182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA"

Transcrição

1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares 1,2 1 Centro Universitário Norte do Espírito Santo, Universidade Federal do Espírito Santo 2 Universidade Federal da Integração Latino-Americana * para correspondência: Introdução As comunidades de muscóideos em geral podem ser usadas como indicadores comparativos das alterações ambientais, especialmente os mais devidos à atividade humana, pois estes têm altos níveis de sinantropia como também hà espécies sensíveis às relações antrópicas (Baumgartner & Greenberg, 1985; D Almeida & Lopes, 1983). Várias espécies podem ser completamente dependentes sobre a atividade humana, principalmente pela disponibilidade de alimentação e substratos para altos níveis de reprodução e população. Como também há outras espécies de muscóideos que são essenciais para o equilíbrio do ecossistema e totalmente dependentes de áreas preservadas. O efeito de borda é um dos subprodutos da fragmentação florestal, sendo a borda definida como a porção do fragmento que sofre influência de fatores ambientais externos ao fragmento (Ewers & Didham, 2007). A realização deste estudo no norte do Espírito Santo tem sua importância aumentada, pois a região está inserida no Corredor Central da Mata Atlântica e na região se encontra os maiores remanescentes do bioma no estado (IEMA, 2011). Material e Métodos As coletas foram realizadas na Reserva Natural Vale, localizada entre as coordenadas geográficas 19º06 e 19º18 S e 39º45 e 40º19 W, no norte do estado do Espírito Santo. Para a coleta foi empregada armadilha de Ferreira (1978) modificada, utilizando iscas atrativas (camarão, banana e fígado bovino), e coleta passiva. O material coletado foi preservado em álcool 70 %, levado ao laboratório para triagem. Os exemplares foram alfinetados e passaram por secagem direta por 48 horas em estufa. Para o efeito de borda foi estabelecido um transecto da borda para o interior da Reserva (utilizando trilhas préestabelecidas). As armadilhas foram instaladas na borda da floresta (0 metros), 100 metros

2 182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA da borda, 500 metros, 1000 metros e 2000 metros a partir da borda. Totalizando 45 armadilhas. Para a análise dos dados foi utilizado o teste estatístico ANOVA. Resultados e Discussão Durante as quatro coletas que foram realizadas em janeiro de 2013 a julho de 2013, foram coletados 647 dípteros sendo 595 (91,96%) pertencentes à família Calliphoridae, 47(7,26%) pertencentes à Família Muscidae. Dentre os califórideos, 589 (98,99%) pertencentes à subfamília Mesembrinellinae contabilizando dois gêneros de mesembrinelíneos. Dentre a família Muscidae 21(44.68%) pertencentes ao gênero Neomuscina, 10(21,22%) ao gênero Polietina, 12 (25,53%) ao gênero Morellia 1 (2,12%) ao gênero Cyrtoneurina. A partir dos resultados obtidos, pode-se observar que tanto na borda quanto nos pontos do interior da mata não há variação entre os exemplares, em relação à abundância geral dos gêneros (P= 0,209), mostrando que não há um efeito de borda significativo para o total de indivíduos amostrados (Figura 1). Figura 1: Gráfico de abundância geral dos gêneros capturados na Reserva Vale nos diferentes pontos de coleta da borda para o interior da mata (Pontos na horizontal = 1: Borda, 2: 100m da borda, 3: 500m da borda, 4:1000m da borda 5: 2000m da borda). Sendo cada ponto do gráfico representando o conjunto de três armadilhas, mostrando a igualdade entre os pontos em relação à abundância geral de todos os gêneros, evidenciando que as condições da borda para o interior da mata são similares, não havendo efeito de borda. (P= 0,209)

3 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA O gênero Mesembrinella apresentou uma variação (P= 0,459) mostrando também que a abundância não obteve variância à medida que se afasta da borda, logo, não há um efeito de borda significativo sobre este gênero (Figura 2). Figura 2: Gráfico de abundância do gênero Mesembrinella capturados na Reserva Vale, nos diferentes pontos de coleta da borda para o interior da mata (Pontos na horizontal = 1: Borda, 2: 100m da borda, 3: 500m da borda, 4: 1000m da borda 5: 2000m da borda). Sendo cada ponto do gráfico representando o conjunto de três armadilhas, mostrando a igualdade entre os pontos em relação à abundância do gênero, evidenciando que as condições da borda para o interior da mata são similares, não havendo efeito de borda. (P= 0,459) Ao contrário destes resultados, o gênero Eumesembrinella obteve uma variação (P= 0,023), evidenciando que à medida que se avança no interior da mata, maior é a abundância encontrada, logo, há um efeito de borda significativo sobre este gênero (Figura 3) (Figura 4). Os representantes da subfamília Mesembrinellinae estão intimamente ligados ao ambiente silvestre, sendo considerados de natureza assinantrópica, ou seja, não adaptados às relações antrópicas (Mello et al. 2007). Mesembrinella bellardiana, por exemplo, apresentou índice de sinantropia de -100, o que indica aversão total a ambientes modificados pelo homem, em um trabalho realizado no Rio de Janeiro (D Almeida & Lopes, 1983). Em relação à similaridade, apenas a fauna total do gênero Mesembrinella apresentou similaridade entre os pontos coletados. Segundo pesquisas realizadas por Ferraz et al. (2009) também encontraram similaridade entre os pontos coletados, este fato pode ser

4 184 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA explicado pela proximidade entre os pontos e por estarem no mesmo ambiente. Esta similaridade pode refletir provavelmente um ambiente preservado. Figura 3: Gráfico de abundância do gênero Eumesembrinella capturados na Reserva Vale, nos diferentes pontos de coleta da borda para o interior da mata (Pontos = 1: Borda, 2: 100m da borda, 3: 500m da borda, 4: 1000m da borda, 5: 2000m da borda). Sendo cada ponto do gráfico representando o conjunto de três armadilhas, mostrando o aumento da abundância do gênero à medida que se avança no interior da mata, havendo efeito de borda. (P= 0,023) Figura 4: Gráfico de abundância do gênero Eumesembrinella capturados na Reserva da Vale, nos diferentes pontos de coleta da borda para o interior da mata com Regressão Linear, evidenciando o aumento da abundância à medida que se avança no interior da mata. (Pontos na horizontal = 1: Borda, 2: 100m da borda, 3: 500m da borda, 4: 1000m da borda, 5 : 2000m da borda). (P= 0,023)

5 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA No presente estudo os gêneros Mesembrinella e Eumesembrinella ocorreram em maior quantidade. O aumento da abundância do gênero Eumesembrinella para o interior da mata pode ser explicado pela interferência da composição florística na distribuição e ocupação do habitat (Furusawa & Cassino, 2006). Com isso pode-se dizer que os gêneros da subfamília Mesembrinellinae parecem ser potenciais indicadores de ambientes florestais preservados, pois a elevada abundância destes no interior de uma mata, nos mostra como o ambiente está em equilíbrio, como é o caso da Reserva Vale (Furusawa & Cassino, 2006), sendo que este grupo, de acordo com a literatura (Gadelha, 2009), ocorre exclusivamente no interior da mata, isto indica que estes podem ser usados em outras áreas como indicador de áreas de conservação. O trabalho realizado por Leandro & Almeida (2005), no fragmento de mata na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, mostra que apesar de estar em uma área protegida, o fragmento de mata encontra-se impactado, fato evidenciado pela presença de Chrysomya megacephala que é mais generalista e adaptada a ambientes que tiveram interferência antrópica (Soulé, 1990). Em trabalhos realizados em área urbana, rural e de manguezal (p. ex. Macedo et al., 2011; Dias et al., 2009; Silva, 2009), não houve ocorrência de Mesembrinellinae. O mesmo não acontece na Reserva Vale, mostrando que o ambiente é preservado e íntegro, pois esta subfamília foi encontrada e as demais ocorrem em baixa abundância. Conclusão Os Mesembrinellinae são sugeridos na literatura como bioindicadores de ambientes preservados e podem ser úteis em estudos relacionados à avaliação e recuperação de áreas degradadas, pois sua presença parece ser intimamente relacionada com ambientes íntegros. A alta ocorrência dessa subfamília, associada a baixa abundância dos demais Calliphoridae em uma Reserva reconhecidamente bem preservada corrobora o seu potencial bioindicador. Literatura Citada Ambiente Brasil, Corredor Biológico: < udo=./snuc/artigos/corredorbio.html> (Acesso em13/08/2013). Baumgartner, D.L. & B. Greenberg Distribution and medical ecology of the blow flies (Diptera: Calliphoridae) of Peru. Ann. Entomol. Soc. Amer, 78:

6 186 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA D Almeida, J.M. & LOPES, H.S Sinantropia de Dípteros Muscóides (Calliphoridae) no Estado do Rio de Janeiro. Arquivo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 6: Da Silva, J.A.B Estudo Comparativo da Família Calliphoridae Em Área De Mangue E Em Área Peri-Urbana Desmatada No Município De Itaboraí, Rj, Brasil. Dissertação de Mestrado, não publicada, Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica- Rio de Janeiro. 58 p. Dias, L.S.; Santarém, V.A.; Almeida, M.R.S.; Medina, A.O.; da Silva, A.V Biodiversidade de Moscas Calliphoridae no Lixão Urbano de Presidente Prudente, São Paulo, Brasil. Arquivos do Instituto Biológico., São Paulo, 76(4): Ewers, R.M. & R.K. Didham The effect of fragment shape and species sensitivity to habitat edges on animal population size. Conservation Biology, 21: Ferraz, A.C.P.; Gadelha, B.Q. & Aguiar-Coelho, V.M Influência climática e antrópica na abundância e riqueza de Calliphoridae (Diptera) em fragmento florestal da Reserva Biológica do Tinguá, Nova Iguaçu, Brasil. Neotropical Entomology, in press. Ferreira, M.J.M Sinantropia de dípteros muscóides de Curitiba, Paraná. I. Calliphoridae. Revista Brasileira de Biologia, 38: Forman, R.T.T. &Godron, M Landscape ecology. John Wiley, New York, USA. 619p. Furasawa, G. P; Cassino, P. C. R Ocorrência e Distribuição de Calliphoridae (Díptera, Oestroidea) em um Fragmento de Mata Atlântica Secundária no Município de Engenheiro Paulo de Frontin, Médio Paraíba, RJ. Revista de Biologia e Ciências da Terra. 6(1). Gadelha, B.Q Efeitos de borda na fauna de mesembrinelíneos (Diptera: Calliphoridae) na Reserva Biológica do Tinguá, Rio de Janeiro. Monografia (Bacharelado em Ciências Biológicas). Departamento de Microbiologia e Parasitologia, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. 49p. IEMA, Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Áreas Naturais Protegidas. URL disponível em < Acesso em abril de 2012.

7 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Leandro, M. J. F; Almeida, J. M. D Levantamento de Calliphoridae, Fanniidae, Muscidae e Sarcophagidae em um fragmento de mata na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, Brasil. Iheringia, Sér. Zool. 95(4) Porto Alegre. Macedo, R.S; Carraro, V.M.; Espindola, C. B.; Cabral, M. M. O Ocorrência de Dípteros Muscóides (Calliphoridae) no Município de Vassouras, RJ. Revista Eletrônica TECCEN, Vassouras, 4(1): Mello, R.P Contribuição ao estudo dos Mesembrinellinae sul-americanos (Diptera, Calliphoridae). Studia Entomol., 10: Mello, R.S.; Queiroz, M.M.C.; Valgode, M.A. & Aguiar-Coelho, V.M Population fluctuations of calliphorid species (Diptera, Calliphoridae) in the Biological Reserve of Tinguá, state of Rio de Janeiro, Brazil. Iheringia, 97: 1-5. Soulé, M The onslaught of alien species and other challenges in the coming decades. Conservation Biology 4: Toma, R. & Carvalho, C.J.B Estudo filogenético de Mesembrinellinae com ênfase no gênero Eumesembrinella Towsend (Diptera: Calliphoridae). Revista Brasileira de Zoologia, 12:

OCORRÊNCIA DE MUSCIDAE (DIPTERA, INSECTA), COMO INDICADORES DA QUALIDADE AMBIENTAL, EM TEODORO SAMPAIO, SP

OCORRÊNCIA DE MUSCIDAE (DIPTERA, INSECTA), COMO INDICADORES DA QUALIDADE AMBIENTAL, EM TEODORO SAMPAIO, SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1 OCORRÊNCIA DE MUSCIDAE (DIPTERA, INSECTA), COMO INDICADORES DA QUALIDADE AMBIENTAL, EM TEODORO SAMPAIO, SP Leonice

Leia mais

DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE MUSCIDEOS NO LIXÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE, SÃO PAULO, BRASIL... 264

DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE MUSCIDEOS NO LIXÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE, SÃO PAULO, BRASIL... 264 DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE MUSCIDEOS NO LIXÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE, SÃO PAULO, BRASIL... 264 FREQÜÊNCIA DE MOSCAS NO JARDIM MORADA DO SOL, NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE, SÃO PAULO, BRASIL... 268

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

COMUNICAÇÃO. (Communication) Dípteros muscóides de importância médica e veterinária e seus parasitóides em Goiás

COMUNICAÇÃO. (Communication) Dípteros muscóides de importância médica e veterinária e seus parasitóides em Goiás Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia On-line version ISSN 1678-4162 Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.52 n.4 Belo Horizonte Aug. 2000 http://dx.doi.org/10.1590/s0102-09352000000400010

Leia mais

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F.

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. Junior¹ A relação da comunidade com o meio-ambiente é uma das mais importantes

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

-essa definição irá abranger mais de 90% das propriedades rurais brasileiras, as quais serão desobrigadas de restaurar as suas Reservas Legais.

-essa definição irá abranger mais de 90% das propriedades rurais brasileiras, as quais serão desobrigadas de restaurar as suas Reservas Legais. Tabela As mudanças mais sérias propostas pelo projeto de lei (PLC 30/2011) que visa alterar o Código Florestal atual, aprovadas em dezembro de 2011 pelo Senado Federal, e suas consequências comentadas.

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

Palavras-chave: Arborização; inventário ambiental; manejo; patrimônio arbóreo; radiofreqüência

Palavras-chave: Arborização; inventário ambiental; manejo; patrimônio arbóreo; radiofreqüência Projeto de Gestão da Arborização no Campus da Universidade de São Paulo baseado em um Modelo de Inventário Ambiental utilizando Identificação por Radiofrequência Brenda Bogatzky Ribeiro Corrêa * Márcia

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE Juliana dos Santos Silva 1, Anália Carmem Silva de Almeida 2, Arlindo de Paula Machado Neto 3 e Carlos Augusto Sampaio

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA

FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA LEVANTAMENTO DE MAMÍFEROS DE MÉDIO PORTE EM FRAGMENTO FLORESTAL NO MUNICIPIO DE SANTA TEREZA DO OESTE - PR CASCAVEL 2010 1 RAFAEL JOSE FERREIRA LEVANTAMENTO

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE SISTEMAS AGRO- FLORESTAIS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS Giselle Lopes Moreira 1,2, Juliana Cristina de Sousa 1,3 e Mirley Luciene

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado.

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. 136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. Em relação às regiões marcadas na figura, observa-se que A) a existência de áreas superáridas,

Leia mais

NICHOS TRÓFICOS EM DÍPTEROS CALIPTRADOS, NO RIO DE JANEIRO, RJ

NICHOS TRÓFICOS EM DÍPTEROS CALIPTRADOS, NO RIO DE JANEIRO, RJ NICHOS TRÓFICOS EM DÍPTEROS CALIPTRADOS 563 NICHOS TRÓFICOS EM DÍPTEROS CALIPTRADOS, NO RIO DE JANEIRO, RJ d ALMEIDA, J. M. 1 e ALMEIDA, J. R. 2 1 Laboratório de Biologia e Controle de Insetos Vetores,

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS Gabriela Fernandes Zangirolami Faculdade de Engenharia Ambiental CEATEC gabifz@terra.com.br Resumo:

Leia mais

DIPTEROFAUNA DE INTERESSE FORENSE EM AMBIENTE URBANO NA AMAZÔNIA ORIENTAL

DIPTEROFAUNA DE INTERESSE FORENSE EM AMBIENTE URBANO NA AMAZÔNIA ORIENTAL DIPTEROFAUNA DE INTERESSE FORENSE EM AMBIENTE URBANO NA AMAZÔNIA ORIENTAL Peniche, T. (1,2) ; Barros, I. F. A. (2) ; Sidônio, I. A. P. (2) ; Cavalcante, K. S. (2) ; Moutinho, C. S. (2) ; Nascimento, F.

Leia mais

Redação científica. Português

Redação científica. Português Redação científica Português Frases Uma idéia uma frase A hipótese do distúrbio intermediário prediz que o pico da biodiversidade ocorre sob regimes de distúrbios intermediários sendo que locais com distúrbios

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ Aline da Silva Rodrigues de Oliveira Graduanda em Geografia Licenciatura e Bolsista Voluntária

Leia mais

PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ

PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ Paula Guarini Marcelino¹, Carolina Guarini Marcelino¹, Nelson Gumiero Porfirio Neto¹,

Leia mais

44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis 44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Quadro Síntese Código / Especificação PLO. 2002 Lei+Créditos 2002 Empenhado 2002 PLO. 2003 Total 557.860.773 637.176.773

Leia mais

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica Atlas dos Municípios da Mata Atlântica 2015 Realização: Patrocínio: Execução Técnica: MATA ATLÂNTICA De acordo com o Mapa da Área de Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006, segundo Decreto nº 6.660, de 21

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

(i)direito de Propriedade, (ii) Uso Sustentável dos Recursos e (iii) Conservação dos Remanescentes Florestais

(i)direito de Propriedade, (ii) Uso Sustentável dos Recursos e (iii) Conservação dos Remanescentes Florestais (i)direito de Propriedade, (ii) Uso Sustentável dos Recursos e (iii) Conservação dos Remanescentes Florestais Édis Milaré milare@milare.adv.br www.milare.adv.br VII Congresso Latino Americano de Direito

Leia mais

Conscientização acerca da Necessidade de Ações para Conservação da Biodiversidade em Corpos D água no Município de Alegre, ES.

Conscientização acerca da Necessidade de Ações para Conservação da Biodiversidade em Corpos D água no Município de Alegre, ES. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 217 Conscientização acerca da Necessidade de Ações para Conservação da Biodiversidade em Corpos D água no Município de Alegre, ES. A. M. Corrêa

Leia mais

Devastação e perigo nos ecossistemas terrestres. a) Muitas espécies correm risco de extinção porque seus habitats estão sendo aos poucos

Devastação e perigo nos ecossistemas terrestres. a) Muitas espécies correm risco de extinção porque seus habitats estão sendo aos poucos COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Lições de Língua Portuguesa, História e Vivência Religiosa - 4º ano Troca do Livro 4º ano A e B quinta-feira Segunda-feira Curitiba, 07 de outubro de 2013. Leia o texto abaixo:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. SARNEY FILHO) Altera dispositivos da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, passa a vigorar

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR

CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Sindicato dos Produtores Rurais CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR

Leia mais

ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO. Fazenda Santa Terezinha Bofete/ SP

ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO. Fazenda Santa Terezinha Bofete/ SP ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO Fazenda Santa Terezinha Bofete/ SP Outubro, 2014 Área de Alto Valor de Conservação - AAVC O conceito de AAVC foi desenvolvido pelo FSC para ser aplicado inicialmente no

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

REVISTA DE BIOLOGIA E CIENCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228

REVISTA DE BIOLOGIA E CIENCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 REVISTA DE BIOLOGIA E CIENCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 6- Número 1-1º Semestre 2006 Ocorrência e Distribuição de Calliphotidae (Díptera, Oestroidea) em um Fragmento de Mata Atlântica Secundária

Leia mais

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Gabriela da Cunha Souza Orientadora: Dra. Simey Thury Vieira Fisch http:// www.virtualvale.com.br/ http://upload.wikimedia.org/wikipedia/

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA REALIZAR LEVANTAMENTO DE FLORA E FAUNA, ANALISAR A ADEQUABILIDADE À SOLTURA DE ANIMAIS SILVESTRES E DEFINIÇÃO DE PROTOCOLOS PARA SUBSIDIAR O ESTABELECIMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN.

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br);

Leia mais

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO PARA O ANO DE 2008 ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO Controle e uso do solo urbano e rural: parcelamento irregular/clandestino

Leia mais

A Centre Collaborating with UNEP COMO IDENTIFICAR CRIMES AMBIENTAIS AMÉRICA LATINA

A Centre Collaborating with UNEP COMO IDENTIFICAR CRIMES AMBIENTAIS AMÉRICA LATINA A Centre Collaborating with UNEP COMO IDENTIFICAR CRIMES AMBIENTAIS AMÉRICA LATINA 1 2 COMO IDENTIFICAR CRIMES AMBIENTAIS AMÉRICA LATINA A Centre Collaborating with UNEP 3 DAS FLORESTAS ÀS LOJAS É muito

Leia mais

Curso de Nivelamento em Avaliação Ambiental Estratégica Módulo IV (11 e 12/05/2009)

Curso de Nivelamento em Avaliação Ambiental Estratégica Módulo IV (11 e 12/05/2009) Curso de Nivelamento em Avaliação Ambiental Estratégica Módulo IV (11 e 12/05/2009) Nájila Rejanne Alencar Julião Cabral 1. Avaliação Ambiental Estratégica como instrumento de gestão 2. Caracterização

Leia mais

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO PARA ESTUDOS ECOLÓGICOS DA REGIÃO DA SUB-BACIA DO RIO CAPIVARI-BA NOS MUNICÍPIOS DE CRUZ DAS ALMAS, MURITIBA E SÃO FÉLIX. Autor: Gabriel Barbosa Lobo Instituição: Escola

Leia mais

1986/9. 2000 SNUC e Reserva Legal vira ambiental. Código florestal. Novo Código florestal. Código das águas. Política Nacional de Meio Ambiente

1986/9. 2000 SNUC e Reserva Legal vira ambiental. Código florestal. Novo Código florestal. Código das águas. Política Nacional de Meio Ambiente CÓDIGO FLORESTAL PRAXIS SOCIOAMBIENTAL Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Código florestal 1934 Código das águas Novo Código florestal 1965 Política Nacional de Meio Ambiente

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias:

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: 1) Espécies com área de ocorrência limitada; 2) Espécies com apenas uma

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES Março 2014 MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel

Leia mais

RESGATE DA CULINÁRIA DO CERRADO COMO ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO

RESGATE DA CULINÁRIA DO CERRADO COMO ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO RESGATE DA CULINÁRIA DO CERRADO COMO ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO PAULA, Márcia Maria de1. FIMES; SEAGRO; ASETI. PAULA, Mírian Maria de2. ASETI; UEG: UFG. RESUMO A flora do Cerrado é extremamente rica em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA A ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DO II ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 23/2010 ÁREA

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO José Neiva MESQUITA NETO 1 ; Francielle Pinto RIBEIRO 2 ; Frederico Gemesio LEMOS 3 ; Gleyce Alves MACHADO 4 1 Acadêmico

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná George G. Brown Lenita J. Oliveira Vanesca Korasaki Antônio A. dos Santos Macroprograma 2: Competitividade e Sustentabilidade Número do

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 097-MA

FICHA PROJETO - nº 097-MA FICHA PROJETO - nº 097-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Construindo Estratégias Participativas e Projetos Demonstrativos de Conservação da Mata Atlântica na Região do Corredor de Biodiversidade

Leia mais

Relatório Final. Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal

Relatório Final. Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal Relatório Final Reflorestamento da Mata Atlântica através de Mecanismos Financeiros de Projetos de Carbono Florestal Maio 2010 FBDS-Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Rua Eng. Álvaro

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br 78 Currículos dos Cursos do CCA UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

SUMÁRIO: Projeto de recuperação de áreas degradadas. Instrução Normativa Nº. 08

SUMÁRIO: Projeto de recuperação de áreas degradadas. Instrução Normativa Nº. 08 SUMÁRIO: OBJETIVOS:... 2 I DAS DEFINIÇÕES:... 3 II DOS PROCEDIMENTOS:... 3 III INSTRUÇÕES:... 4 ANEXO 1... 6 EXEMPLO DE CROQUI DE REPRESENTAÇÃO DA ÁREA A SER RECUPERADA... 6 ANEXO 2... 7 ENDEREÇO DO DEPARTAMENTO

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp Distribuição da Mata Atlântica Aparentemente, uma faixa homogênea de florestas

Leia mais

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades PROJETO MORRO DO PILAR Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas Belo Horizonte / MG Junho/2014 EMPRESA RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 65 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

Resumos Conceitos Iniciais Prof. Dr. William Costa Rodrigues

Resumos Conceitos Iniciais Prof. Dr. William Costa Rodrigues Resumos Conceitos Iniciais Prof. Dr. William Costa Rodrigues O Resumo é nada mais que uma síntese concisa de todo um trabalho desenvolvido. Nesta apresentação serão apresentadas as características gerais

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL

O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL Renata Evangelista de Oliveira Departamento de Desenvolvimento Rural Centro de Ciências Agrárias CCA/UFSCar O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: TARDE Data: 27/10/2010 PROVA GRUPO GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

CO012 A VISÃO DOS ESTUDANTES DE CIÊNCIAS DAS 6ª SÉRIES SOBRE O PAPEL DO ZOOLÓGICO

CO012 A VISÃO DOS ESTUDANTES DE CIÊNCIAS DAS 6ª SÉRIES SOBRE O PAPEL DO ZOOLÓGICO CO12 A VISÃO DOS ESTUDANTES DE CIÊNCIAS DAS 6ª SÉRIES SOBRE O PAPEL DO ZOOLÓGICO ACHUTTI, Márcia R.G. 1 ; BRANCO, Joaquim Olinto 2 ; ACHUTTI,Wilson 1 (1) Parque Cyro Gevaerd- Santur, Br 11 Km 137,Balneário

Leia mais

Paraíso azul CONCEITOS A EXPLORAR. B iologia. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. G eografia. Agressão ao ecossistema e extinção de espécies.

Paraíso azul CONCEITOS A EXPLORAR. B iologia. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. G eografia. Agressão ao ecossistema e extinção de espécies. CONCEITOS A EXPLORAR B iologia Agressão ao ecossistema e extinção de espécies. Populações: contagem, densidade, taxas de crescimento, determinantes populacionais. Dinâmica de populações: crescimento, oscilação

Leia mais

Banco Mundial apoia projeto ambiental no RS

Banco Mundial apoia projeto ambiental no RS Banco Mundial apoia projeto ambiental no RS Órgão aprovou recursos para ajudar na conservação e restauração do ecossistema dos pampas gaúchos; cerca de 2,6% do território do Rio Grande do Sul é protegido

Leia mais

Ocorrência e Sazonalidade de Muscóides (Diptera, Calliphoridae) de Importância Sanitária no Município de Itaboraí, RJ, Brasil

Ocorrência e Sazonalidade de Muscóides (Diptera, Calliphoridae) de Importância Sanitária no Município de Itaboraí, RJ, Brasil ISSN 1983-0572 Publicação do Projeto Entomologistas do Brasil www.ebras.bio.br Ocorrência e Sazonalidade de Muscóides (Diptera, Calliphoridae) de Importância Sanitária no Município de Itaboraí, RJ, Brasil

Leia mais

Levantamento da Ave-fauna das Nascentes do Rio Cachoeira

Levantamento da Ave-fauna das Nascentes do Rio Cachoeira COAMA - Clube dos Observadores de Aves da Mata Atlântica Joinville (SC) Levantamento da Ave-fauna das Nascentes do Rio Cachoeira Categoria Conservação da Vida Silvestre 1. Sobre a organização participante:

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

O Lavrado de Roraima:

O Lavrado de Roraima: DIAGNÓSTICO O Lavrado de Roraima: importância biológica, desenvolvimento e conservação na maior savana do Bioma Amazônia Ciro CAMPOS, Flavia PINTO, Reinaldo Imbrozio BARBOSA ciro.roraima@yahoo.com.br,

Leia mais