PTR 3321 Projeto de vias de transporte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PTR 3321 Projeto de vias de transporte"

Transcrição

1 PTR 3321 Projeto de vias de transporte 2º semestre/2016 Aula 2 Classificação das vias Melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana

2 Aula 3 Classificação das vias Índice dos conceitos a serem abordados na aula Objetivos gerais da classificação viária / Classificação do Código de Trânsito Brasileiro Tipos básicos de classificação viária Classificação funcional Classificação técnica / Classes de projeto para rodovias Síntese da evolução histórica do sistema de vias no meio urbano / O sistema viário das cidades e metrópoles nos dias atuais As necessidades a serem consideradas em um Plano de Mobilidade Urbana / Exemplos de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana ANEXO I Características básicas do projeto geométrico em função da classe de vias rurais e urbanas ANEXO II Exemplos diversos de classificações funcionais e técnicas ANEXO III Princípios e diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) ANEXO IV Dados relativos a viagens por modo e por motivo na Região Metropolitana de São Paulo

3 Objetivos da classificação viária Classificação do Código de Trânsito Brasileiro

4 O planejamento do sistema viário e os objetivos da classificação das vias O planejamento das vias de transporte está associado: A classificação viária tem como objetivos gerais: o planejamento do desenvolvimento físico e a organização da rede viária o estabelecimento de bases para programas de diferentes alcances e para priorização de melhorias, incluindo planos de mobilidade urbana às necessidades de locomoção de bens e pessoas entre regiões ou através de aglomerados urbanos à utilização das vias de circulação e meios adequados de transporte a definição da adjudicação de responsabilidade jurisdicional (federal, estadual, municipal)

5 A classificação das vias no contexto da organização do sistema viário Identificação e/ou definição do papel que cada tipo de via desempenha na circulação urbana, regional ou inter-regional Atribuição do tipo e da intensidade de tráfego que as vias podem receber (veículos, pedestres, bicicletas, etc.) Estabelecimento / recomendações para as características físicas e operacionais das vias

6 Classificação do Código de Trânsito Brasileiro Lei nº de 23/9/1997 Artigos 60, 61 e 62 Classificação das vias abertas à circulação, de acordo com a sua utilização, e respectivas velocidades máximas e mínimas permitidas (*) (*) onde não existir sinalização regulamentadora do limite legal de velocidade Vias urbanas Vias de trânsito rápido (V max = 80 km/h) Vias arteriais (V max = 60 km/h) Vias coletoras (V max = 40 km/h) Vias locais (V max = 30 km/h) Vias rurais Rodovias (V max = 110 km/h para automóveis, camionetas e motocicletas) (V max = 90 km/h para ônibus e microônibus) (V max = 80 km/h para os demais veículos) Estradas (**) (V max = 60 km/h) (**) via rural não pavimentada A velocidade mínima não poderá ser inferior à metade da velocidade máxima estabelecida, respeitadas as condições operacionais de trânsito e da via.

7 Definições do Código de Trânsito Brasileiro Lei nº de 23/9/1997 Vias de trânsito rápido vias de trânsito livre com interseções e travessias de pedestres em desnível sem acessibilidade direta aos lotes lindeiros (com controle de acesso) Vias arteriais vias com interseções em nível, geralmente controladas por semáforos acessibilidade permitida aos lotes lindeiros e a vias secundárias e locais Vias coletoras vias destinadas a coletar e distribuir o trânsito que tenham necessidade de entrar ou sair das vias de trânsito rápido ou arteriais Vias locais vias com interseções em nível não semaforizadas, destinadas apenas ao acesso local ou a áreas restritas

8 Tipos básicos de classificação viária

9 Tipos Básicos de Classificação de Vias Classificação Funcional Conforme a posição hierárquica dentro da rede viária com base na função exercida pela via. Importância da função é diretamente proporcional a: porte das localidades servidas volumes de tráfego distância média de viagem Classificação Técnica Conforme o padrão das características técnicas da via, a serem levadas em conta em seu projeto As principais características relacionam-se diretamente com a operação do tráfego na via e podem também afetar as suas condições de segurança

10 Classificação funcional

11 Classificação Funcional Processo de agrupar vias em sistemas e sub-sistemas de acordo com a posição hierárquica dentro da rede viária com base: no tipo de serviço que proporcionam nas funções que exercem Funções primárias: MOBILIDADE e ACESSIBILIDADE Conflito: movimentos diretos x necessidade de acesso DIFERENÇAS E GRADAÇÕES DOS VÁRIOS TIPOS FUNCIONAIS

12 Classificação Funcional Tipo de serviço é caracterizado pela relação entre os níveis de mobilidade e acessibilidade proporcionados ao tráfego Classificação funcional típica dos sistemas viários (*) Sistema arterial principal Sistema arterial secundário Sistema de vias coletoras Sistema de vias locais (*) Nível decrescente de mobilidade e crescente de acessibilidade na ordem indicada

13 Níveis de Mobilidade e Acessibilidade

14 Hierarquia de Movimentos A classificação funcional permite definir como as viagens podem ser canalizadas na rede viária de forma lógica e eficiente.

15 Funções básicas dos sistemas viários SISTEMA ARTERIAL Função básica: proporcionar alto nível de mobilidade para volumes de tráfego elevados em geral corresponde aos corredores de maior volume de tráfego e às viagens mais longas A velocidade é um fator essencial a ser considerado. No sistema arterial circula parte significativa do tráfego, embora a sua extensão represente pequena porcentagem da extensão total da rede viária. Normalmente é constituído de: sistema principal que atende aos movimentos mais importantes; sistema secundário queatendeaospercursosdeviagemcomextensões intermediárias e distribui o tráfego por áreas menores que as atendidas pelo sistema principal. No meio urbano as vias do sistema secundário podem acomodar linhas de ônibus locais e prover continuidade entre as comunidades (sem adentrar nelas).

16 Funções básicas dos sistemas viários SISTEMA COLETOR Função básica: proporcionar mobilidade e acesso dentro de áreas específicas. Deve formar uma rede contínua com a malha arterial, destinando-se a coletar o tráfego das vias locais e conduzi-lo às vias arteriais secundárias. As distâncias de viagem nesse sistema são predominantemente menores que as do sistema arterial. No meio urbano algumas vias do sistema coletor também podem atender aos trechos coletores/distribuidores de itinerários de ônibus.

17 Funções dos Sistemas Viários SISTEMA LOCAL Função básica: proporcionar acesso a propriedades ou pequenas localidades (origem / destino das viagens). Deve formar uma rede de ligação com o sistema coletor. Compreendetodasasviasnãoincluídasnossistemasarteriale coletor. Usualmente não contém rotas de ônibus no meio urbano. Condições típicas para garantir acessibilidade e circulação de pedestres baixa velocidade dos veículos

18 Sistemas viários em áreas urbanas e rurais Sistemas funcionais urbanos e rurais devem ser classificados separadamente por possuírem características fundamentalmente diferentes quanto a: densidade e tipos de uso do solo; densidade de vias na rede; natureza das viagens; forma pela qual estes elementos estão relacionados entre si.

19 Sistemas viários em áreas urbanas e rurais Manual da AASHTO (2011) considera: Áreas urbanas: população superior a habitantes áreas urbanizadas: população superior a habitantes pequenas áreas urbanas: população entre e habitantes Áreas rurais: aquelas situadas fora dos limites das áreas urbanas

20 Linhas de desejo de deslocamentos

21 Rede rodoviária para atender aos desejos de deslocamento

22 Hierarquia funcional das vias urbanas

23 Exemplo de hierarquia estabelecida para sistemas funcionais em áreas rurais e urbanas Áreas Urbanas Arterial Sistema Arterial Principal Sistema Arterial Secundário Coletor Sistema Coletor Local Sistema Local Fonte: AASHTO, 2011 Áreas Rurais Arterial Sistema Arterial Principal Sistema Arterial Secundário Coletor Sistema Coletor Primário Sistema Coletor Secundário Local Sistema Local

24 A POLICY ON GEOMETRIC DESIGN OF HIGHWAY AND STREETS AASHTO 2011 Distribuição típica de sistemas funcionais rurais Sistemas % da extensão total Arterial Principal 2 4 % Arterial Principal + Arterial Secundário 6 12 % (7 a 10 % na maioria dos Estados americanos) Coletor % Local % Distribuição típica de sistemas funcionais urbanos Sistemas Volumes veiculares (%) Extensão (%) Arterial Principal Arterial Principal + Arterial Secundário Coletor Local

25 Exemplo de hierarquia estabelecida para sistemas funcionais em áreas rurais e urbanas Áreas Urbanas Arterial Sistema Arterial Principal Sistema Arterial Secundário Coletor Sistema Coletor Local Sistema Local Arterial Áreas Rurais Sistema Arterial Principal Sistema Arterial Primário Sistema Arterial Secundário Coletor Sistema Coletor Primário Sistema Coletor Secundário Local Sistema Local Fonte: Classificação Funcional do Sistema Rodoviário do Brasil, DNER, 1974

26 Hierarquia estabelecida para sistemas funcionais em áreas urbanas Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010 Sistemas Funcionais em Áreas Urbanas Sistema Arterial Principal Vias expressas primárias Vias expressas secundárias Vias arteriais primárias Sistema Arterial Secundário Vias arteriais não selecionadas para o Sistema Arterial Principal Sistema Coletor Sistema Local

27 Características Desejáveis para as Vias de Sistemas Funcionais em Áreas Urbanas Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

28 Classificação técnica Classes de projeto para rodovias

29 Fatores condicionantes importantes na classificação técnica de vias 1. Tráfego O atendimento ao tráfego constitui a principal finalidade da via. Em geral adota-se o volume de tráfego que deverá utilizar a via no 10 ou 15 ano após a sua abertura. A composição do tráfego pode influenciar a classificação técnica em casos específicos. 2. Classe funcional A classe funcional (que também é condicionada pelo tráfego) em geral influencia a classificação técnica. A um nível hierárquico superior devem corresponder características técnicas superiores.

30 Condicionantes Importantes na Classificação Técnica de Vias 3. Fator econômico O custo de construção da via é influenciado por vários fatores, mas fundamentalmente pelo relevo da região Outros fatores também podem ter impacto significativo no custo de construção da via: remanejamento de interferências de vulto com redes de serviços públicos condições geológico-geotécnicas muito desfavoráveis desapropriações de grande vulto Condições extremas podem requerer adaptações específicas das características técnicas

31 Classes de Projeto de Rodovias e Critérios de Classificação Técnica/ DNIT

32 Classes de Projeto de Rodovias e Critérios de Classificação Técnica/ DNIT

33 Relação Geral entre as Classes Funcionais e as Classes de Projeto de Rodovias Sistema Classes funcionais Classes de Projeto Principal Classes Zero e I Arterial Primário Classes I Secundário Classes I e II Coletor Primário Classes II e III Secundário Classes III e IV Local Local Classes III e IV

34 Velocidades Diretrizes Para Novos Traçados Rodoviários em Função da Classe de Projeto e do Relevo - DNIT Classe de Projeto Velocidades diretrizes para projeto (km/h) Relevo Plano Ondulado Montanhoso Classe Classe I Classe II Classe III Classe IV

35 Classificações funcionais e técnicas Ver no ANEXO I Características básicas do projeto geométrico em função da classe de projeto e do relevo Ver no ANEXO II Exemplos diversos de classificações funcionais e técnicas

36 Síntese da evolução histórica do sistema de vias no meio urbano O sistema viário das cidades e metrópoles nos dias atuais

37 Síntese da evolução histórica do sistema de vias no meio urbano Cidades antigas, medievais e renascentistas: as ruas eram vielas tortuosas e os edifícios eram projetados conjuntamente as ruas correspondiam ao espaço residual da área construída (espaço que sobrava entre as edificações e que permitia o acesso às mesmas) Cidade medieval Séculos XII e XIII

38 Síntese da evolução histórica do sistema de vias no meio urbano A partir do século XVIII: as ruas começaram a ser traçadas para atender aos crescentes problemas urbanos as edificações eram construídas posteriormente as edificações formavam corredores que acompanhavam os alinhamentos viários A partir do século XIX e até o início do século XX: revolução industrial crescimento acelerado das cidades aumenta a necessidade de circulação dentro das cidades surgem novas avenidas inseridas nos novos planos urbanos aumentam as distâncias médias de deslocamento da população

39 Síntese da evolução histórica do sistema de vias no meio urbano Paris, 1904 Nova York, 1910

40 Síntese da evolução histórica do sistema de vias no meio urbano Rua São Bento, SP, 1904 Rua XV de Novembro, SP, 1912 Fotos: São Paulo By Tram, Fernando Portela, 2006

41 Síntese da evolução histórica do sistema de vias no meio urbano O automóvel e as ruas na primeira metade do século XX: segunda grande revolução urbana popularização do uso do automóvel o automóvel altera as velocidades e as distâncias de deslocamento ruas passam a ter a função prioritária de circulação, ligando as diferentes zonas da cidade para acomodar um volume maior de veículos, novas vias são construídas e outras vias existentes são alargadas aumenta a quantidade de conflitos: veículos x pedestres veículos x outros meios de locomoção mais lentos começam a surgir os primeiros congestionamentos

42 Síntese da evolução histórica do sistema de vias no meio urbano Cidade de São Paulo Anos 60 Fotos: São Paulo By Tram, Fernando Portela, 2006

43 O sistema viário das cidades e metrópoles nos dias atuais Os veículos automotores circulam a velocidades mais elevadas (quando livres de congestionamentos). As extensões das viagens (deslocamentos) da população aumentaram consideravelmente, especialmente nos grandes centros urbanos. São crescentes os problemas urbanos de congestionamento e insegurança. Ampliam-se os tipos de conflitos: automóveis x pedestres automóveis x ônibus automóveis x caminhões automóveis x motocicletas automóveis x bicicletas bicicletas x pedestres bicicletas x motocicletas, etc.

44 O sistema viário das cidades e metrópoles nos dias atuais Em várias situações os deslocamentos a pé ou por outros modos não motorizados (viagens curtas) tornaram-se mais restritivos tanto em termos de espaço disponível para tal tipo de viagem como de segurança. Em muitas vias aumentaram consideravelmente os conflitos acessibilidade x mobilidade. O sistema viário também abriga todas as redes de serviços urbanos (água, coleta de esgoto, coleta de águas pluviais, energia elétrica, telefonia, lixo, etc.). Para atender a tantas funções, o sistema viário dispõe de uma série de equipamentos instalados nas próprias vias, no subsolo ou no seu espaço aéreo, que nem sempre convivem sem conflitos. O planejamento, a operação e a manutenção adequadas das vias e dos serviços que se dão nelas são fatores essenciais para a qualidade de vida nas cidades e para a eficiência da circulação urbana.

45 A classificação das vias e as necessidades a serem consideradas em um Plano de Mobilidade Urbana No âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana é fundamental que uma classificação funcional e técnica das vias urbanas seja concebida ou atualizada levando em conta: o papel que cada tipo de via desempenha na circulação urbana, considerando os vários modos de transporte e não somente os veículos de transporte motorizados as condições de uso e ocupação do solo no entorno das vias os sistemas de transporte público existentes ou planejados para a região e as necessidades de seus usuários necessidades de acessibilidade às edificações existentes em certos tipos de via os tipos e os volumes de tráfego previstos de circularem pelas vias (automóveis, caminhões, bicicletas, motocicletas, etc.), os possíveis conflitos existentes entre eles e, consequentemente, as características físicas e operacionais que cada tipo de via deve apresentar a circulação de pedestres em condições de conforto e segurança Ver no ANEXO III Princípios e diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012)

46 As necessidades a serem consideradas em um Plano de Mobilidade Urbana Exemplos de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana

47 As necessidades a serem consideradas em um Plano de Mobilidade Urbana Um Plano de Mobilidade Urbana, além de ações para a requalificação e/ou implantação e/ou modernização da infraestrutura dos sistemas de transporte público que tornem mais curtas, rápidas, confortáveis e seguras as viagens em uma cidade/metrópole, também deve considerar: 1. a necessidade de prover ou resgatar espaços para os pedestres caminharem com conforto e segurança, incluindo a implantação de travessias adequadas nas grandes vias arteriais e a acessibilidade para pessoas com deficiência e restrição de mobilidade 2. a conveniência de que outros modos leves de deslocamento, comoas bicicletas, também sejam favorecidos de forma adequada, nadireçãoda busca de que as cidades se tornem mais sustentáveis e saudáveis 3. a criação/valorização de espaços públicos (bem planejados e agradáveis) que contribuam para melhorar as condições de habitabilidade da região

48 As necessidades a serem consideradas em um Plano de Mobilidade Urbana 4. aavaliaçãodosimpactoscausadosnascondiçõesdeusoeocupaçãono entorno imediato dos eixos de implantação dos sistemas de transporte público, incluindo a necessidadedegarantircondiçõesadequadasde acessibilidade aos imóveis em tais áreas 5. necessidade de proporcionar condições mínimas razoáveis para o tráfego veicular 6. a identificação de polos geradores de viagenseotratamentoadequadode circulação no seu entorno 7. as necessidades do sistema de distribuição de cargas urbanas, especialmente nas médias e grandes cidades 8. a necessidade de prover eventuais áreas de estacionamento em vias ou regiões destinadas ao comércio

49 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração da seção transversal da via para implantação de faixa exclusiva para ônibus e ciclistas Situação original (*) As larguras adequadas de faixas de tráfego e de ciclofaixas serão abordadas na aula de Elementos da Seção Transversal Situação futura (projetada)

50 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração da seção da via para implantação de faixa exclusiva de ônibus e ciclofaixa, com ampliação do passeio na travessia de pedestres Situação original Situação futura (projetada)

51 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração da seção da via com implantação de canaleta central para sistema expresso de ônibus, ciclofaixas e faixas de travessia de pedestres

52 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Ilustrações caracterizando diferentes condições de circulação para ônibus, automóveis, ciclistas e pedestres em função da classe e da largura da via Em aulas futuras serão abordados os diferentes níveis de segregação adotados para faixas exclusivas de ônibus, ciclofaixas e passeios públicos (calçadas).

53 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração da seção da via com implantação de canaleta central para sistema VLT, ciclofaixas e faixas de travessia de pedestres

54 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração da seção da via com implantação de canaleta central para sistema VLT e faixas de travessia de pedestres Barcelona

55 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração da seção de via comercial com implantação de sistema VLT na parte lateral da seção da via A viabilidade da implantação de canaleta para o sistema VLT e das ciclofaixas conforme a configuração acima exige cuidadosa análise da necessidade de acessibilidade aos imóveis lindeiros.

56 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração da seção de via comercial p/ implantação de sistema VLT com criação de calçadão e instalação de mobiliário urbano A viabilidade da implantação de sistema VLT em trecho de uma via comercial reconfigurada como calçadão exige cuidadosa análise das necessidades de acessibilidade aos imóveis situados em tal trecho e de outras necessidades como condições adequadas para coleta de lixo.

57 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração do cruzamento e das seções das vias c/ alargamento dos passeios nas travessias de pedestres e implantação de ciclofaixas Situação original Situação futura (projetada)

58 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Reconfiguração do cruzamento das vias com alargamento dos passeios nos locais de travessias de pedestres (*) Situação original Situação futura (projetada) (*) Medida aplicável a vias com baixo volume de tráfego

59 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Ampliação do passeio na entrada de via de baixa velocidade (*) proporcionando maior segurança para a travessia de pedestres (*) (*) Medida aplicável a vias com baixo volume de tráfego

60 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Ampliação da largura do passeio no meio da quadra Tal medida é aplicada para reduzir a velocidade do tráfego veicular em local de travessia expressiva de pedestres e para ampliação/valorização do espaço público destinado a pedestres e ciclistas.

61 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Alargamento do passeio no meio da quadra para implantação de travessia de pedestres em faixa elevada do pavimento Situação original Situação futura (projetada)

62 Exemplo de melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Melhorias de acessibilidade a sistemas de transporte público

63 Aspectos importantes do planejamento dos sistemas de vias de transporte Nos estudos de planejamento é fundamental abordar, dentre outros, os seguintes aspectos: evolução da economia motivos das viagens crescimento populacional crescimento da frota de veículos vinculação das vias de circulação com o uso e ocupação do solo no seu entorno partição modal em áreas urbanas viagens a pé motorizadas (subdivisão: transporte individual, transporte coletivo) modos leves de deslocamento (bicicletas, etc.) integração entre os diferentes modais de transporte

64 Aspectos importantes para o planejamento dos sistemas de transporte e na elaboração de um Plano de Mobilidade Urbana

65 ANEXO I Características básicas do projeto geométrico em função da classe de vias rurais e urbanas

66 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe 0 Vias Expressas (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Velocidade Diretriz 120 km/h 100 km/h 80 km/h Distância mínima de visibilidade de parada Desejável 310 m 210 m 140 m Absoluta 205 m 155 m 110 m Raio mínimo de curva horizontal (e = 10%) 540 m 345 m 210 m Rampa máxima 3 % 4 % 5 % Valor mínimo de K para curvas verticais convexas: Desejável Absoluta Valor mínimo de K para curvas verticais côncavas: Desejável Absoluto Largura da faixa de rolamento 3,60 m 3,60 m 3,60 m

67 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe 0 Vias Expressas (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Largura do acostamento externo: 3,50 m 3,00 m 3,00 m Largura do acostamento interno: Pistas de 2 faixas 1,20 0,60 m 1,00 0,60 m 0,60 0,50 m Pistas de 3 faixas * 3,00 2,50 m 2,50 2,00 m 2,50 2,00 m Pistas de 4 faixas 3,00 m 3,00 2,50 m 3,00 2,50 m Gabarito mínimo vertical 5,50 m 5,50 m 5,50 m Afastamento lateral mínimo do bordo do acostamento Obstáculos contínuos 0,50 m 0,50 m 0,50 m Obstáculos isolados 1,50 m 1,50 m 1,50 m Largura do canteiro central Absoluta ** 3 7 m 3 7 m 3 7 m Valor normal 6 7 m 6 7 m 6 7 m desejável m m m * Quando for dispensável o acostamento interno total, utilizar os valores para pistas de 2 faixas ** Conforme a largura dos acostamentos internos

68 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe I (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Velocidade Diretriz 100 km/h 80 km/h 60 km/h Distância mínima de visibilidade de parada Desejável 210 m 140 m 85 m Absoluta 155 m 110 m 75 m Distância mínima de visibilidade de ultrapassagem (Classe I-B) 680 m 560 m 420 m Raio mínimo de curva horizontal (e = 10%) 345 m 210 m 115 m Rampa máxima 3 % 4,5 % 6 % Valor mínimo de K para curvas verticais convexas: Desejável Absoluta Valor mínimo de K para curvas verticais côncavas: Desejável Absoluto

69 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe I (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Largura da faixa de rolamento 3,60 m 3,60 m 3,60 m Largura do acostamento externo: 3,00 m 2,50 m 2,50 m Largura do acostamento interno Classe I-A: Pistas de 2 faixas 1,20 0,60 m 1,00 0,60 m 0,60 0,50 m Pistas de 3 faixas * 3,00 2,50 m 2,50 2,00 m 2,50 2,00 m Pistas de 4 faixas 3,00 m 3,00 2,50 m 3,00 2,50 m Gabarito mínimo vertical 5,50 m 5,50 m 5,50 m Afastamento lateral mínimo do bordo do acostamento Obstáculos contínuos 0,50 m 0,50 m 0,50 m Obstáculos isolados 1,50 m 1,50 m 1,50 m Largura do canteiro central Classe I-A Absoluta ** 3 7 m 3 7 m 3 7 m Mínimo em interseções em nível > 6 m >6 m >6 m Desejável m m m * Quando for dispensável o acostamento interno total, utilizar os valores para pistas de 2 faixas ** Conforme a largura dos acostamentos internos

70 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe II (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Velocidade Diretriz 100 km/h 70 km/h 50 km/h Distância mínima de visibilidade de parada Desejável 210 m 110 m 65 m Absoluta 155 m 90 m 60 m Distância mínima de visibilidade de ultrapassagem 680 m 490 m 350 m Raio mínimo de curva horizontal (e = 8%) 375 m 170 m 80 m Rampa máxima 3 % 5 % 7 % Valor mínimo de K para curvas verticais convexas: Desejável Absoluta Valor mínimo de K para curvas verticais côncavas: Desejável Absoluto

71 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe II (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Largura da faixa de rolamento 3,60 m 3,50 m 3,30 m Largura do acostamento externo: 2,50 m 2,50 m 2,00 m Gabarito mínimo vertical Desejável 5,50 m 5,50 m 5,50 m Absoluto 4,50 m 4,50 m 4,50 m Afastamento lateral mínimo do bordo do acostamento Obstáculos contínuos 0,50 m 0,50 m 0,50 m Obstáculos isolados 1,50 m 1,50 m 1,50 m

72 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe III (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Velocidade Diretriz 80 km/h 60 km/h 40 km/h Distância mínima de visibilidade de parada Desejável 140 m 85 m 45 m Absoluta 110 m 75 m 45 m Distância mínima de visibilidade de ultrapassagem 460 m 420 m 270 m Raio mínimo de curva horizontal (e = 8%) 230 m 125 m 50 m Rampa máxima 4 % 6 % 8 % Valor mínimo de K para curvas verticais convexas: Desejável Absoluta Valor mínimo de K para curvas verticais côncavas: Desejável Absoluto

73 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe III (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Largura da faixa de rolamento 3,50 m 3,30 m 3,30 m Largura do acostamento externo 2,50 m 2,00 m 1,50 m Gabarito mínimo vertical Desejável 5,50 m 5,50 m 5,50 m Absoluto 4,50 m 4,50 m 4,50 m Afastamento lateral mínimo do bordo do acostamento Obstáculos contínuos 0,30 m 0,30 m 0,30 m Obstáculos isolados 0,50 m 0,50 m 0,50 m

74 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe IV (DNIT) Características Região Plana Ondulada Montanhosa Velocidade Diretriz 60 km/h 40 km/h 30 km/h Distância mínima de visibilidade de parada Desejável 85 m 45 m 30 m Absoluta 75 m 45 m 30 m Distância mínima de visibilidade de ultrapassagem 420 m 270 m 180 m Raio mínimo de curva horizontal (e = 8%*) 125 m 50 m 25 m Rampa máxima Subclasse A 4 % 6 % 8 % Subclasse B 6 % 8 % 10 % ** Valor mínimo de K para curvas verticais convexas: Desejável Absoluta Valor mínimo de K para curvas verticais côncavas: Desejável Absoluto

75 Características Básicas do Projeto Geométrico Rodovia Classe IV (DNIT) Características Largura da faixa de rolamento Região Plana Ondulada Montanhosa Subclasse A 3,00 m 3,00 m 3,00 m Subclasse B 2,50 m 2,50 m 2,50 m Largura do acostamento Subclasse A 1,30 m 1,30 m 0,80 m Subclasse B 1,00 m 1,00 m 0,50 m Gabarito mínimo vertical Desejável 5,50 m 5,50 m 5,50 m Absoluta 4,50 m 4,50 m 4,50 m Afastamento lateral mínimo do bordo do acostamento Obstáculos contínuos 0,30 m 0,30 m 0,30 m Obstáculos isolados 0,50 m 0,50 m 0,50 m * Enquanto não pavimentada, a taxa mínima de superelevação deve limitar-se a 4%. ** Extensão limitada a 300 m contínuos

76 Classes e Características Técnicas de Rodovias Estabelecidas pelo DER/SP Classificação das Rodovias CLASSE E VHP: VDM: CLASSE I VHP: VDM: CLASSE II VDM: CLASSE II VDM até 500 CLASSE IV VDM: CLASSE IV VDM até 200 Tipo de Pavimento ALTA QUALIDADE Concreto de cimento ou concreto asfáltico ALTA E MÉDIA QUALIDADE Concreto asfáltico pré-misturado MÉDIA E BAIXA QUALIDADE pré-misturado a frio e tratamento triplo BAIXA QUALIDADE tratamento duplo e superficiais BAIXA QUALIDADE TRATAMENTOS SUPERFICIAIS BAIXA QUALIDADE TRATAMENTOS SUPERFICIAIS Configuração do Terreno N de Faixas Larguras das Faixas (m) Velocidade de Projeto (km/h) Raio de Curvas Horizontais (m) des min des min Plano 4 a 6 3, Ondulado 4 a 6 3, Montanhoso 4 a 6 3, Plano 2 3, Ondulado 2 3, Montanhoso 2 3, Plano 2 3, Ondulado 2 3, Montanhoso 2 3, Plano 2 3, Ondulado 2 3, Montanhoso 2 3, Plano 2 3,2 a 3, Ondulado 2 3,2 a 3, Montanhoso 2 3,0 a 2, Plano 2 3,0 a 2, Ondulado 2 2, Montanhoso 2 2,

77 Classes e Características Técnicas de Rodovias Estabelecidas pelo DER/SP Classificação das Rodovias CLASSE E VHP: VDM: CLASSE I VHP: VDM: CLASSE II VDM: CLASSE II VDM até 500 CLASSE IV VDM: CLASSE IV VDM até 200 Curvas Verticais Parabólicas (m) Côncavas Convexas Máxima Superelevação (%) Rampas (%) Mínimo corte Distância de Visibilidade de Parada (m) Distância de Visibilidade de Ultrapassagem (m) min des min des des min Max ,0 10,0 3,0 0, ,0 10,0 4,0 0, ,0 10,0 5,0 0, ,0 10,0 3,0 1, ,0 10,0 4,5 1, ,0 10,0 6,0 1, ,0 8,0 4,0 1, ,0 8,0 5,0 1, ,0 8,0 7,0 1, ,0 8,0 4,0 1, ,0 8,0 6,0 1, ,0 8,0 8,0 1, ,0 8,0 6,0 1, ,0 8,0 8,0 1, ,0 8,0 10,0 1, ,0 8,0 8,0 1, ,0 8,0 10,0 1, ,0 8,0 12,0 1,

78 Velocidades Diretrizes Recomendadas para Vias do Sistema Arterial Principal Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

79 Características Básicas do Projeto Geométrico do Sistema Arterial Principal Via Expressa Primária Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

80 Características Básicas do Projeto Geométrico do Sistema Arterial Principal Via Expressa Secundária Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

81 Características Básicas do Projeto Geométrico do Sistema Arterial Principal Via Arterial Primária Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

82 Características Básicas do Projeto Geométrico do Sistema Arterial Principal Ramos de Interconexões Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

83 Características Básicas do Projeto Geométrico do Sistema Arterial Secundário Via Arterial Secundária Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

84 Características Básicas do Projeto Geométrico do Sistema de Vias Coletoras Via Coletora Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

85 Características Básicas do Projeto Geométrico do Sistema de Vias Locais Via Local Fonte: Manual de Projeto Geométrico de Travessias Urbanas DNIT 2010

86 ANEXO II Exemplos diversos de classificações funcionais e técnicas

87 Classificação da PMSP Instrução de Projeto IP-03 Clasificação Finalidade VDM Via Arterial Principal ou Expressa Via Arterial Via Coletora Principal Via Coletora Secundária Via Local Residencial com Paisagem Corredor de Ônibus Centros de atividade da região metropolitana Interconectam as arteriais principais Coletam e distribuem as viagens locais às arteriais e vice-versa Acesso direto às propriedades Largura da Faixa (m) Largura dos passeios (m) > ,50-3,60 3,5 Raios mínimos de curva (horiz.) (m) (transição) Rampa máxima % Gabarito vertical A.O.E. (m) Classificação conforme lei do uso do solo 6 5,50 Via Expressa a ,5 3, ,50 Via Expressa a ,00-3,50 2, ,50 Via Principal 401 a ,0 2, ,50 Via Principal 100 a 400 2,70-3,50 1,50-2, (*) 4,00 Via Local < 500 3, ,50 > ,50

88 Rede Viária Básica Características Gerais das Redes Viárias e das Classes de Vias Estabelecidas pela CET/SP Categoria das Redes Função das Redes Classe de Vias Características Operacionais Características Físicas N de Pistas N de Faixas Separação das Pistas Rede Viária Básca Rede Viária Estrutural Rede Viária Coletora Rede Viária Local Via de Pedestres - Forma a principal estrutura viária da cidade - Permite articulação e deslocamentos entre regiões Extremas - Constitui os principais acessos a outros municípios / rodovias - Apoia a circulação das vias da Rede Estrutural - Distribui os fluxos veiculares entre as vias das Redes Estrutural e Local - Atende a deslocamentos estritamente localizados - Exclusivas ao uso dos pedestres Estrutural I Controle de acesso Fluxo interrrompido 2 ou mais Estrutural II Fluxo interrrompido 2 ou mais 2 ou mais por sentido 3 ou mais por sentido Sim Sim Estrutural III Fluxo interrrompido 1 2 ou mais Não Estrutural IV Fluxo interrrompido 1 1 Não Coletora I Fluxo interrrompido 1 1 Eventualmente Coletora II Fluxo interrrompido 1 1 Não Local Fluxo interrrompido 1 1 ou mais Eventualmente Vias de pedestres Somente permitida a cisrculação de veículos autorizados

89 Características Desejáveis para as Diversas Classes Funcionais de Vias Urbanas Fonte: Normas para a Classificação Funcional de Vias Urbanas Programa Especial de Vias Expressas (DNER,1974)

90 Exemplo de características típicas definidas para sistemas funcionais em áreas rurais Sistemas funcionais Função básicas Espaçamento Sistema arterial principal primário secundário - Trânsito Internacional e Inter-Regional. - Grande mobilidade. - Sistema contínuo na região. - Conexão com rodovias similares em regiões vizinhas. - Conectar as cidades com população acima de habitantes e as capitais. - Trânsito Inter-Regional e Interestadual. - Mobilidade. - Sistema contínuo em combinação com o sistema principal. - Conectar cidades com população acima de habitantes. - Trânsito Interestadual e Intra-Estadual. - Mobilidade. - Sistema contínuo combinado com os sistemas arteriais principal e primário. - Conectar cidades com população acima de habitantes. Controlado pela localização das cidades e regiões conectadas por estas rodovias. Estabelecido de forma a não duplicar os serviços das rodovias arteriais principais. Estabelecido de forma a não duplicar os serviços das rodovias arteriais principais

91 Exemplo de características típicas definidas para sistemas funcionais em áreas rurais Sistemas funcionais Função básicas Espaçamento Sistema coletor Sistema local primario secundário - Trânsito intermunicipal. - Mobilidade e acesso. - Sistema contínuo combinado com o sistema arterial. - Alimentador do sistema arterial. - Conectar cidades com população acima e habitantes - Trânsito intermunicipal. - Acesso e Mobilidade. - Alimentador dos sistemas de mais alta função. - Conectar cidades com população acima de 2000 habitantes e as sedes municipais. - Atender às grandes áreas de baixa densidade populacional. - Trânsito intra-municipal. - Deve proporcionar principalmente acesso. - Pode sofrer descontinuidade mas não ser isolado do resto da rede. Estabelecido de acordo com a distribuição e concentração populacional Não duplicar serviços Estabelecido de acordo com a distribuição e concentração populacional

92 Exemplo de classificação que leva em conta as condições de uso e ocupação do solo no entorno da via Diferentes grupos de categorias definidos na Classificação Funcional sugerida para a Alemanha

93 Exemplo de classificação que leva em conta as condições de uso e ocupação do solo no entorno da via Diferentes grupos de categorias definidos na Classificação Funcional sugerida para a Alemanha

94 Exemplo de classificação que leva em conta as condições de uso e ocupação do solo no entorno da via Diferentes grupos de categorias definidos na Classificação Funcional sugerida para a Alemanha

95

96 ANEXO III Princípios e diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012)

97 Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) Princípios Acessibilidade universal Desenvolvimento sustentável Equidade no acesso ao transporte público coletivo Eficiência, eficácia e efetividade na prestação dos serviços de transporte e na circulação urbana Segurança nos deslocamentos Justa distribuição dos benefícios e ônus no uso dos diferentes modos Equidade no uso do espaço público de circulação, vias e logradouros

98 Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) Diretrizes Planejamento Integrado (desenvolvimento urbano, habitação, saneamento básico, planejamento e gestão do uso do solo); Integração entre modos e serviços; Mitigação dos custos ambientais, sociais e econômicos; Desenvolvimento científico-tecnológico; Energias renováveis e menos poluentes; Projetos de transporte público coletivo estruturadores do território e indutores do desenvolvimento urbano integrado.

99 Plano de Mobilidade Urbana no contexto da Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) Um plano de mobilidade urbana deve contemplar: os serviços de transporte público coletivo a circulação viária as infraestruturas do sistema de mobilidade urbana a acessibilidade para pessoas com deficiência e restrição de mobilidade a integração dos modos de transporte público e destes com os privados e os não motorizados a operação e o disciplinamento do transporte de carga na infraestrutura viária os polos geradores de viagens as áreas de estacionamentos públicos e privados, gratuitos ou onerosos as áreas e horários de acesso e circulação restrita ou controlada os mecanismos e instrumentos de financiamento do transporte público coletivo e da infraestrutura de mobilidade urbana a sistemática de avaliação, revisão e atualização periódica do Plano de Mobilidade Urbana em prazo não superior a 10 (dez) anos

100 Exemplo de componentes definidos para a infraestrutura de um Plano de Mobilidade Urbana Cidade de São Paulo rede viária viário estrutural, coletor e local calçadas, passarelas e logradouros ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas corredores e faixa exclusiva de ônibus rede metroferroviária metrô, trem e monotrilho rede hidroviária equipamentos de acesso e transferência terminais de passageiros estações e pontos de embarque bicicletários, paraciclos e estações bike share estacionamentos aeroportos e heliportos ancoradouros terminais de carga e plataformas logísticas centros de distribuição de carga sistemas bilhetagem eletrônica controle e monitoramento dos ônibus controle e monitoramento do trânsito controle semafórico controle de estacionamento controle de velocidade fiscalização eletrônica

101 ANEXO IV Dados relativos a viagens por modo e por motivo na Região Metropolitana de São Paulo

102 Exemplo de partição modal Divisão modal das viagens na RMSP ,7 milhões de viagens por dia 29,7 milhões de viagens motorizadas 14,0 milhões de viagens não motorizadas 16,1 milhões de viagens por transporte coletivo 13,6 milhões de viagens por veículos particulares 13,7 milhões de viagens a pé 0,3 milhões de viagens de bicicleta Fonte: GPI Pesquisa Mobilidade 2012

103 Exemplo TRIP MODAL de partição CHOICE TRENDS modalin SPMR Região Metropolitana de São Paulo Divisão modal das viagens motorizadas Público Individual

104 TRIP MODAL CHOICE TRENDS IN SPMR Exemplo de variação da partição modal Região Metropolitana de São Paulo Viagens diárias

105 TRIP MODAL CHOICE TRENDS IN SPMR Exemplo de partição modal Região Metropolitana de São Paulo Resumo das viagens por modo (milhões por dia)

106 TRIP MODAL CHOICE TRENDS IN SPMR Exemplo de partição modal Região Metropolitana de São Paulo Tempo médio das viagens diárias por modo

107 TRIP MODAL CHOICE TRENDS IN SPMR Exemplo de variação da partição modal Região Metropolitana de São Paulo Viagens diárias por modos

108 TRIP MODAL CHOICE TRENDS IN SPMR Exemplo de variação da partição modal Região Metropolitana de São Paulo Resumo das viagens por motivo e por modo

Funções de uma rodovia

Funções de uma rodovia 3. HIERARQUIA DAS RODOVIAS Funções de uma rodovia Função É o tipo de serviço que a via proporciona. É o desempenho da via para a finalidade do deslocamento. Mobilidade: atender à demanda do tráfego de

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina ENGENHARIA DE TRÁFEGO FAMEBLU Engenharia Civil Aula 11: A Infraestrutura Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. O Código de Transito Brasileiro CTB, define no Capítulo IX DOS VEÍCULOS, Seção I

Leia mais

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

É a área em que duas ou mais vias se cruzam ou se unificam. Neste local existem dispositivos destinados a ordenar os diversos movimentos do tráfego.

É a área em que duas ou mais vias se cruzam ou se unificam. Neste local existem dispositivos destinados a ordenar os diversos movimentos do tráfego. NOÇÕES SOBRE INTERSEÇÕES É a área em que duas ou mais vias se cruzam ou se unificam. Neste local existem dispositivos destinados a ordenar os diversos movimentos do tráfego. As interseções e travessias

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Lei de Uso e Ocupação do Solo Paulo Roberto Secretário de Planejamento Ponte Nova 31 99989-1636 23/11/2016 Mobilidade Urbana: é a condição em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 108/09

PROJETO DE LEI Nº 108/09 PROJETO DE LEI Nº 108/09 "Dispõe sobre a criação do sistema cicloviário no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. Art. 1º - Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de Santa

Leia mais

INTEGRADO METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

INTEGRADO METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA VLT DA BAIXADA SANTISTA Ministério das Cidades SETEMBRO DE 2013 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EMTU EMTU ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLIPANAS A EMTU é Responsável pelo gerenciamento do

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres 1º semestre/2007 Aula 4 Conceitos Básicos de Engenharia de Tráfego CARACTERÍSTICA DO TRÁFEGO 1. Volume e composição do tráfego 2. Variações

Leia mais

Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília

Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO DO DF Histórico 1997... 2001... 2003 2004 2005 2006 2007 2008 BR CTB Estatuto da Cidade

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO Promover a sustentabilidade com a melhoria da qualidade de vida e do ar, reduzir os congestionamentos, democratizar o uso do espaço viário, a acessibilidade aos bens e serviços e ampliar a inserção social

Leia mais

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Texto em letra Arial Narrow: texto da lei 14.266/07 que não foi alterado Texto em

Leia mais

Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições

Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições meteorológicas e a intensidade do trânsito, obedecendo aos limites

Leia mais

CAPÍTULO 09 ESTUDOS DE CAPACIDADE - INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 09 ESTUDOS DE CAPACIDADE - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 09 ESTUDOS DE CAPACIDADE - INTRODUÇÃO HCM HIGHWAY CAPACITY MANUAL Em 1920 começam a ser publicados os resultados dos primeiros estudos sobre capacidade. A primeira versão HCM, cujo organismo americano

Leia mais

Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de

Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de trânsito. 1º Onde não existir sinalização regulamentadora,

Leia mais

Manual de implantação de Paraciclos Diretoria de Trânsito e Transportes

Manual de implantação de Paraciclos Diretoria de Trânsito e Transportes Em conformidade com a Politica Nacional de Mobilidade Urbana a Prefeitura Municipal de Bauru objetiva a criação de espaços adequados ao estacionamento de bicicletas, de modo a favorecer o transporte individual

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

Projeto BRT. Projeto BRT Porto Alegre. Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT. ao Transmilenio. Abril

Projeto BRT. Projeto BRT Porto Alegre. Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT. ao Transmilenio. Abril Projeto BRT Porto Alegre Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT Projeto BRT Visita Técnica T ao Transmilenio Abril - 2010 Rede Atual de Transporte Coletivo Trem Metropolitano: (Dados

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Dicas de Trânsito. 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro.

Dicas de Trânsito. 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro. Dicas de Trânsito 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro. 002 P. Qual o dever do condutor antes de colocar o veículo em circulação nas vias públicas? R. Verificar as condições

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS Compreendendo que, Por todo o mundo, o uso da bicicleta vem sendo tratado como um importante indicador de qualidade de vida, havendo um consenso crescente

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES 2266-0369 SMTR www.rio.rj.gov.br 2589-0557 SMO Rio de Janeiro

Leia mais

Cálculo da Capacidade

Cálculo da Capacidade Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Cálculo da 2 1 - É o máximo de veículos que podem atravessar uma

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

PCM Programa de Corredores Metropolitanos

PCM Programa de Corredores Metropolitanos PCM Programa de Corredores Metropolitanos 18ª Semana de Tecnologia Metroferroviária AEAMESP Ivan Carlos Regina Set/2012 Redes PCM de alta PROGRAMA e média capacidade DE CORREDORES METROPOLITANOS EMTU-PCM

Leia mais

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas I Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

EXCERTO A BICICLETA NO

EXCERTO A BICICLETA NO Plano Municipal de Circulação Viária e de Transportes EXCERTO A BICICLETA NO Plano Municipal de Circulação Viária e de Transportes São Paulo 2004 Rede Viária do Transporte Não Motorizado Rede Viária de

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA A Pesquisa de Mobilidade Urbana teve como objetivo levantar a opinião da população, para avaliar a situação da mobilidade urbana em Florianópolis, e dessa forma, auxiliar

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

Aula 23. Segurança de trânsito (parte 3 de 4)

Aula 23. Segurança de trânsito (parte 3 de 4) Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 23 Segurança de trânsito (parte 3 de 4) 23. Intervenções preventivas - legislação - planejamento

Leia mais

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS OPORTUNIDADES PROMOVER ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E ALÍVIO DOS VOLUMES DE TRÁFEGO IMPORTANTE VIA ESTRUTURAL.

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

Legislação de Trânsito

Legislação de Trânsito Legislação de Trânsito Dos Pedestres e Condutores de Veículos não Motorizados Professor: leandro Macedo www.acasadoconcurseiro.com.br Legislação de Trânsito DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS

ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS Ao final da aula deveremos... Reconhecer os elementos geométricos axiais e transversais; Conhecer e saber calcular azimutes, rumos e deflexões; Conhecer os tipos de curva

Leia mais

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade 1 Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade Fernando Soares dos Santos (*) O planejamento das cidades para as próximas décadas passa, necessariamente,

Leia mais

X - em local e horário proibidos especificamente pela sinalização (placa - Proibido Parar): Infração - média; Penalidade - multa.

X - em local e horário proibidos especificamente pela sinalização (placa - Proibido Parar): Infração - média; Penalidade - multa. IX - na contramão de direção: Penalidade - multa; X - em local e horário proibidos especificamente pela sinalização (placa - Proibido Parar): Art. 183. Parar o veículo sobre a faixa de pedestres na mudança

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: O projeto de uma estrada em perfil é constituído de greides retos, concordados dois a dois por curvas verticais. Os greides retos são definidos

Leia mais

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema São Paulo, 06 de Novembro de 2011 Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema A Ciclocidade - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo, entidade fundada

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA. Profª Janaína Araújo

ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA. Profª Janaína Araújo ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA Profª Janaína Araújo PORTARIA Nº 1.141/GM5, de 8/12/1987 Plano de Zona de Proteção de Aeródromos; Plano de Zoneamento de Ruído; Plano de Zona de Proteção

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) e os Planos de Mobilidade

Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) e os Planos de Mobilidade Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012) e os Planos de Mobilidade Criação da Política Nacional de Mobilidade Urbana Durante o século XX, o automóvel passou a dominar as cidades brasileiras,

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana

Política Nacional de Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana Setembro 2013 A Presidência da República sancionou a Lei nº 12.587, em 3

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA DE 2016 Recomenda os conteúdos mínimos dos Planos de Mobilidade Urbana previstos na Lei nº 12.587/2012. O CONSELHO DAS CIDADES, no uso

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

NOVO SIMULADO DE LEGISLAÇÃO/CONDUTA E CIRCULAÇÃO 2012

NOVO SIMULADO DE LEGISLAÇÃO/CONDUTA E CIRCULAÇÃO 2012 1 Órgão executivo responsável em julgar os recursos das infrações de trânsito: a) DNIT b) CONTRAN c) JARI d) DETRAN 2 São pré-requisitos para o início do processo de habilitação, exceto: a) Ser penalmente

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU. Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU. Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA Lei 12.587, de 3 de janeiro de 2012. Institui diretrizes

Leia mais

Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sinalização de trânsito

Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sinalização de trânsito Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Sinalização de trânsito Sinalização de trânsito: objetivos Organizar a circulação de veículos

Leia mais

Normas de circulação

Normas de circulação Normas de circulação A bicicleta é um veículo, e por este motivo o espaço de circulação debe estar dentro do leito veicular e nunca sobre as calçadas. Os ciclistas deven circular no mesmo sentido que os

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis Realização O Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social é uma organização sem fins lucrativos, caracterizada como Oscip

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 23 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres 1º semestre/200 Aula 6 Alinhamento Horizontal - I ALINHAMENTO HORIZONTAL 1. Desenvolvimento do projeto em planta e perfil 2. Recomendações

Leia mais

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Características das Viagens de Bicicleta no Município de São Paulo Sou + De Bicicleta Viagens por Modo de Transporte Fonte: Pesquisa

Leia mais

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 02

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 02 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Aula 02 PRINCIPAIS MODAIS DE TRANSPORTES

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLITANAS A EMTU é Responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo intermunicipal metropolitano RMC RMVP RMBS - 1,8 milhão

Leia mais

Aula 10 - Exercício. c) nesse trecho (200 m) deverão ser propostas duas lombadas, seguindo o exposto no item (a);

Aula 10 - Exercício. c) nesse trecho (200 m) deverão ser propostas duas lombadas, seguindo o exposto no item (a); Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Dpto. de Engenharia Civil Engenharia de Tráfego Urbano Profs. João Cucci Neto e Paulo Bacaltchuck http://meusite.mackenzie.br/professor_cucci Aula

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS PARA O PROJETO DE UMA ESTRADA

ELEMENTOS BÁSICOS PARA O PROJETO DE UMA ESTRADA ELEMENTOS BÁSICOS PARA O PROJETO DE UMA ESTRADA Introdução Um bom projeto de uma estrada procura evitar: Curvas fechadas e frequentes Greide muito quebrado Declividades fortes Visibilidade deficiente Elementos

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO VIÁRIA PARA IMPLANTAÇÃO DE CICLOVIA 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO VIÁRIA PARA IMPLANTAÇÃO DE CICLOVIA 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas Trecho Encontro da Rua Pelotas com a Rua Professor Tito Novaes Bairro Padre Eustáquio Código 4.ABM Data 24/01/2015 Horário Inicial 08:30 2. Avaliação

Leia mais

Notas de aulas de Estradas (parte 4)

Notas de aulas de Estradas (parte 4) 1 Notas de aulas de Estradas (parte 4) Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Características técnicas para projeto Conteúdo da parte 4 1 Introdução 2 Velocidade de projeto (ou velocidade diretriz) 3 Velocidade

Leia mais

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA O TRAÇADO DE UMA ESTRADA Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 2 Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 3 Projeto de uma estrada Projeto geométrico Projeto de terraplenagem Pavimentação

Leia mais

ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS

ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS A Mobilidade Urbana A Mobilidade Urbana é um tema amplo, abrange questões de desenvolvimento urbano, a saúde e a qualidade

Leia mais

ELEMENTOS ESTRUTURAIS

ELEMENTOS ESTRUTURAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS Fundações Superficiais (diretas): blocos e sapatas Profundas: estacas e tubulões Pilares Pequena altura: maciços ou formados por fustes ligados por vigas transversais Grande altura:

Leia mais

Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial.

Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial. Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial. AUTORES: Bruno Cosenza Botelho Nogueira (1) ; Edmundo José Moraes Negrão da Silva (1) ; Maria Ermelina Brosch Malatesta (1) (1) Companhia de Engenharia

Leia mais

SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG

SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG A mobilidade urbana é um desafio crescente nas cidades brasileiras. Na metrópole goiana observa-se uma alta taxa de motorização individual.

Leia mais

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras Leise Kelli de Oliveira UFMG Distribuição Urbana de Mercadorias n Entrega ou Coleta de mercadorias no ambiente urbano

Leia mais

CARTA COMPROMISSO ASSUNTOS DE INTERESSE CORPORATIVO

CARTA COMPROMISSO ASSUNTOS DE INTERESSE CORPORATIVO CARTA COMPROMISSO O SINDIURBANO-PR (Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná), o Sindicato mantém histórico de atuação em prol dos interesses, direitos e melhores condições de trabalho

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Norma Rodoviária DNER-PRO 176/94 Procedimento Página 1 de 23 Procedimento Página 1 de 23 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa as condições que devem ser obedecidas no projeto e na execução de barreiras de segurança. ABSTRACT This document presents

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO Castelo Branco Em 2001: População concelho: 55 708 População Sede concelho: 30 449 (55%) Área: 1438,2 km2 Freguesias: 25 Cidade de Castelo Branco População actual:

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação Jurandir Fernandes Secretário dos Transportes Metropolitanos Estado de São Paulo ANTP Rio de Janeiro, 12/03/2014 Rede metropolitana em andamento

Leia mais

Monot o r t iliho Um U a m a I no n v o a v ç a ã ç o ã e m e mtr T a r n a s n porte

Monot o r t iliho Um U a m a I no n v o a v ç a ã ç o ã e m e mtr T a r n a s n porte Monotrilho Uma Inovação em Transporte Estudos recentes apontam para o desperdício de 43% 43% do combustível em Automóveis devido a dificuldade no transito. (Sant Ana,2005). Com mais de 50% da população

Leia mais

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária OBRAS DA LINHA 2 DO SISTEMA METROVIÁRIO SALVADOR E LAURO DE FREITAS Planejamento, concepção e impactos na capital baiana e na Região Metropolitana de Salvador Luís Valença Diretor-presidente da CCR Metrô

Leia mais

Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB.

Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB. Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB. Milton Paulo de Souza Filho¹; Romállia Maria Pontes da Silva Medeiros²; ¹Universidade Federal da Paraíba Campus I.

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras. Prof. Leise Kelli de Oliveira DETG

A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras. Prof. Leise Kelli de Oliveira DETG A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras DETG 5,69 5,39 4,92 4,83 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Importância da mobilidade urbana Aumento

Leia mais

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sistema IntegradodeTransporte de porônibus de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sumário Premissas e condicionantes do Projeto Conceito e características

Leia mais

Nova Rede de Ônibus de São Paulo

Nova Rede de Ônibus de São Paulo Nova Rede de Ônibus de São Paulo Tipologia de linhas Versão 28/05/15 Hierarquia viária do transporte coletivo NÍVEL DE CONTROLE (TRATAMENTO DE PREFERÊNCIA PARA OS ÔNIBUS) Estrutural Vias com maior gabarito

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 SUPERELEVAÇÃO Profa. Daniane Franciesca Vicentini Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Márcia de Andrade Pereira DEFINIÇÕES CORPO ESTRADAL: forma assumida

Leia mais

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA O TRAÇADO DE UMA ESTRADA Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 2 Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 3 Projeto de uma estrada Projeto geométrico Projeto de terraplenagem Pavimentação

Leia mais

ACIDENTES E SEGURANÇA EM CURVAS DESCENDENTES Novo Critério de Regulamentação de Velocidade

ACIDENTES E SEGURANÇA EM CURVAS DESCENDENTES Novo Critério de Regulamentação de Velocidade ACIDENTES E SEGURANÇA EM CURVAS DESCENDENTES Novo Critério de Regulamentação de Velocidade EMENTA Este trabalho estuda o aumento da velocidade em curvas por efeito da declividade longitudinal, alterando

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO DE RODOVIAS 1/2.

INTRODUÇÃO AO PROJETO DE RODOVIAS 1/2. 200794 Pavimentos de Estradas I INTRODUÇÃO AO PROJETO DE RODOVIAS 1/2. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 6 Adaptado das Notas de Aula do Prof. Milton Luiz

Leia mais

Estrada de Rodagem SeçãoTransversal

Estrada de Rodagem SeçãoTransversal Estrada de Rodagem SeçãoTransversal Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A planta e o perfil de uma estrada não identificam o tipo e o padrão da

Leia mais

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito As grandes cidades e áreas metropolitanas encaram o aumento da demanda nos sistemas de transportes, especialmente nas regiões

Leia mais