Notas técnicas. Âmbito da pesquisa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas técnicas. Âmbito da pesquisa"

Transcrição

1 Notas técnicas Âmbito da pesquisa O âmbito da PEH incluiu os estabelecimentos que atenderam aos seguintes requisitos: ter exercido no ano de 2001 a atividade de alojamento, como atividade principal ou secundária, estando ou não registrado no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas - CNPJ - do Ministério da azenda; e estar localizado no Estado do Rio de Janeiro. Define-se como atividade de alojamento a exploração ou administração de um estabelecimento de hospedagem (hotel, pousada, motel, pensão de hospedagem, albergue, dormitório, hospedaria, hotel-club, camping, etc.), por pessoa física ou jurídica, pública ou privada. Os estabelecimentos que exercem mais de uma atividade (estabelecimentos mistos) e que, dentre elas, exerçam a atividade de alojamento (churrascaria com hotel; posto de gasolina com hotel; hotel residência/apart-hotel; administração de imóveis; camping club.), mesmo que como atividade secundária, foram pesquisados. Estão fora do âmbito da PEH: as unidades administrativas das empresas de alojamento (sede da empresa, escritório para reservas, almoxarifado central, etc.) localizados em endereços isolados; estabelecimentos com fins filantrópicos, assistenciais ou de uso exclusivo de determinado grupo de pessoas (alojamento de obras, alojamento de universidades e os destinados a abrigar desvalidos); as casas de veraneio, ou parte delas, alugadas para temporadas;

2 Meios de hospedagem no Estado do Rio de Janeiro 2001 hotéis-clubes para uso exclusivo dos sócios, sem disponibilizar unidades habitacionais para o público em geral; hotéis que se encontravam em 2001 com 100% das suas unidades habitacionais alugadas por contrato para empresas, para o alojamento de funcionários; e apart-hotéis que funcionam como condomínios, sem disponibilizar unidades habitacionais para o público em geral. Unidade de investigação A unidade de investigação das pesquisas econômicas pode ser a empresa ou partição dela, conforme as características que investiguem. Em nosso caso, tratase de produzir informações que se tornem mais compreensíveis e relevantes, quando referidas a um determinado espaço geográfico. Isto recomenda a adoção da Unidade Local - UL -, como unidade de investigação. A unidade de investigação da PEH é o estabelecimento/unidade local. Por estabelecimento/unidade local entende-se o espaço físico que ocupa, geralmente, uma área contínua, na qual uma ou mais atividades econômicas são desenvolvidas, correspondendo, na maioria das vezes, a cada endereço de atuação da empresa. Instrumento de coleta A PEH 2001 utilizou apenas um tipo de questionário para a coleta de informações e para a atualização cadastral. Os questionários foram aplicados apenas através de formulário em papel. Como não foi adotado um instrumento específico para atualização cadastral, o questionário também foi utilizado para informar os motivos para a nãocoleta das informações de estabelecimentos cadastrados, de acordo com as seguintes situações: 02 - estabelecimento em fase de implementação; 05 - estabelecimento paralisado, sem informação de receita no ano de 2001; 06 - estabelecimento extinto, sem informações no ano de 2001; 07 - estabelecimento extinto devido à fusão, cisão total ou incorporação; 08 - estabelecimento que não exerce atividade de alojamento; 09 - mudança para endereço ignorado; 10 - endereço inexistente ou incompleto; 11 - estabelecimento impossibilitado de prestar informações; 14 - estabelecimento administrativo ou de apoio (sede da empresa, almoxarifado, central de reservas); 16 - Outros motivos (duplicidade de cadastro, propriedade particular sem CNPJ); 17 - recusa; e 18 - estabelecimento selecionado fora do âmbito geográfico do Estado do Rio de Janeiro. Com a adoção de um único questionário, procurou-se levantar as variáveis mais importantes que atendessem aos objetivos da pesquisa.

3 Notas técnicas Classificação de atividades A classificação adotada nesta pesquisa é a Classificação Nacional de Atividades Econômicas - -, cujos códigos e descrições das atividades que compõem o âmbito da pesquisa estão discriminadas no Quadro 1. Quadro 1 - Classes de atividades da Classificação Nacional das Atividades Econômicas - - que compõem o âmbito da pesquisa Hotéis, motéis e pousadas, com e sem restaurantes Outros tipos de alojamentos (hospedarias, dormitórios, pensão, etc.) Como a pesquisa objetivou investigar a oferta de alojamento, ocorreram situações em que o serviço de hospedagem se caracterizou como atividade secundária, em termos de receita. Tal fato ocorreu com estabelecimentos, cuja atividade principal encontra-se descrita no Quadro 2. Quadro 2 - Atividades da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - - que apresentam o serviço de alojamento como atividade secundária Restaurantes e estabelecimentos de bebidas com serviço completo Comércio a varejo de combustíveis Administração de imóveis por conta de terceiros Condomínios prediais Atividades desportivas (hotel-club, etc.) Cadastro da pesquisa Para a montagem do cadastro final para a pesquisa foram utilizados: Cadastro Central de Empresas - CEMPRE - do IBGE atualizado pela RAIS/ 2000 e pela Pesquisa Anual de Serviços - PAS/2000. oram selecionadas todas as empresas que tinham, pelo menos, uma unidade local, no Estado do Rio de Janeiro, classificadas com uma das seguintes s (Quadro 3): Quadro 3 - Atividades da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - - utilizadas na montagem do cadastro final da pesquisa Hotéis, motéis e pousadas, com restaurantes Hotéis, motéis e pousadas, sem restaurantes Outros tipos de alojamento

4 Meios de hospedagem no Estado do Rio de Janeiro 2001 oi utilizado, também, o cadastro da Companhia de Turismo do Estado do Rio de Janeiro - TURISRIO -, construído quando da realização do Censo de Estabelecimentos Hoteleiros realizado em 1999, onde se levantou apenas os estabelecimentos voltados para o turismo, inclusive os sem registro no CNPJ. Desta pesquisa, ficaram de fora por exemplo os motéis, de uma forma geral, e os hotéis das cidades da Baixada luminense (Duque de Caxias, Nova Iguaçu, etc.) e São Gonçalo, entre outros, por não se enquadrarem nos conceitos definidos pela TURISRIO. A partir da união desses dois cadastros, chegou-se ao cadastro básico para coleta (Tabela 1). Tabela 1 - Dados gerais do cadastro básico Especificação Dados Estabelecimentos na pesquisa Com Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas - CNPJ Sem Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas - CNPJ 881 Estabelecimentos com interseção na Pesquisa Anual de Serviços - PAS/ Durante a realização da coleta foram encontrados mais 171 novos estabelecimentos obtidos através dos cadastros das secretarias municipais de turismo de várias prefeituras e outros órgãos ligados ao turismo, como por exemplo, as associações de hotéis e restaurantes de algumas cidades do Rio de Janeiro. Do cadastro final, com estabelecimentos cadastrados, (63,7%) foram coletados e corresponderam ao universo dos estabelecimentos com atividade de oferta hoteleira no Rio de Janeiro, em dezembro de Este universo está seguindo o âmbito definido para esta pesquisa e é sobre este total que os dados estão sendo divulgados. Do total de estabelecimentos, (36,3%) não resultaram em dados por diversos motivos, conforme Tabela 2. Tabela 2 - Estabelecimentos que não resultaram em dados na pesquisa, segundo o código de situação cadastral e os motivos de situação cadastral e motivos Total Percentual (%) 02 Estabelecimento em fase de implementação 73 5,8 05 Estabelecimento paralisado sem informação de receita no ano de ,5 06 Estabelecimento extinto, sem informações no ano de ,5 07 Estabelecimento extindo devido à fusão, cisão total ou 10 0,8 incorporação 08 Estabelecimento que não exerce atividade de alojamento ,1 09 Mudança para endereço ignorado 102 8,1 10 Endereço inexistente ou incompleto 33 2,6 11 Estabelecimento impossibilitado de prestar informação 35 2,8 14 Estabelecimento administrativo ou de apoio 41 3,3 16 Outros motivos ,3 1 7 Recusa 33 2,6 18 Estabelecimento selecionado fora do âmbito geográfico do Rio de Janeiro 9 0,7

5 Notas técnicas Disseminação dos resultados As informações são divulgadas por tipos de estabelecimentos, regiões turísticas, com estratificação por número de unidades habitacionais. Também são divulgadas informações por municípios e localidades turísticas especiais (distritos ou bairros com grande relevância turística). As regiões turísticas são divisões territoriais do Estado do Rio de Janeiro, definidas pela Companhia de Turismo do Estado do Rio de Janeiro - TURISRIO -, cujos municípios e localidades turísticas especiais são apresentados no Anexo 1.

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO PESQUISA DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM - PSH Pesquisa realizada em parceria com o Ministério do Turismo OBJETIVO Quantificar os estabelecimentos de hospedagem localizados

Leia mais

Plágio acadêmico. Engenharia de Computação Metodologia da Pesquisa em Computação Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Plágio acadêmico. Engenharia de Computação Metodologia da Pesquisa em Computação Pontifícia Universidade Católica de Campinas Plágio acadêmico Engenharia de Computação Metodologia da Pesquisa em Computação Pontifícia Universidade Católica de Campinas O que é? Apresentar como da própria autoria (obra artística, científica etc.

Leia mais

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO

COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO PESQUISA DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM - PSH Pesquisa realizada em parceria com o Ministério do Turismo OBJETIVO Quantificar os estabelecimentos de hospedagem localizados

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

Notas metodológicas. Objetivos

Notas metodológicas. Objetivos Notas metodológicas Objetivos Qual é a população de empresa em um determinado ano? Esta é aparentemente uma pergunta simples, entretanto, existem inúmeras questões envolvidas na definição, identificação

Leia mais

Estratégias na Implementação da CNAE 2.0 no Cadastro de Empresas do IBGE

Estratégias na Implementação da CNAE 2.0 no Cadastro de Empresas do IBGE Estratégias na Implementação da CNAE 2.0 no Cadastro de Empresas do IBGE ANA ROSA PAIS RIBEIRO Gerência do Cadastro Central de Empresas CEMPRE IBGE ABORDAGENS PRÉVIAS Princípios para implementação da nova

Leia mais

Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira

Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira Palestrante: Pedro Aranzabal (Consultor Consórcio FGV/FIPE) Apresentação Objetivos: Diagnosticar

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Manual do Usuário Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Julho de 2011 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Siglas... 3 3. Descrição do Sistema... 3 4. Como utilizar

Leia mais

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CONSTRUÇÃO OU AMPLIA- ÇÃO DE EDIFICAÇÃO COM FINALIDADE HOTELEIRA,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen)

PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen) Altera a Lei nº 11.771, de 2008, para acrescentar incisos estabelecendo horário de entrada e saída de hóspedes em hotéis,

Leia mais

PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014

PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014 PROJETO COPA DO MUNDO DA FIFA 2014 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Fabricato Construtora e Incorporadora Ltda explora o ramo de atividades da construção civil e atua na área de construção e incorporação. A empresa

Leia mais

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Maria Luiza B. Zacharias - IBGE, Brasil Segunda Reunião da Conferência de Estatística das Américas da Comissão Econômica

Leia mais

Pesquisa Anual da Indústria da Construção IBGE. Data: 22/maio/2014

Pesquisa Anual da Indústria da Construção IBGE. Data: 22/maio/2014 Pesquisa Anual da Indústria da Construção Paic IBGE Data: 22/maio/2014 APRESENTAÇÃO A Pesquisa Anual da Indústria da Construção (Paic) se insere na missão institucional do IBGE, mensurando e delineando

Leia mais

CADASTRO CENTRAL DE EMPRESAS DO IBGE - CEMPRE -

CADASTRO CENTRAL DE EMPRESAS DO IBGE - CEMPRE - Taller Directorios de empresas y establecimientos: Desarrollos recientes y desafíos actuales y futuros en América Latina Santiago de Chile, 22 al 23 de Septiembre de 2008 CADASTRO CENTRAL DE EMPRESAS DO

Leia mais

Período de exposição e funcionamento dos Quiosques

Período de exposição e funcionamento dos Quiosques Chamamento Público para empreendimentos da agricultura familiar que tenham a intenção de participar dos Quiosques Brasil Orgânico e Sustentável durante os dias 11 a 27/06 em 10 cidades sedes da Copa de

Leia mais

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Sobre o FOHB Criado em 2002, o FOHB Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil é uma entidade associativa sem fins lucrativos que representa

Leia mais

Metodologia. Quais são as informações disponíveis?

Metodologia. Quais são as informações disponíveis? Metodologia O que é o Mapa das OSCs? Este portal é resultado de parceria entre a Secretaria Geral da Presidência da República, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.visitesaopedrodaaldeia.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Sumário 1. Apresentação e Justificativa... 3 2. Método de Monitoramento nas Entradas da Cidade... 3 3. Método Misto de Ocupação Hoteleira e

Leia mais

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos 2.14 DEMANDA TURÍSTICA ATUAL E POTENCIAL Neste capítulo foi analisada e avaliada a demanda turística da Área de Planejamento do Pólo Capixaba do Verde e das Águas, considerando-se a caracterização do perfil

Leia mais

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário;

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário; RESOLUÇÃO Nº 25, DE 18 OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre parâmetros e padrões para desenvolvimento do modelo de integração da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Abril / 2011 ÍNDICE Introdução...3 Pedido de Consulta da Viabilidade...4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade...13 Esqueceu

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.turisangra.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos, criada em 8

Leia mais

Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN. Empresários Requerentes Contadores

Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN. Empresários Requerentes Contadores Passo a Passo para preenchimento do Pedido de Viabilidade no Sistema de Registro Integrado REGIN Empresários Requerentes Contadores Maio / 2011 ÍNDICE Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade...

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP PAEP Programa de Apoio a Eventos no País EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação Coordenação

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PROCURADORIA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS 1 PROCESSO Nº PGE2009084808-0 PARECER Nº PLC-AO-LB-1502/2009 LICITAÇÃO. Prestação de serviço de hospedagem. Serviços não contínuos. Lei federal nº 11.771/08. Necessidade de comprovação de Cadastro no Ministério

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência dos

Leia mais

Desde 2008 quando foi inaugurado o Portal já ultrapassou os 22 mil visitas/mês, ou seja, ser associado Hoteleiro é garantia de sucesso.

Desde 2008 quando foi inaugurado o Portal já ultrapassou os 22 mil visitas/mês, ou seja, ser associado Hoteleiro é garantia de sucesso. APRESENTAÇÃO Com mais de 10 anos de experiência a ExpressoNet é uma agência web, especializada em atender o mercado turístico. Seus projetos estão voltados principalmente para o segmento hoteleiro onde

Leia mais

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP7 Folha 1 / 7 AP7 UP7 Folha 2 / 7 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS) A orla foi idealizada por Lucio Costa, em consonância

Leia mais

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento. QUEM SÃO AS EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO E MÉDIO PORTES? Critérios de Classificação: São dois os principais critérios para classificação da empresa por porte. Um é baseado na receita operacional bruta anual,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

Prof. Osiris Marques

Prof. Osiris Marques Prof. Osiris Marques Um pouco sobre o Observatório do Turismo FTH UFF O Observatório do Turismo da Universidade Federal Fluminense é um grupo de pesquisa ligado à Faculdade de Turismo e Hotelaria (FTH)

Leia mais

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços;

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços; O REGIME LEGAL DO ALOJAMENTO LOCAL Por Sandra Neves, Advogada A figura do alojamento local surgiu em 2008, com o DL n.º 39/2008, de 7 de Março, que aprovou o regime jurídico de instalação, exploração e

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

CERTIDÃO CONJUNTA NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO

CERTIDÃO CONJUNTA NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional Secretaria da Receita Federal do Brasil CERTIDÃO CONJUNTA NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO Nome:

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central de Empresas - CEMPRE, cuja gestão está sob a responsabilidade

Leia mais

Pesquisa Feambra / Ibram Mapeamento das Associações de Amigos de Museus do Brasil RESULTADOS OBTIDOS

Pesquisa Feambra / Ibram Mapeamento das Associações de Amigos de Museus do Brasil RESULTADOS OBTIDOS RESULTADOS OBTIDOS Histórico Solicitação feita pelo Ibram durante o Fórum Nacional de Museus (nov 2014) para levantamento de quantas são e como atuam as Associações de Amigos de Museus no Brasil. Estes

Leia mais

Anexo 3 - Questionários da Pesquisa Industrial Anual - Empresa - 2003 UF MUNICÍPIO NÚMERO DA PASTA

Anexo 3 - Questionários da Pesquisa Industrial Anual - Empresa - 2003 UF MUNICÍPIO NÚMERO DA PASTA Anexo 3 - Questionários da Pesquisa Industrial Anual - Empresa - 2003 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL - EMPRESA

Leia mais

concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro

concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS Í TURÍSTICOS (RJET) 1 Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação ç da oferta 2 Simplificação Simplificação legislativa concentração num

Leia mais

Abril - 2015. Divulgado em 14 de maio de 2015.

Abril - 2015. Divulgado em 14 de maio de 2015. Abril - 2015 Divulgado em 14 de maio de 2015. VAREJO AMPLIADO CRESCE 1,1% EM ABRIL, APONTA ICVA Indicador considera a receita de vendas deflacionada pelo IPCA em comparação com abril de 2014; no índice

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO ACESSO AO SISTEMA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO ACESSO AO SISTEMA O ISS-e é um sistema completo de gestão do ISS do Município de Maringá, composto pelos módulos de: - NFS-e (Nota Fiscal de Serviços Eletrônica) - DMS-e (Declaração Mensal de Serviços Eletrônica) - AIDF-e

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO 1 FUNDAMENTAÇÃO Este Manual contem regras para Cadastramento com fins de Licitação, nos termos da Lei 8.666/93 e alterações posteriores. e está disponível no site www.aracaju.se.gov.br/emurb. REGRAS PARA

Leia mais

O ISS dos Serviços de Hospedagem

O ISS dos Serviços de Hospedagem O ISS dos Serviços de Hospedagem Definição de Hospedagem A Lei Federal n. 11.771/2008, que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define como meios de hospedagem os empreendimentos ou estabelecimentos,

Leia mais

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza.

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza. A atividade do setor de no Ceará, tem apresentado um expressivo crescimento ao longo dos últimos anos. De fato, tendo recebido 970.000 turistas em 1997, este fluxo alcançou 1.550.857 em 2003 e 1.784.354

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 3065/2004-1 Ano Orçamento: 2004 UF: MS Nome do PT: CONSTRUÇÃO DA ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL

Leia mais

COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO

COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO 1 COMISSÃO DE TURISMO E DESPORTO PROJETO DE LEI Nº 2.867, DE 2004 (Apensos os Projetos de Lei nº 4.420, de 2008 e 4.943, de 2009) Dispõe sobre a constituição de Condomínios Hoteleiros. Autor: Deputado

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

ANEXO I COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA. Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS

ANEXO I COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA. Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS ANEXO I (ANEXOS REVOGADOS PELA RN nº 85, DE 07/12/2004) COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS 1 - DOCUMENTOS

Leia mais

RB CAPITAL RENDA II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

RB CAPITAL RENDA II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII RB CAPITAL RENDA II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CÓDIGO BM&FBOVESPA: RBRD11 ISIN: BRRBRDCTF008 Relatório de Análise Abril de 2011 Sumário Introdução... 3 Empreendimento AmBev... 4 Empreendimento

Leia mais

Projeto de Residência de Criação e Montagem

Projeto de Residência de Criação e Montagem Projeto de Residência de Criação e Montagem CONVOCATÓRIA PARA COLETIVOS, GRUPOS E COMPANHIAS CARIOCAS DE TEATRO E DANÇA Coletivos, Grupos e Companhias de Teatro e Dança que estão em busca de espaço para

Leia mais

Segurança nos Meios de Hospedagem de Foz do Iguaçu / PR 1. Claudio Alexandre de Souza 2

Segurança nos Meios de Hospedagem de Foz do Iguaçu / PR 1. Claudio Alexandre de Souza 2 Segurança nos Meios de Hospedagem de Foz do Iguaçu / PR 1 Claudio Alexandre de Souza 2 Professor do Curso de Hotelaria, Pesquisador do Grupo de Pesquisa GEOS, do CCSA do Campus de Foz do Iguaçu da Universidade

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Maio / 2008 Índice Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade... 4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade... 11 Registro

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Ministério do Turismo. OFFLINE Manual do Meio de Hospedagem. SNRHos

Ministério do Turismo. OFFLINE Manual do Meio de Hospedagem. SNRHos Ministério do Turismo OFFLINE SNRHos ÍNDICE 1) OBJETIVOS... 3 2) APLICAÇÃO... 3 3) GLOSSÁRIO... 3 4) INSTALAÇÃO... 3 5) PRIMEIRO ACESSO... 6 6) CADASTRAR MEIO DE HOSPEDAGEM... 7 7) CADASTRAR USUÁRIO...

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1.257, DE 8 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no D.O.U.

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1.257, DE 8 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no D.O.U. SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1.257, DE 8 DE MARÇO DE 2012 (Publicada no D.O.U. de 09/03/2012) Dispõe sobre o número de inscrição que representará os Estados,

Leia mais

Cadastro de Atividades Econômicas da Pessoa Física. Projeto Matrícula CEI Ajustes nos Cadastros da RFB (PUC 05)

Cadastro de Atividades Econômicas da Pessoa Física. Projeto Matrícula CEI Ajustes nos Cadastros da RFB (PUC 05) Cadastro de Atividades Econômicas da Pessoa Física Projeto Matrícula CEI Ajustes nos Cadastros da RFB (PUC 05) Projeto Matrícula CEI Ajustes nos Cadastros da RFB (PUC 05) Brasília, 27 de julho de 2014

Leia mais

HOLIDAY INN. CONHEÇA DE PERTO AQUELE QUE É, DE LONGE, O SEU MELHOR INVESTIMENTO.

HOLIDAY INN. CONHEÇA DE PERTO AQUELE QUE É, DE LONGE, O SEU MELHOR INVESTIMENTO. HOLIDAY INN. CONHEÇA DE PERTO AQUELE QUE É, DE LONGE, O SEU MELHOR INVESTIMENTO. Início das operações: abril/2014 INVESTIMENTO HOTELEIRO - SAVASSI SE VOCÊ TEM DÚVIDA, SUA RENDA É GARANTIDA. Os investidores

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA.

LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luana Jung de Araujo 1 ; Priscila Karvat Geremias 1 ; Isadora Balsini Lucio

Leia mais

Check list portal da Operadora Atualização: Validade:

Check list portal da Operadora Atualização: Validade: Capítulo 01 RN 16 Estabelece medidas normativas a serem adotadas pelas Operadoras de planos privados de assitistência à saúde, relativas aos materiais publicitários de caráter institucional. RN 16 1.1

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013

GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013 GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013 1 A presente Política de Voto encontra-se: (i) registrada na ANBIMA (Associação

Leia mais

Projeto de Residência de Criação e Montagem

Projeto de Residência de Criação e Montagem Projeto de Residência de Criação e Montagem CONVOCATÓRIA PARA ARTISTAS CARIOCAS Você que é artista de teatro ou dança e tem interesse em ampliar seu vocabulário artístico através das artes circenses...

Leia mais

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária tem entre

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal

III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal IDESTUR Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal O Turismo Rural não tem leis e regulamentos específicos que normatizem a sua diversidade, até por

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo MEIOS DE HOSPEDAGEM DO PARANÁ 2000 2007 HOTELARIA O segmento hoteleiro provoca no turismo um efeito multiplicador na geração de empregos (diretos e indiretos)

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

Regulamento para inscrição na 10ª Semana da Música de Ouro Branco

Regulamento para inscrição na 10ª Semana da Música de Ouro Branco Regulamento para inscrição na 10ª Semana da Música de Ouro Branco 1. Inscrições e seleção 1.1 Para efetuar a inscrições para a 10ª Semana da Música de Ouro Branco, o candidato deverá acessar o site www.semanadamusica.com;

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

ENADE 2014 CRONOGRAMA UNEB (Com fulcro na LEI Nº 10.861/ 2004 / PORTARIA NORMATIVA Nº 40/2007 / PORTARIA NORMATIVA Nº 08/ 2014)

ENADE 2014 CRONOGRAMA UNEB (Com fulcro na LEI Nº 10.861/ 2004 / PORTARIA NORMATIVA Nº 40/2007 / PORTARIA NORMATIVA Nº 08/ 2014) Site para os acessos: http://enade.inep.gov.br 04 a 10/06/2014 ENADE 2014 CRONOGRAMA UNEB (Com fulcro na LEI Nº 10.861/ 2004 / PORTARIA NORMATIVA Nº 40/2007 / PORTARIA NORMATIVA Nº 08/ 2014) Data Assunto

Leia mais

Turismo do Rio em números

Turismo do Rio em números 1 2 APRESENTAÇÃO A indústria do turismo tanto no Brasil como no Rio de Janeiro enfrenta um grande carência de indicadores estatísticos e econômicos, que possibilitem mensurar de maneira confiável e precisa

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Chamada de Projetos nº 04/2008

Chamada de Projetos nº 04/2008 Ministério do Turismo Chamada de Projetos nº 04/2008 O Ministério do Turismo, por intermédio da Comissão Avaliadora de Eventos, torna pública a realização de processo seletivo de projetos para apoio à

Leia mais

SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL

SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL São Paulo Janeiro/2014 1 Associação de Apoio à Pesquisa ALAGEV Associação Latino Americana de Gestores

Leia mais

Sobre a ABIH. Nossos principais objetivos. O associado ABIH-RJ tem à sua disposição. Apresentação

Sobre a ABIH. Nossos principais objetivos. O associado ABIH-RJ tem à sua disposição. Apresentação Mídia Kit Apresentação 2 Sobre a ABIH 3 ABIH-RJ é uma entidade sem fins lucrativos que congrega as empresas de hospedagem com sede e estabelecimentos no Estado do Rio de Janeiro, integrada a mesma entidade

Leia mais

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42 Pedido de Viabilidade Página 1 / 42 ÍNDICE Apresentação... 3 Pedido de Viabilidade para Inscrição de Primeiro Estabelecimento... 4 Solicitante e Pessoa Jurídica... 4 Quadro Societário... 8 Nome Empresarial,

Leia mais

NORMA DE OUTORGA. Assunto: Instrução Documental para Requerimentos de Outorga INTERVENÇÕES E OBRAS

NORMA DE OUTORGA. Assunto: Instrução Documental para Requerimentos de Outorga INTERVENÇÕES E OBRAS Dezembro de 2010 1/... A seguir serão descritos os documentos necessários para abertura de processos administrativos de Outorga para Intervenções e Obras. Cabe salientar que o AGUASPARANÁ a seu critério

Leia mais

Guia de Abertura de um Hostel em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Hostel em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Hostel em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação... 3 3.

Leia mais

Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I.

Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I. Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I. Empro - Tecnologia & Informação São José do Rio Preto, São Paulo Sumário Introdução... 3 Acesso... 4 Abertura de M.E.I. - Consulta Prévia...

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv. Credenciamento do Proponente. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - Siconv. Credenciamento do Proponente. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Credenciamento do Proponente Manual

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

PREFEITURA MUNCIPAL DE CONTAGEM MANUAL DO USUÁRIO. versão 1.0 SISTEMA IPTU ONLINE

PREFEITURA MUNCIPAL DE CONTAGEM MANUAL DO USUÁRIO. versão 1.0 SISTEMA IPTU ONLINE MANUAL DO USUÁRIO versão 1.0 SISTEMA IPTU ONLINE Caro contribuinte, você acaba de acessar a página na internet da Prefeitura Municipal de Contagem que disponibiliza a prestação de serviços eletrônicos.

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais

Leia mais

Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa

Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa Perfil A Embasa é uma sociedade de economia mista de capital autorizado, pessoa jurídica

Leia mais