PLANO DE ACÇÃO. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu GOVERNO DA REPUBLICA PORTUGUESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE ACÇÃO. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu GOVERNO DA REPUBLICA PORTUGUESA"

Transcrição

1 PLANO DE ACÇÃO 2004 UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu GOVERNO DA REPUBLICA PORTUGUESA Co-financiado pelo Fundo Social Europeu e Estado Português Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social

2 I Enquadramento O Plano de Acção da Rede Social do Concelho de Borba para o ano 2004 decorre, de um lado, do trabalho realizado num percurso que teve início em 2001 e da avaliação que dele é feita e, por outro, das responsabilidades assumidas por um conjunto alargado de protagonistas (representantes das diversas entidades/parceiros sociais) que, em torno de um Quadro de Acção instituído, interpretaram e deram corpo às grandes linhas de orientação consagradas nas estratégias coordenadas. Um percurso feito de desafios, durante o qual se concretizaram objectivos ambiciosos que permitiram no decorrer de cerca de dois anos aumentar as oportunidades para o reforço da eficácia no combate à pobreza e à exclusão social. Por este facto, o Plano de Acção que agora se apresenta para o próximo ano procura responder a um conjunto de desafios apontados no balanço do período correspondente a 2001/2003 apresentado no Plano de Desenvolvimento Social e, que fazendo jus aos compromissos assumidos no CLAS, desde a sua institucionalização, perspectiva uma intervenção a um nível mais elevado e exigente. As intervenções cujas exigências de selectividade serão cada vez maiores visando a sua sustentabilidade devem continuar a ter como principais preocupações o fomento do desenvolvimento local, assente no pressuposto do combate à pobreza e exclusão. Neste plano de acção a dimensão local assumirá especial relevo. É a partir desta dinâmica que se colocam os novos desafios e se irão arquitectar as propostas de medidas previstas no âmbito dos quatro eixos de intervenção do Plano de Desenvolvimento Social. 2

3 II Vertentes de Actuação 1.Educação A diminuição da taxa de abandono escolar tem sido uma preocupação presente desde o início da Rede Social. Assim e praticamente ultrapassada a fase de diagnóstico de necessidades, o CLAS tem agora como tarefa uma sensibilização que passa pela sensibilização dos agregados familiares para os impactos sócioprovenientes do abandono escolar, tal como incentivar o público-alvo a frequentar o Ensino Recorrente. É por este facto que a diminuição da taxa de abandono escolar será considerada um dos Eixos de Intervenção Prioritários. Constituem-se como acções a desenvolver: Organização de seminários/acções de sensibilização junto do público-alvo; Organização de encontros de reflexão Ajustamento de currículos alternativos para o público escolar evidenciado; Criação de turmas de alfabetização de adultos; Pretende-se também diminuir a taxa de analfabetismo no concelho de Borba: sendo que, foi outra das áreas prioritárias de actuação evidenciadas. Consideremos como acções a desenvolver: Aumentar/alargar as respostas de incentivo pedagógico Criar condições necessárias para aumentar os níveis de qualificação escolar Exemplos de actividades a desenvolver basear-se-ão na criação de salas de estudo acompanhado, entre outras. Aumentar as respostas de apoio à primeira infância, nomeadamente na freguesia de Rio de Moinhos (que conta com um total de 97 crianças com idades compreendidas entre os 0 e os 4 anos). 3

4 Criar condições para que as crianças que frequentam o 1º ciclo (freguesia de Orada) recebam refeições. 2.Emprego/Desemprego O desemprego no concelho de Borba caracteriza-se essencialmente por: 1. Predominância das faixas etárias entre os 25 e os 49 anos; 2. Desemprego feminino; 3. Baixas habilitações escolares; 4. Desemprego sazonal; As entidades empregadoras dominantes incidem na extracção e transformação de rochas ornamentais e no trabalho do campo (essencialmente nas mulheres). O combate da taxa de desemprego do concelho de Borba e a promoção do emprego são as duas finalidades que pretendemos atingir. O aumento da taxa de desemprego em geral, a precariedade do emprego feminino, tal como a sua sazonalidade, leva a que consideremos esta vertente como outro Eixo Prioritário de Intervenção. Constituem-se como acções a desenvolver: Palestras e respectiva divulgação de apoios existentes à criação do próprio emprego (Equal, FAME, entre outros); Formação profissional para activos; Acções de sensibilização junto de entidades empregadoras; Medidas para combater o emprego ilegal; Medidas para combater o desemprego nas faixas etárias jovens; 4

5 3.Saúde O concelho de Borba caracteriza-se por um acentuado envelhecimento populacional (cerca de 25% da população residente tem mais de 65 anos). Esta população idosa tem necessidades de saúde muito específicas, com vigilâncias e controle da sua situação mais assíduos. A estrutura etária da população, tal como os seus padrões culturais permitem-nos identificar a Saúde como o terceiro Eixo Prioritário de Intervenção. Constituem-se como acções a desenvolver: Criação de um novo Centro de Saúde (O actual Centro de Saúde de Borba apresenta inúmeras lacunas, em relação ao espaço físico, e não só); Remodelação das unidades de saúde das freguesias rurais do concelho (que também se encontram deficitárias relativamente ao espaço físico); Desenvolvimento de acções de sensibilização junto dos públicos mais assíduos ao Centro de saúde. No fundo o que se pretende é Educar para a cidadania; Fomentar actividades de prevenção no âmbito da toxicodependência, alcoolismo, gravidez precoce, entre outras; Desenvolver acções de sensibilização no âmbito de certas doenças tais como a Diabetes, doenças cardiovasculares, entre outras; Criação de espaços alternativos de ocupação dos idosos de forma a desbloquear as idas contínuas ao Centro de Saúde; Dinamização de actividades para ocupação das pessoas (passeios pedestres, convívios, excursões, festas e romarias) 5

6 4.Acção Social Considerando a Acção Social como um sistema que dinamiza, promove e concretiza um conjunto de acções para favorecer a inserção social e melhorar a qualidade de vida dos indivíduos, famílias e grupos, de forma autónoma ou no âmbito de parcerias entre instituições públicas e privadas que contribuem para a construção de uma sociedade mais coesa e solidária aponta-se: A acção social como vasta e abrangente que é exige um nível de complexidade de avaliação elevado. Desta forma, constituem-se como acções a desenvolver: Crianças e jovens: Criar estruturas de apoio à infância; Desenvolver actividades lúdico-educativas; Comemoração de datas simbólicas, permitindo a envolvência e o convívio de diferentes faixas etárias; Idosos: Criação de espaços de convívio para ocupação dos idosos; Criação de Centros de Noite; Comemoração de datas simbólicas, permitindo a envolvência e o convívio de diferentes faixas etárias; Populações em situação de desvantagem social: Integração de indivíduos de etnia cigana/habitação social; Criação de resposta a indivíduos portadores de deficiência; Criação de respostas de apoio a toxicodependentes: criação de uma comunidade terapêutica; 6

7 Dupla funcionalidade através da integração de desempregados por via de equipamentos ou serviços a construir; 7

8 Acompanhamento e Avaliação das Medidas O acompanhamento das diversas medidas do Plano de Acção deverá ser uma preocupação permanente por parte do Núcleo Executivo da Rede Social, permitindo que mais eficazmente sejam colmatadas lacunas e garantindo a qualidade técnica das intervenções e a coerência das respostas. Neste intuito, manifesta-se extrema importância em realizar sínteses de execução física e financeira. A avaliação (anual) deve ser feita através de levantamentos que permitam medir o impacto dos projectos no terreno. Assim, são acções a desenvolver nesta vertente: 1. Ao nível do acompanhamento A elaboração de relatórios trimestrais de execução física e financeira das várias medidas que integram o Plano de Desenvolvimento Social; A elaboração de um relatório anual detalhado das medidas que integram o Plano de Desenvolvimento Social; O desenvolvimento de uma articulação estreita entre os parceiros locais para levantamento das necessidades e dos recursos do concelho; A promoção de visitas a entidades promotoras de projectos no âmbito do Desenvolvimento Social; A identificação de potencialidades e a análise das dificuldades/obstáculos que se colocam na execução das medidas; 8

9 2. Ao nível da avaliação A definição de termos de referência para avaliação das medidas e o estudo de novos métodos de aferição, designadamente de natureza qualitativa; A elaboração de um balanço circunstanciado na Rede no período 2003/2006 9

10 Reforço da articulação da parceria No contexto de consolidação das medidas do Plano de Desenvolvimento Social, a questão da articulação das parcerias ganhará uma importância crescente pelo facto de apelar a um maior envolvimento e participação das instituições com representação no CLAS, através da definição de prioridades e do desenvolvimento de acções comuns para a promoção da equidade nos grupos sociais com maiores dificuldades de inserção social. O reforço da articulação da parceria passa também por um maior protagonismo/envolvimento dos interlocutores locais na dinamização do PDS, no levantamento de necessidades e recursos e na procura de soluções mais próximas da realidade local. A participação activa dos parceiros é também um dos vectores a privilegiar nos próximos anos, de forma a potenciar e conjugar sinergias para o desenvolvimento sócio-local. Constituem-se como acções a desenvolver: A dinamização do desenvolvimento sócio-local através do apoio a iniciativas, já existentes ou a surgir, fomentando o espírito associativo e cooperativo das comunidades locais, proporcionando-lhes o necessário apoio técnico; O reforço da participação das parcerias locais ao nível da freguesia; 10

11 CRONOGRAMA DAS ACÇÕES A DESENVOLVER Educação/Ensino Básico Actividades Calendário Recursos Recursos Custos Entidade Pessoa Observaçõ 1ºtri 2ºtri 3ºtri 4ºtri humanos materiais responsável responsável es Comemoração datas simbólicas: Helena Caldeira Vide anexos Curso alfabetização adultos 1 Professor; 1 auxiliar 1 Sala; equipamentos?? C.M.B. e Coord. Conc. Ensino Helena Caupers Apoio da DREA escolares Recorrente Seminário com pais A importância da escolaridade obrigatória 1 Professor; 1 eleito; 2/3 crianças 1 Sala X Agrupamento escolas concelho Borba e CMB Helena caldeira e José Palmeiro Actividades Lúdicoeducativas em todo o concelho 1 Professor, 1 animador sóciocultural Material de desgaste; 1 sala, prémios X Agrupamento escolas concelho Borba 1 Professor nomeado Fechar escola Aldeia Sande Câmara Municipal de Borba Comunicar situação à DREA Disponibilizar 1 sala para alargamento do préescolar Rio Moinhos 1 Educador infância, 1 auxiliar acção 1 Sala devidamente apetrechada Câmara Municipal de Borba Presidente Câmara Municipal Borba educativa 1 sala de estudo acompanhado para o 2º ciclo 1 Professor 1 Sala com 1 ou 2 Câmara Municipal de Borba Humberto Ratado (Vereador) 11

12 1 Sala de estudo acompanhado para o 3º ciclo Servir refeições na escola de Orada Sessões orientação escolar e profissional computadores, material de desgaste 1 Sala com 1 Câmara Municipal ou 2 de Borba computadores e material de desgaste 1 Cozinheira 1 Cozinha Câmara Municipal equipada de Borba e Junta Freguesia Rio Moinhos 1 Psicólogo 1 Sala Agrupamento Escolas Concelho Borba Humberto Ratado (Vereador) José Dias (Presidente Junta Freguesia de Orada) José Palmeiro 12

13 Actividades a desenvolver ao longo do ano Actividades Público-alvo Responsáveis Calendário Vamos aprender a estudar aprendizagem Comunidade educativa 1 Professor e 1 psicólogo 1º e 2º período do ano lectivo de métodos e técnicas de estudo Visita de estudo: escolas Alunos do 6º ano (2º ciclo) e Professores 3º período de formação profissional alunos do 9º ano. Concurso Sabichão à Alunos do 1º, 2º e 3º ciclo. Professores de língua portuguesa 2º período vista Desenvolvimento de Alunos do 3º ciclo Professores de língua portuguesa 1º período competências de informação: Como utilizar materiais de consulta? (saber consultar um prontuário, uma gramática, uma enciclopédia, um dicionário, um CD-ROM; saber tirar apontamentos, fazer um resumo, fazer referências bibliográfica, ) Elaboração de dossiers temáticos (recortes) Comunidade educativa Directores de turma Ao longo do ano lectivo 13

14 Educação/Ensino Recorrente Actividades Público-alvo Responsáveis Calendário Semana da matemática Alunos Ensino Recorrente Professor do ensino recorrente 1º Período Semana da Língua Portuguesa Alunos Ensino Recorrente Professor do ensino recorrente 2º Período Seminário Educação para os Alunos Ensino Recorrente Professor do ensino recorrente 1º Período Valores Concurso Vamos Escrever Alunos Ensino Recorrente Professor do ensino recorrente 1º Período Festa de fim de ano Alunos Ensino Recorrente Professor do ensino recorrente 3º Período O escritor do mês Alunos Ensino Recorrente Professor do ensino recorrente Todos os meses do ano lectivo 14

15 Cronograma das Acções a Desenvolver Emprego Actividades Calendário Recursos Recursos Custos Entidade Pessoa Observaçõ 1ºtri 2ºtri 3ºtri 4ºtri humanos materiais responsável responsável es Preparação de projectos Efectuar um diagnóstico aprofundado de forma a conhecer as características dos desempregados do concelho Levantamento das entidades empregadoras do concelho (está em curso) 15

16 Cronograma das Acções a Desenvolver Saúde Actividades Calendário Recursos Recursos Custos Entidade 1ºtri 2ºtri 3ºtri 4ºtri humanos materiais responsável Comemoração datas Consoante as Consoante as Consoante Centro Saúde simbólicas* comemorações a comemorações as Borba e Câmara efectuar a efectuar comemoraçõ Municipal Borba es a efectuar Acção sensibilização: 1 Médico, 1 1 Sala e XX Centro Saúde Estilos de Vida enfermeiro equipamentos Borba e Câmara Saudáveis audiovisuais, Municipal de Borba cadeiras Percursos pedestres 1 Enfermeiro, 1 Viatura de XX Associação monitor apoio Desenvolvimento Montes Claros/CEIA e Centro de Saúde Seminário Prevenção da 1 Médico, 1 1 Sala e XX Agrupamento toxicodependência, professor equipamentos Escolas Concelho alcoolismo, gravidez precoce audiovisuais Borba Sala de convívio para 1 Funcionário 1 Sala de Lazer Juntas de idosos (Borba, Rio de Freguesia do Moinhos e Orada) Concelho e Câmara Municipal Pessoa responsável Enfermeira Vanda Enfermeira Vanda e Helena Caldeira Representante do CEIA e Enfermeira Vanda 1 Representante da escola 1 Representante da Câmara Municipal de Borba Observaçõ es 16

17 de Borba Acção sensibilização sobre doenças infectocontagiosas 1 Médico/enfermeiro 1 sala e meios audiovisuais (exo Celeiro xx Centro de Saúde de Borba Enfermeira Vanda Cultura) Acção sensibilização para a prática da actividade física (aos munícipes) 1 Técnico de desporto 1 Sala e meios audiovisuais (exo Celeiro Cultura) Xx Acção sensibilização para a prática da actividade física ( às escolas) 1 Técnico de desporto 1 Sala e meios áudio visuais (exo Celeiro Cultura) Agrupamento Escolas Concelho Borba e CMB Técnico Desporto CMB Incremento de uma rede para a promoção da actividade física com outros sectores 1 Técnico desporto, um profissional de Saúde xx xx Câmara Municipal Borba Técnico de Desporto CMB Arranjo do espaço físico das unidades de saúde Pedreiros, canalizadores, Centro Saúde Borba e Gabinete electricistas Técnico da CMB Supressão de barreiras Preparação de projecto arquitectónicas Actividades no âmbito da Plano de actividades da Agenda 21 Borba Agenda 21 (esgotos a céu Naturalmente aberto, doenças contagiosas, ) 17

18 Comemoração de Datas Simbólicas Actividades Público-alvo Responsáveis Calendário Dia Mundial Não Tabagismo Comunidade em geral Câmara Municipal de Borba Dia 31 Março (actividades ao ar livre e distribuição de panfletos informativos sobre os malefícios do tabaco) (Acção Social e G.I.R.P.) Dia Mundial de Saúde percursos Crianças e Idosos Câmara Municipal Borba e CEIA Dia 7 de Abril pedestres/passeios Dia Mundial sem Fumo/Não Comunidade em geral Câmara Municipal de Borba Dia 31 Maio Tabagismo (actividades ao ar livre e distribuição de panfletos informativos sobre os malefícios do tabaco) Dia Internacional contra uso de drogas e tráfico ilícito (distribuição Comunidade em geral Câmara Municipal de Borba e Centro de Saúde de Borba Dia 31 de Maio de panfletos; organização de colóquio) Dia Mundial da Alimentação Comunidade em geral Câmara Municipal de Borba, Dia 16 de Outubro organização de colóquios sobre Juntas de Freguesia e Centro de alimentação saudável Saúde de Borba 18

19 Actividades Público-alvo Responsáveis Calendário Dia Mundial Não Fumador (actividades ao ar livre e distribuição de panfletos informativos sobre os malefícios do tabaco) Comunidade em geral Câmara Municipal de Borba (Acção Social e G.I.R.P.) Dia 17 de Novembro * Março: Dia Mundial da Tuberculose (24 Dia Mundial do Não Tabagismo (31) Abril: Dia Mundial da Saúde (7) Maio: Dia Mundial sem Fumo/Não Tabagismo (31) Outubro: Dia Mundial da Alimentação (16) Novembro Dia Mundial do Não Fumador (17) 19

20 Cronograma das Acções a Desenvolver Acção Social Actividades Calendário Recursos Recursos Custos Entidade Pessoa Observaçõ 1ºtri 2ºtri 3ºtri 4ºtri humanos materiais responsável responsável es Criação de Educador de 1 Sala S.C.M.B. creche/jardim-de- infância, auxiliar devidamente (intervenção da infância em Rio de acção educativa equipada para CMB, Junta Moinhos (S.Tiago) o efeito Freguesia Rio vide justificação através nº crianças (97) Moinhos e Centro Emprego Estremoz) Criação de A.T.L. S.C.M.B. Nora (intervenção Junta Freguesia Rio Moinhos e Centro Emprego Estremoz) Centro Convívio Rio 1 Auxiliar 1 Sala Moinhos (S.Tiago) apetrechada para o efeito (jogos, televisão, 20

21 aquecedor, ) Centro de Noite Rio Moinhos (S.Tiago) Centro Noite Orada Museu Orada Preparar candidatura Criação Comunidade Terapêutica para Viável ou não Responsabilidade da Associação Responsabilida de da Responsabili dade da Responsabilidade da Associação Responsabilidade da Associação A confirmar ou não Toxicodependentes Erguer Associação Associação Erguer Erguer Erguer Erguer Diagnóstico de necessidades (deficiência) Implementação do 1 Técnico Superior - - Câmara Municipal Plano Municipal de de Ciências Sociais de Borba Prevenção das e Humanas Toxicodependências Comemoração datas simbólicas* 21

22 *Comemoração datas simbólicas Actividades Público-alvo Responsáveis Calendário Dia Internacional Mulher Mulheres do concelho de Borba Câmara Municipal de Borba e 8 de Março (actividades de lazer com as mulheres do concelho) Juntas de Freguesia do Concelho de Borba) Dia do Trabalhador Comunidade em geral Câmara Municipal de Borba e 1 de Maio espectáculo de rua Juntas de Freguesia do Concelho de Borba) Dia Internacional das Famílias - Câmara Municipal de Borba e 15 de Maio colóquio sobre o Papel das Famílias nos Dias de Hoje Santa Casa da Misericórdia de Borba Dia da Criança - actividades já Crianças do concelho de Borba Câmara Municipal de Borba e 1 de Junho desenvolvidas Juntas de Freguesia do Concelho de Borba) Dia Internacional das Crianças Crianças do concelho de Borba Câmara Municipal de Borba e 4 de Junho Inocentes Vítimas de Agressão Santa Casa da Misericórdia de Borba Dia dos Avós Idosos do Concelho de Borba Câmara Municipal de Borba e 26 de Junho Santa Casa da Misericórdia de Borba Dia Internacional da Juventude 12 de Agosto Dia Internacional do Idoso Idosos do Concelho de Borba Câmara Municipal de Borba e Santa Casa da Misericórdia de Borba 1 de Outubro 22

23 Advertências O Plano de Acção até agora evidenciado será aplicado no ano 2004, sendo que, alguns dos projectos assumidos no Plano de Desenvolvimento Social 2003/2006 não se enquadram no Plano de Acção. Para fundamentar determinados projectos deveremos efectuar uma pesquisa mais aprofundada. A título de exemplo temos a problemática da deficiência. Será fundamental elaborar um diagnóstico de necessidades na área da deficiência. A questão dos ciganos do Bairro das Mós será outra problemática a ter em conta; no próximo ano deveremos avançar com propostas, ainda não definidas, para realojar esta comunidade. Sugerimos ainda que os documentos elaborados sejam colocados para discussão pública. Esta será uma forma de colmatar um dos erros fulcrais da Rede que passa pela inactividade da comunidade em geral. 23

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto Eventos Eixo I Emprego, Formação e Qualificação Acção: Bom Porto - Gabinete de Empregabilidade e Empreendedorismo: Uma das acções do projecto consiste na criação de um Gabinete de atendimento na área da

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família I. Apresentação do Projecto - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Falar em sucesso educativo implica olhar o processo educativo segundo uma abordagem sistémica, em que o aluno, a escola, a família e

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança Parte 6.6.1 Caracterização da população toxicodependente no concelho de Bragança (Dados

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Instrumento de avaliação A. Projecto da escola A.1. Apresentação do Projecto da escola Caros colegas da Comissão, No âmbito do processo de monitorização,

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

Do Diagnóstico às Propostas de Acção

Do Diagnóstico às Propostas de Acção AGENDA 21 LOCAL DE GUIMARÃES 2º Fórum de Sustentabilidade Do Diagnóstico às Propostas de Acção 29 Junho 2005 AGENDA 21 LOCAL DE GUIMARÃES O que é a AGENDA 21 LOCAL? É um Plano ÚTIL para Aumentar a QUALIDADE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Índice Plano de Desenvolvimento Social... 3 Definição dos Eixos de intervenção... 3 Operacionalização dos Eixos de Intervenção...

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA!

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA! A ESSENCIALIDADE DE CUIDAR DAS NOSSAS CRIANÇAS INVESTIR A TEMPO PARA EVITAR... E PERSISTIRMOS NA BUSCA DE FAZER SEMPRE MELHOR PARA NÓS A PREVENÇÃO NÃO É UMA OPÇÃO... É UMA OBRIGATORIEDADE MISSÃO A Fundação

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL

PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL MUNICÍPIO DE VOUZELA PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL 2014/2015 Designação da Formação Toxicodependências Programa de Respostas Integradas As Crianças Marcam a Diferença! Natação 1º Ciclo Prolongamento de Horário

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14. Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA PLANODEAÇÃO DA REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA'14 Estrutura Resumida REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA Ficha Técnica Responsáveis Técnicos: - Nélia Silva - Fundação S. Barnabé - Graça Loução Centro Distrital

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas.

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas. PLANO ESTRATÉGICO INTEGRADO DE ENSINO TÉCNICO, PROFISSIONAL E EMPREGO CONTEXTO: O Governo de Cabo Verde (CV) começou a trabalhar ao longo desta última legislatura na integração dos sectores da formação

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

MUNICÍPIO DO SEIXAL CÂMARA MUNICIPAL GABINETE DO PROJECTO SEIXAL SAUDÁVEL

MUNICÍPIO DO SEIXAL CÂMARA MUNICIPAL GABINETE DO PROJECTO SEIXAL SAUDÁVEL GABINETE DO PROJECTO SEIXAL SAUDÁVEL No ano de 2006 destacamos um conjunto de actividades e projectos desenvolvidos e/ou acompanhados por este gabinete. A saber: Comemoração do Dia Mundial da Saúde, sob

Leia mais

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 Clube da Ciência, Ano Lectivo 2010/2011 1 . Tempo de aplicação do projecto Os trabalhos a desenvolver no âmbito do Clube da Ciência serão realizados ao longo do ano

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I. Introdução O ano de 2014 foi, tal como 2013, um ano marcado por grandes investimentos. Na Comunidade Terapêutica finalizou-se a obra de restruturação da cozinha e da lavandaria

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais