ESTUDOS DA LITERATURA ANGLÓFONA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDOS DA LITERATURA ANGLÓFONA"

Transcrição

1

2 ESTUDOS DA LITERATURA ANGLÓFONA 1ª Edição

3 SOMESB Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia S/C Ltda. Gervásio Meneses de Oliveira Presidente William Oliveira Vice-Presidente Samuel Soares Superintendente Administrativo e Financeiro Germano Tabacof Superintendente de Ensino, Pesquisa e Extensão Pedro Daltro Gusmão da Silva Superintendente de Desenvolvimento e Planejamento Acadêmico FTC - EaD Faculdade de Tecnologia e Ciências - Ensino a Distância Reinaldo de Oliveira Borba Diretor Geral Marcelo Nery Diretor Acadêmico Roberto Frederico Merhy Diretor de Desenvolvimento e Inovações Mário Fraga Diretor Comercial Jean Carlo Nerone Diretor de Tecnologia André Portnoi Diretor Administrativo e Financeiro Ronaldo Costa Gerente Acadêmico Jane Freire Gerente de Ensino Luis Carlos Nogueira Abbehusen Gerente de Suporte Tecnológico Romulo Augusto Merhy Coord. de Softwares e Sistemas Osmane Chaves Coord. de Telecomunicações e Hardware João Jacomel Coord. de Produção de Material Didático MATERIAL DIDÁTICO Produção Acadêmica Produção Técnica Jane Freire Gerente de Ensino Ana Paula Amorim Supervisão Jussiara Gonzaga Coordenação de Curso Sônia Maria Davico Simon Autor(a) João Jacomel Coordenação Carlos Magno Brito Almeida Santos Revisão de Texto Delmara Brito dos Santos Editoração Francisco Júnior e Fábio Gonçalves Ilustrações Equipe Angélica de Fatima Silva Jorge, Alexandre Ribeiro, Cefas Gomes, Cláuder Frederico, Delmara Brito, Diego Aragão, Fábio Gonçalves, Francisco França Júnior, Israel Dantas, Lucas do Vale, Marcio Serafim, Mariucha Silveira Ponte, Tatiana Coutinho e Ruberval Fonseca Imagens Corbis/Image100/Imagemsource copyright FTC EaD Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei de 19/02/98. É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios, sem autorização prévia, por escrito, da FTC EaD - Faculdade de Tecnologia e Ciências - Educação a Distância.

4 SUMÁRIO O CONTO E O ROMANCE 7 O CONTO 7 A TRADIÇÃO ORAL E A LITERATURA ANGLO-SAXÔNICA 7 PERÍODO MEDIEVAL E CONTOS ARTURIANOS 12 CHAUCER E O DESENVOLVIMENTO DOS CONTOS 15 O CONTO MODERNO 18 ATIVIDADE COMPLEMENTAR 30 O ROMANCE 31 O NASCIMENTO DO ROMANCE 31 A TEORIA DOS ARQUÉTIPOS DE NORTHROP FRYE 36 DESENVOLVIMENTO DO ROMANCE INGLÊS 38 O ROMANCE NORTE AMERICANO 45 ATIVIDADE COMPLEMENTAR 51 A POESIA E O TEATRO 53 A POESIA 53 A POESIA INGLESA: DE SHAKESPEARE AO ROMANTISMO 53 A POESIA NORTE AMERICANA 67 A POESIA BEAT 74 TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS 76 ATIVIDADE COMPLEMENTAR 77

5 SUMÁRIO O TEATRO 79 SHAKESPEARE 79 OSCAR WILDE & BERNARD SHAW 86 O TEATRO NORTE AMERICANO 92 O TEATRO DO ABSURDO 94 ATIVIDADE COMPLEMENTAR 99 GLOSSÁRIO 101 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 102 REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS 105 REFERÊNCIAS FILMOGRÁFICAS 106

6 Apresentação da Disciplina Prezados alunos, Bem vindos à nossa nova etapa, desta feita, o estudo das literaturas de expressão inglesa! A nossa disciplina, Literatura em Língua Inglesa, irá tratar de um assunto novo para muitos de vocês, que é produção literária dos países anglófonos. A língua inglesa é, atualmente, a língua materna ou oficial em aproximadamente sessenta países, distribuídos por todos os continentes do nosso planeta. Entretanto, nossos estudos estarão focalizados principalmente em textos de autores provenientes do Reino Unido da Grã Bretanha e Estados Unidos da América, pelo fato de se tratarem de bibliografia mais facilmente encontrada em nosso país. Iniciaremos o módulo abordando o conto como forma literária, desde os seus primórdios até as tendências da contemporaneidade. Em seguida, ainda no mesmo bloco temático, trataremos do romance como forma literária moderna, suas características, e seu desenvolvimento. No segundo bloco temático estudaremos a poesia inglesa e norte americana, bem como as vertentes literárias que influenciaram as diversas gerações de poetas anglófonos. E, last but not least, o teatro será o nosso último tema, cuja abordagem tratará das características do teatro de Shakespeare até o Teatro do Absurdo. Parafraseando Drummond que dizia que amar se aprende amando, chamo atenção para o fato que literatura se aprende lendo. Portanto, apesar de reconhecermos as dificuldades existentes na obtenção do material de leitura, é imprescindível que o aluno, na medida do possível, procure seguir as nossas recomendações de bibliografia e filmografia ao final de cada tema. Agora, mãos à obra! Profa. Mestre Sonia Maria Davico Simon

7 O CONTO E O ROMANCE O CONTO A TRADIÇÃO ORAL E A LITERATURA ANGLO- SAXÔNICA Podemos imaginar, desde os tempos mais remotos, seres humanos reunidos ao fim do dia para uma refeição comunal ao redor do fogo, compartilhando as experiências vivenciadas nas atividades diárias em expedições de caça, coleta de alimentos, encontros fortuitos com outros grupos de humanos e animais selvagens. Essas experiências, narradas ao redor da fogueira e ouvidas pelos demais membros do grupo, deram origem às primeiras narrativas. Esses relatos, modificados através dos tempos nas sucessivas repetições e transmissões orais, passaram a incorporar explicações sobre elementos e fenômenos da natureza até então desconhecidos pelos homens tais como a origem do mundo, dos astros, fenômenos da natureza, animais, plantas, a morte, etc. Através da observação a humanidade imaginou histórias para explicar não somente a origem das coisas como também a sua utilização, o que pode ser apreciado nos relatos que sobreviveram às sociedades primitivas, agrárias. Essas narrativas se configuraram como míticas ou mitológicas e podem ser identificadas nos relatos bíblicos do Velho Testamento, como, por exemplo, o Livro do Gênesis. Outras histórias, como a Odisséia, também se configuram como relatos míticos e narram a história de um povo, ou civilização. Tais relatos constituem-se de longos poemas que contam, geralmente, as aventuras de um personagem principal, um herói, representante das aspirações de uma nação ou etnia, que, em superando obstáculos, consegue galgar uma posição de líder na comunidade representando assim os valores de uma nação. Pensadas deste modo, estas narrativas trazem contribuições profícuas para o entendimento da identidade nacional (leia-se cultural) de um povo. Ressalvamos que há áreas da ciência, mais positivistas, que divergem sobre a viabilidade de recorrer à literatura como fonte para entender a história. Entretanto, podemos questionar até que ponto o olhar pretensamente distanciado do historiador atinge a objetividade desejada, escapando à subjetividade inerente a qualquer ponto de vista. Devemos pensar, ainda, que tipo de registro poderia ser mais elucidativo sobre a Guerra de Tróia do que a Ilíada, ou, ainda, quem poderia trazer maiores revelações sobre a visão de mundo da Alta Idade Média da Inglaterra, além de Chaucer em The Canterbury Tales, ou poderíamos Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 7

8 do mesmo modo imaginar melhor quadro de Dublin do que aquele pintado nos traços marcantes de James Joyce, em seus contos reunidos em Dubliners. PARA LEMBRAR Não devemos esquecer que apesar de todos os textos que serão aqui estudados nos levarem a conhecer um pouco sobre a literatura anglófona e sua cultura (pois literatura é cultura), há diversos textos outros que se perderam entre as conquistas territoriais e culturais e ainda muitos deles foram alterados pela cultura colonizadora. Não podemos desconsiderar, ainda, que, enquanto detentora do direito de preservar os textos antigos, a Igreja muitas vezes domesticou suas traduções e ou adaptações. Todos os fatores supracitados, no entanto, não subtraem dos textos que serão aqui apresentados o seu caráter representativo de uma cultura tão presente em nossa própria cultura brasileira, traduzida como foi por tantos autores e intelectuais no Brasil. Que esta tradução, em seu sentido mais amplo, seja uma justificativa convidativa para esta jornada no mundo anglófono. Beowulf Denominados de épicos, os primeiros relatos anglófonos guardaram narrativas de seus antepassados históricos: os Celtas, Anglo-Saxões, e demais povos estabelecidos na região que hoje chamamos de Grã Bretanha nos primeiros séculos, e suas respectivas culturas, antes mesmo que a língua Beowulf e Grendel inglesa se constituísse como tal. Estes épicos foram escritos sob a forma de poemas que, embora longos, continham elementos que facilitavam a sua memorização, a fim de que pudessem ser repetidos e lembrados através dos tempos. Dos poemas épicos em língua anglo-saxônica, ou Old English (Inglês Arcaico), destacamos Beowulf, manuscrito datado possivelmente do século XII e que se encontra no Museu Britânico. Existente em diversas versões em inglês contemporâneo, os acontecimentos e os personagens de Beowulf são comuns às sagas dos países escandinavos, como, por exemplo, a Dinamarca, o que aponta para a influência cultural e lingüística daquele povo na constituição do país que hoje chamamos de Grã Bretanha. Beowulf é um poema épico, pré-cristão, provavelmente datado do período das invasões Anglo-Saxônicas, embora o manuscrito seja de um período posterior. É uma história anônima, possivelmente composta por um único autor entre os séculos VII e VIII, e, não obstante o narrador se reportar a uma cultura pagã e com valores pagãos, a noção de heroísmo aponta para um ponto de vista cristão, na qual os valores morais e religiosos parecem estar embutidos. Os críticos literários chamam atenção para o fato de que as lutas realizadas por Beowulf prefiguram o antagonismo cristão entre o bem e o mal, e simbolizam a cultura situada ainda na fronteira entre a estabilidade de uma sociedade agrária e a instabilidade e o nomadismo do herói guerreiro. 8 FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

9 CURIOSIDADE Os indícios de interferências textuais de origem cristã no poema Beowulf podem ser explicados devido ao fato de a literalidade ter sido privilégio dos monges, responsáveis pela maior parte da transcrição de documentos e textos literários na época. Um dado que corrobora com esta interferência é o fato de ao monstro Grendel ser atribuída a descendência da raça de Caim, personagem bíblico cuja história é marcada pela vilania e traição. O documento com a transcrição do poema Beowulf existente no Museu Britânico data do século XII, embora haja suspeitas que a sua composição remonte a trezentos ou até mesmo quatrocentos anos antes. A história acontece durante o reino de Hrothgar da Dinamarca, cenário constantemente ameaçado por monstros de diversas origens e que são mortos em batalhas heroicamente vencidas por Beowulf. Entretanto, ao final do relato, o herói é atacado por um dragão que lhe fere mortalmente; Beowulf, então, recebe exéquias 1 pagãs e o épico tem o seu final. A saga é escrita em Old English (inglês arcaico, contendo influências decorrentes das inumeráveis invasões dos povos anglo-saxões). Trecho de Beowulf: We have learned of Eormanric s wolfi sh disposition; he held a wide dominion in the realm of the Goths. That was a cruel king. Many a man sat bound in sorrows, anticipating woe, often wishing that his kingdom were overcome. Beowulf e os demais poemas épicos datados do período Anglo-Saxão eram recitados por um scop: bardo itinerante que se deslocava pelos reinos às vezes a serviço de um único monarca relatando fatos, acontecimentos e histórias. Widsith e Outros Textos O poema Widsith, por exemplo, um dos mais antigos manuscritos do período, narra as viagens de um scop chamada Widsith (que significa far journey ) por diversos reinos do mundo germânico. O épico, possivelmente autobiográfico, encontra-se no Book of Exeter, coleção que abriga outros textos, doado à Catedral de Exeter. Outros textos do período chamado Old English Literature são The Battle of Maldon (escrito cerca do ano 1000), poema que trata da luta entre um nobre senhor de Essex e uma invasão viking, e inúmeras transcrições de histórias bíblicas como 1 Exéquias são cerimônias fúnebres. Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 9

10 Judith, Gênesis, Exodus, Daniel, reunidos em quatro manuscritos: MS Cotton Vitellius, que faz parte do acervo do Museu Britânico; The Junius Manuscript que se encontra na biblioteca Bodleian em Oxford; The Book of Exeter que está na Catedral de Exeter; e o Vercelli Book que se encontra na biblioteca da Catedral de Vercelli, sul da Itália. Epopéia SAIBA MAIS Salientamos que embora os textos mencionados tenham sido escritos em versos, estes se inserem na categoria contos por serem narrativas épicas. Tal inserção justifica-se por consistir a epopéia em uma narrativa de feitos grandiosos, o que a aproxima da prosa. Não devemos esquecer que o gênero romance é um desdobramento da epopéia. Em A teoria do romance, Georg Lukács 2, situa a epopéia em um período anterior à modernidade, mais especificamente, na cultura helênica, período propício para o desenvolvimento deste tipo de narrativa, por ser marcado pelo sentimento de familiaridade entre o sujeito e o mundo, sendo este caracterizado pela homogeneidade, a unidade. Com a modernidade, ou seja, com o começo do Novo Mundo, no entanto, há uma quebra desta unidade e, assim, o homem se sente desenraizado e ao sentimento de pertença diante do mundo sobrepõe-se uma sensação de desamparo, uma forte desorientação. Assim, enquanto o Helenismo é um mundo homogêneo, e tampouco a separação entre homem e mundo, entre eu e tu é capaz de perturbar sua homogeneidade. (p. 29), na era moderna predomina o que Lukács chama de desabrigo transcendental. PARA LEMBRAR Trouxemos à baila as considerações feitas sobre a epopéia e o romance não só para justificar a inserção de textos como Beowulf neste módulo sobre contos, mas, sobretudo, para mostrar que a literatura expressa questões de cunho histórico e de identidade não apenas através do conteúdo das histórias narradas, mas até mesmo em sua forma. Afinal, como postula Lukács, a forma da epopéia seria apenas possível em uma era fechada, em que predominava a unidade tão marcadamente representada nas longas estrofes de histórias de bravos heróis. Crônica anglo-saxã Esta obra é considerada a primeira produção escrita dos germânicos e, por ser composta por relatos, é definida por alguns autores como um jornal. A Crônica anglo-saxã é constituída por anotações em inglês arcaico e inglês médio sobre importantes acontecimentos do período do 2 LUKÁCS, Georg. Culturas Fechadas. In: id. A Teoria do Romance. São Paulo: Duas Cidades, 2000, p FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

11 século IX a 1154, listados conforme a data em que ocorreram, como o trecho destacado ilustra: A.D This year, the twelfth of his reign, Cuthred, king of the West-Saxons, fought at Burford (27) with Ethelbald, king of the Mercians, and put him to fl ight. A.D This year Cuthred, king of the West-Saxons, fought against the Welsh. Crônica e cronicões SAIBA MAIS Na acepção moderna, o termo crônica se refere a um texto que relata um acontecimento prosaico que é narrado com um olhar subjetivo o que já lhe tiraria a objetividade que é pretensamente buscada pela reportagem ora revelando o seu autor como um contador de histórias, ora estimulando nele algo de poético pelo tratamento incomum que atribui às histórias. Em virtude de uma definição imprecisa do que seja a crônica, este tipo de texto, geralmente escrito para jornais ou revistas, é considerado híbrido, conforme Massaud Moisés, podendo ser tanto narrado em forma de alegoria, quanto de resenha, confissão, monólogo, entre outras. Notamos que a definição de crônica supracitada não se aplica à Crônica anglo saxã, já que esta consiste em relatos breves de acontecimentos do período em que foi escrita. Esta obra se insere, na verdade, nos textos qualificados por Massaud Moisés como cronicões, termo que, em português e espanhol é utilizado para se referir a simples e impessoais notações de efemérides 3, em contraste às crônicas, propriamente ditas, que são obras que narravam os acontecimentos com abundância de pormenores e algo de exegese, ou situavam-se numa perspectiva individual da história 4. Em inglês, entretanto, não há diferença de termos entre crônica e cronicões, reunidas sob uma única palavra, chronicle. Ainda no tocante ao termo utilizado para se referir às crônicas, salientamos que, na acepção moderna, em inglês, estas podem ser chamadas commentary, literary column, sketch, light essay, human interest story, town gossip, entre outros. Livro do Juízo Final Na linhagem de textos documentais, é válido mencionarmos uma outra obra, o Livro do Juízo Final, cuja história está atrelada à conquista de território inglês e consolidação do Feudalismo pelo normando, William I (ou Guilherme), o Conquistador. Este livro foi escrito para inventariar as terras que seriam doadas em lotes a senhores que ajudariam William a manter o controle e consolidar a conquista do território. 3 MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 1999, p Op. cit., p Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 11

12 O que é literatura? PARA REFLETIR A qualificação de textos como o Livro do Juízo Final e Crônica anglosaxã como literatura leva-nos a ponderar sobre o que pode ser considerado texto literário e não literário, uma vez que o conceito de literatura, no senso comum, sempre esteve atrelado à noção de ficção. Conforme Antoine Compagnon, o termo literatura começou a ser utilizado, tal como o utilizamos na contemporaneidade, a partir do século XIX. Antes deste período, esta palavra designava as inscrições, a escritura, a erudição, ou o conhecimento das letras 5, designação que contempla os textos supracitados, Livro do Juízo Final e Crônica anglo-saxã, justificando a sua inserção, naquela época, entre textos literários. PERÍODO MEDIEVAL E CONTOS ARTURIANOS Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda No que pese os primeiros registros da literatura inglesa se encontrarem sob a forma de poemas épicos, a prosa estava presente notadamente nas transcrições das histórias bíblicas e hagiografias, que consistem em biografias e histórias de feitos de um indivíduo que seja considerado santo, abade, mártir, pregador, rei, bispo, virgem, entre outros. O conto como forma literária vai se estabelecer definitivamente no período chamado de Middle English (Inglês Médio), após a conquista Normanda, em A partir da conquista da Inglaterra em 1066 por William I, O Conquistador, a língua falada pelas camadas privilegiadas da sociedade e da corte inglesa era o normando, francês padrão da época. Os nobres normandos que faziam parte da corte na Inglaterra, não raro, possuíam vastas extensões de terra do outro lado do canal da Mancha, o que propiciava uma influência francesa bastante acentuada pelo constante trânsito entre ambas as localidades. No século XII, durante o reinado de Henrique II, têm-se notícias da chegada de trovadores vindos do continente, provavelmente trazidos por sua esposa, Eleanor de Aquitânia. 5 COMPAGNON, Antoine. A literatura. In:. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: UFMG, 1999, p FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

13 CURIOSIDADE A temática explorada pelos trovadores abrangia histórias do imaginário celta, pagão, tais como as lendas do Rei Artur e as aventuras dos seus fiéis escudeiros, também conhecidos como cavaleiros da Távola Redonda. Muitas das lendas e personagens são oriundos da tradição oral celta como Mordred, Merlin, Guinevere, Tristão, Gawain, e Lear (posteriormente caracterizado como protagonista na tragédia de Shakespeare, Rei Lear). Esses personagens já haviam sido mencionados no relato do escritor inglês George de Monmouth, numa tentativa de escrever a história da Inglaterra. Tornadas populares, essas histórias inauguraram um novo modelo de narrativa, cuja ênfase foi deslocada dos feitos heróicos até então abordados, para novos ideais de sentimento e comportamento, denominado de amor cortês. O Amor Cortês O amor cortês ou fin amors marcou um período na idade média que destacou a mulher numa civilização predominantemente masculina. A época medieval se caracterizou pela instabilidade política causada pelas constantes lutas e guerras travadas entre os senhores de pequenos reinos semi-independentes e que deviam obediência a um rei que lhes era superior. Por outro lado, as Cruzadas exigiam a adesão desses pequenos senhores de terra que, como prova de fé, abandonavam suas propriedades e famílias para lutar a serviço do cristianismo em terras longínquas. Com o afastamento dos senhores, os pequenos feudos passaram a ser governados por suas esposas, alçando a mulher a um novo status, a de governante, senhora de terras. Ao mesmo tempo, a propagação do culto à Virgem Maria, promovida pela Igreja Católica, elevou a mulher a uma posição privilegiada, associada à imagem O Amor Cortês da Virgem Mãe. Anteriormente situada numa situação de submissão, a dama medieval adquiriu poderes de governante, liderando a corte que privilegiou uma nova forma artística. O período do fin amors se distinguiu pelo surgimento de uma nova forma literária, o trovadorismo; entretenimento palaciano que consistia na diversão da corte por trovadores, ou bardos, que, acompanhados por um instrumento musical, relatavam as aventuras de cavaleiros que compunham o acervo de histórias da tradição oral celta. Essas histórias se encontravam sob a forma de versos e entretinham as damas e suas cortes nos longos períodos em que os senhores estavam guerreando. Os trovadores enalteciam a figura feminina representada pela protagonista da história e cantavam o amor entre os sexos como um sentimento elevado. Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 13

14 PARA LEMBRAR Na idade média, o casamento se resumia a uma associação por interesses políticos e/ou pecuniários, em que os sentimentos afetivos não eram levados em consideração. O adultério, se não fora prática comum, também não era de todo extraordinário. É nesse contexto que florescem o amor cortês e os romances de cavalaria. Trovadores Os romances de cavalaria tinham como tema aventuras de cavaleiros que se dispunham a enfrentar toda a sorte de obstáculos a fim de conquistar o coração de uma dama, sem, contudo, se abster da preservação de valores éticos e morais e lealdade ao seu rei ou senhor. CURIOSIDADE Por se tratarem de histórias oriundas da tradição pagã, era costumeiro que o amor carnal fi z esse parte dos antigos enredos, entretanto, devido à influência do cristianismo, no período medieval o resquício de paganismo foi atenuado e deu lugar ao que convencionamos chamar de amor platônico, ou o amor que não se realiza fisicamente. O fato de as damas dos feudos serem cortejadas pelos trovadores também influiu para o apagamento do traço pagão do erotismo, uma vez que o amor cortês se tratava de um sentimento envolvendo pessoas de classes sociais distintas. As senhoras dos feudos eram casadas e encontravam-se em uma posição socialmente superior à dos amados, os poetas, que, colocando-se na condição de vassalos, contentavam-se como servos de sua dama, a serviço do amor, o amor impossível. Essas histórias, ainda transmitidas sob a forma de versos pelos trovadores ou ministreis foram, posteriormente, transcritas e se tornaram populares sob a forma de uma coletânea que se convencionou chamar de Histórias do Ciclo Arturiano por terem como protagonistas os cavaleiros do rei Arthur. Histórias como Excalibur ou A Busca do Santo Graal fazem parte desta coleção que conta ainda com personagens conhecidos como Lancelot, Sir Gawain, a Rainha Guenevere, o Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, entre outros. Esses relatos transformaram a noção de amor na literatura ocidental e tornaram-se matrizes para outras tantas lendas de amor impossível, como, por exemplo, Tristão e Isolda, fonte de inspiração para a ópera do mesmo nome composta por Richard Wagner à época do romantismo. 14 FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

15 CHAUCER E O DESENVOLVIMENTO DOS CONTOS The Canterbury Tales Chaucer É no período chamado de Middle English que vai despontar um dos maiores escritores da língua inglesa, Geoffrey Chaucer. Neste período, a Inglaterra encontrava-se ainda sob a influencia da língua francesa, ou melhor, o normando, francês padrão que predominou na Inglaterra durante aproximadamente os dois séculos de ocupação normanda. De fato, o francês tornou-se o idioma da corte e das classes abastadas da Inglaterra, enquanto que o latim se estabeleceu como a língua oficial para escritos documentais e religiosos, promovendo grandes mudanças lingüísticas no inglês moderno. Chaucer se destacou como um artesão da palavra, e aproveitou seus conhecimentos lingüísticos, especialmente o francês, além do italiano e do latim para enriquecer o léxico inglês através do acréscimo de novos vocábulos oriundos dos idiomas que tinha domínio. Sua contribuição estende-se ainda à inserção de uma perspectiva individual, a do contador de histórias, a partir da qual é possível depreender uma filosofia de vida, embutida nas narrativas. PARA LEMBRAR Em virtude da presença da perspectiva individual, dos contos reunidos em The Canterbury Tales depreendem-se não só imagens que representam a Alta Idade Média, mas, sobretudo, uma visão de mundo. As personagens, através das histórias que contam, revelam o modo de pensar e a cultura da época. A perspectiva individual, o forte traço histórico e a linguagem coloquial configuram The Canterbury Tales como uma literatura que se aproxima muito da literatura moderna. Contos de Cantuária, ou The Canterbury Tales (1386), é, possivelmente, a mais conhecida obra de Geoffrey Chaucer. Reunidos sob a forma de contos (não obstante a sua estrutura em versos, com cerca de linhas), esses relatos elaborados artisticamente preservam o tom da tradição oral. As narrativas revolvem em torno de um grupo de peregrinos que, agrupados em Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 15

16 uma estalagem chamada de Tabard Inn, se dirige à cidade de Cantuária, próxima ao santuário de S. Thomas Beckett. Os relatos apresentados pelas diversas categorias profissionais da época, tais como marinheiro, comerciante, abadessa, frade, entre outros, se constituem em uma crônica social cuja tônica é a ironia. Os Contos de Cantuária conservam o recurso das estórias de moldura, ou seja, todas as histórias encontram-se unidas pelo fato de serem contadas por um narrador para uma platéia, simulando uma situação semelhante à da tradição oral. Por este motivo, estas histórias em versos primorosos foram qualificadas como contos. Mother Goose Também portador da característica da oralidade, embora datado de um período posterior (XVII-XVIII), é o Livro da Mamãe Ganso, ou Mother Goose. Trata-se de um clássico da literatura infantil em países de língua inglesa, notadamente Inglaterra e Estados Unidos. O livro constitui-se em uma coletânea de histórias transcritas da oralidade, muitas das quais fazem parte do livro Histoire ou Contes du Temps Passé escritas na França por Charles Perrault no século XVII e que se tornaram populares até a época atual. O Livro da Mamãe Ganso inclui cantigas e quadrinhas infantis conhecidas como nursery rhymes. O Narrador Até então, os contos se atinham a narrativas de determinados fatos do cotidiano e a transmissão de valores ou de experiências vividas, ou ainda, das fábulas contidas nos denominados contos maravilhosos, de forma a se aproximar das narrativas da oralidade. Walter Benjamin, em O Narrador: Considerações sobre a obra de Nicolai Leskov 6, enfatiza a importância da troca de experiências nas narrativas de tradição oral, nas quais a palavra do narrador aglutinava e transmitia valores sociais e morais aos ouvintes. No tocante à transmissão de conhecimento, Benjamin identifica duas categorias de narradores, a saber, o marinheiro comerciante, configuração do narrador como alguém que vem de longe 7, detendo, portanto, um saber especial, e o camponês sedentário, que possui um saber adquirido ao longo do tempo, tendo, desse modo, um vasto conhecimento das histórias de seu povo. Ao narrar a experiência sua ou alheia a figura do narrador se confundia com o próprio discurso. A riqueza em sabedoria manifestada nessas narrativas foi se esboroando ao longo do tempo, em especial a partir da guerra mundial, quando o indivíduo passou a se distanciar de valores coletivos, e começou a buscar respostas particulares, isoladas. De um plano de saber coletivo, transmitido pelo contador de histórias tradicional, surgiu, então, a figura do narrador moderno, que perdeu a capacidade de transmitir um saber coletivo, redimensionando esse plano para uma perspectiva cada vez mais individual, a ponto de submergir em um psicologismo, característico em autores como Edgar Poe, considerado como inaugurador do conto moderno. Na pós-modernidade, conforme Silviano Santiago, em O narrador pós-moderno, surge uma outra categoria de narrador, que dá título ao seu texto. Na categoria 6 BENJAMIN, Walter. O Narrador:Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In Arte Política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Ed. Brasiliense, Op. cit., p FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

17 de narrador pós-moderno, o narrador é aquele que quer extrair a si da ação narrada, em atitude semelhante à de um repórter ou de um espectador 8. Esquivando-se da história narrada e confi g urando-se como um ficcionista puro, uma vez que trabalha no sentido de tornar verossímil uma história que não é sua, mas de outrem. Silviano Santiago ressalva, no entanto, que nenhuma escrita é inocente e, assim, na tentativa de distanciar-se da história narrada, não raro o narrador, ao fazer falar o outro, fala sobre si indiretamente. Saiba mais! Após estas breves considerações sobre o narrador tradicional, moderno e pós-moderno, é válido fazer algumas observações sobre o sentido da palavra conto e o sentido que este gênero textual assume. O conto, vocábulo advindo do verbo contar, tem suas raízes no latim, computare; entretanto, o seu significado não implica, para nós, em apenas relatar ou contar outra vez algo que já aconteceu. O conto é, sobretudo, um ato de criação, invenção; não tem compromisso com a veracidade já que é uma representação. Como forma narrativa, o conto tem como característica a condensação de tempo, espaço e conflito, bem como o número reduzido de personagens, e pode ser, segundo Cortázar, o relato de um acontecimento verdadeiro ou falso, ou ainda uma fábula que se conta às crianças. De fato, o conto é uma forma de narrativa que envolve um acontecimento de interesse humano: sobre nós, para nós, em relação a nós (GOTLIEB, p.11). Podemos afirmar que a construção dessas narrativas acontece de diversas maneiras, e que a sempre presente voz do contador de histórias não se perdeu quando da sua transposição da oralidade para a escrita, cuja voz passou a se apresentar no modo de contar a história e/ou nos detalhes da história, ou ainda, em ambos. Entretanto, não queremos dizer com isto que todo contador de histórias seja necessariamente um contista, mas que as elaborações de gestual e de voz, anteriormente utilizados pelo contador de histórias da tradição oral, foram substituídas, com o advento da escrita, para o objeto estético, o próprio texto. Os recursos criativos utilizados pelo autor resultam em um estilo próprio de narrar, de enunciar detalhes, bem como criam a figura do narrador que é, também, um artifício poderoso nos contos. CURIOSIDADE A mudança do conto ao longo dos séculos deveu-se principalmente à técnica com relação à maneira de narrar, embora a sua estrutura tenha sido mantida. No modelo tradicional, o conflito se desenvolve numa seqüência até o desfecho, enquanto que na narrativa moderna o modelo é fragmentado (GOTLIB,2004, p.29). Dentre os autores modernos que se destacaram pela utilização de recursos que simulam uma situação de oralidade, citamos o inglês, Rudyard Kipling, em The Elephant s Child. A tradição oral encontra-se manifesta no conto (vide site recomendado) através da escolha do tema - neste conto de Kipling, a temática diz respeito ao folclore da Índia - transmite uma moral, e a narrati- 8 SANTIAGO, Silviano. O narrador pós-moderno. In:. Nas malhas da letra. Rio de Janeiro: Rocco, 2002, p. 45. Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 17

18 va segue o modelo tradicional em que os acontecimentos ocorrem numa seqüência, com início (apresentação), meio (conflito) e fim (desfecho). Apesar da presente apreciação por autores e leitores de contos que seguem o modelo tradicional de narrativa, é notória a transformação desta forma literária, ao longo do tempo, de um relato fundamentalmente moralizante para uma narrativa elaborada, cujo enredo contempla o psicológico ou o fantástico. O CONTO MODERNO A Teoria do Conto A idade contemporânea problematiza o conto como gênero literário e divide os críticos entre aqueles que admitem e os que não admitem uma teoria do conto. Vários estudiosos têm se dedicado a definir, estabelecer regras, e esclarecer as múltiplas tendências dos contos. Citamos, a título de ilustração, algumas afirmativas de alguns autores a esse respeito 9 : - o escritor brasileiro Mário de Andrade dizia que sempre será conto aquilo que seu autor batizou com o nome de conto; - Machado de Assis expressou a dificuldade em se estabelecer a definição do conto quando, em 1873, disse: É gênero difícil, a despeito de sua aparente facilidade... e creio que essa mesma aparência lhe faz mal, afastando-se dele os escritores e não lhe dando, penso eu, o público toda a atenção de que ele é muitas vezes credor; - Julio Cortazar afirma que se não tivermos uma idéia viva do que é o conto, teremos perdido tempo, porque um conto, em última análise, se move nesse plano do homem onde a vida e a expressão escrita dessa vida travam uma batalha fraternal, se me for permitido o termo; e o resultado dessa batalha é o próprio conto, uma síntese viva ao mesmo tempo que uma vida sintetizada, algo assim como um tremor de água dentro de um cristal, uma fugacidade numa permanência. Só com imagens se pode transmitir essa alquimia secreta que explica a profunda ressonância que um grande conto tem em nós, e que explica também por que há tão poucos contos verdadeiramente grandes. O Decálogo do Perfeito Contista Em 1927, o autor uruguaio Horácio Quiroga escreveu o Decálogo do perfeito contista, numa tentativa de estabelecer normas, ou mandamentos, para a escrita do conto. São eles: I. Crê num mestre _ Poe, Maupassant, Kipling, Tchekov _ como na própria divindade. II. Crê que tua arte é um cume inacessível. Não sonhes dominá-la. Quando puderes fazê-lo, conseguirás sem que tu mesmo o saibas. III. Resiste quanto possível à imitação, mas imita se o impulso for muito forte. Mais do que qualquer 9 Apud GOTLIEB, Nádia B. Teoria do Conto. Série Princípios. São Paulo: Ática, p. 9 e FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

19 coisa, o desenvolvimento da personalidade é uma longa paciência. IV. Nutre uma fé cega não na tua capacidade para o triunfo, mas no ardor com que o desejas. Ama tua arte como amas tua amada, dando-lhe todo o coração. V. Não começa a escrever sem saber, desde a primeira palavra, aonde vais. Num conto bem-feito, as três primeiras linhas têm quase a mesma importância das três últimas. VI. Se queres expressar com exatidão essa circunstância _ Desde o rio soprava um vento frio _ não há na língua dos homens mais palavras do que estas para expressa-la. Uma vez senhor de tuas palavras, não te preocupes em avaliar se são consoantes ou dissonantes. VII. Não adjetives sem necessidade, pois serão inúteis as rendas coloridas que venhas pendurar num substantivo débil. Se dizes o que é preciso, o substantivo, sozinho, terá uma cor incomparável. Mas é preciso acha-lo. VIII. Toma teus personagens pela mão e leva-os fi rmemente até o fi nal, sem atentar senão para o caminho que traçaste. Não te distraias vendo o que eles não podem ver ou o que não lhes importa. Não abuses do leitor. Um conto é uma novela depurada de excessos. Considera isso uma verdade absoluta, ainda que não o seja. IX. Não escrevas sob o império da emoção. Deixa-a morrer, depois a revive. Se és capaz de revivê-la tal como a viveste, chegaste, na arte, à metade do caminho. X. Ao escrever, não penses em teus amigos, nem na impressão que tua história causará. Conta, como se teu relato não tivesse interesse senão para o pequeno mundo de teus personagens e como se tu fosses um deles, pois somente assim obtém-se a vida num conto. A maior parte dos ensaios que têm como objetivo a definição do conto se fundamentam na noção de brevidade desta forma narrativa. Todavia o conto parece resistir às restrições impostas pelas categorizações. O conto é uma narrativa fi ccional, de reduzidos limites em relação ao romance e à novela, umas vezes de teor anedótico (Maupassant), outras vezes de teor espectral (Poe), ora intimista e nutrido de silêncios (Tchekhov), ora de narração objetiva e perversa (Faulkner), e não raro de conteúdo impressionista à maneira de Proust, ou com a aura poemática de Katharine Mansfi eld. Pode ter meia página ou 30 mil palavras, como em Henry James. 10 A Questão da Brevidade A afirmação de Hélio Pólvora incide sobre a questão da brevidade que insiste em caracterizar os contos. Entretanto, é sabido que este não é o único critério para a classificação de uma narrativa literária com conto. Henry James ( ) escreveu contos longos, acima de vinte mil palavras e que ele próprio chamava de the beautiful and best nouvelle. Sabemos da existência de contos de 50 páginas como, por exemplo, As Neves de Kilimanjaro do autor americano Ernest Hemingway ou de apenas um parágrafo, como o da escritora indiana Suniti Namjoshi: Case History by Suniti Namjoshi 11 After the event Little R. traumatized. Wolf not slain. Forester is wolf. How else was he there exactly on time? Explains this to mother. Mother not happy. Thinks that the forester is extremely nice. Grandmother dead. 10 PÓLVORA, Hélio. Itinerários do Conto.Interfaces críticas e teóricas da moderna short story.ilhéus: Editus, p. 15, NAMJOSHI, Suniti( ). In Feminist Fables, Escritora indiana, é professora do Depto. De Inglês na Universidade de Toronto. Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 19

20 Wolf not dead. Wolf marries mother. R. not happy. R. is a kid. Mother thinks wolf is extremely nice. Please to see shrink. Shrink will make it clear that wolves on the whole are extremely nice. R. gets it straight. Okay to be wolf. Mama is a wolf. She is a wolf. Shrink is a wolf. Mama and shrink, and forester also, extremely uptight. 12 O autor chama a atenção para o fato de que mais importante que a extensão será o insight, aquele mergulho existencial. 13 A história acima é uma releitura, irônica, do tradicional conto Chapeuzinho Vermelho, em que a personagem principal, Chapeuzinho Vermelho, é, também, a narradora que questiona o comportamento da mãe. A narrativa é breve, fragmentada, cifrada, e deixa que o leitor manifeste um julgamento moral através do diálogo estabelecido entre o texto novo e a história tradicional, de conhecimento prévio do leitor. O Leitor Segundo Harold Bloom 14, os contos favorecem uma postura ativa do leitor, que é levado a trazer as respostas e explicações que o autor evita; they compel the reader to be active and to discern explanations that the writer avoids 15. Diferentemente dos romances, o leitor participa nos contos, inferindo sobre o que não está explicito, valendo-se, para tanto, das pistas oferecidas pelos escritores. A maior parte dos contistas evita um julgamento moral deixando que os leitores decidam sobre a sua relevância ou não. CURIOSIDADE Uma vez perguntaram ao escritor americano, Edgar Allan Poe como se ler um conto? e ele respondeu: em uma sentada... Poderíamos interpretar a resposta, como mais uma reiteração da obrigatoriedade da brevidade do conto. Entretanto, o que Poe se referia era a capacidade da obra literária em seqüestrar o leitor de forma a não querer parar de ler a história até o seu desfecho, em uma só sentada. A qualidade do conto está diretamente relacionada à sua capacidade de provocar no leitor um arrebatamento que não o faça abandonar a leitura até chegar ao seu final. Pressupõe-se, portanto, uma relação entre a tensão e a extensão do conto, uma vez que, o autor necessita não cansar o leitor com uma leitura longa e, ao mesmo tempo, mantê-lo interessado no texto. É, portanto, no efeito (singular) que o conto causa ao leitor que Poe vai estabelecer a diferença entre romance e conto, afirmando que no conto breve, o autor é capaz de realizar a plenitude de sua intenção, seja ela qual for. Durante a hora da leitura atenta, a alma do leitor está sob o controle do escritor. Não há nenhuma infl uência externa ou extrínseca que resulte de cansaço ou interrupção 16. De acordo com Poe, o conto é o resultado de um trabalho consciente do autor, e do seu controle sobre o material que pretende narrar, ten- 12 NAMJOSHI, Suniti. Case History - Three Feminist Fables. In Wayward Girls & Wicked Women.CARTER, Angela, editor. New York: Penguin Books, p PÓLVORA, Hélio.Op.cit. loc. cit. 14 BLOOM, Harold. How to read and why. New York: Touchstone, 2000.p SIMON, Sonia. Tradução livre. eles (os contos) compelem o leitor a se tornar ativo e buscar explicações evitadas pelos escritores. BLOOM, Harold. Op.cit. Loc. cit. 16 POE, Edgar A. Apud GOTLIEB, Nádia B. Op. Cit. p FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

21 do sido concebido desde o início com o intuito de causar um efeito singular. Segundo Nádia Gotlib, trata-se de conseguir, com o mínimo de meios, o máximo de efeitos 17. Edgar Allan Poe Edgar Allan Poe ( ) é considerado um mestre desta forma narrativa e escreveu contos portadores de um forte conteúdo simbólico. Sua obra influenciou escritores do século XX, na Europa e nos Estados Unidos, que iniciaram o movimento conhecido como modernismo. Os contos de Poe possibilitam uma investigação psicológica dos seus personagens. A psicologia e o simbolismo são traços que renderam a Poe o título de pai do conto moderno. Seus contos narram histórias de horror, morte, vingança, ruína, em cenários variados; as histórias dizem respeito a conflitos psicológicos e os seus personagens geralmente se encontram em estágios mentais limítrofes da loucura. Saiba mais! Edgar Allan Poe é considerado o pioneiro das histórias de detetive e de terror, seus contos remetem o leitor a uma atmosfera de terror e medo e tornaram-se referências neste tipo literatura. Tomemos como exemplo o início do conto The Black Cat datado de 1843, em que o narrador diz: The black cat FOR the most wild, yet most homely narrative which I am about to pen, I neither expect nor solicit belief. Mad indeed would I be to expect it, in a case where my very senses reject their own evidence. Yet, mad am I not --and very surely do I not dream. But to-morrow I die, and to-day I would unburthen my soul. ( ) In their consequences, these events have terrifi ed --have tortured --have destroyed me. Yet I will not attempt to expound them. To me, they have presented little but Horror --to many they will seem less terrible than baroques. Desde o primeiro parágrafo, o leitor é introduzido em uma atmosfera de morte: to-morrow I die... e loucura: Mad indeed would I be to expect it Os temas de morte e loucura, recorrentes nos contos e poemas de Edgar Allan Poe, fi z eram parte também de sua vida pessoal, marcada por perdas familiares e abuso de substâncias tóxicas como o álcool e que resultaram no seu trágico desaparecimento precoce. 17 GOTLIB, Nádia Batella. Teoria do Conto. Série Princípios. São Paulo: Ática, 2004, p. 35 Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 21

22 PARA REFLETIR A presença deste traço biográfico na obra de Poe reverbera para a discussão sempre presente nos estudos literários sobre a pertinência de estudar a biografia do autor para entender a sua obra. De um lado temos o historicismo, que realiza um estudo do pano de fundo da obra (contexto histórico e biografia do autor), de outro lado, temos os estudos de base estruturalista, que defendem uma outra leitura, privilegiando a análise do texto em sua imanência, ou seja, em sua estrutura, desconsiderando qualquer coisa que não seja a linguagem. Antoine Compagnon postula a conjugação destas duas vertentes, pois, conforme este demônio da teoria, ainda uma vez, trata-se de sair desta falsa alternativa: o texto ou o autor. Por conseguinte, nenhum método exclusivo é sufi ciente 18. Poe foi o pioneiro na escrita de histórias de crime em que o detetive utiliza o raciocínio para a elucidação dos assassinatos, diferentemente das histórias tradicionais em que os investigadores se limitam a seguir as pistas deixadas pelos criminosos sem, contudo, se deter, por exemplo, na análise dos dados e do estudo da patologia do criminoso. Este procedimento cria um envolvimento lúdico com o leitor que participa na decifração de códigos que levarão à descoberta do autor do crime. Em Os assassinatos da Rua Morgue, conto inaugural deste gênero narrativo, o personagem principal é um detetive, Monsieur Dupin, cuja perspicácia na investigação dos crimes o consagrou na tradição posteriormente seguida por outros escritores de língua inglesa como, Arthur Conan Doyle, criador de Sherlock Holmes, e Agatha Christie, criadora do Monsieur Poirot e Miss Marple. Edgar A. Poe dividiu seus contos em duas categorias: Arabesque e Grotesque. Denominou Arabesque a narrativa predominantemente em prosa, em que o estado psicológico dos personagens encontra-se no limite da sanidade, ou em situação física e/ou mental de agonia a ponto de estarem sempre prontas a se entregarem à morte de forma prazerosa. A categoria descrita como Grotesque se refere à prosa que remete a um poema. A morte está sempre presente na obra de Poe e as heroínas de seus contos e poesias são mulheres que já faleceram ou que encontram a morte durante a narrativa. Poe também se destacou como poeta e ensaísta; o seu poema The Raven (O Corvo) e o ensaio The Philosophy of Composition são obras referenciais em suas respectivas áreas. Em The Philosophy of Composition, Poe retoma algumas observações sobre o conto e defende o seu ponto de vista acerca da totalidade de efeito ou unidade de impressão que se consegue ao ler o texto de uma só vez COMPAGNON, Antoine. O Autor. In:. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: UFMG, 1999, p GOTLIB, N. Op. Cit. p. 35. The Raven 22 FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

23 Saiba mais! Para Poe, o processo de criação literária é consciente e intencional. Ele trabalha com o intuito de causar um efeito no leitor, e todas as suas escolhas são feitas com o objetivo de conseguir esse efeito. Nesse sentido ele não compartilha da crença na inspiração, mas defende que o escritor parte de uma proposta de construção de um conto, baseado em um acontecimento que cause este efeito, predeterminado e singular, sobre o leitor. Cortazar resume o conceito de conto em Poe dizendo que um conto é uma verdadeira máquina literária de criar interesse e amplia esta noção identificando o acontecimento como fundamental para despertar e manter o interesse do leitor. Flâmeur As contribuições de Poe estendem-se, ainda, à configuração do fl âneur, que influenciou autores como Baudelaire. Segundo Walter Benjamin, o fl âneur é o sujeito que se entrega à multidão dos grandes centros urbanos, contemplando a transitoriedade da vida na cidade. Um conto exemplar que traz a figura do fl âneur e ilustra este elogio às multidões é O homem da multidão. Este conto traz a história de uma personagem, o narrador, que, encontrando-se no Café D., observa a multidão. Atendo-se, inicialmente à visão da grande massa indistinta que caracteriza o cenário observado, o narrador, progressivamente, é levado a particularizar os grupos de transeuntes que passam em sua frente. Cada grupo, contudo, não escapa à massificação imposta pelos grandes centros e logo a personagem passa a qualificar os transeuntes em tipos, quais sejam, the tribe of clerks ( a casta dos empregados ), the upper clerks of staunch fi r ms ( a dos empregados de maior categoria de antigas firmas sólidas ), the race of swell pick-pockets ( a raça dos batedores de carteiras fantasiados de peraltas ), entre outros. As pessoas eram, assim, qualificadas conforme o seu tipo, como ilustra o trecho abaixo sobre a caracterização dos jogadores (gamblers): The gamblers, of whom I described not a few, were still more easily recognizable. They wore every variety of dress, from that of the desperate thimble-rig bully, with velvet waistcoat, fancy neckerchief, gilt chains, and fi ligreed buttons, to that of the scrupulously inornate clergyman than which nothing could be less liable to suspicion. Still all were distinguished by a certain sodden swarthiness of complexion, a fi lmy dimness of eye, and pallor and compression of lip. There were two other traits, moreover, by which I could always detect them; -- a guarded lowness Organização e Gestão das Instituições do Ensino Fundamental 23

24 of tone in conversation, and a more than ordinary extension of the thumb in a direction at right angles with the fi ngers. -- Very often, in company with these sharpers, I observed an order of men somewhat different in habits, but still birds of a kindred feather. They may be defi ned as the gentlemen who live by their wits. They seem to prey upon the public in two battalions -- that of the dandies and that of the military men. Of the fi rst grade the leading features are long locks and smiles; of the second frogged coats and frowns 20. Divertindo-se ao reconhecer cada tipo que por ele transita, repentinamente, o seu olhar passa para um plano mais individual. É o momento em que narrador se depara com um sujeito que escapa a qualquer classificação. Este homem é um decrepit old man, some sixty-fi ve or seventy years of age ( um velho decrépito, de uns sessenta e cinco ou setenta anos de idade 21 ). Em meio àquela multidão, a aparência estranha daquele homem lhe chama a atenção a ponto de sair em meio a multidão perseguindo-o. Nesta trajetória, tem a impressão de estar acompanhando em vão aquele velho que, concluindo ser o tipo e o gênio do crime profundo, desiste de persegui-lo, pois como já traduzira um certo livro alemão, citado no começo da história, talvez ele seja um caso que não deve ser lido. Para refletir É interessante ponderarmos que apesar de haver uma ênfase sobre o caráter fantástico das Histórias extraordinárias de Poe, elas não deixam de registrar marcas do contexto histórico e social no qual o escritor viveu. A configuração de um cenário tal como o descrito no conto, a caracterização das personagens e a apresentação de tipos sociais da cidade moderna oferecem uma visão em nada superficial do que seria a sociedade da época. Além de Poe, a literatura anglófona conta com uma gama de escritores que se destacaram na escolha do conto como forma literária: Henry James, James Joyce, D.H. Lawrence, Ernest Hemingway, Eudora Welty, Flannery O Connor, Virginia Woolf, Katherine Mansfield, William Faulkner, Scott Fitzgerald, e muitos outros. Enquanto Poe considerava fundamental o efeito causado pelo conto, outros estudiosos o definem como a representação de um momento especial ou de crise. Discute-se, porém, se o momento especial seria o da leitura, o do acontecimento, ou ainda aquele vivido pelo narrador. Ainda há críticos que consideram que o conto representa justamente a falta de crise. De acordo com Gotlib, o importante é que o conto representa, de forma especial, algo que faz parte da vida. James Joyce & Epifania Dentre os autores que se distinguiram por retratarem momentos especiais James Joyce ocupa um lugar de destaque pela sua concepção de epifania. 20 POE, Edgar Allan. The man of the crowd. Disponível: modeng&data=/texts/english/modeng/parsed&tag=public&part=1&division=div1. Acesso: 31 jan POE, Edgar Allan. O homem da multidão. In:. Ficção completa, poesia e ensaios. Tradução de Oscar Mendes. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1986, p FTC EaD CURSO NORMAL SUPERIOR

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS)

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) Coordenação: Luciane Possebom 26 de março de 2014. Segundo Câmara Cascudo, pode-se

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores

PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores EMENTA Apresentação e discussão do processo de avaliação e seleção de obras de literatura

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental História da Música Ocidental A Música na Idade Média e no Renascimento Música medieval é o nome dado à música típica do período da Idade Média. Essas práticas musicais aconteceram há quase 1500 anos atrás.

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização 274 Apêndice 5 A Igreja de Jesus: Organização A maneira exata como a igreja se organiza é de pouco interesse para muitos. No entanto, organização é um assunto de importância vital. A organização da igreja

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este caderno contém seis questões, abrangendo um total de nove

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade Sugestões de atividades As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade 9 CIÊNCIAS 1 Ciências Naturais 1. Por que a Física é considerada uma ciência básica? 2. O que a Biologia estuda? 3. O que

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Ação dos Espíritos na Natureza

Ação dos Espíritos na Natureza Ação dos Espíritos na Natureza Roteiro 27 FEDERAÇÃO EPÍRITA BRAILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Relacionar as principais tradições culturais

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

célia collet mariana paladino kelly russo

célia collet mariana paladino kelly russo Apresentação Este livro é produto de uma inquietação resultante de nossas pesquisas e de práticas docentes e de extensão universitária, ao apreender o modo como as culturas e as histórias indígenas são

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven.

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven. O JARDIM SECRETO Introdução ao tema Mais que um simples romance sobre a descoberta de um lugar proibido, O jardim secreto revela o fascínio dos primeiros contatos com a natureza e a importância que ela

Leia mais

Educação de Filhos de 0 a 5 anos. Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013

Educação de Filhos de 0 a 5 anos. Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013 Educação de Filhos de 0 a 5 anos Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013 Bom dia! Aula 4 Nosso Objetivos Educando Filhos segundo a Vontade de Deus Desenvolvimento da criança Influências

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky A vida em grupo é uma exigência da natureza humana É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky No processo de socialização a criança aprende as regras básicas, os valores e

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 1 Nome: Data: Unidade 1 Recomendação ao aluno: Utilizar lápis de cor. 1. A fixação dos germânicos nas terras do Império Romano ocorreu em duas fases. Ligue

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

E Deus viu que tudo era bom

E Deus viu que tudo era bom E Deus viu que tudo era bom Nunca pensei que fosse assim O Livro do Gênesis é o livro mais fascinante da Bíblia e o mais complicado. Foi escrito milhares de anos depois dos fatos que ele narra. Foram vários

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Caro Monitor, Esta oficina tem como objetivo geral favorecer o primeiro contato do aluno da EJA Ensino Fundamental com o tipo textual que será

Leia mais

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS.

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais