Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011"

Transcrição

1 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 1º Trimestre de 2011 São Paulo, dezembro de 2010

2 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais indicadores de negócios. Metodologia Pesquisa quantitativa. Técnica: entrevistas telefônicas com decisores de empresas. Amostra empresas segmentadas por porte, setor de atividade e localidade, com abrangência nacional. As microempresas não fazem parte desse estudo. Período do Campo 22 a 30 de novembro de Abordagem Para efeito de comparação, fornecemos os resultados anteriores da Pesquisa de Expectativa Empresarial. 2

3 PERFIL Dados ponderados PORTE SETOR Médio 20% Grande 8% Serviços 41% Instituições Financeiras 1% Indústria 17% Pequeno 72% Comércio 41% Base: indústria, comércio e serviços (sem IF) Base: amostra REGIÃO 44% 31% 4% 13% 8% Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Base: amostra 3

4 RESULTADOS 4

5 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Faturamento no trimestre da pesquisa Faturamento da empresa no 4º trimestre de 2009 X 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 4º trimestre º trimestre º trimestre de 2010 X 4º trimestre de º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Acima do esperado Dentro do esperado Abaixo do esperado Base: indústria, comércio e serviços P1 Em relação às expectativas da sua empresa, o faturamento no trimestre de 20 está acima do esperado, dentro do esperado ou abaixo do esperado? 5

6 Faturamento da empresa no 4º trimestre de 2010 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Pequeno Médio Grande Acima do esperado Dentro do esperado Abaixo do esperado Base: indústria, comércio e serviços P1 Em relação às expectativas da sua empresa, o faturamento no 4º trimestre de 2010 está ficando acima do esperado, dentro do esperado ou abaixo do esperado? 6

7 Faturamento da empresa no 4º trimestre de 2010 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Acima do esperado Dentro do esperado Abaixo do esperado Base: indústria, comércio e serviços P1 Em relação às expectativas da sua empresa, o faturamento no 4º trimestre de 2010 está ficando acima do esperado, dentro do esperado ou abaixo do esperado? 7

8 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Intenção de rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 Intenção de rever o faturamento para o próximo trimestre 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Sim Não Base: indústria, comércio e serviços P2 Com base no desempenho da sua empresa no que está ocorrendo no trimestre de 20, o(a) sr(a). pretende rever suas estimativas de faturamento para o próximo trimestre? 8

9 Intenção de rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2011 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Pequeno Médio Grande Sim Não Base: indústria, comércio e serviços P2 Com base no desempenho da sua empresa no que está ocorrendo no 4º trimestre de 2010, o(a) sr(a). pretende rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2011? 9

10 Intenção de rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2011 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Sim Não Base: indústria, comércio e serviços P2 Com base no desempenho da sua empresa no que está ocorrendo no 4º trimestre de 2010, o(a) sr(a). pretende rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2011? 10

11 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Revisão do faturamento para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 Revisão do faturamento para o próximo trimestre 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Para cima Para baixo Base: indústria, comércio e serviços que pretendem rever suas estimativas P3 A revisão desta estimativa será para cima ou para baixo? 11

12 Revisão do faturamento para o 1º trimestre de 2011 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Pequeno Médio Grande Para cima Para baixo Base: indústria, comércio e serviços que pretendem rever suas estimativas P3 A revisão desta estimativa será para cima ou para baixo? 12

13 Revisão do faturamento para o 1º trimestre de 2011 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Para cima Para baixo Base: indústria, comércio e serviços que pretendem rever suas estimativas P3 A revisão desta estimativa será para cima ou para baixo? 13

14 COMPARATIVO COM PESQUISA ANTERIOR Faturamento de 2010 em relação a Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Melhor Igual Pior Base: indústria, comércio e serviços P3a E qual a sua expectativa para o faturamento de 2010: será melhor, igual ou pior que o de 2009? 14

15 Faturamento no encerramento de 2010 em relação a 2009 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Pequeno Médio Grande Melhor Igual Pior Base: indústria, comércio e serviços P3a E qual a sua expectativa para o faturamento no encerramento de 2010: será melhor, igual ou pior que o de 2009? 15

16 Faturamento no encerramento de 2010 em relação a 2009 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Melhor Igual Pior Base: indústria, comércio e serviços P3a E qual a sua expectativa para o faturamento no encerramento de 2010: será melhor, igual ou pior que o de 2009? 16

17 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Nível de estoque no 4º trimestre de 2009 X 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 x 4º trimestre de 2010 Nível de estoque no trimestre da pesquisa 4º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Mais que suficiente Adequado Insuficiente Não trabalha com estoque Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Base: indústria e comércio P4 Para o atendimento da demanda a curto prazo, o(a) sr(a). diria que o nível de estoque de sua empresa hoje é: mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo menos que o previsto; adequado para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo igual ao previsto, ou insuficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo mais que o previsto? 17

18 Nível de estoque no 4º trimestre de 2010 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Pequeno Médio Grande Não trabalha com estoque Adequado para atender os pedidos de curto prazo Insuficiente para atender os pedidos de curto prazo Mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo Base: indústria e comércio P4 Para o atendimento da demanda a curto prazo, o(a) sr(a). diria que o nível de estoque de sua empresa hoje é: mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo menos que o previsto; adequado para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo igual ao previsto, ou insuficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo mais que o previsto? 18

19 Nível de estoque no 4º trimestre de 2010 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Não trabalha com estoque Adequado para atender os pedidos de curto prazo Insuficiente para atender os pedidos de curto prazo Mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo Base: indústria e comércio P4 Para o atendimento da demanda a curto prazo, o(a) sr(a). diria que o nível de estoque de sua empresa hoje é: mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo menos que o previsto; adequado para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo igual ao previsto, ou insuficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo mais que o previsto? 19

20 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Quadro de funcionários para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 Quadro de funcionários para o próximo trimestre 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vai aumentar Vai ficar igual Vai diminuir Base: amostra P5 O quadro de funcionários permanentes (mão de obra com carteira assinada) em sua empresa vai aumentar, vai ficar igual ou vai diminuir no próximo trimestre? 20

21 Quadro de funcionários para o 1º trimestre de 2011 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras Pequeno Médio Grande Vai aumentar Vai ficar igual Vai diminuir Base: amostra P5 O quadro de funcionários permanentes (mão de obra com carteira assinada) em sua empresa vai aumentar, vai ficar igual ou vai diminuir no 1º trimestre de 2011? 21

22 Quadro de funcionários para o 1º trimestre de 2011 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Vai aumentar Vai ficar igual Vai diminuir Base: amostra P5 O quadro de funcionários permanentes (mão de obra com carteira assinada) em sua empresa vai aumentar, vai ficar igual ou vai diminuir no 1º trimestre de 2011? 22

23 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Investimentos (compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc.) para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 Investimentos para o próximo trimestre 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vão crescer Vão sofrer cortes Vão permanecer como planejados Vão ser postergados Base: amostra P6 Os investimentos em compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc. em sua empresa vão crescer, vão permanecer como planejado, vão sofrer cortes ou serão postergados no próximo trimestre? 23

24 Investimentos (compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc.) para o 1º trimestre de 2011 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras Pequeno Médio Grande Vão crescer Vão sofrer cortes Vão permanecer como planejados Vão ser postergados Base: amostra P6 Os investimentos em compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc. em sua empresa vão crescer, vão permanecer como planejado, vão sofrer cortes ou serão postergados no 1º trimestre de 2011? 24

25 Investimentos (compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc.) para o 1º trimestre de REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Vão crescer Vão sofrer cortes Vão permanecer como planejados Vão ser postergados Base: amostra P6 Os investimentos em compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc. em sua empresa vão crescer, vão permanecer como planejado, vão sofrer cortes ou serão postergados no 1º trimestre de 2011? 25

26 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Como ficarão as condições de crédito para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 (na visão da indústria, do comércio e de serviços) Condições de crédito no próximo trimestre: 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa: Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vão ficar melhores Vão ficar inalteradas Vão ficar piores Base: indústria, comércio e serviços P7 Em sua opinião, as condições de crédito, como limites, prazos e encargos, no trimestre de 20, em relação ao trimestre anterior, ficarão melhores, inalteradas ou piores? 26

27 Como ficarão as condições de crédito para o 1º trimestre de 2011 (na visão da indústria, do comércio e de serviços) TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Pequeno Médio Grande Vão ficar melhores Vão ficar inalteradas Vão ficar piores Base: indústria, comércio e serviços P7 Em sua opinião, as condições de crédito, como limites, prazos e encargos, no 1º trimestre de 2011, em relação ao 4º trimestre de 2010, ficarão melhores, iguais ou piores? 27

28 Como ficarão as condições de crédito para o 1º trimestre de 2011 (na visão da indústria, do comércio e de serviços) REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Vão ficar melhores Vão ficar inalteradas Vão ficar piores Base: indústria, comércio e serviços P7 Em sua opinião, as condições de crédito, como limites, prazos e encargos, no 1º trimestre de 2011, em relação ao 4º trimestre de 2010, ficarão melhores, iguais ou piores? 28

29 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Oferta de crédito para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 (na visão das instituições financeiras) Oferta de crédito PJ no próximo trimestre PJ 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vai crescer Vai ficar igual Vai cair Base: bancos e outras instituições financeiras P8 A oferta de crédito para a pessoa jurídica no trimestre de 20, em relação ao trimestre anterior, vai crescer, vai permanecer igual ou vai cair? 29

30 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Oferta de crédito PF no próximo trimestre Oferta de crédito para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 (na visão das instituições financeiras) PF 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vai crescer Vai ficar igual Vai cair Base: bancos e outras instituições financeiras P8 A oferta de crédito para a pessoa jurídica no trimestre de 20, em relação ao trimestre anterior, vai crescer, vai permanecer igual ou vai cair? 30

31 Oferta de crédito para o 1º trimestre de 2011 (na visão das instituições financeiras) PJ PF Vai ficar igual 27% Vai cair 8% Vai ficar igual 14% Vai cair 5% Vai crescer 65% Vai crescer 81% Base: instituições financeiras P8 A oferta de crédito para a pessoa jurídica/pessoa física no 1º trimestre de 2011, em relação ao 4º trimestre, vai crescer, vai permanecer igual ou vai cair? 31

32 Implementação de medidas pelo novo governo que podem impactar nos negócios TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras Pequeno Médio Grande Sim Não Base: amostra P9 Para finalizar, o(a) sr(a). acha que o novo governo pode implementar medidas que impactem seu negócio? 32

33 Implementação de medidas pelo novo governo que podem impactar nos negócios REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Sim Não Base: amostra P9 Para finalizar, o(a) sr(a). acha que o novo governo pode implementar medidas que impactem seu negócio? 33

34 Medidas para melhor e para pior TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras Pequeno Médio Grande Para melhor Para pior Base: respondeu sim na pergunta anterior P10 Estas medidas serão para melhor ou para pior? 34

35 Medidas para melhor e para pior REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Para melhor Para pior Base: respondeu sim na pergunta anterior P10 Estas medidas serão para melhor ou para pior? 35

36 Medidas para melhor (RM %) diminuição da carga tributária; reforma tributária; reforma fiscal; diminuição dos encargos sociais diminuição da taxa de juros; manutenção da estabilidade dos juros aumento da oferta de crédito; aumento do crédito pelo BNDES/FINAME; linha de crédito agrícola; alongamento dos financiamentos; crédito mais barato; aumento do crédito imobiliário/micro e pequena empresa investimento em infraestrutura / saneamento / geração de energia / telecomunicação / porto / aeroporto / rodovias; investimento em transportes / em obras do PAC; manutenção do programa Minha casa minha vida / investimento / financiamento da construção civil favorecer a exportação; barrar importação da China; estabilizar / melhorar política cambial melhoria no preço dos produtos agrícolas; estímulo à agricultura / agropecuária; investimento em tecnologia do plantio Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras investimento / aumentar repasse para a saúde mais investimento na área educacional; aumento de cursos profissionalizantes; melhoria da qualificação profissional fiscalização maior do meio ambiente; incentivo às empresas; regulamentação das leis ambientais; investimento em energia renovável criação de empregos; redução da informalidade aumento do salário mínimo; melhoria na distribuição de renda investimento no pré-sal / extração de petróleo incentivo ao turismo / Copa do Mundo manutenção de política comercial estável; incentivo ao livre comércio baixar a inflação; equilibrar o índice IGPM investimento em urbanização outros não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para melhor na pergunta anterior 36

37 Medidas para melhor (RM %) diminuição da carga tributária; reforma tributária; reforma fiscal; diminuição dos encargos sociais diminuição da taxa de juros; manutenção da estabilidade dos juros aumento da oferta de crédito; aumento do crédito pelo BNDES/FINAME; linha de crédito agrícola; alongamento dos financiamentos; crédito mais barato; aumento do crédito imobiliário/micro e pequena empresa investimento em infraestrutura / saneamento / geração de energia / telecomunicação / porto / aeroporto / rodovias; investimento em transportes / em obras do PAC; manutenção do programa Minha casa minha vida / investimento / financiamento da construção civil favorecer a exportação; barrar importação da China; estabilizar / melhorar política cambial melhoria no preço dos produtos agrícolas; estímulo à agricultura / agropecuária; investimento em tecnologia do plantio Total Pequeno Médio Grande investimento / aumentar repasse para a saúde mais investimento na área educacional; aumento de cursos profissionalizantes; melhoria da qualificação profissional fiscalização maior do meio ambiente; incentivo às empresas; regulamentação das leis ambientais; investimento em energia renovável criação de empregos; redução da informalidade aumento do salário mínimo; melhoria na distribuição de renda investimento no pré-sal / extração de petróleo incentivo ao turismo / Copa do Mundo manutenção de política comercial estável; incentivo ao livre comércio baixar a inflação; equilibrar o índice IGPM investimento em urbanização outros não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para melhor na pergunta anterior 37

38 Medidas para melhor (RM %) diminuição da carga tributária; reforma tributária; reforma fiscal; diminuição dos encargos sociais diminuição da taxa de juros; manutenção da estabilidade dos juros aumento da oferta de crédito; aumento do crédito pelo BNDES/FINAME; linha de crédito agrícola; alongamento dos financiamentos; crédito mais barato; aumento do crédito imobiliário/micro e pequena empresa investimento em infraestrutura / saneamento / geração de energia / telecomunicação / porto / aeroporto / rodovias; investimento em transportes / em obras do PAC; manutenção do programa Minha casa minha vida / investimento / financiamento da construção civil favorecer a exportação; barrar importação da China; estabilizar / melhorar política cambial melhoria no preço dos produtos agrícolas; estímulo à agricultura / agropecuária; investimento em tecnologia do plantio Total Norte Nordeste Centro- Oeste Sudeste investimento / aumentar repasse para a saúde Sul mais investimento na área educacional; aumento de cursos profissionalizantes; melhoria da qualificação profissional fiscalização maior do meio ambiente; incentivo às empresas; regulamentação das leis ambientais; investimento em energia renovável criação de empregos; redução da informalidade aumento do salário mínimo; melhoria na distribuição de renda investimento no pré-sal / extração de petróleo incentivo ao turismo / Copa do Mundo manutenção de política comercial estável; incentivo ao livre comércio baixar a inflação; equilibrar o índice IGPM investimento em urbanização outros não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para melhor na pergunta anterior 38

39 Medidas para pior (RM %) criação de novos impostos; retorno da CPMF; aumento do ICMS / COFINS; cancelamento do FINAME; aumento das taxas públicas: água, luz aumento da taxa de juros de financiamento reduzirá atividade econômica aumento da taxa cambial; importação ficará mais cara; variação cambial favorecerá importação corte no crédito de bens de menor valor; corte no orçamento para a área comercial; falta de apoio para regulamentação de empresas mudança no Banco Central vai enfraquecer política monetária; mercado ficará instável e inseguro; aumento da inadimplência aumento do salário mínimo e diminuição da carga horária; custo do empregado ficará elevado estatização da exploração de minérios; diminuição da terceirização; corte no orçamento do PAC2; dificuldade na liberação de projetos ambientais; diminuição de investimentos em infraestrutura diminuição dos subsídios às casas populares; medidas que impactem setor de construção civil; diminuição do financiamento imobiliário instabilidade durante a fase de transição; reajuste de preço; desemprego diminuição de investimento na área da saúde; estatização irá diminuir faturamento de clínicas particulares Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para pior na pergunta anterior 39

40 Medidas para pior (RM %) criação de novos impostos; retorno da CPMF; aumento do ICMS / COFINS; cancelamento do FINAME; aumento das taxas públicas: água, luz aumento da taxa de juros de financiamento reduzirá atividade econômica aumento da taxa cambial; importação ficará mais cara; variação cambial favorecerá importação corte no crédito de bens de menor valor; corte no orçamento para a área comercial; falta de apoio para regulamentação de empresas mudança no Banco Central vai enfraquecer política monetária; mercado ficará instável e inseguro; aumento da inadimplência aumento do salário mínimo e diminuição da carga horária; custo do empregado ficará elevado estatização da exploração de minérios; diminuição da terceirização; corte no orçamento do PAC2; dificuldade na liberação de projetos ambientais; diminuição de investimentos em infraestrutura diminuição dos subsídios às casas populares; medidas que impactem setor de construção civil; diminuição do financiamento imobiliário instabilidade durante a fase de transição; reajuste de preço; desemprego diminuição de investimento na área da saúde; estatização irá diminuir faturamento de clínicas particulares Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para pior na pergunta anterior 40

41 Medidas para pior (RM %) criação de novos impostos; retorno da CPMF; aumento do ICMS / COFINS; cancelamento do FINAME; aumento das taxas públicas: água, luz aumento da taxa de juros de financiamento reduzirá atividade econômica aumento da taxa cambial; importação ficará mais cara; variação cambial favorecerá importação corte no crédito de bens de menor valor; corte no orçamento para a área comercial; falta de apoio para regulamentação de empresas mudança no Banco Central vai enfraquecer política monetária; mercado ficará instável e inseguro; aumento da inadimplência aumento do salário mínimo e diminuição da carga horária; custo do empregado ficará elevado estatização da exploração de minérios; diminuição da terceirização; corte no orçamento do PAC2; dificuldade na liberação de projetos ambientais; diminuição de investimentos em infraestrutura diminuição dos subsídios às casas populares; medidas que impactem setor de construção civil; diminuição do financiamento imobiliário instabilidade durante a fase de transição; reajuste de preço; desemprego diminuição de investimento na área da saúde; estatização irá diminuir faturamento de clínicas particulares Total Norte Nordeste Centro- Oeste Sudeste não sabe Sul P11 Quais são estas medidas? Base: Respondeu para pior na pergunta anterior 41

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 2º Trimestre de 2011

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 2º Trimestre de 2011 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 2º Trimestre de 2011 São Paulo, março de 2011 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO (PAC), criado pelo Decreto 6.025/2007 que define a estrutura formal da sua gestão. PAC medidas de estímulo

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

SET/16 AGO/16. 52,9 43,9 48,4 Queda da produção. 47,1 46,0 47,4 Queda no número de empregados 67,0 66,0 71,2 Redução no uso da capacidade

SET/16 AGO/16. 52,9 43,9 48,4 Queda da produção. 47,1 46,0 47,4 Queda no número de empregados 67,0 66,0 71,2 Redução no uso da capacidade Indicador PRODUÇÃO NÚMERO DE EMPREGADOS UTILIZ. DA CAPACIDADE INSTALADA (UCI) - % UCI EFETIVA- USUAL EVOLUÇÃO DOS ESTOQUES ESTOQUE EFETIVO- PLANEJADO MÉDIA HIST. Setembro e 3º trimestre de 2016 Produção

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Novembro 16 Dezembro/2012

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Novembro 16 Dezembro/2012 CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Novembro 16 Dezembro/2012 (0-200) (0-200) ÍNDICE DE NFIANÇA DO EMPRESÁRIO DO MÉRCIO Composição do Nacional Condições Atuais do Empresário do Comércio 58,5 3,2% +,0%

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 2º trimestre/2013 Julho 2013 Objetivo Aferir, por meio de um índice, as expectativas dos empresários das empresas de micro e

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) Normas BACEN Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores dos Níveis de Atividade e Emprego mantém tendência de retração na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 4º Trimestre de 2015 4º TRI/2015

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16 SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) INDICADOR DE DEMANDA POR CRÉDITO O indicador de Demanda

Leia mais

VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas

VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas Balanço 2014 VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas Taxa de crescimento do VAB (PIB) Construção Civil (%) Fonte: IBGE * valor projetado pela CBIC Taxa de crescimento do VAB (PIB) - 3º trimestre

Leia mais

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos Formalização recente em pequenas unidades de 1. Contexto geral 2. Ciclos da formalização produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

Prof. Cristiano M. Costa. Entraves e perspectivas econômicas para a economia da Bahia

Prof. Cristiano M. Costa. Entraves e perspectivas econômicas para a economia da Bahia Prof. Cristiano M. Costa Entraves e perspectivas econômicas para a economia da Bahia Introdução A economia brasileira está em um período de incertezas. Inflação + baixo crescimento. Quais as causas e consequências

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE AMBIENTE DE NEGÓCIOS 03 CULTURA DE NEGÓCIOS 04 O MERCADO 05-09 REACIONAMENTO ECONÓMICO BILATERAL 10-12 OPORTUNIDADES

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores do Nível de Atividade e Empregos registraram queda na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 2º Trimestre de 2014 2º TRI/2014 2 SONDAGEM

Leia mais

A CRISE ECONÔMICA NA VISÃO DOS EMPRESÁRIOS

A CRISE ECONÔMICA NA VISÃO DOS EMPRESÁRIOS A CRISE ECONÔMICA NA VISÃO DOS EMPRESÁRIOS Abril 2016 9 em cada 10 empresários acreditam que a crise tem afetado seus negócios O país vem enfrentando, desde o ano passado, uma crise econômica de grandes

Leia mais

Administração e Economia para Engenharia

Administração e Economia para Engenharia Administração e Economia para Engenharia Aula 4.1: Introdução à macroeconomia Aula 4.2: Agentes, estruturas e parâmetros da macroeconomia 1 Seção 4.1 INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2 Microeconomia Trata Da

Leia mais

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional - A arrecadação municipal (transferências estaduais e federais) vem crescendo abaixo das expectativas desde 2013. A previsão

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Aula Orçamento de vendas ORÇAMENTO DE VENDAS. Orçamento de vendas são as previsões de vendas para um determinado período orçamentário.

Aula Orçamento de vendas ORÇAMENTO DE VENDAS. Orçamento de vendas são as previsões de vendas para um determinado período orçamentário. Aula Orçamento de vendas Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br ORÇAMENTO DE VENDAS Orçamento de vendas são as previsões de vendas para um determinado período orçamentário.

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy

3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy 3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy São Paulo, 13 de novembro de 2015 1 DISCLAIMER Esta Apresentação pode conter declarações prospectivas, as quais estão sujeitas a riscos e incertezas, pois foram baseadas

Leia mais

PERCEPÇÃO SOBRE AS CONTAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

PERCEPÇÃO SOBRE AS CONTAS PÚBLICAS BRASILEIRAS PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP PERCEPÇÃO SOBRE AS CONTAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Julho 2016 Esta pesquisa foi encomendada pela FIESP e pelo CIESP junto à IPSOS Public Affairs, tendo como objetivo avaliar

Leia mais

Implicações para o Crédito Rural

Implicações para o Crédito Rural II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Implicações para o Crédito Rural Mesa 5: Debilidade da governança de terras: o impacto no setor privado Felipe Prince Silva. Ms. Economista

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

Teleconferência dos Resultados - 4º Trimestre de 2007 GERDAU S.A. CONSOLIDADO

Teleconferência dos Resultados - 4º Trimestre de 2007 GERDAU S.A. CONSOLIDADO Teleconferência dos Resultados - 4º Trimestre de 2007 GERDAU S.A. CONSOLIDADO André Gerdau Johannpeter Diretor-Presidente e CEO Osvaldo B. Schirmer Vice-Presidente Executivo de Finanças e Controladoria

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI ISSN 7-70 Ano 5 Número 5 Agosto de 05 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Crise econômica II - Renda e endividamento 5 Brasileiros sofrem com endividamento e perda de poder de compra Como

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

Marco Aurélio Bedê (Sebrae) Rafael de Farias Moreira (Sebrae)

Marco Aurélio Bedê (Sebrae) Rafael de Farias Moreira (Sebrae) Marco Aurélio Bedê (Sebrae) Rafael de Farias Moreira (Sebrae) Fonte das informações desta apresentação: PESQUISAS Bancarização das MPE, (nov/15) 6.005 entrevistas Financiamento dos Pequenos Negócios no

Leia mais

Conjuntura Março. Boletim de AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS. PIB dos serviços recua 2,1% em 2015

Conjuntura Março. Boletim de AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS. PIB dos serviços recua 2,1% em 2015 Março de 2016 AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS PIB dos serviços recua 2,1% em 2015 Segundo o IBGE, o PIB brasileiro caiu 4,0% em 2015. Essa variação é resultado de uma

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA INVESTIMENTOS

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA INVESTIMENTOS PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA INVESTIMENTOS Janeiro/2015 SUMÁRIO Em, menos indústrias paulistas investiram em relação a 2013. Dentre as que investiram, um percentual maior apenas continuou projetos

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Dados relativos à pesquisa do mês de novembro/16 Pulso Brasil / ACSP

Dados relativos à pesquisa do mês de novembro/16 Pulso Brasil / ACSP Dados relativos à pesquisa do mês de novembro/16 Pulso Brasil / ACSP PULSO BRASIL AMOSTRA 1.200 entrevistas, pessoais e domiciliares, realizadas mensalmente em 72 municípios no Brasil inteiro. Amostra

Leia mais

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley-

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley- Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios - Prof. Claudio Burian Wanderley- Questão relevante para entender o caso brasileiro: Teorema do eleitor mediano. Países democráticos

Leia mais

Nível de Atividade: Redução da Atividade Econômica no Início de 2015 e Futuro Ainda Muito Nebuloso (Especialmente Para o Setor Automobilístico)

Nível de Atividade: Redução da Atividade Econômica no Início de 2015 e Futuro Ainda Muito Nebuloso (Especialmente Para o Setor Automobilístico) 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Redução da Atividade Econômica no Início de 2015 e Futuro Ainda Muito Nebuloso (Especialmente Para o Setor Automobilístico) Vera Martins da Silva (*) Como esperado,

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 2º trimestre/2014 Abril de 2014 Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Sondagem Indústria da Construção CNI. 23/maio/2014

Sondagem Indústria da Construção CNI. 23/maio/2014 Sondagem Indústria da Construção CNI 23/maio/2014 Sondagem Indústria da Construção 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção ENIC Confederação Nacional da Indústria Goiânia 23 de maio de 2014 Indicadores

Leia mais

Ajustando o Balanço de Pagamentos

Ajustando o Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Ajustando o Balanço de Pagamentos Desvalorização cambial Elevação das tarifas de importação Estabelecimento de cotas de importação Concessão de subsídios às exportações Controle de capitais

Leia mais

Volume Total de Crédito

Volume Total de Crédito Parte I Volume de Crédito A) Recursos Livres e Recursos Direcionados Período R$ milhões Variação % Junho2005 535.594 Junho2015 3.102.172 490,2% Volume Total de Crédito 4.000.000 2.000.000 R$ milhões B)

Leia mais

Mercado Imobiliário. Desempenho recente e desafios para o Brasil. Fernando Garcia e Ana Maria Castelo

Mercado Imobiliário. Desempenho recente e desafios para o Brasil. Fernando Garcia e Ana Maria Castelo Mercado Imobiliário Desempenho recente e desafios para o Brasil Fernando Garcia e Ana Maria Castelo Os bons ventos no mercado imobiliário brasileiro Evolução dos financiamentos SBPE De janeiro a setembro,

Leia mais

2.6 Relações de Trabalho

2.6 Relações de Trabalho Por que Relações de Trabalho? No Brasil, o sistema legal e institucional que rege o mercado de trabalho é defasado, rígido e juridicamente inseguro, o que compromete a competitividade das empresas e o

Leia mais

RB CAPITAL PATRIMONIAL V FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII. CNPJ nº / (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.

RB CAPITAL PATRIMONIAL V FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII. CNPJ nº / (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing. RB CAPITAL PATRIMONIAL V FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas

Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas Agenda Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas Agenda Pergunta a responder... Para onde vão a economia, o ambiente de negócios e a gestão empresarial em?

Leia mais

Reflexos da Economia Brasileira no Mercado Educacional. William Klein e Pedro Gomes

Reflexos da Economia Brasileira no Mercado Educacional. William Klein e Pedro Gomes Reflexos da Economia Brasileira no Mercado Educacional William Klein e Pedro Gomes 1. Cenário Econômico Breve Contextualização e Prospectiva 2. Reflexos no Mercado Educacional Captação, Evasão, Inadimplência,

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Perspectivas positivas para a construção civil

Perspectivas positivas para a construção civil Edição de lançamento dezembro de 2009 www.cni.org.br Destaques APRESENTAÇÃO Pág. 02 nível de atividade Nível de atividade cresceu em dezembro Pág. 03 situação financeira Margem de lucro é mais que satisfatória

Leia mais

Cenário Macroeconômico para o Agronegócio. Geraldo Barros

Cenário Macroeconômico para o Agronegócio. Geraldo Barros Cenário Macroeconômico para o Agronegócio Geraldo Barros PIB do Agronegócio: 1994/2010 R$ bilhões (de 2010) +37% 597 22(%) (28%) Fonte:Cepea Pib e Shares dos segmentos do Agronegócio 32% 33% 33% 30% 26%

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 3º trimestre/2013 Outubro 2013 Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br

Leia mais

RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO

RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - FIESC SEMINÁRIO RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO PALESTRA BRASIL: DESINDUSTRIALIZAÇÃO OU ESTAGNAÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Florianópolis,

Leia mais

Mercado Informal. (varejistas) Junho 2013

Mercado Informal. (varejistas) Junho 2013 Mercado Informal (varejistas) Junho 2013 Nos últimos 4 anos, 3 milhões de profissionais autônomos saíram da informalidade. Fonte: IBGE matéria veiculada dia 10/05/2013 no programa Bom Dia Brasil Contudo,

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005 ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE Julho / 2005 TRIBUTOS QUE PODERÃO INCIDIR SOBRE A ENERGIA ELÉTRICA Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) Imposto

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2015 Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 1 Cenário Econômico para 2015 Fim da crise financeira internacional

Leia mais

Industrialização Brasileira

Industrialização Brasileira Industrialização Brasileira Aula 26 LEMBRAR QUE A URBANIZAÇÃO SEMPRE FOI INFLUENCIADA PELA ECONOMIA. Algodão Maranhão. Açúcar Nordeste Brasileiro. Borracha Acre. Café- Sudeste. Minério- Minas Gerais. A

Leia mais

A Comparação entre Portugal e Espanha segundo o. The World Competitiveness Yearbook, 2000, (Critérios Gerais, Pontos Fracos e Pontos Fortes)

A Comparação entre Portugal e Espanha segundo o. The World Competitiveness Yearbook, 2000, (Critérios Gerais, Pontos Fracos e Pontos Fortes) A Comparação entre Portugal e Espanha segundo o The World Competitiveness Yearbook, 2000, 2001 (Critérios Gerais, e ) 1. Desempenho Global Portugal Espanha 1996 36 29 1997 32 26 1998 29 26 1999 27 20 2000

Leia mais

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional

Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável. Financiamento do Desenvolvimento Regional Banco do Brasil Desenvolvimento Sustentável Financiamento do Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Visão Participativa - Concertação BB Associações Universidades Região Empresas

Leia mais

Agenda setorial Bens de Capital. Versão final do conselho

Agenda setorial Bens de Capital. Versão final do conselho Agenda setorial Bens de Capital Versão final do conselho 08 de junho de 2012 Agenda setorial Bens de capital B. Adensamento produtivo e Diretrizes A. Ampliação do mercado tecnológico das cadeias de valor

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO ANO VI POPULAÇÃO E COMÉRCIO 2013 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO O objetivo principal deste estudo é investigar a utilização dos Meios Eletrônicos de pagamento e as percepções

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 72 outubro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 72 outubro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 72 outubro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise política e crise econômica no Brasil e suas repercussões no mundo 1 1. A crise econômica

Leia mais

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS AGENDA 1 2 3 Situação atual Objetivos Benefícios Estratégia Conclusão Situação atual 3 Fabricantes de vagões de carga 2 Fabricantes de Locomotivas 70 Fabricantes

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2016

Mamona Período: janeiro de 2016 Mamona Período: janeiro de 2016 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 78,96 93,13 88,33

Leia mais

PANORAMA MACROECONÔMICO FÓRUM FINANCEIRO, COPLACANA PIRACICABA 30/11/2015

PANORAMA MACROECONÔMICO FÓRUM FINANCEIRO, COPLACANA PIRACICABA 30/11/2015 PANORAMA MACROECONÔMICO FÓRUM FINANCEIRO, COPLACANA PIRACICABA 30/11/2015 Contas Nacionais Contas Nacionais Contas Nacionais Contas Nacionais Contas Nacionais Inflação Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio Taxa

Leia mais

67 ESPECIAL SONDAGEM

67 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 67 ESPECIAL Financiamento para capital de giro Piora das condições de financiamento na indústria As condições de crédito de capital de giro têm se deteriorado com a atual crise

Leia mais

ETR PROPERTIES FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIARIO FII CNPJ /

ETR PROPERTIES FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIARIO FII CNPJ / ETR PROPERTIES FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIARIO FII CNPJ 18.259.637/0001-62 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR 2º SEMESTRE/2015 1 SUMÁRIO I. DESCRIÇÃO DOS NEGÓCIOS REALIZADOS NO SEMESTRE... 3 II. PROGRAMA DE

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Ano II Número II julho de 2016

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Ano II Número II julho de 2016 INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Ano II Número II julho de 2016 www.fieto.com.br INCERTEZA ECONÔMICA AFETA NEGATIVAMENTE OS INVESTIMENTOS DA INDÚSTRIA TOCANTINENSE A crise econômica e política presenciada em

Leia mais

Em 2016, trabalhadores lutarão por emprego, renda e em defesa da Previdência pública

Em 2016, trabalhadores lutarão por emprego, renda e em defesa da Previdência pública Boletim Econômico Edição nº 7 janeiro de 1 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em 1, trabalhadores lutarão por emprego, renda e em defesa da Previdência pública 1 I - Balanço econômico

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09 Banco do Brasil Divulgação do Resultado 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Para entender o déficit orçamentário do Governo 1 Proposta de Orçamento para 2016 Diante

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA População Brasileira 2014: atingiu o número de 204 milhões de habitantes. Formada a partir de três grandes grupos étnicos: índios, brancos e negros. A maioria da população é branca

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Novembro de 2016 SUMÁRIO ANÁLISE

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CAA NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL AULA 01 INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES Prof. Leonardo Herszon Meira, DSc DEFINIÇÕES

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a junho de 2016 RELEASE DE IMPRENSA RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

Produto Interno Bruto 2º trimestre de de agosto de 2015

Produto Interno Bruto 2º trimestre de de agosto de 2015 Produto Interno Bruto 2º trimestre de 2015 28 de agosto de 2015 Crescimento do PIB no 2º Trimestre de 2015 2 Var. % pela ótica da produção 2º tri 2015 contra 1º tri 2015 2º tri 2015 contra 2º tri 2014

Leia mais

O indicador do clima econômico melhora na América Latina, mas piora no Brasil

O indicador do clima econômico melhora na América Latina, mas piora no Brasil jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 13 de Fevereiro de 14 Indicador IFO/FGV

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS SETEMBRO DE 2012 JOB2213 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto aos eleitores da área em estudo opiniões

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE BUROCRACIA DEZEMBRO DE 2008 JOB12-9 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA Levantar junto aos eleitores da área em estudo opiniões relacionadas a burocracia

Leia mais

Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais

Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais Índice de Confiança do Consumidor de Belo Horizonte - ICC Outubro de 2016 Desenvolvido pela Fundação IPEAD, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) de Belo Horizonte é o único indicador, calculado mensalmente,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 SETOR INDUSTRIAL DE MT QUEM SOMOS INDICADOR MT INDÚSTRIA % FONTE Número de empresas (Dez/2010) 70.877 9.126 13% RAIS 2010 VAB (Produção)

Leia mais

FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS

FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ARRECADAÇÃO DE TRIBUTOS E PAGAMENTO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL H I S T Ó R I C O ESTRUTURA ATUAL AUTORID. MONETÁRIAS AUTORID. DE APOIO INST.

Leia mais

Índice Nacional de Confiança

Índice Nacional de Confiança Índice Nacional de Confiança Pulso Brasil / ACSP embro de 2014 (dados relativos à pesquisa do mês de embro) Notas Metodológicas - INC 1000 entrevistas nacionais face-a-face domiciliares por mês, 12000

Leia mais

Crédito ao Consumo Principais Produtos. Financiamento de veículos

Crédito ao Consumo Principais Produtos. Financiamento de veículos 1 Crédito ao Consumo Principais Produtos Financiamento de veículos 2 Rede de Atendimento Crédito ao Consumo Correntistas Estrutura de Atendimento Correntistas Rede Prime 305 Agências Rede Varejo 4.387

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS NOVEMBRO/ DEZEMBRO DE 2013 JOB2726-13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Trata-se de uma pesquisa de acompanhamento

Leia mais

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação por Tempo de Serviço. Cursos de Aperfeiçoamento Profissional JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA CONTRATUAL

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação por Tempo de Serviço. Cursos de Aperfeiçoamento Profissional JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA CONTRATUAL Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional CNPJ: 29.991.262/0001-47 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 17.583.504,00 7.477.452,14 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESA CORRENTE 15.183.504,00

Leia mais

Espaço Fiscal e Desenvolvimento Produ6vo. Nelson Barbosa São Paulo, 26 de maio de 2013

Espaço Fiscal e Desenvolvimento Produ6vo. Nelson Barbosa São Paulo, 26 de maio de 2013 Espaço Fiscal e Desenvolvimento Produ6vo Nelson Barbosa São Paulo, 26 de maio de 2013 Mergulho cambial: a taxa de câmbio real caiu substancialmente em 2010-11, o que gerou medidas compensatórias por parte

Leia mais

abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012

abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012 abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012 ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO Índice 127,6 126,9 126,5 Condições Atuais do Empresário do Comércio 102,2-1,1% -3,9% Economia

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL REUNIÃO APIMEC BH BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DA ABIT PRESIDENTE DA CEDRO TÊXTIL Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais