 A GEOPOLÍTICA NA AMÉRICA CENTRAL

OBJETIVO 2016 1º ANO E.M. MÓDULO 23 A GEOPOLÍTICA NA AMÉRICA CENTRAL OBJETIVO 2016 1º ANO E.M. MÓDULO 23 A GEOPOLÍTICA NA AMÉRICA CENTRAL AMÉRICA CENTRAL Ligação entre a América do Norte e a América do Sul, é formada por uma parte continental ou ístmica e por outra insular

Leia mais

DIREITOS RESERVADOS Proibida a reprodução total ou parcial desta publicação sem o prévio consentimento, por escrito, da Anhanguera Educacional.

DIREITOS RESERVADOS Proibida a reprodução total ou parcial desta publicação sem o prévio consentimento, por escrito, da Anhanguera Educacional. Resumo Aula-tema 03: Regulação do Comércio Internacional e impactos nos negócios: os acordos de defesa comercial sobre dumping, subsídios e salvaguardas Aprendemos em aula anterior que a globalização promove

Leia mais

IDEOLOGIAS DA ERA INDUSTRIAL

IDEOLOGIAS DA ERA INDUSTRIAL Com o desenvolvimento industrial surgiram várias correntes ideológicas que pretendiam justificar e apoiar o capitalismo (doutrinas liberais), ou condená-lo e destruí-lo (doutrinas socialistas). CAPITALISMO

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

Linha do Tempo. Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica

Linha do Tempo. Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica Linha do Tempo Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica 1909 O presidente Nilo Peçanha assina o Decreto Nº 7.566/1909, criando inicialmente 19 Escolas de Aprendizes Artífices subordinadas ao

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O instrumento governamental da desoneração tributária 1 Desoneração, preços e consumo Um dos principais

Leia mais

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva Economia e Mercado Conceitos Seja em nosso cotidiano, seja nos jornais, rádio e televisão, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, como: -Aumentos

Leia mais

RENASCIMENTO REFORMA/MERCANTILISMO PROF. SORMANY ALVES

RENASCIMENTO REFORMA/MERCANTILISMO PROF. SORMANY ALVES RENASCIMENTO REFORMA/MERCANTILISMO PROF. SORMANY ALVES O RENASCIMENTO Conceito: Movimento ideologico que se refletiu nos campos artístico, literário rio e científico baseado no resgate dos valores da cultura

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

A Revolução Industrial inaugurou uma nova era, caracterizada pela produção em massa e pela expansão da vida urbana.

A Revolução Industrial inaugurou uma nova era, caracterizada pela produção em massa e pela expansão da vida urbana. A Revolução Industrial inaugurou uma nova era, caracterizada pela produção em massa e pela expansão da vida urbana. O QUE É INDÚSTRIA? Indústria é todo o esforço empreendido pela humanidade para transformar

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 52 MERCOSUL: UMA TENTATIVA DE INTEGRAÇÃO

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 52 MERCOSUL: UMA TENTATIVA DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 52 MERCOSUL: UMA TENTATIVA DE INTEGRAÇÃO Como pode cair no enem O Mercosul foi criado em 1991, através do Tratado de Assunção, sendo formado pelo Brasil, Argentina, Uruguai e

Leia mais

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Capítulo 12: O Brasil ao Longo do Século XX: alguns fatos estilizados Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 2 Brasil ao longo do

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel Geografia 9 ano Tigres Asiáticos 1- O Japão vem passando por uma crise econômica bastante séria. Em 1995 duas das maiores instituições de crédito do país faliram, ocorreram grandes escândalos na área política

Leia mais

Alguns Problemas Econômicos: - Por que a expansão da moeda e do crédito pode gerar inflação? - Por que o nordestino possui uma renda per capita muito

Alguns Problemas Econômicos: - Por que a expansão da moeda e do crédito pode gerar inflação? - Por que o nordestino possui uma renda per capita muito Alguns Problemas Econômicos: - Por que a expansão da moeda e do crédito pode gerar inflação? - Por que o nordestino possui uma renda per capita muito inferior à do paulista? - Como pode uma desvalorização

Leia mais

DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL MÓDULO 04 PARTE I

DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL MÓDULO 04 PARTE I DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL MÓDULO 04 PARTE I CONCEITO DE REGIÃO REGIONALIZAR o espaço geográfico é dividi-lo em regiões, levando em conta as diferenças de paisagens e a organização socioeconômica das diversas

Leia mais

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 CENÁRIO INTERNACIONAL VARIAÇÃO ANUAL DO PIB REAL E DO VOLUME DE COMÉRCIO DE MERCADORIAS POR REGIÃO - 2011-2013 (%) (%) (%) CRESCIMENTO DO VOLUME DE IMPORTAÇÃO

Leia mais

Exercícios de Segunda Revolução Industrial e Imperialismo

Exercícios de Segunda Revolução Industrial e Imperialismo Exercícios de Segunda Revolução Industrial e Imperialismo 1. Dentre as realizações da Era Meiji (Era das Luzes), desencadeada pelo imperador Mitsu-Hito objetivando modernizar o Japão para competir em condições

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Senso crítico e capacidade de contextualização 1

PLANO DE ENSINO. Senso crítico e capacidade de contextualização 1 PLANO DE ENSINO CURSOS: ADMINISTRAÇÃO SÉRIE: 1 o Semestre DISCIPLINA: Economia e Negócios. CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04hs/aula semanais CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 80hs/aula I EMENTA A disciplina apresenta noções

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A busca por oportunidades iguais de trabalho e renda entre homens e mulheres é o foco de discussão entre grupos feministas em todos os países. A discriminação no campo de

Leia mais

Grandes Navegações IDADE MODERNA

Grandes Navegações IDADE MODERNA IDADE MODERNA Grandes Navegações Na medida em que os Estados modernos iam se consolidando, os reis e a burguesia trataram de empreender novas atividades lucrativas, na busca de mercados e produtos que

Leia mais

SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE

SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE Emilio Tostão e David Tschirley UEM e MSU Apresentado no Instituto de Investigação

Leia mais

CAPITULO 11. A intervenção do Estado na Economia. Funções e organização do estado A intervenção do estado na economia

CAPITULO 11. A intervenção do Estado na Economia. Funções e organização do estado A intervenção do estado na economia CAPITULO 11 A intervenção do Estado na Economia Funções e organização do estado A intervenção do estado na economia Funções e organização do Estado O Estado é a forma que a organização do poder politico

Leia mais

9 Ano Lista de Exercícios

9 Ano Lista de Exercícios 9 Ano Lista de Exercícios 1- A Revolução industrial foi um conjunto de mudanças que aconteceu na Europa nos séculos XVIII e XIX. A principal particularidade dessa revolução foi a substituição da manufatura

Leia mais

Organização da Disciplina. Economia do Turismo. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Seis aulas. Temas de estudo

Organização da Disciplina. Economia do Turismo. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Seis aulas. Temas de estudo Organização da Disciplina Economia do Turismo Aula 1 Prof. Pedro Monir Rodermel Seis aulas Temas de estudo História do pensamento econômico Funcionamento do mercado Organização da Aula Estruturas de mercado

Leia mais

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO

IDADE MODERNA O ABSOLUTISMO ABSOLUTISMO Prof. Tácius Fernandes DEFINIÇÃO: Regime político em que os reis possuem o poder absoluto sobre suas nações (concentração de poderes nas mãos dos reis. Transição entre o feudalismo e o capitalismo.

Leia mais

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE

SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE Emilio Tostão e David Tschirley UEM e MSU Apresentado no Conselho Técnico do

Leia mais

Revolução Industrial Professor Fernando Benevides

Revolução Industrial Professor Fernando Benevides Revolução Industrial Professor Fernando Benevides REVOLUÇÃO: toda e qualquer transformação radical que atinja drasticamente os mais variados aspectos da vida de uma sociedade. Modo de produção Artesanal

Leia mais

Segunda Revolução Industrial e o Fordismo

Segunda Revolução Industrial e o Fordismo 1. (UFSM) Assim como a industrialização se propagou para o resto do mundo, também a terceira revolução técnico-científica age sobre todo o planeta. Assinale verdadeira (V) ou falsa (F) nas alternativas

Leia mais

1. Uma sociedade anacrónica

1. Uma sociedade anacrónica 1. Uma sociedade anacrónica 2.1. A França nas vésperas da Revolução Antigo Regime sociedade de ordens e de privilégios da nobreza e do clero Rei: Luís XVI nobreza: propriedade (e rendas) de ¼ das terras

Leia mais

20 metros de linho = 1 casaco 20 metros de linho = 10 quilos de chá 20 metros de linho = 40 quilos de café 20 metros de linho = 1 quarta de trigo

20 metros de linho = 1 casaco 20 metros de linho = 10 quilos de chá 20 metros de linho = 40 quilos de café 20 metros de linho = 1 quarta de trigo 2 MOEDA: IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES DO DINHEIRO NA ECONOMIA CAPITALISTA A. INTRODUÇÃO O dinheiro é uma preocupação prática presente em quase todos os momentos de nossa vida, pois vivemos em uma sociedade organizada

Leia mais

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização e Internacionalização 1 Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização A globalização é um processo de interação e integração entre as pessoas, empresas e governos de diferentes nações. Processo

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 1: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 1: Agregados Macroeconômicos Aula 1: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. 04/07/2010 Caderno de prova Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções 1. Verifique se você

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO DRAWBACK PARA A SUSTENTABILIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGOS DO BRASIL

CONTRIBUIÇÃO DO DRAWBACK PARA A SUSTENTABILIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGOS DO BRASIL ANAIS CONTRIBUIÇÃO DO DRAWBACK PARA A SUSTENTABILIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGOS DO BRASIL DJD TALAMINI1*; GN SCHEUERMANN1; RA DA SILVA2; JI DOS SANTOS FILHO 1 Pesquisadores da Embrapa Suínos e Aves,

Leia mais

Capítulo 14: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Processo de Substituição de Importações

Capítulo 14: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Processo de Substituição de Importações Capítulo 14: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Processo de Substituição de Importações Introdução A crise dos anos 30 foi um momento de ruptura ou transformação estrutural na Economia Brasileira.

Leia mais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais 1 São Paulo, 03 de novembro de 2011 Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais NOTA À IMPRENSA Ao contrário do que ocorreu em setembro, quando 09 cidades registraram queda no preço dos gêneros

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Economia no Brasil Colonial

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Economia no Brasil Colonial Conteúdo: Economia no Brasil Colonial Habilidades: Analisar a produção açucareira como primeiro ciclo econômico no Brasil Colonial. Estabelecer as formas distintas de resistência da mão de obra escrava.

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS RENATA ELIAS DE OLIVEIRA MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) POUSO ALEGRE-MG 2015 FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS RENATA ELIAS DE OLIVEIRA MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

Leia mais

Visão. O efeito China sobre as importações brasileiras. do Desenvolvimento. nº 89 20 dez 2010

Visão. O efeito China sobre as importações brasileiras. do Desenvolvimento. nº 89 20 dez 2010 Visão do Desenvolvimento nº 89 20 dez 2010 O efeito China sobre as importações brasileiras Por Fernando Puga e Marcelo Nascimento Economistas da APE País asiático vende cada vez mais produtos intensivos

Leia mais

Economia Internacional I

Economia Internacional I Economia Internacional I Capítulo 6 Que Política Comercial? Este capítulo analisa as políticas e os instrumentos de política que os governos adoptam para gerir as suas relações comerciais externas; O enquadramento

Leia mais

Índice. Fetichismo da mercadoria. A vida. As classes sociais Mais-valia. Materialismo histórico. Comunismo. Estrutura e superestrutura ALIENAÇÃO

Índice. Fetichismo da mercadoria. A vida. As classes sociais Mais-valia. Materialismo histórico. Comunismo. Estrutura e superestrutura ALIENAÇÃO karl marx Índice A vida Materialismo histórico Estrutura e superestrutura As classes sociais Mais-valia ALIENAÇÃO Fetichismo da mercadoria Comunismo Karl Heinrich Marx (1818-1883) foi o terceiro dos 7

Leia mais

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Unidade I ECONOMIA E MERCADO Apresentação Inúmeras questões econômicas: preços; desemprego; salários; câmbio; taxa de juros; impostos. Conceito de economia oikos (casa) do grego:

Leia mais

Os Projetos Estratégicos das Forças Armadas: contribuição ao desenvolvimento nacional.

Os Projetos Estratégicos das Forças Armadas: contribuição ao desenvolvimento nacional. DEPARTAMENTO DA INDÚSTRIA DE DEFESA COMDEFESA FIESP Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Os Projetos Estratégicos das Forças Armadas: contribuição ao desenvolvimento nacional. Sergio Vaquelli

Leia mais

2.2 - Acordos Comerciais Bilaterais

2.2 - Acordos Comerciais Bilaterais 5 2.2 - Acordos Comerciais Bilaterais Os acordos comerciais bilaterais vigentes no Brasil têm como ponto de referência o Tratado de Montevidéu, de 12 de agosto de 1980, que criou a ALADI. A estratégia

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 29, DE 2007 (Apensos os Projetos de Lei nº 70, de 2007, nº 332, de 2007, e nº 1.908, de 2007) (Do Sr. Jorge

Leia mais

É o conjunto de fatores que engloba e coloca em relação atividade a humana de trabalho, o meio ambiente em que se dá a atividade, as prescrições e as

É o conjunto de fatores que engloba e coloca em relação atividade a humana de trabalho, o meio ambiente em que se dá a atividade, as prescrições e as É o conjunto de fatores que engloba e coloca em relação atividade a humana de trabalho, o meio ambiente em que se dá a atividade, as prescrições e as normas que regulam tais relações, os produtos delas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: INTRODUÇÃO À ECONOMIA Código: ADM 140 Pré-requisito: Período Letivo: 2013.1 Professor: Wivaldo

Leia mais

10 anos de câmbio flutuante no Brasil. Senhoras e senhores,

10 anos de câmbio flutuante no Brasil. Senhoras e senhores, 10 anos de câmbio flutuante no Brasil Senhoras e senhores, 1. É uma honra participar hoje desta cerimônia que comemora o 10 o aniversário do regime de câmbio flutuante no Brasil. Ontem, dia 18 de janeiro,

Leia mais

Dez princípios da Economia

Dez princípios da Economia LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 1 DEZ PRINCÍPIOS DA ECONOMIA Mankiw, N. Gregory Introdução à Economia: princípios de micro e macroeconomia, 2ª Edição. Rio de Janeiro, Editora Campus Ltda, 2001 COMO AS PESSOAS

Leia mais

Luís Figueiredo. Unit Business Director and International Business Development. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique

Luís Figueiredo. Unit Business Director and International Business Development. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique Luís Figueiredo Unit Business Director and International Business Development 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique "Um electrão um sorriso" O impacto social das infraestruturas eléctricas

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO AOS DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS

O DIREITO DE ACESSO AOS DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS SEMINÁRIO TEMÁTICO O DIREITO DE ACESSO AOS DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS 1 JUSTIFICAÇÃO: I. O vocábulo transparência está na moda. É fácil validar esta afirmação basta comprar um jornal generalista (em qualquer

Leia mais

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 46 DESCOLONIZAÇÃO: ANTECEDENTES

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 46 DESCOLONIZAÇÃO: ANTECEDENTES HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 46 DESCOLONIZAÇÃO: ANTECEDENTES Fixação 1) (UFV) Diante da polarização internacional entre os EUA e a URSS, vários representantes de Estados da África e da Ásia, entre os quais

Leia mais

SEMINÁRIO: TRANSPORTE MARÍTIMO ALARGAR HORIZONTES SECTOR MARÍTIMO-PORTUÁRIO NO LIMIAR DE UMA NOVA ERA?

SEMINÁRIO: TRANSPORTE MARÍTIMO ALARGAR HORIZONTES SECTOR MARÍTIMO-PORTUÁRIO NO LIMIAR DE UMA NOVA ERA? SEMINÁRIO TRANSPORTE MARÍTIMO ALARGAR HORIZONTES 2016.03.10 SEMINÁRIO: TRANSPORTE MARÍTIMO ALARGAR HORIZONTES SECTOR MARÍTIMO-PORTUÁRIO NO LIMIAR DE UMA NOVA ERA? 1 ENQUADRAMENTO GERAL Globalização e interdependência

Leia mais

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências.

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências. Migrações - Mobilidade Espacial Externas, internas, causas e consequências. Classificação Internas: dentro de um país. Externas: de um país para outro. De retorno: de volta ao país de origem Imigração:

Leia mais

Os tipos de Mercantilismo

Os tipos de Mercantilismo 5 (FGV) O Mercantilismo correspondeu a a) um conjunto de práticas e ideias econômicas baseadas em princípios protecionistas. b) uma teoria econômica defensora das livres práticas comerciais entre os diversos

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2ª Série Data: / 06 / 2016 Professor: Gabriel e Marcelo 2º Bimestre Nota: (Valor 1,0) A Introdução: Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO PORTO DE SANTOS SOBE PARA 30,8% NA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA

PARTICIPAÇÃO DO PORTO DE SANTOS SOBE PARA 30,8% NA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Página 1 de 6 Atualizado às 11:04, 28-04-2016 Pesquisar... h cib ENTRAR Destaques Licenciamento ambiental pode deixar de existir Notícias Portos e logística PARTICIPAÇÃO DO PORTO DE SANTOS SOBE PARA 30,8%

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto Macroeconomia Prof. Regis Augusto Ely Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Fevereiro 2013 1 Componentes do produto O dispêndio total de uma economia corresponde à demanda agregada,

Leia mais

A Queda da Monarquia. Portugal: os antecedentes do 5 de Outubro de 1910

A Queda da Monarquia. Portugal: os antecedentes do 5 de Outubro de 1910 A Queda da Monarquia Portugal: os antecedentes do 5 de Outubro de 1910 M Filipe Sousa 2012 Da Monarquia As Cortes A Monarquia Constitucional à República A Crise e a Queda da Monarquia Momentos na caminhada

Leia mais

Profa. Alicia Ruiz Olalde

Profa. Alicia Ruiz Olalde Profa. Alicia Ruiz Olalde Comércio Internacional O conjunto de relações comerciais estabelecidas pelos países entre si, por meio das quais buscam satisfazer suas necessidades. Por que os países comerciam

Leia mais

Administração Teoria Geral da Administração Aula II

Administração Teoria Geral da Administração Aula II Administração Teoria Geral da Administração Aula II Bibliografia Básica CHIAVENATO, I. Administração teoria, processo e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. PANKAJ, Ghemawat. A Estratégia e o Cenário

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil Independência do Brasil 1. Introdução Por volta de 1820 os ventos da liberdade sopravam na América do Sul.Muitas colônias espanholas tinham ficado independentes. As que não tinham independência estavam

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação e Desemprego Profa. MS Juliana Flávia Palazzo da Costa Conceito de inflação pode ser definida como o aumento contínuo, persistente e generalizado do nível de preços. Quando o problema se torna crônico

Leia mais

Movimento bandeirante (séc XVII):

Movimento bandeirante (séc XVII): 1. O CICLO DO OURO Século XVIII. MG, MT, GO Movimento bandeirante (séc XVII): Bandos armados que percorriam o interior do país em busca de riquezas. Origem: São Vicente (São Paulo). Tipos de bandeiras

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

Evolução Regional das Importações de Bens de Consumo

Evolução Regional das Importações de Bens de Consumo Evolução Regional das Importações de Bens de Consumo Tabela 1 Importações brasileiras totais e de bens de consumo As importações de bens de consumo, embora persistam, em termos absolutos, em patamar inferior

Leia mais