CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS. Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS. Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira"

Transcrição

1 1 CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Embora muitos Hospitais trabalhem com as doses dos fármacos personalizadas e prontas para o uso de cada paciente, entretanto, para a administração de medicamentos na maioria dos Hospitais Públicos existe a necessidade de calcular a dosagem prescrita para evitar equívocos ou erros, pois, a apresentação do fármaco (quantidade do fármaco por mg ou por ml) nem sempre coincide com a quantidade de cada dose que deve ser administrada. Para facilitar a compreensão temos alguns exemplos de situações freqüentemente encontradas: 1 Foi prescrito para uma criança 48 mg de paracetamol de 12/12 horas para ser administrado em seringa oral. A apresentação do fármaco é 120mg/5ml. Quantos ml serão administrados em cada dose? Se 120 mg corresponde a 5 ml do paracetamol (conforme a apresentação do fármaco), para calcular quantos ml corresponde a 48 mg deste medicamento, teremos: 120 mg 5 ml 48 mg X ml Portanto, 48 x assim, 48 x 5 = 240, e, 240 dividido por 120 = 2 ou seja, X corresponde a 2 ml que é cada dose do paracetamol que deve ser administrada. 2 Foi prescrito para um paciente o medicamento Amoxicilina suspensão, por via oral, devendo ser administrado 500 mg de 8/8 horas. A apresentação da Amoxicilina é de 250 mg em cada 5 ml. Quantos ml devem ser administrados em cada dose? Se 250 mg corresponde a 5 ml da amoxicilina (conforme a apresentação do fármaco), para calcular quantos ml corresponde a 500 mg deste antibiótico, teremos: 250 mg 5 ml 500 mg X ml Portanto, 500 x assim, 500 x 5 = 2500, e, 2500 dividido por 250 = 10 ou seja, X corresponde a 10 ml que é cada dose da suspensão de amoxicilina que deve ser administrada. 3 Foi prescrito para o paciente 250 mg de amicacina IM de 12/12 horas. Entretanto, a apresentação deste medicamento (existente no Hospital) é de ampolas de 2 ml com 500 mg (sendo que este fármaco já se encontra diluído, ou seja, é uma solução).

2 Quantos ml devem ser administrados em cada dose? 2 Se 500 mg corresponde a 2 ml (apresentação de cada ampola), para calcular quantos ml corresponde a 250 mg, teremos: 500 mg 2 ml 250 mg X ml Portanto, 250 x assim, 250 x 2 = 500, e, 500 dividido por 500 = 1 ou seja, X corresponde a 1 ml que é cada dose de amicacina (250 mg) que deve ser administrada por via intramuscular. 4 Deve ser administrado em um paciente 200 mg de cefalotina por via endovenosa de 6/6 horas. A apresentação deste fármaco disponível no setor é de frasco-ampola de 1 g (portanto, uma grama, o medicamento se encontra em pó liofilizado que corresponde ao soluto, e, neste caso, o fabricante determina que a quantidade de solvente para cada frasco-ampola deve corresponder a 10 ml ). Como deve ser administrado este medicamento? Como a apresentação do fármaco é em gramas (1 g), e, deve ser administrado em mg, inicialmente convertemos grama em miligramas, ou seja, 1g = 1000 mg, assim, cada frascoampola após diluído com o solvente (que foi recomendado 10 ml para cada frasco-ampola), então teremos 1000 mg de cefalotina em 10 ml do frasco-ampola, e, para calcular 200 mg deste medicamento 1000 mg 10 ml 200 mg X ml Portanto, 200 x assim, 200 x 10 = 2000, e, 2000 dividido por 1000 = 2 ou seja, X corresponde a 2 ml que é cada dose de cefalotina (200 mg) da solução que deve ser administrada por via endovenosa a cada 6 horas. 5 Foi prescrito para o paciente 5 mg de Gentamicina por via endovenosa de 12/12 horas diluídos em 20 ml de soro glicosado 5 %. No Hospital encontra-se disponível apenas ampolas de 40 mg/ml. Como calcular e administrar este fármaco?

3 Como em cada ml da ampola existe 40 mg de gentamicina, (e, precisamos de apenas 5 mg, portanto, uma quantidade muito pequena, não sendo recomendável utilizar números que resultem em dízimas na divisão final), devemos rediluir o medicamento aumentando o volume para facilitar o cálculo buscando um submúltiplo de 40 (concentração do fármaco por ml), assim, podemos aspirar 1 ml do conteúdo da ampola (= 40 mg de gentamicina), utilizando uma ampola de 10 ml, e, acrescentamos 7 ml de água destilada, portanto, alcançando o volume total 8 ml (que é submúltiplo de 40, e, embora tenha aumentado o volume, a quantidade da gentamicina existente é de 40 mg), então, teremos 40 mg de gentamicina em 8 ml (1 ml com 40 mg de gentamicina mais 7 ml de água destilada), e, para encontrar 5 mg de gentamicina (conforme prescrito), calculamos 3 40 mg 8 ml 5 mg X ml Portanto, 5 x 8 40 assim, 5 x 8 = 40, e, 40 dividido por 40 = 1 ou seja, X corresponde a 1 ml que é cada dose de gentamicina (5 mg) da solução obtida, e, que deve ser colocada em uma bureta com 20 ml soro glicosado 5%, e, administrada por via endovenosa a cada 12 horas, conforme recomendado. 6 Foi prescrito 1/3 da ampola de Metoclopramida (Plasil) por via endovenosa. Cada ampola deste fármaco contém 2 ml do fármaco. Como administrar o medicamento? Como foi prescrito 1/3 da ampola, e, cada ampola tem 2 ml, se dividirmos 2 ml por três partes teremos uma dizima (2 dividido 3 = 0,66), portanto, preferimos acrescentar água destilada rediluindo o conteúdo da ampola até obtermos um volume que dividido por 3 (ou seja, um terço do volume final é que deve ser administrado) seja um numero inteiro, assim, acrescentamos um ml de água destilada ao conteúdo da ampola, e, teremos o total de 3 ml. Como um terço (1/3) de 3 ml corresponde 1 ml, este é o volume final que deve ser administrado após a rediluição do medicamento. 7 Em uma prescrição consta a dose de 16 mg do fármaco Vancomicina de 6/6 horas, diluído em 10 ml de soro glicosado 5% por via endovenosa. A Vancomicina encontra-se na apresentação apenas do soluto (em pó) com frasco-ampola de 500 mg. Como calcular e administrar este antibiótico? Inicialmente temos que diluir a vancomicina (em pó), ou seja, um frasco-ampola com 500 mg em 5 ml de solvente (água destilada), assim, teremos 5 ml da solução com 500 mg de vancomicina (como a dose a ser calculada deste fármaco tem que ser administrado com soro glicosado devemos utilizar o mínimo de volume final para obter 16 mg da vancomicina). Assim, após esta diluição, constatamos que 5 ml = 500 mg, em seguida, calculamos o volume correspondente à dose de 100 mg do antibiótico:

4 500 mg 5 ml mg X ml Portanto, 100 x assim, 100 x 5 = 500, e, 500 dividido por 500 = 1 ou seja, X corresponde a 1 ml que é o volume que contém 100 mg de vancomicina. Mas, como foi prescrito apenas 16 mg de vancomicina, podemos aspirar 1 ml da solução (500 mg de vancomicina diluída em 5 ml de água destilada) que corresponde 100 mg de vancomicina, e, rediluir com mais 9 ml de água destilada totalizando 10 ml, mas, ainda com 100 mg de vancomicina nesta solução. E, após esta rediluição (10 ml contendo 100 mg de vancomicina) podemos calcular o volume necessário correspondente a 16 mg de vancomicina, sendo 100 mg 10 ml 16 mg X ml Portanto, 16 x assim, 16 x 10 = 160, e, 160 dividido por 100 = 1,6 ou seja, X corresponde a 1,6 ml que é cada dose de vancomicina (16 mg) da solução rediluída devendo ser colocada em uma bureta com 10 ml de soro glicosado 5%, e, administrada por via endovenosa a cada 6 horas. 8 Foi prescrito para um paciente UI de penicilina cristalina por via endovenosa de 4/4 horas. O frasco-ampola disponível corresponde a UI em 2 ml. Como administrar este fármaco? Deve-se lembrar que a penicilina cristalina é apresentada em UI (unidades internacionais) que é diferente de gramas e miligramas. Para a administração é recomendável obtermos como dose um volume igual ou superior a 1 ml. Assim, acrescentamos água destilada ao frasco-ampola para atingir 10 ml, ou seja, a apresentação do frasco-ampola é 2 ml, acrescentando mais 8 ml de água destilada, e, teremos então UI em 10 ml de água destilada. Mas, como precisamos apenas de UI de penicilina cristalina, calculamos UI 10 ml UI X ml Portanto, x

5 assim, x 10 = , e, dividido por = 4 5 ou seja, X corresponde ao volume de 4 ml que corresponde a cada dose da solução de pencilina cristalina rediluída que deve ser administrada por via endovenosa a cada 4 horas. 9 Qual a quantidade de diluente (água destilada) deve ser adicionada para se obter uma solução contendo UI por ml de Penicilina G em pó, sabendo-se que a apresentação deste fármaco contém UI por frasco-ampola? Se queremos obter UI em 1 ml da solução (ou seja, diluído em água destilada), sabendo-se que o medicamento se encontra em pó com UI no frasco-ampola fazemos a proporção UI 1 ml UI X ml Portanto, x assim, x 1 = , e, dividido por = 10 ou seja, X corresponde ao volume de 10 ml que é a quantidade do diluente (água destilada) que deve ser adicionado ao frasco-ampola (para que cada ml tenha U). 10 Qual a quantidade de gotas a correr, em um minuto, a fim de se administrar um litro de soro glicosado 5%, em 6 horas? Para se calcular o número de gotas por minuto se aplica a fórmula: T = tempo em horas 3 = constante Nº de gotas/min = Volume em ml (V) T x 3 (constante) Assim, aplicando a fórmula teremos: Volume (em ml)= 1000 ml Tempo = 6 horas 1000 (ml) = x 3 18 Dividindo-se 1000 por 18 = 55,5 que aproximando-se corresponde a 56 gotas/minuto.

6 6 11 Qual a quantidade de microgotas a correr, em um minuto, para se administrar 300 ml de soro fisiológico a 0,9%, em 4 horas? A fórmula para se administrar microgotas é: Nº de microgotas/min = Volume em ml (V) T (tempo em horas) Assim, aplicando a fórmula teremos: Volume (em ml)= 300 ml Tempo = 4 horas 300 (ml) 4 Dividindo-se 300 por 4 = 75 ou seja, a quantidade será de 75 microgotas/minuto. 12 Para um paciente com Diabetes mellitus foi prescrita a insulina por via subcutânea correspondente a 50 UI. Não tendo disponível a seringa de insulina no ambulatório, e, tendo apenas a seringa de 3 ml e agulha 10 x 5. A apresentação da insulina é U 100. Quantos ml de insulina deve ser aspirada e administrada ao paciente? Atualmente, a insulina é apresentada em frascos de 10 ml rotulados com o número de unidades da insulina por mililitro (ml). Assim, quando na apresentação é referida U 100 significa que existem 100 unidades de insulina por ml. Então, como em cada ml do frasco existem 100 unidades de insulina (conforme apresentação), temos 100 UI 1 ml 50 UI X ml Portanto, 50 x assim, 50 x 1 = 50, e, 50 dividido por 100 = 0,5 ou seja, X corresponde a 0,5 ml que é cada dose da insulina prescrita que deve ser aspirada e administrada utilizando-se uma seringa de 3 ml com agulha 10 x Qual a dose de fenobarbital (Gardenal) para uma criança de 3 anos sendo que a dose para adulto corresponde a 30 mg? Para crianças com faixa etária de 2 anos até a idade de 12 anos, e, quando temos apenas a idade como referência podemos aplicar a Regra de Young:

7 Idade da criança Idade da criança + 12 x dose média para adulto = dose infantil 7 Assim, temos x 30 mg = 6mg (portanto, a dose corresponde a 6 mg) 14 Um fármaco foi prescrito para uma criança com 14 Kg, e, a dose para adulto corresponde a 100 mg. Qual a dose a ser administrada? Sabendo-se o peso da criança podemos utilizar a Regra de Clark Peso da criança 70 x dose média para adulto = dose infantil Assim, temos x 100 mg = 20 mg (portanto, a dose corresponde a 20 mg) 15 Qual a dose de um fármaco para um lactente de 6 meses sendo que a dose para adulto é de 50 mg? Para lactentes com a idade inferior a 2 anos pode ser utilizada a Regra de Fried Idade em meses 150 x dose média para adulto = dose infantil x 50 mg = 2 mg (portanto, a dose para o lactente com 6 meses é 2 mg)

CÁLCULOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

CÁLCULOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS CÁLCULOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA Unidades de medida Grama: unidade de medida de peso; sua milésima parte é o miligrama(mg), logo 1g corresponde a 1000mg e 1000g correspondem

Leia mais

Cálculo de medicação

Cálculo de medicação Cálculo de medicação cálculos de Permanganato de Potássio (KMnO4) Cálculo de Penicilina cristalina Cálculo de insulina Cálculo de porcentagem Cálculo de bomba infusora Solução Padrão Marcelo Marinho e-mail

Leia mais

Aula 03 - Princípios Da Administração De Medicamentos E Cuidados De Enfermagem Relacionados À Terapêutica Medicamentosa

Aula 03 - Princípios Da Administração De Medicamentos E Cuidados De Enfermagem Relacionados À Terapêutica Medicamentosa Aula 03 - Princípios Da Administração De Medicamentos E Cuidados De Enfermagem Relacionados À Terapêutica Medicamentosa SUMÁRIO 1. Introdução... 406 2. Formas De Medida... 410 3. Cálculo De Gotejamento

Leia mais

MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri

MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri É de responsabilidade dos profissionais de enfermagem assegurar aos pacientes uma assistência de enfermagem livre de danos decorrentes de

Leia mais

GABARITO. a) 5 ml. b) 7,5 ml. c) 10 ml. d) 15 ml. e) 20 ml.

GABARITO. a) 5 ml. b) 7,5 ml. c) 10 ml. d) 15 ml. e) 20 ml. GABARITO 1. Cargo: Enfermeiro - Órgão: Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN - Banca: IDECAN - Ano: 2014 O médico pediatra prescreveu para uma criança 500 mg VO de 6/6h de um determinado antibiótico,

Leia mais

SISTEMA DE MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA PARENTÉRICA

SISTEMA DE MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA PARENTÉRICA MARIANA EMÍLIA DA SILVEIRA BITTENCOURT FÁBIO AGUIAR ALVES MARIA DE FÁTIMA ALVES DE OLIVEIRA SISTEMA DE MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA PARENTÉRICA VOLTA REDONDA RJ 2013 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Noções de Farmacologia e Calculo em Medicamentos II

Noções de Farmacologia e Calculo em Medicamentos II Tradição em formar Profissionais com Qualidade Noções de Farmacologia e Calculo em Medicamentos II Sumário Conhecendo os materiais de trabalho...01 Conceitos Básicos...08 Abreviaturas mais encontradas

Leia mais

Farmacologia - Exercícios

Farmacologia - Exercícios Farmacologia - Exercícios 1- Tem um soro de 500 ml para correr em 6 horas. Quantas macrogotas deverão correr? 2- Tem um soro de 1000 ml para correr em 18 horas. Quantas microgotas deverão correr? 3- Tem

Leia mais

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA COMISSÃO DE MEDICAMENTOS COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO SERVIÇO DE FARMÁCIA Administração de Medicamentos Farmª Luciane Lindenmeyer Farmª Raquel

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias . De acordo com FakiH (2000) essas infusões podem ser em: Bolus: é a administração intravenosa realizada em tempo menor ou igual a 1 minuto.geralmente

Leia mais

MANUAL DE MEDICAMENTOS INJETÁVEIS PADRONIZADOS NA UTI NEONATAL DO HFE

MANUAL DE MEDICAMENTOS INJETÁVEIS PADRONIZADOS NA UTI NEONATAL DO HFE MANUAL DE MEDICAMENTOS INJETÁVEIS PADRONIZADOS NA UTI NEONATAL DO HFE Enfermagem HFE Serviço de Farmácia HFE Revisado em 26/10/2015 CONSIDERAÇÕES: Para a elaboração desta tabela foram consultadas referências

Leia mais

MANUAL DE DILUIÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE ANTIMICROBIANOS

MANUAL DE DILUIÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE ANTIMICROBIANOS Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Núcleo Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian MANUAL DE DILUIÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE ANTIMICROBIANOS

Leia mais

Boas práticas: Cálculo seguro. Volume II: Cálculo e diluição de medicamentos

Boas práticas: Cálculo seguro. Volume II: Cálculo e diluição de medicamentos Boas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentos CONSELHO EDITORIAL Plenário 2008 2011 Presidente Cláudio Alves Porto Primeiro-secretário Edmilson Viveiros Segunda-secretária

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA A ENFERMAGEM: APOIO AO ENSINO DO CÁLCULO DE DOSAGEM E DILUIÇÃO DE MEDICAMENTOS ATRAVÉS DE UM PORTAL EDUCACIONAL.

Leia mais

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL. Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich

ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL. Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich ANTIBIÓTICOS ESQUEMAS TERAPÊUTICOS COMUNS E APRESENTAÇÕES COMERCIAIS NO BRASIL Revisão em 2012 Prof Solange Maria Dieterich Referências: DEF 2010/11; WANNMACHER; FERREIRA, 2010 (a); FUCHS, WANNMACHER,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU Pré- requisitos: - Perfil de acesso do funcionário - Cadastro do funcionário na farmácia que poderá ocorrer a dispensação. - Cadastro das unidades de internação.

Leia mais

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2014 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS - DA LETRA PARA A LETRA

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2014 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS - DA LETRA PARA A LETRA QUESTÃO: 27 De acordo com o livro recomendado em edital " Manual do técnico e auxiliar de enfermagem" de autoria de Idelmina Lopes de Lima, para a posição de Trendelemburg deve-se deitar paciente em decúbito

Leia mais

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg GABARITO 1 - Sr José, 65 anos, apresenta dor abdominal intensa há dois meses. Após solicitação de ultrasonografia pelo médico assistente chegou-se ao diagnóstico de câncer de pâncreas. O tratamento proposto

Leia mais

Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico. Versão eletrônica atualizada em Julho 2011

Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico. Versão eletrônica atualizada em Julho 2011 Diluição e Esquema de Uso das Principais Medicações de Uso Obstétrico Versão eletrônica atualizada em Julho 2011 Ocitocina Diluir 1 ampola de ocitocina 05 unidades em 500 ml de soro glicosado 5% ou soro

Leia mais

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem

Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem Administração de Medicamentos Condutas de Enfermagem SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE Cap BMQOS/Enf/02 Vívian Marinho

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09. APRESENTAÇÕES Pó injetável. Embalagem contendo 100 frascos-ampola de 1000 mg de cefalotina base.

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09. APRESENTAÇÕES Pó injetável. Embalagem contendo 100 frascos-ampola de 1000 mg de cefalotina base. MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 CEFARISTON cefalotina sódica APRESENTAÇÕES Pó injetável. Embalagem contendo 100 frascos-ampola de 1000 mg de cefalotina base. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA E INTRAMUSCULAR

Leia mais

Orientações sobre o uso correto dos medicamentos.

Orientações sobre o uso correto dos medicamentos. Orientações sobre o uso correto dos medicamentos. O quê preciso saber sobre os medicamentos do paciente? Antes de administrar qualquer medicamento, verifique: O nome: alguns medicamentos têm nomes parecidos,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTE NOVA SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS - REMUNE ATENÇÃO BÁSICA 01 Ácido Acetilsalicílico 100mg comprimido 02 Ácido fólico 5mg comprimido 03 Albendazol

Leia mais

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo.

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo. 1. INTRODUÇÃO Os medicamentos de Alta Vigilância são aqueles que possuem risco aumentado de provocar danos significativos aos pacientes em decorrência de falha no processo de utilização. Os erros que ocorrem

Leia mais

CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE TÉCNICO EM ENFERMAGEM. Gabarito Original.

CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE TÉCNICO EM ENFERMAGEM. Gabarito Original. CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE TÉCNICO EM ENFERMAGEM Questão Gabarito Original Justificativa Deferido/Ind eferido 21 B por falta de

Leia mais

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos Injetáveis HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO - HNSC Administração de Medicamentos Injetáveis ENFª GRAZIELLA GASPAROTTO BAIOCCO ORIENTAÇÕES HOSPITAL GERAIS FÊMINA

Leia mais

Processo seletivo Técnico de Enfermagem

Processo seletivo Técnico de Enfermagem Classificação Nome do Candidato Nota / Prova Objetiva 1. Jeferton de Souza da Silva 9,11 2. Eliomar Paixão de Aquino 7,61 3. Leandra R. Duarte 7,53 4. Lidinéia Silene B. Almeida 7,22 5. José Antônio de

Leia mais

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO DEPENDÊNCIA: FATEC - FATEC - (RS) LICITAÇÃO: (Ano: 2011/ FATEC / Nº Processo: 95387-01) Às 09:14:58 horas do dia 28/04/2011 no endereço RUA Q PREDIO 66 CAMPUS UFSM, bairro

Leia mais

CISMEP CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO MÉDIO PARAOPEBA MG ATA DE JULGAMENTO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 083/2013

CISMEP CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO MÉDIO PARAOPEBA MG ATA DE JULGAMENTO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 083/2013 CISMEP CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO MÉDIO PARAOPEBA MG ATA DE JULGAMENTO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 083/2013 PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS Nº 169/2013 REGISTRO DE PREÇOS PARA FUTURA E EVENTUAL

Leia mais

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p...

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p... Pó liófilo injetável FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: 100 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. 00 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO:

Leia mais

1140200740033 1 MG PÓ LIOF SOL INJ IV CT 10 FA INC X 7,5 ML(EMB HOSP) Esta apresentação não foi comercializada.

1140200740033 1 MG PÓ LIOF SOL INJ IV CT 10 FA INC X 7,5 ML(EMB HOSP) Esta apresentação não foi comercializada. Descontinuação de Produtos A Novafarma Indústria Farmacêutica Ltda comunica a descontinuação temporária ou definitiva dos produtos listados na tabelaabaixo, incluindo as razões e datas para a descontinuação.

Leia mais

REMUME 2010 ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, 100 MG ALBENDAZOL, 40 MG/ML, SUSPENSÃO ORAL AMOXICILINA, 50MG/ML, PÓ PARA SUSPENSÃO ORAL

REMUME 2010 ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, 100 MG ALBENDAZOL, 40 MG/ML, SUSPENSÃO ORAL AMOXICILINA, 50MG/ML, PÓ PARA SUSPENSÃO ORAL REMUME 2010 MEDICAMENTOS ATENÇÃO BÁSICA APRESENTAÇÃO ANLODIPINO BESILATO, 5 MG ACICLOVIR, 200 MG ACICLOVIR, 50 MG/G, CREME ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, 100 MG ÁCIDO FÓLICO, 5 MG ÁCIDO FOLÍNICO, 15 MG ALBENDAZOL,

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

BULA DO PACIENTE CEFALOTINA SÓDICA HALEX ISTAR

BULA DO PACIENTE CEFALOTINA SÓDICA HALEX ISTAR BULA DO PACIENTE CEFALOTINA SÓDICA HALEX ISTAR PÓ PARA SOLUÇÃO INJETAVEL 1 G cefalotina sódica Medicamento genérico - Lei nº 9.787 de 1.999 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome genérico: cefalotina sódica

Leia mais

sulfato de amicacina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999.

sulfato de amicacina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE sulfato de amicacina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Solução injetável 50mg/mL Embalagens contendo 1 e 50 ampolas com 2mL. Solução injetável

Leia mais

MODELO DE BULA DO PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA DO PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA DO PACIENTE RDC 47/09 Oxanon oxacilina sódica APRESENTAÇÕES Pó injetável contendo 500 mg de oxacilina sódica. Embalagens contendo 50 frascos-ampola + 50 ampolas de diluente, 50 frascos-ampola

Leia mais

Anexo 03: PROTOCOLO DE SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS*

Anexo 03: PROTOCOLO DE SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS* MINISTÉRIO DA SAÚDE Anexo 03: PROTOCOLO DE SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS* Protocolo coordenado pelo Ministério da Saúde e ANVISA em parceria com FIOCRUZ e FHEMIG PROTOCOLO

Leia mais

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2014 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS - DA LETRA PARA A LETRA

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2014 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS - DA LETRA PARA A LETRA QUESTÃO: 26 Segundo a American Heart Association estudos publicados antes e desde 2005 demonstram que: 1- a qualidade das compressões torácicas continua necessitando de melhoria, embora a implementação

Leia mais

Insulina humana (derivada de ADN* recombinante)

Insulina humana (derivada de ADN* recombinante) Humulin Insulina humana (derivada de ADN* recombinante) * ADN = Ácido desoxirribonucleico Formas farmacêuticas e apresentações - HUMULIN é apresentado em suspensão injetável (N e 70N/30R) ou solução injetável

Leia mais

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos 005 Prematuridade Última revisão: 26/11/2013 Estabelecido em: 22/07/2010 Responsáveis / Unidade Frederico José A. Péret Médico MOV Validadores Comissão de Protocolos

Leia mais

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Administração de medicamentos é o processo de preparo e introdução de medicamentos no organismo humano, visando obter efeitos terapêuticos. Segue normas e rotinas

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA

PLANO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE PLANO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA VITÓRIA 2005 I INTRODUÇÃO

Leia mais

Triaxon ceftriaxona dissódica

Triaxon ceftriaxona dissódica MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Triaxon ceftriaxona dissódica CEFALOSPORINA PARENTERAL DE AMPLO ESPECTRO E AÇÃO PROLONGADA APRESENTAÇÕES Pó para solução injetável IV 500mg: Embalagens contendo

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COMPRA - FILIAL. Setor solicitante: Responsável pela sol. Descrição do Produto. Unidade. frasco. frasco 5400. frasco 380.

SOLICITAÇÃO DE COMPRA - FILIAL. Setor solicitante: Responsável pela sol. Descrição do Produto. Unidade. frasco. frasco 5400. frasco 380. Código: F.COP.001 SOLICITAÇÃO DE COMPRA - FILIAL Revisão: 0 Data: 15/06/2015 Nº da Sol. Data: JULHO Setor solicitante: Responsável pela sol. CAF Motivo: (X) Reposição ( ) Urgência ( ) Pag. De Empréstimo

Leia mais

UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OTIMIZAÇÃO DA PRESCRIÇÃO ELETRÔNICA, BASEADA NO ESTUDO AVALIATIVO, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos

Diretrizes Assistenciais. Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Diretrizes Assistenciais Protocolo para uso de Heparina em Pacientes Pediátricos Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Autores e revisores: João Fernando Lourenço de Almeida, Jorge David Aivazoglou

Leia mais

8 Amoxicilina + Clavulanato de potassio comprimido 500 mg \ 125mg. Obs. Protocolo

8 Amoxicilina + Clavulanato de potassio comprimido 500 mg \ 125mg. Obs. Protocolo Secretaria de Saúde BOLETIM DE PUBLICAÇÃO Nº 005/09 Despacho da Secretaria de Saude em 22/07/09. Processo(s) 2294/08. De acordo com o parecer da Comissao de Elaboracao da Relacao de Medicamentos da Farmacia

Leia mais

teicoplanina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

teicoplanina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 teicoplanina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome Genérico: teicoplanina APRESENTAÇÕES teicoplanina 200 mg: cada frasco-ampola contém 200 mg de teicoplanina na forma

Leia mais

Administração de medicamentos em enfermagem. Prof Giselle

Administração de medicamentos em enfermagem. Prof Giselle Administração de medicamentos em enfermagem Prof Giselle Administração de medicamentos È uma atividade séria que envolve muita responsabilidade. Neste contexto o enfermeiro deve agir com segurança responsabilidade

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA Frequência cardíaca em função da idade Idade (anos) Andrade, 2002 Batimentos/minuto 1 110-130 2 90-115 3 80-105 7-14 80-105 14-21 78-85 Acima

Leia mais

Cálculos Farmacêuticos

Cálculos Farmacêuticos Introdução CASO 1 Cálculos Farmacêuticos Receita com prescrição de 60 cápsulas de 500 mcg, sendo que a farmácia deve preparar um diluído 1:100 do ativo para facilitar a pesagem. FARMACOTÉCNICA II 2013

Leia mais

SOLUÇÕES. 3) (UNIFOR) O gráfico seguinte dá a solubilidade em água do açúcar de cana em função da temperatura.

SOLUÇÕES. 3) (UNIFOR) O gráfico seguinte dá a solubilidade em água do açúcar de cana em função da temperatura. SOLUÇÕES 1) (FEI) Tem-se 500g de uma solução aquosa de sacarose (C 12 H 22 O 11 ), saturada a 50 C. Qual a massa de cristais que se separam da solução, quando ela é resfriada até 30 C? Dados: Coeficiente

Leia mais

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L setor 1302 13020508 Aulas 39 e 40 CONCENTRAÇÃO COMUM, PORCENTAGEM EM MASSA DE SOLUTO E NOÇÃO DE PPM (PARTES POR MILHÃO) Concentração Concentração Cou (C) C 1 Densidade (d) g/l; g/ 3, etc d 1+ 2 g/c 3,

Leia mais

A natureza dos medicamentos utilizados em Terapia Intravenosa: prevenção de erros e segurança do paciente

A natureza dos medicamentos utilizados em Terapia Intravenosa: prevenção de erros e segurança do paciente Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT3: Os avanços tecnológicos na TI: medicamentos, remoção de cateteres e complicações, prevenção e segurança

Leia mais

Estabilidade. 2. Conc. Máx. Diluição. 3. T de infusão mínimo

Estabilidade. 2. Conc. Máx. Diluição. 3. T de infusão mínimo Acetilcisteína Amp. 3 ml (100 mg/ml) 1. [37,5 mg/ml] D: 1amp + 50mL 2amp+ 100mL Tempo:: 15-60 min. *Adultos: 200 ml (volume padrão) * Nebulização: SF 0,9% * Diabéticos: Aciclovir Fr/amp. 250 mg (24 mg/ml)

Leia mais

Lista de exercícios 9

Lista de exercícios 9 Nome: Bimestre: 2º nº: Ano / série: 2ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Data: / / 2012 Professor: Ricardo Honda Lista de exercícios 9 Estudo das soluções I Concentração comum 01. Uma

Leia mais

Soluções para Infusão Contínua HSR

Soluções para Infusão Contínua HSR Soluções para Infusão Contínua HSR A = ampola FA = frasco ampola DI = dose inicial, de ataque DL = diluição proposta, solução padrão TX = toxicidade, efeitos colaterais 1. AMIODARONA A = 3ml - 150mg DI

Leia mais

Cilinon ampicilina sódica

Cilinon ampicilina sódica Cilinon ampicilina sódica USO ADULTO E PEDIÁTRICO Apresentação Pó injetável Embalagem contendo 1 frasco-ampola + ampola de diluente. Embalagem contendo 100 frascos-ampolas com ou sem ampolas de diluente.

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

SOMAVERT pegvisomanto. APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola + 30 frascosampola

SOMAVERT pegvisomanto. APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola + 30 frascosampola SOMAVERT pegvisomanto I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Somavert Nome genérico: pegvisomanto APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola

Leia mais

Amplacilina. Bula para paciente. Cápsula 500 MG

Amplacilina. Bula para paciente. Cápsula 500 MG Amplacilina Bula para paciente Cápsula 500 MG AMPLACILINA ampicilina Cápsula FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Embalagens contendo 12 cápsulas de 500 mg USO ADULTO USO ORAL Composição: Cada cápsula

Leia mais

Química Avançada 06 - Soluções

Química Avançada 06 - Soluções Química Avançada 06 - Soluções Nome: Turma: 1) (UFF-adaptada) O ácido nítrico é um importante produto industrial. Um dos processos de obtenção do ácido nítrico é fazer passar amônia e ar, sob pressão,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos a Saúde

Gerenciamento de Riscos a Saúde Gerenciamento de Riscos a Saúde Ações de Farmacovigilância no CAISM/UNICAMP Profª Drª Roseli Calil FARMACOVIGILÂNCIA NO BRASIL Perfil de RAM Fatores de risco Inefetividade Avaliação benefício/risco Segurança

Leia mais

Como administrar medicamentos

Como administrar medicamentos Como administrar medicamentos CAPÍTULO 8 Os medicamentos podem ser administrados aos doentes atraés de diferentes ias de administração: pela boca ia oral; pelo recto ia rectal; pela agina ia aginal; ou

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NO AVIAMENTO DE PRESCRIÇÕES MÉDICAS DO HUWC/UFC

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NO AVIAMENTO DE PRESCRIÇÕES MÉDICAS DO HUWC/UFC MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITARIO WALTER CANTÍDIO SERVIÇO DE FARMÁCIA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NO AVIAMENTO DE PRESCRIÇÕES MÉDICAS DO HUWC/UFC Fortaleza Agosto/2009 Prof. Jesualdo

Leia mais

MEDICAMENTO DE ALTO RISCO

MEDICAMENTO DE ALTO RISCO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 1 Objetivo Promover práticas seguras para a utilização dos

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 TEICOSTON teicoplanina APRESENTAÇÕES Pó liófilo injetável. Embalagem contendo 1 frasco-ampola de 200 mg ou 400 mg + 1 ampola de diluente de 3 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

PADRONIZAÇÃO 2015 FARMÁCIA MUNICIPAL

PADRONIZAÇÃO 2015 FARMÁCIA MUNICIPAL ALENDRONATO DE SÓDIO COMPRIMIDO 70MG COM AMIODARONA, CLORIDRATO COMPRIMIDO 200MG COM AMITRIPTILINA, CLORIDRATO COMPRIMIDO 25MG COM AMOXICILINA CÁPSULA OU COMPRIMIDO 500MG COM AMOXICILINA PÓ PARA SUSPENSÃO

Leia mais

(NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

(NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COORDENADORIA DE PROCESSOS DE SELEÇÃO DIRETORIA DE PROVIMENTO E CONCURSO PRORH PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Técnico em Enfermagem (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA)

Leia mais

MAXCEF 1 g ou 2 g pó para solução injetável é apresentado em embalagens com 1 frasco-ampola.

MAXCEF 1 g ou 2 g pó para solução injetável é apresentado em embalagens com 1 frasco-ampola. USO INTRAMUSCULAR OU INTRAVENOSO APRESENTAÇÃO MAXCEF 1 g ou 2 g pó para solução injetável é apresentado em embalagens com 1 frasco-ampola. USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada frasco-ampola contém cloridrato

Leia mais

Resolução Lista de exercícios de Química nº 9

Resolução Lista de exercícios de Química nº 9 Nome: nº: Bimestre: 2º Ano/série: 2ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: / / Concentração comum Resolução Lista de exercícios de Química nº 9 Estudo das Soluções

Leia mais

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo.

em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 1 em Farmácias e Drogarias Sincofarma/SP Sindicato do Comércio de Produtos Varejista Farmacêuticos no Estado de São Paulo. 2 CONTEÚDO - Pessoal e Local - Receita - Medicação - Sala de Aplicação - Higienização

Leia mais

Trastuzumab. Herceptin Roche

Trastuzumab. Herceptin Roche Trastuzumab Herceptin Roche PORTARIA Nº 73, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 Estabelece protocolo de uso do trastuzumab na quimioterapia do câncer de mama HER-2 positivo inicial e localmente avançado. que devem

Leia mais

em Pacientes com Insuficiência Renal Aguda no Ceará

em Pacientes com Insuficiência Renal Aguda no Ceará Secretaria Estadual de Saúde do Ceará - SESA Célula Economia da Saúde - CECONS Avaliação Econômica da Diálise em Pacientes com Insuficiência Renal Aguda no Ceará Brasília, 9 de dezembro de 2005 Financiador

Leia mais

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO Novolin N Insulina Humana (DNA Recombinante) Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Suspensão injetável de Insulina Isofana Humana. Para injeção subcutânea. A embalagem de Novolin N contém:

Leia mais

Coordenação do Curso Técnico em Enfermagem

Coordenação do Curso Técnico em Enfermagem Coordenação do Curso Técnico em Enfermagem Técnico em Enfermagem Enfermagem Clínica INSTITUTO TECNICO SOBRALENSE - ITES COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM EMENTA: Assistência de enfermagem ao ser

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda Rua Michigan 735, Brooklin São Paulo - SP CEP: 04566-905

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda Rua Michigan 735, Brooklin São Paulo - SP CEP: 04566-905 MODELO DE BULA PARA O PACIENTE SYNAGIS palivizumabe I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Pó liófilo injetável de: - 100 mg em embalagem com 01 frasco-ampola para dose única contendo palivizumabe

Leia mais

Cyperclor Plus Pour On

Cyperclor Plus Pour On Ectoparasiticidas 2 Cyperclor Plus Pour On CYPERCLOR PLUS POUR ON controla e trata as infestações causadas pelos principais ectoparasitas de bovinos e suínos, contém Clorpirifós, Citronela, BPO (Butóxido

Leia mais

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ...

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ... ... Pág. 1 Índice: O QUE PRECISO SABER SOBRE OS MEDICAMENTOS QUE ESTOU TOMANDO? 01 ONDE E COMO DEVO GUARDAR E/OU DESPREZAR OS MEDICAMENTOS? QUAIS CUIDADOS DEVO TER COM AS INSULINAS? INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Ciclo de palestras Gerenciamento de Risco HCC

Ciclo de palestras Gerenciamento de Risco HCC Ciclo de palestras Gerenciamento de Risco HCC Segurança na administração de medicamentos Apresentação cedida pela Enfª Christa Schmiedt Os 13 certos no HCC Prescrição correta Paciente certo Medicamento

Leia mais

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NOS COMPARTIMENTOS 80 70 ÁGUA TOTAL 60 % ÁGUA 50 40 ÁGUA INTRA-CELULAR 30 20 10 ÁGUA EXTRA-CELULAR 0 3 6 9 1 3 5 7 9 11 13 15 IDADE EM MESES

Leia mais

Bactomax. teicoplanina. Pó liófilo injetável 200mg e 400mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Bactomax. teicoplanina. Pó liófilo injetável 200mg e 400mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Bactomax teicoplanina Pó liófilo injetável 200mg e 400mg Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Bactomax 200mg e 400mg teicoplanina APRESENTAÇÃO

Leia mais

Medicamentos. Esses medicamentos são Dispensados nas Unidades Básicas, Centro de Saúde e Policlínicas com a apresentação de Receituário Médico.

Medicamentos. Esses medicamentos são Dispensados nas Unidades Básicas, Centro de Saúde e Policlínicas com a apresentação de Receituário Médico. Medicamentos 1. REMUME (RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS). apresentação de Receituário Médico. AAS 500mg Aminofilina 100 Comp. Amoxicilina 500mg Amoxicilina 250-150 ml Susp. Ampicilina 500mg

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

BULA PACIENTE. GLICOSE 5% e 10% HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 5% (50 MG/ML), 10% (100 MG/ML)

BULA PACIENTE. GLICOSE 5% e 10% HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 5% (50 MG/ML), 10% (100 MG/ML) BULA PACIENTE GLICOSE 5% e 10% HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 5% (50 MG/ML), 10% (100 MG/ML) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Solução injetável, límpida, estéril e apirogênica. Solução de Dextrose 5%

Leia mais

SAIZEN somatropina Merck S/A Solução injetável 6 mg (5,83 mg/ml x 1,03 ml) 12 mg (8 mg/ml x 1,5 ml) 20 mg (8 mg/ml x 2,5 ml)

SAIZEN somatropina Merck S/A Solução injetável 6 mg (5,83 mg/ml x 1,03 ml) 12 mg (8 mg/ml x 1,5 ml) 20 mg (8 mg/ml x 2,5 ml) SAIZEN somatropina Merck S/A Solução injetável 6 mg (5,83 mg/ml x 1,03 ml) 12 mg (8 mg/ml x 1,5 ml) 20 mg (8 mg/ml x 2,5 ml) APRESENTAÇÕES Solução injetável Saizen 6 mg (5,83 mg/ml de somatropina) Embalagem

Leia mais

Cálculo de potência; Limites de confiança; Análise estatística (ANOVA).

Cálculo de potência; Limites de confiança; Análise estatística (ANOVA). CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO UNIFRA CURSO DE FARMÁCIA CONTROLE BIOLÓGICO DA QUALIDADE DE MEDICAMENTOS DELINEAMENTO: 3 x 3 3 doses do padrão Prof. Marcos R. dos Santos P2 A1 A3 A2 P1 A = amostra P=

Leia mais

Tazocin Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Pó Liófilo Injetável 2.25 g 4,5 g

Tazocin Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Pó Liófilo Injetável 2.25 g 4,5 g Tazocin Wyeth Indústria Farmacêutica Ltda. Pó Liófilo Injetável 2.25 g 4,5 g I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 frasco-ampola contendo 2,25 g de pó liófilo injetável. Peso líquido:

Leia mais

3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br

3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br 3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br Profª Helena Bonaparte Soluções : Concentração, diluição, misturas e neutralização. Unidades de concentração das soluções De acordo com a IUPAC, a quantidade de

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Bravelle. Laboratórios Ferring Ltda. Pó Liofilizado para Solução Injetável 75 U.I.

Bravelle. Laboratórios Ferring Ltda. Pó Liofilizado para Solução Injetável 75 U.I. Bravelle Laboratórios Ferring Ltda. Pó Liofilizado para Solução Injetável 75 U.I. Bravelle urofolitropina Laboratórios Ferring IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Bravelle urofolitropina APRESENTAÇÕES Solução

Leia mais

TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável

TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Toplanina é um pó liófilo injetável de coloração branca a quase branca, para uso após reconstituição. Apresenta-se em frasco-ampola

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM INSULINOTERAPIA Instrutora: Enf. Dra.Thaís S Guerra Stacciarini DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente.

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente. Vidaza azacitidina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Vidaza pó liofilizado para injeção, está disponível em frasco ampola com 100 mg de azacitidina. USO SUBCUTÂNEO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola

Leia mais

ANEXO XII do Regulamento do ICMS (ART. 5 o, X do RICMS - Convênio ICMS 87/02)

ANEXO XII do Regulamento do ICMS (ART. 5 o, X do RICMS - Convênio ICMS 87/02) ANEXO II DECRETO N o 2.934, de 31 de janeiro de 2007. ANEXO XII do Regulamento do ICMS (ART. 5 o, X do RICMS - Convênio ICMS 87/02) ITEM 1 2 3 4 5 6 7 FÁRMACOS Ciproterona Desmopressina Fludrocortisona

Leia mais

Medicamentos Excepcionais (Uso contínuo e alto custo)

Medicamentos Excepcionais (Uso contínuo e alto custo) Medicamentos Excepcionais (Uso contínuo e alto custo) Os medicamentos de dispensação excepcional são, geralmente, de uso contínuo e de alto custo. São usados no tratamento de doenças crônicas e raras,

Leia mais

Concentrações das Soluções

Concentrações das Soluções Concentrações das Soluções Concentração Comum (C) Densidade (d) Unidade: g/l Interpretação Unidade: g/l ou g/ml Interpretação Soluto = HCl Solvente = H 2 O Solução = HCl(aq) Em cada 1,0 L da solução contida

Leia mais

PROVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL A

PROVA ENFERMAGEM ASSISTENCIAL A 1. Considerando um caso fictício foi prescrito SF 0,45% de 500mL. Porém na sua unidade há disponível somente SF 0,9% de 1000mL, frasco de água destilada de 500mL e ampola de NaCl 20% de 10mL. Como você

Leia mais