AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS. Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77"

Transcrição

1 AULA 5 DESENHANDO ESCADAS E RAMPAS Livro Didático - DA2 Pag 71 a 77

2 ESCADA Referência desenho: Material didático - aula escada. Autor desconhecido.

3 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Equipamentos de construção: Tipos de escadas: Reta Santos Dumont Sotão

4 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Equipamentos de construção: Tipos de escadas: Caracol Semi-circular Circular

5 Figura: Escada Circular - Guartel Polícia Militar Borges de Melo Foto: Clélia Monasterio

6 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Componentes da escada Referência desenho: Material didático - aula escada. Autor desconhecido.

7 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Escada - Degrau Uma sequência de três degraus ou mais é considerada escada. A Seta sinaliza a direção ao degrau mais alto da escada ou da rampa.

8 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: OBS: REPRESENTAÇÃO DE LAJES E PAREDES EM CORTE: São representadas de acordo com suas espessuras e com simbologia relacionada ao material que as constitui. Paredes de alvenaria são normalmente desenhadas com 25cm ou 15cm, contudo, estas podem variar conforme a intenção e necessidade arquitetônica. PAREDES EM CORTE ESCADA EM CORTE LAJES EM CORTE

9 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: Indicação de Nível: Nível Nível em vista: em vista/corte: Nível em planta: Nível em planta: OBS1: O nível tem sempre uma referência, dependendo de sua posição pode ser (+) positivo ou (-) negativo. OBS2: O diâmetro do circulo-representação em planta, pode ser adotado para o triângulo-representação em corte.

10 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Escada - Degrau Uma sequência de três degraus ou mais é considerada escada.

11 Representação de projetos NBR e Acessibilidade NBR : REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Equipamentos de construção: Escada - Degrau Obs 1: As escadas externas deverão ter espelho com 0,15 m de altura. Obs 2: Quando houver bocel ou espelho inclinado, a projeção da aresta pode avançar no máximo 1,5 cm sobre o piso abaixo Obs 3: Essas medidas podem variar de acordo com o Código de Obras e de Posturas do Município.

12 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Nas escadas com mais de 19 (dezenove) degraus, será obrigatório intercalar um patamar, com a profundidade mínima igual à largura da escada. As escadas deverão ter as seguintes larguras mínimas úteis: 0,90 m em edifícios residenciais unifamiliares; 1,20 m em edifícios residenciais com até três pavimentos; 1,50 m em edifícios de mais de três pavimentos, destinados a locais de reunião com capacidade de até 150 (cento e cinquenta) pessoas. Em caso de uso secundário ou eventual, será permitida a redução de sua largura até o mínimo de 60 cm (sessenta centímetros). A largura das escadas deve ser estabelecida de acordo com o fluxo de pessoas, conforme ABNT NBR 9077

13 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Escada - Patamares As escadas devem ter no mínimo um patamar a cada 3,20 m de desnível e sempre que houver mudança de direção. Entre os lances da escada devem ser previstos patamares com dimensão longitudinal mínima de 1,20 m. Os patamares situados em mudanças de direção devem ter dimensões iguais à largura da escada. Em construções novas, o primeiro e o último degraus de um lance de escada devem distar no mínimo 0,30 m da área de circulação adjacente

14 Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Equipamentos de construção: Escada:

15 ESCADA FÓRMULA EX: ESPELHO 18,5cm PISO 28,5cm 2x18,5+28,5= X 37+28,5= X 65,5=X ESPELHO 18cm PISO 28cm 2x18+28= X 36+28= X 64=X ESPELHO 17,5cm PISO 27,5cm 2x17,5+27,5= X 35+27,5= X 62,5=X ESPELHO 17cm PISO 27cm 2x17+27= X 34+27= X 61=X

16 ESCADA As escadas e as rampas de uso comum ou coletivo e as escadas de incêndio devem ser dotadas de corrimão e obedecer às exigências contidas nas NBR 9050 e NBR 9077.

17 RAMPA Comparativo entre uma rampa e uma escada. Disponível em: < ensinandodesenho.blogspot.com.br/2012/10/escada-rampa-elevador.html>.

18 RAMPA NBR 9050:2015 / NBR 9077/1993 São consideradas rampas às superfícies de piso com declividade igual ou superior a 5 %. Para garantir que uma rampa seja acessível, são definidos: os limites máximos de inclinação, os desníveis a serem vencidos e o número máximo de segmentos. A inclinação das rampas deve ser calculada conforme a seguinte equação: Ex: Se h=3 m 8% x C = 3m x 100%, C= 300/8 Comprimento = 37,50m Aos 37,50metros somam-se os patamares de, no mínimo,1,2m (cada).

19 Representação de projetos de arquitetura NBR- 9050/2015: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Escada - Rampa As escadas devem ter no mínimo um patamar a cada 3,20 m de desnível e sempre que houver mudança de direção. No início e no término da rampa devem ser previstos patamares com dimensão longitudinal mínima recomendável de 1,50 m, sendo o mínimo admissível 1,20 m, além da área de circulação adjacente

20 Representação de projetos de arquitetura NBR- 9050/2015: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Escada - Rampa As rampas devem ter inclinação de acordo com os limites estabelecidos. Para inclinação entre 6,25 % e 8,33 %, é recomendado criar áreas de descanso nos patamares, a cada 50 m de percurso. Em reformas, quando esgotadas as possibilidades de soluções, podem ser utilizadas inclinações superiores a 8,33 % até 12,5 %

21 Representação de projetos de arquitetura NBR- 9050/2015: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS : Escada - Rampa Para rampas em curva, a inclinação máxima admissível é de 8,33 % (1:12) e o raio mínimo de 3,00 m, medido no perímetro interno à curva, A inclinação transversal não pode exceder 2 % em rampas internas e 3 % em rampas externas. A largura das rampas (L) deve ser estabelecida de acordo com o fluxo de pessoas. A largura livre mínima recomendável para as rampas em rotas acessíveis é de 1,50 m, sendo o mínimo admissível de 1,20 m.

22

23 DESENHO DE ARQUITETURA 2 - EXERCÍCIO 1 ESCADA CALCULANDO OS DEGRAUS Desenhe uma escada (circulação vertical), que leva da sala ao mezanino de uma casa. Para calcular a escada em U, parta dos dados a seguir: Pé direito = 3.00m Laje = 15cm 1º - Sabendo a altura a alcançar, calcule a quantidade de espelhos; 2º - opte pela altura dos espelhos obedecendo a formula dada; 3º - defina o tamanho do piso; 4º - inicie o desenho da planta considerando 1(um) patamar; 5º - A seguir construa uma vista lateral desta escada, utilizando a tecnica de divisão de segmentos. -Desenhar em Formato A3 - Escala 1/25.

24 DESENHO DE ARQUITETURA 2 - EXERCÍCIO 2 ESCADA LEVANTAMENTO E REPRESENTAÇÃO DE ESCADA EXISTENTE Escolha uma escada qualquer e realize seu levantamento, analisea, verificando se as medidas adotadas cumprem as regras de conforto estudada (2E+P=X, onde 60 X 65). Represente a escada em suas vistas superior e frontal. Dados necessários: Altura do Pé direito =? Espessura da Laje =? Altura dos espelhos =? Profundidade dos pisos =? Fotografe a escada do levantamento e desenhe em Formato A3 - Escala 1/25.

25 LEMBRETE O USO DOS ESQUADROS: Os esquadros são usados para traçar retas perpendiculares, paralelas e retas em ângulos definidos. Por exemplo: Traçar retas ligando dois pontos quaisquer; Traçar retas verticais com o auxílio de régua paralela; Traçar retas com ângulos definidos com o auxílio da régua paralela ou com outro esquadro; Traçar retas perpendiculares em qualquer direção; Traçar retas paralelas em qualquer direção;

26 Lembrando Divisão de segmentos

27 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

28 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

29 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

30 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

31 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

32 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

33 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

34 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

35 5 PARTES IGUAIS 5 PARTES IGUAIS 10 PARTES IGUAIS

36 EXEMPLO 1 - PLANTA: EM PRANCHA A3

37 EM PRANCHA A2

38 EXEMPLO 1 - CORTE: EM PRANCHA A3

39 Escada RETA Laje Pé direito 3,15/18,5=17 Pé direito + Laje=3,15 3,15 dividido por degrus com 18,5 de espelho= 17 espelhos A altura a alcançar, dividida pelo espelho desejado dará o número de espelhos Altura a alcançar, dividida geometricamente pelo número de espelhos Pisos escolhidos, desenhar contorno dos degraus a cada altura de espelho

40 Escada com 2 lances ,15/0,175=18 3,15/0,175=18 ADOTANDO PISO 28cm A altura a alcançar, dividida pelo espelho desejado dará o número de espelhos Altura a alcançar, dividida geometricamente pelo número de espelhos Pisos escolhidos, desenhar contorno dos degraus a cada altura de espelho

41 .10 Escada com 2 lances ADOTANDO PISO 28cm ADOTANDO PISO 28cm.10 A altura a alcançar, dividida pelo espelho desejado dará o número de espelhos

42 Escada com 2 lances Finalizar desenho com simbologias, níveis, corte, setas, números, e materiais ADOTANDO PISO 28cm ADOTANDO PISO 28cm

43 3 CORTE ESCADA ESCALA:. 1:25 Escada com 2 lances Atenção para representação de planta. A mesma escada terá representação diferenciada, dependendo do pavimento em planta baixa. Cada desenho será de acordo com sua disposição em planta PLANTA ESCADA-TERREO ESCALA:. 1:25 2 PLANTA ESCADA-SUPERIOR ESCALA:. 1:25

44 Escada de caracol ou Helicoidal Degraus que são ligados e apoiados ao seu centro Eixo é quase sempre vertical; Degraus dispostos em espiral ao longo do eixo.

45 Escada Helicoidal 3,15/0,18=17 A altura a alcançar, dividida pelo espelho desejado dará o número de espelhos Altura a alcançar, dividida geometricamente pelo número de espelhos

46 Escada Helicoidal Círculo dividido em número de pisos. Lembrando que o número de pisos é menor que o número de espelhos. 3,15/0,18=17 Levantar os degraus na altura de cada espelho

47 Escada Helicoidal Circulo dividido em número de pisos. Lembrando que o número de pisos é menor que o número de espelhos ,15/17 espelhos=0,185 Levantar os degraus na altura de cada espelho

48 Escada Helicoidal Desenhe os montantes do corrimão e levante linhas auxiliares para encontrar as vistas do mesmo Inicie dos degraus mais baixos e acompanhe sua evolução crescente

49 Escada Helicoidal Considere a altura do corrimão entre 80cm e 100cm, ligando os montantes em sequência numérica Este corrimão tem 90cm de altura

50 Escada Helicoidal Considere a altura do corrimão entre 80cm e 100cm, ligando os montantes em sequência numérica. Este corrimão tem 90cm de altura.

51 Escada Helicoidal Considere a altura do corrimão entre 80cm e 100cm, ligando os montantes em sequência numérica. Este corrimão tem 90cm de altura VISTA ESCADA ESCALA:. 1:25 2 VISTA ESCADA ESCALA:. 1:25

52 Escada Helicoidal PLANTA ESCADA-TERREO 1 ESCALA:. 1: PLANTA ESCADA-SUPERIOR 1 ESCALA:. 1:25 Atenção para diferenças entre as plantas da escada que devem variar de acordo com o pavimento a ser representado. Considerando o corte horizontal da planta a 1,50m.

53 Escada Helicoidal Atenção para representação de planta VISTA ESCADA ESCALA:. 1:25 A mesma escada terá representação diferenciada, dependendo do pavimento em planta baixa. Cada desenho será de acordo com sua disposição em planta PLANTA ESCADA-SUPERIOR ESCALA:. 1: PLANTA ESCADA-TERREO ESCALA:. 1: VISTA ESCADA ESCALA:. 1: PLANTA ESCADA-SUPERIOR ESCALA:. 1: PLANTA ESCADA-TERREO ESCALA:. 1:25 1

54 Escada de CIRCULAR Degraus não são ligados ao eixo central. Eixo central livre; Degraus apoiados à viga helicoidal;

55

56 DESENHO DE ARQUITETURA 2 - EXERCÍCIO 8 ESCADA DESAFIO-OPCIONAL (PONTO SUBSTITUTIVO) Realize desenho de uma escada helicoidal circular, com raio interno de 0,80m. Degrau 1,0m. Plantas 1º e 2º pavimento. - Representar: As plantas baixas e vista frontal Pé direito = 3.00m Laje = 15cm -Desenhar em Formato A3 - Escala 1/25.

57 POLÍGONOS: E A B F D C ENEÁGONO (9 lados) REGULAR

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes: Em todo e qualquer projeto arquitetônico,

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico fonte: PANERO, Julius; ZELNIK, Martin. Las Dimensiones en los Espacios Interiores. Mexico: Gustavo Gili, 1996 [1979]. Pg

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Conceitos Básicos de Desenho Técnico: exemplos e prática das Aulas 02 e 03 Esta aula tem por objetivos exercitar e aprimorar: Conhecimento de escalas numéricas;

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08 Curso Técnico Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras Normas Regulamentadoras Módulo 6 NR 08 Norma Regulamentadoras 8 (Edificações) Esta Norma Regulamentadora -NR estabelece requisitos técnicos mínimos

Leia mais

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I Circulações Verticais São meios não mecânicos e mecânicos que permitem a ligação entre planos de níveis

Leia mais

Código da Disciplina CCE0985. Aula 2 DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1.

Código da Disciplina CCE0985. Aula 2 DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1. DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1 Código da Disciplina CCE0985 Aula 2 e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ 5.00.70 1.00 1.00 1.00 1.00 1.00 1.50 LEGENDA DA DISCIPLINA:

Leia mais

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE ESTRUTURAS ESCADAS E RAMPAS Definição de Escada Série de degraus para subiredescer Dicionário Aurélio Construção formada por uma série de degraus, destinadas a ligar locais com diferenças de

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4.1 Escada com vãos paralelos O tipo mais usual de escada em concreto armado tem como elemento resistente uma laje armada em uma só direção (longitudinalmente),

Leia mais

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET0043 - Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 4 : Planta Baixa Planta Baixa: A planta baixa é a

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

Material de aula. Régua Compasso Par de esquadros (30 e 45 ) Borracha Lápis ou lapiseira Papel sulfite ou caderno de desenho

Material de aula. Régua Compasso Par de esquadros (30 e 45 ) Borracha Lápis ou lapiseira Papel sulfite ou caderno de desenho Desenho Técnico Material de aula Régua Compasso Par de esquadros (30 e 45 ) Borracha Lápis ou lapiseira Papel sulfite ou caderno de desenho Geometria Conversão de unidades Polígonos e sólidos Escala Desenho

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.896 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. 153) Altera a Norma Regulamentadora n.º 31. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO

Leia mais

Numa circunferência está inscrito um triângulo equilátero cujo apótema mede 3cm. A medida do diâmetro dessa circunferência é:

Numa circunferência está inscrito um triângulo equilátero cujo apótema mede 3cm. A medida do diâmetro dessa circunferência é: EXERCÍCIO COMPLEMENTARES - MATEMÁTICA - 9º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL - 3ª ETAPA ============================================================================================== 01- Assunto: Função Polinomial

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia Representação Desenho Arquitetônico Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia OS ELEMENTOS DO DESENHO ARQUITETÔNICO Os desenhos básicos que compõem um projeto de arquitetura, a partir de projeções ortogonais,

Leia mais

PROJETO DE ESCADAS. As escadas são compostas dos seguintes elementos

PROJETO DE ESCADAS. As escadas são compostas dos seguintes elementos Escadas Cálculo de Escadas! Amigos, o cálculo de escadas gera muitas dúvidas em todos os profissionais. Entretanto, a partir do momento que entende-se o procedimento de cálculo fica muito fácil e você

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

AULA - 06 GEOMETRIA DO TELHADO

AULA - 06 GEOMETRIA DO TELHADO GEOMETRIA DESCRITIVA Código da Disciplina CCE0887 AULA - 06 GEOMETRIA DO TELHADO e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com GEOMETRIA DESCRITIVA GEOMETRIA DESCRITIVA Um telhado é constituído de duas ou mais faces

Leia mais

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges INTRODUÇÃO O projeto arquitetônico é conjunto de passos normativos,

Leia mais

AULA - 05 GEOMETRIA DO TELHADO

AULA - 05 GEOMETRIA DO TELHADO Código da Disciplina CCE0047 AULA - 05 GEOMETRIA DO TELHADO e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com Um telhado é constituído de duas ou mais faces inclinadas que são conhecidas por "águas". Linhas (retas) principais

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

CIRCULAÇÕES VERTICAIS

CIRCULAÇÕES VERTICAIS CIRCULAÇÕES VERTICAIS CEG219 Desenho arquitetônico II Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG219 DESENHO ARQUITETÔNICO II - Prof. Márcio Carboni 1 CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função

Leia mais

D e s e n h o T é c n i c o

D e s e n h o T é c n i c o AULA 2 VIII. ESCALAS NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do mesmo e as dimensões da peça real que está sendo representada. Assim,

Leia mais

Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos Pearson Education do Brasil. Todos os direitos reservados.

Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos Pearson Education do Brasil. Todos os direitos reservados. Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos slide 1 reservados. Definição e Pré- Requisitos Ler um desenho significa entender a forma espacial do objeto representado O principal pré-requisito para fazer

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2. Código da Disciplina CCE0047 AULA 2 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ CURIOSIDADES DA GEOMETRIA: Subdivisão do retângulo ÁUREO em quadrados e em outros retângulos áureos: Subdivisão do retângulo HARMÔNICO

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial. Módulo I. Aula 07

Desenho e Projeto de tubulação Industrial. Módulo I. Aula 07 Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 07 1. NORMAS DE DESENHO TÉCNICO 1.1. IMPORTÂNCIA DO DESENHO O ensino de desenho nos Cursos de Aprendizagem, não visa formação de desenhistas, mas

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

Desenho Técnico. Escalas e Cotagem. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Escalas e Cotagem. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Escalas e Cotagem Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato ESCALA NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do desenho e as

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

FUVEST 2002

FUVEST 2002 FUVEST 2002 www.aescolaide.com.br FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO FACULDADE DE SÃO PAULO PROVAS DE HABILIDADE ESPECÍFICAS 10 de janeiro de 2002 das 14h às 18h PROVA DE GEOMETRIA Observações gerais

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS

Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS Definição e Pré-Requisitos Ler um desenho significa entender a forma espacial do objeto representado no desenho bidimensional resultante das projeções ortogonais.

Leia mais

APOSTILA I DAC CRIADO POR DÉBORA M. BUENO FRANCO PROFESSORA DE DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR FACULDADE EDUCACIONAL DE ARAUCÁRIA - FACEAR

APOSTILA I DAC CRIADO POR DÉBORA M. BUENO FRANCO PROFESSORA DE DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR FACULDADE EDUCACIONAL DE ARAUCÁRIA - FACEAR APOSTILA I DAC Alunos O material aqui disponibilizado deve ser entendido como material de apoio às aulas de Desenho Assistido por Computador, não substituindo de qualquer forma o conteúdo da disciplina

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho. Desenho Artístico. Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma.

Desenho Técnico. Desenho. Desenho Artístico. Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma. Desenho Técnico Desenho Técnico e CAD Prof. Luiz Antonio do Nascimento Desenho 2/29 Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma. Pode ser: Desenho Artístico

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho. Desenho Artístico. Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma.

Desenho Técnico. Desenho. Desenho Artístico. Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma. Desenho Técnico Desenho Técnico e CAD Prof. Luiz Antonio do Nascimento Desenho 2/29 Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma. Pode ser: Desenho Artístico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA Modelagem Matemática com fotografias PRODUTO DA DISSERTAÇÃO SEQUÊNCIA DIDÁTICA Josy Rocha

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA:

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA: PERSPECTIVA ISOMÉTRICA: Trata-se de uma projeção cilíndrica (paralela), em que o observador supostamente se encontra no infinito. Esta característica particular não permite que perspectiva apresente os

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO 2011-2012 Sólidos Geométricos NOME: Nº TURMA: Polígonos Um polígono é uma figura geométrica plana limitada por uma linha fechada.

Leia mais

Unidade IV. Aula 21.2 Conteúdo: Óptica, Ser humano e Saúde. Espelhos esféricos: Estudo analítico das imagens, equação de Gauss e aplicações.

Unidade IV. Aula 21.2 Conteúdo: Óptica, Ser humano e Saúde. Espelhos esféricos: Estudo analítico das imagens, equação de Gauss e aplicações. CONTEÚDO E HABILIDADES Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 21.2 Conteúdo: Espelhos esféricos: Estudo analítico das imagens, equação de Gauss e aplicações. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES Habilidade: Reconhecer

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: O projeto de uma estrada em perfil é constituído de greides retos, concordados dois a dois por curvas verticais. Os greides retos são definidos

Leia mais

SEGURANÇA COM ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

SEGURANÇA COM ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho SEGURANÇA COM ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho REGRAS DE SEGURANÇA A madeira a ser usada para construção de escadas, rampas

Leia mais

QUESTÕES. 03- Observe a figura a seguir.

QUESTÕES. 03- Observe a figura a seguir. QUESTÕES 01- A fim de construir um jardim na frente de sua escola, o diretor contratou um Arquiteto Paisagista. Após combinarem como seria o referido jardim, concluíram que todas as plantas deveriam ficar

Leia mais

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical Estrada de Rodagem Curvas Concordância Vertical Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (7) 9941-3300 1 Greide O greide consiste na representação do eixo da rodovia segundo o

Leia mais

PARTE 1. 1) Calcule a soma dos catetos do triângulo retângulo da figura, sabendo que AB = 10 e 4 cosx 5

PARTE 1. 1) Calcule a soma dos catetos do triângulo retângulo da figura, sabendo que AB = 10 e 4 cosx 5 ENSINO FUNDAMENTAL 9º ano LISTA DE EXERCÍCIOS PT 3º TRIM PROF. MARCELO DISCIPLINA : MATEMÁTICA PARTE 1 1) Calcule a soma dos catetos do triângulo retângulo da figura, sabendo que AB = 10 e 4 cosx 5 ) Para

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23 Procedimento Página 1 de 23 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa as condições que devem ser obedecidas no projeto e na execução de barreiras de segurança. ABSTRACT This document presents

Leia mais

Pontos correspondentes: A e D, B e E, C e F; Segmentos correspondentes: AB e DE, BC e EF, AC e DF.

Pontos correspondentes: A e D, B e E, C e F; Segmentos correspondentes: AB e DE, BC e EF, AC e DF. Teorema de Tales O Teorema de Tales possui diversas aplicações no cotidiano, que devem ser demonstradas a fim de verificar sua importância. O Teorema diz que retas paralelas, cortadas por transversais,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA. Geometria Descritiva A 10º Ano Artes Visuais Curso Científico - Humanísticos do Ensino Secundário

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA. Geometria Descritiva A 10º Ano Artes Visuais Curso Científico - Humanísticos do Ensino Secundário PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Escola Secundária Campos de Melo Geometria Descritiva A 10º Ano Artes Visuais Curso Científico - Humanísticos do Ensino Secundário Professor: Ana Fidalgo Ano letivo 2011/2012

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES

TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES 2 Cálculo de volume de prismas e sólidos Volume de Prismas Alguns dos cálculos que serão vistos estarão baseados no conceito de volumes de prisma. Considerando dois planos

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo IV Aula 02 Tolerância de forma e posição Símbolos, inscrições e interpretações sobre o desenho (norma ISO R 1101-1969) As tolerâncias de forma

Leia mais

A Geometria nas Provas de Aferição

A Geometria nas Provas de Aferição Escola E.B. 2 e 3 de Sande Ficha de Trabalho de Matemática 6.º Ano A Geometria nas Provas de Aferição Nome: N.º Turma: 1. Assinala com um x a figura em que os triângulos representados são simétricos em

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Desenho Mecânico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Introdução O desenho, para transmitir o comprimento, largura e altura, precisa recorrer a um modo especial de representação gráfica:

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Escadas. Disciplina: ARQUITETURA. Profº.: Fernando Batista

Faculdade Pitágoras. Escadas. Disciplina: ARQUITETURA. Profº.: Fernando Batista Faculdade Pitágoras Disciplina: ARQUITETURA Escadas Profº.: Fernando Batista ESCADAS A circulação vertical tem função de vencer os desníveis em geral e/ou entre pavimentos consecutivos, possibilitando

Leia mais

AULA 01. (B) 577 m. (C) 705 m. (D) 866 m. (E) 1732 m. Dessa forma conclui-se que a largura AB do rio é

AULA 01. (B) 577 m. (C) 705 m. (D) 866 m. (E) 1732 m. Dessa forma conclui-se que a largura AB do rio é AULA 01 O ponto A representa um barco com fiscais do IBAMA, eles emitem um sinal de alerta que é recebido por duas bases de fiscalização, B e C, distantes entre si 70 km. Sabendo que os ângulos AB C e

Leia mais

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial

Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial Instalações Hidráulicas/Sanitárias Água Pluvial INTRODUÇÃO A água da chuva causa danos: à durabilidade das construções; à boa aparência das construções. A água de chuva deve ser coletada e transportada

Leia mais

TESTES PARA O SIMULADO COC

TESTES PARA O SIMULADO COC TESTES PARA O SIMULADO COC 1-) Para obter certo resultado, Rodrigo deverá pensar em um número natural, multiplicá-lo por 2, subtrair 3 do resultado e, finalmente, subtrair o quadrado do número pensado.

Leia mais

01- Assunto: Equação do 2º grau. Se do quadrado de um número real positivo x subtrairmos 4 unidades, vamos obter o número 140. Qual é o número x?

01- Assunto: Equação do 2º grau. Se do quadrado de um número real positivo x subtrairmos 4 unidades, vamos obter o número 140. Qual é o número x? EXERCÍCIO COMPLEMENTARES - MATEMÁTICA - 9º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL - ª ETAPA ============================================================================================== 01- Assunto: Equação do º grau.

Leia mais

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele PL 220 e PL 240 PIONEIRA EM ACESSIBILIDADE NO BRASIL Fundada em 1982, a Montele é pioneira na fabricacão de elevadores e plataformas

Leia mais

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS Como estudado anteriormente, existem diferentes tipos de perspectiva (cônica, cavaleira e isométrica), veja a representação do cubo nas três perspectivas: Cada

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

Atividade: Escalas utilizadas em mapas

Atividade: Escalas utilizadas em mapas Atividade: Escalas utilizadas em mapas I. Introdução: Os mapas são representações gráficas reduzidas de uma determinada região e de grande importância para vários profissionais como engenheiros, geógrafos,

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

DESENHO TÉCNICO ( AULA 02)

DESENHO TÉCNICO ( AULA 02) DESENHO TÉCNICO ( AULA 02) Posições da reta e do plano no espaço A geometria, ramo da Matemática que estuda as figuras geométricas, preocupa-se também com a posição que os objetos ocupam no espaço. A reta

Leia mais

1. Encontre a equação das circunferências abaixo:

1. Encontre a equação das circunferências abaixo: Nome: nº Professor(a): Série: 2ª EM. Turma: Data: / /2013 Nota: Sem limite para crescer Exercícios de Matemática II 2º Ano 2º Trimestre 1. Encontre a equação das circunferências abaixo: 2. Determine o

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS

DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS A circulação vertical tem função de vencer os desníveis em geral e/ou entre pavimentos consecutivos, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. A circulação

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM

Resolução de Questões do ENEM Resolução de Questões do ENEM Aula ao Vivo 1. As torres Puerta de Europa são duas torres inclinadas uma contra a outra, construídas numa avenida de Madri, na Espanha. A inclinação das torres é de 15 com

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ AULA 4 PLANTA BAIXA Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS:

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 11 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO. Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO. Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello ESCALAS - AULA 3 Precisão Gráfica É a menor grandeza

Leia mais

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE.

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. PRIMAVERA DO LESTE-MT ABRIL DE 2014. 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Centro Universitário UNICAPITAL e Faculdades Integradas Paulista FIP Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Calcular Escadas Prof a Suely Midori Aoki Estag. Eriki Masahiko

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

. Calcule a medida do segmento CD. 05. No triângulo retângulo da figura ao lado, BC = 13m

. Calcule a medida do segmento CD. 05. No triângulo retângulo da figura ao lado, BC = 13m 05. No triângulo retângulo da figura ao lado, = 1m, D = 8m e D = 4m. alcule a medida do segmento D. LIST DE EXERÍIOS GEOMETRI PLN PROF. ROGERINHO 1º Ensino Médio Triângulo retângulo, razões trigonométricas,

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Áreas de Figuras Planas Lista 6 Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Áreas de Figuras Planas Lista 6 Professor Marco Costa 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fgv 97) No plano cartesiano, os vértices de um triângulo são A (5,2), B (1,3) e C (8,-4). a) Obtenha a medida da altura do triângulo, que passa por A. b) Calcule a área do triângulo

Leia mais

Tensões no Solo Exercícios

Tensões no Solo Exercícios Tensões no Solo Exercícios 1. Dado o perfil geotécnico abaixo, calcule: a) as tensões devidas ao peso próprio do solo σ e σ e as pressões neutras; ( ) V V b) adotando o valor de k 0 = 0,5 para todas as

Leia mais

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO

PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO PARTE I - SINALIZAÇÃO DE ORIENTAÇÃO E SALVAMENTO Produto Utilização Ref. Cm. Indica o sentido da saída nos locais planos e sem escadas, onde a orientação seja PV10231 seguir à direita a partir do ponto

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO DE ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO 3º ANO

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO DE ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO 3º ANO ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO DE ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO 3º ANO ANO 2015 PROFESSOR (a) DISCIPLINA Bruno Rezende Pereira Matemática ALUNO (a) SÉRIE 3º Ano do Ensino Médio

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

Escalas. O processo de modificação dos tamanhos reais de medidas para outras medidas no desenho é realizado pela aplicação de escalas.

Escalas. O processo de modificação dos tamanhos reais de medidas para outras medidas no desenho é realizado pela aplicação de escalas. Escalas Em desenhos sempre possíveis os detalhes devem ser feitos em tamanho original. Isto é, passar para o desenho as medidas iguais as das peças e objetos que representam. Desta forma os desenhos dão

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

COLÉGIO CARDEALARCOVERDE REDE REDE DIOCESANA DE EDUCAÇÃO

COLÉGIO CARDEALARCOVERDE REDE REDE DIOCESANA DE EDUCAÇÃO Série: 9ºANO Turma: Disciplina: GEOMETRIA Professor: Mozart William EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO II SEMESTRE 1) Num triângulo retângulo, a razão entre as projeções dos catetos sobre a hipotenusa é 16 9. Sabendo

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

P E R S P E C T I V A S

P E R S P E C T I V A S P E R S P E C T I V A S Definição de perspectiva : Ciência da representação gráfica dos objetos com o aspecto visto por nossos olhos. A palavra perspectiva vem do latim - Perspicere (ver através de) e

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO Os desenhos no papel continuam a ter importância, em particular para a fabricação,

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012

Geometria Analítica. Geometria Analítica 28/08/2012 Prof. Luiz Antonio do Nascimento luiz.anascimento@sp.senac.br www.lnascimento.com.br Conjuntos Propriedades das operações de adição e multiplicação: Propriedade comutativa: Adição a + b = b + a Multiplicação

Leia mais