Apoio. As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apoio. As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas"

Transcrição

1 Apoio As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas

2

3 Apoio

4

5 Apoio

6 06-07

7 Apresentação Com a missão de suprir a carência de informações históricas e culturais acerca do mundo das instalações elétricas e sua evolução no Brasil, nasceu o projeto da Coleção Elétrica. Trata-se de uma publicação seccionada em quatro edições, que deverá trazer à tona importantes relatos de personagens que, direta ou indiretamente, contribuíram para o desenvolvimento dos projetos e da normalização que rege a engenharia elétrica no País. Com a coordenação do engenheiro eletricista, consultor e presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Materiais Elétricos Nema Brasil, Hilton Moreno, esta Coleção tem o intuito de contar parte da trajetória da eletricidade até os tempos contemporâneos. As quatro edições, a serem lançadas no decorrer do ano de 2008, serão alicerçadas em quatro bases: normalização e certificação de produtos, normalização e certificação de instalações elétricas. Essa estrutura foi eleita por representar as quatro bases juntas os pedestais essenciais à segurança pessoal e patrimonial e por ser, há anos, os principais temas discutidos pela comunidade técnica do setor. Os conceitos de historicidade, normalização e evolução tecnológica intrínsecos às reportagens aqui publicadas são ilustrados nas capas das revistas que constituem esta Coleção. Com uma chave-faca cravada em um livro, conotamos a idéia de um dispositivo que certamente está na memória dos engenheiros mais experientes e, embora não seja adequado à utilização, remonta ao início das experiências com eletricidade e, ao mesmo tempo, o livro simboliza conhecimento, pesquisa e aprendizado. Representaremos cada passo desta Coleção por meio da evolução dos equipamentos elétricos. Dessa forma, cada edição trará uma surpresa na capa, indo ao encontro das soluções desenvolvidas ao longo do tempo para o mundo das instalações elétricas. Caro leitor, esta Coleção é um trabalho realizado com o envolvimento e a dedicação de diversos profissionais, com a colaboração de importantes fontes do setor elétrico, com o apoio de amigos e familiares daqueles que não mais desfrutam dessa vida e com a confiança de empresas que estão apostando nesse trabalho. Esperamos que aprecie esta obra. atitude editorial Boa leitura! Adolfo Vaiser, Sergio Bogomoltz e Flávia Lima Apoio

8 08-09 prefácio Hilton Moreno, engenheiro eletricista, consultor e presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Elétricos - Nema Brasil Caro amigo do setor de instalações elétricas, Quando fui apresentado pela equipe da Atitude Editorial ao projeto da Coleção Elétrica, que na época ainda nem tinha este nome, fiquei imediatamente fascinado. Disponibilizar para os profissionais brasileiros um conjunto de cadernos especiais com a história dos principais personagens do mundo das instalações elétricas e dos caminhos percorridos em busca de soluções técnicas era, e é, um grande presente que a Atitude Editorial nos dá em reconhecimento à importância que o setor e seus profissionais têm no cenário nacional. O objetivo desta Coleção é oferecer um conjunto de informações históricas, técnicas, normativas, de exercício profissional, educacionais, biográficas, entre outras, focadas no setor de instalações elétricas. Este setor emprega no Brasil milhares de pessoas, fatura milhões de reais, recolhe outros tantos milhões de impostos e, além de tudo, gera e distribui para a população este bem tão indispensável às sociedades modernas a eletricidade. Foi com muita honra, acompanhada da proporcional responsabilidade, que aceitei então coordenar a preparação do conteúdo da Coleção. Ao mesmo tempo, confiei na alta qualidade dos profissionais que estavam sendo reunidos nesta empreitada. E, com a publicação deste primeiro caderno da Coleção Elétrica, posso afirmar com todas as letras que não errei no meu julgamento inicial. Em particular, este primeiro caderno da Coleção Elétrica presta uma homenagem especial ao grande e imortal ícone de nosso setor, o inesquecível professor Cotrim, de quem somos todos, direta ou indiretamente, alunos. É um tributo a uma pessoa e a um profissional único que nos marcou para sempre com sua breve passagem. Sinceramente, espero que você, leitor, aprecie esta Coleção Elétrica e que ela possa contribuir para seu crescimento pessoal e profissional. Abraços e boa leitura! Hilton Moreno

9 expediente Diretores Adolfo Vaiser José Guilherme Leibel Aranha Gerência de planejamento Sergio Bogomoltz Assistente de pesquisa Marina Marques Administração Paulo Martins Oliveira Sobrinho grandes questões A importância do aterramento em projetos elétricos. história O nascimento e a evolução do motor elétrico, invento indispensável à vida moderna. índice Jornalista responsável Flávia Lima MTB biografia Ademaro Cotrim: parte da história e do legado de um dos Coordenador técnico Hilton Moreno profissionais mais consagrados do mundo das instalações elétricas. Direção de arte e produção Leonardo Piva Colaboradores Bruno Moreira, Leonardo Faria, Sergio Bogomoltz e Mauro Júnior Revisão Gisele Folha Mós 24 dentro da lei Arquitetos, técnicos em eletrotécnica, engenheiros civis e eletricistas. Quem é responsável por projetos elétricos em instalações de baixa tensão? Publicidade Diretor comercial Adolfo vaiser Contatos Publicitários Ana Maria rancoleta Vanessa Marquiori 28 normalização Reportagem mostra como a padronização técnica chegou ao Brasil. O País se espelhou na Europa e acompanhou a evolução da normalização mundial. Capa Kanji Design Impressão Gráfica Ipsis Distribuição ACF Alfonso Bovero 36 formação A história da eletricidade, as primeiras instituições brasileiras de ensino e a popularização do curso de engenharia elétrica. Atitude Editorial Ltda. Rua Piracuama, 280 cj. 72 / Pompéia CEP / São Paulo - SP Fone/Fax - (11) descontração Histórias em quadrinhos especialmente criadas, de acordo com a realidade do engenheiro, para a sua diversão. Apoio

10 grandes questões por Hilton Moreno Aterramento Sistema fundamental para o pleno e seguro funcionamento das instalações elétricas A superfície da Terra é eletricamente condutiva e mantida permanentemente em um potencial negativo por um circuito elétrico global. Este circuito tem três fontes geradoras principais: o vento solar, que penetra pela magnetosfera; o vento da ionosfera; e as tempestades acompanhadas de descargas atmosféricas (raios). Estima-se que milhares de tempestades com raios aconteçam diariamente no planeta, emitindo, conseqüentemente, milhares de descargas elétricas por minuto. Isso gera uma corrente elétrica constante de milhares de ampères, que transfere cargas positivas para as camadas superiores da atmosfera e cargas negativas para a superfície da Terra. Assim, a superfície de nosso planeta é uma abundante fonte de elétrons livres. Nos seres humanos, quando estão em contato direto com a terra (descalços), elétrons livres são conduzidos pela superfície da pele e pelo interior do corpo por meio de membranas mucosas dos sistemas respiratório e digestivo. Dessa forma, o corpo é mantido no mesmo potencial da Terra. Quando não está em contato com o solo (por exemplo, calçando sapatos com solas isolantes), o corpo não aterrado equilibra-se com o potencial da atmosfera ao seu redor, que é eletricamente positivo em condições climáticas normais. Quando um corpo não aterrado está em pé ou deitado dentro de uma edificação, ele torna-se eletrificado pelo campo eletromagnético do ambiente. Alguns estudos evidenciaram que as tensões elétricas de corpos humanos não aterrados diminuíram de uma média de 3,27 V para 0,007 V após o aterramento. Isso contribuiu, dentre outros efeitos benéficos, para a regularização dos perfis de cortisol e redução de disfunções do sono, dores e estresse. Em uma instalação elétrica de baixa tensão, o aterramento é uma parte fundamental para a garantia do funcionamento adequado dos sistemas de proteção contra choques elétricos, sobretensões, descargas atmosféricas, descargas eletrostáticas, além de ajudar a garantir o pleno funcionamento dos equipamentos de tecnologia de informação (computadores, centrais telefônicas, modems, controladores lógicos, etc.). As normas de instalações elétricas e as boas práticas de engenharia fornecem diversas recomendações para realizar adequados sistemas de aterramento (e de eqüipotencialização), de modo a serem atingidos ótimos graus de proteção e de operação das instalações e seus equipamentos

11 Histórico Os primeiros sistemas telegráficos eletromagnéticos de grandes comprimentos instalados a partir de 1820 nos Estados Unidos usavam dois ou mais condutores para conduzir os sinais. Foi descoberto, provavelmente pelo cientista alemão Carl August Steinheil, entre 1836 e 1837, que o solo poderia ser utilizado como caminho de retorno das correntes elétricas para completar os circuitos, tornando, assim, os condutores de retorno, até então utilizados, desnecessários. Entretanto, houve problemas com esse sistema, como o desenvolvimento de uma grande resistência de aterramento durante o verão seco, obrigando que as hastes de aterramento fossem regadas para permitir que funcionassem o telégrafo e os telefones. Mais tarde, quando o telefone começou a substituir o telégrafo, foi descoberto que as correntes que circulavam pela terra induzidas pelos sistemas de potência, redes ferroviárias elétricas, redes de outros sistemas telefônicos e fontes naturais, inclusive as descargas atmosféricas, causavam interferências inaceitáveis aos sinais de áudio e, dessa forma, o sistema a dois fios foi novamente utilizado. Na área de instalações elétricas, a primeira edição do Código Norteamericano de Eletricidade (National Electrical Code NEC) de 1897 não fazia menção ao aterramento, sendo este tema incluído na edição de 1903 como uma recomendação e, na edição de 1913, como obrigatório. Neste ano, o NEC incluiu regras de aterramento para circuitos em corrente alternada. Uma das regras fundamentais era que deveria ser feito o aterramento do ponto neutro da alimentação quando e onde possível. Como se sabe, tal prescrição mantém-se até hoje não apenas no NEC, mas na maioria das normas de instalações elétricas de todos os países. É curioso o fato de que, já em 1890, a associação New York Board of Fire Underwriters condenava a prática de aterrar o neutro da alimentação, enquanto a concessionária de energia elétrica da cidade (Edison Company) utilizava largamente essa prática (para economizar cobre e, conseqüentemente, dinheiro). Outra curiosidade remete aos anos da Segunda Guerra Mundial, em que as carcaças de equipamentos elétricos nos Estados Unidos eram aterradas pelo condutor neutro como forma de economizar cobre para uso em material bélico (tal prática foi terminantemente proibida pela edição do NEC de 1996). Em função dessa medida, a maioria das tomadas instaladas até 1960 nos Estados Unidos não possuía contato de aterramento, até que, finalmente, a edição de 1962 do NEC exigiu que todas as instalações e tomadas fossem aterradas. Comparando-se com o Brasil, a primeira norma brasileira de instalações elétricas de baixa tensão foi a NB 3, publicada em Embora baseada no NEC, a NB 3, que teve sua última edição publicada em 1960, nunca exigiu de modo claro o aterramento de instalação e tomadas. Foi apenas com a substituição da NB 3 pela NBR 5410, em 1980, que o assunto começou, de fato, a ser tratado de modo mais específico e com prescrições mais rigorosas em relação aos quesitos de segurança contra choques elétricos, envolvendo, assim, os assuntos de aterramento. Principais funções do aterramento Aterrar os sistemas, ou seja, ligar intencionalmente o condutor neutro à terra tem o objetivo de controlar a tensão em relação à terra dentro de limites previsíveis, além de fornecer um caminho para a circulação de correntes de falta ou de fuga entre os condutores vivos e a terra. O controle dessas tensões limita as solicitações elétricas sobre as isolações dos condutores, diminui as interferências eletromagnéticas e permite a redução dos perigos de choques elétricos para as pessoas e os animais. Aterramentos adequados também permitem o correto funcionamento de sistemas de proteção contra sobretensões, descargas atmosféricas, sistemas de telecomunicações, sistemas de informática, televisão a cabo, entre outros. Sistemas de aterramento e eqüipotencialização segundo a NBR 5410 A Figura 1 resume a estrutura de um sistema de aterramento e eqüipotencialização, de acordo com as prescrições da norma ABNT NBR 5410:2004 Instalações elétricas de baixa tensão. É importante tratar, nesse ponto, a diferença entre aterramento e eqüipotencialização. O conceito de aterramento envolve, necessariamente, algum tipo de ligação das massas e os elementos condutores com a terra, visando a levar todos os componentes do sistema de aterramento a ficarem no potencial mais próximo possível da terra. Assim, por exemplo, quando aterramos a carcaça condutiva de um equipamento, queremos que sua massa fique idealmente no potencial da terra. A eqüipotencialização, por sua vez, não envolve diretamente a terra, mas está relacionada ao objetivo de colocarmos todas as massas e os elementos condutores no mesmo potencial entre si, independentemente de qual seja esse potencial em relação à terra. Isso sempre remete-nos ao exemplo clássico do avião, em que todas as massas e os elementos condutores da aeronave são interligados (eqüipotencializados), mas, obviamente, é impossível ligar tais massas e elementos condutores à terra propriamente dita. LEGENDA: 1 - Eletrodo de aterramento (infraestrutura de aterramento) 2 - Condutor de aterramento 3 - BEP (Barramento de Eqüipotencialização Principal) 4 - Condutor de eqüipotencialização principal 5 - Condutor de proteção principal 6 - Condutor de eqüipotencialização suplementar 7 - Condutor de proteção 8 - BEL (Barramento de Eqüipotencialização Local) 9 - Elemento condutor estranho à instalação elétrica 10 - Massa Apoio

12 história Por Bruno Moreira Criado por August Haselwander, este gerador trifásico - com potência de 2,7 kw - entrou em operação em 1887 em uma fábrica alemã. O mundo em movimento A história do motor elétrico, invenção que acelerou a industrialização mundial e transformou radicalmente o modo de vida das pessoas O advento do motor elétrico no final do século XIX trouxe ao mundo facilidades que até então não eram sequer sonhadas. Simples tarefas como a fabricação de materiais ou o transporte de uma grande carga a uma pequena distância exigiam, por parte de seus realizadores, a aplicação de força de muitos homens, a utilização de animais ou, mais tarde, o uso de máquinas ainda não tão desenvolvidas. Gastava-se dias para a realização dessas tarefas, o que retardava o início de novos trabalhos. Em um mundo cada vez mais industrializado e capitalizado, o resultado era sentido no retardamento da produção e na conseqüente diminuição do lucro. Pode-se imaginar qual não foi o alvoroço quando em 1866, o cientista berlinense, Werner Von Siemens, resolveu mostrar à população alemã a sua mais nova criação: o gerador de corrente Fotos extraídas do livro O motor elétrico, publicado pela Weg.

13 Princípio de um gerador elétrico: primeiro dínamo elétrico, de Werner von Siemens (1866). contínua auto-induzida. A invenção de Siemens é considerada, por consenso, o primeiro motor elétrico produzido pelo homem, contudo, como todas as grandes obras inventadas na história do mundo, muito teve de ser desenvolvido e experimentado em épocas anteriores para que a máquina criada pelo inventor alemão obtivesse êxito e fosse considerada modelo para outros cientistas em aprimoramentos futuros. O começo O início dessa história pode ser creditado ao filósofo grego Tales de Mileto que, em 41 a.c., ao esfregar um pedaço de resina fóssil denominada âmbar-amarelo a um pano, teria percebido que a resina adquirira uma força de atração com corpos leves, como seus fios de cabelo. Quinze séculos mais tarde, o experimento de Mileto seria completado pelo físico e médico inglês da corte elizabethiana, William Gilbert, que, em 1600, descobriu que além do âmbar, muitos outros materiais poderiam atrair se fossem friccionados. Muitos outros inventos surgiram desde então. Em 1663, o cientista alemão Otto Von Guericke construiu a primeira máquina eletrostática, que consistia em uma esfera de enxofre em cima de um eixo, que transformava energia mecânica em energia elétrica. Era uma invenção estratégica, já que tempos depois, no final do século XVIII, verificou-se que, por meio do princípio eletrostático, poderia ser possível também gerar energia mecânica. Antes dessa constatação, o físico norte-americano Benjamin Franklin observou, em 1752, durante seu experimento, no qual empinou uma pipa em uma tempestade, que a eletricidade podia ser captada e conduzida por fios. E o professor italiano de medicina e anatomia, Luigi Galvani, verificou, em 1786, que as coxas de uma rã contraíam-se depois de separadas do corpo, se colocadas em um suporte de ferro. Denominou esse fenômeno como eletrecidade animal, mas não soube explicá-lo. A solução desse fenômeno só viria com outro italiano, o físico Alessandro Volta, que ao colocar dois metais distintos imersos em um líquido condutor de corrente observou que ao contrário do que pensava Galvani não era necessário tecido animal para gerar eletricidade. Foi somente após o final do século XVIII, porém, com o físico dinamarquês Hans Christian Oersted e o físico francês André Marie Ampère que foi dado, verdadeiramente, o primeiro passo rumo ao surgimento do motor elétrico. Oersted, ao observar a agulha magnética de sua bússola desviar da posição original nortesul perto de um condutor de energia elétrica e voltar à posição inicial ao ser afastado dele, verificou a conexão entre magnetismo e eletricidade. Já Ampére, em 1821, um ano após a constatação de Oersted, complementou a experiência do cientista nórdico, criando a lei da mão direita que tomou como base a orientação de uma agulha imantada no sentido da corrente. Os cientistas ingleses William Sturgeon e Michael Faraday, inspirados pelas descobertas de seus contemporâneos foram os responsáveis pelos últimos passos rumo à construção do Apoio

14 Motor trifásico patenteado em 1889 pelo cientista radicado na Alemanha, Dolivo-Dobrowolsky. motor elétrico. Sturgeon inventou, em 1825, o eletroimã, que posteriormente teria grande papel na construção de máquinas elétricas gigantes. Já Faraday foi responsável por descobrir, finalmente, a indução eletromagnética. Ele verificou que uma corrente elétrica era induzida nos terminais de um condutor elétrico quando este se movimentava em um campo magnético e provou, definitivamente, a ligação entre magnetismo e eletricidade que já havia sido intuída por Tales de Mileto há quase dois mil anos. Era 1831 quando Faraday comprovou o eletromagnetismo. Ainda faltavam 35 anos para que o primeiro motor elétrico da história surgisse. Isso não impediu, no entanto, que durante esse período relativamente pequeno, outras máquinas com o mesmo princípio fossem inventadas, a começar por um gerador construído pelo próprio Faraday e que consistia em um disco de cobre com diâmetro de 30 cm. Ele girava no campo magnético formado entre os pólos de um imã com forma de ferradura e produzia eletricidade. Outro inglês, ainda na década de 1830, o cientista W. Ritchie inventou o comutador, peça que seria importante na composição do motor elétrico e o mecânico francês H. Pixii colocou o invento em prática. Pixii construiu um gerador composto de um imã em ferradura que girava na frente de duas bobinas presas com um núcleo de ferro. Este núcleo, utilizado pela primeira vez em um experimento, permitiu o aumento do fluxo magnético e da tensão da indução, fazendo a tensão alternada das bobinas ser transformada pelo comutador em uma tensão contínua pulsante. No final dessa mesma década, o arquiteto e professor de física alemão, Moritz Hermann von Jacobi, deu um objetivo para a nova invenção. Instalou um motor movido a pilhas galvânicas dentro de uma lancha e transportou 14 pessoas durante algumas horas. Mostrou-se, pela primeira vez, que a energia elétrica podia ser utilizada a favor do trabalho mecânico. Contudo, as baterias galvânicas eram muito caras e descarregavam rapidamente, tornando a invenção um artigo de luxo. A mudança de perspectiva viria com Siemens, que, em 1866, já tendo criado um gerador de tensão elétrico baseado no princípio de indução eletromagnética desenvolvido por Faraday, construiu um dínamo e provou que a tensão necessária para o magnetismo podia ser extraída do próprio enrolamento do rotor. Ou seja, a máquina podia gerar sua própria energia e não ficar dependente dos imãs. Assim, a invenção barateou o gerador, que também funcionava como motor quando alimentado por energia elétrica. Com preço menor, estavam criadas as condições para uma maior difusão do novo velho invento. A evolução Em 1879, uma empresa criada, anos antes, por Siemens em conjunto com Johann George Halske para fabricar telégrafos, expandiu sua gama de produtos e, na feira industrial de Berlim, apresentou ao público a nova invenção aplicada: uma locomotiva movida por um motor elétrico de dois quilowatts. O motor, apesar de mais barato que no início, continuava com o custo muito elevado para ser produzido em escala industrial, além de apresentar problemas de ordem técnica. Nomes como o do italiano Galileu Ferraris, do iugoslavo Nicolau Tesla e do alemão Friedrich Haselwander surgiram para tentar tornar mais viável a nova máquina. Suas descobertas pareciam solucionar os problemas em um primeiro momento, mas logo se mostram ineficazes. Em 1890, as atenções se voltaram para o cientista russo radicado na Alemanha, Michael von Dolivo- Dobrowolsky, que já um ano antes, trabalhando como construtor da AG berlinense, desenvolve um motor trifásico de corrente alternada com potência contínua de 80 watts e rendimento de aproximadamente 80%. O equipamento mostrou-se ideal para os planos da indústria crescente, por apresentar alto rendimento, ótima partida, relativo silêncio durante o funcionamento e baixa complexidade o que facilitava a manutenção, alta resistência e nenhuma interferência de correntes parasitas, tornando-o mais seguro para a operação. Em 1891, o construtor russo já tinha conseguido produzir o novo equipamento em série. Concomitantemente, começaram a aparecer as primeiras indústrias de motores que logo se tornaram muitas. Os equipamentos se padronizaram e aos poucos diminuíram 14-15

15 Primeiro motor elétrico fabricado pela brasileira Weg. Gerador, criado pelo mecânico parisiense H. Pixii, foi instalado pelo arquiteto e professor de física alemão Moritz Hermann von Jacobi em uma lancha, no fim da década de Apoio

16 Dínamo desenvolvido por Thomas Edison. de tamanho ao ponto de ainda no início de sua produção seriada já terem seu tamanho reduzido em 25%. Nada comparado com os motores de hoje, cujo peso representa somente 8% das máquinas com a mesma potência fabricadas no início do século XIX. Contudo, nos dias atuais, a tendência da diminuição do tamanho do motor elétrico está sendo revertida. Para o diretor de engenharia da Weg, Siegfried Kreutzfeld, isso acontece por causa da carência da oferta de energia elétrica em quase todo o mundo. Faz-se necessária a adoção de medidas para economia de energia que, no caso do motor elétrico, aumenta o rendimento do equipamento. E para aumentar o rendimento é preciso o emprego de materiais como cobre e chapa, o que, conseqüentemente, acarreta em mais peso, afirma. De volta ao passado, após a invenção de um princípio ideal de funcionamento para o motor elétrico, as atenções dos cientistas voltaram-se para o aprimoramento da fórmula estabelecida e questões como aumento de potência, melhor rendimento do aparelho, maior durabilidade e economia foram colocadas em foco. Para que desenvolvimentos e inovações ocorressem, no entanto, foram necessários diversos motivos. O primeiro deles pode ser creditado na conta dos estudiosos da área, que ao analisar mais detalhadamente os aspectos técnicos do motor elétrico, consolidaram a teoria necessária para que construtores pudessem a partir delas realizar melhorias. O segundo fator deve-se à competição. Em busca de maiores fatias do mercado, indústrias de motores buscavam destaque, lançando equipamentos diferentes da concorrência. Neste afã, eram colocados à disposição dos consumidores motores com potência igual à do competidor só que com menor tamanho. Essa variedade de tipos ocasionava um problema já que não havia como substituir modelos de fabricantes diferentes sem ajustes. Por essa questão é que se fez premente uma normalização que ditasse os parâmetros de construção dos equipamentos. A terceira razão foi o uso de matérias-primas mais nobres e apropriadas na estrutura dos motores e a quarta, e talvez mais importante, foi o uso em grande escala dos motores pela população mundial que impulsionou os fabricantes a desenvolverem mais e melhores produtos. Aplicações Prestando minimamente atenção no mundo que nos cerca percebe-se sem muito esforço que o uso de motores elétricos não ficou restrito somente à lancha de von Jacobi e nem à locomotiva exposta pela empresa de Halske e Siemens na feira industrial de Berlim. Depois dessas primeiras utilizações, o invento começou a ser empregado nas indústrias que se proliferavam nos países mais ricos do mundo. Não demorou muito tempo, no entanto, para se perceber que, se os motores elétricos eram úteis para os países mais desenvolvidos, certamente deveriam ser mais úteis ainda para nações mais pobres, em que o desenvolvimento industrial era ainda incipiente. Assim, começou a surgir indústrias especializadas na fabricação de motores elétricos. Logo, o equipamento, antes restrito ao ambiente industrial, alcançou estabelecimentos comerciais e residenciais. Na área doméstica, por exemplo, houve o surgimento de diversas máquinas que utilizavam o novo invento. Torradeiras, liquidificadores e espremedores propiciaram às donas de casa a otimização de seus afazeres, possibilitando, conseqüentemente, que houvesse mais tempo para outras atividades. Nos Estados Unidos, de acordo com o livro Mundo Elétrico, quase todos os eletrodomésticos apareceram entre 1890 e Na fronteira entre comércio e atividade doméstica, a confecção de roupas foi transformada pela invenção da máquina de costura. Profissionais liberais como dentistas também se beneficiaram com o surgimento do motor; suas velhas ferramentas foram substituídas por equipamentos elétricos e o trabalho ficou mais preciso e seguro

17 Os primeiros motores elétricos foram instalados no Brasil em 1898, sendo um de 30 CV Westinghouse, na fábrica de tecidos Bernardo Mascarenhas, e outro de 20 CV, italiano, na firma Pantaleone Arcuri & Timpani, ambos em Juiz de Fora (MG). O equipamento consolidou-se e mesmo com o advento da era digital no século XX, permaneceu firme. A máquina que teve seu tamanho diminuído e tornou-se silenciosa com o passar dos anos e hoje pode ser encontrada em todos os lugares em que um ser humano esteja realizando uma atividade. Brinquedos, escadas rolantes, portões eletrônicos, impressoras, computadores, condicionadores de ar, caixas eletrônicos, banheiras de hidromassagem, limpadores de pára-brisa e muitos outros equipamentos utilizam de alguma forma o motor elétrico em suas composições. Aliada com a eletrônica, a eletricidade e seus aplicativos são os principais impulsionadores do progresso humano. Segundo o diretor de engenharia da Weg, Siegfried Kreutzfeld, o motor elétrico de indução foi, é, e continuará sendo considerado o impulsor ou a força motriz da indústria em todo mundo. No Brasil Se no final do século XIX e início do século XX, o motor elétrico já era realidade em diversos países da Europa e nos Estados Unidos, o mesmo não podia ser dito em relação ao Brasil. Se antes de 1900, os motores trifásicos de indução já eram utilizados nas indústrias dos países desenvolvidos e se nas vésperas da primeira guerra mundial, Estados Unidos e Alemanha já despontavam como potências nessa área, o Brasil apresentava uma economia totalmente atrelada a produtos agrícolas, como a borracha, a cana-de-açúcar e o café. Nas primeiras décadas do século XX, as indústrias eram quase todas movidas a vapor ou a força hidráulica. A eletricidade, quando existente, era, em geral, somente para a iluminação. Era difícil convencer a muitos dos industriais daquela época que o pequeno motor elétrico substituía com vantagem as barulhentas e fumegantes caldeiras e máquinas a vapor, afirma Pedro Carlos da Silva Telles, em seu livro História da Engenharia no Brasil. A situação só se modificou com a queda da produção cafeeira no País que afetou a taxa de câmbio e encareceu em demasia os produtos de importação. Como eles eram muitos e fariam falta para a sociedade brasileira, só restou uma solução ao governo da época: incentivar a produção interna por meio de indústrias. Os governos de Getúlio Vargas de 1934 a 1945 e depois de 1950 a 1954 foram um dos grandes responsáveis pelo primeiro empurrão rumo à difusão das indústrias no País. Mais indústrias demandavam mais energia e o País não possuía, pelo menos naquele momento, meios que aumentassem sua produção energética, A perspectiva começou a se modificar no governo de Juscelino Kubitschek (JK), entre 1956 e Foi na sua gestão, por exemplo, que foram construídas as usinas de Furnas e Três Marias. Os investimentos deram certo e a capacidade de produção de energia passou de 3,5 milhões de quilowatts para 4,7 milhões de quilowatts no final de Estava criada uma infra-estrutura suficiente para atender à demanda de produção industrial brasileira que havia crescido cerca de 80% durante o mandato de JK. A partir de então, o País entrou de vez na era industrial e os motores elétricos, tomando carona nessa onda, começaram a ser comercializados em grande escala. As empresas fabricantes do equipamento se situaram, em um primeiro momento, na região Sudeste do País, mais especificamente em São Paulo, como Siemens, General Electric, Arno, Búfalo, Wazgner, Brasil Motores e Indústria Paulista de Motores. Posteriormente, a região Sul também entrou no mapa da produção de motores elétricos do País com o surgimento no Estado de Santa Catarina de empresas como a Weg, a Motores Eberle (atual Metal Corte) e a Kolbach. Na atualidade, o progresso tecnológico do motor elétrico tem sido surpreendente tanto em termos de otimização de volume e peso, em virtude das inovações de materiais isolantes, como das novas ferramentas de engenharia no uso do cálculo dos motores elétricos. Pesquisa: O motor elétrico, publicação da Weg. Apoio

HISTORIA DA ELETRICIDADE

HISTORIA DA ELETRICIDADE 1 HISTORIA DA ELETRICIDADE RESUMO OS PRIMEIROS PASSOS Grécia Antiga - Tales descobre as propriedades do âmbar. Ásia Menor descobre-se as propriedades de um pedaço de rocha atrair pequenos pedaços de ferro

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

Eficiência energética com aplicação de motores de imãs permanentes

Eficiência energética com aplicação de motores de imãs permanentes Eficiência energética com aplicação de motores de imãs permanentes Rodrigo Augusto Neves Engenheiro Eletricista Helder Pires Luca Engenheiro Eletricista 1 Resumo Nas plantas industriais, o consumo de energia

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS Rodrigo Augusto Neves (1) Leandro Ávila da Silva (2) RESUMO Nas plantas industriais, o consumo de energia elétrica representa uma parcela importante nos custos

Leia mais

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA Rodrigo Augusto Neves (1) Marcos Coelho (2) RESUMO Nas plantas industriais, o consumo de energia elétrica representa uma parcela

Leia mais

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA Um pouco de história O conhecimento de eletricidade data de antes de Cristo ~ 600 a.c. Ambar, quando atritado, armazena eletricidade William Gilbert em 1600 conseguiu eletrizar muitas substâncias diferentes

Leia mais

- O movimento ordenado de elétrons em condutores

- O movimento ordenado de elétrons em condutores MATÉRIA: Eletrotécnica MOURA LACERDA CORRENTE ELÉTRICA: - O movimento ordenado de elétrons em condutores Os aparelhos eletro-eletrônicos que se encontram nas residências precisam de energia elétrica para

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Física Série: 3ª Professor (a): Marcos Vinicius Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 4 Níveis de Tensão Porto Alegre - 2012 Tópicos Níveis de tensão nos sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VIII PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Data: 19/9/2009 Valor da prova: 8,0 Nota: Eixo temático

Leia mais

Apoio. As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas

Apoio. As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas Apoio As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas Apresentação Com a missão de suprir a carência de informações históricas e culturais acerca do mundo das instalações elétricas e sua

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

Eletricidade: acionamento de motores elétricos

Eletricidade: acionamento de motores elétricos Eletricidade: acionamento de motores elétricos A UU L AL A Como se pode converter energia elétrica em energia mecânica? Considere a situação descrita a seguir. Tic-tac, blamp-blump, zuuuummmm... São as

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua

Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua André Lessa - 008087 Orientador: Pedro Raggio 1 Sumário 1 Introdução 3 2 História 3 3 Teoria 3 3.1 Dipolo Magnético...........................

Leia mais

Cloud Computing. Um Caminho Sem Volta. George Randolph CEO Ipsense

Cloud Computing. Um Caminho Sem Volta. George Randolph CEO Ipsense Cloud Computing Um Caminho Sem Volta George Randolph CEO Ipsense 1 Introdução O tema Cloud Computing ou Computação em Nuvem é cada vez mais comum não só entre profissionais da área de TI mas entre a grande

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

5/8/2015. O Campo Magnético... um pouco do passado As primeiras manifestações de fenômenos magnéticos que se tem notícia ocorreu na Magnésia.

5/8/2015. O Campo Magnético... um pouco do passado As primeiras manifestações de fenômenos magnéticos que se tem notícia ocorreu na Magnésia. As primeiras manifestações de fenômenos s que se tem notícia ocorreu na agnésia. Na Grécia antiga, se conheciam as propriedades de um minério de ferro encontrado na região da agnésia, a magnetita, (Fe

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ ELETROÍMÃS 4.1- ELETROÍMÃS ELETROÍMÃS Você já ficou sabendo que em movimento, como numa corrente elétrica, gera magnetismo. Você também já ficou sabendo que um imã em movimento próximo de um condutor faz

Leia mais

COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA

COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA A ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, considerando que em parte da mídia estão sendo veiculadas informações inconsistentes

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

na nuvem/terra como se houvesse uma longa vara de metal conectando-as. Veja como a "quebra" funciona. Quando o campo elétrico se torna muito forte

na nuvem/terra como se houvesse uma longa vara de metal conectando-as. Veja como a quebra funciona. Quando o campo elétrico se torna muito forte Introdução (relâmpago/raios) O relâmpago é um dos fenômenos mais bonitos da natureza e também um dos mais mortais. Com as temperaturas dos raios sendo maiores do que a da superfície do Sol e com as ondas

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-33 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-33 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO NO BRASIL E UMA VISÃO DE FUTURO Tema 1.1: Perdas Técnicas Autores: - ADILSON NOGUEIRA ARAÚJO TAP ELETRO-SISTEMAS - ERIVALDO COSTA COUTO

Leia mais

Para-raios CATÁLOGO DE SERVIÇOS. www.tel.com.br

Para-raios CATÁLOGO DE SERVIÇOS. www.tel.com.br PÁGINA 1 RAIOS 4 2 NORMAS E CERTIFICAÇÕES 6 2.1 EXIGÊNCIAS REGULAMENTARES 7 3 A EMPRESA 9 4 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ENGENHARIA 4.1 PROJETO DE SPDA 4.2 MEDIÇÃO DE CONTINUIDADE ELÉTRICA EM ARMADURA DE

Leia mais

Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410

Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410 Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410 Eduardo Daniel MDJ Assessoria e Engenharia Consultiva Coordenador da CE 03:064-01 Instalações elétricas de baixa tensão ORIGEM ABNT - Associação Brasileira de

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto para Trabalho Trimestral de Física Curso: Mecânica Turma: 3112 Data: 14/08/2008 Sala : 269 Aluno: Pedro Santos Nascimento n : 28 Grupo C

Leia mais

Centro Educacional ETIP

Centro Educacional ETIP Centro Educacional ETIP Revisão de Conteúdo 1 Trimestre/2014 Data: Professor: Leandro Nota: Valor : [0,0 3,0] Nome do(a) aluno(a): Nº Turma: INSTRUÇÕES Preencha corretamente o cabeçalho a caneta. Essa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II. Gerador de Van De Graaff

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II. Gerador de Van De Graaff UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II Gerador de Van De Graaff Objetivos gerais: Ao término desta atividade o aluno deverá ser capaz de: - identificar

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

Unidade 14. Circuitos elétricos

Unidade 14. Circuitos elétricos Unidade 14 Circuitos elétricos Pra início de conversa... Nesta aula, você vai conhecer um circuito elétrico e seus componentes, conhecer a lei de Ohm e saber como utilizá-la para os cálculos de correntes,

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 LEI DE FARADAY

EXPERIÊNCIA 9 LEI DE FARADAY EXPERIÊCIA 9 LEI DE FARADAY I - OBJETIVO: Este experimento não é um experimento quantitativo. ele, vamos sempre verificar somente a qualidade. A lei de Faraday é uma lei experimental e procuraremos chegar

Leia mais

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos ELETROSTÁTICA Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos Eletrostática Estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. O átomo O núcleo é formado por: Prótons cargas elétricas positivas Nêutrons

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Magnetismo 6 Magnetismo natural - ímãs 6 Ímãs artificiais 6 Pólos magnéticos de um ímã 7 Origem do magnetismo 8 Inseparabilidade dos pólos 10 Interação entre ímãs 10 Campo magnético

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Relês. Funcionamento dos Relês

Relês. Funcionamento dos Relês Relês Por Diego Marcelo dos Santos Postado em: http://www.infoescola.com/eletronica/rele/ Tendo o surgimento em torno do século XIX o Relê tempo das centrais analógicas nas localidades mais remotas. Os

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU?

SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU? ART489-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU? Ângelo Stano Júnior* João Roberto Cogo** * GSI - Engenharia e Comércio LTDA.

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações Mar/Abr 2015 ANO III Nº 16 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Arranha-céu Ecológico O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Alexander Parkes. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Alexander Parkes. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode O

Leia mais

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel.

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Manual de proteção contra raios DPS Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Nuvens carregadas e muita chuva em todo o pais A posição geográfica situa o Brasil entre os

Leia mais

(www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.respostas.php. Acesso em: 30.10.2012.)

(www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.respostas.php. Acesso em: 30.10.2012.) 1. (G1 - ifsp 2013) Raios são descargas elétricas de grande intensidade que conectam as nuvens de tempestade na atmosfera e o solo. A intensidade típica de um raio é de 30 mil amperes, cerca de mil vezes

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080

TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 No tempo das cavernas o que mais impressionava o homem na natureza era o Raio, que nada mais é do que uma descarga da eletricidade contida nas

Leia mais

O ELÉTRON QUEM SOU EU

O ELÉTRON QUEM SOU EU QUEM SOU EU Meu nome é elétron! Sou uma partícula muito pequena. Ninguém pode me ver. Mas estou em toda parte. Faço parte do ar, da água, do solo e do fogo. Nunca estou parado. Sou muito rápido. Gosto

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física I PROFESSOR(A) Raphael ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Em um determinado local do espaço, existe

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

ENGENHARIA PRINCÍPIO E PERSPECTIVAS HISTÓRICAS

ENGENHARIA PRINCÍPIO E PERSPECTIVAS HISTÓRICAS ENGENHARIA PRINCÍPIO E PERSPECTIVAS HISTÓRICAS O QUE É ENGENHARIA Engenharia é a ciência, a arte e a profissão de adquirir e de aplicar os conhecimentos matemáticos, técnicos e científicos para a criação,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção 1 Contra Choques Elétricos A Corrente Elétrica no Corpo Humano Fundamentos da proteção contra choques elétricos. 2 Eletrodos

Leia mais

Analise as seguintes afirmações sobre ímãs e suas propriedades magnéticas.

Analise as seguintes afirmações sobre ímãs e suas propriedades magnéticas. Imãs 1. (G1 - ifsp 2013) Um professor de Física mostra aos seus alunos 3 barras de metal AB, CD e EF que podem ou não estar magnetizadas. Com elas faz três experiências que consistem em aproximá-las e

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------ POR QUE É QUE A GENTE É ASSIM? Eng. ------------------------------------------------------------------------------------ É batata! Toda vez que, numa conversa qualquer, o assunto "comportamento no mercado"

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Aterramentos. por Rafael Alves

Aterramentos. por Rafael Alves Aterramentos por Rafael Alves Dentre as causas mais comuns que podem ocasionar distúrbios e danos à segurança das pessoas e equipamentos numa estação de telecom estão as descargas atmosféricas, as sobretensões

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

MAGNETISMO 1 INTRODUÇÃO

MAGNETISMO 1 INTRODUÇÃO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2111 Sala: 232 Início: 02 de junho de 2009 Entrega: 17 de julho

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica

Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica Tema: História da Eletricidade Episódio: Do primeiro motor elétrico à transmissão de eletricidade Fontes: revistas

Leia mais

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto,

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, A UU L AL A Ele deu... a luz Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, prevenido, deu a sua ordem preferida: - Desliga a televisão que é perigoso, está trovejando! Mal ele acabou a frase, surgiu um

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV003 Telefone Experimental Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Prof. Ventura Ensina Tecnologia Telefone O telefone pode ser considerado

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Campo Magnético. e horário. e anti-horário. e horário. e anti-horário. e horário. a) b) c) d) e)

Campo Magnético. e horário. e anti-horário. e horário. e anti-horário. e horário. a) b) c) d) e) Campo Magnético 1. (Ita 2013) Uma espira circular de raio R é percorrida por uma corrente elétrica i criando um campo magnético. Em seguida, no mesmo plano da espira, mas em lados opostos, a uma distância

Leia mais

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA Desde 1820 quando Oersted descobriu que quando uma corrente elétrica percorria um condutor gerando em torno deste um campo magnético, que uma pergunta surgiu, seria possível que

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

Física: Eletromagnetismo

Física: Eletromagnetismo Física: Eletromagnetismo Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Está(ão) correta(s): Considere as afirmações a seguir a respeito de ímãs. I. Convencionou-se

Leia mais

Ecthos Consultoria e Desenvolvimento LTDA

Ecthos Consultoria e Desenvolvimento LTDA Inspeção em Instalações Elétricas Ecthos Consultoria e Desenvolvimento LTDA O curso a ser apresentado é composto basicamente por cinco partes e tem o objetivo de apresentar uma metodologia para a inspeção

Leia mais

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas A U A UL LA Manutenção eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. O operador chamou a manutenção mecânica, que solucionou o problema. Indagado sobre o tipo de defeito encontrado, o mecânico

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Geradores Elétricos: Princípios e Aplicações

Geradores Elétricos: Princípios e Aplicações Danilo Barreto 1 Franklin Lima 1 Guilherme 1 Luciano Carvalho 1 Rafael Nunes 1 1 Departamento de Engenharia e Arquitetura - DAER Curso de Engenharia Elétrica Seminário de Materiais Elétricos, 2010 1 Conceitos

Leia mais

Física 3 Turma 99031. Profa. Ignez Caracelli 3/9/2015. Física C. Aula 01 Introdução. Aulas. Leiam! Livro Texto Leiam! Profa. Ignez Caracelli Física 3

Física 3 Turma 99031. Profa. Ignez Caracelli 3/9/2015. Física C. Aula 01 Introdução. Aulas. Leiam! Livro Texto Leiam! Profa. Ignez Caracelli Física 3 Física C Física 3 Turma 99031 Aulas Aula 01 Introdução Profa. Ignez Caracelli 2 Livro Texto Leiam! Livro Texto Leiam! 3 4 1 Material Disponível www.ignez.com Façam e Refaçam os Exercícios! 5 6 Ementa da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia Elétrica 6ª Série Conversão Eletromecânica de Energia A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.

Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. NBR-5419 eletroalta montagens elétricas ltda Eng Glauber Maurin LEGISLAÇÃO: NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Dicas. do professor. Eliseu Gabriel. Como estudar? Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano

Dicas. do professor. Eliseu Gabriel. Como estudar? Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano Eliseu Gabriel O vereador e professor Eliseu Gabriel conseguiu aprovar uma Lei para ajudar a despertar o gosto pelo estudo e a

Leia mais

Apostila 3 Capítulo 11. Página 289. Eletrostática

Apostila 3 Capítulo 11. Página 289. Eletrostática Apostila 3 Capítulo 11 Página 289 Eletrostática Gnomo Breve História Otto von Guericke (1602 1686) Máquina eletrostática: constituída por uma esfera de enxofre com um eixo ligado a uma manivela. Girando

Leia mais

PRINCÍPIO DOS MOTORES ELÉTRICOS

PRINCÍPIO DOS MOTORES ELÉTRICOS FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2124 Sala: 237 Início: 02 de junho de 2009 Entrega: 17 de julho

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br Olá, concurseiro! É um grande prazer poder lhe dar algumas dicas básicas a respeito da sua preparação para um Concurso Público. Sei que esse é um grande sonho, e ter a oportunidade de colaborar com a construção

Leia mais

EDIFICAÇÕES. Há poucas atividades extracurriculares. Sugere-se reduzir a burocracia da instituição.

EDIFICAÇÕES. Há poucas atividades extracurriculares. Sugere-se reduzir a burocracia da instituição. EDIFICAÇÕES Há poucas atividades extracurriculares. Sugere-se reduzir a burocracia da instituição. Faltam disciplinas práticas e deveria haver mais aulas nos laboratórios. Deveriam ser realizadas mais

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

MICHAEL FARADAY 1791-1867

MICHAEL FARADAY 1791-1867 MICHAEL FARADAY 1791-1867 Contribuições 1 Contribuições Data de nascimento: 22 de Setembro de 1791 Local: Sul de Londres, Inglaterra Nacionalidade: Britânica Campos: Física e Química Conhecido por: electromagnética

Leia mais

FÍSICA. Sempre que for necessário, utilize g= 10m/s 2

FÍSICA. Sempre que for necessário, utilize g= 10m/s 2 FÍSICA Sempre que for necessário, utilize g= 10m/s 2 28 d Leia com atenção a tira da Turma da Mônica mostrada abaixo e analise as afirmativas que se seguem, considerando os princípios da Mecânica Clássica.

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo REVISÃO ENEM Prof. Heveraldo Fenômenos Elétricos e Magnéticos Carga elétrica e corrente elétrica. Lei de Coulomb. Campo elétrico e potencial elétrico. Linhas de campo. Superfícies equipotenciais. Poder

Leia mais