Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro"

Transcrição

1 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Fecomix 425 Integral e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras propriedades do produto. 2.Definição Farinha de milho obtida através da moagem integral de grãos de milho. 3. Aplicações e/ou Finalidade Industrial Bolos, panificações em geral, enriquecimento de alimentos, biscoitos tipo cookie e empacotadoras de produtos alimentícios. 4. Requisitos Gerais Este produto é fabricado seguindo padrões de qualidade e segurança dos alimentos, cumprindo os requisitos desta especificação e legislação brasileira aplicável. O produto é fabricado de acordo com os requisitos de Boas Práticas de Fabricação sob a regulamentação da ANVISA e/ou legislações locais aplicáveis. 5. Composição Composição Nutricional (100g) Valor Calórico 362 kcal / 1519 kj Carboidratos 71,42 g Proteínas 9,26 g Gorduras Totais 3,54 g Gorduras Saturadas 0,5 g Fibra Alimentar 6,52 g Cálcio 3,8 mg Sódio 13,9 mg Lista de Ingredientes: Milho convencional moído.

2 6. Alergênico Alergênico Presença 1.Trigo, centeio, cevada, aveia e suas estirpes hibridizadas. 2.Crustáceos e derivados. 3.Ovos e derivados. 4.Peixes e derivados. 5.Amendoim e derivados. 6.Soja e derivados. 7.Leites de todas as espécies de animais mamíferos. 8. Amêndoa (Prunus dulcis, sin. Prunus amygdalus, Amygdalus communis L.). 9.Avelãs (Corylus spp.). 10.Castanha-de-caju (Anacardium occidentale). 11.Castanha-do-brasil ou castanha-do-pará (Bertholletia excelsa). 12.Macadâmias (Macadamia spp.). 13. Nozes (Juglans spp.). 14.Pecãs (Carya spp.). 15.Pistaches (Pistacia spp.). 16.Pinoli (Pinus spp.). 17.Castanhas (Castanea spp.). 18.Látex natural. 7. GMO O produto segue os parâmetros definidos pela CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança), que deve conter <0,9% de organismos geneticamente modificados, para ser considerado convencional. Para isso é investigado através de análise os sete eventos abaixo: Triple Trait (CP4EPSPS, Cry3Bb e Cry1Ab); Cry2ab; LL; Vip 3a; Cry 1F.

3 8. Características do Produto Físico-químicos Granulometria % Retenção nas peneiras Padrão Frequência (ABNT): 40 (0,425 mm) Máx. 10,0% Todo lote 60 (0,250 mm) 20,0-60,0% Todo lote 80 (0,180 mm) 20,0-35,0% Todo lote 100 (0,150 mm) 20,0 45,0% Todo lote Fundo Mín. 30,0% Todo lote Umidade 10,0 13,0% Todo lote Óleo 3,0 4,5% Mensal Proteína 7,0 9,0% Mensal Cinzas 0,8 1,8% Mensal Fibra Alimentar Total 6,0 10,0% Mensal Ferro ppm Todo lote Ácido Fólico 1,5 2,24 ppm Todo lote Fragmentos de Insetos 50 em 50 g Mensal *Microbiológicas Bacillus cereus Máx. 3,0 x 10 3 UFC / g Mensal Salmonela Ausência em 25 g Mensal Coliformes fecais Máx. 1,0 x 10 2 UFC / g Mensal *Referencia: RDC n 12 de janeiro de Micotoxinas Aflatoxina (B e G) Máx. 20,0 ppb Todo lote Ocratoxina A Máx. 10,0 ppb Anual Zearalenona Máx. 300 ppb Todo lote Fumonisinas B1, B2 Máx ppb Todo lote Deoxinivalenol (DON) Máx ppb Anual *Referência: RDC n 7 de fevereiro de 2011.

4 *Contaminantes Inorgânicos Metais Pesados Padrão Frequência Arsênio 0,30mg/kg Anual Chumbo 0,20 mg/kg Anual Cádmo 0,10 mg/kg Anual *Referencia: RDC n 42 de agosto de Sensoriais Aspecto Endosperma degerminado, sem película Todo lote Cor Amarela Todo lote Odor Característico a milho Todo lote Sabor Característico a Milho Todo lote 9. Acondicionamento Sacos de polipropileno trançado, tipo ráfia, com peso líquido de 25,0 Kg / 25,0 Kg / / Big Bag / À granel. 50 kg 10. Armazenamento e Transporte O transporte do produto deve prevenir contaminação ou deterioração do mesmo ou da embalagem. Por isso deve ser realizado em veículos limpos, secos, livres de insetos, de larvas, de materiais estranhos ao produto e ou mercadorias que possam vir a gerar a contaminação ao produto. O produto deve ser armazenado em temperatura ambiente, em local limpo, seco e livres de insetos ou qualquer material estranho ao produto. 11. Conservação Validade: 120 dias da data de fabricação. Manter na embalagem original não violada, em local limpo, seco e fresco. 12. Observações Nos casos em que as características excederem os limites especificados, o produto será destinado a outras finalidades e/ou para clientes em que a especificação se enquadra.

5 13. Legislações RDC n 12, de de janeiro de 2001 Microbiologia para alimentos. RDC n 42, de 29 de agosto de 2013 Regulamento Técnico MERCOSUL sobre limites máximos de contaminantes inorgânicos em alimentos. RDC n 7, de 18 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre os limites tolerados para micotoxinas em alimentos. RDC n 14, de 28 de março de 2014 Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas, seus limites de tolerância e dá outras providências. RDC n 26, de de julho de 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. RDC n 24, de 08 de junho de 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e a sua comunicação à ANVISA e aos consumidores. 14. Descrição das Revisões CONTROLE DE REVISÕES Rev Data Histórico Aprovado por 00 Março/2015 Primeira Emissão Gerente de 01 Maio/2015 Alteração da validade de 120 dias para 180 dias. Inclusão da especificação de Metais Pesados. Alteração da especificação DON de ppd para ppd, segundo a RDC 7/2014. Gerente da Alteração do layout da especificação. Gerente da

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

AGENDA DO BRASIL DE IMPORTÂNCIA PARA O SETOR DO TRIGO. Mar del Plata, 05/05/16

AGENDA DO BRASIL DE IMPORTÂNCIA PARA O SETOR DO TRIGO. Mar del Plata, 05/05/16 AGENDA DO BRASIL DE IMPORTÂNCIA PARA O SETOR DO TRIGO Mar del Plata, 05/05/16 Micotoxinas Fortificação e BPF Glúten Resíduos de Agrotóxicos Substâncias micro e macroscópicas Rotulagem de alergênicos MICOTOXINAS

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Adágio Momentos Frutíssimos Iogurte Líquido Meio Gordo com Polpa de Fruta

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Adágio Momentos Frutíssimos Iogurte Líquido Meio Gordo com Polpa de Fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte liquido meio-gordo com polpa de (variedade) Variedades: Morango Morango e Banana Marca: Adágio Quantidade líquida (de acordo com a Portaria

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Mimosa Iogurte batido meio gordo com polpa de fruta

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Mimosa Iogurte batido meio gordo com polpa de fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte batido meio gordo com (variedade) Variedades: Polpa de Morango Polpa de Manga Polpa de Banana e Morango Polpa de Pêra Polpa de Banana, sumo

Leia mais

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados nº 1, de 2016, ao Projeto de Lei do Senado nº 260, de 2013, que acrescenta art. 19-A ao Decreto-Lei nº

Leia mais

ROTULAGEM DOS PRODUTOS NOS MERCADOS NA CIDADE DE MATÃO COM O INICIO DA LEGISLAÇÃO DE ALERGÊNICOS. Área Temática: Processamento Agroindustrial

ROTULAGEM DOS PRODUTOS NOS MERCADOS NA CIDADE DE MATÃO COM O INICIO DA LEGISLAÇÃO DE ALERGÊNICOS. Área Temática: Processamento Agroindustrial ROTULAGEM DOS PRODUTOS NOS MERCADOS NA CIDADE DE MATÃO COM O INICIO DA LEGISLAÇÃO DE ALERGÊNICOS Autores: Mariane Sardinha Santos 1, 2, Daniela Rodolpho 1, 2 1 Filiação: FATEC/Tq 2 E-mail: marianeee23agro@gmail.com

Leia mais

PRÓMIX 300g SABOR LIMÃO Refresco em pó

PRÓMIX 300g SABOR LIMÃO Refresco em pó Página 1 de 5 1. DADOS GERAIS DA EMPRESA Razão Social: Enova Foods S/A CNPJ 46.948.287/0001-87 - I.E. 260.019.084-117 Endereço: Av. Elias Bauab, 665 Dist. Ind. José Ant. Boso CEP: 15.803-155 - Catanduva

Leia mais

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO PRODUTO CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF 1. DESCRIÇÃO DO OBJETO Entende-se por Jerked Beef ou Carne Bovina Salgada Curada Dessecada, o produto cárneo industrializado,

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 14:32 horas do dia 06 de junho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Esteio, designado pela portaria 0185/2012 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

BRIGADEIRO TRADICIONAL

BRIGADEIRO TRADICIONAL BRIGADEIRO TRADICIONAL Porção 15 g 1 unidade Valor energético 69,36kcal = 290kJ 3% Carboidratos 11,01g 3% Proteínas 1,11g 1% Gorduras totais 2,32g 4% Gorduras saturadas 1,03g 4% Gorduras trans 0,2g **

Leia mais

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ATENÇÃO: Durante a fase de transição, você poderá encontrar rótulos ainda sem a frase de alergênicos

Leia mais

SEMINÁRIO ANVISA 2016

SEMINÁRIO ANVISA 2016 SEMINÁRIO ANVISA 2016 Diretor Renato Alencar Porto RDC nº 26/2015 Rotulagem de Alimentos Alergênicos Complexidade e Abrangência da Atuação da Regulação Sanitária A regulação deve conciliar os objetivos

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 (*) (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 11) (Republicada em DOU nº 46, de 09 de março de 11) Dispõe sobre limites máximos

Leia mais

Rotulagem de Alimentos Alergênicos. Regulamentação e informação ao consumidor

Rotulagem de Alimentos Alergênicos. Regulamentação e informação ao consumidor Rotulagem de Alimentos Alergênicos Regulamentação e informação ao consumidor O que são alergias alimentares Alergias alimentares são reações adversas desencadeadas por uma resposta imunológica específica

Leia mais

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL MUFFIN DE ESPINAFRE Ingredientes: Quinoa, leite de arroz, ovos, farinha de arroz, espinafre, azeite, chia, sal. Porção de 80 g Valor energético 223 kcal = 937 kj 11% Carboidratos 31 g 10% Proteínas 7,1

Leia mais

ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Alessandra Romiti Freitas 1 ; Raquel Piletti 2 RESUMO As alergias alimentares

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare FICHA DE ESPECIFICAÇÃO BemVital Espessare IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ / PAUTA DOS GENEROS ALIMENTICIOS REFERENTE A 10 PARCELAS DE 2015. PROGRAMAS DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAEF, PANEP, PANE EJA, PANE- MEDIO E MAIS EDUCAÇÃO. TERMO DE REFERENCIA ITE DESCRIÇÃO / MARCA / VALIDADE

Leia mais

ALERGÊNICOS NO BRASIL: TENDÊNCIAS PARA O CONTROLE E OS SEUS IMPACTOS SOBRE A EMBALAGEM

ALERGÊNICOS NO BRASIL: TENDÊNCIAS PARA O CONTROLE E OS SEUS IMPACTOS SOBRE A EMBALAGEM ALERGÊNICOS NO BRASIL: TENDÊNCIAS PARA O CONTROLE E OS SEUS IMPACTOS SOBRE A EMBALAGEM Junho de 2016 Rosinely Casadó F. Martins 1 APRESENTADORA ROSINELY CASADÓ F. MARTINS Engenheira de Alimentos graduada

Leia mais

Ficha técnica de produtos Holy nuts produtos de castanhas Catálogo 2016/2

Ficha técnica de produtos Holy nuts produtos de castanhas Catálogo 2016/2 Ficha técnica de produtos Holy nuts produtos de castanhas Catálogo 2016/2 Mais informações: Creme Funcional de Castanhas Zero Açúcar 220g Fonte de gorduras boas e proteínas vegetais, e por isso promove

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS

SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS Palestrante: Eduardo Micotti da Gloria Formação: Eng. Agr. USP/ESALQ Doutor Tecnologia de Alimentos FEA/UNICAMP Atuação Profissional: USP/ESALQ

Leia mais

MUNICÍPIO DE AÇAILÂNDIA (MA) PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE AÇAILÂNDIA (MA) PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO RESENHA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2016/PP001/2016PMA/MA. OBJETO: Registro de Preços para eventual contratação de pessoa(s) jurídica(s) para aquisição gêneros alimentícios destinados a Alimentação

Leia mais

de alimentos Newton Takeshi Okuno Engenheiro de Alimentos Mestrando em Alimentos e Nutrição

de alimentos Newton Takeshi Okuno Engenheiro de Alimentos Mestrando em Alimentos e Nutrição Rotulagem geral de alimentos Newton Takeshi Okuno Engenheiro de Alimentos Mestrando em Alimentos e Nutrição Maio/2016 ANVISA MAPA INPI INMETRO Defesa do Consumidor (Procon, Codecon) DNPM Embalagem Primeiro

Leia mais

PREÇO TOTAL PREÇO UN ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA

PREÇO TOTAL PREÇO UN ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA ADENDO PLANILHA SIMPLIFICADA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA. ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA 1 4880 kg 2 380 kg 3 2235 kg Polpa de fruta (natural), congelada, pacote de 1 kg, sabores: maracujá,

Leia mais

Portaria ADAB nº 207 DE 21/11/2014

Portaria ADAB nº 207 DE 21/11/2014 Portaria ADAB nº 207 DE 21/11/2014 Norma Estadual - Bahia Publicado no DOE em 26 nov 2014 Aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel de Abelha social sem ferrão, gênero Melipona, conforme

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 14, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000) (Revogada pela Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000) Dispõe sobre

Leia mais

FICHA TÉCNICA TP.PLO.FT.02/REV.00/

FICHA TÉCNICA TP.PLO.FT.02/REV.00/ DESCRIÇÃO DO PRODUTO Pão de Ló Original - Pequeno Peso líquido 500 gr Cor Castanho claro Formato Redondo Textura Fofa Dimensões ø20cm/a:4,5cm Cheiro e Sabor Característicos Prazo de Validade 12 dias INGREDIENTES

Leia mais

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO Dependência: PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO - PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO VELHO - (RO) Licitação: (Ano: 2013/ PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO / Nº Processo:

Leia mais

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes,

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, Superintendência de Políticas de Atenção Integral a Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Doenças Não-Transmissíveis Área de Alimentação e Nutrição HÁBITOS SAUDÁVEIS Marília A. Rezio

Leia mais

Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos

Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos 2 o Simpósio de Segurança Alimentar Debatendo Qualidade Bento Gonçalves, 20-22/8/2008 1.Introdução

Leia mais

Embalagem secundária

Embalagem secundária Embalagem secundária Painel Principal Trivance TM Mobility TM Nutrição Avançada Peso líquido: 300 g ou 150 g 15 ou 30 sachês de 10 g LOGO SANOFI Painéis Secundários INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 10

Leia mais

I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV. Fiscalização e Monitoramento de Alimentos

I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV. Fiscalização e Monitoramento de Alimentos I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV Fiscalização e Monitoramento de Alimentos Deise Ap. Pinatti Marsiglia Centro de Alimentos Instituto Adolfo Lutz Laboratório Central de Saúde Pública do Estado

Leia mais

Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS.

Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS. Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS. Onde está um ponto considerar uma vírgula, ex.: Niacina 12.066 significa 12,066 mg arredondando fica 12 mg. http://www.unifesp.br/dis/servicos/nutri/nutri.php?id=2024

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

EMBALAGEM PRIMÁRIA: tipo TETRA PAK, contendo 200 ml em cada unidade. EMBALAGEM SECUNDÁRIA: caixa de papelão com até 27 unidades.

EMBALAGEM PRIMÁRIA: tipo TETRA PAK, contendo 200 ml em cada unidade. EMBALAGEM SECUNDÁRIA: caixa de papelão com até 27 unidades. EMPRESA: AIKI COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO LTDA ENDEREÇO: Av: Presidentes Vargas - BR 316 - Bairro - Ianetama - Castanhal - Pará CNPJ: 04.848.586/0001-08 FONE: (91) 3711-4042 EMAIL: licitacao@aiki.com.br PLANILHA

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

Vitaminas A, C e D. 0% Alcool Enriquecido com Fibras CERVEJA PET CHOPP. A base de Malte e com aromas que agradam muito aos Cães.

Vitaminas A, C e D. 0% Alcool Enriquecido com Fibras CERVEJA PET CHOPP. A base de Malte e com aromas que agradam muito aos Cães. CERVEJA PET CHOPP A base de Malte e com aromas que agradam muito aos Cães Sabor Carne 10155 ÓTIMA FONTE DE HIDRATAÇÃO Desenvolvido especialmente Para Cães Pode ser servido Natural ou Gelado Informação

Leia mais

ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO

ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO 1. Açúcar Cristal puro e natural sem sujeiras, insetos ou corpos estranhos Saco plástico atóxico de 1kg acondicionados em fardo de 10kg a 2. Arroz Subgrupo parabolizado

Leia mais

CEREAIS DE PEQUENO ALMOÇO

CEREAIS DE PEQUENO ALMOÇO Hofliebe Muesli Gourmet - Amaranto, Quinoa e Chocolate 4005009100535 84 Ingredientes: 57% Flocos integrais* (espelta*, aveia*), cornflakes* (milho*, açúcar de cana*, sal marinho, extracto de malte de cevada*),

Leia mais

publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005

publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS DE CEREAIS, AMIDOS, FARINHAS E FARELOS", constante do Anexo desta Resolução. publicação:

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Inclusão de Coadjuvante de Tecnologia/Elaboração no Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Leite em Pó.

Art. 1º Aprovar a Inclusão de Coadjuvante de Tecnologia/Elaboração no Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Leite em Pó. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 369, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 4 DE SETEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 4 DE SETEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 4 DE SETEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO,

Leia mais

LOTE 01 V.TOTAL MARC A Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL

LOTE 01 V.TOTAL MARC A Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL LOTE 0 Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL 9 MARC A V. UNIT. Charque bovino embalado à vácuo com composição nutricional e SIF, embalagem de 00g, acondicionados em caixa de papelão produtos

Leia mais

Trabalho de Informática

Trabalho de Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Trabalho de Informática Demétrios Coutinho 03/04/2013 Turma: Apicultra Vespertino Conteúdo Lista de Figuras... 3 Lista de Tabelas...

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

Qualidade de grãos de milho

Qualidade de grãos de milho 55ª Reunião Técnica Anual do Milho 38ª Reunião Técnica Anual do Sorgo 19 a 21 de Julho de 2010 (Vacaria, RS) Qualidade de grãos de milho Composição do grão de milho Proteína 9% Óleo 4% Açucares 1,7% Minerais

Leia mais

Brigadeiros de Colher

Brigadeiros de Colher - 60g Ao leite TABELA DE INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS: Brigadeiros de Colher Valor Energético 188,8Kcal = 792,9KJ 9,4% Carboidratos 24,2g 8,1% Proteínas 3,6g 4,8% Gorduras Totais 8,6g 15,7% Gorduras Saturadas

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Todas os alimentos deverão seguir o critério geral de: 1) Características microscópicas: Isento de substâncias estranhas de qualquer natureza. 2) Rotulagem:

Leia mais

Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel de Abelhas sem Ferrão Gênero Melipona

Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel de Abelhas sem Ferrão Gênero Melipona Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel de Abelhas sem Ferrão Gênero Melipona Prof. Rogério Marcos de O. Alves IFBAIANO/UFRB/GRUPO INSECTA IX Seminário Paranaense de Meliponicultura 20 de

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairo Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS

MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS MIGRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DA EMBALAGEM PARA ALIMENTOS Marisa Padula CETEA/ITAL V Simpósio Internacional da Abrapa III Seminário ITAL de Segurança Alimentar IX Simpósio Brasileiro de Microbiologia

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe conferem os arts.

Leia mais

Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins

Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins LIVRO BRANCO SOBRE A SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Produção Animal Alimentação Animal Planos nacionais de controlo (Regulamento (CE) n.º 882/2004) Controlo Oficial

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE MICOTOXINAS BRASIL

LEGISLAÇÃO SOBRE MICOTOXINAS  BRASIL LEGISLAÇÃO SOBRE MICOTOXINAS www.micotoxinas.com.br BRASIL Alimentos para consumo humano Ministério da Saúde: Resolução RDC n o 274, da ANVISA, de 15 de outubro de 2002, publicada no Diário Oficial da

Leia mais

Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos

Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos Objetivos do encontro: - Fomentar uma reflexão crítica acerca da publicidade de alimentos, através da proposição de atividades pedagógicas relacionadas

Leia mais

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014 Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos Brasília, 29 de maio de 2014 Âmbito de aplicação Art. 1º Fica aprovado o Regulamento Técnico que estabelece

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011

RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 Legislações ANVISA Ter, 22 de Fevereiro de 11 RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos.

Leia mais

NUTRIÇÃO E GASTRONOMIA: MELHORES TÉCNICAS DE COCÇÃO E TROCAS INTELIGENTES. Amanda Wanderley

NUTRIÇÃO E GASTRONOMIA: MELHORES TÉCNICAS DE COCÇÃO E TROCAS INTELIGENTES. Amanda Wanderley : MELHORES TÉCNICAS DE COCÇÃO E TROCAS INTELIGENTES Amanda Wanderley Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio Hipócrates NUTRIÇÃO GASTRONOMIA Nutrição Controle Proibição Comida

Leia mais

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO Dependência: MUNICIPIO DE GOIANIA - COMISSAO GERAL DE LICITACAO - (GO) Licitação: (Ano: 2015/ MUNICIPIO DE GOIANIA / Nº Processo: 61967168/2015) Às 10:01:46 horas do dia

Leia mais

Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Você sabe o que está comendo? Por

Leia mais

Considerando a Resolução MERCOSUL GMC, n 81/96, que aprovou o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Ralado;

Considerando a Resolução MERCOSUL GMC, n 81/96, que aprovou o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Ralado; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 357, DE 4 DE SETEMBRO DE 1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA

TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA DESCRIÇÃO: REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA Entende-se

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO

Leia mais

Conservação dos Alimentos

Conservação dos Alimentos Conservação dos Alimentos Temperatura Local Adequado Higiene Data de validade Como conservar os alimentos Para que os alimentos sejam conservados da melhor maneira e não estraguem: Atenção- Temperatura

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 45, DE 23 DE OUTUBRO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA O CARDÁPIO DE 2015 PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.

GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA O CARDÁPIO DE 2015 PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. ABACAXI, Fruta in natura, Kg 5.020 502 502 502 502 502 502 502 502 502 502 apresentando grau de ABÓBORA, in natura, kg 1.380 138 138 138

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00016/2011 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Catarinense Campus Araquari Termo de Homologação

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO MÁXIMO E QUANTIDADES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO MÁXIMO E QUANTIDADES ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Administração e da Previdência - SEAP Departamento de Administração de Material - DEAM Sistema GMS - GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE CEREAIS ARROZ BRANCO - Comum, classe longo fino, agulha, tipo 2, isento de matéria terrosa, pedras, fungos ou parasitas, livre de umidade, com grãos inteiros. Acondicionado

Leia mais

Vida saudável com muito mais sabor

Vida saudável com muito mais sabor 1 Vida saudável com muito mais sabor APAE DE SÃO PAULO, com o objetivo de atender um grande público formado por pessoas que A precisam seguir dietas restritivas, em decorrência de doenças metabólicas,

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

PRODUTOS NATURAIS, ORGÂNICOS E VEGÂNOS

PRODUTOS NATURAIS, ORGÂNICOS E VEGÂNOS PRODUTOS NATURAIS, ORGÂNICOS E VEGÂNOS 7NUTS MAÇÃ 7NUTS DAMASCO Aromatizantes, Adoçado Aromatizantes. Adoçado 7NUTS CRANBERRY 7NUTS COCO Aromatizantes. Adoçado Aromatizantes, Adoçado CUPUAÇU ACEROLA 0%

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre SPC. Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC?

Perguntas Frequentes sobre SPC. Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC? Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC? A - SOLUBILIDADE EM HIDRÓXIDO DE POTÁSSIO - KOH B - ÍNDICE DE DISPERSIBILIDADE DA PROTEINA - PDI C - FATORES ANTI-NUTRICIONAIS

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Ref.:SS-0001 Ref.:SS-0002 COLORAU INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 1g Quantidade por porção (%VD) Valor Calórico 0 kcal 0 Carboidratos 0,1g 0 Proteínas Gorduras Totais Gorduras Saturadas

Leia mais

História CREDIBILIDADE

História CREDIBILIDADE História A ENTREMINAS iniciou suas atividades como distribuidora de laticínios no ano de 1990. Em 1992 inaugurou sua primeira unidade fabril no município de São Sebastião da Bela Vista - Sul de Minas Gerais,

Leia mais

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário NUTRIR NUTRIÇÃO ENTERAL E SUPLEMENTAÇÃO LTDA ME (4722)

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário NUTRIR NUTRIÇÃO ENTERAL E SUPLEMENTAÇÃO LTDA ME (4722) Página: 1/6 Especificação id. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço itário 1 FORMULA LACTEA INFANTIL 0 a 12 meses, de 800g. Ingredientes da formulação: Lactose, leite de vaca desnatado*, amido, oleína

Leia mais

Problemas de micotoxinas nos grãos e os novos limites toleráveis na cadeia alimentar

Problemas de micotoxinas nos grãos e os novos limites toleráveis na cadeia alimentar Problemas de micotoxinas nos grãos e os novos limites toleráveis na cadeia alimentar Vildes Maria Scussel; Beber, M.; de Souza Koerich, K. PALESTRA Laboratório de Micotoxicologia e Contaminantes Alimentares

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1kg 1704.90.10 40,88% NÃO 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo

Leia mais

Descrição do produto. Categoria Fiscal ANVISA. MS: RDC 27/2010 / Anexo 1. Características. Pó de cor bege-marrom, solúvel em água.

Descrição do produto. Categoria Fiscal ANVISA. MS: RDC 27/2010 / Anexo 1. Características. Pó de cor bege-marrom, solúvel em água. Vida Forte Ind. e Com. de Prod. Naturais Ltda. Descrição do produto Ficha Técnica de TERMO PLUS Sabores: Frutas Vermelhas Laranja Limão Termo Plus é um produto para auxiliar na redução de gordura com ingredientes

Leia mais

Quinta da Pacheca Sociedade Agrícola e Turística, Lda Cambres - Lamego - Portugal

Quinta da Pacheca Sociedade Agrícola e Turística, Lda Cambres - Lamego - Portugal Vinho Verde Alvarinho Soalheiro Vinusoalleirus, Lda Monção e Melgaço Portugal Consumir a: 10-12 C Teor Alcoólico: 12,5% Contém Sulfitos Não aconselhável a grávidas Vinho Tinto Douro Quinta da Pacheca Quinta

Leia mais

SABES O QUE ESTÁS A COMER?

SABES O QUE ESTÁS A COMER? SABES O QUE ESTÁS A COMER? Interpretar RÓTULOS de produtos alimentares Conhecer os INGREDIENTES dos PRODUTOS ALIMENTARES Descobrir o significado de DDR Saber a diferença entre produto alimentar MAGRO e

Leia mais

Funções dos Ingredientes na Panificação

Funções dos Ingredientes na Panificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE PANIFICAÇÃO E PRODUÇÃO DE AMIDO Funções dos Ingredientes na Panificação Prof. ª Elessandra

Leia mais

MONSTER EXTREME BLACK Suplementos Para Atletas

MONSTER EXTREME BLACK Suplementos Para Atletas MONSTER EXTREME BLACK Suplementos Para Atletas Descrição: Objetivo: MONSTER EXTREME BLACK é um suplemento composto por diversos nutrientes essenciais para otimizar o ganho de massa muscular e energia.

Leia mais

Sobre a RDC 26 de 3 de Julho de 2015

Sobre a RDC 26 de 3 de Julho de 2015 1. Por que a ANVISA decidiu regulamentar a rotulagem de alimentos alergênicos? A legislação foi adotada devido ao movimento Põe no Rótulo, criado por cidadãos brasileiros que enfrentam graves problemas

Leia mais

Catálogo Padaria. Gama Pequeno Almoço

Catálogo Padaria. Gama Pequeno Almoço Catálogo Padaria Gama Pequeno Almoço Padaria Gama Pequeno Almoço Baguete Baguete Tradicional de 40g, 120g e 250g (produto fresco e pré cozido) Produto semi-completo para produção de baguete [farinha de

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011 Amanda Poldi CRIANÇA-DEFINIÇÃO LEI 11.265/2006 CRIANÇA: indivíduo até 12 (doze) anos de idade incompletos; CRIANÇA DE PRIMEIRA

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Pág 3 ISSN 1677-7042 1 Nº 179, sexta-feira, 17 de setembro de 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº- 457, DE 10 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO

Leia mais

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado.

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 644 DE 11 DE SETEMBRO DE 1975 O Ministro de Estado da Agricultura, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39,

Leia mais

LEITE UHT. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao

LEITE UHT. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao LEITE UHT Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao LEITE UHT HISTÓRIA NO BRASIL: 1972 Boom em 1998 hoje 78% do leite líquido consumido 5

Leia mais

CABAZ FORTALEZA DE SAGRES

CABAZ FORTALEZA DE SAGRES CABAZ FORTALEZA DE SAGRES Vinho Tinto Alentejano Pacato Herdade Monte da Cal Vale de Paredes Novo 7460-100 São Saturnino - Consumir a: 16-18 C Teor Alcoólico: 13% Contém Sulfitos Não aconselhável a grávidas

Leia mais

Regulamentação da Rotulagem de Alimentos Alergênicos. Consulta Pública 29/2014

Regulamentação da Rotulagem de Alimentos Alergênicos. Consulta Pública 29/2014 Regulamentação da Rotulagem de Alimentos Alergênicos Consulta Pública 29/2014 Histórico - contexto regulatório interno Revisão do regulamento de rotulagem geral no MERCOSUL: Solicitada pelo Brasil em 2009

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO 1 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS Lages, 03 de fevereiro de 2014. RERRATIFICAÇÃO ASSUNTO: EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL

Leia mais

TÉCNICA DIETÉTICA I. Prof. Msc. Isabelle Oliveira

TÉCNICA DIETÉTICA I. Prof. Msc. Isabelle Oliveira TÉCNICA DIETÉTICA I Prof. Msc. Isabelle Oliveira 1 Cereais Alimentos de origem vegetal, amplamente consumidos. O nome deriva da deusa grega, Ceres, deusa da agricultura e da colheita. São grãos que provém

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA FERMENTADOS ACÉTICOS

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA FERMENTADOS ACÉTICOS ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA FERMENTADOS ACÉTICOS 1.ALCANCE 1.1.Objetivo: Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que deverão

Leia mais

Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos

Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos Recomendação da Comissão de Atendimento ao Consumidor ABIA ANEXO I ATENDIMENTO AOS CONSUMIDORES COM HIPERSENSIBILIDADE E SEUS

Leia mais

Receita 1 - Etna. INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 15 g ou ml (1 Colher de sopa)

Receita 1 - Etna. INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 15 g ou ml (1 Colher de sopa) Receita 1 - Etna Valor Energético 53 kcal = 223 kj 3 Carboidratos 0.7 g 0 Gorduras Totais 5.6 g 10 Gorduras Saturadas 0.8 g 4 Gorduras monoinsaturas 3.0 g *** Gorduras poli-insaturadas 1.7 g *** Sódio

Leia mais