VICE-PRESIDENTE DA FIESP PRESIDENTE DO CONSIC CONSELHO SUPERIOR DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PRESIDENTE DO SINPROCIM / SINAPROCIM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VICE-PRESIDENTE DA FIESP PRESIDENTE DO CONSIC CONSELHO SUPERIOR DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PRESIDENTE DO SINPROCIM / SINAPROCIM"

Transcrição

1 PALESTRA: ENGº. JOSÉ CARLOS DE OLIVEIRA LIMA VICE-PRESIDENTE DA FIESP PRESIDENTE DO CONSIC CONSELHO SUPERIOR DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PRESIDENTE DO SINPROCIM / SINAPROCIM 1

2 A FIESP REPRESENTA MAIS DE 100 ENTIDADES DA CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO DESDE PROJETOS OU EXTRAÇÃO DE MINÉRIOS. NOSSAS AÇÕES ESTÃO VOLTADAS PARA O FOMENTO DO SETOR E NAS ESTRATÉGIAS DOS NEGÓCIOS, JUNTO COM AS AUTORIDADES BRASILEIRAS E AS COMUNIDADES INTERNACIONAIS. 2

3 NO BRASIL, A CADEIA PRODUTIVA GRANDE RELEVANCIA, POIS PIB, OU SEJA - DE TODA DA REPRESENTA CONSTRUÇÃO, MAIS DE A RIQUEZA PRODUZIDA NO 12% É DE DO BRASIL DISTRIBUÍDOS DA SEGUINTE FORMA: CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MÁQUINAS E QUIPAMENTOS SERVIÇOS OUTROS MATERIAIS 3

4 APRESENTAMOS ESTUDO EM 29 DE NOVEMBRO/11, NA FIESP, QUE PROPÕE UMA POLÍTICA DE UM GRANDE ESTADO A MÉDIO E LONGO PRAZO. COM AÇÕES QUE ULTRAPASSAM OS EVENTOS COPA E OLIMPIADAS TANTO EM QUESTÕES HABITACIONAIS, COMO EM INFRAESTRUTURA, NOSSO OBJETIVO É COLOCAR O PAÍS ENTRE AS 5 PRINCIPAIS ECONOMIAS MUNDIAIS ATÉ

5 HÁ POUCO MAIS DE UMA DÉCADA, TÍNHAMOS ESTES PROBLEMAS: O BRASIL ENFRENTAVA CRISES ASIÁTICAS E RUSSAS, QUE CONTAGIAVAM OS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO, ALÉM DO ARRISCADO CENÁRIO DE INVESTIMENTO. HOJE JÁ É DIFERENTE. COM AS AÇÕES RÁPIDAS DAS AUTORIDADES BRASILEIRAS E A RESPOSTA DO SETOR NO PERÍODO DA CRISE, ENTRAMOS NA ROTA DO DESENVOLVIMENTO CONTÍNUO. TRANSFORMANDO O BRASIL EM UM CELEIRO DE OPORTUNIDADES TEMOS MUITO AINDA O QUE FAZER, POR ISSO, PLANEJAMOS NOVAS METAS DE INVESTIMENTOS. COM ABERTURA, TAMBÉM, PARA OS INVESTIDORES INTERNACIONAIS TANTO NA HABITAÇÃO COMO NA INFRAESTRUTURA 5

6 A SITUAÇÃO ATUAL OPORTUNIDADES, QUE E PROJEÇÕES FUTURAS, ULTRAPASSAM OS EVENTOS GERAM DA COPA E OLIMPÍADAS 6

7 COM RELAÇÃO A HABITAÇÃO, TEMOS UM CENÁRIO INTERESSANTE 7

8 A FAIXA ETÁRIA DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA ESTÁ MUDANDO. TEMOS UMA NOVA DINÂMICA FAMILIAR. MAIS JOVENS ESTÃO CONSTITUINDO FAMÍLIAS. NA ECONOMIA E NO MERCADO DE TRABALHO, CRESCE A PARTICIPAÇÃO DA MULHER. RESULTANDO UM MELHOR PLANEJAMENTO FAMILIAR, E HABITAÇÕES COM MENOS PESSOAS. TUDO ISSO, PROVOCA, FORTE EXPANSÃO DA DEMANDA POR NOVAS MORADIAS. 8

9 A NOSSA ATUAL REALIDADE ECONOMICA E SOCIAL POSITIVA. É BASTANTE VIVEMOS ATUALMENTE UMA DIMINUIÇÃO DA DESIGUALDADE DAS CLASSES SOCIAIS E AUMENTANDO DA RENDA DA POPULAÇÃO ISSO É MOBILIDADE SOCIAL 9

10 PORÉM O DÉFICIT HABITACIONAL É DE APROXIMADAMENTE 6 MILHÕES DE MORADIAS. A REGIÃO SUDESTE E A NORDESTE, SÃO AS QUE DEMANDAM MAIOR NECESSIDADE DE MORADIAS 10

11 SOMANDO O ATUAL DÉFICIT, ATÉ 2022, TEREMOS QUE PRODUZIR MAIS DE 23 MILHÕES DE MORADIAS PARA ATENDER AS NOVAS FAMÍLIAS, PARA ELIMINAR A PRECARIEDADE, E REDUZIR A COABITAÇÃO 11

12 ISSO IMPLICA QUE TEREMOS UMA NECESSIDADE DE INVESTIMENTOS DE 250 BILHÕES DE REAIS TOTALIZANDO EM 12 ANOS MAIS DE 3 TRILHÕES DE REAIS. TANTO EM NOVAS MORADIAS, COMO EM REFORMAS. O QUE EQUIVALE A 1,8 TRILHÕES DE DOLARES 12

13 OS RECURSOS PÚBLICOS E PRIVADOS, DO FGTS FUNDO DE GARANTIA DE TEMPO DE SERVIÇO E SBPE SISTEMA BRASILEIRO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMOS, EMBORA CRESCENTES SÃO INSUFICIENTES PARA ATENDER TODA ESSA DEMANDA. AQUI TAMBÉM PRECISAMOS DE MAIS INVESTIMENTOS EXTERNOS. 13

14 VAMOS FALAR AGORA UM POUCO DE INFRAESTRUTURA NÃO ESQUEÇAM PRECISAMOS ESTAR ATÉ 2022 ENTRE AS 5 PRINCIPAIS ECONOMIAS MUNDIAIS. 14

15 SEGUNDO DADOS DO FORUM ECONOMICO MUNDIAL ENTRE 139 PAISES. O BRASIL ESTÁ EM POSIÇÃO MUITO INTERESSANTE PARA NÓS INVESTIDORES. 15

16 VEJAM OUTROS DADOS DO FÓRUM ENTRE NOTAS DE - EM ENERGIA 1A7 O BRASIL TEM : 5,1 - EM AEROPORTOS 4,0 - EM ESTRADAS E PORTOS 2,9 - EM FERROVIA 1,9 CONCLUINDO O BRASIL SÓ ESTÁ ACIMA DA MÉDIA MUNDIAL, EM ENERGIA. 16

17 PORTANTO, ESSA É A QUALIDADE DA INFRAESTRUTURA GERAL BRASILEIRA, ONDE A MÉDIA MUNDIAL É 4,3 E A DO BRASIL É 3,8. ATRÁS DE PAISES COM MENOR MATURIDADE ECONOMICA 17

18 CONCLUSÃO AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS SÃO MUITO GRANDES E COMO JÁ DISSE, HÁ MUITO O QUE FAZER. SEM PLANEJAMENTO INTEGRADO NÃO HÁ INVESTIMENTOS. E ISSO É FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DO PAÍS. 18

19 A META DE INVESTIMENTOS ATÉ 2022 SUPERA 2 TRILHÕES DE REAIS EM INFRAESTRUTURA... O QUE EQUIVALE A 1,18 TRILHÕES DE DOLARES 19

20 TODO ESSE MONTANTE DE INVESTIMENTO DEVERÁ SER TANTO PÚBLICO COMO PRIVADO. POR EXEMPLO: O BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E SOCIAL, VEM ANO A ANO, AMPLIANDO SUA PARTICIPAÇÃO, NA LIBERAÇÃO DE VERBAS PARA INFRAESTRUTURA. MAS, NÃO É SUFICIENTE, PRECISAREMOS DE MAIS INVESTIMENTOS PRIVADOS 20

21 POIS BEM, VAMOS FALAR SOBRE EVENTOS ESPORTIVOS E SOBRE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS 21

22 TANTO PARA A COPA, COMO PARA AS OLIMPIADAS, QUE TEM DIA E HORA PARA ACONTECER. VEREMOS NA SEQUENCIA, QUAIS SÃO AS METAS PARA INFRAESTRUTURA, POR PERÍODO DE EVENTO 22

23 23

24 EM TRANSPORTE A MÉDIA ANUAL SERÁ DE 18,8 BILHÕES DE DOLARES 24

25 ATUALMENTE PARA CADA 1 DOLAR DE INVESTIMENTO PÚBLICO EXISTE 28 CENTS DE DOLAR, DE INVESTIMENTO PRIVADO E MISTO. ATÉ 2022, ESSA RELAÇÃO SERÁ DE 1, PARA 3,35 US$. 25

26 COM RELAÇÃO A ENERGIA, A META ANUAL TAMBÉM SERÁ DE 18,8 BILHÕES DE DOLARES 26

27 NO TOCANTE A PETRÓLEO E GÁS NATURAL, AS METAS SÃO MAIORES, POIS O PRÉ-SAL EXIGIRÁ GRANDE VOLUME DE RECURSOS A MÉDIA ANUAL SERÁ DE 45 BILHÕES DE DOLARES. 27

28 EM TELECOMUNICAÇÕES, FALA-SE AMPLAMENTE DA NECESSIDADE DE MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DOS SERVIÇOS PARA ESTE SEGMENTO, A META ANUAL SERÁ DE 4,5 BILHÕES DE DOLARES 28

29 E, COMPLETANDO ESSE CENÁRIO, PARA SANEAMENTO, A META ANUAL É DE 10 BILHÕES DE DOLARES. PARA TODO ESSE CONCEITO, FORAM CONSIDERADOS OS INVESTIMENTOS PÚBLICOS E PRIVADOS, NO CASO DE SANEAMENTO, RECURSOS PRÓPRIOS DAS OPERADORAS. 29

30 AINDA SOBRE O TEMA COPA E OLIMPÍADAS, OUTRO ESTUDO DO SETOR, FEITO PELA ERNST & YOUNG, CONFIRMA TODAS ESSAS NECESSIDADES DE INVESTIMENTOS, QUE SERÃO GRANDES OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. VEJAM ALGUNS DADOS POR SETOR. - CONSTRUÇÃO CIVIL - ALIMENTOS E BEBIDAS - SERVIÇOS DE INFORMAÇÕES - TURISMO - HOTELARIA - E OUTROS 30

31 NESTE GRÁFICO, VEJAM OS DADOS SOBRE INVESTIMENTOS EM MÍDIA, ESTÁDIOS, HOTEIS, REURBANIZAÇÃO, SEGURANÇA, RODOVIAS, AEROPORTOS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, ENERGIA. 31

32 VEJAM AQUI AS CIDADES QUE IRÃO SEDIAR QUAIS ESTÁDIOS SERÃO OS JOGOS DA COPA CONSTRUÍDOS E QUAIS SERÃO REFORMADOS ALÉM DE TODA A NECESSIDADE DE INFRAESTRUTURA URBANA TUDO ISSO SERÁ OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO 32

33 JÁ PARA AS OLIMPÍADAS, OS PRINCIPAIS SETORES BENEFICIADOS, ESTÃO APONTADOS NESSE GRÁFICO. SENHORAS / SENHORES, QUERO DESTACAR QUE NO BRASIL HÁ MUITAS EM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS, SEJAM ELAS PARCERIAS, JOINT-VENTURES, FUSÕES, AQUISIÇÕES OU AINDA EM NOVOS NEGÓCIOS, NUM AMBIENTE COM: SEGURANÇA JURÍDICA, ESTABILIDADE (ECONÔMICA E POLÍTICA). A SEGUIR, VEJAM QUE HÁ ESPAÇO PARA ESSE CRESCIMENTO. 33

34 POR EXEMPLO, NESTE RANKING A ITÁLIA OCUPA A 18ª POSIÇÃO, CONSIDERANDO A RELAÇÃO DOS INVESTIMENTOS INTERNACIONAIS APORTADOS NO BRASIL. 34

35 E QUE DESSES, 214 MILHÕES DE DOLARES, 35 MILHÕES SÃO DIRECIONADOS AO SETOR DA CONSTRUÇÃO, OU SEJÁ, NOSSO PAPEL, AQUI HOJE, É TRAZER ESSA PALAVRA DE OTIMISMO E CONFIANÇA, PARA AMPLIAR ESSE MERCADO. ESTAREMOS A DISPOSIÇÃO, PARA AUXILIÁ-LOS NESSES NOVOS NEGÓCIOS. 35

36 ESSE SETOR, DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO, CRESCEU MAIS DE 15% EM 2010, E SE ESPERA UM AUMENTO REPRESENTATIVO EM 2011, PORÉM NECESSITARÁ DE MAIS INVESTIMENTOS E NOVAS TECNOLOGIAS 36

37 37

38 INFORMO QUE TODOS OS DADOS DISPONÍVIES NO AQUI APRESENTADOS ESTÃO PORTAL OBERVATÓRIO DA CONSTRUÇÃO QUE É UM PROJETO DA FIESP E DA CADEIA PRODUTIVA EM TER EM UM ÚNICO LUGAR DE FORMA CONSOLIDADA AS PRINCIPAIS INFORMAÇÕES DO SETOR PARA AUXILIAR OS EMPRESÁRIOS NA TOMADA DE DECISÕES DE INVESTIMENTO. 38

39 FINALIZANDO, REGISTRO MEU ESPECIAL AGRADECIMENTO: - AO GOVERNO ITALIANO - AS ENTIDADES EMPRESARIAIS QUE NOS ACOLHERAM - AO NOSSO PRESIDENTE PAULO SKAF - AOS EMPRESARIOS ITALIANOS, BRASILEIROS, E A TODOS AQUI PRESENTES 39

40 GOSTARIA TAMBÉM DE AGRADECER BRASILEIRA, QUE ESTÃO AQUI OS MEMBROS DA COMITIVA PARA AUXILIAR NO QUE FOR NECESSÁRIO 40

41 FAÇO AQUI UM DEPOIMENTO PESSOAL COMO EMPRESÁRIO E LÍDER DO SETOR DA CONSTRUÇÃO, NA FIESP, ACREDITO MUITO NO POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO BRASIL, COMO VOCÊS ESTÃO ACOMPANHANDO. E CONVIDO TODOS A INVESTIR NO NOSSO PAÍS. POIS O RETORNO É CERTO. MILE GRAZIE. 41

Mercado Imobiliário. Desempenho recente e desafios para o Brasil. Fernando Garcia e Ana Maria Castelo

Mercado Imobiliário. Desempenho recente e desafios para o Brasil. Fernando Garcia e Ana Maria Castelo Mercado Imobiliário Desempenho recente e desafios para o Brasil Fernando Garcia e Ana Maria Castelo Os bons ventos no mercado imobiliário brasileiro Evolução dos financiamentos SBPE De janeiro a setembro,

Leia mais

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA!

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Um breve passeio pela história... 70 e 80 = país sustentado por sua vocação agrícola. 1989 = inflação alcançava quase 2.000% ao ano! 1990 = abertura às importações

Leia mais

Infraestrutura estagnada: o nó da economia brasileira

Infraestrutura estagnada: o nó da economia brasileira Boletim Econômico Edição nº 51 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Infraestrutura estagnada: o nó da economia brasileira 1 Situação atual da infraestrutura no

Leia mais

Principais atividades do Deconcic em 2015

Principais atividades do Deconcic em 2015 Principais atividades do Deconcic em 2015 18 de janeiro de 2016 Participações em reuniões de trabalho; Representações institucionais em eventos do setor; Encontros específicos para tratar do Sistema Integrado

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T10

Apresentação de Resultados 2T10 Apresentação de Resultados 2T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE - ETENE INFORME INDÚSTRIA E SERVIÇOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE - ETENE INFORME INDÚSTRIA E SERVIÇOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE - ETENE INFORME INDÚSTRIA E SERVIÇOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE ANO IV Nº. 6 ABRIL 2010 2 O nosso

Leia mais

NAMING RIGHTS DE ESTÁDIOS E ARENAS NO BRASIL

NAMING RIGHTS DE ESTÁDIOS E ARENAS NO BRASIL NAMING RIGHTS DE ESTÁDIOS E ARENAS NO BRASIL O mercado brasileiro de futebol nos próximos anos será extremamente beneficiado pela construção e reforma de estádios com vistas à realização da Copa de 2014

Leia mais

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011 Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para 2012 6/12/2011 Desempenho e perspectivas A revisão do PIB Desempenho da cadeia em 2011 Perspectivas Revisão dos números do PIB 2009 Destaque: Os

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Políticas para estimular a oferta de habitações CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

Políticas para estimular a oferta de habitações CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Políticas para estimular a oferta de habitações CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Luis Fernando M. Mendes Economista da CBIC Cancun - México 12/07/2011 Representante nacional e internacional

Leia mais

CAIXA. Segmento Petróleo e Gás. Reunião da Diretoria do SINAVAL. Antonio Gil Silveira Gerente Regional

CAIXA. Segmento Petróleo e Gás. Reunião da Diretoria do SINAVAL. Antonio Gil Silveira Gerente Regional CAIXA Segmento Petróleo e Gás Reunião da Diretoria do SINAVAL Antonio Gil Silveira Gerente Regional Rio de Janeiro, 15 de Fevereiro de 2012 AGENDA CAIXA Resultados 2011 Experiência CAIXA Estratégia CAIXA

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA O investimento direto estrangeiro e o Brasil Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES Luciano Coutinho Presidente do BNDES XXI Fórum Nacional Rio de Janeiro,19 de maio de 2009 1 O posicionamento dos países em desenvolvimento A crise econômica será severa

Leia mais

Perspectivas de Negócios em Infraestrutura. novembro 2013

Perspectivas de Negócios em Infraestrutura. novembro 2013 Perspectivas de Negócios em Infraestrutura novembro 2013 Brasil no Mundo Globalizado - Importação e exportação manufaturas, commodities e serviços; - Crescimento da economia e aumento do consumo nos países

Leia mais

AGENDA 1. INVESTIMENTOS 2. METAS. 3. AÇÕES Transporte Energia Telecomunicações Saneamento

AGENDA 1. INVESTIMENTOS 2. METAS. 3. AÇÕES Transporte Energia Telecomunicações Saneamento AGENDA 1. INVESTIMENTOS 2. METAS 3. AÇÕES Transporte Energia Telecomunicações Saneamento 4. PILARES para o desenvolvimento Sustentabilidade Gestão Mão de Obra Dimensão da carência de infraestrutura se

Leia mais

São Paulo, 30 de novembro de 2012

São Paulo, 30 de novembro de 2012 Brasil 2013: política e economia São Paulo, 30 de novembro de 2012 Há quase 20 anos, o eleitor escolhe entre PT PSDB Movimento pendular PT PSDB PSB PDT PC do B PMDB PP PSD PTB PV Por algumas razões Fadiga

Leia mais

Projetos do Deconcic. Reunião do Consic 14 de agosto de 2015

Projetos do Deconcic. Reunião do Consic 14 de agosto de 2015 Projetos do Deconcic Reunião do Consic 14 de agosto de 215 Agenda Programa Compete Brasil da Fiesp Responsabilidade com o Investimento Observatório da Construção: novo layout Acompanhamento de Obras Acordo

Leia mais

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 São Paulo, 06 de outubro de 2015 AGOSTO DE 2015 Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 Até agosto de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$ 36,8 bilhões.

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente

MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 1º Trimestre de 2011 São Paulo, dezembro de 2010 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

Ministério do Trabalho FGTS. Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS

Ministério do Trabalho FGTS. Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS FGTS Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS Histórico 1943 - CLT - Garantia de estabilidade de emprego após 10 anos na mesma empresa. - Pesquisa do em 1966: apenas 15% dos trabalhadores celetistas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Evolução e Perspectivas do Crédito Imobiliário: Os Fatores que o Impulsionaram e Perspectivas para os Próximos Anos Economista José Pereira

Leia mais

Início da Marca. Líder mundial na fabricação de componentes para elevadores fluidodinâmicos; Mais de grupos componentes instalados no mundo;

Início da Marca. Líder mundial na fabricação de componentes para elevadores fluidodinâmicos; Mais de grupos componentes instalados no mundo; Início da Marca Líder mundial na fabricação de componentes para elevadores fluidodinâmicos; Mais de 750.000 grupos componentes instalados no mundo; Capacidade de produção de 30 mil equipamentos / ano.

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 20 Em 20 a indústria catarinense enfrentou um ambiente econômico adverso, marcado por restrições de liquidez no mercado internacional e incertezas quanto ao futuro

Leia mais

Painel 3: Indústria Brasileira do Aço As grandes questões: Mercado

Painel 3: Indústria Brasileira do Aço As grandes questões: Mercado Painel 3: Indústria Brasileira do Aço As grandes questões: Mercado Jefferson de Paula CEO ArcelorMittal Aços Longos Americas Central e do Sul São Paulo, 14 de julho de 2015 O PIB brasileiro cresceu de

Leia mais

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Em 2010, segundo divulgação do IBGE, o PIB brasileiro cresceu 7,5% em relação a 2009. O PIB atingiu R$ 3,675 trilhões (ou, à taxa de câmbio de R$

Leia mais

Infraestrutura no Brasil: desafios e oportunidades para a próxima década

Infraestrutura no Brasil: desafios e oportunidades para a próxima década SOBRATEMA FÓRUM BRASIL INFRAESTRUTURA 1 Infraestrutura no Brasil: desafios e oportunidades para a próxima década Paulo Resende 2010 UMA VISÃO GERAL SOBRE A INFRAESTRUTURA BRASILEIRA 2 2010 a 2020: um País

Leia mais

Relatório de atividades 13 de julho a 09 de agosto de 2015

Relatório de atividades 13 de julho a 09 de agosto de 2015 13 de julho a 09 de agosto de 2015 13 de julho Reunião Plenária do Deconcic A reunião contou com a participação do Secretário Nacional de Transportes e Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Dario

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO (PAC), criado pelo Decreto 6.025/2007 que define a estrutura formal da sua gestão. PAC medidas de estímulo

Leia mais

Brasil negativado, Brasil invertebrado

Brasil negativado, Brasil invertebrado Brasil negativado, Brasil invertebrado Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia UFRJ 1 Sumário I. Desenvolvimento econômico 1. Renda 2. Investimento 3. Inflação 4. Contas externas 5.

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC

Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC Luis Paulo Bresciani Consórcio Intermunicipal Grande ABC Universidade Municipal de São Caetano do Sul ciclo de debates A indústria

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais

A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil

A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil Paulo Safady Simão Presidente da CBIC Fortaleza - CE 18/03/2010 Representante nacional e internacional das entidades empresariais da Indústria

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Seminário: Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Márcio Holland Secretário de Política Econômica Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Brasília, 19 de maio de 2014 2 Por que investimentos

Leia mais

Possibilidades de PPP em Saneamento

Possibilidades de PPP em Saneamento Seminário Internacional MRE BID BNDES Parceria Público-Privada Privada na Prestação de Serviços de Infra-estrutura Possibilidades de PPP em Saneamento ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Diretor de Saneamento e Infra-estrutura

Leia mais

Panorama geral do projeto

Panorama geral do projeto Panorama geral do projeto Reunião Consic Manuel Carlos de Lima Rossitto Diretor Titular Adjunto do Deconcic São Paulo, outubro de 2013 Agenda Cenário atual e Objetivos do projeto Estratégias de atuação

Leia mais

Brasil perde fatia da riqueza mundial

Brasil perde fatia da riqueza mundial Boletim Econômico Edição nº 32 junho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Brasil perde fatia da riqueza mundial 1 Peso econômico menor no mundo Levantamento feito com base

Leia mais

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Crescimento chinês da construção Taxa de crescimento entre 2007 a 2012 90% 82,61% 83,30% 80% 76,70% 70% 68,07% 60% 50% 40% 41,8% 30% 20% 10% 9,95%

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15

Teleconferência de Resultados 1T15 Teleconferência de Resultados 1T15 Relações com Investidores São Paulo, 08 de maio de 2015 Ressalva sobre declarações futuras Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

INVESTIR EM REPUBLICA DOMINICANA

INVESTIR EM REPUBLICA DOMINICANA Texto Quem Somos Missão A CCITPRD é uma Associação privada, sem fins lucrativos. A sua atividade centra-se, sobretudo, no estabelecimento de parcerias com empresas, organizações e profissionais especificamente

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O desempenho financeiro do BNDES, fusões e Petrobrás 1 Lucro do BNDES foi de R$ 5,47 bilhões no

Leia mais

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. ROAD SHOW LEILÃO 700MHz

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. ROAD SHOW LEILÃO 700MHz MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES ROAD SHOW LEILÃO 700MHz INDICADORES DE AMBIENTE 2 POPULAÇÃO BRASILEIRA divisão demográfica Região Norte 16,9 milhões de habitantes Região Nordeste 55,8 milhões de habitantes

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G

Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G Área de Insumos Básicos Novembro de 2011 1 1. BNDES e a Indústria de P&G Principais Objetivos A. Contribuir para o desenvolvimento competitivo e sustentável da Indústria

Leia mais

CHINA atual superpotência???

CHINA atual superpotência??? CHINA atual superpotência??? A economia chinesa experimentou, a partir da década de 80 (1979-1980), depois de passar séculos dependendo quase inteiramente de seu setor agrícola e de experimentar as mudanças

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS SUA MARCA EM EVIDÊNCIA. no maior evento da indústria da construção na América Latina. VISITE FOZ DO IGUAÇU

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS SUA MARCA EM EVIDÊNCIA. no maior evento da indústria da construção na América Latina. VISITE FOZ DO IGUAÇU O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS SUA MARCA EM EVIDÊNCIA no maior evento da indústria da construção na América Latina. VISITE FOZ DO IGUAÇU 88º ENCONTRO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO TEMA 2016 O futuro nós

Leia mais

O Brasil de hoje e perspectivas para o futuro na visão do MDIC

O Brasil de hoje e perspectivas para o futuro na visão do MDIC O Brasil de hoje e perspectivas para o futuro na visão do Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul Marcos Pereira Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Caxias do Sul, 02

Leia mais

Pesquisa Anual da Indústria da Construção. Paic /6/2012

Pesquisa Anual da Indústria da Construção. Paic /6/2012 Pesquisa Anual da Indústria da Construção Paic - 2010 15/6/2012 Características metodológicas Resultados gerais Estrutura das receitas, dos custos e despesas, e do investimento em 2007/2010 Estrutura regional

Leia mais

III WTR PoP-BA RNP Salvador, set 2012 Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação

III WTR PoP-BA RNP Salvador, set 2012 Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação Américo T Bernardes Departamento de Infraestrutura para Inclusão Digital Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Secretaria de

Leia mais

PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES. Cadernos do Desenvolvimento vol. 5 (7), outubro 2010

PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES. Cadernos do Desenvolvimento vol. 5 (7), outubro 2010 240 PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES O presente texto tem por objetivo fazer um breve relato da atuação regional recente do BNDES baseado na apresentação realizada no Seminário de Comemoração

Leia mais

Janeiro registrou ingresso de US$ 4,0 bi em IED

Janeiro registrou ingresso de US$ 4,0 bi em IED São Paulo, 25 de fevereiro de 2015. Janeiro de 2015 Janeiro registrou ingresso de US$ bi em IED No primeiro mês de 2015, o Brasil recebeu US$ 3,97 bilhões em investimentos estrangeiros diretos (IED). O

Leia mais

Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020

Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020 Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020 Enviado por DA REDAÇÃO 10-Jun-2016 PQN - O Portal da Comunicação A receita global do setor de mídia e entretenimento deve

Leia mais

Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação

Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação CÂMABA BRASILEIRA DA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC Brasília/DF, 05 de outubro de 2016 PAÍS Imperativo para atingir metas de agendas e acordos Internacionais

Leia mais

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro Copa do Mundo da FIFA Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 2014 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro O MTUR e a Ponto de partida : garantias oferecidas pelo governo federal, estados e

Leia mais

Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças

Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças Situação atual da indústria química no Brasil e no Mundo: Perspectivas e ameaças Gabriel Lourenço Gomes Chefe do Departamento de Indústria Química Junho 2011 Julho/2009 Importância da Indústria Química

Leia mais

Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014. Prof. Jersone Tasso Moreira Silva

Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014. Prof. Jersone Tasso Moreira Silva Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014 Prof. Jersone Tasso Moreira Silva Sumário da Apresentação 1 Análise Macroeconômica Nacional 2 3 4 Análise do Investimento Privado Análise de Cenários

Leia mais

2.1 Descrição. Objetivos:

2.1 Descrição. Objetivos: Item a) Relações com a Europa. Comércio e investimentos. Extensão máxima. Quatro laudas. Introdução: A liderança econômica global da Europa é notável: são europeias cinco das 10 maiores economias do mundo;

Leia mais

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil João Carlos Cavalcanti Superintendente da Área de Infra-Estrutura Salvador, 16 de novembro de 2005 www.bndes.gov.br

Leia mais

Os Desafios da Indústria Brasileira. Ministro Guido Mantega Setembro 2010

Os Desafios da Indústria Brasileira. Ministro Guido Mantega Setembro 2010 Os Desafios da Indústria Brasileira Ministro Guido Mantega Setembro 2010 Brasil adotou políticas de industrialização Processo de Substituição de importações Neutralizar deterioração dos termos de intercâmbio

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

Cenário macroeconômico São Paulo, dezembro 2009

Cenário macroeconômico São Paulo, dezembro 2009 Cenário macroeconômico 2009-2016 São Paulo, dezembro 2009 2015 2016 2013 2014 2011 2012 2009 2010 Cenário macroeconômico 2009-2016 Equipe DIRETOR DO PROJETO: SUPERVISOR: COORDENADOR: CORPO TÉCNICO: Cesar

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios

MPE INDICADORES Pequenos Negócios MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE?

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? Ligia Amorim Diretora geral da NürnbergMesse Brasil 1ª vice-presidente do capítulo América Latina da UFIthe Global Association of the Exhibition Industry. Vice-presidente

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL RIO GRANDE DO SUL COPA DO MUNDO

SONDAGEM ESPECIAL RIO GRANDE DO SUL COPA DO MUNDO SONDAGEM ESPECIAL COPA DO MUNDO 72,7% dos empresários da construção civil do RS esperam impactos positivos com a realização da copa do mundo 39% acredita que esses impactos se materializem entre 2012-14

Leia mais

São Paulo quer mudar a matriz energética brasileira com a ampliação do uso do gás natural

São Paulo quer mudar a matriz energética brasileira com a ampliação do uso do gás natural Agência de Notícias Brasil-Árabe - SP 30/01/2004-07:00 São Paulo quer mudar a matriz energética brasileira com a ampliação do uso do gás natural Após a descoberta, pela Petrobras, de uma enorme jazida

Leia mais

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES e o Apoio ao Setor de P&G André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Instrumento chave

Leia mais

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho São Paulo, 23/04/2014

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho São Paulo, 23/04/2014 NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado Eng. Virgilio Calças Filho São Paulo, 23/04/2014

Leia mais

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO...

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO... Economia do Brasil INTRODUÇÃO A economia de um país pode ser dividida em setores (primário, secundário e terciário) de acordo com os produtos produzidos, modos de produção e recursos utilizados. Estes

Leia mais

Para mim é sempre uma honra vir ao Congresso Nacional, lugar que frequentei durante alguns anos como senador.

Para mim é sempre uma honra vir ao Congresso Nacional, lugar que frequentei durante alguns anos como senador. DISCURSO DO MINISTRO DOS TRANSPORTES, ANTONIO CARLOS RODRIGUES, NA COMISSÃO GERAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 13 DE AGOSTO DE 2015 Senhor presidente. Senhoras e senhores. Bom dia. Para mim é sempre uma

Leia mais

Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS

Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS Grande redução da desnutrição em crianças menores de 5 anos de idade nas últimas décadas: alcance antecipado de meta do

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

Decifrando a economia para superar a crise. com Denise Barbosa & Antonio Lacerda

Decifrando a economia para superar a crise. com Denise Barbosa & Antonio Lacerda Decifrando a economia para superar a crise com Denise Barbosa & Antonio Lacerda EUA produção industrial continua patinando 110 105 Índice base 2007 = 100 100 95 90 85 80 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

Encadeamento Produtivo de Serviços Novas Oportunidades, Novos Desafios

Encadeamento Produtivo de Serviços Novas Oportunidades, Novos Desafios SERVIÇOS Setembro-2012 Encadeamento Produtivo de Serviços Novas Oportunidades, Novos Desafios O encadeamento produtivo se apresenta como um modelo para aumentar a competitividade, a cooperação e a competência

Leia mais

O HOTEL MAIS ALTO DO BRASIL

O HOTEL MAIS ALTO DO BRASIL O HOTEL MAIS ALTO DO BRASIL EXCELENTE INVESTIMENTO OS NÚMEROS OPORTUNIDADE DOCUMENTAÇÃO O TURISMO - ECONOMIA PRÉDIO PRINCIPAL PRÉDIO DE EVENTOS ESTRUTURA DIFERENCIAL 01 02 03 04 05-06 07 08 09 10 EXCELENTE

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

olo de Moda Divinópolis

olo de Moda Divinópolis olo de Moda Divinópolis ivinópolis Polo de Moda População de Divinópolis representa 17% da população da região centro-oeste de Minas Gerais. 220.000 1.300.000 De cada 100 habitantes 17 são residentes em

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

O perigo da depressão econômica

O perigo da depressão econômica Boletim Econômico Edição nº 75 dezembro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O perigo da depressão econômica (Estado falido, crise política, governo paralisado e país sem

Leia mais

Ranking ABAD/Nielsen de Maio 2012

Ranking ABAD/Nielsen de Maio 2012 Ranking ABAD/Nielsen 2012 21 de Maio 2012 Agenda Quais são as forças que estão transformando o consumo? Qual o desempenho do setor Atacadista-Distribuidor? Quais são os desafios e oportunidades? Reflexões

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam

17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam Menos de 17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam ao ensino superior NO BRASIL, A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AINDA É ESCOLHA DE POUCOS 76,8% Áustria 44,3% França 69,7% Finlândia 51,5% Alemanha 38,8% Portugal

Leia mais

Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas

Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas Agenda Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas Agenda Pergunta a responder... Para onde vão a economia, o ambiente de negócios e a gestão empresarial em?

Leia mais

Arábia Saudita quer empresas brasileiras no setor de mineração

Arábia Saudita quer empresas brasileiras no setor de mineração Agência de Notícias Brasil-Árabe - SP 06/02/2006-07:00 Arábia Saudita quer empresas brasileiras no setor de mineração O governo do país árabe abriu o segmento à exploração privada e o presidente da mineradora

Leia mais

Jogos Olímpicos Rio Maio/2016

Jogos Olímpicos Rio Maio/2016 Jogos Olímpicos Rio 2016 Maio/2016 2 de 45 OBJETIVO Mapear as opiniões e as percepções dos brasileiros em geral e dos moradores da cidade do Rio de Janeiro em relação aos Jogos Olímpicos Rio 2016. AMOSTRA

Leia mais

As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Campinas 26/11/2013

As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Campinas 26/11/2013 As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado Eng. Virgilio Calças Filho Campinas 26/11/2013 Em geologia, camada pré-salrefere-se a um tipo de rochas sob a crosta terrestre

Leia mais

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Brasília, 29 abril de 2013

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Brasília, 29 abril de 2013 SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS Brasília, 29 abril de 2013 Sumário 1 - Arranjo Institucional do FGTS; 2 Governança corporativa da CAIXA; 3 Grandes números do FGTS; 4 FI-FGTS e Carteiras Administradas;

Leia mais

24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO

24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO UM DEBATE C-LEVEL SOBRE OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR DE ÓLEO E GÁS NO BRASIL INVESTIDORES, BANCOS E GRANDES EMPRESAS REUNIDAS PARA FALAR SOBRE O

Leia mais

O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares...

O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares... O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares... Pilar 1: Déficit habitacional Pilar 2: Crédito ao Comprador Programa MCMV Pilar 3: Demografia Pilar 4: Aumento da Renda

Leia mais