Uma heurística para guiar os usuários da Internet baseada no comportamento da formiga

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma heurística para guiar os usuários da Internet baseada no comportamento da formiga"

Transcrição

1 Uma heurística para guiar os usuários a Internet baseaa no comportamento a formiga Wesley Martins Teles, Li Weigang, Célia Gheini Ralha 1 Departamento e Ciência a Computação Universiae e Brasília (UnB) Caixa Postal Brasília DF Brasil Abstract. This paper presents a new approach to guie web users, inspire by the ant colonies foraging behavior, to aaptively mark the most significant links, by means of the shortest route to arrive to target pages. Thus, we consier web users as artificial ants, an use the ant theory as a metaphor to guie user s activity in the Web site. In this paper, we escribe the ant s theory in which AntWeb is base. We also present the AntWeb system an a case stuy with some experiments. Resumo. Este artigo apresenta uma nova aboragem para guiar usuários web inspiraa no comportamento e colônias e formigas quano procuram alimento, one estacamos e forma aaptativa os links mais significativos, levano os usuários a rotas mais curtas para chegar às páginas esejaas. Em nossa aboragem, consieramos os usuários a Web como formigas artificiais, usano a teoria as formigas como uma metáfora para guiar a ativiae os usuários nos sites a web. Neste artigo, nós escrevemos a heurística as formigas em que o AntWeb é baseao. Nós apresentamos também o sistema AntWeb e um estuo e caso com algumas simulações realizaas. 1. Introução A Web é um sistema e hipermíia e como tal, os usuários sabem qual o próximo link a clicar através a inicação que o texto o link lhe á. Mas quase sempre o objetivo o usuário não está no noo vizinho ao noo corrente e um novo recurso se torna necessário para auxiliar o usuário em um contexto global. Para resolver este problema foram criaos os traicionais sistemas e busca como o altavista, o yahoo, google, etc. Mas esses sistemas transgriem os objetivos o hipertexto, fazeno com que os usuários encontrem seus objetivos como se estivessem fazeno buscas em um banco e aos. Sistemas e navegação aaptativa [Brusilovsky 1996], [Palazzo 1999] como o webwatcher [Joachins, Freitag e Mitchell 1996], e outros mecanismos [Liu, Yao e Zhong 2002], [Fensel 2002], [Han e Chang 2002] resolvem parte este problema, uma vez que fornecem inicações globais aos usuários manteno as características o hipertexto. Mas o problema não é apenas chegar à página alvo. Um sistema e hipermíia é um grafo one existem vários caminhos possíveis para se chegar a um noo partino e outro. Alguns caminhos são menores que outros. A inicação preferencial esses caminhos faz com que os usuários cheguem ao seu objetivo e forma mais rápia.

2 Usuários navegano na imensa ree e hipermíia a Web são como as formigas procurano seu alimento [Weigang, Dib, Teles e etc. 2002]. Elas perambulam por um imenso muno a procura e alimento, tal qual os usuários navegam na Internet. Ambos possuem uma visão e curto alcance o seu ambiente. Os usuários a internet poem apenas ter alguma iéia o que consiste o conteúo os noos vizinhos através o texto os links. Similarmente, as formigas poem enxergar somente istâncias muito curtas [Dorigo, Maniezzo e Colorni 1996], [Dorigo, Caro, Sampels 2002], tornano-as praticamente cegas. Mas, iferente os usuários a internet, as formigas possuem um sistema e cooperação simples e eficiente que permite que elas encontrem o caminho mais curto para fonte e alimento [Beckers, Deneubourg e Goss 1992]. À meia que a formiga ana, ela eixa rastros e feromônio no chão para que outras formigas sigam o mesmo caminho. Caminhos longos recebem menos atualizações e feromônio o que caminhos curtos. Dessa forma, os caminhos longos se extinguem evio à evaporação e feromônio, enquanto os caminhos curtos ficam caa vez mais aromáticos graças a crescente atualização. A engenhosiae esse sistema foi usaa para a solução e iversos problemas na Ciência a Computação, como o problema o caixeiro viajante e o roteamento e pacotes [Dorigo, Caro e Gambarella 1999]. O esenvolvimento e AntWeb foi proposto em uas linhas. A primeira se concentrou na avaliação e estruturas e WebSites [Weigang, Dib, Teles e etc. 2002]. A seguna, que está escrita neste trabalho, se concentrou no uso o comportamento a formiga para promover a aaptação a web no sentio e guiar o usuário. Ela se baseou na necessiae e fazer com que o usuário a internet encontre caminhos curtos urante sua navegação. O AntWeb aaptativo consiste na iealização e uma internet coletiva, em que os usuários eixam rastros e feromônio pelo caminho, como as formigas fazem. Desta forma, foi implementao um sistema que simula a web com tais mecanismos. Esse sistema é um visualizaor e páginas a Internet, em que o usuário enxerga a web através a perspectiva o AntWeb. Este trabalho está iviio em cinco sessões: logo após esta introução apresentamos a moelagem a heurística usaa para guiar o usuário a Web e o algoritmo esenvolvio. Na terceira sessão, falaremos a implementação o moelo que foi iviio em ois móulos. Os estuos e casos estão escritos na sessão quatro. No final, a sessão cinco apresenta a conclusão e as perspectivas e trabalhos futuros. 2. Moelo o AntWeb O AntWeb é uma heurística aaptaa a meta heurística a formiga esenvolvia por Marco Dorigo e colegas [Dorigo, Maniezzo e Colorni 1996], que permite conuzir o usuário à(s) página(s) que esejamos por um caminho menor através o hipertexto. Isto é uma alternativa a fornecer o link ireto para a(s) página(s). Quano se faz isso, o usuário pere a oportuniae e passar por muitas páginas, que talvez, lhe interessasse também. É como se você fosse para o supermercao comprar uma caneta. Para chegar até essa caneta no supermercao, você tem que ir para a sessão e materiais escolares. Neste caminho, você vê lápis a vena e se lembra que também precisa e lápis. Se você tivesse ligao para o supermercao e comprao a caneta com entrega a omicilio, você

3 provavelmente não iria se lembrar que estava precisano e lápis. Normalmente, as páginas que tem conteúo relacionao estão próximas uma as outras no hipertexto e algumas essas páginas poem ser e interesse o usuário Moelo básico Em nosso moelo, pij expressa o quanto a escolha a página j é boa quano o usuário está na página i procurano a página. A Equação 1 mostra a restrição que eve ser aplicaa a p ij. p ij = 1, j N i (1) One Ni é o conjunto os vizinhos a página i. Caa página o site terá uma tabela e roteamento que é calculaa seguno a Equação 2. a ij (p) = [τ j (p)] α [η j (p)] β / {[τ l (p)] α [η l (p)] β }, j N i, l N i (2) One a ij (p) correspone aos valores a tabela e roteamento na iteração p, τj (p) é a quantiae e feromônio na página j na iteração p, α e β são parâmetros que permitem controlar os pesos entre a trilha e feromônio e ηj = 1/wt j é uma heurística relacionaa ao custo e usar a página j: wt j = lt j + vt j (3) One wtj é o tempo estimao na página j. Ele inclui ltj o tempo estimao para obter a página j através o browser, e vt j o tempo que o usuário levará para visitar até página. A equação 4 mostra como é feito o cálculo a probabiliae na qual uma formiga escolhe ir a página i para a página j N i. p ij = a ij (p) / a il (p), l N i (4) A atualização o feromônio ocorre epois que a formiga termina sua viajem até a página estino. Nesta atualização são feitos a evaporação e o acréscimo o feromônio nos links. A equação 5 mostra como é calculao o acréscimo e feromônio. 1/[(nl i,k (p) + 1)σ] se i T,k (p) τ i,k (p) = { (5) 0 se i T,k (p) One T,k (p) é o conjunto e páginas visitaas pela formiga k na iteração p para chegar a página, nli,k (p) é a istância a página i até a página em T,k (p) e σ é um parâmetro que etermina o quanto a istância entre i e vai influenciar no ecremento o feromônio, normalmente igual a 1. Por exemplo se T P3,k (p) ={P1,P2,P3} então τ P1 P3,k (p) = 0.33σ, τ P2 P3,k (p) = 0.5σ e τ P3 P3,k (p) = σ. A aição e feromônio em caa página é feita e acoro com a equação 6: τ i (p) (1-ρ) τ i (p) + ρ τ i,k (p) para k = 1,, m, i T,k (p) (6)

4 One ρ [0,1] é o coeficiente e evaporação. Observe que essa fórmula é equivalente a uma méia continuaa fazeno com que o feromônio os links tenam a uma estabilização Moelo para procura e vários estinos Quano o usuário está procurano sua página, usano o AntWeb, é como se ele estivesse seguino o cheiro e sua página e seguisse os links que exalem o cheiro mais forte. No moelo anterior, quano se está guiano o usuário para apenas um estino, é como se somente uma página puesse exalar seu cheiro, ficano toas as outras inooras. Assim, ficano somente a página que o usuário eseja encontrar exalano cheiro, basta o usuário seguir o cheiro que ele a encontrará. Mas e no caso e existirem uas ou mais páginas que satisfaçam o esejo o usuário e forma similar? Nesse caso, poemos permitir que essas uas ou mais páginas exalem seu cheiro simultaneamente. Dessa forma, como toas as páginas possuem o mesmo cheiro, ganhará a preferência o usuário a página que estiver a uma istância mais curta, lembrano que quano mais um objeto está próximo e nós, mas poemos sentir seu cheiro. O moelo para levar o usuário a mais e um estino é similar ao moelo anterior, muano apenas na forma como é calculaa a probabiliae que expressa o quanto é bom o usuário seguir eterminao caminho. p ij D,G = [a ij (p) g ] / [ a il (p) g ], l N i, D, g G (7) One D é o conjunto e páginas estino que esejo levar o usuário, g é um coeficiente que inica quanto a página é boa para o usuário e G é o conjunto e coeficientes g atribuíos ao conjunto D. Quanto maior o valor e g maior o cheiro que esta página exalará em relação a outras páginas 2.3. Ientificano a página estino o usuário Para ientificação a página estino corresponente a caa navegação ocorria usano o AntWeb, foi usao os mesmos métoos escritos em [Srikant e Yang 2001]. Existem ois métoos que são utilizaos em conjunto: A página é uma página e conteúo Em alguns sites existe uma clara separação entre página ínice e página conteúo. Neste caso a página é ientificaa como uma página estino através a verificação o tipo e página. Utilização e um "threshol" Neste métoo é feito a verificação o tempo em que o usuário permaneceu na página. Se o tempo for acima e um "threshol", a página é consiera a página estino o usuário O algoritmo para atualização o feromônio A atualização o feromônio será feita usano-se o log e acesso às páginas. No log ispomos e informações como o enereço a página acessaa, o IP o usuário e a hora que a página foi acessaa. O algoritmo é o seguinte: 1. Particione o log por visitante.

5 2. Orene caa partição pela hora em que caa página foi acessaa. 3. Para caa visitante, particione e forma que caa partição termine com uma página estino o usuário. 4. Para caa partição criaa o passo 3 atualize o feromônio as páginas usano as equações 5 e Implementação na Internet O AntWeb aaptativo foi implementao em linguagem PHP usano banco e aos MySQL. A Figura 1 mostra a página o AntWeb que os usuário acessam para navegar no site o Departamento e Ciência a Computação a UnB. Ao clicar em clique aqui para começar o usuário visualizará a mesma página que ele visualizaria se tivesse igitao a URL no campo aresss o seu browser, mas com a iferença que o(s) link(s), que presumiamente possui maior probabiliae e levar ao objetivo em menos clicks, são estacaos com a figura e uma formiga. Figura 1. Home page inicial o AntWeb Quano acessamos uma página e um link aparece estacao, significa que interceptamos uma trilha e feromônio. Ao clicarmos no link estacao, estaremos seguirmos

6 a trilha e feromônio eixao por outros usuários. Para ele eixar e usar o AntWeb, basta igitar outro enereço na barra e enereço e seu browser que ele sairá o sistema. Para entenermos melhor como funciona este esquema, vamos primeiro imaginar um cenário em que nosso usuário acessaria o site o CIC sem o AntWeb. Primeiro, ele igitaria o enereço o site em seu browser e em seguia seria manao uma requisição pela Internet ao servior web o CIC. Em seguia, seu browser receberia o cóigo HTML a página, e apresentaria a página ao usuário. No caso o AntWeb, primeiro nosso usuário acessa a página o AntWeb e clica no link corresponente. Neste momento, é enviaa uma requisição ao servior o AntWeb (1) conforme mostra a Figura 2. O AntWeb então busca a página requisitaa (2, 3) e verifica a quantiae e feromônio em caa link a página e outros aos no Banco e Daos (4) para ele saber qual link será estacao. O AntWeb estaca o(s) link(s) e epois altera a URL e toos os links na página e forma que passem a apontar para o servior o AntWeb. Em seguia, o AntWeb grava um log no Banco e Daos que servirá para o processo e atualização o feromônio (5). Finalmente o AntWeb retorna a página moificaa para o usuário (6). Quano o usuário clicar em algum link a página que ele recebeu, ele manará uma nova requisição ao AntWeb, recomeçano too o ciclo novamente Como a implementação se relaciona com o moelo No caso específico esta implementação o AntWeb, os usuários são conuzios usano a técnica e inicação ireta [Brusilovsky 1996], [Palazzo 1999]. Toas as páginas conteúo o Site o CIC foram incluías no conjunto D (conjunto e páginas estino) e a heurística que foi usaa em g foi o acesso méio e caa página os últimos três ias. Assim o sistema levará o usuário para as páginas com melhor proporção entre istância e populariae. O algoritmo se aplica a caa página a Internet que for requisitaa ao AntWeb: 1. Calcule a probabiliae e escolha e caa link conforme equação 7 e 2. Destaque o(s) link(s) que tiverem a maior probabiliae calculaa Os ois móulos a implementação O AntWeb foi esenvolvio em ois móulos: Atualização o feromônio e aaptação e páginas. O móulo e atualização o feromônio funciona separaamente o móulo e aaptação e página para que este último ê uma resposta mais rápia ao usuário. O móulo e atualização o feromônio é executao em seguno plano no servior, seno responsável por manter as taxas e feromônio as páginas atualizao. O sistema foi esenvolvio utilizano orientação a objetos e como principais classes esse móulo temos: PheromoneUpaterTrigger: É responsável por isparar too o processo e atualização. PheromoneUpater: É responsável pela atualização o feromônio em si. PheromoneIncreser: Nesta classe está a função e acréscimo e feromônio. Configuration: É responsável por controlar os parâmetros usaos na atualização e feromônio, como o coeficiente e evaporação e o tempo e iteração.

7 UpateRecorer: É a classe responsável por gravar, na tabela Upates, os aos corresponentes e caa atualização feita. 1-requisição a página ao AntWeb 2-requisição a página Usuário 6-página moificaa Servior web AntWeb 3-página Servior web CIC UnB 5-log 4-feromonio os links Servior Banco e Daos Figura 2. Como funciona o AntWeb O móulo e aaptação e página é executao a caa vez que o usuário faz uma solicitação ao AntWeb. Ele é responsável por apresentar a página com os links estacaos quano necessário. A escrição as principais classes é apresentaa a seguir: Url: Classe responsável por tratar a URL a página que vai ser aaptaa. PageLoaer: Classe responsável por obter a internet o cóigo HTML a página que vai ser aaptaa. InternalLinksProcessor: Classe responsável por fazer com que os caminhos relativos os links a página se tornem absolutos. LinksSelector: Responsável por selecionar os links que serão estacaos baseano na taxa e feromônio e caa um eles e nos parâmetros obtios e Configuration. LinksHighlighter: Responsável por estacar os links selecionaos em LinksSelector na página que esta seno aaptaa. LinksGuier: Altera toas as URLs os links a página e forma que eles apontem para o AntWeb e contenham um parâmetro informano qual página o link apontava antes. Sener: Classe responsável por enviar via internet o cóigo HTML a página aaptaa para o browser o usuário que a solicitou. Log: Classe responsável por fazer o registro e log na tabela logs corresponente ao processo e aaptação.

8 1A 0,67 0,33 2A 2B 0,5 0,5 3A 0,5 0,5 3B Figura 3. Estrutura e um site fictício 4. Estuo e caso Neste experimento, foi feita uma simulação com 30 iterações. Suponha que o usuário começa a navegar no site fictício a Figura 3 e que a caa iteração, o usuário escolhe caminhos aleatórios e forma proporcional aos números mostraos nas arestas. No site a Figura 3, as páginas 1, 2 e 3 são páginas conteúo e as paginas restantes são paginas ínices. Foram consieraos os seguintes valores para a atualização o feromônio: Coeficiente e evaporação(ρ) = 0,3 ; Coeficiente que iz o quanto a istância e uma página ao estino eve afetar o ecremento o feromônio (σ) = 1 e as constantes e controle α = 1 e β = 0. Os feromônios e toas as páginas começaram com o valor 0 na iteração 0 e ficaram com τ 11 (30)= 0,9718, τ 22 (30)= 0,9176, τ 33 (30)= 0,9718, τ 2A1 (30)= 0,3239, τ 2A2 (30)= 0,3059, τ 2B3 (30)=0,4261, τ 3B3 (30)= 0,1794 na iteração Situação 1 Nesta situação, as páginas estinos que esejamos levar o usuário são D={1,3} com g 1 =1 e g 3 =1. Como neste caso as páginas estino estão "exalano" a mesma quantiae e cheiro o AntWeb everá inicar preferencialmente a página que esta mais próxima. Quano o usuário começa a navegar na página 1A as probabiliaes e serão p 1A,2A {1,3},{1,1} = 0,4319 e p 1A,2B {1,3},{1,1} = 0,5681. Desta forma, o sistema inica a página 2B como melhor caminho para encontrar rápio alguma página que satisfaça o esejo o usuário. Em 2B as probabiliaes serão p 2B,3 {1,3},{1,1} = 0,8442 e p 2B,3B {1,3},{1,1} = 0,1558 o que leva o usuário para a página 3, que é uma as páginas estino. Ao examinarmos a Figura 3 veremos que foi inicao o melhor caminho possível para se chegar rápio a alguma página estino Situação 2 Agora teremos uma situação inversa a situação anterior. Temos uas páginas estinos com a mesma istância a home page e com valores iferentes para g. Nesse caso, D={1,2} e g 1 =1 e g 2 =2. Quano o usuário está na 1A, as probabiliaes serão p 1A,2A {1,2},{1,2} = 1 e p 1A,2B {1,2},{1,2} = 0. Assim, o sistema inica a página 2A como melhor caminho. Estano na

9 página 2A, as probabiliaes serão p 2A,1 {1,2},{1,2} = 0,3462 e p 2A,2 {1,2},{1,2} = 0,6538, o que reflete os valores e g nas efinições as probabiliaes. Assim, o sistema a preferência pela inicação a página 2 por ser a página com maior g. 5. Conclusão O AntWeb combina a teoria as formigas com a tecnologia a web aaptativa como uma nova aboragem no campo e pesquisa e web inteligente. Este trabalho se relaciona a iferentes tópicos e pesquisa além e web inteligente, como agentes inteligentes e navegação, iteração homem-web inteligente através e interfaces aaptativas para web e web mining. Comparao com outras aboragens existentes, consieramos que o AntWeb completa a função e outras heurísticas, estabeleceno rotas mais curtas para páginas alvo. O AntWeb apresenta uma aboragem flexível e extensível que poe se aaptar com outras aboragens e forma simples tornano-a uma ferramenta poerosa. Durante nossa pesquisa nós observamos alguns pontos que poem ser consieraos para trabalhos futuros: - O Banco e aos o AntWeb ispõe e uma rica fonte e informações os aos e acesso os usuários, as quais poem servir para a analise e parões e comportamento e estuo o efeito o AntWeb na navegação. - A geração e estruturas inâmicas em sites usano o feromônio. O AntWeb aina está em avaliação e esenvolvimento. Será necessário mais trabalho e implementação para aprimorar o sistema, mas no momento estamos convencios e que esta pesquisa merece o conhecimento a comuniae científica, especialmente a e web aaptativa e sistemas formiga para que sejam aas sugestões para o aprimoramento o moelo e futuros trabalhos. Agraecimento Este trabalho é patrocinao parcialmente pelo CNPq o processo e /20026 e pela CAPES no programa e pós-grauação o Departamento e Ciência a Computação a Universiae e Brasília. Referências D. Fensel, Ontology-Base Knowlege Management, IEEE Web Intelligence, vol. 35, no. 11, 2002, pp J. Han an K. Chang, Data Mining for Web Intelligence, IEEE Web Intelligence, vol. 35, no. 11, 2002, pp J. Liu, Y. Yao an N. Zhong, In Search of the Wisom Web, IEEE Web Intelligence, vol. 35, no. 11, 2002, pp L. A. M. Palazzo, Sistemas e Hipermíia Aaptativa, Universiae Católica e Pelotas, Escola e Informática, 1999.

10 L. Weigang, M. V. P. Dib, W. M. Teles, V. M. e Anrae, A. C. M. Alves e Melo, J. T. Cariolano, "Using ants behavior base simulation moel AntWeb to improve website organization", in Proc. SPIE's Aerospace/Defense Sensing an Controls Symposium: Data Mining, Vol. 4730, pp , Orlano, USA, April M. Dorigo, G. D. Caro, M. Sampels (Es.), "Ant Algorithms", Thir International Workshop, ANTS 2002, Brussels, Belgium, September 12-14, 2002, Proceeings. Lecture Notes in Computer Science 2463 Springer M. Dorigo, G. Di Caro an L. M. Gambarella, Ant Algorithms for Discrete Optimization. Artificial Life, 5(2), , M. Dorigo, V. Maniezzo an A. Colorni, The Ant System: Optimization by a Colony of Cooperating Agents, IEEE Transactions on Systems, Man, an Cybernetics-Part B, 26(1), 29-41, P. Brusilovsky, "Methos an Techniques of aaptive Hyermeia". User Moeling an User Aapte Interaction. V.6, n.2-3, pp Special issue on aaptive hipertext an hypermeia, R. Beckers, J. L. Deneubourg an S. Goss, Trails an U-turns in the selection of the shortest path by the ant Lasius niger, Journal of theoretical biology, 159, , R. Srikant an Y. Yang, Mining Web Logs to Improve Website Organization, In Proc. of the Tenth International Worl Wie Web Conference, Hong Kong, May T. Joachims, D. Freitag, T. Mitchell, "WebWatcher: A Tour Guie for the Worl Wie Web", Proceeings of IJCAI97, August 1997 (longer version internal CMU technical report September 1996).

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA Colônia de Formigas Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução O Experimento da Ponte Binária. Ant System Aplicado ao PCV. Elitist Ant System. Introdução Otimização colônia

Leia mais

A Otimização Colônia de Formigas

A Otimização Colônia de Formigas A Otimização Colônia de Formigas Estéfane G. M. de Lacerda Departamento de Engenharia da Computação e Automação UFRN 22/04/2008 Índice A Inspiração Biológica O Ant System Aplicado ao PCV O Ant System Aplicado

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Inteligência de Enxame: ACO

Inteligência de Enxame: ACO Inteligência de Enxame: ACO! Otimização colônia de formigas é uma meta-heurística: «baseada em população «inspirada no comportamento forrageiro das formigas.! Muitas espécies de formigas são quase cegas.!

Leia mais

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves CAP 254 CAP 254 Otimização Combinatória Professor: Dr. L.A.N. Lorena Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves Conteúdo C01 Simulated Annealing (20/11/07). C02 Busca Tabu (22/11/07). C03 Colônia

Leia mais

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

APLICAÇÃO DA METAHEURÍSTICA COLÔNIA DE FORMIGAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS

APLICAÇÃO DA METAHEURÍSTICA COLÔNIA DE FORMIGAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS APLICAÇÃO DA METAHEURÍSTICA COLÔNIA DE FORMIGAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS Mirlam Moro Lombardi e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz Uniaracruz {mirlam,

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente

Leia mais

Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha

Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha Amarildo de Vicente Colegiado do Curso de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual do Oeste

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Análisede links Page Rank Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Motivação Suponha que um modelo clássico, como

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Enem 013) A Lei a Gravitação Universal, e Isaac Newton, estabelece a intensiae a força e atração entre uas massas. Ela é representaa pela expressão: F G m m = 1 one m 1 e m corresponem às massas os

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

GLOSSÁRIO TV TEM INTERNET ATUALIZADO EM 02/2013

GLOSSÁRIO TV TEM INTERNET ATUALIZADO EM 02/2013 GLOSSÁRIO TV TEM INTERNET ATUALIZADO EM 02/2013 Tel: (15) 3224.8770 marketing.internet@tvtem.com 1 CPC Custo por clique É o valor pago para cada vez que um de seus anúncios é clicado. CPM Custo por mil

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Manual de acesso à área de cliente MEU SITE EXPRESSO

Manual de acesso à área de cliente MEU SITE EXPRESSO 1 Manual de acesso à área de cliente MEU SITE EXPRESSO Para a comodidade dos nossos clientes, criamos uma área exclusiva onde cada cliente com seu usuário e senha, pode efetuar o pagamento de sua mensalidade,

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal

2 a. Apostila de Gravitação A Gravitação Universal a. Apostila e Gravitação A Gravitação Universal Da época e Kepler até Newton houve um grane avanço no pensamento científico. As inagações os cientistas ingleses giravam em torno a questão: Que espécie

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA ESENVOLVIMENTO E COMPUTAOR E VAZÃO COMPENSAA E GÁS NATURAL EMPREGANO ARQUITETURA ABERTA *CLAUIO GARCIA *OSMEL REYES VAILLANT *ESCOLA POLITÉCNICA A UNIVERSIAE E SÃO PAULO EPARTAMENTO E ENGENHARIA E TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Análise de Links e Busca na Web

Análise de Links e Busca na Web Análise de Links e Busca na Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti PageRank O PageRank é uma espécie de fluido que circula pela rede Para uma rede com n nós, o PageRank é calculado da seguinte

Leia mais

Índice de audiência no jornalismo digital

Índice de audiência no jornalismo digital Índice de audiência no jornalismo digital Tanto na indústria jornalística, com na imprensa alternativa, é preciso fazer uma verificação de como está o índice de audiência do site. No caso da indústria

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

ANEXO I-d ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES

ANEXO I-d ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES ANEXO I- ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES Os roteaores everão ser fornecios, instalaos, mantios, gerenciaos e operaos pela CONTRATADA e everá ser garantio o esempenho e os níveis e serviços

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL MEDIAWIKI Manual Media Wiki Página 2 Sumário O que é MediaWiki... 4 Acesso ao sistema... 5 Criação do índice principal... 7 Criação de página... 14 Bloqueio/Proteção de página... 17 Manual Media

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Plugin Wordpress Versão: 1.4.0 Data:

INSTRUÇÕES DE USO. Plugin Wordpress Versão: 1.4.0 Data: INSTRUÇÕES DE USO Plugin Wordpress Versão: 1.4.0 Data: DOWNLOAD E INSTALAÇÃO DOWNLOAD E ATIVAÇÃO 1- Conecte-se ao site www.liveoptim.com 2- Inscreva-se On-line, declare o domínio no qual o aplicativo serà

Leia mais

www.marketingdigitalexpress.com.br - Versão 1.0 Página 1

www.marketingdigitalexpress.com.br - Versão 1.0 Página 1 www.marketingdigitalexpress.com.br - Versão 1.0 Página 1 Remarketing é um recurso utilizado para direcionar anúncios personalizados para as pessoas que visitaram uma determinada página do seu site ou clicaram

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

Mecanismos básicos de Propagação

Mecanismos básicos de Propagação Mecanismos básicos e Propagação Reflexão: Ocorre quano a ona propagaa se encontra com objetos muito granes quano comparaos com o comprimento e ona; Difração: Ocorre quano o caminho entre o transmissor

Leia mais

NAVEGAR INTERNET NAVEGANDO

NAVEGAR INTERNET NAVEGANDO INTERNET NAVEGANDO A Web, como é chamada, é formada por milhões de lugares conhecidos como sites. Existem sites de universidades, empresas, órgãos do governo, sites pessoais etc. As informações estão organizadas

Leia mais

Otimização por Colônia de Formigas (Ant Colony Optimization - ACO)

Otimização por Colônia de Formigas (Ant Colony Optimization - ACO) Otimização por Colônia de Formigas (Ant Colony Optimization - ACO) Eros Moreira de Carvalho Gabriel Silva Ramos CI209 - Inteligência Artificial BCC - Bacharelado em Ciência da Computação DInf - Departamento

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS Simpósio Brasileiro e Pesquisa Operacional A Pesquisa Operacional na busca e eficiência nos serviços públicos e/ou privaos Setembro e 2013 SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão da Dengue

Epidemiologia da Transmissão da Dengue TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (2003), 387-396. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Epiemiologia a Transmissão a Dengue H.M. YANG 1, Departamento e Matemática

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil HERMANN CLAY DE ALMEIDA LEITE ENERGISA PARAIBA DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A hermann@energisa.com.br

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

2) Clique sobre o LINK e você será redirecionado para uma página de cadastro como esta:

2) Clique sobre o LINK e você será redirecionado para uma página de cadastro como esta: Passo a Passo :: Como cadastrar-se no Portal do Fornecedor Odebrecht Agroindustrial 1) Você receberá um e-mail igual o abaixo para solicitar seu cadastro no Portal 2) Clique sobre o LINK e você será redirecionado

Leia mais

Inteligência de Enxames

Inteligência de Enxames Inteligência de Enxames André Ricardo Gonçalves andreric [at] dca.fee.unicamp.br www.dca.fee.unicamp.br/~andreric Sumário 1 Inteligência de Enxames p. 3 1.1 Ant Colony Optimization...........................

Leia mais

PROCEDIMENTO DO CLIENTE

PROCEDIMENTO DO CLIENTE PROCEDIMENTO DO CLIENTE Título: Plug-in Guia de Empresas Objetivo: Aprender a utilizar a ferramenta. Onde: Empresa Quem: Cliente Quando: Início A ferramenta de Guia de Empresas é uma ferramenta desenvolvida

Leia mais

SMS MANUAL DE UTILIZAÇÃO PLATAFORMA SMS V2.0

SMS MANUAL DE UTILIZAÇÃO PLATAFORMA SMS V2.0 SMS MANUAL DE UTILIZAÇÃO PLATAFORMA SMS V2.0 Março/2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CONTA... 4 3 MY ACCOUNT... 6 4 ADDRESS BOOK... 7 5 MANAGE GROUP... 8 6 FORMAS DE ENVIO... 9 6.1 SEND SMS... 9 6.2 BULK

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL DO SISTEMA ESTADUAL DE CONTROLE DE PESCA

MANUAL OPERACIONAL DO SISTEMA ESTADUAL DE CONTROLE DE PESCA SISTEMA IMASUL DE REGISTROS E INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS DO MEIO AMBIENTE MANUAL OPERACIONAL DO SISTEMA ESTADUAL DE CONTROLE DE PESCA Manual Operacional para uso exclusivo do módulo do Sistema Estadual de

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

O que é? Swarm Intelligence. Qual a origem? Cardume. Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de

O que é? Swarm Intelligence. Qual a origem? Cardume. Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de O que é? Swarm Intelligence (Inteligência oletiva) Prof. Luis Otavio lvares Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de problemas inspirada pelo comportamento coletivo

Leia mais

The VISGRAF Video Database Rafaella Gappo Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2009-04 Relatório Técnico. August - 2009 - Agosto

The VISGRAF Video Database Rafaella Gappo Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2009-04 Relatório Técnico. August - 2009 - Agosto Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada The VISGRAF Video Database Rafaella Gappo Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2009-04 Relatório Técnico August - 2009 - Agosto The contents

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SERVER

DNS DOMAIN NAME SERVER DNS DOMAIN NAME SERVER INTRODUÇÃO Quando você navega na internet ou manda uma mensagem de e-mail, você estará utilizando um nome de domínio. Por exemplo, a URL "http://www.google.com.br" contém o nome

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB CONSTRUÇÃO DE CURAS DE CAPACDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB PEDRO DA COSTA JR., LUZ GONÇALES JR., CLAUDO. DE AQUNO, ANDRÉ N. DE SOUZA, JOSÉ E. C. CASTANHO Faculae e Engenharia e Bauru, UNESP

Leia mais

Table of Contents. PowerPoint XP

Table of Contents. PowerPoint XP Table of Contents Finalizando a apresentação...1 Usando anotações...1 Desfazer e repetir...1 Localizar e substituir...2 Substituir...2 Efeitos de transição...3 Esquema de animação...6 Controlando os tempos

Leia mais

Manual de Atualização MATERIAL DE APOIO - KB IMÓVEIS

Manual de Atualização MATERIAL DE APOIO - KB IMÓVEIS 1 2 Manual de Atualização MATERIAL DE APOIO - KB IMÓVEIS Login é a área de autenticação do sistema. Por questões de segurança, é necessário que o usuário se identifique, impedindo a entrada de pessoas

Leia mais

= Resposta: 3,6 m/s 2. 4 No instante t 0. Resolução: + α t v = 20 2t (SI) b) 0 = 20 2t t = 10 s. Resposta: a) v = 20 2t (SI); b) 10 s

= Resposta: 3,6 m/s 2. 4 No instante t 0. Resolução: + α t v = 20 2t (SI) b) 0 = 20 2t t = 10 s. Resposta: a) v = 20 2t (SI); b) 10 s UFRJ Equipe UFRJ Olimpíaa Brasileira e Física Lista Aula 3C Física Jorão 1 É aa a seguinte função horária a velociae escalar e uma partícula em movimento uniformemente variao: v = 15 + t (SI) Determine:

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting Omega Tecnologia Manual Omega Hosting 1 2 Índice Sobre o Omega Hosting... 3 1 Primeiro Acesso... 4 2 Tela Inicial...5 2.1 Área de menu... 5 2.2 Área de navegação... 7 3 Itens do painel de Controle... 8

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

Atividade 11. Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos

Atividade 11. Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos Atividade 11 Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos Sumário Freqüentemente programas de computador precisam processar uma seqüência de símbolos como letras ou palavras em um documento, ou até mesmo

Leia mais

www.portalfuturum.com.br

www.portalfuturum.com.br www.portalfuturum.com.br GEOGRAFIA Solos GUIA RÁPIDO DO AMBIENTE DE FORMAÇÃO DO PORTAL FUTURUM Prezado(a) cursista, Bem-vindo(a) ao Ambiente de Formação do Portal Futurum (AFPF)!!! A proposta deste material

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Neste tópico, abordaremos a funcionalidade de segurança fornecida com o SAP Business One.

Neste tópico, abordaremos a funcionalidade de segurança fornecida com o SAP Business One. Neste tópico, abordaremos a funcionalidade de segurança fornecida com o SAP Business One. 1 Ao final deste tópico, você estará apto a: Descrever as funções de segurança fornecidas pelo System Landscape

Leia mais

Mostraremos neste artigo um exemplo de como realizar o cadastro de uma Issue em um projeto existente no portal Java.net.

Mostraremos neste artigo um exemplo de como realizar o cadastro de uma Issue em um projeto existente no portal Java.net. Introdução Página 1 de 7 Mostraremos neste artigo um exemplo de como realizar o cadastro de uma Issue em um projeto existente no portal Java.net. Para iniciar este trabalho, estou considerando que você

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes ALUNES MANUAL DO USUÁRIO Guia rápido Alunes 1 Manual de Instruções Versão 2.0 Alunes Informática 2 Sumário Introdução... 5 Pré-requisitos... 5 Principal/Home... 6 Como editar texto do home... 7 Desvendando

Leia mais

Introdução ao EBSCOhost 2.0

Introdução ao EBSCOhost 2.0 Introdução ao EBSCOhost 2.0 Tutorial support.ebsco.com O que é? O EBSCO Host é um poderoso sistema de referência on-line acessível através da Internet, e oferece uma variedade de bases de dados de texto

Leia mais

Sistemas Auto-organizáveis BC0005

Sistemas Auto-organizáveis BC0005 Aplicações Sistemas Auto-organizáveis BC0005 Bases Computacionais da Ciência Modelagem e simulação Solução de problemas reais por modelos computacionais (visto na aula anterior) Sistemas auto-organizáveis

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

ClinicalKey 2.0. Guia do usuário

ClinicalKey 2.0. Guia do usuário ClinicalKey 2.0 Guia do usuário 2 Agenda 1. Introdução 2. Selecionando o navegador 3. Como acessar ClinicalKey 4. Como pesquisar no ClinicalKey 5. A informação que você precisa 6. Topic Pages 7. Página

Leia mais

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Gil Romeu A. Pereira 1, Ivairton M. Santos 1 1 Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT) Campus Universitário do Araguaia Instituto

Leia mais