Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Companhia de Engenharia de Tráfego CET"

Transcrição

1 Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET

2

3 Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS GUARULHOS ARUJÁ OSASCO SÃO PAULO POÁ Raposo Tavares SUZANO COTIA JUQUITIBA Imigrantes Anchieta Rodovias Anéis Viários Régis Bittencourt Rodoanel

4 Passagem Castelo Branco Viagens com origem no Município Viagens Internas ao Município Imigrantes Viagens com origem fora do Município

5 Metrô (9%) Trem (2%) Ônibus (28%) Automóvel (29%) A pé (29%) Bicicleta (0,6%) Outros (2,4%) Total de Viagens Fonte: Pesquisa Origem/Destino 2007

6 Divisão Modal das Viagens Diárias com Origem ou Destino no Município (x 1.000) Motorizad do N.Mot. Motorização Tipo de viagem Modo Principal Onibus do Municipio de Sao Paulo % Ônibus outros municípios 85 0% Ônibus Metropolitano 499 2% Ônibus Fretado 229 1% Coletivo % Escolar 792 3% Microônibus/van do Município de São Paulo 586 2% % Microônibus de outros municípios 12 0% microônibus/van metropolitano 21 0% Metrô % Trem 627 2% Dirigindo Automóvel % Passageiro de Automóvel % Táxi 81 0% Individual % Moto 457 2% Outros 43 0% % A pé % A pé % Bicicleta 156 1% Bicicleta 156 1% Ttl Total Fonte: Pesquisa O/D 2007

7 Área km² Área urbana 900 km² População Censo habitantes (Fonte: IBGE) Sistema Viário km Frota de Veículos veículos (Fonte: DETRAN setembro/2010)

8 Automóveis Motocicletas e Similares Utilitários i e Microônibus ib Reboque e Semi Reboque Caminhões Ônibus Outros Total Fonte: DETRAN / setembro 2010

9 Via de trânsito rápido 133 km ( vias expressas) Arteriais 1261 km Coletoras km Locais km

10 6009 cruzamentos semaforizados 400 mil placas de sinalização 2,4 milhões de m² de sinalização horizontal vagas de Zona Azul (estacionamento rotativo) vagas para Idoso 914 vagas para Deficiente 886 vagas de Zona Azul Caminhão 250 equipamentos eletrônicos de fiscalização (radares, LAP, lombadas eletrônicas etc.) m de gradil travessias iluminadas 810 viaturas ligações atendidas/dia pelo fone 1188 Fonte CET: março 2010

11 Fonte: CET

12 É objetivo da Política Urbana ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da Cidade e o uso socialmente justo e ecologicamente equilibrado e diversificado de seu território, de forma a assegurar o bem estar equânime de seus habitantes. A redução dos deslocamentos entre a habitação e o trabalho, o abastecimento, a educação e o lazer.

13

14 Anel Central Anel do Centro Expandido Rodoanel

15 É um recurso público limitadoit de usufruto da sociedade. Cabe ao poder público mediar os conflitos e a disputa pela ocupação dos espaços, assegurando os deslocamentos.

16 Plano de complementação e readequação viária (eixos viários anelares); Plano de calçadas; Plano de ciclovias; Políticas de Requalificação de Estacionamentos Programa de Melhoria dos Corredores de Ônibus

17 Operação Horário de Pico (Rodízio) 1997 Ampliação da ZMRC (restrição aos caminhões) 2008 Inclusão do rodízio de caminhões no perímetro do Centro Expandido 2008 Implantação da ZMRF Restrição aos fretados 2009 Tratamento padrão e recuperação das pistas; Operação, controle, monitoramento e fiscalização;

18 Medidas Operacionais Diárias remoção de interferências, faixas reversíveis, operação escola etc. Implantação e Manutenção da Sinalização Tratamento padrão e recuperação das pistas; Operação, controle, monitoramento e fiscalização

19 Obras viárias Ampliação do Sistema Viário/ Sinalização

20 Resultados, após inauguração, nos períodos de pico Marginal Tietê: Aumento de 12% no volume total de veículos, sendo 15% autos; Redução de 6% do volume de caminhões (julho/08 x abril/10) Marginal Pinheiros : Redução de 45% no volume de caminhões (março X maio 2010); Melhora de 20% na velocidade média Av. dos Bandeirantes: Redução de 51% no volume de caminhões (março X maio 2010) sendo: 2 eixos redução de 25% 3 eixos redução de 36% 4 ou + eixos redução de 72% Melhora de 36% na velocidade média

21 A divisão i atual dos modos de transportes impõem: 1 A perfeita integração entre sistemas sejam eles por trilho, sobre pneus e não motorizados. 2 Ações articuladas do Poder Público nos âmbitos Municipal e Metropolitano.

22 Secretaria Municipal de Transporte SMT Companhia de Engenharia de Tráfego CET Diretoria de Planejamento Gerência de Planejamento, Logística e Estudos de Tráfego Novembro de2010

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera frente ao O O por segmentos da população O O ao longo do dia O O por motivos de viagem O O por regiões d

A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera frente ao O O por segmentos da população O O ao longo do dia O O por motivos de viagem O O por regiões d 15ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA TRANSPORTE COLETIVO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A RECUPERAÇÃO DO MODO COLETIVO FRENTE AO MODO INDIVIDUAL A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera

Leia mais

O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO

O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO SMT NOVEMBRO / 2010 RT DT/SPT 085/10 Laurindo Junqueira 11 3396.7820 laurindojunqueira@sptrans.com.br TREM DE ALTA VELOCIDADE 41 CIDADES ATENDIDAS

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO

O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO SMT NOVEMBRO / 2010 RT DT/SPT 085/10 Laurindo Junqueira 11 3396.7820 laurindojunqueira@sptrans.com.br TREM DE ALTA VELOCIDADE 41 CIDADES ATENDIDAS

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

Caminhões A Experiência de São Paulo

Caminhões A Experiência de São Paulo TURBLOG Workshop Belo Horizonte, Setembro de 2011 Caminhões A Experiência de São Paulo Arq. Daphne Savoy A CET no Governo Municipal Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Transportes

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa África Ásia Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS (em milhões de unidades

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 3. Características do tráfego

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 3. Características do tráfego Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2016 Aula 3 Características do tráfego Recomendações de leitura: - Texto VII: Cidades abarrotadas de

Leia mais

Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar. Dezembro de 2013

Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar. Dezembro de 2013 Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SÍNTESE DAS INFORMAÇÕES PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

São Paulo e Brasil. São Paulo. do Brasil. 3% da área 22% da população 31% do PIB 33% das exportações 41% das importações. América do Sul.

São Paulo e Brasil. São Paulo. do Brasil. 3% da área 22% da população 31% do PIB 33% das exportações 41% das importações. América do Sul. São Paulo e Brasil América do Sul Brasil São Paulo São Paulo 3% da área 22% da população 31% do PIB 33% das exportações 41% das importações do Brasil Fontes: IBGE, Seade e Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Mobilidade e Sustentabilidade: Desafios para a RMSP no Séc. XXI

Mobilidade e Sustentabilidade: Desafios para a RMSP no Séc. XXI Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo Seminário: Plano Diretor Estratégico e Mobilidade Mobilidade e Sustentabilidade: Desafios para a RMSP no Séc. XXI Milton Xavier Planejamento de Transportes

Leia mais

Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial.

Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial. Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial. AUTORES: Bruno Cosenza Botelho Nogueira (1) ; Edmundo José Moraes Negrão da Silva (1) ; Maria Ermelina Brosch Malatesta (1) (1) Companhia de Engenharia

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012

EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 Maria Cecilia Masagão Andreoli de Oliveira 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. Transporte Público: Origens, Evolução e Benefícios Sociais do Bilhete Único 05/04/2005 Antecedentes Bilhetagem Automática 1974: Metrô de São Paulo bilhete magnético Edmonson Seguem-se:

Leia mais

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Características das Viagens de Bicicleta no Município de São Paulo Sou + De Bicicleta Viagens por Modo de Transporte Fonte: Pesquisa

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

ABASTECIMENTO NOTURNO EM SP

ABASTECIMENTO NOTURNO EM SP Foto: G1 Foto: R7 ABASTECIMENTO NOTURNO EM SP IMPLANTAÇÃO DE PROJETO PILOTO OUTUBRO 2014 A DIMENSÃO DO DESAFIO DA MOBILIDADE NA GRANDE SÃO PAULO SP Frota circulante Área 1.522 km² Área urbana 900 km² 12

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP Lucas Alonso 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP 2 Análise da

Leia mais

Secretaria de Transportes e Trânsito - STT

Secretaria de Transportes e Trânsito - STT LOCALIZAÇÃO DE GUARULHOS SÃO PAULO Guarulhos / São Paulo População em 2010 de 1.221.979 habitantes (fonte Censo 2010) GUARULHOS Transporte Coletivo Viagens dia 482.177 viagens internas 383.981 viagens

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Mobilidade na RMSP 2. Integração

Leia mais

estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM

estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM novembro/2008 Região Metropolitana da Grande São Paulo 39 municípios 19,7 milhões

Leia mais

1ª PESQUISA OD NA BAIXADA. Estudo sobre a mobilidade da população:

1ª PESQUISA OD NA BAIXADA. Estudo sobre a mobilidade da população: 1 1ª PESQUISA OD NA BAIXADA Estudo sobre a mobilidade da população: 2 PESQUISA OD VIAGEM MODO MOTIVO Informações adicionais: Tempo de viagem Características socioeconômicas Localização dos pólos de produção

Leia mais

SP 09/94 NT 184/94. Volume das rodovias de acesso e saída da capital. Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito

SP 09/94 NT 184/94. Volume das rodovias de acesso e saída da capital. Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito SP 09/94 NT 184/94 Volume das rodovias de acesso e saída da capital Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito O crescimento populacional no município de SP, aliado a outros fatores

Leia mais

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Junho, 2016 Belo Horizonte Estratégia de Gestão da Demanda de

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ

METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO 2012-2030 ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ SÃO PAULO 13//06/2012 Expansão 2012-2030 2 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Leia mais

Diretrizes da Mobilidade a Pé PlanMob- SP. Frente de Debates Temá/cos para a construção do Plan Mob SP 11 de abril de 2015

Diretrizes da Mobilidade a Pé PlanMob- SP. Frente de Debates Temá/cos para a construção do Plan Mob SP 11 de abril de 2015 Diretrizes da Mobilidade a Pé PlanMob- SP Frente de Debates Temá/cos para a construção do Plan Mob SP 11 de abril de 2015 Obje/vo Construir e fortalecer juntos as diretrizes ESSENCIAIS para garan/r o

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 Carlos Paiva paivacardoso@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO Dando continuidade ao estudo iniciado no artigo Escolha

Leia mais

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade 1 Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade Fernando Soares dos Santos (*) O planejamento das cidades para as próximas décadas passa, necessariamente,

Leia mais

Características do tráfego

Características do tráfego Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 3 Características do tráfego Leitura do texto Cidades abarrotadas de veículos e congestionamentos

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

Mobilidade e Logística na Região Metropolitana de SP (Parte 1) Frederico Bussinger

Mobilidade e Logística na Região Metropolitana de SP (Parte 1) Frederico Bussinger Mobilidade e Logística na Região Metropolitana de SP (Parte 1) Frederico Bussinger A Terra Encolheu [Ano Ano e Ha/hab hab] 1900 7,91 1950 5,15 1987 2,60 2005 2,02 2030 1,69 2050 1,44 Fonte: ARUP / 2010

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS. São Paulo, 09 de Novembro de 2006

INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS. São Paulo, 09 de Novembro de 2006 INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS São Paulo, 09 de Novembro de 2006 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS HINTERLÂNDIA (ÁREA DE INFLUÊNCIA) DO PORTO DE SANTOS A PRODUÇÃO PRODUÇÃO

Leia mais

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras Leise Kelli de Oliveira UFMG Distribuição Urbana de Mercadorias n Entrega ou Coleta de mercadorias no ambiente urbano

Leia mais

TRÂNSITO E MOBILIDADE TRÂNSITO E MOBILIDADE. Os desafios da mobilidade urbana

TRÂNSITO E MOBILIDADE TRÂNSITO E MOBILIDADE. Os desafios da mobilidade urbana TRÂNSITO E MOBILIDADE TRÂNSITO E MOBILIDADE Os desafios da mobilidade urbana Os desafios da mobilidade urbana Primeira parte Primeira parte TRÂNSITO MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO Antecedentes Históricos

Leia mais

Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas - candidatos a prefeito

Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas - candidatos a prefeito Em abril de 2012 a Ciclocidade e o CicloBR iniciaram o projeto Eleições 2012 e a bicicleta em São Paulo, com objetivo de promover a discussão sobre o tema durante as eleições e garantir o compromisso dos

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

INTEGRAÇÃO COM MODOS NÃO-MOTORIZADOS INTEGRAÇÃO COM MODOS SAUDÁVEIS

INTEGRAÇÃO COM MODOS NÃO-MOTORIZADOS INTEGRAÇÃO COM MODOS SAUDÁVEIS Logística de Integração e Meio Ambiente INTEGRAÇÃO COM MODOS NÃO-MOTORIZADOS INTEGRAÇÃO COM MODOS SAUDÁVEIS VELÔ.CIDADES CIDADE POPULAÇÃO ha/km2 Frota Autos Ciclocidade 300.000 2.655 0 Jundiaí 314.948

Leia mais

PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL. Construção da nova Via Binário do Porto

PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL. Construção da nova Via Binário do Porto PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL Construção da nova Via Binário do Porto CRONOGRAMA 12/10 - sábado - Início da divulgação de medidas de redução de impacto sobre o trânsito Sinalização Incentivo ao uso de

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

A PESQUISA ORIGEM E DESTINO NA LINHA DE CONTORNO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, E O PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO.

A PESQUISA ORIGEM E DESTINO NA LINHA DE CONTORNO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, E O PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO. A PESQUISA ORIGEM E DESTINO NA LINHA DE CONTORNO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, E O PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO. Apresentação A pesquisa Origem e Destino O/D, é tradicionalmente

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO REGIÃO METROPOLITANA DE SP 39 municípios 8.051 km 2 de área 0,1% do Brasil 20,0 milhões de habitantes 11% do Brasil U$ 261,6 bilhões / ano de PIB 19,1% do Brasil 8,8 milhões de empregos 5,2 milhões de

Leia mais

Semana Nacional do Trânsito

Semana Nacional do Trânsito Semana Nacional do Trânsito Trecho Sul do Rodoanel evita mais de 10 milhões de viagens de veículos pesados na região metropolitana de São Paulo nos últimos 12 meses. De setembro de 2012 a agosto de 2013

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLITANAS A EMTU é Responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo intermunicipal metropolitano RMC RMVP RMBS - 1,8 milhão

Leia mais

Simulação macroscópica e simulação microscópica da Copa do Mundo 2014 em São Paulo.

Simulação macroscópica e simulação microscópica da Copa do Mundo 2014 em São Paulo. Simulação macroscópica e simulação microscópica da Copa do Mundo 2014 em São Paulo. Paulo Seiti Ueta 1 ; Francisco de Assis Paulino Ferreira 1 1 Companhia de Engenharia de Tráfego - Gerência de Planejamento,

Leia mais

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade O fretamento hoje nas grandes cidades Participação do fretamento nas viagens, cidades selecionadas do Brasil 25,0 Participação do fretamento nas viagens 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 1,0 2,3 0,2 0,5 5,8 2,2 2,0

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP SETEMBRO 2014 ANTECEDENTES CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 182/183 > CONDICIONAM O DIREITO DE PROPRIEDADE A SUA FUNÇÃO SOCIAL INSTRUMENTOS PARA CUMPRIR FUNÇÃO SOCIAL DA

Leia mais

SIM Sistema Integrado Metropolitano da Baixada Santista maio/2014

SIM Sistema Integrado Metropolitano da Baixada Santista maio/2014 SIM Sistema Integrado Metropolitano da Baixada Santista maio/2014 1 Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS 9 Municípios População fixa: 1,8 milhão de habitantes 1 População nas férias: cerca de

Leia mais

NOVO SIMULADO DE LEGISLAÇÃO/CONDUTA E CIRCULAÇÃO 2012

NOVO SIMULADO DE LEGISLAÇÃO/CONDUTA E CIRCULAÇÃO 2012 1 Órgão executivo responsável em julgar os recursos das infrações de trânsito: a) DNIT b) CONTRAN c) JARI d) DETRAN 2 São pré-requisitos para o início do processo de habilitação, exceto: a) Ser penalmente

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva*

O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva* O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva* Com a divulgação da Pesquisa da Mobilidade de São Paulo, com dados de 2012 (OD 2012) pelo Metrô-SP, torna-se

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Parauapebas, 11 de novembro de 2014 Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Caracterização

Leia mais

São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana. Março/2016

São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana. Março/2016 São Paulo 2030 Painel Mobilidade Urbana Março/2016 OBJETIVO Mapear as opiniões e as percepções dos moradores da cidade da São Paulo em relação a temas do cotidiano e à prestação de políticas públicas,

Leia mais

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado.

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado. Vantagens diretas para a sociedade 2.1.1 Economia de espaço viário O uso de qualquer veículo de transporte coletivo traz vantagens na ocupação do espaço viário disponível, em relação aos automóveis e às

Leia mais

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE Jilmar Tatto Secretário municipal de transportes GERENCIAMENTO DA DEMANDA DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE URBANA E TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO SÃO PAULO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP 1ª Conferência - março de 2016 tema: lançamento do processo de elaboração do Plano O QUE É MOBILIDADE URBANA? Mobilidade é a forma de deslocamento

Leia mais

Regulamentação de Estacionamento e Parada

Regulamentação de Estacionamento e Parada Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Regulamentação de Estacionamento e Parada Hidrante Critérios de Projeto Revisão 0 Volume 10 Parte 10 GPL/Normas Maio - 2012 Introdução Esta

Leia mais

POLÍTICA DE MOBILIDADE

POLÍTICA DE MOBILIDADE POLÍTICA DE MOBILIDADE POLITICA DE MOBILIDADE + PRIORITÁRIO 1º PEDESTRES ACESSO À CIDADE 2º CICLISTAS PRIORIDADES: 3º TRANSPORTE PÚBLICO TRANSPORTE COLETIVO - PRIORITÁRIO 4º 5º TRANSPORTE DE CARGA AUTOMÓVEIS

Leia mais

ENGENHARIA DE TRÁFEGO

ENGENHARIA DE TRÁFEGO ENGENHARIA DE TRÁFEGO Capítulo 1: A ENGENHARIA DE TRÁFEGO trata de atividades presentes no nosso dia a dia: a mobilidade das pessoas, o transporte de bens e sua relação com o ambiente tem importante função

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

FORMULÁRIO GERAL PARA COLETA DE DADOS DE PÓLO GERADOR

FORMULÁRIO GERAL PARA COLETA DE DADOS DE PÓLO GERADOR FORMULÁRIO GERAL PARA COLETA DE DADOS DE PÓLO GERADOR 1. INFORMAÇÕES GERAIS DO EMPREENDIMENTO 1.1-Nome/Proprietário:... Nome... Endereço... E-mail/Telefone... 1.2 - Localização:...Bairro... 1.3 - Zona

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO

CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO Autor: Engº Roberto Carlos Fazilari Chefe do Departamento de Implantação de Obras da EMTU/SP, Gestor de Projeto do Plano de Expansão do Governo do Estado de São

Leia mais

Transportes na cidade contemporânea

Transportes na cidade contemporânea Transportes na cidade contemporânea Luis Antonio Lindau, PhD Diretor presidente Motorização impõe um grande desafio urbano! Autos/1000 hab Situação das metrópoles brasileiras (2013) Padrão de urbanização

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. t Brasília, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa Ásia África Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS 2002 (em milhões de

Leia mais

Veículos e cidadãos. Item Crescimento. Frota Total % Automóveis %

Veículos e cidadãos. Item Crescimento. Frota Total % Automóveis % Dia Mundial Sem Carro Dados e Indicadores Veículos e cidadãos Item 2002 2006 Crescimento Frota Total 4.213.988 5.037.418 19.54% Automóveis 3.258.262 3.791.607 16.37% Ônibus 28.623 35.382 23.61% Caminhões

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE PORTO MARAVILHA

PLANO DE MOBILIDADE PORTO MARAVILHA PLANO DE MOBILIDADE PORTO MARAVILHA CRONOGRAMA 12/10 sábado - Início da divulgação de medidas de redução de impacto sobre o trânsito Sinalização Incentivo ao uso de rotas alternativas Campanha para incentivo

Leia mais

Jundiaí. Diretoria de Logística e Infraestrutura GRUPO DE LOGÍSTICA

Jundiaí. Diretoria de Logística e Infraestrutura GRUPO DE LOGÍSTICA Jundiaí Diretoria de Logística e Infraestrutura GRUPO DE LOGÍSTICA 42 Escritórios Regionais CIESP Escritório Central São Paulo Jundiaí Diretoria de Logística e Infraestrutura MISSÃO SETORES DE ATUAÇÃO

Leia mais

Cicloativismo: uma experiência de participação. Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016

Cicloativismo: uma experiência de participação. Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016 Cicloativismo: uma experiência de participação Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016 Plano de Mobilidade de Osasco e o cicloativismo: uma experiência de participação Introdução Leis e instituições

Leia mais

LINHA ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente

LINHA ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente LINHA 13 Paulo de Magalhães Bento Gonçalves Diretor Presidente PAINEL 03 Crescimento e melhoria da rede metroferroviária no Brasil 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária 2 Visão Geral 2,9 milhões pass./dia

Leia mais

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL CAOS LOGÍSTICO REGIONAL O POLO, O PORTO E AS CIDADES NÃO PODEM PARAR Carolina Lembo Gerente do Departamento de Infraestrutura ÍNDICE 1. Contextualização 2. Vantagens do Polo de Cubatão 3. Entraves Logísticos

Leia mais

SP 26/04/84 NT 095/84. Nova Área de Desenvolvimento na CET. Jackson Lee. Introdução

SP 26/04/84 NT 095/84. Nova Área de Desenvolvimento na CET. Jackson Lee. Introdução SP 26/04/84 NT 095/84 Nova Área de Desenvolvimento na CET Jackson Lee Introdução Até recentemente, as atividades de desenvolvimento na CET eram executadas de forma dispersa entre diversas áreas da companhia.

Leia mais

Nova Rede de Ônibus de São Paulo

Nova Rede de Ônibus de São Paulo Nova Rede de Ônibus de São Paulo Tipologia de linhas Versão 28/05/15 Hierarquia viária do transporte coletivo NÍVEL DE CONTROLE (TRATAMENTO DE PREFERÊNCIA PARA OS ÔNIBUS) Estrutural Vias com maior gabarito

Leia mais

Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de

Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de trânsito. 1º Onde não existir sinalização regulamentadora,

Leia mais

TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi

TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi ENDEREÇO: BHTRANS, Rua Engenheiro Carlos Goulart, 900 Buritis, Belo Horizonte/MG, CEP 30.455-902,

Leia mais

Dicas de Trânsito. 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro.

Dicas de Trânsito. 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro. Dicas de Trânsito 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro. 002 P. Qual o dever do condutor antes de colocar o veículo em circulação nas vias públicas? R. Verificar as condições

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

Objetivo Geral. 1. Ordenar o tráfego de passagem na Região Metropolitana de São Paulo

Objetivo Geral. 1. Ordenar o tráfego de passagem na Região Metropolitana de São Paulo PREFEITURA DA CIDADE DE Programa de Desenvolvimento do Sistema Viário Estratégico Metropolitano de SÃO PAULO Objetivo Geral 1. Ordenar o tráfego de passagem na Região Metropolitana de São Paulo 2. Hierarquizar

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina ENGENHARIA DE TRÁFEGO FAMEBLU Engenharia Civil Aula 11: A Infraestrutura Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. O Código de Transito Brasileiro CTB, define no Capítulo IX DOS VEÍCULOS, Seção I

Leia mais

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 5ª Reunião, ocorrida em 31/ 08/ 2010

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 5ª Reunião, ocorrida em 31/ 08/ 2010 Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 5ª Reunião, ocorrida em 31/ 08/ 2010 Presentes: Lisandro Frigerio SMDU Daphne Savoy SMT Adriana

Leia mais

SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA. Síntese dos Resultados Pesquisa de Mobilidade na Região Metropolitana de Feira de Santana

SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA. Síntese dos Resultados Pesquisa de Mobilidade na Região Metropolitana de Feira de Santana Pesquisa de Mobilidade na Região Metropolitana de Feira de Santana PESQUISA DE MOBILIDADE NA REGIÃO METROPOLITANA DE FEIRA DE SANTANA - 2014 SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS PESQUISAS SEINFRA Secretaria de Infraestrutura

Leia mais

Estudo de Bolsões de Estacionamento para Motos e Motofrete

Estudo de Bolsões de Estacionamento para Motos e Motofrete Estudo de Bolsões de Estacionamento para Motos e Motofrete Introdução Diante da crescente presença da motocicleta no transito cidade, a CET tem realizado vários estudos e implementado medidas relacionadas

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis CONTEXTO No Mundo Atualmente: mais da metade da humanidade já vive em cidades 2030: 60% e 2050: 70% (ONU) Emissões de gases de efeito

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema São Paulo, 06 de Novembro de 2011 Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema A Ciclocidade - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo, entidade fundada

Leia mais

O Desafio das Grandes Cidades e Regiões Metropolitanas

O Desafio das Grandes Cidades e Regiões Metropolitanas 11º Congresso ABML de Logística Painel Mobilidade Urbana O Desafio das Grandes Cidades e Regiões Metropolitanas Milton Xavier 24/nov/2010 SUMÁRIO A Dinâmica Econômica Regional Síntese da Infraestrutura

Leia mais

Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza

Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza 03 de Dezembro de 2013 Tópicos Apresentação da Ciclovida Sistema Cicloviário Estrutura Cicloviária de Fortaleza Situação Atual Fortaleza e Outras Cidades Benefícios

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO Castelo Branco Em 2001: População concelho: 55 708 População Sede concelho: 30 449 (55%) Área: 1438,2 km2 Freguesias: 25 Cidade de Castelo Branco População actual:

Leia mais

R. C. Magagnin, C. C. R. Ribeiro e I. B. Pires RESUMO

R. C. Magagnin, C. C. R. Ribeiro e I. B. Pires RESUMO AS DIFERENTES PERCEPÇÕES SOBRE OS PROBLEMAS DE MOBILIDADE URBANA EM UMA CIDADE BRASILEIRA DE MÉDIO PORTE: A VISÃO DOS ESPECIALISTAS E DA POPULAÇÃO DE JUNDIAÍ (SP BRASIL) R. C. Magagnin, C. C. R. Ribeiro

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Rio Metropolitano Jorge Arraes 09 de julho 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

Compromissos à Prefeitura de São Paulo com a Mobilidade Ativa

Compromissos  à Prefeitura de São Paulo com a Mobilidade Ativa Compromissos d@s candidat@s à Prefeitura de São Paulo com a Mobilidade Ativa Histórico As demandas de mobilidade ativa vêm sendo discutidas e pautadas por diversas organizações e indivíduos da sociedade

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais