Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011"

Transcrição

1 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 1º Trimestre de 2011 São Paulo, dezembro de 2010

2 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais indicadores de negócios. Metodologia Pesquisa quantitativa. Técnica: entrevistas telefônicas com decisores de empresas. Amostra empresas segmentadas por porte, setor de atividade e localidade, com abrangência nacional. As microempresas não fazem parte desse estudo. Período do Campo 22 a 30 de novembro de Abordagem Para efeito de comparação, fornecemos os resultados anteriores da Pesquisa de Expectativa Empresarial. 2

3 PERFIL Dados ponderados PORTE SETOR Médio 20% Grande 8% Serviços 41% Instituições Financeiras 1% Indústria 17% Pequeno 72% Comércio 41% Base: indústria, comércio e serviços (sem IF) Base: amostra REGIÃO 44% 31% 4% 13% 8% Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Base: amostra 3

4 RESULTADOS 4

5 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Faturamento no trimestre da pesquisa Faturamento da empresa no 4º trimestre de 2009 X 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 4º trimestre º trimestre º trimestre de 2010 X 4º trimestre de º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Acima do esperado Dentro do esperado Abaixo do esperado Base: indústria, comércio e serviços P1 Em relação às expectativas da sua empresa, o faturamento no trimestre de 20 está acima do esperado, dentro do esperado ou abaixo do esperado? 5

6 Faturamento da empresa no 4º trimestre de 2010 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Pequeno Médio Grande Acima do esperado Dentro do esperado Abaixo do esperado Base: indústria, comércio e serviços P1 Em relação às expectativas da sua empresa, o faturamento no 4º trimestre de 2010 está ficando acima do esperado, dentro do esperado ou abaixo do esperado? 6

7 Faturamento da empresa no 4º trimestre de 2010 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Acima do esperado Dentro do esperado Abaixo do esperado Base: indústria, comércio e serviços P1 Em relação às expectativas da sua empresa, o faturamento no 4º trimestre de 2010 está ficando acima do esperado, dentro do esperado ou abaixo do esperado? 7

8 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Intenção de rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 Intenção de rever o faturamento para o próximo trimestre 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Sim Não Base: indústria, comércio e serviços P2 Com base no desempenho da sua empresa no que está ocorrendo no trimestre de 20, o(a) sr(a). pretende rever suas estimativas de faturamento para o próximo trimestre? 8

9 Intenção de rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2011 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Pequeno Médio Grande Sim Não Base: indústria, comércio e serviços P2 Com base no desempenho da sua empresa no que está ocorrendo no 4º trimestre de 2010, o(a) sr(a). pretende rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2011? 9

10 Intenção de rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2011 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Sim Não Base: indústria, comércio e serviços P2 Com base no desempenho da sua empresa no que está ocorrendo no 4º trimestre de 2010, o(a) sr(a). pretende rever suas estimativas de faturamento para o 1º trimestre de 2011? 10

11 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Revisão do faturamento para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 Revisão do faturamento para o próximo trimestre 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Para cima Para baixo Base: indústria, comércio e serviços que pretendem rever suas estimativas P3 A revisão desta estimativa será para cima ou para baixo? 11

12 Revisão do faturamento para o 1º trimestre de 2011 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Pequeno Médio Grande Para cima Para baixo Base: indústria, comércio e serviços que pretendem rever suas estimativas P3 A revisão desta estimativa será para cima ou para baixo? 12

13 Revisão do faturamento para o 1º trimestre de 2011 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Para cima Para baixo Base: indústria, comércio e serviços que pretendem rever suas estimativas P3 A revisão desta estimativa será para cima ou para baixo? 13

14 COMPARATIVO COM PESQUISA ANTERIOR Faturamento de 2010 em relação a Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Melhor Igual Pior Base: indústria, comércio e serviços P3a E qual a sua expectativa para o faturamento de 2010: será melhor, igual ou pior que o de 2009? 14

15 Faturamento no encerramento de 2010 em relação a 2009 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Pequeno Médio Grande Melhor Igual Pior Base: indústria, comércio e serviços P3a E qual a sua expectativa para o faturamento no encerramento de 2010: será melhor, igual ou pior que o de 2009? 15

16 Faturamento no encerramento de 2010 em relação a 2009 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Melhor Igual Pior Base: indústria, comércio e serviços P3a E qual a sua expectativa para o faturamento no encerramento de 2010: será melhor, igual ou pior que o de 2009? 16

17 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Nível de estoque no 4º trimestre de 2009 X 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 x 4º trimestre de 2010 Nível de estoque no trimestre da pesquisa 4º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Mais que suficiente Adequado Insuficiente Não trabalha com estoque Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Base: indústria e comércio P4 Para o atendimento da demanda a curto prazo, o(a) sr(a). diria que o nível de estoque de sua empresa hoje é: mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo menos que o previsto; adequado para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo igual ao previsto, ou insuficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo mais que o previsto? 17

18 Nível de estoque no 4º trimestre de 2010 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Pequeno Médio Grande Não trabalha com estoque Adequado para atender os pedidos de curto prazo Insuficiente para atender os pedidos de curto prazo Mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo Base: indústria e comércio P4 Para o atendimento da demanda a curto prazo, o(a) sr(a). diria que o nível de estoque de sua empresa hoje é: mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo menos que o previsto; adequado para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo igual ao previsto, ou insuficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo mais que o previsto? 18

19 Nível de estoque no 4º trimestre de 2010 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Não trabalha com estoque Adequado para atender os pedidos de curto prazo Insuficiente para atender os pedidos de curto prazo Mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo Base: indústria e comércio P4 Para o atendimento da demanda a curto prazo, o(a) sr(a). diria que o nível de estoque de sua empresa hoje é: mais que suficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo menos que o previsto; adequado para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo igual ao previsto, ou insuficiente para atender os pedidos de curto prazo, pois está vendendo mais que o previsto? 19

20 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Quadro de funcionários para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 Quadro de funcionários para o próximo trimestre 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vai aumentar Vai ficar igual Vai diminuir Base: amostra P5 O quadro de funcionários permanentes (mão de obra com carteira assinada) em sua empresa vai aumentar, vai ficar igual ou vai diminuir no próximo trimestre? 20

21 Quadro de funcionários para o 1º trimestre de 2011 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras Pequeno Médio Grande Vai aumentar Vai ficar igual Vai diminuir Base: amostra P5 O quadro de funcionários permanentes (mão de obra com carteira assinada) em sua empresa vai aumentar, vai ficar igual ou vai diminuir no 1º trimestre de 2011? 21

22 Quadro de funcionários para o 1º trimestre de 2011 REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Vai aumentar Vai ficar igual Vai diminuir Base: amostra P5 O quadro de funcionários permanentes (mão de obra com carteira assinada) em sua empresa vai aumentar, vai ficar igual ou vai diminuir no 1º trimestre de 2011? 22

23 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Investimentos (compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc.) para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 Investimentos para o próximo trimestre 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vão crescer Vão sofrer cortes Vão permanecer como planejados Vão ser postergados Base: amostra P6 Os investimentos em compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc. em sua empresa vão crescer, vão permanecer como planejado, vão sofrer cortes ou serão postergados no próximo trimestre? 23

24 Investimentos (compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc.) para o 1º trimestre de 2011 TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras Pequeno Médio Grande Vão crescer Vão sofrer cortes Vão permanecer como planejados Vão ser postergados Base: amostra P6 Os investimentos em compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc. em sua empresa vão crescer, vão permanecer como planejado, vão sofrer cortes ou serão postergados no 1º trimestre de 2011? 24

25 Investimentos (compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc.) para o 1º trimestre de REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Vão crescer Vão sofrer cortes Vão permanecer como planejados Vão ser postergados Base: amostra P6 Os investimentos em compra de equipamentos, obras de ampliação, aquisições, modernização, etc. em sua empresa vão crescer, vão permanecer como planejado, vão sofrer cortes ou serão postergados no 1º trimestre de 2011? 25

26 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Como ficarão as condições de crédito para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 (na visão da indústria, do comércio e de serviços) Condições de crédito no próximo trimestre: 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa: Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vão ficar melhores Vão ficar inalteradas Vão ficar piores Base: indústria, comércio e serviços P7 Em sua opinião, as condições de crédito, como limites, prazos e encargos, no trimestre de 20, em relação ao trimestre anterior, ficarão melhores, inalteradas ou piores? 26

27 Como ficarão as condições de crédito para o 1º trimestre de 2011 (na visão da indústria, do comércio e de serviços) TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Pequeno Médio Grande Vão ficar melhores Vão ficar inalteradas Vão ficar piores Base: indústria, comércio e serviços P7 Em sua opinião, as condições de crédito, como limites, prazos e encargos, no 1º trimestre de 2011, em relação ao 4º trimestre de 2010, ficarão melhores, iguais ou piores? 27

28 Como ficarão as condições de crédito para o 1º trimestre de 2011 (na visão da indústria, do comércio e de serviços) REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Vão ficar melhores Vão ficar inalteradas Vão ficar piores Base: indústria, comércio e serviços P7 Em sua opinião, as condições de crédito, como limites, prazos e encargos, no 1º trimestre de 2011, em relação ao 4º trimestre de 2010, ficarão melhores, iguais ou piores? 28

29 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Oferta de crédito para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 (na visão das instituições financeiras) Oferta de crédito PJ no próximo trimestre PJ 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vai crescer Vai ficar igual Vai cair Base: bancos e outras instituições financeiras P8 A oferta de crédito para a pessoa jurídica no trimestre de 20, em relação ao trimestre anterior, vai crescer, vai permanecer igual ou vai cair? 29

30 COMPARATIVO COM PESQUISAS ANTERIORES Oferta de crédito PF no próximo trimestre Oferta de crédito para o 1º trimestre de 2010 X 2º trimestre de 2010 X 3º trimestre de 2010 X 4º trimestre de 2010 X 1º trimestre de 2011 (na visão das instituições financeiras) PF 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre Mês da pesquisa Novembro 09 Março 10 Junho 10 Setembro 10 Novembro 10 Vai crescer Vai ficar igual Vai cair Base: bancos e outras instituições financeiras P8 A oferta de crédito para a pessoa jurídica no trimestre de 20, em relação ao trimestre anterior, vai crescer, vai permanecer igual ou vai cair? 30

31 Oferta de crédito para o 1º trimestre de 2011 (na visão das instituições financeiras) PJ PF Vai ficar igual 27% Vai cair 8% Vai ficar igual 14% Vai cair 5% Vai crescer 65% Vai crescer 81% Base: instituições financeiras P8 A oferta de crédito para a pessoa jurídica/pessoa física no 1º trimestre de 2011, em relação ao 4º trimestre, vai crescer, vai permanecer igual ou vai cair? 31

32 Implementação de medidas pelo novo governo que podem impactar nos negócios TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras Pequeno Médio Grande Sim Não Base: amostra P9 Para finalizar, o(a) sr(a). acha que o novo governo pode implementar medidas que impactem seu negócio? 32

33 Implementação de medidas pelo novo governo que podem impactar nos negócios REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Sim Não Base: amostra P9 Para finalizar, o(a) sr(a). acha que o novo governo pode implementar medidas que impactem seu negócio? 33

34 Medidas para melhor e para pior TOTAL SETOR PORTE Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras Pequeno Médio Grande Para melhor Para pior Base: respondeu sim na pergunta anterior P10 Estas medidas serão para melhor ou para pior? 34

35 Medidas para melhor e para pior REGIÃO Total Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Para melhor Para pior Base: respondeu sim na pergunta anterior P10 Estas medidas serão para melhor ou para pior? 35

36 Medidas para melhor (RM %) diminuição da carga tributária; reforma tributária; reforma fiscal; diminuição dos encargos sociais diminuição da taxa de juros; manutenção da estabilidade dos juros aumento da oferta de crédito; aumento do crédito pelo BNDES/FINAME; linha de crédito agrícola; alongamento dos financiamentos; crédito mais barato; aumento do crédito imobiliário/micro e pequena empresa investimento em infraestrutura / saneamento / geração de energia / telecomunicação / porto / aeroporto / rodovias; investimento em transportes / em obras do PAC; manutenção do programa Minha casa minha vida / investimento / financiamento da construção civil favorecer a exportação; barrar importação da China; estabilizar / melhorar política cambial melhoria no preço dos produtos agrícolas; estímulo à agricultura / agropecuária; investimento em tecnologia do plantio Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras investimento / aumentar repasse para a saúde mais investimento na área educacional; aumento de cursos profissionalizantes; melhoria da qualificação profissional fiscalização maior do meio ambiente; incentivo às empresas; regulamentação das leis ambientais; investimento em energia renovável criação de empregos; redução da informalidade aumento do salário mínimo; melhoria na distribuição de renda investimento no pré-sal / extração de petróleo incentivo ao turismo / Copa do Mundo manutenção de política comercial estável; incentivo ao livre comércio baixar a inflação; equilibrar o índice IGPM investimento em urbanização outros não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para melhor na pergunta anterior 36

37 Medidas para melhor (RM %) diminuição da carga tributária; reforma tributária; reforma fiscal; diminuição dos encargos sociais diminuição da taxa de juros; manutenção da estabilidade dos juros aumento da oferta de crédito; aumento do crédito pelo BNDES/FINAME; linha de crédito agrícola; alongamento dos financiamentos; crédito mais barato; aumento do crédito imobiliário/micro e pequena empresa investimento em infraestrutura / saneamento / geração de energia / telecomunicação / porto / aeroporto / rodovias; investimento em transportes / em obras do PAC; manutenção do programa Minha casa minha vida / investimento / financiamento da construção civil favorecer a exportação; barrar importação da China; estabilizar / melhorar política cambial melhoria no preço dos produtos agrícolas; estímulo à agricultura / agropecuária; investimento em tecnologia do plantio Total Pequeno Médio Grande investimento / aumentar repasse para a saúde mais investimento na área educacional; aumento de cursos profissionalizantes; melhoria da qualificação profissional fiscalização maior do meio ambiente; incentivo às empresas; regulamentação das leis ambientais; investimento em energia renovável criação de empregos; redução da informalidade aumento do salário mínimo; melhoria na distribuição de renda investimento no pré-sal / extração de petróleo incentivo ao turismo / Copa do Mundo manutenção de política comercial estável; incentivo ao livre comércio baixar a inflação; equilibrar o índice IGPM investimento em urbanização outros não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para melhor na pergunta anterior 37

38 Medidas para melhor (RM %) diminuição da carga tributária; reforma tributária; reforma fiscal; diminuição dos encargos sociais diminuição da taxa de juros; manutenção da estabilidade dos juros aumento da oferta de crédito; aumento do crédito pelo BNDES/FINAME; linha de crédito agrícola; alongamento dos financiamentos; crédito mais barato; aumento do crédito imobiliário/micro e pequena empresa investimento em infraestrutura / saneamento / geração de energia / telecomunicação / porto / aeroporto / rodovias; investimento em transportes / em obras do PAC; manutenção do programa Minha casa minha vida / investimento / financiamento da construção civil favorecer a exportação; barrar importação da China; estabilizar / melhorar política cambial melhoria no preço dos produtos agrícolas; estímulo à agricultura / agropecuária; investimento em tecnologia do plantio Total Norte Nordeste Centro- Oeste Sudeste investimento / aumentar repasse para a saúde Sul mais investimento na área educacional; aumento de cursos profissionalizantes; melhoria da qualificação profissional fiscalização maior do meio ambiente; incentivo às empresas; regulamentação das leis ambientais; investimento em energia renovável criação de empregos; redução da informalidade aumento do salário mínimo; melhoria na distribuição de renda investimento no pré-sal / extração de petróleo incentivo ao turismo / Copa do Mundo manutenção de política comercial estável; incentivo ao livre comércio baixar a inflação; equilibrar o índice IGPM investimento em urbanização outros não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para melhor na pergunta anterior 38

39 Medidas para pior (RM %) criação de novos impostos; retorno da CPMF; aumento do ICMS / COFINS; cancelamento do FINAME; aumento das taxas públicas: água, luz aumento da taxa de juros de financiamento reduzirá atividade econômica aumento da taxa cambial; importação ficará mais cara; variação cambial favorecerá importação corte no crédito de bens de menor valor; corte no orçamento para a área comercial; falta de apoio para regulamentação de empresas mudança no Banco Central vai enfraquecer política monetária; mercado ficará instável e inseguro; aumento da inadimplência aumento do salário mínimo e diminuição da carga horária; custo do empregado ficará elevado estatização da exploração de minérios; diminuição da terceirização; corte no orçamento do PAC2; dificuldade na liberação de projetos ambientais; diminuição de investimentos em infraestrutura diminuição dos subsídios às casas populares; medidas que impactem setor de construção civil; diminuição do financiamento imobiliário instabilidade durante a fase de transição; reajuste de preço; desemprego diminuição de investimento na área da saúde; estatização irá diminuir faturamento de clínicas particulares Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para pior na pergunta anterior 39

40 Medidas para pior (RM %) criação de novos impostos; retorno da CPMF; aumento do ICMS / COFINS; cancelamento do FINAME; aumento das taxas públicas: água, luz aumento da taxa de juros de financiamento reduzirá atividade econômica aumento da taxa cambial; importação ficará mais cara; variação cambial favorecerá importação corte no crédito de bens de menor valor; corte no orçamento para a área comercial; falta de apoio para regulamentação de empresas mudança no Banco Central vai enfraquecer política monetária; mercado ficará instável e inseguro; aumento da inadimplência aumento do salário mínimo e diminuição da carga horária; custo do empregado ficará elevado estatização da exploração de minérios; diminuição da terceirização; corte no orçamento do PAC2; dificuldade na liberação de projetos ambientais; diminuição de investimentos em infraestrutura diminuição dos subsídios às casas populares; medidas que impactem setor de construção civil; diminuição do financiamento imobiliário instabilidade durante a fase de transição; reajuste de preço; desemprego diminuição de investimento na área da saúde; estatização irá diminuir faturamento de clínicas particulares Total Indústria Comércio Serviços Instituições Financeiras não sabe P11 Quais são estas medidas? Base: respondeu para pior na pergunta anterior 40

41 Medidas para pior (RM %) criação de novos impostos; retorno da CPMF; aumento do ICMS / COFINS; cancelamento do FINAME; aumento das taxas públicas: água, luz aumento da taxa de juros de financiamento reduzirá atividade econômica aumento da taxa cambial; importação ficará mais cara; variação cambial favorecerá importação corte no crédito de bens de menor valor; corte no orçamento para a área comercial; falta de apoio para regulamentação de empresas mudança no Banco Central vai enfraquecer política monetária; mercado ficará instável e inseguro; aumento da inadimplência aumento do salário mínimo e diminuição da carga horária; custo do empregado ficará elevado estatização da exploração de minérios; diminuição da terceirização; corte no orçamento do PAC2; dificuldade na liberação de projetos ambientais; diminuição de investimentos em infraestrutura diminuição dos subsídios às casas populares; medidas que impactem setor de construção civil; diminuição do financiamento imobiliário instabilidade durante a fase de transição; reajuste de preço; desemprego diminuição de investimento na área da saúde; estatização irá diminuir faturamento de clínicas particulares Total Norte Nordeste Centro- Oeste Sudeste não sabe Sul P11 Quais são estas medidas? Base: Respondeu para pior na pergunta anterior 41

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 2º Trimestre de 2011

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 2º Trimestre de 2011 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 2º Trimestre de 2011 São Paulo, março de 2011 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais

Leia mais

Empresários estão mais otimistas com o faturamento de seu negócio em 2010

Empresários estão mais otimistas com o faturamento de seu negócio em 2010 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 1º trimestre de 2010 Empresários estão mais otimistas com o faturamento de seu negócio em 2010 Pesquisa com 1012 executivos registra intenção generalizada

Leia mais

SENSUS. Pesquisa & Consultoria

SENSUS. Pesquisa & Consultoria Perfil do Empresário, do Administrativo e do Trabalhador da Construção Civil 04 de Abril a 30 de Maio de 2011 Dados Técnicos Pesquisa Perfil do Empresário, do Administrativo e do Trabalhador da Construção

Leia mais

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS Sumário BALANÇO DE 2016 SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO PERSPECTIVAS 2 Como começamos 2016 BALANÇO 2016 Inflação de preços livres se manteve

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016

SONDAGEM INDUSTRIAL EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016 SONDAGEM INDUSTRIAL ANO 16 #12 DEZ 2015 EXPECTATIVAS SÃO NEGATIVAS PARA O INÍCIO DE 2016 No encerramento de 2015 os indicadores da sondagem industrial mostraram que a atividade encerrou o ano em queda

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Coletiva de Imprensa Resultados de 2016 e Perspectivas para 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Índice 1. Conjuntura Econômica 2. Construção Civil 3. Financiamento

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 PIB em trajetória de queda; Produção em retração; Crescimento do desemprego; Aumento dos juros; Inflação em crescimento; Retração dos investimentos; Queda

Leia mais

SET/16 AGO/16. 52,9 43,9 48,4 Queda da produção. 47,1 46,0 47,4 Queda no número de empregados 67,0 66,0 71,2 Redução no uso da capacidade

SET/16 AGO/16. 52,9 43,9 48,4 Queda da produção. 47,1 46,0 47,4 Queda no número de empregados 67,0 66,0 71,2 Redução no uso da capacidade Indicador PRODUÇÃO NÚMERO DE EMPREGADOS UTILIZ. DA CAPACIDADE INSTALADA (UCI) - % UCI EFETIVA- USUAL EVOLUÇÃO DOS ESTOQUES ESTOQUE EFETIVO- PLANEJADO MÉDIA HIST. Setembro e 3º trimestre de 2016 Produção

Leia mais

Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR. junho de 2017

Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR. junho de 2017 Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR junho de 2017 Sondagem conjuntural dos pequenos negócios Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Conhecer as expectativas

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Agosto 17 Dezembro/2012

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Agosto 17 Dezembro/2012 CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Agosto 17 Dezembro/2012 (0-200) (0-200) ÍNDICE DE NFIANÇA DO EMPRESÁRIO DO MÉRCIO Composição do Nacional Condições Atuais do Empresário do Comércio 74,2 +1,1% +57,1%

Leia mais

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS 1º TRIMESTRE DE 2008.

S O N D A G E M I N D U S T R I A L R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS 1º TRIMESTRE DE 2008. S O N D A G E M I N D U S T R I A L / R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1º TRIMESTRE DE 8. Em qualquer relatório financeiro que possa influenciar a decisão de alocação de recursos,

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Novembro/16

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Novembro/16 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Novembro/16 SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) 1. Indicador de Demanda por Crédito A demanda

Leia mais

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA!

Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Profissionais Tecnólogos: a hora é AGORA! Um breve passeio pela história... 70 e 80 = país sustentado por sua vocação agrícola. 1989 = inflação alcançava quase 2.000% ao ano! 1990 = abertura às importações

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES e o Apoio ao Setor de P&G André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Instrumento chave

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março 2017 Indicador de Propensão a Investir Sem ver necessidade, micro e pequenos empresários não pretendem investir nos próximos

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios

MPE INDICADORES Pequenos Negócios MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Maio 2017 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo. 1º semestre de 2014

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo. 1º semestre de 2014 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo 1º semestre de 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A CRISE ECONÔMICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A CRISE ECONÔMICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A CRISE ECONÔMICA ABRIL DE 2015 JOB0508 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA O principal objetivo desse projeto é avaliar qual a impressão que a população

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T10

Apresentação de Resultados 2T10 Apresentação de Resultados 2T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Set/16

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Set/16 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Set/16 SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) 1. Indicador de Demanda por Crédito Em setembro de

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 6 Número 6 Junho de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Cenário negativo se amplia O cenário adverso para as empresas da indústria da construção persiste em junho, com impactos

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 2º trimestre/2013 Julho 2013 Objetivo Aferir, por meio de um índice, as expectativas dos empresários das empresas de micro e

Leia mais

Resultados de junho 2015

Resultados de junho 2015 Resultados de junho No 1º semestre de, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 11,9% no faturamento real sobre o mesmo período de 2014 (já descontada a inflação). O resultado

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) Normas BACEN Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Crescimento chinês da construção Taxa de crescimento entre 2007 a 2012 90% 82,61% 83,30% 80% 76,70% 70% 68,07% 60% 50% 40% 41,8% 30% 20% 10% 9,95%

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO ACRE - FIEAC Assessoria Econômica SONDAGEM INDUSTRIAL BOLETIM 3º TRIMESTRE 2005

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO ACRE - FIEAC Assessoria Econômica SONDAGEM INDUSTRIAL BOLETIM 3º TRIMESTRE 2005 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO ACRE - FIEAC Assessoria Econômica SONDAGEM INDUSTRIAL BOLETIM 3º TRIMESTRE 25 RIO BRANCO/OUTUBRO-25 SONDAGEM INDUSTRIAL RESULTADOS ACRE Assessoria Econômica do Sistema

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores dos Níveis de Atividade e Emprego mantém tendência de retração na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 4º Trimestre de 2015 4º TRI/2015

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Novembro 16 Dezembro/2012

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Novembro 16 Dezembro/2012 CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Novembro 16 Dezembro/2012 (0-200) (0-200) ÍNDICE DE NFIANÇA DO EMPRESÁRIO DO MÉRCIO Composição do Nacional Condições Atuais do Empresário do Comércio 58,5 3,2% +,0%

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

Carteira de Investimentos 2003 a 2007

Carteira de Investimentos 2003 a 2007 Workshop Temático - PROMINP Carteira de Investimentos 2003 a 2007 Empresas de petróleo (exceto Petrobras) Angra dos Reis, 07 de Agosto de 2003 A carteira de investimentos prevista pela indústria de petróleo

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Dezembro/16

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Dezembro/16 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Dezembro/16 SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) 1. Indicador de Demanda por Crédito O Indicador

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Março de 2016 SUMÁRIO ANÁLISE DO

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Produtividade e sustentabilidade do crescimento econômico Decomposição

Leia mais

PERCEPÇÃO SOBRE AS CONTAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

PERCEPÇÃO SOBRE AS CONTAS PÚBLICAS BRASILEIRAS PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP PERCEPÇÃO SOBRE AS CONTAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Julho 2016 Esta pesquisa foi encomendada pela FIESP e pelo CIESP junto à IPSOS Public Affairs, tendo como objetivo avaliar

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO (PAC), criado pelo Decreto 6.025/2007 que define a estrutura formal da sua gestão. PAC medidas de estímulo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FISCAL E FINANCEIRA

PROGRAMAÇÃO FISCAL E FINANCEIRA Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação (FACE) Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais (CCA) PROGRAMAÇÃO FISCAL

Leia mais

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Sinergia -abril de 2014 Patrícia Toledo Pelatieri Elementos para Reflexão O cenário recente é carregado de muita incerteza, o que gera um pessimismo muito além

Leia mais

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 O papel da construção no desenvolvimento sustentado Há cinco anos, o setor da construção iniciou um ciclo virtuoso de crescimento: Esse ciclo foi pavimentado

Leia mais

VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas

VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas Balanço 2014 VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas Taxa de crescimento do VAB (PIB) Construção Civil (%) Fonte: IBGE * valor projetado pela CBIC Taxa de crescimento do VAB (PIB) - 3º trimestre

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Setembro/15

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Setembro/15 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Setembro/15 SPC Brasil e Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) INDICADOR DE DEMANDA POR CRÉDITO Em setembro

Leia mais

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2 UNESP FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS Paulo André de Oliveira Pós Graduação Energia na Agricultura Economista DÓLAR Conjuntura Econômica JUROS BRASIL CRISE FINANCEIRA SETOR INTERNO E EXTERNO Ciclos de

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

Indicador de Demanda por crédito e Investimentos do Micro e Pequeno Empresário (IDCI-MPE)

Indicador de Demanda por crédito e Investimentos do Micro e Pequeno Empresário (IDCI-MPE) Indicador de Demanda por crédito e Investimentos do Micro e Pequeno Empresário (IDCI-MPE) SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) Junho de 2015 INDICADOR DE DEMANDA POR CRÉDITO

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

Perspectivas Political & Social SIAC 2016

Perspectivas Political & Social SIAC 2016 Perspectivas Political & Social SIAC Perspectivas Political & Social SIAC Objetivo Monitorar as expectativas e impressões da população brasileira em relação à situação econômica do país e do impacto em

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas

Agenda 2017 Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas Agenda Ano novo, novo ciclo as visões das empresas para um mundo de transformações aceleradas Agenda Pergunta a responder... Para onde vão a economia, o ambiente de negócios e a gestão empresarial em?

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS ABRIL/2015 Resumo DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 2 Consumo aparente mensal R$ bilhões constantes*

Leia mais

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP)

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) Hildo Meirelles de Souza Filho PIB Produto Interno Bruto (PIB) é o valor total do fluxo de produção atual de bens e serviços finais obtido dentro do território

Leia mais

DESEMPENHO DAS. Fundação Nacional da Qualidade / MEG Base de balanços de 12/2000 a 12/2011. Novembro / 2012

DESEMPENHO DAS. Fundação Nacional da Qualidade / MEG Base de balanços de 12/2000 a 12/2011. Novembro / 2012 DESEMPENHO DAS EMPRESAS AFILIADAS Fundação Nacional da Qualidade / MEG Base de balanços de 12/2000 a 12/2011 Novembro / 2012 Objetivo O estudo foi elaborado a partir dos demonstrativos financeiros de uma

Leia mais

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA , ,01

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA , ,01 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 408.377.447,62 395.630.624,01 Receitas derivadas e originárias 5.555.252,62 5.259.708,60 Transferências correntes recebidas

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro

Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro Um retrato do empreendedor do varejo brasileiro Julho 2012 METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Comércio Varejista de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa: 605 casos, gerando um

Leia mais

ECONOMIA CONCEITOS BÁSICOS

ECONOMIA CONCEITOS BÁSICOS CONTATO PROF. SERGIO A CENTA. DISCIPLINA; ECONOMIA. MICROECONOMIA. MACRO ECONOMIA. Endereço email prof.centa@gmail.com ECONOMIA CONCEITOS BÁSICOS O primeiro deles é o conceito de economia; segundo Tebechirani,

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Conjuntura Março. Boletim de AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS. PIB dos serviços recua 2,1% em 2015

Conjuntura Março. Boletim de AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS. PIB dos serviços recua 2,1% em 2015 Março de 2016 AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS PIB dos serviços recua 2,1% em 2015 Segundo o IBGE, o PIB brasileiro caiu 4,0% em 2015. Essa variação é resultado de uma

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL I - Fluxo de Caixa

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL I - Fluxo de Caixa I - Fluxo de Caixa Descrição 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano TOTAL GERAL RECEITA BRUTA 2.764.557 7.429.547 4.096.640 4.758.681 6.845.260 3.696.573 3.225.966 32.817.224 RECEITA BRUTA DE VENDAS

Leia mais

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I 2009.II 2009.III 2009.IV 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV 2011.I 2011.II 2011.III 2011.IV 2012.I 2012.II 2012.III 2012.IV 2013.I PIB 1º trimestre de 2013 29/05/13 O produto interno bruto (PIB) do 1º trimestre

Leia mais

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011 Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para 2012 6/12/2011 Desempenho e perspectivas A revisão do PIB Desempenho da cadeia em 2011 Perspectivas Revisão dos números do PIB 2009 Destaque: Os

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA ?

PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA ? PROJETO DE PESQUISA INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL: QUAL DEVE SER A ESTRATÉGIA DO GOVERNO PARA 2015-18? Introdução A indústria é um setor vital para o desenvolvimento do Brasil. Mesmo

Leia mais

SUPLEMENTO: A OPINIÃO DOS EMPREENDEDORES Avaliação de 2016 e perspectivas para Fevereiro/ 2017

SUPLEMENTO: A OPINIÃO DOS EMPREENDEDORES Avaliação de 2016 e perspectivas para Fevereiro/ 2017 SUPLEMENTO: A OPINIÃO DOS EMPREENDEDORES Avaliação de 2016 e perspectivas para 2017 Fevereiro/ 2017 Destaques Quanto ao ano de 2016, na opinião de 53% dos proprietários de micro e pequenas empresas, os

Leia mais

ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER? EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER? EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 02 FEVEREIRO 2017 1 ÍNDICE A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTOU A CRESCER?... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04 1.2

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Perfil da economia brasileira nos governos Lula e Dilma 1 A economia brasileira no ciclo de governo

Leia mais

CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº / (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº / (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ nº 15.862.591/0001-83 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do

Leia mais

Produtividade do Trabalho na Indústria Brasileira

Produtividade do Trabalho na Indústria Brasileira Produtividade do Trabalho na Indústria Brasileira Renato da Fonseca Mesa Redonda Evolução da Produtividade do Trabalho e o Crescimento do Custo da Mão de Obra na Bahia e no Brasil FIEB Salvador 3 de maio

Leia mais

S O N D A G E M I N D U S T R I A L. R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 2006.

S O N D A G E M I N D U S T R I A L. R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 2006. S O N D A G E M I N D U S T R I A L / R S FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Outubro de 26. SONDAGEM INDUSTRIAL DO RIO GRANDE DO SUL III TRIMESTRE - 26

Leia mais

A ECONOMIA NO SEGUNDO SEMESTRE

A ECONOMIA NO SEGUNDO SEMESTRE A ECONOMIA NO SEGUNDO SEMESTRE Dihego Pansini O primeiro semestre deste ano tem dado bons indícios de que o ano de 2010, como haviam previsto alguns analistas, é um período de recuperação para a economia,

Leia mais

SECOVI. Teotonio Costa Rezende. Diretor Executivo de Habitação Caixa Econômica Federal

SECOVI. Teotonio Costa Rezende. Diretor Executivo de Habitação Caixa Econômica Federal SECOVI Teotonio Costa Rezende Diretor Executivo de Habitação Caixa Econômica Federal Sumário Plano de Negócios Cenário Medidas para aumentar o crédito PMCMV Faixa 1,5 Expectativas PMCMV 2017 Histórico

Leia mais

Câmbio, custos e a indústria

Câmbio, custos e a indústria Câmbio, custos e a indústria Confederação Nacional da Indústria (CNI) Flávio Castelo Branco e Marcelo Azevedo Workshop Exportações e Indústria: os fatores que afetam a competitividade CINDES O que está

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS / ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS / ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS / ADMINISTRATIVOS DEZEMBRO DE 2011 JOB1408 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto aos eleitores da área em estudo opiniões

Leia mais

Sobrevivência das Empresas no Brasil

Sobrevivência das Empresas no Brasil Sobrevivência das Empresas no Brasil Outubro 2016 1 Objetivo: 1. Calcular a taxa de sobrevivência/mortalidade de empresas no Brasil; e 2. Identificar os fatores determinantes da sobrevivência/mortalidade

Leia mais

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Fevereiro 2017 Indicador de Confiança do MPE alcança o maior resultado desde maio de 2015 INDICADOR DE CONFIANÇA 50,2 50,6 50,2 48,9 51,0 52,5 36,6

Leia mais

EXPECTATIVA DE EMPREGO

EXPECTATIVA DE EMPREGO EXPECTATIVA DE EMPREGO Dihego Pansini de Souza Nívia Cavatti Maciel Em maio de 2011, foi publicado pelo Instituto Jones Santos Neves os investimentos previstos para os próximos 05 anos no estado do Espírito

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção

PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção O balanço de final do ano de 2005 já mostrará que se não foi um ano perdido, os resultados frustraram as expectativas

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16 SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) INDICADOR DE DEMANDA POR CRÉDITO O indicador de Demanda

Leia mais

Crédito Imobiliário Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017

Crédito Imobiliário Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017 Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017 Pilares de Sustentação 1.Ambiente Econômico 2.Funding 3.Segurança Jurídica CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2 Ambiente Econômico 2017 Inflação Taxa de Juros Renda

Leia mais

Sondagem Industrial do Estado de São Paulo

Sondagem Industrial do Estado de São Paulo Sondagem Industrial do Estado de São Paulo Produção atinge pior resultado da série histórica no mês de dezembro Janeiro/2014 Indicador nov/14 dez/14 O que representa Produção 42.9 30.5 Número de Empregados

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Ingressos 10.259.869,68 Receitas derivadas e originárias 9.582.366,64 Transferências correntes recebidas Outros ingressos operacionais

Leia mais

Agosto/2014. Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Agosto/2014. Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Agosto/2014 Cenário Econômico: Mais um Ano de Baixo Crescimento Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Diversos Indicadores mostram uma Piora da Atividade Econômica no 2º Trimestre 2 A produção

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Situação econômico-financeira das empresas de transporte público urbano. Maio/2017

Situação econômico-financeira das empresas de transporte público urbano. Maio/2017 Situação econômico-financeira das empresas de transporte público urbano Maio/2017 OBJETIVO Mapear e recolher informações estratégias com empresários do setor de transporte público urbano sobre a situação

Leia mais