SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POR IMPULSO: UMA IMPLEMENTAÇÃO DIDÁTICA EM SOFTWARE LIVRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POR IMPULSO: UMA IMPLEMENTAÇÃO DIDÁTICA EM SOFTWARE LIVRE"

Transcrição

1 SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POR IMPULSO: UMA IMPLEMENTAÇÃO DIDÁTICA EM SOFTWARE LIVRE José Tarcísio Franco de Camargo Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Rua dos Estudantes, s/n Cachoeira de Cima Caixa Postal: Mogi Guaçu SP Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL) João Alexandre Bortoloti Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Jomar Barros Filho Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Estéfano Vizconde Veraszto Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Resumo: O ensino de técnicas de negociação de ações em disciplinas de engenharia econômica pode ser bastante facilitado através do uso de ferramentas computacionais. Dentro deste escopo, apresentamos um sistema computacional desenvolvido com o propósito de fornecer aos alunos desta área um instrumento para a análise técnica do mercado de ações. Além da criação de uma ferramenta didática propriamente, nosso objetivo também consiste no desenvolvimento de uma plataforma livre e aberta para uso e atualização. Dessa forma, espera-se que este projeto possa contribuir para o aprizado dos alunos e para a divulgação de uma técnica de análise do mercado de ações. Todo o projeto é fundamentado dentro da concepção de software livre. Palavras-chave: Econometria, Análise técnica de ações, Sistema de negociação por impulso. 1 INTRODUÇÃO O ponto de partida deste trabalho surgiu dos resultados insatisfatórios obtidos quanto à aprizagem dos alunos nas disciplinas de engenharia econômica. Neste contexto, o ensino de técnicas e sistemas de negociação de ações tem se apresentado extremamente difícil. Em geral, os alunos apresentam grande dificuldade em extrair conclusões de um conjunto de dados, mesmo já to passado pelas disciplinas de estatística e métodos quantitativos. Muitos estudantes apresentam dificuldades para ler e interpretar gráficos e não sabem ao certo quando podem empregar médias, modas, medianas e vários tipos de desvios. Assim, este grupo de professores tem atuado no desenvolvimento de ferramentas computacionais gráficas, no âmbito do software livre, que visam permitir aos alunos uma melhor visualização de um conjunto de dados econômicos/estatísticos, vindo a contribuir para a aprizagem destes nesta área. Página 1 de 11

2 Num momento em que a interação das pessoas com o meio passa por mudanças, por exemplo o uso de dispositivos de comunicação e computação móveis, observamos que nossos alunos tem a tência de tirar conclusões da realidade através de ferramentas gráficas mais próximas de sua sensibilidade, daí a idéia de se desenvolver pacotes computacionais gráficos destinados à análise do mercado de ações à vista. Especificamente, este trabalho apresenta os resultados obtidos no desenvolvimento de um software que prete apresentar aos alunos uma técnica de negociação de ações denominada sistema de negociação por impulso (impulse system), descrita inicialmente em (ELDER, 2002). O programa confeccionado neste trabalho possui código livre e aberto e espera-se que seja atualizado e aperfeiçoado ao longo do tempo com a contribuição dos próprios alunos, de outros usuários e programadores. Um fator importante no desenvolvimento deste software é a simplicidade na utilização do mesmo. Muitos usuários não possuem conhecimentos avançados em informática e, assim, para que um software se popularize, é fundamental que haja simplicidade na aquisição dos dados, tratamento e apresentação dos gráficos. Este texto não prete expor em detalhes todos os fundamentos da análise técnica e das operações de mercado, mas sim apenas os indicadores envolvidos no sistema que propomos estudar. Noções fundamentais da área podem ser observadas em (ABE, 2009), (FURTADO, 2010) e (PUGA, 2010), enquanto que algumas técnicas mais elaboradas de negociação podem ser encontradas em (ELDER, 2009), (MARTINS, 2010) e (PUGA & RODRIGUES, 2010). 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS O Impulse System caracteriza-se por combinar dois indicadores relativamente simples: uma média móvel exponencial (MME), descrita em (ELDER, 1993) e (PUGA & RODRIGUES, 2010), a qual mede a inércia do mercado, e um histograma MACD (Moving Average Convergence/Divergence), também descrito em (ELDER, 1993) e (PUGA & RODRIGUES, 2010), o qual mede o impulso do ativo. Quando ambos apontam na mesma direção identificase um impulso a ser seguido. Segundo (ELDER, 2002), temos um sinal de entrada quando ambos os indicadores possuem inclinação ascente e um sinal de saída quando estes deixam de se confirmar. Ainda de acordo com (ELDER, 2002), devem ser utilizadas duas MMEs, uma semanal, de 26 semanas, para a verificação da tência de longo prazo, e uma MME diária de 13 dias para a observação da tência de curto prazo. Caso estas tências encontrem-se em movimento ascente, deve-se procurar a confirmação através do histograma MACD, parametrizado em dias, que também deverá ter inclinação ascente para que seja confirmado o sinal de compra. Quando qualquer um destes três indicadores passar a apresentar inclinação descente, temos o sinal de va. O impulse system usa as MMEs para detectar tências de alta e baixa. Por sua vez, o histograma MACD é o componente que confirmará ou não a tência de alta. Quando as MMEs e o histograma MACD sobem, sabe-se que a tência de alta está se acelerando. Por outro lado, quando ambas caem constata-se que o mercado está se tornando baixista. 2.1 As médias móveis Uma média móvel caracteriza-se por indicar um valor médio de um intervalo de amostras sequenciais dentro de uma série temporal. Duas medias móveis bastante comuns em econometria são a aritmética e a exponencial. Página 2 de 11

3 A média móvel aritmética (MMA) fornece pesos iguais para todas as amostras dentro do intervalo de observação. Por sua vez, uma média móvel exponencial (MME) caracteriza-se por conceder um maior peso às amostras mais recentes dentro do intervalo de observação. Cada uma delas apresenta implicações distintas para determinadas aplicações. A MMA de k amostras avaliada sobre uma série temporal S = {s 1, s 2,..., s n } composta por n elementos também é caracterizada por uma série temporal com (n-k+1) elementos, podo ser definida na forma MMA = {m 1, m 2,..., m i,..., m n-k+1 }. onde: m i = ( i+ k 1) s j j= i k (1) Dessa forma, convencionaremos que a MMA de k amostras (dias, por exemplo) sobre uma série temporal S será representada por MMA k (S). A MME de k amostras avaliada sobre a mesma série temporal S também será uma série temporal com (n-k+1) elementos, so definida por MME = {m1, m 2,..., m i,..., m n-k+1 }. onde, para i > 1: m s θ + m (1 ) (2) i = k+ i 1 i 1 θ e: 2 θ = (3) n + 1 so m 1 calculado através de uma média na forma: m k j= = 1 1 k s j (4) Dessa forma, convencionaremos que a MME de k amostras (dias, por exemplo) sobre uma série temporal S será representada por MME k (S). 2.2 Convergência e divergência de médias móveis (MACD) O MACD (Moving Average Convergence/Divergence) ou convergência e divergência de médias móveis é um indicador de tências criado por Gerald Appel na década de 1960 e mostra a diferença entre dois sinais, denominados rápido e lento, gerados a partir de MMEs de uma determinada série temporal. Este indicador é calculado a partir da diferença entre duas MMEs: uma de curto prazo (normalmente de 12 dias no caso do Impulse System) e outra de longo prazo (normalmente de 26 dias para este sistema) de uma série temporal. À diferença entre a MME de curto prazo e a MME de longo prazo damos o nome de linha rápida (lr): lr = MME 12 (S) MME 26 (S) (5) Página 3 de 11

4 Por sua vez, se aplicarmos uma MME de 9 dias sobre a linha rápida, estaremos criando a linha lenta (ll) deste indicador: ll = MME 9 (lr) (6) Finalmente, o histograma do MACD pode ser construído através da diferença entre as linhas rápida e lenta : Histograma MACD = lr ll (7) A linha rápida do MACD reflete o consenso de curto prazo do ativo em análise, enquanto que a linha lenta do MACD reflete o consenso de longo prazo do mesmo. Ao representarmos estas duas linhas em um mesmo gráfico, quando a linha rápida desloca-se acima da linha lenta temos a indicação de uma tência altista. Por sua vez, quando a linha rápida cai abaixo da linha lenta temos a indicação de uma tência baixista. Neste contexto, o histograma MACD reflete a diferença entre o consenso de curto prazo e o de longo prazo. Quando as barras do histograma MACD adquirem uma inclinação ascente, observa-se uma tência altista. Por sua vez, caso as barras do histograma adquiram uma inclinação descente, há uma tência de baixa para o ativo em análise. 3 IMPLEMENTAÇÃO Para a implementação sob a ótica do código livre e aberto, optou-se pela linguagem de programação do Scilab (http://www.scilab.org). Este software caracteriza-se por ser uma ferramenta de cálculo numérico e representação gráfica, que ate plenamente às necessidades da análise técnica do mercado de ações. As subseções seguintes apresentam o código da espinha dorsal do programa (as implementações para os cálculos da MMA, da MME e do histograma) e uma visão geral da interface de comunicação com o usuário. 3.1 Implementação dos códigos para as médias móveis A construção dos códigos de cálculo da MMA e da MME é representada na forma: function mm_a=mma(num_am,num_dados,valores) for i = num_am:num_dados mm_a(i) = 0. for j = 0:(num_am - 1) mm_a(i) = mm_a(i) + valores(i-j) mm_a(i) = mm_a(i)/num_am function Esta função calcula a MMA sobre uma série temporal. A função solicita, como entrada, três parâmetros: num_am, que indica quantas amostras serão consideradas no cálculo de um Página 4 de 11

5 elemento da média móvel, num_dados, que representa o tamanho da série temporal sobre a qual será determinada a MMA e valores, que é o vetor que contém a série temporal propriamente. Como elemento de retorno, esta função devolve o vetor mm_a que conterá os elementos da MMA calculada. Por sua vez, a função abaixo calcula a MME sobre uma série temporal: function mm_e=mme(num_am,num_dados,valores) mm_e(num_am) = 0; for i = 1:(num_am) mm_e(num_am) = mm_e(num_am) + valores(i) mm_e(num_am) = mm_e(num_am)/num_am k = 2/(num_am + 1) for i = (num_am+1):num_dados mm_e(i) = (1-k)*mm_e(i-1) + k*valores(i) function Esta função também solicita três parâmetros como entrada: num_am, que indica quantas amostras serão consideradas no cálculo de um elemento da média móvel, num_dados, que representa o tamanho da série temporal sobre a qual será determinada a MME e valores, que é o vetor que contém a série temporal propriamente. Como elemento de retorno, esta função devolve o vetor mm_e que conterá os elementos da MME calculada. 3.2 Implementação do MACD O histograma para uma série temporal pode ser obtido através do seguinte código: nd_c = 12; // Periodo da MME curta nd_l = 26; // Periodo da MME longa nd_lenta = 9; // Periodo da linha lenta mme_c = mme(nd_c,n_dados,cotacao) // Calculo da MME curta mme_l = mme(nd_l,n_dados,cotacao) // Calculo da MME longa lr = mme_c - mme_l // Calculo da Linha Rapida (lr) ll = 1:n_dados // Calculo da Linha Lenta (ll) // Calcula a primeira ll ll(nd_l+nd_lenta-1) = 0 for i = (nd_l):(nd_l+nd_lenta-1) ll(nd_l+nd_lenta-1) = ll(nd_l+nd_lenta-1) + lr(i) ll(nd_l+nd_lenta-1) = ll(nd_l+nd_lenta-1)/nd_lenta; // ajusta a media // Calcula os demais pontos da ll k = 2/(nd_lenta + 1); // calc. o fator "k" for i = (nd_l+nd_lenta):n_dados ll(i) = (1-k)*ll(i-1) + k*lr(i); // calcula a ll do dia // Calculo do histograma Página 5 de 11

6 for i = 1:n_dados histog(i) = lr(i) - ll(i) O código do MACD inicia-se com a definição dos períodos para o cálculo do mesmo ( ). Na sequência, o programa determina as MMEs de curta e longa duração para, a partir destas, efetuar o cálculo da linha rápida. Por sua vez, a linha lenta é construída a partir de uma MME de 9 períodos da linha rápida. Após a definição das linhas rápida e lenta o passo seguinte calcula o histograma do MACD, que é determinado pela diferença destas linhas. Uma característica relevante notada na implementação exata do Impulse System proposta por Alexander Elder é que ele, sob certas circunstâncias, acaba por desfazer posições compradas interessantes em momentos onde o mercado passa por ligeiras oscilações. Dessa forma, qualquer oscilação negativa no histograma MACD, por menor que seja, irá disparar um sinal de va orientando o investidor a assumir uma posição vida. Tal fato constitui um inconveniente sério, to em vista que o histograma MACD poderá retomar a tência de alta logo em seguida e, caso o investidor decida retomar a posição comprada, deverá arcar novamente com os custos de comissão e emolumentos. Para compensar um eventual ruído na configuração do histograma MACD, é proposta uma pequena alteração no algoritmo de Alexander Elder, através da suavização do histograma MACD por intermédio de uma MME de período próximo à MME de curta duração. // FILTRAGREM DO HISTOGRAMA PARA MINIMIZACAO DE RUIDOS N_histog = mme(p_mme_d,n_dados,histog) 3.3 Visão geral da interface com o usuário A Figura 1 apresenta a interface gráfica disponível ao usuário deste sistema. Figura 1: Interface gráfica do programa. Página 6 de 11

7 Trata-se de uma interface relativamente simples, através da qual o usuário pode importar dados atualizados de uma determinada ação ou mesmo executar a verificação do impulso com dados previamente armazenados no banco de dados do sistema. Esta interface, atualmente, é capaz de importar dados do website Yahoo Finance. Caso o usuário opte por importar os dados de uma determinada ação ele deve selecionar a ação desejada (através do quadro à direita da interface), indicar a periodicidade pretida para os dados (diária ou semanal, indicada através dos botões de rádio à esquerda da interface), as datas de início e fim para a busca dos dados (caixas de edição abaixo dos botões de rádio) e, finalmente, pressionar o botão Importar. A seguir, o programa buscará conectar-se com o website para o download efetivo dos dados. Após a importação dos dados, uma nova janela se abrirá ao lado da interface, apresentando um gráfico do tipo candlestick (conto parâmetros de abertura, fechamento, máximo e mínimo para a ação) e um histograma informando o volume de negociações ao longo do período em análise. Para verificar o impulso da ação recém-carregada ou de qualquer outra, basta selecionar a ação no quadro à direita da interface e pressionar o botão Verificar!. 4 ANÁLISE DE RESULTADOS A Figura 2 apresenta um estudo realizado para as ações PNA da Cia. Vale (VALE5). Figura 2: Estudo realizado para as ações VALE5 no período de 04/12/09 a 02/12/10. Na parte superior da Figura 2 temos a representação gráfica dos preços de fechamento no período indicado, além da linha de MMEs diárias (13 dias) e da linha de MMEs semanais (26 Página 7 de 11

8 semanas). O gráfico central apresenta as linhas rápida e lenta do MACD além de seu histograma, criados sem a utilização do filtro proposto na subseção 3.2. O gráfico na parte inferior da Figura 2 apresenta pulsos em azul, que apontam uma indicação de compra. Como pode ser notado, dada a sensibilidade deste sistema (comprar apenas se todos os indicadores possuírem inclinação ascente), o gráfico de indicação de compra apresenta diversos pulsos descontínuos em torno de 09/03/10. Isto se deve ao fato de que o histograma possui, naquela região, barras de valores muito próximos que se encontram oscilando para mais ou para menos, dentro de uma faixa relativamente estreita, mas suficiente para reverter o sinal de compra. Contudo, se observarmos o gráfico superior, é notável que a tência de alta encontra-se firme dentro de uma faixa relativamente maior. Nesta situação, caso o investidor siga fielmente as indicações do sistema impulso, certamente terá custos consideráveis atrelados às comissões de compra e va e emolumentos. Assim, como forma de minimizar este efeito negativo, propomos uma variação no método de Alexander Elder através da aplicação de um filtro sobre as indicações do histograma, imediatamente antes da geração dos impulsos de compra/va. A Figura 3 apresenta o mesmo estudo, realizado com os mesmos parâmetros, porém considerando um filtro sobre os valores do histograma antes da geração do gráfico de impulsos. Figura 3: Estudo realizado para as ações VALE5 com um filtro sobre o histograma MACD. O filtro em questão consiste apenas de uma média móvel com período igual ao da MME de curta duração da análise diária (13 dias). A princípio, podem ser utilizadas uma MMA ou MME para a definição deste filtro. Contudo, em simulações realizadas, a utilização de uma MMA mostrou-se desaconselhável pois provocava um atraso significativo na composição Página 8 de 11

9 do sinal de compra/va. Isto pode ser justificado pelo fato de que uma MMA concede pesos iguais a todas as barras (dias) consideradas dentro do período de análise. Por sua vez, a utilização de uma MME para filtragem do histograma mostrou-se mais eficiente à medida em que os efeitos do atraso foram reduzidos de forma significativa. Isto pode ser verificado se considerarmos que uma MME concede pesos maiores às barras mais atuais. É notável, na Figura 3, a suavização conseguida nos sinais de compra/va. Embora ainda existam falsos sinais de va no decorrer do período de alta em torno de março/abril de 2010, estes possuem freqüência bem menor do que na análise anterior. Eventualmente estes buracos poderiam ser preenchidos através da adoção de uma MME com outros parâmetros, contudo, o risco de que o programa deixe de indicar sinais verdadeiros de va é considerável caso isto seja implementado. De qualquer forma, dada a concepção livre e aberta deste código, o usuário é livre para executar as alterações que considerar conveniente. A Figura 4, por sua vez, apresenta um estudo bastante interessante para as ações PN da Petrobrás (PETR4) no mesmo período considerado para as ações VALE5. Figura 4: Estudo sobre as ações PETR4 no período de 04/12/09 a 02/12/10 (com filtro). Pode ser notado que, praticamente ao longo de quase todo o período em análise, as ações da Petrobrás apresentam uma inclinação descente. Apenas em torno de fevereiro/2010 existe uma clara tência de alta a qual é sinalizada como compra neste programa. Além desta região, apenas no período entre março e abril de 2010 existe um intervalo fugaz de compra, o qual também é sinalizado pelo sistema. Página 9 de 11

10 5 CONCLUSÕES GERAIS Esta implementação para o Impulse System apresentou resultados bastante interessantes e coerentes com a proposta do mesmo. As regiões de negociação indicadas nos gráficos de barras das figuras 2 e 4 ilustram os pontos de entrada e saídas dos respectivos gráficos MACD destas figuras. Dessa forma, nossos alunos podem visualizar, de forma mais clara e prática, os pontos de compra e va de um determinado ativo a partir de seus gráficos. A adoção de um filtro para o histograma MACD trouxe uma suavização considerável para os sinais de compra/va gerados, conforme pode ser observado se comparadas as figuras 2 e 3. Dessa forma, tornam-se mais confiáveis ao investidor (ou ao aluno, no caso de uma simulação) as indicações de pontos de compra e va de ações. A implementação com código livre e aberto através do Scilab mostrou-se estável e eficiente, so esperado que este tipo de proposta (implementação com código livre e aberto) venha a promover a expansão e evolução das ferramentas de análise técnica do mercado de ações, bem como venham a contribuir significativamente com o aprizado dos alunos nesta área. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABE, M.; Manual de Análise Técnica: Essência e Estratégias Avançadas, Novatec, ELDER, A.; Trading for a Living, John Willey & Sons Inc., ELDER, A.; Come Into My Trading Room, John Willey & Sons Inc., ELDER, A.; Sell and Sell Short, John Willey & Sons Inc., FURTADO, W.; Guia para Investir em Ações, Coleção Expo Money, Campus/Elsevier, MARTINS, C.; Os Supersinais da Análise Técnica, Coleção Expo Money, Campus/Elsevier, PUGA, R.; Formação de Investidores, Coleção Expo Money, Campus/Elsevier, PUGA, R. e RODRIGUES, M.; Formação de Traders, Coleção Expo Money, Campus/Elsevier, IMPULSE SYSTEM FOR TRADING SHARES: A DIDACTIC IMPLEMENTATION IN FREE SOFTWARE Abstract: The teaching of techniques of stock trading in the disciplines of engineering economics can be greatly facilitated through the use of computational tools. Within this scope, we present a computational system developed for the purpose of providing students of this area a tool for technical analysis of stock market. In addition to creating a teaching tool properly, our goal also is to develop a free and open platform to use and update. Thus, it is expected that this project can contribute to student learning and the dissemination of a technical tool for analysis of stock market. The entire project is based within the concept of free software. Página 10 de 11

11 Key-words: Econometry, Technical analysis of shares, Impulse System. Página 11 de 11

SETA (SISTEMA PARA ESTUDO TÉCNICO DE AÇÕES) UMA CAIXA DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

SETA (SISTEMA PARA ESTUDO TÉCNICO DE AÇÕES) UMA CAIXA DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES SETA (SISTEMA PARA ESTUDO TÉCNICO DE AÇÕES) UMA CAIXA DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Faculdade Municipal

Leia mais

FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Rua dos Estudantes, s/n Cachoeira

Leia mais

VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE

VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE VISUALIZAÇÃO DE TENDÊNCIAS DE MERCADO: DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA GRÁFICA A PARTIR DE SOFTWARE LIVRE José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM)

Leia mais

Uma implementação computacional livre e aberta para o sistema de negociação de ações por impulso (Impulse System)

Uma implementação computacional livre e aberta para o sistema de negociação de ações por impulso (Impulse System) Uma implementação computacional livre e aberta para o sistema de negociação de ações por impulso (Impulse System) CAMARGO, José Tarcísio Franco de Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Centro

Leia mais

Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações

Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações 2010 Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações Mogi Guaçu/SP Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações Equipe

Leia mais

Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações

Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações José Tarcísio F. de Camargo Faculdade Municipal Professor Franco Montoro (2012) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

SIMBLER: UM SIMULADOR DE LINGUAGEM DE MONTAGEM DIDÁTICO

SIMBLER: UM SIMULADOR DE LINGUAGEM DE MONTAGEM DIDÁTICO SIMBLER: UM SIMULADOR DE LINGUAGEM DE MONTAGEM DIDÁTICO José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Rua dos Estudantes, s/n Cachoeira de Cima Caixa Postal: 293-13.843-971 Mogi Guaçu SP Centro Regional

Leia mais

Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação

Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação 2010 Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação Mogi Guaçu/SP Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação Equipe

Leia mais

Curso Análise Técnica 1

Curso Análise Técnica 1 Curso Análise Técnica 1 Módulo 2 de 4 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Médias Móveis Linhas contínuas utilizadas como Suporte e Resistência; Podem ser traçadas com qualquer média estatística,

Leia mais

Análise Técnica de Títulos no Mercado de Ações

Análise Técnica de Títulos no Mercado de Ações Análise Técnica de Títulos no Mercado de Ações Maiara Heil Cancian, Rafael Luiz Cancian Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar (CTTMar) Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) Rodovia SC 407

Leia mais

Análise Técnica diária

Análise Técnica diária IBOVESPA Índice IBOV / FIQUE DE OLHO >Apesar > da pressão de venda no diário, mercado vai largando doji (candle de indecisão) em área de suporte, colocando um fio de esperança na galera, mas nada que empolgue

Leia mais

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com Osciladores Forex O que é o oscilador e por que precisamos usa-lo? Esta é uma técnica de análise que é utilizado para previsão do mercado Forex. Os osciladores são calculados por meio de indicadores, usando

Leia mais

Introdução ao Scilab

Introdução ao Scilab Programação de Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Scilab José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/35 1 MATLAB e Scilab 2 O ambiente Scilab 2/35

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais

Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais Carlos E. Thomaz 1 e Marley M.B.R. Vellasco 2 1 Departamento de Engenharia Elétrica (IAAA), FEI, São Paulo, Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI

Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI Relatório Intermédio de Agentes e Inteligência

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Joseilton S. Correia

Joseilton S. Correia O P E R A N D O N A Bolsa de Valores U T I L I Z A N D O ANÁLISE TÉCNICA Aprenda a identificar o melhor momento para comprar e vender ações Joseilton S. Correia Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre

Leia mais

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi MINICURSO SEMAT Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities Lucas Guilherme Rigo Canevazzi Matheus Furtado de Souza Popp Prof. Dr. Geraldo Nunes Silva Prof. Dr. Maurílio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SIMULADOR EMSO NO ENSINO DE MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS

UTILIZAÇÃO DO SIMULADOR EMSO NO ENSINO DE MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS UTILIZAÇÃO DO SIMULADOR EMSO NO ENSINO DE MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS Bianca Capucho 1, Domenico Andreatta 1, Mariana Kuster Moro 1, Rayane Bimbato 1, George Simonelli 2 1. Discentes do curso de

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução. MINUTA Histograma do 1o Sorteio da NF Salvador xxx/2014. 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Salvador

Conteúdo. 1 Introdução. MINUTA Histograma do 1o Sorteio da NF Salvador xxx/2014. 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Salvador 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Salvador Relatório parcial contendo resultados 1 da análise estatística dos bilhetes premiados Conteúdo 1 Introdução O software de Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO APLICAÇÃO DE SUPORTE PARA INVESTIDORES DO MERCADO DE AÇÕES André Rocha Araujo Orientador Prof. Dr. Ricardo

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

PROCESSAMENTO BÁSICO DE DADOS GPR NO SOFTWARE REFLEXW. Módulo 2D Data Analysis. Preparado por Welitom Borges

PROCESSAMENTO BÁSICO DE DADOS GPR NO SOFTWARE REFLEXW. Módulo 2D Data Analysis. Preparado por Welitom Borges PROCESSAMENTO BÁSICO DE DADOS GPR NO SOFTWARE REFLEXW Módulo 2D Data Analysis Preparado por Welitom Borges São Paulo, 2007 Criação de um diretório para trabalho Para iniciar o processamento de dados no

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE ANÁLISE DE COMPRA/VENDA DE ATIVOS NEGOCIADOS NAS BOLSAS DE VALORES UTILIZANDO A TÉCNICA DE MÉDIAS MÓVEIS

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE ANÁLISE DE COMPRA/VENDA DE ATIVOS NEGOCIADOS NAS BOLSAS DE VALORES UTILIZANDO A TÉCNICA DE MÉDIAS MÓVEIS DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE DE ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE COMPRA/VENDA DE ATIVOS NEGOCIADOS NAS BOLSAS DE VALORES UTILIZANDO A TÉCNICA DE MÉDIAS MÓVEIS Gabriel Malheiros Silveira Orientador: Prof. Oscar

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

A. MANUAL DO MÓDULO ATFAR DO ECGLAB

A. MANUAL DO MÓDULO ATFAR DO ECGLAB A. MANUAL DO MÓDULO ATFAR DO ECGLAB ECGLAB Módulo atfar Projeto de Mestrado de João Luiz Azevedo de Carvalho (Eng. Elétrica), orientado pelos Profs. Adson Ferreira da Rocha (Eng. Elétrica) e Luiz Fernando

Leia mais

Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face

Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face Vagner do Amaral 1 e Carlos Eduardo Thomaz 2 Relatório Técnico: 2008/01 1 Coordenadoria Geral de Informática Centro Universitário da FEI São Bernardo do

Leia mais

Basicão de Estatística no EXCEL

Basicão de Estatística no EXCEL Basicão de Estatística no EXCEL Bertolo, Luiz A. Agosto 2008 2 I. Introdução II. Ferramentas III. Planilha de dados 3.1 Introdução 3.2 Formatação de células 3.3 Inserir ou excluir linhas e colunas 3.4

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Aula 3 ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Introdução Para auxiliá-los na tomada de decisões, os investidores contam com dois tipos de análises: Análise Fundamentalista que baseia-se

Leia mais

APLICAÇÕES COMPUTACIONAIS NO ENSINO DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM ENGENHARIA

APLICAÇÕES COMPUTACIONAIS NO ENSINO DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM ENGENHARIA APLICAÇÕES COMPUTACIONAIS NO ENSINO DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM ENGENHARIA Júlio Cézar Figueiredo j.cezar@aol.com Cibelly Araújo de Azevedo Lima cibellyazevedo@gmail.com Francisco Rafael Marques

Leia mais

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I:

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I: Este artigo é parte de uma série de artigos que explicam a pesquisa conduzida pelos estatísticos do Minitab para desenvolver os métodos e verificações de dados usados no Assistente no Software Estatístico

Leia mais

Simulação Transiente

Simulação Transiente Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho de Sistemas Professores: Paulo Maciel Ricardo Massa Alunos: Jackson Nunes Marco Eugênio Araújo Dezembro de 2014 1 Sumário O que é Simulação? Áreas de Aplicação

Leia mais

Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva

Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva São Luís/MA - 2007 Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva Wagner Luis MARTINS (1); Silvia Cristina BATISTA (2); Gilmara BARCELOS (3)* (1) Licenciando em Matemática CEFET CAMPOS;

Leia mais

mvbuilder - Manual do Usuário

mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder Editor de mapas para o meavox Parte integrante da Suite meavox de comunicação alternativa. Manual do Usuário do mvbuilder Autor: Gustavo Furtado Versão deste documento:

Leia mais

Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes

Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes 1 Índice Introdução............................................... 3 Conexão do software ao Computador de Desempenho Wattbike tela padrão Polar e edição

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Pergunta: O Ibovtrend um corretora? Resposta: Nós

Leia mais

Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS *

Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS * Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS * Rogério Celestino dos Santos 1, Rodrigo Otavio Rodrigues Antunes 1* ¹Instituto de Informática

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

3 Estratégias de Análise Técnica

3 Estratégias de Análise Técnica 3 Estratégias de Análise Técnica Como foi visto no Capítulo 2, as estratégias dos investidores do mercado são compostas por dois fatores, a saber: o mecanismo de ativação σ i (t) (Eq. 2-10) e o mecanismo

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

Introdução ao GeoGebra

Introdução ao GeoGebra Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Introdução ao GeoGebra Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior AGOSTO 2010 Sumário 1 Primeiros Passos com o GeoGebra 4 1.1 Conhecendo o Programa............................

Leia mais

Sensor Data Streams. Redes de Sensores Sem Fio. Helen Peters de Assunção Jeferson Moreira dos Anjos

Sensor Data Streams. Redes de Sensores Sem Fio. Helen Peters de Assunção Jeferson Moreira dos Anjos Sensor Data Streams Redes de Sensores Sem Fio Helen Peters de Assunção Jeferson Moreira dos Anjos Data Stream Systems Nova classe de aplicações: Dados chegando rapidamente, em intervalos variáveis e com

Leia mais

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL MÓDULO 3 - PRESENCIAL CmapTools É um software para autoria de Mapas Conceituais desenvolvido pelo Institute for Human Machine Cognition da University of West Florida1, sob a supervisão do Dr. Alberto J.

Leia mais

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Access Control System Based on Face Recognition Tiago A. Neves, Welton S. De Oliveira e Jean-Jacques De Groote Faculdades COC de Ribeirão

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: APLICATIVO ANDROID PARA DEFICIENTES VISUAIS REDIGIREM MENSAGENS DE TEXTO NAS TELAS TOUCHSCREEN

Leia mais

ADERÊNCIA DE TÁBUAS DE MORTALIDADE GERAL PARA AVALIAÇÕES ATUARIAIS. * Ricardo Frischtak * Paulo Pereira

ADERÊNCIA DE TÁBUAS DE MORTALIDADE GERAL PARA AVALIAÇÕES ATUARIAIS. * Ricardo Frischtak * Paulo Pereira ADERÊNCIA DE TÁBUAS DE MORTALIDADE GERAL PARA AVALIAÇÕES ATUARIAIS * Ricardo Frischtak * Paulo Pereira Mortalidade Geral q x *Como testar a adequação de tábuas de mortalidade geral? *Metodologias já vistas:

Leia mais

Programas Recursivos e conversão de Programas Monolíticos 1

Programas Recursivos e conversão de Programas Monolíticos 1 Programas Recursivos e conversão de Programas Monolíticos 1 Cláudia Santos Fernandes, Daniela Tereza Ascencio Russi, Francisco Assis da Silva, Liliane Jacon Jacob Mestrado Remoto da UFRGS/FACCAR E-mail:

Leia mais

Após o download seguir os procedimentos abaixo:

Após o download seguir os procedimentos abaixo: Modelos: Sintoma: Solução: Somente para o modelo: 8Y3282-H. Não inicializa o Android ; Trava / Não responde Comandos ; Problemas para instalar Aplicativos (Compatíveis) ; Interferência na imagem. Realizar

Leia mais

Tablet Widescreen Slimline

Tablet Widescreen Slimline Tablet Widescreen Slimline Manual do Usuário Avançado Instalação Desenho Escrita Navegação Configuração Manutenção www.trust.com/69/faq Instalando e conhecendo seu tablet Trust 6 7 8 9 0 Cabo USB 6 Pontas

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Metodologia de Pesquisa Cientifica e Tecnológica I Profa. Dra. Eloize Seno Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização Rodolfo Pereira

Leia mais

Exemplo de aplicação Car Parking 1in1out

Exemplo de aplicação Car Parking 1in1out Animator Exemplo de aplicação Car Parking 1in1out Neste documento será apresentado um exemplo de aplicação de um parque de estacionamento com uma entrada, uma saída, e três lugares livres de estacionamento.

Leia mais

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS.

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. RIO 3 - World Climate & Energy Event, 1-5 December 2003, Rio de Janeiro, Brazil 379 PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. Jorge Antonio Villar Alé, Alexandre

Leia mais

Plataforma para Simulação de Motores com Dispositivos de Partida Baseada na Integração do ATPDraw com o TOpReDE

Plataforma para Simulação de Motores com Dispositivos de Partida Baseada na Integração do ATPDraw com o TOpReDE XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Plataforma para Simulação de Motores com Dispositivos de Partida Baseada na Integração

Leia mais

Notas de aplicativos: Serviço de Nuvem OneTouch AT

Notas de aplicativos: Serviço de Nuvem OneTouch AT Notas de aplicativos: Serviço de Nuvem OneTouch AT O Serviço de Nuvem OneTouch AT da Fluke Networks estende a capacidade de solução de problemas do Assistente de Rede OneTouch AT com nova visibilidade

Leia mais

Relatório Iniciação Científica

Relatório Iniciação Científica Relatório Iniciação Científica Ambientes Para Ensaios Computacionais no Ensino de Neurocomputação e Reconhecimento de Padrões Bolsa: Programa Ensinar com Pesquisa-Pró-Reitoria de Graduação Departamento:

Leia mais

SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO (REDES P.E.R.T.) E O SOFTWARE MS-PROJECT EM ENGENHARIA

SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO (REDES P.E.R.T.) E O SOFTWARE MS-PROJECT EM ENGENHARIA SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO (REDES P.E.R.T.) E O SOFTWARE MS-PROJECT EM ENGENHARIA Giancarlo de França Aguiar giancarl@unicenp.edu.br Centro Universitário

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO. Leonardo Brissant leo@brissant.com

INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO. Leonardo Brissant leo@brissant.com INTRODUÇÃO Este texto contém alguns trechos da monografia Sistema de negociação de ações utilizando indicadores de análise técnica otimizados por algoritmos genéticos apresentado por Leonardo Brissant,

Leia mais

Manual do Software: UFV BEER GAME. [Jogue sem moderação] Versão 1.4

Manual do Software: UFV BEER GAME. [Jogue sem moderação] Versão 1.4 Manual do Software: UFV BEER GAME [Jogue sem moderação] Versão 1.4 Como ler esse manual: Esse manual está dividido em duas partes. Na primeira parte é apresentada uma descrição do Beer Game (Jogo da Cerveja)

Leia mais

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Willian Paraguassu Amorim 27 de julho de 2005 1 Título Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração

Leia mais

Brasil. Características da VideoCAM GF112. Instalação da VideoCAM GF112

Brasil. Características da VideoCAM GF112. Instalação da VideoCAM GF112 Características da VideoCAM GF112 Botão SnapShot 1 (INSTANTÂNEO) 2 Lente 3 Base ajustável Instalação da VideoCAM GF112 1. Instale primeiro o driver e somente então conecte a VideoCAM GF112 à porta USB.

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS A TENDÊNCIA É SUA AMIGA O Ibovtrend se baseia

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL;

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL; Boletim Técnico EP3 11/07 Utilizando Funções e Blocos Funcionais de usuário pelo software A1 19 de outubro de 2007 O objetivo deste boletim é mostrar como utilizar o recurso de Funções (Functions) e Blocos

Leia mais

COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg

COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg Para que possamos digitalizar nossos programas de rádio gravados em fita cassete, utilizaremos: - o próprio gravador

Leia mais

CANDLESTICK. Carlos Alberto Debastiani. Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores. Novatec

CANDLESTICK. Carlos Alberto Debastiani. Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores. Novatec CANDLESTICK Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores Carlos Alberto Debastiani Novatec Fundamentos Capítulo 1 A formação dos elementos do gráfico: os candles Ao analisar o mercado, podemos utilizar

Leia mais

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas.

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas. Definições Básicas Introdução à Estatística ESTATÍSTICA: estudo dos métodos para coletar, organizar, apresentar e analisar dados. População: conjunto constituído por todos os indivíduos que apresentem

Leia mais

O gjaiku é um aplicação de desktop para uso com o serviço online de microblogging, Jaiku.

O gjaiku é um aplicação de desktop para uso com o serviço online de microblogging, Jaiku. Relatório final Denis Encarnação 25077 Tiago Rodrigues 25092 O gjaiku é um aplicação de desktop para uso com o serviço online de microblogging, Jaiku. O que é o Jaiku? O Jaiku é um serviço online de microblogging.

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES: INVESTIR OU ESPECULAR?

MERCADO DE AÇÕES: INVESTIR OU ESPECULAR? NOME DA ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA MONETÁRIA E FISCAL MERCADO DE AÇÕES: INVESTIR OU ESPECULAR? RESUMO: O objetivo deste artigo é destacar o perfil de quem atua no mercado de ações brasileiro e verificar quais

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS. Tutorial de Teste

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS. Tutorial de Teste Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Disjuntor Marca: Siemens Modelo: 3AH Ferramenta Utilizada: CE-6006 ou CE-6003 Objetivo: Teste do tempo da abertura/fechamento desde o comando até a abertura/fechamento

Leia mais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTACAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DISCIPLINA: REDES NEURAIS PROFESSOR: MARCOS

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais