PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário"

Transcrição

1 PROJETO MILÊNIO: Observatório rio das Metrópoles: Território, rio, Coesão Social e Governança a Democrática Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação do espaço o social das metrópoles nordestinas: SALVADOR, RECIFE, NATAL e FORTALEZA

2 O PROJETO MILÊNIO Tema Central: Os efeitos das transformações econômicas geradas pela globalização e pela reestruturação produtiva,, em curso desde o final dos anos 70, na constituição de um novo sistema urbano mundializado e na formação de uma nova ordem sócios cio-espacial das grandes metrópoles poles,, efeitos concentrados, sobretudo, naquelas que foram pólos p do modelo anterior de desenvolvimento Questão central: Dualização social / fragmentação espacial como tendência da globalização Consenso: Não háh um modelo único de globalização

3 O PROJETO MILÊNIO Linha II: HIPÓTESE INICIAL Os processos sócios cio-espaciais - conceituados no projeto como diferenciação, segmentação e segregação - em curso nas metrópoles brasileiras têm enorme importância na compreensão dos mecanismos societários de exclusão e integração ão,, através s de seus efeitos sobre a estruturação social, os mecanismos de produção/reprodu ão/reprodução de desigualdades e as relações de interação e sociabilidade entre os grupos e classes sociais. Sub-Linha Linha: Descrição, análise da dinâmica e evolução da organização social do território rio das Metrópoles /2000 as PESQUISAS - inclusive sobre o mercado imobiliário - devem estabelecer relação com a construção das tipologias sócios cio-ocupacionais ocupacionais

4 PESQUISA: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação do espaço o social das metrópoles nordestinas: SALVADOR, RECIFE, NATAL e FORTALEZA O Projeto Regional: Objeto de Estudo: Associação entre o mercado imobiliário e o mercado turístico Eixos de Pesquisa: EIXO 1: Investimentos, financiamentos e Políticas Públicas voltados ao setor turístico / imobiliário EIXO 2: Configuração espacial e modificações no território metropolitano EIXO 3: EIXO 3: O capital imobiliário, turístico e financeiros e as estratégias dos diversos agentes

5 PESQUISA: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação do espaço o social das metrópoles nordestinas: SALVADOR, RECIFE, NATAL e FORTALEZA Hipóteses Uma nova configuração empresarial/competitiva,, com predomínio de grupos estrangeiros, caracteriza uma nova forma de apropriação imobiliária nas metrópoles nordestinas A capacidade de adaptação e concorrência a novas estratégias de captação de recursos em mercados mais flexíveis veis, configurada pela presença a do turismo imobiliário rio-empresarial, possibilita a associação cada vez maior da indústria de construção civil com o ramo hoteleiro Há um transbordamento de atividades historicamente concentradas na sede metropolitana motivado por novas relações do mercado imobiliário rio,, especificidades da legislação, diminuição populacional de áreas centrais, entre outros O empresariamento turístico vem favorecendo a criação de espaços segmentados permitindo a emergência de nichos territoriais e econômicos

6 PESQUISA: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação do espaço o social das metrópoles nordestinas: SALVADOR, RECIFE, NATAL e FORTALEZA Categorias / Variáveis: CAPITAL / MERCADO: imobiliário (fundiário) turístico (comercial / serviços) financeiro ESTADO gestão governança arranjos institucionais políticas públicasp ESPAÇO construído social ambiental MARKETING público / privado Indicadores Tipo de investidor Origem do capital Tipo de promotor Forma de propriedade fundiária Porte do empreendimento Tipos de transação acima de 2ha Fusões e/ou articulações entre grupos Faixas de renda atendidas pelo mercado Dados Fontes

7 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE AS POLÍTICAS DE TURISMO E O RECORTE ESPACIAL A CONSIDERAR: Para se entender os novos investimentos imobiliário rio-turísticos, é fundamental a análise das Políticas de Turismo e das economias que se criaram em torno das áreas objeto de investimentos. 1. PRODETUR-NE Projeto de dimensão regional Políticas públicas p de caráter local (Estadual) definiram estratégias de alocação de recursos distintas Priorização dos espaços litorâneos: : EX: - SALVADOR: Linha verde [litoral norte fora da RMSA] - RECIFE: Guadalupe (Rio Formoso) / Tamandaré [litoral sul fora da RMR] (em paralelo) Investimentos turísticos em Porto de Galinhas (Ipojuca) 2. MONUMENTA BID Investimentos nas áreas centrais/históricas ricas das metrópoles poles; - SALVADOR: Pelourinho - RECIFE: Bairro do Recife e Eixo Turístico Recife-Olinda (Projeto) - NATAL: Ribeira - FORTALEZA: Área central Dragão do Mar - e Iracema

8 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE AS POLÍTICAS DE TURISMO E O RECORTE ESPACIAL A CONSIDERAR: O PRODETUR e o MONUMENTA-BID encerram duas discussões teóricas distintas e atores distintos (vinculadas à questão da diferenciação, segmentação e segregação ão): 1. PRODETUR-NE (Programas de Desenvolvimento do Turismo): Priorizando os espaços litorâneos Discussão Teórica: Captação coletiva dos recursos da sociedade / Privatização dos ativos gerados / da paisagem do território; rio; Internacionalização Constituição de espaços reservados; Apropriação privada de capitais / de espaços de usos coletivos, favorecendo a segregação Cidades em rede Arranjos empresariais vinculados ao capital estrangeiro / Integração de capitais 2. MONUMENTA BID NATAL: Hipóteses para os Eixos de Pesquisa Investindo nas áreas centrais/históricas ricas das metrópoles Discussão Teórica: Processo de gentrificação (Formas como ela se opera: mais por atividades do que por residências) Dinâmica intraurbana Projeto Milênio e Projeto de Fortaleza contemplam essa política

9 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE AS POLÍTICAS DE TURISMO E O RECORTE ESPACIAL A CONSIDERAR : Considerando que: O foco central da pesquisa geral é a relação da dinâmica do mercado imobiliário com os processos sócios cio-espaciais diferenciação, segmentação e segregação - em curso nas metrópoles. A Linha II reúne projetos que contribuem para a análise das tipologias sócios cio-ocupacionais. INDAGA-SE: Que recorte espacial/temático tico adotar? - limitar-se ao espaço o metropolitano legalmente definido, considerando parte do PRODETUR e o MONUMENTA BID? - limitar-se ao turismo litorâneo / PRODETUR e excluir o turismo das áreas centrais/históricas ricas / MONUMENTA BID (de outra natureza)?

10 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE MUDANÇAS AS NA DINÂMICA DE ESTRUTURAÇÀ ÇÀO O URBANA : NATAL e FORTALEZA: Apontam para novas dinâmicas nos espaços de veraneio: NOVA MODALIDADE DE 2ª 2 RESIDÊNCIA: Empreendimentos imobiliários formais casas de veraneio para estrangeiros atendem ao turismo residencial ; Privilégio do turista em detrimento do residente: espaços produzidos para visitantes; Empreendimentos destinados às s classes alta e média m alta condomínios nios fechados, resorts, flats - que disputam com os assentamentos tradicionais a qualidade de cada localidade, acirrando a segregacão sócio-espacial

11 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE MUDANÇAS AS NA DINÂMICA DE ESTRUTURAÇÀ ÇÀO O URBANA : NATAL: Questiona, na formação das novas metrópoles nordestinas (Natal, grande São Luiz e Maceió) ) a relação centro-periferia (sede do município X aglomerados periféricos ricos da Região Metropolitana) e aponta para possíveis centralidades decorrentes do desenvolvimento urbano em áreas de interesse turístico stico. MUDANÇAS AS NO MODELO CENTRO-PERIFERIA (não acabado em algumas metrópoles) PARA UM NOVO MODELO FRACTAL: Processo que também m se observa na dinâmica recente de estruturação intra-urbana.

PROJETO DE PESQUISA Produção Imobiliária no Processo de Organização do Espaço Metropolitano do Recife.

PROJETO DE PESQUISA Produção Imobiliária no Processo de Organização do Espaço Metropolitano do Recife. INSTITUTO DO MILÊNIO Observatório das Metrópoles: Território, Coesão Social e Governança Democrática. Coordenação Nacional: Luis César Queiroz Ribeiro (IPPUR/UFRJ) Coordenação Região Metropolitana de Recife:

Leia mais

PROJETO MILÊNIO CNPq

PROJETO MILÊNIO CNPq OBSERVATÓRIO RIO DAS METRÓPOLES TERRITÓRIO, RIO, COESÃO SOCIAL E GOVERNANÇA DEMOCRÁTICA. PROJETO MILÊNIO CNPq LINHA DE PESQUISA Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliária ria-turísticas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Leandro Freitas Couto Analista de Planejamento e Orçamento 27.07.2016 Retomada do planejamento

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. A reestruturação do espaço mundial:modos de 1. Entender a reestruturação

Leia mais

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas:

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas: Referencial Teórico Redes de cooperação produtivas: Formas de cooperação a partir de alianças estratégicas: Complexos industriais / organizações virtuais / parques tecnológicos / incubadoras de empresas

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 3 Globalização e desenvolvimento local. Regiões ganhadoras e regiões perdedoras. Comparação entre regiões usando como indicador o Índice de dispersão do PIB per capita. Dinâmicas

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial 4-2011 Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL EIXO TEMÁTICO I MUNDO COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. Entender a reestruturação do espaço mundial

Leia mais

MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS. Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira

MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS. Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira 1 Estratégico OS MODELOS DE PLANEJAMENTO Sem caráter vinculativo, de conteúdo flexível; une objetivos

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória

SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória As metrópoles e as transformações urbanas: Desigualdades, coesão social e governança democrática Rio de Janeiro - dezembro 2015 Roteiro 1. A METRÓPOLE NA REDE URBANA BRASILEIRA

Leia mais

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO:

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO: URBANIZAÇÃO CONCEITO: É a transformação de espaços naturais e rurais em espaços urbanos, concomitantemente à transferência em larga escala da população do campo para a cidade êxodo rural em razão de diversos

Leia mais

Seminário. 12 novembro Iniciativa conjunta INE LNEC. António Manzoni - AECOPS

Seminário. 12 novembro Iniciativa conjunta INE LNEC. António Manzoni - AECOPS Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC António Manzoni - AECOPS 1 Desafio e Inovação na Reabilitação Urbana Perspetivas do Mercado de Reabilitação Visão AECOPS Sumário da Apresentação:

Leia mais

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH SEMINÁRIO NACIONAL AS METRÓPOLES E AS TRANSFORMAÇÕES URBANAS: 9, 10 e 11 DE DEZEMBRO DE 2015 Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH Jupira Mendonça Luciana Andrade Alexandre Diniz História marcada

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES 47 A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES Nathália Oliveira Silva Costa 1 ; Alexandre Carvalho de Andrade 2. 1 nathaliacosta40@hotmail.com;

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS -

ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS - ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS - TURISMO E LAZER BELO HORIZONTE - MG Extensão territorial município 331 km² População total (2010) 2.375.151 habitantes Densidade 7.175 hab/km² PIB ano 2008 R$ 42.151 bilhões

Leia mais

UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL

UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL www.idestur.org.br Um novo olhar sobre o Universo Rural NO TURISMO DE EXPERIÊNCIA EM ÁREAS RURAIS E NATURAIS VENDEMOS SONHOS

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE Museu do Douro PESO DA RÉGUA, 6 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico GRANDES

Leia mais

I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano

I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano Introdução I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano II. III. A pesquisa Governança Metropolitana no Brasil a. Arranjos institucionais (volume I) b. Análise das FPICs selecionadas (volume

Leia mais

Problemas ambientais no setor paulista da Serra do Mar:

Problemas ambientais no setor paulista da Serra do Mar: Problemas ambientais no setor paulista da Serra do Mar: condicionantes físicos e DH associadas Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br Antonio Carlos Vitte acvitte@ige.unicamp.br Departamento de Geografia,

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS

Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS Projeto Temático Os sistemas de espaços livres na constituição da forma urbana contemporânea no Brasil: produção e apropriação QUAPÁ-SEL Temas e atividades de trabalho das

Leia mais

METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira

METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira CONTEXTO A NOVA DINÂMICA TERRITORIAL O intenso processo de urbanização e a descentralização difusa de

Leia mais

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Mar nos Programas Temáticos Regionais 2014-2020 João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Panorama Nacional e Internacional Oceano Atlântico Norte Oceano Atlântico Sul Reafirmar Portugal

Leia mais

Salvador Desafios Principais

Salvador Desafios Principais Leitura de Bordo No. 09 (*) NOTA TEMÁTICA Salvador Desafios Principais Gilberto Corso (**) Salvador Problemas Legados Salvador enfrenta em 2015 um conjunto de problemas que podem comprometer seu desenvolvimento

Leia mais

Regulação Estatal e Desenvolvimento

Regulação Estatal e Desenvolvimento Federal University of Minas Gerais From the SelectedWorks of Eduardo Meira Zauli 1998 Regulação Estatal e Desenvolvimento Eduardo Meira Zauli, Dr., Federal University of Minas Gerais Available at: http://works.bepress.com/eduardo_zauli/10/

Leia mais

Estruturação do Complexo Metropolitano Expandido

Estruturação do Complexo Metropolitano Expandido (volta Metrópoles em Dados) Estruturação do Complexo Metropolitano Expandido No momento, técnicos da Emplasa desenvolvem estudos para melhor definição, estruturação e caracterização do Complexo Metropolitano

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS Premissas Importantes Os eventos têm importância significativa na área do turismo, além de ser a atividade que mais crescem nesse segmento. Segundo Zanella (2003),

Leia mais

ABANDONO DE TERRITÓRIOS: CAMINHOS?

ABANDONO DE TERRITÓRIOS: CAMINHOS? Seminário TERRITÓRIO E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS A Desertificação As Periferias Urbanas 7 de dezembro 2016 Centro de Congressos da Alfândega do Porto ABANDONO DE TERRITÓRIOS: CAMINHOS? Luís Ramos, Universidade

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS POR CONVITE PI 6.3 PRODUTOS TURÍSTICOS INTEGRADOS DE BASE INTERMUNICIPAL AVISO N.º CENTRO-14-2016-16 O Mérito do Projeto

Leia mais

Seja bem vindo! GIOVANNI MOCKUS Diretor Executivo

Seja bem vindo! GIOVANNI MOCKUS Diretor Executivo Nesse momento de crise política e econômica, percebe-se uma necessidade do mercado, tanto público quanto privado, pela prestação de serviços voltados para a capacitação profissional, técnicas de gestão,

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS POR CONVITE PI 6.3 PROMOÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL UNESCO AVISO N.º CENTRO-14-2016-14 O Mérito do Projeto (MP) é determinado

Leia mais

Brasil: 25 anos de estagnação e empecilhos à globalização

Brasil: 25 anos de estagnação e empecilhos à globalização Brasil: 25 anos de estagnação e empecilhos à prof.danilopastorelli@saojudas.br Mestre em Economia Graduado em História e Pedagogia 1980 2005: era de ajustes macroeconômicos setor externo indicadores sociais

Leia mais

FANY DAVIDOVICH - REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA - ARTIGOS E RESUMOS

FANY DAVIDOVICH - REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA - ARTIGOS E RESUMOS FANY DAVIDOVICH - REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA - ARTIGOS E RESUMOS 1966 28 4 Fany 1971 33 2 Fany 1977 39 3 Fany Aspectos geográficos de um centro industrial: Jundiaí em 1962 Formas de projeção espacial

Leia mais

Salão MICE- ABEOC BRASIL. Alavancando negócios, garantindo resultados

Salão MICE- ABEOC BRASIL. Alavancando negócios, garantindo resultados Salão MICE- ABEOC BRASIL Alavancando negócios, garantindo resultados 25 anos de networking gerando negócios FESTIVAL DO TURISMO DE GRAMADO Feira de destinos, produtos e serviços, situada entre as melhores

Leia mais

TÃO PERTO E TÃO LONGE: ARRANJOS FAMILIARES E TRABALHO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO EM 2010.

TÃO PERTO E TÃO LONGE: ARRANJOS FAMILIARES E TRABALHO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO EM 2010. TÃO PERTO E TÃO LONGE: ARRANJOS FAMILIARES E TRABALHO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO EM 2010. AUTORES: Sonoe Sugahara (ENCE/IBGE), Moema De Poli Teixeira (ENCE/IBGE) Zuleica Lopes Cavalcanti de Oliveira

Leia mais

Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6

Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6 Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6 Tema II.2 - Reestruturação produtiva, novas tecnologias e novas formas de organização social do trabalho e da produção: A (difícil) transição pós-fordista e o modelo

Leia mais

PARA ALÉM DO MURO ALTO: Turismo Imobiliário e novas configurações sócioespaciais na Região Metropolitana de Natal - RN/Brasil

PARA ALÉM DO MURO ALTO: Turismo Imobiliário e novas configurações sócioespaciais na Região Metropolitana de Natal - RN/Brasil FERREIRA, Angela Lúcia; SILVA, Alexsandro F. C. Para além do muro alto: Turismo Imobiliário e novas configurações sócio-espaciais na Região Metropolitana de Natal - RN/Brasil. In: VALENÇA, Márcio Moraes;

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

TURISMO COMO ECONOMIA LOCAL

TURISMO COMO ECONOMIA LOCAL TURISMO COMO ECONOMIA LOCAL A economia do turismo em Mato Grosso O turismo é indiscutivelmente a atividade econômica que mais cresce e se desenvolve em todo mundo. Vivemos em um período nitidamente marcado

Leia mais

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana Historia Linha do Tempo Avaliação dos impactos metropolitanos no Rio de Janeiro do ajuste macroeconômico da reestruturação produtiva 1996 Cadernos Metrópole 1999 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

Programa Institutos do Milênio Formulário para Parecer de Consultor A&A

Programa Institutos do Milênio Formulário para Parecer de Consultor A&A Programa Institutos do Milênio Formulário para Parecer de Consultor A&A Processo nº: Nº: 420.272/2 Identificação do Projeto Coordenador: Luiz Cesar Queiroz Ribeiro e Suzana Pasternack Título: Observatório

Leia mais

Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano;

Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Plano Municipal de Turismo Platum 2003

Plano Municipal de Turismo Platum 2003 Plano Municipal de Turismo Platum 2003 Expandindo o Turismo na Cidade de São Paulo Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo Accenture Consultoria Julho, 2002 1 Agenda Contexto O Plano Municipal

Leia mais

AULA 6 GEOGRAFIA URBANA. Reestruturação urbano industrial

AULA 6 GEOGRAFIA URBANA. Reestruturação urbano industrial AULA 6 GEOGRAFIA URBANA Reestruturação urbano industrial Indutor: Reestruturação produtiva em São Paulo: Crescimento maior do INTERIOR (perda de peso relativo da metrópole no crescimento industrial). Dados

Leia mais

O FUTURO DO INTERIOR Desafios e Oportunidades LUÍS RAMOS

O FUTURO DO INTERIOR Desafios e Oportunidades LUÍS RAMOS O FUTURO DO INTERIOR Desafios e Oportunidades LUÍS RAMOS 1 I. O INTERIOR: GEOGRAFIA OU METÁFORA? 2 I. O INTERIOR: GEOGRAFIA OU METÁFORA? 3 I. O INTERIOR: GEOGRAFIA OU METÁFORA? Perfil Territorial - Hipsometria,

Leia mais

Analytics no Turismo Melhores Decisões SÉRGIO GUERREIRO

Analytics no Turismo Melhores Decisões SÉRGIO GUERREIRO Analytics no Turismo Melhores Decisões SÉRGIO GUERREIRO Agenda Sobre o Turismo de Portugal Business Intelligence no Turismo Arquitetura do Sistema Primeiros resultados Next Steps 2 Turismo de Portugal

Leia mais

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município É uma lei Municipal que orienta os agentes públicos e privados no crescimento e o desenvolvimento urbano em todo o Município É

Leia mais

Aula 20: Princípios de Economia Urbana. Prof. Eduardo A. Haddad

Aula 20: Princípios de Economia Urbana. Prof. Eduardo A. Haddad Aula 20: Princípios de Economia Urbana Prof. Eduardo A. Haddad Relaxamento de hipóteses Modelo básico possui hipóteses irrealistas sobre uso residencial da terra Nova função bid-rent residencial com conjunto

Leia mais

O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027

O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027 Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável O TURISMO DE NATUREZA NA ESTRATÉGIA PARA O TURISMO 2027 Nuno fazenda Lisboa, 28 de outubro de 2016 AGENDA ET 27: enquadramento e percurso

Leia mais

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes;

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes; IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ECONOMIA DA SAÚDE 20 Anos de ABRES, do SUS e a Reafirmação da Proteção Universal Condições de financiamento em saúde nos grandes municípios

Leia mais

Francisco Beltrão Inovações e Desafios. Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE

Francisco Beltrão Inovações e Desafios. Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE Francisco Beltrão Inovações e Desafios Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE Agosto de 2015 Política de Desenvolvimento Local Sistema Regional de Inovação Serviços Urbanos CITFBE

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL

AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL Disciplina: Trabalho, Sociedade e Desigualdades Prof. Francisco E. B. Vargas Instituto de Filosofia, Sociologia e Política IFISP/UFPel - 2013/2

Leia mais

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha RESÍDUOS NO BRASIL Situação Atual da... Maioria Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CARROCEIROS E CATADORES DE MATERIAIS RECICLAVEIS ANCAT

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010 Regionalização e Segmentação do Turismo Natal, 23 de março de 2010 Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho

Leia mais

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO Castelo Branco 19 de Fevereiro de 2015 DO S AND DONT S DA INTERNACIONALIZAÇÃO DONT S Aventureiro Internacionalização para salvar a minha empresa Follow up 1 mês depois Mercados

Leia mais

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza Regional Nordeste Concessões e Parcerias Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de Fortaleza Programa de Gestão de PPPs do Estado do Piauí Viviane Moura Bezerra Superintendente de Parcerias

Leia mais

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014 Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão Abigail Torres Agosto de 2014 Constituição 1988 Institucionalização da AS LOAS 1993 PNAS 2004 NOB 2005 NOB-RH 2006 Tipificação de

Leia mais

QUINTA DA PORTELA coimbra. Viver Coimbra com mais Encanto.

QUINTA DA PORTELA coimbra. Viver Coimbra com mais Encanto. QUINTA DA PORTELA coimbra Viver Coimbra com mais Encanto. Preços desde 59.000 * na compra da 2ª Unidade Índice QUINTA DA PORTELA coimbra Investidores *Regulamento da Campanha disponível no Stand de Vendas.

Leia mais

A APLICABILIDADE DO CONCEITO DE CLUSTERS PARA A

A APLICABILIDADE DO CONCEITO DE CLUSTERS PARA A A APLICABILIDADE DO CONCEITO DE CLUSTERS PARA A GOVERNANÇA DO TURISMO EM SALVADOR UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA DOS RESIDENTES 1 CAROLINA DE ANDRADE SPINOLA 2 FERNANDA MENESES DE MIRANDA CASTRO 3 JORGE

Leia mais

A Expansão da Urbanização Litorânea e Turística na Região Metropolitana de Natal (RMN)

A Expansão da Urbanização Litorânea e Turística na Região Metropolitana de Natal (RMN) A Expansão da Urbanização Litorânea e Turística na Região Metropolitana de Natal (RMN) Ricardo Alexandre Paiva 1 Resumo O artigo analisa o processo de urbanização litorânea e turística verificado recentemente

Leia mais

Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA. Pedro Strozenberg Maio

Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA. Pedro Strozenberg Maio Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados - SEGURANÇA Pedro Strozenberg (pedro@iser.org.br) Maio - 2015 Prevenção das Violências contra a Juventude e Mulheres Desafio Metropolitano com o exemplo

Leia mais

Fortaleza. 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00)

Fortaleza. 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00) 5ª cidade em população: 2,45 milhões 9ª colocada em PIB 18ª capital em rendimento mensal total domiciliar per capita nominal (R$ 701,00) Classificação por renda domiciliar per capita Renda Domiciliar Per

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

BAIXA DEMANDA DE P&D PELO SETOR PRIVADO NACIONAL. ESTÁ SE CONSTRUINDO UM MARCO LEGAL PRECISA SER APRIMORADO. A LEI DO BEM É POUCO CONHECIDA, 630

BAIXA DEMANDA DE P&D PELO SETOR PRIVADO NACIONAL. ESTÁ SE CONSTRUINDO UM MARCO LEGAL PRECISA SER APRIMORADO. A LEI DO BEM É POUCO CONHECIDA, 630 Proposta para discussão da Empresa Brasileira de Pesquisa Industrial EMBRAPI Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Considerações iniciais BAIXA DEMAN DE P&D PELO SETOR PRIVADO NACIONAL.

Leia mais

Sonhar sozinho poder ser apenas um sonho; quando sonhamos juntos é mais fácil tornar uma realidade." Dom Helder

Sonhar sozinho poder ser apenas um sonho; quando sonhamos juntos é mais fácil tornar uma realidade. Dom Helder Turismo Rural e Natural Sonhar sozinho poder ser apenas um sonho; quando sonhamos juntos é mais fácil tornar uma realidade." Dom Helder O Associativismo como Indutor do Crescimento Empresarial Caso ACETER

Leia mais

DINÂMICA IMOBILIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO NA METRÓPOLE GOIANIENSE

DINÂMICA IMOBILIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO NA METRÓPOLE GOIANIENSE Projeto de Pesquisa Equipe Aristides Moysés Eduardo Rodrigues da Silva Elcileni de Melo Borges Marcelo Gomes Ribeiro DINÂMICA IMOBILIÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO ESPAÇO NA

Leia mais

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade O TRABALHO SOCIAL NA POLÍTICA NACIONAL DE HABITAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação

Leia mais

Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina

Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina Sistemas de Inovação, Desigualdade e Inclusão contribuição para uma agenda de pesquisa na América Latina Maria Clara Couto Soares Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e

Leia mais

Geografia - 6º AO 9º ANO

Geografia - 6º AO 9º ANO 5ª Série / 6º Ano Eixos norteadores Temas Conteúdo Habilidades Competências A Geografia como uma - Definição de Geografia - Noções de tempo e -Compreender processos - Identificar diferentes formas de representação

Leia mais

Políticas Comerciais, Financeiras e. Prof. Daniel M. Pinheiro

Políticas Comerciais, Financeiras e. Prof. Daniel M. Pinheiro Políticas Comerciais, Financeiras e Monetárias e Relações Norte-Sul. Prof. Daniel M. Pinheiro Objetivo Compreender o processo de desenvolvimento dos países, especialmente o caso brasileiro, com base nas

Leia mais

SL-36. Dispersão urbana e mobilidade populacional: implicações para o planejamento urbano e regional Coordenador: Eduardo Marandola Jr.

SL-36. Dispersão urbana e mobilidade populacional: implicações para o planejamento urbano e regional Coordenador: Eduardo Marandola Jr. SL-36. Dispersão urbana e mobilidade populacional: implicações para o planejamento urbano e regional Coordenador: Eduardo Marandola Jr. (UNICAMP) Resumo: Um dos grandes desafios do planejamento urbano

Leia mais

Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios?

Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios? Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios? Domingos Santos CICS-UM, 3 de Novembro de 2011 Agenda 1. Novos desafios para os territórios. 2. O que nos dizem as abordagens

Leia mais

CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido;

CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido; GRUPO 4 POLITICAS PUBLICAS CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido; - PP com foque muito pequeno (especificas),

Leia mais

Plano de Aula - Turismo, Hotelaria e Eventos - cód Horas/Aula

Plano de Aula - Turismo, Hotelaria e Eventos - cód Horas/Aula Plano de Aula - Turismo, Hotelaria e Eventos - cód. 4991-16 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Princípios de Turismo Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Princípios de Turismo Aula 3 Continuação do Capítulo

Leia mais

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Constituição do Brasil O que é SCJS Uma Estrategia De Reconhecimento e

Leia mais

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios COMUNICADO O SEBRAE NACIONAL Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio da Universidade Corporativa SEBRAE, comunica que, na prova, serão avaliados conhecimentos conforme as áreas descritas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua Sonia FLEURY (2002) A proliferação de redes de gestão resulta de fatores múltiplos que conformam uma nova realidade política e administrativa.

Leia mais

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA BRASILEIRA: 4 PRINCIPAIS DESAFIOS OS 4 GRANDES DESAFIOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL 1º DESAFIO:

Leia mais

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL O Processo de Construção do PIUMA-RS Resultados e Consequências Plano Diretor de Irrigação no Contexto

Leia mais

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território O que é um APL? O que é um APL? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação Empresarial Entidade ou Governo Instituição de Ensino

Leia mais

Turismo INATEL: do compromisso social à valorização do território

Turismo INATEL: do compromisso social à valorização do território Turismo INATEL: do compromisso social à valorização do território José Manuel Alho Vogal do Conselho de Administração Organização: Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável Confederação

Leia mais

As metrópoles no contexto econômico nacional

As metrópoles no contexto econômico nacional Página 1 As metrópoles no contexto econômico nacional Marcelo Gomes Ribeiro Doutorando em Planejamento Urbano e Regional IPPUR/UFRJ e Pesquisador do Observatório das Metrópoles A ocorrência da desconcentração

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

EXPRESSÕES DO PODER NACIONAL

EXPRESSÕES DO PODER NACIONAL ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO CURSO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO CP/ECEME 2013 EXPRESSÕES DO PODER NACIONAL EXPRESSÃO POLÍTICA A EXPRESSÃO POLÍTICA 1. SITUAÇÃO GEOPOLÍTICA 2. CONDICIONAMENTOS

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ AGÊNCIA DE INOVAÇÃO UFPR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ AGÊNCIA DE INOVAÇÃO UFPR EDITAL PERMANENTE DE SELEÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA MODALIDADE RESIDENTE Edital nº AGI-01/2017 Processo n.º 23075.153629/2016-59 Este Edital se regerá

Leia mais

AUP 266 Planejamento de Estruturas Urbanas I Prof. Maria Cristina Leme SETOR 6

AUP 266 Planejamento de Estruturas Urbanas I Prof. Maria Cristina Leme SETOR 6 AUP 266 Planejamento de Estruturas Urbanas I Prof. Maria Cristina Leme SETOR 6 Aruã Wagner Kim Hoffmann Luis Fernando Meyer Marieta Ribeiro Marina Leonardi Jundiaí faz parte da Região Administrativa de

Leia mais

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA LIMA, DICIEMBRE del 2012 Prof. Dr. Emilio Merino INDICE 1. Que es la movilidad

Leia mais

A geografia e o turismo: uma relação recente e necessária Prof.: Marcos Antônio Alves de Araújo

A geografia e o turismo: uma relação recente e necessária Prof.: Marcos Antônio Alves de Araújo A geografia e o turismo: uma relação recente e necessária Prof.: Marcos Antônio Alves de Araújo QUESTÕES INICIAIS 1. Quais são as inter-relações do turismo com a geografia? 2. Qual é a matéria-prima do

Leia mais

O MODELO DE INDUÇÕES: INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE DE ATIVIDADES PRODUTIVAS

O MODELO DE INDUÇÕES: INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE DE ATIVIDADES PRODUTIVAS O MODELO DE INDUÇÕES: INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE DE ATIVIDADES PRODUTIVAS Julio Cesar Wasserman Professor Associado Universidade Federal Fluminense Rede UFF de Meio

Leia mais