INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE"

Transcrição

1

2 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Nuno Duarte da Costa Bittencourt ÓRGÃOS ESPECÍFICOS SINGULARES Diretoria de Pesquisas Marcia Maria Melo Quintslr Diretoria de Geociências Wadih João Scandar Neto Diretoria de Informática Paulo César Moraes Simões Centro de Documentação e Disseminação de Informações David Wu Tai Escola Nacional de Ciências Estatísticas Denise Britz do Nascimento Silva UNIDADE RESPONSÁVEL Diretoria de Pesquisas Coordenação das Estatísticas Econômicas e Classificações Sidnéia Reis Cardoso Coordenação de Serviços e ércio Vânia Maria Carelli Prata

3 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e ércio Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2011 Municípios das Capitais, Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento Rio de Janeiro 2012

4 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Av. Franklin Roosevelt, Centro Rio de Janeiro, RJ - Brasil ISBN (CD-ROM) ISBN (meio impresso) IBGE Elaboração do arquivo PDF Roberto Cavararo Produção de multimídia Márcia do Rosário Brauns Marisa Sigolo Mônica Pimentel Cinelli Ribeiro Roberto Cavararo Capa Marcelo Thadeu Rodrigues Coordenação de Marketing/Centro de Documentação e Disseminação de Informações - CDDI

5 Sumário Apresentação Introdução Notas técnicas Objetivo da pesquisa Âmbito da pesquisa Unidade de investigação Coleta de dados Cadastro de informantes da pesquisa Resultado final da coleta entários gerais Dimensão setorial Tipos e categorias dos estabelecimentos de hospedagem Porte dos estabelecimentos Número de e número de leitos Considerações finais Tabelas de resultados 1 - Número de estabelecimentos de hospedagem, por tipos e categorias, segundo os Municípios das Capitais, as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE

6 Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2011 Municípios das Capitais, Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento 2 - Número de estabelecimentos de hospedagem, por tipos e grupos de, segundo os Municípios das Capitais, as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Número de, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais, as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Número de leitos, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais, as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Capacidade total de hóspedes, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais, as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Características dos hotéis, segundo os Municípios das Capitais, as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Número de estabelecimentos de hospedagem, por tipos e categorias, segundo os Municípios das Capitais Número de estabelecimentos de hospedagem, por tipos e grupos de, segundo os Municípios das Capitais Número de, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais Número de leitos, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais Capacidade total de hóspedes, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais Características dos hotéis, segundo os Municípios das Capitais Estabelecimentos de hospedagem, por tipos, e capacidade total de hóspedes, segundo os Municípios das Capitais, as Regiões Metropolitanas das Capitais,as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE e os municípios que as compõem

7 Sumário Referências Anexo Questionário da Pesquisa de Serviços de Hospedagem Glossário Convenções - Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento;.. Não se aplica dado numérico;... Dado numérico não disponível; x Dado numérico omitido a fim de evitar a individualização da informação; 0; 0,0; 0,00 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente positivo; e -0; -0,0; -0,00 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente negativo.

8 Apresentação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, através O da presente publicação, divulga os resultados da Pesquisa de Serviços de Hospedagem - PSH 2011, realizada em parceria com o Ministério do Turismo. O primeiro conjunto de informações da pesquisa, para os Municípios das Capitais, foi apresentado em fevereiro, apenas no portal do IBGE na Internet. Além das estatísticas anteriormente divulgadas, a presente publicação traz tabelas adicionais sobre as principais características dos estabelecimentos de hospedagem localizados naquelas municipalidades e contempla, nesta edição, um recorte geográfico mais detalhado, com dados, também, para as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE, fornecendo um quadro atualizado da capacidade de hospedagem para a abrangência geográfica considerada. Os resultados referem-se ao número de estabelecimentos por tipos e categorias, número de estabelecimentos por grupos de, número de, número de leitos e capacidade total de hóspedes. A publicação inclui, ainda, notas técnicas, comentários sobre os resultados e glossário com os conceitos considerados relevantes. As informações ora apresentadas também estão disponíveis no portal do IBGE na Internet, no endereço: <http://www.ibge.gov.br>. Tendo como objetivo principal quantificar os estabelecimentos de hospedagem existentes nas regiões consideradas, a pesquisa traz relevantes subsídios para os gestores públicos, permitindo a adoção de políticas públicas voltadas para o setor.

9 Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2011 Municípios das Capitais, Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento O IBGE, em especial a Diretoria de Pesquisas, responsável pela realização desta pesquisa, agradece a todos aqueles que colaboraram para a sua realização e colocase à disposição para esclarecimentos e sugestões que venham a contribuir para o desenvolvimento das estatísticas sobre os serviços de hospedagem no Brasil. Marcia Maria de Melo Quintslr Diretora de Pesquisas

10 Introdução turismo se caracteriza como importante atividade de integração O sociocultural, promovendo o intercâmbio de diferente culturas e o estreitamento das relações entre as sociedades, com relevantes contribuições para a geração de renda e emprego. Através do turismo, o país ou região divulga suas paisagens, tradições, gastronomia, hábitos, modos de vida, sua cultura em geral, contribuindo para a preservação dos patrimônios arquitetônico e ambiental, bem como para a difusão de sua imagem, em níveis intranacional e internacional. O turismo, assim, gera um círculo virtuoso e contribui para o desenvolvimento sustentável. O processo de globalização e a universalização da Internet aumentaram o acesso às informações sobre os países e as regiões, constituindo-se como facilitadores para o incremento dos fluxos de turistas nas últimas décadas. O Brasil é reconhecido como um país com grandes potencialidades turísticas, devido, principalmente, à sua extensão territorial, que oferece, no âmbito do turismo de lazer, destinos bastante diversificados, como praias, montanhas, áreas rurais e selva. Todos esses destinos são atrativos para o desenvolvimento do ecoturismo, do turismo rural e do turismo voltado para esportes radicais, aliando-se lazer e prática de esportes com preservação ambiental. O turismo de negócios, este mais concentrado nos grandes centros urbanos, também vem ganhando relevância, em função do momento que vive a economia brasileira. O turismo receptivo no Brasil registrou o ingresso de 5,2 milhões de turistas estrangeiros em 2010, um patamar considerado baixo, quando comparado com outros países como França (76,8 milhões), Estados Unidos (59,7 milhões), China (55,7 milhões) e Espanha (52,7 milhões) 1. Por outro lado, os grandes eventos internacionais a se 1 Para informações complementares, consultar a publicação: PANORAMA OMT del turismo internacional. Edición Madrid: Organización Mundial del Turismo - OMT, Disponível em: <http:// Acesso em: dez

11 Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2011 Municípios das Capitais, Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento realizarem no Brasil, como a Copa das Confederações (2013), a Copa do Mundo de Futebol (2014) e os Jogos Olímpicos (2016), trazem a perspectiva de um aumento expressivo desse ingresso, bem como a expansão do turismo nacional. O crescimento esperado da demanda turística vem a exigir, em contrapartida, uma infraestrutura compatível com essa demanda, em especial no que concerne à melhoria dos serviços turísticos, que abrangem transportes turísticos (transporte aéreo, transportes rodoviários intermunicipal, interestadual e internacional, serviços de excursões, serviços de transfer, etc.), locadoras de automóveis, agências de viagens e serviços de hospedagem e de alimentação. Dessa forma, esses eventos internacionais podem promover um grande salto quantitativo e qualitativo nos serviços turísticos, adequando-os a um novo patamar de oferta de serviços. Os serviços de hospedagem encontram-se no último elo da cadeia dos serviços turísticos e configuram-se como um dos mais importantes, pois representam a base de permanência temporária do turista, que, de uma forma geral, busca encontrar a extensão de sua residência, ou seja, serviços que reproduzam o mesmo padrão de conforto de sua residência habitual. Em termos de organização das atividades econômicas que configuram os serviços empresariais não financeiros, os serviços de hospedagem inserem-se no conjunto dos serviços prestados às famílias e, nesse conjunto, destacam-se como o segundo maior gerador de postos de trabalho, com 300 mil pessoas ocupadas em , segundo a Pesquisa Anual de Serviços - PAS Considerando-se os dados por empresa, os serviços de hospedagem são os mais intensivos em mão de obra, com uma taxa de ocupação de 12 pessoas ocupadas por empresa, contra a taxa de sete, registrada nos serviços prestados às famílias. O propósito da Pesquisa de Serviços de Hospedagem - PSH foi investigar o setor de hospedagem, buscando identificar os tipos e categorias de estabelecimentos localizados nos Municípios das Capitais, nas Regiões Metropolitanas das Capitais e nas Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE, bem como mensurar sua capacidade de hospedagem. A presente publicação contempla um conjunto mais completo de informações, com tabelas adicionais, em relação à divulgação de fevereiro deste ano, sobre os estabelecimentos de hospedagem localizados nos Municípios das Capitais. Para tanto, a PSH foi estruturada de modo a relacionar os tipos de estabelecimentos com as diversas variáveis investigadas, permitindo níveis diferenciados de abordagens. A Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE 2.0 foi tomada como base para a seleção desses estabelecimentos, definindo o âmbito das atividades econômicas que compõem o segmento de serviços de hospedagem. Nesta publicação, encontram-se Notas técnicas, contendo informações básicas, aspectos metodológicos para compreensão da pesquisa, esclarecimentos sobre os tratamentos aplicados aos dados e forma de divulgação, bem como entários gerais, contendo análise dos resultados agregados. Esta publicação está disponível em CD-ROM e no portal do IBGE na Internet, em formato Adobe Acrobat (arquivos pdf) e contém tabelas em formato Excel (arquivos xls). Os resultados encontram-se disponíveis também no Sistema IBGE de Recuperação Automática - Sidra.

12 Notas técnicas Pesquisa de Serviços de Hospedagem - PSH foi realizada com A a finalidade de investigar um conjunto de variáveis para esse segmento, que, por suas características específicas, não são levantadas nas pesquisas estruturais anuais. Objetivo da pesquisa A pesquisa buscou quantificar os estabelecimentos de hospedagem localizados nos Municípios das Capitais, nas Regiões Metropolitanas das Capitais e nas Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE, conhecer suas características e mensurar sua capacidade de hospedagem, em termos de número de e leitos, para os diversos tipos e categorias de estabelecimentos. As informações da pesquisa são essenciais para o conhecimento desse segmento. Seus resultados permitirão ao setor privado aprofundar as análises de mercado, conhecer os tipos e as categorias de estabelecimentos de hospedagem existentes e a capacidade do sistema de hospedagem nos Municípios das Capitais, nas Regiões Metropolitanas das Capitais e nas Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE. Aos governos, seus resultados oferecerão subsídios para o desenvolvimento de políticas públicas para o setor. Âmbito da pesquisa A PSH foi aplicada nos estabelecimentos que atenderam aos seguintes requisitos:

13 Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2011 Municípios das Capitais, Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento a) estar em situação ativa no Cadastro Central de Empresas - Cempre do IBGE, independentemente do número de pessoas ocupadas, nas seguintes classes da Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE 2.0: Hotéis e similares; Outros tipos de alojamento não especificados; b) pertencer a empresa sujeita ao regime jurídico das entidades empresariais, excluindo-se, portanto, órgãos da administração pública direta e instituições privadas sem fins lucrativos; e c) estar localizado nos Municípios das Capitais, nas Regiões Metropolitanas das Capitais ou nas Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE. Unidade de investigação A unidade de investigação da PSH é a unidade local, definida como o espaço físico, geralmente em área contínua, no qual uma ou mais atividades econômicas são desenvolvidas, correspondendo, na maioria das vezes, a cada endereço de atuação da empresa. Na presente pesquisa, as locais são tratadas como estabelecimentos de hospedagem. Não fizeram parte da pesquisa os estabelecimentos correspondentes às administrativas sem faturamento, tais como: sedes isoladas de empresas, escritórios de representação, escritórios contábeis, estacionamentos, depósitos, etc. Coleta de dados A coleta de dados da pesquisa foi realizada através do Centro de Entrevista Telefônica Assistida por putador - CETAC. Nesse método de captura de dados, a equipe técnica do IBGE busca identificar no estabelecimento o profissional mais qualificado para prestar as informações. O método de coleta por entrevista direta busca assegurar uniformidade no entendimento conceitual da pesquisa. Para garantir esta uniformidade, o IBGE adotou os seguintes procedimentos: a) identificação do informante: a primeira etapa da pesquisa consistiu na identificação do informante, ou seja, na busca de profissional da área de hospedagem que fosse capaz de fornecer as informações requeridas; b) agendamento da entrevista: a segunda etapa consistiu na definição da data e hora para a realização da entrevista; e c) realização da entrevista. Na entrevista por telefone foi utilizado um sistema de entrada de dados inteligente, desenvolvido especificamente para a pesquisa, para garantir a consistência das informações solicitadas. Em algumas situações, que envolveram telefones incorretos ou exigências dos informantes, a coleta foi realizada de forma presencial, para a qual a pesquisa contou com a imprescindível colaboração da rede de coleta do IBGE, através das suas Unidades Estaduais.

14 Notas técnicas Cadastro de informantes da pesquisa O cadastro de informantes da pesquisa foi construído com base no Cadastro Central de Empresas - CEMPRE, atualizado pela Relação Anual de Informações Sociais - RAIS, ano de 2010 (disponível no IBGE no momento da pesquisa), e pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED, ambos do Ministério do Trabalho e Emprego. A Tabela 1, a seguir, apresenta as informações sobre o número de estabelecimentos selecionados para a pesquisa. Tabela 1 - posição do cadastro de informantes da Pesquisa de Serviços de Hospedagem - Brasil CNAE 2.0 Descrição Número de estabelecimentos Hotéis e similares Outros estabelecimentos de hospedagem não especificados Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e ércio. Resultado final da coleta No decorrer do processo de coleta foram identificadas diversas situações que não resultaram na aplicabilidade do questionário, dentre as quais destacam-se as seguintes: Estabelecimentos fora do âmbito: estabelecimentos que não desenvolvem atividade de serviços de hospedagem; Estabelecimentos paralisados antes de 2011; Estabelecimentos extintos; e Estabelecimentos não localizados. Dessa forma, o resultado final da coleta pode ser sintetizado na Tabela 2, a seguir. Tabela 2 - Situação de coleta da pesquisa - Brasil Situação de coleta Número de estabelecimentos Cadastro inicial Situações de não coleta Estabelecimentos fora do âmbito Estabelecimentos paralisados/extintos 680 Estabelecimentos não localizados Resultado final Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e ércio.

15 entários gerais Pesquisa de Serviços de Hospedagem - PSH investigou, em A 2011, estabelecimentos nos Municípios das Capitais, nas Regiões Metropolitanas das Capitais e nas Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE, que registraram um total de (suítes, apartamentos, quartos e chalés), e capacidade total de hóspedes. Dimensão setorial As quatro maiores Regiões Metropolitanas das Capitais, em termos de rede de hospedagem, foram responsáveis por 40,6% do total de estabelecimentos, 46,3% das, e 44,2% da capacidade total de hóspedes. São elas: Região Metropolitana de São Paulo, com estabelecimentos (17,7% do total), (21,0% do total) e capacidade total de hóspedes (19,7% do total); Região Metropolitana do Rio de Janeiro, com 609 estabelecimentos (8,1% do total), (11,8% do total) e capacidade total de hóspedes (11,2% total); Região Metropolitana de Belo Horizonte, com 589 estabelecimentos (7,9% do total), (6,7% do total) e capacidade total de hóspedes (6,5% total); e Região Metropolitana de Salvador, com 516 estabelecimentos (6,9% do total), (6,6% do total) e capacidade total de hóspedes (6,8% total) (Tabela 3).

16 Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2011 Municípios das Capitais, Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento Tabela 3 - Número de estabelecimentos de hospedagem, número de e capacidade total de hóspedes, segundo as Regiões Metropolitanas e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Regiões Metropolitanas e Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Estabelecimentos de hospedagem Participação (%) Unidades Participação (%) Capacidade total de hóspedes (1) Participação (%) , , ,0 Região Metropolitana de São Paulo , , ,7 Região Metropolitana do Rio de Janeiro 609 8, , ,2 Região Metropolitana de Belo Horizonte 589 7, , ,5 Região Metropolitana de Salvador 516 6, , ,8 Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno 400 5, , ,2 Região Metropolitana de Florianópolis 396 5, , ,1 Região Metropolitana de Recife 372 5, , ,5 Região Metropolitana de Fortaleza 366 4, , ,7 Região Metropolitana de Porto Alegre 362 4, , ,3 Região Metropolitana de Curitiba 358 4, , ,9 Outras (2) , , ,1 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e ércio, Pesquisa de Serviços de Hospedagem (1) Capacidade total de hóspedes = total de leitos duplos x 2 + total de leitos simples. (2) Inclusive os Municípios das Capitais sem Regiões Metropolitanas ou Região Integrada de Desenvolvimento - RIDE (Porto Velho, Rio Branco, Boa Vista, Palmas e Campo Grande). Outras Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE também se destacam com uma participação expressiva, entre elas: Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno, com 400 estabelecimentos (5,3% do total), (5,1% do total) e capacidade de hóspedes (5,2% do total); Região Metropolitana de Florianópolis, com 396 estabelecimentos (5,3% do total), (4,1% do total) e capacidade de hóspedes (5,1% do total); e Região Metropolitana do Recife, com 372 estabelecimentos (5,0% do total), (4,6% do total) e capacidade de hóspedes (4,5% do total). Ressalta-se que 67,3% dos estabelecimentos, 76,4% das e 74,8% da capacidade total de hóspedes estão concentrados nos Municípios das Capitais. parando-se com suas respectivas Regiões Metropolitanas e Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE, os dados da pesquisa indicam o Município de Fortaleza com a maior concentração, com 76,5% dos estabelecimentos, 85,2% das e 82,4% da capacidade total de hóspedes. Seguem-se os Municípios de São Paulo, com 73,5% dos estabelecimentos, 78,5% das e 78,0% da capacidade total de hóspedes; e Rio de Janeiro, com 70,4% dos estabelecimentos, 81,9% das e 81,2% da capacidade total de hóspedes. Dentre os principais Municípios das Capitais destacam-se, com menor concentração, Recife, com 43,3% dos estabelecimentos,

17 entários gerais 48,4% das e 45,6% da capacidade total de hóspedes; Belo Horizonte, com 49,4% dos estabelecimentos, 61,2% das e 57,5% da capacidade total de hóspedes; e Porto Alegre, com 52,5% dos estabelecimentos, 68,8% das e 67,6% da capacidade total de hóspedes. O Distrito Federal, com 55,5% dos estabelecimentos, concentra 72,0% das e 70,1% da capacidade total de hóspedes, explicitando que os estabelecimentos localizados na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno têm baixa capacidade de hospedagem (Tabela 4). Tabela 4 - Participação dos principais Municípios das Capitais nas Regiões Metropolitanas e Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Participação (%) Municípios das Capitais Número de estabelecimentos Unidades Capacidade total de hóspedes (1) 67,3 76,4 74,8 São Paulo 73,5 78,5 78,0 Rio de Janeiro 70,4 81,9 81,2 Belo Horizonte 49,4 61,2 57,5 Salvador 69,4 72,6 68,6 Brasília 55,5 72,0 70,1 Florianópolis 64,1 74,3 75,7 Recife 43,3 48,4 45,6 Fortaleza 76,5 85,2 82,4 Porto Alegre 52,5 68,8 67,6 Curitiba 67,6 79,6 75,4 Outros 74,8 82,3 80,7 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e ércio, Pesquisa de Serviços de Hospedagem (1) Capacidade total de hóspedes = total de leitos duplos x 2 + total de leitos simples. Os municípios das principais Regiões Metropolitanas e Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE, excluindo-se as capitais, com maior rede de hospedagem (com 10 ou mais estabelecimentos), são os seguintes: Região Metropolitana de São Paulo: São Bernardo do Campo (53 estabelecimentos), Guarulhos (42 estabelecimentos), Santo André (41 estabelecimentos), Mogi das Cruzes (20 estabelecimentos), Osasco (16 estabelecimentos), Embu (14 estabelecimentos), Mairiporã (14 estabelecimentos), Mauá (13 estabelecimentos), Diadema (10 estabelecimentos), Guararema (10 estabelecimentos) e Itaquaquecetuba (10 estabelecimentos); Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Niterói (37 estabelecimentos), Itaguaí (20 estabelecimentos), Nova Iguaçu (20 estabelecimentos), São Gonçalo (20 estabelecimentos), Duque de Caxias (17 estabelecimentos), São João de Meriti (16 estabelecimentos) e Maricá (11 estabelecimentos); Região Metropolitana de Belo Horizonte: Contagem (39 estabelecimentos), Sete Lagoas (31 estabelecimentos), Betim (30 estabelecimentos), Nova

18 Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2011 Municípios das Capitais, Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento Lima (19 estabelecimentos, Itaúna (12 estabelecimentos), Lagoa Santa (12 estabelecimentos), Brumadinho (11 estabelecimentos), Pará de Minas (11 estabelecimentos), Santa Bárbara (11 estabelecimentos), Barão de Cocais (10 estabelecimentos) e Sabará (10 estabelecimentos); Região Metropolitana de Salvador: Mata de São João (51 estabelecimentos), Camaçari (43 estabelecimentos), Lauro de Freitas (19 estabelecimentos) e Vera Cruz (17 estabelecimentos); Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno: Pirenópolis (53 estabelecimentos), Formosa (21 estabelecimentos), Luziânia (14 estabelecimentos), Abadiânia (13 estabelecimentos), Cristalina (13 estabelecimentos), Unaí (13 estabelecimentos), Valparaíso de Goiás (12 estabelecimentos) e Alexânia (11 estabelecimentos); Região Metropolitana de Florianópolis: Garopaba (51 estabelecimentos), Palhoça (37 estabelecimentos) e São José (16 estabelecimentos); Região Metropolitana do Recife: Ipojuca (94 estabelecimentos), Olinda (40 estabelecimentos), Cabo de Santo Agostinho (23 estabelecimentos), Jaboatão dos Guararapes (23 estabelecimentos) e Paulista (12 estabelecimentos); Região Metropolitana de Fortaleza: Caucaia (31 estabelecimentos), Aquiraz (18 estabelecimentos), São Gonçalo do Amarante (12 estabelecimentos) e Cascavel (11 estabelecimentos); Região Metropolitana de Porto Alegre: Canoas (31 estabelecimentos), Novo Hamburgo (20 estabelecimentos), São Leopoldo (20 estabelecimentos), Gravataí (16 estabelecimentos) e Viamão (12 estabelecimentos); e Região Metropolitana de Curitiba: Araucária (37 estabelecimentos), São José dos Pinhais (16 estabelecimentos) e Campo Largo (10 estabelecimentos). Os estabelecimentos de hospedagem das Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE registraram uma média de 44 por estabelecimento, destacando-se, nesse conjunto, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, com a média de 63, seguida das Regiões Metropolitanas de São Paulo, com 52, e de Curitiba, com 45. (Gráfico 1). Analisando-se a capacidade média de hóspedes por estabelecimento, as Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento RIDE registraram uma média geral de 99 hóspedes, sendo que a maior média foi registrada na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, 137 hóspedes por estabelecimento. Destacam-se também as Regiões Metropolitanas de São Paulo e de Curitiba, com 111 e 100 hóspedes por estabelecimento, respectivamente. Próximas da média, destacam-se a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno e a Região Metropolitana de Salvador, ambas com 97 hóspedes por estabelecimento, e as Regiões Metropolitanas de Fortaleza e de Florianópolis, com 96 e 95 hóspedes por estabelecimento, respectivamente (Gráfico 2).

19 entários gerais Gráfico 1 - Média de por estabelecimento, segundo as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Região Metropolitana do Rio de Janeiro 63 Região Metropolitana de São Paulo 52 Região Metropolitana de Curitiba Média Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno Região Metropolitana de Salvador Região Metropolitana de Porto Alegre Região Metropolitana de Recife Região Metropolitana de Fortaleza Região Metropolitana de Belo Horizonte Região Metropolitana de Florianópolis Outras (1) Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e ércio, Pesquisa de Serviços de Hospedagem (1) Inclusive os Municípios das Capitais sem Regiões Metropolitanas ou Região Integrada de Desenvolvimento - RIDE (Porto Velho, Rio Branco, Boa Vista, Palmas e Campo Grande). Gráfico 2 - Capacidade média de hóspedes por estabelecimento, segundo as Regiões Metropolitanas das Capitais e as Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE Região Metropolitana do Rio de Janeiro Região Metropolitana de São Paulo Região Metropolitana de Curitiba Média Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno Região Metropolitana de Salvador Região Metropolitana de Porto Alegre Região Metropolitana de Recife Região Metropolitana de Fortaleza Região Metropolitana de Belo Horizonte Região Metropolitana de Florianópolis Outras (1) Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e ércio, Pesquisa de Serviços de Hospedagem (1) Inclusive os Municípios das Capitais sem Regiões Metropolitanas ou Região Integrada de Desenvolvimento - RIDE (Porto Velho, Rio Branco, Boa Vista, Palmas e Campo Grande).

20 Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2011 Municípios das Capitais, Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento Tipos e categorias dos estabelecimentos de hospedagem Os estabelecimentos de hospedagem localizados nas Regiões Metropolitanas das Capitais e nas Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE são constituídos predominantemente por hotéis (inclusive hotéis históricos, resorts e hotéis-fazenda), que respondem por 46,9% do total, seguidos por motéis, com 24,8%, e pousadas, com 20,0%. Seguem-se os estabelecimentos com menor expressividade, como apart-hotéis/ flats, com 3,2%, pensões de hospedagem (inclusive estabelecimentos do tipo cama e café ou pousadas domiciliares), com 2,7%, albergues turísticos, com 1,4%, e outros (campings, dormitórios, hospedarias, etc.), com 1,0% (Gráfico 3). Gráfico 3 - Distribuição dos estabelecimentos de hospedagem das Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento-RIDE, por tipos de estabelecimentos Motéis 24,8% Pousadas 20,0% Apart-hotéis/flats 3,2% Outros 8,3% Pensões de hospedagem 2,7% Albergues turísticos 1,4% Outros 1,0% Hotéis 46,9% Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e ércio, Pesquisa de Serviços de Hospedagem Nota: Inclusive os Municípios das Capitais sem Regiões Metropolitanas ou Região Integrada de Desenvolvimento - RIDE (Porto Velho, Rio Branco, Boa Vista, Palmas e Campo Grande). A distribuição dos tipos de estabelecimentos, segundo as principais Regiões Metropolitanas das Capitais e Regiões Integradas de Desenvolvimento - RIDE, evidencia a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno com a maior proporção de hotéis na sua rede de hospedagem, com 57,5% desses tipos de estabelecimentos, seguida das Regiões Metropolitanas de Curitiba, com 55,9%, de São Paulo, com 54,6%, e do Rio de Janeiro, com 52,5%. base na distribuição, a maior concentração de motéis, em termos relativos, encontra-se nas Regiões Metropolitanas de Porto Alegre, com 37,0%, de Fortaleza, com 34,7%, e de São Paulo, com 31,7% desses tipos de estabelecimentos. Os dados indicam também que as pousadas são mais numerosas, em termos relativos, na Região Metropolitana de Florianópolis, com 45,7%, e nas principais Regiões Metropolitanas das Capitais do Nordeste, com destaque para as Regiões Metropolitanas de Salvador, com 38,4%, de Recife, com 33,9% e de Fortaleza, com 28,7% (Gráfico 4).

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO PESQUISA DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM - PSH Pesquisa realizada em parceria com o Ministério do Turismo OBJETIVO Quantificar os estabelecimentos de hospedagem localizados

Leia mais

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO PESQUISA DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM - PSH Pesquisa realizada em parceria com o Ministério do Turismo OBJETIVO Quantificar os estabelecimentos de hospedagem localizados

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Tabela 11 - Capacidade total de hóspedes, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais - 2011

Tabela 11 - Capacidade total de hóspedes, por tipos de estabelecimentos, segundo os Municípios das Capitais - 2011 segundo os - 2011 Total Suítes Apartamentos Quartos (continua) Chalés Total 554 227 92 908 442 600 15 526 3 193 Porto Velho 5 028 293 4 569 104 62 Rio Branco 2 832 30 2 779 23 - Manaus 14 212 1 349 12

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010 Posição Nome do Município Estado Região RM, RIDE ou Aglomeração Urbana 1 Salvador BA Nordeste RM Salvador 2 Maceió AL Nordeste RM Maceió 3 Rio de Janeiro RJ Sudeste RM Rio de Janeiro 4 Manaus AM Norte

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE PROGRAMA ESCOLA ABERTA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE PROGRAMA ESCOLA ABERTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE PROGRAMA ESCOLA ABERTA 1. Princípios orientadores Fruto de um acordo de cooperação técnica entre o Ministério da Educação e a Unesco, o programa

Leia mais

AVISO SESSÃO PÚBLICA nº 01/2015 04 de setembro de 2015

AVISO SESSÃO PÚBLICA nº 01/2015 04 de setembro de 2015 AVISO SSÃO PÚBLICA nº 01/2015 04 de setembro de 2015 Contrato nº 27/2011 - Serviços de Publicidade Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome SLA Propaganda LTDA. Atendendo ao que dispõe o 2º,

Leia mais

Sistema de informações sobre. o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS

Sistema de informações sobre. o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS Sistema de informações sobre o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS Outubro 2010 1 SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO SETOR TURISMO NO

Leia mais

Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira

Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira Palestrante: Pedro Aranzabal (Consultor Consórcio FGV/FIPE) Apresentação Objetivos: Diagnosticar

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2013. Preparado com exclusividade para:

PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2013. Preparado com exclusividade para: PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2013 Preparado com exclusividade para: Pesquisa Refeição Assert Preço Médio 2013 Introdução Objetivo Metodologia/Amostra Contexto Inflacionário Cenário Os preços das

Leia mais

RELATÓRIO DE MARKETING DIGITAL. PERÍODO DE REFERÊNCIA Março/2014 a Setembro/2014

RELATÓRIO DE MARKETING DIGITAL. PERÍODO DE REFERÊNCIA Março/2014 a Setembro/2014 RELATÓRIO DE MARKETING DIGITAL PERÍODO DE REFERÊNCIA Março/2014 a Setembro/2014 CLIENTE: Expotáxi RJ MÍDIA: FACEBOOK Análise Final + de 4000 envolvidos 160 fãs + de 500 curtidas, compartilhamentos e comentários

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios T RABALHO I NFANTIL 2 0 0 1 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 Média moradores/domicílios...

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CRÉDITO ESPECIAL NA FUNASA/MS (SANEAMENTO EM RM E RIDE) - PLN Nº 13, DE 2005-CN - Sidney A. Bittencourt e Mário Luis G. de Souza Núcleo da Saúde Julho/2005 Endereço na Internet: http://www.camara.gov.br

Leia mais

Economia do Turismo. Análise das atividades características do turismo 2003

Economia do Turismo. Análise das atividades características do turismo 2003 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Estudos e Pesquisas Informação Econômica número 5 Economia do Turismo Análise

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1 AC Rio Branco Cerest Estadual (68) 3223-4266 cerest.saude@ac.gov.br AL Maceió Cerest Estadual (82) 3315-2759 (82) 3315-3920 cerest@saude.al.gov.br AL Maceió Cerest Regional (82) 3315-5260 cerest@sms.maceio.al.gov.br

Leia mais

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012.

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. Nº 74 Fevereiro de 2014 O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO. Ministério do Turismo

ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO. Ministério do Turismo ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL EXECUÇÃO FIPE APOIO INFRAERO DPF RECEITA ÓRGÃOS OFICIAS DE TURISMO Caracterizar e dimensionar o turismo internacional receptivo

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

A venda do conceito Outer. está acima da venda de nossos produtos. Breno Bulus - sócio e designer

A venda do conceito Outer. está acima da venda de nossos produtos. Breno Bulus - sócio e designer Tudo começou a partir do sonho de desenvolver uma marca sólida e de personalidade única no cenário carioca, com o objetivo de fornecer lazer e bem estar. E foi com essa ideia na cabeça que em 2004 foi

Leia mais

Notas técnicas. Âmbito da pesquisa

Notas técnicas. Âmbito da pesquisa Notas técnicas Âmbito da pesquisa O âmbito da PEH incluiu os estabelecimentos que atenderam aos seguintes requisitos: ter exercido no ano de 2001 a atividade de alojamento, como atividade principal ou

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA)

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA) 1 INTRODUÇÃO Este relatório consolida os principais resultados obtidos com a pesquisa sobre acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasileiras pesquisa Renavam, efetuada como parte integrante do

Leia mais

Aspectos da Contagem da População 2007

Aspectos da Contagem da População 2007 - Introdução Aspectos da Contagem da População 007 Outubro de 007 O IBGE realizou, no ano de 007, uma operação censitária que abrangeu o Censo Agropecuário 006, a Contagem da População 007 e o Cadastro

Leia mais

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios Maria Cristina Mac Dowell Diretora-Geral Adjunta Escola de Administração Fazendária Esaf/MF maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Sentiram discriminação...

Leia mais

Legenda: Áreas migradas do 0800 para o 4004. Áreas onde o 4004 já estava ativado.

Legenda: Áreas migradas do 0800 para o 4004. Áreas onde o 4004 já estava ativado. Legenda: Áreas migradas do 0800 para o 4004. Áreas onde o 4004 já estava ativado. CÓD. ÁREA (DDD) UF ÁREA METROPOLITANA REGIÃO CONURBADA 11 SP SÃO PAULO ARUJA BARUERI BIRITIBA-MIRIM CAIEIRAS CAJAMAR CARAPICUIBA

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Fevereiro de 2013

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Fevereiro de 2013 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Fevereiro de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff

Leia mais

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho Nacional de Turismo Fóruns Estaduais Câmaras Temáticas Secretaria

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE 2014 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson Barbosa INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo

Leia mais

- O Desafio 24 horas das capitais será realizado:

- O Desafio 24 horas das capitais será realizado: - O Desafio 24 horas das capitais será realizado: - Pelo atleta ultramaratonista Carlos Dias e pessoas de ambos os sexos convidadas; - Devidamente inscritas; - Doravante denominados atletas e iniciantes

Leia mais

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 P á g i n a 1 As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 Os primeiros resultados do Censo 2010 já permitem algumas reflexões sobre mudanças e permanências da posição das metrópoles na rede urbana

Leia mais

DDD DO MUNICÍPIO. Região UF Área Local SÃO PAULO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 12 SANTOS BAURU 14 SOROCABA RIBEIRÃO PRETO

DDD DO MUNICÍPIO. Região UF Área Local SÃO PAULO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 12 SANTOS BAURU 14 SOROCABA RIBEIRÃO PRETO Região UF Área Local DDD DO MUNICÍPIO SÃO PAULO 11 3 SP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 12 SANTOS 13 BAURU 14 SOROCABA 15 RIBEIRÃO PRETO 16 RIBEIRÃO PRETO 16 SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 17 PRESIDENTE PRUDENTE 18 CAMPINAS

Leia mais

IBGE. Ministério da Saúde. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Ministério da Saúde. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p a esquisa n mostra de acional por d omicílios A cesso e u tilização de S erviços de s aúde 2003 Ministério da Saúde IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Instituto Trata Brasil divulga novo ranking do saneamento com avaliação dos serviços nas 81 maiores cidades do País

Instituto Trata Brasil divulga novo ranking do saneamento com avaliação dos serviços nas 81 maiores cidades do País Instituto Trata Brasil divulga novo ranking do saneamento com avaliação dos serviços nas 81 maiores cidades do País Estudo revela lentidão nos avanços do atendimento voltado à água e esgotos, além de mostrar

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014 PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Turismo do Estado de Pernambuco, através da EMPETUR, apresenta os resultados

Leia mais

Página 1 de 8 IPI - Jurisdição - Regiões fiscais 18 de Maio de 2012 Em face da publicação da Portaria MF nº 203/2012 - DOU 1 de 17.05.2012, este procedimento foi atualizado (novas disposições - tópico

Leia mais

Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS

Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS Brasília, 11 de junho de 2014. SISTEMÁTICA ATUAL Desde 01/01/2010, o INSS direciona os benefícios para o vencedor do Lote, desde que

Leia mais

2013 Primeiros resultados

2013 Primeiros resultados As entidades de Assistência social privadas sem fins lucrativos no brasil 2013 Primeiros resultados Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO

Leia mais

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2009 2 SUMÁRIO PÁGINA 3 IPC (FIPE) PÁGINA 4 IPCA (IBGE) PÁGINA 5 INPC (IBGE) PÁGINA 6 IGP-DI (FGV) PÁGINA 7 IGP-M (FGV) PÁGINA

Leia mais

4. População de estudo

4. População de estudo 4. População de estudo A população de estudo é representada por 23.457 indivíduos, residentes em 10.172 domicílios, conforme figura 4.1 abaixo. No Anexo C encontram-se as informações referentes à distribuição

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD)

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Início das transmissões 100% digitais Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 07 de abril

Leia mais

Acesso à internet e posse de telefone. óvel elular para so essoal

Acesso à internet e posse de telefone. óvel elular para so essoal p a esquisa n mostra de acional por d omicílios Acesso à internet e posse de telefone M C óvel elular para so essoal 2005 u p Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo...

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

NOTA TÉCNICA ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014

NOTA TÉCNICA ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014 NOTA TÉCNICA ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014 A divulgação anual das estimativas da população residente nos municípios brasileiros obedece

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto eiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Acesso

Leia mais

Esporte. Ministério do Esporte. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Esporte. Ministério do Esporte. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Esporte 2003 Ministério do Esporte Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

Estabelecimentos de hospedagem. Motéis (1) Total 7 479 3 507 1 501 1 855 616 327 678 741 303. Porto Velho 70 48 5 15 2 2 208 5 028

Estabelecimentos de hospedagem. Motéis (1) Total 7 479 3 507 1 501 1 855 616 327 678 741 303. Porto Velho 70 48 5 15 2 2 208 5 028 capacidade, segundo os as Regiões Metropolitanas das Capitais, (continua) 7 479 3 507 1 501 1 855 616 327 678 741 303 Porto Velho 70 48 5 15 2 2 208 5 028 Rio Branco 36 20 2 14-1 231 2 832 Região Metropolitana

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

pesquisa de esporte Ministério do Esporte Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

pesquisa de esporte Ministério do Esporte Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão pesquisa de esporte 2003 Ministério do Esporte Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Caderno de Informação da Saúde Suplementar 2010 Setembro Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários Operadoras Planos de Saúde ISSN 1981-0962 MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

Interior de SP. Mailing Jornais

Interior de SP. Mailing Jornais São Paulo AGORA SÃO PAULO BRASIL ECONÔMICO D.C.I. DESTAK (SP) DIÁRIO DO COMMERCIO (SP) DIÁRIO DE SÃO PAULO DIÁRIO DO GRANDE ABC EMPREGO JÁ (SP) EMPREGOS & CONCURSOS (SP) EMPRESAS & NEGÓCIOS (SP) FOLHA

Leia mais

Regulamento Oferta Internet para celular SEM FIDELIZAÇÃO

Regulamento Oferta Internet para celular SEM FIDELIZAÇÃO Oi MÓVEL S.A., no Setor Comercial Norte, quadra 03, Bloco A, Ed. Estação Telefônica Térreo Parte 2, Brasília, inscrita no CNPJ sob o nº 05.423.963/0001-11, doravante denominada simplesmente Oi oferece

Leia mais

PROPOSTA DE REAJUSTE PARA O VALE- TRANSPORTE

PROPOSTA DE REAJUSTE PARA O VALE- TRANSPORTE PROPOSTA DE REAJUSTE PARA O VALE- TRANSPORTE EBSERH ACT 2015 Brasília, XX de março de 2015. 1. Informações Iniciais O valor do Vale transporte é atualmente pago de acordo com o local de residência do empregado,

Leia mais

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana PAC 2 SÃO PAULO R$ 241,5 bilhões R$ milhões Eixo 2011-2014 Pós 2014 TOTAL Transportes 55.427 2.169 57.596 Energia 57.578 77.936 135.513 Cidade Melhor

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 30Mbps

PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 30Mbps PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 30Mbps Plano (Denominação do Plano de Serviço) 1. Aplicação Este Plano de Serviço do Serviço de Comunicação Multimídia é aplicável

Leia mais

NFS-e Nota Fiscal de Serviços Eletrônica

NFS-e Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Nota Fiscal de Serviços Eletrônica O Problema A NFS-e possui vários layouts de Integração; Não há padronização; Não há um cronograma para adoção/alteração de layouts; Poucos municípios seguem o modelo

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

368 municípios visitados

368 municípios visitados TURISTAS INTERNACIONAIS 60,3% visitaram o Brasil pela primeira vez 91,4 % Copa como o principal motivo da viagem 83% o Brasil atendeu plenamente ou superou suas expectativas 95% tem intenção de retornar

Leia mais

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014.

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar trabalhos de ampliação do número de leitos na rede hoteleira na cidade de Curitiba. Justificativa: A cidade de Curitiba

Leia mais

Estatísticas de Empreendedorismo

Estatísticas de Empreendedorismo 15 Estatísticas de Empreendedorismo 2008 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente

Leia mais

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil;

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; 10ª edição / 2014 Apresentação Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; Série histórica iniciada em 2004 Pesquisa complementar ao BDET (Boletim de Desempenho Econômico do Turismo),

Leia mais

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO ACRE Secretaria de Estado de Turismo e Lazer Endereço: Av. Chico Mendes, s/n - Arena da Floresta - Bairro Areal. CEP: 69.906-119 - Rio Branco - AC TEL: (68) 3901-3027/

Leia mais

Notas técnicas. População de estudo

Notas técnicas. População de estudo Notas técnicas População de estudo A população-alvo da pesquisa foi formada por escolares do 9 º ano do ensino fundamental (antiga 8ª série) de escolas públicas ou privadas das capitais dos estados brasileiros

Leia mais

EMBRATUR. Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013

EMBRATUR. Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013 EMBRATUR Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013 Com 20 anos de experiência em Estudos de Mercado, o Instituto Methodus garante aos seus clientes relatórios que

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Novo Cenário de Iluminação Pública no Brasil: Perspectivas e Oportunidades de Negócios

Novo Cenário de Iluminação Pública no Brasil: Perspectivas e Oportunidades de Negócios Novo Cenário de Iluminação Pública no Brasil: Perspectivas e Oportunidades de Negócios 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2014 Novo panorama de Iluminação Pública no Brasil A publicação da Resolução

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Secretaria-Executiva Márcia Bassit Secretaria de

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Júlio Eduardo dos Santos

Júlio Eduardo dos Santos Júlio Eduardo dos Santos Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Linha do Tempo 1965 a 2003 Extinção da GEIPOT Lei 10.233 / 2001 Criação da EBTU lei nº 6.261 em 1975 Extinção da EBTU Dec.

Leia mais