GSI Global Social Impact. SUSTENTABILIDADE ORGANIZACIONAL Ideias e Propostas. Relatório GSI JAM 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GSI Global Social Impact. SUSTENTABILIDADE ORGANIZACIONAL Ideias e Propostas. Relatório GSI JAM 2011"

Transcrição

1 GSI Global Social Impact SUSTENTABILIDADE ORGANIZACIONAL Ideias e Propostas Relatório GSI JAM 2011

2 GSI Global Social Impact SUSTENTABILIDADE ORGANIZACIONAL Ideias e Propostas RELATÓRIO GSI JAM 2011 São Paulo 2011

3 EXPEDIENTE 2011 GSI Global Social Impact Todos os direitos reservados pelos autores. É proibida a reprodução total ou parcial desta obra por quaisquer meios: gráficos, reprográficos, mecânicos, eletrônicos, digitais etc. sem citação da fonte. Supervisão: Coordenação editorial: Texto e organização: Capa e diagramação: Andrea Shpak e Alcely Barroso Elidia Novaes Elidia Novaes e Cristina Fedato Pedro Belasco GSI. Sustentabilidade Organizacional: ideias e propostas Relatório GSI JAM 2011 / GSI Global Social Impact. São Paulo: GSI, p. 1. Sustentabilidade Organizacional e Filantropia Estratégica 2. Parcerias Intersetoriais de benefício mútuo 3. Empresa social como alternativa de sustentabilidade 4. Ferramentas de gestão no terceiro setor 5. Iniciativas de investimento público e privado I. GSI Global Social Impact III. Título: Sustentabilidade Organizacional: ideias e propostas Relatório GSI JAM GSI Global Social Impact São Paulo, SP Brasil twitter.com/gsijam

4 SUMÁRIO Agradecimento Agradecimento Especial Epígrafe 1. Introdução 2. A GSI a. Histórico b. Estrutura 3. Os Parceiros 4. A metodologia JAM 5. O GSI JAM a. Conceito e panorama b. Pilares que embasaram cada painel Filantropia Estratégica e Sustentabilidade Parcerias intersetoriais de benefício mútuo A empresa social como alternativa de sustentabilidade Ferramentas de Gestão no Terceiro Setor Iniciativas de investimento público e privado c. Perfil dos participantes d. Levantamento quantitativo e. Levantamento qualitativo Filantropia Estratégica e Sustentabilidade Parcerias intersetoriais de benefício mútuo A empresa social como alternativa de sustentabilidade Ferramentas de Gestão no Terceiro Setor Iniciativas de investimento público e privado f. Word Cloud 6. Considerações finais

5 Relatório GSI JAM 2011 AGRADECIMENTO A todos aqueles que tornaram o JAM possível, com seu apoio, seu compromisso com os temas da sustentabilidade organizacional e com sua confiança na iniciativa. Nossos parceiros institucionais: IBM Pamcary Roche AES Eletropaulo Locaweb Dr. Micro E nossos apoiadores institucionais: ATPIESP (Associação Profissional dos Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais do Estado de São Paulo) ESW Enterprise for a Sustainable World Helix Instituto Ethos Pitti LM Secretaria de Participação e Parceria da Prefeitura de São Paulo UNISA (Universidade de Santo Amaro) Queremos agradecer nominalmente aos parceiros de todas as horas, que, com a mão na massa, ergueram o JAM e ajudaram a fazer dele um sucesso: Bell Pereira Eliane Ornelas Fernanda Bornhausen Sá Jefferson Dousseau Juliana Nobre Gomes Luís Miranda Mario Costa Ricardo Young Silva Nosso carinho aos salva-vidas Luis Carlos dos Anjos e Rafael Rosa (Locaweb), Guilherme Levy e Joyce Ribeiro (Pitti LM), Edson Luiz Oliveira, Sergio Loza, Claudio Calazans e Rodrigo Canhissare (IBM) E aos tradutores Alexandre Stella Pires; Ana Paula Bernardo; Ana Paula Ernesto; Ana Zuleika Pinheiro Machado; Cristiane Dias Cardoso; Dulcinea Braga Dias Bueno Torres; Eliane Manna Born; Glaucia Cristine Silva Burckler; Ivone Ribeiro Silva Coutinho; Leila Marina Urbas Di Natale; Leslie Benzakein; Liamara Soares da Silva; Maria Claudia Fernandes de Almeida; Roseli Rubino Pereira; Vera Dittert Jardim Moreno. Várias redes sociais ajudaram na divulgação do JAM e na formação do grupo imenso de pessoas que acessaram o espaço virtual e postaram seus comentários. Somos gratas a todas e, conforme combinado antecipadamente, queremos informar que, dentre todas, aquela que reuniu o maior número de participantes foi o IVA Instituto Voluntários em Ação, organização-membro da Aliança de ONGs na América Latina e Caribe. Toda nossa gratidão por sua mobilização, confiança, paciência e determinação. Vocês foram, para nós, exemplo e fonte de motivação. Equipe GSI 5

6 GSI Global Social Impact, Sustentabilidade Organizacional, Ideias e Propostas AGRADECIMENTO ESPECIAL A GSI e seus parceiros agradecem especialmente a todas as pessoas que deram sua contribuição sob a forma de reflexões nos cinco paineis do GSI JAM, ajudando a construir a essência do evento, fortalecendo os relacionamentos e o próprio debate dos temas contemporâneos da sustentabilidade organizacional: Alan Harlam Brown University Alcely Barroso IBM Brasil Ana Carolina Velasco GIFE Ana Lucia Silva Marçal Grupar-RP Ana Lucia Vieira Centro Espírita O Consolador Andrea Shpak GSI Antonio Ribeiro da Silva Jr. APAE Augusto Hijo Ponto de Cultura Bafafá Pró-Rock Bell Pereira SMPP-SP Bruno Andreoni Cidade Escola Aprendiz Bruno Elias Menezes Instituto Teológico Basiléia Carla Botelho Latin American Hotels Carlos Eduardo Faria Ronca Mattos Filho Advogados Carolina de Mattos Ricardo Instituto Sou da Paz Carolina Neri BTOA Celina Mendes do Prado Associação Cristã de Osasco Celso Bianchi Barroso - UniCapital Christin Hokenstad Dalberg Advisors Cibele Esteves Formare Claudia da Silva IBM Brasil Cleide Paiva Lar Sírio Cristina Fedato consultora em Sustentabilidade Cynthia Rosenburg Instituto Arapyaú Dagmar Garroux Casa do Zezinho Daniel Barreto Instituto Bioeste Daniel Brandão MOVE Daniel Francisco Moreno de Sousa Daniel Vaz Opção Brasil Daniela Silva dos Santos Instituto Voluntários em Ação Daniele Paz AACD Danilo Santos de Miranda SESC-SP Darcio Centoducato Pamcary Debora Caldini McDonald s Denise Tubino Golder Associates Edgard Barki FGV Edsmar Resende Key Associados Edson da Silva Bezerra Eduardo Britto Elenice Tamashiro Zigla Consultores Eliana Tiezzi Papel de Gente Eliane Belfort CORES-FIESP Élida Pricila Brasil de Matos Clube Amador de Foto de Fortaleza Elidia Novaes GSI Ester Rosenberg Tarandach Adere Fabia Alencar Melitta do Brasil Fabio Gandour IBM Brasil Ferdinando Fernandes Denise Alves & Cia Fernando Alves Rede Cidadã Fernando Nogueira FGV/ESPM Fernando Rossetti GIFE Francisco Buonafina SMPP-SP Francisco Moura Fundação Apoio Desenv. Social e Comunit. Franco Reinaudo ABRAT GLS Fu Kei Lin CEATS-FIA Gilmar Altamirano Universidade da Água Gilson Campos Fundação Voith 6

7 Relatório GSI JAM 2011 Graziela Bedoian Quixote Guilherme Campos Gustavo Antonio Duarte Ribeiro Correios Hazel Henderson Ethical Markets Media Heiko Spitzeck Fundação Dom Cabral Isa Maria Guará UNIBAN Ivânia Palmeira BASF Janete Hung Grupo Sempre Vita João Ribas Serasa Jorge Proença Instituto Pérola José Aureo Bigliassi ConnectUse José Avando Souza Sales ATN José Gilberto Boari TechSoup Brasil José Luis Cavaretti AES Eletropaulo José Luiz Telles Ministério da Saúde José Ricardo Franco Montoro Deputado estadual SP Joseph Haim CPqD Judith Cawhorn Packard Health Julia David Franco Gomes Juliana Nobre IBM Brasil Juliana Ramalho Mattos Filho Advogados Kelly Ramirez Social Venture Partners Rhode Island Leonardo Letelier Sitawi Lia Diskin Associação Palas Athena Lilian Juliana Kuwano Buhrer Rede Marista Lucia Maria Araujo Canal Futura Luciane Sena Instituto Cuidando do Futuro Luciano Palma consultor de novas mídias Luiz Bruno Vianna ONG Fabricando Empresários Luiz Carlos Merege IATS Maisa Signor Inclusiva Negócios Sociais Marcelo Carvalho UNB Marcelo Estraviz ABCR Márcia Bellotti S&V Consultoria Marcus Clemente Total Fleet Maria Iannarelli N.Sra do Bom Parto Mariana Nicolletti NESsT Brasil Marina Spirandelli Care Brasil Marinus Jan Van Der Molen ESPRO Mario Costa IBM Brasil Marta Salomão Secretaria da Saúde SP Melvyn Levitsky Michigan University Miriam Duailibi Instituto Ecoar Monica Lazzerini APAF Assoc.Paulista Apoio à Família Natalia Menhem Limiar Engenharia Ambiental Patrícia Diniz SOS Aldeias Infantis Patrícia Menezes IBM Brasil Paul Kirsch Michigan University Paulo Alves Paulo Ramicelli Instituto EDP Paulo Roberto Feldmann FEA/USP Paulo Vodianitskaia Hapi Consultoria Péricles Mattar Fundação Israel Pinheiro Polyani Garcia Santa Casa de Misericórdia de Birigui Priscilla Chang Michigan University Regina Miranda Pamcary Reinaldo Bulgarelli FGV Reinaldo Pamponet Eletrocooperativa René José Rodrigues Fernandes FGV Ricardo Lopes ASSPROM Ricardo Young Silva Instituto Ethos e UniEthos Roberta Guarino ACAM-RJ Rosicler Rodriguez Roche Ruth Harada IBM Brasil Sélio Antonio Moreira da Silva Transparência Cachoeirense Sergio Amoroso Grupo Orsa 7

8 GSI Global Social Impact, Sustentabilidade Organizacional, Ideias e Propostas Stuart Hart Cornell University e ESW Susana de Vasconcelos Dias CMDCA Tamira Gallucci Instituto Redecard Tanya Andrade Incores Thales Wylton Honorio Barbosa Ribeiro BASF Thereza Lobo Solidaritas Tiago Biusse Ghion Fundação Orsa Tomaz de Aquino Resende Ministério Público MG Vanda Scartezini Altis Vanderlei Soela Fundação Dom Cabral Vania Bulgarelli Instituto Ecoar Vera Lucia Barroso Alves Frascino Vera Lucia Perino Barbosa Instituto Movere Victor Barau Atletas da Cidadania Wagner Andrade AW Comunicação Expressiva Yara Cavini ONG Guará / Amarribo 8

9 Relatório GSI JAM 2011 Epígrafe A mídia social pode ser um facilitador e um acelerador de recursos essenciais, valores, atributos e planos. Pode até ser catalisador para a mudança. Mas não pode magicamente criar o que não existe. Denise Zimmerman, presidente da NetPlus Marketing Aqueles que ignoram o grupo/diálogo/rede quando estão satisfeitos e só decidem se envolver quando precisam da rede podem não ter êxito. É muito fácil identificar aqueles que se unem apenas para tomar não para dar. Portanto, envolva-se no grupo/ diálogo/rede antes que precise que alguém lhe dê algo. Jeremiah Owyang, Web-Strategist.com Suas atitudes falam tão alto que eu não consigo ouvir o que você diz. Ralph Emerson, escritor, filósofo e poeta do séc. 19 As empresas do século XXI precisam estabelecer políticas multistakeholder que lhes permitam permanecer informadas do que ocorre nas franjas do mercado. Isso significa incorporar à sua cultura de gestão habilidades que normalmente são encontradas apenas em ONGs. Diálogos apreciativos na base da pirâmide, produção e comércio justo, e organização criativa de comunidades na cadeia produtiva são alguns destes desafios. Além, é claro, da mitigação dos impactos. Ricardo Young Silva, ex-ceo do Instituto Ethos e do UniEthos e candidato ao senado pelo Partido Verde em 2010 durante o JAM A crescente ideia de um empreendimento sustentável é aquela na qual você, desde o início, considera todos esses fatores [econômico/financeiro, social e ambiental]. E como pode pensar em verdadeiras práticas comerciais para fazê-los melhorar, as quais também lhe permitiriam ganhar dinheiro? [...] Se você fizer isso e fizer direito, acaba com mais valor agregado em todas as três facetas. Em outras palavras, não é uma troca, é estratégia incorporada. Stuart Hart, Professor da Universidade de Cornell e estudioso das implicações do desenvolvimento sustentável durante o JAM As fronteiras nacionais são meras lombadas na autoestrada da rede mundial de informação. Tim May, escritor nas áreas técnica e política, cientista sênior aposentado da Intel 1. Introdução Setores, países, pessoas se aproximam. Novas ideias surgem, novas técnicas e soluções. Amplia-se o envolvimento em parcerias estratégicas para aumentar globalmente a escala das iniciativas sociais. Novos modelos são desenvolvidos por organizações sem e com fins lucrativos em busca de impacto social. Vem o desafio na priorização de programas que resultem na melhor relação custo-benefício socioeconômico e ambiental e na medição do impacto produzido. Mirando esse momento e todas as possibilidades favoráveis e desfavoráveis, a ONG GSI buscava uma forma de reunir pessoas de todos os segmentos organizações da sociedade civil, governos, empresas, academia e imprensa. E propor a reflexão sobre os caminhos da sustentabilidade organizacional e todos os meios para esse fim. A organização já havia promovido três conferências internacionais, mas especialmente ao abordar o tema da sustentabilidade, buscava uma forma de realizar um debate mais sustentável e inclusivo. Em 2001, a IBM na condição de empresa global, havia desenvolvido uma metodologia que permitia reflexões envolvendo simultaneamente os funcionários, seus familiares, clientes, fornecedores e parceiros de negócios ao redor do mundo, todos contribuindo para que a empresa redefinisse seus valores. A metodologia tornou-se um serviço prestado a outras empresas, para que promovam debates junto a seus próprios stakeholders. Entendendo as condições especiais de uma organização da sociedade civil e o propósito que a mobilizava, a IBM decidiu apoiar a iniciativa, fornecendo o ferramental e todos os serviços necessários para realização de um JAM o GSI JAM e aceitando um desafio extra: promover o primeiro JAM bilíngue em toda a história. Foi assim que, em fevereiro de 2011, realizou-se um fórum totalmente em meio virtual sem, passagens aéreas, sem hospedagem, sem coffee break e sem folhetos impressos. Tudo de que os participantes precisavam era acessar a internet, ainda que pelo celular. E assim se reuniram representantes de todos os segmentos em torno da reflexão e debate de inovações que podem ajudar as instituições a se tornarem mais sustentáveis. Até pela facilidade de acesso, o grupo contou com grandes expoentes da América e de outras partes do mundo, somando mais de ins- 9

10 GSI Global Social Impact, Sustentabilidade Organizacional, Ideias e Propostas critos de 16 países em quatro continentes e quase 900 reflexões postadas. As discussões no JAM proporcionaram melhor entendimento da condição presente da sustentabilidade organizacional, a observação de alguns de seus principais desafios, a proposição de ferramentas e estratégias e a abertura de possibilidades de organização e inovação no futuro. O ambiente de confiança que a GSI conseguiu estabelecer trouxe resultados que justificam a organização de seu conteúdo na presente publicação, compartilhando os achados com outros públicos. Este material apresenta um extrato dos principais achados e ressalta as ideias criativas e reflexões compartilhadas, expondo as principais tendências em modelos sustentáveis de inovação organizacional identificados durante o evento. É crucial ressaltar duas características deste fórum, em sua configuração de JAM: 1. O JAM não é conclusivo. Novas discussões são iniciadas o tempo todo e novos temas são abordados, sem que se chegue necessariamente a conclusões. Na verdade, o objetivo do JAM é abrir teorias, hipóteses e propor encaminhamentos posteriores. 2. O modo como é elaborado o relatório qualitativo apresentado a seguir gera um texto que ordena e sintetiza o conjunto de reflexões, sem corresponder às postagens individuais dos participantes. No formato adotado por nós, as sequências de postagens acerca de um tema se tornam parágrafos e trechos que são reorganizados para entendimento do leitor. A partir desta primeira iniciativa exclusivamente remota, plasmada no presente texto, novas ações estão planejadas para o futuro próximo. Mas primeiro, conheça a instituição, seus parceiros e os resultados da ação. Seja bem-vindo ao GSI JAM. 2. A GSI A GSI (Global Social Impact) é uma organização sem fins lucrativos, dedicada a apoiar inovações sociais ao estimular a colaboração intra e intersetorial, fomentar a discussão da sustentabilidade e seus temas relevantes, e promover capacitação nos três setores governos, empresas e organizações sociais, oferecendo acesso a ferramentas, talentos e recursos para concretização de ideias, profissionalização das organizações e maximização do impacto social de suas ações. Conta com o importante diferencial da participação da Academia em todas as atividades que desenvolve. Entre as iniciativas que concretizou, foram realizadas conferências internacionais e oficinas na Eslováquia, Sérvia, Chile, Estados Unidos e Brasil, sempre com a participação ativa de líderes sociais, corporativos e do setor público, além de professores e estudantes de diversas instituições de ensino. Adicionalmente, mantém equipes de consultoria que prestam serviços de capacitação para líderes de ONGs, de empresas e órgãos do governo, promovendo o conceito de empresa social e sustentabilidade, com a criação de novo capital intelectual. a. Histórico O trabalho da GSI começou em 2003 com a iniciativa de pesquisa de Social Enterprise no WDI (William Davidson Institute) da Universidade de Michigan. Essa iniciativa apoia organizações interessadas em aplicar estratégias de negócio com o intuito de se tornarem sustentáveis. Também explora a mudança no papel das ONGs, empresas e governos com vistas a aumentar o impacto social que promovem. Em um esforço para expandir a iniciativa globalmente e fortalecer as relações com outras instituições de ensino interessadas no tema, a GSI tornou-se uma organização sem fins lucrativos e independente, num esforço de sua fundadora Andrea Shpak. A GSI continua atuando em conjunto com a WDI, na condição de sócia fundadora. 10

11 Relatório GSI JAM 2011 b. Estrutura Diretoria Andrea de Carvalho Shpak Fundadora e Presidente Alcely Strutz Barroso Vice-Presidente Elidia Maria de Novaes Souza Diretora de Relações Institucionais Celso Bianchi Barroso Diretor de Relações Governamentais Magnolia Vieira Carvalho Secretária Comitê Fiscal João dos Santos Dias Tesoureiro da GSI Sonia Bruck Carneiro Pereira Gerente de Responsabilidade Social da BM&FBovespa Tomás Carvalhaes Carmona Gerente de Desenvolvimento Sustentável da SERASA Conselho Consultivo Brasil Alessandra Gonçalves de França Fundadora-presidente do Banco Pérola Claudia de Carvalho Shpak Gerente Executiva de Produto da IBM Brasil Eduardo Tacla Presidente da Helix Tecnologia Jorge Alberto França Proença Empresário e Presidente do Instituto Pérola José Avando Souza Reis Diretor Geral da ATN (Associação Telecentro de Informação e Negócios) Renata Amaral Soares Consultora Sênior da McKinsey Sérgio Francisco dos Santos Gestor da Mídia Regional Conselho Consultivo Estados Unidos Andres Ramirez Professor de Finanças da Bryant University Andy Lawler Professor de Estratégia Corporativa, Desenvolvimento de Negócios e Mercados Internacionais, Planejamento de Negócios & Empreendedorismo Social da Ross School of Business / University of Michigan Kelly Janiga Diretora Executiva da SV- PRI (Social Venture Partners Rhode Island) Melvin Levitsky Embaixador dos EUA no Brasil , Ministro aposentado de Relações Internacionais, professor na Escola Gerald R. Ford de Políticas Públicas da University of Michigan Norman Bishara Professor de Legislação Corporativa na Ross School of Business da University of Michigan Paul Kirsch Diretor Associado do Instituto Zell Lurie na University of Michigan 11

12 GSI Global Social Impact, Sustentabilidade Organizacional, Ideias e Propostas 3. Os Parceiros no JAM Empresas patrocinadoras do GSI JAM: IBM (http://www.ibm.com/br) A IBM, uma das maiores empresas de tecnologia da informação do mundo, é líder em soluções completas de TI, que envolvem serviços, consultoria, hardware, software e financiamento. Hoje, a IBM possui soluções de ponta a ponta, adequadas a empresas de todos os portes e perfis de negócios. Presente em mais de 170 países, a companhia opera no modelo globalmente integrado e emprega 400 mil funcionários em todo o mundo. Este ano, a IBM completa 100 anos de existência. Ao longo de um século, a companhia desempenhou um papel fundamental na transformação das empresas, da ciência e da sociedade. A companhia impulsionou e, muitas vezes, orientou o progresso e a evolução da sociedade. A dedicação de cada funcionário ao sucesso de cada cliente, a inovação que faz a diferença e a responsabilidade pessoal em todos os relacionamentos são os valores que norteiam todas suas ações. ROCHE (http://www.roche.com.tw/portal/rochebrazil/inicio) A Roche é uma das maiores empresas de saúde do Brasil, e uma referência estratégica e operacional para outros países da América Latina. Está organizada em dois segmentos: Farmacêutico e Diagnóstico, sendo que a Roche Diagnóstica é reconhecida pela excelência no suporte aos procedimentos médicos e laboratoriais, incluindo desde procedimentos realizados pelos próprios pacientes (como testes de índice de glicemia para diabetes) até operações laboratoriais de grande porte envolvendo técnicas de biotecnologia. Já a Roche Farmacêutica é responsável pelo desenvolvimento e produção de medicamentos pioneiros para doenças como câncer, doenças virais, autoimunes e do sistema nervoso central. Essas duas grandes áreas estão unidas pela missão corporativa de gerar valor sustentável por meio de produtos e serviços que salvem ou, ao menos, melhorem significativamente a vida das pessoas, ajudando a detectar, diagnosticar corretamente e tratar as doenças de forma adequada. Os três elementos da sustentabilidade sociedade, meio ambiente e economia são interdependentes. A empresa entende que não terá sucesso no longo prazo sem o cumprimento de suas responsabilidades ambientais e sociais; e também que não pode contribuir com a sociedade e a proteção ambiental sem o sucesso econômico. Sendo assim, busca equilibrar esses elementos em todos os aspectos da gestão de seus negócios. PAMCARY (http://www.gps-pamcary.com.br/) A Pamcary é uma empresa líder que visa à crescente eficiência da cadeia logística na gestão de transportes, respeitando os princípios da responsabilidade socioambiental. Para isso, oferece soluções inovadoras, integradas e inteligentes em seguros, gerenciamento de riscos e sistemas. É responsável pela intermediação de parte significativa do volume de prêmios de seguros de cargas no Brasil, com uma carteira de clientes formada por mais de indústrias, operadores logísticos, transportadoras, corretores parceiros, seguradoras, caminhoneiros e pessoas físicas. Por acreditar que o papel social das organizações deve estar alinhado à estratégia de seus negócios, princípios e valores, a Pamcary fundou o Instituto Cuidando do Futuro (ICF), que desenvolve projetos de cunho socioambiental no setor de logística e transportes. O ICF também apoia organizações do terceiro setor cujos valores e crenças sejam sinérgicos com aqueles do próprio Instituto e da Pamcary, reforçando o modelo de empresa social. AES ELETROPAULO (http://www.aeseletropaulo. com.br/) A AES Eletropaulo é a maior distribuidora de energia elétrica em consumo e faturamento da América Latina. Seus acionistas controladores são a AES Corporation e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento). Empresa de capital aberto na BM&FBovespa (Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo), integra o Nível 2 de Governança Corporativa e, desde 2005, o ISE (a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial) entre as empresas com melhor desempenho em sustentabilidade. Desde janeiro de 2011, também integra o ICO2, índice desenvolvido pela BM&FBovespa em conjunto com o BNDES, cuja carteira é restrita a companhias com práticas transparentes na emissão de gases de efeito estufa. É signatária do Pacto Global e dos Objetivos do Milênio, propostos pela ONU. Desde 2009, participa do GRES (Grupo Referencial 12

13 Relatório GSI JAM 2011 de Empresas em Sustentabilidade) organizado pelo Instituto Ethos como fomento da discussão sobre temas críticos da sustentabilidade por meio de inovação, colaboração e desenvolvimento de lideranças. LOCAWEB (http://www.locaweb.com.br/) A Locaweb é líder em hosting no Brasil e na América Latina, segundo o relatório IDC Latin America IT Services 2009 (categoria Infrastructure Hosting Services). Com 12 anos de experiência e parcerias com mais de 16 mil desenvolvedores, a empresa oferece soluções em software (serviço para empresas, como , Marketing, WebStore, WebChat, WebDesk e PABX Virtual); Plataforma (serviço de hospedagem de sites); infraestrutura (ofertas sob demanda, como cloud computing, servidores dedicados e serviços de gestão personalizada). A empresa acredita que a inovação tecnológica aliada à qualidade de serviços e uma equipe altamente qualificada são as chaves para o sucesso no mercado. A Locaweb apoia instituições que contribuem de forma séria e efetiva, não apenas pela mitigação dos problemas sociais, mas também pelo desenvolvimento econômico sustentável, conduzindo seus negócios de forma que se transforme em um agente de evolução social. DR.MICRO (http://www.drmicro.com.br/) A Dr. Micro atua no mercado de ensino profissionalizante, buscando garantir: constante atualização; flexibilidade para concorrer no mercado; e criatividade para garantir resultados de baixo custo e com eficiência comprovada. A partir dessa ideia, desenvolveu um projeto piloto cuja implantação numa rede de escolas com mais de alunos permitiu mensurar os resultados e comprovar os possíveis benefícios ao mercado. O produto foi lançado oficialmente na Feira de Novos Negócios e Franchising em Curitiba-PR (2005). No ano seguinte, a empresa lançava o primeiro sistema de ensino a distância 100% multimídia e interativo do mercado e com o menor custo operacional. Desde então, a solução se encontra em mais da metade dos estados brasileiros e o número de alunos que aprendem por seu intermédio cresceu de forma exponencial, somando mais de 500 mil alunos certificados e mais de instituições de ensino que já utilizaram ou utilizam esses serviços. Hoje, a Dr. Micro atua bastante junto ao terceiro setor, na capacitação e profissionalização em todo o país. Com o apoio de seus principais parceiros (ATN, Insigne Linux, Techsoup Brasil, Fundação Orsa), participa de projetos de inclusão sociodigital, como o Programa Rede Mineral (que capacitou mais de 10 mil alunos) e o Projeto Capaz (que visa levar alfabetização digital com educação ambiental para mais de 100 mil alunos até o final de 2011). Além destas empresas, o GSI JAM contou com o apoio de: ATPIESP (Associação Profissional dos Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais do Estado de São Paulo) (http://www.atpiesp.org.br/) ESW Enterprise for a Sustainable World (http://www.e4sw.org/) Helix Tecnologia (http://www.helix.com.br/) Instituto Ethos (http://www.ethos.org.br/) Pitti LM Comunicação (http:// Secretaria de Participação e Parceria da Prefeitura de São Paulo (http://www.prefeitura.sp.gov. br/cidade/secretarias/participacao_parceria/) UNISA (Universidade de Santo Amaro) (http://www.unisa.br/) 13

14 GSI Global Social Impact, Sustentabilidade Organizacional, Ideias e Propostas 4. A metodologia JAM O termo JAM surgiu na IBM a partir das boas e tradicionais Jam sessions, nas quais um dos músicos propõe um tema e, a partir daí, cada um dos demais faz sua música com seus próprios instrumentos, sempre voltando ao tema original. É uma chuva de ideias de todos os setores, de diversos países, num formato reflexivo. Em 2003, dois anos depois de sua criação, a metodologia era usada para redefinir os valores da companhia, pelo envolvimento de funcionários IBM e seus familiares, naquele que se tornou conhecido como o Collaboration JAM (https://www.collaborationjam. com/). Em 2006, o Innovation JAM reuniria mais de pessoas de 104 países e 67 empresas. Essa ação resultou no lançamento de 10 novos negócios que representam inovações dentro de alguns dos maiores sistemas dos quais todos dependemos, como transporte, energia, água e saúde. Hoje, essas inovações nascidas da colaboração já resultam em mais de 700 milhões de dólares em receita para a IBM e estão ajudando a resolver alguns dos problemas mais prementes do mundo. O JAM não é nem uma palestra, nem uma entrevista é um compartilhamento de reflexões com a possibilidade de envolvimento de pessoas de todo o mundo. O convidado especial não precisa responder perguntas ou fornecer conclusões ele municia a reflexão. Por seu conhecimento sobre o tema, ele tem refletido e já conta com suas próprias questões e propostas. Surge a oportunidade de compartilhar e estimular a inserção de representantes de organizações da sociedade civil, de empresas, do governo e da academia. O convidado especial deixa o debate avançar e insere breves provocações de tempos em tempos. No JAM, não é previsto o jorro de ideias simultâneas que se vê em redes sociais como Facebook, Twitter e Orkut. As pessoas lêem o que foi publicado, refletem e depois compartilham seu próprio pensamento. As postagens no JAM são mais extensas e complexas, trazem anexos, são meditativas, propositivas. Até por essa razão, ele não é falado, e sim escrito, reforçando a possibilidade de fazer devagar, de forma mais elaborada. Outra diferença está na ordem as reflexões não são postadas de forma desordenada. As pessoas reagem a temas propostos por outras e isso é perceptível visualmente as ideias originais ficam encostadas na margem esquerda e as respostas a cada uma delas vêm abaixo, deslocadas um pouco à direita. Vários temas podem estar em debate simultaneamente e isso é percebido de forma intuitiva pelos participantes. Mas a principal característica do JAM está na inteligência por trás da tela. Automaticamente, a ferramenta produz análises quantitativas sobre os termos mais usados pelos participantes, o volume e conformidade das reflexões. Ela as ordena de várias formas úteis para elaboração do sumário. O JAM é uma ferramenta de cognição. 14

15 Relatório GSI JAM O GSI JAM a. Conceito e panorama O GSI JAM consistiu numa iniciativa pioneira em três vertentes: o primeiro promovido pela sociedade civil organizada, produzindo impacto global e bilíngue (em português e inglês). Tendo como principio a missão da GSI, de apoiar inovações sociais pelo estímulo à colaboração e o fomento à discussão de temas da sustentabilidade, tornou-se um ambiente democrático onde todos os setores puderam compartilhar ideias sobre a sustentabilidade das organizações. Entre os convidados especiais, figuraram empresários, políticos, gestores de organizações sociais, acadêmicos e representantes do poder público, com participantes de 16 países em quatro continentes: Américas (Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Estados Unidos, México e Uruguai); Europa (Alemanha, Espanha, França, Itália e Portugal); Ásia (Brunei Darussalam, Índia e Paquistão); África (Quênia). Foi realizado de 9 a 16 de fevereiro de Planejado inicialmente para 96 horas ininterruptas de debate, o JAM abordou cinco temas simultâneos: Filantropia Estratégica e Sustentabilidade Organizacional Parcerias Intersetoriais de Benefício Mútuo Ferramentas de Gestão para Organizações do Terceiro Setor A Empresa Social como alternativa de Sustentabilidade Iniciativas de investimento Público e Privado Grupos de convidados especiais se sucediam em cada um dos cinco temas, estimulando a reflexão coletiva. Os demais participantes tinham acesso à agenda de paineis e convidados, programando sua própria participação. Algumas pessoas mantinham o acesso por horas e faziam inserções de tempos em tempos; outras visitavam os espaços pontualmente. Houve casos de grupos de participantes que se reuniram presencialmente, debatiam os temas e criavam postagens em conjunto, conseguindo ampliar ainda mais a discussão. Durante todo o JAM, equipes de tradutores vertiam as postagens, de modo a viabilizar quase que instantaneamente o entendimento e a participação de pessoas dos vários países. Os organizadores optaram por não indicar o recurso de ferramentas virtuais de tradução, a fim de imprimir maior precisão aos debates bilíngues. Os textos traduzidos eram inseridos com breve atraso após cada publicação original, figurando no mesmo espaço, em cores diferentes, o que ajudou a unificar o debate e torná-lo verdadeiramente internacional. Mesmo em períodos em que não havia a presença de convidados especiais, era constante o acesso de internautas lendo e compartilhando suas considerações. Na tarde do segundo dia do JAM, dos quatro previstos, uma dificuldade de acesso começou a se generalizar. Aos poucos, o sistema ficou lento até o ponto de impedir a leitura ou a postagem de textos pelos participantes. Foi necessário interromper o evento durante dois dias até que o problema fosse solucionado. Nesse período, a equipe de organização e os parceiros da área técnica perceberam que o dano ocorrera pelo acesso simultâneo de um número inesperado de pessoas. O GSI JAM enfrentava o melhor dos problemas excesso de participantes. Com a adequação da infraestrutura, o JAM prosseguiu agora sem dificuldades por mais três dias, terminando na quarta-feira, dia 16 de fevereiro de 2011, às 22 horas (GMT-3). Vídeos, Transcrições e Anexos As transcrições de todos os paineis realizados ao longo do GSI JAM estão disponíveis em português e inglês no site da GSI (http://www.impactosocial.org. br/gsi/default.aspx) Todos os documentos compartilhados pelos participantes durante o JAM poderão ser acessados no Centro de Conhecimento / Sugestões de Leitura, também no site da GSI. (http://www.impactosocial. org.br/gsi/materias/editoria.aspx?editoriaid=121) Os vídeos introdutórios feitos por Stuart Hart, Paul Kirsch e Melvyn Levitsky estão sendo hospedados no site da Dr.Micro, parceiro institucional da GSI. (www.drmicro.com.br/gsi) 15

16 GSI Global Social Impact, Sustentabilidade Organizacional, Ideias e Propostas b. Pilares Durante a fase de preparação do JAM, a equipe organizadora se reuniu diversas vezes até definir os pilares que embasariam cada um dos cinco paineis. Os temas deviam ser abrangentes a ponto de despertar a reflexão e, juntos, abrir caminho para a sustentabilidade organizacional e os meios para atingi-la. A partir desses encontros presenciais e remotos, cinco textos foram produzidos, traduzidos e posteriormente compartilhados com os participantes, como forma de estabelecer uma base filosófica para o evento, explicitando algumas das questões que a GSI esperava ver discutidos. Ei-los: Filantropia Estratégica e Sustentabilidade Organizacional O princípio da sustentabilidade aplica-se a um empreendimento, a uma comunidade ou ao planeta. Para isso, é preciso que seja: economicamente viável, socialmente justo, ecologicamente correto e culturalmente aceito. É isso que buscam algumas empresas ao pensar tanto seu negócio como as causas que abraçam. E também as organizações da sociedade civil, que buscam sua independência do investimento social oferecido por empresas ou governos. Outras empresas buscam causas sociais e/ou ambientais que estejam estrategicamente vinculadas a sua ação negocial e ali concentram seus esforços, na chamada filantropia estratégica. Mas uma será caminho para a outra? A filantropia estratégica ocorre, por exemplo, quando as parcerias intersetoriais desenvolvem uma atuação sistemática e baseada em estratégias estabelecidas, buscando respeitar o interesse dos parceiros. Nas ações com foco na sustentabilidade, a organização da sociedade civil independe do investimento social oferecido pela empresa parceira, o qual corresponde a uma parcela reduzida dos fundos de que necessita para manter suas iniciativas. Mas será que a filantropia estratégica é um passo que precede a sustentabilidade? Do que precisa uma instituição para atuar com a abordagem da sustentabilidade? Pode-se entender a função da empresa como a criação de produtos e serviços para atender demandas, com isso gerando riqueza. Neste contexto, cabe ao Estado o papel de regulação do mercado, enquanto uma função importante das organizações da sociedade civil consiste no controle social, estabelecendo padrões, formando grupos de pressão e de monitoramento para fazer com que a riqueza gerada na empresa seja compartilhada. É viável transformar esse jogo de poder numa ação orgânica, socialmente responsável, economicamente viável e ambientalmente correta? Quando se pensa em atividades com foco na Base da Pirâmide, conforme preconizado por Prahalad e Hart, vem à mente a visão de pequenos negócios ou da população em geral na condição de fornecedores, funcionários, parceiros ou clientes de grandes corporações. Em que medida pode-se afirmar que essas populações passam a ser incluídas socialmente nesse processo? E será que os mercados são condição necessária e suficiente para dar conta dos problemas sociais e ambientais que afligem as sociedades contemporâneas? Como tem sido elaborada a estratégia de atuação de sua empresa ou organização? O que está funcionando e o que ainda não deslanchou? Você percebe algum incentivo à sustentabilidade de empresas e de organizações participantes de uma mesma cadeia produtiva? Compartilhe essa importante experiência e traga suas dúvidas e propostas. Parcerias Intersetoriais de Benefício Mútuo As empresas que buscam parcerias intersetoriais para executar suas ações sociais consideram tal forma de trabalho mais eficiente e capaz de reduzir os custos da atuação social. Aquelas que preferem se manter autônomas acusam questões como falta de confiança, carência de informações e experiências frustradas permeando sua decisão. As organizações da sociedade civil que têm uma visão positiva das parcerias frisam os benefícios: aperfeiçoamento da capacidade de gestão; modernização de práticas gerenciais; ampliação do network e do acesso a recursos etc. Aquelas que evitam fazer alianças ressaltam: incompatibilidade da lógica e dos ritmos de trabalho; falta de conhecimento e sensibilidade da empresa para os problemas sociais; falta de clareza quanto às intenções da empresa e os valores que norteiam sua ação, entre outros. Afinal de contas, as parcerias podem funcionar? A fl exibilização das empresas e a profissionalização da sociedade organizada viabilizam esses arranjos? 16

17 Relatório GSI JAM 2011 As empresas que tendem a buscar parcerias intersetoriais para executar suas ações sociais consideram tal forma de trabalho mais eficiente e capaz de reduzir os custos da atuação social. Aquelas que preferem se manter autônomas acusam questões como falta de confiança, carência de informações e experiências frustradas permeando sua decisão. As organizações da sociedade civil que têm uma visão positiva das parcerias frisam os benefícios: aperfeiçoamento da capacidade de gestão; modernização de práticas gerenciais; ampliação do network; fortalecimento da imagem; ampliação do acesso a recursos. Aquelas que evitam fazer alianças ressaltam: incompatibilidade da lógica e dos ritmos de trabalho; falta de conhecimento e sensibilidade da empresa para os problemas sociais; caráter arrogante e impositivo ou paternalista e condescendente da empresa em relação à entidade; falta de clareza quanto às intenções da empresa e os valores que norteiam sua ação; insegurança quanto à duração do relacionamento. Será que o estímulo à proatividade das organizações da sociedade civil, somado à sensibilização das empresas para um relacionamento mais equilibrado nas decisões vitais para o destino das alianças colabora para o aperfeiçoamento das alianças intersetoriais? É justificado o interesse das empresas pelo benefício de imagem ou o benefício financeiro? E o das organizações sociais pelo benefício financeiro? É viável profissionalizar alianças de cunho assistencialista? De forma transparente, o que é o benefício mútuo? É o benefício meramente financeiro? E ele pode prescindir do bem da coletividade ou as duas coisas estão sempre atreladas? Alianças de benefício mútuo que não estejam alinhadas com a estratégia e missão corporativa são viáveis no longo prazo? Qual é a sua experiência em parcerias? Quais os pontos que gostaria de destacar? E os desafios que observa? Você percebe algum incentivo à sustentabilidade de empresas e de organizações participantes de uma mesma cadeia produtiva? A Empresa Social como alternativa de Sustentabilidade As empresas sociais são modelos comerciais implantados pelas organizações da sociedade civil sem que elas se desviem de sua missão e reduzindo a dependência de iniciativas públicas e privadas. Mais do que uma alternativa de captação de recursos, é a busca por sua sustentabilidade. Aos poucos, elas vão se inserindo em cadeias produtivas e assumindo um perfil misto de empresa e organização social. Mas quais são as vantagens e os desafios nesse formato? Ele se aplica a qualquer organização social? As empresas sociais têm capacidade de oferecer produtos e serviços em escala? Onde estão os gargalos? Embora modelares na ação e na firmeza de propósitos, por muitos anos as organizações da sociedade civil contaram com o recebimento de donativos para o cumprimento de sua missão e para sua própria existência. Para tanto, muitas delas mantinham alianças perenes com empresas e recebiam verbas constantes do poder público, tornando-se dependentes desses recursos. Em paralelo, o voluntariado se provava complexo e muitas vezes pouco confiável, o que passou a exigir a contratação de mão de obra e a inserção de novas despesas no balanço mensal. Recentemente, a maioria das organizações passou a desenvolver parcerias menos estáveis com essas instituições, em sua busca por verbas e recursos não financeiros. Tais relações têm a duração de projetos ou de obras, e poucas delas miram a gestão organizacional. A sobrevivência demanda esforços diferenciados e uma linguagem ainda desconhecida. Algumas organizações optaram por desenvolver produtos e serviços com essa finalidade embora, por vezes, esse esforço as desvie da missão a que se propuseram. Outras, tentando isolar a possibilidade de contaminação de seus propósitos, decidiram estabelecer empresas privadas em paralelo às organizações sociais, em iniciativas com bases intrincadas. Surgiram as empresas sociais: modelos comerciais implantados pelas organizações da sociedade civil sem desviá-las de sua missão e reduzindo a dependência de iniciativas públicas e privadas. Era mais do que uma alternativa de captação de recursos essas organizações buscam sua sustentabilidade. Aos poucos, elas vão se inserindo em cadeias produtivas e assumindo um perfil misto de empresa e organização social. Mas quais são as vantagens e os desafios nesse formato? Ele se aplica a qualquer organização social? Quais são os modelos já existentes? A empresa social tem capacidade de oferecer produtos e serviços em escala ou deve se organizar em cooperativas com organizações semelhantes, a fim de atender grandes corporações? Manter uma linha 17

18 GSI Global Social Impact, Sustentabilidade Organizacional, Ideias e Propostas restrita de produtos e/ou um fornecimento em escala reduzida é uma opção? Por outro lado, como se manter fiel aos princípios? Como desenvolver produtos, serviços, inserir-se em cadeias produtivas e continuar com os olhos no bem-estar social? A empresa social é a única saída para as organizações do Terceiro Setor no futuro? E há políticas públicas que apoiem essas iniciativas? Como as organizações sociais podem influenciar na elaboração de políticas que regulamentem essas novas pessoas jurídicas? Qual é a experiência de sua organização como se configura sua matriz de recursos? Como você avalia sua independência financeira? Quais são suas impressões acerca do surgimento das empresas sociais? Quais as vantagens e os desafios que observa? Ferramentas de Gestão para Organizações do Terceiro Setor O acesso a verbas públicas e privadas e mesmo o uso excelente dos recursos exigem uma administração mais profissionalizada das organizações do Terceiro Setor. É cada vez mais importante que as organizações com e sem fins lucrativos implementem ferramentas de gestão que lhes concedam transparência, viabilizem processos mais eficientes, permitam o monitoramento de indicadores e, em última análise, tragam sucesso a suas iniciativas. Mas quais são as ferramentas essenciais? Há ferramentas corporativas de gestão adaptáveis às necessidades das organizações do terceiro setor? E vice-versa? O mero interesse pelo bem da coletividade já não basta. O acesso a verbas públicas e privadas e mesmo o uso excelente dos recursos exigem uma administração mais profissionalizada das organizações do Terceiro Setor. É cada vez mais importante que as organizações com e sem fins lucrativos implementem ferramentas de gestão que lhes concedam transparência, viabilizem processos mais eficientes, permitam o monitoramento de indicadores e, em última análise, tragam sucesso a suas iniciativas. Definir missão, valores e objetivos e, dentro desse plano maior, implantar ferramentas que permitam o acompanhamento de indicadores de resultados, confirmando o caminho até os objetivos traçados. Mas quais são as ferramentas essenciais? Quais têm implantação mais ágil? Quais são as exigências feitas por possíveis parceiros financiadores no Brasil? Quais ferramentas indicam que a organização está em linha com as estratégias que se propôs? Quais correspondem a uma prestação de contas? Existe algum modelo sintético de planejamento mais adequado às necessidades das organizações sociais? Há ferramentas corporativas de gestão adaptáveis às necessidades das organizações do terceiro setor? E no caso de elaboração de projetos? Como confirmar as reais necessidades aos olhos do apoiador potencial? Como calcular a verba necessária e a destinação a cada rubrica, de modo a garantir a consecução de um projeto? Como você vê sua organização? Percebe algum diferencial em sua atuação, se comparada às demais? Existe dentro do processo de planejamento estratégico da organização oportunidade de buscar nichos inexplorados, como públicos, serviços ou produtos? Existe espaço para que as empresas e organizações aprendam umas com as outras e adaptem ferramentas, processos e soluções já adotadas? E mais: como vai ser operada a gestão das organizações a partir de agora, com as verbas públicas e privadas cada vez menos orientadas para a estrutura organizacional? Como tem sido a experiência de sua organização no uso de ferramentas de gestão? Quais pontos você gostaria de destacar? E os desafios que observa nesse sentido? Iniciativas de Investimento Público e Privado O Investimento social privado se dá sob a forma do repasse voluntário de recursos privados de forma planejada, monitorada e sistemática para projetos sociais, ambientais e culturais de interesse público, conforme definição do GIFE. Contudo, em boa parte das empresas, o negócio ainda é muito isolado da ação socioambiental e o tratamento dado pelos gestores a cada um é diferente, assim como a prioridade. De sua parte, o Estado conta com a sociedade organizada para cumprir parte dos serviços garantidos aos cidadãos e oferece recursos de cunho financeiro e não financeiro para esse fim. Carece, contudo, de transparência na destinação dessas verbas. Será que na primeira crise, tanto um como outro 18

19 Relatório GSI JAM 2011 pode desistir de ações sociais já entabuladas? E as organizações da sociedade civil podem infl uenciar as políticas públicas, de modo a fortalecer sua agenda? O Investimento social privado se dá sob a forma do repasse voluntário de recursos privados de forma planejada, monitorada e sistemática para projetos sociais, ambientais e culturais de interesse público, conforme definição do GIFE. Contudo, em boa parte das empresas, o negócio ainda é muito isolado da ação socioambiental. Há casos em que os funcionários desconhecem as ações realizadas pelas empresas. E o tratamento dado pelos gestores às iniciativas comerciais ainda costuma ser diferente daquele dado às iniciativas socioambientais. Quando se determina o público ao qual se destinam tais iniciativas e investimentos, sejam eles públicos ou privados a base da pirâmide realça-se a necessidade de geração e fortalecimento de novos negócios, incentivo ao empreendedorismo e à inovação. Mas será que outras formas de investimento social devem ser consideradas? Será que as empresas estão refletindo quanto aos públicos a quem destinar os recursos? E o modelo na base da pirâmide, o que muda, o que permanece? De sua parte, o Estado conta com a sociedade organizada para cumprir parte dos serviços garantidos aos cidadãos e oferece recursos de cunho financeiro e não financeiro para esse fim. Carece, contudo, de transparência na destinação dessas verbas. Onde estão esses recursos públicos e privados e quais são os públicos e tipos de projetos preferidos pelos governos e pelas empresas? E o que acontece no exterior em comparação com o Brasil, a destinação de verbas é mais fluida, menos burocrática, mais transparente? E em termos de políticas públicas, o que existe como ideia e como prática? Como as organizações da sociedade civil podem influenciar as políticas públicas, de modo a fortalecer sua agenda? E como o governo enxerga a sua participação e a da sociedade civil no desenvolvimento das políticas públicas? Qual é a sua experiência na concessão ou no recebimento de investimentos públicos e privados? E você conhece as ações realizadas pela empresa onde trabalha? Quais pontos gostaria de destacar? E os desafios que observa nesse sentido? c. Perfil dos participantes Sumário de participação no GSI JAM Número de inscritos = 1534 Número de log-ins = 540 (35%) Número de postagens = 882 (1.6 per logged in) Número de pessoas que postaram = 170 (31%) Países representados = 16 Setores representados = 5 Número de tópicos = 5 19

20 GSI Global Social Impact, Sustentabilidade Organizacional, Ideias e Propostas Representação por setores Participação por Estados Brasileiros Observa-se um número significativo de pessoas físicas. Esse dado deve-se entendemos pela participação de voluntários (que podem ter optado por não se identificar como representantes das instituições que servem), de pessoas que atuam simultaneamente em empresas e em ONGs, e de estudantes de nível superior (que não representam suas escolas). De qualquer modo, é um dado inconclusivo. Quanto ao expressivo número de representantes de organizações da sociedade civil e de empresas, considerando a vocação da GSI para a atuação junto a ONGs, foi positivo perceber o interesse despertado pela iniciativa junto a pessoas do segundo setor, seja incentivados pelo convite de empresas, seja atraídos pelos nomes dos convidados especiais, seja pelo interesse no tema ou ainda pelo desembaraço no uso do formato virtual, pois durante o processo de preparação do JAM, observou-se que representantes do segundo e terceiro setores especialmente lideranças ainda demonstram maior dificuldade no acesso a internet e no uso de ferramentas virtuais. Quanto à mais discreta participação de representantes do primeiro setor, imprensa e academia, esse dado serve como incentivo para um esforço mais concentrado no convite em ações futuras. Confirmando dados históricos do Brasil, houve maior participação de pessoas do Sul, Sudeste e Distrito Federal. A expectativa dos organizadores é que, com a pulverização do uso de computadores e a ampliação no acesso a redes sociais nas demais regiões, os números de participantes se tornem mais equilibrados pouco a pouco e a iniciativa atinja maior número de Estados. Países com participantes no JAM 1. Brasil 2. Estados Unidos 3. Colômbia 4. Espanha 5. Argentina 6. Equador 7. Uruguai 8. México 9. Índia 10. Portugal 11. França 12. Itália 13. Alemanha 14. Quênia 15. Paquistão 16. Brunei Darussalam O GSI JAM consistia no debate de questões conceituais e filosóficas, além de ferramentais. Em razão disso, era esperado o interesse em âmbito nacional. Contudo, como o Brasil tem se configurado como expoente nas ações com foco socioambiental na América Latina, era esperado algum interesse dali, inclusive pela participação de representantes corpo- 20

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Ana Cecília de Almeida e Nathália Pereira A Iniciativa Incluir, promovida pelo PNUD Programa

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Jardim Fim de Semana Bruna de Carvalho Raggi Terra Carolina Ramos Troeira Fabio Jose Cação Kono Gustavo Perticarati Ruiz Polido

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Os objetivos principais do programa

Os objetivos principais do programa O que é o GELP? O GELP é uma parceria de líderes e consultores de organizações de ordem mundial. Todos colaborando em uma comunidade global, com equipes de líderes educacionais importantes, que estão seriamente

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros Relatório do 3 Encontro de Empreendedores de Cultura Afrobrasileiros São Paulo, 23 de julho de 2011 1 Introdução: Este relatório é produto do 3 Encontro de artistas e empreendedores negros, que discutem

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

34 respostas. Resumo. 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? 2. Como tomou conhecimento desta oficina? 1 of 7 15-06-2015 17:22

34 respostas. Resumo. 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? 2. Como tomou conhecimento desta oficina? 1 of 7 15-06-2015 17:22 opensocialsciences@gmail.com 34 respostas Publicar análise Resumo 1. Qual sua principal ocupação ou vínculo institucional? Estudante d Estudante d Professor e Professor ou Trabalho e Funcionário Profissional

Leia mais

A Finep mais abrangente

A Finep mais abrangente _O MOVIMENTO Saiba mais sobre as novas propostas de atuação da Finep, na ENTREVISTA com Glauco Arbix entre outros objetivos, ele quer que a agência seja reconhecida como instituição financeira pelo Banco

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS COM INFORMÁTICA Professor Victor Sotero 1 OBJETIVOS DA DISCIPLINA Esta disciplina apresenta uma metodologia para formação de empreendedores. Aberta e flexível, baseada em princípios

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA

MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa: "Profissional Autonoma Abril 2009

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Publicado em 25 de junho de 2013 por Itamar Pelizzaro Gart Capote, presidente da ABPMP Association of Business Process Management Professionals

Leia mais

Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável

Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável Juliana Rehfeld Gerente Desenvolvimento Sustentável Anglo American Brasil BH, 24 de setembro de 2009 0 Visão Macro da Anglo American Sustentabilidade - Negócio,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Sustentabilidade e formação de lideranças

Sustentabilidade e formação de lideranças Sustentabilidade e formação de lideranças ForGRAD Fórum de Pró-Reitores de Graduação das Universidades Brasileiras Foz do Iguaçu, 24 de novembro de 2011 O MUNDO MUDOU... A sociedade se organiza em redes,

Leia mais

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista ilupas Pesquisa Nacional identifica investimentos em tecnologias da informação e comunicação na área de Saúde Por Kelly de Souza O baixo grau de investimento em Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados

PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados Página 1 de 10 Sumário SOBRE A LOCAWEB 3 INFRAESTRUTURA DO DATA CENTER 4 SOLUÇÃO PROPOSTA 5 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS INCLUSOS 6 CONDIÇÕES COMERCIAIS

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial. Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências.

Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial. Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências. Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências. ORGANIZADORES OBJETIVOS DO GRUPO DE ESTUDOS Aprimorar a prática do voluntariado

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Incorporando sustentabilidade em compras públicas o papel dos padrões de sustentabilidade, certificação e selos verdes: Uma Oficina Regional

Incorporando sustentabilidade em compras públicas o papel dos padrões de sustentabilidade, certificação e selos verdes: Uma Oficina Regional Incorporando sustentabilidade em compras públicas o papel dos padrões de sustentabilidade, certificação e selos verdes: Uma Oficina Regional 09h00min 17h00min Terça-feira, 23 de outubro de 2012 Local:

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

http://www.microsoft.com/pt-br/case/details.aspx...

http://www.microsoft.com/pt-br/case/details.aspx... Casos de Sucesso A Cyrela está completamente focada no pós-venda e a utilização do Microsoft Dynamics 2011 só reflete mais um passo importante na busca pela qualidade do atendimento ao cliente Roberto

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Campus Aloysio Faria. Campus BH. Campus SP. Campus RJ. Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil

Campus Aloysio Faria. Campus BH. Campus SP. Campus RJ. Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho 30140-083 Belo Horizonte MG Brasil Campus

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Data de publicação: 10/07/2007 Última atualização: 10/07/2007 APRESENTAÇÃO Os patrocínios exercem um importante papel na estratégia de comunicação e

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade.

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade. MISSÃO Oferecer serviços imobiliários de qualidade, gerando valor para os clientes, colaboradores, sociedade e acionistas. VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais