Abordagem atual sobre hipertensão arterial sistêmica no atendimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abordagem atual sobre hipertensão arterial sistêmica no atendimento"

Transcrição

1 Artigo de Revisão Santos, / Review T.S., Article et al Abordagem atual sobre hipertensão arterial sistêmica no atendimento odontológico Current aproach on arterial sistemic hypertension in dental office Thiago de Santana Santos*, Carla Renata Acevedo**, Marina Cordeiro Rêgo de Melo**, Edwaldo Dourado*** * Residente de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Universitário Oswaldo Cruz HUOC/UPE ** Acadêmica do último semestre da Faculdade de Odontologia de Pernambuco FOP/UPE *** Mestre em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pela PUCRS; Doutor em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial - Universidade de Barcelona, Espanha; Professor adjunto da disciplina de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial - FOP/UPE; Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial. Descritores Resumo Hipertensão; Procedimentos Cirúrgicos Ambulatórios; Ansiedade ao Tratamento Odontológico. Key-words Hypertension; Ambulatory Surgical Procedures; Dental Anxiety A hipertensão arterial sistêmica é geralmente um distúrbio assintomático que faz parte das doenças do aparelho circulatório, sendo um importante fator de risco para doenças decorrentes de ateroesclerose e trombose, que se exteriorizam, predominantemente, por acometimento cardíaco, cerebral, renal e vascular periférico. O diagnóstico é basicamente estabelecido pelo encontro de níveis tensionais acima dos limites da normalidade (120/80 mmhg), quando a pressão arterial é determinada através de metodologia adequada e em condições apropriadas. O tratamento médico geralmente consiste no controle da dieta e na utilização de medicações anti-hipertensivas. A importância do conhecimento da hipertensão arterial para o tratamento odontológico reside no fato desta patologia sistêmica ser considerada um fator de risco para estes pacientes durante o atendimento. O paciente hipertenso deve ter sua pressão monitorizada a cada consulta, devendo ser maior o cuidado com a escolha do anestésico, devido à concentração de vasoconstrictor. É recomendado o protocolo de redução de ansiedade, com uso de ansiolíticos, o que vai reduzir o nível de catecolaminas circulantes. O objetivo deste trabalho é realizar revisão de literatura para nortear a prática clínica odontológica. Abstract The arterial systemic hypertension is usually asymptomatic commotion of circulatory system disease and is an important risk factor for illness from atherosclerosis and thrombosis that occurs with cardiac, neurological, renal and peripheral vascular onset. Diagnosis is essentially established with a high pression above the normal limit (120/80 mmhg) and the arterial hypertension is measured through an appropriate condition and methodology. The medical management generally consists in an adequate diet and using anti-hypertensive medications. The importance of knowing arterial hypertension in dental compartment is to avoid this risk factor during the consult. Every consult must monitor the arterial pression of theses patients. Moreover, beware with the choice of local anesthetic due to the vasoconstrictor type. It is recommended the reduction anxiety s protocol, with anxyolitics. The objective of this paper is realize a literature review to guide the clinical practice in dentistry. 105 Correspondência para / Correspondence to: Thiago de Santana Santos Rua Dr. Geraldo de Andrade, n. 101, apt Espinheiro - Recife - PE - CEP: / INTRODUÇÃO As doenças do aparelho circulatório constituem, há algumas décadas, as principais causas de morte da população adulta brasileira e de internações hospitalares no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) após parto 25. A pressão arterial alta (hipertensão) é geralmente um distúrbio assintomático no qual a elevação anormal da pressão nas artérias aumenta o risco de distúrbios. É definida pela pressão sistólica média em repouso de 140 mmhg ou mais e/ou pela pressão diastólica em repouso média de 90 mmhg ou mais. Nos casos de hipertensão arterial, é comum tanto a pressão sistólica quanto a pressão diastólica estarem elevadas 3. A hipertensão arterial é o principal fator de risco modificável para tais doenças, como a doença coronariana, doenças cerebrovasculares, insuficiência cardíaca congestiva, entre outras 17. O adequado controle da pressão arterial (PA) no préoperatório e a abordagem do paciente hipertenso tem sido alvo de constantes debates nos últimos 30 anos. A decisão de postergar ou não uma cirurgia eletiva no paciente com a pressão arterial alterada é o motivo mais freqüente de controvérsias entre os anestesiologistas e os cirurgiões. Tendo em vista a grande prevalência de hipertensão arterial sistêmica na população, particularmente na população idosa, pode-se antever a freqüência deste problema 19. A hipertensão arterial é considerada um problema de saúde pública por sua magnitude, risco e dificuldades no

2 106 seu controle 22. O objetivo desse trabalho é realizar revista da literatura e analisar evidências que possam nortear a prática clínica. REVISTA DA LITERATURA E DISCUSSÃO DEFINIÇÃO Oigman (1987) 23 e Silva (1980) 26 já definiam a pressão arterial como sendo aquela existente no interior das artérias e comunicada às suas paredes, podendo ser calculada pelo produto da resistência vascular periférica total pelo débito cardíaco. Varia entre um valor máximo durante a sístole (pressão arterial sistólica PAS) e um mínimo na diástole (pressão arterial diastólica PAD). As medidas de PA podem variar devido à variação intra-individual, estímulos fisiológicos intrínsecos ou ambientais e ainda em relação a erros de medida 18. Tanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto o Joint National Committee (JNC) definem a determinação da HAS, mas de formas distintas. A primeira define como necessárias três medidas da PA em duas ocasiões diferentes para se considerar um adulto hipertenso, já a JNC utiliza a média de duas ou mais medidas realizadas em dois ou mais momentos. Além disso, a OMS considera como hipertenso um indivíduo com uma PAS = 160 mmhg e/ou PAD = 95 mmhg, enquanto que a JNC define HAS isolada uma PAS = 140 mmhg e PAD = 90 mmhg 28. ETIOLOGIA Em mais de 90% dos casos de hipertensão nenhuma causa é encontrada, sendo diagnosticada HAS primária ou essencial 8. A principal dificuldade na descoberta do mecanismo ou mecanismos responsáveis pela hipertensão desses pacientes pode ser atribuída à variedade dos sistemas que estão envolvidos na regulação da pressão arterial, bem como a complexidade das relações desses sistemas uns com os outros 5. As principais causas da hipertensão primária são herança, grupo étnico, idade, classe social, ingestão de eletrólitos na dieta, obesidade, uso excessivo de álcool, fumo, uso de anticoncepcionais orais 18. CLASSIFICAÇÃO A Organização Mundial de Saúde no ano de 1978 definiu como necessárias, para se considerar um adulto como hipertenso, três medidas de PA realizadas em duas ocasiões diferentes: normotensos PAS < 140 mmhg e PAD < 90 mmhg; hipertensos PAS = 160 mmhg e/ou PAD = 95 mmhg; hipertensos limítrofes PAD > 90 e < 95 mmhg e/ou PAS > 140 e < 160 mm Hg 6. O Joint National Committee on the Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure, 2003 JNC VI considera as medidas da PA sem considerar outros fatores de risco, usando a média de duas ou mais medidas feitas em duas ou mais ocasiões. A avaliação da PA é realizada em três estágios e define HAS isolada como a PAS = 140 mmhg e PAD = 90 mmhg. O risco para doenças cardiovasculares se inicia com PA > 115/75 mmhg, dobrando a cada aumento de 20/10mmHg. PAS entre 120 e 139mmHg e PAD entre 80 e 89 mmhg considera-se como pré-hipertensos e exigem modificações no estilo de vida para prevenir doenças cardiovasculares 19. Ainda de acordo com os autores acima citados 19, os três estágios da HAS são: Estágio 1 PAS e PAD 90-99; Estágio 2 PAS e PAD ; Estágio 3 PAS = 180 e PAD = 110. A American Society of Anesthesiologists (ASA) classifica os pacientes hipertensos, de acordo com o controle da doença, em ASA II (HAS controlada) e ASA III (HAS não controlada) 12. A hipertensão secundária é responsável por 5 a 10% dos casos de hipertensão e pode ser devido a doenças renais, hiperaldosteronismo primário, feocromocitoma, coarctação da aorta, uso de hormônios, doenças da tireóide, desordens neurológicas, entre outras causas. Estenose da veia renal é a causa mais comum de HAS secundária, presente em 1 a 2% dos pacientes hipertensos 8. A hipertensão maligna é uma forma rara de hipertensão arterial particularmente grave, que, caso não seja tratada, geralmente leva à morte em 3 ou 6 meses 3. A medida isolada da PA não é representativa e o diagnóstico de HAS deve ser dado após duas ou mais medidas da PA realizadas em duas ou mais consultas após a avaliação inicial. A mensuração da PA no ambulatório ou no domicílio por profissionais não médicos habilitados possui maior valor do que medidas individuais, pois pode identificar casos de hipertensão de consultório e prevenir tratamentos desnecessários. A hipertensão de consultório consiste na medida de valores persistentemente elevados da PA no consultório médico, porém normal no dia-a-dia do paciente. Está presente em torno de 20% dos pacientes com elevação da PA. Como pode ser um precursor da HAS, deve ser monitorada e continuamente avaliada 29. É importante diferenciar HAS da hipertensão de consultório, tendo-se em mente que, às vezes, são necessárias múltiplas medidas da PA 19. Durante muito tempo, a PAD foi mais valorizada que a PAS, sendo a PAS isolada considerada uma doença benigna do idoso, já que a maioria dos pacientes hipertensos após 60 anos possui apenas aumento da PAS. Trabalhos mais recentes demonstram que existe um risco aumentado de eventos cardiovasculares e óbito neste grupo de pacientes. Desse modo, atualmente é reconhecido que a PAS isolada também deve ser tratada. Entretanto, a PAS elevada é fator preditivo mais forte para os eventos cardiovasculares que a PAD e a hipertensão sistólica isolada. Quanto maior for o nível da hipertensão, maior o risco de infarto do miocárdio, falência cardíaca e renal, numa relação linear 16. A despeito das diversas classificações existentes para a HAS 1,13,19,27,20, a classificação da Seventh Joint National Committee on the Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure (JNC VII) 14, em 2004, tem sido a mais citada nos trabalhos, e é baseada nas medidas da PA, sem considerar outros fatores de risco. DIAGNÓSTICO A determinação da hipertensão arterial na população é uma tarefa complexa, que exige a aferição da pressão arterial e informações sobre o uso atual de medicamentos para a mesma 14. A avaliação do paciente hipertenso requer que a anamnese inicial, o exame físico e os testes laboratoriais sejam dirigidos para a descoberta de formas secundarias de hipertensão passíveis de correção, estabelecimento de uma linha básica de pré-tratamento, avaliação dos fatores que podem influenciar o tipo de terapia ou que podem ser adversamente modificados pela terapia, determinação da presença ou não de lesões a órgãos-alvo e determinação da presença ou não de outros fatores de risco para o desenvolvimento da doença cardiovascular arteriosclerótica 5.

3 Dentre os exames pré-operatórios rotineiros, especial atenção deve ser dada a eletrocardiograma, potássio sérico, glicemia, eritrograma, uréia e creatinina. Deve ser avaliada com cuidado a medicação anti-hipertensiva em uso pelo paciente, uma vez que a maioria dos hipertensos recebe algum tratamento com medicamentos e que a combinação medicamentosa é atualmente mais comum que a monoterapia, principalmente nos estágios 2 e 3. Deve-se avaliar a possível hipocalemia decorrente do uso de diuréticos e considerar a impropriedade da correção iônica rápida. Em pacientes que necessitam de reposição de potássio, é preferível fazê-lo em dias que em horas. Os pacientes que recebem inibidores de enzima conversoras de angiotensina podem apresentar resposta exagerada à indução anestésica e maior hipotensão peri-operatória. É recomendada a omissão da dose destes medicamentos na manhã da realização do procedimento anestésico-cirúrgico ou a suspensão no dia anterior à cirurgia. Os antagonistas da angiotensina II também devem ser suspensos antes da cirurgia pelo risco de hipotensão refratária. O levantamento de todas as drogas em uso, que é feito em todo paciente cirúrgico, assume aqui um caráter especial, visto que na população em questão, geralmente idosa, em que é comum a presença de mais de uma doença em tratamento, as reservas fisiológicas para respostas a determinadas situações são mais escassas e as associações medicamentosas podem ser mais deletérias 19. O trabalho realizado por Blinder et al. 4 relacionou o risco dos pacientes cardiopatas em uso da medicação Digoxina, através do eletrocardiograma (ECG), quando submetidos à exodontia sob anestesia local sem vasoconstritor. Obtiveram como resultados, mudanças no ECG após duas horas de transcorrida a cirurgia. Sugeriram, portanto, que pacientes cardíacos apresentam alto risco para complicações durante a exodontia sob anestesia local e, sendo assim, deve ser utilizado o monitoramento cardíaco durante o procedimento cirúrgico. Determinar a HAS é um procedimento que necessita ser realizado desde a abordagem inicial do paciente no consultório até visitas subseqüentes, com nova aferição da PA e atualização do prontuário odontológico acerca das drogas utilizadas. São imprescindíveis um exame clínico bem realizado e exames complementares, para que se possa definir o tipo de HAS e, subseqüentemente, a melhor forma de tratamento. O profissional necessita atentar para a hipertensão de consultório, que acontece, na maioria das vezes, por ansiedade do paciente, o que implica em uma elevação momentânea da PA. Estudos recentes têm demonstrado que elevações constantes da PA em pacientes que apresentam predisposição para HAS podem resultar no estabelecimento da mesma 11,17,19,22,24,28. TRATAMENTO Ao escolher um medicamento, o profissional da área da saúde leva em consideração fatores como a idade, o sexo e a raça do paciente; a gravidade da hipertensão; a presença de outros distúrbios, como o diabetes ou o nível sangüíneo de colesterol elevado; os possíveis efeitos colaterais, os quais variam de uma droga a outra; e o custo dos medicamentos e dos exames necessários para controlar sua segurança 3. Embora uma proporção significativa de hipertensos permaneça sem terapêutica efetiva, a detecção, o tratamento e o controle da HAS vêm aumentando em todo o mundo 10. Quando não tratada adequadamente, a hipertensão arterial pode acarretar graves conseqüências a alguns órgãos vitais 7, e como entidade isolada está entre as mais freqüentes morbidades do adulto 15. Segundo Lessa (1998) 15, 50% dos hipertensos conhecidos não fazem nenhum tipo de tratamento e dentre aqueles que o fazem, poucos têm a pressão arterial controlada. Ressalta ainda que entre 30 e 50% dos hipertensos interrompem o tratamento no primeiro ano e 75% depois de cinco anos. O tratamento para o controle da hipertensão arterial Foi na década de 50 que se tornaram disponíveis drogas anti-hipertensivas efetivas. Nitroglicerina, nitroprussiato de sódio e fenoldopam são drogas que têm sido usadas no controle de crise hipertensiva no intra e pós-operatório imediato 11. Atualmente, o uso da nifedipina sublingual com este fim deve ser totalmente desencorajado devido à dificuldade de titulação e às complicações associadas a esta prática. O uso de betabloqueadores é particularmente benéfico nos pacientes com HAS e em doenças coronariana. O tratamento a longo prazo da HAS tende a restabelecer a reatividade vascular, a autoregulação da circulação encefálica e melhorar a estabilidade hemodinâmica. Dessa forma, o tratamento pré-operatório da hipertensão é benéfico para o paciente 19. O uso de vasopressores a pacientes tratados com betabloqueadores não seletivos aumenta a probabilidade de elevação acentuada da pressão arterial. Esta é acompanhada de bradicardia reflexa. Recomenda-se monitorizar os sinais vitais pré-operatórios especificamente pressão arterial, freqüência e ritmos cardíacos em todos os pacientes, principalmente nos que recebem beta-bloqueadores e verificar novamente estes sinais vitais 5 a 10 minutos após a administração de anestésico local associado a vasopressor 20. Algumas drogas anti-hipertensivas efetivas estão disponíveis no mercado, mas, em especial, a nifedipina apresenta controvérsias quanto a sua utilização. Segundo Stocche et al. (2002) 27 é uma droga que pode ser utilizada ainda via sublingual, no entanto, para Lorentz et al. (2005) 19 a utilização da nifedipina sublingual com finalidade anti-hipertensiva deve ser repensada devido à dificuladade de titulação e às complicações associadas. Todavia, o que se constata na prática é o seu uso amplamente difundido, sobretudo em emergências hipertensivas, graças a sua ação muito rápida e a sua administração por via oral. RELAÇÃO COM A ODONTOLOGIA Pacientes com elevações leves a moderadas da pressão arterial sistólica ou diastólica são riscos aceitáveis para tratamento odontológico, incluindo o uso de anestésicos locais com vasopressores. Os pacientes hipertensos devem ter sua pressão arterial monitorizada a cada consulta e devem ser tratados de acordo com a recomendação mais recente. Devemos lembrar que a desobediência do paciente aos regimes anti-hipertensivos é epidêmica 20. É preferível evitar administrar altas concentrações de vasoconstritores nos casos de doença cardiovascular significativa (ASA III-IV), em virtude do aumento do risco de desenvolvimento de resposta adversa. Recomenda-se a utilização de drogas alternativas que não estejam contra-indicadas, como anestésicos locais com concentrações de adrenalina de 1: ou 1: ou mepivacaína a 3% ou prilocaína a 4% (bloqueio de nervos) 20. Também são citados: Citanest 3% - Cloridrato de prilocaína 30 mg. Octapressin 0,03 u.i. Citocaína Cloridrato de prilocaína 30 mg com Felipressina 0,03 u.i. 21. Andrade (2006) 1 relata que o uso de soluções anestésicas com vasoconstritor (epinefrina 1: ou 1:200000) não é contra-indicado, entretanto, não se deve ultrapassar o limite de dois tubetes por sessão. A freqüência cardíaca cai imediatamente após o uso de anestésico sem vasoconstrictor, porém mantém-se aumentada em 2 a 10 batimentos por minuto com o uso de vasoconstrictor. Se forem usadas doses maiores de vasoconstrictor, a freqüência cardíaca será ainda maior. A pressão arterial sistólica aumenta discretamente durante a infiltração anestésica e volta ao normal imediatamente depois

4 108 Embora a incidência de reações adversas para anestesia local seja baixa, os procedimentos cirúrgicos podem causar estresse para o sistema cardiovascular, especialmente em pacientes com doença cardíaca estabelecida 21. Blinder et al. (1996) 4 relataram que os níveis de pressão arterial são mais elevados no início do procedimento que no fim. Durante o tratamento odontológico, a resposta hemodinâmica está relacionada, além da ansiedade, à presença ou não de dor. A dor é um potente mecanismo acionador do sistema nervoso simpático. O tratamento realizado sem anestesia traz efeitos hemodinâmicos mais acentuados que aqueles realizados com anestésico e vasoconstritor, devido à dor, que funciona como desencadeador das modificações hemodinâmicas 13. Segundo Aytes e Escoda (1997) 2 quando o paciente está compensado interessa muito conhecer o tipo de tratamento que segue, pois os hipotensores beta-bloqueadores podem produzir crises hipertensivas severas quando a solução do anestésico local contém um vasoconstrictor tipo catecolamina; por outro lado, a maioria dos hipotensores atua inibindo o sistema simpático, aumentando o risco de hipotensões ortostáticas. O uso de norepinefrina ao invés de epinefrina acentua ainda mais as modificações hemodinâmicas, daí seu uso ter se tornado obsoleto na odontologia. Ainda nestes pacientes, é muito importante a redução do estresse aplicando todas as estratégias do protocolo de redução de ansiedade, mas também complementando com uma pré-medicação ansiolítica. O uso de diazepínicos previamente ao procedimento dentário diminui os níveis de catecolaminas circulantes 2. Ainda não se chegou a um consenso sobre quando se deve suspender a cirurgia num paciente hipertenso. A American Heart Association e o Colégio Americano de Cardiologia sugerem que a HAS estágio 3 deve ser controlada antes de um procedimento cirúrgico eletivo 9. Outros autores sugerem que deva ser valorizada preferencialmente a presença de lesões em órgãos alvo ao invés dos níveis pressóricos isoladamente 13. Os pacientes com PAS em repouso (mínimo de 5 minutos de repouso) maior do que 200 mmhg ou diastólica superior a 115 mm Hg correm riscos significativos e não devem ser submetidos a qualquer tratamento odontológico eletivo invasivo, até que seu problema clínico mais importante da hipertensão arterial seja corrigido. Os pacientes com doença cardiovascular grave (risco maior que ASA IV) podem correr grande risco no tratamento odontológico eletivo 20. Sendo de conhecimento que a adrenalina endógena é mais perigosa que a exógena 20. Malamed (2005) 20 ; Andrade (2006) 1 recomendam a utilização de anestésicos locais com concentrações de adrenalina de 1: ou 1: ou Mepivacaína a 3% ou Prilocaína a 4%. Já Marzola (1999) 21 recomenda o Citanest 3% (Cloridrato de Prilocaína 30mg., Octapressin 0,03 u.i.) e a Citocaína (Cloridrato de Prilocaína 30 mg., Felipressina 0,03 u.i.) Há muitas controvérsias, principalmente entre cirurgiões e anestesiologistas, sobre quando adiar um procedimento cirúrgico eletivo. Alguns autores, como Eagle et al. (2002) 10, seguem a determinação da American Heart Association e do Colégio Americano de Cardiologia, os quais preconizam o controle da PA antes de uma cirurgia eletiva de um paciente que se encontra com HAS em estágio 3. Enquanto outros autores, como Gifford (1991) 13, valorizam a presença de lesões em órgãos alvo em detrimento da aferição da PA isoladamente. CONSIDERAÇÕES FINAIS A ausência de controle ideal da pressão arterial não acarreta, de maneira geral, aumento do risco cirúrgico. Pacien- Adiar uma cirurgia por causa de hipertensão arterial diagnosticada incidentalmente, ou não devidamente controlada de acordo com os parâmetros acima, traz grande desconforto ao paciente e a equipe médica, eleva os gastos hospitalares e não diminui o risco cirúrgico. Cirurgias eletivas em pacientes com pressão arterial superior a 180/110 mmhg devem ser adiadas, pois há risco de complicações intra e pós-operatórias. Nesses casos, o paciente deverá ter alta hospitalar, pois o controle adequado da pressão arterial pode durar semanas ou meses. Controle a curto prazo da pressão arterial em um ou dois dias antes da cirurgia é desaconselhado, pois não traz benefícios adicionais. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Andrade ED. Terapêutica Medicamentosa na Odontologia. 2 ed. São Paulo; Editora Artes Médicas; Aytes LB, Escoda CG. Anestesia odontologica. Espanha; Editora Ediciones Avances; Beers MH, Berkow R. Manual Merck: Diagnóstico e Tratamento - Edição Centenária. 17 ed. São Paulo; Editora ROCA; Blinder D, Shemesh J, Taicher S. Electrocardiographic Changes in Cardiac Patients Undergoing Dental Extractions Under Local Anesthesia. J Oral Maxillofac Surg, 1996; 54: Braunwald E, Kasper DL, Fauci AS, Longo DL, Hawser SL, Jameson JL. Harrison - Medicina Interna. 16 ed. São Paulo; Editora McGraw-Hill/Tecmedd; Brott T, Thalinger K, Hertzberg V. Hypertension as a risk factor for spontaneous intracerebral hemorrhage. Stroke, 1986; 17: Car MR, Pierin AMG, Aquino VLA. Estudo sobre a influência do processo educativo no controle da hipertensão arterial. Rev Esc Enferm USP, 1991; 25: Derkx FH, Schalekamp MA. Renal artery stenosis and hipertension. Lancet, 1994; 344: Eagle KA, Berger PB, Calkins H. ACC/AHA guideline update for perioperative cardiovascular evaluation for noncardiac surgery - executive summary a report of the American College of Cardiology/ American Heart Association Task Force on Practice Guidelines.Circulation, 2002; 105: Eluf Neto J, Lotufo PA, Lólio CA. Tratamento da hipertensão e declínio da mortalidade por acidentes vasculares cerebrais. Rev Saúde Pública, 1990; 24(4): Foex P, Sear JW. The surgical hypertensive patient Continuing Education in Anaesthesia. Crit Care & Pain, 2004; 4: Freitas R. Tratado de Cirurgia Bucomaxilofacial. São Paulo; Editora Santos; Gifford RW. Management of hypertensive crises. JAMA, 1991; 266:

5 14. JVC VII. Seven Report of the Joint Committee on Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure (on line) Disponível em URL: (2007 Jul 07). 15. Lessa I. O adulto brasileiro e as doenças da modernidade: epidemiologia das doenças crônicas não transmissíveis. São Paulo; Editora Hucitec; Lewington S, Clarke R, Qizilbash N, Peto R, Collins R. Agespecific relevance of usual blood pressure to vascular mortality. Lancet, 2002; 360: Lima-Costa MF, Peixoto SV, Firmo JOA. Validade da hipertensão arterial auto-referida e seus determinantes (Projeto Bambuí). Rev Saúde Pública, 2004; 38(5): Lolio CA. Epidemiologia da hipertensão arterial. Rev. Saúde Pública, 1990; 24: Lorentz MN, Santos AX. Hipertensão arterial sistêmica e anestesia. Rev Bras Anestesiol, 2005; 55(5): Malamed SF. Manual de anestesia local. 5 ed. Rio de Janeiro; Editora Guanabara Koogan; Marzola C. Anestesiologia. 3 ed. São Paulo; Editora Pancast; Molina MCB, Cunha RS, Herkenhhoff LF, Mill JG. Hipertensão arterial e consumo de sal em população urbana. Rev Saúde Pública, 2003; 37(6): Oigman W. Bases hemodinâmicas da hipertensão arterial. Arq Bras Cardiol, 1987; 49: Peres DS, Magna JM, Viana LA. Portador de hipertensão arterial: atitudes, crenças, percepções, pensamentos e práticas. Rev Saúde Pública, 2003; 37(5): Prefeitura do Recife. Plano Municipal de Saúde do Recife (on line) Disponível em URL: recife.pe.gov.br/ (2007 Jun 29). 26. Silva HB. Fisiopatogênese da hipertensão arterial. In: Chiaverini R. Doença hipertensiva: diagnóstico, etiopatogênese, tratamento. Rio de Janeiro: Editora Atheneu; p Stocche RM, Garcia LV, Klamt JG, Pachione A, Huang HY, Oliveira WA. Comparação entre nifedipina por via sublingual e clonidina por via venosa no controle de hipertensão arterial peri-operatória em cirurgias de catarata. Rev Bras Anestesiol, 2002; 52(4): The sixth report of the Joint National Committee on prevention, detection, evaluation and treatment of high blood pressure. Arch Intern Med, 1997; 157: Verdecchia P, Schillaci G, Boldrini F, Zampi I, Porcellati C. Variability between current definitions of normal ambulatory blood presure. Hypertension, 1992; 20: Recebido para publicação em 11/07/2007 Enviado para reformulação em 12/09/2007 Aceito para publicação em 24/09/2008

6

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso PACIENTES HIPERTENSOS NO CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO: UMA REVISÃO DE LITERATURA Thaisa Toyama de Almeida Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Graduação em Odontologia

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

Condutas em hipertensão arterial não controlada

Condutas em hipertensão arterial não controlada CAPÍTULO 14 Condutas em hipertensão arterial não controlada José Mariano Soares de Moraes * Hipertensão Arterial (H.A.) constitui-se na patologia cardiovascular de maior prevalência na população geral.

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico

Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico Jamil Cherem Schneider Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL: UMA DOENÇA SILENCIOSA

HIPERTENSÃO ARTERIAL: UMA DOENÇA SILENCIOSA HIPERTENSÃO ARTERIAL: UMA DOENÇA SILENCIOSA Eliana Alvarenga de Brito 1 Vanessa Regiane Elias Halasi 1 Tatiane Ferreira Petroni 1 Deigilam Cestari Esteves 1 RESUMO A hipertensão arterial (HA) é uma doença

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PACIENTES HIPERTENSOS NA CLÍNICA DE CIRURGIA DO TERCEIRO ANO DO CURSO DE ODONTOLOGIA DO CESUMAR

AVALIAÇÃO DE PACIENTES HIPERTENSOS NA CLÍNICA DE CIRURGIA DO TERCEIRO ANO DO CURSO DE ODONTOLOGIA DO CESUMAR Iniciação Científica CESUMAR Jul./Dez. 2006, v. 08, n.02, p. 147-156 AVALIAÇÃO DE PACIENTES HIPERTENSOS NA CLÍNICA DE CIRURGIA DO TERCEIRO ANO DO CURSO DE ODONTOLOGIA DO CESUMAR Cristiane Menin 1 Flávia

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

PA = DC x RVP. Coração Débito Cardíaco 01/05/2014 CIRCULAÇÃO SISTÊMICA CIRCULAÇÃO PULMONAR HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Cava. Pul.

PA = DC x RVP. Coração Débito Cardíaco 01/05/2014 CIRCULAÇÃO SISTÊMICA CIRCULAÇÃO PULMONAR HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Cava. Pul. HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA CIRCULAÇÃO SISTÊMICA Pressão Ao 98 90 60 18 12 6 3 mm Hg Cava Prof. Moacir Leomil Neto M.V. Msc. PhD. PUC Minas campus Poços de Caldas VESP Especialidades Veterinárias Pressão

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Estratégias para implementar medidas de prevenção primária da hipertensão Strategies to implement measures for primary prevention of hypertension

Estratégias para implementar medidas de prevenção primária da hipertensão Strategies to implement measures for primary prevention of hypertension Rev Bras Hipertens vol.7():-6,. ARTIGO DE REVISÃO Estratégias para implementar medidas de prevenção primária da hipertensão Strategies to implement measures for primary prevention of hypertension Carlos

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹

HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹ HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹ SILVEIRA, Lauren²; RODRIGUES, Andressa²; GOULART, Márcia²; FAGUNDES, Pâmela²; SCHMITT, Raquel²; LIMBERGER, Jane Beatriz³. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

ATACAND candesartana cilexetila

ATACAND candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

PLANO DE SEDAÇÃO POR ANESTESISTAS NORMA Nº 641

PLANO DE SEDAÇÃO POR ANESTESISTAS NORMA Nº 641 Página: 1/10 1- OBJETIVO 1.1- Estabelecer as regras para a prática de sedação na instituição visando redução do risco e aumento da segurança aos pacientes do Sistema de Saúde Mãe de Deus. 1.2- Fornecer

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA 1363 PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA Laís Ramos Queiroz¹; Erenilde Marques de Cerqueira² 1. Bolsista PROBIC, Graduanda em

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version ADESÃO DOS PORTADORES DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA AO PLANO DE TRATAMENTO PROPOSTO PELA EQUIPE DO PSF ( PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA ) COSTA, Rosana dos Santos RESUMO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica 5 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL E DOS ÍNDICES GLICÊMICOS NOS PARTICIPANTES DO PARANÁ EM AÇÃO 2008.

AVALIAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL E DOS ÍNDICES GLICÊMICOS NOS PARTICIPANTES DO PARANÁ EM AÇÃO 2008. AVALIAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL E DOS ÍNDICES GLICÊMICOS NOS PARTICIPANTES DO PARANÁ EM AÇÃO 2008. Sheila Karina Lüders Meza, Alcy Aparecida Leite Souza, Israel Augusto Ferreira, e-mail: israelagusto19@hotmail.com.

Leia mais

Universidade de Pernambuco. Faculdade Odontologia de Pernambuco. Disciplina de Cirurgia Buco- Maxilo- Facial

Universidade de Pernambuco. Faculdade Odontologia de Pernambuco. Disciplina de Cirurgia Buco- Maxilo- Facial Universidade de Pernambuco Faculdade Odontologia de Pernambuco Disciplina de Cirurgia Buco- Maxilo- Facial Rotina de Indicação de Antibióticos em Cirurgia Buco Dental Discentes: Fernando Andrade Michele

Leia mais

Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica

Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica Mariana de Oliveira Almeida 1 Flávia Lúcia Abreu Rabelo 2 Claudmeire Dias Carneiro de Almeida 3 Fabiana de Almeida 4 Júlia Maria

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Silvana Costa Caetano Rosanna Iozzi Alcides Carneiro Palavras-chave: Hipertensão Arterial, Idoso Resumo Introdução: A prevalência de Hipertensão

Leia mais

PROTOCOLOS NORMATIVOS PARA O ATENDIMENTO DOS PACIENTES EM CIRURGIA BUCO-MAXILAR

PROTOCOLOS NORMATIVOS PARA O ATENDIMENTO DOS PACIENTES EM CIRURGIA BUCO-MAXILAR PROTOCOLOS NORMATIVOS PARA O ATENDIMENTO DOS PACIENTES EM CIRURGIA BUCO-MAXILAR Professoresda Disciplina: Profa.Dra.CláudiaJordãoSilva Prof.Dr.Darceny ZanettaBarbosa Profa.Dra.IrisMalagoniMarquez Prof.JonasDantasBatista

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica Data: 07/04/2014 NT/63 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0015970-37.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO Page 1 of 6 CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO A cirurgia torácica em pequenos animais não tem sido realizada com rotina na prática

Leia mais

Avaliação dos níveis pressóricos em pacientes submetidos a tratamento cirúrgico ambulatorial

Avaliação dos níveis pressóricos em pacientes submetidos a tratamento cirúrgico ambulatorial ARTIGO ORIGINAL Avaliação dos níveis pressóricos em pacientes submetidos a tratamento cirúrgico ambulatorial Evaluation of blood pressure in patients undergoing ambulatory surgery Mariana Paes Levasseur

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EMERGÊNCIAS MÉDICAS

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EMERGÊNCIAS MÉDICAS CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EMERGÊNCIAS MÉDICAS 1- Introdução 2- As emergências médicas no consultório odontológico 3- O curso de emergências médicas 4- Conteúdo programático 1- Introdução: Com o avanço da

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ODO-015 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

EPIDEMIOLOGÍA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL*

EPIDEMIOLOGÍA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL* EPIDEMIOLOGÍA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL* Cecília Amaro de Lolio** LOLIO, C A. de. Epidemiología da hipertensão arterial. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 24:425-32,1990. RESUMO: É feita uma revisão dos conhecimentos

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica NT 65 Data: 08/04/2014 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0016044-91.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013)

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Beusmans GHMI, Van Noortwijk-Bonga HGC, Risseeuw NJ, Tjon-A-Tsien MRS, Verstappen WHJM, Burgers JS, Wiersma Tj, Verburg AFE traduzido do original

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais