Doutoramento em História e Filosofia das Ciências

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doutoramento em História e Filosofia das Ciências"

Transcrição

1 Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências Percursos da Física e da Energia Nucleares na Capital Portuguesa. Ciência, Poder e Política, Maria Júlia Neto Gaspar Doutoramento em História e Filosofia das Ciências 2014

2

3 Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências Percursos da Física e da Energia Nucleares na Capital Portuguesa. Ciência, Poder e Política, Maria Júlia Neto Gaspar Tese orientada pela Professora Doutora Ana Isabel da Silva Araújo Simões, especialmente elaborada para a obtenção do grau de doutor em História e Filosofia das Ciências 2014

4

5 Agradecimentos Esta dissertação só foi possível devido ao incentivo da minha supervisora, Profª. Doutora Ana Simões, desde a primeira hora. Nos momentos mais difíceis, a sua concepção da história da ciência e o seu aconselhamento permitiram contornar obstáculos e abrir caminho à ultrapassagem dos impasses. Em situações de divergência inicial a discussão foi estimulante e contribuiu para o esclarecimento das minhas ideias. A Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências (SAHFC) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), foi o meu local de trabalho quando, em 2006, procedi a uma viragem no meu percurso profissional, das ciências físico-químicas no ensino secundário para a história das ciências. Nos caminhos da história tive como primeiro objectivo o mestrado, inspirada pelos ensinamentos da Prof. Doutora Ana Simões, do Doutor Henrique Leitão e da Doutora Marta Lourenço. O meu percurso foi também acompanhado, desde estes primeiros tempos, pelo Doutor Tiago Saraiva que, além disso, foi arguente da prova de mestrado. Esta ligação manteve-se no período posterior através da participação nos seus projectos da FCT, Espaços de Tecnociência e Portugal Nuclear: Física, Tecnologia, Medicina e Ambiente ( ). Terminado o mestrado no final de 2008, fiquei integrada, enquanto membro, no Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), pólo da FCUL, que tem sido a minha casa de acolhimento, dirigido desde sempre pela Profª. Doutora Ana Simões contando com o apoio de vários colaboradores, sendo o principal o Doutor Henrique Leitão. As ligações do CIUHCT a redes nacionais e internacionais permitem a organização das Conferências CIUHCT e dos Seminários HOST, em que os convidados comunicam as suas experiências e os seus conhecimentos conduzindo a discussões em que me senti envolvida embora nem sempre participasse activamente. No entanto, a minha experiência mais gratificante foi a participação no Journal Club por permitir o estudo de trabalhos seleccionados para discussão posterior. Foram seus organizadores Samuel Gessner, Bruno Almeida e Luísa Sousa. Recordo com gratidão os diálogos entre e com colegas como Antonio Sánchez, Conceição Tavares, Daniel Marques, Denise Pereira, Isabel Zilhão, Inês Gomes, Luana Giurgevich, José Alberto Silva, Marta Macedo, Nuno Figueiredo, Pedro Raposo, Ricardo Castro e Teresa Nobre de Carvalho. Foi uma convivência muito enriquecedora em que destaco, em particular Conceição Tavares, Luísa Sousa e Pedro Raposo, os dois últimos também por me terem facilitado o acesso a bibliografia específica. De igual modo, as conferências no estrangeiro foram outra oportunidade de conviver e aprender com Luís Miguel Carolino e Teresa Salomé Mota, bem como com as coordenadoras do CIUCHT, Profªs. Doutoras Ana Simões e Maria Paula Diogo, assim como com a Prof.ª Doutora Ana Carneiro. Na finalização deste trabalho tive o apoio da Catarina Madruga e da Luísa Sousa a quem agradeço. i

6 Foram também as redes internacionais do CIUHCT que permitiram outras experiências no estrangeiro. O II workshop International sobre A comparative study of European Nuclear Energy Programmes from the 1940s until the 1970s, realizado em Barcelona em 2009, foi organizado por Albert Presas i Puig, a quem agradeço a oportunidade valiosa de intercâmbio científico e tecnológico com investigadores de varias nacionalidades. A 8th Laboratory History Conference, organizada por John Krige em Atlanta, EUA, em 2012, foi mais uma imersão num ambiente de investigação, maioritariamente americano. Agradeço o caloroso ambiente de trabalho que John Krige me proporcionou. No ano lectivo de 2009/2010 no curso de Formação Avançada frequentei na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa a disciplina de História Contemporânea (Século XX) de que guardo boas recordações. Em primeiro lugar a aprendizagem que as aulas do Prof. Doutor Pedro Aires Oliveira me proporcionaram sobre a história respondeu à minha necessidade de abrir os meus conhecimentos em história da ciência à história contemporânea nas suas várias componentes. O convívio com vários colegas completou esta minha experiência. O período de preparação do doutoramento foi acompanhado da prestação de provas de que foram arguentes, no primeiro ano o Prof. Doutor Pedro Aires Oliveira, no segundo ano o Prof. Doutor Cândido Marciano da Silva e no terceiro ano a Doutora Marta Macedo. Agradeço-lhes terem aceite os convites e as argumentações que me fizeram reflectir sobre as abordagens dos meus temas e me motivaram para os melhorar. Acompanharam este trabalho investigadores que são também actores neste estudo. Em primeiro lugar agradeço a disponibilidade do Doutor Jaime da Costa Oliveira em partilhar a sua experiência nalgumas das minhas visitas ao Instituto Tecnológico e Nuclear de Sacavém, em Além disso foi também generoso na oferta de documentos do seu espólio. Nos anos seguintes, respondeu sempre às minhas solicitações de leitura de artigos que eu pretendia publicar, fazendo acompanhar essa leitura de anotações por vezes discordantes da minha interpretação. Este intercâmbio foi valioso e não tenho dúvidas que contribuiu para enriquecer o meu trabalho. O Prof. Doutor Cândido Marciano da Silva, presença assídua no CIUHCT também partilhou a sua experiência no Laboratório de Física e Engenharia Nucleares, em diversas ocasiões, encontrando-se sempre disponível para estabelecer contactos, tendo também oferecido alguma bibliografia. Agradeço também as entrevistas, que gravei, concedidas pelos Profs. Doutores António Manuel Baptista e José Carvalho Soares, mas cujos conteúdos não foi oportuno registar nesta tese. No entanto, as Notas Biográficas que o Prof. Doutor António Manuel Baptista me cedeu foram preciosas para o tratamento da informação a seu respeito. Agradeço ainda aos Profs. Doutores Rui Namorado Rosa e Rui Vilela Mendes a resposta aos meus pedidos de informação sobre o seu trabalho. Os arquivos e as bibliotecas são a coluna dorsal de toda a investigação, sendo crucial a colaboração de arquivistas, bibliotecários, directores de bibliotecas e arquivos. O meu primeiro contacto com o tema da energia nuclear foi estabelecido através do Espólio Gibert, no final de 2008, depois de terminada a minha tese de mestrado, intitulada A investigação no Laboratório de Física da Universidade de Lisboa ( ). Por meu intermédio o Espólio Gibert foi cedido pela sua família ao Museu Nacional de História Natural e da Ciência integrado no Arquivo Histórico dos Museus da Universidade de Lisboa e, desde sempre, foi estimulante a colaboração com o Dr. Vítor Gens, responsável pelo Arquivo do Museu de Ciência. Simultaneamente, estabeleci contacto com o Laboratório de Sacavém, tendo sido autorizada pelo presidente do Instituto Tecnológico e Nuclear, Doutor Júlio Martins Montalvão e Silva a consultar o arquivo desta instituição. No trabalho de consulta tive a ajuda inestimável da bibliotecária Luísa Oliveira, que sempre respondeu prontamente a todas as minhas frequentes solicitações. Recentemente foi terminado o inventário completo do arquivo da Junta de Energia Nuclear (JEN), cuja entidade detentora é actualmente o Instituto Superior Técnico. O fundo JEN ficou integrado no Arquivo de Ciência e Tecnologia (ACT). À Dra. Madalena Bourbon ii

7 Ribeiro agradeço os esclarecimentos sobre o acesso aos códigos de referência dos respectivos documentos. No Instituto Camões pude contar com o apoio da Dra. Sandra Boavida na consulta aos processos do Centro de Estudos de Física (CEF) anexo à Faculdade de Ciências de Lisboa e do Centro de Estudos de Física Nuclear anexo ao Instituto Português de Oncologia, assim como dos respectivos investigadores. Complementarmente, a Dra. Paula Meireles facilitou-me o acesso aos processos dos bolseiros do CEF (no país), Fernando Bragança Gil e José Gomes Ferreira que se encontram no fundo do Instituto Nacional de Investigação Científica (INIC), integrado no ACT. À Dra. Carla Santo do Arquivo Central da Presidência do Conselho de Ministros, agradeço a possibilidade de consultar os vários dossiês da Junta de Energia Nuclear que se encontram neste arquivo e constituíram uma fonte importante de dados para a minha tese. No Arquivo Histórico-Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros tive o melhor acolhimento das arquivistas na consulta da volumosa pasta Relações com a Inglaterra respeitantes aos acordos relativos aos Urânio. Aos vários colaboradores do Arquivo Nacional da Torre do Tombo agradeço todas as ajudas que me dispensaram. Foram várias as bibliotecas com que pude contar para o meu trabalho, entre elas a da Faculdade de Ciências de Lisboa e da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, a Biblioteca Central do Ministério das Finanças, a Biblioteca do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, a Biblioteca Museu República e Resistência e a Biblioteca Nacional de Portugal. Finalmente agradeço à FCT as boas condições de trabalho proporcionadas pela atribuição da bolsa de doutoramento SFRH/60458/2009. iii

8 iv

9 RESUMO Os contornos da relação entre ciência e poder político no período da Guerra Fria durante o Estado Novo de António de Oliveira Salazar e do seu sucessor Marcelo Caetano são analisados nesta tese através dos percursos da Física e energia nucleares na capital portuguesa, entre 1947 e Discute-se a construção do panorama científico e tecnológico português desde as contribuições da Física Nuclear experimental investigada no Laboratório de Física da Faculdade de Ciências de Lisboa ao programa nuclear adoptado pelo poder político, no pós II Guerra Mundial, associado a instituições como a Junta de Energia Nuclear e o respectivo Laboratório de Física e Engenharia Nucleares, passando também por espaços como o Centro de Estudos de Física Nuclear anexo ao Instituto Português de Oncologia e o laboratório de radioisótopos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil. O urânio foi o intermediário da internacionalização do programa nuclear português e foi o motor da criação da Junta de Energia Nuclear na dependência da Presidência do Conselho de Ministros e do controlo de Salazar, e chefiada por homens da sua confiança política: José Frederico Ulrich, Leite Pinto e Kaúlza de Arriaga. Mas a produção de energia eléctrica pela via nuclear, desde sempre um objectivo almejado por cientistas e engenheiros, só tardiamente entrou explicitamente nos objectivos da Junta, estando a ser equacionada a instalação de centrais nucleares quando terminava o ano de Ao discutir um caso complexo e fascinante de ciência num período de ditadura argumenta-se que os cientistas, engenheiros e técnicos que trabalharam nestas instituições não contribuíram directamente para a construção do regime ditatorial do Estado Novo, mas inseriram-se em estruturas do Estado que não detinham características necessariamente ditatoriais e que, em alguns casos, foram até criadas na sequência da interacção com organismos internacionais de orientação democrática. Palavras-chave Física e energia nucleares, urânio, Estado Novo, espaços institucionais, circulação e internacionalização v

10 Abstract In this thesis, the relationship between science and political power during the Cold War and the Estado Novo (New State) of António de Oliveira Salazar, and of his successor Marcelo Caetano is analyzed through the lenses of nuclear physics and engineering in the Portuguese capital, in the period between 1947 and The construction of the Portuguese scientific and technological landscape is discussed by focusing on several institutions, from research in experimental nuclear physics in the Physics Laboratory of Lisbon Faculty of Sciences to the nuclear program adopted by the political power in post-world War II associated with institutions such as the Nuclear Energy Board and its Nuclear Physics and Engineering Laboratory. Other spaces are also discussed such as the Center for Nuclear Physical Studies installed at the Portuguese Cancer Institute, and the radioisotope laboratory of Civil Engineering National Laboratory. Uranium was both the mediator of the internationalization of the Portuguese nuclear program, and the driving force behind the creation of the Nuclear Energy Board, which depended directly on the Presidency of the Ministers Council, under the direct control of Salazar. The Board was headed by José Frederico Ulrich, Leite Pinto, and Kaúlza de Arriaga all regime men, politically trusted by Salazar. However nuclear power production, a goal embraced by scientists and engineers since the very beginning, only belatedly became an aim for the Board, to such an extent that the installation of nuclear power plants was still a matter under discussion in By analyzing this complex and fascinating instance of science under dictatorship I argue that scientists, engineers, and technicians did not contribute directly to the construction of the dictatorial regime of Estado Novo, but instead were integrated in state structures which did not reveal necessarily dictatorial features, and in some cases even resulted from networking with international organisms of democratic orientation. Keywords Nuclear physics and engineering, Estado Novo (New State), institutional spaces, circulation and internationalization. vi

11 Índice Introdução... 1 Capítulo 1 A Física experimental no começo da Guerra Fria, Considerações preliminares Fim de uma era A demissão dos investigadores O Centro de Estudos de Física, suas funções e primeiras actividades Um novo ciclo no Laboratório de Física/Centro de Estudos de Física Julio Palacios e a nova liderança do Centro de Estudos de Física Continuidade da investigação em Física Atómica e Nuclear Os projectos de Julio Palacios Do Instituto Português de Oncologia ao Laboratório de Física Um olhar sobre o advento da energia nuclear em Portugal Considerações finais Capítulo 2 Urânio: motor do envolvimento português no nuclear, Considerações preliminares O monopólio anglo-americano dos recursos uraníferos Desentendimento entre britânicos e americanos A corrida ao urânio O Combined Development Trust para gerir o negócio do urânio Salazar e o urânio português A relutância de Salazar em abrir as negociações vii

12 2.3.2 Uma negociação difícil e demorada Propostas de alteração ao acordo Guardar uma grande riqueza para o futuro Lançamento do programa nuclear português Os primeiros passos Leite Pinto e a criação da Comissão de Energia Atómica Viagens e luz verde à Comissão Provisória de Estudos de Energia Nuclear Considerações finais Capítulo 3 A Junta de Energia Nuclear: da emergência à internacionalização, Considerações Preliminares Papel incubador dos Centros de Estudos de Energia Nuclear Ulrich, britânicos e o urânio soberano Prioridade ao plano de prospecção do urânio e viagens Um país produtor explorado. O baixíssimo preço do urânio Um impasse difícil de ultrapassar Hegemonia americana e afirmação da Junta na cena internacional Os átomos apaziguadores do terror nuclear Portugal membro fundador da Agência Internacional de Energia Atómica Conferências Internacionais de Energia Atómica para Fins Pacíficos: um sucesso da cooperação científica internacional O Acordo Bilateral com os Estados Unidos O Laboratório de Física e Engenharia Nucleares em tempo de construção Equipamento do Laboratório Construção e inauguração do Laboratório Centrais nucleares: uma esperança adiada Inclusão das centrais nucleares no II Plano de Fomento viii

13 3.6.2 Interesse do sector privado nas centrais nucleares Considerações finais Capítulo 4 Diferentes espaços de investigação nos primeiros tempos do nuclear: laboratório do Estado, hospital e faculdade, Considerações preliminares Um físico nuclear no Laboratório Nacional de Engenharia Civil Aplicações de Física Nuclear no Instituto Português de Oncologia Instalação e primeiras actividades do Centro de Estudos de Física Nuclear O Centro de Estudos de Física Nuclear em plena actividade Novos tempos no Centro de Estudos de Física da Faculdade de Ciências Considerações finais Capítulo 5 Fim da autarcia. Novos rumos durante os últimos anos do Estado Novo, Considerações preliminares Os desafios da segunda fase da Junta de Energia Nuclear Uma esquina do desenvolvimento tecnológico sob a presidência de Leite Pinto Organizando e estruturando sob a presidência de Kaúlza de Arriaga A vocação empresarial da Junta de Energia Nuclear O Laboratório de Física e Engenharia Nucleares em actividade Evolução da investigação no Centro de Estudos de Física da FCUL Sociedade Portuguesa de Física: a união profissional dos físicos portugueses Considerações finais Conclusão ix

14 Anexo I - Organograma da Junta de Energia Nuclear, Anexo II - Organograma da Junta de Energia Nuclear, Anexo III - Organograma do Laboratório de Física e Engenharia Nucleares, Anexo IV - Organograma do Laboratório de Física e Engenharia Nucleares, Siglas e Acrónimos Fontes e Bibliografia Fontes Arquivos Fontes - Bibliografia Fontes electrónicas Imprensa Legislação A autora, por opção pessoal, não usa o actual Acordo Ortográfico. x

15 Introdução O atraso científico e tecnológico é um estigma que recaiu sobre o regime político derrotado em 24 de Abril de 1974 e um problema herdado pela democracia. No entanto, esta não é uma tese em que se procure uma explicação para esse atraso. Pretende-se, sim, entender as formas de interacção entre ciência e poder político no caso específico da Física e energia nucleares e apresentar o atraso como um problema que foi percepcionado e, sucessivamente, combatido. Assim, na década de 1950, o programa nuclear português exigiu que fossem tomadas medidas no campo da formação de especialistas e, desde então, foram registados avanços, os mais consistentes a partir da década de 1960, que envolveram várias estruturas do Estado. O objectivo central desta tese é analisar os diversos percursos da Física e energia nucleares na capital portuguesa, no período entre 1947 e 1973, temas que não podem ser discutidos sem abordar os contornos da relação entre ciência e poder político no período da Guerra Fria durante o Estado Novo de António de Oliveira Salazar e também do seu sucessor Marcelo J. Alves Caetano. Salazar foi a figura incontornável de quarenta e oito anos de ditadura em Portugal, a Ditadura Militar, de 1926 a 1933, e o Estado Novo a que deu origem, e se estendeu de 1933 a Marcelo Caetano herdou um regime exausto, em 1968, e a estrela da sua governação extinguia-se seis anos depois. Não obstante os avanços da ciência e da tecnologia dependerem do aval dos governantes, em geral foi decisiva a acção de homens e mulheres oposicionistas, simpatizantes e militantes do regime inspirados todos eles pela força dinamizadora da actividade científica e, no caso do último grupo, pela sua adesão à causa do Estado Novo. 1

16 Deste estudo resulta, em muitos casos, uma imagem em que o poder do ditador se dilui perante a intervenção de cientistas, engenheiros e administradores da ciência e tecnologia. O Estado Novo tem sido, naturalmente, alvo de muitos estudos históricos, entre os quais se encontram os que serviram de apoio a esta tese. Contudo, apesar de sofisticados, estes estudos não fazem qualquer referência ao papel da ciência na sua relação com a política do Estado Novo 1, com algumas excepções 2. Por outro lado, alguns cientistas produziram trabalhos de reflexão, muitas vezes de carácter memorialista, sobre instituições científicas do Estado Novo, onde naturalmente a reflexão histórica está praticamente ausente. A Junta de Energia Nuclear/Laboratório de Física e Engenharia Nucleares tem sido discutida pelos seus ex-investigadores, entre os quais se destaca Jaime da Costa Oliveira 3, em cuja obra abundam documentos inéditos. Numa linha de continuidade com o trabalho de Oliveira, a tese de 1 Esta listagem não é exaustiva. Mário Soares, Portugal Amordaçado: Depoimento sobre os anos do fascismo (Lisboa: Arcádia, 1974); Fernando Rosas (coord.) O Estado Novo ( ), vol. 7, in José Mattoso (org.) História de Portugal (Lisboa: Editorial Estampa, 1998); Pedro Lains, Os Progressos do Atraso: Uma Nova História Económica de Portugal (Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2003); Nicolau Andresen Leitão, Estado Novo, Democracia e Europa (Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2007); David Corkill, O desenvolvimento económico português no fim do Estado Novo, in Fernando Rosas, Pedro Aires Oliveira (orgs.) A transição falhada: O marcelismo e o fim do Estado Novo ( ) (Lisboa: Editorial Notícias, 2004); Luís Reis Torgal, Estados Novos, Estado Novo. Ensaios de História Política e Cultural (Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2009, 2ª ed. revista); Filipe Ribeiro de Meneses, Salazar: A Political Biography (New York: Enigma Books, ); Jaime Nogueira Pinto, António de Oliveira Salazar: O outro retrato (Lisboa: A esfera dos livros, 2010, 7ª edição, 1ª edição de 2007); Bernardo Futscher Pereira, A diplomacia de Salazar ( ) (Lisboa: D. Quixote, 2012); José Manuel Tavares Castilho, Marcelo Caetano: Uma biografia política (Coimbra: Almedina, 2012); José Freire Antunes, Kennedy e Salazar O Leão e a Raposa (Lisboa: D. Quixote, 2013, publicação original de 1991); 2 Referem-se a título de exemplo, Maria Fernanda Rollo, Maria Inês Queiroz, Tiago Brandão, Ângela Salgueiro, Ciência, Cultura e Língua em Portugal no Século XX. Da Junta de Educação Nacional ao Instituto Camões (Lisboa: Imp. Nac.-Casa da Moeda, 2012) e Tiago Brandão, A Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica ( ). Organização da ciência e política científica em Portugal, Tese de Doutoramento em História, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Outubro de Os trabalhos de Jaime da Costa Oliveira sobre a Junta de Energia Nuclear são os mais frequentemente citados nesta tese: A Energia Nuclear em Portugal. Uma Esquina da História (Santarém: O Mirante, 2002); O Reactor Nuclear Português: Fonte de Conhecimento (Santarém: O Mirante, 2005); Memórias para a história de um laboratório do Estado (Santarém: O Mirante, 2013). Jaime da Costa Oliveira, licenciado em Ciências Físico- Químicas pela FCUL, em 1961, doutorou-se em Física Nuclear pela Universidade de Paris, em Admitido na Junta de Energia Nuclear (JEN) em 24 de Abril de 1963, desempenhou as funções de investigador no Laboratório de Física e Engenharia Nucleares (LFEN). Após a revolução democrática de 1974 desempenhou diversos cargos. Foi membro da Comissão Directiva do LFEN, em 1975 e 1976/1977, e da Comissão Instaladora do Laboratório Nacional de Engenharia e Tecnologia Industrial (LNETI), de 1978 a 1981, director do Departamento de Energia e Engenharia Nucleares do LNETI de 1981 a 1986 e director do Instituto de Ciências e Engenharia Nucleares do LNETI, de 1986 a No Instituto Tecnológico e Nuclear, outra metamorfose do LFEN além das atrás referidas, foi investigador-coordenador de 1978 a

17 mestrado de Maria Amélia Taveira 4 é uma fonte valiosa de informação. Henrique Machado Jorge 5, outro investigador que trabalhou em co-autoria, centrou-se no Laboratório de Física e Engenharia Nucleares polemizando sobre a sua liderança. Adicionalmente, os depoimentos de investigadores e outros actores incluídos nas obras de Oliveira e Machado Jorge revelam-se de grande importância para o historiador 6. A história do Laboratório de Física da Faculdade de Ciências também começou por ser objecto de recordações de participantes 7, para se tornar posteriormente alvo de reflexão de historiadores das ciências 8. No contexto internacional, as relações entre ciência e política têm incluído a história da bomba atómica, da luta incessante pelo domínio do urânio, enquanto matéria prima, assim como da utilização pacífica da energia nuclear 9. Numa outra vertente relevante para este trabalho, podem também incluir-se as relações entre ciência e ditadura, com especial ênfase 4 Maria Amélia Simões da Mota Capitão Taveira, Génese e instalação da Junta de Energia Nuclear, Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, H. Machado Jorge, Carlos Jorge M. Costa, O Reactor Português de Investigação no panorama científico e tecnológico nacional, Contributo para a história e análise de valia dos laboratórios do Estado (Lisboa: Ministério da Ciência e Tecnologia, Instituto Tecnológico e Nuclear, Sociedade Portuguesa de Física, 2001). 6 A comemoração do centenário do nascimento de Leite Pinto está também associada à produção de vários registos e depoimentos efectuados nomeadamente, AAVV, No centenário do nascimento de Francisco de Paula Leite Pinto, Memória nº 2, Sociedade de Geografia de Lisboa, José Gomes Ferreira, O Centro de Estudos de Física da Faculdade de Ciências de Lisboa, Ciência, 1 (nova série) (1963): 41-46; AAVV, Jubileu de José Gomes Ferreira, Prof. Catedrático de Física da F.C.L, Lisboa [s.n.], 1989; António da Silveira, Comentários imperfeitos com elementos para uma história dos Estabelecimentos Científicos em Portugal, Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, classe de ciências, XV (1984): ; Manuel Fernandes Laranjeira, A evolução da Física Atómica e Molecular no século XX, in AAVV, História e desenvolvimento da ciência em Portugal no século XX, vol. I, Publicações do II centenário da Academia das Ciências de Lisboa, 1992, pp Relativamente à história do CEF anterior a 1947, ver Júlia Gaspar, A investigação no Laboratório de Física da Universidade de Lisboa ( ), Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2008; Idem, A investigação no Laboratório de Física da Universidade de Lisboa ( ), (Braga: CIUHCT, 2009); Júlia Gaspar, Ana Simões, Physics on the Periphery: A Research School at the University of Lisbon under Salazar s Dictatorship, Historical Studies in the Natural Sciences, 41 (3) (2011): ; e, ainda, Ana Simões, Ana Carneiro, Maria Paula Diogo, Luís Miguel Carolino, Teresa Salomé Mota, Uma História da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa ( ) (Lisboa: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2013). 9 Entre outros, encontram-se Margaret Gowing, Britain and Atomic Energy (London: Macmillan, 1964); Idem, Independence and Deterrence: Britain and Atomic Energy, (London: Macmillan, 1974); Bertrand Goldschmidt, Le complexe atomique: histoire politique de l énergie nucléaire (Paris: Fayard, 1980); Philip L. Cantelon, Richard G. Hewlett, Robert C. Williams (orgs.) The American Atom: A Documentary History of Nuclear Policies from the Discovery of Fission to the Present (Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1991, primeira edição de 1984); Richard Hewlett, Jack M. Holl, Atoms for Peace and War, : Eisenhower, and the Atomic Energy Commission (Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press, 1989). 3

18 para a análise das formas como ciência e cientistas participaram na sua construção 10. No contexto português, destacam-se nesta linha de análise historiográfica os estudos sobre a relação entre ciência e Estado Novo do historiador das ciências Tiago Saraiva. A sua concepção explora as relações entre ciência e fascismo quando o Estado Novo dava os primeiros passos da sua institucionalização. A presente narrativa decorre no cenário do pós II Guerra Mundial, uma guerra que derrotou os fascismos e abriu perspectivas tímidas à democratização do regime ditatorial. Enquanto Saraiva se centrou, especificamente, nas ligações entre genética, engenharia civil e Estado Novo, na medida em que estas serviram a construção das suas estruturas específicas 11, esta tese foca-se na Física e energia nucleares, em instituições tão diversas quanto a Junta de Energia Nuclear, o Laboratório de Física e Engenharia Nucleares, a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o Instituto Português de Oncologia, o Laboratório Nacional de Engenharia Civil, argumentando-se que os cientistas, engenheiros e técnicos que nelas trabalharam não contribuíram directamente para a construção de um regime ditatorial, como o Estado Novo, mas inseriram-se em estruturas do Estado que não detinham características necessariamente ditatoriais e que, em alguns casos, foram até criadas na sequência da interacção com organismos internacionais de orientação democrática. A Física Nuclear é a referência estrutural deste trabalho. Em primeiro lugar, porque historicamente as suas descobertas estiveram na origem tanto da construção das bombas atómicas como da utilização da energia nuclear para fins pacíficos. Ligar investigação em Física Nuclear e energia nuclear é assim natural. Em segundo lugar, porque partindo da 10 Monika Renneberg, Mark Walker (orgs.) Science, Technology and National Socialism (Cambridge University Press, 1994); Margit Szöllösi-Janze (org.) Science in the Third Reich (Oxford Berg, 2001); Carola Sachse, Mark Walker (orgs.) Politics and Science in Wartime: Comparative International Perspectives on the Kaiser Wilhelm Institutes, Osiris 20 (2005); Susanne Heim, Carola Sachse, Mark Walker (orgs.) The Kaiser Wilhelm Society under National Socialism (Cambridge University press, 2009). 11 Tiago Saraiva, The Fascistization of Science, HOST, 3 (2009): 9-13, Idem, Laboratories and Landscapes: The Fascist New State and the Colonization of Portugal and Mozambique, HOST, 3 (2009): 35-61, consulta a 29 Julho Idem, Fascist Labscapes: Geneticists, Wheat, and the Landscapes of Fascism in Italy and Portugal, Historical Studies in the Natural Sciences, 40 (4) (2010):

19 investigação em Física Nuclear num espaço universitário, o pequeno Laboratório de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, foi possível descobrir o mundo da energia nuclear em Portugal. Mais uma vez a Física Nuclear estabeleceu a ligação da investigação num pequeno laboratório e o mundo da energia nuclear cujas fronteiras não é fácil delimitar. A Física Nuclear experimental investigada na Faculdade de Ciências de Lisboa, desde a década de 1930, e o programa nuclear adoptado pelo poder político, no pós II Guerra Mundial, tiveram papéis diferentes na moldagem do panorama científico e tecnológico português. No primeiro caso o impacto consistiu não só na inspiração proporcionada pela sua tradição no domínio da investigação científica como também na contribuição de quadros para a energia nuclear. Esta irrompeu após a devastação trazida pela deflagração de duas bombas atómicas sobre o Japão, em simultâneo com a promessa de oportunidades de utilização pacífica da energia nuclear por todas as nações. Em Portugal, o programa nuclear foi impulsionado pela posse de minas de urânio, minério cobiçado principalmente pelos americanos para alimentar a sua máquina de guerra durante a Guerra Fria, em tempos de escassez desta matéria prima. A consequência mais visível e duradoura desta interacção com o estrangeiro foi a construção de um laboratório do Estado, o Laboratório de Física e Engenharia Nucleares, inaugurado em Foi seguido o exemplo de outros dois grandes laboratórios do Estado, grandes só à escala nacional, construídos em tempo de autarcia nas áreas que se encontravam no centro do desenvolvimento económico, a Estação Agronómica Nacional em 1936, para apoiar a agricultura, e o Laboratório de Engenharia Civil (assim designado inicialmente), criado em 1946, para apoiar a electrificação do país. No início da década de 1950, era abissal a distância entre a Física Nuclear que interessava ao programa nuclear e a investigada no Laboratório de Física da Faculdade de Ciências de Lisboa, assim como era notável a impreparação científica e tecnológica, no 5

20 domínio nuclear, dos licenciados saídos do sistema universitário português, que condicionou fortemente o programa nuclear português e foi partilhada por outros países em condições económicas e sociais semelhantes. Houve que enfrentar o problema da formação de quadros antes de lançar este programa e, por isso, o seu desenho dependeu do Instituto de Alta Cultura (IAC) que abarcava, entre outras funções, o apoio à investigação científica universitária. Em fins de 1952, a criação no IAC da Comissão Provisória de Estudos de Energia Nuclear para organizar a instalação de uma rede de centros de estudos de energia nuclear veio a tornar-se emblemática do programa nuclear português. Contudo, os centros de estudos de energia nuclear não foram a solução para o problema da formação de quadros, razão pela qual foi construído o Laboratório de Física e Engenharia Nucleares. Outra característica do programa nuclear português, já aflorada, decorreu da existência de minas de urânio e o interesse americano na aquisição de óxido de urânio. Nesta tese defende-se que, em 1954, principalmente para supervisionar o negócio de urânio, foi criada a Junta de Energia Nuclear, colocada na dependência da Presidência do Conselho de Ministros, bem próximo do controlo de Salazar, ajudado pelos sucessivos presidentes da Junta, todos homens da sua confiança política: José Frederico Ulrich, até 1961, Francisco de Paula Leite Pinto, até 1967 e, por fim, Kaúlza Oliveira de Arriaga. Também se defende que o urânio, presente ao longo deste trabalho com relevância variável, foi o intermediário da internacionalização do programa nuclear português, devido à associação que permitiu estabelecer com os EUA. No entanto, relativamente à produção de energia eléctrica pela via nuclear, desde sempre um objectivo almejado por cientistas e engenheiros, a posse do urânio não foi suficiente para impor a construção de centrais nucleares. Embora o programa nuclear tenha nascido em época de autarcia, nunca houve autarcia nuclear porque o objectivo de Salazar para o urânio era guardá-lo para quando tivesse valor de mercado. No fim de 1958, o estudo das centrais nucleares entrou explicitamente nos objectivos da Junta de Energia 6

2008-actual Investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

2008-actual Investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa. David Mourão Ferreira Castaño Data de nascimento: 25/01/1979 Nacionalidade: Portuguesa Estado civil: Casado 3 filhos Morada: Av. das Túlipas, 41, 1º Dto. 1495-161 Miraflores Telemóvel: 96 402 23 88 E-mail:

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2006 [aprovado em reunião do CC em 11 de Novembro 2005] Introdução O IPRI-UNL definiu como objectivo fundamental para a sua actividade constituir-se como uma estrutura institucional

Leia mais

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX)

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) C O O R D E N A Ç ÃO Maria Fernanda Rollo Maria de Fátima Nunes Madalena Esperança Pina Maria Inês Queiroz SUMÁRIO INTRODUÇÃO 7 ESPAÇOS E ACTORES: LUGARES

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

O Arquivo de Ciência e Tecnologia

O Arquivo de Ciência e Tecnologia Encontro Arquivos Científicos 3 e 4 de julho de 2014 FCSH, Lisboa O Arquivo de Ciência e Tecnologia Paula Meireles Madalena Ribeiro O Arquivo de Ciência e Tecnologia 1. Projeto de tratamento e divulgação

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006)

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Votos de Pesar VOTOS DE PESAR Conselho Nacional de Educação Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Faleceu hoje, vítima de doença prolongada, a Prof. a Doutora Maria Teresa Vieira

Leia mais

Do Jornalismo aos Media

Do Jornalismo aos Media Do Jornalismo aos Media Estudos sobre a realidade portuguesa Rogério Santos Universidade Católica Editora Índice Introdução 7 Parte I Elementos para a história dos media em Portugal Jornalismo português

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília Projectos de investigação Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais Coordenador: Isabel Barca Equipa de investigação Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Leia mais

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição,

Leia mais

Notas Biobibliográficas

Notas Biobibliográficas Guião de educação. Género e cidadania. Notas Biobibliográficas 333 Guião de Educação. Género e Cidadania 3 ciclo 334 Lisboa, CIG, 2009 NOTAS BIOBIBLIOGRÁFICAS Ângela Rodrigues é doutorada em Ciências da

Leia mais

CV RESUMIDO DE LUÍS VALADARES TAVARES

CV RESUMIDO DE LUÍS VALADARES TAVARES CV RESUMIDO DE LUÍS VALADARES TAVARES Professor Catedrático do IST de Investigação Operacional e Engenharia de Sistemas Área Científica: Sistemas e Gestão I Dados Pessoais Nasceu em Lisboa, a 28/03/1946

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha.

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha. Decreto n.º 19/96 de 1 de Julho Convénio entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Construção de Uma Ponte Internacional sobre o Rio Minho entre as Localidades de Melgaço (Portugal) e Arbo

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Registo de autoridade arquivística. Junta de Energia Nuclear. Identificação. Descrição. Tipo de entidade Entidade coletiva. Forma autorizada do nome

Registo de autoridade arquivística. Junta de Energia Nuclear. Identificação. Descrição. Tipo de entidade Entidade coletiva. Forma autorizada do nome Registo de autoridade arquivística Junta de Energia Nuclear Identificação Tipo de entidade Entidade coletiva Forma autorizada do nome Junta de Energia Nuclear Outras formas do nome JEN Descrição Datas

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Notas Biográficas de Autores

Notas Biográficas de Autores Notas Biográficas de Autores Notas biográficas de autores 347 História. Revista da FLUP. Porto, IV Série, vol. 3-2013, 345-349 CHRISTIAN FAUSTO MORAES DOS SANTOS possui graduação em História e mestrado

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Universidade Agostinho Neto Faculdade de Direito Workshop sobre Formação Pós-Graduada e Orientação A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Por: Carlos Teixeira Presidente

Leia mais

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição Pós-Graduação Mercados Internacionais e Diplomacia Económica 1ª Edição 2011/2012 Mercados Internacionais e Diplomacia Económica Coordenação Científica Prof. Doutor Joaquim Ramos Silva Prof. Doutor Manuel

Leia mais

O Presidente da República Portuguesa, S. Ex.ª o Sr. Prof. Francisco de Paula Leite Pinto, presidente da Junta de Energia Nuclear; e

O Presidente da República Portuguesa, S. Ex.ª o Sr. Prof. Francisco de Paula Leite Pinto, presidente da Junta de Energia Nuclear; e Decreto-Lei n.º 46907 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo dos Estados Unidos do Brasil para a cooperação na utilização da energia nuclear para fins pacíficos, assinado na cidade

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CABO VERDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

UNIVERSIDADE DE CABO VERDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Apresentação UNIVERSIDADE DE CABO VERDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Proponentes e Coordenação Proponente institucional: Departamento de Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Cabo

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

www.sef.pt O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras assinalou da Sede do Serviço no Tagus Park.

www.sef.pt O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras assinalou da Sede do Serviço no Tagus Park. NEWSLETTER 0 JULHO 2009 O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras assinalou a comemoração do seu 33º Aniversário com a inauguração das novas instalações da Sede do Serviço no Tagus Park. As novas instalações

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013 13897152 ALEXANDRE RIBEIRO DA SILVA Colocado em 0701 9011 11279428 ANA CATARINA MELO DE ALMEIDA Colocada em 0902 14423301 ANA CATARINA VITORINO DA SILVA Colocada em 0604 9229 14306028 ANA JOÃO REMÍGIO

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Lista para os Orgãos Sociais do RCP! ( 2015 / 2016 / 2017)

Lista para os Orgãos Sociais do RCP! ( 2015 / 2016 / 2017) Lista para os Orgãos Sociais do RCP Motivações e pressupostos Uma vez mais, concorrer aos Órgãos Sociais do Rottweiler Clube de Portugal é encarado como um ato de paixão, dedicação e respeito pela raça

Leia mais

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou os seus representantes, de Angola, Brasil,

Leia mais

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt QUEM SOMOS SOMOS ESPECIALISTAS (corpos sociais) Jorge Alves Prof. Catedrático jubilado

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES

HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES 2011 HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES COM O PATROCÍNIO DE: ÍNDICE A NOSSA PROPOSTA DE VALOR 3 HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES 4 Estrutura e Coordenação 5 Conteúdos e Corpo Docente 6 Introdução: Health Servuction

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso

Leia mais

Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional

Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional Registo de autoridade arquivística Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional Identificação Tipo de entidade Entidade coletiva Forma autorizada do nome Instituto de Cooperação Científica

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA LETÓNIA SOBRE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA LETÓNIA SOBRE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA. Decreto n.º 29/2002 Acordo entre a República Portuguesa e a República da Letónia sobre Cooperação nos Domínios da Educação, da Cultura e da Ciência e da Tecnologia, assinado em Lisboa em 17 de Outubro

Leia mais

III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES

III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES 85 Actualidades III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES O Instituto de Seguros de Portugal participou, através do seu Presidente, no III Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões, realizado

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer a todos, que se disponibilizaram, para estar presentes nesta cerimónia.

Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer a todos, que se disponibilizaram, para estar presentes nesta cerimónia. Cumprimentos a todas as altas individualidades presentes (nomeando cada uma). Caras Colegas, Caros Colegas, Minhas Senhoras, Meus Senhores, Meus Amigos Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer

Leia mais

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Encontro Internacional de Arquivos Universidade de Évora 3-4 de Outubro

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW

CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW CATÓLICA RESEARCH CENTER FOR THE FUTURE OF LAW ALGUNS VETORES FUNDAMENTAIS (Janeiro de 2013) Rui Medeiros Centro, Escola e Faculdade 1. Centro da Escola de Lisboa (ainda que transitoriamente) e que, nessa

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

(Des)Enlace entre cidadãos e sistemas sociais: em torno dos laços sociais na intervenção dos assistentes sociais.

(Des)Enlace entre cidadãos e sistemas sociais: em torno dos laços sociais na intervenção dos assistentes sociais. 2013 1ª Conferência 20 de Março, das 14:30 às 17:00 h Cidadania em tempos de crise: Implicações para a intervenção educativa, social e comunitária Isabel Menezes. Professora Associada com Agregação da

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL. Questões Avançadas em Serviço Social

FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL. Questões Avançadas em Serviço Social FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL Nome da disciplina Questões Avançadas em Serviço Social Ciclo de estudos 2º Equipa docente com breve resenha curricular dos docentes (1) Nº de

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção 43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção Ana Macedo 1*, Rafaela Rosário 1, Flávia Vieira 2, Maria Silva 1, Fátima Braga 1, Cláudia Augusto 1, Cristins Araújo Martins

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

CURRICULUM VITAE. José Carlos Salgueiro Vasconcelos e Sá. Lisboa, Fevereiro de 2015

CURRICULUM VITAE. José Carlos Salgueiro Vasconcelos e Sá. Lisboa, Fevereiro de 2015 CURRICULUM VITAE DE José Carlos Salgueiro Vasconcelos e Sá Lisboa, Fevereiro de 2015 I - DADOS PESSOAIS NOME - José Carlos Salgueiro de Vasconcelos e Sá MORADA - Rua Prof. Henrique Vilhena 11, 1 - D 1600

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1.

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1. Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos Artigo 1.º (Objecto) O presente Protocolo tem por objecto a criação de um mecanismo

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal

Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal Ref.: MTKD-CT-2004-014312 Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal por Suhita Osório-Peters CEIFA ambiente Lda Sessão de Divulgação do 7º Programa-Quadro de ID&T Lisboa, 20 de Outubro

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

As propostas do. Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica

As propostas do. Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica As propostas do LIVRO Livre Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica Dimensão Histórica: Conhecimento do passado histórico: 25 de Abril, Estado Novo, Guerra Colonial, Descolonização e Democracia;

Leia mais