A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES"

Transcrição

1 47 A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES Nathália Oliveira Silva Costa 1 ; Alexandre Carvalho de Andrade Graduanda em Geografia (IFSULDEMINAS/Campus Poços de Caldas) - Bolsista PIBIC FAPEMIG; 2 Professor do curso de Geografia do IFSULDEMINAS/Campus Poços de Caldas; Pesquisador do Grupo de Estudos Regionais e Socioespaciais. Introdução As cidades médias, sob a perspectiva de grande parte da população interiorana, rural ou semirural, são valorizadas pela oferta de emprego, pela existência de infraestrutura básica, pelas oportunidades de acesso à informação, e pelos melhores recursos educacionais. Enfim, pela existência de bens e serviços essenciais à ascensão material e intelectual de seus moradores. Já as populações de grandes centros veem as cidades médias como lugares livres do excesso de poluição, com menores índices de criminalidade e menor custo de vida (AMORIM & SERRA, 2001). E essas interpretações devem-se ao fato de que historicamente as cidades médias foram alvos de politicas governamentais a fim de reduzir os problemas socioambientais e o fluxo migratório que havia em direção às metrópoles (AMORIM & SERRA, 2001). Alvo tanto de migrantes vindos do meio rural, como provenientes de centros maiores, essas localidades, segundo Correa (2007), ganharam uma das mais importantes características das cidades médias: a posição de centros intermediários dentro das redes urbanas. Com o crescimento populacional e as novas dinâmicas socioeconômicas, o espaço urbano das cidades médias fragmentou-se de acordo com as classes sociais, a idade dos bairros e os recursos financeiros envolvidos, e se articula por meio da mobilidade de seus moradores, causada, em especial, pela difusão de veículos automotores após a década de setenta. Essa fragmentação confere às cidades

2 médias mais uma característica específica, o centro funcional bem individualizado e as periferias dinâmicas por conta dos novos usos dos espaços para fins econômicos e residenciais, sendo estes representados tanto pelos conjuntos habitacionais quanto pelos condomínios de luxo. São João da Boa Vista, com uma população urbana de mil habitantes (IBGE, 2010), é uma cidade que ocupa a posição de centro sub-regional, e, por conta disso, exerce influência em outros municípios de sua rede urbana (IBGE: Regiões de Influência das Cidades, 2007). Como ocorre com outras cidades médias, possui certa fragmentação de seu espaço urbano, com centro bem individualizado e áreas periféricas dinâmicas. Um exemplo dessa situação ocorre na região leste da cidade, onde se desenvolveram atividades do setor terciário. Tendo em vista o cenário supracitado, este trabalho tem por objetivo principal apresentar uma análise sobre um dos eixos da expansão urbana do município de São João da Boa Vista, o setor leste, evidenciando suas causas, as transformações ocorridas na paisagem e as consequências desse processo na vida da população local. Para atingir os objetivos propostos foram realizados trabalhos de campo, análises do plano diretor e do zoneamento urbano municipal, e a coleta e interpretação de fontes históricas e de indicadores demográficos. 48 A fragmentação do espaço urbano e as mudanças socioespaciais De acordo com Sposito (2008), o crescimento de uma cidade ocorre de três maneiras, que são complementares e se inter-relacionam: populacional, horizontal e vertical. Ou seja, populacional na medida em que há o aumento do contingente demográfico da cidade; horizontal quando ocorre a expansão do espaço urbanizado; e vertical, quando a cidade passa a apresentar maior número de edificações com mais de dois pavimentos, para funções residenciais, comerciais ou de prestação de serviços. Estas distintas e complementares formas de crescimento promovem significativas mudanças socioespaciais em uma cidade, e mesmo em suas relações com os municípios de sua rede urbana. Em decorrência disso, há consideráveis transformações na paisagem urbana e no cotidiano da população, e mesmo de sua área de influência, como houve na região leste da cidade de São João da Boa Vista, que, durante as últimas décadas, se tornou área de expansão urbana horizontal, constituindo, suas principais avenidas, novas centralidades. Na cidade sanjoanense a fragmentação do espaço urbano é notável: há um centro funcional e bem individualizado e áreas periféricas dinâmicas, em especial a região leste da cidade. Essa relação centro-periferia se dá em consequência da alta

3 especulação imobiliária, do rotineiro congestionamento e da falta de espaço para expansão nas áreas centrais, aspectos estes mais intensos nas metrópoles, mas que já começaram a incidir nas cidades médias. Devido também à facilidade de transporte e a busca por terras não ocupadas, a baixos preços e impostos, as áreas periféricas tornaram-se cada vez mais atrativas (CORREA, 1985). Em decorrência dessa busca por novos espaços de moradia, lazer, comércio e prestação de serviços, as avenidas do setor leste da cidade tornaram-se importantes centralidades (figura 1). Uma das principais avenidas é a Avenida Oscar Pirajá Martins, que, de acordo com o plano diretor do município de São João da Boa Vista, possui solo de uso misto (ZM), e é ocupada por imóveis destinados ao comércio. A oeste desta avenida, em direção ao centro, já começa a haver certas atividades comerciais e de prestação de serviços, enquanto a leste há o predomínio da função residencial. Os bairros a leste unem-se aos bairros exclusivamente voltados às moradias, localizados a norte da Avenida Durval Nicolau, fazendo com que o uso do espaço seja exclusivamente para a função residencial. A segunda avenida analisada é a Avenida Durval Nicolau, popularmente conhecida como Avenida Mantiqueira, que tem seu espaço reservado exclusivamente para uso comercial. As áreas do entorno dos corredores da avenida são loteamentos exclusivamente residenciais (R3), como mostra o mapa do zoneamento urbano do município. 49

4 50 Figura 1: Zoneamento Urbano em São João da Boa Vista A presença de locais destinados aos comércios, prestação de serviços e lazer, foi responsável pelo surgimento de novas centralidades na cidade, o que valorizou os lotes dos bairros nos quais as referidas estão presentes. Com a especulação imobiliária em alta, os lotes foram comprados por pessoas com maior poder aquisitivo. Essa dinâmica mudou o contexto da área, propiciando o surgimento de condomínios fechados e clubes particulares, além de uma transformação no comércio, que se voltou para a elite local, e mesmo regional. Esses espaços relativamente recentes, e sua forma de utilização restrita, conferem certa segregação socioespacial a este setor da cidade. A incorporação de novos símbolos de status e de modernidade vai fazendo com que a cidade se reorganize em torno deles (SCHIMIDT, 2012), o que torna as novas centralidades de São João da Boa Vista áreas de crescente expansão urbana e especulação imobiliária. Considerações Finais As avenidas Durval Nicolau e Oscar Pirajá Martins são consideradas, de acordo com o plano diretor municipal, vias principais da região leste da cidade, sendo

5 assim, é válido ressaltar que alguns comércios migraram para estas vias enquanto outros foram diretamente pensados para nelas estarem, como é o caso do Mc Donald s e da concessionária da Citroën. No entorno destas avenidas, está havendo um adensamento de residências voltadas a uma população de alto poder aquisitivo, fator que contribui para o desenvolvimento destas infraestruturas comerciais e de prestação de serviços; ao mesmo tempo, a implantação destes empreendimentos também valoriza este setor do espaço urbano de São João da Boa Vista, na medida em que permite aos moradores da área, mas também de outras partes da cidade e da região, adquirirem produtos e serviços diversos, sem necessariamente ter de recorrer a outros locais da cidade. Os lugares supracitados, mesmo sendo recentes, já estão incorporados ao modo de vida dos são-joanenses, que agem de forma a consolidar as relações socioespaciais que surgiram nessa área através da apropriação e uso dos espaços. Esta situação, que vem ocorrendo em diversas cidades médias, contribui para aumentar a fragmentação do espaço urbano, a exemplo do que ocorre em São João da Boa Vista. 51 Referências AMORIM FILHO, Osvaldo Bueno; SERRA, Rodrigo Valente. Evolução e perspectivas do papel das cidades médias no planejamento urbano e regional. In: ANDRADE, Thompson Almeida; SERRA, Rodrigo Valente (orgs.). Cidades médias brasileiras. Rio de Janeiro: IPEA, p CORREA, Roberto Lobato. O espaço urbano. São Paulo: Ática, CORREA, Roberto Lobato. Construindo o conceito de cidade média. In: SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão (org.). Cidades médias: espaços de transição. São Paulo: Expressão Popular, pp SCHIMIDT, Naiara Conservani. Cidades médias: segregação e as novas formas de sociabilidades. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 3. Anais... Pelotas: UFPEL, pp SPOSITO, Eliseu Savério. Redes e cidades. São Paulo: Edunesp, 2008.

OS DISTINTOS USOS DO SOLO NA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG)

OS DISTINTOS USOS DO SOLO NA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG) 398 OS DISTINTOS USOS DO SOLO NA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG) Mariana Medeiros Alves¹; Nathalia Oliveira Silva Costa², Alexandre Carvalho de Andrade³ ¹marianamedeirosalves@hotmail.com;

Leia mais

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO:

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO: URBANIZAÇÃO CONCEITO: É a transformação de espaços naturais e rurais em espaços urbanos, concomitantemente à transferência em larga escala da população do campo para a cidade êxodo rural em razão de diversos

Leia mais

PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG

PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG 428 PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG INTRODUÇÃO: ¹ Ariádina Aparecida Lelis Ribeiro Orientador: ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ ariadinaribeiro@bol.com.br

Leia mais

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS Carlos Vinícius da Silva Pinto Juliana Cristina Franz Giancarla Salamoni 1 INTRODUÇÃO A expansão do perímetro urbano,

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS. Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados, auto segregação.

CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS. Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados, auto segregação. CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS Willian Cesar Dadalto willdadalto@gmail.com PET Geografia UFMS Três Lagoas Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados,

Leia mais

ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL

ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL Monique Bruna Silva do Carmo 1, ²Orientadora Profa. Dra.Sandra Maria Fonseca da

Leia mais

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil ARCO METROPOLITANO Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil 29 de setembro de 2015 Baixada Fluminense I & II Municípios:

Leia mais

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário PROJETO MILÊNIO: Observatório rio das Metrópoles: Território, rio, Coesão Social e Governança a Democrática Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação

Leia mais

PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas

PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas EDUARDO DELLA MANNA DIRETOR-EXECUTIVO SECOVI-SP VICE-PRESIDÊNCIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS E URBANISMO METROPOLITANO número mínimo de vagas LEI

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA URBANIZAÇÃO BRASILEIRA Urbanização é um conceito geográfico que representa o desenvolvimento das cidades. Neste processo, ocorre a construção de casas, prédios, redes de esgoto, ruas, avenidas, escolas,

Leia mais

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011)

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011) Zona da Orla - ZO Área caracterizada pela predominância de empreendimentos residenciais verticais de uso fixo e de temporada, permeada pela instalação de atividades recreativas e turísticas onde se pretende

Leia mais

¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015

¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015 ¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015 Introdução Sara Cristiny Ramos Meireles A partir da década de 1970 as cidades médias brasileiras destacam-se no contexto nacional

Leia mais

Edge Cities o novo modelo de Desenvolvimento Imobiliário sustentável no Brasil. Roberto Carvalho Dias LandInvest 3 de Outubro 2013

Edge Cities o novo modelo de Desenvolvimento Imobiliário sustentável no Brasil. Roberto Carvalho Dias LandInvest 3 de Outubro 2013 Edge Cities o novo modelo de Desenvolvimento Imobiliário sustentável no Brasil Roberto Carvalho Dias LandInvest 3 de Outubro 2013 Sumário A demanda e oferta por faixa de renda Por que faltam terrenos A

Leia mais

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH SEMINÁRIO NACIONAL AS METRÓPOLES E AS TRANSFORMAÇÕES URBANAS: 9, 10 e 11 DE DEZEMBRO DE 2015 Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH Jupira Mendonça Luciana Andrade Alexandre Diniz História marcada

Leia mais

CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS.

CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS. CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS. Paula Neumann Novack 1 Gilciane Soares Jansen 2 Sidney Gonçalves Vieira 3 RESUMO O crescimento e expansão urbana existente

Leia mais

Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006

Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006 LAZER EM NATAL Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006 METODOLOGIA Foi feita a análise dos equipamentos públicos de lazer existentes em diversos bairros da cidade do Natal, e estabelecida a relação

Leia mais

I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano

I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano Introdução I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano II. III. A pesquisa Governança Metropolitana no Brasil a. Arranjos institucionais (volume I) b. Análise das FPICs selecionadas (volume

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS:

O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS: O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS: o caso da Ponta D Areia SÃO LUÍS/MA/BRASIL. Francisco Wendell Dias Costa (Geografia-UFMA) wendeldis@ibest.com.br Getúlio Estefânio

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS Marcelo Gomes Ribeiro Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO O Observatório das Metrópoles divulgou recentemente a publicação referente ao Índice de Bem Estar

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi COORDENADOR: Thiago Augusto Nogueira de Queiroz RESUMO

Leia mais

LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto

LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto BATISTA, Ramony Pereira LEITE, Marcos Esdras Laboratório de Geoprocessamento Departamento

Leia mais

Palavras-chave: Atividades Turísticas, Qualidade de Vida e Estância Turística de Presidente Epitácio (Estado de São Paulo, Brasil).

Palavras-chave: Atividades Turísticas, Qualidade de Vida e Estância Turística de Presidente Epitácio (Estado de São Paulo, Brasil). Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-5 ATIVIDADES TURÍSTICAS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE EPITÁCIO (ESTADO DE SÃO

Leia mais

Produção da Dinâmica Espacial Urbana e Valorização Imobiliária na Cidade de Itabaiana-SE 1- INTRODUÇÃO

Produção da Dinâmica Espacial Urbana e Valorização Imobiliária na Cidade de Itabaiana-SE 1- INTRODUÇÃO Autora-Taciana Andrade Teles UFS, Taciana_prin@hotmail.com Coautor: Cléverton Machado Reis UFS, Kleverton_iluminado@hotmail.com Coautora: Michele Santana de Jesus UFS,Mitcher2010@gmail.com Produção da

Leia mais

CORREDORES DE NEGÓCIOS. São Luís - MA. CORREDOR 9: Avenida dos Africanos / Areinha; Sacavém

CORREDORES DE NEGÓCIOS. São Luís - MA. CORREDOR 9: Avenida dos Africanos / Areinha; Sacavém CORREDORES DE NEGÓCIOS São Luís - MA CORREDOR 9: Avenida dos Africanos / Areinha; Sacavém 0. APRESENTAÇÃO Este resumo refere-se a atualização de informações do caderno de Corredores de Negócios de São

Leia mais

4 Contextualização das Escolas Pesquisadas

4 Contextualização das Escolas Pesquisadas 4 Contextualização das Escolas Pesquisadas Neste capítulo são apresentadas as Escolas C, D e E em relação ao contexto geográfico no qual estão inseridas, à caracterização da área ocupada pelas instituições

Leia mais

a) b) c) d) e) 3 2 1

a) b) c) d) e) 3 2 1 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 7 ª TURMA(S):

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1ºEM Material de apoio para o exame final Questão 01) Com relação às cidades de Recife, Fortaleza, Belo Horizonte, bem como as de Campinas (SP) Londrina (PR) e Campina

Leia mais

ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à Habitação de Interesse Social

ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à Habitação de Interesse Social Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

DECRETO N.º DE 11 DE ABRIL DE 2011.

DECRETO N.º DE 11 DE ABRIL DE 2011. DECRETO N.º 33648 DE 11 DE ABRIL DE 2011. Regula a construção de edificação em favelas declaradas áreas de especial interesse social, estabelece as normas para a legalização das edificações nas áreas que

Leia mais

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AUP 268 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURA URBANAS E REGIONAIS I RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE PLANEJAMENTO URBANO NO BRASIL

Leia mais

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP CENÁRIO Apresentação do PL 688/13 na CMSP Promulgado o PDE Lei nº 16.050/14 Apresentação

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos BAL. CAMBORIÚ TOTAL

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos BAL. CAMBORIÚ TOTAL A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográficos BAL. CAMBORIÚ TOTAL BALNEÁRIO CAMBORIÚ Balneário Camboriú possui excelente infra-estrutura de hospedagem com opções variadas para todo tipo de turista, desde

Leia mais

Ronaldo Roscoe

Ronaldo Roscoe Ronaldo Roscoe 31 9994-2839 A MASB é o resultado da fusão da competência, credibilidade, experiência e excelência da Metro Participações Imobiliárias, Alicerce Empreendimentos e Santa Bárbara Desenvolvimento

Leia mais

Migração. João Vechio Laurent Alphonse Rafael Silva

Migração. João Vechio Laurent Alphonse Rafael Silva Migração João Vechio 076761 Laurent Alphonse - 094876 Rafael Silva 095831 Agenda Histórico Incongruência Comparativa Reflexão Econômica Fluxos Migratórios no Mundo: 2006 Fluxos Migratórios para o Brasil

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO URBANA EM CRUZ DAS ALMAS E SANTO ANTÔNIO DE JESUS A PARTIR DA INSERÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA.

REESTRUTURAÇÃO URBANA EM CRUZ DAS ALMAS E SANTO ANTÔNIO DE JESUS A PARTIR DA INSERÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA. REESTRUTURAÇÃO URBANA EM CRUZ DAS ALMAS E SANTO ANTÔNIO DE JESUS A PARTIR DA INSERÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA. ELISSANDRO TRINDADE DE SANTANA Licenciado em Geografia, UFBA. etsantana@yahoo.com.br

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. ALUNO(a): Lista de atividade P1 Bimestre III Data da prova: 23/09/2016

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. ALUNO(a): Lista de atividade P1 Bimestre III Data da prova: 23/09/2016 zx GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:7º ALUNO(a): Lista de atividade P1 Bimestre III Data da prova: 23/09/2016 No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS Como pode cair no enem (ENEM) As migrações transnacionais, intensificadas e generalizadas nas últimas décadas do século XX, expressam aspectos particularmente

Leia mais

O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL

O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL Michelly Souza Lima Arthur Magon Whitacker (Orientador) Faculdade de Ciências e Tecnologia UNESP michellyslima@gmail.com

Leia mais

Tema: Fachadas Ativas. Palestrante: Thomaz Assumpção

Tema: Fachadas Ativas. Palestrante: Thomaz Assumpção Tema: Fachadas Ativas Palestrante: Thomaz Assumpção A Lei Novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo Eixos de Estruturação da Transformação Urbana Função de orientar o desenvolvimento urbano ao longo

Leia mais

Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba 2015

Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba 2015 Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba 2015 O zoneamento é a linguagem física da cidade. Divide a cidade em compartimentos sobre os quais incidem diretrizes

Leia mais

Leonardo Martins 1ª SÉRIE E.M. Geografia. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Leonardo Martins 1ª SÉRIE E.M. Geografia. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Geografia 3ª Leonardo Martins 1ª SÉRIE E.M. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Capitalismo Neoliberalismo Tecnologias para a produção Produção agrícola Agronegócio H1- Identificar elementos

Leia mais

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 *

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * Lucilene Dias Cordeiro Mônica de Oliveira Marques França Resumo: O estudo pretende analisar o fluxo migratório na Área Metropolitana

Leia mais

A Azul empreendimentos. imobiliários ASSUME O COMPROMISSO DE MANTER SEUS VALORES E SEMPRE ENTREGAR O

A Azul empreendimentos. imobiliários ASSUME O COMPROMISSO DE MANTER SEUS VALORES E SEMPRE ENTREGAR O A Azul empreendimentos imobiliários ASSUME O COMPROMISSO DE MANTER SEUS VALORES E SEMPRE ENTREGAR O MELHOR RESULTADO. Apresentação O Grupo Azul Empreendimentos Imobiliários, fundado em 1992, especializou-se

Leia mais

PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA

PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA Nome: Nº: Série: 2º ANO Turma: Profª JÉSSICA CECIM Data: JULHO 2016 1. ROTEIRO a) Industrialização Brasileira e Urbanização 2. EXERCÍCIOS 1. A respeito do processo da industrialização

Leia mais

Condomínios fechados em Mossoró/RN: novas formas de moradia e a produção de novas áreas habitacionais.

Condomínios fechados em Mossoró/RN: novas formas de moradia e a produção de novas áreas habitacionais. Condomínios fechados em Mossoró/RN: novas formas de moradia e a produção de novas áreas habitacionais. Michele de Sousa Doutoranda em Geografia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP/Presidente

Leia mais

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Por Raquel de Lucena Oliveira e João Luis Nery A publicação do Índice de Bem estar Urbano (IBEU), elaborado no âmbito do INCT Observatório das Metrópoles

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Com base na leitura da charge e nos conhecimentos sobre a conjuntura econômica mundial, pode-se

Com base na leitura da charge e nos conhecimentos sobre a conjuntura econômica mundial, pode-se Revisão ENEM 1. Observe a charge a seguir. Com base na leitura da charge e nos conhecimentos sobre a conjuntura econômica mundial, pode-se concluir que a) a revolução técnico-científica tem redefinido

Leia mais

MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013

MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013 MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013 O problema da mobilidade é comum a todos os grandes centros urbanos. Afeta o desenvolvimento do País ao

Leia mais

DINÂMICA IMOBILIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO NA METRÓPOLE GOIANIENSE

DINÂMICA IMOBILIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO NA METRÓPOLE GOIANIENSE Projeto de Pesquisa Equipe Aristides Moysés Eduardo Rodrigues da Silva Elcileni de Melo Borges Marcelo Gomes Ribeiro DINÂMICA IMOBILIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO NA

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado Gestão do Território e Habitação SEGETH PARCELAMENTO DO SOLO URBANO

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado Gestão do Território e Habitação SEGETH PARCELAMENTO DO SOLO URBANO SEGETH URBANO PROCEDIMENTOS CONPLAN 30/04/2015 TEREZA LODDER COORDENADORA DE URBANISMO - / URBANO Sob o ponto de vista legal, o parcelamento do solo é o processo físico-jurídico pelo qual o proprietário

Leia mais

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Brasília, 07 de maio de 2015 Roteiro 1. A Política Nacional de Desenvolvimento Urbano 2. Avanços institucionais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 122/2014.

PROJETO DE LEI Nº 122/2014. PROJETO DE LEI Nº 122/2014. ESTABELECE O PERÍMETRO URBANO DA SEDE DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA E REVOGA A LEI Nº 11.412, DE 19 DE JUNHO DE 2013. seguinte Lei: O PREFEITO MUNICIPAL, Faço saber que a Câmara

Leia mais

Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano;

Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO. Porto Alegre 2015

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO. Porto Alegre 2015 O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO Porto Alegre 2015 INDUSTRIALIZAÇÃO NO CAMPO: IMPUSIONA A MODERNIZAÇÃO AGRÍCOLA, CONCENTRANDO TERRAS E DIMNUINDO A OFERTA DE POSTOS DE TRABALHOS REPULSÃO MIGRAÇÃO CAMPO-CIDADE

Leia mais

Samuel P. Huntington, tratando das relações internacionais, já vem defendendo nos últimos anos a seguinte posição:

Samuel P. Huntington, tratando das relações internacionais, já vem defendendo nos últimos anos a seguinte posição: Questão 01 Samuel P. Huntington, tratando das relações internacionais, já vem defendendo nos últimos anos a seguinte posição: Minha tese é a de que a fonte fundamental de conflito neste novo mundo não

Leia mais

A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil

A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil Paulo Safady Simão Presidente da CBIC Fortaleza - CE 18/03/2010 Representante nacional e internacional das entidades empresariais da Indústria

Leia mais

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP Lucas Alonso 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP 2 Análise da

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 Carlos Paiva paivacardoso@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO Dando continuidade ao estudo iniciado no artigo Escolha

Leia mais

Revista de Geografia (UFPE) V. 31, No. 2, REVISTA DE GEOGRAFIA (UFPE)

Revista de Geografia (UFPE) V. 31, No. 2, REVISTA DE GEOGRAFIA (UFPE) PKS PUBLIC KNOWLEDGE PROJECT Revista de Geografia (UFPE) V. 31, No. 2, 2014 REVISTA DE GEOGRAFIA (UFPE) www.ufpe.br/revistageografia OJS OPEN JOURNAL SYSTEMS PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO E EXPANSÃO DOS EMPREENDIMENTOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ / Lei nº 1.589/2010 Regulamenta a implantação de CONDOMÍNIO RESIDENCIAL HORIZONTAL e CONDOMÍNIO RESIDENCIAL VERTICAL e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUAÇU, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA / DISCIPLINA: Humanas / Geografía Professor(a): MARCO POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 1ª 02 COMPETÊNCIA GERAL:

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA DEMOGRAFIA CATARINENSE NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ASPECTOS GERAIS DA DEMOGRAFIA CATARINENSE NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ASPECTOS GERAIS DA DEMOGRAFIA CATARINENSE NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI INTRODUÇÃO Beatriz Tamaso Mioto 1 A dinâmica demográfica brasileira apresentou mudanças significativas nos últimos trinta anos.

Leia mais

Santos: Diagnóstico Sócioeconômico

Santos: Diagnóstico Sócioeconômico Plano Diretor Participativo - Santos Santos: Diagnóstico Sócioeconômico Prof. Daniel Vazquez (Unisantos) Curso Por dentro do Plano Diretor Participativo, 12/05/2009. Plano Diretor Santos 1. Diagnóstico

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES. Profº Anderson Carlos

CRESCIMENTO DAS CIDADES. Profº Anderson Carlos CRESCIMENTO DAS CIDADES Profº Anderson Carlos URBANIZAÇÃO É o crescimento da proporção entre a população que vive em cidades em comparação com os habitantes de zonas rurais. A transferência da população

Leia mais

Workshop Internazionale Equinox 2016 Atelier de Criação Urbana- Wellbeing and Creative City Ascoli Piceno, Itália settembre 2016

Workshop Internazionale Equinox 2016 Atelier de Criação Urbana- Wellbeing and Creative City Ascoli Piceno, Itália settembre 2016 Workshop Internazionale Equinox 2016 Atelier de Criação Urbana- Wellbeing and Creative City Ascoli Piceno, Itália 12-24 settembre 2016 Apresentação POLÍTICA HABITACIONAL E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NA

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV Prévio EIV ESTUDOS PARA A REGULAMENTAÇÃO DO EIV NO MUNICÍPIO DE CURITIBA APRESENTAÇÃO AO CONCITIBA 31.05.2012 Coordenação de Uso do Solo IPPUC Prévio Regulamentação IPPUC CONCITIBA 31.05.2012 SUMÁRIO O

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal Abril 2012 UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 10 Introdução Sistema de Avaliação

Leia mais

Cidades, urbanismo e lazer

Cidades, urbanismo e lazer Curso: Tecnologia em Gestão Desportiva e do Lazer Disciplina: Planejamento de equipamentos e espaços de lazer Professora: Andréa Costa Cidades, urbanismo e lazer Como são as nossas cidades hoje? Elas sempre

Leia mais

O PAPEL DAS CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS NA CIDADE: CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PAPEL DAS CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS NA CIDADE: CONSIDERAÇÕES INICIAIS O PAPEL DAS CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS NA CIDADE: CONSIDERAÇÕES INICIAIS Gustavo Ferreira de Azevedo (Graduando em Geografia/ Bolsista FAPERJ/Uerj) Este trabalho é o resultado de uma pesquisa em andamento onde

Leia mais

ESPAÇO URBANO MUNDIAL. Conceitos, Evolução e Situação Atual

ESPAÇO URBANO MUNDIAL. Conceitos, Evolução e Situação Atual ESPAÇO URBANO MUNDIAL Conceitos, Evolução e Situação Atual Origens Desde a antiguidades cidades vem sendo erguidas. Ex: Cairo, Babilônia, Roma. Nessa época as cidades funcionavam apenas como centros de

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade Sugestões de avaliação Geografia 6 o ano Unidade 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Para a Geografia, o que é paisagem? 2. Desenhe três elementos naturais e três elementos culturais que podem compor as paisagens.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 250.3102.3 GEOGRAFIA HUMANA E ECONÔMICA PROFESSOR (A) OBJETIVOS 1ª 02 34

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.35, v.2, p , ago./dez RESENHA

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.35, v.2, p , ago./dez RESENHA RESENHA Jéssica Oliveira Barbosa Graduanda em Geografia da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal da Universidade Federal de Uberlândia - UFU. Rua Vinte, 1600, Tupã, CEP: 38.304-402, Ituiutaba-MG.

Leia mais

CIDADES CONTEMPORÂNEAS POLÍTICA URBANA, ACUMULAÇÃO CAPITALISTA E VULNERABILIDADE SOCIAL

CIDADES CONTEMPORÂNEAS POLÍTICA URBANA, ACUMULAÇÃO CAPITALISTA E VULNERABILIDADE SOCIAL CIDADES CONTEMPORÂNEAS POLÍTICA URBANA, ACUMULAÇÃO CAPITALISTA E VULNERABILIDADE SOCIAL Nelba Azevedo Penna Universidade de Brasília nelba@unb.br INTRODUÇÃO: A profundidade da transformação dos processos

Leia mais

LOTEAMENTO ROTA DAS FLORES

LOTEAMENTO ROTA DAS FLORES LOTEAMENTO ROTA DAS FLORES Proprietária: Rota das Flores Empreendimentos Imobiliários Ltda. Local: Estrada Municipal ATN 050, Imóvel Denominado Campos Salles. Município: Artur Nogueira SP. Comarca: Mogi

Leia mais

Os condomínios horizontais em Presidente Prudente: um caso de segregação urbana [1]

Os condomínios horizontais em Presidente Prudente: um caso de segregação urbana [1] Os condomínios horizontais em Presidente Prudente: um caso de segregação urbana [1] Oscar Alfredo Sobarzo Miño. Rua 1 o de setembro, 77 (fundos) - Vila Malamam - 19015-600 - Presidente Prudente-SP. UNESP

Leia mais

PROJETO DE HABITAÇÃO SOCIAL EM ÁREA DE LAZER EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP ESTUDO DE CASO

PROJETO DE HABITAÇÃO SOCIAL EM ÁREA DE LAZER EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP ESTUDO DE CASO 389 PROJETO DE HABITAÇÃO SOCIAL EM ÁREA DE LAZER EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP ESTUDO DE CASO Mariana Malheiro Negrão Bandeira¹, Karen Staquecini Martinês¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda², Marcela do Carmo

Leia mais

Reordenamento Territorial e Viabilidade Municipal na Região de Integração Lago de Tucuruí.

Reordenamento Territorial e Viabilidade Municipal na Região de Integração Lago de Tucuruí. Reordenamento Territorial e Viabilidade Municipal na Região de Integração Lago de Tucuruí. Andressa Cardoso Kzan Bolsista PIBIC/ CNPq do Núcleo de Pesquisas Ambientais da Amazônia. E-mail: andressakzan1@gmail.com

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD Professor (a):rosi Magda Guimarães Disciplina:Geografia Ano:2015 Bimestre: 2º ano A 1º bimestre ESTRUTURANTES: :

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

Segregação Espacial PROBLEMAS SOCIAIS URBANOS

Segregação Espacial PROBLEMAS SOCIAIS URBANOS PROBLEMAS SOCIAIS URBANOS Segregação Espacial Atualmente, todos os grandes centros urbanos possuem um arranjo espacial fracionado, isso significa que existem várias partes que compõem o todo, no entanto,

Leia mais

Federação desigual. Assimetrias regionais. Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20%

Federação desigual. Assimetrias regionais. Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20% Federação desigual Assimetrias regionais Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20% Região Centro-oeste 9,57% 7% 18,90% Região Nordeste 13,40% 28% 18,20%

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB 2013 O desafio de: - Fortalecer espaços produtivos - Aproximar a oferta de empregos dos locais de moradia Fonte: Pesquisa

Leia mais

CIDADES MELHORES, MAS AINDA DESIGUAIS. A Geografia Levada a Sério

CIDADES MELHORES, MAS AINDA DESIGUAIS.  A Geografia Levada a Sério CIDADES MELHORES, MAS AINDA DESIGUAIS CIDADES MELHORES, MAS AINDA DESIGUAIS A qualidade de vida nas metrópoles brasileiras melhorou, no séc. XXI, entre os anos de 2000 a 2010, com base no Censo; É o que

Leia mais

Análise da valorização imobiliária no espaço urbano de Ponta Grossa PR

Análise da valorização imobiliária no espaço urbano de Ponta Grossa PR Análise da valorização imobiliária no espaço urbano de Ponta Grossa PR ANA CAROLINA OLIVEIRA * Resumo O presente artigo se destina a compreender o processo de valorização imobiliária na cidade paranaense

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

Povoamento disperso; económicas predominantes: agricultura, pecuária e silvicultura.

Povoamento disperso; económicas predominantes: agricultura, pecuária e silvicultura. Ano Lectivo 2010/2011 Geografia 8º Ano de escolaridade Professora Márcia Monsanto Áreas de fixação humana Espaço rural: Povoamento disperso; Actividades económicas predominantes: agricultura, pecuária

Leia mais

Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento

Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Porto Alegre, 2015 Se encontra no cruzamento da área central e municípios da Região Metropolitana; Grande

Leia mais

A DEGRADAÇÃO DO ESPAÇO URBANO EM TERRITÓRIOS DE CERRADO E O PATRIMÔNIO CULTURA DE ITUIUTABA (MG)

A DEGRADAÇÃO DO ESPAÇO URBANO EM TERRITÓRIOS DE CERRADO E O PATRIMÔNIO CULTURA DE ITUIUTABA (MG) A DEGRADAÇÃO DO ESPAÇO URBANO EM TERRITÓRIOS DE CERRADO E O PATRIMÔNIO CULTURA DE ITUIUTABA (MG) Daniel Severino Oliveira 1 Marcilene Gonçalves Teodoro 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho origina-se de um

Leia mais

CORREDORES DE NEGÓCIOS. São Luís - MA. CORREDOR 4: Avenida Marechal Castelo Branco / São Franscisco

CORREDORES DE NEGÓCIOS. São Luís - MA. CORREDOR 4: Avenida Marechal Castelo Branco / São Franscisco CORREDORES DE NEGÓCIOS São Luís - MA CORREDOR 4: Avenida Marechal Castelo Branco / São Franscisco 01. APRESENTAÇÃO Este resumo refere-se a atualização de informações do caderno de Corredores de Negócios

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990 Isabel Caldas Borges Mestranda do Programa de Pós Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Marconi Gomes da Silva Professor Doutor do Departamento de Economia da Universidade

Leia mais

Visite nosso stand no local - Av. Adolfo Konder, Itajaí - SC Comercialização: (11) (47) 3368.

Visite nosso stand no local - Av. Adolfo Konder, Itajaí - SC Comercialização: (11) (47) 3368. www.parkcityitajai.com.br Visite nosso stand no local - Av. Adolfo Konder, 1601 - Itajaí - SC Comercialização: (11) 5508.4500 - (47) 3368.3570 Shopping ParkCity Itajaí. O novo centro de compras e lazer

Leia mais