Relatório de Actividades 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Actividades 2008"

Transcrição

1 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009

2 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação dos trabalhos desenvolvidos pela Comissão Social de Freguesia de (CSFSAC) ao longo do ano de Pretende-se avaliar se os objectivos definidos no Plano de Acção da CSFSAC de 2008 foram ou não alcançados, se as actividades propostas foram concretizadas e ainda analisar o trabalho desenvolvido pelo Grupo Dinamizador e pelos Parceiros da Comissão Social de Freguesia. É importante ter em conta que não se pretende fazer uma descrição exaustiva de todo o trabalho desenvolvido da CSFSAC ao longo do ano, mas antes fazer uma breve reflexão que em conjunto com o Diagnóstico Social da Freguesia, com o Plano de Desenvolvimento Social (PDS) e com as necessidades manifestadas pelos parceiros, contribua para definir os objectivos para 2009 e o respectivo Plano de Acção. Deste modo, o documento encontra-se sub dividido em três partes: a primeira parte é relativa à monitorização do Plano de Acção de 2008; a segunda parte refere-se ao trabalho desenvolvido pelo Grupo Dinamizador; a terceira parte é relativa à avaliação da CSFSAC no global, onde se destaca as reuniões da CSFSAC, a participação e envolvimento dos parceiros e a informação disponibilizada. Por último, as conclusões finais dos resultados do documento de trabalho, como reflexo do trabalho da CSFSAC em

3 1. Plano de Acção da CSFSAC 2008 Monitorização O Plano de Acção da Comissão Social de Freguesia de (CSFSAC) para 2008 foi aprovado na reunião de CSFSAC de 28 de Fevereiro de 2008, após apresentada a proposta do Grupo Dinamizador que teve em consideração o enquadramento legal do programa Rede Social e o Plano de Acção 2007/2008 do Conselho Local de Acção Social (CLAS) da Rede Social de Loures. Os objectivos específicos da CSFSAC para 2008 foram definidos em consonância com os objectivos superiores e objectivos específicos do CLAS para 2007/2008, tendo por isso sofrido alterações com a aprovação de alteração do Plano de Acção 2007/2008 do Conselho Local de Acção Social. Objectivos Específicos da CSFSAC para 2008: 1. Até Dezembro de 2008, a CSFSAC reflecte sobre a área da Educação, aprofundando as várias vertentes e suas implicações, procurando soluções junto de entidades competentes. 2. Em Dezembro de 2008, o Atendimento Integrado na freguesia continua em pleno funcionamento de acordo com a metodologia de intervenção. 3. Durante 2008, a CSFSAC continua a participar nas iniciativas da Rede Social de Loures, dando visibilidade ao trabalho desenvolvido, através de um sistema de informação. 4. Até Dezembro de 2008, promove-se formações e encontros na área do trabalho em parceria. 2

4 2. Grupo Dinamizador O Grupo Dinamizador é composto pela Junta de Freguesia de ; pela Associação Pró-Infância O Saltarico ; e pela ABA Associação Beneficente de Ajuda. Ao longo do ano o Grupo Dinamizador demonstrou ser bastante activo reunindo com a periocidade necessária. Estas reuniões permitiram um contacto cada vez mais próximo e mais eficaz, contribuindo para o bom desenrolar dos trabalhos desenvolvidos pela CSFSAC. Entre as várias funções desempenhadas pelo Grupo durante este ano, também com outros parceiros da CSFSAC, importa destacar as seguintes: Agendar e preparar as reuniões de CSFSAC; Elaborar a propostas de ordem de trabalhos das reuniões de CSFSAC; Analisar a documentação enviada pelo Núcleo Executivo / Secretariado Técnico e participar nas reuniões de CLAS; Actualizar a informação da CSFSAC na Página WEB da Rede Social em Loures; Acompanhar, monitorizar e organizar as acções e ou alterações ao Plano Acção da CSFSAC para 2008; Acompanhar o desenvolvimento do Atendimento Integrado na freguesia de SAC; Elaborar a proposta de Relatório de Actividades da CSFSAC 2008; Elaborar a proposta de Plano de Acção Dentro do trabalho desenvolvido pelo Grupo Dinamizador é necessário referir que o envolvimento dos elementos foi bastante positivo, realçando-se a coesão da equipa. Foi notório o esforço de todos na distribuição e desenvolvimento das tarefas, havendo sempre flexibilidade e uma articulação saudável. Relativamente à articulação do Grupo Dinamizador com os parceiros da CSFSAC também se considera que esta foi conseguida, tendo sido 3

5 realizadas mais reuniões com alguns parceiros, na organização de actividades e tarefas para o desenvolvimento de trabalhos da CSFSAC. O Grupo cumpriu com realização das acções previstas no Plano de Acção para 2008 e de um modo geral os prazos estabelecidos foram respeitados. Importa ainda referir que o Grupo Dinamizador participou nas reuniões de CLAS realizadas em 2008 e em todas as acções desenvolvidas pelas Comissões Sociais de Freguesia e Inter-Freguesias, pelo Núcleo Executivo e Secretariado Técnico. De salientar que o elemento representado pelo O Saltarico foi nomeado como representante das IPSS s na reunião de CLAS no dia

6 3. Avaliação Global do Trabalho da CSFSAC De forma a completar este relatório de actividades da CSFSAC ao longo de 2008, importa ainda avaliar a participação e envolvimento dos parceiros, o acesso à informação e as dinâmicas criadas, sempre tendo em conta os princípios da Rede Social. No sentido de se avaliar com alguma objectividade estes parâmetros, construiu-se um inquérito para ser respondido por todos os parceiros que acrescentará informação aos outros indicadores. Reuniões de CSFSAC: De acordo com a Acta Constituinte da CSFSAC as reuniões de parceiros são trimestrais. Deste modo, durante o ano de 2008 foram realizadas três reuniões de parceiros da CSFSAC: 13ª Reunião 28 de Fevereiro de ª Reunião 26 de Junho de ª Reunião 23 de Outubro de 2008 Este objectivo da concretização de 3 reuniões anuais da CSFSAC foi concretizado na sua totalidade. 5

7 Avaliação segundo o tratamento dos questionários: De referir que foram distribuídos questionários por todos os parceiros, sendo que referente às 5 escolas, o questionário foi respondido por agrupamento (2 questionários respondidos). Assim, num total de 23 questionários, foram respondidos 14. Parte 1 Avaliação das Acções desenvolvidas na CSFSAC, com base nos objectivos propostos no Plano de Acção 2008 Observações: Escala de 1 a 5 para expressar a sua opinião, sendo que: 1 = os objectivos não foram atingidos, e 5 = os objectivos foram completamente atingidos. Caso não tenha informação suficiente para dar a sua opinião assinale Desconheço. Objectivos Desconhece Não Respondeu 1.Até Dezembro de 2008, a CSFSAC reflecte sobre a área da Educação, aprofundando as várias vertentes e suas implicações, procurando soluções junto de entidades competentes. 2.Em Dezembro de 2008, o Atendimento Integrado na freguesia continua em pleno funcionamento de acordo com a metodologia de intervenção. 3.Durante 2008, a CSFSAC continua a participar nas iniciativas da Rede Social de Loures, dando visibilidade ao trabalho desenvolvido, através de um sistema de informação. 4.Até Dezembro de 2008, promove-se formações e encontros na área do trabalho em parceria TOTAL DE RESPOSTAS Observações: O parceiro que respondeu desconhece a todas as questões, justificou nas observações o facto de não lhe ter sido possível acompanhar o trabalho desenvolvido pela CSFSAC. 6

8 Avaliação Qualitativa: A avaliação é bastante positiva no que respeita ao alcance dos objectivos definidos, uma vez que de uma forma geral a grande maioria das respostas situamse nos níveis 4 e 5. Dos 14 questionários respondidos pelos parceiros e entregues para avaliação: 0 Respostas do nível 1 0 Respostas do nível 2 4 Respostas do nível 3 30 Respostas do nível 4 14 Respostas do nível 5 6 Respostas Desconheço 2 Questionários Não responde. Parte 2 Avaliação do trabalho da CSFSAC no global, dê-nos a sua opinião relativamente aos seguintes aspectos: Periodicidade: o Suficiente = 8 (57,1%) o Insuficiente = 4 (28,6%) o Não Responde = 2 (14,3%) o Desconhece = 0 (0%) Observações: Os parceiros que responderam sentir insuficiente a periodicidade das reuniões da CSFSAC, justificaram pelo caso de organização de actividades da CSFSAC, de forma a envolver mais os parceiros. Por vezes a indisponibilidade dos parceiros, foi justificada pela constante rotatividade dos elementos da direcção, o que não permite o acompanhamento da CSFSAC na sua integra. 7

9 Envolvimento dos Parceiros e Informação disponibilizada: Observações: Escala apresentada: 1 = totalmente insatisfeito 5 = totalmente satisfeito. Em caso de informação insuficiente Desconheço. Envolvimento dos Parceiros Informação disponibilizada Desconheç o Não Respondeu Total Avaliação Qualitativa: A avaliação relativamente a este ponto foi bastante positiva, visto que a maioria das respostas se situam no nível 4 e 5. As reuniões trimestrais são suficientes para os 8 dos 14 parceiros que responderam aos questionários (8 respostas). Relativamente ao envolvimento dos parceiros, a maioria sente-se satisfeito com este trabalho de parceria, e com grau de envolvimento de todos os que constituem a rede de parceiros da CSFSAC. Quanto à informação disponibilizada, os parceiros consideram-se satisfeitos com a transmissão de documentação informativa que é divulgada junto das entidades parceiras. 8

10 Parte 3 Considera que o trabalho desenvolvido pela CSFSAC no ano de 2008 correspondeu às suas expectativas? Sim Não Não responde e não justificou Não respondeu mas justificou Avaliação Qualitativa: Dos parceiros que responderam Sim (10), teceram os seguintes comentários: Foi facilitador do trabalho em parceria, permitindo um conhecimento mais aprofundado das diferentes situações-problema comuns aos vários parceiros; A CSFSAC tem vindo a cumprir quase todos os objectivos propostos, faltando como ícone principal, o envolvimento de todos os parceiros; Melhoria na comunicação entre os parceiros; As expectativas foram ultrapassadas, no entanto, ainda existe trabalho por realizar; Baseados no levantamento de dados efectuados no âmbito das reuniões, concretizou-se a abertura de uma sala de pré-escolar no Agrupamento de SAC, pelas necessidades verificadas e sentidas pelos parceiros; Foi demonstrado empenho ao longo do ano quer pelo Grupo Dinamizador, quer pelos parceiros e também pelo apoio da Presidência da Junta de Freguesia de SAC; Debate de questões importantes para a Freguesia, no entanto, verifica-se uma certa desmotivação o que faz com que outras questões não sejam debatidas; 9

11 O Atendimento Integrado é uma boa resposta nomeadamente, na observação e apoio psicológico a crianças e jovens; O trabalho desenvolvido em 2008 correspondeu de certa forma às necessidades identificadas, embora se verifique a necessidade de diversificar a intervenção no âmbito de parceria de CSFSAC; Deverá existir uma maior compreensão por parte dos parceiros ao trabalho da CSFSAC. Dos 14 questionários, 10 parceiros deram as seguintes sugestões para o trabalho da CSFSAC: o Trabalho com as famílias numa perspectiva integrada e de resposta aos problemas de carácter social e económico desemprego, ausência de respostas para crianças e idosos; o Intervenção junto das crianças e dos jovens, numa perspectiva verdadeiramente socializadora, de criação de regras e respeito mútuo; o Aprofundar as necessidades da freguesia ao nível das NEE: escolas e equipamentos de resposta social de deficiência; o Levantamento de problemáticas específicas no âmbito da Acção Social, com aprofundamento do conhecimento ao nível dos instrumentos de avaliação e divulgação do Projecto do Atendimento Integrado à parceria Alargada (CSFSAC); o Continuidade da reflexão sobre a área de deficiência, fazendo o levantamento de situações-problema e actuais respostas existentes; o Cooperação da CSFSAC na concretização de Projectos específicos dos parceiros; o Considerando o aumento de agressividade e ausência por parte dos pais, seria relevante aprofundar esta temática e ponderar acções entre os mesmos; o Criação de um Observatório sobre a violência ou outra medida que levasse à minoração do problema; o Criação de acções para uma maior ligação entre o pré-escolar e o inicio da escola, de forma a amenizar a entrada de um mundo novo; o Criação de Projectos conjuntos entre as várias instituições da Freguesia com respostas sociais (Lar de Idosos, Centro de Saúde, Escolas ); 10

12 o Formação creditada na área da sexualidade, comportamentos de risco e alcoolismo; o Organização de um encontro com um tema pertinente para todos os parceiros; o Promoção de um debate sobre a Parceria; o Apoio aos familiares de Toxicodependentes; o Intervenção junto das crianças e adolescentes de modo à implementação de regras de convivência com o outro, de saber estar, ver, ouvir e respeitar; o Acções de formação / sensibilização para todos os técnicos da área da educação; o Desenvolver acções de sensibilização junto do universo Escola, com parceiros chave, como IDT e Alcoólicos Anónimos; o Criação de uma pequena Comissão onde se centralizaria todos os casos sinalizados de menores em risco, com reuniões quinzenais/mensais; o Uniformização de procedimentos, conforme os casos que se debatam, a fim de existir um melhor encaminhamento dos mesmos. 11

13 Conclusões Finais De acordo com a opinião de aproximadamente 71,4% dos parceiros que responderam ao questionário de avaliação da CSFSAC, o trabalho desenvolvido pela Comissão no ano de 2008 correspondeu às suas expectativas. Os motivos apresentados pelos 10 parceiros que responderam sim a esta questão do trabalho da CSFSAC correspondeu às suas expectativas foram diversos. É possível afirmar que o balanço do trabalho desenvolvido pela CSFSAC ao longo de 2008 foi positivo, embora se considere que exista um longo percurso e metas a alcançar para que o sucesso esteja presente na CSFSAC. Valorizar o trabalho em parceria e apostar em acções direccionadas para o social e para a educação, é a chave que determina o trabalho perspectivado pelos parceiros da CSFSAC em Apesar dos constrangimentos e adversidades da conjuntura e das próprias instituições, as necessidades sentidas são comuns e com interesses, muitas vezes diferentes, mas com objectivos a alcançar semelhantes. Apesar de se verificar um decréscimo no número de respostas de ano para ano, as pistas para a intervenção foram esclarecedoras para o trabalho que se pretende continuar a manter. No entanto, o envolvimento dos parceiros, é sobretudo a nota base para realização do trabalho em parceria e concretização de acções com resposta para a comunidade. 12

14 Anexos Anexo 1 - Lista de parceiros da Comissão Social de Freguesia de Santo António dos Cavaleiros (2008) Anexo 2 - Questionário de avaliação da CSFSAC 2008 distribuído pelos parceiros. 13

15 Anexo 1 Parceiros da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleirtos (2008) Associação Beneficente de Ajuda (ABA Vida Fixe) Associação dos Escoteiros de Portugal (AEP) Grupo 208 Associação de Moradores de SAC + J.I. O Reguila Associação de Moradores das Torres da Bela Vista Associação Pró-Infância O Saltarico ATL O Balão Mágico Associação de Pais, E.E. e Amigos da Escola E.B.1+J.I. Fernando Bulhões ATL Os Traquinas Associação de Pais, E.E. e Amigos da Escola E.B.1+J.I. de SAC Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT) Equipa de Tratamento de Loures (ET de Loures) Centro Cultural e Social de (CECSSAC) Instituto de Segurança Social, I.P. - Centro Distrital de Lisboa Serviço de Acção Social de Loures - Equipa de Territórios e Famílias de Loures (ISS,IP-CDL-SAS-ETFL) Centro de Reformados, Pensionistas e Idosos de Centro de Saúde de Loures Centro de Saúde de Stº Antº dos Cavaleiros - NIC Núcleo de Intervenção Comunitária de Loures Cooperativa de Reabilitação, Educação e Animação de Crianças com Deficiência do Concelho de Loures (CREACIL) Corpo Nacional de Escutas (CNE) Agrupamento 495 Agrupamento de Escolas de Escola E.B.1+J.I. Fernando de Bulhões Escola E.B.1+J.I. da Flamenga Escola E.B.2,3 Maria Veleda Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Escola E.B.1+J.I. de Escola E.B.2,3 General Humberto Delgado Escola Secundária José Cardoso Pires Esquadra da P.S.P. de Junta de Freguesia de Passo a Passo com a Criança e a Família Associação de Ajuda Psicossocial REDES Centro Comunitário de Apoio Psicológico e Pedagógico 14

16 Anexo 2 Questionário de Avaliação da CSFSAC 2008 Concluído o ano 2008 torna-se pertinente avaliar o trabalho desenvolvido pela Comissão Social de Freguesia de (CSFSAC) ao longo do ano, de modo a que o Plano de Acção para 2009 vá de encontro das necessidades sentidas pela população da freguesia, identificadas pelos parceiros da CSFSAC. Avaliação das Acções desenvolvidas na CSFSAC, com base nos objectivos propostos no Plano de Acção 2008: Utilize a escala de 1 a 5 para expressar a sua opinião, sendo que: 1 = os objectivos não foram atingidos 5 = os objectivos foram totalmente atingidos. Desconheço = Caso não tenha informação suficiente para dar a sua opinião assinale NOTA: Caso seja necessário consulte o Plano de Acção da CSFSAC Até Dezembro de 2008, a CSFSAC reflecte sobre a área da Educação, aprofundando as várias vertentes e suas implicações, procurando soluções junto de entidades competentes. 2.Em Dezembro de 2008, o Atendimento Integrado na freguesia continua em pleno funcionamento de acordo com a metodologia de intervenção. 3.Durante 2008, a CSFSAC continua a participar nas iniciativas da Rede Social de Loures, dando visibilidade ao trabalho desenvolvido, através de um sistema de informação. 4.Até Dezembro de 2008, promove-se formações e encontros na área do trabalho em parceria Desconheço Desconheço Desconheço Desconheço Observações: 15

17 Avaliação do trabalho da CSFSAC no global, dê-nos a sua opinião relativamente aos seguintes aspectos: Assinale a sua opinião tendo em conta as escalas apresentadas, sendo que: 1 = totalmente insatisfeito 5 = totalmente satisfeito. Desconheço = Caso não tenha informação suficiente para dar a sua opinião assinale Periodicidade das reuniões de CSFSAC (trimestral) Suficiente Insuficiente Envolvimento dos Parceiros Informação disponibilizada Desconheço Desconheço Observações: Considera que o trabalho desenvolvido pela CSFSAC no ano de 2008 correspondeu às suas expectativas? Sim Não Porquê? Justifique 3 Sugestões para o trabalho a desenvolver pela CSFSAC em 2009, com descrição de acções concretas: Obrigado pela colaboração. 16

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 Elaborado por: Rede Social de 0 Índice Sumário Executivo... 2 Capítulo I - Avaliação do Plano de Ação/2014... 4 Capítulo II - Plano de Ação de 2015... 10

Leia mais

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento da Núcleo de Voluntariado de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento do Núcleo de Voluntariado de Ourique,

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

Acta da Reunião de dia 13 de Maio de 2009

Acta da Reunião de dia 13 de Maio de 2009 1 Comissão Social de Interfreguesias S.João da / Santa Iria de Acta da Reunião de dia 13 de Maio de 2009 Aos treze dias de Maio de dois mil e nove, pelas quinze horas e quinze minutos, a Comissão Social

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção previstos na Rede Social (Subsidiariedade, Integração, Articulação,

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Território e Coesão Social

Território e Coesão Social Território e Coesão Social Implementação da Rede Social em Portugal continental 2007 a 2008 (4) 2003 a 2006 (161) 2000 a 2002 (113) Fonte: ISS, I.P./DDSP/UIS Setor da Rede Social Desafios relevantes no

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU. Prof. Joaquim Escada

O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU. Prof. Joaquim Escada O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU Prof. Joaquim Escada Como surgiu a ideia da criação desta figura no Concelho de Viseu: - Contactos do Executivo da Câmara Municipal de Viseu com

Leia mais

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Instrumento de avaliação A. Projecto da escola A.1. Apresentação do Projecto da escola Caros colegas da Comissão, No âmbito do processo de monitorização,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO O documento em apreciação realiza uma síntese adequada da quase totalidade dos temas discutidos na

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 - Preâmbulo O trabalho desenvolvido assentou no referencial 2006-2011 da Inspeção-Geral da Educação, nomeadamente o Quadro de referência para

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA

03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA GRUPOS DE MISSÃO 03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013-20152015 Contextualização O PDS é um instrumento de planeamento da Rede Social que formaliza o conjunto de opções

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Plano de Atividades Programa de Educação para a Sustentabilidade O Programa de Educação para a Sustentabilidade para o ano letivo 2014/2015 integra

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Plano de Actividades do CEA para 2006

Plano de Actividades do CEA para 2006 Plano de Actividades do CEA para 2006 A Direcção do CEA propõe-se preparar as condições para atingir diferentes objectivos e procurar apoios para a sua realização. 1. Objectivos Prioritários 1.1 Redesenhar

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

União Europeia Fundo Social Europeu

União Europeia Fundo Social Europeu Conselho Local de Acção Social de Arouca PLANO DE TRABALHO Período: Outubro, Novembro e Dezembro 2005 Janeiro/Dezembro 2006 União Europeia Fundo Social Europeu INTRODUÇÃO No seguimento das actividades

Leia mais

- RELATÓRIO - 1.ª AVALIAÇÃO DO GAP

- RELATÓRIO - 1.ª AVALIAÇÃO DO GAP 1 Avaliação Intercalar - Gabinete de Apoio aos Pais, Avós e Alunos - RELATÓRIO - 1.ª AVALIAÇÃO DO GAP A Academia de Solidariedade e Cultura Ramiro Freitas iniciou, no dia 11 de Setembro de 1, um serviço

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

Portaria n.º 1633/2007 de 31 de Dezembro

Portaria n.º 1633/2007 de 31 de Dezembro Portaria n.º 1633/2007 de 31 de Dezembro A Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, que estabelece o sistema integrado de gestão e avaliação de desempenho na Administração Pública, designado por SIADAP, prevê

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito) 1. O Banco Local de Voluntariado do Cadaval, adiante designado por BLVC, tem como entidade

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Índice Nota introdutória ---------------------------------------------------------------------------------------------- 5 1. Programa Garis -------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família I. Apresentação do Projecto - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Falar em sucesso educativo implica olhar o processo educativo segundo uma abordagem sistémica, em que o aluno, a escola, a família e

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Anexo VII (A que se refere o artigo 3.º)

Anexo VII (A que se refere o artigo 3.º) Anexo VII (A que se refere o artigo 3.º) AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Instruções de preenchimento das fichas de avaliação, de reformulação e de monitorização de desempenho dos dirigentes intermédios e dos trabalhadores

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS, COOPERAÇÃO E COMUNIDADES SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES INTRODUÇÃO O Iº Encontro dos Órgãos de Comunicação e Informação de Caboverdianos na Diáspora, realizado

Leia mais

Plano de Acção de Núcleo 2009/2011

Plano de Acção de Núcleo 2009/2011 Pl de Acção de 2009/2011 «Nas Pegadas de Paulo Criamos Caminhos» CNE Douro Sul 1 Introdução «Nas Pegadas de Paulo» Queremos criar um claro espírito de patrulha, rica pela diversidade de opiniões, idades

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É?

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É? O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social. Enquanto produto traduz-se num documento temporalmente finalizado

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 Cáritas Portuguesa Conselho Geral Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 PRIORIDADE ÀS CRIANÇAS A Cáritas em acção (Anteprojecto) Fundamentos «As crianças pobres, as desprovidas de enquadramento familiar adequado,

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Objectivo Estratégico Objectivo SMART Iniciativas a Desenvolver Responsável Recursos Data de concretização

Objectivo Estratégico Objectivo SMART Iniciativas a Desenvolver Responsável Recursos Data de concretização Novas Iniciativas A. Criação de Novos Serviços Criar serviços de valor acrescentado Desenvolver a Quinta pedagógica e terapêutica no complexo de Lomar Adequar as estruturas s existentes Obter financiamento

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros

REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros Página1 REGULAMENTO DE CONCURSO Liga-te aos Outros 1. Apresentação O presente concurso é uma iniciativa promovida pela, no âmbito do Ano Europeu das Actividades Voluntárias que promovam uma Cidadania Activa

Leia mais

Regulamento. Espaço Solidário de Ourique

Regulamento. Espaço Solidário de Ourique Regulamento Espaço Solidário de Ourique Regulamento Espaço Solidário de Ourique Nota justificativa O Espaço Solidário surge no âmbito da Rede Social, de acordo com o Diagnóstico Social do Concelho, constando

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais