Cidadania na Metrópole Desigual: a cultura política na metrópole fluminense 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cidadania na Metrópole Desigual: a cultura política na metrópole fluminense 1"

Transcrição

1 Cidadania na Metrópole Desigual: a cultura política na metrópole fluminense 1 Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro (IPPUR/UFRJ) Sérgio de Azevedo (UENF) Orlando Alves dos Santos Junior (IPPUR/UFRJ) Discutir a problemática da governança urbana do metrópole do Rio de Janeiro requer não apenas discutir as raízes das enormes desigualdades sociais e urbanas existentes nas suas cidades, mas também a cultura política que vigora na sua configuração socioespacial. A cidade do Rio de Janeiro apresenta traços de um espaço político pouco virtuoso no sentido da integração de todos os segmentos sociais à vida cívico-política da cidade. Vários analistas vêm apontando a existência de nítidas tendências à fragmentação institucional da metrópole, do que resulta uma dinâmica despolitizadora da gestão urbana, o que significa a predominância das formas privadas de realização dos interesses privados, sem qualquer mediação de esferas que possam publicizá-los e articulá-los aos interesses gerais da cidade. Este caráter restrito da esfera cívico-politico da metrópole é potencializado pela sua configuração territorial como conurbação de localidades sociais e políticas, conformando elites municipais que estabelecem relações de proteção e submissão com o centro de gravitação do poder urbano. Sinteticamente falando, parecem existir elementos estruturais e históricos nas dificuldades existentes para gerar uma dinâmica política virtuosa que permita a construção de um projeto urbano simultaneamente empreendedor das potencialidades e capaz de promover o bem-estar individual e coletivo na metrópole fluminense. Pretendemos neste artigo explorar a análise de alguns elementos vinculados à cultura cívica e política para contribuir na compreensão dos caminhos para a superação dessas dificuldades. O foco da análise está fundado nos dados do survey realizado na metrópole do Rio de Janeiro sobre o tema da cultura política e da cidadania. 1 Resumo expandido do artigo apresentado no 34º Encontro Anual da ANPOCS. 25 a 29 de outubro de 2010, Caxambu, MG. Edição

2 No contexto da cidade escassa (Maria Alice Resende de Carvalho), a experiência social se organiza com base em intensa fragmentação de juízos, o que torna muito frágil até mesmo o reconhecimento da propriedade, já que ela nada mais é do que um acordo quanto a limites. A violência, assim, não é algo que possa ser isolado nos interstícios da ordem, pois é uma das formas atuais de organização da sociedade que, prevista nas teorias sobre a desobediência legítima, se nutre do retraimento do Estado e mobiliza a cidade para o que não deixa de ser uma forma de sedição. Nesse sentido, a evolução política carioca e o padrão de ética social que deriva dela podem ser apresentados como uma história de variados tipos de nexo entre indivíduos e grupos selecionados e a esfera estatal que, embora mais recentemente tenha propiciado alguma integração social, não inscreveu a política representativa como a arena privilegiada para a resolução de demandas. O resultado desse processo se traduz, hoje, em duas práticas facilmente identificáveis: de um lado, a apatia da sociedade em relação ao mundo público, de outro, no comportamento da parcela mais pobre da população, que espera ser capturada pela malha do clientelismo urbano, agora exercido não apenas pelos seus agentes tradicionais, mas também por segmentos da burocracia estatal, igrejas e organizações não-governamentais, cuja ação, em meio à carência, tende a confirmar estratégias de racionalidade perversa, orientadas para a persistência desses vínculos de clientela. Além disso é notória a facilidade com que o crime organizado tem se apropriado dessa função, mobilizando, em grau crescente, recursos e pessoas para esse fim. Desagregamos a análise dos indicadores em três áreas, obedecendo aos seguintes critérios: a) estrutura social; b) formas de ocupação e uso do solo e de produção da moradia; c) concentração do bem-estar social Urbano; b) conexões com as áreas centrais e d) dimensões políticas. A aplicação destes critérios resultou na identificação das seguintes áreas: (i) Núcleo / Zona Sul ampliada; (ii) Subúrbios; e (iii) Periferia / Baixada Fluminense. Escolhemos examinar os indicadores sobre três temas: a) Disposições dos Indivíduos para o engajamento na vida política e b) as formas de exercício da cidadania. 2

3 Algumas observações sobre esses indicadores nos parecem importantes. A primeira refere-se às desigualdades do papel da escola na formação da percepção das atitudes dos adultos perante a política. No núcleo metropolitano, as pessoas são preparadas mais intensamente do que na periferia para o engajamento na vida política, adquirindo o que poderíamos talvez denominar do capital político traduzido em disposições internalizadas que valorizam esta esfera da vida social. As desigualdades sócio-territoriais quanto o acesso ao sistema de escolarização se traduz em desigualdades da cultura política, e podemos pressupor que desencadeie um círculo virtuso, ou seja, melhores escolas, maior predisposição para o engajamento político e acesso a melhores escolas. Mas a socialização para a política acontece também em outros momentos do ciclo vital e por outras esferas. Os indicadores mostram diferenças também sempre favoráveis aos moradores do núcleo metropolitano e, sobretudo, que a socialização secundária no conjunto metropolitano ocorre de maneira mais intensa nos círculos da sociabilidade mais pessoal da família, dos amigos, em contraposição ao que acontece nas esferas mais amplas do trabalho e da vida associativa. Certamente, esta constatação decorre da estreiteza das instituições da vida associativa e cívica na região metropolitana do Rio de Janeiro, como já revelado outras pesquisas como as realizadas pelo IBGE em 1996 e A maior disposição ao engajamento da vida política dos moradores do núcleo metropolitano se completa com a análise dos diferenciais do indicador de exposição à mídia informativa. Os indicadores mostram os diferenciais do nível de informação, sendo que, como era esperarado, a diferença é maior quanto à exposição às informações que circulam pela internet. Por fim, observamos que a maior pré-disposição dos moradores do núcleo para a vida política se expressa de maneira mãos sintética nos valores e crenças evidenciados pela pesquisa quanto à democracia. Na análise, chama atenção alguns pontos. O primeiro refere-se ao fato da população do núcleo ser mais associada. Portanto, ela dispõe de maiores parcelas do capital social convencional, aquele que depende de maior e mais duradouro engajamento na vida cívica da sociedade. Tal fato tem repercussões políticas, pois esta forma de capital social é mais 3

4 gerador de ações coletivas. Portanto, esta parte do espaço da metrópole concentra uma população com maior capacidade de aglutinar forças para as demandas de natureza distributiva. Não é sem razão que sabemos que nesta parte da metrópole tende a concentrar-se maiores parcelas dos investimentos urbanos. Neste sentido, esta maior parcela de capital social convencional acumulado no núcleo tende manter a reproduzir as desigualdades sociais no que concerne ao bem-estar urbano. Como uma forma de capital cívico leva a outra, esta parte da população do núcleo é mais mobilizada, possuindo, portanto, também outra forma de capital, ou seja, aquele tipo de capital menos fundado em ações de maior e mais duradouro capital social, mas também nos de tipo bridging ou bindig. São pessoas e grupos sociais com maior auto-mobilização, geradora de uma cidadania mais ativa. Estes fatos são coerentes com o mapa social da metrópole. O núcleo da metrópole fluminense, com efeito, concentra de maneira forte as camadas médias profissionais de nível de superior, via de regra trabalhadores intelectuais com maior presença nas formas associativas política (partido) e profissional (sindicato), como já mostraram outras pesquisas do IBGE e da Rede Observatório das Metrópoles. Ao mesmo tempo, por serem segmentos que detêm maior parcela do capital cultural têm maior capacidade de auto-mobilização. Quando olhamos o quadro que nos apresenta as variáveis preditoras do associtivismo percebemos que a mobilização contribui fortemente na geração do capital social convencional, mais tal fato tem maior expressão no núcleo do que nos subúrbios e na periferia metropolitana. Não é sem razão que os acontecimentos políticos de expressão na escala metropolitana e mesmo nacional acontecem nesta parte da cidade. É a tradução da deste poder social territorializado em capacidade convocatória da sociedade. Francisco de Oliveira escreveu no passado que o urbano no Brasil era as classes médias, sua capacidade de definir as necessidades urbanas, as prioridades e as formas de atendimento pelas políticas públicas. Ou seja, o poder de segregação gerar a segregação do poder. 4

5 O segundo ponto a assinalar é que os grupos associados e mobilizados no núcleo se distinguem dos moradores dos subúrbios e da periferia. Estes dois tendem a ser estaticamente iguais e diferentes dos moradores do núcleo. 5

Cidade e Cidadania: O efeito-metrópole sobre o exercício da cidadania política no Brasil

Cidade e Cidadania: O efeito-metrópole sobre o exercício da cidadania política no Brasil Cidade e Cidadania: O efeito-metrópole sobre o exercício da cidadania política no Brasil Luiz César de Queiroz Ribeiro Sergio de Azevedo Orlando Alves Santos Junior. O Observatório das Metrópoles IPPUR/UFRJ

Leia mais

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS Marcelo Gomes Ribeiro Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO O Observatório das Metrópoles divulgou recentemente a publicação referente ao Índice de Bem Estar

Leia mais

Salvador Desafios Principais

Salvador Desafios Principais Leitura de Bordo No. 09 (*) NOTA TEMÁTICA Salvador Desafios Principais Gilberto Corso (**) Salvador Problemas Legados Salvador enfrenta em 2015 um conjunto de problemas que podem comprometer seu desenvolvimento

Leia mais

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário PROJETO MILÊNIO: Observatório rio das Metrópoles: Território, rio, Coesão Social e Governança a Democrática Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO:

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO: URBANIZAÇÃO CONCEITO: É a transformação de espaços naturais e rurais em espaços urbanos, concomitantemente à transferência em larga escala da população do campo para a cidade êxodo rural em razão de diversos

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória

SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória As metrópoles e as transformações urbanas: Desigualdades, coesão social e governança democrática Rio de Janeiro - dezembro 2015 Roteiro 1. A METRÓPOLE NA REDE URBANA BRASILEIRA

Leia mais

Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA. Pedro Strozenberg Maio

Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA. Pedro Strozenberg Maio Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA Pedro Strozenberg (pedro@iser.org.br) Maio - 2015 Prevenção das Violências contra a Juventude e Mulheres Desafio Metropolitano com o exemplo

Leia mais

Ressignificação da juventude

Ressignificação da juventude Ressignificação da juventude Seminário de Integração Favela-Cidade Regina Novaes. maio de 2012 MESA 5: Ressignificação da juventude A proliferação de atividades ilegais e o constante isolamento das favelas

Leia mais

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas tem caráter multidisciplinar, integrando em suas disciplinas diversos

Leia mais

Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA

Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA 5 Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA 1 CONTROLE SOCIAL: O controle social é entendido como a participação do cidadão na gestão

Leia mais

Rede global de interações

Rede global de interações ECONOMIA INFORMACIONAL E GLOBAL ou Rede global de interações Sociedade em rede ( Manuel Castells ) Informacional: a produtividade e a competitividade ( de empresas, regiões e nações ) dependerão basicamente

Leia mais

Inovação substantiva na Administração Pública

Inovação substantiva na Administração Pública Inovação substantiva na Administração Pública XI Encontro Nacional de Escolas de Governo 10 e 11 de dezembro de 2015 Rosana Aparecida Martinez Kanufre Superintendência Instituto Municipal de Administração

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I Data: 27/04/2012 Aluno(a): n 0 ano: 7º turma: NOTA: Prof.(a): Haide Mayumi Handa Honda Ciente do Responsável: Data: / /2012 Instruções: 1. Esta avaliação contém 5 páginas e 10

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS

SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS A POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AS REGIÕES METROPOLITANAS Antonio Carlos F. Galvão (SDR-MI)

Leia mais

A ordem urbana na Região Metropolitana de Maringá: planejamento que produz segregação. Ana Lúcia Rodrigues RIO DE JANEIRO Dezembro de 2015

A ordem urbana na Região Metropolitana de Maringá: planejamento que produz segregação. Ana Lúcia Rodrigues RIO DE JANEIRO Dezembro de 2015 A ordem urbana na Região Metropolitana de Maringá: planejamento que produz segregação Ana Lúcia Rodrigues RIO DE JANEIRO Dezembro de 2015 CONTEÚDO DO CAPÍTULO INTRODUÇÃO I. A configuração da Região Metropolitana

Leia mais

OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS

OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS Juliana Cristina Franz 1 Carlos Vinícius da Silva Pinto 2 Giancarla Salamoni

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE

A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE Mesa de Diálogo 2 PRODUÇÃO do ESPAÇO PÚBLICO em SÃO LUIS, MARANHÃO. A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE Frederico Lago Burnett Professor Adjunto III UEMA São Luis, Ma. Dezembro, 2014 CIDADE:

Leia mais

Palavras Chave: Produção do Espaço Urbano; Segregação Socioespacial; Cidades Litorâneas; Santos SP; Baixada Santista.

Palavras Chave: Produção do Espaço Urbano; Segregação Socioespacial; Cidades Litorâneas; Santos SP; Baixada Santista. INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: Urbanização e segregação socioespacial na Baixada Santista: Mapeamento do município de Santos a partir dos dados do Censo - IBGE Área do Conhecimento

Leia mais

OS NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS E OS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO NÃO- FORMAL. A Geografia Levada a Sério

OS NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS E OS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO NÃO- FORMAL.  A Geografia Levada a Sério OS NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS E OS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO NÃO- FORMAL 1 Lutar pela igualdade sempre que as diferenças nos discriminem. Lutar pela diferença sempre que a igualdade nos descaracterize. Boaventura

Leia mais

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP Lucas Alonso 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP 2 Análise da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL

A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL XXI ENCONTRO TÉCNICO AESABESP A IMPORTÂNCIA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA PROMOÇÃO DO SANEAMENTO AMBIENTAL São Paulo/SP, 11 de Agosto de 2010 GERMANO HERNANDES FILHO PARADIGMA DA MODERNIDADE PARADIGMA

Leia mais

Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina

Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina Maria Clara Couto Soares Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e

Leia mais

Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo

Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo Inovação Setorial Pedro Passos & Adilson Primo Introdução Esta apresentação tem como objetivo iniciar, no âmbito da MEI, uma série de discussões acerca da possibilidade de obtermos maiores avanços na agenda

Leia mais

Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5

Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 1. (UEMG) circunscrito aos países que primeiro se industrializaram. Após

Leia mais

INSTITUCIONAL CS Terceirização e Trabalho Temporário

INSTITUCIONAL CS Terceirização e Trabalho Temporário CS TERCEIRIZAÇÃO INSTITUCIONAL A CS Terceirização e Trabalho Temporário foi fundada em 2010 por profissionais que acompanham a evolução deste mercado há mais de 20 anos. Toda a experiência adquirida ao

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Objetivo Geral: Superação da pobreza e geração de trabalho e renda no meio rural por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Objetivos Específicos: Inclusão produtiva das populações

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais O presente trabalho propôs a análise das desigualdades sociais a partir das percepções dos jovens participantes da pesquisa Juventude, Cultura Cívica e Cidadania. Os dados com os

Leia mais

UERJ ª Exame (Questões 46, 49, 51, 53, 55, 57, 58 e 59)

UERJ ª Exame (Questões 46, 49, 51, 53, 55, 57, 58 e 59) 2ª Exame (Questões 46, 49, 51, 53, 55, 57, 58 e 59) 1. (Questão 46) No mapa, são informados tanto a intensidade dos fluxos de passageiros por via aérea quanto o correspondente movimento de passageiros

Leia mais

Rio Grande do Norte. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Norte (1991, 2000 e 2010)

Rio Grande do Norte. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio Grande do Norte (1991, 2000 e 2010) Rio Grande do Norte Em, no estado do Rio Grande do Norte (RN), moravam 3,17 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,5%, 238,8 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 167 municípios,

Leia mais

SL-75. Instrumentos e políticas de mercantilização da propriedade versus a luta pelos direitos à cidade e à moradia: experiências em São Paulo, Rio

SL-75. Instrumentos e políticas de mercantilização da propriedade versus a luta pelos direitos à cidade e à moradia: experiências em São Paulo, Rio SL-75. Instrumentos e políticas de mercantilização da propriedade versus a luta pelos direitos à cidade e à moradia: experiências em São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza Coordenadora: Paula Freire Santoro

Leia mais

Sergipe. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Sergipe (1991, 2000 e 2010)

Sergipe. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Sergipe (1991, 2000 e 2010) Sergipe Em, no estado de Sergipe (SE), moravam 2,1 milhões de pessoas, onde parcela de 6,1% (126,9 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de municípios, dos quais 28 (37,3%) com menos

Leia mais

Presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes do. Analista Econômico da BHTRANS São Paulo, setembro de 2003

Presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes do. Analista Econômico da BHTRANS São Paulo, setembro de 2003 Políticas de Financiamento do Transporte Público Ricardo Mendanha Ladeira Presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes do Transporte Público Urbano e Diretor-Presidente da BHTRANS Nelson Dantas

Leia mais

A VIOLÊNCIA COMO UMA CONSEQUENCIA DA PRODUÇÃO DO ESPAÇO CAPITALISTA: UM ESTUDO DE CASO DO BAIRRO DE PEIXINHOS EM OLINDA - PE

A VIOLÊNCIA COMO UMA CONSEQUENCIA DA PRODUÇÃO DO ESPAÇO CAPITALISTA: UM ESTUDO DE CASO DO BAIRRO DE PEIXINHOS EM OLINDA - PE A VIOLÊNCIA COMO UMA CONSEQUENCIA DA PRODUÇÃO DO ESPAÇO CAPITALISTA: UM ESTUDO DE CASO DO BAIRRO DE PEIXINHOS EM OLINDA - PE Lourival Luiz dos Santos Junior ¹ ² ³ Francisco Tavares de Melo ¹ ² ³ Thiago

Leia mais

Rondônia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Rondônia (1991, 2000 e 2010)

Rondônia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Rondônia (1991, 2000 e 2010) Rondônia Em, no estado de Rondônia (RO), moravam 1,6 milhões de habitantes, onde uma parcela ainda discreta (4,7%, 73,3 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 52 municípios,

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Mato Grosso. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso (1991, 2000 e 2010)

Mato Grosso. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso (1991, 2000 e 2010) Mato Grosso Em 21, no estado de Mato Grosso (MT), moravam 3, milhões de pessoas, onde uma parcela de 5,1% (155,5 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 141 municípios, dos quais

Leia mais

Roraima. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Roraima (1991, 2000 e 2010)

Roraima. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Roraima (1991, 2000 e 2010) Roraima Em, no estado de Roraima (RR), moravam 4,5 mil habitantes, onde uma parcela ainda discreta (3,5%, 15,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 15 municípios, dos quais sete

Leia mais

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA LIMA, DICIEMBRE del 2012 Prof. Dr. Emilio Merino INDICE 1. Que es la movilidad

Leia mais

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PROGRAMAÇÃO DAS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL 19h00 - ABERTURA 19h15 - APRESENTAÇÃO SOBRE PLANO DIRETOR 19h30 - MOMENTO DE

Leia mais

QUESTÃO SOCIAL, POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: BREVES CONSIDERAÇÕES. Eixo temático: Questão Social e Serviço Social

QUESTÃO SOCIAL, POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: BREVES CONSIDERAÇÕES. Eixo temático: Questão Social e Serviço Social ISSN 2359-1277 QUESTÃO SOCIAL, POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: BREVES CONSIDERAÇÕES Ariani Juliana Geronimo, arianijuly11@gmail.com Kézia de Almeida Franco, kesia_franco@hotmail.com Nayara Cristina Bueno

Leia mais

Ana Paula Alves Ribeiro 1

Ana Paula Alves Ribeiro 1 AZUL - UMA DECLARAÇÃO DE AMOR À IEMANJÁ, A VELHA DONA DO MAR (2012/2013) BLUE - A DECLARATION OF LOVE TO IEMANJA, THE OLD MISTRESS OF THE SEA (2012/2013) Ana Paula Alves Ribeiro 1 Rio de Janeiro. No dia

Leia mais

O PODER PÚBLICO E A DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE. 1-Introdução

O PODER PÚBLICO E A DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE. 1-Introdução 1-Introdução O PODER PÚBLICO E A DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE 2-A questão ambiental 3-Desenvolvimento e sustentabilidade 4-O significado jurídico da proteção ambiental 5-Os instrumentos econômicos

Leia mais

Pará. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Pará (1991, 2000 e 2010)

Pará. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Pará (1991, 2000 e 2010) Pará Em 21, no estado do Pará (PA) moravam 7,6 milhões de pessoas, onde uma discreta parcela (4,8%, 36,4 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 143 municípios, dos quais 12 (8,4%)

Leia mais

Mato Grosso do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso do Sul (1991, 2000 e 2010)

Mato Grosso do Sul. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Mato Grosso do Sul (1991, 2000 e 2010) Mato Grosso do Sul Em 21, no estado de Mato Grosso do Sul (MS), moravam 2,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,6%, 162,2 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios,

Leia mais

Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados:

Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados: Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de 2010 2.4 Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados: 2.4.6 Trabalho infantil A exploração do trabalho é uma violação

Leia mais

GEOGRAFIA. 2.1 Base Estrutural da Geografia

GEOGRAFIA. 2.1 Base Estrutural da Geografia GEOGRAFIA 2.1 Base Estrutural da Geografia O que a Geografia estuda: Geo (terra) Grafia (escrita). Para o geografo Ruy Moreira: o espaço surge na relação do homem com seu meio; dois acontecimentos geram

Leia mais

SEMINÁRIO Araguaína em Foco: participação e direito à cidade.

SEMINÁRIO Araguaína em Foco: participação e direito à cidade. SEMINÁRIO Araguaína em Foco: participação e direito à cidade. REALIZAÇÃO DO EVENTO: Universidade Federal do Tocantins UFT. Cursos: Arquitetura e Urbanismo (Palmas), Direito (Palmas) e Geografia (Araguaína).

Leia mais

R E N O I R. REde de NOvos INdicadores de RIqueza

R E N O I R. REde de NOvos INdicadores de RIqueza R E N O I R REde de NOvos INdicadores de RIqueza 04-11-2016 1 RENOIR Rede de Novos Indicadores de Riqueza Sistema de Gestão do Conhecimento Portal de Comunicação Articulação Política Pesquisas Brasil Nossa

Leia mais

Bahia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado da Bahia (1991, 2000 e 2010)

Bahia. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado da Bahia (1991, 2000 e 2010) Bahia Em, no estado da Bahia (BA), moravam 14, milhões de pessoas, onde uma grande parcela (7,2%, 1, milhão) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 417 municípios, dos quais 69 (16,6%)

Leia mais

PROMOÇÃO DA EQUIDADE: UM DESAFIO PARA A GESTÃO

PROMOÇÃO DA EQUIDADE: UM DESAFIO PARA A GESTÃO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 PROMOÇÃO DA EQUIDADE: UM DESAFIO PARA A GESTÃO Katia Maria Barreto Souto Reginaldo Alves Chagas Painel 24/086 Gestão participativa,

Leia mais

METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira

METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira CONTEXTO A NOVA DINÂMICA TERRITORIAL O intenso processo de urbanização e a descentralização difusa de

Leia mais

REPERCUSSÕES TERRITORIAIS DECORRENTES DA POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA POLÍTICA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL BRASILEIRAS

REPERCUSSÕES TERRITORIAIS DECORRENTES DA POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA POLÍTICA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL BRASILEIRAS REPERCUSSÕES TERRITORIAIS DECORRENTES DA POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA POLÍTICA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL BRASILEIRAS Anelise Graciele Rambo UFRGS ane_rambo@yahoo.com.br

Leia mais

Amazonas. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Amazonas (1991, 2000 e 2010)

Amazonas. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Amazonas (1991, 2000 e 2010) Amazonas Em 21, no estado do Amazonas (AM), moravam 3,5 milhões de pessoas, onde uma parcela ainda discreta (4,%, 14,4 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 62 municípios, dos quais

Leia mais

DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO

DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO DESAFIOS DO ENFRENTAMENTO AOS CRIMES LETAIS INTENCIONAIS NO ESPÍRITO SANTO ANTECEDENTES HISTÓRICOS O processo de concentração demográfica nos centros metropolitanos do país nas últimas décadas foi acompanhado

Leia mais

Histórico. Mantenedora. Conselho Pedagógico

Histórico. Mantenedora. Conselho Pedagógico Histórico Por iniciativa de um grupo formado por professores universitários e profissionais liberais, liderados pelo professor Fábio Konder Comparato, foi constituída em São Paulo, em fins de 1991, a Associação

Leia mais

Primeira Infância Completa

Primeira Infância Completa Primeira Infância Completa Uma abordagem integrada do Desenvolvimento Infantil Seminário Itaú de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Printed Eduardo Pádua Outubro, 2011 Agenda 1. Educação Infantil

Leia mais

Tendências da Rede Urbana: Região de Influência das Cidades

Tendências da Rede Urbana: Região de Influência das Cidades Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia Tendências da Rede Urbana: Região de Influência das Cidades Claudio Stenner Workshop: Rede Estratégica de Cidades Brasília, 25 de julhoo de 2013 Considerações

Leia mais

Disciplina: Ética e Serviço Social. Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva

Disciplina: Ética e Serviço Social. Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva Disciplina: Ética e Serviço Social Professora Ms. Márcia Rejane Oliveira de Mesquita Silva Conhecendo o Código de Ética de 1993 Duas dimensões 1) Conteúdo dos princípios: conjunto de Valores fundamentais

Leia mais

E AUTONOMIA DAS MULHERES

E AUTONOMIA DAS MULHERES E AUTONOMIA DAS Faz-se necessário identificar as organizações de mulheres artesãs e possibilitar a articulação das cadeias produtivas de artesanatos geridas por mulheres. o que orienta o Programa O desafio

Leia mais

CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO

CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO Ricardo Bielschowsky, CEPAL e UFRJ Rio de janeiro, agosto de 2005 Contribuições de Furtado ao estruturalismo Inclusão de dimensão histórica

Leia mais

Reconhecendo a consolidação da Região Metropolitana de Fortaleza como um espaço integrado;

Reconhecendo a consolidação da Região Metropolitana de Fortaleza como um espaço integrado; CARTA VERDE DE FORTALEZA A vida de uma cidade, antes de tudo, é consolidada pela prática da política no seu seio. A política é a grande protagonista do desenvolvimento e é concretizada através dos políticos.

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos XIII Seminário Nacional de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral X Encontro do Comitê Temático Rede Brasileira de APL de Base Mineral - CT RedeAPLmineral APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação

Leia mais

ALTERNATIVAS. 1o lugar na categoria Trabalho Final de Graduação na XVª Premiação do IAB-MG, 2013 WALESKA CAMPOS RABELO

ALTERNATIVAS. 1o lugar na categoria Trabalho Final de Graduação na XVª Premiação do IAB-MG, 2013 WALESKA CAMPOS RABELO Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, v.20, n.27, 2º sem. 2013 164 EDIFÍCIO RESIDENCIAL: ESTRATÉGIAS ALTERNATIVAS 1o lugar na categoria Trabalho Final de Graduação na XVª Premiação do IAB-MG, 2013 WALESKA

Leia mais

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Lais Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, julho de 2012 Esquema da Apresentação 1. Trabalho decente e estratégia de desenvolvimento

Leia mais

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Por Raquel de Lucena Oliveira e João Luis Nery A publicação do Índice de Bem estar Urbano (IBEU), elaborado no âmbito do INCT Observatório das Metrópoles

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) I. Plano de aula: -Data: 24

Leia mais

GUARDAS MUNICIPAIS EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS

GUARDAS MUNICIPAIS EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Área de Promoção do Município e da Cidadania Núcleo de Articulação Político-Institucional Banco de Dados Municipais (IBAMCO) GUARDAS MUNICIPAIS EXISTENTES

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL A ação humana sobre a natureza faz parte da história da civilização. Neste inicio de século, porém, a consciência sobre os impactos desta intervenção tem adquirido

Leia mais

Relacionamento das Organizações (Empresas) com a Sociedade. Mario Aquino Alves

Relacionamento das Organizações (Empresas) com a Sociedade. Mario Aquino Alves Relacionamento das Organizações (Empresas) com a Sociedade Mario Aquino Alves Uma Sociedade Pluralística Forças Fraquezas Evita a concentração de poder Aumenta a liberdade de expressão e pensamento Possui

Leia mais

Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006

Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006 LAZER EM NATAL Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006 METODOLOGIA Foi feita a análise dos equipamentos públicos de lazer existentes em diversos bairros da cidade do Natal, e estabelecida a relação

Leia mais

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS

ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS Evolução dos modelos de gestão III Encuentro de la Red de Monitoreo y Evaluación de Política Pública en Colombia GOVERNO DE MINAS GERAIS Evolução constante 3 GERAÇÕES,

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Caderno de Atividades 016 Os exercícios deverão ser feitos no caderno. Resgatando conteúdos

Leia mais

Urbanização brasileira

Urbanização brasileira Urbanização brasileira A urbanização é um dos traços fundamentais da modernidade. Há urbanização quando o crescimento da população urbana supera o da população rural. O processo de urbanização no Brasil

Leia mais

Goiás. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Goiás (1991, 2000 e 2010)

Goiás. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Goiás (1991, 2000 e 2010) Goiás Em, no estado de Goiás (GO), moravam 6, milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,3%, 375,2 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 246 municípios, dos quais

Leia mais

Relação entre Gestão do Conhecimento e Marketing de Relacionamento com Cidadão estudo de Caso do Facebook da SES-MG

Relação entre Gestão do Conhecimento e Marketing de Relacionamento com Cidadão estudo de Caso do Facebook da SES-MG Relação entre Gestão do Conhecimento e Marketing de Relacionamento com Cidadão estudo de Caso do Facebook da SES-MG Leandro Peters Heringer lheringer@gmail.com Orientador: Prof. DR.Rodrigo Baroni de Carvalho

Leia mais

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO 2º CICLO DOMÍNIO DA CRITÉRIOS GERAIS PERFIL DO ALUNO: DESCRITORES GERAIS INSTRUMENTOS INDICADORES DE % Coordenação psico-motora. Sentido de pulsação/ritmo/harmonia/ fraseado. COGNITIVOS: APTIDÕES CAPACIDADES

Leia mais

Profª Ana Claudia Ramos Sacramento

Profª Ana Claudia Ramos Sacramento Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Formação de Professores Coordenação de Pesquisa CPesq Projetos DGEO (Atualização em Julho de 2015) Profª Ana Claudia Ramos Sacramento Um estudo sobre

Leia mais

APLICAÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO

APLICAÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO APLICAÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Componentes Aquisição e preparação dos dados e aplicações SR, GPS, Vetorização, Rasterização, Interpolação, etc. Armazenamento e manutenção dos dados Bases cadastrais georreferenciadas

Leia mais

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010)

Espírito Santo. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Espírito Santo (1991, 2000 e 2010) Espírito Santo Em, no estado do Espírito Santo (ES), moravam 3,5 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,1%, 249, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 78 municípios, dos

Leia mais

Políticas Públicas I. Modelos de Análise de Políticas Públicas. Professora: Geralda Luiza de Miranda. Julho/2011

Políticas Públicas I. Modelos de Análise de Políticas Públicas. Professora: Geralda Luiza de Miranda. Julho/2011 Políticas Públicas I Modelos de Análise de Políticas Públicas Professora: Geralda Luiza de Miranda Julho/2011 Temas Modelos de análise: Institucional e sistêmico; Elitista e pluralista; Da teoria da escolha

Leia mais

Instituições Participativas: da disseminação aos desafios a sua efetividade

Instituições Participativas: da disseminação aos desafios a sua efetividade Instituições Participativas: da disseminação aos desafios a sua efetividade Roberto Pires Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Diretoria de Estudos sobre Estado, Instituições e Democracia (Diest)

Leia mais

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL*

Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Políticas Públicas Integradas no Território A experiência da UPP SOCIAL* Ricardo Henriques Seminário Internacional: Determinantes sociais da saúde, intersetorialidade e equidade social na América Latina

Leia mais

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010 FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro 22-26 de março, 2010 ESTUDO DE CASO: Projeto de Desenvolvimento Econômico Regional do Ceará (Cidades do Ceara Cariri Central) Emanuela Rangel Monteiro CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Bacharelado em Gestão Ambiental Componente curricular: SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Bacharelado em Gestão Ambiental Componente curricular: SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Bacharelado em Gestão Ambiental Componente curricular: SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Professor Antônio Ruas 4 créditos 60 horas 1. Painel de sustentabilidade

Leia mais

II JORNADA DE AVALIAÇÃO PSICOLÒGICA DETRAN /RS

II JORNADA DE AVALIAÇÃO PSICOLÒGICA DETRAN /RS II JORNADA DE AVALIAÇÃO PSICOLÒGICA DETRAN /RS Os limites da técnica na avaliação psicológica para fins de habilitação Adriana Sylla Pereira Santos adrianasps@terra.com.br Os limites da técnica na avaliação

Leia mais

Minas Gerais. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Minas Gerais (1991, 2000 e 2010)

Minas Gerais. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Minas Gerais (1991, 2000 e 2010) Minas Gerais Em, no estado de Minas Gerais (MG), moravam 19,6 milhões de pessoas, em que uma parcela considerável (8,1%, 1,6 milhões) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 853 municípios,

Leia mais

Exercícios Fenômenos Sociais

Exercícios Fenômenos Sociais Exercícios Fenômenos Sociais 1. Ao fazer uso da sociologia de Max Weber, podemos afirmar que fenômenos sociais como, por exemplo, a moda, a formação do Estado ou o desenvolvimento da economia capitalista,

Leia mais

Ceará. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Ceará (1991, 2000 e 2010)

Ceará. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Ceará (1991, 2000 e 2010) Ceará Em, no estado do Ceará (CE), moravam 8,5 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,6%, 637,7) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 184 municípios, dos quais 21 (11,4%)

Leia mais

Oficina: Gestão do Trabalho no SUAS Competências e (Re)Organização

Oficina: Gestão do Trabalho no SUAS Competências e (Re)Organização Oficina: Gestão do Trabalho no SUAS Competências e (Re)Organização Jucimeri Isolda Silveira Qual o significado do trabalho combinado na assistência social? A que projeto político os trabalhadores se vinculam?

Leia mais

A CIDADE NOS TRILHOS uma campanha para o setor metroferroviário

A CIDADE NOS TRILHOS uma campanha para o setor metroferroviário 12ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA - FÓRUM TÉCNICO A CIDADE NOS TRILHOS uma campanha para o setor metroferroviário Bernardo Galvão Medeiros e Bianca Kwiatkowski Ribeiro Uma Campanha para o Setor

Leia mais

Estratificação social

Estratificação social 1 Estratificação social Conceito que analisa a existência de grupos hierarquicamente estabelecidos em uma sociedade. A estratificação social pode ser explicada por diversos elementos, como, por exemplo,

Leia mais

Evolução da frota de automóveis e motos no Brasil

Evolução da frota de automóveis e motos no Brasil Observatório das Metrópoles www.observatoriodasmetropoles.net Evolução da frota de automóveis e motos no Brasil Relatório 2013 (SINOPSE PRELIMINAR) Responsável: Juciano Martins Rodrigues juciano@observatoriodasmetropoles.net

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas Plano deve ser visto como uma marca que explicita o compromisso com a intrínseca

Leia mais

Tocantins. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Tocantins (1991, 2000 e 2010)

Tocantins. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Tocantins (1991, 2000 e 2010) Tocantins Em 21, no estado do Tocantins (TO), moravam 1,4 milhões de pessoas, onde 8,5 mil (5,8%) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 139 municípios, dos quais 113 (81,3%) com menos

Leia mais

A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL J O S É IRINEU R A N G E L R I G OT T I ( U F M G ) R E N ATO H A DAD (PUC-MINAS) DESAFIOS: País imenso, heterogêneo

Leia mais

Governança Metropolitana no Brasil

Governança Metropolitana no Brasil + Governança Metropolitana no Brasil Contribuições para as discussões em torno da RM Sul da Bahia Marco Aurélio Costa 1. Introdução Aspectos conceituais O que é uma região? Região vem do latim regere de

Leia mais