MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS"

Transcrição

1 MANUAL DE EMBALAGENS DE MEDICAMENTOS Ministério da Saúde 1 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 1 1/26/12 6:45 PM

2 2 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 2

3 sumário medicamentos Ficha técnica Prefácio ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS Alinhamento e organização Tipografia Cores EMBALAGEM MEDICAMENTO Tiras Bisnagas Bolsas e ampolas Frascos Embalagem secundária Embalagem de transporte MEDICAMENTO GENÉRICO Alinhamento e organização Tipografia Cores Tiras Bisnaga Bolsas e ampolas Frascos Embalagem secundária Embalagem de transporte Ministério da Saúde 3 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 3

4 FICHA TÉCNICA O presente Manual tem como objetivo instituir a nova identidade visual das embalagens de medicamentos que as empresas devem seguir para participarem do processo de compra centralizada de medicamentos pelo Ministério da Saúde, sem prejuízo do disposto nas normas referentes a rotulagem de medicamentos. Nele estão indicados o alinhamento e a organização das informações, as cores, a tipologia e os Logotipos do Sistema Único de Saúde (SUS) e Ministério da Saúde que devem ser considerados para embalagens primárias, secundárias e embalagens de transporte, sendo elas: 1 embalagens primárias: blisters, blisters fracionáveis, envelopes, frascos, bisnagas, ampolas e frasco-ampolas para as soluções parenterais de pequeno e as bolsas para as soluções parenterais de grande volume; 2 embalagens secundárias: cartuchos; 3 embalagens de transporte: caixas. 4 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 4

5 prefácio As normas específicas para a rotulagem de medicamentos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) dispõe que os rótulos das embalagens dos medicamentos com destinação institucional dedicados ao Ministério da Saúde, para distribuição por meio de programas de saúde pública, devem obedecer à identificação padronizada e descrita no Manual de Identificação Visual para Embalagens de Medicamentos. O Manual de Identificação Visual para Embalagens de Medicamentos, instituído inicialmente pela Resolução RDC n. 168, de 10 de julho de 2002, foi revisto em 2011 visando inovar a identidade visual das embalagens de medicamentos distribuídos pelo Ministério da Saúde. A identidade visual para a rotulagem das embalagens primárias, secundárias e de transporte dos medicamentos tem como objetivos: - aprimorar a identificação padronizada dos medicamentos para prevenção de erros na dispensação ou uso destes produtos; - possibilitar a imediata identificação da origem dos medicamentos disponibilizados pelo Ministério da Saúde no Sistema Único de Saúde (SUS), por meio da logomarcas do SUS e do Ministério da Saúde e dos padrões de cores utilizados; - facilitar a identificação dos medicamentos pelos dispensadores e usuários por intermédio do destaque dado a designação do medicamento pela Denominação Comum Brasileira (DCB); e - promover a cultura do uso da DCB entre os profissionais de saúde e usuários de medicamentos para a segura identificação dos medicamentos. Ministério da Saúde 5 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 5

6 Embalagem MEDICAMENTO 6 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 6

7 Embalagem Primária Embalagem Secundária Ministério da Saúde 7 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 7

8 1 alinhamento e organização 1-Nome comercial [com no máximo 50% do tamanho da dcb] 2-s s Denominação genérica dos s s utilizando a dcb [Denominação Comum Brasileira] [caixa-baixa]. 3-Concentração [valor numérico e unidade de medida em itálico com 50% do tamanho da dcb]. 4-Proibida a venda [caixa-alta com tamanho mínimo de 30% do tamanho da dcb]. 5-Via de administração [caixa-baixa]. pediátrico acima de definidas em norma [caixa-alta], específica. indicando nome a idade comercial mínima, em meses 11-Faixa vermelha ou anos, ou uso [largura de 1/5 adulto e pediátrico da altura da face [caixa-alta], no caso disposta no terço de medicamentos médio inferior]. Ou sem restrição de uso faixa preta [largura de por idade, conforme 1/3 da altura da face aprovado no registro. no terço médio]. Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula 7-Quantidade e forma farmacêutica Quantidade RESTRIÇÃO de DE USO peso líquido, volume ou unidades farmacotécnicas, bem como de acessórios dosadores, se for o caso, descritos juntamente com a forma farmacêutica [valor numérico]. mecanismo de rastreabilidade TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Fab.: 8-Logomarca Lote: SUS. Via de administração Val.: 20 fev fev 11 LTJ 00488/11 12-Assinatura gráfica Programa Saúde Não Tem Preço, Ministério da Saúde. 13-Assinatura gráfica Ouvidoria SUS Assinatura gráfica Governo Federal. x x/2 x x/2 x/3 Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. x/2 x/2 x x Via de administração 10 x/2 x/ Restrição de uso por faixa etária Inclusão da frase uso adulto, uso adulto e pediátrico acima de, uso 9-Assinatura gráfica Ministério da Saúde. 10-Restrição de prescrição Inclusão das frases 8 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 8

9 IBIDA A VENDA 15-Cuidados de conservação Faixa de temperatura e condições de armazenamento, conforme estudo de estabilidade. 16-Informações ao paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula Ou: Informações ao profissional de saúde, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula. 17-Mecanismos de identificação e segurança Código de barra, tinta reativa ou outro código definido em norma específica. 18-Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças [caixa-alta]. 19-Nome(s) e endereço(s) Cuidados da(s) empresa(s): conservação. uso das Informações expressões ao Registrado paciente, indicações, por, contra-indicações e Fabricado precauções: por, vide bula Importado por ou Embalado por, se couber. mecanismo de 20-CNPJ rastreabilidade Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (cnpj) do titular do registro. 21- Nome do responsável técnico da empresa titular do registro. 22-CRF/UF Número TODO MEDICAMENTO de inscrição DEVE SER MANTIDO e sigla FORA DO do ALCANCE Conselho Regional DAS CRIANÇAS de Farmácia da empresa titular do registro. 23-Composição Composição qualitativa, conforme dcb, e quantitativa de cada, incluindo, quando aplicável, a equivalência sal base. 24-MS. Sigla ms adicionada ao número de registro com os treze dígitos. 25-Indústria Via Brasileira de administração RESTRIÇÃO Frase, quando DE USO aplicável. 26-SAC Serviço de atendimento ao consumidor da empresa titular do registro ou de sua responsabilidade. 27-Val.: Fab.: Lote: O número do lote, data de fabricação (mês/ano) e data de validade (mês/ano) [Legível, indelével e com impressão usando Lote: cor ou LTJ 00488/11 contraste, em local que não prejudique a leitura das demais informações]. RESTRIÇÃO DE mecanismo PRESCRIÇÃO de Via de administração rastreabilidade Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula 18 TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Cuidados PROIBIDA de A VENDA conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula mecanismo de rastreabilidade TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS 27 nome comer princíp 00 Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Via de administração Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Via de administração RESTRIÇÃO 26 Via de administração IDA A VENDA PROIBIDA A nome come princíp 0 RESTRIÇÃ Ministério da Saúde 9 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 9

10 1 alinhamento e organização 1-Nome comercial [com no máximo 50% do tamanho da DCB]. 2-s s Denominação genérica dos s s utilizando a DCB [Denominação Comum Brasileira] [caixa-baixa]. 3-Concentração [valor numérico e unidade de medida em itálico com 50% do tamanho da DCB]. 4-Via de administração [caixa-alta]. 5-Exija a bula Frase para embalagens primárias que serão dispensadas sem a embalagem secundária [caixaalta]. 6-Restrição de uso por faixa etária Inclusão da frase uso adulto, uso adulto e pediátrico acima de xx [caixa-alta], uso pediátrico acima de xx [caixa-alta], indicando a idade mínima, em meses ou anos, ou uso adulto e pediátrico [caixa-alta], no caso de medicamentos sem restrição de uso por idade, conforme aprovado no registro. 7-Assinatura gráfica Ouvidoria SUS Assinatura gráfica Programa Saúde Não Tem Preço, Ministério da Saúde. 9-Proibida a venda [caixa-alta com tamanho mínimo de 30% do tamanho da DCB]. 10-Logomarca SUS 11-Assinatura gráfica Ministério da Saúde. 12-Assinatura gráfica Governo Federal. 13-Nome da empresa titular do registro Razão social ou nome fantasia. 14-SAC Serviço de atendimento ao consumidor da empresa titular do registro ou de sua responsabilidade. 15-Restrição de prescrição Frase conforme previsto para o medicamento [caixaalta]. 16-Val.: Fab.: Lote: O número do lote, data de fabricação (mês/ano) e data de validade (mês/ano) [Legível, indelével e com impressão usando cor ou contraste, em local que não prejudique a leitura das demais informações] Ouvidoria 136 Ouvidoria Nome da empresa titular do registro Nome da empresa titular do registro Val.: Fab.: Lote: 20 fev fev 11 LTJ 00488/ Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 10

11 tipografia 2 Poynter Agate Regular One Poynter Agate Bold Univers 67 Bold Condensed Oblique Cuidados de conservação. Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). Univers 57 Condensed paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula mecanismo de rastreabilidade Via de administração Univers 67 Bold Condensed Univers 57 Condensed Univers 57 Condensed CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Via de administração Univers 67 Bold Condensed TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Univers 67 Bold Condensed Ministério da Saúde 11 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 11

12 3 Cores Faixa Vermelha Pantone 348 C Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). Pantone 376 C, a CNPJ/MF: / Via de administração Composição: Cada xx contém de xx. Via de administração TO Pantone 485 C 12 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 12

13 Cores 3 Faixa Preta Pantone 348 C Registrado por: nome e endereço CNPJ: / Fabricado por: nome e endereço Importado por: nome e endereço Embalado por: nome e endereço Nome da empresa titular do registro no Brasil Pantone 376 C titular CNPJ/MF: / mecanismo de rastreabilidade Conservar em temperatura ambiente (entre 15ºC e 30ºC). paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Via de administração Pantone Black C Endereço da empresa Nº de inscrição da empresa titular do registro: Inscrição nº: CRF/UF Fórmula: Cada comprimido contém 00mg de xx. MS Industria Brasileira SAC Via de administração Lote: LTJ 00488/11 Ministério da Saúde 13 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 13

14 tiras Blister Vertical Ouvidoria 136 Nome da empresa titular do registro Val.: Fab.: Lote: 20 fev fev 11 LTJ 00488/11 Ouvidoria 136 Nome da empresa titular do registro A impressão do pela DCB, e concentração deve ser repetida nos rótulos das embalagens primárias destrutíveis, com mais de uma dose, visando permitir a identificação do medicamento durante todo o tratamento. 14 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 14

15 tiras Blister Horizontal Ouvidoria 136 Nome da empresa titular do registro Ouvidoria 136 Nome da empresa titular do registro Val.: Fab.: Lote: 20 fev fev 11 LTJ 00488/11 A impressão do pela DCB, e concentração deve ser repetida nos rótulos das embalagens primárias destrutíveis, com mais de uma dose, visando permitir a identificação do medicamento durante todo o tratamento. Ministério da Saúde 15 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 15

16 Blister Fracionado Val.: Fab.: Lote: 20 fev fev 11 LTJ 00488/11 Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: 16 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 16

17 Tiras Envelopes Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s) CNPJ/MF: / CRF/UF 0000 Composição: Cada xx contém 00 xx de xx. Cuidados de conservação paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Ministério da Saúde 17 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 17

18 Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / nome comercial Composição: Cada xx contém de xx. Contém 000 xx EXIJA BULA 00mg Industria Brasileira SAC Uso Demartológico Ouvidoria 136 Contém 000 mg/g TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Contém 000 xx Composição: Cada xx contém de xx. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS 18 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 18

19 20 fev fev 11 LTJ 00488/ BOLSAS E AMPOLAS Cuidados de conservação paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s) CNPJ: / Nº de inscrição da empresa titular do registro: CRF/UF 0000 Composição: Cada xx contém de xx. MS Industria Brasileira Val.: Fab.: Lote: Contém 000 xx Ouvidoria Nome da empresa titular do registro no Brasil Cuidados de conservação paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Contém 000 xx Nome da empresa titular do registro no Brasil Ministério da Saúde 19 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 19

20 Frascos Cuidados de conservação paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s) CNPJ: / CRF/UF 0000 Composição: Cada xx contém de xx. MS Industria Brasileira Cuidados de conservação paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s) CNPJ: / Nº de inscrição da empresa titular do registro: CRF/UF 0000 Composição: Cada xx contém de xx. MS Industria Brasileira Cuidados de conservação paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Cuidados de conservação paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. 20 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 20

21 Embalagem Secundária Cuidados de conservação. Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. mecanismo de rastreabilidade Via de administração Via de administração TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Ministério da Saúde 21 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 21

22 EMBALAGEM DE TRANSPORTE Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s) CNPJ/MF: / mecanismo de rastreabilidade Composição: Cada xx contém de xx. Data de Validade: Data de Fabricação: Nº do Lote: Via de Administração TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS 22 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 22

23 Ministério da Saúde 23 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 23

24 Embalagem MEDICAMENTO GENÉRICO 24 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 24

25 Embalagem Primária Embalagem Secundária Ministério da Saúde 25 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 25

26 1 alinhamento e organização 1-s s Denominação genérica dos s s utilizando a dcb [Denominação Comum Brasileira] [caixa-baixa]. 2-Concentração [valor numérico e unidade de medida em itálico com 50% do tamanho da dcb]. 3-Medicamento genérico Número da lei dos medicamentos genéricos. [Tamanho mínimo de 30% do tamanho da dcb]. 4-Proibida a venda [caixa-alta com tamanho mínimo de 30% do tamanho da dcb]. 5-Via de administração [caixa-baixa]. 6-Restrição de uso por faixa etária Inclusão da frase uso adulto, uso adulto e pediátrico acima de, uso pediátrico acima de [caixa-alta], Via de indicando a Administração idade mínima, em meses ou anos, ou uso adulto e pediátrico [caixa-alta], no caso mecanismo de rastreabilidade de medicamentos sem restrição de uso por idade, conforme aprovado no registro. Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula 7-Quantidade e forma farmacêutica Quantidade de peso líquido, volume ou unidades farmacotécnicas, bem como de acessórios dosadores, se for o caso, descritos juntamente com a forma farmacêutica [valor numérico]. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS 8-Logomarca SUS. 9-Assinatura gráfica Ministério da Saúde. 10-Restrição de prescrição Inclusão das frases definidas em norma específica. 11-Faixa vermelha [largura de 1/5 da altura da face disposta no terço médio inferior]. Ou faixa preta [largura de 1/3 da altura da face no terço médio]. 12-Faixa amarela Deve conter a identificação visual para os medicamentos genéricos [tamanho equivalente a 1/5 da altura da face disposta]. 13-Assinatura gráfica Programa Saúde Não Tem Preço, Ministério da Saúde. 14-Assinatura gráfica Ouvidoria SUS Assinatura gráfica Governo Federal. x x/2 x x/2 x/3 Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. x/2 x/2 x x 2 Via de Administração 10 x/2 x/ Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 26

27 OIBIDA A VENDA 15-Cuidados de conservação Faixa de temperatura e condições de armazenamento, conforme estudo de estabilidade. 16-Informações ao paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula. Ou: Informações ao profissional de saúde, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula.. 17-Mecanismos de identificação e segurança Código de barra, tinta reativa ou outro código definido em norma específica. 18-Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças [caixa-alta]. 19-Nome(s) e endereço(s) Cuidados da(s) conservação. empresa(s): uso das Informações expressões ao paciente, indicações, Registrado contra-indicações por, e Fabricado precauções: vide por, bula Importado por ou Embalado por, se couber. mecanismo de 20-CNPJ rastreabilidade Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (cnpj) do titular do registro. 21- Nome do responsável técnico da empresa titular do registro. 22-CRF/UF Número TODO MEDICAMENTO de inscrição DEVE SER MANTIDO e sigla FORA DO do ALCANCE Conselho Regional DAS CRIANÇAS de Farmácia da empresa titular do registro. 23-Composição Composição qualitativa, conforme dcb, e quantitativa de cada, incluindo, quando aplicável, a equivalência sal base. 24-MS Sigla ms adicionada ao número de registro com os treze dígitos. 25-Indústria Via Brasileira de administração RESTRIÇÃO Frase, quando DE USO aplicável. 26-SAC Serviço de atendimento ao consumidor da empresa titular do registro ou de sua responsabilidade. 27-Val.: Fab.: Lote: O número do lote, data de fabricação (mês/ano) e data de validade (mês/ano) [Legível, indelével e Val.: com 20 impressão fev 13 usando cor ou contraste em local que Lote: não LTJ prejudique 00488/11 a leitura das demais informações]. RESTRIÇÃO DE mecanismo PRESCRIÇÃO de Via de administração rastreabilidade Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula 18 TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Cuidados PROIBIDA de A VENDA conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula mecanismo de rastreabilidade TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS 27 nome comerc princípi 00x Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Via de administração Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Via de administração RESTRIÇÃO 26 Via de administração IDA A VENDA PROIBIDA A nome come princíp 0 RESTRIÇÃ Ministério da Saúde 27 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 27

28 1 alinhamento e organização 1-s s Denominação genérica dos s s utilizando a DCB [Denominação Comum Brasileira] [caixa-baixa]. 2-Concentração [valor numérico e unidade de medida em itálico com 50% do tamanho da DCB]. 3-Medicamento genérico Número da lei dos medicamentos genéricos [Tamanho mínimo de 30% do tamanho da dcb]. 4-Via de administração [caixa-alta]. 5-Exija a bula Frase para embalagens primárias que serão dispensadas sem a embalagem secundária [caixaalta]. 6-Restrição de uso por faixa etária Inclusão da frase uso adulto, uso adulto e pediátrico acima de xx [caixa-alta], uso pediátrico acima de xx [caixa-alta], indicando a idade mínima, em meses ou anos, ou uso adulto e pediátrico [caixa-alta], no caso de medicamentos sem restrição de uso por idade, conforme aprovado no registro. 7-Assinatura gráfica Ministério da Saúde. 8-Assinatura gráfica Programa Saúde Não Tem Preço, Ministério da Saúde. 9-Logomarca SUS 10-Assinatura gráfica Governo Federal. 11-Assinatura gráfica Ouvidoria SUS Proibida a Venda [caixa-alta com tamanho mínimo de 30% do tamanho da DCB]. 13-Nome da empresa titular do registro Razão social ou nome fantasia. 14-SAC Serviço de atendimento ao consumidor da empresa titular do registro ou de sua responsabilidade. 15-Restrição de prescrição Frase conforme previsto para o medicamento [caixa-alta]. 16-Val.: Fab.: Lote: O número do lote, data de fabricação (mês/ ano) e data de validade (mês/ano) [Legível, indelével e com impressão usando cor ou contraste em local que não prejudique a leitura das demais informações] Ouvidoria 136 Ouvidoria Nome da empresa titular do registro Nome da empresa titular do registro 10 7 Val.: Fab.: Lote: 20 fev fev 11 LTJ 00488/ Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 28

29 tipografia 2 Poynter Agate Bold Univers 57 Condensed Univers 67 Bold Condensed Univers 67 Bold Condensed Oblique Univers 57 Condensed Univers 57 Condensed Univers 57 Condensed Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula Via de Administração Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Via de Administração Univers 67 Bold Condensed mecanismo de rastreabilidade Univers 67 Bold Condensed TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Ministério da Saúde 29 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 29

30 3 Cores Faixa Vermelha Pantone 348 C Pantone 376 C Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula Via de Administração Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Via de Administração Composição: Cada xx contém de xx. Pantone 116 C mecanismo de rastreabilidade Pantone 274 C TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Pantone 485 C 30 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 30

31 Cores 3 Faixa Preta Pantone 348 C Medicamento Genérico - Lei Pantone 9787/99376 C Ouvidoria 136 mecanismo de rastreabilidade Pantone Black C Conservar em temperatura ambiente (entre 15ºC e 30ºC). paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Via de administração Pantone 116 C Pantone 274 C Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Fórmula: Cada xx contém de xx. MS Via de administração Lote: LTJ 00488/11 Ministério da Saúde 31 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 31

32 tiras Blister Vertical Ouvidoria 136 Nome da empresa titular do registro Val.: Fab.: Lote: 20 fev fev 11 LTJ 00488/11 Ouvidoria 136 Nome da empresa titular do registro A impressão do pela DCB, e concentração deve ser repetida nos rótulos das embalagens primárias destrutíveis, com mais de uma dose, visando permitir a identificação do medicamento durante todo o tratamento. 32 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 32

33 tiras Blister Horizontal Ouvidoria 136 Nome da empresa titular do registro Ouvidoria 136 Nome da empresa titular do registro Val.: Fab.: Lote: 20 fev fev 11 LTJ 00488/11 A impressão do pela DCB, e concentração deve ser repetida nos rótulos das embalagens primárias destrutíveis, com mais de uma dose, visando permitir a identificação do medicamento durante todo o tratamento. Ministério da Saúde 33 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 33

34 tiras Blister Fracionado Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: MS Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: MS Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: MS Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: MS Nome da empresa titular do registro no Brasil Inscrição nº: MS Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 34

35 Envelopes EXIJA A BULA Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s) CNPJ/MF: / CRF/UF 0000 Composição: Cada xx contém 00 xx de xx. Cuidados de conservação paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Ministério da Saúde 35 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 35

36 bisnaga Medicamento Genérico Lei 9787/99 00mg Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Industria Brasileira SAC Uso Demartológico Ouvidoria 136 TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS 00mg Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS 36 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 36

37 136 Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) das empresas CNPJ/MF: / Fórmula: Cada xx contém de xx. MS Industria Brasileira Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Ouvidoria Nome da empresa titular do registro no Brasil Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Nome da empresa titular do registro no Brasil TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Ministério da Saúde 37 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 37

38 Frascos Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) das empresas CNPJ/MF: / Fórmula: Cada xx contém de xx. MS Industria Brasileira Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) das empresas CNPJ/MF: / Fórmula: Cada xx contém de xx. MS Industria Brasileira Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Medicamento Genérico Lei 9787/99 Contém 000 xx Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Composição: Cada xx contém de xx. 38 Manual de Identidade Visual para Embalagens MANUAL Medicamentos 205x180.indd 38

39 Embalagem Secundária Cuidados de conservação. paciente, indicações, contra-indicações e precauções: vide bula Via de Administração Nome(s) e endereço(s) da(s) empresa(s). CNPJ/MF: / Via de Administração Composição: Cada xx contém de xx. mecanismo de rastreabilidade TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Ministério da Saúde 39 MANUAL Medicamentos 205x180.indd 39

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 29 de março de 2012 [Página 104-112]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 29 de março de 2012 [Página 104-112] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 29 de março de 2012 [Página 104-112] RESOLUÇÃO - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012 Institui o Manual

Leia mais

Novas Regras para Rotulagem Medicamentos

Novas Regras para Rotulagem Medicamentos XV ENCONTRO TÉCNICO E XI ENCONTRO EMPRESARIAL - ABRASP Novas Regras para Rotulagem Medicamentos RESOLUÇÃO-RDC Nº 71/2009 Carolina K. Rodrigues 21/09/2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 71/2009 DOU de 23/12/2009 Estabelece

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 71, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 71, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 71, DE 22 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

RDC nº 71, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

RDC nº 71, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 RDC nº 71, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Estabelece regras para a rotulagem de medicamentos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 8, de 12 de março de 2009. D.O.U de 13/03/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Coordenação do Comitê Gestor da Implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos SNCM Portaria nº 176, de 10/02/2014 NOTA TÉCNICA Nº 01/2015 Considerando

Leia mais

RDC Nº 71 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 DOU DE 23/12/2009

RDC Nº 71 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 DOU DE 23/12/2009 RDC Nº 71 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 DOU DE 23/12/2009 Estabelece regras para a rotulagem de medicamentos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa, no uso da atribuição

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Nº 245, quarta-feira, 23 de dezembro de 2009 1 75 ISSN 1677-7042

Nº 245, quarta-feira, 23 de dezembro de 2009 1 75 ISSN 1677-7042 Nº 245, quarta-feira, 23 de dezembro de 2009 1 75 ISSN 1677-7042 CAPÍTULO III DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 48. Fica concedido o prazo de 2 (dois) anos a contar da data de publicação desta

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 80, DE 11 DE MAIO DE 2006.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 80, DE 11 DE MAIO DE 2006. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 80, DE 11 DE MAIO DE 2006. Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 13 do Regulamento

Leia mais

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Brasília, 21 de outubro de 2013. Processo nº: 25351.584974/2013-59 Tema da Agenda Regulatória 2013/2014 nº:

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento estabelece normas específicas

Leia mais

Manual de Uso da Marca INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Manual de Uso da Marca INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Manual de Uso da Marca Marca A identidade visual do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF) foi construída sobre a ideia do homem, integrado e funcional. A marca deve ser preservada e

Leia mais

adoto, ad referendum, a seguinte Consulta Pública e determino a sua publicação:

adoto, ad referendum, a seguinte Consulta Pública e determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 51, de 22 de maio de 2003. D.O.U de 12/06/2003 O Diretor-Presidente Substituto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Hospital Israelita Albert Einstein Abril 2015 Requisitos para rastreabilidade Códigos de barras em todos os produtos

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

Resolução -ANVISA/RDC nº 135, de 18 de maio de 2005

Resolução -ANVISA/RDC nº 135, de 18 de maio de 2005 Resolução -ANVISA/RDC nº 135, de 18 de maio de 2005 Dispõe sobre os critérios que devem ser obedecidos para o fracionamento de medicamentos a partir da sua embalagem original para fracionáveis. A Diretoria

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual apresentação....................................3 Versões horizontal e vertical........................4 grid de construção................................5 Cores institucionais...............................6

Leia mais

RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS

RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS COORDENAÇÃO DO GRUPO DE TRABALHO PORTARIAS Nº 255/2011 E Nº 535/2011 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO 40ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo Anvisa Brasília, 13 de junho de 2013

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Este POP tem como objetivo fixar procedimentos para assegurar o correto recebimento de medicamentos, tanto em quantidade quanto em qualidade dos medicamentos. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: Recebimento

Leia mais

Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos

Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT - SENADO FEDERAL Assunto: Instruir o PLS 521/2007 Sen. Valdir Raupp Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos Consulta Pública nº 08, de 04/03/2008 DOU de 05/03/08 Histórico

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Manual de Aplicação

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Manual de Aplicação Manual de Aplicação Outubro de 2011 A Marca A identidade visual do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF) foi construída sobre a ideia do homem, integrado e funcional. A marca deve ser

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001

MANUAL DO USUÁRIO. RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001 Agência Nacional de Vigilância Sanitária MANUAL DO USUÁRIO da RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001 Orientações sobre Registro, Cadastramento, Alteração, Revalidação e Cancelamento do Registro de Produtos Médicos

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL FEV 2013

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL FEV 2013 MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL FEV 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO MARCA: APLICAÇÃO MARCA: VARIAÇÕES DE COR MARCAS: MATERIAIS PROMOCIONAIS MARCAS: MUSEU E GOVERNO DO ESTADO DIVULGAÇÃO: PADRONIZAÇÕES DIVULGAÇÃO:

Leia mais

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos Ricardo Yugue O Conceito de Rastreabilidade Rastreabilidade éa capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização de uma entidade (ou

Leia mais

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC Ferramenta informatizada para captura de dados e geração de informação, a cerca da prescrição, dispensação e consumo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 11 do Regulamento da ANVISA, aprovado

Leia mais

Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas

Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas Subgerência de Alimentos Martha Virgínia Gewehr Machado Maria Cristina Junqueira de Castro

Leia mais

Portaria n.º 318, de 14 de agosto de 2007. CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Regulamento Técnico da Qualidade para EMBALAGEM DE ÁLCOOL ETÍLICO.

Portaria n.º 318, de 14 de agosto de 2007. CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Regulamento Técnico da Qualidade para EMBALAGEM DE ÁLCOOL ETÍLICO. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 318, de 14 de agosto de 2007.

Leia mais

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ELIEZER J. BARREIRO NATALIA MEDEIROS DE LIMA MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ISBN 978-85-910137-1-5 INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009 DOS MEDICAMENTOS INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015 Ivo Bucaresky Diretor ANVISA CONBRAFARMA Agosto de 2015 1 PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO Diretrizes: Fortalecimento da capacidade institucional para gestão em regulação Melhoria da

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

aciclovir Merck S/A Creme 50 mg/g

aciclovir Merck S/A Creme 50 mg/g aciclovir Merck S/A Creme 50 mg/g aciclovir Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÃO Aciclovir creme é apresentado em bisnagas contendo 10 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE MANUAL DE APLICAÇÕES GRÁFICAS DA LOGOMARCA DO PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE

MINISTÉRIO DA SAÚDE MANUAL DE APLICAÇÕES GRÁFICAS DA LOGOMARCA DO PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE MINISTÉRIO DA SAÚDE MANUAL DE APLICAÇÕES GRÁFICAS DA LOGOMARCA DO PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE Introdução 01 Logotipo / Modulação 1.1 Slogan 1.2 Redução 1.3 Versão 3D 1.4 Construção Modular 1.5 Logotipo

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri 3 MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Diretoria de Comunicação Social

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual sumário Manual de Identidade Visual EBSERH Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares 3 a marca 4 malha construtiva 5 cores institucionais 6 aplicações em fundo colorido 7

Leia mais

Análise da adequação da rotulagem de medicamentos industrializados 1. Infarma, v.16, nº 7-8, 2004 INTRODUÇÃO

Análise da adequação da rotulagem de medicamentos industrializados 1. Infarma, v.16, nº 7-8, 2004 INTRODUÇÃO Análise da adequação da rotulagem de medicamentos industrializados 1 G.F. PETROVICK P.R. PETROVICK H.F. TEIXEIRA Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul ; Av. Ipiranga, 2752;

Leia mais

A Identidade Visual de uma empresa é um de seus principais patrimônios.

A Identidade Visual de uma empresa é um de seus principais patrimônios. Apresentação A Identidade Visual de uma empresa é um de seus principais patrimônios. É por meio dela que uma instituição apresenta, seus valores, sua filosofia, sua postura profis-sional, torna-se visível

Leia mais

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Loritil loratadina

Leia mais

BEBEX N. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Dermatológica 200mg/g + 100.000UI/g

BEBEX N. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Dermatológica 200mg/g + 100.000UI/g BEBEX N Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Dermatológica 200mg/g + 100.000UI/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 101/94, de 19 de Abril 1 Rotulagem e folheto informativo (Revogado pelo Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto)

Decreto-Lei n.º 101/94, de 19 de Abril 1 Rotulagem e folheto informativo (Revogado pelo Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto) 1 Rotulagem e folheto informativo (Revogado pelo Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto) O Decreto-Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, introduziu, pela primeira vez, de forma clara, regras respeitantes

Leia mais

OTO-XILODASE. Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml

OTO-XILODASE. Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml OTO-XILODASE Apsen Farmacêutica S.A. Solução Otológica 100 UTR + 50 mg + 5 mg / 1 ml OTO-XILODASE cloridrato de lidocaína + sulfato de neomicina + hialuronidase APSEN FORMAS FARMACÊUTICAS Solução otológica

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE MEDICAMENTOS DEFINIÇÃO Dispensação é o ato de assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual 1. Versão preferencial com decodificador 1.1 Versão padrão Versão de uso preferencial. Deve-se usar a logomarca na cor apresentada sobre fundo branco. No caso do fundo totalmente

Leia mais

MANUAL APLICAÇÃO LOGOTIPO LINTEC

MANUAL APLICAÇÃO LOGOTIPO LINTEC SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 APRESENTAÇÃO 04 VERSÃO INSTITUCIONAL 05 VERSÃO VERTICAL E HORIZONTAL 06 PRETO E BRANCO 07 PADRÕES CROMÁTICOS 08 MALHA CONSTRUTIVA 09 ÁREA DE PROTEÇÃO 10 REDUÇÃO MÁXIMA 11 APLICAÇÕES

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DO FUNTTEL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DO FUNTTEL 1 MARCA APRESENTAÇÃO CONHECENDO O LOGO Com o objetivo de unificar os padrões de comunicação visual e normatizar o uso da marca, foi criada a marca do FUNTTEL. O logo pode ser aplicado em duas versões:

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Normas e padrões de utilização

Manual de Identidade Visual. Normas e padrões de utilização Manual de Identidade Visual Normas e padrões de utilização Institucional Assinatura institucional DEFINIÇÃO A logomarca é a assinatura institucional da Venax. REGRAS DE USO É a principal assinatura da

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS

ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS Gerência Geral de Cosméticos ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS NORMAS DE ROTULAGEM REFERÊNCIAS LEGAIS DECRETO 79.094/77 (Art. 4º e 93-111) DECRETO 83.239/79 (Altera os Art. 17, 93, 94 e 96 do Decreto 79.094/77)

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB VERIFICADO EM: 23/08/2011 POR: FLAVIA SILVA ASSINATURA:

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB VERIFICADO EM: 23/08/2011 POR: FLAVIA SILVA ASSINATURA: PÁGINA: 1/12 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD CÓDIGO POP.066010004/001 TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB ELABORADO EM: 24/06/2011 RESP. PELA UF: LUIZ CARLOS MARTINS ASSINATURA: VERIFICADO EM:

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

Manual de Padronização

Manual de Padronização Manual de Padronização das Marcas EBC e seus veículos Novembro de 2013 1. Marca da EBC 4 1.1 Reduções mínimas 5 1.2 Aplicações da marca 6 1.3 Tipografia 7 1.4 Cor da marca 8 1.5 Usos Indevidos 9 2. Marca

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 533, de 2013, do Senador Sérgio Souza, que estabelece a obrigatoriedade de as farmácias

Leia mais

Manual de Produção Editorial MDA

Manual de Produção Editorial MDA Manual de Produção Editorial MDA República Federativa do Brasil Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República

Leia mais

A ETIAM Etiquetadora Amaral Ltda. pretende através deste documento, consolidar o bem mais valioso que uma instituição pode ter: sua marca.

A ETIAM Etiquetadora Amaral Ltda. pretende através deste documento, consolidar o bem mais valioso que uma instituição pode ter: sua marca. INTRODUÇÃO Ter uma identidade visual, que passe uma mensagem de qualidade e segurança aos clientes é fundamental para o sucesso da empresa. A identidade visual é a imagem ou, em outras palavras, a roupa

Leia mais

Uso correto de. Medicamentos Cartilha

Uso correto de. Medicamentos Cartilha Uso correto de Medicamentos Cartilha Uso correto de Medicamentos Cartilha Presidente da República Dilma Rousseff Ministro da Saúde Alexandre Padilha Presidente da Fiocruz Paulo Ernani Gadelha Vieira Diretor

Leia mais

Manual de utilização do selo

Manual de utilização do selo Manual de utilização do selo Introdução O manual do selo Empresa Parceira da Saúde tem a função de ordenar e padronizar o signo que distingue e diferencia a parceira, compreendendo padrões e regras de

Leia mais

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose POLYDRAT Pharmascience Laboratórios Ltda SOLUÇÃO ORAL cloreto de sódio 2,34 mg/ml, cloreto de potássio 1,49 mg/ml, citrato de sódio dihidratado 1,96 mg/ml, glicose 19,83 mg/ml Polydrat cloreto de sódio,

Leia mais

Manual de Identidade Visual da Marca Fiat

Manual de Identidade Visual da Marca Fiat Manual de Identidade Visual da Marca Fiat Conceito A construção de um logo...é Em última instância o reflexo da integração da empresa que simboliza. Seu efeito depende consideravelmente da sua exposição

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 19, de 6 de maio de 2009. D.O.U de 11/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 140, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 24/09/2003

RESOLUÇÃO - RDC Nº 140, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 24/09/2003 RESOLUÇÃO - RDC Nº 140, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 24/09/2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso

Leia mais

MODELO DE BULA. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de dois anos de idade)

MODELO DE BULA. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de dois anos de idade) MODELO DE BULA Logo Novartis Lacrigel TM A palmitato de retinol 10 mg/g Lágrima artificial estéril Forma farmacêutica e apresentação Gel oftálmico: cada tubo contém 10 g de gel. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Regras de Rastreabilidade de Medicamentos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Regras de Rastreabilidade de Medicamentos Regras de Rastreabilidade de Medicamentos 05/05/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 9 5. Informações

Leia mais

GUIA DE REFERÊNCIA. Procel RELUZ

GUIA DE REFERÊNCIA. Procel RELUZ GUIA DE REFERÊNCIA Procel RELUZ ASSINATURAS As assinaturas são compostas por duas partes: logomarca PROCEL e logomarca RELUZ. O símbolo e o logotipo dessas duas partes se associam formando a Identidade

Leia mais

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos.

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Versão Consolidada n. 07, de 27 de maio de 2013. Para Audiência Pública Resolução

Leia mais

Anexo A BACIGEN. Neomiciana + Bacitracina Zincica CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 5mg + 250 UI/g

Anexo A BACIGEN. Neomiciana + Bacitracina Zincica CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 5mg + 250 UI/g Anexo A BACIGEN Neomiciana + Bacitracina Zincica CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Pomada 5mg + 250 UI/g BACIGEN sulfato de neomicina, bacitracina zíncica APRESENTAÇÃO Pomada contendo 5mg/g de

Leia mais

Manual Visual de Placas de Obras

Manual Visual de Placas de Obras Manual Visual de Placas de Obras Sumário Finalidade e Aplicações... 3 Padrão Geral das Placas Quadrante Superior... 4 Exemplificação de Cálculo... 5 Padrão de Tamanho de Corpo para Título... 6 Padrão de

Leia mais

Introdução. Identificação da Empresa. Desenvolvimento do Projeto Gráfico

Introdução. Identificação da Empresa. Desenvolvimento do Projeto Gráfico Introdução A Identidade Visual de uma empresa é um de seus principais patrimônios. É por meio dela que uma instituição transmite visualmente seus valores, sua filosofia, torna-se visível e reconhecida

Leia mais

Art.5 Os registros concedidos anteriormente à vigência desta Resolução deverão se adequar à mesma no momento de sua revalidação.

Art.5 Os registros concedidos anteriormente à vigência desta Resolução deverão se adequar à mesma no momento de sua revalidação. RESOLUÇÃO ANVISA Nº 206, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 DOU 20.11.2006 Estabelece Regulamento Técnico de Produtos para Diagnóstico de uso in vitro e seu Registro, Cadastramento, e suas alterações, revalidações

Leia mais

Manual de Uso da Marca

Manual de Uso da Marca Manual de Uso da Marca Manual de Uso da Marca versão 2.0 ESPÍRITO SANTO ESPÍRITO SANTO Coordenadoria de Comunicação Social Índice Instituto Federal do Espírito Santo Manual de Uso da Marca 2 1. O Instituto

Leia mais

Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula

Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula Agência Nacional de Vigilância Sanitária Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula Gerência-geral de Medicamentos - GGMED www.anvisa.gov.br Brasília, 13 de janeiro de 2014 Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 11, de 09 de abril de 2003 D.O.U de 11/04/2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/12. a) Todo o medicamento só poderá ser fornecido mediante apresentação de receita de profissional habilitado.

INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/12. a) Todo o medicamento só poderá ser fornecido mediante apresentação de receita de profissional habilitado. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/12 Dispõe sobre a obrigatoriedade no cumprimento das Normas e Rotinas de Dispensação, Solicitação de Medicamentos, Recebimento, Armazenamento e Controle

Leia mais

COMUNIQUE A SUA CERTIFICAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO PARA AS EMPRESAS. PARA AS PESSOAS. SF127 MAR.13

COMUNIQUE A SUA CERTIFICAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO PARA AS EMPRESAS. PARA AS PESSOAS. SF127 MAR.13 COMUNIQUE A SUA CERTIFICAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO PARA AS EMPRESAS. PARA AS PESSOAS. Sumário 1 Introdução 2 Política do Bureau Veritas Certification 3 As Marcas de Certificação

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 206, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 206, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006. Page 1 of 11 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 206, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006. Estabelece Regulamento Técnico de Produtos para Diagnóstico de uso in vitro e seu

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

Leia mais

simeticona Merck S/A emulsão oral 75 mg/ml (gotas)

simeticona Merck S/A emulsão oral 75 mg/ml (gotas) simeticona Merck S/A emulsão oral 75 mg/ml (gotas) simeticona Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 Emulsão oral APRESENTAÇÕES Frasco conta-gotas (75 mg/ml) com 15 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de

Leia mais

TETMOSOL Sabonete sulfiram. Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g.

TETMOSOL Sabonete sulfiram. Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g. TETMOSOL Sabonete sulfiram I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TETMOSOL Sabonete sulfiram APRESENTAÇÕES Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais