Especificação Técnica Sabmix Sabugo Moído

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especificação Técnica Sabmix Sabugo Moído"

Transcrição

1 26/10/26 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Sabmix e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras propriedades do produto. 2.Definição Pó fino de coloração marrom clara, obtido por moagem de sabugo de milho. 3. Aplicações e/ou Finalidade Industrial Fabricação de cooks, substituição parcial da farinha de trigo em receitas de bolo, biscoitos e massas em geral, enriquecimento de produtos alimentícios, agente filtrante em indústrias farmacêuticas, fonte de biomassa renovável para a produção de etanol, suporte para a imobilização de enzimas, fonte de fibras nas incorporação de rações, massas alimentícias. 4. Requisitos Gerais Este produto é fabricado seguindo padrões de qualidade e segurança dos alimentos, cumprindo os requisitos desta especificação e legislação brasileira aplicável. O produto é fabricado de acordo com os requisitos de Boas Práticas de Fabricação sob a regulamentação da ANVISA e/ou legislações locais aplicáveis. 5. Composição Composição Nutricional (100g) Carboidratos Totais 11,60 g Proteínas 1,82 g Lipídeos 0,68 g Fibra Alimentar 80,94 g Resíduo Mineral Fixo 2, 48 g Umidade e Voláteis 2,37 g Lista de Ingredientes: Sabugo de milho moído. 6. Alergênico

2 26/10/26 Alergênico Presença 1.Trigo, centeio, cevada, aveia e suas estirpes hibridizadas. 2.Crustáceos e derivados. 3.Ovos e derivados. 4.Peixes e derivados. 5.Amendoim e derivados. 6.Soja e derivados. 7.Leites de todas as espécies de animais mamíferos. 8. Amêndoa (Prunusdulcis, sin. Prunusamygdalus, Amygdaluscommunis L.). 9.Avelãs (Corylus spp.). 10.Castanha-de-caju (Anacardiumoccidentale). 11.Castanha-do-brasil ou castanha-do-pará (Bertholletia excelsa). 12.Macadâmias (Macadamia spp.). 13. Nozes (Juglans spp.). 14.Pecãs (Carya spp.). 15.Pistaches (Pistacia spp.). 16.Pinoli (Pinus spp.). 17.Castanhas (Castanea spp.). 18.Látex natural. 7. GMO O produto segue os parâmetros definidos pela CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança), que deve conter<0,9% de organismos geneticamente modificados, para ser considerado convencional. Para isso é investigado através de análise os sete eventos abaixo: Triple Trait (CP4EPSPS, Cry3Bb e Cry1Ab); Cry2ab; LL; Vip 3a; Cry 1F.

3 26/10/26 8. Características do Produto Físico-químicos Granulometria % Retenção nas peneiras Padrão Frequência (ABNT): 20 (0,850 mm) 2% Todo lote Umidade Máx. 10,0% Todo lote *Microbiológicas Bacilluscereus Máx. 3,0 x 10 3 UFC / g Mensal Salmonela Ausência em 25 g Mensal Coliformes fecais Máx. 1,0 x 10 2 UFC / g Mensal *Referencia: RDC n 12 de janeiro de 20. Micotoxinas Aflatoxina (B e G) Máx. 20,0 ppb Todo lote Ocratoxina A Máx. 10,0 ppb Anual Zearalenona Máx. 300 ppb Todo lote Fumonisinas B1, B2 Máx ppb Todo lote Deoxinivalenol (DON) Máx ppb Anual *Referência: RDC n 7 de fevereiro de 21. *Contaminantes Inorgânicos Metais Pesados Padrão Frequência Arsênio 0,30mg/kg Anual Chumbo 0,20 mg/kg Anual Cádmo 0,10 mg/kg Anual *Referencia: RDC n 42 de agosto de 23.

4 26/10/26 *Macroscopia e Microscopia Matérias Estranhas Padrão Frequência Areia Ácaros *Referencia: RDC n 14 de 28 de março de 24. 1,5% de areia ou cinzas insolúveis em ácido Máx. de 5 na alíquota analisada. Anual Anual Sensoriais Aparência Pó marrom claro. Todo lote 9. Acondicionamento Sacos de polipropileno trançado, tipo ráfia, com peso líquido de 25,0 Kg. 10. Armazenamento e Transporte O transporte do produto deve prevenir contaminação ou deterioração do mesmo ou da embalagem. Por isso deve ser realizado em veículos limpos, secos, livres de insetos, de larvas, de materiais estranhos ao produto e ou mercadorias que possam vir a gerar a contaminação ao produto. O produto deve ser armazenado em temperatura ambiente, em local limpo, seco e livres de insetos ou qualquer material estranho ao produto. 11. Conservação Validade: 120 dias da data de fabricação. Manter na embalagem original não violada, em local limpo, seco e fresco. 12. Observações Nos casos em que as características excederem os limites especificados, o produto será destinado a outras finalidades e/ou para clientes em que a especificação se enquadra. 13. Legislações

5 26/10/26 RDC n 12, de 02 de janeiro de 20 Microbiologia para alimentos. RDC n 42, de 29 de agosto de 23 Regulamento Técnico MERCOSUL sobre limites máximos de contaminantes inorgânicos em alimentos. RDC n 7, de 18 de fevereiro de 21 Dispõe sobre os limites tolerados para micotoxinas em alimentos. RDC n 14, de 28 de março de 24 Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas, seus limites de tolerância e dá outras providências. RDC n 26, de 02 de julho de 25 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. RDC n 24, de 08 de junho de 25 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e a sua comunicação à ANVISA e aos consumidores. 14. Descrição das Revisões CONTROLE DE REVISÕES Rev Data Histórico Aprovado por 00 Maio/26 Primeira Emissão Gerente de Qualidade 26/10/26 Alteração do layout da especificação Gerente da Qualidade

Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro

Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Fecomix 425 Integral e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 2.1. Se houver contato significativo com o olho lavar com água corrente por 15 minutos e/ou procurar atendimento médico.

2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 2.1. Se houver contato significativo com o olho lavar com água corrente por 15 minutos e/ou procurar atendimento médico. Regulatório Página 1 de 5 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Nome Fantasia: Fazenda da Toca. 1.2. Aparência: Avermelhada. 1.3. Aplicação: Pronto para consumo. 1.4. Certificações: Orgânica. 2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

AGENDA DO BRASIL DE IMPORTÂNCIA PARA O SETOR DO TRIGO. Mar del Plata, 05/05/16

AGENDA DO BRASIL DE IMPORTÂNCIA PARA O SETOR DO TRIGO. Mar del Plata, 05/05/16 AGENDA DO BRASIL DE IMPORTÂNCIA PARA O SETOR DO TRIGO Mar del Plata, 05/05/16 Micotoxinas Fortificação e BPF Glúten Resíduos de Agrotóxicos Substâncias micro e macroscópicas Rotulagem de alergênicos MICOTOXINAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Leite de Côco Desidratado

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Leite de Côco Desidratado na 1 de 5 1. DESCRIÇÃO Leite de côco Desidratado é um ingrediente alimentício que contém o leite do côco e maltodextrina, sem uso de outros aditivos ou conservantes. As matérias primas foram selecionadas

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de especificação. Mimosa Iogurte Líquido Magro com polpa de fruta sem lactose

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de especificação. Mimosa Iogurte Líquido Magro com polpa de fruta sem lactose Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte líquido magro com "variedade" Variedades: polpa de morango e sem polpa de papaia e sumo de limão, sem Marca: Quantidade líquida: (de acordo

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Adágio Momentos Frutíssimos Iogurte Líquido Meio Gordo com Polpa de Fruta

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Adágio Momentos Frutíssimos Iogurte Líquido Meio Gordo com Polpa de Fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte liquido meio-gordo com polpa de (variedade) Variedades: Morango Morango e Banana Marca: Adágio Quantidade líquida (de acordo com a Portaria

Leia mais

Adágio Iogurte Líquido Magro com fruta

Adágio Iogurte Líquido Magro com fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte Liquido magro com fibra (variedade) Contém edulcorantes. Variedades: Morango Laranja e limão Pêssego e sabor a maracujá Marca: Quantidade

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Mimosa Iogurte batido meio gordo com polpa de fruta

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Mimosa Iogurte batido meio gordo com polpa de fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte batido meio gordo com (variedade) Variedades: Polpa de Morango Polpa de Manga Polpa de Banana e Morango Polpa de Pêra Polpa de Banana, sumo

Leia mais

REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS

REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS AUTORES Paula Régio MARQUES Discente do curso de Engenharia de Alimentos UNILAGO Patricia de Carvalho DAMY-BENEDETTI Docente do curso de Engenharia de Alimentos UNILAGO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 2 DE JUNHO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

PRÓMIX 300g SABOR LIMÃO Refresco em pó

PRÓMIX 300g SABOR LIMÃO Refresco em pó Página 1 de 5 1. DADOS GERAIS DA EMPRESA Razão Social: Enova Foods S/A CNPJ 46.948.287/0001-87 - I.E. 260.019.084-117 Endereço: Av. Elias Bauab, 665 Dist. Ind. José Ant. Boso CEP: 15.803-155 - Catanduva

Leia mais

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados nº 1, de 2016, ao Projeto de Lei do Senado nº 260, de 2013, que acrescenta art. 19-A ao Decreto-Lei nº

Leia mais

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ATENÇÃO: Durante a fase de transição, você poderá encontrar rótulos ainda sem a frase de alergênicos

Leia mais

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO PRODUTO CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF 1. DESCRIÇÃO DO OBJETO Entende-se por Jerked Beef ou Carne Bovina Salgada Curada Dessecada, o produto cárneo industrializado,

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 (*) (Publicada no DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) (Republicada no DOU nº 46, de 9 de março de 2011) Dispõe sobre limites máximos

Leia mais

TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G

TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G TAB AO LEITE COM CAST DE CAJU 100G Tablete de chocolate ao leite com castanha de caju Peso Líquido 100g Porção de 25g (3 quadrados) Valor Energético 140kcal = 588kJ 7% Carboidratos 13g 4% Proteínas 1,9g

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos.

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos. RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 2011) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 (*) (Publicada em DOU nº 37, de 22 de fevereiro de 11) (Republicada em DOU nº 46, de 09 de março de 11) Dispõe sobre limites máximos

Leia mais

SEMINÁRIO ANVISA 2016

SEMINÁRIO ANVISA 2016 SEMINÁRIO ANVISA 2016 Diretor Renato Alencar Porto RDC nº 26/2015 Rotulagem de Alimentos Alergênicos Complexidade e Abrangência da Atuação da Regulação Sanitária A regulação deve conciliar os objetivos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO DE PRODUTO

BOLETIM TÉCNICO DE PRODUTO Descrição Produto formulado a partir de farinha de trigo, açúcar e água, a massa é submetida ao processo de cocção em fornos contínuos de alta temperatura, enrolada em forma de cones, em seguida esfriada,

Leia mais

Rotulagem de Alimentos Alergênicos. Regulamentação e informação ao consumidor

Rotulagem de Alimentos Alergênicos. Regulamentação e informação ao consumidor Rotulagem de Alimentos Alergênicos Regulamentação e informação ao consumidor O que são alergias alimentares Alergias alimentares são reações adversas desencadeadas por uma resposta imunológica específica

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ALERGÊNICOS. Resolução RDC n. 26/2015

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ALERGÊNICOS. Resolução RDC n. 26/2015 ROTULAGEM DE ALIMENTOS ALERGÊNICOS Resolução RDC n. 26/2015 Alergia alimentar x informação Como não existe cura, a principal forma de prevenção dos efeitos adversos é evitar o consumo dos alergênicos.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Universal Cenoura

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Universal Cenoura GRUPO DE MATERIAL Código local de material: 30838 Empresa: CSM IBERIA S.A.(PT) INFORMAÇÃO GERAL País de origem: Portugal Continente de origem Europa (CE) Condição física: Pó com pedacinhos CONSELHOS DE

Leia mais

MOLHO BARBECUE JUNIOR

MOLHO BARBECUE JUNIOR ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTO ACABADO TÍTULO: MOLHO BARBECUE JUNIOR NÚMERO: EPA-01-DEP-006 ESTABELECIDO: 28/06/06 REVISÃO: 19 28/05/14 PÁGINA: 1/4 1. DESCRIÇÃO DO PRODUTO Molho Barbecue é um molho adicionado

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 ANÁLISE DA ROTULAGEM DE PRODUTOS LÁCTEOS DE DIFERENTES MARCAS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO RDC Nº 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Alessandra Romiti Freitas 1 ; Raquel Piletti 2 RESUMO As alergias alimentares

Leia mais

Descrição técnica Informação sobre aromatizantes Informação sobre corantes Peso líquido

Descrição técnica Informação sobre aromatizantes Informação sobre corantes Peso líquido Descrição técnica Informação sobre aromatizantes Informação sobre corantes TRUFAS BENDITO CACAU 225G Trufa de chocolate amargo recheadas. Aromatizado artificialmente Colorido artificialmente 225G Trufa

Leia mais

LEITE EM PÓ INTEGRAL

LEITE EM PÓ INTEGRAL ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO PRODUTO LEITE EM PÓ INTEGRAL 1. DESCRIÇÃO DO OBJETO Entende-se por leite em pó o produto obtido por desidratação do leite de vaca integral, desnatado ou parcialmente desnatado

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Solanum tuberosum. Deverão apresentar-se frescas, limpas, sãs, no estado de maturação industrial conveniente, lavadas, peladas, cortadas, calibradas

Leia mais

Portaria ADAB nº 207 DE 21/11/2014

Portaria ADAB nº 207 DE 21/11/2014 Portaria ADAB nº 207 DE 21/11/2014 Norma Estadual - Bahia Publicado no DOE em 26 nov 2014 Aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel de Abelha social sem ferrão, gênero Melipona, conforme

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE MORTADELA 1. Alcance

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE MORTADELA 1. Alcance REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE MORTADELA 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá obedecer o produto cárneo industrializado denominado

Leia mais

ROTULAGEM DOS PRODUTOS NOS MERCADOS NA CIDADE DE MATÃO COM O INICIO DA LEGISLAÇÃO DE ALERGÊNICOS. Área Temática: Processamento Agroindustrial

ROTULAGEM DOS PRODUTOS NOS MERCADOS NA CIDADE DE MATÃO COM O INICIO DA LEGISLAÇÃO DE ALERGÊNICOS. Área Temática: Processamento Agroindustrial ROTULAGEM DOS PRODUTOS NOS MERCADOS NA CIDADE DE MATÃO COM O INICIO DA LEGISLAÇÃO DE ALERGÊNICOS Autores: Mariane Sardinha Santos 1, 2, Daniela Rodolpho 1, 2 1 Filiação: FATEC/Tq 2 E-mail: marianeee23agro@gmail.com

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL AHPA (embalagem de 400 gr) DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Zea mays L. var. saccharata Koern, proveniente de sementes não trangénicas. Os grãos deverão apresentar-se frescos, limpos,

Leia mais

Segurança de Alimentos

Segurança de Alimentos ANO 01 N 03 2015 informativo sobre Segurança de Alimentos Entenda como funciona a Certificação de Produtos Orgânicos Por Raissa Urzedo O sistema orgânico de produção agropecuária é todo aquele em que

Leia mais

Anexo I Especificação de carne completa

Anexo I Especificação de carne completa Item ESPECIFICAÇÃO 1 ACEM MOIDO: Carne Bovina de 2ª Moída Magra (Acém): Carne bovina; acém; moída; resfriada; e no máximo 10% de sebo e gordura, com aspecto, cor, cheiro e sabor próprios; embalada em saco

Leia mais

Capítulo 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A PRODUÇÃO DE RAÇÕES, INGREDIENTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE

Capítulo 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A PRODUÇÃO DE RAÇÕES, INGREDIENTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1.1 Introdução Capítulo 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A PRODUÇÃO DE RAÇÕES, INGREDIENTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1.2 Cadeia Produtiva Animal Globalizada 1.3 Cadeia Produtiva Brasileira 1.4 Situação da

Leia mais

MUNICÍPIO DE AÇAILÂNDIA (MA) PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE AÇAILÂNDIA (MA) PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO RESENHA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2016/PP001/2016PMA/MA. OBJETO: Registro de Preços para eventual contratação de pessoa(s) jurídica(s) para aquisição gêneros alimentícios destinados a Alimentação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CHAMADA PÚBLICA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 2 SEMESTRE ANO 2017 QUANTIDADE ESTIMADA

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CHAMADA PÚBLICA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 2 SEMESTRE ANO 2017 QUANTIDADE ESTIMADA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CHAMADA PÚBLICA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 2 SEMESTRE ANO 2017 QUANTIDADE ESTIMADA Nº ITEM QUANTIDAD E UNIDADE MEDIDA DESCRIÇÃO E CRITÉRIOS

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital MultiFibras

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital MultiFibras FICHA DE ESPECIFICAÇÃO BemVital MultiFibras IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS

SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS Palestrante: Eduardo Micotti da Gloria Formação: Eng. Agr. USP/ESALQ Doutor Tecnologia de Alimentos FEA/UNICAMP Atuação Profissional: USP/ESALQ

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare FICHA DE ESPECIFICAÇÃO BemVital Espessare IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos

Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos 2 o Simpósio de Segurança Alimentar Debatendo Qualidade Bento Gonçalves, 20-22/8/2008 1.Introdução

Leia mais

I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS. Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem

I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS. Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem APOIO SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADOS AGREGANDO VALOR DA CADEIA DE ALIMENTOS À CADEIA DE ALIMENTOS AGRADECIMENTOS CRQ IV

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO Nº: / 2016 RCB_AFO Processo nº 36559-14.2016.4.01.3400 Classe : 1900 Ação Ordinária / Outras Autor : Associação Brasileira das Pequenas e Médias Cooperativas e Empresas de Laticínios (G100) Réu

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 14, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000) (Revogada pela Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000) Dispõe sobre

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 14:32 horas do dia 06 de junho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Esteio, designado pela portaria 0185/2012 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 1 DE MARÇO DE 2004 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins

Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins Gabriela Assis; Clara Cruz; Marina Martins LIVRO BRANCO SOBRE A SEGURANÇA DOS ALIMENTOS Produção Animal Alimentação Animal Planos nacionais de controlo (Regulamento (CE) n.º 882/2004) Controlo Oficial

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 10 ENSAIOS QUÍMICOS AMÊNDOAS, AMENDOINS, OLEAGINOSAS, CEREAIS E FRUTAS SECAS LEITE E DERIVADOS ÓLEOS VEGETAIS Determinação de Aflatoxinas B1, B2, G1 e G2 por HPLC LQ (μg/kg) B1 = 0,5 B2 = 0,2

Leia mais

Monitoramento da qualidade sanitária dos alimentos no Brasil

Monitoramento da qualidade sanitária dos alimentos no Brasil Gerência de Laboratórios de Saúde Pública GELAS Monitoramento da qualidade sanitária dos alimentos no Brasil Agosto/2016 ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Sistema Único de Saúde (SUS) Lei 8080/90 Vigilância

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO SALAME TIPO MILANO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO SALAME TIPO MILANO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO SALAME TIPO MILANO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá obedecer o produto cárneo denominado

Leia mais

SEM ADIÇÃO DE AÇÚCARES, SEM GLÚTEN E SEM LACTOSE

SEM ADIÇÃO DE AÇÚCARES, SEM GLÚTEN E SEM LACTOSE SEM ADIÇÃO DE AÇÚCARES, SEM GLÚTEN E SEM LACTOSE GOTAS COM DAMASCO As Gotas de Alfarroba, chocolate, possuem um Delicioso e com baixo valor calórico, possui apenas 81 calorias para cada 3 unidades. 80

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LOMBO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LOMBO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LOMBO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado Lombo. 1.2.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE DOCE DE LEITE.

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE DOCE DE LEITE. REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE DOCE DE LEITE. 1. ALCANCE 1.1. OBJETIVO: Estabelecer a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deverá cumprir o Doce de

Leia mais

O papel das fibras nos alimentos. Mestrando: Joel Pimentel de Abreu

O papel das fibras nos alimentos. Mestrando: Joel Pimentel de Abreu O papel das fibras nos alimentos Mestrando: Joel Pimentel de Abreu O que é fibra alimentar As fibras alimentares são compostos vegetais presentes na dieta, como celulose, hemicelulose, pectinas, gomas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Derivados lácteos Med. Vet. Karoline Mikaelle de Paiva Soares Leites Fermentados Padrões

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Todas os alimentos deverão seguir o critério geral de: 1) Características microscópicas: Isento de substâncias estranhas de qualquer natureza. 2) Rotulagem:

Leia mais

PREÇO TOTAL PREÇO UN ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA

PREÇO TOTAL PREÇO UN ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA ADENDO PLANILHA SIMPLIFICADA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA. ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA 1 4880 kg 2 380 kg 3 2235 kg Polpa de fruta (natural), congelada, pacote de 1 kg, sabores: maracujá,

Leia mais

Ficha técnica de produtos Holy nuts produtos de castanhas Catálogo 2016/2

Ficha técnica de produtos Holy nuts produtos de castanhas Catálogo 2016/2 Ficha técnica de produtos Holy nuts produtos de castanhas Catálogo 2016/2 Mais informações: Creme Funcional de Castanhas Zero Açúcar 220g Fonte de gorduras boas e proteínas vegetais, e por isso promove

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO BEWI-SPRAY DESCRIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO BEWI-SPRAY DESCRIÇÃO BEWI-SPRAY-20-20 1. DESCRIÇÃO Bewi-20-20 é um excelente produto utilizado na alimentação de leitões. Consiste na combinação de proteína de soro de alta qualidade, proteína de glúten de trigo rica em Glutamina,

Leia mais

publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005

publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS DE CEREAIS, AMIDOS, FARINHAS E FARELOS", constante do Anexo desta Resolução. publicação:

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FT-007 COCA-COLA (POST-MIX)

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FT-007 COCA-COLA (POST-MIX) Pag 1/6 FICHA TÉCNICA DE PRODUTO COCA-COLA (POST-MIX) Pag 2/6 A- INFORMAÇÃO GERAL A-1 Produto: Nome produto: COCA-COLA A-2 Dados do Fornecedor: Engarrafador nome COCA-COLA EUROPEAN PARTNERS IBERIA, S.L

Leia mais

BILU INDÚSTRIA DE ALIMENTOS LTDA

BILU INDÚSTRIA DE ALIMENTOS LTDA CATÁLOGO DE PRODUTOS Especificações Técnicas Embalagens MANDIOCA CHIPS S/SAL MANDIOCA CHIPS C/SAL - Mandioca; - Óleo de Palma. ALÉRGICOS: PODE CONTER DERIVADOS DE SOJA E DERIVADOS DE CEVADA (SEM GLÚTEN).

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril)

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) Thiago Silva Novais¹; Abraham Damian Giraldo Zuniga²; ¹ Aluno do Curso de Engenharia de Alimentos;

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA

ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA 1. Alcance 1.1. Objetivo: Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado

Leia mais

Considerando a Resolução MERCOSUL GMC, n 81/96, que aprovou o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Ralado;

Considerando a Resolução MERCOSUL GMC, n 81/96, que aprovou o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Ralado; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 357, DE 4 DE SETEMBRO DE 1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Vinozym Vintage FCE REVISÃO: 08/07/2016 VERSÃO: 2012/02/14

FICHA TÉCNICA. Vinozym Vintage FCE REVISÃO: 08/07/2016 VERSÃO: 2012/02/14 REVISÃO: 08/07/2016 VERSÃO: 2012/02/14 Preparação enzimática única e económica que permite obter o melhor da uva tinta e produzir vinhos de qualidade, mais corposos e com maior redondez em boca. VANTAGENS

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011

RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 Legislações ANVISA Ter, 22 de Fevereiro de 11 RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA PRESENÇA DE MATÉRIAS ESTRANHAS EM ALIMENTOS E SEUS LIMITES SEGUNDO A RDC Nº14/2014 ANVISA

ESTUDO COMPARATIVO DA PRESENÇA DE MATÉRIAS ESTRANHAS EM ALIMENTOS E SEUS LIMITES SEGUNDO A RDC Nº14/2014 ANVISA ESTUDO COMPARATIVO DA PRESENÇA DE MATÉRIAS ESTRANHAS EM ALIMENTOS E SEUS LIMITES SEGUNDO A RDC Nº14/2014 ANVISA Elisangela POLITOWSKI 1, Catiana MORCELLI 2, Fernanda JAPPE 3, Raquel PILETTI 4 Palavras-chave:

Leia mais

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de 2015. Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. I. Introdução. Recentemente, a ANVISA publicou a Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel de Abelhas sem Ferrão Gênero Melipona

Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel de Abelhas sem Ferrão Gênero Melipona Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel de Abelhas sem Ferrão Gênero Melipona Prof. Rogério Marcos de O. Alves IFBAIANO/UFRB/GRUPO INSECTA IX Seminário Paranaense de Meliponicultura 20 de

Leia mais

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Nutricionista. Mestre em ciência dos alimentos e especialista em qualidade. Consultora

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO. Profª Msc. Élia Karina

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO. Profª Msc. Élia Karina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Profª Msc. Élia Karina Introdução Mercado de alimentos: competitivo; Embalagem: fator de competição; Introdução Mudanças no estilo de vida; Crescimento

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO

Leia mais

Curso de rotulagem geral de alimentos embalados. 3º Módulo.

Curso de rotulagem geral de alimentos embalados. 3º Módulo. Curso de rotulagem geral de alimentos embalados 3º Módulo Legislação Resolução RDC nº 259/2002 Anvisa Resolução RDC nº270/2005 Anvisa Portaria nº 372/1997 MAPA Decreto-Lei nº986/69 Instrução Normativa

Leia mais

OCORRÊNCIA DE MICOTOXINAS EM MASSAS ALIMENTÍCIAS

OCORRÊNCIA DE MICOTOXINAS EM MASSAS ALIMENTÍCIAS OCORRÊNCIA DE MICOTOXINAS EM MASSAS ALIMENTÍCIAS DIAS, J.R. 1* ; MAZUTTI, R. 2 ; SILVEIRA, V.G. 3 ; DILKIN, P. 4 ; MALLMANN, C.A. 5 1 Aluna de graduação de Tecnologia em Alimentos UFSM. 2 Aluno de graduação

Leia mais

GOURMET DELICIAS 500G

GOURMET DELICIAS 500G GOURMET DELICIAS 500G Descrição técnica Informação sobre aromatizantes Informação sobre corantes Peso líquido Produto 1 Bombons de chocolate ao leite e chocolate branco recheados sortidos Aromatizado artificialmente

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE MICOTOXINAS BRASIL

LEGISLAÇÃO SOBRE MICOTOXINAS  BRASIL LEGISLAÇÃO SOBRE MICOTOXINAS www.micotoxinas.com.br BRASIL Alimentos para consumo humano Ministério da Saúde: Resolução RDC n o 274, da ANVISA, de 15 de outubro de 2002, publicada no Diário Oficial da

Leia mais

a) Aspecto geral: A cebola deve apresentar-se homogénea e parcialmente isenta de defeitos.

a) Aspecto geral: A cebola deve apresentar-se homogénea e parcialmente isenta de defeitos. PÁGINA: 1 1. Descrição geral do produto: - A cebola cubos ultracongelada é preparada a partir das raízes da planta da cebola, frescas, limpas e sãs, de acordo com as características da espécie Allium cepa

Leia mais

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes,

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, Superintendência de Políticas de Atenção Integral a Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Doenças Não-Transmissíveis Área de Alimentação e Nutrição HÁBITOS SAUDÁVEIS Marília A. Rezio

Leia mais

FICHA TÉCNICA TP.PLO.FT.02/REV.00/

FICHA TÉCNICA TP.PLO.FT.02/REV.00/ DESCRIÇÃO DO PRODUTO Pão de Ló Original - Pequeno Peso líquido 500 gr Cor Castanho claro Formato Redondo Textura Fofa Dimensões ø20cm/a:4,5cm Cheiro e Sabor Característicos Prazo de Validade 12 dias INGREDIENTES

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado Presunto.

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SEGREDO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SEGREDO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO I PROCESSO: Nº 40/2013 PREGÃO PRESENCIAL Nº 18/2013 OBJETO: Fornecimento de gêneros alimentícios para os alunos das Escolas Municipais de Educação Infantil do Município de Segredo, para os meses

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE APRESUNTADO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE APRESUNTADO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE APRESUNTADO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado Apresuntado.

Leia mais

Curso de rotulagem geral de alimentos embalados. - 4º módulo -

Curso de rotulagem geral de alimentos embalados. - 4º módulo - Curso de rotulagem geral de alimentos embalados - 4º módulo - Legislação Resolução RDC nº259/2002 Anvisa Resolução RDC nº277/2005 Anvisa Resolução RDC nº340/2002 Anvisa Resolução RDC nº344/2002 Anvisa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ / PAUTA DOS GENEROS ALIMENTICIOS REFERENTE A 10 PARCELAS DE 2015. PROGRAMAS DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAEF, PANEP, PANE EJA, PANE- MEDIO E MAIS EDUCAÇÃO. TERMO DE REFERENCIA ITE DESCRIÇÃO / MARCA / VALIDADE

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FT-127 SPRITE

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FT-127 SPRITE Pag 1/6 FICHA TÉCNICA DE PRODUTO SPRITE Pag 2/6 A- INFORMAÇÃO GERAL A-1 Produto: Nome produto: SPRITE A-2 Dados do Fornecedor: Engarrafador nome COCA-COLA EUROPEAN PARTNERS IBERIA, S.L Endereço: C/ Ribera

Leia mais

08/11/2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE. Amostragem, preparo de amostra e tratamento de dados INTRODUÇÃO

08/11/2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE. Amostragem, preparo de amostra e tratamento de dados INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Análise de Alimentos INTRODUÇÃO BROMATOLOGIA: Ciência que estuda os alimentos em sua composição química qualitativa e

Leia mais

Informação sobre ingredientes. que provoquem alergias ou intolerâncias

Informação sobre ingredientes. que provoquem alergias ou intolerâncias Informação sobre ingredientes que provoquem alergias ou intolerâncias O Regulamento (UE) N.º 1169/2011, relativo à prestação de informação aos consumidores sobre os géneros alimentícios, entrou em vigor

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1kg 1704.90.10 40,88% NÃO 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1/5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CERELAB LABORATÓRIOS QUÍMICOS LTDA. ACREDITAÇÃO N ÓLEOS S QUÍMICOS Determinação Titulométrica do Índice de Acidez Faixa:

Leia mais

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS Aline Bezerra Moura, Carlos Humberto da Silva Araujo,

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto

Nutrição Animal. Aula 2 Classificação dos Alimentos. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Nutrição Animal Aula 2 Classificação dos Alimentos Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Passos para a formulação de uma dieta: - Conhecer as exigências nutricionais de uma categoria animal (idade,

Leia mais

Profa. Juliana Schmidt Galera

Profa. Juliana Schmidt Galera Profa. Juliana Schmidt Galera CEVADA TRIGO MILHO ARROZ AVEIA CENTEIO SORGO OUTROS Composição centesimal Composição centesimal - soja em grãos 9% OLEAGINOSA 30% 5% 36% Umidade Proteínas Lipídios Cinzas

Leia mais

Kg Aipim- Mandioca descascada de colheita recente e congelada.

Kg Aipim- Mandioca descascada de colheita recente e congelada. PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CHAMADA PÚBLICA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR QUANTIDADE ESTIMADA PARA O SEGUNDO SEMESTRE DO ANO DE 2016 Nº ITEM QUANTIDADE UNIDADE MEDIDA DESCRIÇÃO

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR. Because you care about consumers health

QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR. Because you care about consumers health QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR Because you care about consumers health 1 PRESENÇA GLOBAL PRESENTE EM 21 PAÍSES POR MEIO DE UMA REDE COM MAIS DE 80 LABORATÓRIOS Mais de 80 laboratórios acreditados Presença

Leia mais