DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO 01

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO 01"

Transcrição

1 DIREITO TRIBUTÁRIO MÓDULO 01 Sistema Tributário Brasileiro: Conceito, Estrutura, Princípios, Fontes e Evolução Histórica; Hermenêutica Constitucional Tributária; Vigência e Aplicação da Legislação Tributária; Interpretação e Integração da Legislação Tributária; Poder de Tributar: Competência Tributária, Limitações ao Poder de Tributar. SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Conceito de Direito Tributário Segundo Rubens Gomes de Sousa, Direito Tributário é o ramo do Direito Público que rege as relações jurídicas entre o Estado e os particulares, decorrentes da atividade financeira do Estado, no que se refere à obtenção de receitas que correspondem ao conceito de tributo. É ramo do Direito Público, uma vez que está presente o Poder de Império do Estado na relação jurídica. Ao particular é imposto o dever de adimplemento do tributo. Dá-se a subordinação do particular, portanto, independe sua vontade na relação jurídica. O que ocorre é imposição estatal decorrente da norma, de coerção. O Direito Tributário compõe-se de normas cogentes, ou seja, obrigatórias, impostas. A relação jurídica é de direito obrigacional, denominada obrigação tributária, impondo ao particular o dever jurídico de prestar tributo. A obtenção de receitas refere-se às receitas tributárias, que são aquelas que se enquadram no conceito de tributo. Neste ponto, importa referir a diferenciação entre Direito Tributário e Direito Financeiro. O Direito Tributário regula a atividade financeira do Estado no pertinente à tributação, naquilo que se enquadra no conceito de tributo. O Direito Financeiro, por sua vez, regula toda a atividade financeira do Estado, exceto a que se refere à tributação. (Receita Tributária Imposto de Renda x Receita não-tributária aluguéis, vendas de ativos, decorrentes de privatizações de Estatais). Segundo Hugo de Brito Machado, Direito Tributário é o ramo do Direito que se ocupa das relações entre o Fisco e as pessoas sujeitas a imposições tributárias de qualquer espécie, limitando o poder de tributar e protegendo o cidadão contra os abusos desse poder. Outro tema que merece destaque é a questão da autonomia do Direito Tributário. Em verdade, o Direito é Uno, não havendo, portanto, subdivisões. Entretanto, didática, científica e legalmente, vem sendo admitida a autonomia do Direito Tributário. Autonomia Didática pela existência da própria disciplina no meio acadêmico. Autonomia Científica, visto que possui institutos e princípios próprios. (crédito tributário, lançamento, princípio da anterioridade). Autonomia Legal, pela vigência da Lei 5172 de 1966, bem como pela própria Constituição de 1988 que reserva capítulo ao Sistema Tributário Nacional. Estrutura O Sistema Tributário Nacional tem como fundamento de validade a Constituição Federal de 1988 CRFB/1988, que traz em seu Título VI, intitulado Da Tributação e do Orçamento, no Capítulo I Do Sistema Tributário Nacional, os artigos 145 ao 162. Tais artigos estabelecem: - Princípios Gerais; - Limitações ao Poder de Tributar; - Competência para a Instituição de Tributos, - Repartição das Receitas Tributárias. Em nível infraconstitucional, tem-se o Código Tributário Nacional - CTN, Lei n de 25 de outubro de Apesar de anterior à Constituição Federal de 1988, sendo Lei Ordinária, foi recepcionado como Lei Complementar. Explica-se: a referência do CTN é a Constituição de 1946 e a Emenda Constitucional n. 18 de 1965, quando não havia o conceito de Lei Complementar, sendo, pois, à época, Lei Ordinária. Por isso, tendo em vista que trata de matérias que hoje são privativas de lei complementar, atualmente, tem-se como Lei Complementar em razão da matéria. LEMBRE-SE: O CTN tem o status/natureza de Lei Complementar, visto que somente através de Lei Complementar pode ser alterado.

2 1 - Prova: Exame de Ordem RJ O Código Tributário Nacional: a. Não tem natureza de lei complementar, podendo ser alterado por lei ordinária federal; b. Proíbe a concessão de isenção condicionada; c. Considera irrelevante o fato gerador para determinação da natureza jurídica do tributo; d. Não permite que a lei tributária altere a definição, o conteúdo e o alcance de institutos, conceitos e formas de direito privado, para definir ou limitar competências tributárias. Fontes Para o Direito, Fonte significa aquele órgão ou norma de onde vem o direito. As fontes materiais são aqueles órgãos que produzem o direito. No Estado de Direito, normalmente, o órgão encarregado de produzir o direito é o Poder Legislativo. Pode ser o Presidente da República, quando legisla unipessoalmente, sob a forma de Medida Provisória. As fontes formais são: a Constituição Federal, que é a Própria Lei Fundamental do Estado; As Emendas Constitucionais; As Leis Complementares; Leis Ordinárias; enfim a Legislação Tributária. Há que se dizer que a legislação tributária compreende: as leis, os tratados e as convenções internacionais, os decretos e as normas complementares que versem, no todo ou em parte, sobre tributos e relações jurídicas a ele pertinentes. É o que se encontra nos artigo 2º e 96 do CTN, e, que será melhor analisado oportunamente. Evolução Histórica Os tributos existem desde a antigüidade, e, sempre foram o meio do Estado obter as receitas necessárias à consecução dos seus fins. Sob o regime absolutista, as imposições fiscais decorriam tão somente da vontade do soberano. O primeiro diploma legal sobre garantias do contribuinte é a Magna Carta Inglesa de 1215, na qual lograram os barões limitar o poder da Coroa. A primeira codificação do direito tributário RAO - deu-se na Alemanha, em 1909, obra de Enno Becker. Entre nós, a primeira tentativa de codificação foi de Rubens Gomes de Souza, sendo ministro Osvaldo Aranha. Com a morte de Getúlio Vargas, o projeto não vingou. Na década de 50 e 60, começa a se formar a doutrina tributária brasileira, com obras de Rubens Gomes de Souza, Aliomar Baleeiro, Amílcar Falcão, Gilberto Ulhôa Canto, Alfredo Augusto Becker. Assim, após a Emenda Constitucional n. 18 de 1965, que realizou a Reforma Tributária, surgiu o Código Tributário Nacional, elaborado por uma Comissão chefiada por Rubens Gomes de Souza. O artigo 7º. do Ato Complementar n. 36, de 13 de março de 1967, denominou-a Código Tributário Nacional. Princípios e Hermenêutica Constitucional Princípios Constitucionais Tributários O sistema tributário nacional é orientado e fundamentado por seus princípios constitucionais tributários. Em síntese, todos os princípios adiante colacionados têm como escopo: limitações ao poder tributar; repartição das competências e receitas tributárias, bem como a delimitação das espécies tributárias passíveis de instituição. Em grande parte, constituem-se em princípios que atuam limitando os poderes do Estado-Fisco e conferido garantias fundamentais aos contribuintes frente à soberania estatal. Princípio da Legalidade O princípio da legalidade tributária está estabelecido no art. 150, I da Constituição que dispõe: Art Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: I - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça;. Por decorrência lógica, via de regra, afastadas as exceções, as espécies tributárias somente podem ser aumentadas ou instituídas por lei, ordinária ou complementar, nos casos expressamente previstos na Constituição. Decreto, Portaria, entre outros atos infralegais, não podem instituir ou aumentar tributos. Hugo de Brito Machado afirma que a lei instituidora do tributo há de conter: (a) a descrição do fato tributável; (b) a definição da base de cálculo e da alíquota, ou outro critério a ser utilizado para o estabelecimento do valor do tributo;

3 (c) o critério para a identificação do sujeito passivo da obrigação tributária; (d) o sujeito ativo da relação tributária, se for diverso da pessoa jurídica da qual a lei seja expressão de vontade. Em suma, são os critérios que compõe a regra-matriz de incidência tributária, quais sejam, o critério material, o critério espacial, o critério temporal, o critério quantitativo e o critério pessoal. LEMBRE-SE: Cumpre esclarecer que o princípio da legalidade exige que a Lei Ordinária/Lei Complementar crie ou aumente tributo. Entretanto, outros instrumentos com força de lei, portanto equiparados à lei, podem fazer este papel, excepcionalmente, a Medida Provisória e a Lei Delegada. Lei Complementar requer maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional. Lei Ordinária requer a maioria simples presente a maioria absoluta dos Parlamentares. Da Lei Complementar em matéria Tributária As Leis Complementares, como o próprio nome ilustra, são complementares à Constituição. O artigo 146 e 146-A da Constituição dispõe a matéria reservada à Lei Complementar. LEMBRE-SE: O empréstimo compulsório, conforme art. 148 da Constituição, só poderá ser criado pela União mediante Lei Complementar. LEMBRE-SE: Os impostos residuais, conforme art. 154, I, da Constituição, só poderão ser criados pela União mediante Lei Complementar. LEMBRE-SE: No caso do ICMS, caberá à lei complementar, art. 155, 2, XII, da Constituição: definir seus contribuintes, dispor sobre substituição tributária, disciplinar o regime de compensação, fixar para efeito de cobrança o estabelecimento responsável e o local, fixar a base de cálculo, entre outros previstos; LEMBRE-SE: Os serviços de qualquer natureza de que trata o art. 156, III, da Constituição, devem ser definidos por Lei Complementar. 2 - Prova: Exame de Ordem RJ Compete à União Federal, através de lei complementar: a. Determinar os casos em que o imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação incidirá sobre as saídas de livros e periódicos; b. Instituir o imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários; c. Determinar as hipóteses de isenção do imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana, levando em consideração a função social da propriedade; d. Instituir, na iminência ou no caso de guerra externa, impostos extraordinários, compreendidos ou não em sua competência tributária. 3 - Prova: Exame de Ordem RJ Consoante com a Constituição Federal, caberá à Lei Complementar disciplinar determinadas matérias, EXCETO: a. Instituição de impostos pela União com base em sua competência residual; b. Dispor sobre substituição tributária no ICMS; c. Concessão de subsídios ou isenção, redução de base de cálculo de impostos, taxas e contribuições; d. Regular limitações constitucionais ao poder de tributar 4 - Prova: 2004 Exame de Ordem SP Cabe à lei complementar em matéria tributária: a. instituir os tributos de competência da União. b. instituir os tributos de competência concorrente da União e dos Estados.

4 c. instituir os tributos de competência concorrente entre dois Estados ou entre dois Municípios. d. instituir empréstimos compulsórios. 5 - Prova: 2003 Exame de Ordem SP Não é matéria reservada à lei complementar a a. instituição de empréstimos compulsórios. b.definição de fato gerador e base de cálculo de impostos discriminados na Constituição. c.criação de impostos não previstos na Constituição. d.instituição de contribuição de melhoria. A Lei Delegada é regulada no art. 68 da Constituição e será elaborada pelo Presidente da República, que deverá solicitar a delegação ao Congresso Nacional. A lei delegada possui restrições constitucionais, não podendo versar sobre matéria reservada à lei complementar e nos casos dos incisos do art. 68 da Constituição. O princípio da legalidade é o que confere segurança no sistema tributário, regulando por lei a relação entre o Particular/Contribuinte e o Estado/Fisco. A Medida Provisória está prevista no art. 59, V, e regulada no art. 62 ambos da Constituição. Está equiparada e possui força de lei e, em virtude disso, conforma o princípio da legalidade, sendo editada pelo Presidente da República. LEMBRE-SE: As medidas provisórias não podem tratar de matéria reservada à Lei Complementar, sendo assim, não podem instituir empréstimo compulsório, impostos inominados, imposto sobre grande fortunas e/ou contribuições previdenciárias residuais. LEMBRE-SE: Medidas provisórias já não podem instituir nem aumentar impostos, salvo aqueles excluídos do princípio da anterioridade tributária, prestando apenas como instrumento para iniciar o processo legislativo para usa instituição ou aumento. É assim porque medida provisória que implique instituição ou majoração de impostos, só produzirá efeitos no exercício financeiro seguinte, se houver sido convertida em lei até o último dia daquela em que a MP foi editada. (Exceto: imposto de importação de produtos estrangeiros; exportação para o exterior de produtos nacionais ou nacionalizados; produtos industrializados; operações de crédito e imposto extraordinário de guerra (154,II do CTN). LEMBRE-SE: Pela mesma razão, a anterioridade de noventa dias a que se sujeitam as contribuições sociais há de ser contada a partir da publicação da Lei em que se tenha convertida a medida provisória. 6 - Prova: 2003 Exame de Ordem SP Medida Provisória editada em aumentou as alíquotas do Imposto de Renda, mantendo inalteradas as faixas de rendimento sobre as quais se dá a incidência do imposto. A majoração de alíquotas promovida pela Medida Provisória: a. produzirá efeitos em 90 dias a contar de sua publicação, em obediência ao princípio da anterioridade mitigada. b. é inconstitucional, por tratar-se de matéria reservada à lei complementar. c. é inconstitucional, por ser a matéria tributária vedada às Medidas Provisórias. d. produzirá efeitos a partir de 2004 se for convertida em lei até o término de Exceções ao Princípio da Legalidade

5 Importa esclarecer que somente os impostos e a CIDE de competência da União é que estão abrangidos pelas exceções ao princípio da legalidade. Assim, somente os tributos de competência da União possuem exceções ao princípio da legalidade. As principais exceções ao princípio da legalidade estão no art. 153, 1, a saber: É facultado ao Poder Executivo, atendidas as condições e limites estabelecidos em lei, alterar as alíquotas dos impostos enumerados nos incisos I, II, IV e V. Por decorrência, ocorre a relativização do princípio da legalidade, pois pode o Poder Executivo, nos limites máximo e mínimo fixados em lei, alterar as alíquotas, via ato infralegal (decreto, portaria), do Imposto de Importação, do Imposto de Exportação, do Imposto sobre Produtos Industrializados e do Imposto sobre operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários. Nestes termos o II, o IE, o IPI e o IOF, poderão ter suas alíquotas alteradas por ato infralegal do Poder Executivo, nos limites e condições estabelecidas em lei. Em verdade, tais impostos estão diretamente ligados à balança comercial, ao setor produtivo e econômico, necessitando de agilidade e dinâmica por parte do Executivo para regular e proteger os principais setores do País. A CIDE, Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico relativa às atividades de importação ou comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados e álcool combustível, acrescentada pela Emenda Constitucional 33/2001, igualmente não estará sujeita ao princípio da legalidade no que tange ao percentual da alíquota a ser aplicado por ato infralegal, nos limites máximos e mínimos estabelecidos em lei. O art. 177, 4, I, b da Constituição estabelece: (...) I a alíquota da contribuição poderá ser: (...) b) reduzida e restabelecida por ato do Poder Executivo, não se lhe aplicando o disposto no art. 150, III, b LEMBRE-SE: A exceção ao princípio da legalidade só vale para tributos de competência da UNIÃO. Atinge os impostos que incidem diretamente sobre comércio exterior, produção e economia e, em virtude disso, necessitam de agilidade na alteração da alíquota. A alíquota é alterada por ato do infralegal do Executivo (Portaria do Ministro da Fazenda, Decreto do Presidente), mas somente dentro dos limites máximos e mínimos estabelecidos na Lei. LEMBRE-SE: A CIDE também está abarcada pela exceção ao princípio da legalidade, conforme alteração introduzida pela Emenda Constitucional 33/ Prova: Exame de Ordem RJ Do princípio da legalidade tributária decorre a inconstitucionalidade: a. Da lei que confere tratamento diferenciado a contribuintes que se encontrem em situações equivalentes b. Do decreto que determina majoração do imposto c. Da lei que institui imposto sobre templos de qualquer culto d. Da lei que institui imposto com efeito de confisco 8 - Prova: 2003 Exame de Ordem RS Amparado em recente emenda constitucional, o prefeito de um município do interior edita um decreto municipal instituindo uma contribuição para custeio das despesas com iluminação pública. O referido decreto foi publicado em 30 de dezembro de 2002 e prevê a cobrança do tributo a partir de janeiro de A apontada exigência tributária é devida? a. Sim, a partir do prazo previsto no texto legal do município. b.sim, após 90 dias da edição do decreto municipal, em decorrência do princípio da anterioridade nonagesimal ou mitigada a que estão sujeitas as contribuições. c.não, pois somente poderiam ser instituídas taxas com tal finalidade. d.não, pois somente uma lei municipal pode instituir o tributo em questão, conforme determina o princípio da legalidade, previsto na Constituição Federal e no Código Tributário Nacional. 9 - Prova: 2004 Exame de Ordem RS Com a finalidade de exercer o controle do comércio exterior, o Presidente da República, por meio de decreto, altera as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) relativamente aos produtos de informática. Contribuintes que produzem aparelhos elétricos insurgem-se contra a

6 medida, alegando, de um lado, violação ao princípio da legalidade e, de outro, violação ao princípio da capacidade contributiva. Segundo a Constituição Federal e sua interpretação dada pelo Supremo Tribunal Federal, pode-se afirmar que: a. há violação ao princípio da legalidade, dada a ausência de lei regulando elemento essencial do tributo, e violação ao princípio da capacidade contributiva, já que contribuintes com igual capacidade econômica são desigualmente tratados. b. há violação ao princípio da legalidade, dada a ausência de lei regulando elemento essencial do tributo, mas não há violação ao princípio da capacidade contributiva, pois existe uma finalidade extrafiscal justificativa da diferenciação entre os contribuintes. c. não há violação ao princípio da legalidade, já que o IPI pode ter sua alíquota modificada por decreto presidencial, nem violação à capacidade contributiva, pois existe uma finalidade extrafiscal justificativa da diferenciação entre os contribuintes. d. não há violação ao princípio da legalidade, dada a ausência de lei regulando elemento essencial do tributo, mas há violação ao princípio da capacidade contributiva, já que contribuintes com igual capacidade econômica são desigualmente tratados. Princípio da Competência Cada entidade tributante há de restringir sua atividade àquela matéria que lhe foi constitucionalmente destinada Hugo de Brito Machado afirma O princípio da competência obriga a que cada entidade tributante se comporte nos limites da parcela de poder impositivo que lhe foi atribuída Prova: 2003 Exame de Ordem RS Conforme a Constituição Federal de 1988 no que se refere às espécies de tributo, a competência tributária: a. pode ser exercida indiscriminadamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. b.pode ser exercida indiscriminadamente pela União, Estados e Distrito Federal e discriminadamente pelos Municípios. c. deve ser exercida discriminadamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. d. deve ser exercida indiscriminadamente pela União e discriminadamente pelos Estados, Distrito Federal e Municípios. Princípio da Anterioridade Estabelece o art. 150, III, b da Constituição: Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: (...) III cobrar tributos: (...) b) no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os institui ou aumentou; Assim, a lei, para incidir e irradiar seus efeitos, tornando o tributo exigível, deve ser publicada no exercício financeiro anterior. Nestes termos, a lei publicada em um exercício financeiro só terá incidência no exercício subseqüente. Exercício financeiro coincide com o ano civil (01 de janeiro a 31 de dezembro). LEMBRE-SE: A anterioridade aplica-se somente quando ocorrer instituição ou aumento de tributo. Via de regra, caso não haja disposição em contrário, a redução do tributo importa em vigência imediata Prova: Exame de Ordem RJ Lei que determina redução da base de cálculo do Imposto de Renda entra em vigor: a. No primeiro dia do exercício civil seguinte ao da sua publicação; b. Noventa dias após a sua publicação; c. Na data da sua publicação; d. No primeiro dia do exercício civil seguinte e noventa dias após a sua publicação. A Emenda Constitucional n 42/2003 acabou por criar a anterioridade nonagesimal, acrescentando a alínea c ao inciso III do art. 150: c) antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou, observado o disposto na alínea b Assim, pelos dispositivos constitucionais, a instituição ou o aumento de tributo, salvo as exceções constitucionais, deve ser publicada em um exercício financeiro para ser cobrada somente no exercício subseqüente, respeitada ainda o período de vacância de 90 dias.

7 LEMBRE-SE: 1 passo: uma lei que institui ou aumenta tributo publicada em 31 de dezembro só terá vigência no exercício financeiro subseqüente, sendo cumprido o estabelecido na alínea b do art. 150, III. 2 passo: Concomitante a isto, esta lei terá vacatio legis de 90 dias, entrando em vigor em abril do ano seguinte, em respeito à alínea c do art. 150, III. Exceções ao Princípio da Anterioridade 1 do art. 150 estabelece exceções ao princípio da anterioridade e anterioridade nonagesimal, a saber: Este princípio não é aplicável aos seguintes tributos: 1º A vedação do inciso III, b, não se aplica aos tributos previstos nos arts. 148, I, 153, I, II, IV e V; e 154, II; e a vedação do inciso III, c, não se aplica aos tributos previstos nos arts. 148, I, 153, I, II, III e V; e 154, II, nem à fixação da base de cálculo dos impostos previstos nos arts. 155, III, e 156, I. Nestes termos: Não se aplica o princípio da anterioridade e da anterioridade mínima de 90 dias ao empréstimo compulsório, no caso previsto no art. 148, I, instituído para atender as despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade pública, de guerra externa ou sua eminência. Não se aplica o princípio da anterioridade e da anterioridade mínima de 90 dias aos impostos que estão diretamente ligados à tributação do comércio exterior, do setor produtivo e econômico, quais sejam, II, IE e o IOF. Não se aplica o princípio da anterioridade e da anterioridade mínima de 90 dias aos impostos extraordinários criados na iminência ou no caso de guerra (art. 154,II) Não se aplica o princípio da anterioridade às contribuições de seguridade social. Estão abarcadas somente pela noventena, subordinam-se à exigência da anterioridade de 90 dias (art. 195, 6 ). 6º - As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se lhes aplicando o disposto no art. 150, III, "b". LEMBRE-SE: A limitação do art. 150, inciso III, alínea b (Princípio da Anterioridade) não se aplica aos aumentos de alíquota de ICMS e da CIDE. (art. 155, 4, IV, c e art. 177, 4, I, b). Todavia aplica-se a exigência da antecedência dos 90 dias. LEMBRE-SE: A exigência de antecedência de 90 dias, da alínea c do inciso III do art. 150, não se aplica ao imposto sobre renda e proventos de qualquer natureza (art. 153, III) e relativamente à base de cálculo do IPVA (art. 155, III) e à base de cálculo do IPTU (art. 156, I) 12 - Prova: 2004 Exame de Ordem SP O aumento, por Medida Provisória, de alíquota de contribuição social, a.é inconstitucional porque a matéria é reservada a lei complementar. b.produz efeitos imediatamente. c. produz efeitos no exercício seguinte, independentemente da sua conversão em lei. d.está sujeito à anterioridade nonagesimal Prova: 2004 Exame de Ordem SP Os empréstimos compulsórios (A) são tributos instituídos pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, criados por lei complementar. (B) podem ser criados por lei complementar com a finalidade de enxugamento da moeda em circulação na economia, desde que sejam restituídos no prazo de 2 anos. (C) instituem-se por lei complementar, observado o princípio da anterioridade. (D) em casos de despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade pública, podem ser cobrados no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os houver instituído Prova: 2005 Exame de Ordem SP

8 Para todos os tributos, é correto afirmar que (A) sua alíquota deve ser fixada por lei. (B) não podem ser cobrados em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da lei que os houver instituído ou aumentado. (C) não podem incidir sobre templos de qualquer culto. (D) não podem ser cobrados no mesmo exercício em que tenha sido publicada a lei que os tenha instituído ou aumentado Prova: Exame de Ordem RJ O princípio da anterioridade nonagesimal não se aplica: a. Ao IRPJ, ao IPTU, ao IPVA e ao ICMS; b. Imposto de Importação, ao IRPJ, ao IPVA e ao ITR; c. Ao IPTU, ao imposto sobre a transmissão causa mortis e doações, ao imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro ou relativas a títulos e valores mobiliários; d. Aos empréstimos compulsórios para atender despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência, ao Imposto sobre Importação de Produtos Estrangeiros, ao Imposto sobre a Exportação, ao Imposto sobre a Renda e Proventos de qualquer natureza, ao imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro ou relativas a títulos e valores mobiliários Prova: 2004 Exame de Ordem SP É vedado (A) à União, cobrar o Imposto sobre Produtos Industrializados antes de decorridos 90 dias da data em que haja sido publicada a lei que o instituiu ou aumentou. (B) aos Estados, cobrar o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores antes de decorridos 90 dias da data em que haja sido publicada a lei que modificar sua base de cálculo. (C) à União, cobrar o Imposto sobre a Renda e Proventos de qualquer natureza antes de decorridos 90 dias da data em que haja sido publicada a lei que o instituiu ou aumentou. (D) aos Municípios, cobrar o Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial ou Urbana antes de decorridos 90 dias da data em que haja sido publicada a lei que modificar sua base de cálculo. Princípio da Irretroatividade O princípio da irretroatividade informa a impossibilidade da lei vir a atingir os fatos geradores efetivados anteriormente à sua publicação. Lei que cria ou aumenta tributo só poderá atingir para frente, fatos geradores posteriores à sua publicação. O princípio da irretroatividade encontra guarida constitucional no art. 150, III, a, da Constituição (Art Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: III cobrar tributos: a) em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da lei que os houver instituído ou aumentado). Entretanto, a alteração que se mostra benéfica ao contribuinte, poderá ter efeitos retroativos se expressamente prevista na lei alteradora. Alguns tributos possuem certas peculiaridades que se amoldam ao princípio da irretroatividade, tais como o imposto de renda com fato gerador periódico, ocorrendo no dia 31 de dezembro, efetivando-se o cálculo do acréscimo patrimonial em todo o ano-base. Deve-se observar, contudo, que o princípio da irretroatividade alcança somente as leis que criam ou aumentam tributos. Exceções ao princípio da Irretroatividade: As exceções estão previstas no art. 106 do CTN. Assim, conforme disposto no artigo, algumas exceções devem ser consideradas: - Leis interpretativas: o inciso I estabelece que, em qualquer caso, não se aplica a irretroatividade às leis chamadas de interpretativas. As leis interpretativas são aquelas que almejam explicar, clarear o significado de lei anterior na qual houve divergência. Não há penalidade pela infração aos dispositivos interpretados de maneira diversa. - Ato não definitivamente julgado: Aplica-se somente quando não ocorreu a coisa julgada. Em todas as alíneas, estabelece a reformatio in melius, a retroatividade benigna da lei. Note-se que esta retroatividade não tem o condão de alcançar a base de cálculo, a alíquota, mas SOMENTE AS INFRAÇÕES, MULTA OU OUTRAS SANÇÕES TRIBUTÁRIAS. SOMENTE AS PENALIDADES SÃO ATINGIDAS. Neste mote, a lei retroage somente quando não existente a coisa

9 julgada e concorrentemente com algum dos casos: a lei deixou de definir como infração, deixe de tratá-lo como contrário a qualquer exigência e/ou comine pena menos severa Prova: Exame de Ordem RJ A retroatividade da lei, no Direito Tributário: a. É impossível b. É admitida somente quanto a leis meramente interpretativas c. É admitida quanto a leis meramente interpretativas e relativamente a leis que reduzam penalidades ou deixem de definir determinados atos como infração tributária d.nenhuma das alternativas acima 18 - Prova: Exame de Ordem RJ Tem efeito retroativo, aplicando-se a ato ou fato pretérito, a lei tributária que: a.comine penalidade menos severa do que a prevista na lei vigente ao tempo da sua prática; b.disponha sobre suspensão ou exclusão do crédito tributário; c.estabeleça hipóteses de redução de alíquota ou de base de cálculo; d.defina o fato gerador da obrigação tributária principal. Princípio da Isonomia A isonomia representa a igualdade dos sujeitos perante a lei. É trazido pelo art. 5, caput da Constituição e pelo art. 150, II também da Constituição ao tratar das limitações ao poder de tributar, disciplinado nos seguintes termos: Art Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: II - instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente, proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida, independentemente da denominação jurídica dos rendimentos, títulos ou direitos; A lei portanto deverá estar dotada de generalidade, ser abstrata, valendo para todos, tratando igualmente os que estão em situação de igualdade. Motivos extrafiscais desde que devidamente fundamentados, não ferem a isonomia., forte no artigo 151, I da Constituição (Art É vedado à União: I - instituir tributo que não seja uniforme em todo o território nacional ou que implique distinção ou preferência em relação a Estado, ao Distrito Federal ou a Município, em detrimento de outro, admitida a concessão de incentivos fiscais destinados a promover o equilíbrio do desenvolvimento sócio-econômico entre as diferentes regiões do País;) Princípio da Capacidade Contributiva O princípio da capacidade contributiva está consagrado no artigo 145, 1 da Constituição, a saber: 1º - Sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte, facultado à administração tributária, especialmente para conferir efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados os direitos individuais e nos termos da lei, o patrimônio, os rendimentos e as atividades econômicas do contribuinte. Estabelece a equalização da tributação, exigindo mais de quem possui maior capacidade econômica, os impostos são exigidos conforme a capacidade econômica de cada contribuinte. Nestes termos, o detentor de maior riqueza deve arcar com o maior ônus do imposto. Em virtude disso, está previsto no final do 1 do artigo acima citado, a faculdade da administração para, por seus meios, aferir a capacidade de cada contribuinte, dando efetividade ao princípio. Atente-se que o princípio da capacidade contributiva, PELA REDAÇÃO DO ARTIGO DO CTN, SÓ É APLICÁVEL AOS IMPOSTOS. Por exemplo, a contribuição de melhoria não leva em consideração a capacidade contributiva do contribuinte, mas sim a efetiva melhoria no imóvel. Pelo disposto no artigo, há a obrigatoriedade dos impostos estarem permeados pela capacidade contributiva Prova: Exame de Ordem RJ O princípio da capacidade contributiva significa que: a. nenhum tributo pode ser exigido ou aumentado sem lei anterior que o estabeleça b. é vedado à União, aos estado, ao distrito Federal e aos Municípios instituir impostos sobre o patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros c. qualquer subsídio ou isenção, relativos a impostos, taxas ou contribuições, só pode ser concedido mediante lei específica, federal, estadual ou municipal, que regule exclusivamente as matérias acima enumeradas ou o correspondente tributo ou contribuição

10 d. sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte Princípio da Proibição de Confisco Estabelece o art. 150, IV da Constituição: Art Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: IV - utilizar tributo com efeito de confisco; Assim, pelo disposto na Constituição é vedado aos entes tributantes utilizarem-se de tributação confiscatória. Talvez a grande dificuldade desta matéria esteja na definição de quando um tributo deva ser tratado como confisco. Em verdade, o efeito confiscatório da tributação deve ser entendido como aquele que ataca a capacidade contributiva, a isonomia, o direito de propriedade, o princípio da razoabilidade, entre outros, subtraindo a fonte geradora da riqueza tributável. Assim, cabe ao Poder Judiciário utilizar-se desta ferramenta afastando tributação que se apresente demasiadamente excessiva para os contribuintes. Princípio da Liberdade de Tráfego O art. 150, inciso V da Constituição estabelece o princípio da Liberdade de Tráfego: V - estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos interestaduais ou intermunicipais, ressalvada a cobrança de pedágio pela utilização de vias conservadas pelo Poder Público; Esta regra não impede a cobrança de impostos sobre a circulação em operações interestaduais e intermunicipais. A Constituição faz a ressalva do pedágio para legitimar a sua cobrança, no caso das vias conservadas pelo Poder Público. VIGÊNCIA E APLICAÇÃO da Legislação Tributária Introdução: Legislação Tributária e Lei Artigo 96 do CTN Conforme o Código Tributário Nacional, Lei e Legislação Tributária não são expressões sinônimas. A Lei é a regra jurídica de caráter abstrato, emanado do Poder ao qual a Constituição atribui a competência legislativa, com observância das regras constitucionais pertinentes à elaboração das Leis. (cf. Hugo de Brito Machado) A Legislação Tributária abrange além das leis, os tratados, as convenções internacionais, decretos e as normas complementares, que tratem no todo ou em parte sobre tributos e relações jurídicas pertinentes, nos termos do artigo 96 do CTN. A expressão legislação tributária entre aspas, deu-se em razão do legislador incluir neste conceito atos administrativos. É o caso dos decretos regulamentares (Regulamento do Imposto de Renda, Regulamento do Imposto sobre Produtos Industrializados), que não são leis em sentido formal e material, mas atos administrativos em alto grau de abstração e generalidade, indutores de condutas. A Legislação significa coletâneas de Leis e no caso a expressão legislação tributária dá conceito mais amplo, abrigando, inclusive, atos administrativos em seu objeto Prova: 2003 Exame de Ordem SP A propósito da legislação tributária, pode-se dizer que (A) é expressão empregada no Código Tributário Nacional como sinônimo de lei tributária. (B) sua observância exclui a imposição de penalidades, mas não a cobrança de juros. (C) inclui as normas complementares das leis, dos tratados e das convenções internacionais e dos decretos, tais como as práticas reiteradamente observadas pelas autoridades administrativas. (D) salvo disposição em contrário, entra em vigor 45 dias contados de sua publicação. Leis, Tratados, Convenções Internacionais e Decretos Artigo 97 do CTN O Código Tributário Nacional, em seu artigo 97, traz de forma expressa o Princípio da Legalidade Tributária, erigido constitucionalmente no artigo 150, I, que veda exigir ou aumentar tributo sem que a lei estabeleça.. Quanto à instituição e extinção de tributo não há ressalvas, somente a Lei pode estabelecer, artigo 97, I. A regra geral é que a Lei Ordinária é o instrumento hábil para criação de tributo. (definição do fato gerador, alíquota, base de cálculo, sujeito passivo e ativo) Em casos especiais, o tributo pode ser criado por Lei Complementar.

11 Não há ressalvas no que se refere à cominação de penalidades, hipóteses de exclusão, suspensão e extinção do crédito tributário, ou de dispensa ou reduções de penalidades, deve ser tratada por Lei. As exceções ou ressalvas ao princípio da legalidade são as mesmas mencionadas no artigo 153, parágrafo 1º., que faculta ao Poder Executivo, respeitadas as condições e limites da lei, alterar as alíquotas dos impostos sobre: a) importação de produtos estrangeiros; b) exportação para o exterior, de produtos nacionais e nacionalizados; c) produtos industrializados; e d) operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativa a títulos ou valores mobiliários. O artigo 97, em seus parágrafos primeiro e segundo traz: a) que equipara-se à majoração de tributo a modificação da sua base de cálculo, que importe em torná-lo mais oneroso. (Se por ato administrativo a administração quer dizer que tais e quais tributos, mais despesas financeiras, mais isso e aquilo compõem a base de cálculo do tributo. Na verdade, estará aumentando o tributo sem ter feito por Lei. b) que não constitui majoração de tributo, a atualização do valor monetário da respectiva base de cálculo. ( O Estado do Rio Grande do Sul, anualmente, corrige o índice - UPF) Prova: Exame de Ordem RJ Não depende de lei: a. A cominação de penalidade para infrações da legislação tributária; b. A definição do fato gerador da obrigação tributária principal; c. A atualização monetária da base de cálculo; d. A redução de tributos. LEMBRE-SE: modificação na base de cálculo pode representar majoração de tributo. Atualização do valor monetário da base de cálculo não é considerada majoração do tributo. O artigo 98 do CTN O artigo 98 dispõe que os tratados e convenções internacionais revogam ou modificam a legislação interna, e serão observados pela que lhes sobrevenha. Da Constituição Federal e o do Tratado Internacional 1º.) A celebração de Tratado Internacional dá-se pelo Presidente da República, nos termos do artigo 84, VIII da CRFB/1988; 2º) O Tratado é referendado pelo Congresso Nacional, via Decreto Legislativo, com fundamento no artigo 49, I da CRFB/1988; 3º.) O Presidente expede Decreto, para promulgar o ato internacional. A partir da expedição do Decreto, com a promulgação do Tratado Internacional, publicado oficialmente o seu texto, passando a partir deste momento ter obrigatoriedade na ordem jurídica interna. A Constituição Federal não aplicou o princípio do efeito direto. O CTN procura conferir aos tratados uma superioridade frente à legislação interna, todavia, o STF tem se manifestado no sentido de que celebrados pelo Brasil, não podem versar sobre matéria reservada, pela Constituição Federal, à Lei Complementar. Assim, incorporados ao ordenamento jurídico, os tratados têm status de Lei Ordinária. Dessarte, aplica-se a Lei de Introdução ao Código Civil, no sentido que: Lei posterior revoga a anterior naquilo que com ela for incompatível ou quando regular inteiramente a matéria de que se tratava a lei anterior (critério cronológico); se a lei nova, que estabelece disposições gerais ou especiais a par das existente, não revoga nem modifica a lei anterior (critério da especialidade). Se o Tratado revoga uma lei, e, posteriormente, o tratado é revogado ou tiver perdido a sua vigência, a lei não é restaurada. Dessa forma não se aplica a represtinação. Artigo 99

12 Importa dizer que o conteúdo e o alcance dos decretos restringem-se aos das leis em função dos quais foram expedidos, determinados com observância das regras de interpretação da lei. São servos da lei. Os decretos do Executivo fazem parte da legislação tributária, mas não podem substituir as leis. O artigo 97 do CTN traz o princípio da reserva de lei impondo-se a administrador tributário. Decreto é ato do Poder Executivo, enquanto Regulamento é ato a este encaminhado pelo Ministro de Estado, no caso de tributação, Ministro da Fazenda. A posição do Decreto é inferior à Lei. Os regulamentos são editados mediante Decreto, com o fim de explicar o modo e a forma de execução da Lei, ou para regular situações que não são reservada à Lei. Explicitar os textos legais. Normas Complementares Artigo 100 O Artigo 100 trata das normas complementares que são na verdade atos administrativos, qualificados pelo CTN como Legislação Tributária. Visam completar, não inovar ou de qualquer forma modificar o texto que complementam. São normas complementares das leis, dos tratados e das convenções internacionais e dos decretos: I os atos normativos expedidos pelas autoridades administrativas; ( portarias, ordens de serviços, instruções normativas, atos semelhantes); II as decisões dos órgãos singulares ou coletivos de jurisdição administrativa, a que a lei atribua eficácia normativa; (Atualmente, em nível federal, tem-se a Coordenação do Sistema de Tributação do Ministério da Fazenda, que visa unificar a interpretação mediante solução de consultas). III as práticas reiteradamente observadas pelas autoridades administrativas; ( Trata-se de uma posição do fisco na aplicação da legislação tributária. A reiterada conduta das autoridades fiscais em determinado sentido, faz com que essa prática torne-se norma complementar da lei.) IV os convênios que entre si celebrem a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. (os convênios trazem normas que vinculam as partes.) As normas complementares não podem modificar as leis, nem os decretos e regulamentos. Dessa forma, não asseguram o direito do contribuinte do não-pagamento de tributo que seja efetivamente devido, uma vez que instituído em Lei. Neste caso, como já referido, apenas pagará o contribuinte o tributo em si, afastados os consectários. Ademais, o Parágrafo Único do artigo 100, assim preceitua: A observância das normas referidas neste artigo exclui a imposição de penalidades, a cobrança de juros de mora e a atualização do valor monetário da base de cálculo de tributo. Dessa forma, este parágrafo único foi redigido com o intuito de proteger o contribuinte em face da inconstância da Administração Fiscal, para afastar a possibilidade daqueles que seguem os atos administrativos, virem a ser prejudicados. Vigência Vigência é aptidão para incidir, dar significação jurídica aos fatos. Se a Lei é vigente e ocorrem os fatos descritos na hipótese de incidência, inevitavelmente incide. Já a aplicação depende sempre de alguém. Artigo 101 A vigência, no espaço e no tempo, da legislação tributária rege-se pelas disposições aplicáveis às normas jurídicas em geral, ressalvado o previsto neste capítulo. Inicialmente, cumpre destacar que a Lei Complementar n. 95 de 1998, dispondo sobre elaborações de leis, estabeleceu que a vigência das leis será indicada de forma expressa e de modo a contemplar prazo razoável para que delas se tenha amplo conhecimento, reservada a cláusula entra em vigor na data de sua publicação para as leis de pequena repercussão. Mas, na omissão, se a lei nada estabelece quanto à sua vigência aplica-se o disposto na Lei de Introdução ao Código Civil (LICC), sendo o início de sua vigência desta forma, 45 dias após a publicação oficial. Em se tratando de direito tributário, no entanto, deve ser respeitado o princípio da anterioridade. (150, III, alíneas b e c da CRFB/1988). A vigência no espaço Artigo 102

13 O artigo 102 do Código Tributário Nacional dispõe que a legislação tributaria dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios vigora no País, fora dos respectivos territórios, nos limites em que lhe reconheçam a extraterritorialidade os convênios que participem, ou que disponha o próprio Código, ou outras leis de normas gerais da União. Em geral, a legislação tributária vigora no território nos limites da entidade tributante, pessoa jurídica que edita a norma. (União, Estados, Distrito Federal e Municípios). Artigo 103 O artigo 103 determina que, salvo disposição em contrário, entram em vigor, referindo o que previsto no artigo 100: a) os atos administrativos, na data da sua aplicação; b) as decisões, quanto a seus efeitos normativos, trinta dias após a data de sua publicação; c) os convênios, na data em que previsto pelo mesmo Prova: 2004 Exame de Ordem SP Sobre a vigência da legislação tributária, é correto afirmar que (A) a lei aplica-se a ato ou fato pretérito quando deixe de definir um ato, não definitivamente julgado, como infração. (B) os atos administrativos expedidos pelas autoridades administrativas entram em vigor no prazo de 45 dias de sua publicação. (C) as decisões dos órgãos singulares ou coletivos de jurisdição administrativa, a que a lei atribua eficácia normativa, entram em vigor na data de sua publicação. (D) a lei tributária apenas pode prever, em sua hipótese de incidência, circunstâncias que se limitem ao território da pessoa jurídica de direito público que instituir o tributo. Artigo 104 O artigo 104 trata do princípio da anterioridade e foi elaborado à luz da emenda constitucional n. 18 de 1965, atualmente, este princípio não diz respeito somente ai impostos sobre patrimônio e a renda, mas se refere a tributos em geral, com exceção: a) imposto de importação de produtos estrangeiros, exportação para o exterior, de produtos nacionais e nacionalizados; c) produtos industrializados; d) operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários. Ainda ao imposto extraordinário de guerra, empréstimo compulsório, instituído em razão de guerra externa ou de calamidade pública. A contribuição de seguridade social que obedece a anterioridade mitigada ou nonagesimal. Os impostos que estão excluídos do princípio da estrita legalidade, porque suas alíquotas podem ser alteradas pelo Poder Executivo, estão excluídos também do princípio da anterioridade. Estes impostos têm função extrafiscal regulatória. Artigo 105 Da Aplicação A legislação tributária vigente em aplicação imediata. O artigo 105 assim define: A legislação tributária aplica-se imediatamente aos fatos geradores futuros e aos pendentes, assim entendidos aqueles cuja ocorrência tenha tido início mas não esteja completa nos termos do artigo 116. Conforme o artigo 116 do CTN: Salvo disposição de lei em contrário, considera-se ocorrido o fato gerador e existentes os seus efeitos: I tratando-se de situação de fato, desde o momento em que se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que produza os efeitos que normalmente lhe são próprios; II tratando-se de situação jurídica, desde o momento em que esteja definitivamente constituída, nos termos do direito aplicável. Em se tratando de situação de fato, o fato gerador se considera ocorrido, consumado, quando se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que aquela situação de fato produza os efeitos jurídicos que normalmente produz. Em se tratando de situação jurídica, o fato gerador se considera ocorrido no momento em que a situação esteja definitivamente constituída. Se o fato gerador se iniciou, mas não está consumado, diz-se que ele está pendente, a lei nova aplica-se a fatos pendentes.

14 O imposto de renda é exemplo típico. O fato gerador do imposto de renda somente se completa no dia 31 de dezembro, e assim a lei publicada até tal data aplica-se a todo período. Obviamente, observado o princípio da anterioridade. Artigo 106 A lei aplica-se a fato pretérito quando: I em qualquer caso, quando seja expressamente interpretativa, excluída a aplicação de penalidade à infração de dispositivos interpretados; Lei interpretativa é a que se limita a esclarecer, que nada inova, busca solucionar dúvida surgida com dispositivo. Ora, excluem-se as penalidades visto que se dúvida havia, não é justo que se puna quem se comportou de uma ou outra forma dentre aquelas que se podiam admitir como corretas. II - tratando-se de ato não definitivamente julgado: a) quando deixe de defini-lo como infração; b) quando deixe de tratá-lo como contrário a qualquer exigência de ação ou omissão, desde que não tenha sido fraudulento e não tenha implicado em falta de pagamento de tributo; c) quando lhe comine penalidade menos severa que a prevista na lei vigente ao tempo da sua prática. A aplicação retroativa respeita os mesmos princípios constantes no Direito Penal. Não se confunde aplicação retroativa da lei com anistia, nesta o que era infração continua como tal, apenas fica extinta a punibilidade Prova: 2003 Exame de Ordem SP Lei nova que extinga determinada infração tributária (A) poderá retroagir, quando os atos não tenham sido definitivamente julgados. (B) produzirá efeitos apenas para o futuro. (C) em hipótese alguma retroagirá. (D) retroagirá a todos os casos ocorridos na vigência da lei revogada Prova: 2003 Exame de Ordem SP A lei tributária é aplicada a fato anterior à sua vigência quando (A) extingue tributo. (B) reduz a alíquota de tributo. (C) deixa de definir como infração ato não definitivamente julgado. (D) institui substituição tributária. DA INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO da Legislação Tributária Artigo 107 A interpretação como capítulo da Ciência do Direito é denominada de Hermenêutica Jurídica. Interpretação das normas pode ser considerada em sentido amplo a busca da solução para o caso concreto, em sentido restrito, o significado de uma norma. Pode acontecer que não exista no sistema jurídico uma norma para o caso que se tem a resolver, está-se diante de uma lacuna, neste caso devemos recorrer à integração. O Código Tributário Nacional acolheu a Teoria das Lacunas. Logo: Interpretação dá-se quando há norma expressa e específica para o caso que se tem para resolver; Integração não há norma expressa e específica para o caso, e se tenha, por isto mesmo, de se utilizar de meios indicados no artigo 108 do CTN. Isto se dá em razão de que o juiz não se exime de sentenciar ou despachar alegando lacuna ou obscuridade da leis, nos termos do artigo 126 do Código de Processo Civil.

15 A doutrina tradicional aduz que interpretação é atividade lógica pela qual se determina o significado de uma norma jurídica. O intérprete não cria, não inova, limitando-se a considerar o mandamento legal em toda a sua plenitude, declarando-lhe o significado e alcance. Integração, portanto, é meio que se vale o aplicador da lei para tornar o sistema inteiro, sem lacuna, autorizado pelo legislador. Assim: na interpretação se pressupõe a existência de uma norma expressa e específica para o caso que se tem para resolver. Enquanto, na integração, se cogita quando se está na ausência de norma expressa e específica para o caso, tendo que se utilizar dos meios indicados no artigo 108 do CTN. Métodos de Interpretação a) Gramatical: trata-se de método que investiga o significado gramatical das palavras usadas no texto legal. O instrumento de trabalho é o dicionário de língua. Busca-se a etimologia das palavras. Evidentemente, não basta este recurso para que o intérprete alcance o sentido exato da regra jurídica. Existem palavras com mais de um significado, e, corretos sob o ponto de vista lingüístico. O elemento literal quando analisado isoladamente pode levar a verdadeiros absurdos. b) Histórico: Investiga-se a evolução histórica dos institutos. Compara-se a norma atual com a anterior. Busca-se subsídios nos projetos de elaboração de leis, justificativas e debates legislativos, quando da época da elaboração da lei. (anteprojeto de lei, as emendas sofridas, os debates parlamentares). c) Sistemático: Procura o intérprete o sentido da regra jurídica analisando a posição da mesma no diploma legal e as relações com os demais dispositivos. O método sistemático afirma o princípio pelo qual nenhum dispositivo legal deva ser interpretado isoladamente. Também conhecido como lógico. d) Teleológico: empresta relevância à finalidade, ao elemento finalístico da norma. Deve-se buscar o fim da regra jurídico, o seu objetivo. Meios de Integração Artigo 108 Trata-se o presente artigo de integração, ou seja, o aplicador da lei somente se utilizará este meio na ausência de disposição expressa e específica. O próprio nome integração demonstra que a mesma preenche lacuna. São os meios de integração: a) Analogia: o aplicador da lei, diante da lacuna, busca a solução do caso, em norma pertinente a casos semelhantes, análogos. Exemplo: direito do contribuinte de creditar-se do ICM, hoje ICMS, pago indevidamente, desde que pleiteada a sua restituição a autoridade competente não tenha despachado no prazo de 60 dias; a legislação do IPI também assegura direito a crédito, neste sentido, sendo o IPI, como o ICMS, não-cumulativo, a situação é inteiramente análoga, aplicando-se ao IPI, a regra de 60 dias. Somente não pode ser aplicada a analogia para resultar exigência de tributo não previsto em lei. b) Princípios Gerais de Direito Tributário: (já estudados) legalidade, isonomia, capacidade contributiva, proibição de tributo com caráter confiscatório, imunidades, enfim, todos os que se podem encontrar implícitos e explícitos na Carta Magna. c) Princípios Gerais de Direito Público: o princípio da isonomia, igualdade, irretroatividade, da ampla defesa, entre outros. d) Equidade: é a justiça no caso concreto. A falta de uma norma específica para cada caso é que enseja a eqüidade. Enquanto na analogia, busca-se suprir lacuna com uma norma específica destinada a regular situação análoga, com a eqüidade se busca uma solução para o caso concreto a partir da norma genérica, adaptando-a, inspirado na benevolência. O parágrafo 2º. do artigo 108 esclarece que não poderá resultar de dispensa do pagamento de tributo devido. Importa destacar, que não se aplica o princípio in dúbio pro fisco Prova: Exame de Ordem RJ É correto afirmar que o Código Tributário Nacional veda a exigência de tributo decorrente do emprego da analogia em função do que determina o princípio da: a. Capacidade contributiva b. Anterioridade c. Legalidade d. Irretroatividade Artigo 109 Poderá a lei tributária definir efeitos tributários para os princípios de direito privado. Caso a lei tributária seja omissa, os efeitos ingressarão com o mesmo significado que possuem no direito privado.

16 Artigo 110 O presente artigo tem valor apenas didático, pois, mesmo que se não estivesse explicitado deveria ser seguido. Não há como admitir que a lei tributária altere definição, conteúdo e alcance de institutos, conceitos e formas e direito privado, utilizados na Constituição Federal, Constituições Estaduais e leis orgânicas, vindo a limitar competências tributárias, visto que é o mesmo que admitir que leis modifiquem a constituição e/ ainda competências tributárias. Artigo 111 Interpretação Literal significa interpretação segundo o significado gramatical. Os casos acima descritos são exceções, visto que a regra é o pagamento dos tributos nos prazos legalmente fixados. O direito excepcional deve ser interpretado literalmente. Artigo 112 Art A lei tributária que define infrações, ou lhe comina penalidades, interpreta-se da maneira mais favorável ao acusado, em caso de dúvida quanto: I - à capitulação legal do fato; - O fato é certo, mas é incerta sua capitulação, se tem dúvida quanto ao Direito aplicável. II - à natureza ou às circunstâncias materiais do fato, ou à natureza ou extensão dos seus efeitos; III - à autoria, imputabilidade, ou punibilidade; IV - à natureza da penalidade aplicável, ou à sua graduação. - dúvida quanto à pena (multa, perdimento da mercadoria, interdição do estabelecimento). Como se verifica prevalece o princípio originário do direito penal de que na dúvida se deve interpretar a favor do réu Prova: 2003 Exame de Ordem 2003 Assinale a alternativa correta quanto à interpretação e integração em matéria tributária. (A) A lei tributária que define infrações interpreta-se de maneira mais favorável ao acusado, em caso de dúvida, quanto à capitulação legal do fato. (B) Na ausência de disposição expressa, a autoridade competente para aplicar a legislação tributária não pode empregar a analogia. (C) A definição, o conteúdo e o alcance de institutos, os conceitos e formas de direito privado empregados pela lei tributária devem ser buscados no próprio direito privado, vedado ao legislador tributário empregar definições próprias para os efeitos tributários. (D) A lei que dispuser acerca de uma isenção deve ser interpretada de modo amplo, buscando atingir sua finalidade, ainda que para tanto se vá além do texto literal. PODER DE TRIBUTAR: Competência Tributária, Limitações ao Poder de Tributar Competência Tributária Na República Federativa do Brasil, com força na Constituição, o Poder Tributário é partilhado entre a União, os Estadosmembros, o Distrito Federal e os Municípios. A palavra competência traduz a idéia de poder limitado, atribuído a alguém ou ao Estado. A atribuição constitucional de competência tributária compreende a competência legislativa plena, que se deve entender o poder de instituir e exonerar tributos, nos termos do artigo 6º do CTN. A Constituição Federal atribui competência à União, Estados, Distrito Federal e Municípios para instituir e exonerar tributos. O parágrafo único do artigo 6º do CTN, salienta que o fenômeno da participação das pessoas políticas no produto da arrecadação de tributos de alheia competência, não interfere na competência legislativa de Direito Público titular

17 da exação. (Ex.: ICMS é de competência dos Estados, sendo destes, portanto, a competência para legislar a este respeito, sendo que do produto da arrecadação desse tributo, 25% (vinte e cinco por cento) são destinados aos municípios). O artigo 7º. positiva a regra da indelegabilidade da competência tributária, vez que esta é atribuição constitucional, todavia, admite que outra pessoa de direito público exerça as funções de arrecadar ou fiscalizar tributos, ou de executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária. O parágrafo 1º e 2º. do artigo 7º. compreendem as garantias e privilégios processuais que competem à pessoa jurídica de direito público que exercer as funções referidas, bem como que as mesmas podem ser a qualquer momento revogadas. O parágrafo 3º. do mesmo artigo dispõe que não constitui delegação de competência tributária o cometimento pelas pessoas de direito privado do encargo ou função de arrecadar tributos. Simples função de caixa, que hoje é atribuída a estabelecimentos bancários. Importante: a) competência tributária é indelegável; b) funções de arrecadar fiscalizar tributos, executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária, podem ser atribuídas a outras pessoas jurídicas de direito público; c) simples função de arrecadar, função de simples caixa, pode ser atribuída à pessoa jurídica de direito privado.(rede bancária, por exemplo) Prova: 2005 Exame de Ordem RS Assinale a alternativa incorreta: a. A competência tributária é indelegável, razão pela qual uma pessoa jurídica de direito público não pode atribuir a outra as funções de arrecadar ou fiscalizar tributos; b. A atividade administrativa do lançamento não é discricionária; c. A natureza jurídica do crédito tributária é a mesma da obrigação tributária principal; d. Nos termos do CTN, salvo disposição legal em contrário, o parcelamento do crédito tributário não exclui a incidência de juros e multa. Da Discriminação das Rendas Tributos da Competência Privativa A Constituição Federal designou expressa e taxativamente os impostos de competência privativa de cada uma das esferas de governo. A par disso, temos tributos da competência residual, comum (ou concorrente) e extraordinária. Cabem à União os impostos de: a) importação de produtos estrangeiros; b) exportação, para o exterior, de produtos nacionais e nacionalizados; c) rendas e proventos de qualquer natureza; d) produtos industrializados IPI; e) operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos e valores mobiliários (conhecida pela sigla IOF Imposto sobre Operações Financeiras); f) propriedade territorial rural; g) grandes fortunas. Cabem aos Estados (e ao Distrito Federal) os impostos sobre: a) transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCD); b) operações relativas a circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (ICMS); c) propriedade de veículos automotores (IPVA) CF, artigo 155, caput. Cabem aos Municípios: a) propriedade predial territorial urbana (IPTU); b) transmissão intervivos, a qualquer título oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de garantia, bem como cessão de direitos a sua aquisição; c) serviços de qualquer natureza ISSQN. São de competência privativa da União: os empréstimos compulsórios e as chamadas outras contribuições. A exceção são contribuições previdenciárias a cargos de servidores públicos para custeio em benefício dos respectivos sistemas municipais e estaduais. (concorrente) A contribuição para custeio do serviço de iluminação pública, de competência dos Municípios e Distrito Federal. Tributos de Competência Residual A competência residual é a possibilidade de instituir tributos, além dos previstos na Constituição. A Constituição Federal atribui tal competência apenas à União e ainda condicionou o seu exercício, no artigo 154, I, aos seguintes requisitos: a) instituído por Lei Complementar; b) tratar-se de tributos da espécie impostos; c) ser não-cumulativo; d) não ter fato gerador

18 ou base de cálculo idênticos aos dos impostos discriminados na Constituição. Vinte por cento da receita obtida com eventual instituição desses impostos terá de ser repassado ao Estado. Tributos de Competência Concorrente São Tributos de competência comum (concorrente) são aqueles que podem ser instituídos pela União, Estados e Municípios. São as taxas e contribuições de melhoria, e, ainda contribuições previdenciárias a cargo de servidores públicos. Tributos de Competência Extraordinária São tributos de competência extraordinária que somente a União pode instituir. É o que dispõe o artigo 154, II Prova: Exame de Ordem RJ Relativamente à competência tributária, assinale a alternativa INCORRETA: a. A União Federal tem competência para instituir impostos extraordinários em caso de guerra b. Os Municípios têm competência para instituir impostos sobre a propriedade predial e territorial urbana c. Os Municípios não têm competência para instituir contribuições previdenciárias, pois esta competência é exclusiva da União Federal d. As taxas e as contribuições de melhoria são consideradas, pela doutrina, tributos de competência comum 29 - Prova: Exame de Ordem RJ É CORRETO afirmar que compete aos Estados instituir impostos sobre: a. A propriedade predial e territorial urbana; b. Transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis; c. Serviços de qualquer natureza, saldo sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação; d. Transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos Prova: Exame de Ordem RJ É INCORRETO afirmar que compete à União instituir impostos sobre: a. Importação de produtos estrangeiros; b.propriedade de veículos automotores; c. Renda e proventos de qualquer natureza; d. Produtos industrializados. Limitações ao Poder de Tributar/Limitações da competência Cada uma das pessoas jurídicas (União, Estados, DF, Municípios) tem sua competência tributária parcela do poder tributário. O Direito impõe limitações ao exercício dessa competência. Aliás, a descrição da competência atribuída, seu desenho, estabelece seus limites. Entende-se como limitações do Poder de Tributar as regras constantes nos artigos 150 a 152 da Constituição Federal, a saber: a) legalidade; b) isonomia; c) irretroatividade das leis; d) anterioridade; e) proibição do confisco; f) liberdade de tráfego; (já mencionados anteriormente) g) imunidades; h) outras limitações. Em relação aos impostos, a Constituição partilha entre a União, o Estados, o Distrito Federal e os Municípios. Quanto aos tributos vinculados a um agir estatal, vale dizer taxas e contribuições de melhoria, a Constituição também delimita a matéria fática, e o faz referindo à atividade estatal correspondente. Tem-se como primeira limitação, pois, a matéria fática colocada pela Constituição Federal à disposição do legislador. g) Imunidades Imunidade é o obstáculo decorrente da Constituição Federal decorrente de regra da Constituição à incidência da regra jurídica de tributação. O que é imune não pode ser tributado. A regra da imunidade estabelece uma exceção. A Constituição define o âmbito do tributo, o campo da incidência, e, a imunidade retira desse âmbito uma parcela, que a torna imune. O artigo 150, inciso VI trata das situações de imunidade. LEMBRE-SE: Isenção x Imunidade x Não Incidência

19 Imunidade: norma da constituição impede a incidência de lei ordinária de tributação sobre determinado fato. Isenção: é exceção feita por lei à regra jurídica de tributação; Não Incidência: a regra jurídica não incide, porque não se realiza a hipótese de incidência Prova: 2003 Exame de Ordem SP Empresa sujeita a imunidade tributária está desobrigada de adimplir ou cumprir (A) as obrigações acessórias, nos termos do inciso III, art. 14, do CTN. (B) as obrigações principais, nos termos da Constituição Federal. (C) tanto as obrigações principais quanto as acessórias, nos termos da Constituição Federal. (D) a imunidade não desobriga o contribuinte nem das obrigações principais e nem das obrigações acessórias. IMUNIDADE RECÍPROCA ARTIGO 150, VI, ALÍNEA A As entidades políticas integrantes da Federação não podem fazer incidir impostos umas sobre as outras. Estão protegidos pela imunidade: o patrimônio, a renda e os serviços dessas entidades, e de suas autarquias É uma forma do princípio federativo, para evitar subordinação dos entes. A exceção está no parágrafo 3º, da Constituição Federal de 1988, não se aplica: - As vedações do inciso VI, "a", e do parágrafo anterior não se aplicam ao patrimônio, à renda e aos serviços, relacionados com exploração de atividades econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente ao bem imóvel. A imunidade implicaria tratamento privilegiado, contrário ao princípio da liberdade de iniciativa. Artigo 60, parágrafo 4º. Da Constituição Federal: 4º - Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: I - a forma federativa de Estado; IMUNIDADE DOS TEMPLOS Nenhum imposto incide sobre os templos de qualquer culto. Templo não significa apenas a edificação, mas o que está ligado ao exercício da atividade religiosa. Não pode haver impostos sobre missa, batizados, entre outros. No Brasil o Estado é laico. Não tem religião oficial e a todos respeita e protege. Há quem diga que os imóveis alugados, e os rendimentos respectivos estão sob o abrigo da imunidade, quando destinados à manutenção do culto. Há que ser dito que a imunidade não se aplica se não forem os valores convertidos ao templo. Há tributação para evitar que sob a capa da fé se pratiquem atos de comércio ou se exercite animus lucrandi sem finalidade benemérita. IMUNIDADES DOS PARTIDOS POLÍTICOS Não pode haver imposto sobre o patrimônio, renda ou os serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações. ENTIDADES SINDICAIS São também imunes as entidades sindicais.

20 DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO OU DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SEM FINS LUCRATIVOS São também imunes as instituições de educação ou de assistência religiosa, sem fins lucrativos. Não ter finalidade lucrativa, nos termos do artigo 14 do CTN: Art. 14. O disposto na alínea c do inciso IV do artigo 9º é subordinado à observância dos seguintes requisitos pelas entidades nele referidas: I não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título; II - aplicarem integralmente, no País, os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais; III - manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão. LEMBRE-SE: Não ter fins lucrativos não significa, de modo nenhum, ter receitas limitadas aos custos operacionais. Elas na verdade devem ter sobras financeiras, até para que possam progredir, modernizando e ampliando instalações. O que não pode é distribuir lucros. São obrigadas a aplicar as suas disponibilidades na manutenção dos seus objetivos institucionais Prova: 2004 Exame de Ordem SP Imunidade: (A) abrange o patrimônio, renda ou serviços das organizações das sociedades civis de interesse Público (OSCIP). (B) abrange as empresas públicas exploradoras de atividade econômica nos termos do 1º, do artigo 173 da Magna Carta. (C) pode ser alterada por lei complementar. (D) impede a incidência de impostos sobre o patrimônio, a renda ou serviços das instituições de assistência social, atendidos os requisitos da lei Prova: 2004 Exame de Ordem RS Assinale a assertiva incorreta. (A)Uma lei que não contém a base de cálculo do imposto, mas prevê, expressamente, em seu próprio texto, a transferência desse poder à Administração, ainda assim viola o princípio da legalidade. (B)A base de cálculo do imposto sobre a importação de produtos estrangeiros pode ser alterada por decreto do Presidente da República, já que se trata de um imposto que incide sobre o comércio exterior, cujo controle é de competência do Presidente. (C)A renda obtida por instituição de assistência social mediante cobrança de estacionamento de veículos em área interna da entidade, mesmo que destinada integralmente ao custeio das atividades desta, não está abrangida pela imunidade, pois o serviço de estacionamento não tem natureza assistencial. (D)A norma constitucional que proclama que o Imposto Territorial Rural não incide sobre pequenas glebas rurais, definidas em lei, quando as explore, só com sua família, o proprietário que não possua outro imóvel, estabelece uma imunidade Prova: 2003 Exame de Ordem RS O Município de ABC-RS notificou uma instituição de assistência social sem fins lucrativos ao pagamento do IPTU em relação a um terreno de sua propriedade. Tal exação é: a.inconstitucional, porque as instituições de assistência social sem fins lucrativos são isentas de IPTU; b.inconstitucional, porque as instituições de assistência social sem fins lucrativos são imunes de IPTU; c.inconstitucional, porque o IPTU não incide sobre terreno de propriedade das instituições de assistência social sem fins lucrativos; d.constitucional, porque todos têm o dever de pagar impostos. IMUNIDADE DO LIVRO, JORNAL E PERIÓDICO A Constituição Federal estabelece: Art Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: (...)VI instituir impostos sobre:

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

1º SIMULADO DO SABBAG

1º SIMULADO DO SABBAG 1º SIMULADO DO SABBAG TURMA DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL Caros Alunos do Curso DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL: este é o primeiro simulado do nosso projeto de estudo. Ele versa sobre os princípios tributários

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22

CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22 CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22 1.3.1 CARACTERÍSTICAS DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...25 1.3.1.1 INDELEGABILIDADE...25 1.3.1.2

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

Direito Tributário Revisão Final

Direito Tributário Revisão Final Direito Tributário Revisão Final Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Tributo (Conceito): Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III.

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PROGRAMA DE DISCIPLINA I Curso DIREITO II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PRÉ-Requisito DIREITO FINANCEIRO ECONOMICO (D-46) Área: Ciências Sociais Ano: 2013.1 IIII Ementa Período:

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I Olá pessoal, com o intuito de auxiliá-los para a prova de AUDITOR do ICMS-SP/2006, seguem abaixo algumas questões que selecionei dos últimos concursos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Tributário II JUR 3412 Prof.: Luiz Fernando

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Limitações Constitucionais. Princípios Constitucionais Tributários. do Poder de Tributar. CAPÍTULO 2 QUESTÕES DO CAPÍTULO 2

Limitações Constitucionais. Princípios Constitucionais Tributários. do Poder de Tributar. CAPÍTULO 2 QUESTÕES DO CAPÍTULO 2 CAPÍTULO 2 Limitações Constitucionais do Poder de Tributar. Princípios Constitucionais Tributários. QUESTÕES DO CAPÍTULO 2 1. (FCC/Procurador de Contas/TCE/MG/2007) Obedece ao princípio da anterioridade

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo objetiva abordar as questões concernentes aos princípios constitucionais tributários, princípios estes previstos

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

Questão 3. A analogia constitui elemento de

Questão 3. A analogia constitui elemento de (AFCE.ESAF.2006.44) As limitações constitucionais ao poder de tributar constituem garantias aos contribuintes de que não serão submetidos à tributação sem a estrita observância de tais princípios. Sobre

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Técnico TRF

DIREITO TRIBUTÁRIO Técnico TRF SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 1. Conceito de Direito Tributário 1 É ramo do Direito Público, uma vez que presente o Poder de Império do Estado na relação jurídica, prepondera o interesse da coletividade.

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA No Brasil, a tributação decorre da utilização de uma série de normas jurídicas distintas. O conjunto dessas regras jurídicas, de diversos tipos, forças e finalidades,

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio...

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio... ÍNDICE Alguns estudos do autor................... Prefácio..................................... 5 11 Capítulo I - CONCEITO DE DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito financeiro e direito tributário........ 23 2.

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

Sumário. Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18

Sumário. Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18 Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18 2.2 Exercício da competência tributária 20 Parte I - CAP 03 - Princípios

Leia mais

PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1

PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1 PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO TRIBUTÁRIO, 3 1.1 Introdução, 3 1.1.1 Sistema jurídico-tributário, 3 1.2 Finalidade do Estado, 5 1.3 Atividade financeira

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

www.direitofacil.com f ÅâÄtwÉ W Üx àé gü uâàöü É @ `öüv t cxä áátü

www.direitofacil.com f ÅâÄtwÉ W Üx àé gü uâàöü É @ `öüv t cxä áátü TRIBUTÁRIO 02 QUESTÕES DE CONCURSO 01 - (TTN/97 ESAF) O Distrito Federal pode instituir a) impostos, taxas e empréstimos compulsórios b) imposto sobre serviços de qualquer natureza; taxas, em razão do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL QUESTÃO Nº 13 Gabarito divulgado: D Mantemos o gabarito apresentado na alternativa D. A candidata indicou a alternativa correta, ou seja a alternativa D. Recurso improcedente.

Leia mais

Competência Tributária.

Competência Tributária. Competência Tributária. PONTO 1 RESUMO FUNDAMENTAL 1. A competência tributária é o poder conferido à União, aos Estados-membros, ao Distrito Federal e aos Municípios de instituir tributos por meio do processo

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11 CAPÍTULO I DIREITO TRIBUTÁRIO, TRIBUTO E SUAS ESPÉCIES... 13 1. Breve introdução ao Direito Tributário...13 2. Tributo...14 3. Espécies

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi 1 1. Introdução Princípio é a regra básica implícita ou explícita que, por sua grande generalidade, ocupa posição de destaque

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19 Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Capítulo I IMPOSTO... 25 1. Imposto... 27 1.1. Sínteses das

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Imposto. Como esse assunto foi cobrado em concurso? A ESAF/AFTE/PA considerou correto: Tem por fato gerador uma situação

Imposto. Como esse assunto foi cobrado em concurso? A ESAF/AFTE/PA considerou correto: Tem por fato gerador uma situação Imposto 1. IMPOSTO O imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte (art. 16, do CTN). Como esse assunto

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

1. DIREITO TRIBUTÁRIO

1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1. DIREITO TRIBUTÁRIO Definição de Direito Tributário: Ramo didaticamente autônomo do Direito que Disciplina a criação, arrecadação e fiscalização dos tributos (V.FURLAN: 01). Direito Tributário x Ciência

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário Peça GABARITO COMENTADO O Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) é imposto de competência municipal, cabendo à lei complementar estabelecer

Leia mais

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa 2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa classificação, entretanto, apresentaremos a seguir aquela que

Leia mais

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL (PEC) Altera os arts. 62, 150 e 195 da Constituição Federal e dá outras providências. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Sumário. Prefácio, XIX 2 FONTES DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 19

Sumário. Prefácio, XIX 2 FONTES DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 19 STJ00090468 Sumário Prefácio, XIX PARTE GERAL - FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO TRIBUTÁRIO, 3 1.1 Introdução, 3 1.1.1 Sistema jurídico-tributário, 3 1.2 Finalidade

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL CESPE DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO Prof.: Alexandre Mazza Material de Apoio

OAB 1ª FASE RETA FINAL CESPE DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO Prof.: Alexandre Mazza Material de Apoio 1. Conceito de direito tributário = estuda as atividades estatais de criação, cobrança e fiscalização de tributos. A destinação do dinheiro arrecadado pelo fisco, não é objeto do direito tributário, mas

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL - CESPE/UNB. Apresentação & Objetivos

DIREITO TRIBUTÁRIO E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL - CESPE/UNB. Apresentação & Objetivos DIREITO TRIBUTÁRIO E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL - CESPE/UNB Apresentação & Objetivos O QUE É SISTEMA TRIBUTÁRIO? A IMPORTÂNCIA DO STN PARA A FEDERAÇÃO; CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS TRIBUTÁRIOS. ATRIBUIÇÃO

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

SUMÁRIO. I. Sistema tributário nacional. 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12

SUMÁRIO. I. Sistema tributário nacional. 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12 SUMÁRIO I. Sistema tributário nacional 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12 2. Linguagem, direito tributário e ciência do direito tributário - p. 17 3. Noções acerca do sistema tributário

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA

ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA QUADROS RESUMO DAS COMPETÊNCIAS TRIBUTÁRIAS, PARTILHAS E TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS VIGENTES E PROPOSTAS RESUMO DAS COMPETÊNCIAS TRIBUTÁRIAS UNIÃO, ESTADOS

Leia mais

Atividade Financeira do Estado

Atividade Financeira do Estado Atividade Financeira do Estado O Estado desenvolve atividades políticas, econômicas, sociais, administrativas, financeiras, educacionais, policiais, com a finalidade de regular a vida humana na sociedade,

Leia mais

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR)

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR) 1. (OAB/CESPE 2007.3) Entre as seguinte vedações, não tem exceção expressa no texto constitucional A a instituição de tributo sem lei que o estabeleça. B a majoração de tributo sem lei que o estabeleça.

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC Lançamento 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Um contribuinte do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU possuía

Leia mais

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF Tema 1: Quentinho do forno!!! MP 670/2015 PLV 7/2015 Nova tabela do IRPF Isenção de PIS/PASEP e de COFINS sobre óleo diesel Dedução para professores de gastos com livros para si e seus dependentes. Princípio

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Tributário Giuliano Menezes

OAB 1ª Fase Direito Tributário Giuliano Menezes OAB 1ª Fase Direito Tributário Giuliano Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO TRIBUTÁRIO RECEITAS ORIGINÁRIAS RECEITAS DERIVADAS OBJETO DE ESTUDO

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

sumário Capítulo 1 Capítulo 2

sumário Capítulo 1 Capítulo 2 sumário Capítulo 1 A atividade financeira do Estado 1.1 Introdução... 31 1.2 Conceito... 32 1.3 Características... 34 1.3.1 Instrumentalidade... 34 1.3.2 Natureza administrativa... 34 1.3.3 Indisponibilidade...

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO 08/10/2013 Para as desonerações tributárias, as entidades podem ser divididas em dois campos: 1) as imunes 2) as isentas 2 IMUNIDADE

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO 1 I - O DIREITO TRIBUTÁRIO E O DIREITO FINANCEIRO 1- A atividade financeira do Estado 2- O Direito Financeiro e o Direito Tributário 3- A autonomia do Direito

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

15/8/2012. Imposto sobre a Importação II. Fato gerador: CF, Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: I importação de produtos estrangeiros;

15/8/2012. Imposto sobre a Importação II. Fato gerador: CF, Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: I importação de produtos estrangeiros; Impostos Federais (CF, art. 153) Imposto sobre Importação (II); Imposto sobre a Exportação (IE); Imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza (IR); Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1 Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 1.2 Disciplina: Legislação e Tributação Comercial 1.3 Carga Horária: 36 1.3.1 Encontros: 1.4 Período: 3º 1.5

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 22, de 2011, do Senador Lindbergh Farias, que autoriza a União a conceder isenção fiscal,

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões Módulo Operações na Logística 1. O Direito, a lei e a Logística 2. Os Direitos do Consumidor 3. Atividade Empresarial e a Logística 4. As Obrigações Tributárias Prof. Mardônio da Silva Girão Objetivos

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa

LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa Direito Tributário: desenvolvimento nacional Objetivo CF art. 3º

Leia mais

ASPECTOS POLÊMICOS DO REESTABELECIMENTO DAS ALÍQUOTAS DO PIS/PASEP E DA COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS PELO DECRETO Nº 8.426/2015.

ASPECTOS POLÊMICOS DO REESTABELECIMENTO DAS ALÍQUOTAS DO PIS/PASEP E DA COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS PELO DECRETO Nº 8.426/2015. ISSN 2357-9293 Número 42 ASPECTOS POLÊMICOS DO REESTABELECIMENTO DAS ALÍQUOTAS DO PIS/PASEP E DA COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS PELO DECRETO Nº 8.426/2015. por Ana Carolina Monguilod advogada especialista

Leia mais

Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha

Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01 - (ESAF/2012) Analise as proposições a seguir e

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 12 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Tributos em espécie. Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais

Tributos em espécie. Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais Tributos em espécie Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais 1 Espécies tributárias Impostos Taxas De polícia De serviço Contribuição de melhoria Empréstimo

Leia mais