AÇÃO DE S,S -BIS(DIISOBUTILFOSFORIL)-1,3-PROPANODITIOL SOBRE ADULTOS DE Lucilia cuprina E Chrysomya megacephala (DIPTERA: CALLIPHORIDAE) RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÃO DE S,S -BIS(DIISOBUTILFOSFORIL)-1,3-PROPANODITIOL SOBRE ADULTOS DE Lucilia cuprina E Chrysomya megacephala (DIPTERA: CALLIPHORIDAE) RESUMO"

Transcrição

1 AÇÃ DE S,S -BIS(DIISBUTILFSFRIL)-1,3-PRPANDITIL SBRE ADULTS DE Lucilia cuprina E Chrysomya megacephala (DIPTERA: CALLIPHRIDAE) (Effects of S,S -Bis(Diisobutilfosforil)-1,3-Propanoditiol on the adults of Lucilia cuprina and Chrysomya megacephala (Diptera: Calliphoridae) Amanda CHAABAN *, Viviane Martins Rebello dos SANTS, João Batista Neves DA CSTA, Élio BARBIERI-JÚNIR & Gonzalo Efrain MYA BRJA Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro RESUM A susceptibilidade de Lucilia cuprina e Chrysomya megacephala a S,S -bis (diisobutilfosforil)-1,3- propanoditiol foi avaliada no Laboratório de Entomologia Veterinária da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil. Moscas capturadas no campus da referida universidade foram criadas no laboratório até a terceira geração para os testes inseticidas. Várias concentrações do organofosforado foram aplicadas sobre o tórax de moscas com dois a três dias de idade, sendo após 24 e 48 horas registrados os efeitos letais do produto. Baseado nos valores das DL 50 avaliados sob teste de regressão, o inseticida apresentou toxicidade para ambas as espécies e sexos. Machos e fêmeas de C. megacephala foram mais suceptíveis do que L. cuprina. PALAVRAS-CHAVE: moscas varejeiras, adultos, organofosforado. ABSTRACT The susceptibility of Lucilia cuprina and Chrysomya megacephala to S,S -bis (diisobutilfosforil)- 1,3-propanoditiol was compared at the Veterinary Entomology Laboratory from the Federal Rural University of Rio de Janeiro, Brazil. Wild flies were captured in the university campus and a colony was reared in the laboratory until the F3 generation aiming topical application tests. Various concentrations of the organophosphorate was applied on the thorax of 2-3 days old flies by the use of a microsyringe and after 24 and 48 hours, lethal effects were recorded. Based on the LD 50 values, the insecticide was toxicity for both species and sexes. Males and female of C. megacephala was more susceptible than L. cuprina. KEY WRDS: blowflies, adults, organophosphorate. INTRDUÇÃ Dípteros da família Calliphoridae são freqüentemente citados na literatura como de interesse médico e veterinário, por conseqüências dos seus estágios larvais causarem miíases * Autor para correspondência Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Parasitologia Animal BR 465, Km , Seropédica, RJ primárias e secundárias, os espécimens adultos além de estarem, envolvidos na veiculação mecânica e biológica de agentes patogênicos, como bactérias, fungos e vírus (KAUFMAN et al., 1989). Particularmente as duas espécies da família, Lucilia cuprina (Wiedemann, 1830) e Chrysomya megacephala (Fabricius 1794), apresentam grande importância médico-sanitária e veterinária, devido a capacidade de suas formas larvais se desenvolverem em matéria orgânica em decomposição, como carçacas de animais, excrementos e lixo urbano, caracterizando seu 83

2 alto grau de sinantropia (GUIMARÃES et al., 1978, D ALMEIDA, 1988). Devido a elevada importância destes dípteros, diversas medidas de controle foram propostas, contudo, de acordo com NEVES & NGUEIRA (1996), o controle químico através de formulações de inseticidas tem sido os mais aceitos. A aplicação intensiva de inseticidas de largo espectro no combate de insetos tem causado impacto negativo para os agroecossistemas (KAY & CLLINS, 1987), além do crescente aumento de casos de resistência à tais produtos (Brattsten et al., 1986, GUEDES & FRAGS, 1999). Estudos de impactos ou efeitos de inseticidas sobre pragas são de grande importância econômica e ambiental, sendo o uso de inseticidas seletivos um fator preponderante dentro do manejo integrado de pragas (GUEDES & FRAGS, 1999). Neste contexto, novas substâncias necessitam ser testadas para o efetivo controle de pragas, oferecendo maior segurança, seletividade, biodegrabilidade, viabilidade econômica baixo impacto ambiental e aplicabilidade em programas integrados contra insetos (SANTS, 2003). Assim sendo, o presente estudo teve por objetivo, determinar a susceptibilidade das formas adultas de L. cuprina e C. megacephala a S,S -bis (diisobutilfosforil)-1,3-propanoditiol. MATERIAL E MÉTDS presente experimento foi realizado no Laboratório de Entomologia do Instituto de Veterinária da UFRRJ. s dípteros utilizados foram obtidos através de colônias estoque mantidas em laboratório a temperatura de 27 C e 70 ± 10% de umidade relativa, alimentados diariamente com solução de glicose 25% e água, devidamente separados em placas de Petri (10 cm de diâmetro x 1,5 cm de profundidade), com tela plástica no fundo impedindo o afogamento dos adultos. Durante cinco dias utilizou-se cerca de 20 g de carne bovina moída também servida em placa de Petri e introduzida na gaiola como fonte de proteína, para maturação dos ovaríolos das fêmeas que são anautôgenas. Diariamente a alimentação e o substrato foram trocados e as placas de Petri lavadas, evitando assim, o desenvolvimento de microrganismos indesejáveis. Como substrato para oviposição foi utilizada carne bovina moída putrefata, mantida em placa de Petri e oferecida aos adultos de L. cuprina e C. megacephala, por cerca de cinco horas. As massas de ovos obtidas foram retiradas com o auxílio de pincel e colocadas em placas de Petri forradas com papel filtro, por 12 horas, ocorrendo posteriormente o desenvolvimento larval dentro do substrato descrito acima, procedendo-se deste modo até a obtenção da F2. Foram preparadas as soluções estoque para o inseticida S,S -bis (diisobutilfosforil)-1,3- propanoditiol (SANTS, 2003) (Fig. 1) na concentração de 5%, diluindo-o em 5,0mL de uma solução de etanol em água na proporção de 70:30. Uma vez preparada a solução estoque, foram feitas as devidas diluições, obtendo-se cinco concentrações distintas, procedendo-se a diluições seriadas, utilizando-se a relação volume-volume. A solução estoque e as diluições, foram devidamente lacradas com fita P S S P Figura 1. Estrutura química do organofosforado S,S -bis (diisobutilfosforil)-1,3-propanoditiol. 84

3 de politetrafluoretileno e mantidas em refrigerador, tendo sido retiradas uma hora antes do uso. Após a emergência dos adultos, os insetos foram retirados das gaiolas por meio de aspirador de pó tipo industrial, sendo posteriormente imobilizados por dióxido de carbono. Com o auxílio de uma microseringa (Hamilton), foi realizada a aplicação de 1µL de cada composto na região torácica dos insetos. Foram realizadas quatro repetições por dose, com 20 moscas por repetição, de quatro a seis dias de idade, pertencentes à F2. Após a aplicação dos inseticidas, os insetos foram acondicionados em recipientes de vidro (10 cm de altura x 3 cm de diâmetro), com fundo forrado com um disco de papel filtro, sendo sua parte superior fechada com gaze estéril, presa por liga de borracha. Estes foram alimentados através de algodão embebido em solução de glicose, objetivando a observação de sua mortalidade 24 e 48 horas após aplicação dos inseticidas. Em todos os testes foram utilizados grupos testemunhos, nos quais foram aplicados unicamente os diluentes. As doses letais (DL 10, DL 50 e DL 90 ) foram calculadas utilizando-se o programa computacional Polo- PC (Probit or Logit Analysis) (RUSSEL et al., 1977). RESULTADS E DISCUSSÃ Conforme recomendação feita por LEWIS & EDDY (1961) os valores das doses letais estão expressos em micrograma por grama de inseto, para facilitar a comparação dos resultados encontrados aos de outros pesquisadores. Na Tab. 1 estão apresentadas as doses letais de inseticidas para machos adultos de L. cuprina e C. megacephala, após 24 e 48 horas de exposição. Na determinação da DL 50 do inseticida avaliado, em ìg por mosca, os dados demonstraram que machos adultos de C. megacephala apresentaram-se mais sensíveis que L. cuprina, o que não foi bem evidenciado quando da leitura 48 horas após a exposição. Na Tab. 2 estão apresentadas as doses letais de S,S -bis(diisobutilfosforil)-1,3- propanoditiol, obtidas nos testes de aplicação tópica sobre fêmeas adultas de L. cuprina e C. megacephala, após 24 e 48 horas de exposição. bservando os resultados obtidos, o S,S - bis(diisobutilfosforil)-1,3-propanoditiol apresentou maior toxicidade para machos adultos de C. megacephala 24 horas após aplicação. Entretanto, machos e fêmeas de L. cuprina apresentaram maior susceptibilidade que C. megacephala após 48 horas de exposição ao inseticida. s dados indicam que o inseticida testado apresentou maior toxicidade para machos do que para as fêmeas de L. cuprina, após 24 horas de contato com o composto avaliado. BECK & MYA-BRJA (1982) avaliando a susceptibilidade de adultos de Cochliomyia hominivorax ao trichlorfon e crufomato observaram uma maior toxicidade para os machos desta espécie do que para as fêmeas, corroborando com dados apresentados por MRAES & MYA-BRJA (1995), que obtiveram resultados semelhantes ao avaliarem a susceptibilidade de Stomoxys calcitrans. SILVA-JUNIR & MYA-BRJA (1996) descreveram uma maior toxicidade de Tabela 1. Doses letais de S,S -bis(diisobutilfosforil)-1,3-propanoditiol para machos adultos de Lucilia cuprina e Chrysomya megacephala após 24 e 48 horas de exposição. Exposição L. cuprina 1 C. megacephala 2 (horas) DL 10 (µg/g ) DL 50 (µg/g) DL 90 (µg/g ) DL 10 (µg/g) DL 50 (µg/g ) DL 90 (µg/g) , , ,99 388,77 967, , ,69 285, ,22 92,38 333, ,47 1 Peso médio dos machos de L. cuprina = 0,0216 g. 2 Peso médio dos machos de C. megacephala = 0,05773 g 85

4 Tabela 2. Doses letais de S,S -bis(diisobutilfosforil)-1,3-propanoditiol para fêmeas adultas de Lucilia cuprina e Chrysomya megacephala após 24 e 48 horas de exposição. Exposição L. cuprina 1 C. megacephala 2 (horas) DL 10 (µg/g ) DL 50 (µg/g) DL 90 (µg/g ) DL 10 (µg/g) DL 50 (µg/g ) DL 90 (µg/g) , , ,54 337,56 918, , , ,58 73,46 416, ,40 1 Peso médio das fêmeas de L. cuprina = 0,0300 g. 2 Peso médio das fêmeas de C. megacephala = 0,05693 g. trichlorfon e crufomato para machos do que para fêmeas em testes com Cochliomyia macellaria e Chrysomya albiceps. Embora ocorram pequenas variações frente à toxicidade dos machos e fêmeas no presente estudo, é bem provável que o fato esteja relacionado à diferença da idade das moscas avaliadas, bem como da geração as quais pertenciam. Comparando os resultados encontrados no presente estudo aos obtidos por SILVA- JUNIR & MYA-BRJA (1996), após 24 horas da aplicação tópica de trichlorfon e crufomato sobre adultos de C. albiceps, L. cuprina, existe relevante diferença significativa frente aos valores da DL 50 determinada no presente estudo para o inseticida avaliado. s valores encontrados pelos referidos autores para DL 50 sobre adultos de L. cuprina foram de 250,01 e 23,93 para machos e de 277,42 e 18,71 para fêmeas. Apesar de S,S -bis (diisobutilfosforil)-1,3- propanoditiol ter apresentado valores para DL 50 superiores aos valores obtidos frente aos inseticidas comerciais, é viável a realização de outros testes biológicos, a fim de avaliar de forma ampla e aprofundada a utilização deste composto como inseticida, no controle de L. cuprina e C. megacephala. SANTS (2003) ao estudar a toxicidade de S,S -bis(diisobutilfosforil)-1,3-propanoditiol sobre adultos de Musca domestica e S. calcitrans, obteve valores da DL 50 de 26,89 e 12,41 µg/g de mosca, respectivamente, quando da leitura realizada 24 horas pós-exposição. Avaliando os resultados obtidos pela referida autora, nota-se uma maior susceptibilidade de S. calcitrans e M. domestica frente a S,S -bis (diisobutilfosforil)-1,3- propanoditiol, quando comparados aos resultados obtidos para os califorídeos avaliados no presente estudo. Machos de L. cuprina apresentaram-se mais sensíveis que fêmeas desta espécie, já para C. megacephala os resultados demonstram que fêmeas foram mais susceptíveis que machos após 24 horas de exposição. Segundo relatos de CLAUDIANS et al. (1999), o uso intensivo de inseticidas no controle de pragas, tem desenvolvido resistência em muitas espécies de insetos em função de vários mecanismos, não obstante novas substâncias devem ser utilizadas com o objetivo de rotacionar o uso de inseticidas. REFERÊNCIAS BIBLIGRÁFICAS BECK, A. G. E.; MYA-BRJA. Susceptibilidade comparativa de uma linhagem de Cochliomyia hominivorax a sete inseticidas. Arquivos da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, v. 5, p , BRATTSTEN, L. B.; HLYKE, C. W.; LEE PER J.R.; RAFFA, K. F. Insecticide resistance: challenge to pest management and basic research. Science, v. 231, p , CLAUDIANS, C., RUSSEL; R. L.; AKESHTT, J. G. The same amino acid substitution in orthologous esterases confers organophosphate resistance on the housefly and a blowfly. Insect Biochemistry and Molecular Biology, v. 26, p , D ALMEIDA, J.M. Breeding media used for rearing of flies in an urban area of the state of Rio de Janeiro. Memórias do Instituto swaldo Cruz, v. 83, p , GUEDES, R. N. C.; FRAGS, D. B. Resistência a inseticidas: Bases gerais, situação e reflexões sobre o fenômeno em inseto-praga do cafeeiro. In: GUIMARÃES, J. H.; PRAD, A. P.; LINHARES, 86

5 A. X. Three newly introduced blowfly species in souther Brasil (Diptera: Calliphoridae). Revista Brasileira de Entomologia, v. 22, p , KAUFMAN, G. L.; GANDEVIA, B. H.; BELLAS, T. E.; TVEY, E. R; BALD, B. A. ccupational allergy in an research centre I. Clinical aspects of reations to the sheep blowfly Lucilia cuprina. Journal Indian Medicine, v. 46, p , KAY, I. R.; CLLINS, P. J. The problem of resistance to insecticides in tropical insect pests. Insect Science and its Applications, v. 8, p , LEWIS, L. F.; EDDY, G. W. Laboratory evaluation of insecticides against the adult horn fly. Journal of Economic Entomology, v. 54, p , MRAES, J. L. C.; MYA-BRJA, G. E. Susceptibilidade de adultos de Stomoxys calcitrans (Diptera: Muscidae) a sete inseticidas. Revista Universidade Rural, Série Ciências da Vida, v. 17, p , NEVES, B. P.; NGUEIRA, J. C. M. (eds.) Cultivo e utilização do Nin Indiano (Azadirachta indica A. Juss). Goiânia, Embrapa- CNPAF, 1996, 32p. RUSSEL, R.M.; RBERTSN, J. L.; SAVIN, N. E. Polo: A new computer program for Probit Analysis. Bulletin Entomologic of Society American, v. 23, p , SANTS, V. M. R. Síntese, caracterização, modelagem molecular e estudo da atividade biológica de novos bisfosforamidatos e bisfosforoditioatos f. Tese (Doutorado em Química rgânica) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, SILVA-JUNIR, V. P.; MYA-BRJA, G. E. Susceptibilidade de adultos de Chrysomya albiceps (Wiedemann, 1819), Cochliomyia macellaria (Fabricius, 1775) e Lucilia cuprina (Wiedemann, 1830) (Diptera: Calliphoridae) a inseticidas. Arquivos de Biologia e Tecnologia, v. 39, p , ZAMBLIM, L. (rg.). I Encontro sobre produção de café com qualidade. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, p , Recebido em: Aceito em:

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS. Neotropical Entomology 36(5):633-639 (2007)

ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS. Neotropical Entomology 36(5):633-639 (2007) September - October 2007 633 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Interação entre Fatores Visuais e Olfativo em Localização de Recursos pela Mosca-Varejeira, Chrysomya megacephala (Fabricius) (Diptera: Calliphoridae),

Leia mais

Pesquisas do grupo de Entomologia Aplicada, Depto. de Zoologia, IB UNICAMP Prof. Dr. Carlos Fernando S. Andrade

Pesquisas do grupo de Entomologia Aplicada, Depto. de Zoologia, IB UNICAMP Prof. Dr. Carlos Fernando S. Andrade AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE SIMULÍDEOS AO TEMEPHOS EFICIÊNCIA DE PRODUTOS A BASE DE Bacillus thuringiensis israelensis Pesquisas do grupo de Entomologia Aplicada, Depto. de Zoologia, IB UNICAMP Prof. Dr.

Leia mais

o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi

o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi AVALIAÇÃ D PÓ INERTE À BASE DE TERRA DE DIATMÁCEAS N CNTRLE DE SITPHILUS SPP. EM TRIG ARMAZENAD, EM LABRATÓRI Lorini, 1. 1 Resumo o efeito do pó inerte, à base de terra de diatomáceas, foi avaliado no

Leia mais

COMUNICAÇÃO. (Communication) Dípteros muscóides de importância médica e veterinária e seus parasitóides em Goiás

COMUNICAÇÃO. (Communication) Dípteros muscóides de importância médica e veterinária e seus parasitóides em Goiás Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia On-line version ISSN 1678-4162 Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.52 n.4 Belo Horizonte Aug. 2000 http://dx.doi.org/10.1590/s0102-09352000000400010

Leia mais

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar...

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... http://www.milkpoint.com.br/anuncie/novidades-dos-parceiros/agita-as-moscas-podem-ate-voar-mas-nao-vao-escapar-69463n.aspx Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... 07/02/2011 Muitas pessoas

Leia mais

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Samuel Eustáquio Morato Barbosa 1 ; Danival José de Sousa 2 ; 1 Aluno do Curso

Leia mais

DIPTEROFAUNA DE INTERESSE FORENSE EM AMBIENTE URBANO NA AMAZÔNIA ORIENTAL

DIPTEROFAUNA DE INTERESSE FORENSE EM AMBIENTE URBANO NA AMAZÔNIA ORIENTAL DIPTEROFAUNA DE INTERESSE FORENSE EM AMBIENTE URBANO NA AMAZÔNIA ORIENTAL Peniche, T. (1,2) ; Barros, I. F. A. (2) ; Sidônio, I. A. P. (2) ; Cavalcante, K. S. (2) ; Moutinho, C. S. (2) ; Nascimento, F.

Leia mais

DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE MUSCIDEOS NO LIXÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE, SÃO PAULO, BRASIL... 264

DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE MUSCIDEOS NO LIXÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE, SÃO PAULO, BRASIL... 264 DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE MUSCIDEOS NO LIXÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE, SÃO PAULO, BRASIL... 264 FREQÜÊNCIA DE MOSCAS NO JARDIM MORADA DO SOL, NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE, SÃO PAULO, BRASIL... 268

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

Central Produtora de Material Biológico para Bioterapia. Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial)

Central Produtora de Material Biológico para Bioterapia. Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial) Central Produtora de Material Biológico para Bioterapia Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome

Leia mais

A Resistência de Piolhos aos Inseticidas Químicos e Avaliação de uma

A Resistência de Piolhos aos Inseticidas Químicos e Avaliação de uma 1 A Resistência de Piolhos aos Inseticidas Químicos e Avaliação de uma Amostra Shampoo Piolhicida Campinas, março de 1998 Carlos Fernando S. Andrade & Luciana U. dos Santos Depto. de Zoologia, IB UNICAMP.

Leia mais

Controle Alternativo da Broca do Café

Controle Alternativo da Broca do Café Engº Agrº - Pablo Luis Sanchez Rodrigues Controle Alternativo da Broca do Café Trabalho realizado na região de Ivaiporã, na implantação de unidade experimental de observação que visa o monitoramento e

Leia mais

Taxa de Desenvolvimento de Chrysomya albiceps (Wiedemann) (Diptera: Calliphoridae) em Dieta Artificial Acrescida de Tecido Animal para Uso Forense

Taxa de Desenvolvimento de Chrysomya albiceps (Wiedemann) (Diptera: Calliphoridae) em Dieta Artificial Acrescida de Tecido Animal para Uso Forense March - April 2009 203 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Taxa de Desenvolvimento de Chrysomya albiceps (Wiedemann) (Diptera: Calliphoridae) em Dieta Artificial Acrescida de Tecido Animal para Uso Forense

Leia mais

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias

Projecto-Piloto. Doméstica. 25 moradias Projecto-Piloto Compostagem Doméstica 25 moradias O que é a compostagem? É um processo biológico em que os microrganismos i transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas e restos de comida, num

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem.

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Habilidades Verificar a importância do correto descarte através do reaproveitamento, reciclagem e reutilização de bens de consumo. 1 Reaproveitamento do Lixo

Leia mais

OCORRÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE MOSCA VAREJEIRA (DIPTERA: CALLIPHORIDAE) NAS REGIÕES URBANA, RURAL E SILVESTRE DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO - RO 1

OCORRÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE MOSCA VAREJEIRA (DIPTERA: CALLIPHORIDAE) NAS REGIÕES URBANA, RURAL E SILVESTRE DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO - RO 1 1 OCORRÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO DE MOSCA VAREJEIRA (DIPTERA: CALLIPHORIDAE) NAS REGIÕES URBANA, RURAL E SILVESTRE DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO - RO 1 OCCURRENCE AND DISTRIBUTION OF BLOW FLY (DIPTERA: CALLIPHORIDAE)

Leia mais

Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do

Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do equipamento SHIVA da empresa Bio Art. 2007 Efetividade no processo

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

EFEITO DE UMA DIETA À BASE DE FARINHA DE CARNE, FARELO DE TRIGO E FEZES EQÜINAS NO DESENVOLVIMENTO DE Lucilia cuprina (WIEDEMANN, 1830) EM LABORATÓRIO

EFEITO DE UMA DIETA À BASE DE FARINHA DE CARNE, FARELO DE TRIGO E FEZES EQÜINAS NO DESENVOLVIMENTO DE Lucilia cuprina (WIEDEMANN, 1830) EM LABORATÓRIO EFEITO DE UMA DIETA À BASE DE FARINHA DE CARNE, FARELO DE TRIGO E FEZES EQÜINAS NO DESENVOLVIMENTO DE Lucilia cuprina (WIEDEMANN, 1830) EM LABORATÓRIO (Effect of meat flour, wheat four and equine excrement

Leia mais

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 RESTRIÇÃO HÍDRICA EM GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA 77 CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 JOSÉ DA CRUZ MACHADO 2 ; JOÃO ALMIR DE OLIVEIRA 3

Leia mais

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável O açaí constitui-se a base da alimentação cotidiana de diversas famílias da região Norte do Brasil e oferece grande disponibilidade de

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

NICHOS TRÓFICOS EM DÍPTEROS CALIPTRADOS, NO RIO DE JANEIRO, RJ

NICHOS TRÓFICOS EM DÍPTEROS CALIPTRADOS, NO RIO DE JANEIRO, RJ NICHOS TRÓFICOS EM DÍPTEROS CALIPTRADOS 563 NICHOS TRÓFICOS EM DÍPTEROS CALIPTRADOS, NO RIO DE JANEIRO, RJ d ALMEIDA, J. M. 1 e ALMEIDA, J. R. 2 1 Laboratório de Biologia e Controle de Insetos Vetores,

Leia mais

Efeitos Alelopáticos do Azadirachta indica (Nim) na germinação de alface (Lactuca sativa L.)

Efeitos Alelopáticos do Azadirachta indica (Nim) na germinação de alface (Lactuca sativa L.) Efeitos Alelopáticos do Azadirachta indica (Nim) na germinação de alface (Lactuca sativa L.) Júlia Maluf dos SANTOS NETA 1 ; Luciano Donizete GONÇALVES 2 ; Haroldo Silva VALLONE 3 ; Maria Cristina da Silva

Leia mais

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura.

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura. ACIDEZ EM ÓLEOS E GORDURAS VEGETAIS UTILIZADOS NA FRITURA Álvaro Ramos Junior 1* ; Cleiton Teixeira 1 ; Vinícius Jatczak Amazonas 1 ; Daniela Trentin Nava 2 ; Raquel Ribeiro Moreira 2 ; Ricardo Fiori Zara

Leia mais

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Protocolo nº: (uso da CEUA) Data de Entrega / / (uso da CEUA) Título do Projeto Pesquisador-chefe Departamento Unidade Acadêmica - - - - -

Leia mais

ESTUDO IN VITRO DA RESISTÊNCIA DE Rhipicephalus Boophilus microplus A CARRAPATICIDAS EM BOVINOS NA REGIÃO DE LONDRINA-PR

ESTUDO IN VITRO DA RESISTÊNCIA DE Rhipicephalus Boophilus microplus A CARRAPATICIDAS EM BOVINOS NA REGIÃO DE LONDRINA-PR ESTUDO IN VITRO DA RESISTÊNCIA DE Rhipicephalus Boophilus microplus A CARRAPATICIDAS EM BOVINOS NA REGIÃO DE LONDRINA-PR Lincoln Tavares Gomes* Paulo Humberto Carnelós* Yasmim Varago Farth* Yurick Moritz*

Leia mais

Controle da Lagarta Preta do Girassol (Helianthus annus) com Produtos Naturais

Controle da Lagarta Preta do Girassol (Helianthus annus) com Produtos Naturais Controle da Lagarta Preta do Girassol (Helianthus annus) com Produtos Naturais Control of the black caterpillar of the sunflower with natural products GUIRADO, Nivaldo. Pólo APTA Centro Sul, nguirado@apta.sp.gov.br;

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes Manejo de pragas Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes O que é uma praga? *Inseto que cause danos diretos (ex. lagarta que se alimente das folhas de couve) O que é uma praga? * Inseto que cause danos

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

Daniele Aparecida COSTA. Associação Cultural e Educacional de Garça Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal. Carlos Eduardo de Mendonça OTOBONI

Daniele Aparecida COSTA. Associação Cultural e Educacional de Garça Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal. Carlos Eduardo de Mendonça OTOBONI REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO I EDIÇÃO NÚMERO 2 DEZEMBRO DE 2002 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

614 Rev Saúde Pública 2002;36(5):614-20 www.fsp.usp.br/rsp

614 Rev Saúde Pública 2002;36(5):614-20 www.fsp.usp.br/rsp 614 Rev Saúde Pública 22;36(5):614-2 Dípteros muscóides como vetores mecânicos de ovos de helmintos em jardim zoológico, Brasil Muscoid dipterans as helminth eggs mechanical vectors at the zoological garden,

Leia mais

Manejo de cipós na Amazônia

Manejo de cipós na Amazônia PRIMEIRA ECOLOGIA Pesquisas em florestas do Pará podem ajudar a evitar prejuízos na extração de madeira Manejo de cipós na Amazônia Levantamentos florestais revelam que os cipós vêm se tornando cada vez

Leia mais

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA REVISÃO QUÍMICA Profº JURANDIR QUÍMICA DADOS 01. (ENEM 2004) Em setembro de 1998, cerca de 10.000 toneladas de ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) foram derramadas pelo navio Bahamas no litoral do Rio Grande

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Quando deixamos um alimento aberto ou fora da geladeira por alguns dias, ele estraga. Aparece mofo, bolor e, dependendo da quantidade de tempo, pode aparecer até larvas. O tipo de alimento

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

Microhimenópteros do gênero Spalangia (Hymenoptera: Pteromalidae: Spalanginae) coletados em vários substratos no Sul do Estado de Goiás, Brasil

Microhimenópteros do gênero Spalangia (Hymenoptera: Pteromalidae: Spalanginae) coletados em vários substratos no Sul do Estado de Goiás, Brasil Comunicação breve Microhimenópteros do gênero Spalangia (Hymenoptera: Pteromalidae: Spalanginae) coletados em vários substratos no Sul do Estado de Goiás, Brasil Resumo Carlos H. Marchiori* Otacílio M.

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ALELOPÁTICO DO ADUBO VERDE (CROTALARIA SPECTABILIS) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TOMATE (LYCOPERSICON ESCULENTUM MILL) E POSTERIOR DESENVOLVIMENTO EM CAMPO Helem Fernandes Naves

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4.

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. 525 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1 Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. Resumo: A água utilizada para fins farmacêuticos

Leia mais

ENSAIO DE TOXICIDADE COM EXTRATO DO ÓLEO 3-SPS-41D-TFR-01 CÓDIGO LET 3215 (MÉTODO ANDERSON) UTILIZANDO Mysidopsis juniae (CRUSTACEA-MYSIDACEA)

ENSAIO DE TOXICIDADE COM EXTRATO DO ÓLEO 3-SPS-41D-TFR-01 CÓDIGO LET 3215 (MÉTODO ANDERSON) UTILIZANDO Mysidopsis juniae (CRUSTACEA-MYSIDACEA) 1 ENSAIO DE TOXICIDADE COM EXTRATO DO ÓLEO 3-SPS-41D-TFR-01 CÓDIGO LET 3215 (MÉTODO ANDERSON) UTILIZANDO Mysidopsis juniae (CRUSTACEA-MYSIDACEA) SOLICITANTE: CENPES/PDEDS/AMA/PETROBRAS Centro de Pesquisa

Leia mais

SPANTA POMBO PASTILHA

SPANTA POMBO PASTILHA SPANTA POMBO PASTILHA CÓDIGO : 702 Páginas 1 de 5 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do produto... : SPANTA POMBO PASTILHA Fabricante... : INSETIMAX INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA Endereço... : Rua Adelaide Zangrande

Leia mais

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana AGRICULTURA URBANA Principais ameaças à prática da Agricultura urbana 19 de Junho de 2012 AGRICULTURA URBANA A actividade agrícola urbana está sujeita a várias fontes de poluição que podem afectar a qualidade

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

Introduzir o estudo das fórmulas químicas e seus diversos tipos, além de mostrar as fórmulas de determinados compostos.

Introduzir o estudo das fórmulas químicas e seus diversos tipos, além de mostrar as fórmulas de determinados compostos. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS FÓRMULAS QUÍMICAS Aula 8 META Introduzir o estudo das fórmulas químicas e seus diversos tipos, além de mostrar as fórmulas de determinados compostos. OBJETIVOS Ao final desta aula,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Geral ASSUNTO: Soluções e Unidades de Concentração 1 1. TIPOS MAIS COMUNS DE SOLUÇÃO Solução

Leia mais

ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA

ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA R. DIAS 1, L. A. DA COSTA 1, R.A.F. MACHADO 1, J. WILMSEN 1, T. CZIZEWESKI 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Química

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=417>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=417>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Fatores ambientais que influem no tempo de corridas de cavalos Puro- Sangue Inglês Mota,

Leia mais

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2 Uso de Terra de Diatomácea para Proteção de Grãos de Milho 24 Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI)

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Samuel Martinelli Monsanto do Brasil Ltda 1 I WORKSHOP DE MILHO TRANSGÊNICO 07-09 DE MARÇO DE 2012 SETE LAGORAS,MG Conceito de resistência Interpretação

Leia mais

CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos

CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos Virgínia Santiago Silva Beatris Kramer Arlei Coldebella 83 Introdução

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

EFEITO OVICIDA DE METARHIZIUM ANISOPLIAE IP 46, EM SOLO, SOBRE RHIPICEPHALUS SANGUINEUS

EFEITO OVICIDA DE METARHIZIUM ANISOPLIAE IP 46, EM SOLO, SOBRE RHIPICEPHALUS SANGUINEUS EFEITO OVICIDA DE METARHIZIUM ANISOPLIAE IP 46, EM SOLO, SOBRE RHIPICEPHALUS SANGUINEUS Macsuel Corado Barreto, Christian Luz Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública Universidade Federal de Goiás,

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

DNA Darwin Não Atento?

DNA Darwin Não Atento? DNA Darwin Não Atento? PÁGINA 1 DE 6 CIÊNCIAS BIOLOGIA QUÍMICA Darwin foi um dos maiores cientistas de todos os tempos. Ele percebeu que variações ocorrem nas populações ou seja, diferenças são encontradas

Leia mais

DIPTERA CALLIPHORIDAE DE IMPORTÂNCIA FORENSE NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

DIPTERA CALLIPHORIDAE DE IMPORTÂNCIA FORENSE NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 16, n. 16, p. 41 52 DIPTERA CALLIPHORIDAE DE IMPORTÂNCIA FORENSE NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO OLIVEIRA-COSTA, Janyra 1 ; OLIVEIRA, Rodrigo Gonçalves de BASTOS,

Leia mais

n. 9 - setembro - 2007

n. 9 - setembro - 2007 n. 9 - setembro - 2007 ISSN 0103-4413 Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Av. José Cândido da Silveira, 1.647 - Cidade Nova - 31170-000 Belo Horizonte - MG - site: www.epamig.br - e-mail:

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM)

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) 1-Leia o texto a seguir. Com o passar do tempo, objetos de prata escurecem e perdem seu brilho em decorrência da oxidação desse metalpelo seu contato com oxigênio e

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

Fruit flies in a commercial mango orchard, in the coast of Rio Grande do Norte

Fruit flies in a commercial mango orchard, in the coast of Rio Grande do Norte V. 9, n. 1, p. 01-06, jan - mar, 2013. UFCG - Universidade Federal de Campina Grande. Centro de Saúde e Tecnologia Rural CSTR. Campus de Patos PB. www.cstr.ufcg.edu.br Revista ACSA: http://www.cstr.ufcg.edu.br/acsa/

Leia mais

Fórum da Pós-Graduação do Instituto de Biologia 2012

Fórum da Pós-Graduação do Instituto de Biologia 2012 Fórum da Pós-Graduação do Instituto de Biologia 2012 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Biologia Animal UNICAMP Área CAPES: Ciências Biológicas III Dra. Silmara Marques Allegretti Coordenadora da PPG-Parasitologia

Leia mais

ANÁLISE DA TOLERÂNCIA DE GENÓTIPOS DE FEIJÃO-CAUPI AO CARUNCHO

ANÁLISE DA TOLERÂNCIA DE GENÓTIPOS DE FEIJÃO-CAUPI AO CARUNCHO Área: Fitossanidade. ANÁLISE DA TOLERÂNCIA DE GENÓTIPOS DE FEIJÃO-CAUPI AO CARUNCHO Leite, N. G. A. 1 ; Oliveira, G. R. L. 2 ; Ramos, C. S. A. 3 ; Oliveira, L. G. 4 ; Santos, V. F. 4 ; Souza, M. C. M.

Leia mais

Uso do Percevejo Predador Atopozelus opsimus no Controle Biológico de Pragas Florestais.

Uso do Percevejo Predador Atopozelus opsimus no Controle Biológico de Pragas Florestais. Uso do Percevejo Predador Atopozelus opsimus no Controle Biológico de Pragas Florestais. Thaíse Karla Ribeiro Dias Vit. da Conquista abril - 2009 Introdução Eucaliptocultura Brasileira Limitações Thyrinteina

Leia mais

Inseticidas aliados contra a dengue

Inseticidas aliados contra a dengue Inseticidas aliados contra a dengue Alguns dos produtos testados deixaram a desejar na eliminação de baratas e moscas. A boa notícia é que todos eles tiveram ótimo desempenho contra o mosquito Aedes aegypti.

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009 Nome do Produto: CYDEX Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: CYDEX Nome da empresa: FARMABASE SAÚDE ANIMAL LTDA. Av. Emílio Marconato, 1000 Galpão A3 Chácara Primavera.

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 6 Armazenamento e Coleta Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

Emergência com Pragas em Arquivos e Bibliotecas

Emergência com Pragas em Arquivos e Bibliotecas Emergência com Pragas em Arquivos e Bibliotecas Universidade de Brasília Faculdade d de Economia, Administração, Contabilidade bld d e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 BIOMETRIA DOS EQUÍDEOS DE TRAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PATOS/ PARAÍBA-BRASIL SILVIA SOUSA AQUINO¹, DAVIDIANNE DE ANDRADE MORAIS¹, MARCELO PAIVA¹, LAYZE CILMARA ALVES DA SILVA¹, WILLIANY MARILLAC DA NÓBREGA

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 3/97 REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 11/93 e 91/93 do Grupo

Leia mais

Calliphoridae (Diptera) associados a cadáver de porco doméstico Sus scrofa (L.) na cidade de Manaus, Amazonas, Brasil.

Calliphoridae (Diptera) associados a cadáver de porco doméstico Sus scrofa (L.) na cidade de Manaus, Amazonas, Brasil. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Universidade Federal do Amazonas - UFAM Programa de Pós-Graduação em Biologia Tropical e Recursos Naturais Divisão do Curso de Entomologia - DCEN Calliphoridae

Leia mais

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a presença de gás sulfídrico, proveniente da degradação de proteínas do pescado. 2 Fundamentos O método fundamenta-se na decomposição de

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos Página 1de5 1.Identificação do Produto e da Empresa Nome comercial : ISOL TERM Identificação da Empresa : Faber Tecnologia Indústria e Comércio Ltda Rua Hudson 351 Distrito Industrial Bairro Jardim Canadá

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157

MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157 MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157 1998 Associação Paranaense dos Controladores de Pragas e Vetores EPI CNAE 8122-2/00 CONCLA Comissão Nacional de Classificação

Leia mais

Controle de Alphitobius diaperinus com Beauveria bassiana Associada a Produtos Alternativos

Controle de Alphitobius diaperinus com Beauveria bassiana Associada a Produtos Alternativos Controle de Alphitobius diaperinus com Beauveria bassiana Associada a Produtos Alternativos Control of Alphitobius diaperinus with Beauveria bassiana associated with alternative products SANTORO, Patricia

Leia mais

POTENCIAL ALCALINIZANTE DE SOLUÇÕES INTRAVENOSAS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE LACTATO E DE BICARBONATO DE SÓDIO ADMINISTRADAS EM OVELHAS SADIAS

POTENCIAL ALCALINIZANTE DE SOLUÇÕES INTRAVENOSAS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE LACTATO E DE BICARBONATO DE SÓDIO ADMINISTRADAS EM OVELHAS SADIAS POTENCIAL ALCALINIZANTE DE SOLUÇÕES INTRAVENOSAS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE LACTATO E DE BICARBONATO DE SÓDIO ADMINISTRADAS EM OVELHAS SADIAS Karina Keller M. C. Flaiban 1 ; Fernanda Tamara N. M.

Leia mais

Introdução aos Polímeros Os Plásticos e o Ambiente Módulo V

Introdução aos Polímeros Os Plásticos e o Ambiente Módulo V Introdução aos Polímeros Os Plásticos e o Ambiente Módulo V Maria da Conceição Paiva, Guimarães Abril 2005 Maria da Conceição Paiva 1 degradação dos polímeros Os polímeros degradam em certas condições

Leia mais

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar:

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar: 8 GABARITO 1 1 O DIA 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 16. Devido à sua importância como catalisadores, haletos de boro (especialmente B 3 ) são produzidos na escala de toneladas por

Leia mais