PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário"

Transcrição

1 PROJETO MILÊNIO: Observatório rio das Metrópoles: Território, rio, Coesão Social e Governança a Democrática Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação do espaço o social das metrópoles nordestinas: SALVADOR, RECIFE, NATAL e FORTALEZA

2 O PROJETO MILÊNIO Tema Central: Os efeitos das transformações econômicas geradas pela globalização e pela reestruturação produtiva,, em curso desde o final dos anos 70, na constituição de um novo sistema urbano mundializado e na formação de uma nova ordem sócios cio-espacial das grandes metrópoles poles,, efeitos concentrados, sobretudo, naquelas que foram pólos p do modelo anterior de desenvolvimento Questão central: Dualização social / fragmentação espacial como tendência da globalização Consenso: Não háh um modelo único de globalização

3 O PROJETO MILÊNIO Linha II: HIPÓTESE INICIAL Os processos sócios cio-espaciais - conceituados no projeto como diferenciação, segmentação e segregação - em curso nas metrópoles brasileiras têm enorme importância na compreensão dos mecanismos societários de exclusão e integração ão,, através s de seus efeitos sobre a estruturação social, os mecanismos de produção/reprodu ão/reprodução de desigualdades e as relações de interação e sociabilidade entre os grupos e classes sociais. Sub-Linha Linha: Descrição, análise da dinâmica e evolução da organização social do território rio das Metrópoles /2000 as PESQUISAS - inclusive sobre o mercado imobiliário - devem estabelecer relação com a construção das tipologias sócios cio-ocupacionais ocupacionais

4 PESQUISA: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação do espaço o social das metrópoles nordestinas: SALVADOR, RECIFE, NATAL e FORTALEZA O Projeto Regional: Objeto de Estudo: Associação entre o mercado imobiliário e o mercado turístico Eixos de Pesquisa: EIXO 1: Investimentos, financiamentos e Políticas Públicas voltados ao setor turístico / imobiliário EIXO 2: Configuração espacial e modificações no território metropolitano EIXO 3: EIXO 3: O capital imobiliário, turístico e financeiros e as estratégias dos diversos agentes

5 PESQUISA: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação do espaço o social das metrópoles nordestinas: SALVADOR, RECIFE, NATAL e FORTALEZA Hipóteses Uma nova configuração empresarial/competitiva,, com predomínio de grupos estrangeiros, caracteriza uma nova forma de apropriação imobiliária nas metrópoles nordestinas A capacidade de adaptação e concorrência a novas estratégias de captação de recursos em mercados mais flexíveis veis, configurada pela presença a do turismo imobiliário rio-empresarial, possibilita a associação cada vez maior da indústria de construção civil com o ramo hoteleiro Há um transbordamento de atividades historicamente concentradas na sede metropolitana motivado por novas relações do mercado imobiliário rio,, especificidades da legislação, diminuição populacional de áreas centrais, entre outros O empresariamento turístico vem favorecendo a criação de espaços segmentados permitindo a emergência de nichos territoriais e econômicos

6 PESQUISA: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação do espaço o social das metrópoles nordestinas: SALVADOR, RECIFE, NATAL e FORTALEZA Categorias / Variáveis: CAPITAL / MERCADO: imobiliário (fundiário) turístico (comercial / serviços) financeiro ESTADO gestão governança arranjos institucionais políticas públicasp ESPAÇO construído social ambiental MARKETING público / privado Indicadores Tipo de investidor Origem do capital Tipo de promotor Forma de propriedade fundiária Porte do empreendimento Tipos de transação acima de 2ha Fusões e/ou articulações entre grupos Faixas de renda atendidas pelo mercado Dados Fontes

7 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE AS POLÍTICAS DE TURISMO E O RECORTE ESPACIAL A CONSIDERAR: Para se entender os novos investimentos imobiliário rio-turísticos, é fundamental a análise das Políticas de Turismo e das economias que se criaram em torno das áreas objeto de investimentos. 1. PRODETUR-NE Projeto de dimensão regional Políticas públicas p de caráter local (Estadual) definiram estratégias de alocação de recursos distintas Priorização dos espaços litorâneos: : EX: - SALVADOR: Linha verde [litoral norte fora da RMSA] - RECIFE: Guadalupe (Rio Formoso) / Tamandaré [litoral sul fora da RMR] (em paralelo) Investimentos turísticos em Porto de Galinhas (Ipojuca) 2. MONUMENTA BID Investimentos nas áreas centrais/históricas ricas das metrópoles poles; - SALVADOR: Pelourinho - RECIFE: Bairro do Recife e Eixo Turístico Recife-Olinda (Projeto) - NATAL: Ribeira - FORTALEZA: Área central Dragão do Mar - e Iracema

8 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE AS POLÍTICAS DE TURISMO E O RECORTE ESPACIAL A CONSIDERAR: O PRODETUR e o MONUMENTA-BID encerram duas discussões teóricas distintas e atores distintos (vinculadas à questão da diferenciação, segmentação e segregação ão): 1. PRODETUR-NE (Programas de Desenvolvimento do Turismo): Priorizando os espaços litorâneos Discussão Teórica: Captação coletiva dos recursos da sociedade / Privatização dos ativos gerados / da paisagem do território; rio; Internacionalização Constituição de espaços reservados; Apropriação privada de capitais / de espaços de usos coletivos, favorecendo a segregação Cidades em rede Arranjos empresariais vinculados ao capital estrangeiro / Integração de capitais 2. MONUMENTA BID NATAL: Hipóteses para os Eixos de Pesquisa Investindo nas áreas centrais/históricas ricas das metrópoles Discussão Teórica: Processo de gentrificação (Formas como ela se opera: mais por atividades do que por residências) Dinâmica intraurbana Projeto Milênio e Projeto de Fortaleza contemplam essa política

9 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE AS POLÍTICAS DE TURISMO E O RECORTE ESPACIAL A CONSIDERAR : Considerando que: O foco central da pesquisa geral é a relação da dinâmica do mercado imobiliário com os processos sócios cio-espaciais diferenciação, segmentação e segregação - em curso nas metrópoles. A Linha II reúne projetos que contribuem para a análise das tipologias sócios cio-ocupacionais. INDAGA-SE: Que recorte espacial/temático tico adotar? - limitar-se ao espaço o metropolitano legalmente definido, considerando parte do PRODETUR e o MONUMENTA BID? - limitar-se ao turismo litorâneo / PRODETUR e excluir o turismo das áreas centrais/históricas ricas / MONUMENTA BID (de outra natureza)?

10 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE MUDANÇAS AS NA DINÂMICA DE ESTRUTURAÇÀ ÇÀO O URBANA : NATAL e FORTALEZA: Apontam para novas dinâmicas nos espaços de veraneio: NOVA MODALIDADE DE 2ª 2 RESIDÊNCIA: Empreendimentos imobiliários formais casas de veraneio para estrangeiros atendem ao turismo residencial ; Privilégio do turista em detrimento do residente: espaços produzidos para visitantes; Empreendimentos destinados às s classes alta e média m alta condomínios nios fechados, resorts, flats - que disputam com os assentamentos tradicionais a qualidade de cada localidade, acirrando a segregacão sócio-espacial

11 QUESTÕES A DISCUTIR SOBRE MUDANÇAS AS NA DINÂMICA DE ESTRUTURAÇÀ ÇÀO O URBANA : NATAL: Questiona, na formação das novas metrópoles nordestinas (Natal, grande São Luiz e Maceió) ) a relação centro-periferia (sede do município X aglomerados periféricos ricos da Região Metropolitana) e aponta para possíveis centralidades decorrentes do desenvolvimento urbano em áreas de interesse turístico stico. MUDANÇAS AS NO MODELO CENTRO-PERIFERIA (não acabado em algumas metrópoles) PARA UM NOVO MODELO FRACTAL: Processo que também m se observa na dinâmica recente de estruturação intra-urbana.

PROJETO DE PESQUISA Produção Imobiliária no Processo de Organização do Espaço Metropolitano do Recife.

PROJETO DE PESQUISA Produção Imobiliária no Processo de Organização do Espaço Metropolitano do Recife. INSTITUTO DO MILÊNIO Observatório das Metrópoles: Território, Coesão Social e Governança Democrática. Coordenação Nacional: Luis César Queiroz Ribeiro (IPPUR/UFRJ) Coordenação Região Metropolitana de Recife:

Leia mais

PROJETO MILÊNIO CNPq

PROJETO MILÊNIO CNPq OBSERVATÓRIO RIO DAS METRÓPOLES TERRITÓRIO, RIO, COESÃO SOCIAL E GOVERNANÇA DEMOCRÁTICA. PROJETO MILÊNIO CNPq LINHA DE PESQUISA Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliária ria-turísticas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. A reestruturação do espaço mundial:modos de 1. Entender a reestruturação

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial 4-2011 Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL EIXO TEMÁTICO I MUNDO COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. Entender a reestruturação do espaço mundial

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Leandro Freitas Couto Analista de Planejamento e Orçamento 27.07.2016 Retomada do planejamento

Leia mais

MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS. Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira

MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS. Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira 1 Estratégico OS MODELOS DE PLANEJAMENTO Sem caráter vinculativo, de conteúdo flexível; une objetivos

Leia mais

Desenvolvimento territorial com identidade cultural na zona costeira de Santa Catarina - Brasil

Desenvolvimento territorial com identidade cultural na zona costeira de Santa Catarina - Brasil Desenvolvimento territorial com identidade cultural na zona costeira de Santa Catarina - Brasil Bogota, 16-18 de março 2009 DINAMICA DE DESENVOLVIMENTO NO SUL DO BRASIL : O MODELO DE DESENVOLVIMENTO CATARINENSE

Leia mais

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO:

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO: URBANIZAÇÃO CONCEITO: É a transformação de espaços naturais e rurais em espaços urbanos, concomitantemente à transferência em larga escala da população do campo para a cidade êxodo rural em razão de diversos

Leia mais

GEOGRAFIA MÓDULO 9. Urbanização I. redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária. Professor Vinícius Moraes

GEOGRAFIA MÓDULO 9. Urbanização I. redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária. Professor Vinícius Moraes GEOGRAFIA Professor Vinícius Moraes MÓDULO 9 Urbanização I redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária O processo de urbanização apresenta diferentes dimensões,

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 3 Globalização e desenvolvimento local. Regiões ganhadoras e regiões perdedoras. Comparação entre regiões usando como indicador o Índice de dispersão do PIB per capita. Dinâmicas

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES 47 A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES Nathália Oliveira Silva Costa 1 ; Alexandre Carvalho de Andrade 2. 1 nathaliacosta40@hotmail.com;

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA Desafios urbano-metropolitanos Dr. Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles juciano@observatoriodasmetropoles.net 1) Condições ecológico-demográficas

Leia mais

Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável

Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável 2011 início do Projeto Litoral Sustentável - Desenvolvimento com Inclusão Social. Convênio entre Instituto Pólis e Petrobras. 2011 e 2012 - Elaboração de diagnósticos

Leia mais

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas:

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas: Referencial Teórico Redes de cooperação produtivas: Formas de cooperação a partir de alianças estratégicas: Complexos industriais / organizações virtuais / parques tecnológicos / incubadoras de empresas

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória

SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória As metrópoles e as transformações urbanas: Desigualdades, coesão social e governança democrática Rio de Janeiro - dezembro 2015 Roteiro 1. A METRÓPOLE NA REDE URBANA BRASILEIRA

Leia mais

Problemas ambientais no setor paulista da Serra do Mar:

Problemas ambientais no setor paulista da Serra do Mar: Problemas ambientais no setor paulista da Serra do Mar: condicionantes físicos e DH associadas Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br Antonio Carlos Vitte acvitte@ige.unicamp.br Departamento de Geografia,

Leia mais

Salvador Desafios Principais

Salvador Desafios Principais Leitura de Bordo No. 09 (*) NOTA TEMÁTICA Salvador Desafios Principais Gilberto Corso (**) Salvador Problemas Legados Salvador enfrenta em 2015 um conjunto de problemas que podem comprometer seu desenvolvimento

Leia mais

Desafios do Parque Hoteleiro Brasileiro para 2014 e 2016

Desafios do Parque Hoteleiro Brasileiro para 2014 e 2016 Desafios do Parque Hoteleiro Brasileiro para 2014 e 2016 Caio Sergio Calfat Jacob Convenção Secovi-SP 2011, 22/09/11 PARQUE HOTELEIRO BRASILEIRO OPORTUNIDADES DE DESENVOLVIMENTO Hotéis de Negócios e Eventos:

Leia mais

Política de Gestão da Paisagem e Diversidade Cultural

Política de Gestão da Paisagem e Diversidade Cultural Política de Gestão da Paisagem e Diversidade Cultural PDDI-RMBH Dezembro de 2010 A Política e seus Programas Programa 1- Conformação de Complexos Ambientais Culturais na RMBH Programa 2- Valorização e

Leia mais

Seminário. 12 novembro Iniciativa conjunta INE LNEC. António Manzoni - AECOPS

Seminário. 12 novembro Iniciativa conjunta INE LNEC. António Manzoni - AECOPS Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC António Manzoni - AECOPS 1 Desafio e Inovação na Reabilitação Urbana Perspetivas do Mercado de Reabilitação Visão AECOPS Sumário da Apresentação:

Leia mais

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH SEMINÁRIO NACIONAL AS METRÓPOLES E AS TRANSFORMAÇÕES URBANAS: 9, 10 e 11 DE DEZEMBRO DE 2015 Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH Jupira Mendonça Luciana Andrade Alexandre Diniz História marcada

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS -

ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS - ASPECTOS GERAIS ECONÔMICOS - TURISMO E LAZER BELO HORIZONTE - MG Extensão territorial município 331 km² População total (2010) 2.375.151 habitantes Densidade 7.175 hab/km² PIB ano 2008 R$ 42.151 bilhões

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO TURÍSTICO MATERIAL DE APOIO

DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO TURÍSTICO MATERIAL DE APOIO DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO TURÍSTICO MATERIAL DE APOIO ANTONINA-PR 2017 Resumo Relatório do diagnóstico e prognóstico da atividade turística do município de Antonina-PR, acrescido da proposição de ações

Leia mais

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Mar nos Programas Temáticos Regionais 2014-2020 João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Panorama Nacional e Internacional Oceano Atlântico Norte Oceano Atlântico Sul Reafirmar Portugal

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Governança Metropolitana no Brasil

Governança Metropolitana no Brasil + Governança Metropolitana no Brasil Contribuições para as discussões em torno da RM Sul da Bahia Marco Aurélio Costa 1. Introdução Aspectos conceituais O que é uma região? Região vem do latim regere de

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS POR CONVITE PI 6.3 PRODUTOS TURÍSTICOS INTEGRADOS DE BASE INTERMUNICIPAL AVISO N.º CENTRO-14-2016-16 O Mérito do Projeto

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE Museu do Douro PESO DA RÉGUA, 6 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico GRANDES

Leia mais

INVESTIR EM REPUBLICA DOMINICANA

INVESTIR EM REPUBLICA DOMINICANA Texto Quem Somos Missão A CCITPRD é uma Associação privada, sem fins lucrativos. A sua atividade centra-se, sobretudo, no estabelecimento de parcerias com empresas, organizações e profissionais especificamente

Leia mais

Publicado em: 07/03/2007

Publicado em: 07/03/2007 O Fórum Nacional de Reforma Urbana e o Programa de Aceleração do Crescimento: desafios na construção de um novo modelo de desenvolvimento sustentável com cidades Justas e democráticas* Publicado em: 07/03/2007

Leia mais

Plano Diretor Estratégico

Plano Diretor Estratégico Plano Diretor Estratégico 2014-2024 PARTE I Lógicas de produção e transformação do espaço urbano e o planejamento urbano 3 processos simultâneos de produção e transformação das cidades Adensamento Consolidação

Leia mais

A ordem urbana na Região Metropolitana de Maringá: planejamento que produz segregação. Ana Lúcia Rodrigues RIO DE JANEIRO Dezembro de 2015

A ordem urbana na Região Metropolitana de Maringá: planejamento que produz segregação. Ana Lúcia Rodrigues RIO DE JANEIRO Dezembro de 2015 A ordem urbana na Região Metropolitana de Maringá: planejamento que produz segregação Ana Lúcia Rodrigues RIO DE JANEIRO Dezembro de 2015 CONTEÚDO DO CAPÍTULO INTRODUÇÃO I. A configuração da Região Metropolitana

Leia mais

PARA ALÉM DO MURO ALTO: Turismo Imobiliário e novas configurações sócioespaciais na Região Metropolitana de Natal - RN/Brasil

PARA ALÉM DO MURO ALTO: Turismo Imobiliário e novas configurações sócioespaciais na Região Metropolitana de Natal - RN/Brasil FERREIRA, Angela Lúcia; SILVA, Alexsandro F. C. Para além do muro alto: Turismo Imobiliário e novas configurações sócio-espaciais na Região Metropolitana de Natal - RN/Brasil. In: VALENÇA, Márcio Moraes;

Leia mais

DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO

DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA E ÉTICA Curso de Zootecnia DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO MAIO 2017 Definição sociológica de rural: é um espaço

Leia mais

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território O que é um APL? O que é um APL? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação Empresarial Entidade ou Governo Instituição de Ensino

Leia mais

TÃO PERTO E TÃO LONGE: ARRANJOS FAMILIARES E TRABALHO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO EM 2010.

TÃO PERTO E TÃO LONGE: ARRANJOS FAMILIARES E TRABALHO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO EM 2010. TÃO PERTO E TÃO LONGE: ARRANJOS FAMILIARES E TRABALHO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO EM 2010. AUTORES: Sonoe Sugahara (ENCE/IBGE), Moema De Poli Teixeira (ENCE/IBGE) Zuleica Lopes Cavalcanti de Oliveira

Leia mais

TAV as consequências e oportunidades. O impacto sócio econômico do TAV no Vale do Paraíba

TAV as consequências e oportunidades. O impacto sócio econômico do TAV no Vale do Paraíba TAV as consequências e oportunidades O impacto sócio econômico do TAV no Vale do Paraíba ACXT Idom no Mundo @Idom Brasil Parque Boa Vista São José dos Campos - SP Brasil @Idom Brasil Plano de Estruturação

Leia mais

TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+

TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+ TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+ 1 EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS São considerados Empreendimentos Turísticos os estabelecimentos que se destinam a prestar serviços de alojamento turístico,

Leia mais

X Colóquio Internacional Sobre Poder Local Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios

X Colóquio Internacional Sobre Poder Local Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios X Colóquio Internacional Sobre Poder Local Desenvolvimento e Gestão Social de Territórios Empresarialismo Competitivo e Produção Imobiliária no Processo de Organização do Espaço Metropolitano do Recife

Leia mais

Banco do Nordeste do Brasil S.A.

Banco do Nordeste do Brasil S.A. Banco do Nordeste do Brasil S.A. POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARA O NORDESTE Novembro 2003 Banco do Nordeste do Brasil S.A. Instituição financeira pública, de caráter regional, criado pela Lei

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

ABANDONO DE TERRITÓRIOS: CAMINHOS?

ABANDONO DE TERRITÓRIOS: CAMINHOS? Seminário TERRITÓRIO E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS A Desertificação As Periferias Urbanas 7 de dezembro 2016 Centro de Congressos da Alfândega do Porto ABANDONO DE TERRITÓRIOS: CAMINHOS? Luís Ramos, Universidade

Leia mais

Uma Visão Transversal - FS

Uma Visão Transversal - FS Uma Visão Transversal - FS Equipas PMUS Distribuição de temas - abordagem transversal à Região Intermodalidade e informação ao público Rede rodoviária, tráfego e estacionamento Dinâmicas demográficas e

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA, GESTÃO PÚBLICA E MEIO AMBIENTE: UMA ANÁLISE MULTIDISCIPLINAR DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE NATAL

GOVERNANÇA METROPOLITANA, GESTÃO PÚBLICA E MEIO AMBIENTE: UMA ANÁLISE MULTIDISCIPLINAR DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE NATAL GOVERNANÇA METROPOLITANA, GESTÃO PÚBLICA E MEIO AMBIENTE: UMA ANÁLISE MULTIDISCIPLINAR DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE NATAL Pedro Augusto F. Albuquerque 1 O crescimento acelerado

Leia mais

Regulação Estatal e Desenvolvimento

Regulação Estatal e Desenvolvimento Federal University of Minas Gerais From the SelectedWorks of Eduardo Meira Zauli 1998 Regulação Estatal e Desenvolvimento Eduardo Meira Zauli, Dr., Federal University of Minas Gerais Available at: http://works.bepress.com/eduardo_zauli/10/

Leia mais

Migração de retorno na Região Nordeste do Brasil. Palavras-chave: migração interna, migração de retorno, Nordeste brasileiro.

Migração de retorno na Região Nordeste do Brasil. Palavras-chave: migração interna, migração de retorno, Nordeste brasileiro. Migração de retorno na Região Nordeste do Brasil Wilson Fusco Brasil Fundação Joaquim Nabuco Universidade Federal de Pernambuco Morvan de Mello Moreira Brasil Fundação Joaquim Nabuco Universidade Federal

Leia mais

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT http://consulta-protovt.inescporto.pt/ Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT PENICHE * 06 DE NOVEMBRO DE 2008 PROT: O QUE É É um instrumento de desenvolvimento territorial

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PRIORIDADE DE INVESTIMENTO: INVESTIMENTO NA CONSERVAÇÃO, PROTECÇÃO, PROMOÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PATRIMÓNIO CULTURAL

Leia mais

CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido;

CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido; GRUPO 4 POLITICAS PUBLICAS CONSIDERAÇÕES E PRESSUPOSTOS - Falta de cursos de pos-graduação em educação desenvolvimento sustentável e convivência com o Semiárido; - PP com foque muito pequeno (especificas),

Leia mais

Desenvolvimento Económico Regional

Desenvolvimento Económico Regional Desenvolvimento Económico Regional Conceito Aumento sustentado do emprego, rendimento e produtividade Desenvolvimento = Desenvolvimento Económico? séc. XIX anos 40 do séc. XX O conceito de desenvolvimento

Leia mais

QUINTA DA PORTELA coimbra. Viver Coimbra com mais Encanto.

QUINTA DA PORTELA coimbra. Viver Coimbra com mais Encanto. QUINTA DA PORTELA coimbra Viver Coimbra com mais Encanto. Preços desde 59.000 * na compra da 2ª Unidade Índice QUINTA DA PORTELA coimbra Investidores *Regulamento da Campanha disponível no Stand de Vendas.

Leia mais

ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL 5ª EDIÇÃO

ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL 5ª EDIÇÃO ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL 5ª EDIÇÃO INDICADORES DE MERCADO INDICADORES 3 A CONSTRUÇÃO CIVIL A crise do mercado imobiliário, um dos setores afetados pela crise econômica pela qual passa o país, deve ter

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

Contribuições para o Delineamento de Políticas para a Amazônia

Contribuições para o Delineamento de Políticas para a Amazônia Contribuições para o Delineamento de Políticas para a Amazônia Objetivo 1-Discutir Elementos para a Formatação de uma Política de Amparada: Na promoção do enraizamento do Pólo Industrial de Manaus Na relação

Leia mais

METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira

METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira CONTEXTO A NOVA DINÂMICA TERRITORIAL O intenso processo de urbanização e a descentralização difusa de

Leia mais

I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano

I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano Introdução I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano II. III. A pesquisa Governança Metropolitana no Brasil a. Arranjos institucionais (volume I) b. Análise das FPICs selecionadas (volume

Leia mais

Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS

Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS Projeto Temático Os sistemas de espaços livres na constituição da forma urbana contemporânea no Brasil: produção e apropriação QUAPÁ-SEL Temas e atividades de trabalho das

Leia mais

SL-36. Dispersão urbana e mobilidade populacional: implicações para o planejamento urbano e regional Coordenador: Eduardo Marandola Jr.

SL-36. Dispersão urbana e mobilidade populacional: implicações para o planejamento urbano e regional Coordenador: Eduardo Marandola Jr. SL-36. Dispersão urbana e mobilidade populacional: implicações para o planejamento urbano e regional Coordenador: Eduardo Marandola Jr. (UNICAMP) Resumo: Um dos grandes desafios do planejamento urbano

Leia mais

Aula 20: Princípios de Economia Urbana. Prof. Eduardo A. Haddad

Aula 20: Princípios de Economia Urbana. Prof. Eduardo A. Haddad Aula 20: Princípios de Economia Urbana Prof. Eduardo A. Haddad Relaxamento de hipóteses Modelo básico possui hipóteses irrealistas sobre uso residencial da terra Nova função bid-rent residencial com conjunto

Leia mais

Seja bem vindo! GIOVANNI MOCKUS Diretor Executivo

Seja bem vindo! GIOVANNI MOCKUS Diretor Executivo Nesse momento de crise política e econômica, percebe-se uma necessidade do mercado, tanto público quanto privado, pela prestação de serviços voltados para a capacitação profissional, técnicas de gestão,

Leia mais

A CIDADE NOS TRILHOS uma campanha para o setor metroferroviário

A CIDADE NOS TRILHOS uma campanha para o setor metroferroviário 12ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA - FÓRUM TÉCNICO A CIDADE NOS TRILHOS uma campanha para o setor metroferroviário Bernardo Galvão Medeiros e Bianca Kwiatkowski Ribeiro Uma Campanha para o Setor

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua Sonia FLEURY (2002) A proliferação de redes de gestão resulta de fatores múltiplos que conformam uma nova realidade política e administrativa.

Leia mais

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria.

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. HABILITAÇÃO: BACHARELADO 1ª Série 6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. 6GEO054 CLIMATOLOGIA Bases teóricas da climatologia:

Leia mais

Programa Institutos do Milênio Formulário para Parecer de Consultor A&A

Programa Institutos do Milênio Formulário para Parecer de Consultor A&A Programa Institutos do Milênio Formulário para Parecer de Consultor A&A Processo nº: Nº: 420.272/2 Identificação do Projeto Coordenador: Luiz Cesar Queiroz Ribeiro e Suzana Pasternack Título: Observatório

Leia mais

UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL

UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL UTILIZAÇÃO ÁREAS RURAIS PARA TURISMO RURAL E EQUESTRE INSTITUTO ESTRADA REAL www.idestur.org.br Um novo olhar sobre o Universo Rural NO TURISMO DE EXPERIÊNCIA EM ÁREAS RURAIS E NATURAIS VENDEMOS SONHOS

Leia mais

Plano Municipal de Turismo Platum 2003

Plano Municipal de Turismo Platum 2003 Plano Municipal de Turismo Platum 2003 Expandindo o Turismo na Cidade de São Paulo Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo Accenture Consultoria Julho, 2002 1 Agenda Contexto O Plano Municipal

Leia mais

TURISMO COMO ECONOMIA LOCAL

TURISMO COMO ECONOMIA LOCAL TURISMO COMO ECONOMIA LOCAL A economia do turismo em Mato Grosso O turismo é indiscutivelmente a atividade econômica que mais cresce e se desenvolve em todo mundo. Vivemos em um período nitidamente marcado

Leia mais

Estruturação do Complexo Metropolitano Expandido

Estruturação do Complexo Metropolitano Expandido (volta Metrópoles em Dados) Estruturação do Complexo Metropolitano Expandido No momento, técnicos da Emplasa desenvolvem estudos para melhor definição, estruturação e caracterização do Complexo Metropolitano

Leia mais

O Apoio da CAIXA à Copa do Mundo de 2014 Micro e Pequenas Empresas

O Apoio da CAIXA à Copa do Mundo de 2014 Micro e Pequenas Empresas O Apoio da CAIXA à Copa do Mundo de 2014 Micro e Pequenas Empresas Seminário O Programa Sebrae 2014 e o Sistema Público de Fomento Brasília, 28 de Novembro 2011 A CAIXA Eixos de Trabalho BANCO COMERCIAL

Leia mais

A APLICABILIDADE DO CONCEITO DE CLUSTERS PARA A

A APLICABILIDADE DO CONCEITO DE CLUSTERS PARA A A APLICABILIDADE DO CONCEITO DE CLUSTERS PARA A GOVERNANÇA DO TURISMO EM SALVADOR UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA DOS RESIDENTES 1 CAROLINA DE ANDRADE SPINOLA 2 FERNANDA MENESES DE MIRANDA CASTRO 3 JORGE

Leia mais

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

FANY DAVIDOVICH - REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA - ARTIGOS E RESUMOS

FANY DAVIDOVICH - REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA - ARTIGOS E RESUMOS FANY DAVIDOVICH - REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA - ARTIGOS E RESUMOS 1966 28 4 Fany 1971 33 2 Fany 1977 39 3 Fany Aspectos geográficos de um centro industrial: Jundiaí em 1962 Formas de projeção espacial

Leia mais

Quarto Distrito em Porto Alegre: reconhecimento da área e algumas referências

Quarto Distrito em Porto Alegre: reconhecimento da área e algumas referências Quarto Distrito em Porto Alegre: reconhecimento da área e algumas referências Foco na perspectiva de Modernização Produtiva e Inovação Tecnológica em função das potencialidades da realidade existente entre

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL A ação humana sobre a natureza faz parte da história da civilização. Neste inicio de século, porém, a consciência sobre os impactos desta intervenção tem adquirido

Leia mais

Sistema Financeiro Internacional: de Bretton Woods ao Não- Sistema. Prof. Dr. Diego Araujo Azzi Aula 4

Sistema Financeiro Internacional: de Bretton Woods ao Não- Sistema. Prof. Dr. Diego Araujo Azzi Aula 4 Sistema Financeiro Internacional: de Bretton Woods ao Não- Sistema Prof. Dr. Diego Araujo Azzi 2017.2 Aula 4 Leitura Conti et alli. O sistema monetário internacional e seu caráter hierarquizado. In: Cintra;

Leia mais

Novas Dinâmicas Imobiliárias e Redefinição da Estrutura Territorial - o caso da área metropolitana de Natal/RN

Novas Dinâmicas Imobiliárias e Redefinição da Estrutura Territorial - o caso da área metropolitana de Natal/RN FERREIRA, Angela Lúcia; SILVA, Alexsandro Ferreira Cardoso. Novas Dinâmicas Imobiliárias e Redefinição da Estrutura Territorial: o caso da área metropolitana de Natal/RN. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR,

Leia mais

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município É uma lei Municipal que orienta os agentes públicos e privados no crescimento e o desenvolvimento urbano em todo o Município É

Leia mais

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA O DESAFIO DE FAZER CIDADE NO BRASIL 90% da população mora em cidades Saneamento, habitação, saúde, educação, transporte, meio ambiente. A CONTA NÃO

Leia mais

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA LIMA, DICIEMBRE del 2012 Prof. Dr. Emilio Merino INDICE 1. Que es la movilidad

Leia mais

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana Historia Linha do Tempo Avaliação dos impactos metropolitanos no Rio de Janeiro do ajuste macroeconômico da reestruturação produtiva 1996 Cadernos Metrópole 1999 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

AULA 6 GEOGRAFIA URBANA. Reestruturação urbano industrial

AULA 6 GEOGRAFIA URBANA. Reestruturação urbano industrial AULA 6 GEOGRAFIA URBANA Reestruturação urbano industrial Indutor: Reestruturação produtiva em São Paulo: Crescimento maior do INTERIOR (perda de peso relativo da metrópole no crescimento industrial). Dados

Leia mais

Investimentos no Mercado Imobiliário Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Investimentos no Mercado Imobiliário Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais A População e o Território 1 A População e o Território Parte 1 2 Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais 1 Uma ocupação progressivamente mais intensa do território nacional: 3 A ocupação do solo em

Leia mais

Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano;

Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador FÓRUM TEMÁTICO DO PLANO SALVADOR 500 Camila Maleronka camila@p3urb.com.br c.maleronka@gmail.com 17 de abril de 2015. OPERAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ AGÊNCIA DE INOVAÇÃO UFPR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ AGÊNCIA DE INOVAÇÃO UFPR EDITAL PERMANENTE DE SELEÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA MODALIDADE RESIDENTE Edital nº AGI-01/2017 Processo n.º 23075.153629/2016-59 Este Edital se regerá

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.35, v.2, p , ago./dez RESENHA

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.35, v.2, p , ago./dez RESENHA RESENHA Jéssica Oliveira Barbosa Graduanda em Geografia da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal da Universidade Federal de Uberlândia - UFU. Rua Vinte, 1600, Tupã, CEP: 38.304-402, Ituiutaba-MG.

Leia mais

VERTICALIDADES E HORIZONTALIDADES NA PRODUÇÃO DOS ESPAÇOS TURÍSTICOS

VERTICALIDADES E HORIZONTALIDADES NA PRODUÇÃO DOS ESPAÇOS TURÍSTICOS VERTICALIDADES E HORIZONTALIDADES NA PRODUÇÃO DOS ESPAÇOS TURÍSTICOS Cristina Pereira de Araujo Instituição de origem: Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Tema 6: turismo, consumo

Leia mais

Histórico e Antecedentes PORTO DIGITAL PARQUE TECNOLÓGICO

Histórico e Antecedentes PORTO DIGITAL PARQUE TECNOLÓGICO Histórico e Antecedentes PORTO DIGITAL PARQUE TECNOLÓGICO 1. O Porto Digital Visão Geral Delimitação Geográfica 3 1.415.000 m² Bairro do Recife + Bairro de Santo Amaro A ideia... (2000) 4 Universidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação GESTÃO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação Nova condição territorial Na era da integração econômica regional e global, situações locais são

Leia mais

A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE

A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE Mesa de Diálogo 2 PRODUÇÃO do ESPAÇO PÚBLICO em SÃO LUIS, MARANHÃO. A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE Frederico Lago Burnett Professor Adjunto III UEMA São Luis, Ma. Dezembro, 2014 CIDADE:

Leia mais

O FUTURO DO INTERIOR Desafios e Oportunidades LUÍS RAMOS

O FUTURO DO INTERIOR Desafios e Oportunidades LUÍS RAMOS O FUTURO DO INTERIOR Desafios e Oportunidades LUÍS RAMOS 1 I. O INTERIOR: GEOGRAFIA OU METÁFORA? 2 I. O INTERIOR: GEOGRAFIA OU METÁFORA? 3 I. O INTERIOR: GEOGRAFIA OU METÁFORA? Perfil Territorial - Hipsometria,

Leia mais

A Expansão da Urbanização Litorânea e Turística na Região Metropolitana de Natal (RMN)

A Expansão da Urbanização Litorânea e Turística na Região Metropolitana de Natal (RMN) A Expansão da Urbanização Litorânea e Turística na Região Metropolitana de Natal (RMN) Ricardo Alexandre Paiva 1 Resumo O artigo analisa o processo de urbanização litorânea e turística verificado recentemente

Leia mais

PROJETO CIDADES Cidades Bases das Seleções 2014 URBAN SYSTEMS TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

PROJETO CIDADES Cidades Bases das Seleções 2014 URBAN SYSTEMS TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Cidades Bases das Seleções 1 CIDADES SEDES ESTÁDIOS Em Janeiro de 2009 a FIFA selecionou as 12 Cidades Sedes da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, descartando 6 cidades que se candidataram. Ao lado, em azul,

Leia mais