Aula de Antivíricos. Vírus : noção. Porto Jorge Manuel Moreira de Carvalho. Não são seres vivos São entidades biológicas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula de Antivíricos. Vírus : noção. Porto 29-11-2002. Jorge Manuel Moreira de Carvalho. Não são seres vivos São entidades biológicas."

Transcrição

1 Aula de Antivíricos Porto Jorge Manuel Moreira de Carvalho Vírus : noção Não são seres vivos São entidades biológicas. 1

2 Vírus : estrutura Ácido nucleico ( DNA ou RNA ) Invólucro proteico ( capsídeo). Vírus : características São parasitas intracelulares obrigatórios Não tem maquinaria metabólica. 2

3 Antibióticos Anti = contra Bióticos = vida. Antibióticos Antibacterianos Antivíricos Antifúngicos Antiparasitários. 3

4 Problemas específicos da terapia antiviral Os agentes actuais são virostáticos; não são activos nos vírus que não estão em replicação Apenas actuam em passos específicos do processo de replicação. Problemas específicos da terapia antiviral Necessitam de ser muito selectivos; contrariamente às bactérias que se podem replicar fora da célula e possuem maquinaria metabólica diferente das células humanas Só deverão actuar nos componentes víricos e não actuar contra os componentes celulares. 4

5 Problemas específicos da terapia antiviral A avaliação da eficácia do tratamento é muito mais difícil comparativamente às bactérias A avaliação in vitro é difícil já que estes só crescem dentro das células. Problemas específicos da terapia antiviral A eficácia desta terapia pode depender muito do estado imunitário do doente O papel do sistema imunitário do doente é muito importante, por si só, no curso das infecções virais. 5

6 Problemas específicos da terapia antiviral Também como nos antibacterianos, o uso óptimo da terapia antiviral depende de um diagnóstico atempado e preciso, o que na maioria dos casos de infecções virais não é de todo fácil. Antivíricos Não Antirretrovíricos 6

7 Amantadina É uma amina tricíclica É activa contra o vírus Influenza tipo A Actua no processo de descapsulação do material genético vírico* Inibe o processo de replicação do vírus. Amantadina Administrada na forma oral* Não é metabolizada É excretada quase totalmente a nível renal** Provoca efeitos secundários a nível neurológico: efeitos dopaminérgicos (usado na doença de Parkinson). 7

8 Rimantadina É uma amina tricíclica É um derivado da Amantadina É 2 a 4 vezes mais potente que a Amantadina É activa contra o vírus Influenza tipo A Tem o mesmo mecanismo de acção que a Amantadina. Rimantadina Administrada na forma oral* É muito metabolizada É excretada a nível renal Melhor tolerada a nível neurológico. 8

9 Zanamivir É activo contra o vírus Influenza tipo A e tipo B Actua no processo de adesão do vírus à célula e no processo de saída de novos vírus da célula, pela inibição da enzima vírica neuraminidase Inibe o processo de propagação do vírus. Zanamivir Administrada na forma de pó para inalação* Não é metabolizado É excretado via renal Pode provocar broncoespasmo em doentes com patologia respiratória prévia. 9

10 Ribavirina É um análogo nucleosídeo (guanosina) É activo contra vírus ADN e ARN; usado contra o VSR e HCV Actua interferindo na síntese dos nucleotidos de guanina* Inibe o processo de replicação do vírus Ribavirina Administrada na forma de aerossol e oral É parcialmente metabolizada É parcialmente excretada via renal Tem significativa toxicidade, sobretudo hematológica (anemia reversível), quando administrada na forma oral. 10

11 Aciclovir É um análogo nucleosídeo (guanosina) É muito activo e especifico contra os Herpesvírus, particularmente o HSV1, HSV2, VZV, EBV Actua interferindo com a síntese do ácido nucleico vírico Inibe a replicação do vírus Primeiro têm que ser fosforilado e são os vírus que induzem a formação desta enzima*. Aciclovir É administrado na forma ev, oral e tópica Atravessa bem a barreira hematoencefálica Pouco metabolizado É excretado via renal A toxicidade é muito reduzida 11

12 Valaciclovir É um análogo nucleosídeo É um derivado do Aciclovir; tem mais um grupo ester É transformado em Aciclovir após a sua ingestão Tem o mecanismo de acção semelhante ao Aciclovir Tem um biodisponibilidade 3 a 5x maior que o Aciclovir Valaciclovir É administrado na forma oral É activo contra os Herpesvírus, particularmente os HSV1, HSV2 e VZV; parece ainda ser eficaz na profilaxia da doença pelo citomegalovírus. 12

13 Ganciclovir É um análogo nucleosídeo É um derivado do Aciclovir; tem mais um grupo hidroximetil Tem o mecanismo de acção semelhante ao Aciclovir, mas não tão eficaz Tem uma semi-vida maior que o Aciclovir, que o torna mais eficaz contra a doença citomegálica. Ganciclovir É administrado na forma ev e oral É activo contra os Herpesvírus, particularmente contra o citomegalovírus A forma ev é usada para o tratamento, enquanto a forma oral é usada apenas como tratamento de manutenção Tem significativa toxicidade, sobretudo hematológica (neutropenia) e renal. 13

14 Penciclovir É um análogo nucleosídeo É um derivado do Ganciclovir; Tem o mecanismo de acção semelhante ao Aciclovir, mas não tão eficaz. Tem baixa biodisponibilidade oral Penciclovir É administrado na forma tópica É activo contra os Herpesvírus, particularmente contra o HSV1, HSV2 e VZV. É apenas usado para o tratamento do Herpes labial. 14

15 Famciclovir É um análogo nucleosídeo É derivado do Penciclovir É transformado em Penciclovir logo após a sua ingestão Tem o mecanismo de acção semelhante ao Aciclovir, mas não tão eficaz Tem alta biodisponibilidade oral Tem uma semi-vida longa* Famciclovir É administrado na forma oral É activo contra os Herpesvírus, particularmente contra o HSV1, HSV2 e VZV. É usado essencialmente para o tratamento do Herpes genital e para a Zona. 15

16 Foscarnet É um análogo do pirofosfato O mecanismo de acção consiste em formar complexos com a polimerase do DNA vírico Interfere com a síntese do acido nucleico Inibe a replicação vírica. Foscarnet É administrado na forma ev É activo contra os Herpesvírus, particularmente contra o HSV1, HSV2, VZV e CMV. É usado essencialmente para o tratamento de estirpes resistentes ao Ganciclovir É muito tóxico (sobretudo a nível renal e hematológico) e pouco eficaz. 16

17 Nomes comerciais de Antivíricos Parkadina : Amantadina Relenza : Zanamivir Rebetol : Ribavirina Zovirax : Aciclovir. Nomes comerciais de Antivíricos Valtrex : Valaciclovir Cymevene : Ganciclovir Famciclovir : Foscavir : Foscarnet. 17

18 Antivíricos Antirretrovíricos Antiretrovíricos Farmacos usados para o tratamento do Síndrome de imunodeficiência adquirida (SIDA) Farmacos com acção especifica nos vírus da imunodeficiência humana (HIV1 e HIV2) Actuam em diversos enzimas da replicação vírica O seu uso é sempre feito em combinação, normalmente associando 3 ou mais farmacos com acção em mais de uma enzima. 18

19 Antiretrovíricos Classificamos então conforme a enzima em que actuam, em dois grandes grupos: os inibidores da enzima transcriptase reversa (RTI) e os inibidores da enzima protease (PI). Os Inibidores da Transcriptase Reversa, podem ser ainda classificados em dois outros grupos: os análogos dos nucleosideos (NRTI) e os não análogos dos nucleosideos (NNRTI). Inibidores da Transcriptase Reversa Nucleosídeos Não Nucleosídeos Zidovudina (timidina) Didanosina (inosina) Lamivudina (citidina) Estavudina (timidina) Hivid (citidina) Abacavir (guanosina) Nevirapina Efavirenz 19

20 Inibidores da Protease Ritonavir Saquinavir Indinavir Lopinavir. Nomes comerciais de Antiretrovíricos Retrovir : Zidovudina (AZT) Videx : Didanosina (DDI) Epivir : Lamivudina (3TC) Zerit : Estavudina (D4T) Hivid : Zalcitabina (DDC) Ziagen : Abacavir (ABC). 20

21 Nomes comerciais de Antiretrovíricos Viramune : Nevirapina (NEV) Stocrin : Efavirenz (EFV). Nomes comerciais de Antiretrovíricos Norvir : Ritonavir (RTV) Invirase : Saquinavir (SQV) Fortobase :Saquinavir (SQV) Crixivan : Indinavir (IDV) Viracept : Nelfinavir (NFV). 21

22 Nomes comerciais de Antiretrovíricos Combivir : Zidovudina + Lamivudina Trizivir : Zidovudina + Lamivudina + Abacavir Kaletra : Ritonavir + Lopinavir. Aula de Antivíricos Porto

O antiviral ideal. Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro.

O antiviral ideal. Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro. Antivirais O antiviral ideal Deve interromper a replicação do vírus sem afetar significativamente o metabolismo de células do hospedeiro. Pontos preferenciais de atuação dos antivirais Adsorção e/ou penetração:

Leia mais

Segunda-feira, 20 de novembro de 2006. Profa. Sônia.

Segunda-feira, 20 de novembro de 2006. Profa. Sônia. Segunda-feira, 20 de novembro de 2006. Profa. Sônia. Agentes antivirais. Substâncias químicas usadas mais especificamente para o tratamento de viroses. Não serão abordados todos os produtos: será chamada

Leia mais

Antivirais. www.microbiologia.vet.br

Antivirais. www.microbiologia.vet.br Antivirais www.microbiologia.vet.br Princípio da TOXICIDADE SELETIVA: Antibacterianos Antifúngicos Antivirais - Drogas antivirais tem espectro de ação muito limitado, diferente dos antibacterianos www.microbiologia.vet.br

Leia mais

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24 AIDS Infecção HIV Estimativa de adultos e crianças infectadas com HIV 2005 Western & Eastern Europe Central Europe & Central Asia North America 720 000 1.5 million [550 000 950 000] [1.0 2.3 million] 1.3

Leia mais

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De Nucleosídeos... 7 Inibidores Da Protease... 8 Inibidores

Leia mais

ANTIFÚNGICOS MICOSES

ANTIFÚNGICOS MICOSES ANTIFÚNGICOS MICOSES Fungos patogênicos Infectam diretamente o hospedeiro oportunistas Raramente causam infecções, mas aproveitam os momentos de queda da resistência imunológica Fungos Células mais complexas

Leia mais

Antivíricos. Exemplos de inibidores da transcríptase reversa não-nucleosídicos: delavirdina, efavirenz, nevirapina

Antivíricos. Exemplos de inibidores da transcríptase reversa não-nucleosídicos: delavirdina, efavirenz, nevirapina Antivíricos Antivíricos Exemplos da inibição da penetração nas células hospedeiras: amantidina (inibe a descapsulação do vírus da influenza), globulinas γ, palivizumab (anti-rsv) Antivíricos Exemplos de

Leia mais

Antivirais. Histórico 26/04/2012. Antibióticos. Antivirais

Antivirais. Histórico 26/04/2012. Antibióticos. Antivirais Antivirais Andrêssa Silvino Mestranda em Imunologia e Doenças Infecto-arasitárias/UFJF Orientadora: Maria Luzia da Rosa e Silva Histórico A busca por drogas antivirais teve início há mais de 50 anos: METISAZONA

Leia mais

Raniê Ralph Farmaco 2

Raniê Ralph Farmaco 2 16 de Outubro de 2007. Professor José Guilherme. Farmacologia dos antivirais Sumário Aspectos gerais de farmacologia dos antivirais I. Drogas anti-dna-vírus: destaque para família do vírus herpes. II.

Leia mais

Laboratório. Apresentação de Valcyte. Valcyte - Indicações. Contra-indicações de Valcyte. Advertências. Roche. fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg.

Laboratório. Apresentação de Valcyte. Valcyte - Indicações. Contra-indicações de Valcyte. Advertências. Roche. fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg. Laboratório Roche Apresentação de Valcyte fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg. Valcyte - Indicações Valcyte (cloridrato de valganciclovir) é indicado para o tratamento de retinite por citomegalovírus (CMV)

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica. Agentes Antivirais

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica. Agentes Antivirais Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica Agentes Antivirais ITRDUÇÃ Vírus s vírus constituem uma classe de agentes infecciosos

Leia mais

InfoRed SIDA Nuevo México. Tenofovir (Viread)

InfoRed SIDA Nuevo México. Tenofovir (Viread) Folhas Informativas + Tenofovir (Viread) 20 O que é o tenofovir? É um dos medicamentos usados para o tratamento anti-retroviral. Também conhecido como bis-poc PMPA ou Viread, o tenofovir é patenteado pela

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores A determinação da seqüência de bases de um segmento de DNA é um passo crítico em muitas aplicações da Biotecnologia.

Leia mais

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome : Conjunto de sinais e sintomas que se desenvolvem conjuntamente e que indicam a existência de uma doença. A AIDS é definida como síndrome porque não tem

Leia mais

WANISE BARROSO. Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR

WANISE BARROSO. Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR WANISE BARROSO Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR PROPRIEDADE INDUSTRIAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PROPRIEDADE INDUSTRIAL O QUÊ PATENTEAR? EM QUE PAÍS

Leia mais

Mecanismos de Acção de Substâncias Antivirais

Mecanismos de Acção de Substâncias Antivirais Joana Catarina Rodrigues Batista Mecanismos de Acção de Substâncias Antivirais Universidade Fernando Pessoa, Faculdade Ciências da Saúde. Porto 2011 II Joana Catarina Rodrigues Batista Mecanismos de Acção

Leia mais

INFECÇÕES VIRAIS. Prevenção: Tratamento: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública

INFECÇÕES VIRAIS. Prevenção: Tratamento: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública FÁRMACOS ANTIVIRAIS INFECÇÕES VIRAIS Prevenção: Nutrição adequada Higiene pessoal Vacinação Saúde pública Rede pública de água Tratamento de esgotos Controle de insetos Práticas clínicas apropriadas Formação

Leia mais

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D E pelo IV H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D E pelo IV H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M MANUAL DO PACIENTE - INFECÇÃO PELO HIV EDIÇÃO REVISADA 02/2004 pelo Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Infecção pelo HIV. Sabemos que as informações

Leia mais

HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES

HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA HEPATOTOXICIDADE AOS MEDICAMENTOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DA AIDS E DAS SUAS COMPLICAÇÕES Cláudio G. de Figueiredo Mendes Serviço de Hepatologia

Leia mais

Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes. Dr.Sandro Jorge Januário

Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes. Dr.Sandro Jorge Januário Diagnóstico/Monitoramento Laboratorial e Tratamento Farmacológico em pacientes HIV positivo Dr.Sandro Jorge Januário HIV/AIDS Histórico - 1981 (CDC) - aparecimento de pneumonia extremamente rara, causada

Leia mais

Constance Meiners. Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS

Constance Meiners. Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS Constance Meiners UMR 912 (Inserm/IRD/UAM) & IE/UFRJ Ano da França no Brasil (ANRS PN DST/AIDS) 12 Maio 2009 ETAPSUD

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO TRUVADA

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO TRUVADA Truvada entricitabina + fumarato de tenofovir desoproxila FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO TRUVADA está disponível na forma de comprimidos. Os comprimidos são azuis, em forma de cápsula, revestidos, com

Leia mais

Inibição da enzima 14-α-Ergosterol. Bifonazol, Clotrimazol, Miconazol, Cetoconazol. Fluconazol, Itraconazol, Terconazol. Inibição da enzimas

Inibição da enzima 14-α-Ergosterol. Bifonazol, Clotrimazol, Miconazol, Cetoconazol. Fluconazol, Itraconazol, Terconazol. Inibição da enzimas FARMACOTERAPIA ANTIMICROBIANA Prof. Márcio Batista Segundo OMS, 30-60% dos medicamentos são antimicrobianos em países em desenvolvimento. Menos de 20% desses antimicrobianos são prescritos apropriadamente.

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais

Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais Estudo Clínico Multicêntrico de Pacientes com HIV/Aids submetidos a Tratamento com o Imunomodulador Canova, Associado com Medicamentos Antiretrovirais Alair A. Berbert (1), Paulo T. Castanheira (2), Daniel

Leia mais

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha -1980- INFECTOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE tratamentohoje Boletim Terapêutico de HIV/Aids, DST e Hepatites Virais Ano I Edição Especial maio 2003 EDIÇÃO ESPECIAL Mudanças principais A orientação para

Leia mais

::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento :::

::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: Virus adsense1 Vírus adsense2 Ser vivo microscópico e acelular (não é composto por células) formado por uma molécula de ácido nucléico (DNA ou RNA), envolta por uma cápsula protéica. Apresenta-se sob diferentes

Leia mais

HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES

HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES HIV E EXERCÍCIO PROF. DR. JONATO PRESTES VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (HIV) Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS): 1) CAUSADA PELO HIV 2) ASPECTOS CLÍNICOS: imunodepressão com infecções oportunistas,

Leia mais

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004 Recomendações para a Terapia Anti- Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV II Diretrizes Brasileiras para Tuberculose 2004 I Encontro Nacional de TUBERCULOSE Olavo Henrique Munhoz Leite

Leia mais

36 mil pessoas já tenham morrido em decorrência da Aids, numa média de 20 mortes diárias (ver Saúde em Brasil).

36 mil pessoas já tenham morrido em decorrência da Aids, numa média de 20 mortes diárias (ver Saúde em Brasil). VÍRUS A raiva é uma doença contagiosa, causada por vírus. Essa doença ataca os mamíferos: cães, gatos, morcegos, macacos etc. O mamífero mais atacado pela raiva é o cão. Um animal com vírus da raiva pode

Leia mais

Human immunodeficiency virus HIV causador da AIDS

Human immunodeficiency virus HIV causador da AIDS Human immunodeficiency virus HIV causador da AIDS Retrovírus humanos HIV 1 e 2: AIDS HTLV-1: leucemias / linfomas de células T paraparesia espástica tropical (TSP) ou mielopatia associada ao HTLV (HAM)

Leia mais

1 Introdução 1.1 Aids

1 Introdução 1.1 Aids 16 1 Introdução 1.1 Aids No início da década de oitenta (1981), a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA/AIDS) foi reconhecida e descrita nos Estados Unidos 1 em função do aparecimento de um conjunto

Leia mais

Discussão Pública. Boas Práticas de Farmácia Hospitalar. no âmbito da Infecção VIH/sida JANEIRO 2008. Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida

Discussão Pública. Boas Práticas de Farmácia Hospitalar. no âmbito da Infecção VIH/sida JANEIRO 2008. Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida 1/229 MINISTÉRIO DA SAÚDE Boas Práticas de Farmácia Hospitalar no âmbito da Infecção VIH/sida Discussão Pública JANEIRO 2008 Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida 2/229 Palácio Bensaúde, Estrada

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

NEFROTOXICIDADE DOS ANTIVÍRICOS

NEFROTOXICIDADE DOS ANTIVÍRICOS ARTIGO DE REVISÃO Acta Med Port 2007; 20: 59-63 NEFROTOXICIDADE DOS ANTIVÍRICOS RICARDO NETO, GERARDO OLIVEIRA, MANUEL PESTANA Serviço de Nefrologia. Hospital de São João. Porto R E S U M O A lesão renal

Leia mais

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Autora: Jacilene Geaquinto Leão Adriano Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais

Leia mais

Luciene Alves Moreira Marques. Profa. Luciene Alves Moreira Marques

Luciene Alves Moreira Marques. Profa. Luciene Alves Moreira Marques Atenção Farmacêutica ao Portador de HIV Profa. 1 O Vírus 1983 Robert Gallo Luc Montagnier Características: Bastante lábil no meio externo, Inativado por: agentes físicos (calor) e químicos (hipoclorito

Leia mais

Qual é a estrutura típica de um vírus?

Qual é a estrutura típica de um vírus? Vírus Qual é a estrutura típica de um vírus? CICLOS REPRODUTIVOS Em relação a reprodução dos vírus, podemos dizer que eles podem realizar um ciclo lítico ou um ciclo lisogênico. Qual é a principal

Leia mais

Boas Práticas de Farmácia Hospitalar. no âmbito da Infecção VIH/sida. Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida 08

Boas Práticas de Farmácia Hospitalar. no âmbito da Infecção VIH/sida. Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida 08 Boas Práticas de Farmácia Hospitalar no âmbito da Infecção VIH/sida Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida 08 Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida Palácio Bensaúde, Estrada da Luz, nº153

Leia mais

PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2

PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2 PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: Farmacologia I CARGA HORÁRIA: 144 horas PROFESSOR TITULAR: Miguel de Lemos Neto PROFESSORES: EMENTA: Princípios Gerais. Farmacocinética.

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 44 /2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: valaciclovir. Nomes Comerciais 1 : Herpestal, Valtrex. Medicamento de Referência: Valtrex. Medicamentos Similares: Herpestal Sumário 1.

Leia mais

Medicamentos anti-vih

Medicamentos anti-vih www.aidsmap.com Medicamentos anti-vih Português Primeira edição 2010 Agradecimentos Autor: Michael Carter Primeira edição portuguesa 2010 Adaptada da décima edição inglesa 2010 Agradecemos ao GAT Grupo

Leia mais

Avaliação da hepatotoxicidade dos. Hepatotoxicity of the antiretroviral. anti-retrovirais na co-infecção VHC/HIV. drugs in HCV/HIV coinfection

Avaliação da hepatotoxicidade dos. Hepatotoxicity of the antiretroviral. anti-retrovirais na co-infecção VHC/HIV. drugs in HCV/HIV coinfection AVALIAÇÃO DA HEPATOTOXICIDADE DOS... Tovo et al. Avaliação da hepatotoxicidade dos anti-retrovirais na co-infecção VHC/HIV RESUMO Hepatotoxicity of the antiretroviral drugs in HCV/HIV coinfection O objetivo

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Atripla 600 mg/200 mg/245 mg comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido revestido

Leia mais

TOXICIDADE GENÉTICA DE COMBINAÇÕES DE

TOXICIDADE GENÉTICA DE COMBINAÇÕES DE TOXICIDADE GENÉTICA DE COMBINAÇÕES DE NRTIs EM CÉLULAS SOMÁTICAS DE Drosophila melanogaster GUIMARÃES, Nilza Nascimento; CUNHA, Kênya Silva. Laboratório de Genética Toxicológica, Departamento de Bioquímica

Leia mais

PROTOCOLO TERAPÊUTICA ANTI-RETROVIRAL

PROTOCOLO TERAPÊUTICA ANTI-RETROVIRAL Ministério da Saúde Direcção-Geral de Saúde Programa de luta contra a SIDA/IST, Tuberculose e Lepra PROTOCOLO DE TERAPÊUTICA ANTI-RETROVIRAL Praia, Validado em Julho de 2004 1 ÍNDICE Pag Introdução.. 3

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS E ADOLESCENTES INFECTADOS PELO HIV 1999

RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS E ADOLESCENTES INFECTADOS PELO HIV 1999 RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS E ADOLESCENTES INFECTADOS PELO HIV 1999 Ministério da Saúde Introdução Entre abril e maio de 1999, a Coordenação Nacional de DST e Aids do Ministério

Leia mais

HIV/AIDS. Luciana J. Costa Departamento de Virologia IMPPG UFRJ ljcosta@micro.ufrj.br

HIV/AIDS. Luciana J. Costa Departamento de Virologia IMPPG UFRJ ljcosta@micro.ufrj.br HIV/AIDS Luciana J. Costa Departamento de Virologia IMPPG UFRJ ljcosta@micro.ufrj.br SIDA / AIDS Sindrome da Imunodeficiência Adquirida Doença causada por um agente infeccioso: um retrovírus Um agente

Leia mais

Nutrição no tratamento da AIDS

Nutrição no tratamento da AIDS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO (PPGAN) Ciclo de Palestras Nutrição no tratamento da AIDS Verônica Mayrinck Mestranda em Alimentos e Nutrição

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL E AIDS NO BRASIL

PROPRIEDADE INTELECTUAL E AIDS NO BRASIL WORKSHOP PROPRIEDADE INTELECTUAL E AIDS O DEBATE RECENTE Grupo Temático Interagencial das Nações Unidas sobre AIDS 22 de Junho de 2005 PROPRIEDADE INTELECTUAL E AIDS NO BRASIL Ministério da Saúde Secretaria

Leia mais

(54) Título: COMPOSIÇÕES PARA A SUB- (57) Resumo: "COMPOSIÇÕES PARA A SUB-REGULAÇÃO DA EXPRESSÃO DE CCR5 E MÉTODOS PARA SEU USO".

(54) Título: COMPOSIÇÕES PARA A SUB- (57) Resumo: COMPOSIÇÕES PARA A SUB-REGULAÇÃO DA EXPRESSÃO DE CCR5 E MÉTODOS PARA SEU USO. (11) (21) PI 0410360-2 A (22) Data de Depósito: 17/05/2004 (43) Data de Publicação: 01/08/2006 República Federativa do Brasil (RPI 1856) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e do Comércio Exterior

Leia mais

FLUXO DE ATENDIMENTO E CONDUTA PÓS ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A FLUIDOS BIOLÓGICOS

FLUXO DE ATENDIMENTO E CONDUTA PÓS ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A FLUIDOS BIOLÓGICOS FLUXO DE ATENDIMENTO E CONDUTA PÓS ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A FLUIDOS BIOLÓGICOS CONDUTA APÓS ACIDENTE 1- Conduta do Profissional Acidentado Após Exposição Na eventualidade de exposição acidental a material

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Aciclovir Generis 250 mg pó para solução para perfusão

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Aciclovir Generis 250 mg pó para solução para perfusão RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Aciclovir Generis 250 mg pó para solução para perfusão 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada frasco contém 250 mg de aciclovir como

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL EM HIV/AIDS. Avaliação nutricional. Causas da desnutrição. Terapia nutricional: quando implementar? Avaliação nutricional

SUPORTE NUTRICIONAL EM HIV/AIDS. Avaliação nutricional. Causas da desnutrição. Terapia nutricional: quando implementar? Avaliação nutricional SUPORTE NUTRICIONAL EM HIV/AIDS Profa. Ms. Sônia Alscher FAENFI/PUCRS Curso de Especialização em Nutrição Parenteral e Enteral Síndrome do emagrecimento (wasting syndrome) na AIDS Perda de peso não intencional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FARMÁCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS MARIA OLÍVIA NOGUEIRA TEIXEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FARMÁCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS MARIA OLÍVIA NOGUEIRA TEIXEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FARMÁCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS MARIA OLÍVIA NOGUEIRA TEIXEIRA DESENVOLVIMENTO DE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DE TENOFOVIR PARA

Leia mais

infovihtal #1 Por favor, fotocópialo y Hazlo circular Adaptación de nam Recém diagnosticado outono 2004 Obtivestes um diagnóstico de HIV recentemente?

infovihtal #1 Por favor, fotocópialo y Hazlo circular Adaptación de nam Recém diagnosticado outono 2004 Obtivestes um diagnóstico de HIV recentemente? infovihtal #1 outono 2004 Recém diagnosticado Obtivestes um diagnóstico de HIV recentemente? Fazer um exame de HIV e descobrir que vives com HIV pode ser uma experiência paralisante. Mas, embora seja difícil

Leia mais

reduções 9ª edição preço elegibilidade Guia de Preços para a Compra de ARVs para os Países em Desenvolvimento empresa preço países preço

reduções 9ª edição preço elegibilidade Guia de Preços para a Compra de ARVs para os Países em Desenvolvimento empresa preço países preço reduções reduções preço elegibilidade países preço países empresa preço Guia de Preços para a Compra de ARVs para os Países em Desenvolvimento Untangling the Web 9ª edição Julho 2006 (Revisada) CAMPANHA

Leia mais

Nessas instituições, o atendimento odontológico especializado para pessoas soropositivas ao HIV, pode ser solicitado, mediante agendamento prévio.

Nessas instituições, o atendimento odontológico especializado para pessoas soropositivas ao HIV, pode ser solicitado, mediante agendamento prévio. INTRODUÇÃO A Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA) sempre teve como missão o acompanhamento das políticas de saúde, apostando que a disseminação de informações é uma poderosa estratégia

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

O USO DE MEDICAMENTOS ANTIRRETROVIRAIS PARA TRATAMENTO E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO VIH

O USO DE MEDICAMENTOS ANTIRRETROVIRAIS PARA TRATAMENTO E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO VIH ORIENTAÇÕES DIRETRIZES CONSOLIDADAS SOBRE O USO DE MEDICAMENTOS ANTIRRETROVIRAIS PARA TRATAMENTO E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO VIH RESUMO DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E RECOMENDAÇÕES JUNHO DE 2013 DIRETRIZES

Leia mais

KALETRA lopinavir ritonavir

KALETRA lopinavir ritonavir MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMERCIO) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO KALETRA lopinavir ritonavir APRESENTAÇÕES: Solução Oral: - 80 mg + 20 mg/ml (lopinavir/ritonavir): Embalagem

Leia mais

ZIDOVUDINA (AZT) ZIDOVUDINA ANTI-RETROVIRAL

ZIDOVUDINA (AZT) ZIDOVUDINA ANTI-RETROVIRAL (AZT) Nome Genérico: zidovudina Classe Química: análogo de nucleosídeo, inibidor da transcriptase reversa Classe Terapêutica: anti-retroviral, antivirótico Forma Farmacêutica e Apresentação: Zidovudina

Leia mais

Faculdade de Farmácia, Faculdades Objetivo, Goiânia, Go, Brasil

Faculdade de Farmácia, Faculdades Objetivo, Goiânia, Go, Brasil REF - ISSN 1808-0804 Vol. IV (1), 104-112, 2007 ESTUDO DA DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS ANTI RETROVIRAIS A PACIENTES INFECTADOS POR HIV NO SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC-UFG: PRIMEIRO PASSO NA IMPLANTAÇÃO DA

Leia mais

Bactérias intracelulares e fungos. Infecções bacterianas e fúngicas de repetição. Infecções nos primeiros meses de vida, morte

Bactérias intracelulares e fungos. Infecções bacterianas e fúngicas de repetição. Infecções nos primeiros meses de vida, morte IMUNODEFICIÊNCIAS Prof. Sérvio Túlio Stinghen Congênita ou primária: Imunodeficiências defeitos genéticos que resultam em um aumento da suscetibilidade a infecções bebês ou crianças (1/500) pequena porção

Leia mais

Alvos Moleculares e Celulares Emergentes na TERAPIA ANTIVIRAL

Alvos Moleculares e Celulares Emergentes na TERAPIA ANTIVIRAL Ana Silva Mariana Costa Pedro Melo Mestrado em Bioquímica / 2. º Semestre 2012 FARMACOLOGIA MOLECULAR E CELULAR Alvos Moleculares e Celulares Emergentes na TERAPIA ANTIVIRAL I. INTRODUÇÃO Vírus Entidades

Leia mais

Resumo Dentro do contexto epidemiológico, cerca de 39,5 milhões de pessoas eram

Resumo Dentro do contexto epidemiológico, cerca de 39,5 milhões de pessoas eram REVISÃO Infecção pelo vírus HIV-1 e gestação HIV-1 infection and pregnancy Ernesto Antonio Figueiró-Filho 1 Igor Alexandre Tamura 2 Lílian Rezende Coelho 3 Palavras-chave Infecções por HIV Cuidado pré-natal

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Viread 245 mg comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido revestido por

Leia mais

Epivir. lamivudina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

Epivir. lamivudina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Epivir lamivudina I ) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Comprimidos Epivir 150 mg Comprimidos - Frascos contendo 60 comprimidos. Composição

Leia mais

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir.

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir. Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 8 H 11 N 5 O 3 Peso molecular: 225,2 DCB/ DCI: 00082 aciclovir CAS: 59277-89-3 INCI: Não aplicável Sinonímia: Acicloguanosina; Aciclovirum; Aciklovír;

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Viread fumarato de tenofovir desoproxila FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO VIREAD é apresentado em frascos com 30 comprimidos. Os comprimidos têm a forma de amêndoa, são revestidos com uma película azul

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 2 Ambulatório Escola Rua Sabará, 164 Passos

APRESENTAÇÃO. 2 Ambulatório Escola Rua Sabará, 164 Passos AB0001-07A - Cartilha Adesao sem1 1 19/7/2007 14:15:15 APRESENTAÇÃO O Ambulatório Escola da FAENPA, vinculado à faculdade de Enfermagem de Passos, mantida pela Fundação de Ensino Superior de Passos - FESP/UEMG

Leia mais

MODELO DE BULA ZERITAVIR (estavudina) 30 mg ou 40 mg cápsulas. ZERITAVIR 30 mg ou 40 mg é apresentado em embalagens contendo 60 cápsulas

MODELO DE BULA ZERITAVIR (estavudina) 30 mg ou 40 mg cápsulas. ZERITAVIR 30 mg ou 40 mg é apresentado em embalagens contendo 60 cápsulas MODELO DE BULA ZERITAVIR (estavudina) 30 mg ou 40 mg cápsulas BRISTOL-MYERS SQUIBB ZERITAVIR estavudina USO ORAL APRESENTAÇÃO ZERITAVIR 30 mg ou 40 mg é apresentado em embalagens contendo 60 cápsulas USO

Leia mais

FANCLOMAX FANCICLOVIR

FANCLOMAX FANCICLOVIR MODELO DE BULA FANCLOMAX FANCICLOVIR Apresentações: Cartucho contendo 1 blister com 10 comprimidos de 125 mg cada Cartucho contendo 1 blister com 7 comprimidos de 250 mg cada Cartucho contendo 3 blísteres

Leia mais

Guia de Tratamento Clínico da Infecção pelo HIV em Crianças

Guia de Tratamento Clínico da Infecção pelo HIV em Crianças MINISTÉRIO DA SAÚDE Guia de Tratamento Clínico da Infecção pelo HIV em Crianças o Série Normas e Manuais Técnicos, n. 1 02 Brasília-DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação

Leia mais

SEMINÁRIOS DE PESQUISA INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ

SEMINÁRIOS DE PESQUISA INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ SEMINÁRIOS DE PESQUISA INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ Projeto de Pesquisa de Pós Doutoramento Patentes e Licenciamento Compulsório na Indústria Farmacêutica: Análise dos impactos na P&D, produção interna e

Leia mais

anti-retrovirais disponíveis

anti-retrovirais disponíveis Classe Inibidores da Transcriptase Reversa Análogos de Nucleosídeos e Nucleotídeos (INTRs) Anti-retroviral (nome genérico e apresentação para adultos e adolescentes) Lamivudina (comprimido de 150mg) Abacavir

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Recomendações para Terapia Anti-Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV 2006 Brasília DF 2006 1 Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE EDSON JOSÉ MONTEIRO BELLO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE EDSON JOSÉ MONTEIRO BELLO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE EDSON JOSÉ MONTEIRO BELLO PREDITORES DE FALHA VIROLÓGICA EM PACIENTES TRATADOS COM TERAPIA ANTIRRETROVIRAL

Leia mais

ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC

ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC Atualizado em outubro de 2014. ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO

Leia mais

Kivexa Modelo de texto de bula Profissionais de Saúde

Kivexa Modelo de texto de bula Profissionais de Saúde LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Kivexa sulfato de abacavir + lamivudina APRESENTAÇÕES Kivexa comprimidos revestidos em forma de cápsula, que contém

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Recomendações para Terapia Anti-Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV 2004 Brasília DF 2004 RECOMENDAÇÕES

Leia mais

VIH/SIDA Introdução à terapêutica de combinação

VIH/SIDA Introdução à terapêutica de combinação VIH/SIDA Introdução à terapêutica de combinação O GAT agradece a revisão científica de Maria José Campos, Luís Mendão e Ricardo Fernandes Adaptação e revisão: Ana Pisco, Gabriela Cohen, Rosa Freitas Tradução:

Leia mais

Claritromicina VO 500 mg BID; ou Azitromicina VO 250 mg UID; ou Ciprofloxacina 500-750 mg VO BID. Itraconazol cápsula 100 mg VO BID por 14 dias

Claritromicina VO 500 mg BID; ou Azitromicina VO 250 mg UID; ou Ciprofloxacina 500-750 mg VO BID. Itraconazol cápsula 100 mg VO BID por 14 dias Tabela 1. Recomendações para tratamento das principais doenças oportunistas em pacientes adolescentes e adultos infectados pelo HIV ou com aids Doença Tratamento Observações 1ª escolha Alternativas Angiomatose

Leia mais

GUIA DE TRATAMENTO CLÍNICO DA INFECÇÃO PELO HIV EM CRIANÇAS

GUIA DE TRATAMENTO CLÍNICO DA INFECÇÃO PELO HIV EM CRIANÇAS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS GUIA DE TRATAMENTO CLÍNICO DA INFECÇÃO PELO HIV EM CRIANÇAS Brasília 2000 1 CONSENSO SOBRE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL

Leia mais

Controle das infecções virais

Controle das infecções virais Controle das infecções virais Estratégias de controle Medidas de controle na população (campanhas de educação, saneamento, controle de vetor, etc) Imunoprofilaxia Quimioterapia antiviral Imunoprofilaxia

Leia mais

ANEXOS. ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir. 1 Lamivudina (3TC, LAM)

ANEXOS. ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir. 1 Lamivudina (3TC, LAM) Tratamento Clínico da Hepatite B e Coinfecções ANEXOS ANEXO A Descrição e características gerais da lamivudina e do adefovir 1 Lamivudina (3TC, LAM) A lamivudina (3TC) foi o primeiro análogo de nucleosídeo

Leia mais

PROVA OBJETIVA. (A) Klebsiella pneumoniae; (B) Enterococcus sp; (C) Escherichia coli; (D) Bacteroides fragilis; (E) Streptococcus viridans.

PROVA OBJETIVA. (A) Klebsiella pneumoniae; (B) Enterococcus sp; (C) Escherichia coli; (D) Bacteroides fragilis; (E) Streptococcus viridans. 01 - Na infecção pelo HIV, as drogas de escolha para tratamento da dislipidemia relacionada ao uso de antiretrovirais da classe dos inibidores de proteases são: (A) lovastatina e sinvastatina; (B) atorvastatina

Leia mais

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA DECRETO Nº 85, DE 29 DE MARÇO DE 2001 Publicado no DOE de 30/03/2001. Procede alteração no Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n.º 35.245, de 26 de dezembro

Leia mais

Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Anti-Retroviral em Gestantes

Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Anti-Retroviral em Gestantes Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Anti-Retroviral em Gestantes Brasília DF 2006

Leia mais

Moléculas Antivirais Que futuro?

Moléculas Antivirais Que futuro? Sofia Luzia Gonçalves Pereira Moléculas Antivirais Que futuro? Universidade Fernando Pessoa, Faculdade Ciências da Saúde. Porto 2012 I II Sofia Luzia Gonçalves Pereira Moléculas Antivirais Que futuro?

Leia mais

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde O que é a PEP sexual? O emprego de antirretrovirais vem sendo discutido em todo mundo como estratégia

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MESILATO DE NELFINAVIR NA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL DE COMBATE A AIDS

A UTILIZAÇÃO DO MESILATO DE NELFINAVIR NA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL DE COMBATE A AIDS A UTILIZAÇÃO DO MESILATO DE NELFINAVIR NA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL DE COMBATE A AIDS VANDESSA CRISTINA DA SILVA MONTEIRO 1 JOSÉ GUEDES DE SENA FILHO 1 ROSALI MARIA FERREIRA DA SILVA 1,3 FLÁVIA PATRÍCIA

Leia mais

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto)

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) COLÉGIO E CURSO INTELECTUS APOSTILA NOME: MAT.: Biologia I PROFº: EDUARDO SÉRIE: TURMA: DATA: VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) Os vírus são os únicos organismos acelulares,

Leia mais

ATENDIMENTO HIV. Ana Claudia Morandi. Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG

ATENDIMENTO HIV. Ana Claudia Morandi. Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG ATENDIMENTO PÓS-EXPOSIÇÃO BIOLÓGICA HIV Ana Claudia Morandi Médica CCIH Hospital Eduardo de Menezes/FHEMIG Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) No mundo, a Aids é a quarta principal causa de morte,

Leia mais

Tratamentos para o VIH/SIDA. Evitar e gerir melhor os efeitos. secundários

Tratamentos para o VIH/SIDA. Evitar e gerir melhor os efeitos. secundários Edição 2008 Tratamentos para o VIH/SIDA Evitar e gerir melhor os efeitos secundários como classificá-los e descrevê-los mudar de medicamentos tratamentos alternativos e regulares relação com o médico informação

Leia mais

Avaliação da capacidade de. no Brasil. IP and access to drugs capacity building project. CNS. Brasília; agosto 2006.

Avaliação da capacidade de. no Brasil. IP and access to drugs capacity building project. CNS. Brasília; agosto 2006. Avaliação da capacidade de produção de ARV genéricos no Brasil. IP and access to drugs capacity building project. CNS. Brasília; agosto 2006. Antecedentes Internacionais: DOHA: Paises sem capacidade. As

Leia mais

GUIA DE TRATAMENTO CLÍNICO DA INFECÇÃO PELO HIV EM CRIANÇAS

GUIA DE TRATAMENTO CLÍNICO DA INFECÇÃO PELO HIV EM CRIANÇAS 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA PROGRAMA NACIONAL DE DST E AIDS GUIA DE TRATAMENTO CLÍNICO DA INFECÇÃO PELO HIV EM CRIANÇAS Brasília / 2004 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 5 MANEJO DE CRIANÇAS NASCIDAS DE MÃES 6

Leia mais