Funções de uma rodovia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Funções de uma rodovia"

Transcrição

1 3. HIERARQUIA DAS RODOVIAS Funções de uma rodovia Função É o tipo de serviço que a via proporciona. É o desempenho da via para a finalidade do deslocamento. Mobilidade: atender à demanda do tráfego de passagem pela região atravessada. É proporcionar fluidez no deslocamento de uma atividade à outra. Acessibilidade: atender à demanda do tráfego local e de propriedades ou instalações lindeiras. Acesso a uma atividade ou uso do solo (trabalho, compras, escola, residências). As funções de uma via constituem um conflito de uso. A maior parte das vias urbanas e rurais é usada simultaneamente para as duas finalidades, em detrimento de ambas.

2 Classificação Funcional das Rodovias Arteriais: proporcionam alto nível de mobilidade para grandes volumes de tráfego. Sua principal função é atender ao tráfego de longa distância, seja interestadual ou internacional. Coletoras: atendem núcleos populacionais ou centros geradores de tráfego de menor vulto, não servidos pelo sistema arterial. A função deste sistema é proporcionar mobilidade e acesso dentro de uma área específica. Locais: constituídas geralmente, por rodovias de pequena extensão, destinadas basicamente a proporcionar acesso ao tráfego intramunicipal de áreas rurais e de pequenas localidades às rodovias mais importantes. Tráfego de Passagem Tráfego Local

3 Classe das Rodovias Classe 0: via expressa; elevado padrão técnico; controle total de acesso; prepondera a função mobilidade; alto volume de tráfego; enquadramento por decisão administrativa Classe 1-A: Pista dupla e controle parcial de acesso. Quando volume de tráfego futuro em pista simples ocasionar um nível C para regiões planas ou onduladas ou nível D para regiões montanhosas ou urbanas Classe 1-B: Elevado padrão técnico, pista simples; 3000 < VDM 10 < 9000; 3ª faixa em regiões montanhosas. Classe II: Pista simples; 1500 < VDM 10 < Classe III: Pista simples; 300 < VDM 10 < 1500

4 Classe IV: Pista simples; VDM 10 < 300; Alta acessibilidade. O que são Vias Urbanas? São as ruas, avenidas, vielas ou caminhos e similares abertos para a circulação pública, nas áreas urbanas das cidades.

5 ATIVIDADE PREDOMINANTE MOVIMENTO DE PEDESTRES ESTACIONAMENTO ATIVIDADE DE VEÍCULOS PESADOS ACESSO DE VEÍCULOS AS PROPRIEDADES LOCAIS COLETORAS ARTERIAIS Serviço de Tráfego de início Transporte Público e Tráfego de longas ou fim de viagem tráfego de médias distâncias distâncias Intenso com travessias aleatórias Normalmente permitido Reduzido a necessidade de entregas nos logradouros Atividade predominante Controlado com travessias controladas Considerável, depende do fluxo e estrutura da via Tráfego de Passagem Menos intenso que as vias locais Mínimo com dispositivos de segurança Somente se o tráfego permitir Conveniente para todas as travessias Somente se não houver outra possibilidade de acesso TRÁFEGO LOCAL Predominante Significativo Nulo TRÁFEGO DE PASSAGEM Nulo Pouco existente Predominante Velocidades em vias urbanas (CTB): Vias de Trânsito rápido 80 km/h Vias arteriais 60 km/h Vias coletoras 40 km/h Vias locais 30 km/h O que são "Vias Rurais"? (CTB)

6 As vias Rurais são (CTB): Rodovias: são as vias pavimentadas Estradas: são as vias não pavimentadas Velocidades (CTB) Podem ser até: Automóveis = 110 Km/h Ônibus e Caminhões = 90 km/h Demais veículos = 80 km/h Obs: A velocidade mínima para trafegar não pode ser inferior à metade da velocidade máxima permitida para qualquer via, a fim de evitar alterações bruscas de velocidade. Por exemplo, em rodovias em que a velocidade máxima permitida é de 80 Km/h, não se pode trafegar a menos de 40 Km/h. O que são "Vias de Pedestres" e "Áreas de Pedestres"? São vias ou um conjunto de vias destinadas à circulação prioritária de pedestres

7

Estrada de Rodagem Introdução

Estrada de Rodagem Introdução Estrada de Rodagem Introdução Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 2 Provas (individual) - Datas a serem marcadas conforme andamento da matéria 1 Trabalho

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

PTR 3321 Projeto de vias de transporte

PTR 3321 Projeto de vias de transporte PTR 3321 Projeto de vias de transporte 2º semestre/2016 Aula 2 Classificação das vias Melhorias definidas no âmbito de um Plano de Mobilidade Urbana Aula 3 Classificação das vias Índice dos conceitos a

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 5. Características do tráfego (cont.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 5. Características do tráfego (cont. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 5 Características do tráfego (cont.) Av. Paulista em 1.928 fonte: revista 4 Rodas Publicidade,

Leia mais

João Fortini Albano 24

João Fortini Albano 24 João Fortini Albano 24 4 - FUNÇÕES, CLASSIFICAÇÃ FUNCINAL, CLASSE E NRAS ARA RDVIAS Função de uma via: é o tipo de serviço que a via proporciona aos usuários. É o desempenho da via para a finalidade do

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina ENGENHARIA DE TRÁFEGO FAMEBLU Engenharia Civil Aula 11: A Infraestrutura Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. O Código de Transito Brasileiro CTB, define no Capítulo IX DOS VEÍCULOS, Seção I

Leia mais

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

Leia mais

Legislação de Trânsito

Legislação de Trânsito Legislação de Trânsito Aplicação do CTB Vias, Veículos e Pessoas. Professor: Leandro Macedo www.acasadoconcurseiro.com.br Legislação de Trânsito APLICAÇÃO DO CTB: VIAS, VEÍCULOS E PESSOAS. VIAS Art. 1º

Leia mais

Noções de Sinalização e Segurança Rodoviária

Noções de Sinalização e Segurança Rodoviária Noções de Sinalização e Segurança a Rodoviária Abordaremos... Vias Sinalização de Trânsito Horizontal Vertical Dispositivos auxiliares 2 Engenharia de Trânsito Objetivo Segurança Fluidez Conforto Significado

Leia mais

É a área em que duas ou mais vias se cruzam ou se unificam. Neste local existem dispositivos destinados a ordenar os diversos movimentos do tráfego.

É a área em que duas ou mais vias se cruzam ou se unificam. Neste local existem dispositivos destinados a ordenar os diversos movimentos do tráfego. NOÇÕES SOBRE INTERSEÇÕES É a área em que duas ou mais vias se cruzam ou se unificam. Neste local existem dispositivos destinados a ordenar os diversos movimentos do tráfego. As interseções e travessias

Leia mais

Dicas de Trânsito. 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro.

Dicas de Trânsito. 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro. Dicas de Trânsito 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro. 002 P. Qual o dever do condutor antes de colocar o veículo em circulação nas vias públicas? R. Verificar as condições

Leia mais

Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sinalização de trânsito

Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sinalização de trânsito Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Sinalização de trânsito Sinalização de trânsito: objetivos Organizar a circulação de veículos

Leia mais

INTERSEÇÕES PROJETO GEOMÉTRICO

INTERSEÇÕES PROJETO GEOMÉTRICO 1 Conceitos básicos (SATCC) Umaintersecção éumaparteimportantede umaredede estradas, porque a segurança, a velocidade e o custo da operação de veículos na rede são altamente influenciados pela eficácia

Leia mais

CAPITULO 8 TRANSIÇÃO ÁREA RURAL / ÁREA URBANA

CAPITULO 8 TRANSIÇÃO ÁREA RURAL / ÁREA URBANA 203 CAPITULO 8 TRANSIÇÃO ÁREA RURAL / ÁREA URBANA O PROBLEMA É comum, em diversas localidades, uma rodovia atravessar a cidade ou parte dela. Nesses casos, o problema de segurança fica bastante prejudicado,

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 8 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA

FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA 122KM ATÉ 2012 Terminal Municipal Existente Faixa Exclusiva à Direita Proposta Corredor de Ônibus Municipal Existente FAIXAS EXCLUSIVAS À DIREITA

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Exercícios complementares às notas de aulas de estradas (parte 9)

Exercícios complementares às notas de aulas de estradas (parte 9) 1 Exercícios complementares às notas de aulas de estradas (parte 9) Helio Marcos Fernandes iana Tema: Superlargura 1. o ) Calcular a superlargura a ser acrescentada no trecho curvo de uma pista de quatro

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 1 Projeto geométrico Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto FASES

Leia mais

NOVO SIMULADO DE LEGISLAÇÃO/CONDUTA E CIRCULAÇÃO 2012

NOVO SIMULADO DE LEGISLAÇÃO/CONDUTA E CIRCULAÇÃO 2012 1 Órgão executivo responsável em julgar os recursos das infrações de trânsito: a) DNIT b) CONTRAN c) JARI d) DETRAN 2 São pré-requisitos para o início do processo de habilitação, exceto: a) Ser penalmente

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Engenharia de Tráfego Período: 6º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Subsistema da sinalização viária que se compõe de luzes

Leia mais

1- O Estacionamento e a Circulação

1- O Estacionamento e a Circulação 1- O Estacionamento e a Circulação "Quando se estuda um sistema de tráfego urbano as principais funções a analisar são a circulação e o estacionamento, por corresponderem aos aspectos em que se concentram

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DA HIERARQUIA VIÁRIA VISANDO A IMPLANTAÇÃO DE ZONAS 30

REESTRUTURAÇÃO DA HIERARQUIA VIÁRIA VISANDO A IMPLANTAÇÃO DE ZONAS 30 REESTRUTURAÇÃO DA HIERARQUIA VIÁRIA VISANDO A IMPLANTAÇÃO DE ZONAS 30 Victor Marques Caldeira Laboratório de Transportes e Logística - LabTrans Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC RESUMO As cidades

Leia mais

Aula 10 - Exercício. c) nesse trecho (200 m) deverão ser propostas duas lombadas, seguindo o exposto no item (a);

Aula 10 - Exercício. c) nesse trecho (200 m) deverão ser propostas duas lombadas, seguindo o exposto no item (a); Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Dpto. de Engenharia Civil Engenharia de Tráfego Urbano Profs. João Cucci Neto e Paulo Bacaltchuck http://meusite.mackenzie.br/professor_cucci Aula

Leia mais

Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de

Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de trânsito. 1º Onde não existir sinalização regulamentadora,

Leia mais

Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília

Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO DO DF Histórico 1997... 2001... 2003 2004 2005 2006 2007 2008 BR CTB Estatuto da Cidade

Leia mais

Aula 23. Segurança de trânsito (parte 3 de 4)

Aula 23. Segurança de trânsito (parte 3 de 4) Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 23 Segurança de trânsito (parte 3 de 4) 23. Intervenções preventivas - legislação - planejamento

Leia mais

Introdução à Cinemática Escalar, Movimento Uniforme (MU) e Movimento Uniformemente Variado (MUV)

Introdução à Cinemática Escalar, Movimento Uniforme (MU) e Movimento Uniformemente Variado (MUV) Introdução à Cinemática Escalar, Movimento Uniforme (MU) e Movimento Uniformemente Variado (MUV) Introdução à Cinemática Escalar, Movimento Uniforme (MU) e Movimento Uniformemente Variado (MUV) QUADRO

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Engenharia de Tráfego Período: 6º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Subsistema da sinalização viária que se compõe de luzes

Leia mais

CAPÍTULO 10 CAPACIDADE - MULTILANE

CAPÍTULO 10 CAPACIDADE - MULTILANE CAPÍTULO 10 CAPACIDADE - MULTILANE METODOLOGIA A metodologia utilizada para análise de capacidade de rodovias do tipo MULTILANE, segue as seguintes etapas: 1. Determinação da Velocidade de Fluxo-livre

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO DE RODOVIAS 1/2.

INTRODUÇÃO AO PROJETO DE RODOVIAS 1/2. 200794 Pavimentos de Estradas I INTRODUÇÃO AO PROJETO DE RODOVIAS 1/2. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 6 Adaptado das Notas de Aula do Prof. Milton Luiz

Leia mais

DER/PR SRNORTE. Sinalização Horizontal de Curvas à Direita em Rodovias de Pistas Simples

DER/PR SRNORTE. Sinalização Horizontal de Curvas à Direita em Rodovias de Pistas Simples DER/PR SRNORTE Sinalização Horizontal de Curvas à Direita em Rodovias de Pistas Simples Engº Alex Severo Alves Mar - 2010 GERENCIAMENTO DE OPERAÇÃO DA VIA Outra Verdade Inconveniente Desde o advento do

Leia mais

IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESTRADAS

IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESTRADAS IEC0001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESTRADAS Profª Drª. Andreza Kalbusch Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil - importância do setor de transportes para a sociedade;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO DA AVENIDA CASTELO BRANCO EM JUAZEIRO DO NORTE CE

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO DA AVENIDA CASTELO BRANCO EM JUAZEIRO DO NORTE CE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO DA AVENIDA CASTELO BRANCO EM JUAZEIRO DO NORTE CE Sabrina Câmara de Morais 1 Marcos José Timbó Lima Gomes 2 1 Introdução/ Desenvolvimento Nos últimos anos, o acelerado crescimento

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

Soluções Viárias Lombadas Quebra-Molas

Soluções Viárias Lombadas Quebra-Molas Soluções Viárias Lombadas Quebra-Molas O objetivo dessa categoria é oferecer lombadas quebra-molas visando a diminuição da velocidade média dos veículos e, assim sendo, trazer maior segurança no transito

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Conceitos Básicos Projeto Estudos Defeitos

Leia mais

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes à velocidade (Artigos 218 a 220 do CTB)

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes à velocidade (Artigos 218 a 220 do CTB) Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Infrações referentes à velocidade (Artigos 218 a 220 do CTB) Art. 218. Transitar em velocidade superior

Leia mais

023. Prova dissertativa

023. Prova dissertativa MPSP1503 03023001 Concurso Público 023. Prova dissertativa analista técnico científico (Engenheiro de Tráfego) Você recebeu este caderno contendo um. Confira seus dados impressos na capa deste caderno.

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE FAIXA ADICIONAL NA MG-354 NO TRECHO DE PATOS DE MINAS A PRESIDENTE OLEGARIO

IMPLANTAÇÃO DE FAIXA ADICIONAL NA MG-354 NO TRECHO DE PATOS DE MINAS A PRESIDENTE OLEGARIO IMPLANTAÇÃO DE FAIXA ADICIONAL NA MG-354 NO TRECHO DE PATOS DE MINAS A PRESIDENTE OLEGARIO Caio Cesar Silva Oliveira (1) ; Gustavo Pereira de Andrade (2), Diego Henrique Mota (3). (1) Graduando em Engenharia

Leia mais

Secretaria do Desenvolvimento Urbano. Ações SEDU/PARANACIDADE Mobilidade Urbana no Estado do Paraná

Secretaria do Desenvolvimento Urbano. Ações SEDU/PARANACIDADE Mobilidade Urbana no Estado do Paraná Ações SEDU/PARANACIDADE Mobilidade Urbana no Estado do Paraná 19/05/2017 Ações Paranacidade Missão do PARANACIDADE prestar assistência institucional e técnica aos municípios, desenvolver atividades dirigidas

Leia mais

COMISSÃO DE VIAÇÃO ETRANSPORTES PROJETO DE LEI Nº DE 2015.

COMISSÃO DE VIAÇÃO ETRANSPORTES PROJETO DE LEI Nº DE 2015. COMISSÃO DE VIAÇÃO ETRANSPORTES PROJETO DE LEI Nº 3.340 DE 2015. Proíbe a fiscalização por meio do registrador de velocidade do tipo móvel - radar móvel. Autor: Deputado Goulart Relatora: Deputada Christiane

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.701, DE 2009

PROJETO DE LEI Nº 4.701, DE 2009 COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI Nº 4.701, DE 2009 (Apenso: PL 4.874/2009) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para dispor sobre

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Engenharia de Tráfego

Departamento de Eng. Produção. Engenharia de Tráfego Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Semáforos 2 1 Conceitos Sinalização semafórica - subsistema da sinalização

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE VIAS BINÁRIAS COMO SOLUÇÃO OPERACIONAL NO PLANEJAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE VIAS BINÁRIAS COMO SOLUÇÃO OPERACIONAL NO PLANEJAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE VIAS BINÁRIAS COMO SOLUÇÃO OPERACIONAL NO PLANEJAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO C. W. N. Fernandes, S. L. S. Taglialenha, F. S. Tiburcio e V. M. D. Silva RESUMO O presente

Leia mais

Legislação de Trânsito

Legislação de Trânsito Legislação de Trânsito Dos Pedestres e Condutores de Veículos não Motorizados Professor: leandro Macedo www.acasadoconcurseiro.com.br Legislação de Trânsito DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Engenharia de Tráfego Período: 6º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Subsistema da sinalização viária que utiliza de sinais

Leia mais

O cálculo do entreverdes conforme o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito

O cálculo do entreverdes conforme o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito O cálculo do entreverdes conforme o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito Julho de 2015 Prof. João Cucci Neto Apresentação Este trabalho foi inteiramente baseado no Manual Brasileiro de Sinalização

Leia mais

ENGENHARIA DE TRÁFEGO

ENGENHARIA DE TRÁFEGO ENGENHARIA DE TRÁFEGO Capítulo 1: A ENGENHARIA DE TRÁFEGO trata de atividades presentes no nosso dia a dia: a mobilidade das pessoas, o transporte de bens e sua relação com o ambiente tem importante função

Leia mais

Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB.

Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB. Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB. Milton Paulo de Souza Filho¹; Romállia Maria Pontes da Silva Medeiros²; ¹Universidade Federal da Paraíba Campus I.

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de Aula 4. Sinalização vertical

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de Aula 4. Sinalização vertical Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2016 Aula 4 Sinalização vertical 4.1. Sinalização Vertical - resumo SINALIZAÇÃO VERTICAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO 6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO I. BAIRRO AMÂNCIO PIMENTA Foto 1 Declividade acentuada acesso bairro Foto 2 Via em blocos sextavados em conjunto habitacional II. BAIRRO CAMPO VINTE Foto 3 Principal via

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres 1º semestre/2007 Aula 4 Conceitos Básicos de Engenharia de Tráfego CARACTERÍSTICA DO TRÁFEGO 1. Volume e composição do tráfego 2. Variações

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO VIÁRIA PARA IMPLANTAÇÃO DE CICLOVIA 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO VIÁRIA PARA IMPLANTAÇÃO DE CICLOVIA 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas Trecho Encontro da Rua Pelotas com a Rua Professor Tito Novaes Bairro Padre Eustáquio Código 4.ABM Data 24/01/2015 Horário Inicial 08:30 2. Avaliação

Leia mais

EXCERTO A BICICLETA NO

EXCERTO A BICICLETA NO Plano Municipal de Circulação Viária e de Transportes EXCERTO A BICICLETA NO Plano Municipal de Circulação Viária e de Transportes São Paulo 2004 Rede Viária do Transporte Não Motorizado Rede Viária de

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 108/09

PROJETO DE LEI Nº 108/09 PROJETO DE LEI Nº 108/09 "Dispõe sobre a criação do sistema cicloviário no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. Art. 1º - Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de Santa

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS Compreendendo que, Por todo o mundo, o uso da bicicleta vem sendo tratado como um importante indicador de qualidade de vida, havendo um consenso crescente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PESQUISAS DE FLUXOS DE TRÁFEGO NA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA URBANA

A IMPORTÂNCIA DAS PESQUISAS DE FLUXOS DE TRÁFEGO NA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA URBANA A IMPORTÂNCIA DAS PESQUISAS DE FLUXOS DE TRÁFEGO NA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA URBANA P. V. Margon, R. Basilio, M. L. Magalhães RESUMO Este trabalho traz o relato do importante

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA A Pesquisa de Mobilidade Urbana teve como objetivo levantar a opinião da população, para avaliar a situação da mobilidade urbana em Florianópolis, e dessa forma, auxiliar

Leia mais

Legislação de Trânsito para o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte

Legislação de Trânsito para o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte Aula 0 Legislação de Trânsito para o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte 1 de 76 Aula Conteúdo Programático Data 00 Disposições

Leia mais

RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 160, DE

RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 160, DE RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 160, DE 22-04-2004. Aprova o Anexo II do Código de Trânsito Brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN, usando da competência que lhe confere o art. 12, inciso VIII, da

Leia mais

Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições

Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições meteorológicas e a intensidade do trânsito, obedecendo aos limites

Leia mais

Legislação Relativa ao Departamento de Polícia Rodoviária Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte

Legislação Relativa ao Departamento de Polícia Rodoviária Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte Aula 0 Legislação Relativa ao Departamento de Polícia Rodoviária Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte 1 de 75 Aula Conteúdo Programático Data 00 Disposições Preliminares.

Leia mais

SUMÁRIO. - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas

SUMÁRIO. - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas Sinalização Viária SUMÁRIO - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas OBJETIVOS Organizar a circulação de veículos e pessoas

Leia mais

a) O movimento é progressivo ou retrógrado? Justifique b) Escreva a função horária do espaço.

a) O movimento é progressivo ou retrógrado? Justifique b) Escreva a função horária do espaço. Movimento Uniforme 1- A figura abaixo mostra uma bolinha que realiza movimento uniforme sobre uma trajetória orientada. a) O movimento é progressivo ou retrógrado? Justifique b) Escreva a função horária

Leia mais

- CURSO DE DIREÇÃO DEFENSIVA -

- CURSO DE DIREÇÃO DEFENSIVA - - CURSO DE DIREÇÃO DEFENSIVA - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). DEFINIÇÃO

Leia mais

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas I Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema São Paulo, 06 de Novembro de 2011 Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema A Ciclocidade - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo, entidade fundada

Leia mais

CAPÍTULO 09 ESTUDOS DE CAPACIDADE - INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 09 ESTUDOS DE CAPACIDADE - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 09 ESTUDOS DE CAPACIDADE - INTRODUÇÃO HCM HIGHWAY CAPACITY MANUAL Em 1920 começam a ser publicados os resultados dos primeiros estudos sobre capacidade. A primeira versão HCM, cujo organismo americano

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 065/2016

LEI COMPLEMENTAR Nº 065/2016 LEI COMPLEMENTAR Nº 065/2016 Dispõe sobre o Sistema Viário do Município de Guarapuava e revoga o Anexo I da Lei nº 2.074, de 23 de novembro de 2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Faço saber que

Leia mais

Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido

Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido José Maurício Pinto Júnior Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte S/A -

Leia mais

Velocidade escalar média.

Velocidade escalar média. Exercícios: Velocidade escalar média. 1- Transformar: a) 90 km/h em m/s; b) 10m/s em km/h. 2- (FUVEST-SP) um ônibus saí de São Paulo às 8h e chega a Jaboticabal, que dista 350 km da capital, às 11 h 30

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

Legislação de Trânsito 1

Legislação de Trânsito 1 Legislação de Trânsito 1 Conhecer as premissas que regem o CTB, bem como seus órgãos e sistemas. Conhecer os direitos e deveres de um cidadão no trânsito. Introdução Regulamentação. Fundamentação do CTB.

Leia mais

PROVA 2 Direção Defensiva

PROVA 2 Direção Defensiva PROVA 2 Direção Defensiva 01 São deveres do motorista defensivo, exceto: a) Usar sempre o cinto de segurança. b) Manter o veículo sempre em boas condições de funcionamento. c) Ser capaz de raciocinar com

Leia mais

Notas de aulas de Estradas (parte 12)

Notas de aulas de Estradas (parte 12) 1 Notas de aulas de Estradas (parte 12) Hélio Marcos Fernandes Viana Tema: Interseções rodoviárias Conteúdo da parte 12 1 Introdução 2 Interseções em nível 3 Manobras e conflitos 4 Princípios de canalização

Leia mais

70 Posição Ligação: 12.Brasília DF - Salvador BA Extensão: Km Rodovias: BR-010, BR-020, BR-430, BR-242, DF-003 Classificação Geral: Deficiente

70 Posição Ligação: 12.Brasília DF - Salvador BA Extensão: Km Rodovias: BR-010, BR-020, BR-430, BR-242, DF-003 Classificação Geral: Deficiente 70 Posição Ligação: 12.Brasília DF - Salvador BA Extensão: 1.310 Rodovias: BR-010, BR-020, BR-430, BR-242, DF-003 Classificação Geral: Deficiente 1. Justificativas Ao longo dos últimos anos o oeste baiano

Leia mais

CONEXÃO PORTO CIDADE / SANTOS. Acessibilidade ao Porto de Santos: desafios e oportunidades Junho/2016

CONEXÃO PORTO CIDADE / SANTOS. Acessibilidade ao Porto de Santos: desafios e oportunidades Junho/2016 CONEXÃO PORTO CIDADE / SANTOS Acessibilidade ao Porto de Santos: desafios e oportunidades Junho/2016 Histórico Outubro/2013: Celebrado Convênio entre SLT e CODESP, com interveniência da SEP e Município

Leia mais

Legislação de Trânsito para o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte

Legislação de Trânsito para o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte Aula 0 Legislação de Trânsito para o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal Disposições Preliminares / Vias e Velocidades Professor Julio Ponte 1 de 76 Aula Conteúdo Programático Data 00 Disposições

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS GEOMETRIA DE VIAS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) CURVAS HORIZONTAIS Estudo sobre Concordância Horizontal: O traçado em

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS

CONHECIMENTOS BÁSICOS CONHECIMENTOS BÁSICOS VIA CONHECIMENTOS BÁSICOS LOTES LINDEIROS FAIXA DE TRÂNSITO FAIXA DE TRÂNSITO PISTA DE ROLAMENTO CICLOFAIXA FAIXA DE DOMÍNIO - superfície lindeira às vias rurais, delimitada por lei

Leia mais

COLETA DE LIXO SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESCOPO CRITÉRIOS DE PROJETOS ANEXO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS

COLETA DE LIXO SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESCOPO CRITÉRIOS DE PROJETOS ANEXO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE COLETA DE LIXO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 COMPONENTES ESPECÍFICOS 2.0 - CRITÉRIOS DE PROJETOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e procedimentos de execução...4

Leia mais

57 Posição Ligação: 59.Teresina PI - Petrolina PE Extensão: 551 Km Rodovias: BR-230, BR-316, BR-343, BR-407 Classificação Geral: Deficiente

57 Posição Ligação: 59.Teresina PI - Petrolina PE Extensão: 551 Km Rodovias: BR-230, BR-316, BR-343, BR-407 Classificação Geral: Deficiente 57 Posição Ligação: 59.Teresina PI - Petrolina PE Extensão: 551 Rodovias: BR-230, BR-316, BR-343, BR-407 Classificação Geral: Deficiente 1. Justificativas O Estado do Piauí tem atraído ao longo dos últimos

Leia mais

Exercícios das notas de aula de Estradas (parte 13)

Exercícios das notas de aula de Estradas (parte 13) 1 Exercícios das notas de aula de Estradas (parte 13) Helio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Exercícios relacionados 3. o (terceira) faixa para veículos pesados. 2 1. o ) Um caminhão de

Leia mais

Quem seria responsável por produzir o movimento ou modificá-lo? As forças! O conceito e aplicação serão estudados em Dinâmica.

Quem seria responsável por produzir o movimento ou modificá-lo? As forças! O conceito e aplicação serão estudados em Dinâmica. Professor: Reinaldo A cinemática estuda o movimento, sem se preocupar com quem causou (produziu, provocou) esse movimento. Ela descreve o movimento, procurando determinar a posição (s), velocidade (v)

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: AGENTE DE TRÂNSITO

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: AGENTE DE TRÂNSITO CARGO: AGENTE DE TRÂNSITO QUESTÃO No:12 A resolução nº 277 de 28 de maio de 2008 dispões sobre o transporte de menores de 10 anos em veículos. O Art.1º da resolução em comento determina Para transitar

Leia mais

SOLUÇÕES PARA A MOBILIDADE DE SÃO PAULO

SOLUÇÕES PARA A MOBILIDADE DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA A MOBILIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO 2015 MOBILIDADE URBANA QUAL A PRIORIDADE QUE DEVE SER CONSIDERADA? MOBILIDADE URBANA ESTABELECER A PRIORIDADE DOS ATORES + PRIORITÁRIO 1º PEDESTRES 2º 3º

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli NOÇÕES DE TRÁFEGO: Volume de tráfego: É o principal parâmetro no estudo do tráfego. Por definiçãoéonúmerodeveículosquepassaporuma determinada seção de uma

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: Seção (Perfil) Transversal é a representação geométrica, no plano vertical, de alguns elementos dispostos transversalmente, em determinado ponto

Leia mais

Aula 6. Sinalização Vertical (cont.) Dispositivos auxiliares

Aula 6. Sinalização Vertical (cont.) Dispositivos auxiliares Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 6 Sinalização Vertical (cont.) Dispositivos auxiliares Assuntos desta aula Outros tipos de

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/ de 185 NOTAS TÉCNICAS DE PROJETO GEOMÉTRICO DIRETORIA DE ENGENHARIA. Notas técnicas. Projeto. Geométrico.

INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/ de 185 NOTAS TÉCNICAS DE PROJETO GEOMÉTRICO DIRETORIA DE ENGENHARIA. Notas técnicas. Projeto. Geométrico. TÍTULO FOLH INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/2006 1 de 185 NOTS TÉCNICS DE PROJETO GEOMÉTRICO ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Notas técnicas. Projeto. Geométrico. PROVÇÃO PROCESSO PR 010988/18/DE/2006 DOCUMENTOS

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

MANUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS ATUALIZADAS DÊ A PARA A. Contém SIMULADOS DETRAN - GO / UEG -

MANUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS ATUALIZADAS DÊ A PARA A. Contém SIMULADOS DETRAN - GO / UEG - MANUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS ATUALIZADAS De acordo com as questões utilizadas na prova teórica DETRAN - GO / UEG - 2016 DÊ A PREFERÊNCIA PARA A VIDA! Contém SIMULADOS www.transito21.com.br wfgoiania@gmail.com

Leia mais