ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: O QUE REGISTRAM OS ALUNOS E O QUE DIZEM AS PROFESSORAS DO 1ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: O QUE REGISTRAM OS ALUNOS E O QUE DIZEM AS PROFESSORAS DO 1ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL"

Transcrição

1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: O QUE REGISTRAM OS ALUNOS E O QUE DIZEM AS PROFESSORAS DO 1ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL BENEVENUTTI, Zilma M. Sansão FURB FISCHER, Julianne FURB Eixo Temático: Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: Não contou com financiamento Resumo Esta pesquisa, vinculada ao Grupo de Pesquisa, Processos e Métodos Pedagógicos- Didáticos, do Programa de Pós Graduação Mestrado em Educação, da Universidade Regional de Blumenau, Santa Catarina, Brasil, objetiva analisar os processos de alfabetização e letramento a partir dos dizeres das professoras que atuam nas turmas de 1º ano do Ensino Fundamental, e os registros escritos de alunos integrantes dessas turmas. Para esta pesquisa com abordagem qualitativa, utilizou-se como instrumento de coleta de dados, entrevista individual, semi-estruturada com as 8 professoras que atuam nos primeiros anos do Ensino Fundamental nas escolas pertencentes a Rede Estadual de Ensino Fundamental localizadas no município de Gaspar,SC, no ano de 2008 e cópia de registros de atividades diversas relacionadas as áreas do conhecimento desenvolvidas em sala de aula por alunos do 1º ano do Ensino Fundamental das professoras entrevistadas. Com a abtenção desses dados, procedeu-se a sistematização a análise. O embasamento teórico está ancorado nos estudos de Wygotski, referentes ao caráter mediador na ação docente,a zona de desenvolvimento proximal, além de Soares,Weisz que tratam especificamente do processo de alfabetização na perspectiva do letramento e da formação do professor alfabetizador, Ferreiro e Teberosky com a psicogênese da escrita e Cagliari com práticas de alfabetização. A pesquisa vem sinalizar que as práticas de alfabetização e letramento continuam presas à perspectiva centrada na decodificação, no ensino da leitura e da escrita voltado ao ensino somente das letras, das palavras sem aterem-se ao contexto de produção da escrita, as questões das práticas sociais de leitura e de escrita, na intenção de alfabetizar letrando. Palavras-chave: alfabetização e letramento. Práticas de alfabetização. 1ºano do Ensino Fundamental

2 5056 Introdução Um grande marco na história da humanidade foi sem sombra de dúvidas, a invenção da escrita. Ao longo dos séculos foi sendo aperfeiçoada, recriada. Usos e funções para a escrita foram sendo ampliados e transformados, acompanhado as necessidades do homem de registrar suas memórias, seus anseios, desejos e tratados, de atingir mundos não alcançados anteriormente pela palavra oral, como também seu cotidiano e suas projeções e planos futuros. Ao longo dos tempos, do mesmo modo, os conhecimentos foram se especificando, ampliando, definindo-se por áreas e por consequência ordenando novos modos de escrever, de marcar essas diferentes formas de escrever, de registrar os mais diferenciados domínios do saber e necessidades sociais. Acompanhando esse contexto é possível perceber que a educação é fundamental constituinte da estruturação humana. O homem ao contrário dos outros animais, não recebe na sua herança genética toda a herança acumulada pelas gerações anteriores ao seu processo de atuação sobre a realidade. É fundamental compreender, considerar essa especificidade, os processos envolvidos na prática educativa e de modo integrado analisá-los à luz de pressupostos teóricos. A perspectiva histórica cultural oferece uma contribuição nesse sentido, na medida em que possibilita compreender a aprendizagem como um processo ativo, sem secundarizar a ação mediadora do professor. A importância da ação docente fica evidenciada no conceito de zona de desenvolvimento proximal proposto por Wygotski (1987). Embasada nesta perspectiva, a prática pedagógica se coloca como finalidade levar o estudante a se apropriar dos conhecimentos acumulados historicamente pela humanidade. Nesse sentido, para que os estudantes se apropriem do saber de modo a se tornarem autônomos, críticos, cabe ao próprio professor dispor de uma formação nesta perspectiva. O trabalho docente implica em uma apropriação por parte do professor, de conhecimentos, habilidades e valores da cultura, bem como de conhecimentos necessários para assegurar aos estudantes a apropriação ativa e criativa dessa cultura. A separação entre o significado e o sentido do trabalho docente, pode fazer com que o professor e a escola percam de vista os fins sociais de sua existência decorrente de relações de dominação existentes na própria estrutura da sociedade. Apostar nas possibilidades da escola

3 5057 como instância que pode contribuir para uma transformação da sociedade por parte dos educadores constitui-se em um processo permanente e sistemático de reflexão. A sociedade contemporânea encontra-se impregnada pelo uso das tecnologias aplicadas a todos os campos do saber, como conseqüência a busca por novos saberes é uma constante. A necessidade de estar continuamente em formação é uma formatação indiscutível na atualidade A preocupação com a aprendizagem e o domínio da leitura e da escrita, por parte dos estudantes, está cada vez presente no cotidiano escolar e na sociedade como um todo. As práticas de alfabetização evoluíram em função de necessidades sociais e econômicas, advindas de novos paradigmas que pressupõem redefinições quanto ao letramento de cada individuo. Soares (1998, p. 47) define letramento como: estado ou condição de quem não apenas sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais que usam a escrita. Desta forma, a instituição escolar torna-se um espaço social, cujo papel é colaborar e influenciar nas formas de organização social. Neste sentido é prudente repensar como se dá o processo de alfabetização. A revisão metodológica é necessária para a adequação às novas exigências sociais e culturais que surgem na medida em que as tecnologias da informação e do conhecimento evoluem. Essas necessidades são percebidas em estudos recentes que anunciam a complexidade de operações tanto na linguagem escrita como oral. Segundo estudiosos como Emília Ferreiro, Ana Teberosky (1999), Magda Soares (1998, 2004), Wygotski (1984, 1987) o objeto, aquisição da leitura e da escrita, é algo complexo, mais que um simples processo mecânico. Saber ler e escrever tem se configurado em condição insuficiente para atender às necessidades da contemporaneidade, do mundo letrado. Ir além da aquisição do código escrito é indispensável. É necessário fazer uso da leitura e da escrita no cotidiano escolar, para que o estudante possa usufruir com competência desses saberes no seu dia a dia. Assim diante deste cenário, faz-se o seguinte questionamento: A perspectiva de alfabetizar letrando é uma realidade em turmas de primeiro ano do ensino fundamental ou isto permanece no plano dos dizeres de professores alfabetizadores? A partir do questionamento exposto, definiu-se a realização do estudo ora apresentado com objetivo de analisar se os dizeres que circulam entre os professores alfabetizadores que atuam nas escolas estaduais do município de Gaspar, se refletem na realização de um processo de

4 5058 alfabetização que se concretiza na perspectiva da superação da codificação e decodificação, adentrando no processo de alfabetizar letrando, estando incluso os registros de alunos, com atividades desenvolvidas em seus cadernos de tarefas, propostas por esses professores. Optou-se pela pesquisa de abordagem qualitativa, a qual, segundo Bogdan e Biklen (1994, p.16) a investigação não é feita com objetivo de responder a questões prévias ou de testar hipóteses. Privilegia, essencialmente, a compreensão dos comportamentos a partir da perspectiva dos sujeitos da investigação. Envolve a obtenção de dados descritivos com objetivo de esclarecer e ilustrar certos aspectos do problema em foco. São características da pesquisa qualitativa descritiva, de acordo com Bogdan e Biklen (1994, p.48), na busca de conhecimento, os investigadores qualitativos não reduzem as muitas páginas contendo narrativas e outros dados a símbolos numéricos, procuram analisar tais dados respeitando a forma como estes foram registrados ou transcritos. Ressaltam que a descrição é um bom método de coleta de dados. Enfoca a palavra dos professores sobre suas trajetórias e as de seus alunos por meio dos registros escritos. Como instrumento de coleta de dados,além dos registros nos cadernos de alunos, optou-se pela entrevista individual semi-estruturada com as professores. Conforme Bauer e Gaskell (2002), esse tipo de entrevista fornece dados básicos para o desenvolvimento e compreensão das relações entre os atores sociais e sua situação. Oferece ao entrevistador uma amplitude de situações consideráveis, que lhe permite levantar uma série de tópicos além de favorecer ao sujeito a oportunidade de moldar o seu conteúdo. Para Bogdan e Biklen (1994, p.135) nas entrevistas semi-estruturadas fica-se com a certeza de se obter dados comparáveis entre os vários sujeitos. Essa possibilidade é uma realidade neste estudo uma vez que cada professor tem seu olhar sobre o processo de alfabetização e sua forma de abordagem de atividades propostas aos alunos no decorrer da ação docente no dia a dia de sala de aula. Além de dados identificando de cada professora alfabetizadora, sua formação, experiência na área, para realização da entrevista, com auxílio do gravador e com base nos tópicos a seguir, foram realizadas as entrevistas, envolvendo cada professora que integra o grupo de oito professoras que atuam no primeiro ano do ensino fundamental na Rede Estadual no município de Gaspar. Qual o ponto de partida no seu trabalho para iniciar a ensino da leitura e da escrita? O que é necessário proporcionar a criança para que aprenda a ler e a escrever a partir de contextos

5 5059 significativos? Como se dá a apropriação da linguagem escrita pela criança? Em que se constitui o processo de alfabetização e letramento? A seleção de cadernos para observar as atividades de escrita desenvolvidas pelos alunos que se constituiu de mais um instrumento de coleta de dados neste estudo, se processou de forma em que cada professora deixou a disposição os cadernos e pastas dos alunos que continham atividades realizadas desde o início do ano letivo e ficou livre o critério de seleção deste material. De forma aleatória foi realizada a seleção de cadernos ou pasta de três alunos por professora. Parte deste material foi foto copiado e devolvido imediatamente. Procedeu-se a transcrição das entrevistas, com a identificação de cada professora entrevistada e a compilação das cópias com os registros das atividades realizadas pelos alunos. A análise dos dados teve como aporte teórico Wygotski, Soares, Ferreiro e Teberosky e Telma Weisz. Esse artigo apresenta-se estruturado nas seguintes seções: introdução; o processo de mediação nas formalidades do ensino, os conceitos de alfabetização e letramento, o processo de ensino em classes de alfabetização, considerações finais e referências. O Processo de Mediação na Formalidade do Ensino A educação escolar é qualitativamente diferente da educação no sentido amplo. Muitas vezes cometemos o erro de pensar que a aprendizagem começa apenas na escola. Observando os registros de atividades desenvolvidas pelo aluno (A) de uma das turmas do 1º ano do Ensino Fundamental, da professora (X), no início do ano letivo de 2008, apresenta indícios desta concepção. Percebe-se que é proposto a criança uma tarefa repetitiva, o desenvolvimento da coordenação motora fina de forma isolada, descontextualizada. A partir do desenho de uma bolinha é solicitado que a criança reproduza completando duas linhas. Seguindo a outra atividade é solicitado para recortar e colar a letra a e em outra atividade ainda é para pintar as vogais conforme a legenda de cores. A aquisição da escrita e da leitura somente faz sentido num contexto de uso real. Apresentar ou desenvolver atividades que envolva a escrita de forma aleatória descaracteriza a função da escrita. Nesse sentido, Ferreiro (2000, p. 34) afirma que

6 5060 Se pensarmos que a criança aprende só quando é submetida a um ensino sistemático, e que a sua ignorância está garantida até que receba tal tipo de ensino, nada poderemos enxergar, Mas se pensarmos que as crianças são seres que ignoram que devem pedir permissão para começar a aprender, talvez comecemos a aceitar que podem saber, embora não tenha sido dada a elas a autorização institucional para tanto. O processo de aprendizagem e desenvolvimento humano tem início a partir do momento em que o sujeito começa a interagir com o meio social e cultural no qual vive. A sala de aula certamente não é o início do aprendizado. Quando a criança chega à escola, já possui conhecimentos acerca do mundo, já adquiriu conhecimentos por meio da educação informal. A família, os amigos, os meios de comunicação, as experiências vivenciadas, enfim, todos os espaços em que o ser humano atua são espaços de ensino e aprendizagem informal. A criança desde o seu primeiro dia de vida, encontra-se exposta aos elementos culturais produzidos historicamente e a presença do outro como agente mediador a coloca em processo de aprendizagem e desenvolvimento Na escola acontece a educação sistemática, onde ocorre a mediação entre o individuo e a sociedade por meio do ensino sistemático, planejado e organizado. A ação docente deve atingir a zona de desenvolvimento proximal, e não os níveis de desenvolvimento já atingidos. Wygotski (1987) afirma que o bom aprendizado é aquele que se antecipa ao desenvolvimento. É tarefa da escola, empreender esforços para encaminhar os estudantes no desenvolvimento que lhes falta. A escrita é muito mais do apenas uma habilidade motora. Wygotski (1984) destacara que a psicologia até então dera pouca atenção ao estudo da escrita. Notadamente, ela tem dado muito pouca atenção à linguagem escrita como tal, isto é, um sistema particular de símbolos e signos cuja dominação prenuncia um ponto crítico em todo o desenvolvimento cultural da criança. (WYGOTSKI, 1984, p.120). A professora alfabetizadora (Z) ao ser consultada, qual o ponto de partida no seu trabalho para iniciar a ensino da linguagem escrita com seus alunos, no início o ano letivo, responde: O ponto de partida é despertar na criança uma necessidade para escrever, seria ela demonstrar uma necessidade. Eu acho que seria a partir daí, da necessidade que ela tem para aprender. Geralmente eu começo a partir de uma história.

7 5061 Apesar do depoimento a professora (Z) afirmando considerar o desejo dos alunos e normalmente iniciar o processo de trabalho com a linguagem escrita a partir de um gênero textual, história, os registros escritos nos cadernos de alunos seus dão conta de que se processa indicando que a criança não apresenta noção de escrita, a primeira atividade registrada nos cadernos no início do ano letivo é repetir uma série de vezes o contorno de uma bolinha, em seguida repetir a letra a minúsculo em 3 linha, fazer o mesmo com a letra A maiúscula e em seguida com as demais vogais. Recortar em revistas as vogais das palavras e colorir cada vogal de uma cor combinada com o grupo. Percebe-se certa falta de sintonia entre o discurso da professora e a proposta de ação operacionalizada por seus alunos. De acordo com Freire (1983, p.49), alfabetizar: É construir um conhecimento. Alfabetizar-se é adquirir uma língua escrita através de um processo de construção do conhecimento com uma visão da realidade. A criança é o sujeito do processo educativo, não havendo dicotomia entre o aspecto cognitivo e afetivo, mas uma relação dinâmica, prazerosa, dirigida para o ato de conhecer o mundo. Muito antes de aprenderem a ler e escrever convencionalmente, as crianças formulam hipóteses sobre esse sistema de representação, demonstram certa postura numa perspectiva de letramento. A Proposta Curricular de Santa Catarina (SANTA CATARINA, 2005) coloca que pensar a alfabetização nessa perspectiva significa experienciar situações que envolvam as diferentes linguagens de forma crítica e dialógica, sendo os professores mediadores, sensíveis à educação que ensejam e concretizam suas práticas pedagógicas nesta direção. Ressalta ainda, o respeito a heterogeneidade, às diferenças e necessidades individuais dos alunos e a consideração do erro, na elaboração da escrita, como inerente ao processo de construção textual. Se alfabetizar significa orientar a própria criança para o domínio da escrita, letrar significa levá-la ao exercício das práticas sociais de leitura e escrita. Uma criança alfabetizada é uma criança que sabe ler e escrever, uma criança letrada é uma criança que tem o hábito, as habilidades e até mesmo o prazer da leitura e da escrita de diferentes gêneros de textos, em diferentes suportes ou portadores de textos, em diferentes contextos e circunstâncias. Alfabetizar

8 5062 letrando significa orientar a criança para que aprenda a ler e a escrever levando-a a conviver com práticas reais de leitura.(soares, 2004). As atividades de alfabetização quando bem planejadas, promovem situações de aprendizagem, incidem na aprendizagem dos alunos. Eles precisam colocar em jogo o que sabem em torno do objeto em estudo. Os princípios didáticos fazem muito mais sentidos quando consideram que os alunos não são meros repetidores, mas sim sujeitos intelectualmente ativos, isto é, que pensam, comparam, refletem, categorizam, analisam, excluem e que procuram compreender o mundo que os rodeia e que aprendem por meio de suas ações sobre os objetos do mundo, que se convertem em objeto do conhecimento.wygotski (1994), afirma que o valor maior da palavra é a interação social que acontece a partir dela. A professora (S), diferentemente de todas as demais professoras entrevistadas, que ao iniciar a escrita partem do método sintético, trabalhando com fragmentos da lingua, afirmam que iniciam o processo de alfabetização com história, com música, que consideram as necessidades e desejos dos alunos, que partem das partes para o todo, esta professora parte da história de vida dos seus alunos, de contextos significativos. A escrita para esta professora (S) não se constitui em exercício repetitivo, em uma atividade motora, mas de uma escrita que tem sentido. A professora expressa esse entendimento quando relata que inicia a escrita com seus alunos geralmente a partir da história do nome dos alunos e justifica: Eu parto do nome deles, da identificação, da história do nome, pra poder ter um significado para eles. Pois não tem coisa mais significativa do que o nome da gente. Daí eu parto do nome deles e assim já vão começando a junção com o nome dos amigos. É assim que eu parto sempre, da identificação, do nome deles. Daí eu vou entrando na história da escrita, como surgiu a escrita, eu conto pra eles a história, e assim vai indo. A ação mediadora no processo de alfabetização baseada na textualidade, pressupõe que seja apresentado aos alunos textos que sejam coerentes para ele e cujo conteúdo esteja articulado no seu conhecimento prévio. O ensino tem que ser organizado de forma que a leitura e a escrita se tornem necessárias às crianças [...] A escrita deve ser relevante à vida [...] deve ter significado para as crianças [...] deve ser incorporada a uma tarefa necessária e relevante para a vida. (VYGOTSKI,1984, p.133). Observando registros de alunos desta professora (S), encontramos o registro do nome do próprio aluno, seguido de colegas que tem o nome com a mesma letra inicial do seu. Uma

9 5063 pesquisa com a família explicitando as razões do nome; a quantidade de letras que compõe os nomes, caça palavras para encontrar os nomes dos integrantes da turma.. Um gráfico com as datas de aniversário e a idade dos integrantes da turma. Os registros apresentam certa sintonia com os dizeres da professora (S). Percebe-se indícios do desenvolvimento do processo de alfabetização voltado para a perspectiva de alfabetizar letrando. O processo ensino em classes de alfabetização Os estudos voltados a Psicogênese da Língua Escrita na década de 1980, trouxeram contribuições relevantes para a área da alfabetização, uma vez que alfabetizar transcende ao processo de memorização, de domínio da técnica perceptivo motora. A questão crucial da alfabetização é de natureza conceitual. Isto é, a mão que escreve, o olho que lê está sob o comando do cérebro que pensa sobre a escrita que existe em seu meio social e com a qual toma contato através da sua própria participação em atos que envolvem o ler e o escrever, em práticas sociais mediadas pela escrita. (WEISZ, 1999). Considerando o relato da professora (S) que nos primeiros dias de aula anuncia que ao desencadear o processo de escrita com seus alunos, primeiro eu começo a trabalhar o nomezinho deles, porque é a identificação do aluno, porque a primeira identificação do ser humano é o nome. [...]. E através do nome eu começo a trabalhar com eles as letras, porque querendo ou não, indiferente de eu ter aluno na sala alfabetizado ou não, eu começo por aí, pelo nome. Daí eu trabalho com as vogais, com o alfabeto todo, a junção das letras, junção de sílabas que compõem os nomes, são observadas no contexto da palavra. É mais ou menos isso e aí eu vou formando outras palavras com eles juntando os nomes e assim vão lendo e escrevendo. Para compreender a natureza dialógica da linguagem, é preciso produzi-la, ou seja, propiciar situações dialógicas efetivas entre locutor e interlocutor. Ao produzir linguagem aprende-se a linguagem. Para Bakhtin (2004), toda palavra realmente pronunciada é a expressão e o produto da interação social de três participantes: o locutor, o ouvinte e isto de que se fala.. Percebe-se que o ensino se processa para além da decodificação, da apropriação das letras e das palavras, as questões relacionadas ao contexto, as razões e funções da escrita recebem visibilidade.

10 5064 Ao construir o sistema de escrita se faz necessário analisar objeto, verificar quais propriedades e relações será colocado na representação. O sujeito que aprende uma representação estabelece relações com o contexto, formula hipóteses. Certamente nesse processo comete erros que podem significar avanço na conceituação. De qualquer forma, a criança procura entender o sistema de representação, e não simplesmente as marcas isoladas por si mesmas. Pode-se afirmar que o sistema de escrita não é um código, mas um sistema de representação, pois não existe uma correlação direta entre elementos da escrita e elementos da fala. A apropriação da linguagem escrita e a prática da cidadania sofrem uma impregnação recíproca, de modo que uma não pode existir plenamente sem a outra. Nesse aspecto alfabetizar significa proporcionar aos sujeitos que façam uma leitura da realidade para além das letras. Cagliari (1996, p. 105) afirma que: A motivação da escrita é sua própria razão de ser: a decifração constitui apenas um aspecto mecânico de seu funcionamento. Assim a leitura não pode ser só decifração: deve, através da decifração, chegar à motivação do que está escrito, ao seu conteúdo semântico e pragmático completo. Por isso é que a leitura não se reduz à somatória dos significados individuais dos símbolos (letras, palavras, etc.), mas obriga o leitor a enquadrar todos esses elementos no universo cultural, social, histórico, etc. em que o escritor se baseou ao escrever. Nesta perspectiva, a alfabetização, considerada em seu sentido restrito de aquisição da escrita alfabética, ocorre dentro de um processo mais amplo de aprendizagem da Língua Portuguesa. O professor em sua prática de alfabetização pressupõe o estabelecimento de relações entre o sistema de codificação, o sistema de representação e as práticas sociais. Weisz (1999) coloca que trabalhar a alfabetização, onde a criança precisa memorizar e fixar informações descontextualizadas, em que a escrita é apresentada somente como código, retrata um modelo típico que as cartilhas contemplam: As cartilhas trabalham com uma concepção de língua escrita como transcrição da fala:

11 5065 elas supõem a escrita como um espelho da língua que se fala. Seus textos são construídos com a função de tornar clara essa relação de transcrição. Em geral são palavras chaves e famílias silábicas, usadas exaustivamente e aí se encontram coisas como o bebê baba na Babá, o boi bebe, Didi dá o dado a Dedé. A função do material escrito numa cartilha é apenas ajudar o aluno a desentranhar a regra do sistema alfabético: que o b com a dá ba, e por aí afora. (WEISZ, 1999, p.32). Nesta perspectiva o conhecimento está fora do sujeito e é internalizado pelos sentidos. Aprender deve ser entendido como sendo o resultado da reconstrução que a criança faz do real, à medida que interage com ele. Ferreiro (1999) apresenta alguns fatores necessários para que a alfabetização se processe com eficiência: a compreensão do modo de representação da linguagem que corresponde ao sistema alfabético de escrita; a compreensão das funções sociais da escrita e, portanto, geram diferentes expectativas a respeito do que se pode encontrar por escrito nos múltiplos objetos sociais que são portadores de escrita (livros diversos, jornais, cartas, embalagens de produtos ou de medicamentos, cartazes na rua, etc.). Alfabetizar, considerando a escrita como um sistema de representação requer o oferecimento às crianças, paralelamente às reflexões sobre o princípio alfabético, de situações que as façam compreenderem as funções da língua escrita no cotidiano da sociedade. Essas atitudes ensinam à criança as funções que a escrita exerce na vida das pessoas. Além das características próprias do sistema alfabético, aprendem as características próprias da linguagem que se usa em diferentes situações, com distintas finalidades e em distintos tipos de texto. Considerações Finais Este estudo esteve voltado a analise dos dizeres que circulam entre os professores alfabetizadores que atuam em classes de alfabetização. Veio possibilitar uma reflexão sobre o processo de alfabetização que se concretiza na perspectiva da superação da codificação e decodificação, adentrando no processo de alfabetizar letrando. Estando incluso ainda o processo de tomada do contexto alfabetizador a partir dos registros de alunos, com atividades desenvolvidas por esses alunos em seus cadernos de tarefas, propostas por esses professores que

12 5066 incluem atividades diversas envolvendo as disciplinas trabalhadas no dia a dia. da sala de aula. As práticas desenvolvidas nesse sentido procuram priorizar o processo de alfabetizar em que a decodificação se faz presente de forma destacável e a perspectiva dos usos sociais da leitura e da escrita, o processo de alfabetização pressupondo a relação entre a apropriação do sistema da escrita e o seu emprego em práticas reais, fica sem uma efetiva articulação. Aproveitar à curiosidade inerente a criança, a sua predisposição de observar, descobrir, conhecer e questionar para possibilitar que avance no seu processo de domínio, de aquisição da leitura e da escrita de forma natural é papel do professor que se propõe a atuar na perspectiva de alfabetizar letrando. Alfabetizar neste sentido, é mais do que ensinar a grafia e a decodificação das palavras. Amplia-se para a compreensão de que ler e escrever significa mergulhar num universo conceitual que possibilita ao sujeito realizar processos mentais mais elaborados contidos na linguagem escrita e que contam com a compreensão da totalidade da realidade vista, ouvida e dos conhecimentos historicamente produzidos. Pensar a alfabetização articulada à dimensão do letramento é propiciar em sala de aula, situações que envolvam, de forma crítica e dialógica, as diferentes linguagens. Significa orientar, propor à criança para que pense e aprenda a linguagem sem limites determinados, que esta vem carregada de significado definido pelo seu contexto. REFERÊNCIAS BAKHTIN, Mikail Volichinov. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2004 BAUER, Martin W. GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático: entrevistas individuais e grupais. Petrópolis, RJ: Vozes, BOGDAN, Robert: BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e lingüística. 10 ed. São Paulo: Scipioine, FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 13. ed. Paz e Terra: Rio de Janeiro, FERREIRO, Emilia Com todas as letras. 7 ed. São Paulo; Cortez, Reflexões sobre alfabetização. 25. ed. São Paulo; Cortez, 2000.

13 5067 SANTA CATARINA, Proposta Curricular de Santa Catarina Estudos Temáticos.. Florianópolis: IOESC, 2005 SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 2ª ed. São Paulo: Contexto, VYGOTSKY, Lev Semenovich S. A formação Social da Mente. São Paulo, Martins Fontes, 1984 Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, WEISZ, T. Apresentação do livro: Psicogênese da língua Escrita. In FERRERO, Emília: TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto alegre: Artes Médicas, 1999.

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

O posicionamento teórico do alfabetizador e...

O posicionamento teórico do alfabetizador e... Page 1 of 6 suas conseqüências Prof. Ms. Joana Maria Rodrigues Di Santo Após as pesquisas de Emilia Ferreiro e Ana Teberosk sobre a psicogênese da língua escrita, ficou claro que a capacidade de ler e

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo A IMPORTÂNCIA DA SONDAGEM DA ESCRITA PARA O INÍCIO DE ATIVIDADES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO DO PIBID NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS NORONHA, Gessica Nunes UFC gessicanunes.noronha@hotmail.com

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL.

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. RICOMINI, Ingrid da Silva; GIROTTO, Cyntía Graziella Guizelim Simões.

Leia mais

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA Georgyanna Andréa Silva Morais ¹ RESUMO O presente artigo é parte integrante das discussões empreendidas na pesquisa do Mestrado em Educação

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

Adultos: questões fundamentais da prática

Adultos: questões fundamentais da prática Alfabetização de Jovens e Adultos: questões fundamentais da prática pedagógica POR QUE SABER LER E ESCREVER? Domínio de habilidades de leitura e escrita é condição para: 1. Enfrentar exigências do mundo

Leia mais

Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores

Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores Resumo Este artigo é o resultado da investigação realizada junto a um grupo

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO.

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. LUCION, Jucélia Demezuk G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC), ARANHART, Leonice Tocheto G (UNIOESTE/PIBIDI/CAPES/MEC) SILVEIRA, Luciana G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC)

Leia mais

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS...

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... Autora: Moema Helena de Albuquerque Co-autora: Sandra Maria Cunhasque Instituto Federal Catarinense Câmpus Camboriú CAPES

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUND. TEÓRICOS METODOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Educação

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

A LEITURA E A ESCRITA NO PRIMEIRO E SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL

A LEITURA E A ESCRITA NO PRIMEIRO E SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL A LEITURA E A ESCRITA NO PRIMEIRO E SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL Maria Oneide Lino da Silva¹ (Unidade Escolar Nair Gonçalves) GT 04 Alfabetização, Leitura e Escrita INTRODUÇÃO No inicio dos anos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Francisca Roseneide Gurgel Campêlo Graduanda de Pedagogia CAMEAM/UERN Francisca Rozângela Gurgel

Leia mais

APROPRIAÇÃO DA ESCRITA ALFABÉTICA: É POSSÍVEL ALFABETIZAR LETRANDO AOS SEIS ANOS?

APROPRIAÇÃO DA ESCRITA ALFABÉTICA: É POSSÍVEL ALFABETIZAR LETRANDO AOS SEIS ANOS? APROPRIAÇÃO DA ESCRITA ALFABÉTICA: É POSSÍVEL ALFABETIZAR LETRANDO AOS SEIS ANOS? Magna do Carmo Silva Cruz mestranda CEEL/UFPE magna_csc@yahoo.com.br ; Eliana Borges Correia de Albuquerque docente CEEL/UFPE

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A LEITURA DE HISTÓRIAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS. Introdução

A LEITURA DE HISTÓRIAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS. Introdução A LEITURA DE HISTÓRIAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS Alessandra Braga Costa le. bcosta@hotmail.com Acadêmica do curso de Pedagogia Bolsista ICV da Unimontes Geisa Magela Veloso velosogeisa@gmail.com

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Tatiane Henrique Sousa Machado 1 RESUMO: O presente estudo de dedica-se

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA.

INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA. INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA. TÁSIA FERNANDA WISCH (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA). Resumo O presente artigo

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO E O LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS MEDIANTE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSISTENTE

A ALFABETIZAÇÃO E O LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS MEDIANTE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSISTENTE A ALFABETIZAÇÃO E O LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS MEDIANTE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSISTENTE Damares Araújo Teles, Graduanda na UFPI Francisca Samaritana Saudita de Oliveira Véras, Graduanda na UFPI

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita.

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita. O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: ANÁLISE DOS NÍVEIS DE ESCRITA Alexsandra Vieira Cardoso Graduanda do curso de Letras IFPB Email: Morgana.vc1@hotmail.com Francisca Edneide Cesário

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO HOJE: TEORIAS, CONCEPÇÕES VIGENTES E PRÁTICAS DOCENTES DOS PROFESSORES ALFABETIZADORES. RESUMO

ALFABETIZAÇÃO HOJE: TEORIAS, CONCEPÇÕES VIGENTES E PRÁTICAS DOCENTES DOS PROFESSORES ALFABETIZADORES. RESUMO ALFABETIZAÇÃO HOJE: TEORIAS, CONCEPÇÕES VIGENTES E PRÁTICAS DOCENTES DOS PROFESSORES ALFABETIZADORES. Cássia Leticia Fernandes cassialeticia@yahoo.com.br Dulcimar Betramini Rodrigues dulcibetramini@ig.com.br

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

Palavras-chave: Lecto-escrita. Atividades lúdicas. Formação em diferentes níveis.

Palavras-chave: Lecto-escrita. Atividades lúdicas. Formação em diferentes níveis. Resumo: ATIVIDADES DIVERSIFICADAS NA SALA DE AULA: UMA TROCA DE EXPERIÊNCIAS DE DOCENTES DE DIFERENTES NÍVEIS DO ENSINO Doris Pires Vargas Bolzan 1 Alexandra Pozzatti Machesan 2 Carla Markus Lopes 3 Francine

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO

PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO Resumo MUNIZ, Cláudia Pereira - SME cmuniz@sme.curitiba.pr.gov.br SANTOS, Taís Wojciechowski SME taissantos@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático:

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO. PALAVRAS CHAVE: PIBID, Interação, Construção, Leitura, Projeto.

A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO. PALAVRAS CHAVE: PIBID, Interação, Construção, Leitura, Projeto. A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO Fabiana Maria da Silva Nascimento 1 Fabiana Pereira de Oliveira 2 Prof.Esp.Gleison Carlos Souza de Morais 3 Prof. Ma.

Leia mais

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto Por que o Joãozinho não aprende a ler João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto PISA 2012 - Língua Portuguesa Média OCDE 500 Média Brasil 412 1o decil 340 9o decil 420 10o decil

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT Cimária França de Oliveira 1 Terezinha Felix Silva C. Deus 2 Resumo A função desse trabalho é de

Leia mais

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE Martyhellen Maria Monteiro da Silva - Acadêmica do 8º período do Curso de Pedagogia-UVA, Bolsista do PIBID/UVA-Pedagogia

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores AS DIFICULDADES DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DOS ALUNOS DE PEDAGOGIA NOS PRIMEIROS

Leia mais

VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA RESUMO

VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA RESUMO VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA FROELICH, T. C. 1 UFSM tatyfch@gmail.com BOLZAN, D. P. V. 2 UFSM professoradoris@smail.ufsm.br RESUMO A alfabetização é um processo que desperta muitas

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE ALFABETIZAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR.

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE ALFABETIZAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE ALFABETIZAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR. Área Temática: Formação de educadores. Resumo Adriana de Almeida * Pedagogia DEPED. Universidade Estadual do Centro Oeste UNICENTRO. O tema proposto

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções.

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções. As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento RESUMO A recente incorporação do termo letramento no campo da educação brasileira associada com a ampliação do Ensino Fundamental

Leia mais

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Resumo Fernanda Guinoza Matuda 1 Maria Elena Roman de Oliveira Toledo 2 Esta pesquisa buscou, por

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC Caro (a) professor (a), ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 2º ANO Cientes

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Educação infantil. Alfabetização. Letramento.

PALAVRAS CHAVES: Educação infantil. Alfabetização. Letramento. PROCESSOS DE LEITURA E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL À LUZ DO LETRAMENTO: ESTABELECENDO ALGUNS DIÁLOGOS CLÉZIA MEIRE DE CARVALHO 1 MAGDA NUNES GURGEL 2 RESUMO Este artigo centraliza a atenção na investigação

Leia mais

AS NOVAS TEORIAS DA ALFABETIZAÇÃO NAS SERIES INICIAIS E A REALIDADE COTIDIANA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DE CASO

AS NOVAS TEORIAS DA ALFABETIZAÇÃO NAS SERIES INICIAIS E A REALIDADE COTIDIANA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DE CASO AS NOVAS TEORIAS DA ALFABETIZAÇÃO NAS SERIES INICIAIS E A REALIDADE COTIDIANA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DE CASO Ana Cláudia Jacinto Peixoto de Medeiros Universidade Federal de Ouro Preto, email: anaclaudiaufu@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais