SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POR IMPULSO: UMA IMPLEMENTAÇÃO DIDÁTICA EM SOFTWARE LIVRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POR IMPULSO: UMA IMPLEMENTAÇÃO DIDÁTICA EM SOFTWARE LIVRE"

Transcrição

1 SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POR IMPULSO: UMA IMPLEMENTAÇÃO DIDÁTICA EM SOFTWARE LIVRE José Tarcísio Franco de Camargo Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Rua dos Estudantes, s/n Cachoeira de Cima Caixa Postal: Mogi Guaçu SP Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL) João Alexandre Bortoloti Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Jomar Barros Filho Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Estéfano Vizconde Veraszto Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Resumo: O ensino de técnicas de negociação de ações em disciplinas de engenharia econômica pode ser bastante facilitado através do uso de ferramentas computacionais. Dentro deste escopo, apresentamos um sistema computacional desenvolvido com o propósito de fornecer aos alunos desta área um instrumento para a análise técnica do mercado de ações. Além da criação de uma ferramenta didática propriamente, nosso objetivo também consiste no desenvolvimento de uma plataforma livre e aberta para uso e atualização. Dessa forma, espera-se que este projeto possa contribuir para o aprizado dos alunos e para a divulgação de uma técnica de análise do mercado de ações. Todo o projeto é fundamentado dentro da concepção de software livre. Palavras-chave: Econometria, Análise técnica de ações, Sistema de negociação por impulso. 1 INTRODUÇÃO O ponto de partida deste trabalho surgiu dos resultados insatisfatórios obtidos quanto à aprizagem dos alunos nas disciplinas de engenharia econômica. Neste contexto, o ensino de técnicas e sistemas de negociação de ações tem se apresentado extremamente difícil. Em geral, os alunos apresentam grande dificuldade em extrair conclusões de um conjunto de dados, mesmo já to passado pelas disciplinas de estatística e métodos quantitativos. Muitos estudantes apresentam dificuldades para ler e interpretar gráficos e não sabem ao certo quando podem empregar médias, modas, medianas e vários tipos de desvios. Assim, este grupo de professores tem atuado no desenvolvimento de ferramentas computacionais gráficas, no âmbito do software livre, que visam permitir aos alunos uma melhor visualização de um conjunto de dados econômicos/estatísticos, vindo a contribuir para a aprizagem destes nesta área. Página 1 de 11

2 Num momento em que a interação das pessoas com o meio passa por mudanças, por exemplo o uso de dispositivos de comunicação e computação móveis, observamos que nossos alunos tem a tência de tirar conclusões da realidade através de ferramentas gráficas mais próximas de sua sensibilidade, daí a idéia de se desenvolver pacotes computacionais gráficos destinados à análise do mercado de ações à vista. Especificamente, este trabalho apresenta os resultados obtidos no desenvolvimento de um software que prete apresentar aos alunos uma técnica de negociação de ações denominada sistema de negociação por impulso (impulse system), descrita inicialmente em (ELDER, 2002). O programa confeccionado neste trabalho possui código livre e aberto e espera-se que seja atualizado e aperfeiçoado ao longo do tempo com a contribuição dos próprios alunos, de outros usuários e programadores. Um fator importante no desenvolvimento deste software é a simplicidade na utilização do mesmo. Muitos usuários não possuem conhecimentos avançados em informática e, assim, para que um software se popularize, é fundamental que haja simplicidade na aquisição dos dados, tratamento e apresentação dos gráficos. Este texto não prete expor em detalhes todos os fundamentos da análise técnica e das operações de mercado, mas sim apenas os indicadores envolvidos no sistema que propomos estudar. Noções fundamentais da área podem ser observadas em (ABE, 2009), (FURTADO, 2010) e (PUGA, 2010), enquanto que algumas técnicas mais elaboradas de negociação podem ser encontradas em (ELDER, 2009), (MARTINS, 2010) e (PUGA & RODRIGUES, 2010). 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS O Impulse System caracteriza-se por combinar dois indicadores relativamente simples: uma média móvel exponencial (MME), descrita em (ELDER, 1993) e (PUGA & RODRIGUES, 2010), a qual mede a inércia do mercado, e um histograma MACD (Moving Average Convergence/Divergence), também descrito em (ELDER, 1993) e (PUGA & RODRIGUES, 2010), o qual mede o impulso do ativo. Quando ambos apontam na mesma direção identificase um impulso a ser seguido. Segundo (ELDER, 2002), temos um sinal de entrada quando ambos os indicadores possuem inclinação ascente e um sinal de saída quando estes deixam de se confirmar. Ainda de acordo com (ELDER, 2002), devem ser utilizadas duas MMEs, uma semanal, de 26 semanas, para a verificação da tência de longo prazo, e uma MME diária de 13 dias para a observação da tência de curto prazo. Caso estas tências encontrem-se em movimento ascente, deve-se procurar a confirmação através do histograma MACD, parametrizado em dias, que também deverá ter inclinação ascente para que seja confirmado o sinal de compra. Quando qualquer um destes três indicadores passar a apresentar inclinação descente, temos o sinal de va. O impulse system usa as MMEs para detectar tências de alta e baixa. Por sua vez, o histograma MACD é o componente que confirmará ou não a tência de alta. Quando as MMEs e o histograma MACD sobem, sabe-se que a tência de alta está se acelerando. Por outro lado, quando ambas caem constata-se que o mercado está se tornando baixista. 2.1 As médias móveis Uma média móvel caracteriza-se por indicar um valor médio de um intervalo de amostras sequenciais dentro de uma série temporal. Duas medias móveis bastante comuns em econometria são a aritmética e a exponencial. Página 2 de 11

3 A média móvel aritmética (MMA) fornece pesos iguais para todas as amostras dentro do intervalo de observação. Por sua vez, uma média móvel exponencial (MME) caracteriza-se por conceder um maior peso às amostras mais recentes dentro do intervalo de observação. Cada uma delas apresenta implicações distintas para determinadas aplicações. A MMA de k amostras avaliada sobre uma série temporal S = {s 1, s 2,..., s n } composta por n elementos também é caracterizada por uma série temporal com (n-k+1) elementos, podo ser definida na forma MMA = {m 1, m 2,..., m i,..., m n-k+1 }. onde: m i = ( i+ k 1) s j j= i k (1) Dessa forma, convencionaremos que a MMA de k amostras (dias, por exemplo) sobre uma série temporal S será representada por MMA k (S). A MME de k amostras avaliada sobre a mesma série temporal S também será uma série temporal com (n-k+1) elementos, so definida por MME = {m1, m 2,..., m i,..., m n-k+1 }. onde, para i > 1: m s θ + m (1 ) (2) i = k+ i 1 i 1 θ e: 2 θ = (3) n + 1 so m 1 calculado através de uma média na forma: m k j= = 1 1 k s j (4) Dessa forma, convencionaremos que a MME de k amostras (dias, por exemplo) sobre uma série temporal S será representada por MME k (S). 2.2 Convergência e divergência de médias móveis (MACD) O MACD (Moving Average Convergence/Divergence) ou convergência e divergência de médias móveis é um indicador de tências criado por Gerald Appel na década de 1960 e mostra a diferença entre dois sinais, denominados rápido e lento, gerados a partir de MMEs de uma determinada série temporal. Este indicador é calculado a partir da diferença entre duas MMEs: uma de curto prazo (normalmente de 12 dias no caso do Impulse System) e outra de longo prazo (normalmente de 26 dias para este sistema) de uma série temporal. À diferença entre a MME de curto prazo e a MME de longo prazo damos o nome de linha rápida (lr): lr = MME 12 (S) MME 26 (S) (5) Página 3 de 11

4 Por sua vez, se aplicarmos uma MME de 9 dias sobre a linha rápida, estaremos criando a linha lenta (ll) deste indicador: ll = MME 9 (lr) (6) Finalmente, o histograma do MACD pode ser construído através da diferença entre as linhas rápida e lenta : Histograma MACD = lr ll (7) A linha rápida do MACD reflete o consenso de curto prazo do ativo em análise, enquanto que a linha lenta do MACD reflete o consenso de longo prazo do mesmo. Ao representarmos estas duas linhas em um mesmo gráfico, quando a linha rápida desloca-se acima da linha lenta temos a indicação de uma tência altista. Por sua vez, quando a linha rápida cai abaixo da linha lenta temos a indicação de uma tência baixista. Neste contexto, o histograma MACD reflete a diferença entre o consenso de curto prazo e o de longo prazo. Quando as barras do histograma MACD adquirem uma inclinação ascente, observa-se uma tência altista. Por sua vez, caso as barras do histograma adquiram uma inclinação descente, há uma tência de baixa para o ativo em análise. 3 IMPLEMENTAÇÃO Para a implementação sob a ótica do código livre e aberto, optou-se pela linguagem de programação do Scilab (http://www.scilab.org). Este software caracteriza-se por ser uma ferramenta de cálculo numérico e representação gráfica, que ate plenamente às necessidades da análise técnica do mercado de ações. As subseções seguintes apresentam o código da espinha dorsal do programa (as implementações para os cálculos da MMA, da MME e do histograma) e uma visão geral da interface de comunicação com o usuário. 3.1 Implementação dos códigos para as médias móveis A construção dos códigos de cálculo da MMA e da MME é representada na forma: function mm_a=mma(num_am,num_dados,valores) for i = num_am:num_dados mm_a(i) = 0. for j = 0:(num_am - 1) mm_a(i) = mm_a(i) + valores(i-j) mm_a(i) = mm_a(i)/num_am function Esta função calcula a MMA sobre uma série temporal. A função solicita, como entrada, três parâmetros: num_am, que indica quantas amostras serão consideradas no cálculo de um Página 4 de 11

5 elemento da média móvel, num_dados, que representa o tamanho da série temporal sobre a qual será determinada a MMA e valores, que é o vetor que contém a série temporal propriamente. Como elemento de retorno, esta função devolve o vetor mm_a que conterá os elementos da MMA calculada. Por sua vez, a função abaixo calcula a MME sobre uma série temporal: function mm_e=mme(num_am,num_dados,valores) mm_e(num_am) = 0; for i = 1:(num_am) mm_e(num_am) = mm_e(num_am) + valores(i) mm_e(num_am) = mm_e(num_am)/num_am k = 2/(num_am + 1) for i = (num_am+1):num_dados mm_e(i) = (1-k)*mm_e(i-1) + k*valores(i) function Esta função também solicita três parâmetros como entrada: num_am, que indica quantas amostras serão consideradas no cálculo de um elemento da média móvel, num_dados, que representa o tamanho da série temporal sobre a qual será determinada a MME e valores, que é o vetor que contém a série temporal propriamente. Como elemento de retorno, esta função devolve o vetor mm_e que conterá os elementos da MME calculada. 3.2 Implementação do MACD O histograma para uma série temporal pode ser obtido através do seguinte código: nd_c = 12; // Periodo da MME curta nd_l = 26; // Periodo da MME longa nd_lenta = 9; // Periodo da linha lenta mme_c = mme(nd_c,n_dados,cotacao) // Calculo da MME curta mme_l = mme(nd_l,n_dados,cotacao) // Calculo da MME longa lr = mme_c - mme_l // Calculo da Linha Rapida (lr) ll = 1:n_dados // Calculo da Linha Lenta (ll) // Calcula a primeira ll ll(nd_l+nd_lenta-1) = 0 for i = (nd_l):(nd_l+nd_lenta-1) ll(nd_l+nd_lenta-1) = ll(nd_l+nd_lenta-1) + lr(i) ll(nd_l+nd_lenta-1) = ll(nd_l+nd_lenta-1)/nd_lenta; // ajusta a media // Calcula os demais pontos da ll k = 2/(nd_lenta + 1); // calc. o fator "k" for i = (nd_l+nd_lenta):n_dados ll(i) = (1-k)*ll(i-1) + k*lr(i); // calcula a ll do dia // Calculo do histograma Página 5 de 11

6 for i = 1:n_dados histog(i) = lr(i) - ll(i) O código do MACD inicia-se com a definição dos períodos para o cálculo do mesmo ( ). Na sequência, o programa determina as MMEs de curta e longa duração para, a partir destas, efetuar o cálculo da linha rápida. Por sua vez, a linha lenta é construída a partir de uma MME de 9 períodos da linha rápida. Após a definição das linhas rápida e lenta o passo seguinte calcula o histograma do MACD, que é determinado pela diferença destas linhas. Uma característica relevante notada na implementação exata do Impulse System proposta por Alexander Elder é que ele, sob certas circunstâncias, acaba por desfazer posições compradas interessantes em momentos onde o mercado passa por ligeiras oscilações. Dessa forma, qualquer oscilação negativa no histograma MACD, por menor que seja, irá disparar um sinal de va orientando o investidor a assumir uma posição vida. Tal fato constitui um inconveniente sério, to em vista que o histograma MACD poderá retomar a tência de alta logo em seguida e, caso o investidor decida retomar a posição comprada, deverá arcar novamente com os custos de comissão e emolumentos. Para compensar um eventual ruído na configuração do histograma MACD, é proposta uma pequena alteração no algoritmo de Alexander Elder, através da suavização do histograma MACD por intermédio de uma MME de período próximo à MME de curta duração. // FILTRAGREM DO HISTOGRAMA PARA MINIMIZACAO DE RUIDOS N_histog = mme(p_mme_d,n_dados,histog) 3.3 Visão geral da interface com o usuário A Figura 1 apresenta a interface gráfica disponível ao usuário deste sistema. Figura 1: Interface gráfica do programa. Página 6 de 11

7 Trata-se de uma interface relativamente simples, através da qual o usuário pode importar dados atualizados de uma determinada ação ou mesmo executar a verificação do impulso com dados previamente armazenados no banco de dados do sistema. Esta interface, atualmente, é capaz de importar dados do website Yahoo Finance. Caso o usuário opte por importar os dados de uma determinada ação ele deve selecionar a ação desejada (através do quadro à direita da interface), indicar a periodicidade pretida para os dados (diária ou semanal, indicada através dos botões de rádio à esquerda da interface), as datas de início e fim para a busca dos dados (caixas de edição abaixo dos botões de rádio) e, finalmente, pressionar o botão Importar. A seguir, o programa buscará conectar-se com o website para o download efetivo dos dados. Após a importação dos dados, uma nova janela se abrirá ao lado da interface, apresentando um gráfico do tipo candlestick (conto parâmetros de abertura, fechamento, máximo e mínimo para a ação) e um histograma informando o volume de negociações ao longo do período em análise. Para verificar o impulso da ação recém-carregada ou de qualquer outra, basta selecionar a ação no quadro à direita da interface e pressionar o botão Verificar!. 4 ANÁLISE DE RESULTADOS A Figura 2 apresenta um estudo realizado para as ações PNA da Cia. Vale (VALE5). Figura 2: Estudo realizado para as ações VALE5 no período de 04/12/09 a 02/12/10. Na parte superior da Figura 2 temos a representação gráfica dos preços de fechamento no período indicado, além da linha de MMEs diárias (13 dias) e da linha de MMEs semanais (26 Página 7 de 11

8 semanas). O gráfico central apresenta as linhas rápida e lenta do MACD além de seu histograma, criados sem a utilização do filtro proposto na subseção 3.2. O gráfico na parte inferior da Figura 2 apresenta pulsos em azul, que apontam uma indicação de compra. Como pode ser notado, dada a sensibilidade deste sistema (comprar apenas se todos os indicadores possuírem inclinação ascente), o gráfico de indicação de compra apresenta diversos pulsos descontínuos em torno de 09/03/10. Isto se deve ao fato de que o histograma possui, naquela região, barras de valores muito próximos que se encontram oscilando para mais ou para menos, dentro de uma faixa relativamente estreita, mas suficiente para reverter o sinal de compra. Contudo, se observarmos o gráfico superior, é notável que a tência de alta encontra-se firme dentro de uma faixa relativamente maior. Nesta situação, caso o investidor siga fielmente as indicações do sistema impulso, certamente terá custos consideráveis atrelados às comissões de compra e va e emolumentos. Assim, como forma de minimizar este efeito negativo, propomos uma variação no método de Alexander Elder através da aplicação de um filtro sobre as indicações do histograma, imediatamente antes da geração dos impulsos de compra/va. A Figura 3 apresenta o mesmo estudo, realizado com os mesmos parâmetros, porém considerando um filtro sobre os valores do histograma antes da geração do gráfico de impulsos. Figura 3: Estudo realizado para as ações VALE5 com um filtro sobre o histograma MACD. O filtro em questão consiste apenas de uma média móvel com período igual ao da MME de curta duração da análise diária (13 dias). A princípio, podem ser utilizadas uma MMA ou MME para a definição deste filtro. Contudo, em simulações realizadas, a utilização de uma MMA mostrou-se desaconselhável pois provocava um atraso significativo na composição Página 8 de 11

9 do sinal de compra/va. Isto pode ser justificado pelo fato de que uma MMA concede pesos iguais a todas as barras (dias) consideradas dentro do período de análise. Por sua vez, a utilização de uma MME para filtragem do histograma mostrou-se mais eficiente à medida em que os efeitos do atraso foram reduzidos de forma significativa. Isto pode ser verificado se considerarmos que uma MME concede pesos maiores às barras mais atuais. É notável, na Figura 3, a suavização conseguida nos sinais de compra/va. Embora ainda existam falsos sinais de va no decorrer do período de alta em torno de março/abril de 2010, estes possuem freqüência bem menor do que na análise anterior. Eventualmente estes buracos poderiam ser preenchidos através da adoção de uma MME com outros parâmetros, contudo, o risco de que o programa deixe de indicar sinais verdadeiros de va é considerável caso isto seja implementado. De qualquer forma, dada a concepção livre e aberta deste código, o usuário é livre para executar as alterações que considerar conveniente. A Figura 4, por sua vez, apresenta um estudo bastante interessante para as ações PN da Petrobrás (PETR4) no mesmo período considerado para as ações VALE5. Figura 4: Estudo sobre as ações PETR4 no período de 04/12/09 a 02/12/10 (com filtro). Pode ser notado que, praticamente ao longo de quase todo o período em análise, as ações da Petrobrás apresentam uma inclinação descente. Apenas em torno de fevereiro/2010 existe uma clara tência de alta a qual é sinalizada como compra neste programa. Além desta região, apenas no período entre março e abril de 2010 existe um intervalo fugaz de compra, o qual também é sinalizado pelo sistema. Página 9 de 11

10 5 CONCLUSÕES GERAIS Esta implementação para o Impulse System apresentou resultados bastante interessantes e coerentes com a proposta do mesmo. As regiões de negociação indicadas nos gráficos de barras das figuras 2 e 4 ilustram os pontos de entrada e saídas dos respectivos gráficos MACD destas figuras. Dessa forma, nossos alunos podem visualizar, de forma mais clara e prática, os pontos de compra e va de um determinado ativo a partir de seus gráficos. A adoção de um filtro para o histograma MACD trouxe uma suavização considerável para os sinais de compra/va gerados, conforme pode ser observado se comparadas as figuras 2 e 3. Dessa forma, tornam-se mais confiáveis ao investidor (ou ao aluno, no caso de uma simulação) as indicações de pontos de compra e va de ações. A implementação com código livre e aberto através do Scilab mostrou-se estável e eficiente, so esperado que este tipo de proposta (implementação com código livre e aberto) venha a promover a expansão e evolução das ferramentas de análise técnica do mercado de ações, bem como venham a contribuir significativamente com o aprizado dos alunos nesta área. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABE, M.; Manual de Análise Técnica: Essência e Estratégias Avançadas, Novatec, ELDER, A.; Trading for a Living, John Willey & Sons Inc., ELDER, A.; Come Into My Trading Room, John Willey & Sons Inc., ELDER, A.; Sell and Sell Short, John Willey & Sons Inc., FURTADO, W.; Guia para Investir em Ações, Coleção Expo Money, Campus/Elsevier, MARTINS, C.; Os Supersinais da Análise Técnica, Coleção Expo Money, Campus/Elsevier, PUGA, R.; Formação de Investidores, Coleção Expo Money, Campus/Elsevier, PUGA, R. e RODRIGUES, M.; Formação de Traders, Coleção Expo Money, Campus/Elsevier, IMPULSE SYSTEM FOR TRADING SHARES: A DIDACTIC IMPLEMENTATION IN FREE SOFTWARE Abstract: The teaching of techniques of stock trading in the disciplines of engineering economics can be greatly facilitated through the use of computational tools. Within this scope, we present a computational system developed for the purpose of providing students of this area a tool for technical analysis of stock market. In addition to creating a teaching tool properly, our goal also is to develop a free and open platform to use and update. Thus, it is expected that this project can contribute to student learning and the dissemination of a technical tool for analysis of stock market. The entire project is based within the concept of free software. Página 10 de 11

11 Key-words: Econometry, Technical analysis of shares, Impulse System. Página 11 de 11

SETA (SISTEMA PARA ESTUDO TÉCNICO DE AÇÕES) UMA CAIXA DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

SETA (SISTEMA PARA ESTUDO TÉCNICO DE AÇÕES) UMA CAIXA DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES SETA (SISTEMA PARA ESTUDO TÉCNICO DE AÇÕES) UMA CAIXA DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Faculdade Municipal

Leia mais

FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Rua dos Estudantes, s/n Cachoeira

Leia mais

VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE

VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM)

Leia mais

Uma implementação computacional livre e aberta para o sistema de negociação de ações por impulso (Impulse System)

Uma implementação computacional livre e aberta para o sistema de negociação de ações por impulso (Impulse System) Uma implementação computacional livre e aberta para o sistema de negociação de ações por impulso (Impulse System) CAMARGO, José Tarcísio Franco de Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Centro

Leia mais

Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações

Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações 2010 Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações Mogi Guaçu/SP Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações Equipe

Leia mais

Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações

Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações José Tarcísio F. de Camargo Faculdade Municipal Professor Franco Montoro (2012) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE

VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM)

Leia mais

SIMBLER: UM SIMULADOR DE LINGUAGEM DE MONTAGEM DIDÁTICO

SIMBLER: UM SIMULADOR DE LINGUAGEM DE MONTAGEM DIDÁTICO SIMBLER: UM SIMULADOR DE LINGUAGEM DE MONTAGEM DIDÁTICO José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Rua dos Estudantes, s/n Cachoeira de Cima Caixa Postal: 293-13.843-971 Mogi Guaçu SP Centro Regional

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR João Batista de Jesus FATEC-JAHU Célio Favoni 2 FATEC-JAHU Resumo Este trabalho expõe de maneira sintetizada as funcionalidades

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Guia Site Empresarial

Guia Site Empresarial Guia Site Empresarial Índice 1 - Fazer Fatura... 2 1.1 - Fazer uma nova fatura por valores de crédito... 2 1.2 - Fazer fatura alterando limites dos cartões... 6 1.3 - Fazer fatura repetindo última solicitação

Leia mais

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos)

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos) Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Seja bem-vindo(a) ao Simulador de Ações FinanceDesktop. Seu propósito é oferecer um ambiente completo e fácil de usar que permita o registro

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES Professor Carlos Muniz Atualizar um driver de hardware que não está funcionando adequadamente Caso tenha um dispositivo de hardware que não esteja funcionando corretamente

Leia mais

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi MINICURSO SEMAT Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities Lucas Guilherme Rigo Canevazzi Matheus Furtado de Souza Popp Prof. Dr. Geraldo Nunes Silva Prof. Dr. Maurílio

Leia mais

Joseilton S. Correia

Joseilton S. Correia O P E R A N D O N A Bolsa de Valores U T I L I Z A N D O ANÁLISE TÉCNICA Aprenda a identificar o melhor momento para comprar e vender ações Joseilton S. Correia Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation 29 3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation A participação na competição Agent Reputation Trust (ART) Testbed [10] motivou o estudo do domínio

Leia mais

Curso Análise Técnica 1

Curso Análise Técnica 1 Curso Análise Técnica 1 Módulo 2 de 4 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Médias Móveis Linhas contínuas utilizadas como Suporte e Resistência; Podem ser traçadas com qualquer média estatística,

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação

Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação 2010 Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação Mogi Guaçu/SP Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação Equipe

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI

Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI Relatório Intermédio de Agentes e Inteligência

Leia mais

SUMÁRIO. Faculdade Católica do Tocantins www.catolica-to.edu.br

SUMÁRIO. Faculdade Católica do Tocantins www.catolica-to.edu.br MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO Passo a passo do Portal Acadêmico www.catolica-to.edu.br - suporterm@catolica-to.edu.br SUMÁRIO Objetivo Manual do Portal Acadêmico... 03 Navegadores... 03 Endereço Eletrônico

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII Anexo VIII Este Manual do Usuário possui caráter informativo e complementar ao Edital do Leilão de Venda de Reduções Certificadas de Emissão nº 001/2012, promovido pela Prefeitura da Cidade de São Paulo

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL MÓDULO 3 - PRESENCIAL CmapTools É um software para autoria de Mapas Conceituais desenvolvido pelo Institute for Human Machine Cognition da University of West Florida1, sob a supervisão do Dr. Alberto J.

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico

Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico 2015 GVDASA Sistemas Pedagógico 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações

Leia mais

SITE VOLUMES INTEGRAÇÃO WEB para TMS. Apresentação Operacional. Connecting Business

SITE VOLUMES INTEGRAÇÃO WEB para TMS. Apresentação Operacional. Connecting Business SITE VOLUMES INTEGRAÇÃO WEB para TMS Apresentação Operacional Site Volumes MSP Especialista em integração de dados entre sistemas e plataformas, a MSP possui uma equipe técnica com experiência comprovada

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

Manual Documentação de Arquivos. Tela Classificação de Arquivo

Manual Documentação de Arquivos. Tela Classificação de Arquivo Manual Documentação de Arquivos Tela Classificação de Arquivo Objetivo e orientações iniciais Registro das classificações dos arquivos: título e unidade organizacional responsável. Menu: Documentação Classificação

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Guia de Novas Funcionalidades Urano Integra 2.3 Data: 15/04/2015

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Sistema de Controle. Como entrar no sistema. Tela inicial. Funcionalidades do sistema. Controle de permissões. Menu Aplicativo

Sistema de Controle. Como entrar no sistema. Tela inicial. Funcionalidades do sistema. Controle de permissões. Menu Aplicativo Sistema de Controle Logístico de Medicamentos Como entrar no sistema 1 Tela inicial Funcionalidades do sistema Controle de permissões Menu Aplicativo Gerenciador de relatórios 0800 61 2439 siclom@aids.gov.br

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Análise Técnica de Títulos no Mercado de Ações

Análise Técnica de Títulos no Mercado de Ações Análise Técnica de Títulos no Mercado de Ações Maiara Heil Cancian, Rafael Luiz Cancian Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar (CTTMar) Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) Rodovia SC 407

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit Presskit Guia Rápido Release 2.0 Presskit 06/07/2009 Sumário 1 Login 2 Login e Senha...................................... 2 Esqueci minha senha.................................. 2 Fale Com o Suporte...................................

Leia mais

SISCOF - Manual do Usuário

SISCOF - Manual do Usuário SISCOF - Manual do Usuário SERPRO / SUPDE / DECTA / DE901 SISTEMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA Versão 1.2 Sumário SISCOF Sistema de Controle de Frequência 1. Login e Senha... 2 1.1 Como Efetuar Login No Sistema...

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais

Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais Rafael Cardoso 1. OBJETIVO: Este guia de aplicação tem o objetivo de apresentar uma importante ferramenta disponível

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

Após o download seguir os procedimentos abaixo:

Após o download seguir os procedimentos abaixo: Modelos: Sintoma: Solução: Somente para o modelo: 8Y3282-H. Não inicializa o Android ; Trava / Não responde Comandos ; Problemas para instalar Aplicativos (Compatíveis) ; Interferência na imagem. Realizar

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Manual Operacional SIGA

Manual Operacional SIGA SMS - ATTI Julho -2012 Conteúdo Sumário... 2... 3 Consultar Registros... 4 Realizar Atendimento... 9 Adicionar Procedimento... 11 Não Atendimento... 15 Novo Atendimento... 16 Relatórios Dados Estatísticos...

Leia mais

Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento?

Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento? Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento? Observação: o presente trabalho não revela a identidade do

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONFERÊNCIA DE ESTOQUE Aplicativo Controle de Estoque Desktop

MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONFERÊNCIA DE ESTOQUE Aplicativo Controle de Estoque Desktop MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONFERÊNCIA DE ESTOQUE Aplicativo Controle de Estoque Desktop 1 1 CONFERÊNCIA DE INVENTÁRIO... 3 2 LEITURAS REALIZADAS... 4 3 LEITURAS ENCADEADAS... 6 4 COMPARAÇÃO DE ESTOQUE... 8

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Manual do Sistema "Vida Controle de Contatos" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Vida Controle de Contatos Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Vida Controle de Contatos" Editorial Brazil Informatica I Vida Controle de Contatos Conteúdo Part I Introdução 2 1 Vida Controle... de Contatos Pessoais 2 Part II Configuração 2 1 Configuração...

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

SIS 0011 Sistema de Visão com Perceptron Lento

SIS 0011 Sistema de Visão com Perceptron Lento SIS 0011 Sistema de Visão com Perceptron Lento Guia Rápido de estratégia, configuração e operação Robôs Investidores Sumário 1) Sobre o Trajecta Open... 4 2) Estratégia: Sistema de Visão com Perceptron

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais

Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais Carlos E. Thomaz 1 e Marley M.B.R. Vellasco 2 1 Departamento de Engenharia Elétrica (IAAA), FEI, São Paulo, Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas Aula 02 Excel 2010 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Operações básicas; 2. Utilizando Funções; 3. Funções Lógicas; 4. Gráficos no Excel;

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales INDÍCE O que é?... 3 Como se configura?... 3 ARTSOFT... 3 ANDROID... 3 Login... 4 Home... 5 Funcionalidades... 6 Sincronização... 6 Contas... 7 Consultas... 7 Resumos...

Leia mais

Table of Contents. PowerPoint XP

Table of Contents. PowerPoint XP Table of Contents Finalizando a apresentação...1 Usando anotações...1 Desfazer e repetir...1 Localizar e substituir...2 Substituir...2 Efeitos de transição...3 Esquema de animação...6 Controlando os tempos

Leia mais

Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card

Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2011 página 1 de 13 Pré-requisitos para a instalação Software de Certificação Digital

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

V 1.0 LINAEDUCA - GUIA DE USO

V 1.0 LINAEDUCA - GUIA DE USO V 1.0 LINAEDUCA - GUIA DE USO ARGO Internet ARGO.com.br 2013 Sumário 1. Instalação... 2 1.1 Windows... 2 2 Guia de Uso... 5 2.1 Inicialização... 5 2.1.1 Modo Casa... 5 2.1.2 Modo escola... 6 2.2 Cadastro

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa. Nele, nossos clientes poderão acessar

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com Osciladores Forex O que é o oscilador e por que precisamos usa-lo? Esta é uma técnica de análise que é utilizado para previsão do mercado Forex. Os osciladores são calculados por meio de indicadores, usando

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 2. MANIPULAÇÃO DE DOCUMENTOS Os processadores de textos possibilitam a criação e a manipulação de diversos modelos de documentos. Com eles

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL;

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL; Boletim Técnico EP3 11/07 Utilizando Funções e Blocos Funcionais de usuário pelo software A1 19 de outubro de 2007 O objetivo deste boletim é mostrar como utilizar o recurso de Funções (Functions) e Blocos

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

Instalar o Projeto Colibri RCP 7.0.2 no Ubuntu 12.04

Instalar o Projeto Colibri RCP 7.0.2 no Ubuntu 12.04 Instalar o Projeto Colibri RCP 7.0.2 no Ubuntu 12.04 O Sistema Operativo Linux, embora com uma baixíssima quota de mercado, quando comparado com Windows e OS X, no que refere a computadores pessoais, e

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Linux R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Linux R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2015 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações necessárias

Leia mais