PERFIL FISICO-QUIMICA DO QUEIJO DE COALHO ARTESANAL DO SERTÃO DA PARAIBA, NORDESTE, BRASIL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL FISICO-QUIMICA DO QUEIJO DE COALHO ARTESANAL DO SERTÃO DA PARAIBA, NORDESTE, BRASIL."

Transcrição

1 1 PERFIL FISICO-QUIMICA DO QUEIJO DE COALHO ARTESANAL DO SERTÃO DA PARAIBA, NORDESTE, BRASIL. MEDEIROS, R.S. 1 ; GONÇALVES, M.M.B.P. 2 ; NETO,V.Q. 3 Universidade Federal de Campina Grande(UFCG)/Centro de Saúde e Tecnologia Rural (CSTR)-Patos(PB)-Doutoranda; 2 Universidade Nova de Lisboa (UNL)/Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT)-Lisboa (PT) Orientadora; 3 Universidade Federal de Campina Grande(UFCG)/Centro de Saúde e Tecnologia Rural (CSTR)-Patos(PB)- Co-orientador. 1. INTRODUÇÃO Originalmente produzido nos estados do Nordeste do Brasil a partir de leite cru, o queijo de coalho atualmente vem conquistando espaço e interesse nas outras regiões do Brasil. O queijo de coalho é obtido através da coagulação do leite por meio do coalho ou outras enzimas coagulantes apropriadas, complementada ou não pela ação de bactérias lácteas selecionadas e comercializado em ate dez dias (BRASIL, 2001). A Paraíba possui mais de 50 municípios produtores de queijos artesanais, como queijo de Coalho e/ou queijo de manteiga. Essa produção concentra-se a maior parte na mesorregião Sertão, distribuídos nas suas sete microrregiões, Catolé do Rocha, Cajazeiras, Sousa, Itaporanga, Patos, Piancó e Serra do Teixeira. Desta forma, esta mesorregião concentra a maior parte da produção de queijo de Coalho da Paraíba (http://www.sertaobras.org.br/blog/2011/04/07/queijos-artesanais-sofremrestries-em-cajazeiras-pb/ acessado em 01/06/15). Para tanto, esta pesquisa teve por objetivo determinar os principais componentes físico-químicos dos queijos de Coalho produzido na mesorregião da Paraíba, Nordeste do Brasil. 2. MATERIAL E METODOS 2.1. Amostragem As 28 amostras do queijo de Coalho produzidas com leite sem pasteurização foram coletadas em queijeiras e comercio local no período de junho de 2013 a agosto de 2014, nas sete microrregiões que compõe a Mesorregião do Sertão Paraibano: Catolé do Rocha, Cajazeiras, Souza, Patos, Itaporanga, Piancó e Serra do Teixeira. As amostras acondicionadas em caixas de isopor contendo gelo e transportadas para o Laboratório Multiusuário de Pesquisas Ambientais (LAMPA), da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Patos, Paraíba, Brasil Parâmetros físico-químicos Após o queijo ser triturado e homogeneizado, o material foi submetido às determinações de ph, acidez titulável, umidade, proteína, gordura, cinzas e

2 REGIÕES cloretos Association of Official Analytical Chemists AOAC (AOAC, 1995).. As analises foram realizadas em triplicatas ph phmêtro, método direto Acidez em ácido lático - foi determinada pelo método titulométrico. Os resultados foram expressos em percentuais de acidez em ácido lático (g/ 100g amostra) Umidade no queijo - determinado pelo método gravimétrico, em estufa a 105 ºC por 4 horas Nitrogênio no queijo e Proteína total determinou-se N da porção preparada (2g) como na determinação de N total no leite, método de Kjeldahl. Em seguida multiplicou-se o valor de N pelo fator de Gordura no queijo- método volumétrico GERBER de Van Gulik para queijo Cinzas no queijo - Método gravimétrico Cloreto de sódio método de doseamento nas cinzas Analise Estatística Os dados obtidos nas análises físico-química e sensorial foram submetidos à análise de variância (ANOVA) para verificar se os resultados encontrados foram estatisticamente diferentes. Para efetuar comparações múltiplas entre médias foi utilizado o Teste de Tukey com nível de significância de 5%. (Chris, 1978). 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Das sete microrregiões que compõem a mesorregião Sertão, foram coletadas quatro amostras totalizando 28 amostras de queijo de Coalho produzido na Paraíba. A tabela 1 mostra as medias e desvio padrão do ph, acidez, umidade, proteína, gordura, cinzas e cloretos dessas amostras agrupadas por microrregião. Tabela 1. Media e desvio padrão do ph, acidez, umidade, proteína, gordura, cinzas e cloretos dos queijos de Coalho produzido nas microrregiões do Sertão da Paraíba. AMOSTRAS PH ACIDEZ (% de ac. lático) UMIDADE (%) PROTEINA (%) GORDURA (%) CINZAS (%) CLORETOS Catolé do Rocha R1A1 5,57(0,04) 0,13 (0,00) 42,81(0,12) 23,48(0,23) 33(0,0) 4,27(0,03) 1,62(0,23) R1A2 6,06(0,02) 0,07(0,00) 36,4(0,36) 26,37(0,32) 32,3(0,57) 4,42(0,03) 1,36(0,03) R1A3 5,55(0,03) 0,20(0,00) 34,39(1,02) 24,35(0,20) 34,8(0,28) 4,56(0,04) 1,55(0,03) R1A4 5,85(0,01) 0,12(0,01) 36,18(0,59) 25,6(0,21) 36(0,0) 4,84(0,15) 2,01(0,04) Cajazeiras R2A1 6,48(0,06) 0,10(0,02) 35,44(1,12) 26,16(0,14) 32(0,0) 4,9(0,02) 2,14(0,06) R2A2 6,12(0,01) 0,17(0,00) 38,88(0,66) 25,45(0,37) 35(0,0) 4,91(0,08) 2,18(0,0) R2A3 6,14(0,01) 0,13(0,01) 48,8(0,12) 21,95(0,02) 35(0,0) 4,44(0,04) 2,26(0,01) R2A4 6,24(0,02) 0,07(0,01) 46,25(0,09) 23,41(0,16) 30(0,0) 4,45(0,01) 2,07(0,01) Sousa R3A1 6(0,05) 0,09(0,01) 45,45(1,14) 22,83(0,14) 37(0,0) 5,24(0,15) 2,77(0,04) R3A2 5,3(0,03) 0,27(0,01) 40,8(0,30) 23,99(0,08) 32,6(0,57) 4,57(0,07) 2,35(0,04)

3 R3A3 6,34(0,08) 0,09(0,01) 49,09 (0,11) 22,76(0,10) 35(0,0) 4,51(0,13) 2,01(0,04) R3A4 6,24(0,03) 0,07(0,00) 38,1(0,07) 23,23(0,17) 34,3(0,57) 4,1(0,06) 1,16(0,0) Patos R4A1 6,15(0,01) 0,09(0,01) 44,88(0,29) 22,41(0,04) 35(0,0) 5,64(0,19) 3,07(0,08) R4A2 6,39(0,14) 0,07(0,00) 41,48(0,64) 22,81(0,14) 30(0,0) 3,37(0,03) 0,95(0,04) R4A3 5,72(0,02) 0,18(0,01) 47,11(0,44) 21,57(0,11) 35(0,0) 3,53(0,14) 1,85(0,03) R4A4 5,72(0,04) 0,24(0,00) 53,23(0,21) 22,24(0,06) 37(0,57) 3,01(0,05) 0,89(0,01) Piancó R5A1 6(0,04) 0,07(0,00) 45,27(0,50) 23,07(0,06) 36(0,0) 5,35(0,19) 1,92(0,01) R5A2 6,08(0,04) 0,06(0,00) 47,35(0,58) 20,35(0,23) 35(0,0) 4,57(0,01) 1,76(0,02) R5A3 5,57(0,05) 0,10(0,02) 42,40(0,17) 21,16(0,10) 35(0,0) 5,01(0,15) 2,14(0,03) R5A4 5,82(0,02) 0,14(0,02) 43,91(0,26) 23,36(0,05) 34,3(0,57) 5,8(0,64) 1,74(0,02) Itaporanga R6A1 4,67(0,01) 0,45(0,02) 43,77(0,34) 24,71(0,07) 36(0,0) 3,01(0,07) 0,89(0,02) Serra do Teixeira R6A2 5,52(0,02) 0,14(0,01) 41,14(0,18) 19,01(0,22) 35(0,0) 4,28(0,17) 1,31(0,02) R6A3 5,43(0,06) 0,14(0,01) 43,45(0,33) 23,41(0,23) 33(0,0) 4,69(0,28) 1,90(0,02) R6A4 5,53(0,01) 0,16(0,01) 37,39(0,10) 22,1(0,02) 37(0,0) 3,77(0,09) 1,07(0,04) R7A1 5,37(0,03) 0,14(0,00) 45,57(0,22) 20,54(0,03) 36(0,0) 3,98(0,15) 2,42(0,03) R7A2 5,21(0,01) 0,15(0,01) 47,34(0,46) 22,52(0,06) 36(0,0) 3,83(0,09) 1,98(0,02) R7A3 6,02(0,04) 0,09(0,00) 47,19(0,16) 25,35(0,08) 36(0,0) 3,63(0,03) 1,82(0,95) R7A4 6,09(0,02) 0,09(0,00) 44,12(0,59) 20,95(0,04) 32,3(0,57) 4,14(0,08) 2,39(0,08) O ph do queijo de Coalho variou 4,67(Itaporanga) a 6,48 (Cajazeiras). O ph do queijo de Coalho normalmente fica em torno de 6,0. No entanto, não houve diferença significativa do ph das amostras entre regiões. Cavalcante (2007) encontrou media de ph semelhante 6,30 pesquisando sobre queijo de Coalho do Ceará. Nassu e colaboradores (2006) pesquisando queijos produzidos no Rio Grande do Norte, também encontrou resultado de ph semelhante, 6,50. Expressa em percentual de ácido lático, o maior valor da acidez 0,45% foi verificada na amostra que apresentou o menor ph (4,67) da microrregião de Itaporanga. Andrade (2006) encontrou resultado semelhante analisando amostras de queijo de Coalho produzido no Ceará encontrou 0,42% de acidez. O valor máximo de acidez de 0,45% foi citado por Sousa e outros (2014) em sua pesquisa com queijo de Coalho produzido no Nordeste. O teor de umidade variou de 34,39% a 53,23%. De acordo com analise de variância não houve diferença significativa de umidade entre grupos. De acordo com a Portaria nº 146 do MAPA (1996) o queijo de Coalho produzido na Paraíba é classificado como de média umidade (36 a 45,9%). Resultados semelhantes foram encontrados por outros autores trabalhando com queijo de Coalho produzido no Ceará (Andrade, 2006; Cavalcante, 2007) e no Rio Grande do Norte (Nassu e colaboradores, 2006). O percentual de proteína nas amostras variou de 19,01% a 26,37%. O teor de gordura encontrado nos queijo de Coalho artesanal da Paraíba variou de 30% a 37%. Resultados semelhantes foram encontrados por Filho e colaboradores (2009) no queijo de coalho de Jucati, Pernambuco. Quanto ao teor de cinzas verificadas nos queijos de Coalho neste trabalho são observadas variações desde 3,01% a 5,64%. De acordo com o teste de Tukey houve diferença significativa maior que 0,05 entre as microrregiões. O

4 sal é utilizado no processo de fabricação de queijos principalmente para contribuir com o sabor, melhorar a textura e controlar a fermentação láctica inibindo o crescimento de microrganismos indesejáveis. O percentual de cloretos encontrados no queijo de Coalho produzido no Sertão paraibano variou de 0,89% a 3,08%. Filho e colaboradores (2009) encontraram percentuais semelhantes no queijo de coalho de Pernambuco. Resultados encontrados por Nassu e outros (2006) no queijo de coalho do Rio Grande do Norte foi similar. Os valores médios e desvio padrão do ph, acidez, umidade, gordura, proteína, cinzas e cloretos por microrregião dos queijos de Coalho produzidos no Sertão da Paraíba estão apresentados na tabela 2. Tabela 2. Média e desvio padrão por microrregião dos componentes físico-químicos dos queijos de Coalho produzido no Sertão da Paraíba. ACIDEZ UMIDADE PROTEINA GORDURA CINZAS CLORETOS REGIÕES PH (%) (%) (%) (%) (%) (%) Catolé do Rocha 5,74(0,23) 0,13(0,05) 37,42(3,64) 24,95(1,28) 34,02(1,68) 4,52(0,24) 1,63(0,27) Cajazeiras 6,24(0,16) 0,11(0,04) 42,33(6,22) 24,24(1,92) 33(2,44) 4,67(0,26) 2,16(0,08) Sousa 5,97(0,47) 0,28(0,09) 41,88(3,19) 23,17(0,56) 34,72(1,82) 4,62(0,47) 2,07(0,68) Patos 6,07(0,27) 0,14(0,07) 46,43(5,29) 22,25(0,51) 34,25(2,98) 3,88(1,18) 1,69(1,02) Piancó 5,86(0,23) 0,09(0,03) 44,72(2,10) 21,98(1,46) 35,07(0,69) 5,18(0,52) 1,89(0,18) Itaporanga 5,28(0,41) 0,21(0,15) 41,43(2,93) 22,3(2,44) 35,25(1,70) 3,93(0,72) 1,29(0,44) Serra do Teixeira 5,67(0,44) 0,07(0,03) 46,05(1,52) 22,35(2,18) 35,07(1,85) 3,89(0,21) 2,15(0,29) O queijo de coalho da microrregião de Catolé do Rocha apresentou a menor media de umidade com 37,42% e o maior percentual de proteína com quase 25%. A quantidade máxima de sódio recomendado é de 2,4 gramas por dia. O consumo de elevada quantidade de sal é considerado uma preocupação para a população mundial. A microrregião de Cajazeiras foi a que apresentou o maior teor de cloreto de sódio determinado em cinzas com 2,16% sendo, com isso, considerado o que apresentou o maior de teor de sal. O queijo de coalho da microrregião de Sousa apresentou a maior media de acidez com 0,28% de acido lático. A microrregião de Patos apresentou o queijo de Coalho com maior media de umidade (46,43%), menor media de cinzas (3,88) e consequentemente de cloreto de sódio (1,69%). Esses valores sugerem que este baixo teor de sal somado a um elevado teor de umidade venha a proporcionar um ambiente favorável ao desenvolvimento de microrganismos. O queijo de coalho produzido na microrregião de Piancó foi a que apresentou o maior teor de minerais com 5,18%. O ph médio (5,86) encontrado nesta microrregião está de acordo com os resultados encontrados por Sousa e outros (2014). O queijo de coalho produzido na microrregião de Itaporanga foi o que apresentou menor ph de 5,28. Os valores de ph e de acido lático está associado com o processo de maturação. De acordo com o teste de Pearson houve correlação significativa de 0,01% entre o ph e a acidez das amostras. De acordo com a legislação que normatiza o queijo de Coalho não há referencia para os parâmetros ph e acidez.

5 4. CONCLUSÃO Diante dos resultados desta pesquisa pode-se concluir que: - existe diferença físico-química dos queijos de Coalho artesanal entre as microrregiões; - o queijo de Coalho artesanal produzido na Paraíba pode ser considerado como de ph ácido, umidade média a alta, proteína e gordura média; 5. REFERENCIAS - AOAC. Official Methods of Analysis of the Association of Official Agricultural Chemists. 11. ed. Washington: AOAC International, p. - ANDRADE, A. A. Estudo do perfil sensorial, físico-químico e aceitação de queijo de Coalho produzido no Ceará Dissertação (Mestre em Tecnologia de Alimentos). Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. - BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria nº 146, de 7 de março de Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 mar p BRASIL. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA (SDA). Instrução Normativa n 30 de 26 de junho de Aprova o regulamento técnico de identidade e qualidade de Manteiga da Terra, queijo de Coalho e queijo Manteiga. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul Seção 1, p CAVALCANTE, J. F. M. et al. Queijo Coalho produzido com pool de culturas lácticas isoladas de leite cru da Região do Vale do Jaguaribe, Ceará, Brasil. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, v. 59, n. 339, p , CAVALCANTE, J.F.M.; ANDRADE, N.J.; FURTADO, M.M. et al. Processamento do queijo coalho regional empregando leite pasteurizado e cultura lática endógena. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 27(1): , jan.-mar CHRIS, L. Introduction to statistics: A nonparametric approach for the social science. John Wiley & Sons FILHO, J.R.F.; FILHO, J.S.S.; OLIVEIRA, H.B. et al. Avaliação da qualidade do queijo coalho artesanal fabricado em jucati PE. EXTENSIO: Revista Eletrônica de Extensão, v. 6; n. 8; dezembro de ISSN acessado em 01/06/15. - MENEZES, S.S.M.; CRUZ, F.T.; MENASCHE, R. QUEIJO DE COALHO CASEIRO: a tradição como ativo territorial no município de Porto da Folha. Ateliê Geográfico, Goiânia-GO v. 6, n. 3 (Ed. Especial) Out/2012 p Página NASSU, R. T.; SILVA, M. A. A. P. da; VIOTTO, W. H. Variações sensoriais em queijo de Coalho artesanal e industrial consumido em Fortaleza, Ceará. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS, 2004, Recife. Anais. Recife: SBCTA, CDROM. - PEREZ, R. M. Perfil sensorial, físico-químico e funcional de queijo coalho comercializado no município de Campinas, S.P. Dissertação (Mestrado)

6 Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia de Alimentos p - SOUSA, A.Z.B.; ABRANTES, M.R.; SAKAMOTO, S.M. et al. Aspectos físicoquímicos e microbiológicos do queijo tipo coalho comercializado em estados do nordeste do Brasil. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v.81, n.1, p , 2014.

CARACTERIZAÇÃO DAS BACTÉRIAS ÁCIDO LÁCTICAS ISOLADAS DE QUEIJO COALHO ARTESANAL DA PARAIBA, NORDESTE, BRASIL.

CARACTERIZAÇÃO DAS BACTÉRIAS ÁCIDO LÁCTICAS ISOLADAS DE QUEIJO COALHO ARTESANAL DA PARAIBA, NORDESTE, BRASIL. CARACTERIZAÇÃO DAS BACTÉRIAS ÁCIDO LÁCTICAS ISOLADAS DE QUEIJO COALHO ARTESANAL DA PARAIBA, NORDESTE, BRASIL. MEDEIROS, R.S. 1 ; ARAUJO, L.M. 1 ; GONÇALVES, M.M.B.P. 2 ; NETO,V.Q. 3 1 Universidade Federal

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 1 DE MARÇO DE 2004 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ

COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ Comparison of proteolysis index of artisanal cheeses from regions of Cerrado and Araxá Denise SOBRAL 1 Maximiliano

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE SUCO DE CAJU. Iwalisson Nicolau de Araújo 1 Graduando em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Paraíba.

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE SUCO DE CAJU. Iwalisson Nicolau de Araújo 1 Graduando em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Paraíba. ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE SUCO DE CAJU Iwalisson Nicolau de Araújo Graduando em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Paraíba. Maria Janaina de Oliveira Mestranda em Engenharia em Engenharia

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 45, DE 23 DE OUTUBRO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TEMPO DE COZIMENTO DA MASSA DE QUEIJO SOBRE A UMIDADE DE QUEIJO PRATO DURANTE A MATURAÇÃO

AVALIAÇÃO DO TEMPO DE COZIMENTO DA MASSA DE QUEIJO SOBRE A UMIDADE DE QUEIJO PRATO DURANTE A MATURAÇÃO AVALIAÇÃO DO TEMPO DE COZIMENTO DA MASSA DE QUEIJO SOBRE A UMIDADE DE QUEIJO PRATO DURANTE A MATURAÇÃO F. Dadalt 1, R.L. Padilha 2, V. Sant Anna 3 1-Área da Vida e Meio Ambiente Universidade Estadual do

Leia mais

ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA

ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA DE CARLI, E. M. 1, TIRLONI, A. 1, PIETTA, G.M. 2. 1 Universidade do Oeste de Santa Catarina, Docentes do Curso de Engenharia de Alimentos. 2 Universidade do Oeste

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO QUÍMICOS DO QUEIJO COALHO ARTESANAL PRODUZIDO EM CALÇADO - PE

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO QUÍMICOS DO QUEIJO COALHO ARTESANAL PRODUZIDO EM CALÇADO - PE Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Campus Ponta Grossa - Paraná - Brasil ISSN: 1981-3686 / v. 06, n. 01: p. 722-729, 2012 D.O.I: 10.3895/S1981-36862012000100011 Revista Brasileira de Tecnologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TEOR DE PROTEÍNAS EM QUEIJO DE COALHO TIPO A E B COMERCIALIZADOS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

AVALIAÇÃO DO TEOR DE PROTEÍNAS EM QUEIJO DE COALHO TIPO A E B COMERCIALIZADOS NO ESTADO DE PERNAMBUCO AVALIAÇÃO DO TEOR DE PROTEÍNAS EM QUEIJO DE COALHO TIPO A E B COMERCIALIZADOS NO ESTADO DE PERNAMBUCO K.O. de Lima 1, N. M. S. Cortez 2, A.B. Morais 3, G.N. da Cruz Ximenes 4, F.A.Honorato 5, S.A.C.Andrade

Leia mais

Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho

Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho Felipe Alves de Almeida (1), Júnio César Jacinto de

Leia mais

ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ.

ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ. ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ. Rodrigo dos Santos NASCIMENTO 1, Jeferson Manoel TEIXEIRA 1, Lívia Nolasco Macedo MURUCI

Leia mais

ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS

ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS Daniela Popim Miqueloni 1 ; Virgínia de Souza Álvares 2 ; Silvana Fraga da Silva 3 ; Francisco Álvaro Viana Felisberto

Leia mais

Prêmio Jovem Cientista

Prêmio Jovem Cientista 1 Prêmio Jovem Cientista Linhas de Pesquisa: Cuidados com a saúde e nutrição nos esportes ELABORAÇÃO DE FARINHAS INTEGRAIS ENRIQUECIDA COM FRUTOS DO CERRADO (BARU) VISANDO ATENDER AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS

Leia mais

CARACTERISTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DE QUEIJO MINAS DO SERRO COM DIFERENTES PERÍODOS DE MATURAÇÃO

CARACTERISTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DE QUEIJO MINAS DO SERRO COM DIFERENTES PERÍODOS DE MATURAÇÃO CARACTERISTICAS FÍSICAS E QUÍMICAS DE QUEIJO MINAS DO SERRO COM DIFERENTES PERÍODOS DE MATURAÇÃO A.C.S.D. Chaves, R.P. Monteiro, S.C. Freitas, A.H. Oliveira, C.Y. Takeiti Embrapa Agroindústria de Alimentos,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE SORO DE LEITE 1. Alcance

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE SORO DE LEITE 1. Alcance REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE SORO DE LEITE 1. Alcance 1.1. Objetivo: Estabelecer a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deve atender o Soro de Leite, em suas diferentes

Leia mais

Caracterização físico-química dos Queijos de Coalho artesanal e industrial comercializados na cidade de Currais Novos/RN

Caracterização físico-química dos Queijos de Coalho artesanal e industrial comercializados na cidade de Currais Novos/RN Caracterização físico-química dos Queijos de Coalho artesanal e industrial comercializados na cidade de Currais Novos/RN Rayssa Araújo Gomes 1, Uliana Karina Lopes de Medeiros 2, Fábio Anderson Pereira

Leia mais

Maturação do queijo Minas artesanal da região de Araxá e contagem de Staphylococcus aureus

Maturação do queijo Minas artesanal da região de Araxá e contagem de Staphylococcus aureus Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Maturação do queijo Minas artesanal da região de Araxá e contagem de Staphylococcus aureus Amanda Alves Pereira (1), Júnio César

Leia mais

AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB

AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB Luan Matheus Cassimiro; Romildo Lima Souza; Raphael de Andrade Braga;

Leia mais

ANÁLISE DE AGRUPAMENTO NA CLASSIFICAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE FARINHA DE MANDIOCA

ANÁLISE DE AGRUPAMENTO NA CLASSIFICAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE FARINHA DE MANDIOCA ANÁLISE DE AGRUPAMENTO NA CLASSIFICAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE FARINHA DE MANDIOCA Daniela Popim Miqueloni 1 ; Virgínia de Souza Álvares 2 ; Silvana Fraga da Silva 3 ; Francisco Álvaro Viana Felisberto 4 1

Leia mais

ASPECTOS PARA QUALIDADE E HIGIENE DO LEITE CRU BOVINO (Bos taurus) PRODUZIDO EM BANANEIRAS-PB

ASPECTOS PARA QUALIDADE E HIGIENE DO LEITE CRU BOVINO (Bos taurus) PRODUZIDO EM BANANEIRAS-PB ASPECTOS PARA QUALIDADE E HIGIENE DO LEITE CRU BOVINO (Bos taurus) PRODUZIDO EM BANANEIRAS-PB ARAÚJO, Luiz Fernando da Silva¹ MENEZES, Marcos Paulo Carrera² SANTOS, Antonio Filho Coelho³ SANTOS, Jerônimo

Leia mais

QUEIJO TIPO MINAS FRESCAL COM COLÁGENO HIDROLISADO E ORÉGANO: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL

QUEIJO TIPO MINAS FRESCAL COM COLÁGENO HIDROLISADO E ORÉGANO: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL QUEIJO TIPO MINAS FRESCAL COM COLÁGENO HIDROLISADO E ORÉGANO: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL Clara Andrezza Crisóstomo Bezerra Costa 1 ; João Victor Laurindo dos Santos 2 ; Maria Marcela

Leia mais

ADIÇÃO DE FIBRA DE CÔCO MACAÚBA (Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd) NA PRODUÇÃO DE RICOTA

ADIÇÃO DE FIBRA DE CÔCO MACAÚBA (Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd) NA PRODUÇÃO DE RICOTA IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de Dezembro de 2011 ADIÇÃO DE FIBRA DE CÔCO MACAÚBA (Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd) NA PRODUÇÃO DE RICOTA Tamiris

Leia mais

I Simpósio de Queijos Artesanais do Brasil. Papel da Universidade na Pesquisa, Ensino e Extensão na Produção do Queijo Coalho artesanal

I Simpósio de Queijos Artesanais do Brasil. Papel da Universidade na Pesquisa, Ensino e Extensão na Produção do Queijo Coalho artesanal I Simpósio de Queijos Artesanais do Brasil Papel da Universidade na Pesquisa, Ensino e Extensão na Produção do Queijo Coalho artesanal Prof. Dr. José Fernando Mourão Cavalcante Universidade Estadual do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO PÃO FRANCÊS COMERCIALIZADO EM PEQUENAS PANIFICADORAS DE JOÃO PESSOA - PB.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO PÃO FRANCÊS COMERCIALIZADO EM PEQUENAS PANIFICADORAS DE JOÃO PESSOA - PB. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO PÃO FRANCÊS COMERCIALIZADO EM PEQUENAS PANIFICADORAS DE JOÃO PESSOA - PB. RESUMO BEHAR 1, Mariana Correia Rodrigues FARIAS 2, Larissa Raphaela Gonçalves de MACIEL 3, Janeeyre

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução 531 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1 Natália Mara dos Santos 2 ; Jéssica Pires Ávila Rasmini 2, Isabela de Castro Oliveira 2, Cíntia da Cunha Abreu 2, Eduardo Nogueira

Leia mais

ELABORAÇÃO DE VINAGRE UTILIZANDO MEL DE ABELHA (APIS MELLIFERA) EXCEDENTE DE PRODUÇÃO

ELABORAÇÃO DE VINAGRE UTILIZANDO MEL DE ABELHA (APIS MELLIFERA) EXCEDENTE DE PRODUÇÃO ELABORAÇÃO DE VINAGRE UTILIZANDO MEL DE ABELHA (APIS MELLIFERA) EXCEDENTE DE PRODUÇÃO Anaeli ZAPPAROLI 1, Fabiana Bortolini FORALOSSO 2, Álvaro Vargas JUNIOR 3, Nei FRONZA 3, Ingrid GUIMARÃES 3, Josiane

Leia mais

QUEIJO MINAS ARTESANAL DA SERRA DA CANASTRA: INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NA MATURAÇÃO.

QUEIJO MINAS ARTESANAL DA SERRA DA CANASTRA: INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NA MATURAÇÃO. QUEIJO MINAS ARTESANAL DA SERRA DA CANASTRA: INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NA MATURAÇÃO. W.M. Ferraz 1, I.F. Gonçalves 1, M. L. F. Freitas 1, I.C. Soares 1, M. T. A. Franco 1, J.M. Martins 1 1 Departamento de

Leia mais

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE IOGURTES COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE IOGURTES COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução 519 QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE IOGURTES COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA (MG) 1 Eduardo Nogueira Fernandes 2, Cíntia da Cunha Abreu 2, Isabela de Castro Oliveira 2, Jéssica Pires Ávila Rasmini 2, Adriano França

Leia mais

Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica

Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica Duarte Vilela Embrapa Gado de Leite vilela@cnpgl.embrapa.br O que é produção familiar (i) direção dos trabalhos

Leia mais

DA ACIDEZ TITULÁVEL DOS SOROS DOS QUEIJOS MINAS FRESCAL E MUSSARELA EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPERATURA E TEMPO DE ESTOCAGEM.

DA ACIDEZ TITULÁVEL DOS SOROS DOS QUEIJOS MINAS FRESCAL E MUSSARELA EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPERATURA E TEMPO DE ESTOCAGEM. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL HIDROGENIÔNICO (ph) E DA ACIDEZ TITULÁVEL DOS SOROS DOS QUEIJOS MINAS FRESCAL E MUSSARELA EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPERATURA E TEMPO DE ESTOCAGEM. G.S.P. CARDOSO 1, E.S.NICOLAU

Leia mais

Aceitação sensorial de bebida láctea, sob diferentes concentrações de soro

Aceitação sensorial de bebida láctea, sob diferentes concentrações de soro Aceitação sensorial de bebida láctea, sob diferentes concentrações de soro Francisca Giselle da Cruz 1, João Vitor de Sá Melo², Frediano Siqueira de Oliveira², Leomar Moreira da Silva², Wictor Ályson Dias

Leia mais

Aspectos físico-químicos e microbiológicos do queijo Canastra durante a maturação em duas épocas do ano

Aspectos físico-químicos e microbiológicos do queijo Canastra durante a maturação em duas épocas do ano Aspectos físico-químicos e microbiológicos do queijo Canastra durante a maturação em duas épocas do ano Paula Isabelita Reis Vargas (1), Luiz Carlos Gonçalves Costa Júnior (2), Fernando Antônio Resplande

Leia mais

Caracterização química e rendimento de extração de amido de arroz com diferentes teores de amilose

Caracterização química e rendimento de extração de amido de arroz com diferentes teores de amilose Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia Agroindustrial Laboratório de Pós-colheita, Industrialização e Controle de Qualidade de Grãos Caracterização química e

Leia mais

MONITORAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE DO LEITE PASTEURIZADO INTEGRAL NO MUNICÍPIO DE LINS/SP EM OUTUBRO DE 2010

MONITORAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE DO LEITE PASTEURIZADO INTEGRAL NO MUNICÍPIO DE LINS/SP EM OUTUBRO DE 2010 MONITORAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE DO LEITE PASTEURIZADO INTEGRAL NO MUNICÍPIO DE LINS/SP EM OUTUBRO DE 2010 Alex Fabiano de Oliveira 1, Ana Paula Hossotani Costa 2, Línica Marília Dantas Regiane

Leia mais

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE QUEIJO DE COALHO PROCESSADO COM LEITE INTEGRAL E DESNATADO ADICIONADO DE WPC EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE QUEIJO DE COALHO PROCESSADO COM LEITE INTEGRAL E DESNATADO ADICIONADO DE WPC EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES AVALIAÇÃO SENSORIAL DE QUEIJO DE COALHO PROCESSADO COM LEITE INTEGRAL E DESNATADO ADICIONADO DE WPC EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES Maria Francielle Cavalcante de ARAÚJO (1); Fracisca Giselle da CRUZ (2);

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE IOGURTE GREGO PRODUZIDO POR UMA AGROINDÚSTRIA DO MUNICÍPIO DE GUARANI, MG.

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE IOGURTE GREGO PRODUZIDO POR UMA AGROINDÚSTRIA DO MUNICÍPIO DE GUARANI, MG. CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE IOGURTE GREGO PRODUZIDO POR UMA AGROINDÚSTRIA DO MUNICÍPIO DE GUARANI, MG. T. C. Nascimento 1, P. V. S. Ferreira 1, C. R. Bento 1, R. C. Vale 1, S. P.

Leia mais

BEBIDAS LÁCTEAS NÃO FERMENTADAS ADICIONADAS DE POLPA DE ABACATE: ANÁLISE DO PERFIL DE TEXTURA

BEBIDAS LÁCTEAS NÃO FERMENTADAS ADICIONADAS DE POLPA DE ABACATE: ANÁLISE DO PERFIL DE TEXTURA BEBIDAS LÁCTEAS NÃO FERMENTADAS ADICIONADAS DE POLPA DE ABACATE: ANÁLISE DO PERFIL DE TEXTURA Pedro Ivo Soares e Silva; Eugênia Telis de Vilela Silva; Anna Karoline de Sousa Lima; Samara Dias do Santos

Leia mais

CREME DE LEITE, MANTEIGA E REQUEIJÃO

CREME DE LEITE, MANTEIGA E REQUEIJÃO CREME DE LEITE, MANTEIGA E REQUEIJÃO Produto lácteo Produto obtido mediante qualquer elaboração do leite que pode conter aditivos alimentícios e ingredientes funcionalmente necessários para sua elaboração

Leia mais

Creme de leite e Manteiga

Creme de leite e Manteiga 6PIV026 - Inspeção de Leite e Derivados Creme de leite e Manteiga Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao 10 de Janeiro de 2017 Pasteurização

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE DE MANTEIGAS POR FOSFATASE ALCALINA E ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS

ESTUDO DA QUALIDADE DE MANTEIGAS POR FOSFATASE ALCALINA E ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS Pág. 42 Rev. Inst. Latic. Cândido Tostes, Mar/Jun, nº 367/368, 64: 42-47, 2009 ESTUDO DA QUALIDADE DE MANTEIGAS POR FOSFATASE ALCALINA E ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS Study of quality of butter by alkaline

Leia mais

Autor (1) Claudiany Silva Leite Lima; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1) Denise Silva do Amaral Miranda.

Autor (1) Claudiany Silva Leite Lima; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1) Denise Silva do Amaral Miranda. AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NAS PROPRIEDADES FÍSICO- QUÍMICAS DO DOCE DE LEITE EM PASTA COMERCIALIZADO EM AÇAILÂNDIA/MA DURANTE A VIDA DE PRATELEIRA DO PRODUTO Autor (1) Claudiany Silva Leite Lima; Autor

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UMA PEQUENA FÁBRICA DE QUEIJOS TIPO FRESCAL 1INTRODUÇÃO

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UMA PEQUENA FÁBRICA DE QUEIJOS TIPO FRESCAL 1INTRODUÇÃO ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UMA PEQUENA FÁBRICA DE QUEIJOS TIPO FRESCAL Eduardo Teixeira de Almeida 1, Geraldo de Nardi Junior 2 1 Aluno do curso de Tecnologia em Agronegócio da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Todas os alimentos deverão seguir o critério geral de: 1) Características microscópicas: Isento de substâncias estranhas de qualquer natureza. 2) Rotulagem:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE UM DELINEAMENTO COMPOSTO CENTRAL ROTACIONAL PARA AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE POLPAS DE AÇAÍ PASTEURIZADAS

UTILIZAÇÃO DE UM DELINEAMENTO COMPOSTO CENTRAL ROTACIONAL PARA AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE POLPAS DE AÇAÍ PASTEURIZADAS UTILIZAÇÃO DE UM DELINEAMENTO COMPOSTO CENTRAL ROTACIONAL PARA AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE POLPAS DE AÇAÍ PASTEURIZADAS R. A. MATTIETTO 1, V. M. MATTA 2 1 Embrapa Amazônia Oriental 2 Embrapa Agroindústria

Leia mais

TÍTULO: QUEIJO MEIA CURA COM IMERSÃO EM BEBIDAS ALCOÓLICAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: QUEIJO MEIA CURA COM IMERSÃO EM BEBIDAS ALCOÓLICAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: QUEIJO MEIA CURA COM IMERSÃO EM BEBIDAS ALCOÓLICAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): THALITA ALVES DE

Leia mais

Aspectos físico-químicos e microbiológicos do queijo tipo coalho comercializado em estados do nordeste do Brasil

Aspectos físico-químicos e microbiológicos do queijo tipo coalho comercializado em estados do nordeste do Brasil Food Safety / Scientific Article Aspectos físico-químicos e microbiológicos do queijo tipo coalho comercializado em estados do nordeste do Brasil Physical-chemical and microbiological aspects of the rennet

Leia mais

DIFERENÇAS SAZONAIS NO FERMENTO ENDÓGENO UTILIZADO NA PRODUÇÃO DO QUEIJO MINAS ARTESANAL, FABRICADO NA SERRA DA CANASTRA, MINAS GERAIS

DIFERENÇAS SAZONAIS NO FERMENTO ENDÓGENO UTILIZADO NA PRODUÇÃO DO QUEIJO MINAS ARTESANAL, FABRICADO NA SERRA DA CANASTRA, MINAS GERAIS Pág. 26 Rev. Inst. Latic. Cândido Tostes, Jul/Ago, nº 363, 63: 26-30, 2008 DIFERENÇAS SAZONAIS NO FERMENTO ENDÓGENO UTILIZADO NA PRODUÇÃO DO QUEIJO MINAS ARTESANAL, FABRICADO NA SERRA DA CANASTRA, MINAS

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE LEITE UHT (ULTRA HIGH TEMPERATURE) COMERCIALIZADOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE LEITE UHT (ULTRA HIGH TEMPERATURE) COMERCIALIZADOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE LEITE UHT (ULTRA HIGH TEMPERATURE) COMERCIALIZADOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE A.B. Morais 1, P.V.A.H.A. Delmiro 2, T.A.L. Farias 3, K.O. de Lima 4 J.M. Campos 5, G.N.C.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Derivados lácteos Med. Vet. Karoline Mikaelle de Paiva Soares Leites Fermentados Padrões

Leia mais

ELABORAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BARRAS DE CEREAIS ELABORADAS COM RESÍDUO SÓLIDO DE CERVEJARIA

ELABORAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BARRAS DE CEREAIS ELABORADAS COM RESÍDUO SÓLIDO DE CERVEJARIA ELABORAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BARRAS DE CEREAIS ELABORADAS COM RESÍDUO SÓLIDO DE CERVEJARIA MOREIRA, Lidiane Muniz¹; REDMER, Mônica Beatriz Barz²; KÖHLER, Gerson Luis Bartz ³ ; CHIM, Josiane Freitas 4

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO QUEIJO COALHO ARTESANAL FABRICADO EM JUCATI PE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO QUEIJO COALHO ARTESANAL FABRICADO EM JUCATI PE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO QUEIJO COALHO ARTESANAL FABRICADO EM JUCATI PE João Rufino de Freitas Filho 1 João Sales de Souza Filho 2 Heraldo Bezerra de Oliveira 3 José Henrique Berto Angelo 4 Janieire Dorlamis

Leia mais

Camila Bonissoni. Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M.

Camila Bonissoni. Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M. Camila Bonissoni Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M. Da Croce Dentre os óleos vegetais comestíveis comercializados

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DO QUEIJO DE MANTEIGA COMERCIALIZADO NA FEIRA LIVRE DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA-PB. Apresentação: Pôster

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DO QUEIJO DE MANTEIGA COMERCIALIZADO NA FEIRA LIVRE DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA-PB. Apresentação: Pôster AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DO QUEIJO DE MANTEIGA COMERCIALIZADO NA FEIRA LIVRE DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA-PB Apresentação: Pôster Introdução Alcimar de Melo Dias 1 ; Vanessa Ribeiro de Lima Fidelis 2 ; Viviane

Leia mais

Composição química do café submetido ao processo de descafeinação.

Composição química do café submetido ao processo de descafeinação. Composição química do café submetido ao processo de descafeinação. AUTORES: E. M. Oliveira 1, (MESTRADO) S. T. Alvarenga 2, (DOUTORADO) L.M. C. Gomes 3, (MESTRADO) L. A. Vale 4, (MESTRADO) R. G. F. A.

Leia mais

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE Carla M. de MORAES 1

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E MICROSCÓPICA DO QUEIJO ARTESANAL COMERCIALIZADO EM RIO PARANAÍBA-MG

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E MICROSCÓPICA DO QUEIJO ARTESANAL COMERCIALIZADO EM RIO PARANAÍBA-MG Rev. Inst. Latic. Cândido Tostes, Set/Out, nº 382, 66: 21-26, 2011 Pág. 21 AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E MICROSCÓPICA DO QUEIJO ARTESANAL COMERCIALIZADO EM RIO PARANAÍBA-MG Physicochemical,

Leia mais

Ana Celina T. de A. Aureliano APEVISA Eneida Lacerda APEVISA Geise Maria da Silva Belo Visa Municipal - Recife Lúcia Roberta de Souza Filizola

Ana Celina T. de A. Aureliano APEVISA Eneida Lacerda APEVISA Geise Maria da Silva Belo Visa Municipal - Recife Lúcia Roberta de Souza Filizola CAPÍTULO 11 queijo de coalho pernambuco Equipe de Avaliadores e Gerenciamento de riscos Ana Celina T. de A. Aureliano APEVISA Eneida Lacerda APEVISA Geise Maria da Silva Belo Visa Municipal - Recife Lúcia

Leia mais

EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO

EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO Virgínia de Souza ÁLVARES 1 ; Joana Maria Leite de SOUZA 1 ; Jacson Rondinelli da Silva NEGREIROS 1 ; Lauro Saraiva

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Belém, PA 2014 CARACTERIZAÇÃO FÍSICA QUÍMICA DE RAÍZES DE MANDIOCABA Rodrigo

Leia mais

Comunicado102 Técnico

Comunicado102 Técnico Comunicado102 Técnico Prática e Processo Agropecuário On line Processamento artesanal de queijo Minas Frescal fabricado com leite de cabra ISSN 1676-7675 Sobral, Ce Dezembro, 2009 Antônio Sílvio do Egito

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril)

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) Thiago Silva Novais¹; Abraham Damian Giraldo Zuniga²; ¹ Aluno do Curso de Engenharia de Alimentos;

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte

Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte Alyne Resende Piassi ¹; Ana Carolina de Oliveira 1 ; Bianca Ribeiro de Moura¹; Bruna Beatriz

Leia mais

Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação

Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação Larissa Pereira

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO MELO, F. S. N. MELO 1, W. F. MARTINS 2, G. NICOLETTI 2, C. SILVEIRA 2, M. S. A. RODRIGUES 3, S. S. MARTINS 3 e A. dos S. ARAUJO

Leia mais

curados e introdução à formulações

curados e introdução à formulações TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS 1-Classificação de produtos cárneos curados e introdução à formulações Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira 1 Classificação de embutidos Crus Frescais

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO QUÍMICA DA POLPA E CASCA DE FRUTOS DO MANDACARÚ (Cereus jamacaru)

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO QUÍMICA DA POLPA E CASCA DE FRUTOS DO MANDACARÚ (Cereus jamacaru) CARACTERIZAÇÃO FÍSICO QUÍMICA DA POLPA E CASCA DE FRUTOS DO MANDACARÚ (Cereus jamacaru) Aline de Oliveira SILVA 1, Ademar Maia FILHO 2, João Alvino Sampaio da SILVA 3,Bárbara de Cássia da Rocha GORGONIO

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS LIMITES DE DETECÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DUREZA TOTAL EM MATRIZ ÁGUA

DETERMINAÇÃO DOS LIMITES DE DETECÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DUREZA TOTAL EM MATRIZ ÁGUA DETERMINAÇÃO DOS LIMITES DE DETECÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DUREZA TOTAL EM MATRIZ ÁGUA Vania Regina Kosloski 1, Deisy Maria Memlak 2, Joceane Pigatto, 3 Lilian Regina Barosky Carezia

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Análise de Alimentos CÓDIGO: ALM023 DEPARTAMENTO: Departamento de Alimentos PROGRAMA DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TEÓRICA CARGA HORÁRIA PRÁTICA CRÉDITOS 15 45 04 VERSÃO CURRICULAR: 2016/1 PERÍODO:

Leia mais

BIOQUÍMICA DO PESCADO

BIOQUÍMICA DO PESCADO BIOQUÍMICA DO PESCADO Aula 6 Profa. Elaine Cristina Santos BROMATOLOGIA A Bromatologia estuda os alimentos, sua composição química, sua ação no organismo, seu valor alimentício e calórico, suas propriedades

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE BLEND À BASE DE ACEROLA (Malpighia emarginata) E GOIABA (Psidium guajava)

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE BLEND À BASE DE ACEROLA (Malpighia emarginata) E GOIABA (Psidium guajava) CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE BLEND À BASE DE ACEROLA (Malpighia emarginata) E GOIABA (Psidium guajava) RESUMO Roberta Catarina Correa de Arruda 1 Lizelda Maria de Araújo 2 Lindomar Maria de Souza 3

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. para contato: daniane

Universidade Regional de Blumenau, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química.  para contato: daniane ESTUDO DO COMPORTAMENTO MICROBIOLÓGICO E FÍSICO- QUÍMICO DA LINGUIÇA BLUMENAU ENQRIQUECIDA COM FARINHA DE PUPUNHA ARMAZENADA EM DIFERENTES TEMPERATUTAS D. A. LEMOS 1, I. A. PAULO 2, L. F. CARVALHO 1, S.

Leia mais

ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA E ESTEARINA DE PALMA

ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA E ESTEARINA DE PALMA XII Congresso Latino-Americano de Óleos e Gorduras Centro de Convenções Centro Sul Florianópolis - SC ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO COM BAIXO TEOR DE SÓDIO E DE GORDURAS

DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO COM BAIXO TEOR DE SÓDIO E DE GORDURAS DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO COM BAIXO TEOR DE SÓDIO E DE GORDURAS MYLA ALEXANDRA SIMÃO DUARTE 1,2, LEIDIANE JOSI BUDEL 3, THAIS LARA MATHEUS², LETICIA HÜBSCHER², JUCIELI WEBER 4*

Leia mais

Características físico-químicas do leite pasteurizado tipo C e leite Ultra Alta Temperatura comercializados na cidade do Rio de Janeiro

Características físico-químicas do leite pasteurizado tipo C e leite Ultra Alta Temperatura comercializados na cidade do Rio de Janeiro ARTIO E ORIINAL/ORIINAL ARTICLE Características físico-químicas do leite pasteurizado tipo C e leite Ultra Alta Temperatura comercializados na cidade do Rio de Janeiro Physical- chemical features of pasteurized

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PATÊ.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PATÊ. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 31 DE JULHO DE 2000 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C PRODUZIDO E COMERCIALIZADO NA REGIÃO DE TANGARÁ DA SERRA MT, BRASIL ESTUDO DE CASO.

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C PRODUZIDO E COMERCIALIZADO NA REGIÃO DE TANGARÁ DA SERRA MT, BRASIL ESTUDO DE CASO. Pág. 22 Rev. Inst. Latic. Cândido Tostes, Jan/Fev, nº 366, 64: 22-27, 2009 AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C PRODUZIDO E COMERCIALIZADO NA REGIÃO DE TANGARÁ DA SERRA MT, BRASIL ESTUDO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE DIFERENTES MARCAS DE IOGURTE GREGO

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE DIFERENTES MARCAS DE IOGURTE GREGO CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE DIFERENTES MARCAS DE IOGURTE GREGO C.R.S. Amaral 1, L.C.P. Oliveira 1, I.C.T. Ribeiro 1, E.M. Arcanjo 1, N.F.M. Picanço 2, R.A.P.G. de Farias 2 1 Acadêmicas de Pós-Graduação

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Inclusão de Coadjuvante de Tecnologia/Elaboração no Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Leite em Pó.

Art. 1º Aprovar a Inclusão de Coadjuvante de Tecnologia/Elaboração no Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Leite em Pó. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 369, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Desenvolvimento e análise sensorial de doce de leite utilizando farinha de banana verde (Musa spp.)

Desenvolvimento e análise sensorial de doce de leite utilizando farinha de banana verde (Musa spp.) Desenvolvimento e análise sensorial de doce de leite utilizando farinha de banana verde (Musa spp.) Laura Costa Vitoi NASCIMENTO 1 ; Tamiris do Rosário NASCIMENTO 1 ; Rafael Antônio Nunes COURA 1 ; Alessandra

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL E TESTE DE ACEITAÇÃO DO QUEIJO DE COALHO PRODUZIDO COM LEITE CRU E PASTEURIZADO NA CIDADE DE CURRAIS NOVOS.

ANÁLISE SENSORIAL E TESTE DE ACEITAÇÃO DO QUEIJO DE COALHO PRODUZIDO COM LEITE CRU E PASTEURIZADO NA CIDADE DE CURRAIS NOVOS. ANÁLISE SENSORIAL E TESTE DE ACEITAÇÃO DO QUEIJO DE COALHO PRODUZIDO COM LEITE CRU E PASTEURIZADO NA CIDADE DE CURRAIS NOVOS. Maria Cecília Galdino de ARAÚJO; Ramon Araújo dos SANTOS; Cláudia Patrícia

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 CASSANEGO, Daniela Buzatti 2 ; MATTANNA, Paula 2 ; GUSSO, Ana Paula 2 ;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LEITE EM PÓ PELO PROCESSO DE SECAGEM EM SPRAY DRYER

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LEITE EM PÓ PELO PROCESSO DE SECAGEM EM SPRAY DRYER AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LEITE EM PÓ PELO PROCESSO DE SECAGEM EM SPRAY DRYER M. BALKE 1, J. KILIAN 2, C. STEFFENS 2, M. B. A. SOARES 2, J. STEFFENS 2 1 Instituto Federal Rio Grande do Sul Campus

Leia mais

Ana Lúcia de Freitas Saccol, Lize Stangarlin, Luisa Helena Hecktheuer, Neila Richards

Ana Lúcia de Freitas Saccol, Lize Stangarlin, Luisa Helena Hecktheuer, Neila Richards Ana Lúcia de Freitas Saccol, Lize Stangarlin, Luisa Helena Hecktheuer, Neila Richards Bento Gonçalves (RS), 22 de agosto de 2008 Sociedade Brasileira tem passado por mudanças Novos hábitos sociais (estilo

Leia mais

Recepção. Beneficiamento do leite

Recepção. Beneficiamento do leite Recepção Beneficiamento do leite Seleção do leite Provas de plataforma Provas sensoriais: aspectos visuais e aroma Prova do alizarol: leite deve ser estável alizarol 72%v/v Características de um leite

Leia mais

Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga

Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga 1. CREME DE LEITE 1.1 Conceito Produto lácteo relativamente rico em gordura retirada do leite por procedimento tecnologicamente adequado,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Tecnologia de Produtos de Origem Animal Código: VET226 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta: 8 Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência

Leia mais

Obtenção e avaliação de parâmetros físico-químicos da polpa de goiaba (Psidium guajava L.), cultivar Paluma

Obtenção e avaliação de parâmetros físico-químicos da polpa de goiaba (Psidium guajava L.), cultivar Paluma Obtenção e avaliação de parâmetros físico-químicos da polpa de goiaba (Psidium guajava L.), cultivar Paluma Edmilson César da SILVA¹; Claudia Helena de MAGALHÃES 2 ; Rogério Amaro GONÇALVES 2 1 Estudante

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAIS DO QUEIJO MINAS ARTESANAL PRODUZIDO NA REGIÃO DO SERRO, MINAS GERAIS 1

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAIS DO QUEIJO MINAS ARTESANAL PRODUZIDO NA REGIÃO DO SERRO, MINAS GERAIS 1 CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAIS DO QUEIJO MINAS ARTESANAL PRODUZIDO NA REGIÃO DO SERRO, MINAS GERAIS 1 Eduardo C. MACHADO 2, *, Célia L. L. F. FERREIRA 3, Leorges M. FONSECA 4, Fernanda M.

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PRODUTO REESTRUTURADO (HAMBÚRGUER BOVINO) CONTENDO SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA E INGREDIENTES FUNCIONAIS RESUMO

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PRODUTO REESTRUTURADO (HAMBÚRGUER BOVINO) CONTENDO SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA E INGREDIENTES FUNCIONAIS RESUMO 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PRODUTO REESTRUTURADO (HAMBÚRGUER BOVINO) CONTENDO

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE. Parte 2. Prof. Dr. André M. Jorge UNESP-FMVZ-Botucatu. Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu

PRODUÇÃO DE LEITE. Parte 2. Prof. Dr. André M. Jorge UNESP-FMVZ-Botucatu. Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu PRODUÇÃO DE LEITE Parte 2 Prof. Dr. André M. Jorge UNESP-FMVZ-Botucatu O búfalo na Itália 2 Granja Leiteira na Índia 3 O búfalo na Índia 4 Granja leiteira na China 5 O búfalo na China 6 Área de Produção

Leia mais

Art. 2 Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PALETA COZIDA

Art. 2 Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PALETA COZIDA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 6, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MIMSTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO,

Leia mais

Aplicação de sais fundentes e avaliação de aspectos físicoquímicos

Aplicação de sais fundentes e avaliação de aspectos físicoquímicos Por Kelly Calixto e Daphine Gonçalves Aplicação de sais fundentes e avaliação de aspectos físicoquímicos INTRODUÇÃO A tecnologia dos queijos fundidos surgiu durante o século XX, com a necessidade de controlar

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA UTILIZAÇÃO DE CISTERNAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SERTÃO PARAIBANO

DIAGNÓSTICO DA UTILIZAÇÃO DE CISTERNAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SERTÃO PARAIBANO DIAGNÓSTICO DA UTILIZAÇÃO DE CISTERNAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO SERTÃO PARAIBANO Jéssica Araújo Leite Martildes 1 ; Elisângela Maria da Silva 2 Universidade Federal de Campina Grande UFCG

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO MEL DE DIFERENTES ESPÉCIES DE ABELHAS NATIVAS CRIADAS NA CETREVI-EPAGRI-VIDEIRA

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO MEL DE DIFERENTES ESPÉCIES DE ABELHAS NATIVAS CRIADAS NA CETREVI-EPAGRI-VIDEIRA CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO MEL DE DIFERENTES ESPÉCIES DE ABELHAS NATIVAS CRIADAS NA CETREVI-EPAGRI-VIDEIRA Serigheli, Luiz Felipe C. 1 ; Friedemann, Maurício T. 2 ; Torres, Aledson R. 3 ; Afonso,

Leia mais

Prof. Jean Berg Alves da Silva

Prof. Jean Berg Alves da Silva Prof. Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA DCAn Graduação HIGIENE ANIMAL INSPEÇÃO DE

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES

Leia mais

Qual o papel do leite na natureza????

Qual o papel do leite na natureza???? INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, Disciplina: Análise de Alimentos CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Análise de Leite Métodos qualitativos e quantitativos INTRODUÇÃO Qual o papel do leite na natureza????

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 1 INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 Yanna Julia Dantas de Souza 2, Jardson Álvaro Freitas Bezerra 3, Hozineide Oliveira Rolim 4,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal

Leia mais