Tecnologia de produção promove avanços no campo e no bolso do produtor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia de produção promove avanços no campo e no bolso do produtor"

Transcrição

1 Tecnologia de produção promove avanços no campo e no bolso do produtor Pág. 3 Pesquisa Em desenvolvimento novo melão resistente à mosca minadora Pág. 7 Parceria Compack é opção para a região de Planaltina (DF) Pág. 2 Ano X - nº 35 - Dezembro/2013

2 Parceria Cootaquara conhece resultados do Compack Os produtores da Cootaquara (Cooperativa Agrícola da região de Planaltina), no Distrito Federal, participaram de visitas técnicas da Seminis, nos dias 30 e 31 de outubro, para conhecerem melhor o potencial do tomate Compack. Cerca de 20 agricultores participaram do evento que apresentou o híbrido como opção para o mercado de tomate indeterminado. É sabido que os tomates sem resistência ao geminivírus têm elevada produtividade. Por isso atraem a atenção e a preferência dos produtores. No entanto, só pode ser plantado em regiões específicas em períodos de baixa pressão da mosca branca, principal vetor do geminivírus, explica a representante técnica de vendas da Seminis para Goiás, Distrito Federal e Tocantins, Cinthia Vicentini. No período frio, a região de Planaltina, onde está situada a Cootaquara, apresenta todas estas condições favoráveis para o plantio do Compack e, assim, traz aos produtores de tomate a oportunidade de ganhos extras em produtividade e qualidade de frutos. Eles observaram no campo os resultados de produtividade, classificação e a qualidade de seus frutos tipo salada. O tomate Compack também se apresenta como uma excelente opção para plantio em estufa, devido à estrutura da planta e pequena distância dos cachos, detalhou. No contexto do negócio, continuou a engenheira agrônoma, o híbrido se mostrou vantajoso tanto para cooperados como para a cooperativa. No caso do agricultor, a melhoria ocorre por conta da maior produtividade. Já para a cooperativa, em função da classificação e excelente qualidade dos frutos, facilita a comercialização, acrescentou. A Cootaquara iniciou suas atividades em janeiro de 2001, com 21 cooperados e, hoje, já conta com mais de 150. Ao número crescente de cooperados, somam-se cerca de 300 agricultores agregados, como parceiros e meeiros. A cooperativa comercializa atualmente 400 toneladas por mês de 40 diferentes produtos e mantém uma boa infraestrutura que beneficia diretamente mais de 2,5 mil pessoas em toda região. Comecei com o Compack neste ano e já foi muito bem. Quase não dá cara de gato e a planta encheu bastante. Plantei só três mil pés para fazer um teste e, se dependesse de mim, na próxima plantaria só dele. É mais produtivo e mais fácil de vender, conta. José Geraldo Honório de Jesus, produz tomate e pimentão há 14 anos e é cooperado da Cootaquara faz três anos Expediente 2 O jornal Semente é uma publicação trimestral da Seminis - uma marca da Divisão de Hortaliças da Monsanto. Tiragem de 5 mil exemplares e distribuição gratuita ao setor de produção de hortaliças Monsoy Ltda. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução de textos, desde que citada a fonte, e de fotos somente com autorização da empresa. - Tel: (19) Sede: Rua Vitor Roselli, 17 - Campinas/SP - CEP: Gerente de Marketing: Fernando Aranda Analista de Desenvolvimento de Negócios: Juliana Manco Produção: Comunicativa Jornalista responsável: Cibele Vieira (MTb /SP) Reportagens: Daniel Azevedo (MTb /SP) Diagramação: Cristiane Paganato Projeto gráfico: Fat Monkey Impressão: Gráfica Silvamarts Fotos: Arquivo Seminis

3 Tendência A vez dos híbridos no nordeste Raul Santos, engenheiro agrônomo e representante técnico de vendas da Seminis Crescendo em ritmo mais acelerado que a média nacional e com o segundo maior PIB do país, a região Nordeste tem grande potencial de crescimento e já ocupa um lugar de destaque na economia brasileira. Neste cenário, as oportunidades do mercado têm crescido a passos rápidos, estimuladas pelos investimentos em infraestrutura, a proximidade da realização da Copa do mundo, o fortalecimento da classe média, entre outros, convergiram para o consequente desenvolvimento dos setores como turismo, hotelaria e alimentício, que por sua vez está intimamente ligado à agricultura. No mercado agrícola não é diferente. O uso de novas tecnologias e a adoção de sementes híbridas imprime um novo ritmo de crescimento na produção agropecuária no nordeste do Brasil. Há projeções de 50% de crescimento nos próximos dez anos, segundo o Ministério da Agricultura, enquanto que no Brasil, a projeção é apenas de 21%, menos da metade. O desenvolvimento e o emprego de cultivares híbridas têm revolucionado a produção de hortaliças em todo o mundo. Nos países líderes na produção de hortaliças sob cultivo protegido, como Espanha, Israel, Holanda e Chile, 100% das cultivares plantadas são híbridas. No Brasil, desde a abertura da economia, a partir do início da década de 1990, o uso de sementes híbridas de hortaliças tem crescente expansão, contribuindo para uma mudança da olericultura no país. Para se ter uma ideia, 85% da área nacional de melão é plantada com sementes híbridas, além de 11% das áreas de cebola, 84% de tomate e 37% da melancia são também cultivados a partir de sementes híbridas, segundo dados da Abcsem. Um dos benefícios da utilização de sementes híbridas é a maior produtividade. Como, por exemplo, os 58 milhões do PIB agrícola de Mossoró que se devem, em grande parte, ao polo meloeiro - que só existe por causa da tecnologia de sementes híbridas - e os ganhos significativos em produtividade. E é o caso também da cebola no Nordeste, onde foi plantada a variedade Shinju, da Seminis, e deu um salto de produtividade (veja matéria na pág.5). O uso de sementes híbridas traz outras vantagens. Dentre elas, maior segurança de cultivos - devido a uma gama de resistências a doenças - e aumento expressivo na produtividade, maior uniformidade na colheita, gerando mais qualidade final, sabor, coloração e textura. Tais vantagens acabam por assegurar um produto diferenciado e com valor percebido nos diferentes elos da cadeia produtiva, até chegar à mesa do consumidor. Com aumento da renda, os consumidores das classes emergentes se tornaram mais exigentes e preocupados com a alimentação e saúde. Com os aumentos dos custos de produção e a redução de recursos como água e mão-de-obra, os produtores do nordeste tomaram um caminho sem volta: o caminho da profissionalização e a consequente adoção de boas práticas e novas tecnologias. Nesse contexto a semente hibrida tem papel fundamental, pois coloca a produção em um nível superior de qualidade, produtividade, segurança, durabilidade e sabor dos alimentos. 3

4 Produtos & Mercados Profissionalismo valoriza brássicas no Sul Os produtores de brássicas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná tiveram bons resultados com o profissionalismo no cultivo e o processamento destes produtos. O desenvolvimento de sistemas de lavagem, embalagem e congelamento, além das melhores técnicas de produção, já garantem maior qualidade e rentabilidade. Um bom exemplo é o brócolis Legacy, produto cuja produção no Sul do país responde por cerca de 25% da produção nacional. Depois de colhido, o produto é congelado e distribuído para vários estados ao longo do ano. O mesmo vale para as couves-flores Barcelona e Arezzo. Somente o Estado do Rio Grande do Sul conta com mais de 1,2 mil hectares de cultivo de brócolis e 380 hectares de couve-flor, especialmente na Serra Gaúcha, Vale do Caí e Litoral Norte. Registramos uma produção de 14 toneladas por hectare de brócolis e 18 toneladas por hectare de couve flor, comenta William Mastro, responsável técnico de vendas da Seminis na região. Segundo ele, uma soma de fatores como escolha da variedade correta para época de plantio, nutrição equilibrada, rotação de culturas e o manejo integrado possibilita tais resultados, além da visão empresarial dos agricultores. As duas culturas têm um valor agregado já consolidado na região devido ao processamento da produção. Assim, o retorno melhora para o produtor, comenta. No caso do brócolis, o aproveitamento da safra saltou de 70% para 85% nos últimos anos, com maior ganho por hectare. Já a couve-flor, apesar da redução de cerca de 15% na área plantada neste ano, os níveis de renda seguem similares pelo valor agregado na produção. William avalia que os produtores hoje trabalham com uma visão muito mais profissional e junto com a agroindústria. Por isso, explica, a sanidade é uma característica importante, e ganham mercado as cultivares mais resistentes (menor uso defensivos, maior produtividade e rentabilidade) e melhor adaptadas a cada época do ano, como a Barcelona na meia-estação e a Arezzo no inverno. Estou na região há 40 anos e, nos últimos anos, a demanda por brócolis explodiu. Antes era muito mais couve-flor e agora fica 60% para o brócolis e 40% para a couve-flor. O brócolis Legacy e a couve-flor Barcelona e Arezzo estão dando bons resultados e são bem aceitos no mercado. Hamilton Possebon, que tem uma propriedade de 10 alqueires no município de São José dos Pinhais no Estado do Paraná Alface Lucy Brown dá bom retorno no RS Os agricultores gaúchos também se deram conta que o caminho é agregar valor, mesmo no caso de produtos altamente perecíveis como a alface. Ainda que a produção não tenha aumentado, o retorno aos produtores tem sido melhor por conta do trabalho conjunto com a agroindústria e redes varejistas. A última safra foi melhor que as anteriores graças à especialização dos produtores, que passaram a trabalhar em conjunto com a agroindústria e o varejo. Ou seja, estão lavando e embalando a produção, agregando valor por oferecer praticidade ao consumidor, explica William Mastro, Representante Técnico de Vendas da Seminis na região. A alface americana Lucy Brown, por exemplo, é cultivada em cerca de 300 hectares no Estado, especialmente nas regiões do Vale do Caí - nos municípios de São José do Hortêncio e São Sebastião do Caí e, no litoral Norte, na cidade de Maquiné. A colheita começou em outubro no Vale do Caí e deve prosseguir até maio, quando começam a baixar as temperaturas, mas já podemos prever que a produtividade ficará em torno de 32 toneladas por hectare, graças à nutrição equilibrada, a rotação de culturas e a tolerância ao pendoamento precoce da Lucy Brown, analisou. 4

5 Produtos & Mercados Cebola Shinju no Vale do São Francisco O cultivo de cebola no Nordeste pode mudar definitivamente graças a testes realizados com o híbrido Shinju. Resultados preliminares registraram produção de até 100 toneladas por hectare com a variedade na cidade de Irecê, na Bahia, contra a média de 20 toneladas aferida pelo IBGE para estes cultivares na região. Assim, produtores do Vale do São Francisco enxergam a possibilidade de atender ao mercado nordestino e, ainda mais, os períodos de entressafra no Sudeste do país. Por conta do clima local, eles podem produzir durante todo o ano e regular o volume segundo a demanda, já que a produção seria distribuída para todo o país. A produção de cebola Shinju no Vale do São Francisco é de suma importância para o abastecimento do Norte/Nordeste durante todo ano e do mercado brasileiro durante a janela do Sul/Suldeste, explicou o Representante Técnico de Vendas da Seminis na região, Raul Santos. Segundo ele, o grande limitador de produtividade na região atualmente é a semente. Quando usa-se sementes OP (semente de polinização livre) a média de produtividade é baixa mas, quando usamos sementes híbridas, temos ótimos resultados como foi no caso dos testes com a Shinju na região, justificou Santos. A cebola Shinju tem formato redondo, boa formação de casca (melhor pós-colheita), uniformidade (até 80% de caixa 3, classificação de maior valor) e alta produtividade e, por isso, são muito valorizadas. Embalagens valorizam o comércio de cenouras A inovação nas embalagens trouxe um diferencial e melhorou as possibilidades de comercialização para as cenouras do Grupo Maeda. A ideia surgiu a partir da demanda de uma rede de supermercados que buscava padronização do produto e, assim, maior facilidade e comodidade aos seus clientes. As embalagens foram desenvolvidas com 500 gramas, 1 ou 2 kg e permitem selecionar legumes mais uniformes, evitam descartes e garantem a limpeza do produto, agregando mais valor e melhorando a lucratividade. Segundo o consultor Carlos Leal, da Casa Bugre Minas, é importante inovar nesta área, pois diferencia os produtos quanto à qualidade e demonstra profissionalismo em um mercado concorrido. Foram vários avanços para concretizar este diferencial, começando com a colheita mecanizada, instalação de lavadores automatizados, armazenamento em câmara fria e caminhões frigorificados, conta Leal, que acompanhou todo o processo. A oferta de produtos embalados é uma tendência do mercado, opina. 5

6 Sanidade Lagarta Helicoverpa armigera avança sobre diversas culturas no Brasil O ataque da lagarta Helicoverpa armigera já atinge várias culturas em diferentes estados brasileiros. Apesar dos primeiros focos terem sido identificados neste ano em soja e algodão na Bahia, os insetos já estão sendo encontrados, segundo a Embrapa, em outras culturas (como milho e sorgo) e em hortaliças como tomate, cebola e pimentão. Segundo a responsável por desenvolvimento tecnológico da Seminis, Fernanda Ferreira Ferraro, de modo geral, esta espécie pode desenvolver-se em mais de 100 culturas característica conhecida como polifagia o que facilita sua proliferação e sobrevivência. A preocupação em torno desta praga se dá devido à alta capacidade de descolamento, reprodução e sobrevivência. O ciclo de ovo para a fase adulta é rápido (entre 28 e 40 dias) com alta capacidade de dispersão por vôos de até 1000 km, que explica sua presença em diversas regiões do país. As perdas podem chegar a 100% quando o manejo é ineficaz, alerta. Em hortaliças, a Helicoverpa armigera tem causado mais prejuízos em lavouras de tomate em várias regiões, tanto para mercado fresco quanto para o uso industrial. Quando recém-eclodidas elas podem raspar folhas, mas também atacam as flores prejudicando a polinização e, consequentemente, o número de frutos, além da queda ou aprodrecimento dos tomates. Prevenção e controle Fernanda explica que o controle e a prevenção deve ser pensado como um conjunto de boas práticas e não em ações isoladas. Entre as boas práticas ela cita o monitoramento de pragas (armadilhas luninosas, iscas com feromônio sexual sintético e levantamento de pragas), os inseticidas seletivos (que preservam os inimigos naturais da lagarta), rotação de princípio ativo (diminui a pressão de seleção de individuos resistentes) e boa aplicação (tipo de bico, vazão, tamanho de gota). O alvo do controle da H. armigera deve ser lagartas pequenas de até 7mm, quando elas estão mais expostas e a eficiência do produto é maior. As lagartas maiores são mais agressivas e de difícil controle, portanto podem causar danos maiores, explica. 6

7 Inovação Produtores de melão lutam contra a mosca minadora Um ataque severo da mosca minadora causou muitos prejuízos este ano aos produtores de melão no Nordeste brasileiro, que detém a maior produção comercial do fruto no país. Em algumas áreas toda a produção foi perdida, pois o inseto impediu que as frutas alcançassem o nível 10º Brix, que é o mínimo exigido para a comercialização. Toda a região produtora de melão nos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Pernambuco e Bahia foi afetada. Os principais efeitos do ataque são a redução da área fotossintética da planta e queda no teor de Brix dos frutos; o ressecamento e desfolha da planta que expõe os frutos ao sol e causa queimaduras na casca; e a exposição a microrganismos oportunistas. Para evitar mais perdas, os produtores dos municípios de Tibau (CE), Mossoró (RN), Baraúna (RN), Quixerê (CE), Juazeiro (BA) e Petrolina (PE), que usufruem de condições de clima e de solo ideais para os meloeiros, têm duas alternativas para combater o problema. A primeira é a utilização de mantas de proteção até os 27 dias de cultivo, o que evita o ataque da mosca minadora no desenvolvimento das folhas jovens da planta. A segunda é o tratamento químico semanal para controle da praga. O melão produzido na região é comercializado, atualmente, na Europa e no mercado interno brasileiro. Os consumidores de melão gostam de frutos com boa aparência e, principalmente, Brix entre 12 e 14, detalha José Brito, da área de Desenvolvimento Tecnológico da Seminis. Em relação ao tamanho para os melões gália os consumidores preferem frutas de até 1,1Kg. Utilização de mantas de proteção para combater a mosca minadora Nova cultivar Tínhamos que encontrar uma solução para o problema. Já faz muitos anos que trabalhamos com linhas silvestres para introduzir resistências contra a mosca minadora. Trata-se de um trabalho lento porque os melões silvestres traziam, também, características negativas. Mas, com testes realizados em Mossoró, pudemos detectar variedades com tolerância a minadora. O Mclaren é o melhor exemplo de uma variedade com excelente equilíbrio entre pós-colheita, tolerância a minadora e o sabor das variedades clássicas. Isso é algo muito difícil de encontrar. O programa começou a dar frutos e a equipe de desenvolvimento no Brasil encontrou os primeiros híbridos (DRG3228) com alta resistência a minadora em Atualmente, está em fase pré-comercial que avalia a aceitação no mercado Europeu para oferecer uma solução completa para os produtores.. Do mesmo modo, estamos desenvolvendo produtos com outras resistências como ao amarelão, transmitido pela mosca branca, outro problema que aflige a região, Peter Kraakman, Melhorista de Melão da Seminis. Planta não resistente Planta resistente - DRG

8 Plantios de verão com mais segurança Verona CMS é resistente e produtiva A couve-flor Verona tem grande estabilidade de produção e excelente uniformidade de planta e cabeça. Essas características proporcionam maior produtividade com mais cabeças comerciais por hectare. As folhas grandes protegem as cabeças durante o transporte e, nas prateleiras, atrai o consumidor pela coloração branca, tamanho entre 20 cm e 25 cm e peso médio de 1,2 kg a 1,5 kg. SVR 2005 a crocante do verão A alface crespa crocante SVR 2005 é indicada para o plantio de Verão. Tem qualidade de inverno no verão, cabeças com ótima apresentação visual, folhas crocantes e ótima tolerância ao pendoamento precoce, Tip Burn e outras doenças foliares. Com ciclo de 80 a 85 dias, serve tanto para mercado fresco quanto ao processamento. Cultivar protegida pela Lei 9.456/97. Reprodução proibida. Darlington pepino com vigor e sabor O pepino Darlington tem frutos tipo salada com coloração verde escura, lisos, saborosos, com poucos espinhos, boa brotação lateral e excelente relação comprimento por diâmetro. Com elevada produtividade, a cultivar é resistente a viroses como ZYMV (Vírus do mosaico amarelo da abobrinha), PRSV (Mancha anelar do papaya), WMV (Vírus do mosaico da Melancia) e além da resistência a Pis (Mancha Angular) e Ccu (Sarna). Compack é produtivo e bonito O tomate híbrido Compack tem alto potencial produtivo e plantas altas, robustas, com grande enfolhamento, internódios curtos e excelente pegamento sequencial de frutos. O ciclo é de 90 a 100 dias. O fruto, para salada, tem peso médio de 240 a 260 gramas e aparência valorizada por consumidores. É resistente a Va/Vd, Fol (raças 1 e 2), Mi/Ma/Mj, ToMV e TSWV. Remetente: Seminis - R. Vitor Roselli, 17 - Campinas - SP - CEP:

Novo brócolis suporta melhor altas temperaturas

Novo brócolis suporta melhor altas temperaturas Ano IX nº 29 Junho/2012 Novo brócolis suporta melhor altas temperaturas Com excelente pós-colheita e bom desempenho sob altas temperaturas, o lançamento da Seminis, o brócolis BC 1691, permite prolongar

Leia mais

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores Alfaces Brócolis, Repolhos e Couves-flores Compromissos Seminis produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes conhecimento Rede global de melhoramento genético

Leia mais

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Centro de Qualidade em Horticultura CEAGESP Construção e adoção de ferramentas

Leia mais

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões Abobrinhas e Pepinos Pimentões Compromissos Seminis Produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes Conhecimento Rede global de melhoramento genético Soluções

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

(Luiz Jorge da Gama Wanderley Junior e Dr. Paulo César Tavares de Melo)

(Luiz Jorge da Gama Wanderley Junior e Dr. Paulo César Tavares de Melo) PRODUÇÃO DE SEMENTES DE HORTALIÇAS EM CONDIÇÕES SEMI-ÁRIDAS NORDESTE DO BRASIL (Luiz Jorge da Gama Wanderley Junior e Dr. Paulo César Tavares de Melo) 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS A atividade de produção

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB13.02 16 de dezembro de 2013 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

É por isso que o convidamos a conhecer nas próximas páginas nossos lançamentos e produtos que há anos fazem parte do nosso catálogo. Seja bem-vindo!

É por isso que o convidamos a conhecer nas próximas páginas nossos lançamentos e produtos que há anos fazem parte do nosso catálogo. Seja bem-vindo! Não é do dia para a noite que uma empresa se torna referência no seu setor, e com a Agrocinco não foi diferente. Após 15 anos de atuação no mercado brasileiro de sementes de hortaliças de alto rendimento,

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Cultivo com mulching melhora qualidade de folhosas no RJ

Cultivo com mulching melhora qualidade de folhosas no RJ Cultivo com mulching melhora qualidade de folhosas no RJ Pág. 3 Mercado Resultado das safras de cebolas animam produtores Pág. 5 Gilberto T. Cardinot, de Nova Friburgo (RJ) com a alface americana Lucy

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos.

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. No mercado competitivo de hoje, há uma consciência crescente dos severos danos causados aos produtos agrícolas por pragas e insetos. Como resultado,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

Missão. Visão. Quem Somos

Missão. Visão. Quem Somos Quem Somos A Monsanto foi fundada em 1901 em Saint Louis, Missouri, nos Estados Unidos, e hoje possui 404 unidades em 67 países do mundo. Estamos no Brasil desde 1963 e contamos com o trabalho e a colaboração

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG COMPRA DE HORTIFRUTICOLAS PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ESPECIFICAÇÃO DO EDITAL CEASA MG CEAGESP ABACAXI PÉROLA OU HAWAÍ: De Primeira; Graudo. Classificação: Grupo I (Polpa Amarela), Subgrupo: Colorido (Até

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan orivaldo@tropsabor.com.br Produção de bananas no Brasil (toneladas) 4500000 4000000 Tendência 3500000 3000000 2500000 2000000 1500000 2011 2010 2009

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Lançamentos garantem produtividade o ano todo

Lançamentos garantem produtividade o ano todo Ano VIII nº 26 Especial Tomates Lançamentos garantem produtividade o ano todo A alta resistência e a adaptabilidade a todas as estações do ano são os destaques dos últimos lançamentos da Seminis, que garantem

Leia mais

Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos

Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos Maryam Rahmanian, Maede Salimi, Khadija Razavi, Dr. Reza Haghparast e Dr. Salvatore Ceccarelli Seleção realizada no contexto no qual

Leia mais

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 Edmilson José Ambrosano Eng. Agr., Dr., PqC do Pólo Regional Centro Sul/APTA ambrosano@apta.sp.gov.br Fabrício Rossi Eng. Agr., Dr.,

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 18 A 31 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 113 1 A utilização de tecnologias de aplicação como gotas oleosas, como UBV (Ultra Baixo Volume) e BVO

Leia mais

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems ABCBio (Associação Brasileira das empresas de Controle Biológico) foi fundada em 2007, com a missão de congregar as empresas de

Leia mais

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados Veículo: Assunto: Data: ABN 28/09/2012 Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados http://www.abn.com.br/editorias1.php?id=71860 Que o Brasil há muitos anos produz cafés de qualidade excepcional

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0 BOI GORDO O ano de 2013 registrou preços elevados para a arroba do boi gordo, em todas as praças pecuárias acompanhadas pelo Sistema FAEB/SENAR. No acumulado do ano, foram verificadas as seguintes valorizações:

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CIRCULAR TÉCNICA CEAGESP - CQH Nº 14 - JUNHO 2006 EU SEI PRODUZIR SÓ NÃO SEI COMERCIALIZAR!

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A produção de frutas e hortaliças para exportação obedece procedimentos estabelecidos pelos diferentes sistemas de certificação determinados pelo comprador,

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 FRUTICULTURA Elaboração: Eng. Agr. Paulo Fernando de Souza

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Quem somos. A maior franquia de jardinagem do Brasil! Nosso foco é tratamento e nutrição de plantas e gramados;

Quem somos. A maior franquia de jardinagem do Brasil! Nosso foco é tratamento e nutrição de plantas e gramados; Conheça a maior franquia de jardinagem do Brasil! Sobre nós A Ecojardim partiu do sonho de um jovem técnico agrícola que tinha em suas mãos mais de 15 anos de experiência nos mercados de agricultura e

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS RESUMO Aline Vitti Renata Elise Gaiotto Sebastiani Cinthia Antoniali Vicentini Margarete Boteon Este trabalho buscou avaliar

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Cadeia da Olericultura

Cadeia da Olericultura Cadeia da Olericultura Olericultura A olericultura é a área da horticultura que abrange a exploração de hortaliças e que engloba culturas folhosas, raízes, bulbos, tubérculos, frutos diversos e partes

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul IMPLANTAÇÃO DE HORTA COMUNITÁRIA NO ASSENTAMENTO SANTA RITA PEABIRU - PR

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul IMPLANTAÇÃO DE HORTA COMUNITÁRIA NO ASSENTAMENTO SANTA RITA PEABIRU - PR 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul IMPLANTAÇÃO DE HORTA COMUNITÁRIA NO ASSENTAMENTO SANTA RITA PEABIRU - PR Área temática: Tecnologia e Produção Prof. Dr. José Marcos de Bastos Andrade

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

O Amarelinho mantém liderança

O Amarelinho mantém liderança Mídia Kit O CAMPEÃO DAS BANCAS! O melhor jornal de empregos mídia exclusiva Empregos, estágios, cursos e concursos Páginas 6, 7 e 8 perfil do leitor Instituto define quem é o leitor do Amarelinho Página

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA DISCUSSÃO DE SEMENTES DE HORTLIÇAS AGROECOLÓGICAS NO TERRITÓRIO DA BORBOREMA

A CONSTRUÇÃO DA DISCUSSÃO DE SEMENTES DE HORTLIÇAS AGROECOLÓGICAS NO TERRITÓRIO DA BORBOREMA A CONSTRUÇÃO DA DISCUSSÃO DE SEMENTES DE HORTLIÇAS AGROECOLÓGICAS NO TERRITÓRIO DA BORBOREMA SALES 1, José Felipe Silva de; Marini, Fillipe Silveira²; SILVA, Manoel Roberval da³; FREIRA, Adriana Galvão³

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS. Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP

DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS. Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP Introdução No Brasil já existem mais de 19 mil propriedades orgânicas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA Hoje a floricultura é um dos principais segmentos do agronegócio no Brasil. A qualidade das flores, a crescente competitividade e o crescimento do segmento são percebidos quando observa-se que muitos estados

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 DESAFIOS FITOSSANITÁRIOS NO MANEJO DE LAVOURAS WORKSHOP APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS - FBA Engº Agrº EZELINO CARVALHO INTRODUÇÃO O objetivo desta apresentação é dialogar sobre os problemas fitossanitários

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 12 de agosto de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 12 de agosto de 2015. Clipping de notícias Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 11 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. 12/08/2015 USO INDISCRIMINADO

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais