REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

2 CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAC Minas Unidade Belo horizonte foi criado para promover a inserção permanente e sistemática dos corpos discente e docente no universo da iniciação científica. Único - O Programa de Iniciação Científica tem por finalidade despertar o interesse e incentivar habilidades para atividades de pesquisa científica e tecnológica entre os acadêmicos regularmente matriculados na Faculdade SENAC Minas. CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Art. 2º O Programa de Iniciação Científica tem como objetivos: I. Introduzir os estudantes no universo da Iniciação Científica, despertando neles a vocação científica, desenvolvendo o senso crítico e a capacidade de interferir criativa e positivamente na realidade. II. Incentivar o desenvolvimento e realização de atividades científicas, visando ao aprimoramento dos corpos docente e discente. III. Oferecer ao corpo docente as condições necessárias para o desenvolvimento da pesquisa científica, incentivando a incorporação de discentes nos trabalhos de pesquisa. IV. Proporcionar a integração entre atividades de ensino, pesquisa e extensão conforme consta nos Projetos Pedagógicos dos cursos oferecidos pela Faculdade. V. Qualificar os estudantes para acesso aos programas de Pós-Graduação.

3 CAPÍTULO III DAS DIRETRIZES DO PROGRAMA Art. 3º São políticas do Programa de Iniciação Científica: I. Integrar as áreas de ensino, pesquisa científica e extensão. II. Desenvolver a vocação investigativa com rigor científico e metodológico, na Instituição. III. Orientar-se por uma abordagem interdisciplinar. IV. Contemplar temas pertinentes à Educação Profissional em consonância com as linhas de pesquisa indicadas no Projeto Pedagógico de cada Curso. V. Pesquisar ações inovadoras e de desenvolvimento sustentável relevantes para o estado de Minas Gerais. Único - As políticas arroladas nos incisos deste artigo serão utilizadas como parâmetro para seleção e aprovação dos projetos de iniciação científica inscritos. CAPÍTULO IV DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA Art. 4º - A Coordenação do Programa de Iniciação Científica ficará a cargo do Coordenador do Núcleo de Iniciação Científica que, nos termos do presente Regulamento, estabelecerá os atos necessários à sua execução. Art. 5º - São atribuições do Coordenador do Programa de Iniciação Científica: I. Criar condições para divulgação da produção científica oriunda do Programa interna e externamente. II. Apoiar os docentes pesquisadores na submissão de projetos às agencias de fomento.

4 III. Promover reuniões periódicas com as coordenações de curso e Diretoria para nivelamento de estratégias gestoras do Programa. IV. Elaborar relatório semestral com as atividades realizadas no Programa de Iniciação Científica. V. Analisar os relatórios das atividades e solicitar ao setor responsável a emissão de certificado de conclusão ao término do projeto. VI. Selecionar a equipe de estagiários que irá atuar administrativamente no Programa de Iniciação Científica. VII. Deliberar sobre a participação de docentes e discentes voluntários nos projetos de pesquisa. VIII. Estabelecer relações para parcerias junto às agências de fomento à pesquisa e/ou iniciativa privada. IX. Submeter à Diretoria as condições de viabilidade para execução dos projetos encaminhados pela Comissão de Iniciação Científica. CAPÍTULO V DAS LINHAS DE PESQUISA Art. 6º - As linhas de pesquisa do Programa de Iniciação Científica serão definidas com base nos Projetos Pedagógicos de cada curso. Art. 7º - As linhas de pesquisa devem privilegiar as políticas estabelecidas para o Programa de Iniciação Científica, citadas no capítulo III deste regulamento. Art. 8º - Os temas a serem pesquisados pelos professores e alunos devem, obrigatoriamente, considerar as linhas de pesquisa contempladas no Edital do Programa de Iniciação Científica. CAPÍTULO VI

5 DA COMISSÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 9º - A Comissão de Iniciação Científica será composta pelo Coordenador do Programa de Iniciação Científica, por um representante do Núcleo de Assessoria Pedagógica e por um docente de cada curso de graduação. 1º - Os docentes a que se refere o artigo anterior serão convidados pela Coordenação do Programa de Iniciação Científica a compor a Comissão e deverá observar o atendimento aos critérios: I. Titulação mínima de mestrado. II. Disponibilidade para acompanhar os projetos submetidos ao Programa. Único: É vedada aos docentes integrantes da Comissão de Iniciação Científica e ao Coordenador em exercício do referido Programa, a submissão de projetos ao Programa de Iniciação Científica. Art. 10º - Os membros da Comissão terão mandato de 2(dois) anos permitida a recondução por mais 2 anos, a cada definição e recondução da Coordenação do Programa de Iniciação Científica. Art. 11º São atribuições da Comissão de Iniciação Científica: I. Analisar, selecionar e aprovar os projetos a serem consolidados pela orientação de um docente pesquisador, de acordo com as diretrizes e linhas de pesquisa estabelecidas. II. Analisar os relatórios de atividades e de conclusão dos projetos. III. Encaminhar à Coordenação do Programa as condições de viabilidade do projeto, inclusive com a indicação do docente pesquisador que irá responder pela sua efetivação durante 10(dez) meses consecutivos.

6 IV. Deliberar sobre o Plano de Pesquisa Científica apresentado pelo docente pesquisador. CAPÍTULO VII DOS PARTICIPANTES Art. 12º - O Programa de Iniciação Científica terá como participantes: I. Docentes pesquisadores dos cursos da Instituição II. Discentes bolsistas dos cursos da Instituição III. Docentes voluntários dos cursos da Instituição IV. Discentes voluntários dos cursos da Instituição Art. 13º - Os docentes e discentes citados nos itens III e IV do Art. 12º não farão jus a qualquer tipo de bolsa auxílio por parte da Instituição. Art. 14º Os docentes voluntários e discentes voluntários terão suas participações previamente submetidas à avaliação da Coordenação do Programa de Iniciação Científica e, somente após a aprovação da mesma, poderão integrar os respectivos projetos. único É vedada a participação de docentes e/ou discentes colaboradores voluntários sem a prévia e expressa aprovação da coordenação do programa. Art. 15º - O ingresso no Programa de Iniciação Científica é facultado aos alunos da Faculdade de Tecnologia SENAC Minas Unidade Belo Horizonte que se enquadrarem nos seguintes requisitos: I. Estar regularmente matriculado em curso de graduação ofertado pela Instituição.

7 II. Apresentar disponibilidade de horário não coincidente com as atividades acadêmicas para dedicação ao programa. III. Apresentar desempenho acadêmico igual ou superior a 70%. IV. Estar adimplente com suas obrigações financeiras junto à Instituição. V. O aluno que tiver FIES, só poderá participar do processo seletivo se não tiver assinado o termo de aditamento. Art. 16º - É vedada a participação de novos alunos bolsistas em projeto que já contemple aluno nessa condição. único: - Após a conclusão de um projeto, o aluno poderá participar novamente do Programa de Iniciação Científica inscrevendo-se em novos projetos. CAPÍTULO VIII DAS ATRIBUIÇÕES DOS PARTICIPANTES Art. 17º São atribuições do docente pesquisador: I. Selecionar alunos bolsistas e voluntários para os projetos; II. Elaborar o Plano de Pesquisa Cientifica para a execução do projeto e submetê-lo à Comissão de Iniciação Científica para aprovação. III. Elaborar os relatórios das pesquisas científicas realizadas e entregar à Coordenação do Programa. IV. Participar das atividades mencionadas no Plano de Pesquisa Científica aprovado pela Comissão de Iniciação Científica. V. Supervisionar e orientar as atividades desenvolvidas pelo aluno, zelando pelo seu rendimento. VI. Produzir um artigo científico temático que deverá ser entregue como parte integrante dos relatórios finais para publicação em via eletrônica.

8 VII. Comunicar à coordenação do Programa de Iniciação Científica qualquer fato, sugestão ou irregularidade, relacionada com as atividades dos alunos participantes do programa de Iniciação Científica; VIII. Recomendar a participação do aluno em eventos científicos internos e externos, e nas atividades para divulgação. IX. Cumprir todas as etapas do Plano de Pesquisa Científica aprovado pela Comissão de Iniciação Científica. X. Responsabilizar-se pelos recursos financeiros e materiais que forem disponibilizados para o projeto. XI. Comprometer-se com a conclusão do projeto e considerar que a produção de pesquisa científica é de propriedade da Instituição. XII. Atender convocação da Coordenação do Programa e/ou Comissão de Iniciação Científica sempre que necessário. Art. 18º São atribuições do aluno bolsista: I. Cumprir o Regulamento do Programa e as atividades propostas pelo docente II. III. IV. pesquisador. Cumprir carga horária total de 20 (vinte) horas semanais, conforme acordado com o docente pesquisador. Comparecer aos encontros do grupo de Pesquisa ou de estudo no horário previamente estipulado pelo docente pesquisador. Apresentar sua pesquisa durante a realização da Mostra de Iniciação Científica ou outros eventos determinados pelo Coordenador do Programa. V. Comprometer-se com a elaboração do projeto de pesquisa científica do qual é VI. VII. integrante. Inscrever o projeto no programa de acordo com orientações previstas em Edital. Apresentar semestralmente ou quando solicitado, relatório parcial com o registro das atividades desenvolvidas no período, devidamente assinado pelo docente pesquisador.

9 VIII. Elaborar e apresentar ao término do projeto de pesquisa o relatório final com as atividades executadas. IX. Participar de eventos científicos e de divulgação da pesquisa quando solicitado pelo docente pesquisador ou pela Comissão de Iniciação Científica. X. Atender convocação da Coordenação do Programa e/ou Comissão de Iniciação Científica sempre que necessário. Art. 19º - Os docentes e discentes voluntários e/ou bolsistas deverão seguir todas as determinações e normas pertinentes a este regulamento. Art. 20º A substituição do discente bolsista poderá ser efetuada em qualquer mês desde que a nova indicação não seja feita em prazo superior a quatro meses para o término previsto da pesquisa. 1º - O desligamento do aluno bolsista do projeto dar-se-á mediante justificativa encaminhada à Comissão de Iniciação Científica, acompanhada de relatório parcial de pesquisa. 2º - O desligamento do aluno bolsista poderá ocorrer por iniciativa própria ou por meio de solicitação do docente pesquisador. 3º - Para ambos os casos citados no Art. 20 será necessária a apresentação formal dos motivos que levaram ao desligamento. 4º - O desligamento do aluno bolsista e/ou docente pesquisador implicará na entrega de toda a produção de pesquisa realizada ate a data do desligamento, bem como do relatório parcial e formulários preenchidos e assinados e das informações institucionais em andamento, quando houver.

10 CAPÍTULO IX DAS BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 21º Os recursos para execução do Programa de Iniciação Científica serão oriundos do orçamento destinado pela Faculdade de Tecnologia SENAC Minas Unidade Belo Horizonte. Art. 22º Os alunos e docentes que atuarem nos projetos aprovados e classificados receberão bolsas mensais por um período de 8(oito) meses, cujos valores serão definidos em edital específico. 1º - Não é permitida a acumulação de bolsa de Iniciação Científica com qualquer outra concedida pela Faculdade de Tecnologia SENAC Minas Unidade Belo Horizonte. 2º - Os projetos integrantes do Programa de Iniciação Científica poderão receber recursos de outras fontes, por meio de convênios, apoios ou financiamentos. 3º- Na condição de bolsista, o aluno só poderá participar de no máximo três edições do programa. CAPÍTULO X DAS INSCRIÇÕES DE PROJETOS Art.23º As propostas de projetos de Iniciação Científica deverão ser encaminhadas à Coordenação do Programa de Iniciação Científica quando da abertura de processo de seleção, que ocorrerá anualmente com ampla divulgação junto aos discentes e docentes da Instituição.

11 Art. 24º Os editais serão publicados pela Coordenação do Programa de Iniciação Científica de acordo com o calendário institucional e deverão incluir informações detalhadas de procedimentos específicos da seleção, bem como o número e o valor das bolsas ofertadas. Único - O edital do Programa de Iniciação Científica contempla as linhas de pesquisa sugeridas pela Comissão de Iniciação Científica. Art. 25º Os documentos necessários à inscrição incluem: I. Formulário de inscrição, integrante de cada edital II. Currículo Lattes do(s) docente(s) pesquisador(es) III. Currículo e Histórico do(s) aluno(s) candidato(s) Art. 26º Serão automaticamente aceitos no Programa de Iniciação Científica os projetos previamente aprovados pelos órgãos de fomento à pesquisa, desde que devidamente conveniados com a Faculdade de Tecnologia SENAC Minas Unidade Belo Horizonte. CAPÍTULO XI DAS AVALIAÇÕES DOS PROJETOS Art. 27º A seleção dos projetos será feita anualmente, cabendo à Comissão de Iniciação Científica a definição dos projetos aprovados para execução. Único - Os critérios de avaliação dos projetos serão definidos e divulgados pela Coordenação do Programa de Iniciação Científica em cada edital publicado.

12 CAPÍTULO XII DOS RESULTADOS DOS PROJETOS Art. 28º - Todas as pesquisas realizadas no Programa de Iniciação Científica devem resultar em pelo menos 1(um) artigo produzido em conjunto pelo(s) docente(s) pesquisador(es) e pelo(s) aluno(s) envolvido(s) no projeto. Art. 29º Os artigos serão submetidos à Comissão de Iniciação Científica que poderá indicar sugestões, recomendações ou solicitações de adequações ao texto para viabilizar sua publicação. Art. 30º - Após aprovação pela Comissão de Iniciação Científica os artigos oriundos do Programa de Iniciação Científica serão encaminhados para publicações na Revista Acadêmica editada e publicada pelo SENAC Minas e/ou outros veículos. CAPÍTULO XIII DAS PENALIDADES Art. 31º Os participantes do programa obrigam-se a cumprir todos os requisitos e obrigações presentes neste regulamento sob pena de serem desligados do programa, além de estarem sujeitos às demais sanções passíveis de aplicação, previstas no Regimento Geral da Faculdade de Tecnologia SENAC Minas Unidade Belo Horizonte.

13 CAPÍTULO XIV DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS Art. 32º Revogadas as disposições em contrário, estas diretrizes e normas passam a vigorar a partir de sua aprovação. Art. 33º Os casos omissos serão submetidos para apreciação pelo Conselho Superior da Faculdade de Tecnologia SENAC Minas Unidade Belo Horizonte. Belo Horizonte, 26 de março de 2014.

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Artigo 1º - O Programa de Iniciação Científica - PIC tem por finalidade despertar o interesse e incentivar vocações

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I DO PROGRAMA O Programa de Iniciação Científica visa ser um espaço-tempo de inserção do estudante de graduação em atividades de pesquisa científica

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA

EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE BRASILEIRA MULTIVIX-Vitória,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC / UNIPAR)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC / UNIPAR) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC / UNIPAR) Agosto/2006 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/UNIPAR Artigo 1º - Artigo 2º - O Programa de Iniciação Científica (PIC/UNIPAR)

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FAINTVISA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FAINTVISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FAINTVISA Vitória de Santo Antão 2012 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PIC/FAINTVISA

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACAR CURSO DE ENFERMAGEM (PIC)

REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACAR CURSO DE ENFERMAGEM (PIC) REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACAR CURSO DE ENFERMAGEM (PIC) CAPÍTULO FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º - As normas que seguem visam orientar os docentes e discentes do curso de Enfermagem

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 O Programa Institucional de Bolsas e Auxílios

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR CAPÍTULO FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º - As normas que seguem visam orientar a comunidade acadêmica quanto aos procedimentos que devem ser observados

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC -

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO PARA OS PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAMEC CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS Art. 1 o. O Centro Universitário FIEO manterá o Programa de Iniciação Científica (PIC), oferecido

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

COMISSÃO DE PESQUISA FACULDADE REDENTOR EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

COMISSÃO DE PESQUISA FACULDADE REDENTOR EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Iniciação Científica COMISSÃO DE PESQUISA FACULDADE REDENTOR EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Pelo presente edital ficam estabelecidos os critérios e as vagas relativas ao processo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ENSINO MÉDIO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ENSINO MÉDIO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ENSINO MÉDIO CAPÍTULO I DA NATUREZA DO PROGRAMA Art. 1º O Programa

Leia mais

Regulamento do Programa de Iniciação Científica Estácio FAMAP CAPÍTULO III. Da Natureza e Finalidades

Regulamento do Programa de Iniciação Científica Estácio FAMAP CAPÍTULO III. Da Natureza e Finalidades Regulamento do Programa de Iniciação Científica Estácio FAMAP CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidades Art. 1º. A iniciação científica é um instrumento que introduz o estudante de graduação com potencial promissor

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA FATEC GUARATINGUETÁ

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA FATEC GUARATINGUETÁ PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA FATEC GUARATINGUETÁ Elaboração: Prof. Me. Herlandí de Souza Andrade Verificação/Revisão: Prof. Me. Daniel Faria Chaim Coordenador do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos

Leia mais

EDITAL Nº 004/2014 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 004/2014 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 004/2014 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA Chamada para seleção de Projetos para o Edital de Pesquisa e Iniciação Científica da Faculdade Capixaba de Nova Venécia. A Professora

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1 - As normas que seguem visam orientar pesquisadores e bolsistas vinculados a projetos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPE Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPE Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO - NUPE Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF 2013 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA ESTRUTURA E OBJETIVOS...02 CAPÍTULO II - DO COORDENADOR DE PESQUISA E TRABALHO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA UNIBAN BRASIL

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA UNIBAN BRASIL REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA UNIBAN BRASIL Artigo 1º. O Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica da UNIBAN Brasil tem por objetivo,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF EDITAL DE CHAMADA 01/2015 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CURSOS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS, GESTÃO COMERCIAL, GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, MARKETING E ANÁLISE

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA BELÉM PARÁ 1 2015 O Programa de Iniciação Científica da Faculdade Estácio de Belém, doravante denominada Estácio

Leia mais

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar a apresentação, tramitação, aprovação, execução,

Leia mais

1. PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAEC

1. PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAEC 1. PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAEC 1.1 Definição de Iniciação Científica A iniciação cientifica é uma atividade acadêmica que permite introduzir os discentes de graduação na pesquisa cientifica.

Leia mais

Resolução nº 018, de 03 de março de 2015.

Resolução nº 018, de 03 de março de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Conselho Superior Resolução nº 018, de 03 de março de 2015. A Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

EDITAL nº 09/15 PROGRAMA DE BOLSAS DE SUSTENTABILIDADE/RESPONSABILIDADE SOCIAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ 2015.

EDITAL nº 09/15 PROGRAMA DE BOLSAS DE SUSTENTABILIDADE/RESPONSABILIDADE SOCIAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ 2015. EDITAL nº 09/15 PROGRAMA DE BOLSAS DE SUSTENTABILIDADE/RESPONSABILIDADE SOCIAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ 2015. A REITORA do Centro Universitário Estácio do Ceará, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 18 de junho de 2015, Processo 016/2015

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº.03/2008

RESOLUÇÃO Nº.03/2008 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.03/2008 Dispõe sobre o Regulamento do Programa de Iniciação Científica. O Conselho

Leia mais

CAMPUS XANXERÊ CHAMADA PÚBLICA

CAMPUS XANXERÊ CHAMADA PÚBLICA EDITAL N º 26 /PROPPI/2015 CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO PERÍODO DE EXECUÇÃO: JULHO A DEZEMBRO/2015

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL N º 13 /PRPPGI/2015 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS COM FINALIDADE DIDÁTICO- PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO EXECUÇÃO: MAIO A NOVEMBRO DE 2015. A Reitora

Leia mais

ITPA C P O R TO. Coppex. Coordenação de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão

ITPA C P O R TO. Coppex. Coordenação de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão Coppex ITPA C P O R TO Coordenação de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PROBEX NORMAS E POLÍTICAS DE FOMENTO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - O presente

Leia mais

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU Título I Do objeto Art. 1º. A Agência Experimental é um laboratório vinculado ao Curso de Comunicação Social - com habilitação

Leia mais

EDITAL N 003/2015. 2.1 Para a realização da presente seleção obedecer-se-á ao seguinte cronograma:

EDITAL N 003/2015. 2.1 Para a realização da presente seleção obedecer-se-á ao seguinte cronograma: EDITAL N 003/2015 CHAMADA PARA PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA E DE INOVAÇÃO - PROBIT/FAPERGS/FACSENAI 2015 A Diretora da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO DE GRADUAÇÃO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 18 de junho de 2015, Processo

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROIC EDITAL PROIC VOLUNTARIO 2014-2015

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROIC EDITAL PROIC VOLUNTARIO 2014-2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROIC EDITAL PROIC VOLUNTARIO 2014-2015 A Coordenação de Pesquisa convida professores orientadores com títulos de especialista, mestre ou doutor e estudantes de graduação

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2014

CHAMADA PÚBLICA 2014 EDITAL N º 34/PROPPI/2014 CÂMPUS URUPEMA CHAMADA PÚBLICA 2014 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO CÂMPUS URUPEMA EXECUÇÃO:

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é exigência obrigatória para integralização curricular

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA Título I Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos Art. 1 - A COORDENAÇÃO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - CPPE é o órgão

Leia mais

LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA BOLSA PIBIC E BOLSA INSTITUCIONAL PROCESSO SELETIVO 2015-2016

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da FEFISO destina-se

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº 32/2009, DE 21 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPPGE DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

EDITAL PICD 2014/2015 PROGRAMA INTERDISCIPLINAR DE CAPACITAÇÃO DISCENTE PICD REDE DOCTUM DE ENSINO

EDITAL PICD 2014/2015 PROGRAMA INTERDISCIPLINAR DE CAPACITAÇÃO DISCENTE PICD REDE DOCTUM DE ENSINO EDITAL PICD 2014/2015 PROGRAMA INTERDISCIPLINAR DE CAPACITAÇÃO DISCENTE PICD REDE DOCTUM DE ENSINO Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação Dra. Maria Renata Prado A Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 700/2009 Publicada no D.O.E. de 07-07-2009, p.16 Altera a Resolução nº 507/07 CONSU, que aprova o Regulamento de Monitorias

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO:

R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO: R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 9/11/2009. Aprova novo Regulamento do Programa Monitoria para os Cursos

Leia mais

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL INICIAÇÃO CIENTÍFICA/2015-2016 Programa de Iniciação Científica PROIC/NILTON LINS A Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade NILTON LINS, por meio da Coordenação de Iniciação Científica,

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

EDITAL N. 001/2015 PROJETO DE PESQUISA PIBIC/PIBITI/CNPQ/UNISALESIANO 2015/2016

EDITAL N. 001/2015 PROJETO DE PESQUISA PIBIC/PIBITI/CNPQ/UNISALESIANO 2015/2016 EDITAL N. 001/2015 PROJETO DE PESQUISA PIBIC/PIBITI/CNPQ/UNISALESIANO 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária, no uso de suas atribuições legais, torna público o presente edital

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL PROIC BOLSA 1º/2012

COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL PROIC BOLSA 1º/2012 FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE - ICS FACULDADE DE SAÚDE IBITURUNA FASI COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROIC EDITAL PROIC BOLSA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 25/11-CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 25/11-CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 25/11-CEPE Fixa normas para execução do Programa Bolsa Extensão da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO da Universidade Federal do Paraná, órgão normativo,

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da Universidade Nove de Julho UNINOVE destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC PIC - UNIG Capítulo I Das Finalidades Art. 1º A iniciação científica é uma atividade oferecida

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC PIC - UNIG Capítulo I Das Finalidades Art. 1º A iniciação científica é uma atividade oferecida REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC PIC - UNIG Capítulo I Das Finalidades Art. 1º A iniciação científica é uma atividade oferecida com intuito de estimular vocação e identificar talentos

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE

CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE RESOLUÇÃO CONSUP Nº 010/2005 PAULO AFONSO-BA Setembro de 2015 1 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

EDITAL 002 2014/2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC REDE DOCTUM DE ENSINO

EDITAL 002 2014/2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC REDE DOCTUM DE ENSINO EDITAL 002 2014/2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC REDE DOCTUM DE ENSINO Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação Dra. Maria Renata Prado Iniciação Científica é uma atividade acadêmica que possibilita

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA REGULAMENTO DO PROGRAMA UNISC DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PUIC e PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E INOVAÇÃO

Leia mais

Universidade de Brasília Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade de Brasília Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação RESOLUÇÃO DO DECANATO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO N. 4/2006 Regulamenta o Programa de Iniciação Científica da Universidade de Brasília. O Decano de Pesquisa e Pós-Graduação, no uso das atribuições que

Leia mais

Título I. Da Monitoria

Título I. Da Monitoria MONITORIA O programa de monitoria tem como objetivo dar oportunidade de aprimoramento na formação do aluno e ainda despertar a valorização do ensino aprendizado de sua prática bem como estimular a seguir

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA

COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 002/2013 DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O CURSO DE ODONTOLOGIA A Magnífica Senhora Reitora do CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015 CANDIDATURA DE PROFESSORES ORIENTADORES

EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015 CANDIDATURA DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EXERCÍCIO 2015 CANDIDATURA DE PROFESSORES ORIENTADORES A Direção Geral da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA abre inscrições para os docentes desta

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Programa Unificado de Bolsas de Estudo para Estudantes de Graduação EDITAL 2015-2016

Programa Unificado de Bolsas de Estudo para Estudantes de Graduação EDITAL 2015-2016 EDITAL 2015-2016 PROGRAMA UNIFICADO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DISPÕE SOBRE O EDITAL DO PROGRAMA UNIFICADO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS Art. 1º. O Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, doravante

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016 O Comitê Institucional de Iniciação Científica do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo, torna

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL N º 10/PROPPI/2015 Retificado CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO Câmpus SÃO MIGUEL DO OESTE

Leia mais

Edital PROGRAD nº 29, de 10 de julho de 2015. Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2016)

Edital PROGRAD nº 29, de 10 de julho de 2015. Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2016) Edital PROGRAD nº 29, de 10 de julho de 2015 Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2016) Com base na Resolução 35/2011 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que estabelece as Normas

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica da UFABC (doravante,

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL PROIC VOLUNTARIO 1º/2012

COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL PROIC VOLUNTARIO 1º/2012 FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE - ICS FACULDADE DE SAÚDE IBITURUNA FASI COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROIC EDITAL PROIC VOLUNTARIO

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - FAINTVISA NÚCLEO DE PESQUISA - NUPEQ EDITAL Nº 01/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - FAINTVISA NÚCLEO DE PESQUISA - NUPEQ EDITAL Nº 01/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - FAINTVISA NÚCLEO DE PESQUISA - NUPEQ EDITAL Nº 01/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1 - APRESENTAÇÃO As Faculdades Integradas da Vitória

Leia mais

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU RESOLUÇÃO Nº 928/2012 - Aprova o Regulamento do Programa de Bolsas de Extensão (PROBEX). Pró-Reitoria de Extensão (PROEX). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no

Leia mais

Iniciação Científica - Ações afirmativas - UNESP Edital 15/ 2015 PROPe

Iniciação Científica - Ações afirmativas - UNESP Edital 15/ 2015 PROPe Iniciação Científica - Ações afirmativas - UNESP Edital 15/ 2015 PROPe 1 INTRODUÇÃO A avaliação das principais ações afirmativas da UNESP tem sido altamente positiva e mostra a preocupação da universidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FB

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Barretos 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 1. GERAL O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA da é uma política

Leia mais

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS. CAPÍTULO I Dos objetivos

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS. CAPÍTULO I Dos objetivos FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS CAPÍTULO I Dos objetivos Art.1º Adotar e estimular a Monitoria Acadêmica, que será desenvolvida em conformidade com o regulamento abaixo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. Aprova o Regulamento do Programa Casulo Sócio-Tecnológico de Apoio e Desenvolvimento em Gestão Social, Inovação e sustentabilidade. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS REGULAMENTO DE BOLSA DE EXTENSÃO COM FINANCIAMENTO EXTERNO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS REGULAMENTO DE BOLSA DE EXTENSÃO COM FINANCIAMENTO EXTERNO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E RELAÇÕES COMUNITÁRIAS REGULAMENTO DE BOLSA DE EXTENSÃO COM FINANCIAMENTO EXTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA DA BOLSA Art. 1º A Bolsa de Extensão

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE:

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE: CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº. 48, de 15 de fevereiro de 2013. Revoga a Resolução nº 6, de 05 de dezembro de 2007 que implantou a Monitoria na Faculdade e aprova o Regulamento da Monitoria na Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA O Programa de Pós-Graduação em Odontologia PPGODONTO, nível de Mestrado,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA - UniFOA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE EXTENSÃO PIBEx REGULAMENTO O Presidente do CONSUN e CONSEPE do Centro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS A iniciação científica é um instrumento de formação que permite introduzir na pesquisa científica os acadêmicos de graduação, colocando-os em contato

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014

EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC-IF EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO INSTITUTO FLORESTAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO

Leia mais