A OMC e a emergência da China Prof. Vera Thorstensen

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A OMC e a emergência da China 2012. Prof. Vera Thorstensen"

Transcrição

1 A OMC e a emergência da China 2012 Prof. Vera Thorstensen

2 2 Análise Transversal do Sistema Multilateral de Comércio Regras Multilaterais OMC (DSB), FMI, BM, OCDE, UNCTAD, FAO, OMPI Regras Preferenciais Acordos Regionais, Bilaterais e Não Recíprocos Regras Nacionais UE, EUA, China, Índia, África do Sul Brasil

3 Fonte:OMC 3 Perfil de Comércio - Brasil

4 Fonte: OMC 4 Perfil de Comércio - China

5 Perfil Tarifário - Brasil 5 Tariffs and imports: Summary and duty ranges Summary Total Ag Non-Ag WTO member since 1995 Simple average final bound 31,4 35,4 30,7 Binding coverage: Total 100 Simple average MFN applied ,7 10,3 14,2 Non-Ag 100 Trade w eighted average ,0 11,0 9,9 Ag: Tariff quotas (in %) 0.2 Imports in billion US$ ,7 6,5 120,2 Ag: Special safeguards (in % ) 0 Frequency distribution Duty-free 0 <= 5 5 <= <= <= <= <= 100 > 100 NAV Tariff lines and import values (in %) in % Agricultural products Final bound MFN applied Imports Non-agricultural products Final bound MFN applied Imports Fonte: OMC

6 Brasil 6 Product groups Animal products Dairy products Fruit, vegetables, plants Coffee, tea Cereals & preparations Oilseeds, fats & oils Sugars and confectionery Beverages & tobacco Cotton Other agricultural products Fish & fish products Minerals & metals Petroleum Chemicals Wood, paper, etc. Textiles Clothing Leather, footw ear, etc. Non-electrical machinery Electrical machinery Transport equipment Manufactures, n.e.s. Fonte: OMC Tariffs and imports by product groups Final bound duties MFN applied duties Imports AVG Duty-free Max Binding AVG Duty-free Max Share Duty-free in % in % in % in % in % 37, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

7 Perfil Tarifário - China 7 Tariffs and imports: Summary and duty ranges Summary Total Ag Non-Ag WTO member since 2001 Simple average final bound 10,0 15,7 9,2 Binding coverage: Total 100 Simple average MFN applied ,6 15,6 8,7 Non-Ag 100 Trade w eighted average ,1 8,0 3,8 Ag: Tariff quotas (in %) 4.9 Imports in billion US$ ,3 47,5 866,7 Ag: Special safeguards (in % ) 0 Frequency distribution Duty-free 0 <= 5 5 <= <= <= <= <= 100 > 100 NAV Tariff lines and import values (in %) in % Agricultural products Final bound MFN applied Imports Non-agricultural products Final bound MFN applied Imports Fonte: OMC

8 China 8 Product groups Animal products Dairy products Fruit, vegetables, plants Coffee, tea Cereals & preparations Oilseeds, fats & oils Sugars and confectionery Beverages & tobacco Cotton Other agricultural products Fish & fish products Minerals & metals Petroleum Chemicals Wood, paper, etc. Textiles Clothing Leather, footw ear, etc. Non-electrical machinery Electrical machinery Transport equipment Manufactures, n.e.s. Fonte: OMC Tariffs and imports by product groups Final bound duties MFN applied duties Imports AVG Duty-free Max Binding AVG Duty-free Max Share Duty-free in % in % in % in % in % 14, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

9 Investigações de antidumping ( /2011) 9 Exporting Country Brazil China European Union India South Africa United States Total Brazil C hina European Union India Russian Federation South Africa United States Total Fonte: OMC

10 Medidas antidumping aplicadas ( /2011) 10 Exporting Country Brazil China European Union India South Africa United States Total Brazil C hina European Union India Russian Federation South Africa United States Total Fonte: OMC

11 Investigações de medidas compensatórias ( /2011) 11 Exporting Country Brazil China European Union India South Africa United States Total Brazil 4 7 C hina European Union 1 12 India South Africa United States Total Fonte: OMC

12 Medidas Compensatórias ( /2011) 12 Exporting Country Brazil China European Union South Africa United States Total Brazil 3 8 China European Union 10 India South Africa 2 4 United States Fonte: OMC

13 13 Salvaguardas (29/03/ /04/2012) Reporting Member Brazil China, P.R. European Union* India South Africa United States Totals for 29/03/ /04/2012 Total Total Initiations Measures Fonte: OMC

14 Salvaguardas Transitórias contra a China 14 Country Procedures Products (6digits) Provisional Transitional Safeguards Canada Colombia Dominican Republic ( 1) Ecuador European Union India (9) Peru Poland Taiwan Turkey (1) USA ( 2) Final Transitional Safeguards (Products) Total (13) Fonte: OMC e Banco Mundial

15 Casos - DSB 15 Country Complainant Respondent Third Party Brazil China European Union India South Africa United States Total 438 Fonte: OMC

16 16 China Acordos Preferenciais de Comércio Parceiro comercial Temas regulados RT AG RO MD SU SE PI TBT/SPS IN Novos Temas Chile X X X X X X X Paquistão 1 X X X X X Paquistão 2 X Nova Zelândia X X X X X X X X X Singapura X X X X X X X Peru X X X X X X X X X Costa Rica* X X X X X X SPS

17 17 Características de economia de não mercado Relatório do Banco Mundial: China 2030 Building a Modern, Harmounious and Creative High-Income Society, p. 25 China s transition to a market economy is incomplete in many areas. A mix of market and non-market measures shapes incentives for producers and consumers, and there remains a lack of clarity in distinguishing the individual roles of government state enterprises, and the private sector. It is imperative, therefore that China resolve these issues, accelerate structural reforms and develop a market-based system with sound foundations in which the state focuses on providing key public goods and services while a vigorous private sector plays the more important role of driving growth.

18 Características de economia de não mercado 18 Obrigações na acessão da China à OMC Estado de Direito Criação de regime de revisão judicial e administrativo Aplicação uniforme das regras da OMC Tratamento não-discriminatório de vantagens concedidas pelo governo capital estrangeiro Liberalização do direito de comércio Não influenciar SOEs Subsídios são específicos se voltados para SOEs Preços determinados por forças de mercado Metodologia alternativa em investigações AD Salvaguardas transitórias Mecanismo de revisão anual

19 Empresas estatais SOEs 568, , ,820 Collective-owned enterprises 856, , ,858 FIEs: equity joint ventures 85,932 81,466 79,537 FIEs: contractual joint ventures 13,360 11,992 11,054 FIEs: wholly foreign-owned enterprises 188, , ,497 Domestic private enterprises 6,574,171 7,401,539 8,455,158 Fonte: OMC, Trade Policy Review - China

20 Participação estatal Total (billion) 1, , , Number of tradeable shares , , A shares a , , B shares b Number of non-tradeable shares 1, Number of converted shares c Number of disposal of converted shares d Converted shares as a percentage of non-tradeable shares (%) Disposal of converted shares as a percentage of converted shares (%) Tradeable shares as a percentage of total shares (%) a. A shares are shares issued by joint-stock companies registered in China and listed on the domestic stock exchanges, with face value denominated in RMB, and traded in RMB by domestic companies, institutions, organizations or individuals (excluding investors from Hong Kong, China; Macao, China; and Chinese Taipei). b. B shares are shares issued by joint-stock companies registered in China and listed on the domestic stock exchanges, with face value denominated in RMB, but traded in U.S. dollars on the Shanghai Stock Exchange and in HK dollars on the Shenzhen Stock Exchange. c. Converted shares are shares released from originally non-tradeable shares through the conversion programmes. After the conversion programme, the originally non-tradeable shares will become tradeable on the A-share market, but there is a lockup period of 1 to 3 years before those converted shares are actually traded on the market. d. Disposal of converted shares are converted shares actually sold off on the market after the lockup period. Fonte: OMC, Trade Policy Review - China

21 21 Empresas estatais indústrias estratégicas Fonte: Report of the US China Economic and Security Review Commission, 2011

22 22 Empresas estatais - investimentos Investimentos estrangeiros das principais empresas estatais da China Setores: CNPC e Sinopec petróleo; CIC fundo soberano; Chinalco - alumínio Fonte: Report of the US China Economic and Security Review Commission, 2011

23 23 Subsídios Lista de programas de subsídio selecionados, em vigor, do governo central da China Measures currently in force Incentives (1) Measures notified by China in October 2011 Fund for subsidizing the training of rural migrant labour force (a) Assistance to the energy sector and to environmental protection Fund for popularization of agricultural technologies Preferential tax policies for high or new technology enterprises Fund for subsidizing transformation of agricultural technology Preferential tax treatment for public infrastructure projects Subsidy for promoting superior strains and seeds Preferential tax treatment for projects for environmental protection Subsidy for purchasing agricultural machinery and tools Preferential tax treatment for building material products Comprehensive subsidies for agricultural inputs Preferential tax policies for Clean Development Mechanism Direct subsidy to farmers (b) Assistance to small and medium-sized enterprises Fund for agricultural comprehensive development Fund for supporting technological innovation Preferential tax treatment for imported products Development fund for SMEs Fund for interest discount of loans Special fund for establishment of service system for SMEs Subsidy for national key constructions on water and soil conservation Fund for international market exploration by SMEs Subsidy for prevention from and control of pest and disease Preferential tax policies for enterprises making little profits Subsidy for grass seed sowing by airplanes (c) Assistance to research and development, support for specific Preferential tax policies for enterprises of grain or oil reserves industries, assistance for industrial development Preferential tax policies for the research and development of Preferential tax policies for the relief grain and disaster relief grain enterprises Preferential tax policies for enterprises transferring technology (2) Information from other official and public sources b Research and development fund for industrial technologies (a) Assistance to the energy sector and to environmental protection Fund for promotion of coordinated development of foreign trade Full Purchase on Electricity Generated by Renewable Energy Subsidy for scrapping old vehicles Price Surcharge of Electricity Generated by Renewable Energy Preferential tax policies for integrated circuit industry Golden Sun Demonstration Project Fund for research and development of integrated circuit industry Demonstration Project of Optoelectronic Application Buildings Fund for development of electrical information industry Energy Regeneration and Utilization of Straws and Stalks Fund for high technology R&D for packaging industry Promotion of high-efficient energy-saving products (d) FDI and regional support (b) Assistance to research and development, support for specific industries, assistance for industrial development Preferential tax policies in the western regions Foreign Trade Development Fund (e) Assistance to agriculture and forestry Promotion of new-energy and energy-saving automobiles Preferential tax policies Domestic appliance to countryside Fund for specialized economic cooperatives of farmers Fonte: OMC, Trade Policy Review - China

24 Subsídios 24 OMC, Trade Policy Review China The use of subsidies and other government assistance appear to be an important feature of China's trade policy making. However, because of the limited information made available to the Secretariat, it is difficult to confirm this. In general, very few details are available on China's subsidies and other government assistance, particularly at the sub-central level, on their type and size, the financial outlays involved, and the objectives of the programmes and their results. (...) In many cases, there are no precise figures on the magnitude of subsidies provided by the government, many of which are in the form of tax benefits.

25 Brasil - Shin Brasil - EG Uruguai - Johansen Brasil - Johansen Reino Unido - Johansen Austrália - EG Turquia - EG Grécia - Johansen Espanha - Johansen Holanda - Johansen Itália - EG Cingapura - Johansen Espanha - Shin Colômbia - Johansen Portugal - Shin Espanha - EG Portugal - EG Dinamarqua - EG Dinamarqua - Shin Portugal - Johansen Suécia - Johansen México-Johansen Alemanha - Johansen Alemanha - Shin Alemanha - EG Turquia - Shin México - EG México - Shin França - Johansen Japão - Johansen Irlanda - Johansen China - Johansen Estados Unidos - Johansen Finlândia - EG Estados Unidos - Shin Estados Unidos - EG Finlândia - Shin Índia - Johansen Colômbia - Shin % em relação ao equilíbrio Desalinhamentos Cambiais 25 60% Desalinhamento cambial estimado - Anos selecionados Metodologias: Análise de Fundamentos - Fundamentos estimados utilizando 3 metodologias: Shin, Engle & Granger e Johansen. 40% 20% 0% -20% % -60% Fonte: CEMAP - FGV

26 Level of misalignment - Deviation from long run equilibrium 26 Desalinhamentos cambiais % 40% 50,3% 40,5% 30% 26,1% 20% 10% 0% 11,6% 6,8% 3,3% 2,0% 0,6% 0,0% 0,0% -0,3% -0,4% -1,5% -6,7% -10% -20% -30% -8,5% -8,9% -11,4% -11,9% -22,0% -25,6% Countries Fonte: CEMAP - FGV

27 Fonte: CEMAP - FGV 27 Desalinhamento da China

28 28 Efeitos do câmbio no mercado brasileiro 60% Tarifas do Brasil - Efeito Valorização Cambial do Brasil 2011 Médias simples a HS 2 dígitos - fonte OMC (2010) 50% Cereais 40% Laticínios Tabaco Farmaceuticos Algodão Aeronaves 30% Tarifas Consolidadas 20% Tarifas Aplicadas 10% 0% -10% Tarifa consolidada ajustada: BR + 40% Tarifa aplicada ajustada: BR + 40% -20% -30% -40% -50%

29 29 Efeitos do câmbio no mercado brasileiro 60% Tarifas do Brasil - Efeito Do Desalinhamento Cambial Brasil + China 2011 Médias simples a HS 2 dígitos 40% Laticínios Cereais Tabaco Farmaceuticos Algodão Aeronaves Tarifas Consolidadas 20% Tarifas Aplicadas 0% Tarifa consolidada ajustada -Efeito BR + CH: 51% -20% Tarifa aplicada ajustada - Efeito BR + CH: 51% -40% -60%

30 Efeitos do câmbio no mercado brasileiro 30 40% Tarifas Aplicadas do Brasil - Evolução do Efeito Brasil + China Médias simples a HS 2 dígitos Vestuário 30% Bebidas alcoólicas Couro Automóveis 20% Laticínios Tarifas Aplicadas 10% 0% -10% -20% Nível tarifário aplicado ajustado 2010 Nível tarifário aplicado ajustado % -40% -50% -60%

31 Conclusões 31 Desafios 1 - China - economia híbrida Regras na OMC para NME :. Art. VI do GATT - Ad Note. Art. XVII do GATT - STE 2 - Temas a discutir. Câmbio e sistema financeiro. Subsídios. SOE

DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO. Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal

DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO. Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO 2013 Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal 2 Sistema Multilateral de Comércio Regras Multilaterais OMC (DSB), FMI, BM, OCDE, UNCTAD, FAO, OMPI Regras

Leia mais

Brasil China. Vera Thorstensen 2011

Brasil China. Vera Thorstensen 2011 Brasil China De conflito de interesses à busca de uma agenda comum Vera Thorstensen 2011 Análise Transversal da Regulação do Comércio Regras Multilaterais OMC (DSB), FMI, BM, OCDE, UNCTAD, FAO, OMPI Regras

Leia mais

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica.

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica. dossiers Economic Outlook Conjuntura International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros Last Update Última Actualização 15-07-2015 Prepared by PE

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Belém, 25 de Setembro 2014 Estrutura da apresentação 1. Porque a cooperação com a União Europeia em inovação é importante para o Brasil? 2.

Leia mais

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008 1.6 Faturamento 1966/008 Revenue 1966/008 1966 1967 1968 1969 1970 1971 197 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 198 AUTOVEÍCULOS VEHICLES 7.991 8.11 9.971 11.796 13.031 15.9 17.793 0.78 3.947 6.851 6.64

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL O BRASIL E OS NOVOS ACORDOS PREFERENCIAIS DE COMÉRCIO: O PESO DAS BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO TARIFÁRIAS MARÇO/2014 Conselho do IEDI Amarílio Proença

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011 Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas Comitê de Comércio Exterior Brasília Julho de 2011 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE BENS E SERVIÇOS* US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN GOODS

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Cenário internacional - crise, barreiras e política industrial

Cenário internacional - crise, barreiras e política industrial Conferência Política Industrial em contexto de crise internacional: avaliando estratégias Cenário internacional - crise, barreiras e política industrial Lia Valls Pereira IBRE/FGV FCE/UERJ Realização CEBRI.

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Michelle R S Badin COSCEX/FIESP, March 13, 2013 Estratégias Política Econômica Jurídica Zona de influência Alianças Liberalização, contenção ou

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Aliança do Pacífico: integração e crescimento

Aliança do Pacífico: integração e crescimento Aliança do Pacífico: integração e crescimento Juan Ruiz BBVA Research Economista chefe para América do Sul Ciclo de Conferências DE / BBVA - Alianza del Pacífico Lisboa, 1 de Outubro de 213 Índice 1 Um

Leia mais

Foreign Trade Promotion for German Small and Medium-Sized Enterprises (SMEs) in Brazil

Foreign Trade Promotion for German Small and Medium-Sized Enterprises (SMEs) in Brazil Foreign Trade Promotion for German (SMEs) in Brazil Vice-President of Marketing and Sales, German-Brazilian Chamber of Industry and Commerce Blumenau, November 20, 2007 Worldwide German Chambers Network

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15 Horários 13h30 às 15h30 11.11.15 13h30 às 15h30 SESSÃO 1: APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Sala 1 Painel Estratégias e Horários Sala 2 - Painel Políticas Públicas e Práticas Sustentáveis P1 Consumo e Produção

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃ ÇÃO DA EMPRESA

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃ ÇÃO DA EMPRESA ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃ ÇÃO DA EMPRESA CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITOS BÁSICOS Negócios Internacionais TRANSACÇÕES QUE CRUZAM AS FRONTEIRAS NACIONAIS Empresa A País A Empresa B Empresa

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001: Análise Comparativa dos Setores de Atividade entre Regiões e Países

Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001: Análise Comparativa dos Setores de Atividade entre Regiões e Países Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001: Análise Comparativa dos Setores de Atividade entre Regiões e Países Lucila Maria Souza de Campos Thiago H. S. Santos Débora Spenassato Andréa Cristina Trierweiller

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Indústria de construção naval brasileira. Cenário Mundial

Indústria de construção naval brasileira. Cenário Mundial Indústria de construção naval brasileira Apresentação ao BNDES Cenário Mundial Paulo de Tarso Rolim de Freitas Julho de 2003 1 Situação da frota mundial Frota mundial: 825 milhões de TPB. Novas construções

Leia mais

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Marcelo Theoto Rocha matrocha@esalq.usp.br 1 2 O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 Perfil elaborado en octubre de 2008 TRATAMIENTO ARANCELARIO E IMPOSITIVO 1) IMPUESTOS Y TASAS: 1.1) ARANCELES DE IMPORTACIÓN

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Relacionamento Investidores Anjos e Fundos de Investimento

Relacionamento Investidores Anjos e Fundos de Investimento Relacionamento Investidores Anjos e Fundos de Investimento Cate Ambrose Presidente e Diretora Executiva Latin American Private Equity & Venture Capital Association Congresso da Anjos do Brasil 2013 LAVCA

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

SERVIÇOS DADOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

SERVIÇOS DADOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SERVIÇOS DADOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 e 1º Semestre de 2015 SERVICES DATA OF INTERNATIONAL TRADE 2014 and 1º Semester of 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Ministério do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL 1.2 -A evolução da economia mundial: globalização dos mercados e globalização da produção comércio internacional

Leia mais

Investimentos em P&D nos setores de insumos agropecuários no Brasil

Investimentos em P&D nos setores de insumos agropecuários no Brasil Investimentos em P&D nos setores de insumos agropecuários no Brasil Jaim José da Silva Jr. Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Economia Agrícola e do Meio Ambiente (NEA) Câmara Temática de Insumos

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ambiente de Negócios: O Mercado Americano. Donzelina Barroso, Presidente, Portugal-US Chamber of Commerce 25 de Novembro de 2013, Lisboa

Ambiente de Negócios: O Mercado Americano. Donzelina Barroso, Presidente, Portugal-US Chamber of Commerce 25 de Novembro de 2013, Lisboa Ambiente de Negócios: O Mercado Americano Donzelina Barroso, Presidente, Portugal-US Chamber of Commerce 25 de Novembro de 2013, Lisboa A Câmara de Comércio: Historial Fundada em 1979 Única Câmara bilateral

Leia mais

Mercado Global de Bebidas 2010

Mercado Global de Bebidas 2010 Mercado Global de Bebidas 2010 Pontos Chave dessa apresentação: Suco de laranja é ainda o principal sabor na categoria de sucos no mundo Suco de laranja 100% com desafio de voltar a crescer Outras bebidas

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 14-03-2016 Prepared

Leia mais

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos Inteligência Institucional BRF Abril 2014 INDEX Introdução aos PTAs PTAs hoje -

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO 1EC305: COMÉRCIO INTERNACIONAL

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO 1EC305: COMÉRCIO INTERNACIONAL FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO 1 1EC305: COMÉRCIO INTERNACIONAL O comércio internacional no contexto da Ciência Económica 2 A economia internacional Finanças internacionais: centra- se nos

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS. AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt

4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS. AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt SITES DE REFERÊNCIA 4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt Banco de Portugal http://www.bportugal.pt CMVM Comissão do Mercado

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya)

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) Processo de exportação de perecíveis aos EUA (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) World Production of Tropical Fruit World production of tropical

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

Bens de consumo duradouro. Bens de consumo (100.00%) (2.58%) (80.53%) (15.69%) (1.20%) (30.20%) (4.00%) (26.20%) (35.90%) (14.90%) (17.80%) (1.

Bens de consumo duradouro. Bens de consumo (100.00%) (2.58%) (80.53%) (15.69%) (1.20%) (30.20%) (4.00%) (26.20%) (35.90%) (14.90%) (17.80%) (1. Outubro 2015 273 H.1.1 Índices de produção industrial (1) Industrial production indices (1) Corrigido dos efeitos de calendário, base 2010=100 Calendar adjusted, 2010=100 Fonte/Source: Instituto Nacional

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO A DEMANDA MUNDIAL POR PRODUTOS AUTOMOTIVOS: UMA ANÁLISE ENVOLVENDO AS INDÚSTRIAS AUTOMOBILÍSTICAS NACIONAIS DOS PAÍSES DO MERCOSUL NO PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO. RESUMO ALCELI RIBEIRO ALVES 1 Este artigo

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL JOÃO CRESTANA President of Secovi SP and CBIC National Commission of Construction Industry SIZE OF BRAZIL Population distribution by gender, according to age group BRAZIL 2010

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

Enterprise Europe - Portugal

Enterprise Europe - Portugal Enterprise Europe - Portugal Oportunidades de Cooperação Internacional Agência de Inovação Bibiana Dantas Lisboa, 5-Jun-2012 Enterprise Europe Portugal Jun 2012 2 A União Europeia é um mercado de oportunidades!

Leia mais

FUTURO DA DEFESA COMERCIAL

FUTURO DA DEFESA COMERCIAL FUTURO DA DEFESA COMERCIAL Heloísa Pereira Diretora Substituta do Departamento de Defesa Comercial DECOM Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Brasília 12 de novembro de 2014 O FUTURO

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Conference Call 2Q13 and 1H13 Results

Conference Call 2Q13 and 1H13 Results Conference Call 2Q13 and 1H13 Results 2 Performance in the Negócios Internacionais Negócios domestic Nacionais and USA,Europa e international markets Exportações Márcio Utsch Net Revenue 3 Net revenue

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água Porto, 9 de Fevereiro 2012 Paulo Areosa Feio Coordenador Calendário 5 th Report on Economic, Social and Territorial Cohesion & public

Leia mais

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra A Nova Fronteira? A China na Arena Mundial A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra I - Introdução A acessão da China à OMC Organização

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil

Relação Econômica Bilateral Japão e Brasil Relação Econômica Bilateral e Ⅰ.Comércio Exterior e Os principais parceiros de intercâmbio comercial brasileiro são os, a e a. A presença do não é significativa comparando a esses países. As exportações

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior. Balança Comercial Brasileira 2005

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior. Balança Comercial Brasileira 2005 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Balança Comercial Brasileira 2005 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA 2005 / 2004 US$ MILHÕES 2005 2004 % 2005/2004

Leia mais

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 Unidade: % Unit:% Taxa de cobertura das pelas para os 4 principais mercados

Leia mais

José Alexandre Scheinkman

José Alexandre Scheinkman José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics Columbia University Brasil: O Desafio da Produtividade Brasil: Problemas O Brasil tem problemas econômicos prementes de curto prazo. Déficit

Leia mais

Departamento de Negociações Internacionais

Departamento de Negociações Internacionais Departamento de Negociações Internacionais O Setor de Bens de Capital Mecânico e as Negociações Comerciais Apresentação do Estudo Consultoria ECOSTRAT 14 de setembro de 2006 Consultores da Ecostrat Apresentação

Leia mais

SEE Workshop 2: Design Support for SMEs & Public Sector

SEE Workshop 2: Design Support for SMEs & Public Sector SEE Workshop 2: Design Support for SMEs & Public Sector Brussels, 12 December 2012 Session 1: Attitudes to Design and Raising Awareness of Design Raising Awareness of a Region s Design Sector Paredes Centre

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

ICC 111 8. 15 agosto 2013 Original: francês. Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil.

ICC 111 8. 15 agosto 2013 Original: francês. Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil. ICC 111 8 15 agosto 2013 Original: francês P Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil O café na China Antecedentes Consoante os objetivos do Acordo Internacional

Leia mais

Modelos de negócios para a energia fotovoltaica na Europa

Modelos de negócios para a energia fotovoltaica na Europa Modelos de negócios para a energia fotovoltaica na Europa Natascha Trennepohl, Gerente de Projetos, eclareon GmbH Representante da Associação de Indústrias Fotovoltaicas da Alemanha (BSW) Seminário Energia+Limpa,

Leia mais

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa,

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa, Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report 2017-2018 Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa, 27.09.2017 Apoios 1 World Economic Forum Global Competitiveness Report 2017-2018 PORTUGAL

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Universidades Europeias diversificam financiamento

Universidades Europeias diversificam financiamento Universidades Europeias diversificam financiamento Maria da Graça Carvalho IST, PE Grupo PPE Manuel Loureiro - ULHT Ensino Superior: avaliação e sustentabilidade 28 de Fevereiro 2011, Lisboa ISG Instituto

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

A China como economia de mercado em 2016: qual é a diferença para a economia mundial?

A China como economia de mercado em 2016: qual é a diferença para a economia mundial? COMÉRCIO EXTERIOR A China como economia de mercado em 2016: qual é a diferença para a economia mundial? Lia Baker Valls Pereira Pesquisadora da FGV/IBRE e professora da Faculdade de Ciências Econômicas

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo

Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo Ricardo Chaves Lima 1 Resumo: O empresário inovador é um componente fundamental do processo de desenvolvimento econômico de acordo com a visão schumpeteriana.

Leia mais

UNCTAD NOTA À IMPRENSA. RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001

UNCTAD NOTA À IMPRENSA. RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001 TRADUÇAO NÃO OFICIAL UNCTAD NOTA À IMPRENSA RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001 (13 horas de Nova York, 19 horas de Genebra,

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Climate Change - Coal Overview

Climate Change - Coal Overview CSLF : Capacity Building Climate Change - Coal Overview Fernando Luiz Zancan President - Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Salvador - 08 September 2008 BRAZILIAN COAL INDUSTRY Resources: 31,7

Leia mais

Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve

Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve sumário Programas Europeus de Investigação Alguns dados Factores relevantes para sucesso Caminho para H2020 7º Programa Quadro

Leia mais

Investir em Angola Perspectiva de um Banco Alemão. 5º Fórum Económico Alemão-Angolano, Luanda, Junho 2013

Investir em Angola Perspectiva de um Banco Alemão. 5º Fórum Económico Alemão-Angolano, Luanda, Junho 2013 Investir em Angola Perspectiva de um Banco Alemão Commerzbank AG Commerzbank: 1.00 agências, 50 países, 14 milhões clientes particulares, 1 milhão clientes empresas e institucionais, 59.100 colaboradores

Leia mais

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa Documento preparado por solicitação da TELEBRASIL & FEBRATEL São Paulo, Novembro

Leia mais

Active Ageing: Problems and Policies in Portugal. Francisco Madelino Berlin, 17 October 2006

Active Ageing: Problems and Policies in Portugal. Francisco Madelino Berlin, 17 October 2006 Active Ageing: Problems and Policies in Portugal Francisco Madelino Berlin, 17 October 2006 ACTIVE AGEING 1. Demographic Trends in Portugal 2. Financial Implications of the Active Ageing on Social Security

Leia mais

Qualidade de Software nas MPE ISO/IEC 29110

Qualidade de Software nas MPE ISO/IEC 29110 Qualidade de Software nas MPE ISO/IEC 29110 A Hipótese em 2004 Uso de normas de ES nas PMEs A indústria de Software Austrália Reunião Plenária (2004) Reconhecimento das Necessidades e Problemas + 90% das

Leia mais

Workshop (6) Energy Efficiency

Workshop (6) Energy Efficiency Member of the Executive Board, MAN Diesel Blumenau, November 19 th th 2007 The MAN Group today Business areas Internationally active manufacturer of vehicles, engines and machinery Approx. 13 billion in

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais