ESCOLA DE GUERRA NAVAL CMG JORGE HENRIQUE MACHADO PROPOSTAS PARA O FORTALECIMENTO DOS FATORES DE ATRAÇÃO DA CARREIRA NAVAL NA ÁREA MÉDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA DE GUERRA NAVAL CMG JORGE HENRIQUE MACHADO PROPOSTAS PARA O FORTALECIMENTO DOS FATORES DE ATRAÇÃO DA CARREIRA NAVAL NA ÁREA MÉDICA"

Transcrição

1 ESCOLA DE GUERRA NAVAL CMG JORGE HENRIQUE MACHADO PROPOSTAS PARA O FORTALECIMENTO DOS FATORES DE ATRAÇÃO DA CARREIRA NAVAL NA ÁREA MÉDICA Rio de Janeiro 2009

2 CMG JORGE HENRIQUE MACHADO PROPOSTAS PARA O FORTALECIMENTO DOS FATORES DE ATRAÇÃO DA CARREIRA NAVAL NA ÁREA MÉDICA Monografia apresentada à Escola de Guerra Naval como requisito parcial para a conclusão do Curso de Política e Estratégia Marítimas Orientador: Capitão-de-Mar-e-Guerra (RM1) Oliveira Neto. Rio de Janeiro Escola de Guerra Naval 2009

3 RESUMO A Marinha se ressente de uma falta significativa quase um terço das suas necessidades de oficiais médicos, motivada pela obtenção aquém das quantidades estabelecidas pelo Sistema de Planejamento de Pessoal, aliada a elevados índices de evasão. A fim de contribuir na busca de soluções para a redução dessas faltas, este estudo aborda os Fatores de Atração elementos fundamentais de obtenção e de retenção da Carreira Naval, apresentando propostas para o seu fortalecimento na área de Medicina. Para tal, são analisadas as peculiaridades do desenvolvimento das carreiras desses profissionais, não só na Marinha, mas também no Mercado de Trabalho e no Mercado de Recursos Humanos. Delineados os perfis em cada um desses ambientes, procede-se à análise, à luz de reconhecidos conceitos de gestão de pessoas, comparando-os e identificando os fatores comuns, passíveis de serem explorados. Assim, aspectos como salário, jornada de trabalho, idade, gênero, condições físicas de trabalho e aspectos motivacionais, intimamente ligados aos fatores que podem gerar satisfação ou insatisfação no profissional médico, são levantados e analisados, propondo-se, caso necessário, medidas para o seu fortalecimento. Finalmente, é atribuído um grau de atratividade para cada um dos fatores relacionados, de modo a subsidiar a divulgação dos Processos Seletivos para ingresso no Corpo de Saúde da Marinha, sem a qual, nenhum Fator de Atração, seja ele forte ou fraco, terá importância, pois não chegará ao conhecimento do principal objeto deste estudo: o médico. Palavras-chave: Mercado de trabalho médico; Educação médica; Fatores de atração; Ingresso na carreira naval; Recursos Humanos em Saúde; Escolas médicas.

4 ABSTRACT The Brazilian Navy resents a significant lack almost one third of its necessities of medical officers, caused by the attainment on this side of the quantities established by the Personal Planning System, allied to an elevated rate of evasion. In order to contribute in the search of solutions for the reduction of these lacks, this study will approach the Appealing Factors basic elements of attainment and of retention of the naval career, presenting proposals for its strengthening in the area of Medicine. For such, it will be analyzed the peculiarities of the development of the careers of those professionals, not only in the Navy, but also in the job market and in the Market of Human Resources. After the profiles are outlined in each one of those environments, the next step will be to analyze them by the light of recognized concepts of personal management; we will compare them and identify the common factors that can be explored. Thus, aspects like salary, working hours, age, sex, physical conditions of work and motivations, will be connected with the factors that can produce satisfaction or dissatisfaction in the medical professional, and will be analyzed in order to find a solution for its strengthening. Finally, it will be attributed an attractive rank for each one of the factors related, in order to subsidize the disclosure of the Selective Processes for admission in the Health Department of the Brazilian Navy, without which, no Appealing Factor, either strong or weak, will be important, since it will not reach the knowledge of the principal object of this study: the doctor. Key Words: Medical job market; Medical education; Appealing factors; Admission in the naval career; Human resources in health; Medical schools.

5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Gráfico 1 - Evolução do Programa de Saúde da Família Gráfico 2 - Tipos de contrato profissional dos médicos nos hospitais públicos e privados de São Paulo Gráfico 3 - Percentagem de pessoas de 23 anos ou mais de idade trabalhando em área correspondente à formação - Brasil Gráfico 4 - Motivos para a escolha da Carreira Naval Gráfico 5 - Crescimento dos Postos de Trabalho x Formandos de Medicina Quadro 1 - Oferta de vagas para médicos do PSF Quadro 2 - Situação dos Mercados de Trabalho e de Recursos Humanos e suas características Quadro 3 - Fatores de Atração da Marinha, classificados segundo as Teorias de Maslow e de Herzberg... 53

6 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Existente e TL de oficiais do Quadro de Médicos da Marinha, por posto Tabela 2 - Tabela de Lotação e existente de oficiais Md e relação médico/beneficiário, por Distrito Naval Tabela 3 - Número de atividades (vínculos) e local de exercício da profissão de médico.. 16 Tabela 4 - Indicadores gerais do Mercado de Trabalho de médicos, empregados na economia formal Tabela 5 - Distribuição das escolas médicas por categoria administrativa, Tabela 6 - Distribuição das por Região do País, Tabela 7 - Número de escolas médicas, vagas oferecidas, candidatos inscritos, ingressos e concluintes dos cursos de graduação de Medicina Tabela 8 - Conceitos obtidos no Exame Nacional de Cursos (ENC) Medicina, Tabela 9 - Conceitos obtidos no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) Medicina, 2004/ Tabela 10 - Vagas oferecidas, candidatos potenciais e atendimento dos cursos de Residência Médica, Tabela 11 - Perspectiva principal de atuação, na Medicina, imediatamente após a conclusão do curso Tabela 12 - Evolução da relação habitante/médico, por Região Brasil, 1970/1980/ 2003/ Tabela 13 - Vagas oferecidas nas Escolas de Medicina e nos cursos de Residência Médica das capitais Tabela 14 - Vagas, inscrições e matrículas no PS-CSM (Médicos), Tabela 15 - Formas de conhecimento do PS-CSM e quantidade de médicos formados no País, Tabela 16 - Recursos alocados no Plano Básico OSCAR, Tabela 17 - Número médio de plantões mensais realizados pelos médicos do HNMD, por Clínica Tabela 18 - Correlação entre as Teorias de Maslow e de Herzberg e a pesquisa realizada pelo GT-Saúde... 48

7 LISTA DE ABREVIATURAS AMB AMH CBHPM CCSM CFM CFO CNRM Cremesp CSM DASM DEnsM DGPM DPMM Enade ENC EXI GM GT Associação Médica Brasileira Assistência Médico-Hospitalar Classificação Brasileira Hierarquizada dos Procedimentos Médicos Centro de Comunicação Social da Marinha Conselho Federal de Medicina Curso de Formação de Oficiais Comissão Nacional de Residência Médica Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Corpo de Saúde da Marinha Diretoria de Assistência Social da Marinha Diretoria de Ensino da Marinha Diretoria-Geral do Pessoal da Marinha Diretoria do Pessoal Militar da Marinha Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Exame Nacional de Cursos Existente Guarda-Marinha Grupo de Trabalho GT-Saúde Grupo de Trabalho de Gestão de Recursos Humanos na Área de Saúde HNMD IBGE Inep Ipea MB Hospital Naval Marcílio Dias Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Marinha do Brasil

8 Md MEC MRH MT MTE Quadro de Oficiais Médicos Ministério da Educação Mercado de Recursos Humanos Mercado de Trabalho Ministério do Trabalho e Emprego NESCON Núcleo de Educação em Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais NPP OM OMOT OMS PB PCO PCSM PGI PS PS-CSM PSF RAIS RPA SDP SINAES SPP SSM SUS TL TTC Núcleo de Pesquisas de Pessoal Organização Militar Organização Militar Orientadora Técnica Organização Mundial de Saúde Plano Básico Plano Corrente de Oficiais Plano de Comunicação Social da Marinha Plano Geral de Instrução Processo Seletivo Processo Seletivo para Ingresso no Corpo de Saúde da Marinha Programa de Saúde da Família Relação Anual de Informações Sociais Recibo de Pagamento a Autônomo Setor de Distribuição de Pessoal Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sistema de Planejamento de Pessoal Sistema de Saúde da Marinha Sistema Único de Saúde Tabela de Lotação Tarefa por Tempo Certo

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO NECESSIDADES DE MÉDICOS NA MB PERFIL DO MERCADO DE TRABALHO Postos de Trabalho Percepção do Mercado de Trabalho Síntese do Mercado de Trabalho PERFIL DO MERCADO DE RECURSOS HUMANOS Formação Escolas médicas Residência Médica Médicos e População Perfil Sócio-Econômico dos Graduandos em Medicina Síntese do Mercado de Recursos Humanos PERFIL DOS MÉDICOS DA MARINHA Ingresso Divulgação Aspectos Motivacionais FATORES DE ATRAÇÃO Teorias de Maslow e de Herzberg Salário x Jornada de Trabalho Idade e Gênero Condições de Trabalho e Aspectos Motivacionais Divulgação Situação dos Mercados (Oferta x Procura)... 56

10 7 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES APÊNDICE A Pesquisa do Anuário Estatístico RAIS APÊNDICE B Pesquisa salarial Médico do Programa de Saúde da Família ANEXOS Anexo A Valor da mensalidade das Faculdades de Medicina Anexo B Escolas de Medicina do Brasil Anexo C Pesquisa de opinião do GT-Saúde... 86

11 10 1 INTRODUÇÃO Atualmente, a Marinha do Brasil (MB) vem se ressentindo de uma falta significativa de oficiais de carreira médicos, motivada pela obtenção aquém das quantidades estabelecidas pelo Sistema de Planejamento de Pessoal (SPP), aliada a elevados índices de evasão nos primeiros postos da carreira. Muito embora a MB possua dificuldades em obter e reter outras habilitações, sejam elas atribuídas a oficiais ou praças, este estudo enfocará apenas a falta dos oficiais médicos, por esta apresentar valores elevados, que se situam em cerca de um terço das necessidades previstas na respectiva Tabela de Lotação (TL), e que podem estar influenciando no bem-estar da Família Naval. Cabe ressaltar que este problema não é recente. Em 2006, foi constituído pelo Setor do Pessoal um Grupo de Trabalho (GT), com o propósito de indicar linhas de ação que otimizem a gestão de pessoal na Área de Saúde, de modo a contribuir para a redução da falta de recursos humanos nos hospitais [...] (BRASIL, 2006c, p. 2). O Relatório gerado pelo GT, por conter rica pesquisa com esses profissionais, servirá como importante fonte para este trabalho. Esta monografia visa a apresentar propostas para o fortalecimento dos Fatores de Atração da Carreira Naval na área médica, identificando os aspectos preponderantes para a obtenção e retenção de médicos na Marinha e, em decorrência, os principais motivos que explicam as faltas desses oficiais. Além de pressupostos teóricos clássicos, encontrados nas Teorias de Maslow e de Herzberg, outros conceitos aplicados à Gestão de Pessoas balizarão este estudo, como aqueles apresentados por Chiavenato nos processos de agregar talentos (CHIAVENATO, 2008, p. 281): As recompensas não-financeiras oferecidas pela organização, como orgulho, autoestima, reconhecimento, segurança no emprego etc., afetam a satisfação das pessoas com o sistema de remuneração. Daí a necessidade de considerar todas as recompensas no seu conjunto total. Como se verifica, outros aspectos encontrados na carreira militar, como a estabilidade, o desenvolvimento profissional e a ética, dentre outros, exercem papel fundamental na obtenção e retenção de pessoal. Neste sentido, traçar o perfil dos profissionais médicos, entendendo a sua dinâmica no Mercado de Trabalho, no Mercado de Recursos Humanos e na própria Marinha,

12 11 ajudará a melhor identificar essas razões e será o primeiro passo para a busca do fortalecimento dos Fatores de Atração da Carreira Naval. O passo seguinte será relacionar e entender a concorrência de outros fatores com o processo. Fatores esses que envolvem um elevado grau de complexidade, como, por exemplo, o processo de divulgação dos Processos Seletivos para o ingresso na Marinha ou a existência da "Geração Y", um grupo formado por jovens entre 18 e 30 anos, que cresceram na Era da Informação. Assim, para a consecução dos propósitos apresentados nesta introdução, este estudo é desenvolvido e estruturado nos seguintes capítulos: O Capítulo 2, inicialmente, aborda as necessidades quantitativas de médicos da Marinha e as suas respectivas faltas. O Capítulo 3 destina-se à apresentação do perfil do Mercado de Trabalho médico, com os dados relativos à quantidade e distribuição dos postos de trabalho, remuneração, idade e gênero dos profissionais, bem como a percepção deste ambiente pelos médicos. O Capítulo 4 aborda o perfil do Mercado de Recursos Humanos, constituído pelas escolas médicas, onde se encontram os potenciais candidatos a emprego. Também é apresentada a distribuição dos médicos no país, visando à identificação de regiões que possuem sobreoferta desses profissionais. O Capítulo 5 é onde se delineia o perfil dos médicos da Marinha. Aqui são apresentados os principais aspectos motivacionais que afetam o ingresso e a permanência desses profissionais. O processo de divulgação também é abordado neste Capítulo. O Capítulo 6, no qual são relacionados e comparados todos os aspectos tratados nos capítulos anteriores, e cuja análise, à luz de conhecidos preceitos teóricos, resulta na identificação e classificação dos Fatores de Atração. E, por último, o Capítulo 7 traz uma breve conclusão, na qual são ressaltados os principais aspectos ligados ao desenvolvimento do trabalho e ao fortalecimento dos Fatores de Atração da Carreira Naval.

13 12 2 NECESSIDADES DE MÉDICOS NA MB A TL é o documento que representa a Determinação de Necessidades quantitativas e qualitativas de pessoal militar da MB, visando, em tempo de paz, ao cumprimento de suas atribuições regulamentares. As TL servem de base para o planejamento da função logística recursos humanos na Marinha (BRASIL, 2005). Dessa forma, as quantidades e habilitações de oficiais de carreira da área médica estão expressas na TL da Marinha. Atualmente, existem 717 cargos e funções estabelecidos para oficiais médicos, nos postos de CMG a 1 Ten. A TAB. 1 resume a relação Lotação x Existente dos oficiais do Quadro de Médicos da Marinha (Md), por posto, com dados da Diretoria de Pessoal Militar da Marinha (DPMM), atualizados até 31MAI2009: TABELA 1 Existente e TL de oficiais do Quadro de Médicos da Marinha, por posto Médicos Tabela de Lotação (TL) Existente (EXI) EXI - TL Diferença (%) CMG ,2 CF ,1 CC ,8 CT ,8 1 Ten ,6 Total ,2 Fonte: BRASIL, 2009c. Como se pode observar, a MB possui uma significativa falta de médicos de carreira, 28,2% das suas necessidades. Este déficit impacta, em parte, no funcionamento do Sistema de Saúde da Marinha (SSM) e dos seus subsistemas: Assistencial, Médico-Pericial, Logístico de Saúde e de Medicina Operativa. Somente o Subsistema Assistencial, responsável pela prestação da Assistência Médico-Hospitalar (AMH), cobre usuários do SSM militares da ativa e inativos, ex-combatentes, anistiados e pensionistas. Os mesmos quantitativos de oficiais Md são apresentados na forma da TAB. 2, a seguir, desta vez distribuídos pelos Comandos Distritais (ComDN), a fim de serem localizadas as faltas, por região, bem como calculadas as relações beneficiário/médico nessas áreas. Para averiguação do correto dimensionamento da TL de médicos da Marinha, foi calculada a relação beneficiário/médico, considerando-se apenas os oficiais de carreira aplicados diretamente nas OM que prestam AMH aos beneficiários. As TL das demais OM foram consideradas fora do Subsistema Assistencial, para fim deste cálculo.

14 13 TABELA 2 Tabela de Lotação e Existente de oficiais Md e relação médico/beneficiário 1, por Distrito Naval ComDN Tabela de Lotação (TL) Existente (EXI) Beneficiários / Beneficiários / Beneficiários AMH Não Assist AMH Não Assist TL AMH EXI AMH Com1 DN ,6 677,1 Com2 DN , ,6 Com3 DN , ,6 Com4 DN , ,7 Com5 DN Com6 DN , ,8 Com7 DN HFA ,6 656,4 Com8 DN Com9 DN ,7 706,7 Total ,0 803,1 Fontes: DGPM e DPMM. Quando se considera o total de funções estabelecidas na TL da MB, para a prestação de AMH, obtém-se uma razão de 570,0 beneficiários/médico ou 1,75 médicos por mil beneficiários, valor próximo do verificado no Brasil, que se situa em 555,0 habitantes/médico (1,8 méd/1.000 hab), como será apresentado no decorrer deste trabalho. Assim, à luz dos parâmetros fixados pelo Ministério da Saúde (MS) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que estabelecem a relação ideal de 1 médico para cada habitantes, pode-se afirmar que a TL de médicos da Marinha, atualmente, possui um dimensionamento satisfatório, bem próximo ao que se verifica no País. Por outro lado, ao se empregar nesse mesmo cálculo a quantidade de médicos de carreira existentes na MB, observa-se, obviamente, que a razão beneficiário/médico sofre uma degradação, passando a ser de 803,1 ou 1,25 médicos por mil beneficiários, o que, ainda assim, está dentro dos níveis ideais estabelecidos mundialmente. 1 A OMS estabelece como parâmetro ideal de atenção à saúde da população a relação de um médico para cada mil habitantes. Para centros com uma rede de serviços bem estruturada, os técnicos defendem a ampliação deste parâmetro. A Portaria nº 1.101, de 12 de junho de 2002, do MS, segue a razão médico por habitante preconizada pela OMS - 1/.1000 hab, especificando, ainda, as razões de médico generalista por habitante - 0,8/1.000 hab; e de médico especialista por habitante - 0,2/1.000 hab (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002).

15 14 3 PERFIL DO MERCADO DE TRABALHO Traçar o perfil dos profissionais médicos envolve, inicialmente, a análise das relações dessas pessoas com as organizações onde trabalham. Chiavenatto define o ambiente no qual se desenvolvem essas trocas da seguinte forma: É no mercado onde ocorrem as transações e relacionamentos. Mercado significa o espaço de transações, o contexto de trocas e intercâmbios entre aqueles que oferecem um produto ou serviço e aqueles que procuram um produto ou serviço. O mecanismo de oferta e procura é a característica principal de todo o mercado. O Mercado de Trabalho (MT) é composto pelas ofertas de oportunidades de trabalho oferecidas pelas diversas organizações. Toda organização na medida em que oferece oportunidades de trabalho constitui parte integrante de um MT (CHIAVENATO, 2008, p. 104). A análise das principais características da estrutura do Mercado de Trabalho dos médicos, no país, tomará por base a coleta dos dados pesquisados na Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Emprego (RAIS/MTE), compreendendo o período de 1997 a O Anuário Estatístico RAIS 2, disponível no site do MTE, reúne informações gerais sobre os trabalhadores do segmento formal regulamentado do emprego assalariado, dentre as quais se destacam: a quantidade e a natureza jurídica do vínculo empregatício, a remuneração, a idade e o sexo dos profissionais (BRASIL, 2009b). Todas os dados extraídos da RAIS e compilados para este trabalho encontram-se nas tabelas do Apêndice A. Os dois principais fatores que influenciam o Mercado de Trabalho do médico são aqueles determinados pelo sistema de educação, que cria a oferta desses profissionais, e o modelo de assistência à saúde, que atua decisivamente sobre a composição e a demanda dessa força de trabalho (MACIEL FILHO, 2007, p. 17). Lampert define assim a relação entre esses fatores: O Mercado de Trabalho médico é considerado a relação entre oferta e a necessidade de profissionais qualificados para o exercício da Medicina. Dita relação depende das características que assumam em cada sociedade os processos sociais complexamente articulados: o processo de produção de capacidade de trabalho médico a formação médica e o processo de produção de serviços de saúde a prática médica [...]. Embora intimamente relacionados, esses dois processos, uma vez que a educação médica tem por finalidade exclusiva a formação de recursos humanos para atender às necessidades de saúde da população, são independentes e estão submetidos a um conjunto de determinações sociais, políticas, econômicas e ideológicas.[...] Das necessidades desse complexo conjunto de processos de produção de serviços 2 Hoje, a RAIS, por sua rigorosidade técnica e multiplicidade de informações de interesse social, é assumido como um dos pilares do sistema estatístico do País. Em razão de possuir uma cobertura acima de 97% do universo formal é reconhecido como um censo anual do Mercado de Trabalho. Para ter acesso on-line às bases estatísticas do MTE, disponibilizadas com auxílio da ferramenta de consulta X-OLAP-W, é necessário possuir um Código e uma Senha de Acesso, a qual deve ser solicitada através do formulário específico disponível no link (MINISTÉRIO DO TRABALHO, 2009).

16 15 depende a demanda de recursos humanos médicos, expressa em um número determinado de postos de trabalho nos quais o profissional é retribuído mediante salário, ou um número variável de atos médicos é retribuído mediante honorários, pagos diretamente pela população, ou de maneira indireta, através do sistema de seguridade social ou dos seguros privados. (LAMPERT, 2002, p ) 3.1 Postos de Trabalho Com relação aos postos de trabalho existentes em 2007, as ocupações relacionadas à profissão médica totalizavam vínculos de emprego. Naquele ano, os três estados que possuíam as maiores concentrações de vínculos 57% do total pertenciam à Região Sudeste: São Paulo (85.496), Rio de Janeiro (33.553) e Minas Gerais (25.289), enquanto os de menores concentrações situavam-se na Região Norte: Roraima (145), Amapá (341) e Acre (523). Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo são os estados que apresentaram a melhor relação vínculo médico por mil habitantes, 1,986, 1,983 e 1,851, respectivamente. Esta maior oferta de empregos na Região Sudeste é fruto, em última instância, dos processos de urbanização e de industrialização pelos quais passaram o país, tornando essa Região polo de oportunidades profissionais e educacionais. Por outro lado, os estados do Piauí (0,342), Maranhão (0,278) e Roraima (0,270) foram aqueles que apresentaram os piores índices. Quando comparada a 1997, verifica-se um expressivo incremento na quantidade desses vínculos, de 86,5%, refletindo uma crescente oferta de postos de trabalho médico no país. Em termos comparativos, nesse mesmo período, o emprego assalariado no conjunto da economia do país experimentou um crescimento de 56,0%, saltando de 24,1 para 27,6 milhões. Neste contexto, cabe ainda mencionar que, entre 1997 e 2007, a população do país cresceu 14,6% (IBGE, 2009). Vale ressaltar que o número de vínculos empregatícios (postos de trabalho) é diferente do número de pessoas empregadas, pois um mesmo profissional pode estar ocupando mais de um posto de trabalho na data de referência dos registros contidos na RAIS. Esta definição aplica-se, sobretudo, aos médicos. Segundo pesquisa realizada pelo Datafolha para o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), 27% desses profissionais informaram ter três empregos e 25%, dois. Apenas 18% afirmaram ter um único vínculo, enquanto 32% informaram ter quatro trabalhos ou mais. Dez por cento dos médicos disseram ter seis empregos ou mais (CREMESP, 2007). Em outro estudo, desta vez em nível nacional, intitulado O Médico e o seu Trabalho, produzido pelo Conselho Federal de Medicina, o número de atividades exercidas pelos médicos apresenta valores muito próximos daqueles verificados pelo Cremesp, corroborando os valores aqui apresentados. A TAB. 3 consolida essas proporções:

17 16 TABELA 3 Número de atividades (vínculos) e local de exercício da profissão de médico Número de Atividades em Medicina Onde exerce a profissão Nº de atividades Nº médicos Proporção Local Nº médicos Proporção 1 atividade ,5% Consultório ,0% 2 atividades ,1% Setor público ,7% 3 atividades ,2% Setor privado ,8% 4 atividades ,7% Setor filantrópico ,3% 5 atividades ,4% Docência ,9% 6 atividades ou mais 570 4,1% Fonte: CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, 2004, p. 87. Com relação à natureza jurídica dos postos de trabalho, observa-se pelos dados da RAIS que 74,1% dos empregos formais dos médicos, em 2007, estão no Setor Público, notadamente na esfera municipal, que detém 39,6% dos empregos. As demais proporções encontram-se distribuídas nas áreas federal (11,3%) e estadual (23,2%). As entidades empresariais estatais (0,5%) e privadas (8,9%), somadas às entidades sem fins lucrativos (16,6%), complementam o conjunto dos médicos empregados na economia. A supremacia do Setor Público Municipal como grande empregador desses profissionais, que já em 1997, segundo a RAIS, detinha 33,5% desses postos, explica-se pela consolidação do modelo de assistência à saúde adotado pelo país, expresso pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que levou a uma contínua expansão da política de municipalização dos serviços de saúde. Neste contexto, a maior contribuição para o montante dos vínculos médicos nos municípios foi, fundamentalmente, a criação do Programa de Saúde da Família (PSF), em 1994, e o significativo crescimento que o Programa experimentou desde então. Conforme apresentado no GRAF. 1, foram criados cerca de 26 mil postos de trabalho médicos, em pouco mais de dez anos. Número de Equipes do PSF ,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Proporção de Municópios com PSF GRÁFICO 1 - Evolução do Programa de Saúde da Família Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2009).

18 17 Sobre o Programa de Saúde da Família 3, o Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, em discurso proferido na abertura do Fórum Nacional em Defesa do Trabalho Médico no Sistema Único de Saúde, em 28 de maio de 2009, ressaltou o impacto que esse programa causou no mercado de trabalho: Ainda que tenhamos dificuldades, a estratégia de saúde da família, via incentivos salariais, fixou já mais de duas dezenas de milhares de profissionais. A grande maioria deles cumpre as oito horas contratuais, conhece seus grupos familiares, acompanha e identifica os riscos epidemiológicos, biológicos e sanitários de forma a prevenir a instalação da enfermidade. Seu diferencial salarial causou transtornos momentâneos no mercado certamente a rarefação de pediatras nas urgências tem nesta uma das causas, mas é acertada a contribuição dos médicos para esta estratégia (TEIXEIRA, 2009). No que se refere aos incentivos salariais citados pelo Ministro da Saúde, Maciel Filho (2007, p. 32) comenta que o Programa oferece bons níveis de remuneração profissional (quatro mil reais, em média, para o médico, segundo a pesquisa do NESCON). Os salários pagos aos médicos pelo PSF são, em média, 76% superiores aos de mercado para esse profissional. Contudo, as formas precárias de contratação desses profissionais pelas Prefeituras 70% sob a forma de contratação temporária ou por prestação de serviços interferem na própria qualidade do emprego gerado pelo Programa, expressa pela instabilidade e desproteção do trabalho (MACIEL FILHO, 2007). O QUADRO 1, retirado do classificado eletrônico de currículos e empregos CATHO Online 4, dá uma amostra de como está se comportando o Mercado de Trabalho para o médico do PSF. A pesquisa completa encontra-se relacionada no Apêndice B. Data: 16/06/09 Título da vaga: Médico PSF (20 vagas) Descrição da vaga: Para atendimento em PSF. Ensino superior completo em Medicina. Possuir CRM. Salário: R$ R$ 9.875,01 Regime de contratação: CLT (Efetivo) Horário: Jornada: 40 horas semanais. Informações adicionais: Local: zona Leste. Oferecemos salário + benefícios. QUADRO 1 Oferta de vagas para médicos do PSF Nome da empresa: Somente para assinantes Local: São Paulo - SP Salário: R$ 9.875,01 Nacionalidade / Porte da Empresa: Nacional de grande porte com funcionários Área profissional: Médico/ Hospitalar Nível hierárquico: Profissional especializado com curso superior (completo/cursando) Fonte: CATHO Online. 3 Criado em 1994, o PSF foi apresentado como uma proposta de atenção à saúde voltada para áreas de risco, definidas pelo Mapa da Fome, do Ipea. As equipes são compostas por um médico, um odontólogo, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e de cinco a seis agentes comunitários de saúde. Cada equipe é responsável por mil famílias, o que equivale a aproximadamente pessoas (GIRARDI; CARVALHO, 2003). 4 CATHO Online está disponível em O site possui mais de 155 mil assinantes e mais de 70 mil empresas que anunciam vagas de emprego, com mais de 7 milhões de visitantes únicos mensais.

19 18 Ainda em relação aos vínculos empregatícios praticados no Mercado de Trabalho médico, a publicação intitulada Avaliação das condições de funcionamento dos hospitais e prontossocorros, , produzida pelo Cremesp em 2004, apresenta a situação das relações de trabalho entre médicos e estabelecimentos de saúde, públicos e privados, no Estado de São Paulo: No setor privado, o contrato como autônomo está presente em maior proporção de serviços. Em relação ao setor público, é possível observar que os contratos dos tipos empresa, cooperativa e autônomo, que não se esperaria encontrar no setor, aparecem com percentagens no conjunto de 11,5% e isoladamente de 6,5% com vínculo autônomo (CREMESP, 2004). O GRAF. 2 apresenta as proporções dos tipos de contrato profissional, encontrados pelo Cremesp em vistorias, representando a avaliação de 95% dos hospitais e prontos-socorros paulistas. HOSPITAL PÚBLICO HOSPITAL PRIVADO GRÁFICO 2: Tipos de contrato profissional dos médicos nos hospitais públicos e privados de São Paulo Fonte: CREMESP (2004). De acordo com os dados contidos na RAIS, a carga horária semanal dos médicos é de 27 horas em cada vínculo empregatício, considerando o valor médio registrado nos últimos dez anos. Somados todos os empregos, os médicos paulistas, por exemplo, cumprem uma carga horária semanal média de 52 horas. Quase um terço deles, ou 30%, trabalha mais de 60 horas por semana. Na média, os mais jovens cumprem 65 horas por semana, enquanto aqueles com 50 anos ou mais trabalham 46 horas (CREMESP, 2007). O tempo médio de permanência do médico no emprego, que em 1997 era de 90 meses, passou a ser de 112 meses em Naquele ano, os dados colhidos na RAIS indicam que as médicas permaneciam em média 99 meses no mesmo emprego, enquanto os médicos apresentavam um vínculo mais duradouro, de 121 meses ou 10,1 anos. Tal estatística evidencia uma elevada fidelidade desses profissionais aos seus vínculos empregatícios, quando considerado o tempo médio de permanência do conjunto total de trabalhadores da economia formal, que foi de 61,7 meses ou 5,1 anos, em 2007.

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

(YROXomR GR(QVLQR *UDGXDomR

(YROXomR GR(QVLQR *UDGXDomR (YROXomR GR(QVLQR 6XSHULRU² *UDGXDomR,QVWLWXWRÃ1DFLRQDOÃGHÃ(VWXGRV (& HÃ3HVTXLVDVÃ(GXFDFLRQDLV Brasília, 2 1 DIRETORIA DE INFORMAÇÕES E ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS João Batista Ferreira Gomes Neto COORDENAÇÃO-GERAL

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE

A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE Ministro da Saúde José Saraiva Felipe Ministro da Educação Fernando Haddad Objetivo apresentar a Trajetória dos Cursos de Graduação na Área da Saúde;

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

Estatísticas dos Professores no Brasil

Estatísticas dos Professores no Brasil EDUCAÇÃO E Estatísticas dos Professores no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Mais de um terço dos intercambistas do Programa Mais Médicos ou 35,7% deles - nunca teve contato com seu tutor,

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Índice Palavra do Presidente 5 Panorama do Ensino Superior - Brasil 6 / Evolução 7 por Estado / Número de IES 8 Pirâmides Etárias - Presenciais e de EAD

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004

Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004 Ano 3 Nº 28 dezembro de 2006 Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004 REDE ELETRICITÁRIOS RESUMO Este estudo retrata a evolução do emprego no setor elétrico entre

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

Perguntas frequentes. 1. Enade. 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? 1.2. O Enade é obrigatório? 1.3. Qual o objetivo do Enade?

Perguntas frequentes. 1. Enade. 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? 1.2. O Enade é obrigatório? 1.3. Qual o objetivo do Enade? Perguntas frequentes 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

O Enade. é realizado. estudante. Lei nº. 10.861, de. é obrigatório: O Enade. O Enade. Objetivo. nível de. atualização. A prova. será trienal.

O Enade. é realizado. estudante. Lei nº. 10.861, de. é obrigatório: O Enade. O Enade. Objetivo. nível de. atualização. A prova. será trienal. ENADE Exame Nacional de Desempenh ho de Estudantes O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), que integra o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), tem o objetivo de aferir

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo 2014 2 Índice Palavra do Presidente 4 Educação Superior no Brasil: crescimento forte e constante 5 Instituições de Ensino Superior 6 por Estado Presenciais

Leia mais

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 SOBRE O ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes -

Leia mais

ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA. Município: CRUZ DAS ALMAS

ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA. Município: CRUZ DAS ALMAS ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA Município: CRUZ DAS ALMAS O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) apresenta o Relatório do Curso com os resultados do Exame Nacional

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção XX Encontro Nacional de Coordenadores de Curso de Engenharia da Produção (ABEPRO) Rio de Janeiro,

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2007 Brasília DF 2009 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 3 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS

Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL 8% 8% 8% CORREGEDORIA SECRETARIA GERAL 4% CENTRO DE ESTUDOS 12% PROCURADORIA DE APOIO PROCURADORIA CONSULTIVA 23% PROCURADORIA CONTENCIOSO 37% PROCURADORIA DA FAZENDA PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Rede ABEn de Pesquisa em Educação em Enfermagem GT EDUCAÇÃO 2012 Portaria Nº 17/2012 Realizar a Pesquisa Panorama da Formação em Enfermagem no Brasil no período

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Evidências da necessidade de mais médicos. Conjuntura de regulação incipiente do Estado brasileiro com base constitucional regulatória.

Evidências da necessidade de mais médicos. Conjuntura de regulação incipiente do Estado brasileiro com base constitucional regulatória. Evidências da necessidade de mais médicos para o Brasil Conjuntura de regulação incipiente do Estado brasileiro com base constitucional regulatória. Contexto nacional de queda geral do desemprego e formalização

Leia mais

Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL

Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL MÁRCIA MARQUES DE CARVALHO 1 E GRAZIELE DOS SANTOS CERQUEIRA 2 As políticas de ação afirmativa no acesso

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 SETEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos

No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos RADIOGRAFIA DO ENSINO MÉDICO No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos Do início de 2003 a 2015, a quantidade de cursos particulares de Medicina

Leia mais

BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE BEPSAÚDE TECNÓLOGO

BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE BEPSAÚDE TECNÓLOGO Fundação Oswaldo Cruz Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Laboratório do Trabalho e da Educação Profissional em Saúde Observatório dos Técnicos em Saúde BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Palavras- Chave: Ensino Superior, Democratização e Acesso

Palavras- Chave: Ensino Superior, Democratização e Acesso Eixo 3 Política e Gestão da Educação Superior DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: UMA ANÁLISE DO PROUNI Fernanda da Rosa Becker EAESP-FGV/ INEP e-mail:fbecker@gvmail.br Maria Helena Ferreira de

Leia mais

16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO

16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO 16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO 16.1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA A LDBEN Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996 delega à União as seguintes competências: a) Coletar, analisar e

Leia mais

A prova; O questionário de impressões dos estudantes sobre a prova; O questionário do estudante; e O questionário do coordenador(a) do curso.

A prova; O questionário de impressões dos estudantes sobre a prova; O questionário do estudante; e O questionário do coordenador(a) do curso. aumentar fonte diminuir fonte Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Educação Superior Enade Perguntas Frequentes Página Inicial Enade Perguntas Frequentes Manual do

Leia mais

INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO

INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO Resumo Juliana Favretto 1 - IFSul Campus Passo Fundo Ionara Soveral Scalabrin 2 - IFSul Campus Passo Fundo Grupo de Trabalho - Políticas Públicas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Pró-Reitoria de Ensino Núcleo de Processo Seletivo Discente

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Pró-Reitoria de Ensino Núcleo de Processo Seletivo Discente ANÁLISE COMPARATIVA DOS INGRESSOS POR VESTIBULAR E SISU Os processos que envolvem ingresso e permanência de estudantes na Universidade são mediados por variáveis, como: distância da Universidade em relação

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Brasília DF 2010 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais

Exame Nacional de Proficiência em Medicina PLS 217/2004

Exame Nacional de Proficiência em Medicina PLS 217/2004 Audiência Pública Senado Federal Brasília, novembro de 2012 Exame Nacional de Proficiência em Medicina PLS 217/2004 Renato Azevedo Jr. Presidente Histórico 1989 Fórum de Qualificação Profissional de Nível

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL

PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL Roberto Leal Lobo e Silva Filho O Brasil vem se projetando internacionalmente e seu desenvolvimento o incluiu na sigla do grupo conhecido como

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

Diagnóstico da realidade médica no país

Diagnóstico da realidade médica no país Diagnóstico da realidade médica no país Médicos por mil habitantes Peru 0,9 Chile 1,0 Paraguai 1,1* Bolívia 1,2* Colômbia 1,4* Equador 1,7 Brasil 1,8 Venezuela 1,9* México 2,0 Canadá 2,0 Estados Unidos

Leia mais

INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1

INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1 PROCESSO : CF-2297/2014 INTERESSADO : Confea ASSUNTO : Estudos sobre o PRONATEC ORIGEM : Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP (Deliberação n 766/2014-CEAP) INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos XIX SEMINÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CIG-PROPLAN SETEMBRO, 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CIG-PROPLAN SETEMBRO, 2013 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CIG-PROPLAN ANÁLISE DO IGC DA UFPE 2007-2012 SETEMBRO, 2013 Apresentação Este relatório contém o resultado da análise do Índice Geral de Cursos (IGC) da UFPE durante

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SECR ETARIA D E AVALIA ÇÃO INSTITUCIONAL FAQ ENADE 2013 QUESTÕES FORMULADAS COM FREQÜÊNCIA SOBRE O ENADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SECR ETARIA D E AVALIA ÇÃO INSTITUCIONAL FAQ ENADE 2013 QUESTÕES FORMULADAS COM FREQÜÊNCIA SOBRE O ENADE FAQ ENADE 2013 QUESTÕES FORMULADAS COM FREQÜÊNCIA SOBRE O ENADE 1) O que é ENADE? O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) integra o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES)

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Educação baseada em evidências

Educação baseada em evidências Educação baseada em evidências Textos para discussão Resultados do ENEM 2013 Texto 2015-01 Abril 2015 APRESENTAÇÃO Textos para discussão do apresentam dados, análise e evidências para informar o público

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

ROTATIVIDADE DE CARGOS NA SES RELATÓRIO DE PESQUISA

ROTATIVIDADE DE CARGOS NA SES RELATÓRIO DE PESQUISA 1 ROTATIVIDADE DE CARGOS NA SES RELATÓRIO DE PESQUISA INTRODUÇÃO Um das questões pertinentes à gestão do trabalho na área da saúde diz respeito a efetiva fixação do trabalhador ao seu posto de trabalho.

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial 8. EDUCAÇÃO ESPECIAL 8.1 Diagnóstico A Constituição Federal estabelece o direito de as pessoas com necessidades especiais receberem educação preferencialmente

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Comissão Geral - Plenário da Câmara dos Deputados 04.09.2013

Comissão Geral - Plenário da Câmara dos Deputados 04.09.2013 Comissão Geral - Plenário da Câmara dos Deputados 04.09.2013 1 2 Brasil precisa de médicos Médicos/mil habitantes Brasil 1,8 Argentina 3,2 Uruguai 3,7 Portugal 3,9 Espanha 4 Reino Unido 2,7 Austrália 3

Leia mais

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO Com um médico para 410 habitantes, taxa cresceu 33% em dez anos, revela levantamento do Cremesp realizado em março de 2010 Aconcentração de médicos

Leia mais