Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz"

Transcrição

1 Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 4 : Planta Baixa

2 Planta Baixa: A planta baixa é a vista superior de um corte feito no pavimento utilizando-se um plano horizontal imaginário. Conforme a NBR 6492 (ABNT, 1994a), o corte deve ser feito a, aproximadamente, 1,50 m do piso do pavimento. Contudo, essa altura pode ser variável para cada projeto de maneira a representar todos os elementos considerados necessários. A porção da edificação acima do plano de corte é eliminada, representando-se o que um observador posicionado a uma distância infinita veria ao olhar de cima a edificação cortada. As escalas utilizadas em plantas baixas são, geralmente, as de 1:50 e 1:100. Recomenda-se que a ordem de execução dos desenhos seja a seguinte: planta baixa, cortes verticais, fachadas, planta de locação, planta de coberta e planta de situação.

3 Em sua apresentação final, a planta baixa deve conter todas as paredes, portas e janelas da edificação. Também devem ser representadas as peças do banheiro, da cozinha e da área de serviço, os pisos impermeabilizados e a projeção do beiral do telhado. Finalmente, devem ser indicados os nomes e as áreas das dependências, as cotas das dimensões das dependências. Planta Baixa:

4 Planta Baixa: A seqüência de desenho dos elementos da planta baixa deve ser bem ordenada, recomendando-se a seguinte ordem para confecção do desenho: 1. Marcar o contorno externo da planta; 2. Delimitar as paredes externas da edificação (espessura usual de 0,15 a 0,25 m); 3. Desenhar as paredes internas (espessura usual de 0,15 m); 4. Representar a posição dos vãos (portas e janelas) e as suas esquadrias. Juntamente com as portas (sempre representadas abertas) deverão aparecer os arcos que demarcam sua abertura; 5. Representar os aparelhos sanitários e os demais equipamentos (fogão, geladeira, pia, tanque, etc.); 6. Representar os pisos impermeabilizados (normalmente de forma quadriculada); 7. Apagar os excessos das linhas traçadas; 8. Representar a projeção dos beirais, marquises e demais elementos que se localizam acima do plano de corte; 9. Acentuar a espessura dos traços; 10. Identificar portas e janelas e representar suas dimensões; 11. Inserir as cotas; 12. Inserir o nome das dependências, sua área e a respectiva cota do piso; 13. Indicar a posição dos cortes verticais e a entrada da edificação (acesso principal). Nos itens 1 a 8, as linhas deverão ser executadas com traço o mais leve possível. A partir do item 9, a espessura das linhas deve estar em conformidade com o tipo de elemento a ser representado.

5 Planta Baixa: Tipo e aplicação de linhas em desenho arquitetônico. Fonte: adaptado de ABNT (1994a). Elemento a representar Tipo de linha Espessura da linha Exemplo Paredes e demais estruturas de alvenaria em corte. Contínua ± 0,6 mm Portas, janelas e demais elementos não estruturais em corte. Contínua ± 0,4 mm Elementos visíveis situados abaixo do plano de corte; Linhas de cota; Arcos de abertura das portas; Linhas de chamada. Contínua ± 0,2 mm Hachuras e quadriculados de pisos impermeabilizados; Linhas auxiliares. Contínua ± 0,1 mm Marcação dos planos de corte. Traço e ponto ± 0,6 mm Beirais e demais elementos situados acima do plano de corte. Traço e dois pontos ± 0,2 mm Elementos invisíveis situados abaixo do plano de corte. Tracejada ± 0,2 mm

6 Ao se projetar as aberturas (portas e janelas) da edificação, deve-se levar em consideração que esses elementos têm a importante função de promover ventilação e iluminação aos ambientes. Para que essa função seja cumprida de forma satisfatória, a área mínima das aberturas de uma determinada dependência deve ser calculada em função da área do piso dessa dependência. Assim, recomenda-se utilizar uma área mínima para as aberturas de: - 15% da área do piso da dependência, quando se tratar de dormitórios ou de salas de estar; - 10% da área do piso da dependência, quando se tratar de cozinhas, copas e lavanderias; - 5% da área do piso da dependência, quando se tratar de banheiros e outras dependências que não necessitem de iluminação natural. Sempre que houver disponibilidade econômica, as aberturas devem ser dimensionadas com a maior área possível. Além disso, quando as aberturas forem direcionadas para áreas cobertas ou varandas, a sua área deve ser maior do que os limites especificados acima. De um modo geral, as aberturas não devem ser projetadas com menos de 0,60 m2 de área. Além disso, nenhuma abertura voltada para a divisa do lote deve ter qualquer de seus pontos situados a menos de 1,50 m da divisa, salvo as aberturas voltadas para o alinhamento dos logradouros. Planta Baixa:

7 3. Área Serviço Cozinha, Lavanderia, etc. Projetos Residenciais Divisão: 2. Área intima Quarto, Suíte, Banheiros, etc. 1. Área Social Sala Estar, TV Jantar, etc. Circulação

8 Seção II Do Dimensionamento Art. 67. As edificações residenciais terão no mínimo: I - 1 (uma) cozinha; II - 1 (um) banheiro; III - 1 (um) quarto; IV - 1 (um) estar. 1º. Para efeito do cálculo do número de pessoas da unidade imobiliária residencial, consideram-se as relações abaixo: I - unidade imobiliária com até 1 (um) dormitório: 2 (duas) pessoas; II - unidade imobiliária com 2 (dois) dormitórios: 4 (quatro) pessoas; III - unidade imobiliária com 3 (três) dormitórios: 5 (cinco) pessoas; IV - unidade imobiliária com mais de 3 (três) dormitórios: 7 (sete) pessoas. 2º. A área útil mínima da unidade imobiliária residencial é de 20,00 m² (vinte metros quadrados).

9 Exemplificação para Dimensionamento Mínimo: Suíte: 3 x 4 m = 12 m2 Dormitório: 3 x 3m = 9 m2 Banho: 2x1,5m = 3 m2 Sala de Jantar: 12 m2 Sala de Estar: 14 m2 Cozinha: 10 m2 Área de Serviço: 4 m2 Garagem: 14 m2 * Levar em consideração dimensionamento dos móveis e espaços de circulação.

10 Dos Vãos e Iluminação e Ventilação Art. 76. Nenhuma abertura de iluminação e ventilação de edificação, poderá distar menos de 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros) das divisas do terreno, medido na perpendicular a qualquer de seus pontos. Art. 81. Os poços de ventilação e iluminação devem atender aos seguintes requisitos: I - ter acesso para possibilitar sua inspeção; II - ter área e largura mínimas, respectivamente, 1,60 m² (um metro e sessenta centímetros quadrados) e 0,80 m (oitenta centímetros). DAS GARAGENS E ESTACIONAMENTOS Art As áreas para vagas de garagens serão fixadas de acordo com as seguintes considerações: I - largura e comprimento mínimos de 2,80 m (dois metros e oitenta centímetros) e 5,00 (cinco metros), respectivamente; II - vias internas com largura mínima de 5,00 m (cinco metros).

11 Fonte: Código de obras do Município de Barreiras

12

13

14

Aula 3 : Desenho Arquitetônico

Aula 3 : Desenho Arquitetônico Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS IADB79 - Desenho Técnico Aplicado à Engenharia Civil Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 3 : Desenho Arquitetônico Introdução:

Leia mais

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico Professora Valéria Peixoto Borges INTRODUÇÃO O projeto arquitetônico é conjunto de passos normativos,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes: Em todo e qualquer projeto arquitetônico,

Leia mais

Código da Disciplina CCE0985. Aula 2 DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1.

Código da Disciplina CCE0985. Aula 2 DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1. DESENHO TECNICO 1 - EXERCÍCIO 1 Código da Disciplina CCE0985 Aula 2 e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ 5.00.70 1.00 1.00 1.00 1.00 1.00 1.50 LEGENDA DA DISCIPLINA:

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 2. Código da Disciplina CCE0047 AULA 2 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ CURIOSIDADES DA GEOMETRIA: Subdivisão do retângulo ÁUREO em quadrados e em outros retângulos áureos: Subdivisão do retângulo HARMÔNICO

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia Representação Desenho Arquitetônico Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia OS ELEMENTOS DO DESENHO ARQUITETÔNICO Os desenhos básicos que compõem um projeto de arquitetura, a partir de projeções ortogonais,

Leia mais

2 Representação Gráfica na Aquitetura

2 Representação Gráfica na Aquitetura 2 Representação Gráfica na Aquitetura 2.1 Traços Os traços de um desenho normatizado devem ser regulares, legíveis (visíveis) e devem possuir constraste umas com as outras. Linha auxiliar Linha fina Linha

Leia mais

Aula 9. Prof. Regis de Castro Ferreira. Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Aula 9. Prof. Regis de Castro Ferreira. Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira rcastro@agro.ufg.br NOÇÕES DE DESENHO ARQUITETÔNICO 1. CONCEITO: (...) a representação de um projeto. Desenho arquitetônico consiste na representação geométrica das diferentes

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico DESENHO ARQUITETÔNICO I O Projeto Arquitetônico O que é um projeto arquitetônico? É uma representação em um plano das projeções de uma edificação. Possui três fases: 1. Fase preliminar - Estudo da viabilidade

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m²

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção horizontal do abrigo.

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial. Módulo I. Aula 07

Desenho e Projeto de tubulação Industrial. Módulo I. Aula 07 Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 07 1. NORMAS DE DESENHO TÉCNICO 1.1. IMPORTÂNCIA DO DESENHO O ensino de desenho nos Cursos de Aprendizagem, não visa formação de desenhistas, mas

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m²

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ENDEREÇO: Rua 580, S/Nº - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO Os desenhos no papel continuam a ter importância, em particular para a fabricação,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.896 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. 153) Altera a Norma Regulamentadora n.º 31. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO

Leia mais

Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto

Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto Para se escolher a estrutura do pavimento-tipo, começa-se por decalcar a planta de alvenaria deste pavimento, desenhando-se no CAD a posição das

Leia mais

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges DEFINIÇÃO Os CORTES são representações de vistas ortográficas

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Desenho Mecânico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Introdução O desenho, para transmitir o comprimento, largura e altura, precisa recorrer a um modo especial de representação gráfica:

Leia mais

Normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho Técnico

Normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho Técnico Governo do Estado do Ceará Secretaria da Educação Básica SEDUC Escola Estadual de Educação Profissional Dr. José Alves da Silveira Normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho

Leia mais

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA LOTE 1 Versão: 003 Vigência: 11/2014

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo I Aula 03 Linhas Para desenhar as projeções usa-se vários tipos de linhas. Vamos descrever algumas delas. Largura das linhas A relação entre as

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO Existe uma bibliografia completa com dimensões médias das necessidades humanas. Um dos autores mais importantes é Ernst Neufert, que fez um estudo detalhado sobre estas dimensões

Leia mais

Normas de Desenho Técnico

Normas de Desenho Técnico Normas de Desenho Técnico Apostila da disciplina de Desenho Técnico Professora: Eneida González Valdés Normas Gerais de Desenho Técnico ABNT. No passado não existia padronização das peças, e, portanto,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Cortes e seções. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Cortes e seções. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Cortes e seções Professor: João Carmo Introdução O recurso ao corte e à seção num desenho se dá, em geral, quando a peça a ser

Leia mais

Memorial Descritivo. Rua Onze de Junho, São Vicente - SP

Memorial Descritivo. Rua Onze de Junho, São Vicente - SP Memorial Descritivo Rua Onze de Junho, 316 - São Vicente - SP GENERALIDADES Edifício Residencial de 11 pavimentos, sendo: Subsolo, Térreo, Mezanino 1, Mezanino 2, Mezanino 3, 1 Tipo, Tipo x 9, Inferior

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO ANEXO X MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DO USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO - BOMSUCESSO 1. Histórico A unidade de Saúde Familiar Cornélia da Conceição do Bairro Bom Sucesso atende cerca de 70 usuários por dia, abrangendo

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02. Aula 03

NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02. Aula 03 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02 Aula 03 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02 Aula 03 09. Escala Atenção: O material está disponível apenas para este curso. É proibida cópia total ou parcial,

Leia mais

Alinhamento - Linha divisória legal entre o lote e logradouro público.

Alinhamento - Linha divisória legal entre o lote e logradouro público. ANEXO VI DEFINIÇÕES GLOSSÁRIO Ampliação - Alteração no sentido de tornar maior a construção. Alinhamento - Linha divisória legal entre o lote e logradouro público. Alpendre - Área coberta, saliente da

Leia mais

D e s e n h o T é c n i c o

D e s e n h o T é c n i c o AULA 2 VIII. ESCALAS NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do mesmo e as dimensões da peça real que está sendo representada. Assim,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS NBR :2006

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS NBR :2006 PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS NBR 12.721:2006 Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. NBR 12.721:2006 NBR 12.721: 2006 - Avaliação de custos unitários de construção para incorporação imobiliária

Leia mais

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo Edificações térreas ou assobradadas, podendo ser geminadas, inclusive em ambos os lados, satisfazendo a projeto arquitetônico simples, geralmente

Leia mais

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial.

ARQUITETURA. Permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte e não acrescentando qualquer tipo de propaganda comercial. ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

DESENHOS QUE COMPÕEM O PROJETO ARQUITETÔNICO

DESENHOS QUE COMPÕEM O PROJETO ARQUITETÔNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG ESCOLA DE ENGENHARIA NÚCLEO DE EXPRESSÃO GRÁFICA Desenho Arquitetônico UNIDADE 2 DESENHOS QUE COMPÕEM O PROJETO ARQUITETÔNICO DESENHO ARQUITETÔNICO O desenho arquitetônico

Leia mais

D E C R E T A: PROJETOS RESIDENCIAIS. Residência Unifamiliar R 1 1,90 2,35 2,94. Residência Multifamiliar R 8 1,64 1,95 2,39

D E C R E T A: PROJETOS RESIDENCIAIS. Residência Unifamiliar R 1 1,90 2,35 2,94. Residência Multifamiliar R 8 1,64 1,95 2,39 DECRETO N.º 4.220, DE 29DE JULHO DE 2015. Altera o Decreto n.º 3.988/2014, que Regulamenta a Lei Municipal n.º 4.739/2010, que dispõe sobre os procedimentos necessários para a obtenção do habite-se. legais,

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA Disciplina: DESENHO TÉCNICO Professor: Valdir R. Santos Engenheiro Civil CREA-67342/D Especialista em Engenharia de Segurança

CURSO DE ENGENHARIA Disciplina: DESENHO TÉCNICO Professor: Valdir R. Santos Engenheiro Civil CREA-67342/D Especialista em Engenharia de Segurança FCULDDE DE TECNOLOGI E CIÊNCIS ITBUN - B CURSO DE ENGENHRI Disciplina: DESENHO TÉCNICO Professor: Valdir R. Santos Engenheiro Civil CRE-67342/D Especialista em Engenharia de Segurança TIVIDDE 1 D UNIDDE

Leia mais

Atender às necessidades de sustentabilidade e moradia, possibilitando qualidade de vida para os futuros moradores do Condomínio Villagio da Serra.

Atender às necessidades de sustentabilidade e moradia, possibilitando qualidade de vida para os futuros moradores do Condomínio Villagio da Serra. O Empreendimento está caracterizado como Condomínio Residencial implantado em um lote com área de 1130m², sendo 7 (sete) casas do lado direito e 6 (seis) casas do lado esquerdo do lote. Cada casa contempla

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

Memorial Descritivo. Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965

Memorial Descritivo. Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965 1. Descrição do prédio. Memorial Descritivo Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965 O prédio a ser construído compõe-se de 16 pavimentos mais casa de máquinas, constituído de 56 (cinqüenta

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

Residencial. Mona Lisa CRECI 17429J

Residencial. Mona Lisa CRECI 17429J APARTAMENTO TIPO Planta Apartamento TIPO 1 Dormitórios 45,52 m² área útil privativa + vaga Planta Apartamentos com 2 Dormitórios (2º dormitório reversível) por conta do comprador Schultzer de Camargo Valter

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni

DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA. UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni DIMENSIONAMENTO E ERGONOMIA ABRIL 2015 UFPR - DEGRAF - CEG219 Desenho Arquitetônico II - Prof.Márcio Carboni 1 Ambientes: Garagem Estar e Jantar Lavabo Cozinha (copa) Lavanderia Escritório Quartos Banheiros

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

Normatização e Padronização no Desenho Técnico

Normatização e Padronização no Desenho Técnico Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Normatização e Padronização no Desenho Técnico Professora Valéria Peixoto Borges NORMAS TÉCNICAS Primeiras Normas Técnicas

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 0017, DE 03 DE OUTUBRO DE 1.995

LEI COMPLEMENTAR Nº 0017, DE 03 DE OUTUBRO DE 1.995 ALTERA, ACRESCENTA E SUPRIME DISPOSITIVOS À LEI COMPLEMENTAR Nº 008, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1.994, QUE DISPÕE SOBRE O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. O Dr. CARLOS EDUARDO DE OLIVEIRA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO Obra: Residencial Ana Beatriz Local: Rua Adolfo Cattani, 775 - São Carlos-SP 1 CONSTITUÍDO: - O terreno com 1.746,58 m² tem acesso ao pavimento térreo pela Rua Adolfo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS GUIA RÁPIDO - PRINCIPAIS PENDÊNCIAS DE EXAME INTRODUÇÃO O presente instrumento reuniu as principais pendências identificadas nos exames de projetos de edificações,

Leia mais

EXERCÍCIO 1_Casa Popular tutorial 05 inserção de portas e janelas

EXERCÍCIO 1_Casa Popular tutorial 05 inserção de portas e janelas EXERCÍCIO 1_Casa Popular tutorial 05 inserção de portas e janelas 5.1portas Antes de inserirmos a porta criada no projeto, podemos realizar um estudo de vãos, sendo este facilmente modificável. O grupo

Leia mais

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40;

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40; ALTERAÇÃO AO LOTEAMENTO URBANO DA ÁREA DA CERÂMICA DE MORTÁGUA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A proposta de alteração ao Loteamento que se apresenta surge na sequência da modificação das condições

Leia mais

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa Desenho Técnico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Planta Baixa PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Profª. Ms. Laura Ludovico de Melo ENG1051 PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Planta Baixa:

Leia mais

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. PRINCIPAIS DISPOSITIVOS

Leia mais

Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos Pearson Education do Brasil. Todos os direitos reservados.

Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos Pearson Education do Brasil. Todos os direitos reservados. Aula 4 Leitura e Interpretação de Desenhos slide 1 reservados. Definição e Pré- Requisitos Ler um desenho significa entender a forma espacial do objeto representado O principal pré-requisito para fazer

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE AlphaVille Teresina Como será a casa? ESTILO ARQUITETÔNICO Como será a casa? Sala de Estar Sala de Jantar Home theater Lareira Lavabo Sala de Almoço / Copa Cozinha Despensa

Leia mais

Anexo Procedimento de Instalação de Alojamento

Anexo Procedimento de Instalação de Alojamento Anexo 1.4-8 - Procedimento de Instalação de Alojamento Revisão 00 Data 02/02/2015 1 de 15 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Eng. Segurança do Trabalho Gestão de QSMS Direção Indústria e Energia

Leia mais

Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico

Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico Metodologia de Elaboração de Projeto Arquitetônico O processo de projetar na Arquitetura É representado por uma progressão, que parte de um ponto inicial O PROBLEMA e evolui em direção a uma proposta A

Leia mais

DECRETO Nº 2946 DE 08 DE JANEIRO DE 2016

DECRETO Nº 2946 DE 08 DE JANEIRO DE 2016 DECRETO Nº 2946 DE 08 DE JANEIRO DE 2016 ESTABELECE OS VALORES DE MÃO-DE-OBRA E O RESPECTIVO ISSQN POR M 2 PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL, SEGUNDO O TIPO E A CATEGORIA DA EDIFICAÇÃO, PARA VIGORAREM NO MUNICÍPIO

Leia mais

LOCAÇÃO DE OBRA. Prof. Marco Pádua

LOCAÇÃO DE OBRA. Prof. Marco Pádua LOCAÇÃO DE OBRA Prof. Marco Pádua Esta fase é tão importante que requer também um projeto, definindo a posição das fundações e os eixos de paredes. As marcações devem ser feitas por duas pessoas e revisadas

Leia mais

FACHADA DO CONDOMÍNIO (JUL/2016) VISTA AÉREA. Imagens meramente ilustrativas. Página 2

FACHADA DO CONDOMÍNIO (JUL/2016) VISTA AÉREA. Imagens meramente ilustrativas. Página 2 FACHADA DO CONDOMÍNIO (JUL/2016) VISTA AÉREA Imagens meramente ilustrativas Página 2 DADOS DO PROJETO - NOME COMERCIAL: DESCRIÇÃO: ENDEREÇO: Recanto do Outeiro Condomínio Residencial de 16 casas sobradas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1

Instalações Elétricas Prediais. 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1 Instalações Elétricas Prediais 9/23/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Instalações Prediais 1 Nesta seção os seguintes assuntos serão abordados: Cargas de iluminação Cargas de tomadas -TUG s Cargas de tomadas

Leia mais

NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas

NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas MAR 1984 NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA LISTA EXERCÍCIOS CONVERSÃO MÉTRICA, ESCALA E COTAS Disciplina: Desenho Técnico Código: AGR069/AGR012

Leia mais

CET DESENHO ARQUITETÔNICO

CET DESENHO ARQUITETÔNICO (C.C.E.T.) PROF. DENNIS COELHO CRUZ PROF. JUAREZ HOPPE FILHO PROF. LUÍS GUSTAVO HENRIQUES DO AMARAL BARREIRAS SETEMBRO DE 2016 SUMÁRIO UNIDADE I DESENHO E PROJETO 3 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 EVOLUÇÃO DO DESENHO

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TELHADOS. 1. Introdução

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TELHADOS. 1. Introdução MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA Professora Deise Maria Bertholdi Costa Disciplina CD027 - Expressão Gráfica I Curso Engenharia

Leia mais

AULA - 06 GEOMETRIA DO TELHADO

AULA - 06 GEOMETRIA DO TELHADO GEOMETRIA DESCRITIVA Código da Disciplina CCE0887 AULA - 06 GEOMETRIA DO TELHADO e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com GEOMETRIA DESCRITIVA GEOMETRIA DESCRITIVA Um telhado é constituído de duas ou mais faces

Leia mais

, Programa arquitetônico Área pedagógica 6 Salas de aula 4 Banheiros

, Programa arquitetônico Área pedagógica 6 Salas de aula 4 Banheiros Escola Municipal Professor Carlos Alberto Marques Localização e implantação Grupo: Denilson Ribeiro / Diogo Salles / Olivier Shamololo / Otávio Ferreira, Programa arquitetônico Área pedagógica 6 4 Vivencia

Leia mais

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto de uma edificação é desenvolvido em fases,

Leia mais

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO Folha 1/3 Nome do Arquivo: 1. OBJETIVOS Estabelecer sistemática de aprovação de projetos para que se enquadrem nas normas estabelecidas, dentro do Regulamento Interno e Restrições Urbanísticas (Cap. VIII

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

Desenho Técnico. Escalas e Cotagem. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Escalas e Cotagem. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Escalas e Cotagem Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato ESCALA NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do desenho e as

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Pavimentos tipo: a edificação possui 4 pavimentos tipo, composto por 4 (quatro) unidades habitacionais cada, escada e circulação;

MEMORIAL DESCRITIVO. Pavimentos tipo: a edificação possui 4 pavimentos tipo, composto por 4 (quatro) unidades habitacionais cada, escada e circulação; MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial trata de um edifício de apartamentos de uso exclusivamente residencial, denominado Residencial Jardim Esperança, localizado na Quadra 2960, lote 29, do Loteamento

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP

Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Arqt. Marcos Vargas Valentin Mestre FAUUSP Dá para começar a fazer um projeto? Quantas escadas serão necessárias? Mas, existem vários tipos de escadas: a) Escada comum (não enclausurada) b) Escada enclausurada

Leia mais

EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS incorporadora EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS construtora Manual do Proprietário Prezado Cliente, O Manual do Proprietário é elaborado com a finalidade de transmitir orientações

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

GRANVILLE RESIDENCIAL

GRANVILLE RESIDENCIAL MEMORIAL DE APRESENTAÇÃO O Empreendimento O GRANVILLE RESIDENCIAL, é um empreendimento de ponta, com apenas 40 apartamentos, todos com vista para o mar, de 2 e 3 dormitórios, com suíte, todo pastilhado,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO

REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO Reproduzir as plantas baixa, de cobertura e de localização, cortes e fachada frontal da residência apresentada abaixo. O projeto pode sofrer mudanças,

Leia mais

Figura 1: Implantação da Casa das Pérgolas Deslizantes FGMF Fonte: Revista Monolito, 21ª edição, ano 2014

Figura 1: Implantação da Casa das Pérgolas Deslizantes FGMF Fonte: Revista Monolito, 21ª edição, ano 2014 CASA DAS PÉRGOLAS DESLIZANTES Local Bauru Ano 2012-14 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A casa das Pérgolas Deslizantes é uma residência unifamiliar

Leia mais

Ficha Técnica. Imagens meramente ilustrativas, sujeita a alterações.

Ficha Técnica. Imagens meramente ilustrativas, sujeita a alterações. Ficha Técnica Nome: Ed. Nápoles Residencial Tipo: Residencial com lojas térreas Número de quartos: 2 e 3 quartos Suíte: 1 suíte Número de pavimentos tipo: 15 andares Número de torres: 2 Número de unidades:

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Engenharia Civil. Prof. Msc. Heber Martins de Paula

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Engenharia Civil. Prof. Msc. Heber Martins de Paula Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Engenharia Civil Desenho Técnico II Prof. Msc. Heber Martins de Paula SUMÁRIO 4- CÓDIGO DE OBRAS 5- DESENHO ARQUITETÔNICO 4- Código de obras

Leia mais

CASA EM ALDEIA Local Camaragibe - PE Ano Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA EM ALDEIA Local Camaragibe - PE Ano Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA EM ALDEIA Local Camaragibe - PE Ano 2009-11 Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal Em um terreno de 1.478,00m², em Aldeia Pernambuco,

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES

PROGRAMA DE NECESSIDADES Área Total - Presidência Espera / Secretaria Sala da presidência Acesso ao setor 1 posto de trabalho; estar Presidência para 6 O ambiente de 1 mesa de trabalho, 1 reuniões deverá ser mesa de reunião para

Leia mais

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik - 1 - UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 04 LAJES CONCEITOS, DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO DE REAÇÕES NAS VIGAS - 2 - NA_04/2011 SISTEMAS ESTRUTURAIS NOTAS DE AULA

Leia mais

APOSTILA I DAC CRIADO POR DÉBORA M. BUENO FRANCO PROFESSORA DE DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR FACULDADE EDUCACIONAL DE ARAUCÁRIA - FACEAR

APOSTILA I DAC CRIADO POR DÉBORA M. BUENO FRANCO PROFESSORA DE DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR FACULDADE EDUCACIONAL DE ARAUCÁRIA - FACEAR APOSTILA I DAC Alunos O material aqui disponibilizado deve ser entendido como material de apoio às aulas de Desenho Assistido por Computador, não substituindo de qualquer forma o conteúdo da disciplina

Leia mais

AULA - 3. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA.

AULA - 3. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA. AULA - 3 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ CATHEDRAL FOLD ATELIÊ DE PROJETOS - II Localização:

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08 Curso Técnico Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras Normas Regulamentadoras Módulo 6 NR 08 Norma Regulamentadoras 8 (Edificações) Esta Norma Regulamentadora -NR estabelece requisitos técnicos mínimos

Leia mais

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015.

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015. CASA NO DERBY Local Recife - PE Ano 2007-08 Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A Casa no Derby é uma residência unifamiliar de uso

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistemas prediais de esgoto

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA TOPOS significa lugar GRAPHEN significa descrição Pode-se dizer que a TOPOGRAFIA é a ciência que trata do estudo da representação detalhada de uma porção da superfície terrestre.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO URBANO é um campo do conhecimento auxiliado por várias disciplinas como: Geografia,

Leia mais

Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO

Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Projeto Será um edifício residencial contendo subsolo, térreo, mezanino, 13 pavimentos tipo com 04 (quatro) apartamentos

Leia mais