Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica. Agentes Antivirais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica. Agentes Antivirais"

Transcrição

1 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica Agentes Antivirais ITRDUÇÃ Vírus s vírus constituem uma classe de agentes infecciosos que diferem de outros agentes causadores de doenças. Devido a sua constituição extremamente simples, os vírus se reproduzem dentro das células hospedeiras (parasitas intracelulares) às custas do sistema metabólico do hospedeiro. s vírus podem atacar bactérias, plantas e animais. Tamanho dos vírus: 0,02 a 0,40 μm (microscópio eletrônico). Principais vias de transmissão: tratos respiratório, gastrointestinal e genital, pele, urina, sangue e placenta. A infecção depende do sistema imune do hospedeiro, da severidade e do tipo de vírus. Constituição do vírus: - ácido nucléico (DA ou RA) - capsídeo (revestimento protéico do material genético) - envelope (revestimento externo ao capsídeo, formado por glicoproteínas; nem todos os vírus possuem o envelope). Doenças viróticas Queratoconjuntivite herpética: infecção séria causada por vírus da herpes simples, leva ao escurecimento da córnea cegueira. erpes zoster: causada por vírus varicela zoster (também catapora). SIDA (AIDS) Profilaxia: vacinas utras na tabela a seguir. 1

2 2

3 Ciclo de replicação viral: processo de replicação é complexo e varia de acordo com o tipo de vírus. Estado de doença: um número suficiente de células mortas no final do processo. 3

4 Agentes Antivirais Conceito: são substâncias usadas no tratamento e profilaxia das doenças causadas por vírus. As infecções viróticas excedem todas as outras categorias de doenças: cerca de 60% das doenças humanas são causadas por infecções viróticas. Estes dados explicam o grande esforço na busca de agentes antivirais. Apesar de muitos esforços, não se tem muitos avanços na quimioterapia antiviral. s principais problemas são o íntimo relacionamento entre os vírus e as células hospedeiras, o que faz com que os fármacos com atividade antiviral sejam tóxicos também para a célula hospedeira e o diagnóstico tardio das viroses. São poucos os antivirais que se encontram em uso clínico. 1. Agentes envolvidos na inibição dos estágios da replicação viral Amantadina R R = Adamantano R = Adamantina (amantadina) R = 2 C 3 Rimantadina Amina tricíclica simétrica. Derivado sintético. Inibe a penetração da partícula viral na célula do hospedeiro. Também inibe os primeiros estágios da replicação viral, bloqueando o desencapsulamento do genoma viral. Bem absorvida oralmente. Usos: efetivo clinicamente na prevenção e tratamento de infecções por cepas de influenza A (vírus RA), e em menor extensão, do vírus da rubéola e no tratamento da queratoconjuntivite herpética. Também usada como antiparkinsoniano. Baixa toxicidade nos níveis terapêuticos, mas causam diversos sintomas no SC: nervosismo, irritabilidade, confusão, dor de cabeça, insônia, depressão e alucinações. Rimantadina Mais ativo contra influenza A e menos efeitos no SC. Parece interferir no desencapsulamento, pela inibição da liberação de proteínas específicas. Pode atuar pela inibição da transcriptase reversa ou da síntese de RA viral, mas não inibe a adsorção ou penetração. Usada na Rússia e Europa. Ainda não é aprovada pelo FDA. Tromantadina Atividade moderada contra SV tipos 1 e 2, herpes labial e genital. 4

5 2. Agentes que afetam a translação dos ribossomos Metisazona 2 S C 3 Metisazona Tiossemicarbazona Usada na prevenção e tratamento da varíola (vírus de DA). Devido a erradicação da varíola, a metisazona tornou-se obsoleta. Mecanismo de ação: inibe a síntese de RA viral, por bloquear a transcrição DA RA 3. Agentes que interferem com a replicação do ácido nucléico Aciclovir 2 Aciclovir Análogo sintético da desoxiguanosina no qual o grupo carboidrato é acíclico. Possui um mecanismo único de atividade antiviral. Ativo contra certas infecções do vírus da herpes (SV-1, labial e SV-2, genital), que induzem timidinoquinase específica do vírus e/ou DA polimerases. aciclovir inibe essas enzimas. aciclovir reduze significativamente a síntese de DA na célula infectada pelo vírus sem afetar a replicação de células não infectadas. Mecanismo: 1. o aciclovir é convertido em aciclovir monofosfato ativo dentro da célula pela timidinoquinase viral. Esta reação de fosforilação ocorre mais rapidamente na célula infectada pelo vírus herpes (maior afinidade da timidino quinase viral pelo aciclovir). É posteriormente convertido em di e trifosfato pela enzima celular guanosina monofosfato quinase. A quantidade de aciclovir trifosfato nas células infectadas é 40 a 100 vezes maior que nas células não infectadas. 2. o aciclovir trifosfato inibe a DA polimerase viral em menor concentração que a DA polimerase celular. É incorporado à cadeia de DA viral durante a síntese de DA. Como o aciclovir trifosfato não tem grupo em C-3 do açúcar, termina a elongação da cadeia de DA. 3. o aciclovir é preferencialmente captado pelas células infectadas pelo vírus herpes, quando comparada com células não infectadas. Ganciclovir 2 Ganciclovir análogo do aciclovir (1991) inibe a DA polimerase (mecanismo semelhante ao aciclovir). Sua fosforilação não requer timidinoquinase vírus específica. Mais tóxica para as células humanas (risco de vida ou perda da visão uso limitado). É absorvida como pró-droga e fosforilada pelas quinases vírus induzidas. 5

6 Administrado via intra-venosa (pobremente absorvida via oral). Usado em casos de herpes e retinite por CMV (citomegalovírus), em pacientes imunossuprimidos e SIDA. Ribavirina 2 Ribavirina Antiviral de amplo espectro (vírus de RA e vírus de DA). Usos: hepatite viral, infecções herpéticas. Mecanismo: inibe enzimas envolvidas na biossíntese do ácido guanílico. Idoxuridina (IDU) I Idoxuridina ucleosídeo contendo pirimidina halogenada e análogo da timidina. Mecanismo: é primeiro fosforilada pela timidinoquinase da célula do hospedeiro à forma ativa trifosfato. É incorporada ao DA, levando à formação de um falso DA. a transcrição, proteínas virais defeituosas são formadas, resultando em partículas virais inefetivas. Também inibe a DA polimerase viral. A idoxuridina trifosforilada inibe a DA polimerase celular em menor extensão que a DA polimerase do SV, que é necessária para a síntese de DA viral. Usos: queratoconjuntivite herpética e herpes labial (uso tópico). Apresenta muitos efeitos colaterais quando o uso é sistêmico: mutagênico, imunossupresivo. Pode provocar resistência. Trifluorotimidina CF 3 Trifluorotimidina Antimetabólito da timidina. Mecanismo de ação: semelhante ao IDU. Usos: Queratoconjuntivite herpética resistente ao IDU. 6

7 Citarabina (Ara - C) 2 Ara -C Arabinofuranosilcitosina. Usos: herpes zoster, encefalite herpética, queratoconjuntivite herpética. Mecanismo: é incorporado ao DA e inibe a DA polimerase (bloqueia a utilização da desoxicitidina). Tempo de ação curto (T ½ = 3 a 9 min). 2 citidina desaminase Ara -C Ara - U (inativo) A atividade poderia ser aumentada pela administração concomitante de inibidor da citidina desaminase. Vidarabina (Ara-A) 2 Ara - A Arabinofuranosiladenina. btido a partir de culturas de Streptomyces antibioticus. É metabolizado pela adenosina desaminase (plasma e células vermelhas) a arabinosil hipoxantina (Ara-x). Usos: queratoconjuntivite herpética, encefalite herpética. Mecanismo: inibição da DA polimerase viral; não é incorporada ao DA (atua nas primeiras etapas da síntese do DA). 2 adenosina desaminase Ara - A T 1/2 = 1h Ara - x (fracamente ativo) T 1/2 = 3,5h 7

8 C Desoxiguanosina Timidina Desoxicitidina Desoxiadenosina 4. utros Fosfonoacetato de sódio a + - P C 2 C - a +. 2 Fosfonoacetato de sódio Fosfoneto sódico. Usado no tratamento da queratite herpética. Inibe a síntese de DA viral por inibição da DA polimerase e da transcriptase reversa. Interferons Descobertos em 1957 por Isaacs e Lindenmann. Protege a célula de infecções virais posteriores. Inibe o crescimento viral, a multiplicação celular e a atividade imunomodulatória. Especulação: interferon é um fator antiviral natural, possivelmente formado antes da produção de anticorpos e pode ser o mecanismo normal de resistência contra infecções virais. Interferon: mistura de pequenas proteínas com peso molecular de a são glicoproteínas que exibem atividade antiviral espécie específica. Três tipos: α secretados pelos leucócitos β secretados pelos fibroblastos humanos γ secretados pelos linfócitos T Escassos e difíceis de purificar limitante clínico Interferon α amplo espectro, atua nas células infectadas pela ligação a receptores específicos na superfície das células. Inibem a transcrição e tradução do mra em ácido nucléico viral e proteínas. Interferon β obtido em 1993 por tecnologia do DA recombinante (PCR). Semelhantes aos hormônios polipeptídicos e funcionam como comunicação célula a célula para transmitir mensagens específicas. Estratégia: uso de indutores da produção de interferon em humanos (tilorona: ativo em ratos mas inativo em humanos). 3 C C 3 3 C Tilorona C 3 Desvantagens dos indutores da produção de interferon (impedem seu uso): febre, dores de cabeça, mialgias, leucopenia, náuseas, vômito, diarréia, hipotensão, alopecia, anorexia e perda de peso. 8

9 Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA = AIDS) A SIDA é considerada a doença microbiana mais importante atualmente. Inicialmente a SIDA foi definida como o desenvolvimento do estado de doença caracterizado pelo aparecimento de infecções oportunistas ou do sarcoma de Karposi (neoplasma) em pessoas sem causa conhecida de imunodeficiência. Posteriormente (1981), constatou-se que esta imunodeficiência era conseqüência da diminuição de linfócitos T, devido à replicação do retrovírus IV. A identificação do IV como agente causador da SIDA se deu em Já em 1985 descobriu-se que o AZT inibia a replicação do IV in vitro. Em 1987 (seis anos após o descobrimento da AIDS e dois anos após os primeiros testes in vitro com o AZT), o AZT foi aprovado pelo FDA para ser usado em pacientes com infecções graves. A partir do conhecimento do ciclo de replicação do vírus IV é possível estabelecer estratégias para desenvolver fármacos ativos contra o vírus. Replicação do IV A replicação do IV é um processo complexo que compreende um grande número de etapas. Inicialmente, o envelope do vírus se fixa sobre a membrana celular dos linfócitos T, envolvendo a interação das glicoproteínas do envelope (GP120) e as glicoproteínas CD4 ou T4, da membrana celular. As moléculas de glicoproteínas CD4 são abundantes nos linfócitos T (os linfócitos T são reguladores fundamentais do sistema imunitário e quando os mesmos desaparecem os indivíduos tornam-se sensíveis às infecções oportunistas e às afecções malignas). As glicoproteínas GP120 do envelope viral se integram à membrana celular dos linfócitos T infectados e se fixam às moléculas CD4 de células não infectadas, levando à fusão com formação de sincítias [um medicamento que bloqueasse a interação GP120 (envelope viral) com as moléculas CD4 (membrana celular) impediria tanto a replicação quanto a formação de sincítias, ex. anticorpos]. Após a penetração do vírus na célula hospedeira há a liberação do RA e da transcriptase reversa da capa protéica [poderia-se ter substâncias que impedissem esta liberação]. corre então a síntese de DA a partir do RA viral por ação da enzima transcriptase reversa [substâncias poderiam impedir a transcrição e a síntese de DA viral, ex. AZT] e a inserção do DA no cromossomo da célula infectada. Posteriormente, o DA pró-viral é transcrito em mra, que a maquinaria biossintética da célula traduz em proteínas virais [oligonucleotídeos anti-sense poderiam bloquear a tradução do mra em proteínas virais ou impedir a síntese de proteínas virais]. As proteínas virais sofrem modificações adequadas, se juntam e há formação de nova partícula viral, que deixa a célula [substâncias poderiam impedir a modificação das proteínas ou a reunião dos constituintes do novo vírus, ex. inibidores de proteases]. interferon age impedindo a reunião dos constituintes virais. s fármacos atualmente usados para o tratamento da SIDA (AIDS) são os inibidores de transcriptase reversa análogos de nucleosídeos (bloqueiam a síntese do DA viral), os inibidores de transcriptase reversa não nucleosídeos e os inibidores de proteases (inibem as modificações das proteínas virais). utros vêem sendo testados para introdução na terapêutica. s análogos de nucleosídeos bloqueiam a síntese de DA viral por dois mecanismos: 1) inibem a transcriptase reversa e 2) impedem o alongamento da cadeia do DA. Por serem análogos de nucleosídeos, eles têm afinidade pela enzima e por não apresentarem a hidroxila em C-3, impedem o alongamento da cadeia. s fármacos são ativados, isto é, transformados em trifosfato dentro da célula hospedeira (não são absorvidos pela célula, se usados como trifosfato). A eficiência terapêutica dos análogos de nucleosídeos depende da facilidade de penetração na célula e da tendência à fosforilação subseqüente. s didesoxinucleosídeos têm afinidade por várias enzimas do organismo (inconveniente). 9

10 Pour la Science, mar/

11 Mecanismo de ação dos inibidores de TC do tipo nucleosídeos: 11

12 3 AZT 1. Inibidores de transcriptase reversa (TC) do tipo nucleosídeo Zidovudina (AZT) C 3 AZT (azidotimidina) Análogo da timidina na qual um grupo azido é substituído no carbono 3 da didesoxirribose. Ativo contra vírus de RA (retrovírus): SIDA, leucemia de células T (TLV: human T-cell lymphotropic virus). É convertida a mono, di e trifosfato pela timidinoquinase celular. s fosfatos são incorporados ao DA pró-viral, pois o AZT-trifosfato é usado como substrato pela transcriptase reversa (RA DA pró-viral). Este processo previne a ligação 5,3 -fosfodiéster, resultando na terminação da elongação da cadeia de DA devido à presença do grupo azido em 3 no AZT. Inibição seletiva da DA polimerase viral pelo trifosfato de zidovudina. Inibe o IV-1 (potente inibidor), IV-2 e vírus Epstein-Barr. Sintetizada em 1964 por orwitz e colaboradores. Efeitos colaterais: mais graves: tóxica para a medula óssea e causa anemia macrocítica, neutropenia e granulocitopenia; menos graves: dores de cabeça, insônia, náuseas, vômito, mialgias, ansiedade e confusão. Sensível ao calor e luz devido ao grupo azida (armazenada em recipientes opacos a 15ºC - 25ºC). Bem absorvida pelo TGI (usada em forma de cápsulas). Usada na SIDA, em pacientes assintomáticos ou sintomáticos (aumenta a sobrevida e diminui as infecções secundárias) e na profilaxia de profissionais da área de saúde (exposição ocupacional). Didanosina (DDI) 2 in vivo Didanosina (DDI) Didesoxiadenosina (DDA) Didesoxiinosina. Sofre biotransformação intracelular dando trifosfato de didesoxiadenosina, metabólito ativo, que inibe a transcriptase reversa, com o que a replicação do IV é suprimida. Usos: SIDA Zalcitabina (DDC) 2 Didesoxicitidina. Zalcitabina (DDC) 12

13 Análogo da citidina. Mecanismo: In vivo, sofre fosforilação pelas enzimas celulares a trifosfato de DDC, metabólito ativo que inibe a transcriptase reversa suprimindo a replicação viral. É um terminador da elongação da cadeia de DA. Sua potência contra o IV in vitro é cerca de 10 vezes maior que a da zidovudina. Usos: SIDA. Estavudina C 3 Estavudina Análogo da timidina. Lamivudina 2 (-)-SddC análogo do IDC estereoisômero não natural S Lamivudina (3TC) Abacavir (ABC) 2 Abacavir (ABC) 2. Análogos de nucleotídeos 2 P Tenofovir diisopropil 13

14 3. Inibidores de transcriptase reversa não-nucleosídeos C 3 evirapina Cl F 3 C Efavirenz C 3 S 2 Delavirdina C 2 4. Inibidores de protease C(C 3 ) 3 S Ph Ph S Indinavir Ritonavir 2 C 3 Ph C(C 3 ) 3 C 3 Ph 3 C C 3 Saquinavir Lopinavir 2 C 3 SPh C 3 C 3 Ph C 3 C 3 S 2 C 3 elfinavir Amprenavir 3 C 5. Estimulantes da produção de interferon 3 C 3 C Imiquimod 2 ovas estratégias no combate ao IV (ainda em estudos): a) Inibidores da fusão ou entrada b) Inibidores de integrase c) Inibidores da transcrição 14

15 Terapia combinada (100 vezes mais poderoso que o AZT sozinho): 2 inibidores de transcriptase reversa do tipo nucleosídeo/nucleotídeo + 1 inibidor de transcriptase reversa do tipo não-nucleosídeo. Ex: zidovudina (AZT) + lamivudina (3TC) + efavirenz u 2 inibidores de transcriptase reversa do tipo nucleosídeo/nucleotídeo + 1 inibidor de protease. Ex: zidovudina (AZT) + lamivudina (3TC) + ritonavir Bibliografia KRLKVAS, A.; BURCKALTER, J.. Química Farmacêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Cap. 35, p MARTI, A. R. Antiviral agents. In: DELGAD, J..; REMERS, W. A (ed.) Wilson and Gisvold s textbook of organic medicinal and pharmaceutical chemistry. 10 th ed. Philadelphia: Lippincott Willians & Wilkins, Cap. 11, p MA, P. Anti-AIDS agents. In: FYE, W.. et al. Principles of medicinal chemistry. 4 th ed. Media: Williams e Wilkins, Cap. 39, p SETI, M. L. Antiviral agents. In: FYE, W.. et al. Principles of medicinal chemistry. 4 th ed. Media: Williams e Wilkins, Cap. 38, p SUZA, M. V..; ALMEIDA, M. V. Drogas anti-vi: passado, presente e perspectivas futuras. Química ova, v. 26, n. 3,

INFECÇÕES VIRAIS. Prevenção: Tratamento: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública

INFECÇÕES VIRAIS. Prevenção: Tratamento: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública FÁRMACOS ANTIVIRAIS INFECÇÕES VIRAIS Prevenção: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública Rede pública de água Tratamento de esgotos Controle de insetos Práticas clínicas apropriadas Formação

Leia mais

VÍRU R S U Colégio Mauá

VÍRU R S U Colégio Mauá Colégio Mauá VÍRUS O QUE É UM VÍRUS??? Vírus vem do latim = Veneno; São os únicos organismos acelulares, com organização apenas molecular, sendo formados por uma cápsula de proteínas (capsídeo) envolvendo

Leia mais

Vírus - Caracterização Geral

Vírus - Caracterização Geral Noções de Vírus By Profª. Cynthia Vírus - Caracterização Geral Vírus = veneno ou fluído venenoso (Latim) Acelulares/ Partículas Infecciosas Composição química de nucleoproteínas (DNA ou RNA+Proteínas)

Leia mais

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese.

1/12/2008. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese. Retrovírus e oncogênese. Retrovírus e oncogênese. HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Características Gerais dos Vírus

Características Gerais dos Vírus Características Gerais dos Vírus Vírus Agentes causadores de infecções no homem, outros animais, vegetais e bactérias. São desprovidos de organelas e sem metabolismo próprio. Parasitas intracelulares obrigatórios.

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO VIRAL MULTIPLICATION 1 MULTIPLICAÇÃO

MULTIPLICAÇÃO VIRAL MULTIPLICATION 1 MULTIPLICAÇÃO VIRAL MULTIPLICATION 1 Esquema geral de multiplicação de vírus 2 VIRAL 1- ADSORÇÃO 2- PENETRAÇÃO 3- EXPRESSÃO GÊNICA (TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO DE PROTEÍNAS) 4- REPLICAÇÃO DO GENOMA 5- MONTAGEM / MATURAÇÃO

Leia mais

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus 01-2017 1- Quais foram as observações feitas por Adolf Mayer que permitiram concluir que o agente etiológico da Doença do Mosaico do tabaco era um

Leia mais

Processos de interação vírus célula. e replicação viral

Processos de interação vírus célula. e replicação viral Processos de interação vírus célula e replicação viral Adsorção: ligação do receptor celular e antirreceptor viral. Exemplo poliovírus: 1 Adsorção: ligação do receptor celular e antirreceptor viral. Hepatite

Leia mais

3 Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos

3 Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos 1 3 Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos - São compostos ricos em energia - Funcionam como sinais químicos - São reservatórios moleculares da informação genética a) Nucleotídeos - São encontrados polimerizados

Leia mais

Replicação dos Vírus. Células 26/04/2012. Ciclo celular. Vírus: não apresentam estrutura celular. ausência de metabolismo

Replicação dos Vírus. Células 26/04/2012. Ciclo celular. Vírus: não apresentam estrutura celular. ausência de metabolismo Replicação dos Vírus Profª Maria Luzia da Rosa e Silva Vírus: não apresentam estrutura celular ausência de metabolismo Entretanto, a produção de novas partículas (Replicação) Requer síntese de macromoléculas

Leia mais

HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES

HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (HIV) Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS): 1) CAUSADA PELO HIV 2) ASPECTOS CLÍNICOS: imunodepressão com infecções oportunistas,

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO VIRAL Danielly Cantarelli

MULTIPLICAÇÃO VIRAL Danielly Cantarelli MULTIPLICAÇÃO VIRAL Danielly Cantarelli 1 Os vírus não possuem enzimas para a produção de energia nem para a síntese protéica Para que um vírus se multiplique, ele deve invadir uma célula hospedeira e

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio. Agradecimentos. Instruções para Colorir. 1 Importância dos Microrganismos para os Homens. 2 Os Primeiros Microscópios

ÍNDICE. Prefácio. Agradecimentos. Instruções para Colorir. 1 Importância dos Microrganismos para os Homens. 2 Os Primeiros Microscópios ÍNDICE Prefácio Agradecimentos Instruções para Colorir 1 Importância dos Microrganismos para os Homens 2 Os Primeiros Microscópios 3 Geração Espontânea 4 A Teoria dos Germes como Agentes Causadores de

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Química e Geociências Departamento de Bioquímica BÁSICA EM IMAGENS

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Química e Geociências Departamento de Bioquímica BÁSICA EM IMAGENS Universidade Federal de Pelotas Instituto de Química e Geociências Departamento de Bioquímica 05 BÁSICA EM IMAGENS - um guia para a sala de aula Nucleotídeos Hierarquia estrutural na organização molecular

Leia mais

CAPÍTULO 6: COMPOSTOS ORGÂNICOS PROTEÍNAS CAP. 7: COMPOSTOS ORGÂNICOS ÁCIDOS NUCLEICOS E VITAMINAS

CAPÍTULO 6: COMPOSTOS ORGÂNICOS PROTEÍNAS CAP. 7: COMPOSTOS ORGÂNICOS ÁCIDOS NUCLEICOS E VITAMINAS CAPÍTULO 6: COMPOSTOS ORGÂNICOS PROTEÍNAS CAP. 7: COMPOSTOS ORGÂNICOS ÁCIDOS NUCLEICOS E VITAMINAS 1. Dentre os diferentes compostos orgânicos das células temos as proteínas. Sobre estas responda: a) Cite

Leia mais

Metabolismo dos Lipídios

Metabolismo dos Lipídios QUÍMCA E BIOQUÍMICA Curso Técnico em Nutrição e Dietética Metabolismo dos Lipídios Professor: Adriano Silva Os lipídios são um grupo de biomoléculas e/ou compostos orgânicos caracterizados por serem insolúveis

Leia mais

Vírus, um grupo a parte.

Vírus, um grupo a parte. Vírus, um grupo a parte. Vírus, um grupo a parte. Estrutura típica de um vírus: 01)Observe a figura a seguir, onde está representado, esquematicamente, o vírus HIV e analise as proposições quanto à sua

Leia mais

10/02/2011 VACINAS IMUNIZAÇÃO. Referências Bibliográficas:

10/02/2011 VACINAS IMUNIZAÇÃO. Referências Bibliográficas: INTRODUÇÃO À IMUNOLOGIA: PROPRIEDADES GERAIS Prof. MSc. Weverson Pires wlp_cell@yahoo.com.br pirescell@gmail.com Referências Bibliográficas: ANTUNES, L. Imunologia Geral. Rio de Janeiro: Atheneu, 1998.

Leia mais

Classificação viral segundo Baltimore. DNA dupla fita DNA simples fita DNA dupla fita DNA dupla fita RNA fita+ RNA fita + mrna RNA fita +

Classificação viral segundo Baltimore. DNA dupla fita DNA simples fita DNA dupla fita DNA dupla fita RNA fita+ RNA fita + mrna RNA fita + Processos de Replicação Viral Vírus com genoma a RNA Classificação viral segundo Baltimore. DNA dupla fita DNA dupla fita RNA fita+ RNA fita + DNA dupla fita mrna DNA simples fita DNA dupla fita RNA fita

Leia mais

Antivirais. Profa Dra Mônica Santos de Freitas Sunday, December 2, 12

Antivirais. Profa Dra Mônica Santos de Freitas Sunday, December 2, 12 Antivirais Profa Dra Mônica Santos de Freitas 21.11.2012 As vacinas são ótimas na prevenção de doenças O que acontece quando o indivíduo esta doente? A vacina é o melhor tratamento? Existem aproximadamente

Leia mais

Prof. Msc. Cleysyvan Macedo

Prof. Msc. Cleysyvan Macedo Prof. Msc. Cleysyvan Macedo PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS VÍRUS: Não possui estruturas celulares (membrana plasmática, citoplasma, etc.). São formado basicamente por uma cápsula protéica denominada capsômero

Leia mais

Biologia. Unicelulares e Multicelulares / Vírus. Professor Enrico Blota.

Biologia. Unicelulares e Multicelulares / Vírus. Professor Enrico Blota. Biologia Unicelulares e Multicelulares / Vírus Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia ATÓTROFOS, HETERÓTROFOS, UNICELULARES, MULTICELULARES E VÍRUS Os seres vivos podem ser classificados

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO

A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO PRINCIPAIS ELEMENTOS QUE CONSTITUEM OS SERES VIVOS Carbono CHONPS Compõe as principais cadeias das moléculas orgânicas (lipídios, carboidratos e proteínas) presentes em nosso

Leia mais

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio O Sistema Imune e os agentes infecciosos Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos Órgãos do sistema linfóide Introdução:

Leia mais

Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o

Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o A química da Vida Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o restante 2,5% está concentrado em

Leia mais

Organização do genoma e variação individual

Organização do genoma e variação individual Organização do genoma e variação individual José Francisco Diogo da Silva Junior Mestrando CMANS/UECE PLASTICIDADE CELULAR 1 PLASTICIDADE CELULAR PLASTICIDADE CELULAR 2 COMPOSIÇÃO DO DNA ESTRUTURA DO DNA

Leia mais

Morfologia e Replicação dos vírus

Morfologia e Replicação dos vírus Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia Morfologia e Replicação dos vírus Tatiana Xavier de Castro Calendário virologia 2016 Aula prática: uso obrigatório do jaleco

Leia mais

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Biologia

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Biologia 1 a QUESTÃO: Cada vez mais a técnica da reação em cadeia da polimerase (PCR - polimerase chain reaction) tem sido utilizada no diagnóstico de doenças parasitárias. Por essa técnica, regiões específicas

Leia mais

20/10/2011 Vi V as: re r spira r t a ó t ri r a dige g st s i t va v dérm r i m ca c 2

20/10/2011 Vi V as: re r spira r t a ó t ri r a dige g st s i t va v dérm r i m ca c 2 Tema: Absorção Distribuição e armazenamento Metabolismo / Biotransformação Excreção 1 Vias: respiratória digestiva dérmica 2 Fatores que influenciam a absorção Relacionados agentes tóxicos: 1. Lipossolubilidade

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Prof Cristiano Ricardo Jesse

Tecido Conjuntivo. Prof Cristiano Ricardo Jesse Tecido Conjuntivo Prof Cristiano Ricardo Jesse Tecido conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Conjunto de moléculas Conecta e liga as células e órgãos Suporte ao corpo Tecido conjuntivo

Leia mais

Fundamentos de Saúde. SISTEMAS DO CORPO HUMANO imunológico

Fundamentos de Saúde. SISTEMAS DO CORPO HUMANO imunológico Fundamentos de Saúde 1º bimestre/2012 SISTEMAS DO CORPO HUMANO imunológico Escola Técnica - MÚLTIPLA Os historiadores indicam Thucidides, em Atenas, durante o quinto século antes de Cristo, como o primeiro

Leia mais

7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS

7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS 7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS 2 O que é a oxidação? É o processo pelo qual a matéria viva transforma em diferentes formas de energia atual a energia químico-potencial contida nas estruturas moleculares dos alimentos.

Leia mais

Regulação da expressão gênica em Procariotos. John Wiley & Sons, Inc.

Regulação da expressão gênica em Procariotos. John Wiley & Sons, Inc. Regulação da expressão gênica em Procariotos Cada célula tem todos os genes, mas em um tecido apenas parte deles está ativa REGULAÇÃO DA EXPRESSÃO GÊNICA Diferenciação celular: diferentes tipos celulares

Leia mais

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO Bactérias Vírus Fungos Protozoários RESUMO DOS PRINCIPAIS MICRORGANISMOS, O QUE SÃO MEIOS DE PROLIFERAÇÃO... Diferença entre as células Bactérias São seres muito simples, unicelulares e com célula procariótica

Leia mais

Vírus. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Vírus. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Vírus Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Virologia Virologia. Ramo da Biologia que estuda os vírus e suas propriedades. Vírus é totalmente inerte fora da sua célula hospedeira; Dependem totalmente da

Leia mais

EFEITOS BIOLÓGICOS DAS RADIAÇÕES IONIZANTES

EFEITOS BIOLÓGICOS DAS RADIAÇÕES IONIZANTES A radiação perde energia para o meio provocando ionizações Os átomos ionizados podem gerar: Alterações moleculares Danos em órgãos ou tecidos Manifestação de efeitos biológicos 1 MECANISMOS DE AÇÃO Possibilidades

Leia mais

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citosol é a porção liquida do interior das células e de organismos intracelulares. O termo foi introduzido em 1965, como o conteúdo liberado quando células eram

Leia mais

Vírus Características Gerais

Vírus Características Gerais Vírus Características Gerais Características Gerais Do latim veneno Agentes diminutos visíveis por microscopia eletrônica 10 a 100 vezes menores que bactérias 20-30 nm Estruturalmente muito simples Apenas

Leia mais

Vacinas e Imunoterapia

Vacinas e Imunoterapia Como os organismos hospedeiros vertebrados podem adquirir Imunidade? Vacinas e Imunoterapia Prof. Helio José Montassier Imunidade Passiva É uma forma de imunidade temporária após transferência natural

Leia mais

DROGAS ANTIMICROBIANAS

DROGAS ANTIMICROBIANAS DROGAS ANTIMICROBIANAS HISTÓRICO 1495: Mercúrio (SÍFILIS) 1630 : Quinino (MALÁRIA) 1905 Paul Ehrlich composto 606 (Salvarsan) 1910: Salvarsan para tratamento da sífilis-paul Ehlrich 1928: Penicillina -

Leia mais

Retrovírus Felinos. Fernando Finoketti

Retrovírus Felinos. Fernando Finoketti Retrovírus Felinos Fernando Finoketti Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Maio de 2014 Retrovírus - Características Capsídeo icosaédrico. Possuem envelope. Genoma composto de duas moléculas idênticas

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

Exercícios de Proteínas

Exercícios de Proteínas Exercícios de Proteínas 1. As são compostos formados por unidos (as) por ligações e as são orgânicos, de natureza sensíveis às variações de temperatura. Os termos que corretamente preenchem as lacunas

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS BIOQUÍMICA

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS BIOQUÍMICA BIOVESTIBA.NET VIRTUAL UFRGS BIOQUÍMICA 1. (Ufrgs 2015) Observe a tira abaixo. Se o filho do Radicci tornar-se vegetariano do tipo que não utiliza produtos derivados de animais, ficará impossibilitado

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Imunologia das Viroses Monitor: Daniel Valente 1.Introdução...

Leia mais

Introdução ao Metabolismo. Profª Eleonora Slide de aula

Introdução ao Metabolismo. Profª Eleonora Slide de aula Introdução ao Metabolismo Profª Eleonora Slide de aula Metabolismo Profª Eleonora Slide de aula Relacionamento energético entre as vias catabólicas e as vias anabólicas Nutrientes que liberam energia Carboidratos

Leia mais

15/08/2014. Evidências de doenças virais nas civilizações egípcias e grecoromanas

15/08/2014. Evidências de doenças virais nas civilizações egípcias e grecoromanas Evidências de doenças virais nas civilizações egípcias e grecoromanas Obra Ilíada : pesonalidade raivosa de Heitor Faraó Ramsés V: Sequelas de varíola na face Cidadão do povo com sequelas poliomielite

Leia mais

Sangue!!! TRANSPORTE DE GASES NOS FLUÍDOS CORPORAIS. O que é sangue? Qual(is) a(s) sua(s) função(ões)? 03/04/2017 PERGUNTAS INICIAIS FUNÇÕES DO SANGUE

Sangue!!! TRANSPORTE DE GASES NOS FLUÍDOS CORPORAIS. O que é sangue? Qual(is) a(s) sua(s) função(ões)? 03/04/2017 PERGUNTAS INICIAIS FUNÇÕES DO SANGUE TRANSPORTE DE GASES NOS FLUÍDOS CORPORAIS Sangue!!! PERGUNTAS INICIAIS O que é sangue? Qual(is) a(s) sua(s) função(ões)? FUNÇÕES DO SANGUE Transporte: Nutrientes Metabólitos Gases Hormônios Calor (regulação

Leia mais

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Na aula de hoje, vamos falar de: 1. Importância da análise de amostras biológicas como ferramentas de diagnóstico 2. Composição dos dois fluidos mais analisados:

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

Respostas celulares às infecções virais

Respostas celulares às infecções virais Respostas celulares às infecções virais Tipos de genomas virais A classificação dos vírus é baseada nos tipos de genomas virais Vírus que infectam animais Ciclo de replicação (Influenza) Ciclo de replicação

Leia mais

ATENDIMENTO HIV. Ana Claudia Morandi. Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG

ATENDIMENTO HIV. Ana Claudia Morandi. Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG ATENDIMENTO PÓS-EXPOSIÇÃO BIOLÓGICA HIV Ana Claudia Morandi Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) No mundo, a Aids é a quarta principal causa de morte,

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Genoma! O genoma de um organismo

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia Aula 3.1 Bactérias CLASSIFICAÇÃO: Bactérias Quanto a respiração: Aeróbicas: crescem apenas na presença de O 2. Anaeróbicas: crescem em ausência

Leia mais

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto Bioquímica: orgânicos e inorgânicos necessários à vida Leandro Pereira Canuto Toda matéria viva: C H O N P S inorgânicos orgânicos Água Sais Minerais inorgânicos orgânicos Carboidratos Proteínas Lipídios

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de Prova de Conhecimentos Gerais em Química

Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de Prova de Conhecimentos Gerais em Química Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de 2014 Prova de Conhecimentos Gerais em Química Nome do candidato: Instruções: Escreva seu nome de forma legível no espaço acima.

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Noite)

Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) 1. O cladograma representa, de forma simplificada, o processo evolutivo de diferentes grupos de vertebrados. Nesses organismos,

Leia mais

METABOLISMO DE NUCLEOTÍDEOS ou ÀCIDOS BILIARES UNIDADE 5

METABOLISMO DE NUCLEOTÍDEOS ou ÀCIDOS BILIARES UNIDADE 5 METABOLISMO DE NUCLEOTÍDEOS ou ÀCIDOS BILIARES UNIDADE 5 Nucleotídeos = ribonucleosídeos e desoxiribonucleotídeos fosfato. transporte de intermediários ativados na síntese de carboidratos, lipídeos e proteínas

Leia mais

A comunicação celular permite a integração e harmonização de funcionamento entre células do mesmo tecido e de tecidos/órgãos diferentes.

A comunicação celular permite a integração e harmonização de funcionamento entre células do mesmo tecido e de tecidos/órgãos diferentes. Comunicação celular é o processo pelo qual as células de um organismo influenciam umas às outras por meio de moléculas, conhecidas como sinalizadores. A comunicação celular permite a integração e harmonização

Leia mais

Prevenção e controle das infecções virais

Prevenção e controle das infecções virais Prevenção e controle das infecções virais 1 Medidas de prevenção de doenças virais Redução do risco de exposição Introdução de melhorias sanitárias (ex. infecções entéricas) Veiculação de informações para

Leia mais

15/10/2009 GENÉTICA BACTERIANA. Disciplina: Microbiologia Geral Curso: Nutrição Prof. Renata Fernandes Rabello. Informação genética essencial.

15/10/2009 GENÉTICA BACTERIANA. Disciplina: Microbiologia Geral Curso: Nutrição Prof. Renata Fernandes Rabello. Informação genética essencial. GENÉTICA BACTERIANA GENOMA BACTERIANO Cromossoma (nucleóide) Informação genética essencial. Ácido desoxirribonucléico (DNA). Disciplina: Microbiologia Geral Curso: Nutrição Prof. Renata Fernandes Rabello

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL 1ª série Ens. Médio 1. A figura a seguir refere-se à hereditariedade: a) EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL b) Explique de que forma a molécula de DNA atua no fenômeno da

Leia mais

Genética Molecular. Tema 1: Genética Molecular. Prof. Leandro Parussolo

Genética Molecular. Tema 1: Genética Molecular. Prof. Leandro Parussolo Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I Tema 1: Genética Molecular Genética Molecular Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br Genética Estuda

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO. O sangue e as defesas corporais

SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO. O sangue e as defesas corporais SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO O sangue e as defesas corporais INTRODUÇÃO Promove o combate a microrganismos invasores e a limpeza do organismo (retirada de células mortas e de células alteradas) Altamente

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino. Pâncreas Endócrino. Anatomia Microscópica. Anatomia Microscópica

Fisiologia do Sistema Endócrino. Pâncreas Endócrino. Anatomia Microscópica. Anatomia Microscópica Fisiologia do Sistema Endócrino Pâncreas Endócrino Prof. Dr. Leonardo Rigoldi Bonjardim Profa. Adjunto do Depto. De Fisiologia-CCBS-UFS Material disponível em: http://www.fisiologiaufs.xpg.com.br 2006

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

Ácidos Nucléicos. Prof Dr Eduardo Brum Schwengber

Ácidos Nucléicos. Prof Dr Eduardo Brum Schwengber Ácidos Nucléicos Prof Dr Eduardo Brum Schwengber Tópicos Abordados em Aula Nucleosídeos Nucleotídeos Polinucleotídeos Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA) Ácido Ribonucléico (ARN ou RNA) Roteiro para

Leia mais

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO IMUNOPROFILAXIA. Dra. Cleoncie Alves de Melo Bento Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO IMUNOPROFILAXIA. Dra. Cleoncie Alves de Melo Bento Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO IMUNOPROFILAXIA Dra. Cleoncie Alves de Melo Bento Profa. Adjunta Disciplina de Imunologia Introdução IMUNIDADE ATIVA PASSIVA Introdução IMUNIDADE

Leia mais

Princípios gerais da ação de quimioterápicos citotóxicos

Princípios gerais da ação de quimioterápicos citotóxicos ANTINEOPLÁSICOS Princípios gerais da ação de quimioterápicos citotóxicos Os agentes citotóxicos atuam nas células em divisão O tumor não é homogêneo O tumor sólido divide-se em compartimentos Apenas a

Leia mais

7.012 Soluções do Conjunto de Problemas 6

7.012 Soluções do Conjunto de Problemas 6 Nome Seção 7.012 Soluções do Conjunto de Problemas 6 Pergunta 1 A família de vírus Orthomyxoviridae inclui os vírus influenza A, B e C. Esses vírus possuem um genoma (-)ssrna envolto por um capsídeo composto

Leia mais

Introdução ao bloco II Enfermagem. Monica Montero Lomeli Sylvia Alquéres

Introdução ao bloco II Enfermagem. Monica Montero Lomeli Sylvia Alquéres Introdução ao bloco II Enfermagem Monica Montero Lomeli Sylvia Alquéres Programação de aulas 16/set 21/set 23/set 28/set 30/set 05/out 07/out 12/out 14/out Apresentação do bloco + Enzimas I (cinéeca) Enzimas

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio. Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio. Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos O Sistema Imune e os agentes infecciosos Introdução Introdução: Sistema

Leia mais

Informação é a melhor proteção. AIDS

Informação é a melhor proteção. AIDS Informação é a melhor proteção. AIDS AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

APROFUNDAMENTO SOBRE VÍRUS. Ao estudar os vírus o aluno deve primar por alguns pontos básicos:

APROFUNDAMENTO SOBRE VÍRUS. Ao estudar os vírus o aluno deve primar por alguns pontos básicos: APROFUNDAMENTO SOBRE VÍRUS Relembrando: Os vírus são o assunto do momento. Desde a divulgação dos primeiros casos de gripe tipo A, em abril, no México, a mídia vem veiculando permanentemente informações

Leia mais

Sistemas de controle da transcrição gênica. Procariotos

Sistemas de controle da transcrição gênica. Procariotos Sistemas de controle da transcrição gênica Procariotos Controle Positivo e Negativo: Há dois tipos de controle transcricional: Controle negativo: no qual uma proteína reguladora atua como um repressor

Leia mais

Resposta imune inata (natural ou nativa)

Resposta imune inata (natural ou nativa) Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Imunologia Resposta imune inata (natural ou nativa) Profa. Dra. Silvana Boeira Acreditou-se por muitos anos que a imunidade inata fosse inespecífica

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais Profa. Claudia Vitral Importância do diagnóstico laboratorial virológico Determinar a etiologia e acompanhar o curso de uma infecção viral Avaliar a eficácia

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É um polímero, ou seja, uma longa cadeia de nucleotídeos. Estrutura Molecular dos Nucleotídeos: Os nucleotídeos são constituídos por 3 unidades: Bases

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais

Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais Disciplina de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia (MIP) Mecanismos de resposta inespecífica Barreiras anatômicas

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Disciplina de BIOLOGIA E GEOLOGIA 11º ano 1º Teste Formativo 11º A TEMA: DNA e Síntese de Proteínas 45 minutos 21 de Outubro de 2011 Nome: Nº Classificação: _,

Leia mais

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Drogas antimicrobianas: mecanismo de ação Um aspecto do controle do crescimento dos microrganismos envolve a utilização de fármacos no tratamento de

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos

Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL Programa de Aperfeiçoamento de Ensino - PAE Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Angela da Silva Machado Súmula da aula... Estrutura e função dos

Leia mais

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS INFECÇÃO PELO HIV E AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

O sangue e seus constituintes. Juliana Aquino. O sangue executa tantas funções que, sem ele, de nada valeria a complexa organização do corpo humano

O sangue e seus constituintes. Juliana Aquino. O sangue executa tantas funções que, sem ele, de nada valeria a complexa organização do corpo humano O sangue e seus constituintes Juliana Aquino O sangue executa tantas funções que, sem ele, de nada valeria a complexa organização do corpo humano O sangue e seus constituintes É através da circulação sanguínea

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

Recomendações para o uso de agentes antivirais no tratamento e profilaxia de infecções por vírus da gripe A(H5N1)

Recomendações para o uso de agentes antivirais no tratamento e profilaxia de infecções por vírus da gripe A(H5N1) Doença humana por vírus da gripe de origem aviária A(H5N1) Período de Alerta Pandémico Fase 3 (Baixa probabilidade de aparecimento de casos esporádicos na Europa) Recomendações para o uso de agentes antivirais

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ UNIDADE 2. Pág. 20

COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ UNIDADE 2. Pág. 20 COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ UNIDADE 2 Pág. 20 Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ Um rapaz

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia Introdução. Propriedades gerais dos vírus. Classificação dos vírus. Diagnóstico laboratorial das viroses. Esta aula contém 5 páginas 23/03/2007

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA Água Sais minerais Vitaminas Carboidratos Lipídios Proteínas Enzimas Ácidos Núcleos Arthur Renan Doebber, Eduardo Grehs Água A água é uma substância química composta

Leia mais

ATIVIDADE - 3 ARTIGO: Proteínas: Hidrólise, Precipitação e um Tema para o Ensino de Química RESUMO: Questão 1:

ATIVIDADE - 3 ARTIGO: Proteínas: Hidrólise, Precipitação e um Tema para o Ensino de Química RESUMO: Questão 1: ATIVIDADE - 3 ARTIGO: FRANCISCO JUNIOR, W. E.; FRANCISCO, W. Proteínas: Hidrólise, Precipitação e um Tema para o Ensino de Química. 2006. Disponível em: .

Leia mais

Processos catalíticos mediados por enzimas que contém metais

Processos catalíticos mediados por enzimas que contém metais Processos catalíticos mediados por enzimas que contém metais Shriver e Atkins, cap 26 Catálise ácido-base Pense: muitas reações catalisadas por ácidos ou bases requerem concentrações de H + ou de OH -

Leia mais

02/07/2010. Importância. Pesquisas. Agente Antimicrobiano. Biofilmes. Agentes Quimioterápicos (Antimicróbicos) Antibióticos. Saúde.

02/07/2010. Importância. Pesquisas. Agente Antimicrobiano. Biofilmes. Agentes Quimioterápicos (Antimicróbicos) Antibióticos. Saúde. Importância Saúde Economia Pesquisas Novos compostos Resustência Biofilmes Importância na terapêutica antimicrobiana Agente Antimicrobiano Composto químico que mata ou inibe o crescimento de microrganismos,

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

Antimicrobianos: Resistência Bacteriana. Prof. Marcio Dias

Antimicrobianos: Resistência Bacteriana. Prof. Marcio Dias Antimicrobianos: Resistência Bacteriana Prof. Marcio Dias Resistência Capacidade adquirida de resistir aos efeitos de um agente quimioterápico, normalmente que um organismo é sensível. Como eles adquiriram:

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA RECOMBINAÇÃO DO DNA

PRINCÍPIOS GERAIS DA RECOMBINAÇÃO DO DNA PRINCÍPIOS GERAIS DA RECOMBINAÇÃO DO DNA ÍNDICE Introdução Evolução: mutação e recombinação do DNA Erros de Recombinação: Câncer? Engenharia Genética e Transgênicos Recombinação homóloga - Modelo Holliday

Leia mais

Imunização ativa e passiva

Imunização ativa e passiva IMUNIZAÇÕES Imunização ativa e passiva IMUNIZAÇÕES IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Jenner e a varíola (1798) Pasteur e o cólera (1798) IMUNIZAÇÕES

Leia mais