Antivíricos. Exemplos de inibidores da transcríptase reversa não-nucleosídicos: delavirdina, efavirenz, nevirapina

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Antivíricos. Exemplos de inibidores da transcríptase reversa não-nucleosídicos: delavirdina, efavirenz, nevirapina"

Transcrição

1 Antivíricos

2 Antivíricos Exemplos da inibição da penetração nas células hospedeiras: amantidina (inibe a descapsulação do vírus da influenza), globulinas γ, palivizumab (anti-rsv)

3 Antivíricos Exemplos de inibidores da transcríptase reversa por análogos dos nucleosídeos e nucleotídeos: abacavir, adefovir, didanosina, estavudina, lamivudina, tenofovir, zalcitabina, zidovudina

4 Antivíricos Exemplos de inibidores da transcríptase reversa não-nucleosídicos: delavirdina, efavirenz, nevirapina

5 Antivíricos Exemplos de inibidores da polimérase do ADN: nucleosídicos (aciclovir; ganciclovir; vidarabina) e não-nucleosídicos (foscarnet)

6 Antivíricos Exemplos de inibidores da protease do HIV: amprenavir, indinavir, nelfinavir, ritonavir, saquinavir

7 Antiviricos Exemplo de antivíricos imunomoduladores: interferon

8

9 Aciclovir Análogo acíclico da guanosina Actividade limitada para a família dos Herpetoviridae herpes simplex vírus (HSV) tipo 1 e 2 varicella-zoster (VZV) Epstein-Barr (In vitro) citomegalovirus (CMV) (In vitro)

10 Aciclovir Aciclovir Timidina cínase vírica Aciclovir-MP Aciclovir-DP Aciclovir-TP cínase celular cínase celular Polimerase vírica Síntese do ADN vírico

11 Aciclovir

12 Aciclovir Resistência: Vírus deficientes em TK Alteração da afinidade para o substracto Polimerase do ADN Virus resistentes: herpes simplex causadores de pneumonia, encefalite, infecções mucocutâneas em imunodeprimidos. 6% HSV em doentes HIV são resistentes VZV resistentes em doentes infectados com HIV

13 Aciclovir Resistências cruzadas com: Valaciclovir Fanciclovir Ganciclovir Sem resistências : Foscarnet Cidofovir Trifluridina

14 Aciclovir Recomendações terapêuticas toma oral : primeiro episódio de herpes genital herpes genital recorrente recorrência genital crónica (>6 episódios/ano) proctite herpética varicela zona

15 Aciclovir Recomendações terapêuticas intravenoso: HSV grave encefalite herpética infecção HSV neonatal varicela e zona em imunodeprimidos

16 Aciclovir Efeitos laterais: Disfunção renal 5-10% Agitação, letargia, sonolência, alucinações trémulo, psicoses, convulsões e coma Aumento de enzimas hepáticas Queimaduras, prurido e eritema

17 Valaciclovir L-valil éster do aciclovir Convertido em aciclovir (conversão enzimática) Elevados níveis séricos de aciclovir Indicações terapêuticas semelhantes às do aciclovir Microangiopatia trombótica

18 Penciclovir Análogo acíclico da guanosina Mecanismo de acção semelhante ao do aciclovir Semivida intracelular > aciclovir Trifosfato de penciclovir < afinidade polimérase vírica que o trifosfato de aciclovir Bem tolerado na aplicação tópica

19 Penciclovir Resistência: Vírus deficientes em timidina cínase (TK) Perda de afinidade da polimérase do ADN Resistência cruzada com o aciclovir

20

21 Fanciclovir Pró-fármaco do penciclovir Mecanismo de acção semelhante ao do aciclovir Indicações terapêuticas semelhantes às do aciclovir

22 Ganciclovir Análogo acíclico da guanosina Também requer trifosforilação para activação mas não depende da TK para a fosforilação inicial Inibe a polimérase do ADN Actividade contra CMV,HSV,VZV,EBV

23 Ganciclovir Resistências: mutações UL97 (perda de afinidade da fosfotransférase) sem resistencia cruzada com o foscarnet ou o cidofovir mutações UL54 (perda de afinidade da polimérase do ADN) resistencia cruzada com cidofovir

24 Ganciclovir Indicações terapêuticas: Retinite CMV (indução e manutenção) Colite Esofagite Pneumonite em imunodeprimidos

25 Ganciclovir Efeitos laterais: Depressão da medula óssea Neutropenia Trombocitopenia Anemia Toxicidade SNC Toxicidade hepática

26 Farmacocinética Aciclovir/Valaciclovir Penciclovir/Fanciclovir Ganciclovir Biodisponibilidade 15 /50% <5 /70% 3-7 % Lig. às proteínas < 20% <20% 1-2% Semivida 2,5 h 2 h 3 h Eliminação renal 70% 90% 95%

27 Foscarnet Ácido fosfonofórmico Tóxico para diversos alvos inibe nãocompetitivamente, por exemplo, a polimérase do ADN dos herpesvírus e a transcríptase reversa do HIV Actividade contra: HSV,VZV,CMV,EBV e HHV-6 HSV e CMV resistentes ao aciclovir HIV Resistência: Mutação das enzimas alvo

28 Foscarnet Retinite por CMV refractária ao ganciclovir Infecções HSV e VZV refractárias ao aciclovir

29 Foscarnet Toxicidade renal Hipocalcemia, hipercalcemia, hipomagnesemia,hipocaliemia, hipo- e hiperfosfatemia Anemia, neutropenia Toxicidade hepática

30 Cidofovir Cidofovir cínase celular Cidofovir-MP Cidofovir-DP cínase celular Polimerase vírica Síntese do ADN vírico

31 Cidofovir É um nucleosídeo acíclico derivado do fosfonato Actividade contra: HSV,VZV,CMV,EBV e HHV-6 In vitro:adenovirus, poxvírus, virus do papiloma humano, virus resistentes ao aciclovir Resistência: Mutações da polimerase

32 Cidofovir Retinite por CMV refractária ao ganciclovir e ao foscarnet Indução Manutenção

33 Cidofovir Toxicidade renal (hidratação e probenecide) Neutropenia, Anemia, Trombocitopenia Toxicidade hepática Hipotonia ocular

34 Farmacocinética Foscarnet Cidofovir Biodisponibilidade 17% baixa Semivida 4-6 h 2.6 h Eleminação renal 80% 90%

35 Idoxuridina Derivado da timidina Incorporada no DNA vírico e celular Activo sobre o HSV Mielotoxicidade Aplicação tópica (queratite HSV)

36 Vidarabina Arabinosídeo de alanina Encefalite HSV HSV neonatal HSV e VZV em doentes imunosuprimidos Tratamento tópico (queratoconjuntivite)

37 Trifluridina Análogo pirimidínico nucleosídico fluorado Inibe competitivamente a polimérase do ADN HSV-1 e HSV-2 (inclui os resistentes ao aciclovir) Fosforilação celular Mielotoxicidade Aplicação tópica (queratoconjuntivite)

38 Lamivudina Análogo nucleosídico da citidina Actividade contra: HBV, HIV HBV DNA diminui 97% após 2 semanas HBV DNA diminui 98% após 1 ano Seroconversão do Ag HBe em 20% Recorrência vírica de 80% após paragem do fármaco

39 Lamivudina Aparecimento de estirpes resistentes do HBV Mutação YMDD Sensíveis ao Adefovir 8-9 meses após terapêutica 20% ano de estirpes resistentes/ano

40 Terminal Protein Spacer Pol/RT (rt1) (rt 344) RNaseH 845 a.a. I(G) II(F) GVGLSPFLLA YMDD A B C D E Lamivudineresistant mutations: L528M * rt L180M M552V/I* rt M204I/V * old nomenclature

41 WILD TYPE MUTANT Modeling indicates mutation of M552L to V in HBV polymerase causes steric hindrance between the β-methyl branch on the side chain of valine and the sulphur atom in the L-oxathiolane ring of 3TCTP. *Das K, et al. J Virol. 2001;75:

42 WILD TYPE MUTANT Modeling indicates HBV polymerase mutations M552V and L528M have no steric effects on the binding of adefovir diphosphate (ADVDP). *Das K, et al. J Virol. 2001;75:

43 DNA-VHB (PCR) Baseline Weeks LAM ADV ADV+LAM Median Serum HBV DNA Change (Log10 copies/ml)

44 Lamivudina Biodisponibilidade 80% Ligação às proteínas plasmáticas 36% Semivida de 5-7h Concentrações no LCR de 30% das do plasma

45 Ribavirina Nucleosídeo sintético de purina Desenvolvido há dezenas de anos Acção antivírica diversificada mas pouco potente contra vírus ADN e ARN Até há pouco tempo usado praticamente apenas em pediatria pela sua acção sobre o vírus sincicial respiratótio (RSV) Interesse recente adicional pela sua actividade sobre o vírus da hepatite C (HCV)

46 Ribavirina Mecanismo de actuação: diminuição de trifosfato de guanosina diminuição da síntese do ADN diminuição da síntese proteica vírica inibição da síntese do ARNm

47 Ribavirina Farmacocinética: Oral (biodisponibilidade 33-69%): HCV inalatória: RSV

48 Ribavirina Efeitos laterais: Anemia hemolítica Leucopenia Hiperuricemia Hiperbilirrubinemia Depressão, ansiedade e insónia Teratogénica, mutagénica, gonodatóxica

49 Interferon Citoquina produzido pelas células eucarióticas Sem actividade antivírica directa Modula a resposta imunológica TH1 Tipo I IFN-α ; IFN- β; Tipo II- IFN-γ

50 INTERFERON Actividade antivírica: Penetração, descapsulação, síntese do ARNm, transdução de proteínas víricas, libertação vírica IFN- β esclerose múltipla IFN-α VHB, VBC, papiloma virus, melanoma maligno, sarcoma de Kaposi, linfoma folicular IFN-2a e 2b ADN recombinante

51 Interferon Administrados por via i.m, i.v, subcutânea, intralesional. Interferon peguilado PEG (polietileno glicol) Efeitos laterais: Síndrome gripal Leucopenia, trombocitopenia, Anemia Sonolência, depressão Toxicidade hepática e tiroideia

52 Interferon / ribavirina % de resposta sustentada IFN 6m 16 IFN 12m 34 IFN RIV 6m 42 IFN RIV 12m 39 PEG 12M 55 PEG RIV 12M

53 Interferon / ribavirina % de resposta sustentada Sem. 48 Sem Gen,1 Gen,1 Gen 2/3 Gen,1Gen,1 Gen 2/3 Peg IFN + RIV

54 Inibidores da ligação e entrada na célula hospedeira HIV 1 RNA Linfócito T gp120 gp41 CD4 CD4 CXCR4 ou CCR5 gp41

55 INFECÇÃO HIV Inibidores da entrada celular INIBIDOR MECANISMO DE ACÇÃO FASE CLÍNICA Receptor CD4 Receptores das quimioquinas CD4 sr Inibição competitiva do receptor da gp120 Fase 1-2 (mostrou pouca actividade) TNX-355 Atc monoclonal anticd4... Fase 1-2 (dose-dependente após única adm EV) PRO 542 CD4 tetramérico incorporado na γ-globulina Fase 1-2 (evidência preliminar de actividade) BMS-806 Ligação à gp120 para impedir a do CD4 Pré-clínica SCH-C Antagonista RANTES (ligação competitiva ao CCR5) PRO 140 Atc monoclonal anti-ccr5 Pré-clínica Fase 1-2 (actividade curta duração após adm PO) AMD3100 Inibidor do CXCR4 Fase 2 (actividade mínina após adm EV) Sulfato dextrano Ligação à gp120 e inibe a interacção do CXCR4 Fase 1-2 (resultados mistos; elevada toxicidade) Outros PRO 2000 Ligação ao CD4 impedindo a da gp120 Fase 2 em curso (uso tópico) Cianovirina-N Ligação à gp120 interferindo com a interacção do CD4 e CXCR4 Pré-clínica (uso tópico) Fusão da membrana Enfuvirtide (T-20) Péptido que interfere na fusão mediada pela gp41 T-1249 Péptido que interfere na fusão mediada pela gp41 Penta-hélix Ligação à extremidade C da gp41 formando uma estrutura hexa-hélix estável, inibindo a fusão Já em uso clínico prático Fase 3 (actividade > 1A por adm SC; vantagem aos 6M como TT de resgate; aprovado pelo FDA) Fase 1-2 (actividade de curta duração por adm SC; interesse no TT de resgate em doentes portadores de vírus resistentes ao T-20 Pré-clínica

56 Inibidores da ligação e entrada na célula hospedeira HIV 1 RNA Cdsr Linfócito T gp120 gp41 CD4 CD4 CXCR4 ou CCR5 gp41

57 Antivíricos HIV 1 RNA BMS-806 Linfócito T gp120 gp41 CD4 CD4 CXCR4 ou CCR5 gp41

58 Inibidores da ligação e entrada na célula hospedeira HIV 1 RNA TNX-355 Linfócito T gp120 gp41 CD4 CD4 CXCR4 ou CCR5 gp41

59 Enfuvirtide Peptídeo de 36 aminoácidos análogo da gp41 Impede o estado fusogénico da gp41 gp41

60 Enfuvirtide Administrado por via subcutânea Aumento de incidência da pneumonia bacteriana Resistência por mutação HR1 da superfície gp41 Não inibe a CYP3A4 Reacção no local da injecção

61 Antivíricos Inibidores da transcríptase reversa - Análogos nucleosídicos e nucleotídicos abacavir adefovir didanosina entricitabina lamivudina estavudina tenofovir zalcitabina zidovudina

62 Inibidores da transcriptase reversa - Análogos nucleosídicos Estruturalmente semelhantes aos ácidos nucleicos Diferem no radical hidroxilo na posição 3 Impedem a ligação 5-3 Fosforilados pelas cínases celulares na posição 5 Anti-HIV1 e anti-hiv 2

63 Antivíricos

64 Inibidores da transcríptase reversa - Análogos nucleosídicos Nucleosídeos análogos da citidina zalcitabina,lamivudina,entricitabina Nucleosídeos análogos da timidina zidovudina, estavudina Nucleosídeos análogos da adenosina e inosina didanosina Nucleosídeo análogos da guanosina abacavir Nucleotídeos análogos do fosfato de adenosina adefovir tenofovir

65 Inibidores da transcríptase reversa - Análogos nucleosídicos 1) maior actividade nas células em replicação zidovudina, estavudina (análogos da timidina) 2) maior actividade nas células em repouso didanosina, zalcitabina, lamivudina

66 Zidovudina Análogo da timidina Maior actividade sobre células em replicação Biodisponibilidade de 65% Ligação às proteínas plasmáticas 24-28% Semivida intracelular > semivida plasmática Concentrações no LCR 50% das concentrações plasmáticas

67 Zidovudina Interacções medicamentosas: probenecide diminui a excreção ribavirina diminui a fosforilação intracelular metadona aumenta a concentração plasmática

68 Zidovudina Efeitos laterais: anemia neutropenia macrocitose miopatia, miosite hiperpigmentação da pele e unhas

69 Estavudina É um análogo síntético da timidina Similar à zidovudina Biodisponibilidade 80% Semivida intracelular > semivida plasmática Concentrações no LCR 40% das concentrações plasmáticas

70 Estavudina Efeitos laterais: neuropatia periférica reversivel macrocitose pancreatite toxicidade hepática

71 Didanosina É um análogo síntético da purina Maior actividade em células em repouso Instável em meio ácido Biodisponibilidade 30-40% Semivida intracelular > semivida plasmática Concentrações no LCR 20% das concentrações plasmáticas

72 Didanosina Efeitos laterais: neutropenia (30%) pancreatite (5-10%) rabdomiólise despigmentação da retina hipertrigliceridemia, hiperuricemia

73 Zalcitabina É um análogo síntético da pirimidina Maior actividade em células em repouso Biodisponibilidade 80% Concentrações no LCR 9-37% das concentrações plasmáticas

74 Zalcitabina Efeitos laterais: neutropenia reversivel pancreatite (menos frequente) úlceras orais ou penianas múltiplas (3%)

75 Zalcitabina Interacções medicamentosas: didanosina + zalcitabina risco acrescido de neuropatia e pancreatite

76 Abacavir É um análogo da guanosina Convertido em carbovir trifosfato Biodisponibilidade > 80% Concentrações no LCR % das concentrações plasmáticas

77 Abacavir Efeitos laterais: toxicidade renal proximal toxicidade hepática

78 Correlação entre a frequência de alguns efeitos laterais dos inibidores nucleosídicos da transcríptase reversa do HIV e a potência inibidora da polimerase do ADN do hospedeiro Efeitos laterais: pancreatite, lipodistrofia, resistência à insulina, neuropatia, miopatia Inibição da polimerase γ do ADN zalcitabina>didanosina>estavudina>zidovudina>lamivudina= abacavir=tenofovir

79 Efeitos Laterais Zido. Lami. Didano. Estav. Zalci. Abac. Anemia Leucopenia Neuropatia periférica Pancreatite

80 RESISTÊNCIA AOS NRTI INCORPORAÇÃO DO TERMINADOR REMOÇÃO DO TERMINADOR M184V K65R Complexo Q151M Família análogos da T Codão 69

81 Resistência Redução da incorporação do análogo terminador: exemplos Mutação Consequência M184V Resistência à lamivudina Complexo Q151M Resistência a todos NRTI excepto lamivudina K56R Resistência a todos NRTI excepto zidovudina

82 Resistência Remoção do terminador (exemplo) Consequência Resistência de largo espectro que inclui o tenofovir

83 Antivíricos Inibidores da transcriptase reversa não-nucleosídicos delavirdina efavirenz nevirapina

84 Antivíricos

85 RESISTÊNCIA AOS NNRTI

86 Farmacocinética Nevirapina Delavirdina Efavirenz Biodisponibilidade (%) 90 > 80? Lig. às proteínas Penetração LCR (%) 45 <

87 Farmacocinética Nevirapina Delavirdina Efavirenz Efeitos laterais Rash cutâneo Rash cutâneo S N C Interacção alimentos sem sem evitar gorduras CYP 3A4 Indução Inibição Indução e inibição

88

89 RESISTÊNCIA AOS NNRTI

90 Resistência Mutação Nevirapina Delavirdina K103N Efavirenz Resistência Y181C Resistência K103N Resistência Resistência Resistência

91 Antivíricos Inibidores da protease amprenavir atazanavir indinavir fosamprenavir lopinavir nelfinavir ritonavir saquinavir

92 Antivíricos

93 ADN ARN Poliproteínas precursoras Proteínas funcionais cápside??? Transcriptase reversa matriz nucleocápside

94 Farmacocinética Saquinavir Ritonavir Indinavir Nelfinavir Amprenavir Biodisponibilidade (%) Lig. às proteínas ? >98 90 Metabolização Hep Hep Hep Hep Hep Eleminação renal (%) <5 <15 <20 <5 <5

95 Farmacocinética Saquinavir Ritonavir Indinavir Nelfinavir Amprenavir Semivida (h)

96 Fosamprenavir Pró-fármaco do amprenavir As refeições não interferem na AUC Inibidor / indutor da CYP3A4 Sem resistência cruzada?

97 Lopinavir As refeições aumentam a AUC Inibidor da CYP3A4

98 Atazanavir As refeições aumentam a AUC Inibidor da CYP3A4 Risco de bloqueio AV Não causa dislipidemia?

99 Interacções medicamentosas Ritonavir Indinavir Nelfinavir Saquinavir Amprenavir Ritonavir 3,6 x 2.5x 20x 3.5x Indinavir 1.8x 5-8x 1.6x Nelfinavir 1.5x 4-6x 2.5x Saquinavir 1.2x 30% Amprenovir 38% 1.2x 18%

100 Interacções medicamentosas Delavirdina Nevirapina Efavirenz Ritonavir 1,7 x 41% 1.2x Indinavir 1,4 x 30% 30% Nelfinavir 2 x 1.1x 1.2x Saquinavir 6 x 25% 60% Amprenovir 35%

101 Interacções medicamentosas Não interfere Refeições aumentam a AUC Refeições diminuem a AUC Fosamprenavir Lopinavir Amprenavir Atazanavir Indinavir Ritonavir Nelfinavir Saquinavir

102 Interacções medicamentosas Rifampicina Rifabutina Delavirdina Não associar 96% não 80% Nevirapina Talvez 20-58% Sim 16% Efavirenz Talvez 25% Talvez 35% Rifab.

103 Interacções medicamentosas Rifampicina Rifabutina Indinavir Não associar 89% Sim x2 Nelfinavir Não 82% Sim x2 Amprenavir Não 82% Sim x2 Ritonavir Talvez 35% Talvez x4

104 Resistência Largo espectro Cruzada Mutação da protease Mutação da gag (locais de clivagem)

105 Quem tratar? 1) Doentes com SIDA 2) Doentes assintomáticos com < 200 CD4+ /mm 3 3) Doentes assintomáticos com CD4+ /mm 3 4) Doentes assintomáticos > 350 CD4+ /mm 3 e RNA do HIV > /cópias /ml

106 Quem não tratar? Doentes assintomáticos > 350 CD4+ /mm 3 RNA do HIV < /cópias /ml e

107 Como tratar? inibidores da transcríptase reversa não-nucleosídicos (1) + nucleosídicos (2) efavirenz + zidovudina (ou tenofovir) + lamivudina (ou entricitabina)

108 Como tratar? inibidores da transcríptase reversa não-nucleosídicos (1) + nucleosídicos (2) efavirenz + didanosina (ou abacavir ou estavudina) + lamivudina (ou entricitabina) nevirapina + didanosina (ou abacavir ou estavudina) + lamivudina (ou entricitabina) nevirapina + zidovudina (ou tenofovir) + lamivudina (ou entracitabina)

109 Como tratar? inibidores da protease (1 ou 2) + inibidores nucleosídicos da transcríptase reversa (2) lopinavir/ritonavir + zidovudina + lamivudina (ou entricitabina)

110 Como tratar? inibidores da protease (1 ou 2) + inibidores nucleosídicos da transcríptase reversa (2) lopinavir/ritonavir + abacavir (ou estavudina ou tenofovir ou didanosina) + lamivudina (ou entricitabina)

111 Vantagens Desvantagens NNRTI menor lipodistrofia resistência guarda dos inibidores da protease intervenção nas CYP efavirenz potente antivírico teratogénico uma toma diária nevirapina tomas com as refeições exantemas hepatotoxicidade

112 Vantagens Desvantagens Inibidores da protease aumento da sobrevivênvia lipodistrofia guarda dos NNRTI acção sobre as CYP lopinavir/ritonavir potente antivírico efeitos adversos gastrointestinais atazanavir menos lipodistrofia aumento PR uma toma diária hiperbilirrubinemia

113 Como não tratar? 1) monoterapia (excepto na gravidez zidovudina) 2) amprenavir+fosamprenavir 3) atazanavir+indinavir (hepatotoxicidade) 4) didanosina+estavudina (neuropatia periférica, pancreatite, acidose láctica) 5) didanosina+zalcitabina ou estavudina + zalcitabina (neuropatia periférica)

114 Como não tratar? 6) efavirenz durante a gravidez (teratogenicidade) 7) entricitabina+lamivudina (resistência cruzada) 8) lamivudina+zalcitabina (inibição da fosforilação celular mútua) 9) saquinavir como único inibidor da protease (biodisponibilidade) 10)estavudina+zidovudina (antagonismo in vitro e vivo)

Aula de Antivíricos. Vírus : noção. Porto 29-11-2002. Jorge Manuel Moreira de Carvalho. Não são seres vivos São entidades biológicas.

Aula de Antivíricos. Vírus : noção. Porto 29-11-2002. Jorge Manuel Moreira de Carvalho. Não são seres vivos São entidades biológicas. Aula de Antivíricos Porto 29-11-2002 Jorge Manuel Moreira de Carvalho Vírus : noção Não são seres vivos São entidades biológicas. 1 Vírus : estrutura Ácido nucleico ( DNA ou RNA ) Invólucro proteico (

Leia mais

Antivirais. www.microbiologia.vet.br

Antivirais. www.microbiologia.vet.br Antivirais www.microbiologia.vet.br Princípio da TOXICIDADE SELETIVA: Antibacterianos Antifúngicos Antivirais - Drogas antivirais tem espectro de ação muito limitado, diferente dos antibacterianos www.microbiologia.vet.br

Leia mais

Antivirais. Histórico 26/04/2012. Antibióticos. Antivirais

Antivirais. Histórico 26/04/2012. Antibióticos. Antivirais Antivirais Andrêssa Silvino Mestranda em Imunologia e Doenças Infecto-arasitárias/UFJF Orientadora: Maria Luzia da Rosa e Silva Histórico A busca por drogas antivirais teve início há mais de 50 anos: METISAZONA

Leia mais

ANTIFÚNGICOS MICOSES

ANTIFÚNGICOS MICOSES ANTIFÚNGICOS MICOSES Fungos patogênicos Infectam diretamente o hospedeiro oportunistas Raramente causam infecções, mas aproveitam os momentos de queda da resistência imunológica Fungos Células mais complexas

Leia mais

O antiviral ideal. Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro.

O antiviral ideal. Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro. Antivirais O antiviral ideal Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro. Pontos preferenciais de atuação dos antivirais Adsorção e/ou penetração:

Leia mais

Segunda-feira, 20 de novembro de 2006. Profa. Sônia.

Segunda-feira, 20 de novembro de 2006. Profa. Sônia. Segunda-feira, 20 de novembro de 2006. Profa. Sônia. Agentes antivirais. Substâncias químicas usadas mais especificamente para o tratamento de viroses. Não serão abordados todos os produtos: será chamada

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica. Agentes Antivirais

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica. Agentes Antivirais Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica Agentes Antivirais ITRDUÇÃ Vírus s vírus constituem uma classe de agentes infecciosos

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome : Conjunto de sinais e sintomas que se desenvolvem conjuntamente e que indicam a existência de uma doença. A AIDS é definida como síndrome porque não tem

Leia mais

Laboratório. Apresentação de Valcyte. Valcyte - Indicações. Contra-indicações de Valcyte. Advertências. Roche. fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg.

Laboratório. Apresentação de Valcyte. Valcyte - Indicações. Contra-indicações de Valcyte. Advertências. Roche. fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg. Laboratório Roche Apresentação de Valcyte fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg. Valcyte - Indicações Valcyte (cloridrato de valganciclovir) é indicado para o tratamento de retinite por citomegalovírus (CMV)

Leia mais

1 Introdução 1.1 Aids

1 Introdução 1.1 Aids 16 1 Introdução 1.1 Aids No início da década de oitenta (1981), a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA/AIDS) foi reconhecida e descrita nos Estados Unidos 1 em função do aparecimento de um conjunto

Leia mais

FANCLOMAX FANCICLOVIR

FANCLOMAX FANCICLOVIR MODELO DE BULA FANCLOMAX FANCICLOVIR Apresentações: Cartucho contendo 1 blister com 10 comprimidos de 125 mg cada Cartucho contendo 1 blister com 7 comprimidos de 250 mg cada Cartucho contendo 3 blísteres

Leia mais

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24 AIDS Infecção HIV Estimativa de adultos e crianças infectadas com HIV 2005 Western & Eastern Europe Central Europe & Central Asia North America 720 000 1.5 million [550 000 950 000] [1.0 2.3 million] 1.3

Leia mais

Raniê Ralph Farmaco 2

Raniê Ralph Farmaco 2 16 de Outubro de 2007. Professor José Guilherme. Farmacologia dos antivirais Sumário Aspectos gerais de farmacologia dos antivirais I. Drogas anti-dna-vírus: destaque para família do vírus herpes. II.

Leia mais

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir.

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir. Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 8 H 11 N 5 O 3 Peso molecular: 225,2 DCB/ DCI: 00082 aciclovir CAS: 59277-89-3 INCI: Não aplicável Sinonímia: Acicloguanosina; Aciclovirum; Aciklovír;

Leia mais

Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais

Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais Alair A. Berbert (1), Paulo T. Castanheira (2), Daniel

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Atripla 600 mg/200 mg/245 mg comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido revestido

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De Nucleosídeos... 7 Inibidores Da Protease... 8 Inibidores

Leia mais

HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES

HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES Cláudio G. de Figueiredo Mendes Serviço de Hepatologia

Leia mais

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores A determinação da seqüência de bases de um segmento de DNA é um passo crítico em muitas aplicações da Biotecnologia.

Leia mais

Mecanismos de Acção de Substâncias Antivirais

Mecanismos de Acção de Substâncias Antivirais Joana Catarina Rodrigues Batista Mecanismos de Acção de Substâncias Antivirais Universidade Fernando Pessoa, Faculdade Ciências da Saúde. Porto 2011 II Joana Catarina Rodrigues Batista Mecanismos de Acção

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO TRUVADA

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO TRUVADA Truvada entricitabina + fumarato de tenofovir desoproxila FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO TRUVADA está disponível na forma de comprimidos. Os comprimidos são azuis, em forma de cápsula, revestidos, com

Leia mais

ZIDOVUDINA (AZT) ZIDOVUDINA ANTI-RETROVIRAL

ZIDOVUDINA (AZT) ZIDOVUDINA ANTI-RETROVIRAL (AZT) Nome Genérico: zidovudina Classe Química: análogo de nucleosídeo, inibidor da transcriptase reversa Classe Terapêutica: anti-retroviral, antivirótico Forma Farmacêutica e Apresentação: Zidovudina

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Viread fumarato de tenofovir desoproxila FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO VIREAD é apresentado em frascos com 30 comprimidos. Os comprimidos têm a forma de amêndoa, são revestidos com uma película azul

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Aciclovir Generis 250 mg pó para solução para perfusão

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Aciclovir Generis 250 mg pó para solução para perfusão RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Aciclovir Generis 250 mg pó para solução para perfusão 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada frasco contém 250 mg de aciclovir como

Leia mais

INFECÇÕES VIRAIS. Prevenção: Tratamento: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública

INFECÇÕES VIRAIS. Prevenção: Tratamento: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública FÁRMACOS ANTIVIRAIS INFECÇÕES VIRAIS Prevenção: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública Rede pública de água Tratamento de esgotos Controle de insetos Práticas clínicas apropriadas Formação

Leia mais

Epivir. lamivudina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

Epivir. lamivudina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Epivir lamivudina I ) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Comprimidos Epivir 150 mg Comprimidos - Frascos contendo 60 comprimidos. Composição

Leia mais

PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir. fanciclovir

PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir. fanciclovir PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir fanciclovir Forma farmacêutica e apresentações: Penvir comprimidos revestidos 125 mg: caixa contendo 10 comprimidos. Penvir

Leia mais

ANEXOS. ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir. 1 Lamivudina (3TC, LAM)

ANEXOS. ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir. 1 Lamivudina (3TC, LAM) Tratamento Clínico da Hepatite B e Coinfecções ANEXOS ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir 1 Lamivudina (3TC, LAM) A lamivudina (3TC) foi o primeiro análogo de nucleosídeo

Leia mais

NEFROTOXICIDADE DOS ANTIVÍRICOS

NEFROTOXICIDADE DOS ANTIVÍRICOS ARTIGO DE REVISÃO Acta Med Port 2007; 20: 59-63 NEFROTOXICIDADE DOS ANTIVÍRICOS RICARDO NETO, GERARDO OLIVEIRA, MANUEL PESTANA Serviço de Nefrologia. Hospital de São João. Porto R E S U M O A lesão renal

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÌSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÌSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÌSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Valaciclovir Azevedos 500 mg comprimidos revestidos por película Valaciclovir Azevedos 1000 mg comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Atripla 600 mg/200 mg/245 mg comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido revestido

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

Luciene Alves Moreira Marques. Profa. Luciene Alves Moreira Marques

Luciene Alves Moreira Marques. Profa. Luciene Alves Moreira Marques Atenção Farmacêutica ao Portador de HIV Profa. 1 O Vírus 1983 Robert Gallo Luc Montagnier Características: Bastante lábil no meio externo, Inativado por: agentes físicos (calor) e químicos (hipoclorito

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte I 2012/1 1. Agentes que matam bactérias são: (A) inibitórios (B)

Leia mais

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

USO ADULTO E PEDIÁTRICO Agenerase 150mg amprenavir FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Agenerase Cápsulas 150 mg Frasco plástico opaco com 240 cápsulas gelatinosas. COMPOSIÇÃO Cada cápsula de Agenerase 150 mg contém: amprenavir...150

Leia mais

Alvos Moleculares e Celulares Emergentes na TERAPIA ANTIVIRAL

Alvos Moleculares e Celulares Emergentes na TERAPIA ANTIVIRAL Ana Silva Mariana Costa Pedro Melo Mestrado em Bioquímica / 2. º Semestre 2012 FARMACOLOGIA MOLECULAR E CELULAR Alvos Moleculares e Celulares Emergentes na TERAPIA ANTIVIRAL I. INTRODUÇÃO Vírus Entidades

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

BULA VIDEX EC (didanosina) CÁPSULAS

BULA VIDEX EC (didanosina) CÁPSULAS BULA VIDEX EC (didanosina) CÁPSULAS Ministério da Saúde VIDEX EC didanosina USO ORAL APRESENTAÇÃO VIDEX EC 250 mg ou 400 mg cápsulas é apresentado em frascos com 30 cápsulas contendo grânulos de liberação

Leia mais

MODELO DE BULA ZERITAVIR (estavudina) 30 mg ou 40 mg cápsulas. ZERITAVIR 30 mg ou 40 mg é apresentado em embalagens contendo 60 cápsulas

MODELO DE BULA ZERITAVIR (estavudina) 30 mg ou 40 mg cápsulas. ZERITAVIR 30 mg ou 40 mg é apresentado em embalagens contendo 60 cápsulas MODELO DE BULA ZERITAVIR (estavudina) 30 mg ou 40 mg cápsulas BRISTOL-MYERS SQUIBB ZERITAVIR estavudina USO ORAL APRESENTAÇÃO ZERITAVIR 30 mg ou 40 mg é apresentado em embalagens contendo 60 cápsulas USO

Leia mais

Kivexa Modelo de texto de bula Profissionais de Saúde

Kivexa Modelo de texto de bula Profissionais de Saúde LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Kivexa sulfato de abacavir + lamivudina APRESENTAÇÕES Kivexa comprimidos revestidos em forma de cápsula, que contém

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

USO ADULTO E PEDIÁTRICO Ziagenavir sulfato de abacavir Solução oral FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Ziagenavir é apresentado na forma de solução oral, contendo 20 mg/ml de abacavir (como sulfato de abacavir), acondicionado

Leia mais

aciclovir Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

aciclovir Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 aciclovir Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 200 mg / 400 mg FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimido - Embalagens contendo 25 comprimidos. - Embalagens contendo 30 comprimidos. USO ORAL -

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI Etravirina N.º Registo Nome Comercial Apresentação/Forma Farmacêutica/Dosagem PVH PVH com IVA Titular de AIM 5132709

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Agenerase 50 mg cápsulas moles 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada cápsula contém 50 mg de amprenavir. Excipientes,

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha -1980- INFECTOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE tratamentohoje Boletim Terapêutico de HIV/Aids, DST e Hepatites Virais Ano I Edição Especial maio 2003 EDIÇÃO ESPECIAL Mudanças principais A orientação para

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 44 /2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: valaciclovir. Nomes Comerciais 1 : Herpestal, Valtrex. Medicamento de Referência: Valtrex. Medicamentos Similares: Herpestal Sumário 1.

Leia mais

Biovir. lamivudina + zidovudina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

Biovir. lamivudina + zidovudina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Biovir lamivudina + zidovudina I) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Biovir é apresentado em embalagem contendo 60 comprimidos revestidos.

Leia mais

ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC

ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC Atualizado em outubro de 2014. ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Lamivudina/Zidovudina Teva 150 mg/300 mg comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Aciclovir Combino 250 mg pó para solução para perfusão

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Aciclovir Combino 250 mg pó para solução para perfusão RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Aciclovir Combino 250 mg pó para solução para perfusão 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada frasco contém: Aciclovir (D.C.I.) sódico,

Leia mais

Cada frasco para injetáveis contém 250 mg de aciclovir, sob a forma de sal sódico.

Cada frasco para injetáveis contém 250 mg de aciclovir, sob a forma de sal sódico. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Aciclovir Sidefarma 250 mg pó para solução para perfusão. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada frasco para injetáveis contém 250

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA Conceição Pedrozo 2010 Fisiopatogenia, História Natural da Infecção pelo HIV e Infecção Primária ETIOLOGIA O HIV 1 E 2 são membros da família Retroviridae e pertencem ao

Leia mais

Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes. Dr.Sandro Jorge Januário

Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes. Dr.Sandro Jorge Januário Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes HIV positivo Dr.Sandro Jorge Januário HIV/AIDS Histórico - 1981 (CDC) - aparecimento de pneumonia extremamente rara, causada

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Recomendações para Terapia Anti-Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV 2004 Brasília DF 2004 RECOMENDAÇÕES

Leia mais

BULA (CCDS 0711) PREZISTA comprimidos revestidos darunavir

BULA (CCDS 0711) PREZISTA comprimidos revestidos darunavir 1 BULA (CCDS 0711) PREZISTA comprimidos revestidos darunavir IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 300 mg em frasco com 120 comprimidos. Comprimidos

Leia mais

Modelo de texto de bula Profissional de Saúde Biovir

Modelo de texto de bula Profissional de Saúde Biovir I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO lamivudina + zidovudina APRESENTAÇÃO é apresentado em embalagem que contém 60 comprimidos revestidos e ranhurados, contendo 150 mg de lamivudina e 300 mg de zidovudina.

Leia mais

C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s

C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s Conceitos iniciais Parasita: organismo que vive em associação com outros e dos quais retiram os meios para a sua sobrevivência, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro. Hospedeiro: organismo que

Leia mais

Estudo dos efeitos adversos decorrentes do uso de antirretrovirais em pacientes com HIV/AIDS, em Salvador (Brasil)

Estudo dos efeitos adversos decorrentes do uso de antirretrovirais em pacientes com HIV/AIDS, em Salvador (Brasil) I UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de Fevereiro de 1808 Núcleo de Formação Científica Monografia Estudo dos efeitos adversos decorrentes do uso de antirretrovirais

Leia mais

Isentress (raltegravir), MSD

Isentress (raltegravir), MSD IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Isentress (raltegravir), MSD FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ISENTRESS é apresentado na forma de comprimidos revestidos acondicionados em frascos com 60 comprimidos. USO

Leia mais

SVIR. Saquinavir. Cápsula gelatinosa mole 200 mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE

SVIR. Saquinavir. Cápsula gelatinosa mole 200 mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE SVIR Saquinavir Cápsula gelatinosa mole 200 mg Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SVIR saquinavir APRESENTAÇÕES Svir Cápsula gelatinosa

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Intelence etravirina. comprimidos

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Intelence etravirina. comprimidos MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Intelence comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 100 mg em frasco com 120 comprimidos. Comprimidos de 200 mg em frasco com 60 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

Estrutura e replicação viral

Estrutura e replicação viral Estrutura e replicação viral Fabrício S. Campos camposvet@gmail.com Equipe de Virologia do ICBS / UFRGS Agosto de 2015 Fonte: http://www.google.com/imghp 1 Fonte: http://www.google.com/imghp 2 Infectam

Leia mais

PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO CIRÚRGICO ODONTOLÓGICO DE PACIENTES SOROPOSITIVOS SURGICAL ODONTOLOGICAL TREATMENT PROTOCOL FOR SEROPOSITIVE PATIENTS

PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO CIRÚRGICO ODONTOLÓGICO DE PACIENTES SOROPOSITIVOS SURGICAL ODONTOLOGICAL TREATMENT PROTOCOL FOR SEROPOSITIVE PATIENTS 24 PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO CIRÚRGICO ODONTOLÓGICO DE PACIENTES SOROPOSITIVOS SURGICAL ODONTOLOGICAL TREATMENT PROTOCOL FOR SEROPOSITIVE PATIENTS Bruno Marques SBARDELOTTO * Cláudio do Nascimento FLEIG

Leia mais

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica LTDA. Ministério da Saúde

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica LTDA. Ministério da Saúde Ministério da Saúde APRESENTAÇÃO VIDEX EC (didanosina) é apresentado na forma farmacêutica de cápsula gelatinosa dura contendo grânulos com revestimento gastroresistente de liberação retardada nas concentrações

Leia mais

Herpesvírus Humanos (HHV)

Herpesvírus Humanos (HHV) Herpesvírus Humanos (HHV) Subfamília Propriedades que Distinguem os Herpesvírus Vírus Alphaherpesvirinae Herpesvírus humano 1 Herpesvírus humano 2 Herpesvírus humano 3 Gammaherpesvirinae Herpesvírus humano

Leia mais

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana Vírus da imunodeficiência humana (HIV) gp120 gp41 p17 Dupla camada de lipídeos p24 Material genético e enzimas Estrutura do genoma do HIV-1 vpr rev rev gag vif

Leia mais

Penvir. fanciclovir EMS SIGMA PHARMA LTDA. comprimido revestido. 125 e 500 mg

Penvir. fanciclovir EMS SIGMA PHARMA LTDA. comprimido revestido. 125 e 500 mg Penvir fanciclovir EMS SIGMA PHARMA LTDA comprimido revestido 125 e 500 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Penvir fanciclovir APRESENTAÇÕES Comprimido revestido de 125 mg. Embalagem contendo 4 ou 10 comprimidos

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de segurança. Pede-se aos profissionais

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Dois tipos de imunodeficiências Primárias ou Congênitas Secundárias ou Adquiridas Imunodeficiências Secundárias Principais causas de imunodeficiências

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

FANCLOMAX. Blau Farmacêutica S.A. Comprimidos 125 e 250 mg. Blau Farmacêutica S/A.

FANCLOMAX. Blau Farmacêutica S.A. Comprimidos 125 e 250 mg. Blau Farmacêutica S/A. FANCLOMAX Blau Farmacêutica S.A. Comprimidos 125 e 250 mg MODELO DE BULA PROFISSIONAL DE SAÚDE RDC 47/09 FANCLOMAX fanciclovir APRESENTAÇÕES Cartucho contendo 1 blister com 10 comprimidos de 125 mg cada.

Leia mais

Aula - Terapia Gênica. Unidade Curricular: Cultura de Células Animais. Prof. Me. Leandro Parussolo

Aula - Terapia Gênica. Unidade Curricular: Cultura de Células Animais. Prof. Me. Leandro Parussolo Aula - Terapia Gênica Unidade Curricular: Cultura de Células Animais Prof. Me. Leandro Parussolo O que é? O que não é? O que será? 1990 (EUA) - Primeiro protocolo clínico de Terapia Gênica em humanos 2

Leia mais

InfoRed SIDA Nuevo México. Tenofovir (Viread)

InfoRed SIDA Nuevo México. Tenofovir (Viread) Folhas Informativas + Tenofovir (Viread) 20 O que é o tenofovir? É um dos medicamentos usados para o tratamento anti-retroviral. Também conhecido como bis-poc PMPA ou Viread, o tenofovir é patenteado pela

Leia mais

Constance Meiners. Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS

Constance Meiners. Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS Constance Meiners UMR 912 (Inserm/IRD/UAM) & IE/UFRJ Ano da França no Brasil (ANRS PN DST/AIDS) 12 Maio 2009 ETAPSUD

Leia mais

Co-infecção HIV/TB. Modelo Multivariado. Valeria Rolla Laboratório de pesquisa clínica em micobacterioses IPEC-Fiocruz. Ajustado

Co-infecção HIV/TB. Modelo Multivariado. Valeria Rolla Laboratório de pesquisa clínica em micobacterioses IPEC-Fiocruz. Ajustado Co-infecção HIV/TB Valeria Rolla Laboratório de pesquisa clínica em micobacterioses IPEC-Fiocruz Modelo Multivariado Naïve Só HAART Só QP HAART e QP Ajustado RH (95%CI) 1 0.41 (0.31-0.54) 0.57 (0.18-1.82)

Leia mais

Duplivir. Lamivudina... 300 mg

Duplivir. Lamivudina... 300 mg Duplivir I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Duplivir APRESENTAÇÃO Duplivir é apresentado em frascos com 30 comprimidos revestidos contendo 300 mg de fumarato de tenofovir desoproxila e 300 mg de lamivudina

Leia mais

7 HEPATOAIDS. Hamilton Bonilha. Instituto de Vacinação e Infectologia de Piracicaba 24.04.14

7 HEPATOAIDS. Hamilton Bonilha. Instituto de Vacinação e Infectologia de Piracicaba 24.04.14 7 HEPATOAIDS Uso de boceprevir em coinfectados HCV-HIV HIV Hamilton Bonilha Instituto de Vacinação e Infectologia de Piracicaba 24.04.14 Declaração de conflito de interesse Declaro que nos últimos 36 meses

Leia mais

Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Anti-retroviral em Gestantes

Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Anti-retroviral em Gestantes Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Anti-retroviral em Gestantes Ministério da Saúde CN DST/AIDS 2002 / 2003 1 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 4 II. USO DE ANTI-RETROVIRAIS

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 2 Ambulatório Escola Rua Sabará, 164 Passos

APRESENTAÇÃO. 2 Ambulatório Escola Rua Sabará, 164 Passos AB0001-07A - Cartilha Adesao sem1 1 19/7/2007 14:15:15 APRESENTAÇÃO O Ambulatório Escola da FAENPA, vinculado à faculdade de Enfermagem de Passos, mantida pela Fundação de Ensino Superior de Passos - FESP/UEMG

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA EXAMES BPAI (solicitação somente em formulário específico de BPAI) MATERIAL BIOLÓGICO EXAMES INSTRUÇÕES DE COLETA CID / BPA CÓDIGO DO LAUDO MÉDICO BPA NECESSIDADE BPAI AMBULATÓRIO ENFERMARIA Genotipagem

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

Moléculas Antivirais Que futuro?

Moléculas Antivirais Que futuro? Sofia Luzia Gonçalves Pereira Moléculas Antivirais Que futuro? Universidade Fernando Pessoa, Faculdade Ciências da Saúde. Porto 2012 I II Sofia Luzia Gonçalves Pereira Moléculas Antivirais Que futuro?

Leia mais

Epivir comprimidos Modelo de texto de bula Profissional de Saúde

Epivir comprimidos Modelo de texto de bula Profissional de Saúde LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - Identificação do medicamento Epivir lamivudina APRESENTAÇÃO Epivir comprimidos revestidos, que contém 150 mg de lamivudina, é apresentado em

Leia mais