Resoluções das atividades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resoluções das atividades"

Transcrição

1 Resoluções das atividades Sumário Capítulo 12 Expansão marítima e comercial europeia...1 Capítulo 13 Fim da Idade Média e Renascimento cultural...2 Capítulo 14 Reformas religiosas, Antigo Regime e absolutismo...3 Capítulo 12 Expansão marítima e comercial europeia Atividades para sala 01 Entre os fatores que contribuíram para o impulso das Grandes Navegações, pode-se citar os seguintes: o mercado europeu vivia em função dos mercadores de Gênova e de Veneza, que possuíam o monopólio dos produtos e, por isso, atribuíam valores muito altos às especiarias, logo, Portugal e Espanha queriam negociar diretamente com as Índias Orientais. Além disso, com a tomada de Constantinopla pelos turcos, em 1453, era necessário encontrar novos caminhos para fazer contato com os comerciantes da Ásia. Também incentivado pela Renascença, o ser humano passou a ter novas ideias sobre o mundo, entre elas a crença de que a Terra é redonda. As coroas portuguesa e espanhola também viam nas grandes navegações a chance de conquistar novos impérios, colonizar novas terras e, consequentemente, extrair os recursos que elas poderiam oferecer, principalmente o ouro e outros metais preciosos. 02 A Escola de Sagres foi, supostamente, uma escola de navegadores em que havia a formação náutica e o aprimoramento de técnicas de navegação. Dela participaram ainda cartógrafos, astrônomos, astrólogos e muitos outros cientistas. 03 As discussões sobre a navegação, a excelente posição geográica e a ausência de conlitos militares foram propícias para que Portugal saísse à frente nas navegações. 04 O mercantilismo foi um sistema vigente entre os séculos XV e XVII que consistia na intervenção do Estado na economia para promover a prosperidade social e econômica, principalmente. Entre seus principais aspectos, iguram o metalismo, a balança comercial favorável, o colonialismo e protecionismo alfandegário. 05 A Igreja propagava abertamente o seu medo do desconhecido e, assim, não estimulava as navegações, disseminando os temores do mar entre o homens, os quais variavam de acordo com o século. Devido ao baixo conhecimento da população, essas histórias inventadas eram tidas como verdadeiras. 01 A 02 C 03 D 04 D 05 D Atividades propostas O pioneirismo ibérico nas grandes navegações desbravou os oceanos. Muito embora fossem grandes os obstáculos e os desaios. Muitas embarcações se perderam no contexto desse processo. As navegações portuguesas constituíram um evento inserido em um contexto maior, a corrida mercantilista, que almejava novos mercados para os Estados europeus. Dizer que o sacrifício dos navegantes portugueses foi bastante recompensado, já que Portugal se tornou a nação hegemônica da Europa por longo tempo, seria uma incoerência pelo fato de a liderança portuguesa, bem como o seu império, terem sido contestados. Evidente que, dentre os pontos conquistados pelas Grandes Navegações portuguesas, pode-se mencionar o Brasil e o oriente indiano. A utilização de elementos tecnológicos para garantir a divisão das conquistas e dos limites para cada uma das potências ibéricas, pioneiras nas Grandes Navegações, foi também materializada pelo Tratado de Tordesilhas. O pioneirismo português esteve associado à denominada Revolução de Avis, o que possibilitou um centralismo precoce, estimulando o processo de expansão ultramarina, que levaria às conquistas no Oriente, além da ocupação e do desenvolvimento econômico da América portuguesa. O Tratado de Tordesilhas demarcava a divisão dos limites de exploração ultramarina entre Portugal e Espanha. Com esse acordo, Portugal conseguia fazer com que a Espanha sua principal concorrente nas navegações não ameaçasse sua hegemonia. 06 A O mercantilismo, no plano político, era ancorado nos Estados absolutistas e zelava pela construção de impérios coloniais. 1

2 LIVRO 4 07 B A descoberta da América, em 1492, demonstra um marco elaborado pelos europeus para formalizar um ato de conquista e início do processo de exploração, desconsiderando que os verdadeiros descobridores eram os nativos, que foram assolados pelos conquistadores europeus. Essa classiicação de descoberta da América é uma representação da historiograia tradicional e, na atualidade, já foi submetida a um exame crítico. 03 A burguesia enriquecida ansiava pelo prestígio social e político; o comércio envolvendo o Oriente e o Ocidente fez com que o contato com outros povos proporcionasse o intercâmbio cultural, logo, a absorção de novos pensamentos e costumes. 04 No início a Igreja era contrária ao Renascimento cientíico mas, aos poucos, teve que aceitar o movimento, chegando, inclusive, a patrociná-lo por meio do mecenato. 08 E 09 E O mercantilismo foi caracterizado pela defesa do monopólio, o protecionismo e a balança comercial favorável, estando, inclusive, fundamentado no Pacto Colonial com a forte intervenção do Estado na economia. Todas as transformações ocorridas no início da Idade Moderna se relacionam com a concentração de poder nas mãos dos reis, ou seja, as monarquias nacionais absolutistas. 05 Trecentista Quatrocentista Quinhentista Figuras com aspectos humanos Individualidade Ênfase no Classicismo Realismo Pensamento político moderno Mescla entre o sacro e o profano Uso da língua italiana Simbolismo Valorização da beleza 10 A A ideia central do mercantilismo era garantir o enriquecimento da Coroa. Como, na época, o poder econômico de um Estado era medido por meio da quantidade de metais preciosos que este detinha, algumas medidas foram adotadas para evitar a saída do ouro, prata e outro tipo de moeda: balança comercial favorável, no qual o governo aumentava o nível de exportação e diminuía o de importação para reter a saída de metais; além disso, a metrópole exercia um monopólio com a colônia a metrópole impedia de a colônia fazer qualquer tipo de negócio com outras nações. Então, a metrópole comprava matéria-prima a baixo custo, revendendo a altos valores no mercado europeu, e vendia manufaturas à colônia com preços mais elevados. Capítulo 13 Fim da Idade Média e Renascimento cultural Atividades para sala 01 O Renascimento foi um movimento em que se colocou em questão alguns conceitos presentes na Idade Média e se criou novas formas de ver o mundo. Entre suas características, podem ser citadas o humanismo, uma ilosoia em que o homem é colocado como a medida de todas as coisas, dotado de sabedoria e capaz de realizar grandes feitos; o antropocentrismo, que complementava o humanismo e sugeria que o homem deve estar no centro do universo; e o racionalismo, no qual a razão é o motor de todas as coisas, e não a fé, como se pregava até então. 02 Mecenato era a ajuda econômica dada pela burguesia, pelos setores da nobreza ou até mesmo pela Igreja Católica aos artistas e estudiosos renascentistas. 01 D 02 B 03 E 04 C Atividades propostas Analisando o Renascimento, entende-se que representou um movimento cultural nas artes, letras, ilosoia, música e ciências, iniciado no século XIV e estendendo-se até o século XVI, tendo relevante inluência na Revolução Cientíica do século XVII e na ocorrência do Iluminismo no século XVIII. Os princípios defendidos pelo Renascimento inspirados na Antiguidade Clássica são racionalismo, individualismo, naturalismo e antropocentrismo, contrapondo-se aos valores medievais baseados no teocentrismo. O Renascimento teve um caráter heterogêneo, alcançando diferentes territórios e associando-se a tendências regionais, havendo destaque nos campos das artes e das ciências. O amplo desenvolvimento comercial e urbano da Itália favoreceu a utilização do capital mercantil para a ação do mecenato (investimento em obras de arte). Dentre os princípios que nortearam o Renascimento, pode-se elencar: racionalismo, experimentalismo, antropocentrismo, individualismo, humanismo e retorno ao Classicismo greco-romano. O humanismo buscava inspiração na Antiguidade Clássica e apresentava o homem como personagem principal na construção dos saberes, do pensamento, das artes e do mundo como um todo, indicando a abertura de uma nova maneira de pensar a vida na Europa. 2

3 05 C 06 B Os humanistas romperam com a tradição teocêntrica medieval, inluenciando o desenvolvimento de uma nova mentalidade, que estimulou o nascimento do homem moderno. Os humanistas fundamentavam o seu estudo na pesquisa aplicada à Antiguidade Clássica, expressando a convicção de que a mesma seria o ponto de partida para a retomada da produção artística, esquecida em tempos anteriores. 07 A A visão de que a Idade Média foi uma Idade das Trevas é preconceituosa e ultrapassada, pois ela produziu conhecimentos e valores importantes para o avanço da humanidade. 08 B 09 C 10 A A transição do século XIV até o XVI foi caracterizada pela conjuntura de crise do sistema feudal, evidenciada pela rebelião dos servos, pelo enfraquecimento dos senhores feudais e pelo crescimento da burguesia, permitindo a arquitetura do cenário que levaria à centralização dos Estados europeus, em simultaneidade à construção de um discurso competente para a adoção de modelos políticos centralizados que garantissem estabilidade política para o crescimento econômico. O experimentalismo foi um importante fundamento que lançou as bases efetivas para o Renascimento cientíico no século XVII. A Revolução Cientíica do século XVII, orientada pelo racionalismo e pelo experimentalismo, representou um marco para a produção cientíica intelectual moderna, fortalecendo as transformações que marcaram o Renascimento. Também veio estimular a construção de uma mentalidade crítica que destruía a mentalidade teocêntrica feudal e impulsionava o Iluminismo. Capítulo 14 Reformas religiosas, Antigo Regime e absolutismo Atividades para sala pág As mudanças ocorridas na transição da Idade Média para a Idade Moderna traziam novas ideias à sociedade, principalmente aos reis e à burguesia, que estava se conigurando. Em decorrência das interações comerciais, novos valores culturais eram inseridos na Europa, que colocavam em juízo a hegemonia da Igreja Católica, detentora de grandes riquezas na época. Aliada a isso, a população, bem como os próprios religiosos, encontrava-se descontente com os casos de cor- 01 E 02 A 03 B 04 B rupção na Igreja, com o poder exercido sobre a sociedade e até sobre os reis e com as práticas condenáveis que a Cúria fazia uso, como a simonia e as indulgências. Diante deste cenário, personagens como Lutero, Calvino e Henrique VIII viraram-se contra Roma, contestando-a e fundando novas religiões que não mais se submetessem à autoridade eclesiástica romana. 02 Martinho Lutero era contrário ao dinheiro, pregava a livre interpretação da Bíblia e aceitava apenas dois sacramentos: o batismo e a eucaristia. 03 Para a burguesia, a predestinação implicava a aceitação do lucro justo e o entendimento que a riqueza era sinal da providência divina. 04 O luteranismo pregava a salvação pela fé; o calvinismo acreditava na predestinação absoluta; já a Igreja Católica apregoava a salvação pela fé e o comprometimento com as propostas eclesiásticas. 05 O Concílio de Trento pôs im à venda de indulgências, adotou os seminários, criou a Lista dos livros proibidos e estabeleceu o Tribunal do Santo Ofício, passando a perseguir hereges, conjugando-os e até condenando-os à morte. Também foi parte do projeto a difusão da fé católica por outros continentes (África e América) por meio das ordens religiosas. Atividades propostas pág. 32 Indulgência era a venda do perdão pela Igreja Católica Medieval. A simonia representava o comércio de relíquias, cargos, perdão, dentre outras concessões. As contradições existentes entre a expansão do capitalismo comercial e o conservadorismo clerical eram um entrave para o crescimento da burguesia. O humanismo e o Renascimento foram movimentos intelectuais e artísticos, inspirados na Antiguidade Clássica, que valorizavam a observação da natureza e seu estudo. A reforma luterana se identiicou com os componentes da aristocracia e não com as camadas populares. A reforma calvinista foi orientada pela moral burguesa, defendendo o trabalho e o lucro, constituindo a base para o capitalismo comercial no século XVI. A reação da Igreja Católica, denominada Contrarreforma, reairmou os dogmas da fé católica. 3

4 LIVRO 4 05 V, F, V, V, F 06 B 07 E 08 E 09 E 10 E O calvinismo representou o fundamento doutrinário para o capitalismo no século XVI. O luteranismo fazia oposição às indulgências, determinando severas críticas ao catolicismo romano. O Ato de Supremacia uniicava poderes nas mãos de Henrique VIII. A Igreja Católica reagiu ao movimento protestante com a Contrarreforma. O reformismo na Alemanha fracionou os Estados entre católicos (sul) e protestantes (norte). A fragmentação do Sacro Império pela ascensão das monarquias absolutistas e a ampliação das traduções da Bíblia foram marcos importantes para os avanços do protestantismo nos campos político e cultural. O calvinismo representou a base doutrinária para o capitalismo comercial no século XVI, pois apregoava o trabalho como indicador do ser humano e o acúmulo de riquezas como sinal de salvação. A Contrarreforma foi o movimento de combate ao avanço do protestantismo e as principais medidas foram estabelecidas pelo chamado Concílio de Trento. O Concílio de Trento buscou propagar as ideias católicas, defendendo uma educação religiosa e estimulando a ação da catequese realizada pelos religiosos da Companhia de Jesus. O movimento da Reforma Protestante iniciou-se devido, principalmente, às críticas que a Igreja Católica vinha sofrendo por conta da corrupção do clero no contexto de ascensão do Absolutismo e da burguesia. A partir dele, luteranismo, calvinismo e anglicanismo (novas religiões surgidas) espalharam-se pela Alemanha, Holanda e Inglaterra, principalmente. Atividades para sala pág O mercantilismo era a doutrina econômica adotada pelos Estados Absolutistas na Idade Moderna. 02 A airmação faz referência à política do chamado Estado Absolutista, que atribuía plenos poderes ao monarca francês, o que ocasionava atitudes arbitrárias por parte dele. 03 De acordo com o absolutismo, a Igreja icava atrelada ao poder do rei, recebendo deste uma renda para sua sobrevivência. 04 O poder local dos senhores feudais e o poder supranacional da Igreja eram os principais obstáculos para a formação dos Estados Nacionais. Justiça real, padronização dos pesos e medidas, impostos reais, moeda nacional, exército nacional permanente e proissional são algumas de suas características. 05 A concentração de poderes está na essência da ideia do absolutismo, na medida em que o governo não faz apenas as leis, mas controla seu cumprimento. Destaca-se ainda a necessidade da força para a manutenção do poder e da ordem constituída, entendida como fundamental para a preservação da nação, impedindo que interesses particulares se sobreponham aos interesses sociais. 01 B 02 A 03 C 04 D 05 D 06 D Atividades propostas pág. 38 O centralismo político e administrativo foi uma máxima dos Estados Modernos no contexto de crise feudal. O avanço das práticas comerciais e a internacionalização das rotas exigia cada vez mais políticas que pudessem adequar a estrutura do Estado ao crescimento econômico e à expansão burguesa por diferentes mercados, em que o próprio Estado se beneiciava com políticas de arrecadação. A tributação era um ingrediente utilizado pelos reis para o fortalecimento dos Estados absolutistas, portanto, os monopólios eram essenciais. O que denomina-se Estado Moderno ou Antigo Regime é o Estado absolutista monárquico e intervencionista. A máxima que amparava o poder dos monarcas residia no direito divino dos reis, no qual o rei era visto como um representante de Deus. Nicolau Maquiavel ( ) defendia uma ação política em que os governantes não estariam regulados às relações morais do passado medieval. O rei deveria conceber uma organização de poder em que o mesmo asseguraria o controle e a segurança sobre o Estado. O príncipe foi sua obra de grande relevância. A consolidação da monarquia nacional absolutista francesa se deu por meio da consolidação da Teoria do Direito Divino dos Reis, de Jean Bodin e Jacques Bossuet. 4

5 07 E O Estado Moderno pode ser caracterizado pela estruturação de uma máquina política administrativa, representada por funcionários reais, dentre eles os integrantes da nobreza, que passaram a ter funções especíicas no aparelho burocrático e político, estratégias da realeza para gerar ocupação e controle para os nobres. 08 D O rei Luís XIV ou Rei Sol é a maior expressão do absolutismo monárquico francês, e sua frase O Estado sou eu é a que melhor deine o Estado absolutista moderno. Para ele, cabia ao rei tomar todas as decisões, inclusive excluindo o Parlamento. 09 A A política externa do governo de Luís XIV foi marcada por enormes gastos impetrados pela política colbertista, no que diz respeito à busca de novas colônias. Com a ocorrência de novas guerras e o elevado custo das Cortes, os cofres franceses vivenciaram um padrão deicitário. 10 C O processo de formação dos Estados Nacionais foi marcado pela centralização política e pelo desenvolvimento das práticas mercantilistas, o que inevitavelmente contribuiu para o processo de desagregação do mundo feudal. 5

6 Resoluções de ENEM e vestibulares 01 D 02 A 03 B 04 B 05 B 06 D A possibilidade de intervenção do Estado na economia era uma questão delicada no interior das monarquias nacionais europeias. Um dos princípios básicos do mercantilismo era a busca por novas fontes de matéria-prima e novos mercados consumidores. Nesse contexto, lançar-se ao mar foi inevitável, então, as viagens nas caravelas eram uma perna do mercantilismo. O catolicismo, perdendo espaço na Europa depois da Reforma Protestante, buscava encontrar/formar novos seguidores, enxergando, nos nativos da América e da África, grandes potenciais para isso. Como as duas primeiras nações a se lançarem ao mar eram fortemente católicas Portugal e Espanha, levaram consigo grupos católicos com o exclusivo dever de catequizar os nativos dos novos continentes. A expansão marítimo-comercial europeia contribuiu, entre outros aspectos, para a alteração da dieta alimentar dos europeus, que passaram a consumir produtos originários do novo mundo. O mercantilismo envolve um conjunto de práticas e teorias econômicas desenvolvidas ao longo da Idade Moderna. Nesse contexto histórico, observa-se a relevante associação entre os Estados Nacionais, que buscavam meios de fortalecer seu poder político, e a classe burguesa, responsável pelo empreendimento das atividades comerciais. O Renascimento signiicou o advento do pensamento cientíico e, consequentemente, uma nova forma de se fazer arte. Valorização do homem como ser racional. Para os renascentistas, o homem era visto como a mais bela e perfeita obra da natureza, tendo capacidade criadora e poder de explicar os fenômenos à sua volta. 08 D 09 E 10 B 11 A 12 A Renascimento e Iluminismo se completam na abordagem do mundo por meio de uma cisão antropocentrista e racional. A Companhia de Jesus foi fundada em 1534, pelo espanhol chamado Inácio de Loyola, no contexto da Contrarreforma. Os jesuítas tornaram-se muitos importantes naquele cenário ao defender o catolicismo diante das novas religiões protestantes. Tiveram papel crucial na catequese dos nativos da América por meio da criação das Reduções, que consistiam em aldeamentos indígenas liderados por jesuítas. No inal do século XVIII, no contexto da ilosoia Iluminista, os jesuítas perderam espaço dentro da Igreja, mas retomaram suas prerrogativas em A maioria das terras alemãs pertenciam à Igreja Católica, e o controle político econômico icava na Espanha. Nobres e burgueses estavam curiosos por poder e riqueza que conseguiriam com o im da dominação da Igreja Católica. O rei Henrique IV foi o primeiro rei da dinastia Bourbon que ascendeu ao trono em meio a disputas religiosas. De formação e líder protestante, Henrique aderiu ao catolicismo quando se tornou rei e adotou uma política que buscava minimizar as disputas, como forma de fortalecer o próprio poder. O Edito de Nantes é visto como sua principal obra, um decreto que, por um lado, oicializou o catolicismo como religião do Estado, por outro, deu direitos e liberdades aos protestantes huguenotes. Muitos ilósofos dessa época desenvolveram teorias e chegaram até mesmo a escrever livros, defendendo o poder dos monarcas europeus. Hobbes vê o Estado como uma ferramenta de proteção mútua da sociedade. Já Maquiavel atribui ao rei o poder de controlar o Estado. 07 E A valorização do homem (antropocentrismo) foi uma das bases fundamentais que deiniram o desenvolvimento dos princípios estruturantes do Renascimento. O experimento foi umas das premissas fundamentais que lançavam o homem ao conhecimento do mundo. Dessa forma, a razão e o conhecimento das coisas se mostraram intimamente vinculadas ao longo desse processo. 1

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO 01) O Estado moderno, que representou o fim das concepções políticas medievais, encontrou vários teóricos. Entre eles merecem destaque Maquiavel,

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude.

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Os Estados Nacionais Modernos e o Absolutismo Monárquico Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Quanto aos reis,

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Yann/Lamarão Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa.

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Habilidade: Identificar os elementos que caracterizaram as transformações sociais e científicas na Europa

Leia mais

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima Prof.ª. Maria Auxiliadora Mudanças no final da Idade Média Política - Nobreza e Clero perdem o poder - Rei centraliza o poder

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 9 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP FINALIDADE: Estudar dois movimentos ocorridos na Europa no início dos tempos

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 História da Educação Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 2 A Educação na Idade Moderna 1. As ideias renascentistas na Educação 2.

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Conceito: O Renascimento foi um movimento importante, de renovação cultural e artística que se originou na Itália no séc. XIV e marcou a mudança da idade Média para a idade Moderna.

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim

Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim 1. Qual das alternativas abaixo apresenta características do Renascimento Cultural? A - Teocentrismo; valorização da cultura egípcia;

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano DICAS DO PROFESSOR História 7º Ano A REFORMA PROTESTANTE AS PRINCIPAIS CRÍTICAS DE LUTERO Vida desregrada; Opulência; Luxo do alto clero; Venda de cargos; Venda de relíquias sagradas; Venda de indulgências.

Leia mais

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja A REFORMA RELIGIOSA A REFORMA, FOI UM MOVIMENTO RELIGIOSO EM OPOSIÇÃO À IGREJA CATÓLICA PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento)

Leia mais

Lista de Exercícios História MODERNA Profº. Bruno Nichel 06/05/2013

Lista de Exercícios História MODERNA Profº. Bruno Nichel 06/05/2013 Lista de Exercícios História MODERNA Profº. Bruno Nichel 06/05/2013 1. O Renascimento, amplo movimento artístico, literário e científico, expandiu-se da Península Itálica por quase toda a Europa, provocando

Leia mais

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal.

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. Conteúdo para recuperação do I Semestre I Bimestre II Bimestre 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. As Reformas Religiosas; A África. Feudalismo; Sistema político, econômico e social que se formou

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

(GABARITO NO FINAL DE CADA EXERCÍCIO)

(GABARITO NO FINAL DE CADA EXERCÍCIO) (GABARITO NO FINAL DE CADA EXERCÍCIO) Entre os séculos XII e XV inicia-se a decadência do sistema feudal clássico. É neste período que se inicia a centralização da política onde os poderes passam a se

Leia mais

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES Capítulo 6 RENASCIMENTO CULTURAL 1. O Renascimento surgiu primeiro na região onde hoje é a Itália. Sobre as razões para que o movimento renascentista europeu se iniciasse na Península Itálica afirmamos

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 1. Relacione as colunas a seguir, que apresentam algumas inovações tecnológicas utilizadas a partir do século X. (a) Moinho de

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA IDADE ANTIGA CULTURA GRECO-ROMANA ANTROPOCÊNTRICA ANTROPO = Homem CÊNTRICA = centro

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

Reforma Protestante e Contrarreforma

Reforma Protestante e Contrarreforma Reforma Protestante e Contrarreforma Causas As pessoas que não corcondavam com o comportamento do alto e baixo clero e com a maneira que a Igreja era conduzida. Corrupção do clero religioso: para ganhar

Leia mais

Prof.: Thiago Oliveira

Prof.: Thiago Oliveira Prof.: Thiago Oliveira O Renascimento foi um conjunto de transformações (Sociais, Econômicas, Políticas, Religiosas, Científicas e Artísticas) ocorridas na Europa a partir do Séc. XI, tendo seu auge durante

Leia mais

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra)

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Apresentamos um conjunto de 8 PowerPoint que abordam todos os conteúdos programáticos e das Metas Curriculares do 8.º ano. Estes obedecem

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

História_A. Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19

História_A. Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19 História_A Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19 O tema fucal deste trabalho é a Reforma protestante, onde irei abordar os seguintes subtópicos: Os motivos que levaram ao surgimento desta

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira

RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira Definição: Movimento científico e científico ocorrido na Europa durante a transição entre as idades Média e Moderna. Fatores: A expansão marítima e o renascimento

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014

Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014 Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014 Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Disciplina de História Ano:8º Temas Conteúdos Conceitos E : Expansão e Mudança

Leia mais

FEUDALISMO PROF. OTTO TERRA

FEUDALISMO PROF. OTTO TERRA FEUDALISMO DIVISÃO HISTÓRICA ALTA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA Inicia-se no século V até o século X; Inicia-se no século XI até o século XV; Acentua-se as principais características do feudalismo; Apresenta

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Análise das diferentes abordagens historiográficas acerca da transição das sociedades medievais européias ao capitalismo. Formação do Antigo Regime e surgimento do paradigma do homem moderno:

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL

Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL OBS:CÓPIA DO ÍTEM CORRETO JUSTIFICADO. Absolutismo - Questões de Vestibulares

Leia mais

O surgimento do Mundo Moderno

O surgimento do Mundo Moderno Módulo 2 Unidade 4 O surgimento do Mundo Moderno Para início de conversa... Você já viu ou ouviu propagandas que atribuem a qualidade de moderno para um produto ou serviço? Um supermercado moderno e eficiente,

Leia mais

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Professora: Marcela Szymanski Disciplina: História Série: 7º B, E 1º Trimestre. Conteúdo Estruturante

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: ASSUNÇÃO, P. Negócios Jesuíticos: O cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. 512 p. por Flávio Massami Martins Ruckstadter Mestrando

Leia mais

EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO. Expansão Marítima

EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO. Expansão Marítima EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO Expansão Marítima Muitas expedições europeias não retornavam. Isto alimentava o imaginário dos europeus de que o oceano estaria repleto de criaturas místicas,

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

A Revolução Puritana

A Revolução Puritana A Revolução Puritana O que foi a Revolução Puritana A Revolução Puritana, ocorrida na Inglaterra entre 1641 e 1649, originou pela primeira vez a constituição de uma República (1649-1658) em solo inglês.

Leia mais

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CNPJ: 13.911.052/0001-61 e Inscrição Municipal

Leia mais

Prof. Alexandre Goicochea História

Prof. Alexandre Goicochea História FRANCO Merovíngia Carolíngio ISLÂMICO Maomé Xiitas (alcorão) e Sunitas (suna e alcorão) BIZÂNTINO Justiniano Igreja Santa Sofia Iconoclastia Monoticismo (Jesus Cristo só espírito) Corpus Juris Civilis

Leia mais

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS ALTA IDADE MÉDIA É costume dividir o período medieval em duas grandes fases: a Alta Idade Média, que se estende do século V ao século XI e a Baixa Idade Média, do século XII ao século XV. A primeira fase

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Apostila de História. Enem no Belém. Nome:

Apostila de História. Enem no Belém. Nome: Apostila de História Enem no Belém Nome: 2015 Do Feudalismo ao Capitalismo Por volta do século XII, com a desintegração do feudalismo, começa a surgir um novo sistema econômico, social e politico. Denominado

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia

Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia A Crise Européia dos Séculos XIV e XV - fatores - econômicos - monopólio do comércio Veneza / falta de metais - políticos - Guerra dos Cem Anos - naturais - peste

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA Ano Letivo 2014/2015 I - AVALIAÇÃO: Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora 1. Domínios de avaliação, parâmetros e ponderações I Domínio dos Conhecimentos

Leia mais

GABARITO. Sobre o cálculo da nota

GABARITO. Sobre o cálculo da nota GABARITO Prezado estudante este gabarito tem o intuito de delinear as respostas de sua prova e principalmente servir como guia para seu estudo. Entendemos que a prova da Famema é, normalmente, uma prova

Leia mais

Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa 05/09/2012

Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa 05/09/2012 Rompimento da Unidade da Igreja Católica devido ao surgimento de novas religiões. ORIGEM Martinho Lutero, em 1517, rompeu com o Papa Leão X por causa da venda das indulgências. Publicou as 95 Teses em

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

Reformas religiosas Reforma protestante

Reformas religiosas Reforma protestante Reformas religiosas Reforma protestante Durante a Idade Média, o poder tanto político quanto econômico estava nas mãos da Igreja Católica. Contrariando alguns ensinamentos do cristianismo tradicional,

Leia mais