Curso Técnico em Hospedagem Integrado ao Ensino Médio na Modalidade EJA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Técnico em Hospedagem Integrado ao Ensino Médio na Modalidade EJA"

Transcrição

1 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS - CONTINENTE Curso Técnico em Hospedagem Integrado ao Ensino Médio na Modalidade EJA Eixo Tecnológico Hospitalidade e Lazer Florianópolis Maio / 21

2 2

3 SUMÁRIO 1 DADOS INSTITUCIONAIS 1.1 Dados do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC) 1.2 Dados do Núcleo Avançado de Ensino Supletivo 2 DADOS GERAIS DA OFERTA JUSTIFICATIVA 4 4 OBJETIVOS Objetivos Geral Objetivos Específicos 9 5 REQUISITOS DE ACESSO Requisitos Formas de Acesso 10 6 PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO 10 7 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Fluxograma do Curso Organização Semestral Matriz Curricular Áreas do Conhecimento 16 8 METODOLOGIA 40 9 AVALIAÇÃO ESTRUTURA Instalações físicas, docentes, administrativo e acervo bibliográfico do IFSC, Campus Continente 10.2 Instalações físicas, docentes, administrativo e acervo bibliográfico do NAES REFERÊNCIAS 6 12 MODELO DE CERTIFICADO 64 ANEXO A Proposta de Matriz Curricular Detalhada 65 4

4 4 1. DADOS INSTITUCIONAIS 1.1 Dados do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC), Campus Florianópolis-Continente CNPJ Nº /00-62 Razão Social Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina / Campus Florianópolis-Continente Esfera Administrativa Federal Endereço Av. Quatorze de Julho, Enseada dos Marinheiros, Coqueiros Florianópolis/SC, CEP Telefone/Fax (48) Site Eixo tecnológico Hospitalidade e Lazer Diretor Geral Daniela de Carvalho Carrelas 1.2 Dados do Núcleo Avançado de Ensino Supletivo CNPJ /00-58 Razão Social NAES Núcleo Avançado de Ensino Supletivo Esfera Administrativa Estadual Endereço Rua 248 nº 955 Meia Praia Itapema SC Telefone/Fax (47) Site Não tem Coordenadora Marli dos Santos 2. DADOS GERAIS DA OFERTA Denominação: Técnico em Hospedagem integrado ao Ensino Médio na modalidade EJA. Regime de matrícula: Semestral Periodicidade Letiva: Oferta única Duração do curso em meses: 0 meses Carga horária total: 2000 horas (1.200 de educação básica e 800 de formação profissional) Certificação: Técnico em Hospedagem

5 5 Total de vagas anuais Turnos de Numero de Total de vagas Vagas por turma funcionamento turmas anuais Noturno 0 vagas 0 Total 0 Obs. Carga horária Carga horária Prazo de integralização da carga horária Total do curso Limite mínimo Limite máximo (meses/semestres) (meses/semestres) 2000 horas 05 Semestres Letivos 05 Semestres Letivos. JUSTIFICATIVA Atendendo à legislação, especificamente ao Decreto 5840/2006 que institui, no âmbito das instituições federais de educação tecnológica, o Programa de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos PROEJA, o IF-SC passa a ofertar o Curso Técnico em Hospedagem - Integrado ao Ensino Médio na Modalidade Jovens e Adultos (EJA). O curso é fruto de parceria estabelecida entre o Campus Florianópolis-Continente e a Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina SED, convênio de número 02/20 DEX/PRRE/IF-SC, de 1/setembro/20, por intermédio do Núcleo Avançado de Ensino Supletivo de Itapema (NAES-Itapema). Foi construído por meio de debates realizados entre os meses de fevereiro e maio de 21, por professores e demais profissionais das duas instituições e tem o objetivo de proporcionar às pessoas excluídas do processo produtivo e de escolarização a oportunidade de resgate de seus direitos, bem como o acesso a saberes tecnológicos que as conduzirá ao exercício de sua cidadania e de uma profissão. Desta forma, a oferta de EJA integrada à Educação Profissional possibilita a inserção dos educandos da EJA nas Instituições Federais de Ensino, uma vez que a inclusão desses alunos nos cursos técnicos subsequentes ao Ensino Médio torna-se mais difícil devido ao fato de muitos destes jovens e adultos estarem afastados da escola há muito tempo e os processos seletivos hoje existentes na rede federal não privilegiarem tal público. O Documento Base do PROEJA publicado pela SETEC/MEC em 2006, reforça a necessidade da oferta de cursos nesta modalidade nos Institutos Federais quando afirma que cabe à rede federal disponibilizar o máximo possível de vagas, promovendo a cooperação e a interação com sistemas estaduais

6 6 e municipais de ensino. (MOURA apud Brasil 2006). O Plano de desenvolvimento institucional do IFSC, por sua vez, aponta que a oferta do PROEJA deve representar no mínimo 10% das matrículas dos cursos integrados, o que atende também ao estabelecido no decreto 5840/07. A Constituição Federal do Brasil de 1988 garante que a educação é um direito de todos. No entanto, de acordo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2008), pelo menos 14,2 milhões de brasileiros com 15 anos ou mais não sabem ler e escrever no país. Dados do Censo Escolar de 2009 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INEP, mostram que a oferta de EJA apresenta um déficit de vagas de aproximadamente trinta milhões em relação ao número de adultos analfabetos ou com baixa escolarização. Isso significa que são necessárias ações que viabilizem a inclusão destes cidadãos à educação formal. Nesta perspectiva, de acordo com o Parecer 11/00 CNE/CEB, a EJA representa uma dívida social não reparada para com os que não tiveram acesso à escrita e à leitura como bens sociais e nem domínio destas, na escola ou fora dela, e tenham sido a força de trabalho empregada na constituição de riquezas e na elevação de obras públicas. Ser privado desse acesso é, de fato, perder um instrumento imprescindível para uma presença significativa na convivência social contemporânea. De acordo com o Ministério da Educação três aspectos definem o público da EJA no Brasil: a condição socioeconômica, a baixa auto-estima e a marca do trabalho (BRASIL, 2006): - os homens, mulheres, jovens, adultos ou idosos que retornam à escola pertencem a uma classe social constituída de pessoas com baixo poder aquisitivo, que consomem o básico à sua sobrevivência e que, quase sempre, têm ou tiveram pais com uma escolaridade inferior à sua; - a sua baixa auto-estima, muitas vezes, reforçada pelas situações de fracasso escolar, pois sua eventual passagem foi marcada, comumente, pela exclusão e/ou insucesso escolar, o que contribui para uma auto-imagem fragilizada, perpassada por sentimentos de insegurança e de desvalorização pessoal; - as alunas e alunos da EJA, em sua maioria, são trabalhadores e a experiência com o trabalho começou em suas vidas muito cedo. É comum, ainda, que nos centros urbanos, estas pessoas tenham realizado atividades cuja renda completava os ganhos da família (BRASIL, 2006). A oferta do curso justifica-se também pela adesão do Campus Florianópolis-Continente à Rede CERTIFIC, instituída pelo Decreto nº 5840/2006 e pela Portaria Interministerial nº e que busca constituir-se como uma política pública de inclusão social que estimula o retorno dos trabalhadores à escola, quando prevê o reconhecimento e a validação de saberes construídos ao longo de suas trajetórias de vida e de trabalho, dando-lhes a oportunidade de

7 7 prosseguimento de estudos e/ou exercício de atividades laborais. Conforme Ofício Circular nº. 54/20 - GAB/SETEC/MEC, um dos requisitos para participação no processo de certificação profissional é a oferta de cursos PROEJA, visando atender às necessidades dos participantes e à própria LDB, quando esta estabelece que a educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social ( 2º do artigo 1º). Tendo reconhecido a formação geral como um direito e um fator condicionante da melhoria da qualidade de vida e do status social dos adultos públicos-alvo da EJA, entende-se que a formação técnica por meio de cursos do Eixo tecnológico de Turismo e Hospitalidade potencializa o sucesso profissional destes indivíduos, haja vista ser o turismo um segmento com grande potencial em âmbito mundial. Segundo a Organização Mundial de Turismo (OMT), o Turismo é considerado o terceiro setor mais lucrativo da economia mundial, sendo que o segmento que mais cresce é o de viagens de negócios e eventos. Dos US$,4 trilhões gerados pelo setor, anualmente em todo o mundo, US$ 850 bilhões são oriundos do turismo de eventos que cresce a uma taxa anual de 0%. Em uma projeção sobre o turismo global, até o ano de 2020, a OMT estudou dados compilados de 85 países, incluindo o Brasil. De acordo com esses estudos, o número de viajantes ao exterior deve saltar de 56 milhões (em 1995), para 1,6 bilhão em A fatia da população mundial viajando ao exterior subirá para 7% em Santa Catarina, nesta perspectiva, apresenta grande potencial para o desenvolvimento das atividades turísticas. Porém, embora o estado ganhe projeção nacional crescente enquanto destino turístico, existem aspectos estruturais que, ao serem observados mais de perto, comprometem a sua consolidação como tal. O crescimento rápido e desenfreado da oferta de serviços relativos ao turismo contrapõe-se ao baixo crescimento qualitativo dos mesmos. O setor ainda caminha a passos lentos no sentido de uma necessária profissionalização. Assim, a presença crescente da área de Turismo e Hospitalidade na economia catarinense impõe ao Instituto Federal de Santa Catarina (IF/SC) o seu envolvimento com esse segmento. E seguir serão apresentados dados da demanda realizada em Itapema, que aponta o interesse pelo curso por profissionais da área de hospitalidade, os quais, juntamente com os candidatos do CERTIFIC, são o público-alvo desta oferta.

8 8.1 A demanda pelo curso PROEJA Técnico em Hospedagem integrado ao ensino Médio em Itapema Situada a 12 quilômetros de Balneário Camboriú e a 60 quilômetros de Florianópolis, Itapema é o terceiro município que mais recebe turistas em Santa Catarina. As belezas naturais e a localização geográfica, certamente, contribuíram para que o município revelasse sua vocação para o turismo. Com pouco mais de 40 mil habitantes e 48 anos de idade, Itapema é destaque no Estado por atingir o terceiro lugar no ranking dos municípios mais procurados durante a temporada de verão, quando, em três meses, registra a passagem de 1 milhão de pessoas. O município de Itapema está entre as cidades com maior taxa de crescimento populacional do estado de Santa Catarina. A população do município em 1970 era de habitantes, sendo que a projeção do IBGE para 25 foi de habitantes. Visando identificar o interesse pelo curso PROEJA integrado à formação técnica em Hospedagem, o Polo de Apoio Presencial Bento Elói Garcia, trabalhou durante todo o mês de março na aplicação do Questionário Socioeconômico voltado ao Curso Técnico em Hospedagem nos diversos hotéis e pousadas localizados em Itapema. Por se tratar de uma parceria entre o Instituto Federal de Santa Catarina e o NAES Núcleo Avançado de Ensino Supletivo, o questionário foi aplicado também em alunos do Ensino Supletivo, tentando descobrir o interesse dos mesmos pela área de hospedagem, além do público já inserido no mercado de trabalho turístico da região. Foram aplicados 18 questionários, que possibilitaram reconhecer melhor o estilo de vida e como o curso pretendido pode ajudar o futuro profissional dos entrevistados. Quanto ao grau de escolaridade (Figura 02), 4% dos entrevistados possuem o ensino fundamental completo e 6% possuem o ensino médio incompleto, ou seja, são prováveis alunos Curso Técnico em Hospedagem (PROEJA).

9 En En En En En En 9 4) Qual seu grau de escolaridade? Figura 02 Grau de escolaridade dos entrevistados 16% 2% 4% 6% 7% 4% Quanto ao gênero dos entrevistados (Figura 0), a pesquisa apontou para uma grande quantidade de mulheres interessadas, o que possibilita a inclusão de mulheres na educação profissional; Gênero do entrevistado Figura 0 Gênero dos entrevistados 9% Desta forma, identifica-se que o curso representa grande oportunidade para os trabalhadores da área de hospedagem e para os alunos do NAES entrevistados, o que também justifica a oferta deste curso na região. 61%

10 10 4 OBJETIVOS 4.1 Objetivo Geral Promover a formação de jovens e adultos do ensino médio de forma integrada à formação Técnica em Hospedagem. 4.2 Objetivos específicos: Desenvolver a capacidade de aprender com vistas à aquisição de conhecimentos, valores, atitudes e habilidades necessários à leitura crítica da sociedade e ao exercício da cidadania; Promover, por meio da pesquisa, a autonomia intelectual e a construção de conhecimentos para avançar na compreensão da realidade; Valorizar os saberes prévios dos educandos, visando a potencialização do processo educativo; Potencializar o aprendizado de conhecimentos da educação básica a partir da sua aplicação ao contexto da formação profissional e vice-versa; Proporcionar o acesso a uma formação técnica ampliando as possibilidades de empregabilidade e (re)inserção no mundo do trabalho; Contribuir com a qualificação dos serviços oferecidos pelo setor de turismo e hospitalidade em Itapema. 5 REQUISITOS E FORMAS DE ACESSO 5.1 Requisitos de Acesso: Ter idade mínima de 18 anos ou completar até a data da matrícula; Ter concluído o ensino fundamental; Não ter concluído o ensino médio.

11 Forma de acesso Os alunos participantes do CERTIFIC, conforme Ofício Circular nº. 54/20 - GAB/SETEC/MEC, terão prioridade e direito à vaga, constituindo-se o próprio processo de reconhecimento de saberes profissionais como processo de acesso destes ao curso. As vagas excedentes serão destinadas à comunidade em geral público-alvo da EJA. Para estes, o processo será deflagrado mediante publicação de edital específico via Departamento de Ingresso (DEING) do IFSC. As inscrições poderão ser feitas manualmente, online ou presencialmente no IFSC e em Itapema, no NAES ou local definido pelo edital. Nos locais de inscrição os alunos poderão contar com computadores e servidores à disposição para auxiliar na matricula. Os alunos provenientes do CERTIFIC farão diretamente sua matrícula. A seleção dos demais será realizada por sorteio público (com presença obrigatória dos inscritos), conforme segue: 50% das vagas serão sorteadas entre os inscritos que atuam nas áreas de turismo e hospitalidade e 50% serão sorteadas entre o público em geral. Na data do sorteio, antes de iniciar este procedimento, será realizada a apresentação do curso aos presentes para que todos tenham clareza em relação à oferta e confirmem seu interesse pela vaga. É obrigatória a participação do aluno em ambas as atividades: sorteio e apresentação. No mesmo dia, os candidatos sorteados farão o agendamento para a etapa seguinte, a entrevista de acolhimento. O objetivo da entrevista de acolhimento é conhecer melhor os alunos, bem como criar um vínculo entre estes e a escola. Após a entrevista os alunos terão no mínimo dois dias para então realizar sua matrícula no curso. 6 PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO É o sujeito crítico e reflexivo capaz de interagir sócio, histórico e culturalmente, incorporando valores éticos e de solidariedade para operacionalizar e comercializar os espaços e serviços de hospedagem, considerando os aspectos da hospitalidade, de responsabilidade profissional e socioambiental. Além disso, o profissional egresso deverá ainda ser capaz de: - Conhecer as formas contemporâneas de linguagem, com vistas ao exercício da cidadania e à preparação básica para o trabalho;

12 12 - Compreender a sociedade, sua gênese e transformação dos fatores que nela intervêm, como produtos da ação humana e do seu papel como agente social; - Ler, articular e interpretar símbolos e códigos em diferentes linguagens e representações, estabelecendo estratégias e representações, estabelecendo estratégias de solução e integrando os conhecimentos das ciências e outros campos do saber. 7 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O currículo do curso integrará conhecimentos do ensino médio, sendo a carga horária para tal de 1200h, e da educação profissional, cuja carga horária será de 800h, totalizando 2000 horas, as quais serão distribuídas em cinco semestres. De acordo com o Art. 4 do Decreto n , de 1 de julho de 2006, o qual institui o Programa Nacional de Educação de Jovens e Adultos, os cursos de educação profissional técnica de nível médio do PROEJA deverão contar com carga horária mínima de duas mil e quatrocentas horas, assegurando-se cumulativamente: I a destinação de, no mínimo, mil e duzentas horas para a formação geral; II a carga horária mínima estabelecida para a respectiva habilitação profissional técnica [...]. Desta forma, justifica-se a adoção do tempo total de curso de 2000 horas pelo seguinte: a) De acordo com o Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, a carga horária mínima prevista para o Curso Técnico em Hospedagem é de 800h. Somando-se a carga horária de 1200 horas, destinada à educação básica temos um total de 2000 horas. Portanto, o Decreto 5.840/2006 é questionável ao definir que a carga horária total de cursos de PROEJA deve ser de horas, pois obriga a ampliação da carga horária mínina tanto da educação básica quanto do curso técnico; b) O Decreto 5.840/2006 é contraditório ao princípio orientador do Parecer CNE/CEB n 9/2004, que prevê carga horária menor para cursos de ensino médio integrados, e com a própria perspectiva de EJA, que considera os saberes acumulados pelos educandos como potencializadores do processo de aprendizagem. c) A Resolução nº0/20, que institui as Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos, em seu Art.4º, prevê para o Ensino Médio, a duração mínima de 1.200h para Educação Básica e, para a parte profissionalizante, em cursos de PROEJA, carga horária mínima estabelecida pela respectiva habilitação profissional, portanto, em pleno acordo com

13 1 as 2.000h pensadas para o curso Técnico em Hospedagem (PROEJA). Assim sendo, um educando, jovem ou adulto, poderá concluir seus estudos referentes à Educação Básica através da EJA e, posteriormente, realizar o Curso Técnico Subsequente ao Ensino Médio na Rede Federal com 800h e, ao final, totalizar em 2.000h os dois cursos e, não, em 2.400h conforme redação do Decreto 5.840/2006; e) E, por fim, ainda em debate, a Atualização das Diretrizes Curriculares para a Educação Profissional de Nível Médio, do Ministério da Educação e Conselho Nacional de Educação que já observa como um problema a redação do Decreto 5.840/2006 que dá a entender como se todas as habilitações técnicas fossem de 1.200h, não considerando os Cursos de 800 e horas. A organização curricular do Curso Técnico em Hospedagem PROEJA privilegia a integração dos saberes da Educação Básica e da Educação Profissional através de áreas do conhecimento. Conforme os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio são três áreas: 1) Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; 2) Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias; e ) Ciências Humanas e suas Tecnologias. Para designar a área de Educação Profissional, criou-se a denominação Mundo do Trabalho e suas Tecnologias. O objetivo desta organização curricular também é tornar o curso flexível e adaptado à realidade dos educandos e à dinâmica da escola. No entanto, para fins de operacionalizar os cursos, segue em anexo (Anexo A) matriz curricular com sugestão de currículo e detalhando os conhecimentos das áreas a serem trabalhados em cada semestre, a qual pode ser modificada conforme a necessidade do curso. Além da integração entre as áreas do conhecimento a integração dos conhecimentos de cada semestre letivo será promovida também através da Unidade Curricular denominada Oficina de Integração, organizada por representantes de todas as áreas do conhecimento, mas com coordenação definida de, no mínimo, um Professor da Educação Básica e um Professor da Educação Profissional. As Oficinas de Integração são momentos de encontro entre educadores e educandos do curso, visando retomar e relacionar os temas e conteúdos trabalhados nas unidades curriculares e nas quatro áreas do conhecimento. São espaços voltados à síntese de processos vivenciados e a uma perspectiva interdisciplinar e integradora que permite aos educandos perceber em sua totalidade os conhecimentos técnicos e gerais. Quanto à Carga Horária das Oficinas de Integração, 20 horas em cada semestre serão destinadas à cada área da Formação Básica, totalizando assim 60 horas semestrais (00h no curso); e 20 horas serão destinadas á área Mundo do Trabalho e suas Tecnologias (100h no curso).

14 14 Com este mesmo intuito de estimular a integração, em cada semestre do curso foram definidos Núcleos Temáticos, para os quais o trabalho das áreas, as pesquisas e discussões irão convergir. Os Núcleos Temáticos (NT) são o eixo norteador de cada semestre letivo, com temática estabelecida, articulando todas as áreas do conhecimento. Para a definição das temáticas foram considerados os objetivos do curso, o perfil de saída dos educandos, a necessidade de ações concretas que relacionem teoria, prática e cotidiano dos educandos, conforme observado na figura abaixo, que apresenta a organização curricular do Curso de PROEJA Hospedagem, com o Eixo Integrador (Hospitalidade e Turismo), as quatro áreas do conhecimento e os Núcleos Temáticos (Figura 04). Emprego, renda e ações solidárias Hospitalidade E cultura 5 semestre Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias 1º semestre TRABALHO Mundo do Trabalho e suas Tecnologias CULTURA EIXO INTEGRADOR CIÊNCIA Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Hospedagem, Trabalho e sociedade TECNOLOGIA 2 semestre Ciência, Tecnologia e Segurança na hospedagem 4semestre Ciências Humanas e suas Tecnologias Ética e Responsabilidade Socioambiental na hospedagem semestre Figura 04 Organização Curricular do Curso de Hospedagem Vale destacar que a organização curricular proposta é a síntese dos debates realizados de fevereiro e maio de 20 entre professores e demais profissionais das rede estadual de ensino de Santa Catarina e Instituto Federal de Santa Catarina. Trata-se de uma proposta saída do consenso do grupo e que visa avançar na integração curricular e na materialização de uma lógica diferente de EJA no âmbito das redes estadual e federal. Conforme o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, não há obrigatoriedade de ofertar Estágio Curricular nos cursos do Eixo Hospitalidade e Lazer. Da mesma forma, as Entidades ligadas ao setor de Restaurantes bares e Similares não possuem legitimidade para exigir este

15 15 componente curricular. De qualquer forma, a proposta curricular do PROEJA Técnico em Hospedagem prevê atividades práticas nas Unidades Curriculares Técnicas desde o primeiro semestre letivo até a integralidade do curso. 7.1 Fluxograma do Curso DIVULGAÇÃO DOS CURSOS INSCRIÇÃO EVENTO DE APRESENTAÇÃO DO CURSO SORTEIO ENTREVISTA DE ACOLHIMENTO MATRÍCULA MODULOS I A V: Educação Básica + Formação Profissional CERTIFICAÇÃO 7.2 Organização semestral A carga horária de ensino será distribuída conforme quadro a seguir: Educação 1º 2º º 4º 5º TOTAL semestre semestre semestre semestre semestre Básica Profissional TOTAL As áreas do conhecimento, por sua vez, terão participação no curso com cargas

16 16 horárias conforme segue: - Ciências humanas e suas tecnologias: 40, das quais 100h serão trabalhadas nas Oficinas de Integração; - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias: 460h, das quais 100h serão trabalhadas nas Oficinas de Integração; - Linguagem, códigos e suas tecnologias: 400, das quais 100h serão trabalhadas nas Oficinas de Integração; - Mundo do trabalho e suas tecnologias: 1200h, das quais 100h serão trabalhadas nas Oficinas de Integração. Das 400 horas semestrais, 100 horas serão de atividades complementares, sendo esta carga horária distribuída proporcionalmente na formação básica e na formação profissional. Estas atividades podem incluir: Participação em atividades sociais, culturais e esportivas na comunidade (mutirões, coral, grupos de dança, teatro, música, eventos de um modo geral); Leitura de livros, jornais e revistas (resumo, sínteses, fichamentos, apresentação oral ou escrita); Síntese de filmes assistidos ou programas de televisão; Idas a cinema, teatro; Participação em associações comunitárias; Participação em cursos e palestras diversos; Realização de atividades propostas pelos professores (pesquisas na comunidade, entrevistas); Passeios, saídas programadas a museus, parques, visitas técnicas, etc. Todos os professores estarão disponíveis uma hora por dia (antes do início da sua aula uma vez por semana) para atender aos alunos em suas dificuldades, inclusive referentes às atividades complementares e pendências (reprovação em alguma Unidade Curricular).

17 17 7. Matriz curricular Segue a matriz curricular do curso, por semestre: Curso Proeja Técnico em Hospedagem Integrado ao Ensino Médio (Formação Geral + Formação Específica) 5º 1º Sem. CH 2º Sem. CH º Sem. CH 4º Sem. CH Sem. CH CH 1 80(20AC) CN 2 80(20AC) CH 80(20AC) CN4 80(20AC) CN4 40(10AC) LC1 e MT1 140(5AC) CH 2 80(20AC) CN 80(20AC) LC4 e MT6 140(5AC) MT8 140(5AC) CN1 40(10AC) LC2 80(20AC) LC 80(20AC) MT7 100(25AC) MT9 60(15AC) MT2 60(15AC) MT 80(20AC) MT4 60(15AC) MT10 40(10AC) 80(20AC) MT5 20(5AC) MT11 40(10AC) OI OI 80(20AC) OI 80(20AC) OI 80(20AC) OI 80(20AC) NT1 NT2 NT NT4 NT5 Legenda: CH: Ciências Humanas e suas tecnologias LC: Linguagem e códigos e suas tecnologias MT: Mundo do trabalho e suas tecnologias CN: Ciências da Natureza e suas tecnologias AC: Atividades Complementares OI: Oficinas de Integração - 80h, sendo 20h para cada área NT: Núcleo temático NT1: Hospitalidade e Cultura NT2: Hospedagem, trabalho e sociedade NT: Ética e Responsabilidade Socioambiental na hospedagem NT4: Ciência, tecnologia e segurança na hospedagem NT5: Emprego, renda e ações solidárias 7.4 Áreas do Conhecimento Área do MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 1 Conhecimento (Inglês) Carga Horária: 60 (15 AC) Competências Realizar os procedimentos operacionais de atendimento ao hóspede nacional e internacional na chegada, permanência e saída do meio de hospedagem. CONHECIMENTOS Informações pessoais e atividades diárias; Saudações formais e informais; Termos técnicos utilizados na hotelaria; Situações recorrentes em recepção, governança e reservas de hotel; Localização do entorno e dos espaços e oferta de serviços hoteleiros. HABILIDADES Obter informações dos hóspedes para realizar o atendimento; Apresentar ao hóspede os serviços disponibilizados pelo hotel; Informar sobre a localização, valores e serviços disponibilizados no entorno. Atender solicitações dos hóspedes. ATITUDES

18 18 Ser atencioso, agir de forma polida, respeitosa, sendo receptivo, com postura adequada a sua função. REFERÊNCIAS Referência Básica CATUREGLI, Maria Genny. Dicionário inglês-português: turismo, hotelaria e com.exterior. São Paulo: Aleph, OLIVEIRA, Luciano Amaral. Inglês para estudantes de turismo: english for tourism students. São Paulo: Roca, 20. Dicionários: Inglês-Português/Português-Inglês (Amadeu Marques). Referência Complementar Inglês-Português/Português-Inglês (Hygino Aliandro) Mini Inglês-Português/Português-Inglês Webster s (Antônio Houaiss). Português-Inglês/Inglês-Português (1999) Oxford Escolar. Para estudantes brasileiros de ingles. Password (1999) English Dictionary for Speakers of Portuguese. Martins Fontes. Dicionário on-line: Site: Área do MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 2 Conhecimento Fundamentos de hospedagem, cultura e turismo Carga Horária 60(15AC) Competências Sistematizar as informações de turismo e hospitalidade e os serviços da destinação turística para o atendimento do hóspede, aplicando princípios éticos e críticos em sociedade, diante das relações do mundo do trabalho CONHECIMENTOS Perspectiva histórica da hospitalidade. Conceito e abrangência do turismo e da hospitalidade. Terminologia de turismo e hospitalidade. Visão sistêmica do turismo. Segmentação turística; turismo social e inclusivo. Demanda e oferta turística. Políticas públicas de turismo. Ministério do turismo; órgãos oficiais e órgãos de classes. Evolução e características dos meios de hospedagem: serviços da hotelaria e seus diferenciais; tipologia hoteleira. Turismo e estrutura local: roteiros, serviços, atrativos regionais. Conceito de sociedade e cultura no contexto do turismo e da hospitalidade Desenvolvimento territorial e turismo Turismo e comunidade local Impactos do turismo: sociais, culturais e ambientais Globalização e turismo HABILIDADES Identificar os tipos de meios de hospedagem e de segmentação do turismo;

19 19 Identificar as motivações e as atividades impulsoras do turismo e da prática de hospedagem; Identificar a infra-estrutura turística local e de apoio; Utilizar os conceitos de hospitalidade na prática da hospedagem; Utilizar a terminologia turística; Utilizar os guias turísticos locais informatizados ou não, sistematizando as informações para o atendimento; Identificar a organização do sistema de políticas públicas de turismo, nacional e regional. Reconhecer, o profissional do turismo e da hotelaria, a dimensão sócio-histórica e seu papel na sociedade contemporânea Definir parâmetros a fim de dimensionar os efeitos econômicos, sociais e culturais do turismo e da hospitalidade em escala local Situar o turismo como atividade econômica reconhecendo sua inserção no debate contemporâneo ATITUDES Ser proativo e dinâmico. Agir com postura profissional. Respeitar as hierarquias. Agir com segurança no atendimento ao cliente. Envolver-se na solução de problemas. Trabalhar em equipe (interagir com o grupo, contribuir e trocar experiências). Cumprir as tarefas solicitadas, respeitando os prazos. Ser assíduo nas atividades propostas. Ser pontual nas atividades propostas. REFERÊNCIAS Referência Básica ANDRADE, José Vicente. Turismo: fundamentos e dimensões. São Paulo: Editora Ática, BENI, Mário Carlos. Análise estrutural do turismo. 12 ed. São Paulo: Editora SENAC SP, BARRETO, Margaritta. Turismo, cultura e sociedade. Caxias do Sul: Educs, Referência Complementar CASTELLI, Geraldo. Hospitalidade na perspectiva da gastronomia e da hotelaria. São Paulo: Saraiva, TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi. Turismo Básico. 7 e. São Paulo: Editora Senac São Paulo, BARRETO, Margaritta. Turismo, cultura e sociedade. Caxias do Sul: Educs, 2006.

20 20 Área do conhecimento Carga Horária Competências MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS (Recepção) 80(20AC) Realizar os procedimentos operacionais de atendimento ao hóspede nacional ou estrangeiro na chegada, permanência e saída do meio de hospedagem. CONHECIMENTOS Noções básicas de procedimentos e prática profissional da Recepção: check-in, check-out, (abertura de contas individuais, fechamento de caixa); Tipologia e classificação de equipamentos; Atendimento padrão; Qualidade de serviços; Postura profissional. Rotina operacional do setor da recepção; Programas informatizados; Infra estrutura e serviços do hotel; atrativos turísticos da região; localização; Tecnologia da Informação e Turismo; As relações entre os setores de um meio de hospedagem; Tecnologia da informação e meios de hospedagem: distribuição CRM. Fluxo do trabalho e procedimentos de Check in, check out, walk in; Rotina operacional do setor da recepção; Programas informatizados; Relações interpessoais e interdepartamentais; Infra estrutura e serviços do hotel; atrativos turísticos da região; localização; Ferramentas de controle: check list de qualidade e de conformidade; HABILIDADES Executar os procedimentos de check in, check out, walk in e auditoria; Atender às solicitações do hóspede e acolhê-lo em suas especificidades; Prestar informações ao hóspede sobre a cidade, atrativos turísticos, serviços prestados pelo hotel e infra estrutura local, utilizando mapas, guias, e softwares específicos; Executar serviços de telefonia e mensagens; Receber e encaminhar reclamações e solicitações do cliente; Elaborar planilhas (ocupação, previsão de check in/check out/check list...) utilizando os recursos informatizados; Comunicar-se em língua estrangeira em situações de atendimento ao cliente no setor da recepção Cumprir as normas e procedimentos de saúde e segurança do trabalho; Realizar o atendimento aos hospedes para serviços especiais e diferenciados Compreender o contexto do setor de recepção de um meio de hospedagem por meio da ambientação profissional de 20h, bem como relatar as experiências vivenciadas.

21 21 ATITUDES Iniciativa, organização, respeito e responsabilidade. Cumprimento dos prazos de entrega dos trabalhos, cumprimento de roteiro quando houver Assiduidade Pontualidade Interação com o grupo, contribuir e trocar experiências Postura Apresentação pessoal nas aulas práticas e visita técnica Respeito às diferenças. Ser paciente respeitando os limites do hóspede; Refletir sobre a necessidade de cordialidade, gentileza, proatividade, empatia, com todas as pessoas e no trabalho, principalmente os que tenham limitações ou necessidades especiais. Agir nas situações adversas conforme regras estabelecidas Agir com responsabilidade sócio-ambiental no desenvolvimento de suas atividades profissionais e na prática cidadã. REFERÊNCIAS Referência Básica ISMAIL, Ahmed. Hospedagem Front Office e Governança. São Paulo: Thomson Pioneira, 2004 VIERA, Elenara e CANDIDO, Índio. Gestão de Hotéis: técnicas, operações e serviços. Caxias do Sul: Educs, 200 FRANCO, Rolando. Avaliação de Projetos Sociais. Editora Vozes:2004. Referência Complementar DAVIES, Carlos Alberto. Manual de Hospedagem: simplificando ações na hotelaria. Caxias do Sul: Educs, 200. PÉREZ. Luis. Manual Prático de Recepção Hoteleira. São Paulo: Rocca, 20. O CONNOR, P. Distribuição da Informação Eletrônica em Turismo e Hotelaria. Porto Alegre:Bookman, 20. MATOSO, J.M. Guerreiro. A Informática na Hotelaria e Turismo. Editora Platana, Área do conhecimento MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 4 (Eventos) Carga Horária: 60(20AC) Competências Executar procedimentos operacionais para atendimento, montagem, estruturação e controle dos espaços de eventos dos meios de hospedagem. Sistema operacional mais utilizado; CONHECIMENTOS Tipos de eventos; Tipos de montagem de espaços; Procedimentos para a locação de materiais e equipamentos para eventos;

22 22 Ordem de serviços; Elaboração de orçamento; Técnicas de acompanhamento do processo de negociação (folow up); Elaboração de briefing, contratos, etc. Utilizar softwares específicos; Técnicas de vendas; Políticas de comercialização: tarifário, critérios para confirmação e cancelamento, condições de pagamento, comissionamento etc.; Técnica de atendimento, de venda e negociação ao cliente; Terminologia técnica aplicada ao turismo e hotelaria; Formas de tratamento com os clientes interno e externo; Tipos de eventos; Tipos de montagem de espaços; Ordem de serviços; Técnicas de acompanhamento do processo de negociação (folow up); Elaboração de briefing, contratos, etc. HABILIDADES Elaborar e emitir ordem de serviços conforme negociado; Acompanhar a montagem e desmontagem dos espaços e preparação dos equipamentos e serviços solicitados pelo cliente; Realizar mapa de montagem dos espaços de eventos; Programar e supervisionar a operacionalização da montagem dos espaços; Identificar técnicas de vendas; Acompanhar o processo das negociações para o evento. Elaborar controles dos setores de eventos, utilizando os recursos informatizados; Utilizar softwares específicos; Identificar necessidades informacionais do meio de hospedagem para eventos. Comunicar-se com eficiência Conferir e atualizar o mapa de disponibilidade dos espaços de eventos; Encaminhar solicitações do cliente ao setor competente; Acompanhar o processo das negociações para o evento. Compreender o contexto do setor de eventos de um meio de hospedagem por meio da ambientação profissional de 20h, bem como relatar as experiências vivenciadas. ATITUDES Trabalhar em equipe durante as atividades propostas em grupo. Iniciativa para questionamentos e colocações no período de aula e em visitas técnicas. Cordialidade com os colegas, o professor e outras pessoas. Pró-atividade Responsabilidade: assiduidade, pontualidade no curso e na ambentação, respeito às normas do hotel, cumprimento das tarefas integralmente, zelo pelo patrimônio do hotel, organização; Postura profissional: discrição, respeito a colegas e clientes, zelo pela imagem da empresa. Apresentação pessoal: uso correto do uniforme e asseio pessoal; Criatividade e iniciativa: capacidade de encontrar alternativas inovadoras para solucionar um problema, disponibilidade de solucionar problemas;

23 2 Comunicação interpessoal: capacidade de relacionar-se e entender o outro, trabalho em equipe, linguagem adequada ao contexto profissional. REFERÊNCIAS Referência Básica ALLEN, Johnny; O TOOLE, Wilian; McDONNEL, Ian; HARRIS, Robert. Organização e gestão de eventos. Rio de Janeiro: Campus, 200. BRITTO, Janaina; FONTES, Nena. Estratégias para eventos: São Paulo: Aleph, Referência Complementar MARTIN, Vanessa. Manual prático de eventos. São Paulo: Atlas, 200. ZANELLA, Luiz Carlos. Manual de organização de eventos. São Paulo: Atlas, 200. MARQUES, Albano. Manual de Hotelaria: políticas e procedimentos. 2 ed. São Paulo: Thex, VIERA, Elenara e CANDIDO, Índio. Gestão de Hotéis: técnicas, operações e serviços. Caxias do Sul: Educs, ABEOC - ABRACCEF União Brasileira dos promotores de feiras Revista dos Eventos Revista Feira e Cia Feiras e negócios: o programa oficial das feiras Prêmio Caio Área do MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 5 conhecimento (Sustentabilidade nos Meios de Hospedagem) Carga Horária: 20 (5AC) Competência Aplicar os princípios da responsabilidade socioambiental no setor de Hospedagem. CONHECIMENTOS Conceito de sustentabilidade. Impactos ambientais da atividade turística e de meios de hospedagem. Meios de hospedagem e áreas legalmente protegidas. Turismo de massa e identidade local. Introdução à gestão e certificação ambiental. Fundamentos, medidas e sistemas de gestão ambiental em meios de hospedagem. Eventos sustentáveis. HABILIDADES Promover a sustentabilidade em meios de hospedagem. Identificar áreas legalmente protegidas passíveis de visitação turística. Identificar sistemas de gestão ou certificação ambiental em meios de hospedagem, assim como reconhecer e executar medidas em prol de sua implementação. ATITUDES Agir profissionalmente de forma crítica em prol da sustentabilidade em meios de hospedagem. REFERÊNCIAS

24 24 Referência Básica CASTELLANO, E. G.; FIGUEIREDO, R. A.; CARVALHO, C. L. (Eco)Turismo e educação ambiental diálogo e prática interdisciplinar. São Paulo: Rima, p. RICKLEFS, R. E. A economia da natureza. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. Referência Complementar DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, p. DIAS, R. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, p. GIACOMINI FILHO, G. Meio ambiente e consumismo. Série Meio Ambiente (8), São Paulo: Editora Senac São Paulo, p. KINKER, S. Ecoturismo e conservação da natureza em parques nacionais. Campinas: Papirus, p. Área do Conhecimento Carga Horária: Competência geral MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 6 e 11 (Espanhol) MT6: 40(10AC) MT11: 40(10AC) Comunicar-se de forma clara, articulada e cortês no contexto profissional. CONHECIMENTOS Apresentação pessoal, saudações, despedidas e fórmulas de cortesia; alimentos e bebidas; cardápios de restaurantes locais; pedido de pratos e bebidas; formas de pagamento; utensílios e objetos usados nos serviços de restaurante e bar; horários; solicitações e reclamações habituais; reserva; localização. HABILIDADES - Recepcionar e acomodar o cliente. - Tomar o pedido de pratos e bebidas. - Informar sobre formas de pagamento. - Despedir-se do cliente. - Atender a solicitações e reclamações do cliente. - Efetuar reserva por telefone. - Dar informações sobre localização. ATITUDES Assiduidade às aulas; Pontualidade; Participação; Interatividade; Interesse; Dedicação; Comprometimento com as atividades propostas. REFERÊNCIAS BELTRÁN, B. A. El español por profesiones: Servicios turísticos. ª ed. Madrid: SGEL, MORENO, C.; TUTS, M. El español en el hotel. Madrid: SGEL, 1997.

25 25 MORENO, C.; TUTS, M. Cinco estrellas: español para el turismo. Madrid: Editora SGEL, Área do conhecimento MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 7 (Governança) Carga Horária: 100(25AC) Competências Supervisionar e operacionalizar a higienização e arrumação das unidades habitacionais, das áreas sociais e de serviços em conformidade com princípios de segurança no trabalho. Organizar a rotina operacional das atividades diárias e a alocação de pessoal no setor de governança nos meios de hospedagem; Controlar materiais de suprimentos das unidades habitacionais, de higiene e limpeza e equipamentos do setor de governança. As relações entre os setores de um meio de hospedagem. Uso da tecnologia informatizada no setor de Governança. CONHECIMENTOS Técnicas de limpeza; produtos químicos; fluxo de limpeza, higienização e unidade habitacional e social; Segurança do trabalho Ferramentas de controle: check list de qualidade e de conformidade; Serviços especiais e diferenciados. Situações adversas: óbito do hóspede, suicido, bebedeira, ações inconvenientes, uso de drogas, prostituição, etc. Inventário; Controle de estoque dos produtos próprios a governança; Registro Informatizado ou não Controle de desperdício de produtos de limpeza, amenities, etc. Controle de manutenção, preventivas ou não, dos equipamentos de trabalho Fluxograma de entrada e saída de hóspede; Turismo e sustentabilidade Gestão de resíduos sólidos e efluentes. Práticas de gestão ambiental em Meios de Hospedagem. HABILIDADES Supervisionar a limpeza e a arrumação da unidade habitacional; Controlar e registrar: estoque de enxoval e produtos químicos de limpeza, minibar, objetos esquecidos, solicitações dos hóspedes, limpeza, arrumação, materiais de suprimentos das UHs, equipamentos e discrepâncias; Limpar, higienizar e arrumar a unidade habitacional e as áreas comuns; Elaborar programas de rotinas periódicas; Auxiliar no planejamento e conservação da limpeza e manutenção das áreas sociais e habitacionais; Cumprir as normas e procedimentos de saúde e segurança do trabalho; Realizar o atendimento aos hospedes para serviços especiais e diferenciados Utilizar equipamentos de prevenção individual e coletiva. Elaborar planilhas de controle de materiais; Preencher requisições de solicitação de materiais

26 26 Identificar e solicitar manutenção, preventivas ou não, dos equipamentos de trabalho Programar as atividades do setor de governanças considerando as normas estabelecidas pela empresa e a dinâmica da ocupação do hotel Dimensionar a equipe de trabalho no setor de governança, considerando a dinâmica da ocupação; Preparar planos de trabalho e escala de revezamento de pessoal, determinando o número de trabalhadores necessários para a realização das tarefas. Dimensionamento das equipes. Bloquear Unidades Habitacionais (UH) no sistema; Liberar a UH para hospedagem no sistema; Verificar os relatórios de check in e check out previstos; Verificar listagem de hóspedes por unidade habitacional. Compreender o contexto do setor de governança de um meio de hospedagem por meio da ambientação profissional de 20h, bem como relatar as experiências vivenciadas. ATITUDES Agir de acordo com as normas de saúde e segurança do trabalho Ser proativo e dinâmico; Agir com postura profissional; Envolver-se na solução de problemas; Trabalhar em equipe (interagir com o grupo, contribuir e trocar experiências); Cumprir as tarefas solicitadas, respeitando os prazos; Ser assíduo nas atividades propostas; Ser pontual nas atividades propostas; Demonstrar responsabilidade ambiental; Zelar pelo patrimônio da empresa. REFERÊNCIAS Referência Básica CASTELLI, Geraldo. Administração hoteleira. 9 ed. Caxias do Sul, RS : EDUCS, Controles em hotelaria. 5 ed. Caxias do Sul, RS, VIERA, Elenara e CANDIDO, Índio. Gestão de Hotéis: técnicas, operações e serviços. Caxias do Sul: Educs, 200. Referência Complementar ISMAIL, Ahmed. Hospedagem: Front Office e Governança. São Paulo: Thomson Pioneira, MARTIN, Robert J. Governança: Administração e Operação de Hotéis. ed. São Paulo: Roca, TORRE, Francisco. Administração hoteleira : parte I departamentos. São Paulo : Roca, 20. VIERA, Elenara. Camareira de Hotel. 2 ed. São Paulo: Ulbra, 200. Área do conhecimento MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 8 (Reservas)

27 27 Carga Horária 140(5AC) Competências Executar procedimentos operacionais de reservas utilizando técnicas específicas, considerando as políticas estabelecidas, e controlar a disponibilidade de ocupação das unidades habitacionais do meio de hospedagem. CONHECIMENTOS Conhecimento dos serviços da hotelaria e seus diferenciais; tipologia hoteleira; turismo e estrutura local; Conceitos de hospitalidade; Visão sistêmica do turismo; Demanda e oferta turística, Segmentação turística; Tipos de reservas; procedimentos operacionais considerando os tipos de reserva; Processo de reservas em sistemas informatizados ou não informatizados; Técnicas de vendas; Políticas de comercialização: tarifário, critérios para confirmação e cancelamento, condições de pagamento, comissionamento etc.; Técnicas de redação comercial; Técnica de atendimento, venda e negociação ao cliente; Terminologia técnica aplicada ao turismo e hotelaria; Linguagem verbal e não verbal; Formas de tratamento com os clientes interno e externo; Língua(s) estrangeira(s) para fins específicos. Sistema operacional mais utilizado. HABILIDADES Atender as solicitações de eventos e reserva individual, de grupo, de agências, operadoras e empresas analisando a disponibilidade de ocupação do meio de hospedagem; Finalizar a negociação e confirmar a reserva aplicando critérios de comercialização; Realizar reservas de grupo; Comunicar-se com eficiência Realizar atendimento telefônico em língua estrangeira para efetuar reserva particular. Conferir e atualizar o mapa de disponibilidade; Controlar prazos, limites de confirmação, pagamento e cancelamento; Técnica de vendas aplicadas às reservas Elaborar planilhas dos setores de eventos, utilizando os recursos informatizados; Utilizar softwares específicos. Compreender o contexto do setor de reservas de um meio de hospedagem por meio da ambientação profissional de 20h, bem como relatar as experiências vivenciadas. ATITUDES Comunicação interpessoal: capacidade de relacionar-se; empatia; facilidade de trabalhar em equipe; uso da linguagem adequada ao contexto profissional Responsabilidade e organização: assiduidade e pontualidade nas aulas e nas atividades extras classe, cumprindo com as tarefas solicitadas;

28 28 Postura e apresentação profissional: discrição; respeito com os colegas e servidores; zelo pela imagem da escola e da empresa; asseio pessoal; uso correto do uniforme. Criatividade e iniciativa: capacidade de encontrar alternativas inovadoras na solução de problemas. Referência Básica REFERÊNCIAS ISMAIL, Ahmed. Hospedagem: front Office e Governança. São Paulo: Thomson, 2004 VIERA, Elenara e CANDIDO, Índio. Gestão de Hotéis: técnicas, operações e serviços. Caxias do Sul: Educs, 200 Referência Complementar MARQUES, Albano. Introdução à Hotelaria. Caxias do Sul: Educs, 200. MARQUES, Albano. Manual de Hotelaria: políticas e procedimentos. São Paulo: Thex, WALKER, John. Introdução à Hospitalidade. São Paulo: Manole, 2002 O CONNOR, P. Distribuição da informação eletrônica em turismo e hotelaria. Porto Alegre: Bookman, 20. MATOSO, J.M. Guerreiro. A informática na hotelaria e turismo. Editora Platana, Área do MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 9 conhecimento (Técnicas de Negociação e Vendas) Carga Horária: 60 (15AC) Competências Executar procedimentos operacionais para venda, montagem, estruturação e controle dos espaços de eventos dos meios de hospedagem; Aplicar princípios éticos e críticos em sociedade e, especificamente, diante das relações do mundo do trabalho. CONHECIMENTOS O que é marketing, para que serve o marketing e como encontramos no nosso dia-aadia; Conceitos fundamentais no marketing; Negociação como instrumento para o desenvolvimento de alianças estratégicas; Principais tipos e modelos de negociação e técnicas de vendas; Planejamento e organização; Estratégias e táticas de negociação e vendas; Maximização de resultados / relacionamento com as partes; O uso da informação, do tempo e do poder; Conhecer o perfil do negociador; Saber o que quer o cliente irritado; Aspectos fundamentais da negociação; Estratégias para identificar e realizar a segmentação de clientes e vendedores; Avaliação dos resultados de vendas. Princípios da relações humanas:

29 29 Motivação, Trabalho em equipe, Administração de conflitos, Conduta pessoal, Convivência harmoniosa; A arte de servir. HABILIDADES Identificar a orientação para o mercado (produção, produto, vendas, marketing e marketing societal); Identificar como melhor atender as necessidades dos clientes; Identificar o perfil do hóspede. Identificar a forma mais adequada de atendimento e negociação para o perfil do hóspede, cliente. Identificar o canal de comunicação do hóspede/cliente (auditivo, visual ou sinestésico). Identificar técnicas de venda para geração de receita; Desenvolver o perfil para a negociação; Atender corretamente o cliente irritado; Identificar agregação de valor nos produtos e serviços de hospedagem; Exercitar técnicas de negociação para agregar valor às transações comerciais em meios de hospedagem. Articular as relações com as pessoas. Trabalhar em equipe, Lidar com conflitos, Supervisionar equipe; Lidar com situação de stress e de reclamações dos clientes nos setores de recepção e governança. ATITUDES Responsabilidade, Organização, Postura profissional, Respeito, Cordialidade, Cooperação, Iniciativa. Empatia. REFERÊNCIAS Referência Básica CHURCHILL Jr., Gilbert A. Marketing: Criando valor para o cliente. São Paulo: Saraiva, DIAS, S. Roberto (Coord.). Gestão de marketing. São Paulo: Saraiva, 200. Referência Complementar KOTLER, P. Administração de marketing. 12 ed., São Paulo: Pearson Education, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Qualidade Total em Serviços:Conceitos Exercícios e Casos Práticos. 6. ed. São Paulo: Atlas, TEIXEIRA, Élson. Gestão de Vendas. Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

30 0 ANTUNES, Celso. Relações interpessoais e auto-estima. Fascículo 16. Petrópolis: Vozes, MINICUCCI, Agostinho. Relações humanas: psicologia das relações interpessoais. São Paulo: Atlas, 20. MOSCOVICI, F. Equipes dão certo. Rio de Janeiro: José Olímpio, Área do MUNDO DO TRABALHO E SUAS TECNOLOGIAS 10 conhecimento (Relações Interpessoais) Carga Horária: 40(10AC) Competências Aplicar princípios éticos e críticos em sociedade e, especificamente, diante das relações do mundo do trabalho CONHECIMENTOS Princípios da relações humanas: Motivação, Trabalho em equipe, Administração de conflitos, Conduta pessoal, Convivência harmoniosa; A arte de servir. HABILIDADES Articular as relações com as pessoas. trabalhar em equipe; Lidar com conflitos; supervisionar equipe; lidar com situação de stress e de reclamações dos clientes nos setores de recepção, governança, reservas e eventos. ATITUDES Responsabilidade, Organização, Postura profissional, Respeito, Cordialidade, Cooperação, Iniciativa, Empatia. REFERÊNCIAS Referência Básica ANTUNES, Celso. Relações interpessoais e auto-estima. Fascículo 16. Petrópolis: Vozes, CRIVELARO, R.; TAKAMORI, J. T. Dinâmica das relações interpessoais. São Paulo: Alinea, Referência Complementar DEL PRETTE, A.; DEL PRETTE, Z. A. P. Psicologia das relações interpessoais e habilidades sociais: vivências para o trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes, 2008.

31 1 MINICUCCI, Agostinho. Relações humanas: psicologia das relações interpessoais. São Paulo: Atlas, 20. MOSCOVICI, F. Equipes dão certo. Rio de Janeiro: José Olímpio, ZIMERMAN, David E. Como trabalhamos com grupos. Porto Alegre: Artmed, QUINTANEIRO, et. al. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim, Weber. 2 ed. rev. ampl. Belo Horizonte: UFMG, 2002, 159p. Área do Conhecimento Carga Horária: Competência geral CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS 460 horas Compreender a ciência como construção humana, histórica, associada a aspectos de ordem social, econômica, política, cultural e ao mundo do trabalho. CONHECIMENTOS Biologia Etapa 1 (40h): A base molecular da vida: água, sais minerais, carboidratos, lipídios, proteínas e vitaminas. Citologia: seres unicelulares, pluricelulares, células procarióticas e eucarióticas, organelas celulares, metabolismo celular. Histologia e fisiologia humana. Os Reinos dos Seres Vivos. Micróbios & doenças. Micróbios & fermentação. Responsabilidade socioambiental na área de Hospitalidade. Biologia Etapa 2 (40h): Genética: alimentos transgênicos. Evolução: teorias evolutivas. Ecologia: níveis de organização, ecossistemas, cadeia e teia alimentar, interações ecológicas, biomas brasileiros. Desequilíbrio ambiental: desmatamento, poluição, efeito estufa, aquecimento global, alternativas energéticas. Responsabilidade socioambiental na área de Hospitalidade. Quimica Etapas 1 (40h) e 2 (40h): 1. Matéria e energia 2. Estudo do átomo. Tabela periódica 4. Ligações químicas (iônica, molecular e metálica) 5. Reações químicas 6. Funções químicas inorgânicas (ácidos, bases, sais e óxidos) 7. Relações de quantidade em química 8. Soluções 9.Termoquímica 10.Cinética química 11.Introdução á química orgânica 12.Hidrocarbonetos 1.Funções orgânicas oxigenadas, nitrogenadas e halogenadas Física Etapas 1 (40h) e 2 (40h): - Introdução ao estudo da Física: Breve histórico da Física, Fenômenos físicos, A Física e o meio-ambiente. - Mecânica - Calor e Termodinâmica:

32 2 - Óptica Geométrica - Óptica Física - Eletrostática - Eletrodinâmica - Magnetismo e Eletromagnetismo - Física Moderna Matemática Etapas 1 (40h) e 2 (40h): - Formando conceitos matemáticos: Conjuntos numéricos, Funções, Progressões aritméticas e geométricas, Matemática Financeira. - Álgebra Linear e Geometria Espacial: Matrizes, Sistemas lineares, Geometria Espacial, Funções circulares - Geometria e análises: Trigonometria, Geometria Analítica, Análise Combinatória, Polinômios, Estatística. HABILIDADES Biologia: - Reconhecer o ser humano como agente de transformações no seu ambiente; - Identificar ações que visam à preservação e à promoção da saúde individual, coletiva e do ambiente; - identificar as relações entre o conhecimento científico e o desenvolvimento tecnológico, considerando a preservação da vida e as concepções de desenvolvimento sustentável. - Refletir e se posicionar criticamente sobre a questão ambiental na atualidade. - Identificar impactos ambientais relacionados aos empreendimentos, atividades e serviços de hospedagem. - Aplicar práticas e medidas que melhorem o ambiente de trabalho e minimizem os impactos da atividade sobre o meio ambiente em geral. Física: Proporcionar ao aluno as informações que possam possibilitar a observação e a interpretação de fenômenos naturais e não naturais quanto às transformações que ocorrem sem a alteração da natureza da matéria e as trocas de energia que acompanham estas transformações. Química: - Interpretar fatos e informações do cotidiano, visando à resolução de problemas em situações de aprendizagem; - Analisar elementos, relações ou princípios, aplicados a contextos atuais da ciência e da tecnologia. Matemática: Proporcionar ao educando condições de desenvolver o raciocínio lógico, a resolução de problemas, a identificação e classificação de elementos matemáticos, dando ênfase às suas diversas aplicações práticas.

33 ATITUDES Assiduidade às aulas; Pontualidade; Participação; Interatividade; Interesse; Dedicação; Comprometimento com as atividades propostas. REFERÊNCIAS Biologia: AMABIS, José Mariano & MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia dos Organismos. Volume 2. 2ª. edição. São Paulo: Moderna, AMABIS, José Mariano & MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia das Populações. Volume. 2ª. edição. São Paulo: Moderna, LOPES, Sônia & ROSSO, Sergio. Biologia. Volume Único. São Paulo: Saraiva, NIGRO, Luis Henrique Fonseca; CYTRYNSKI, Arilete Regina & ORLOWSKI, Maria Helena. Biologia. Coleção Movimento. EJA. Curitiba: Contextual, CASTELLANO, E. G.; FIGUEIREDO, R. A.; CARVALHO, C. L. (Eco)Turismo e educação ambiental diálogo e prática interdisciplinar. São Paulo: Rima, p. Matemática: BIEMBENGUT, M.; HEIN, N. Modelagem de matemática no ensino. São Paulo: Contexto, BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: Ministério da Educação, Parâmetros Curriculares Nacionais: MATEMÁTICA. Ministério da Educação e do Desporto. Brasília: D`AMBRÓSIO,Ubiratam, Da realidade à ação: reflexões sobre educação matemática. São Paulo: Sumus, 1986 Física: ALVARENGA, Beatriz, MÁXIMO, Antônio. Curso de Física, volumes. São Paulo: Saraiva, FILHO, Aurélio Gonçalves; TOSCANO Carlos. Física Ensino Médio. Volume único. São Paulo: Scipione, GASPAR, Alberto. Física: Série Brasil, Volume único. São Paulo: Ática, Química: SANTOS, Wildson Luiz Pereira dos e Outros. Química & sociedade. Vol. Único, 1ª edição. Editora Nova Geração. São Paulo CANTO, Eduardo Leite e PERUZZO, Francisco Miragaia. Química na abordagem do cotidiano. Vol. 1. 2ª edição. Editora Moderna. São Paulo FELTRE, Ricardo. Química geral. Vol. 1. ª edição. Editora Moderna. São Paulo FERRÉ, Juan. Química para o 2º grau. Vol. Único. 2ª edição. Editora Scipione. São Paulo

34 4 Área do CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Conhecimento Carga Horária: 40 Horas Competência geral CONHECIMENTOS Sociologia (40h) - Surgimento da sociologia como ciência questionadora das relações sociais do ser humano; - Homem: um ser social; Contatos sociais; Sociabilidade e sociabilização; Interação social, processos sociais e agrupamentos; - Estratificação e mobilização; - Instituições sociais: família, Igreja, Estados; Cultura e sociedade: contexto econômico, político, social, cultural e turístico; Tecnologias; Profissionalização; - Fundamentos econômicos da sociedade, processos de meios de produção. - História social do trabalho. - A economia do turismo no Brasil. - Perfil do mercado de trabalho em atividades do turismo em Florianópolis. Filosofia (40h) - O que é mito?; Funções do mito; Mitologia grega; O que é Filosofia; Mitos contemporâneos. - Ética e moral; Liberdade e determinismo; Sociabilidade e Reconhecimento. - Autoridade e autoritarismo; Responsabilidade e Liberdade; Questões de gêneros; Diversidade e sociedade. - Política e gênero; Política e violência; Liberdade e Política; Formas de governo. - A função do político na contemporaneidade; Senso comum e ciência; Ética e ciências; Bioética. - Perfil do mercado de trabalho em atividades do turismo em Florianópolis. Geografia Etapa 1(40h) Espaço geográfico e suas representações; Conceitos básicos de Geografia; A importância do espaço geográfico para o desenvolvimento do turismo; orientações/cartografia (voltada para o turismo); A importância da localização geográfica para os roteiros turísticos, aspectos físicos (climas, vegetação, estruturas geográficas, relevo, hidrografia); Meio ambiente e sociedade; A relação sustentável no turismo; Aspectos humanos (geografia da população, geografia agrária, geografia urbana, geografia da industria); A influência sociocultural do turismo no espaço geográfico, Aspectos econômicos (setores da atividades econômica, divisão internacional do trabalho, divisão internacional do trabalho, produção e consumo, industrialização, blocos econômicos); A influência do turismo no desenvolvimento econômico das regiões. Responsabilidade socioambiental na área de Hospitalidade. Geografia Etapa 2 (40h) Localização geográfica do Brasil/fusos horários; A localização dos pontos turísticos relevantes; Regionalização (macro região e complexos regionais); Aspectos físicos do Brasil (clima, vegetação biomas, estrutura geográfica, relevo, hidrografia, questões ambientais);os diferentes ecossistemas como atrativos turísticos; Aspectos humanos do Brasil (geografia da população, geografia agrária, geografia urbana, geografia da industria); A diversidade cultural do Brasil como atrativo turístico; Povoamento versus fluxo

35 5 turísticos; Aspecto econômicos (subdesenvolvimento, distribuição de renda, desigualdades regionais, setores primários, secundários, terciários turismo); A relevância do turismo no desenvolvimento socioeconômico nacional. Responsabilidade socioambiental na área de Hospitalidade. História Etapas 1 (40h) e 2 (40h) - Introdução ao estudo da História - Civilizações Antigas - Grécia e Roma: O trabalho e livre no mundo Greco-romano: Relações econômicas no mundo Greco-romano; Agricultura intensiva e comércio marítimo ateniense; O estado e as relações de poder no mundo Greco-romano. - O mundo Medieval: As relações de trabalho na sociedade feudal; A auto-suficiência dos feudos e a organização do trabalho; Nascimento do capitalismo; Relações de poder na Europa Feudal. - O início dos tempos Modernos: A expansão Européia e a conquista da América A organização social indígena na América Portuguesa; O tráfico ultramarino de africanos escravizados; Trabalho escravo na América Portuguesa. - A Revolução Industrial: Transição do sistema de manufatura para o industrial; Controle da produção e racionalização do tempo de trabalho; A indústria moderna e o trabalho fabril; A transição entre o sistema de manufatura para o sistema industrial. - A Revolução Francesa: Ascensão da burguesia e o fim do Estado Absolutista; Burguesia: tentativa de recompor o poder após a Revolução Francesa. - Revoltas coloniais e movimentos emancipatórios: Independência do Brasil; O Estado nacional e suas relações de poder; Estado e o modo de vida (urbanidade); Constituição da ordem pública e os instrumentos de controle e repressão. - Imperialismo. - Primeira Guerra Mundial - Os fascismos - Segunda Guerra mundial - Guerra fria: Antagonismo entre o capitalismo e o socialismo e a crise das ideologias. - Conflitos do mundo contemporâneo. HABILIDADES Sociologia: - Capacitar o aluno e proporcionar ao mesmo conhecimentos para o exercício pleno da cidadania mostrando-lhe que é capaz de transformar a sua vida e a vida em sociedade, em busca de um mundo onde prevaleça a cooperação, solidariedade e a igualdade social; - Interpretar a categoria trabalho considerando as variáveis: históricas, políticas, sociais e econômicas. - Levantar, interpretar e discutir o mercado de trabalho no contexto do turismo. Filosofia: - Desenvolver no aluno o espírito reflexivo, analítico e crítico, mediante a socialização, análise e discussão dos conceitos do senso comum e das ciências, capacitando-o para se entender como produto e produtor das concepções de Homem e de Mundo que vão gerar/mover/mudar o contexto social. Geografia:

36 6 - Estudar o espaço geográfico, compreendo-o como o resultado das relações sociedadenatureza e dos homens entre si, e, acima de tudo, apresenta o objetivo de promover o reconhecimento de que o estudante também é responsável pela construção do meio onde vive. - Refletir e se posicionar criticamente sobre a questão ambiental na atualidade. - Identificar impactos ambientais relacionados aos empreendimentos, atividades e serviços de hospedagem. - Aplicar práticas e medidas que melhorem o ambiente de trabalho e minimizem os impactos da atividade sobre o meio ambiente em geral. História: - Identificar os esforços das sociedades humanas com relação aos desafios e crises; - Analisar as soluções dadas por elas, aprender lições, observar possibilidades, apanhar idéias e sugestões; - Compreender melhor as situações e problemas do mundo atual, criando condições para formação de sujeitos providos de espírito crítico e reflexivo, capazes de atuar com agentes modificadores do processo. ATITUDES Cooperação; Interesse; Pontualidade; Responsabilidade com as atividades propostas Frequência e participação; Respeito. REFERÊNCIAS História: DIVALTE, Garcia Figueiredo. História: Novo Ensino Médio. São Paulo: Ática, FERREIRA, João Paulo Hidalgo. FERNANDES, Luiz Estevam de Oliveira. Nova História Integrada: ensino Médio : volume único. Campinas-SP: Companhia da Escola, 2005 BRODBECK, Marta de Souza Lima. Coleção Movimento História. Ed. Contextual Ltda. Curitiba, Sociologia: MEKSENAS, Paulo. Aprendendo Sociologia.São Paulo: Editora Loyola, PÉRSIO, Arida. Introdução à Sociologia. São Paulo: Editora Ática, COSTA, Cristina.Sociologia. São Paulo: Editora Moderna, 20. Módulos de Sociologia para o Ensino Médio CEJA Vol.1,2,,4,5. QUINTANEIRO, et. al. Um toque de clássicos: Marx, Durkheim, Weber. 2 ed. rev. ampl. Belo Horizonte: UFMG, 2002, 159p. Filosofia: ANDERY, M., MICHELETTO, N., SÉRIO, T. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 5. ed. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, ARANHA, M., MARTINS, M. Filosofando: introdução à Filosofia. São Paulo: Moderna, 1994.

37 7. Temas de filosofia. São Paulo: Moderna, ANTUNES, R. Adeus ao trabalho.. ed. Campinas: Cortez/UNICAMP,1995. Geografia: ANDRADE, M. Tecnologia e ideologia: rumos para o século XXI. In: MENEZES, Ana Virgínia Costa de; PINTO, Josefa Eliane Santana de Siqueira. Geografia 20. Aracaju, NPGEO/UFS, BALBIM, R. Região, território, espaço: funcionalizações e interfaces. In: SANTOS, Milton. Obra Revisitada. Ensaios de Geografia contemporânea. Org. Ana Fani Alessandri Carlos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Hucitec: Imprensa Oficial do Estado, CASTROGIOVANNI, A. (org). Ensino de Geografia: práticas e textualizações do cotidiano. Porto Alegre: Mediação, CASTELLANO, E. G.; FIGUEIREDO, R. A.; CARVALHO, C. L. (Eco)Turismo e educação ambiental diálogo e prática interdisciplinar. São Paulo: Rima, p. Unidade Curricular LINGUAGEM, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Carga Horária: 400 Horas Competência geral CONHECIMENTOS Português Etapa 1 (40h) 1. Teoria da enunciação: 1.1. Conceitos da língua, código, linguagem, comunicação e interação As variedades lingüísticas na construção do texto. 1.. Elementos da comunicação Funções da linguagem. 2. Introdução à literatura: 2.1. A plurissignificação da linguagem literária: conotação e denotação Figuras de linguagem. 2.. Texto literário e não literário.. Gêneros textuais:.1. Características de texto em versos..2. Relato... Texto argumentativo oral e escrito. 4. Teoria do discurso: 4.1. Textualidade, coerência e coesão. 5. Introdução à semântica: 5.1. A ambigüidade. 6. Língua coloquial e língua culta. 7. Linguagem e Comunicação. 8. Linguagem verbal e corporal. 9. Comunicação no contexto profissional: currículo, carta de apresentação e entrevista de emprego. 10. Gêneros textuais da área de hospedagem Português Etapa 2 (40h) 1. Revisão gramatical: 1.1. Adequação à nova ortografia Pontuação.

38 8 1.. Termos da oração Orações coordenadas e subordinadas Concordância Verbal e nominal Regência verbal e nominal 2 Formalidade e informalidade na língua escrita. Gêneros textuais da área da hotelaria: leitura, compreensão e produção. 4 Fundamentos de uma boa produção textual: impessoalidade, formalidade, padronização, adequação, concisão, clareza, correção. 5 Aspectos do português culto. Inglês Etapas 1(40h) e II(40h) - Conteúdos gramaticais - Conteúdos fonológicos - CONTEÚDOS LEXICAIS - Conteúdos culturais - Informações pessoais e atividades diárias; - Saudações formais e informais; - Termos técnicos utilizados na hotelaria; - Situações recorrentes em recepção, governança e reservas de hotel; - Localização do entorno e dos espaços e oferta de serviços hoteleiros Educação Física (40h) - Atividade física na promoção da qualidade de vida: Postura, Nutrição, Pirâmide alimentar, Primeiros socorros. - Fundamentos básicos e noções gerais de basquete, handebol e hand beach, vôlei e vôlei de praia e futsal Artes (40h) ARTES VISUAIS - Elementos visuais - História da arte - Produção artística MÚSICA - Elementos da linguagem musical e leitura - História da música - Produção musical ARTES CÊNICAS - Elementos da linguagem cênica - História do teatro e seus profissionais PRODUÇÃO TEATRAL Espanhol Etapas 1 (40h) e II(60h) - Conteúdos gramaticais - Conteúdos fonológicos - CONTEÚDOS LEXICAIS - Conteúdos culturais HABILIDADES

39 9 Português: Desenvolver competência lingüística e gramatical na produção de textos orais e escritos, realizando assim os procedimentos operacionais de atendimento ao hóspede nacional ou estrangeiro na chegada, permanência e saída do meio de hospedagem - Desenvolver uma expressão fluente em situações formais, adequando a linguagem ao interlocutor e às circunstâncias, expondo as idéias e relatando informações com clareza, coerência e nível argumentativo.. - Expor idéias, relatar informações,, debater e defender pontos de vista como: clareza, boa dicção, colocar os fatos em seqüência lógica, adequação do conteúdo. - Reconhecer e usar a norma culta da língua portuguesa no contexto da hospedagem. - Comunicar-se com os colegas de trabalho e atender ao cliente através de uma comunicação articulada, objetiva, clara e polida. - Usar a linguagem verbal e corporal a favor de uma comunicação eficiente. - Ler, interpretar e produzir gêneros textuais da área de hospitalidade. Inglês: - Obter informações dos hóspedes para realizar o atendimento; - Apresentar ao hóspede os serviços disponibilizados pelo hotel; - Informar sobre a localização, valores e serviços disponibilizados no entorno. Atender solicitações dos hóspedes. Educação Física: Despertar a consciência do aluno através do corpo em movimento para a valorização da atividade física, como forma de saúde física, mental e social, oportunizando o conhecimento e a construção do pensamento crítico voltado para a transformação social. Artes: - Sensibilizar o educando e ampliar suas possibilidades de comunicação, compreensão e percepção de ser humano (seu tempo, sua história e cultura) e de mundo (vivências estéticas, artísticas e culturais). Línguas Estrangeiras (Espanhol e Inglês): Estabelecer relações com as demais disciplinas curriculares; - Desenvolver nos educandos as habilidades para as compreensões auditivas e leitoras e para as produções orais e escritas, com objetivos voltados para a real comunicação. - Estimular nos participantes, potencialidades voltadas às novas necessidades do mundo do trabalho, para o encontro e reconhecimento com outros povos, línguas e culturas; - Favorecer a observação de semelhanças e diferenças entre o outro e a própria cultura, e assim enriquecer a formação geral do alunado na promoção da cidadania. ATITUDES Assiduidade às aulas; Pontualidade; Comprometimento com as atividades propostas. Ser atencioso, agir de forma polida, respeitosa, sendo receptivo, com postura adequada a sua função ao comunicar- se. REFERÊNCIAS

40 40 Português: CAMPEDELLI, Samira Yousseff; SOUZA, Jésus Barbosa. Literaturas Brasileira e Portuguesa: teoria e texto. São Paulo: Saraiva, CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: linguagens. São Paulo: Atual, 200. TERRA, Ernani e NICOLA, José de. Gramática e literatura para o 2º grau. São Paulo: Scipione, WEIL, Pierre; TOMPAKOW, Roland. O corpo fala: a linguagem silenciosa da comunicação não-verbal. 19. ed. Petrópolis: Vozes, Educação Física: Parâmetros Curriculares Nacionais Proposta Curricular de Santa Catarina Regras Oficiais das diversas modalidades Matsudo & Matsudo (2000) Guedes & Guedes (1995) Caspersen (1985) BouCHARD (1990) ijovem.com.br/exercicios-fisicos-para-jovens boasaude.uol.com.br luanalu.wordpress.com/educacao-fisica-para-jovens-e-adultos Artes: ARTENAESCOLA. Disponível BARBOSA, A. Recorte e colagem: influências de John Dewey no ensino de arte no Brasil. São Paulo: Cortez, BARBOSA, A. (org). Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 200. BOURO, A. O olhar em construção: uma perfectiva de ensino e aprendizagem da arte na escola. São Paulo: Cortez BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Artes. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília: 20. Inglês: CATUREGLI, Maria Genny. Dicionário inglês-português: turismo, hotelaria e com.exterior. São Paulo: Aleph, OLIVEIRA, Luciano Amaral. Inglês para estudantes de turismo: english for tourism students. São Paulo: Roca, 20. Dicionários: Inglês-Português/Português-Inglês (Amadeu Marques). A proposta curricular apresentada nos planos de ensino da Formação Básica segue os Parâmetros Curriculares Estaduais para o Ensino Médio, bem como a Carga Horária prevista no documento base do PROEJA, de 1200 horas. Vários conceitos serão trabalhados tanto nas áreas da formação Básica quanto na área Mundo do Trabalho e suas tecnologias, uma vez que

41 41 a integração curricular é a base para a formação básica e a aplicação destes fundamentos do Mundo do trabalho. Desta forma, os conhecimentos de cada área não ficam restritos à Carga Horária destinada às Unidades Curriculares, sejam elas de formação geral ou específica. Os planos de ensino de cada semestre serão elaborados coletivamente entre professores da formação técnica e da formação geral, tendo em vista o perfil dos egressos do curso e espeficcamente as necessidades dos educandos. 8 METODOLOGIA A prática pedagógica do Curso Técnico em Hospedagem PROEJA orienta-se pelo Projeto Pedagógico Institucional (PPI) do IF-SC, pela Organização Didática (OD) do Campus Florianópolis-Continente e pelo Projeto Político Pedagógico da NAES-Itapema. O Campus Florianópolis-Continente do IFSC tem desenvolvido uma política de formação permanente para os seus educadores visando a qualificação, a integração e o envolvimento desses com o Projeto Pedagógico da Instituição. No caso deste projeto, o processo de formação vem envolvendo também os professores de educação básica (EJA) da instituição parceira, de modo a construir e desenvolver de forma integrada as diferentes etapas. A elaboração do currículo do curso prioriza ações pedagógicas que possibilitem ao aluno a construção de seu conhecimento. Nessa construção de novos saberes, a escola constitui-se em um espaço onde professores e alunos são sujeitos de uma relação crítica e criadora. Assim, a intervenção pedagógica favorece a aprendizagem a partir da diversidade, não a partir das características e dificuldades do aluno. As estratégias de ensino adotadas incluem atividades em sala de aula com aulas expositivo-dialogadas, estudos dirigidos, apresentações, seminários e desenvolvimento de projetos. Além disso, tem como previsão a realização de diversas aulas práticas envolvendo atividades laboratoriais desenvolvidas nos Laboratórios do IFSC Florianópolis Continente, visitas técnicas/culturais pedagógicas. Em cada semestre do curso os alunos contarão com professores mediadores: dois representantes (Educação Básica e Educação Profissional), que deverão participar uma vez por semana das reuniões de planejamento, bem como incentivar e possibilitar aos demais a prática da integração curricular.

42 42 Todos os professores terão destinadas duas horas semanais para as reuniões e planejamento - encontro dos grupos em seus locais de trabalho (Educação Básica e Educação Profissional) e quatro horas mensais para encontro de todos os professores do curso. Aos professores mediadores serão acrescidas, à sua carga horária, duas horas semanais para articulação institucional e preparação das atividades da Oficina de Integração. Quanto ao número de educandos por turma, considera-se o máximo de 0 e o mínimo de 20, sendo que conforme a necessidade em aulas práticas da educação profissional, serão destinados 2 professores, por turma. Como forma de atender a permanência e êxito dos educandos do Curso Técnico em Hospedagem - PROEJA haverá incentivo por meio de bolsas de estudo; de auxílio transporte; de contrato pedagógico individual; da figura do professor mediador; do fornecimento gratuito de uniformes; de apoio nas atividades de ambientação profissional e trabalho e pelo acompanhamento individual dos educandos. O horário do curso prevê três horas-aula presenciais por dia, sendo estas assumidas por uma mesma área, com o intuito de maximizar a aprendizagem pelo aluno. Já a extensão tem a participação fundamental de viabilizar a oferta de maneira a incluir no processo de formação técnica os alunos da EJA e do CERTIFIC. As atividades de extensão também serão incentivadas nas Oficinas de Integração e nas Unidades Curriculares práticas, conforme planejamento dos professores. 9 AVALIAÇÃO Segundo a Organização Didática do IFSC, a avaliação é caracterizada como diagnóstica, processual, formativa, somativa, continuada e diversificada. Dessa forma, são considerados critérios como: assiduidade, realização das tarefas, participação nas aulas, avaliação escrita individual, trabalhos em equipes, colaboração e cooperação com colegas e professores. O documento Base do PROEJA (2007, 54-55), apud CEFET-RN (2005), define cada característica da avaliação como sendo: - Diagnóstica: por caracterizar o desenvolvimento do aluno no processo de ensino-aprendizagem, visualizando avanços e dificuldades e realizando ajustes e tomando decisões necessárias às estratégias de ensino e ao desempenho dos sujeitos do processo; - Processual: quando reconhece que a aprendizagem acontece em diferentes tempos, por processos singulares e particulares de cada sujeito, tem ritmos próprios e lógicas diversas, em função de experiências anteriores mediadas

43 4 por necessidades múltiplas e por vivências individuais que integram e compõem o repertório a partir do qual realiza novos aprendizados, e ressignifica os antigos; - Formativa: na medida em que o sujeito tem consciência da atividade que desenvolve, dos objetivos da aprendizagem, podendo participar na regulação da atividade de forma consciente, segundo estratégias metacognitivas que precisam ser compreendidas pelos professores. Pode expressar seus erros, como hipóteses de aprendizagem, limitações, expressar o que sabe, o que não sabe e o que precisa saber; - Somativa: expressa o resultado referente ao desempenho do aluno no bimestre/semestre através de menções, relatórios ou notas. Em conformidade com o documento base do PROEJA está a resolução 158 do Conselho Estadual de Educação de SC. Por ser considerada sistemática, a avaliação ocorre durante todos os momentos do processo ensino e aprendizagem, valorizando o crescimento do aluno qualitativa e quantitativamente, com atividades de recuperação paralela de conteúdos e avaliações. A recuperação de estudos deve compreender a realização de novas atividades pedagógicas no decorrer do período letivo, que possam promover a aprendizagem. Os registros das avaliações serão feitos de acordo com a nomenclatura que segue: E Excelente: apropriação plena dos conhecimentos trabalhados, com autonomia e criticidade, e superação dos objetivos propostos. P Proficiente: apropriação dos conhecimentos trabalhados, com superação dos objetivos propostos; S Suficiente: apropriação dos conhecimentos trabalhados, sem ir além dos objetivos propostos. I Insuficiente: não se apropria dos conhecimentos trabalhados. O registro, para fins de documentos acadêmicos, será efetivado ao final do semestre, apontando a situação do aluno no que se refere aos objetivos propostos para o curso e utilizando-se a seguinte nomenclatura: A (Apto): quando o aluno tiver atingido os objetivos propostos; NA (Não Apto): quando o aluno não tiver atingido os objetivos propostos. Será aprovado no módulo o aluno que tiver atingido ods objetivos propostos pelas formações geral e técnica, e obtiver freqüência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) do total de horas letivas previstas no módulo e em cada unidade curricular. Serão realizadas avaliações coletivas que terão o caráter de avaliação integral do processo didático-pedagógico em desenvolvimento na Unidade Curricular. As avaliações coletivas ocorrerão em Encontros de Avaliação (Conselhos de Classe) envolvendo os

44 44 professores, coordenadores e os profissionais do Núcleo Pedagógico. A Validação de saberes da Educação Básica acontecerá desde que os conhecimentos estejam diretamente relacionados ao eixo do curso. De forma geral a validação de saberes da EB e EP somente será possível se não comprometer o princípio de integração curricular proposto. Será feito um acompanhamento tanto de freqüência quanto de aproveitamento dos alunos e oferecido atendimento paralelo sempre que necessário, de maneira e evitar reprovações. Ainda assim, o aluno avaliado como insuficiente, seja por critério de freqüência ou de aproveitamento deverá realizar sua pendência e/ou recuperação no decorrer do semestre letivo ou no semestre subsequente, nos horários destinados ao atendimento pelos discentes (uma hora semanal por Unidade Curricular), já que a periodicidade da oferta impede que estes procedimentos sejam postergados.

45 ESTRUTURA 10.1 Instalações físicas, docentes, administrativo e acervo bibliográfico do IFSC Salas de Aulas e Laboratórios Ambiente Metragem Equipamentos Sala de Aula 51,75 m 2 Projetor multimídia, microcomputador com acesso à internet, caixas de som, quadro branco, mobiliário escolar Laboratório de informática 79 m 2 Microcomputadores com acesso à internet Biblioteca 79m 2 Acervo bibliográfico específico Ônibus equipado com instrumentos audiovisuais para locomoção nas visitas técnicas e viagens curriculares; Ambientes Administrativos AMBIENTE METRAGEM Secretaria / Departamento de Desenvolvimento de Ensino 51,75 m 2 Sala da Direção / 51,75 m 2 Sala dos Docentes 51,75 m Espaços Complementares Identificação do Espaço: Anfiteatro Multimeios Área construída: 17,97m² Item Descrição Qtde. DVD Player para reprodução de DVD-VIDEO/vcd/svcd/cd-r/cdrw/cd-AÚDIO/cd PICTURE/mp-cd com saídas de vídeo CVBS, componente e S-Vídeo, foto CD, função resume para discos, função 1 multiangulo, funções câmara lenta e pausa, seleção de áudio e legendas, controle parental. Menu de suporte de disco, controle remoto, bivolt, manual em língua portuguesa e garantia de um ano. Projetor multimídia com 2000ANSI lumens e uma relação de 2 contraste 400:1, tensão 220V, controle remoto Tela de projeção elétrica tensionada, motorizada com sistema de acionamento manual por controle remoto. Película tensionada no sentido vertical horizontal, área de projeção 1,702x1,28m. 4 Televisão colorida, com 29 polegadas, sistema de cor PALM-M, PAL-N e NSSC, recepção de TV a cabo, tecla SAP, som estéreo, controle remoto, entrada de áudio e vídeo, tensão automática, manual

46 em língua portuguesa, prazo de garantia de um ano. Aparelho de som Mini system, com rádio gravador, CD player, toca fitas, com controle remoto, compatível CD-R/RW sintonizador AM/FM estéreo, memória program [avel, controle de gravação automático. Controle de volume Bass Booste (melhora de sons graves e baixos). Potencia 00W P.P.O. 220V Alimentação 8 pilhas D Filmadora digital com as seguintes características: CCD com 680 pixels, LCD de 2.5 Touch Screen, Lentes Carl Zeiss Vario Tessar, Zoom ótico de 20 x e digital de 800x, Menu simplificado (easy handycam), Indicador de percentual de bateria, Inserção de títulos, estabilizador de imagens, índice de cenas com movimentos. Com os acessórios: bateria, AC LS 5, cabo AV, Pano de Limpeza, Mídia Docentes Nome Ana Kaciara Wildner Formação / Área de Atuação Professora de Comunicação Titulação Licenciada em Letras Português e Espanhol Especialista em Língua Espanhola Angela Faria Brognoli Professora de Inglês Aplicado Licenciada em Letras Português/inglês Mestre em Letras Cassiano Borges da Fonseca Professor de Serviços de Sala e Bar Tecnólogo em Hotelaria Angela Faria Brognoli Carlos Alberto da Silva Mello Professor de Turismo Deosir Flávio Lobo de Castro JúniorBacharel em Turismo Mestre em Engenharia de Produção Professor de Ciências Sociais Aplicadas Bacharel em Administração Mestre em Gestão Estratégica Empresarial Fabiana Calçada de Lamare Leite Fabiola Martins dos Santos Professor Guia de Turismo Professora de Turismo e Hotelaria Guia de Turismo Licenciada em Geografia MBA em Turismo Mestrado em Turismo e Hotelaria Mestre em Turismo e Hotelaria Especialista em Marketing para Gestão Empresarial Especialista em Planejamento e

47 47 Fernando Goulart Rocha Flavia Baratieri Losso Gládis Teresinha Slonski Professor Ciências Humanas Professora de Turismo e Hotelaria Professora de Educação Ambiental Gestão Hoteleira Bacharel em Turismo e Hotelaria Bacharel e Licenciado em Geografia Mestre em Geografia Doutor em Geografia Bacharel em Turismo e Hotelaria Especialista em Gestão e Planejamento Turístico e Hoteleiro Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas Mestre em Biologia Vegetal Jane Petry Larissa Regis Fernandes Liz Cristina Camargo Ribas Leandra Cristina de Oliveira Marcela Krüger Corrêa Telma Pires Pacheco Amorim Administrativo Professora de eventos Professor de Turismo Professor Guia de Turismo Professora de Educação Ambiental Professora Linguagem e Comunicação Professora Espanhol Professora de Relações interpessoais Professora de Inglês Aplicado Bacharel em Turismo e Hotelaria Guia de Turismo Mestre em Turismo e Hotelaria Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas Mestre em Biotecnologia Licenciada em Letras Português/Espanhol Mestre em Linguística Doutora em Linguística Bacharel em Moda Estilismo Mestre em Geografia Licenciada em Letras Especialista em metodologia e Prática Interdisciplinar de Ensino Nome Função Titulação Camila Paim Veran Assistente em Administração Bacharel em Hotelaria

48 48 Cristiane Correa Paulick Daniela de Carvalho Carrelas Assistente em Administração Diretora da Unidade Técnica em Eletrotécnica Bacharel e Licenciada em História Licenciada em Letras Espanhol Mestrado em Turismo e Hotelaria Danielli Prado Dzioba Loss Técnica em Laboratório Técnico em Nutrição Fernando Maciel de Miranda Técnico de Tecnologia de Informação Superior incompleto Giuliana F. De Santis Técnica em Laboratório Técnico em Nutrição Gleicy Corrêa Nunes Marques Técnico em Administração Técnica em Eletrotécnica Superior incompleto Elinete Eliete de Lima Itamar Zilli Neto Ivanir Ribeiro Jane Daura da Silveira Jardel Alzemiro Vieira Joice Galan Diretora de Ensino Técnico em Mecânica Psicóloga Secretária da Direção Técnico em Laboratório (Mecânica) Técnico em Administração Graduação em Psicologia Especialista em Gestão de Recursos Humanos Ensino Médio Completo Bacharel em Química Industrial Josiane Agostini Assistente Social Graduação em Assistente Social Juliana Farias de Limas Kênia Raupp Coutinho Koch Assistente em Administração Bibliotecária Técnica em Meio Ambiente Bacharel em Biblioteconomia Letícia Apareceida Martins Pedagoga Bacharel em Pedagogia Marizete Prosdossimi Prado Meimilany Gelsleichter Nelda Plentz de Oliveira Patrícia da Silva Renato Delgado Zaneti Rosamaria Beck Coord. de Gestão de Pessoas Supervisora Escolar Orientadora Educacional Bibliotecária Técnico em Assuntos Educacionais Técnico em Assuntos Educacionais Ensino Médio Completo Bacharel em Pedagogia e Bacharel em Relações Internacionais Especialista em Gestão Escolar e EJA Licenciada em Pedagogia Especialista em Metodologia do Ensino Tecnológico Bacharel em Biblioteconomia Especialista em Educação, Currículo e Cultura Licenciado em Filosofia Bacharel em Pedagogia

49 49 Rosana Kimmel Rodrigues Rosângela Pieczarka Vanessa Junckes Técnico em contabilidade Assistente Administrativa Técnica em Laboratório Técnica em Nutrição Acervo Bibliográfico do IFSC Acervo Bibliográfico / Unidade Continente Referência ACERENZA, Miguel Ángel; HENDGES, Graciela Rabuske. Administração do turismo: conceituação e organização. Bauru, SP: EDUSC, v p., il. (Coleção Turis). ISBN (broch.). ACERENZA, Miguel Ángel; HENDGES, Graciela Rabuske. Administração do turismo: planejamento e direção. Bauru, SP: EDUSC, 200. v p., il. (Coleção Turis). ISBN (broch.). ANDRADE, José Vicente de. Turismo: fundamentos e dimensões. 8. ed. São Paulo: Ática, p. ISBN X (broch.). ANSARAH, Marília Gomes dos Reis (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar.. ed. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, v p. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). ANSARAH, Marília Gomes dos Reis (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar.. ed. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, v p., il. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). ANSARAH, Marília Gomes dos Reis (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar. 4. ed. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, v p., il. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). ANSARAH, Marília Gomes dos Reis (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, 20. v p., il. ISBN (broch.). AOUN, Sabáh. A procura do paraíso no universo do turismo. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, p., il. ISBN (broch.). ASCANIO, Alfredo. Turismo e planejamento hoteleiro: avaliação econômica e ambiental. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN (broch.). BAHL, Miguel. Eventos: a importância para o turismo do terceiro milênio. São Paulo: Roca, p. ISBN (broch.). BARBOSA, Dalva Regina Ribeiro; MILONE, Giuseppe. Estatística: aplicada ao turismo e hotelaria. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p., il. ISBN (broch.). BARBOSA, Luiz Gustavo Medeiros; ZOUIAN, Deborah Moraes. Gestão em turismo e hotelaria: experiências públicas e privadas. São Paulo: Aleph, p., il. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). BARRETTO, Margarita. Manual da iniciação ao estudo do turismo. 15. ed. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN (broch.). Quantidade

50 50 BARRETTO, Margarita. Manual da iniciação ao estudo do turismo. 9a. ed. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN (broch.). BIANCHI, Anna Cecilia de Moraes; ALVARENGA, Marina; BIANCHI, Roberto. Orientação para estágio em turismo: trabalhos, trojetos e monografias. [s.l.]: Pioneira Thomson Learning, p. ISBN (broch.). BISSOLI, Maria Angela Marques Ambrizi. Estágio em turismo e hotelaria.. ed. São Paulo: Aleph, ISBN (broch.). BONFATO, Antonio Carlos. Desenvolvimento de hotéis: estudos de viabilidade. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, p., il. Inclui bibliografia. ISBN CAMPOS, José Ruy Veloso; ROSÈS, Claudia Fonseca; BAUMGARTNER, Ricardo R. Estudo de viabilidade para projeto hoteleiro. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN CASCUDO, Luís da Camara, História da alimentação no Brasil.. ed. São Paulo: Global, p., il. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). CASTELLI, Geraldo. Administração hoteleira. 9. ed. Caxias do Sul, RS: EDUCS, p., il. (Coleção Hotelaria). ISBN (broch.). CASTELLI, Geraldo. Hospitalidade: na perspectiva da gastronomia hoteleira. São Paulo: Saraiva, p. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos; DOBERSTEIN, Arnoldo; BENI, Mario Carlos. Turismo urbano. 2. ed. São Paulo: Contexto, p. ISBN (broch.). CAVASSA, César Ramírez. Hotéis: gerenciamento, segurança e manutenção. Tradução de Claudia Bruno Galvãn. São Paulo: Roca, p., il. ISBN (broch.). CENTENO, Rogelio Rocha. Metodologia da pesquisa aplicada ao turismo: casos práticos. São Paulo: Roca, p., il. ISBN (broch.). CIRILO, Lecy. Administração hoteleira: desafios e tendências para o século XXI. São Paulo: DVS, p. ISBN (broch.). DENCKER, Ada de Freitas Meneti. Planejamento e gestão em turismo e hospitalidade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p., il. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). FAGLIARI, Gabriela Scuta. Turismo e alimentação: análises introdutórias. São Paulo: Roca, p. ISBN (broch.). GASTAL, Susana; KRIPPENDORF, Jost; CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos. Turismo: investigação e crítica. São Paulo: Contexto, p. ISBN (broch.). GONÇALVES, Luiz Cláudio. Gestão ambiental em meios de hospedagem. São Paulo: Aleph, p. ISBN ISMAIL, Ahmed. Hospedagem: front office e governança. 1. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p. ISBN LAGE, Beatriz Helena Gelas (Org.). Turismo, hotelaria & lazer. São Paulo: Atlas, v p., il. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). LAGE, Beatriz Helena Gelas (Org.). Turismo, hotelaria & lazer. São Paulo: Atlas, v p., il. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). LAGE, Beatriz Helena Gelas (Org.). Turismo, hotelaria & lazer. São Paulo:

51 51 Atlas, v p., il. Inclui bibliografia. ISBN x (broch.). LAWSON, Fred. Hotéis e resorts: planejamento, projeto e reforma. Porto Alegre: Bookman, p., il. ISBN LEMOS, Leandro de. O valor turístico na economia da sustentabilidade. São Paulo: Aleph, p. ISBN LINZMAYER, Eduardo. Guia básico para administração da manutenção hoteleira.. ed. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, p. ISBN X. LOCKWOOD, A.; MEDLIK, S. Turismo e hospitalidade no século XXI. Barueri: Manole, p. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). LUCHIARI, Maria Tereza D. P.; SERRANO, Célia; BRUHNS, Heloisa Turini. Olhares contemporâneos sobre o turismo.. ed. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN X (broch.). LUKOWER, Ana. Cerimonial e protocolo.. ed. São Paulo: Contexto, p. ISBN MARIANO, Jefferson. Manual de introdução à economia: para cursos de turismo e hotelaria.. ed. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN (broch.). MCKERCHER, Bob. Turismo de natureza: planejamento e sustentabilidade. São Paulo: Contexto, p. ISBN (broch.). MENESES, José Newton Coelho. História & turismo cultural. Belo Horizonte: Autêntica, p., il. ISBN (broch.). MIRANDA, Simão de. 1 Atividades recreativas para grupos em viagens de turismo.. ed. Campinas, SP: Papirus, p., il. ISBN (broch.). MIRANDA, Simão de. 1 Atividades recreativas para grupos em viagens de turismo. 4. ed. Campinas, SP: Papirus, p., il. ISBN (broch.). MOLINA, Sergio; RODRÍGUEZ, Sergio. Turismo - planejamento integral: um enfoque para a América Latina. Bauru: EDUSC, p. ISBN X (broch.). MOLINA, Sergio. O pós-turismo. 2. ed. São Paulo: Aleph, p. ISBN NIELSEN, Cristian. Turismo e mídia: o papel da comunicação na atividade turística. São Paulo: Contexto, p. ISBN X (broch.). NIETO, Marcos Pinto. Manual de direito aplicado ao turismo. 4. ed. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN (broch.). O'CONNOR, Peter. Distribuição da informação eletrônica em turismo e hotelaria. Porto Alegre: Bookman, p. ISBN (broch.). OLIVEIRA, J. B. Como promover eventos. 2. ed. São Paulo: Madras, p., il. ISBN PAIVA, Maria das Graças de Menezes V. Sociologia do turismo. 9. ed. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN (broch.). PALHARES, Guilherme Lohmann. Transportes turísticos. 2. ed. São Paulo: Aleph, p. ISBN PANOSSO NETTO, Alexandre; TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi. Reflexões sobre um novo turismo: política, ciência e sociedade. 2. ed. São Paulo: Aleph, p. ISBN X (broch.)

52 52 PELLEGRINI FILHO, Américo. Dicionário enciclopédico de ecologia e turismo. São Paulo: Manole, p., il. Inclui bibliografia. ISBN (enc.). PÉREZ, Luis Di Muro. Manual prático de recepção hoteleira. São Paulo: Roca, p., il. Inclui bibliografia. ISBN PETROCCHI, Mario. Hotelaria: planejamento e gestão. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, p. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). PETROCCHI, Mario. Hotelaria: planejamento e gestão.. ed. São Paulo: Futura, p. Inclui bibliografia. ISBN PIRES, Mário Jorge. Lazer e turismo cultural. 2. ed. Barueri: Manole, p. ISBN (broch.). PIRES, Mário Jorge. Raízes do turismo no Brasil: hóspedes, hospedeiros e viajantes no século XIX. 2. ed. Barueri: Manole, p. ISBN (broch.). RABAHY, Wilson Abrahão. Turismo e desenvolvimento: estudos econômicos e estatísticos no planejamento. Barueri: Manole, p. ISBN (broch.). RICCI, Renato. Hotel: estratégias competitivas : um guia prático para a aplicação da gestão de processos e do balanced scorecard no segmento da hotelaria e do turismo. Rio de Janeiro: Qualitymark, p., il. ISBN (broch.). RODRIGUES, Adyr Balastreri; CAVACO, Carminda; JOAQUIM, Graça. Turismo rural. 2. ed. São Paulo: Contexto, p. ISBN (broch.). RONÁ, Ronaldo di. Transportes no turismo. Barueri: Manole, p., il. ISBN (broch.). ROSS, Glenn F. Psicologia do turismo. São Paulo: Contexto, p. ISBN (broch.). SANTOS, Célia Maria dos; KUAZAQUI, Edmir. Consolidadores de turismo: serviços e distribuição. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p. ISBN SANTOS, Rejane. ISO 9000 na hotelaria: o primeiro passo para atingir a excelência. Rio de Janeiro: Qualitymark, p. ISBN (broch.). SCHLÜTER, Regina G. Metodologia da pesquisa em turismo e hotelaria. São Paulo: Aleph, p. ISBN (broch.). SEABRA, Giovanni de Farias. Ecos do turismo: o turismo ecológico em áreas protegidas. Campinas, SP: Papirus, p. ISBN (broch.). SILVA, Fernando Brasil da. A psicologia dos serviços em turismo e hotelaria: entender o cliente e atender com eficácia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p., il. Inclui bibliografia. ISBN (broch.). SPILLER, Eduardo Santiago et al. Gestão de serviços e marketing interno. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV Ed., p., il. Inclui bibliografia. ISBN TEIXEIRA, Elder Lins. Gestão da qualidade em destinos turísticos. Rio de Janeiro: Qualitymark, p., il. ISBN TORRE, Francisco de la. Administração hoteleira: parte I - departamentos. São Paulo: Roca, p., il. ISBN (broch.)

53 5 TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar. 2. ed. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, 20. v p. ISBN (broch.). TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar. 4 ed. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, p., il. v. 1. ISBN (broch.). TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi. Turismo básico. 7. ed. São Paulo: Ed. SENAC São Paulo, p. ISBN (broch.). VALLS, Josep-Francesc et al. Gestão integral de destinos turísticos sustentáveis. Rio de Janeiro: FGV Ed., p., il. ISBN VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de.; CARVALHO, Luiz Carlos Pereira de. Introdução à economia do turismo. São Paulo: Saraiva, p. ISBN (broch.). YÁZIGI, Eduardo. A pequena hotelaria e o entorno municipal: guia de montagem e administração.. ed. São Paulo: Contexto, p. ISBN (broch.). YÁZIGI, Eduardo. Civilização urbana, planejamento e turismo: discípulos do amanhecer. São Paulo: Contexto, p., il. ISBN (broch.). YOUELL, Ray. Turismo: uma introdução. São Paulo: Contexto, p. ISBN (broch.) Instalações físicas, docentes, administrativo e acervo bibliográfico do NAES Salas de Aulas e Laboratórios da escola bento Elói Garcia Itapema Ambiente Metragem Equipamentos Sala de aula 10x06 Bens móveis do ambiente: ESTAÇAO 1 Adquirido EM_USO Acadêmico MODEM 1 Emprestado EM_USO Acadêmico TELEVISOR 1 Adquirido EM_USO Acadêmico BALCAO 1 Adquirido EM_USO Acadêmico CAIXA 1 Doado EM_USO Compartilhado WEBCAM 1 Adquirido EM_USO Administrativo APARELHO 1 Adquirido EM_USO Compartilhado CONDICIONADOR DE AR 2 Adquirido EM_USO Acadêmico MESA PARA Adquirido EM_USO Compartilhado VENTILADOR DE AR 4 Adquirido EM_USO Compartilhado

54 54 Sala 02 10x06 FILTRO DE LINHA 1 Adquirido EM_USO Compartilhado NO BREAK 1 Doado EM_USO Administrativo TELA 1 Doado EM_USO Acadêmico CADEIRA FIXA 45 Adquirido EM_USO Acadêmico CARTEIRA ESTUDANTIL 44 Adquirido EM_USO Acadêmico ESTABILIZADOR 1 Doado EM_USO Acadêmico ESTABILIZADOR 1 Adquirido EM_USO Acadêmico IMPRESSORA 1 Doado EM_USO Compartilhado MEC ROTEADOR 1 Emprestado EM_USO Acadêmico MICROCOMPUTADOR 1 Doado EM_USO Administrativo APARELHO 1 Adquirido EM_USO Compartilhado MICROFONE 1 Doado EM_USO Administrativo QUADRO 2 Adquirido EM_USO Acadêmico VENTILADOR DE AR 4 Adquirido EM_USO Acadêmico MESA PARA 1 Adquirido EM_USO Compartilhado CARTEIRA ESTUDANTIL 28 Adquirido EM_USO Acadêmico CADEIRA FIXA 29 Adquirido EM_USO Acadêmico Auditorio Sala de Informática AMBIENTE COMPARTILHADO MICROCOMPUTADOR quantidade Doado EM_USO Acadêmico CONDICIONADOR DE AR 1 Adquirido EM_USO Compartilhado CONDICIONADOR DE AR 1 Adquirido EM_USO Compartilhado HUB-CONCENTRADOR DE 1 Adquirido EM_USO Compartilhado IMPRESSORA 1 Adquirido EM_USO Administrativo MESA DE REUNIAO 1 Adquirido

55 55 EM_USO Compartilhado ESTABILIZADOR 27 Doado EM_USO Compartilhado ESTABILIZADOR 2 Doado COM_DEFEI TO Compartilhado QUADRO 1 Adquirido EM_USO Compartilhado CADEIRA GIRATORIA 28 Adquirido EM_USO Compartilhado CADEIRA GIRATORIA 2 Adquirido COM_DEFEITO Compartilhado HUB-CONCENTRADOR DE 2 Adquirido EM_USO Compartilhado MESA PARA 0 Adquirido EM_USO Administrativo Banheiro Feminino EM_FUNCIONAMENTO Tipo de ambiente: Banheiro Compartilhado Banheiro Feminino EM_FUNCIONAMENTO Tipo de ambiente: Banheiro Compartilhado Ambientes Administrativos do NAES AMBIENTE Secretaria Sala dos Professores METRAGEM 08x14 04x Espaços Complementares Docentes NAES Nome Formação / Área de Atuação Titulação Maria Bernardete Segalla Licentura Plena em Biologia Mestre em Educação com pesquisa em Educação Ambiental Sonia Medeiros Ferreira Letras- Português e Literatura Especialização- Pós em Língua portuguesa Ildemara Dreher dos Santos Educação Física Especialização no Ensino da Educação Física Pedro Sabino da Silva Licenciatura Plena em Geografia Pós Graduação em Geografia Urbana

56 Administrativo do NAES Nome Função Titulação Alessandra Simas Ghiotto Maria Tereszinha Rodriguez Niveladora Niveladora Pós Graduada em Psicopedagogia Gestão Escolar Pedagoga Pós Graduada em Séries Iniciais Marilene Gonzaga Secretaria Pedagoga Marli Santos Coordenadora Pedagoga Acervo Bibliográfico do NAES Acervo Bibliográfico / Unidade Continente Título *O que sabemos e o que não sabemos. Labbé Brigitte, Puech Michel Editora Scipione, 2004 *Liberdade e responsabilidade. Labbé Brigitte, Puech Michel Editora Scipione, 2006 *Gênero e Violência Pesquisas acadêmicas brasileiras ( ). Grossi Miriam Pillar, Minella Luzinete Simões, Losso Juliana Cavilha Mendes Editora Mulheres, 2006 *Conjugalidades, Parentalidades e Identidades Lésbicas, Gays e Travestis. Grossi Miriam Pillar, Uziel Anna Paula, Mello Luiz Garamond Universitária, 2007 *Santa Catarina A transformação dos espaços geográficos. Lago Paulo Fernando Verde Água Produções Culturais, 2000 *Escola que protege: enfrentando a violência contra crianças e adolescentes. Faleiros Vicente de Paula, Faleiros Eva Silveira Ministério da Educação: SECAD, 2007 *Estudos Feministas. Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Centro de Comunicação e Expressão, 1999 *Depoimentos: trinta anos de pesquisas feministas brasileiras sobre violência. Grossi Miriam Pillar, Minella Luzinete Simões, Porto Rozeli Editora Mulheres, 2006 *Saberes e fazeres de gênero entre o local e o global. Minella Luzinete Simões, Funck Susana Bornéo Editora da UFSC, 2006 Quantidade

57 57 *Nas tramas entre o público e o privado A imprensa de Desterro no século XIX. Pedro Joana Maria Editora da UFSC, 1995 *Estudos Feministas. Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Centro de Comunicação e Expressão, 1999 *Educação e Sociedade. Meksenas Paulo UFSC/EAD/CED/CFM, 2007 *Problemas Sistematização e Representação. Bezerra Licio Hernanes, Gimenez Carmem S. Comitre, Burin Nereu Estanislau UFSC/EAD/CED/CFM, 2007 *Fundamentos da Matemática I Carvalho Neri Terezinha Both, Gimenez Carmem S. Comitre UFSC/EAD/CED/CFM, 2007 *Masculino, Feminino, Plural: gênero na interdisciplinaridade. Pedro Joana Maria, Grossi Miriam Pillar Editora Mulheres, 1998 *Olhares feministas. Melo Hildete Pereira, Piscitelli Adriana, Maluf Sônia Weidner Ministério da Educação: UNESCO, 2009 *Leituras em rede, gênero e preconceito. Wolff Cristina Scheibe, Fáveri Marlene, Ramos Tânia Regina Oliveira Editora Mulheres, 2007 * Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero Redações e artigos científicos vencedores. Presidência da República, Secretaria Especial de Políticas para as mulheres, 2008 *Interdisciplinaridade em diálogos de gênero: teorias, sexualidades, religiões. Lago Mara Coelho de Souza, Grossi Miriam Pillar, Rocha Cristina Tavares da Costa, Garcia Olga Regina Zigelli, Sena Tito Editora Mulheres, 2004 *Gênero e Diversidade na Escola: Formação de Professores em Gênero, orientação sexual e relações étnicos raciais. CEPESC, 2009 *Informática aplicada. Nunes Rosemere Coelho CEFET SC, 2007 *Educação Sexual na Escola: equidade de gênero, livre orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Furlani Jimena UDESC, 2008 *Programa de qualificação à distância para o desenvolvimento do Turismo: turismo e sustentabilidade: formação de redes e ação municipal para regionalização do turismo. Brizolla Tânia, Lima Ana Clévia Guerreiro SEaD/UFSC, 2008

58 58 *Programa de Qualificação a Distância para o Desenvolvimento do Turismo: sensibilização, mobilização, institucionalização da instância de governança regional. Brizolla Tânia, Lima Ana Clévia Guerreiro SEaD/UFSC, 2008 *Programa de Qualificação a Distância para o Desenvolvimento do Turismo: elaboração e implementação do plano estratégico de desenvolvimento do turismo regional. Brizolla Tânia, Lima Ana Clévia Guerreiro SEaD/UFSC, 2008 *Programa de Qualificação a Distância para o Desenvolvimento do Turismo. Curso de regionalização do Turismo Videoaula *Matemática Ensino Médio Números, estatísticas, funções e progressões, trigonometria. Smole Kátia Stocco, Diniz Maria Ignez Editora Saraiva, 2005 *Matemática Ensino Médio Estatística, Contagem e probabilidade, álgebra, geometria espacial, trigonometria. Smole Kátia Stocco, Diniz Maria Ignez Editora Saraiva, 2005 *Matemática Ensino Médio Matemática Financeira, geometria analítica, probabilidade e estatística, trigonometria, álgebra. Smole Kátia Stocco, Diniz Maria Ignez. Editora Saraiva, 2005 *Matemática Completa. Giovanni José Ruy, Bonjorno José Roberto FTD, 2005 *Matemática. Dante Luiz Roberto Editora Ática, 2008 *Sexualidade, família e ethos religioso. Heilborn Maria Luiza, Duarte Luis Fernando Dias, Peixoto Clarice, Barros Myriam Lins Garamond Universitária, 2005 *A construção dos corpos. Perspectivas feministas. Stevens Cristina M. T., Swain Tânia Navarro Editora Mulheres, 2008 *Contribuições para a Educação das relações étnico-raciais. Sponchiado Justina Inês, Silva Vânia Beatriz Monteiro da Letras Contemporâneas, *Matemática Idéias e Desafios 8ª Série. Mori Dulce, Onaga Dulce Satiko Saraiva, *Matemática e Realidade 6ª Série. Iezzi Gelson, Dolce Osvaldo, Machado Antonio Saraiva, 2005 *Matemática Idéias e Desafios 7ª Série. Mori Iracema, Onaga Dulce Satiko

59 59 Saraiva, 2007 *Matemática e Realidade 7ª Série. Iezzi Gelson, Dolce Osvaldo, Machado Antonio Saraiva, *Matemática e Realidade 5ª Série. Iezzi Gelson, Dolce Osvaldo, Machado Antonio. Saraiva, *Matemática Idéias e Desafios 5ª Série. Mori Iracema, Onaga Dulce Satiko. Saraiva, 2007 *Matemática e Realidade 8ª Série. Iezzi Gelson, Dolce Osvaldo, Machado Antonio. Saraiva, *Matemática Idéias e Desafios 6ª Série. Mori Iracema, Onaga Dulce Satiko. Saraiva, *Falas de Gênero Silva Alcione Leite, Lago Mara Coelho de Souza, Ramos Tânia Regina Oliveira Editora Mulheres, 1999 *Conversas de Escolas Laffin Maria Hermínia Lage Fernandes, Silva Vânia Beatriz Monteiro da UFSC - NUP, 2006 *Crianças, Jovens e Adultos Diferentes processos e mediações escolares. Laffin Maria Hermínia Lage Fernandes Letras Contemporâneas, 2008 *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Língua de Sinais e Educação de Surdos. Editora da UFSC, Volume 24, jul. a dez./2006. *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Interfaces do Ensino de História. Editora da UFSC, volume 17, jan. a jun./1999 *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Educação, ensino e formação de professores. Editora da UFSC, volume 25, jul. a dez./2007. *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Leituras: construindo caminhos para a formação do leitor. Editora da UFSC, volume 17, jan. a jun./1999. *Computadores: Super-heróis ou vilões? Um estudo sobre as possibilidades do uso pedagógico da informática na Educação Infantil. Filho João Josué da Silva. NUP, *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Filosofia e Educação. Editora da UFSC, volume 17, jul. a dez./1999. *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Ensino da língua e alfabetização: diálogos com a formação docente. Editora da UFSC, volume 24, jul. a dez./2006.

60 60 *Modernização e biblioteconomia nova no Brasil. Souza Francisco das Chagas. NUP, 200. *Um olhar sobre a criança. Freire Ida Mara. NUP, *Educação em movimento na luta pela terra. Vendramini Célia Regina. NUP, *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Política educacional, formação e trabalho docente. Editora da UFSC, volume 26, jul. a dez./2008 *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Trabalho, movimentos sociais e educação. Editora da UFSC, volume 26, jan. a jun./2008. *Pequeno (ainda) agricultor e racionalidade educativa. Jantsch Ari Paulo. NUP, 20. *Cenas e atores na Educação. Angotti José André, Auras Marli. NUP, *Formação de professores em Santa Catarina. Daros Maria das Dores, Scheibe Leda. NUP, *Mestrado em Educação Experiências Interinstitucionais na Região Sul. Jantsch Ari Paulo, Ern Edel, Bianchetti Lucidio, Daros Maria das Dores. Uniplac, *Educação Popular e Universidade. Fleuri Reinaldo Matias. NUP, 20. *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Infância, educação e escola. Editora da UFSC, volume 25, jan. a jun./2007. *Educação e esfera pública na Serra Catarinense a experiência política do Plano Regional de Educação. Munarim Antonio. NUP, *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Filosofia e Educação. Editora da UFSC, volume 16, jan. a jun./1998. *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Sexualidade e Educação. Editora da UFSC, volume 16, jul. a dez./1998 *Perspectiva Revista do Centro de Ciências da Educação. Pós graduação em Educação: temas e controvérsias. Editora da UFSC, volume 24, jan. a jun./2006. *Sociologia Ensino Médio Secretaria do Estado de Educação. Paraná, 2006.

61 61 *Olimpíada Brasileira de Matemática Eureka, *Educação e Sociedade. Meksenas Paulo UFSC/EAD/CED/CFM, 2009 *Problemas Sistematização e Representação. Bezerra Licio Hernanes, Gimenez Carmem S. Comitre, Burin Nereu Estanislau UFSC/EAD/CED/CFM, 2009 *Fundamentos da Matemática I Carvalho Neri Terezinha Both, Gimenez Carmem S. Comitre UFSC/EAD/CED/CFM, 2009 *Introdução à Educação a Distância Catapan Araci Hack, Quartiero Elisa Maria, Gomes Nilza Godoy, Cerny Roseli Zen UFSC/EAD/CED/CFM, 2009 *Educação de Jovens e Adultos na Diversidade Laffin Maria Herminia Lage Fernandes UFSC/CED/LANTEC, 2009 *Rio Branco O Brasil no mundo. Ricupero Rubens Contraponto, *Santos Dumont O Homem voa! Barros Henrique Lins de. Contraponto, 2000 *Villa Lobos Alma brasileira. Maia Maria. Contraponto, 2000 *Cândido Rondon A integração nacional. Bigio Elias dos Santos. Contraponto, 2000 *Monteiro Lobato O editor do Brasil. Nunes Cassiano. Contraponto, *Álvaro Alberto A ciência do Brasil. Garcia João Carlos Vitor. Contraponto, *Euclides da Cunha Contrastes e Confrontos do Brasil. Lima Luiz Costa. Contraponto, 2000 *Sociologia Ensino Médio. Vários autores SEED-PR, 2006 *Gênero em movimento: Novos olhares, muitos lugares. Silva Cristiani Bereta da, Assis Gláucia de Oliveira, Kamita Rosana C. Editora Mulheres, 2007 *Análise Matemática para Licenciatura Ávila Geraldo Editora Edgard Blucher, 2006 *Introdução à álgebra Gonçalves Adilson

62 62 IMPA, 2008 *Análise Real Funções de uma variável Lima Elon Lages IMPA, 2009 *Álgebra Linear Steinbruch Alfredo, Winterle Paulo Pearson Makro Books, 1987 *Álgebra Linear Boldrini José Luiz, Costa Sueli I. Rodrigues, Figueiredo Vera Lúcia, Wetzler Henry G. Editora HARBRA, 1980 *Álgebra Linear e Aplicações Callioli Carlos A.,Domingues Hygino H., Costa Roberto C. F. Editora Atual, 1990 *Álgebra Moderna Domingues Hygino H., Iezzi Gelson Editora Atual, 200 *Platão & A República Paviani Jayme Jorge Zahar Editor, 200 *Fundamentos de Matemática Elementar geometria analítica volume 7 Iezzi Gelson Editora Atual, 2005 *Associativismo Civil em Santa Catarina trajetórias e tendências Warren Ilse Scherer, Chaves Iara Maria Editora Insular, 2004 *Travessia Questões e perspectivas emergentes na pesquisa em educação popular. Costa Marisa Vorraber, Fleuri Reinaldo Matias Editora Unijui,2000 *Reinventar o Presente...pois o amanhã se faz na transformação do hoje. Fleuri Reinaldo Matias Edições UFC, 2008 *Entre a disciplina e rebeldia na escola. Fleuri Reinaldo Matias Líber Livro Editora, 2008 *Educar para quê? Contra o autoritarismo da relação pedagógica na escola. Fleuri Reinaldo Matias Editora Cortez, 20 *Intercultura e movimentos sociais Fleuri Reinaldo Matias, Warren Ilse Scherer, Falteri Paola, Santos Silvio Coelho dos, Brunello Pierro, Piacentini Telma Anita, Giacalone Fiorella, Tramonte Cristiana, Fantin Maristela, Valla Victor Vincent, Massa Ricardo. Mover NUP, 1998 *Educação de Jovens e Adultos na Diversidade Livro 2 Laffin Maria Herminia Lage Fernandes UFSC, 20

63 6 *Fundamentos da Matemática II Taneja Inder Jeet, Araújo Aldrovando L. A. UFSC/EAD/CED/CFM, 2009 *Fundamentos Filosóficos da Educação Dall Agnol Darlei, Dutra Delamar José Volpato, Franciotti Marco Antonio UFSC/EAD/CED/CFM, 20 *O pensamento vivo de Gandhi Claret Martin Martin Claret Editores, 1985 *Práticas Pedagógicas e Emancipação: Gênero e Diversidade na Escola Minella Luzinete Simões, Cabral Carla Giovana Editora Mulheres, 2009 *A arte de resolver problemas Polya George Editora Interciência, 2006 *Análise Combinatória e Probabilidade Morgado Augusto C. de Oliveira, Carvalho João Bosco Pitombeira de, Carvalho Paulo C. Pinto, Fernandez Pedro Sociedade Brasileira de Matemática, 1991 *A aprendizagem Matemática na perspectiva da teoria dos campos conceituais Bittar Marilena, Muniz Cristiano Alberto Editora CRV, 2009 *Rousseau & a Educação Streck Danilo R. Autêntica, 2008 *Coordenadas no Espaço Lima Elon Lages Sociedade Brasileira de Matemática, 1998 *Coordenadas no Plano Lima Elon Lages, Carvalho Paulo C. Pinto Sociedade Brasileira de Matemática, 2005

64 64 11 REFERÊNCIAS BRASIL. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.. Ministério da Educação. Parecer n 11 CEB/2000. Faz referência às Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, Ministério da Educação. Decreto n 5.840, de 1 de julho de Institui no âmbito federal o Programa Nacional da Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos. Brasília, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA. Documento Base. Brasília, DF: SETEC/MEC, Decreto nº 5.840, de 1 de julho de Institui, no âmbito federal, o Programa de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos PROEJA. Brasília, DF.. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Ofício Circular nº.54/20. Dispõe sobre a Rede CERTIFIC. GAB/SETEC/MEC, 20. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE. Projeto político pedagógico do CEFET-RN: um documento em construção. Natal: CEFET- RN, IBGE. Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios MOURA, Dante H. O Programa de integração da educação profissional à Educação Básica na modalidade educação de jovens e adultos: possibilidades e limitações. Disponível em: <http://www. cefetrn.br/unedzn/images/stories/ensino/o programa de integra %C7%Codaeduca%C7%Co_profissional_%C0_educa%C7%Co_b %C1sica_na_modalidade_educa%C7%Co_de_jovens_e_adultos%20afirse% doc.>. Acesso em 10/04/21.

65 65 12 MODELO DE CERTIFICADO Frente 12.1 Verso

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Organizador de Eventos. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Organizador de Eventos. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS CONTINENTE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM GESTÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORINAOPOLIS-CONTINENTE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

APRESENTAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM HOSPEDAGEM APRESENTAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO DO CURSO Formar profissionais que consigam compreender o espaço social e as interações do mundo do trabalho na cadeia produtiva do Turismo e Hotelaria

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE SERVIÇOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE SERVIÇOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal Plano de Curso Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico.

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORINAOPOLIS-CONTINENTE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

APRESENTAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM HOSPEDAGEM APRESENTAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO DO CURSO Formar profissionais que consigam compreender o espaço social e as interações do mundo do trabalho na cadeia produtiva do Turismo e Hotelaria

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS ARARANGUÁ AUXILIAR DE COZINHA Curso de Formação Inicial e Continuada Eixo: Turismo,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de SOMMELIER. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de SOMMELIER. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Comunicação e Atendimento ao Cliente. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Comunicação e Atendimento ao Cliente. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PROMOTOR DE VENDAS. Parte 1 (solicitante)

APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PROMOTOR DE VENDAS. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA APROVAÇÃO DO CURSO E AUTORIZAÇÃO DA OFERTA PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

A ambientação profissional e projeto integrador: vivências e aprendizagens na formação profissional no curso Técnico de Hospedagem do IF-SC.

A ambientação profissional e projeto integrador: vivências e aprendizagens na formação profissional no curso Técnico de Hospedagem do IF-SC. A ambientação profissional e projeto integrador: vivências e aprendizagens na formação profissional no curso Técnico de Hospedagem do IF-SC. Fabíola Martins dos Santos 1 Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS VAGAS LIMITADAS. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS VAGAS LIMITADAS. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. PROGRAMAÇÃO DE CURSOS JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI VAGAS LIMITADAS www.ba.senac.br /senacbahia INFORMAÇÕES IMPORTANTES Os cursos

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE SABERES PARA

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Gestão de Turismo FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( X) tecnólogo

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal Plano de Curso Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Leia mais

Agrupamento de Escolas. Dr. Jorge Augusto Correia Tavira

Agrupamento de Escolas. Dr. Jorge Augusto Correia Tavira Agrupamento de Escolas Dr. Jorge Augusto Correia Tavira Oferta Educativa Ano Letivo 2015/2016 Cursos Vocacionais Básico Cursos Científico Humanísticos Cursos Profissionais Cursos Vocacionais Secundário

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas

Manual de Orientações às Empresas Manual de Orientações às Empresas Aprendizagem Profissional Comercial em Serviços de Restaurante e Bar Carga horária: 1.333 horas Fevereiro 2014 Fls: [ 1 ] / [ 15] Prezado(a) Senhor(a) O Senac São Paulo

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS SUMÁRIO INTERATIVO ENTENDENDO SOBRE O PROGRAMA TELECURSO TEC... 3 ÁREAS DE ESTUDO DO TELECURSO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Atualização do Curso Técnico de nível Médio em Hospedagem, eixo tecnológico Hospitalidade e Lazer na forma integrada ao Ensino Médio.

Atualização do Curso Técnico de nível Médio em Hospedagem, eixo tecnológico Hospitalidade e Lazer na forma integrada ao Ensino Médio. ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional Gerência de Ensino Médio Atualização do Curso Técnico de nível Médio em Hospedagem, eixo tecnológico

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Curso Técnico em Gastronomia INTEGRADO ao Ensino Médio na Modalidade EJA

Curso Técnico em Gastronomia INTEGRADO ao Ensino Médio na Modalidade EJA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS - CONTINENTE Curso Técnico em Gastronomia INTEGRADO ao Ensino Médio na Modalidade EJA Eixo

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010 MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução n 01/2010 Fixa normas para o Ensino Fundamental de 09 (nove) anos da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, Santa Catarina. O CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Fundamentos de Programação Web para Multimídia. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Fundamentos de Programação Web para Multimídia. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Denominação do curso: CAMAREIRA EM MEIOS DE HOSPEDAGEM

Denominação do curso: CAMAREIRA EM MEIOS DE HOSPEDAGEM 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação do curso: CAMAREIRA EM MEIOS DE HOSPEDAGEM Eixo Tecnilógico: HOSPITALIDADE E LAZER Local de oferta: IFBA Campus Ilhéus Modalidade: Presencial Turno de oferta: Vespertino

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas. Programa Aprendizagem: Gestão e Negócios. Manual de Orientações às Empresas. Carga horária: 1.

Manual de Orientações às Empresas. Programa Aprendizagem: Gestão e Negócios. Manual de Orientações às Empresas. Carga horária: 1. Manual de Orientações às Empresas Programa Aprendizagem: Gestão e Negócios Carga horária: 1.333 horas Fls: [ 1 ] / [ 12] Prezado(a) Senhor(a) O Senac São Paulo está empenhado em reafirmar, em todas as

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento e Controle de Estoque. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento e Controle de Estoque. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas

Manual de Orientações às Empresas Manual de Orientações às Empresas Aprendizagem Profissional Comercial em Serviços Administrativos em Instituições de Saúde Carga horária: 1.333 horas Fevereiro 2014 Fls: [ 1 ] / [ 14] Prezado(a) Senhor(a)

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Inglês Aplicado ao Turismo. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Inglês Aplicado ao Turismo. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Serviços de Mesa. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Serviços de Mesa. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

INFORMATIVO DO CANDIDATO 2009

INFORMATIVO DO CANDIDATO 2009 INFORMATIVO DO CANDIDATO 2009 Seleção Pré Vestibular Gratuito da ONG Oficina de Cidadania 2009 A Origem A ONG Oficina de Cidadania funciona desde 1998 e agrega outros projetos, todos com ações visando

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de XXX Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de XXX Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO Câmpus Santa Rosa/RS 2013 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Conversação em Inglês

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Conversação em Inglês MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Gestão Trabalho em Equipe. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Gestão Trabalho em Equipe. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS PROGRAMAÇÃO DE CURSOS maio junho VAGAS LIMITADAS Camaçari www.ba.senac.br /senacbahia INFORMAÇÕES IMPORTANTES Os cursos podem ser adiados e/ou cancelados, caso não haja número suficiente de alunos para

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM PROEX N º 05/2015/PROEX APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM EXECUÇÃO: 10 JULHO DE 2015 A 10 DE DEZEMBRO DE 2015. 1 PROEX Nº 05/2015 EDITAL PROGRAMA MULHERES SIM A Reitora do Instituto Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Instalador de Refrigeração e Climatização Doméstica

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Instalador de Refrigeração e Climatização Doméstica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PRONATEC MULHERES MIL - FIC DE CAMAREIRA EM MEIOS DE HOSPEDAGEM. Parte 1 (solicitante)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PRONATEC MULHERES MIL - FIC DE CAMAREIRA EM MEIOS DE HOSPEDAGEM. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÃMPUS FLORIANÓPOLIS-CONTINENTE Aprovação do curso e Autorização

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia GESTÃO E PRÁTICAS EMPREENDEDORAS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ceilândia, Fevereiro de 2014. CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Curso TUR D1 - Turismo. Ênfase. Disciplina T1.7027S - Introdução ao Estágio Supervisionado

Plano de Ensino. Identificação. Curso TUR D1 - Turismo. Ênfase. Disciplina T1.7027S - Introdução ao Estágio Supervisionado Curso TUR D1 - Turismo Ênfase Identificação Disciplina T1.7027S - Introdução ao Estágio Supervisionado Docente(s) Fernando Protti Bueno Unidade Câmpus Experimental de Rosana Departamento Coordenadoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA

PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Targino de Araújo Filho Reitor Pedro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de SketchUp na Construção Civil. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de SketchUp na Construção Civil. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal Homologado em 16/5/2014, DODF nº 98, de 19/5/2014, p. 6. Portaria nº 103, de 19/5/2014, DODF nº 100, de 21/5/2014, p. 7. PARECER Nº 82/2014-CEDF Processo nº 084.000083/2014 Interessado: Secretaria de Estado

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

Universidade de Cuiabá. Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas

Universidade de Cuiabá. Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas Universidade de Cuiabá Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: TURISMO E HOTELARIA Graduação: BACHARELADO Regime: SERIADO ANUAL - NOTURNO Duração: 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS -

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. Roselaine R. Marconcine de Oliveira EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. Roselaine R. Marconcine de Oliveira EMENTA Plano de Ensino EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Vendas FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Gestão Financeira. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Gestão Financeira. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal Plano de Curso Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. de 22.03.02. Para completar o currículo pleno do curso superior

Leia mais